Edição #131

 

Embed or link this publication

Description

Edição de Novembro de 2012

Popular Pages


p. 1

figuras&negócios novembro 2012 pág 1

[close]

p. 2

carta do editor sumário editorial página aberta leitores ponto de ordem figuras de cá país mundo real cultura desporto África mundo reportagem economia e negócios em directo tecnologia vida social figuras de lá recado social 05 08 14 17 18 22 35 36 40 46 52 56 78 83 86 92 100 104 t rês reportagens sobre assuntos diferentes da vida nacional e internacional tornam esta edição mais rica e interessante precisamente no mês de novembro em que se assinala o 37° aniversário da independência nacional e o décimo terceiro da nossa publicação coincidentemente fomos homenageados no final de outubro em cerimónia que decorreu em paris com mais uma distinção pelo bid de reconhecimento pelo nosso trabalho de informar fica para trás um caminho que já somam vinte e cinco anos de estradas percorridas a fazer uma informação pintada a quatro cores começamos com a revista comércio externo internacionalizamo-nos e continuamos com figuras&negócios essencialmente na mesma temática apenas com maior abrangência não nos envaidecemos com pouca coisa reconhecemos que temos ainda muito por melhorar para podermos assumirmo-nos como uma publicação referencial no panorama da informação nacional interessa para isso e acima de tudo que cultivemos a nossa relação estreita com a sociedade onde nos inserimos que identifiquemos os problemas candentes que hoje tocam a todos e precisam de ser abordados numa perspectiva construtiva e saber ressaltar as vitórias que se vão conquistando nesta luta pela afirmaçao do país temo-lo dito que esse esforço de mudar angola e a mente dos angolanos sobretudo numa perspectiva de pensamento mais patriótico não se pode fazer sem a contribuição da comunicação social que tem de ter um papel determinante que precisa de ser compreendida por todos e é nessa frente onde queremos nos posicionar assumindo um lugar de destaque por isso é que contamos sempre com a opinião dos nossos leitores razão primeira da nossa existência não descurando evidentemente as empresas que ao anunciarem com regularidade nas nossas páginas cimentam e solidificam o projecto editorial que é de todos nós capa bruno senna o cartão de crédito ideal para a sua empresa bai business contas o banco de todos os momentos inspirado numa moeda de mercadoria nacional da antiguidade o bai business contas é o cartão de crédito feito à medida para a sua empresa ou instituição perfeito para adquirir bens e realizar pagamentos de serviços em estabelecimentos comerciais da rede visa em angola e no estrangeiro além de oferecer toda a conveniência necessária em viagens e representações vá a uma agência bai e conheça as vantagens do bai business contas para a sua empresa ou instituição figuras&negócios novembro pág angola · cabo verde · portugal · África do sul 2 www.bancobai.ao

[close]

p. 3

desporto 40 reportagem 56 economia 78 publicação mensal de economia negócios e sociedade ano 13 n.º 131 novembro ­ 2012 n º de registo 13/b/97 director geral victor aleixo redacção carlos miranda sebastião félix venceslau mateus e suzana mendes fotografia nsimba george e samy manuel colaboradores manuel muanza juliana evangelista crisa santos rita simões joão barbosa portugal wallace nunes brasil design e paginação humberto zage e sebastião miguel publicidade paulo medina chefe secretariado e assinaturas katila garcia revisão baptista neto distribuição e assinaturas portugal logista portugal distribuição de publicações s.a Área industrial do passil lote 1 a palhavã 2894-002 alcochete londres diogo júnior e16-1ld tel 00447944096312 tlm 07752619551 email todiogojr@hotmail com brasil wallace nunes móvel 55 11 9522-1373 e-mail nunewallace@gmail.com produção gráfica cor acabada lda tiragem 10.000 exemplares direcção e redacção edifício mutamba-luanda 2º andar porta s tel 222 397 185 222 335 866 fax 222 393 020 caixa postal 6375 e-mails figurasnegocios@hotmail.com artimagem@snet.co.ao site www.figurasenegocios.com pág pág social 92 vida pág figuras&negócios novembro 2012 pág 3

