Figuras&Negócios #129

 

Embed or link this publication

Description

Figuras&Negócios #129

Popular Pages


p. 1

figuras&negócios setembro 2012 pág 1

[close]

p. 2

figuras&negócios setembro pág 2

[close]

p. 3

figuras&negócios setembro 2012 pág 3

[close]

p. 4

carta do editor sumário editorial dossier ponto de ordem cultura reportagem figuras do mês figuras de cá mundo real economia e negócios em directo desporto África tecnologia vida social figuras de lá recado social 05 08 17 52 58 64 68 73 74 77 78 82 86 94 100 104 a ngola viveu um dos momentos mais decisivos no caminho que está a fazer para a consolidação da sua democracia trata-se da realização das suas terceiras eleições gerais as segundas em tempo de paz efectiva a revista figuras negócios acompanhou desde o início todo o processo que culminou com a ida às urnas de milhões de angolanos num clima sereno ordeiro enfim sem makas como se diz na gíria originando o aplauso geral da comunidade internacional para fechar o vasto número de dossiers aqui publicado cá vai mais um para que se saiba quem venceu o pleito quem saíu derrotado e os gráficos dos resultados das eleições do 31 de agosto para além das sempre presentes análises dos nossos comentaristas de serviço o mpla partido no poder desde que angola se conhece como país independente voltou a ganhar as eleições com números que lhe dão a tão desejada maioria garantindo assim um mandato de cinco anos para governar o país josé eduardo dos santos o seu cabeça de lista continua à frente dos destinos da república como presidente apesar da contestação dos resultados eleitorais por parte da unita o maior partido da oposição a verdade é que por seu turno as missões de observadores internacionais que monitorizaram o escrutínio consideraram-no como transparente e democrático uma questão que alías é analisada aqui com algum destaque no nosso dossier sobre o assunto a história das eleições está pois contada nas páginas deste nossa/vossa revista mas outros assuntos de carácter económico social desportivo e cultural também são aqui abordados a par da publicação das nossas habituais rubricas que foram deleitando os nossos estimados leitores ao longo de todos esses anos n.e desejamos a todos boa leitura e que os nossos deputados e governantes façam tudo o que estiver ao seu alcance para que a paz a democracia e a prosperidade reinem na nossa pátria capa pedro hiangalalo figuras&negócios setembro pág 4

[close]

p. 5

dossier 08 figura do mês 20 desporto 78 publicação mensal de economia negócios e sociedade ano 12 n.º 129 setembro ­ 2012 n º de registo 13/b/97 director geral victor aleixo redacção carlos miranda sebastião félix venceslau mateus e suzana mendes fotografia nsimba george e samy manuel colaboradores manuel muanza juliana evangelista crisa santos rita simões joão barbosa portugal mário santos inglaterra wallace nunes brasil e sousa jamba eua design e paginação humberto zage e sebastião miguel publicidade paulo medina chefe secretariado e assinaturas katila garcia revisão baptista neto distribuição e assinaturas portugal logistica portugal distribuição de publicações s.a Área industrial do passil lote 1 a palhavã 2894-002 alcochete londres diogo júnior e16-1ld tel 00447944096312 tlm 07752619551 email todiogojr@hotmail com brasil wallace nunes móvel 55 11 9522-1373 e-mail wallace_nunes@hotmail.com produção gráfica cor acabada lda tiragem 10.000 exemplares direcção e redacção edifício mutamba-luanda 2º andar porta s tel 222 397 185 222 335 866 fax 222 393 020 caixa postal 6375 e-mails figurasnegocios@hotmail.com artimagem@snet.co.ao site www.figurasenegocios.com pág pág pág pág África 82 figuras&negócios setembro 2012 pág 5