[close]

p. 4

figuras&negócios novembro pág 4

[close]

p. 5

editorial c somos vencedores defesa da calúnia ou do boato do denegrir por denegrir por isso sentimo-nos lisongeados quando de muito longe do nosso país chegam as mensagens de reconhecimento e isto quando sabemos que internamente os detractores se apressarão a denegrir ou minimizar o acto de que fomos honrados não temos dúvidas disso porque sentimos esse peso negativo mas é se calhar por esse facto que diante dos invejosos nos munimos de mais força para continuarmos a nossa jornada laboral angola tem um potencial de riqueza que precisa de ser conhecido tem um tecido humano valioso que reclama por uma moldagem de forma que a sua contribuição possa ser cada vez mais útil no erguer do edifício que se transforma num verdadeiro canteiro de obras e nessa empreitada a comunicação social joga um papel determinante quanto muito para fazer valer mais alto os valores da cidadania e do patriotismo quantas vezes atirados para as calendas gregas e é nessa senda que nos enquadramos conhecedores da realidade do nosso país sabemos que podemos jogar um papel realçante no saber pintar as cores de angola esse é um trabalho que deve ser feito pelos filhos de casa uma tarefa que não se compadece com alianças empacotadas para com o argumento de melhor se falar de angola sermos levados a atropelar os valores mais sagrados da nossa história da nossa cultura da nossa dignidade enquanto povos donos do seu próprio destino estão aí os muitos exemplos do que todos nós angolanos que nos entricheiramos no mundo da comunicação social ontem fizemos pela nossa dignidade de integrantes de um país que se constrói pedra a pedra tijolo a tijolo para se erguer por tudo isso dizemos que somos vencedores por tudo isso é que reclamamos que urge dar mais atenção nessa frente da comunicação à prata da casa porque queremos e podemos fazer muito mais sem bajulações com verticalidade pela imagem do nosso país dentro e fora das nossas fronteiras por tudo isso vamos continuar o percurso entrando para o 14° ano com a mesma determinação de ontem oincidentemente em novembro no dia 23 assinalamos 13 anos de existência como revista mensal de informação geral e fomos também contemplados em cerimónia que decorreu em paris ante a presença de representantes empresariais de várias partes do mundo muitos deles da média com um troféu de platina pelo nosso desempenho nessa arte de formar e informar regozijamo-nos com esse facto porquanto é o reconhecimento de que o trabalho tem sido acompanhado alí onde a nossa presença se faz sentir e enche-nos de orgulho porque o gesto significa um salário moral por tudo o que temos feito no domínio da comunicação vale dizer aliás que se completamos 13 anos como revista figuras&negócios o nosso percurso de fazer revista a quatro cores já vem muito longe tempo somado onde iniciamos com a comércio externo com a angolan business já lá vão vinte e cinco anos de um percurso ininterrupto que deu tempo para uma experiência no jornalismo de informação semanal com o comércio actualidade dos primeiros órgãos que se assumiu como independente dos cobertores do poder e fez história com a sua linha editorial vertical tudo isso faz-nos vencedores principalmente por termos sabido ultrapassar os empecilhos que se colocaram diante do nosso caminho mas acima de tudo orgulhosos por termos conseguido sempre privilegiar a prata da casa num projecto editorial onde os alicerces se posicionam em saber pintar o nosso país tal qual é assinalando as vitórias alguns erros muitos deles que hoje já não se justificam e se só aceitam porque ainda não está enraizada a cultura de gestão participativa como mandam as regras da democracia que angola e os angolanos têm de saber construir goste-se ou não se goste desta nossa maneira de ser e estar no mundo da comunicação social angolana não é possível ignorar o esforço experiência e saber em prol dos objectivos que desde o primeiro dia propugnamos de sabermos estar na linha da frente de se fazer uma informação objectiva livre do sensacionalismo barato da figuras&negócios novembro 2012 pág 5