[close]

p. 6

figuras&negócios setembro pág 6

[close]

p. 7

editorial presidente dos angolanos presidente eduardo dos santos é novamente capa da nossa revista as razões assim o justificam se tivermos em conta que grande parte desta edição é dedicada a análise do pleito eleitoral recentemente realizado no país josé eduardo dos santos foi o cabeça de lista do mpla às eleições simultâneas legislativas/presidenciais vencendo com pouco mais de 71 o mpla vai continuar a governar o país e concomitantemente eduardo dos santos inicia mais um mandato presidencial até ao ano de 2017 facto relevante é que desde que se estabeleceu o sistema multipartidário em angola em 1990 esta é a primeira vez que eduardo dos santos ganha nas urnas tendo-se em conta porém que nas eleições de 1992 ele venceu na primeira volta mas com um score insuficiente para se declarar vencedor com o eclodir da guerra fratricida eduardo dos santos suportado pela lei manteve-se no cargo presidencial e só agora curiosamente com a eleição simultânea legislativas presidenciais por imposição da nova constituição é que josé eduardo dos santos se torna presidente da república legitimado pelas urnas para trás fica um percurso de trinta e três anos de governação sendo no entanto importante referir que apenas nos últimos 12 anos a sua governação se efectiva em clima de paz assumindo-se agora como presidente de todos os angolanos eleito pelo voto dos cidadãos eduardo dos santos deixa para trás todo um caminho que teve que percorrer para vincar a sua personalidade tornando-se hoje na primeira referência obrigatória no cenário político angolano moldou consciências separou águas no seu partido impôs o seu estilo de governação e se ontem se dizia que o presidente ia ao reboque do seu partido hoje os valores estão invertidos como presidente do mpla ele se constituiu no pilar impulsionador da força do mpla e isso ficou bem patente no recente pleito eleitoral onde a estrela de vencedor ganha corpo com o seu o envolvimento directo na campanha sem figuras relevantes hoje na sua estrutura de proa quanto a banho de massas eduardo dos santos soube evidenciar a sua veia política cativante nos encontros populares que o fizeram percorrer em tempos recordes cerca de dez províncias do país frio e calculista eduardo dos santos inverteu as regras do jogo não era muito dado pelo menos assim o demonstrou nesses longos anos à fente do cadeirão presidencial a banhos de massas mas contingências do momento quando ele deixa evidente a sua vontade de passar o testemunho veio ao de cima a sua forma de saber actuar na política ai sim privilegiou o banho de massas e acima de tudo demonstrou que está com a força e estratégia para influenciar e de que maneira o destino quer no seio do seu partido o mpla como de angola na procura do seu sucessor os próximos dois anos serão decisivos nesse separar e temperar os ingredientes para se compreender o que eduardo dos santos entende porque assim moldou o sistema como o melhor quer para o seu partido como para os angolanos onde o mpla já deixou evidente que quer continuar a ser a força dirigente desportista homem de fino trato eduardo dos santos soube vencer os empecilhos ultrapassar os obstáculos que surgiram ao longo da sua governação moldou as estruturas dirigentes ao seu estilo criou espaço para os discordantes se afastarem ou ficarem sem margem para incómodos apadrinhou com o seu silêncio que inteligentemente pode significar consentimento algum culto de personalidade muitas vezes confundido com autêntica bajulação em torno da sua pessoa mas são os ofícios que a política engendra para quem vive dentro dela por tudo isso josé eduardo dos santos é hoje o presidente de todos os angolanos eleito por um povo que o aclamou e que ele prometeu uma governação diferente para arrumar a «casa» são bons trunfos figuras&negócios setembro 2012 pág 7

[close]

p. 8

figuras&negócios setembro pág 8

[close]

p. 9

figuras&negócios setembro 2012 pág 9

[close]

p. 10

dossier eleições 2012 angolanos foram às urnas 3 que ficará gravado na história da 1 de agosto de 2012 mais um dia terceira vez os angolanos foram nascente democracia angolana pela a alteração da constituição fizeàs urnas e pela primeira vez após nte os deputados ao parlamento ram-no para eleger simultâneame votos sidente da república na luta pelos nacional e o presidente e vice-pre o colis mpla fnla prs e unita e cinc estiveram quatro partidos político la com a papod cpo e casa-ce o mp gações nova democracia nd fum nas foi o vencedor ganhando o direito uma maioria qualificada de 71,82 enheiro gente da nação igualmente o eng urnas de continuar a ser a força diri 10 figuras&negócios setembro pág.