[close]

p. 6

figuras&negócios novembro pág 6

[close]

p. 7

figuras&negócios novembro 2012 pág 7

[close]

p. 8

página aberta com um ar cansado talvez devido as lutas travadas contra os que considera usurpadores do poder local que tudo fazem para conseguir protagonismo o soberano ngola buba dalamana recebeu a equipa da revista figuras negócios com quem abordou aspectos ligados a vida do reino manifestando o seu descontentamento com os últimos acontecimentos que dizem respeito a vida política social e económica do reino sua majestade ngola buba nvula dalamana diz ser imperioso que as autoridades angolanas promovam de forma mais abrangente um diálogo para se acabar com as tentativas de usurpação do poder local por parte de pessoas que nada têm a ver com a família real do reino do ndongo por venceslau mateus texto nsimba george fotos figuras&negócios novembro pág 8

[close]

p. 9

página aberta rei ngola buba nvula dalamana oportunistas querem usurpar iguras&negócios rei ngola buba dalamana o que nos pode falar sobre a importância do reino do ndongo no processo de libertação de angola rei ngola buba nvula dalamana r.n.b.n.d o reino do ndongo é de capital importância no processo de afirmação do país pois muitos dos seus filhos tudo fizeram ao longo dos vários processos da luta de libertação de angola concretamente as lutas travadas pelos soberanos ngola kiluanje nzinga mbande ngola kanine entre outros que travaram imensas batalhas contra os colonos portugueses tendo em conta a sua dimensão o reino do ndongo foi de capital importância no processo que culminou com a independência de angola f&n de um tempo a esta parte o reino tem sido assolado por inúmeras clivagens estou a referir-me às lutas internas que estão a acontecer pela conquista do poder isto é o aparecimento de pessoas que se auto-intitulam soberanos do reino do ndongo o que é que está a acontecer exactamente e o que está a ser feito para a resolução definitiva deste o poder do reino ndongo f conflito r.n.b.n.d já tivemos um encontro no quéssua para a resolução deste problema e durante o mesmo encontro foi dito pelas pessoas que conhecem a história que o único soberano reconhecido é ngola buba dalamana mas o assunto volta a tona ao longo da campanha elei o único soberano reconhecido é ngola buba dalamana mas o assunto volta a tona ao longo da campanha eleitoral com o surgimento de um suposto rei ngola kiluanje kiassamba.este individuo não pode e nem deve falar em nome da corte do reino do ndongo porque não é o representante do reino por ser oriundo de uma tribo do congo e que nada têm com o reino do ndongo toral com o surgimento de um suposto rei ngola kiluanje kiassamba este individuo não pode e nem deve falar em nome da corte do reino do ndongo porque não é o representante do reino por ser oriundo de uma tribo do congo e que nada tem com o reino do ndongo É uma situação bastante inquietante dai a razão do diálogo permanente com o anterior governador da província de malanje boaventura cardoso a quem tinhamos apresentado a preocupação para interceder junto do presidente da república josé eduardo dos santos para ajudar a resolver o caso são pessoas que falam do reino mas que não vivem no local isto é estão aqui em luanda e querem falar como legítimos representantes do reino f&n para além do encontro que mantiveram em malanje que outros passos foram dados ou têm sido dados r.n.b.n.d este pessoal só tem espaço de manobra em luanda porque em malanje onde todo mundo conhece a história não são levados em consideração então é necessário que o governo central não dê espaço a estas pessoas não os dê guarida e caso insistam devem ser aconselhados a irem a malanje para sentarmos com as autoridades tradicionais e governamentais É necessário muito cuidado porque são pessoas que estão a tentar usurpar poderes tradicionais o que pode provocar situações menos boas o governo de malanje está preocupado a sociedade civil está preocupada portanto há que se por fim a banalização do poder tradicional f&n mas fora as questões internas há uma situação que também está a preocupar o soberano estava aqui a dizer-me da necessidade de se atribuir um estatuto especial isto é maior reconhecimento às entidades do poder tradicional r.n.b.n.d É verdade É um figuras&negócios novembro 2012 pág 9