[close]

p. 11

dossier josé eduardo dos santos foi eleito com a mesma margem presidente da república de angola para um mandato de cinco anos será coadjuvado por manuel vicente também eleito no pleito como vice-presidente observadores nacionais e internacionais reconheceram a justeza e transparência do pleito que decorreu com normalidade transformando-se como era desejo da comissão nacional eleitoral numa festa pela paz e democracia nas páginas seguintes apresentamos um relato circunstancial do evento que marcou este ano a vida dos angolanos figuras&negócios setembro 2012 pág 11

[close]

p. 12

dossier eleições em angola 2012 anotame alguns a por por martinho júnior texto a o momento mais decisivo do eleitor democracia representativa em angola acaba de perfazer mais uma etapa dez anos depois do calar das armas e depois de transformações operadas no estado nas instituições existentes do estado e de toda a sociedade na economia nas finanças no sistema jurídico na lei constitucional estas eleições por outro lado tendo em conta as transformações humanas demográficas e sócio-políticas estão a fornecer indicadores de vária ordem sobre as alterações a que a sociedade angolana está a ser sujeita uns que se podem considerar inequívocos ­ angola está a ser conduzida para uma lógica capitalista tirando partido duma economia assente na exploração do petróleo agora também do gás e de minérios com evidência maior para os diamantes os níveis de infra-estruturas e estruturas recuperadas superam já os níveis dos últimos anos de colonialismo a administração pública a educação e a saúde possuem estruturas e equipamentos que nunca houveram em angola restando no entanto muito por fazer em termos humanos de superação ética profissional organizacional prevenção conhecimento e alargamento de sistemas a fim de diminuir os padrões crónicos de subdesenvolvimento que se arrastam do passado histórico por vezes agravados com a profunda desestabilização que figuras&negócios setembro pág 12

[close]

p. 13

dossier mento sobre aspectos gerais somalizou na última década do século xx praticamente todo o país outros mais controversos ­ uma vez que angola assiste ao despertar da sua sociedade uma sociedade onde os jovens predominam e que em função da estratificação social que se foi formando está a ficar em ponto de rebuçado para as transformações que atingem o tecido humano com reflexos culturais sócio-políticos psicológicos e como é evidente nos partidos nas suas aptidões nos seus assentamentos e capacidades de mobilização as transformações sociais em curso sob impacto antropológico intensivo constituem desafios para os partidos que ou se adaptam e respondem às expectativas ou deixam de ser sentidos como referência mesmo aqueles que tenham longa história e estejam implantados há várias décadas estas eleições vieram confirmar uma regra a vontade dos angolanos apostarem-se na paz e na democracia expressa pela forma como todos se comportaram antes durante e imediatamente a seguir aos actos do dia 31 de agosto até ao momento que escrevo há um aumento considerável de abstenção e de voto em branco em relação a 2008 por uma multiplicidade de razões em relação às abstenções 3.759.837 por exemplo entre outras coisas pesou o facto técnico de que aqueles que por qualquer razão se afastaram das mesas eleitorais que haviam optado para votar mais de cinco milhões de angolanos votaram desde 2011 terem sido impedidos de o fazer conforme ao que a cne decidiu em todo o território nacional havia que respeitar os cadernos eleitorais disponíveis para cada mesa identificando um a um os eleitores houve portanto mais exigência mais rigor mais celeridade mais idoneidade e mais disciplina no acto do voto a abstenção corresponde a um partido que ficaria em 2º lugar com mais de três vezes os votantes favoráveis à unita a abstenção atingiu cerca de 38 do censo pelo que terão votado apenas 62 dos inscritos no censo o que está muito distante dos números similares de 2008 o mpla perfez 4.054.109 votos a abstenção foi de 3.759.837 e a unita perfez 1.055.592 votos essas categorias de votos foram as que activa e passivamente se expressaram acima do milhão em relação ao voto em branco 211.127 à revelia duma melhor definição da própria identidade nacional parece-me que revelam a expressão dum maior desencanto em relação às políticas que foram seguidas pelo estado sob orientação do mpla durante pelo menos os quatro últimos anos tendo em conta as opções tomadas e os reflexos da textura cultural sócio-política-económia e psicológica a província com a menor percentagem de voto em branco foi luanda com 1,26 e a que teve figuras&negócios setembro 2012 pág 13