[close]

p. 10

página aberta estatuto para dignificar o poder tradicional local e vedar o espaço aos oportunistas o reconhecimento incondicional do soberano do ndongo vai permitir a implementação e construção do monumento/memorial um local onde todas as pessoas poderão encontrar informações sobre a história do reino do ndongo o respeito das autoridades tradicionais do reino do ndongo passa portanto pelo reconhecimento da sua autoridade do seu papel na história de angola f&n apontou a necessidade da construção de um memorial É necessário muito cuidado porque são pessoas que estão a tentar usurpar poderes tradicionais o que pode provocar situações menos boas o governo de malanje está preocupado a sociedade civil está preocupada portanto há que se por fim a banalização do poder tradicional o que está a ser feito para a concretização deste objectivo r.n.b.n.d esta é uma batalha que está a ser travada há muitos anos e temos a certeza de que será concretizada pois o governo já deu mostras de que vai apostar neste sentido construindo um monumento vai beneficiar todos beneficia a província em particular e o país em geral a edificação de um espaço desta dimensão dignifica a história do reino do ndongo À semelhança do que o governo fez com a figura do rei ekuiki ii do reino do bailundo o que se pretende é que se faça o mesmo figuras&negócios novembro pág 10

[close]

p. 11

página aberta figuras&negócios novembro 2012 pág 11

[close]

p. 12

página aberta para com o reino do ndongo o reino do ndongo tem uma história no país e devemos todos fazer um esforço para que tal história não caia no esquecimento fazendo com que a população principalmente a juventude e crianças possam saber a importância do papel desempenhado pelos soberanos deste reino na história de angola o que se pretende simplesmente é que se coloque no devido lugar o reino do ndongo razão pela qual tem-se feito um grande esforço o reconhecimento incondicional do soberano do ndongo vai permitir a implementação e construção do monumento memorial um local onde todas as pessoas poderão encontrar informações sobre a história do reino do ndongo o respeito das autoridades tradicionais do reino do ndongo passa portanto pelo reconhecimento da sua autoridade do seu papel na história de angola para junto das autoridades locais e centrais se construa o memorial dedicado ao reino do ndongo f&n falou da situação do reino do seu papel na história de angola o que nos pode falar sobre o desenvolvimento da região da marimba r.n.b.n.d não há desenvolvimento na região É necessário um trabalho de fundo para se reabilitar as vias de acesso e se colocar na zona os principais serviços concretamente hospitais e esco figuras&negócios novembro pág 12

[close]

p. 13

página aberta o soberano e a sua família mais próxima e colaboradores las a região está desprovida dos vários serviços temos crianças fora do sistema normal de ensino não há hospitais e acima de tudo as vias de acesso estão intransitáveis por altura das chuvas ninguém consegue lá ir porque não há como transitar naquelas estradas É necessário que numa primeira fase o governo faça pelo menos uma terraplanagem para melhorar a circulação de pessoas e bens a fim de permitir que a zona conheça também níveis de desenvolvimento como acontece com outras no país a região está desprovida de escolas hospitais infra-estruturas essenciais e necessárias para que possa dar o salto que se pretende atingir em termos de desenvolvimento mas o mais importante nesta fase é a reabilitação das vias de acesso tendo em conta que sem estradas em condições não há trocas comerciais isto é não há entrada e saída de produtos om 83 anos de idade ngola buba nvula dalamana está no poder desde 1993 sendo o 45° soberano do reino do ndongo o reino do ndongo foi fundado pelo rei ngola nzinga que liderou a emigração do povo bantu ambundu do rio níger contornando outros reinos daquela época incluindo o reino do kongo o reino do ndongo ou reino do ngola é o nome de um estado pré-colonial africano na actual angola criado por subgrupos dos ambundu os registos mais antigos acerca deste reino datam do século xvi ndongo foi como matamba um dos vários estados vassalos do reino do kongo que existiram na área habitada pelos ambundu da sua história constam os nomes de nzinga mbandi ngola kiluanje ngola kanini ngola mbandi entre outros como as principais referências do reino do ndongo os territórios do então chamado reino do ndongo compreendiam faixas de terra entre dois importantes rios da região o kwanza e o bengo cercado por importantes reinos da África centro ocidental como o congo e a matamba o ndongo era habitado pelos mbundus povo de origem banto falante de kimbundu a principal autoridade entre os mbundus era o ngola título que deu origem a designação portuguesa angola para as suas conquistas o sistema político e administrativo do reino do ndongo nesse período era diferente do modelo vigente no reino do congo contrariamente ao congo onde por exemplo um mani mbata era governador da província de mbata um manimbamba governador da província de mbamba e assim por diante no ndongo não havia governadores de províncias c carta de apresentação figuras&negócios novembro 2012 pág 13