[close]

p. 14

dossier uma maior percentagem foi malange com 6.05 das províncias com maior percentagem de voto em branco acima da média nacional que são 10,6 fazem parte do grupo que não tem contactos fronteiriços e onde a malha política-administrativa é mais densa o número equivaleria a um partido que se situaria no 4º lugar com 3,52 praticamente colado ao casa-ce há muitos angolanos que aparentemente não se deixaram convencer por nenhum dos partidos concorrentes nem por seus programas ou ausência deles ­ sob o ponto de vista de preparação dos actos de registo com formação dos cadernos eleitorais e disciplina do voto bem como na absorção de métodos e tecnologias para os actos o ministério da administração do território e a comissão nacional eleitoral tiveram significativos avanços que se podem considerar de complementares exemplares e com possibilidades de serem confirmados por todos os observadores e em outras acções próximas os dados a que me vou reportar são ainda provisórios e recolhidos com base nos relatórios apresentados dia 4 de setembro de 2012 pelas 09h48 quando já estavam escrutinadas 97,37 de mesas e o censo escrutinado era de 97,81 são 8 as províncias sem contacto com as fronteiras onde se concentram 13.278.063 habitantes cerca de 70 da população e 10 as províncias fronteiriças com 5.298.507 habitantes cerca de 30 da população esta questão prende-se com a formação em razão inversa da identidade nacional e das assimetrias em todo o espaço nacional tendo em consideração a inter-acção população-espaço físico-geográfico prende-se ainda quer com a formação e evolução dos etnonacionalismos conforme é o caso o poder não pode apostar apenas na inteligência do cimento resistente e residual da fnla quer com a formação e evolução de partidos que buscam o federalismo tirando partido de implantação étnica-regional aglutinando franjas económicas específicas da população em relação à área dos diamantes como é o caso do prs ­ partido de renovação social ­ os observadores angolanos e internacionais presentes foram expressivos na ênfase que deram a todos os actos foram praticamente unânimes nas considerações e nos louvores o que não invalida a legitimidade das reclamações que possam haver por parte dos partidos essa unanimidade não se pode considerar apenas uma forma simpática de referência pois muitos deles procuram detalhar e ilustrar com amostras e exemplos de toda a ordem julgo que muitos terão vivido com curiosidade e um certo entusiasmo para além do zelo profissional que implementaram nas suas actividades em prol da observação das eleições o processo foi não só de aprendizagem para angola mas também para a região e mesmo para África ­ os partidos concorrentes poderiam preparar melhor os seus programas de acção aquilo a que se propunham fazer para o quinquénio que se segue à excepção do mpla as eleições referem-se a compromissos responsabilidades e alguns optaram por critérios mais aferidos a emoções repescando os descontentamentos de algumas franjas da população em especial de jovens que por vezes têm até sido induzidos à provocação à semelhança do que acontece em várias partes do mundo figuras&negócios setembro pág 14

[close]

p. 15

dossier há tendências que preferem alinhar-se a esse tipo de opções e aos interesses de inteligência das potências particularmente dos estados unidos como se verificou desde 2010 com as primaveras árabes os partidos precisam de fazer um trabalho mais maduro e pedagógico mais aferido ao comportamento da população nos actos eleitorais ­ sob o ponto de vista das acções relativas à realização do censo populacional e habitacional de 2013 os ganhos tecnológicos e os conhecimentos adquiridos com as experiências prévias e dos actos eleitorais fazem-me prever que angola conseguirá atingir muitos dos objectivos a que se propõe alcançar a fim de conseguir um exaustivo inventário da situação que é indispensável para o delineamento de geo estratégias e programas do futuro as operações de transporte e logística que se implicam tiveram agora um excelente ensaio para esse efeito algo que não se pode perder estas eleições foram também um ensaio e antecâmara sob os aspectos logísticos de transporte técnico tecnológico e organizacional das eleições para as autarquias que deverão ocorrer em 2014 os aperfeiçoamentos multi-sectoriais estão em curso pelo que as eleições de 2017 vão confirmar avanços muito significativos dos processos ao nível do melhor que se pode alcançar em África com cada vez mais possibilidades de abertura à cidadania e à participação inclusive no âmbito da tomada de decisões pelo menos a nível local jornalista e antigo colunista do extinto semanário actual assina no site página global uma série de análises sobre o nosso país as eleições de angola cujos resultados e desempenho dos partidos concorrentes mereceram a sua reflexão que apresentamos aqui em dossier e secundarizar a inteligência humana figuras&negócios setembro 2012 pág 15

[close]

Comments

no comments yet