[close]

p. 14

leitores paludismo dá maka l i nas redes sociais mais concretamente no facebook uma carta de um angolano que eu conheço e bem trata-se de uma estória que sinceramente penso partilhar com os vossos caríssimos leitores a dica é que ele o nosso mwangolê avisado e formado superiormente como é recebeu de uma amiga a seguinte carta que aqui e agora resumo ela a nossa amiga tuga imigrou há um tempinho para angola apanhou malária e doente da cabeça,do espírito e do corpo regressou com ela nos ossos e logo que aterrou no aeroporto da portela tocou a tratar mal o país hospedeiro angola dizendo que é uma merda e que apesar de ter conseguido arrecadar uns bons milhares de dólares jamais regressaria pois bem ela mandou para as urtigas quem a recebeu de braços aber tos e ainda foi capaz de facilitar-lhe a recepção de uma boa massa aconselhei ao meu bom irmão para não levar a sério o que a tuguinha mal agradecida disse e que por maioria de razão nem todos os tugas agem como ela o fez para amenizar a maka que ela procurou apenas disse ao nosso camba que por mal dos pecados lá vamos tendo em angola alguns mosquitos vingadores do tipo epah vai e volta em paz caso contrário levas com uma picada plasmodiuns que fazem estragos à alma são os que faltavam caros amigos a verdade pura e simples é que se passos coelho paulo portas victor gaspar e outros governantes portugueses de boa alma tivessem o comportamento da nossa amiga do amigo angolano se calhar nem os alemães nem os holandeses pensariam meter cá os pés antes dos tugas acordo com o projeto de parecer sobre o orçamento do estado para 2013 ao qual a lusa teve acesso o conselho económico e social ces salienta o facto de portugal ser dos países que mais está a reduzir o nível de emprego e em que a taxa de desemprego mais tem subido in jornal de notícias o historiador manuel loff disse numa das conferências portugal e o holocausto e toda a gente sabe que os tugas estão fartos de conhecer angola os seus hábitos e costumes as suas cores e doenças com as quais souberam lidar durante cerca de quinhentos anos ao meu caro amigo cujo nome escuso-me de citar mando-lhe um grande abraço solidário como tuga que sou mas com alma pura mwangolê outra coisa como a senhora está doente então só me resta como pessoa de um bom país desejar-lhe as rápidas melhoras com o desejo sincero de se recuperar da crise palúdica e prontificar-se para apanhar outra os bons portugueses permanecem em angola e eu quando quiser voltar pois está claro que voltarei porque sempre me trataram bem posto isto um abraço para os angolanos de bem e os portugueses de bem querer antónio s melo soares lisboa realizadas em finais de outubro que o discurso antirracista foi fabricado pelo estado novo e que salazar foi cúmplice involuntário do genocídio tendemos a aceitar que a política de salazar não era racista e que foi solidário para com as vítimas dos nazis eu não aceito afirmou manuel loff da universidade do porto salazar não actuava na ignorância das questões do holocausto disse o investigador da universidade do porto ­ in diário de notícias tiradas da imprensa o conselho económico e social estima que no espaço de cinco anos entre 2008 e 2013 a economia portuguesa tenha destruído quase 650 mil empregos 428 mil dos quais desde que portugal pediu ajuda externa à troika de figuras&negócios novembro pág 14

[close]

p. 15

leitores ma vez mais o bom povo da guiné-bissau é assaltado por uma série de notícias cujos autores continuam a ser os mesmos de sempre altas patentes militares totalmente entregues à sede da vingança,de conquista de posições no poder trata se de um país com uma história fantástica de luta pela sua própria libertação do jugo colonialfascista português de ajuda solidária dos combatentes do célebre partido africano para a independência da guiné e cabo verde paigc que através de amílcar cabral souberam dar bons exemplos de patriotismo hoje pode-se dizer que a guiné bissau está entregue a um governo de transição sem autoridade moral fala-se do piorio deste estado africano irmão inclusive já existem condenações vigorosas de certos países que se sentem incapazes de lá investir uma vez que a guiné bissau é tida como uma plataforma de traficantes de droga o que mais me dói é que a comunidade internacional não toma atitudes mais vigorosas em relação ao estado de violência insegurança e um subdesenvolvimento acentuado da irmã guiné uma questão deve ser colocada à própria onu quem acode o povo guineense sebastião coelho lemos benguela u quem acode a guiné-bissau bocas soltas o presidente da república enviou à assembleia nacional uma nota dizendo que embora pudesse estar presente na sessão plenária da assembleia nacional de abertura do novo ano legislativo não faria o discurso sobre o estado da nação uma vez que as linhas gerais da sua intervenção na cerimónia de posse como chefe do estado já reflectiam tudo o que se passa no país.mais coisa menos coisa o certo é que o parlamento angolano anuíu a tal propósito e vai-se andando apesar de fortes contestações da oposição fomos colher opiniões de alguns cidadãos anónimos em minha opinião este é o momento para se acalmar os ânimos político-partidários ele o presidente da república é o garante da estabilidade não tem que ter receio algum de aparecer diante da mais alta representação do poder em angola para falar o que lhe vier na cabeça o presidente da república fez muito bem em não aparecer no parlamento para discursar.iria falar mais o quê o que ele já tinha dito no acto da sua investidura como pr eleito foi de compreensão de todos incluindo da própria oposição mas esta fez o seu trabalho a nível parlamentar contestando tal posição do pr acho que devia ir sim senhor!ainda que fizesse uma retrospectiva do que fez no último mandato por sinal foram factos mais positivos que negativos.como mais-velho devia até agarrar a oportunidade para apelar ao bom senso a nível dos deputados grande parte dos quais bastante jovens É evidente que a oposição se tenha aproveitado de um facto político provocado pelo próprio presidente da república que nesse caso deve ter sido muito mal aconselhado pelos seus assessores acho que o pr não se sentiu muito bem depois deste erro há pessoas que acreditam que ele tem ainda muito a dizer sobre o estado da nação nomeadamente sobre os problemas da água e da luz da pobreza e sobretudo em relação à má distribuição das riquezas nacionais.no parlamento seria uma oportunidade singular para sossegar os ânimos mais exaltados de alguns da oposição que passam a vida a criticar o executivo angolano sem apresentar alternativas para a resolução dos problemas avc e ataques cardíacos in revista veja a percentagem de testes positivos em gestantes em todo o país diminuiu de 9,8 porcento em 2007 para 4,8 em 2011 fruto do esforço que o executivo tem desenvolvido no combate à pandemia informou a técnica do departamento de apoio clínico e médico do instituto nacional de luta contra a sida ana maria pascoal in angop figuras&negócios novembro 2012 pág 15 a vacina contra a gripe pode ter outros efeitos além de prevenir a infecção por vírus ela também pode diminuir os riscos de o paciente desenvolver doenças cardiovasculares segundo duas pesquisas divulgadas no congresso cardiovascular canadense de 2012 a vacina pode ser um importante tratamento para manter a saúde do coração e prevenir eventos como acidentes vasculares cerebrais

[close]

Comments

no comments yet