Revista De Biasi

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

em revista 3º trimestre 2012 edição 3 ano i sustentabilidade de ponta a ponta cadeia de fornecedores cuidado com os elos frágeis entrevista oded grajew empresas devem exercer seu poder político inpev exemplo de gestão e logística reversa

[close]

p. 2

2 de biasi em revista

[close]

p. 3

desenvolvimento sustentável a rio 20 movimentou o brasil e o mundo em torno do tema desenvolvimento sustentável nesta edição da de biasi em revista decidimos abordar o tema de um ponto de vista bastante específico o papel das empresas no processo de fortalecimento da sustentabilidade ambiental social e econômica o fio condutor das reportagens é a entrevista com oded grajew coordenador do movimento nossa são paulo e criador do instituto ethos para ele à falta de um acordo global nada impede que cada um faça a sua parte e os empresários socialmente responsáveis podem e devem unir forças e exercer seu grande poder de pressão sobre os políticos É dessa ótica que as reportagens discutem temas como auditoria na cadeia de fornecedores e prevenção de riscos trabalhistas e tributários também apresentamos um exemplo concreto de como o compartilhamento das responsabilidades por todos os elos de uma cadeia produtiva pode gerar resultados expressivos em uma década o instituto nacional de processamento de embalagens vazias inpev recolheu mais de 200 mil toneladas de embalagens o resultado expressa uma cuidadosa gestão de todos os elos da cadeia É um exemplo bem acabado de responsabilidade de ponta a ponta esperamos que você aprecie esta edição da de biasi em revista e que nossas reportagens sejam úteis para a gestão de seus negócios boa leitura adriana almeida resende de miranda sócia-gerente da de biasi auditores independentes sua participação é muito importante para o aprimoramento da de biasi em revista mande suas críticas sua opinião e suas sugestões para revista@debiasi.com.br.

[close]

p. 4

Índice 5 9 10 13 16 18 20 21 entrevista oded grajew empresas devem exercer seu poder político boas práticas mercado valoriza balanço social cadeia de fornecedores sustentabilidade de ponta a ponta terceirização a solução que pode virar problema o exemplo do inpev logística reversa responsabilidade compartilhada ponto por ponto sinal de alerta riscos tributários inadimplência de icms preocupa artigo terceirização campo minado de controvérsia ex-libris comunicação intregrada av paulista 509 cj 602 01311-000 são paulo sp tel 11 3266-6088 contato@libris.com.br libris.com.br editor-responsável jayme brener mtb 19.289 editora geralda privatti projeto gráfico e diagramação wilma temin/area design a de biasi em revista é uma publicação trimestral da de biasi auditores independentes com distribuição gratuita e dirigida tiragem de 2.500 exemplares revista@debiasi.com.br

[close]

p. 5

eliane carvalho oded grajew empresas devem exercer seu poder político ação local é a melhor resposta para a falta de acordo global entre os países a maioria dos políticos está a serviço dos interesses empresariais de alguns os sucessivos escândalos envolvendo parlamentares e autoridades comprovam a afirmação então por que não inverter o jogo os empresários preocupados com a responsabilidade social e ambiental podem exercer um importante papel político se há uma `bancada ruralista por que não criar a `bancada da sustentabilidade pergunta oded grajew coordenador do movimento nossa são paulo criador do instituto ethos de empresas e responsabilidade social e idealizador do fórum social mundial ele acredita que as empresas grandes ou pequenas têm um enorme poder de pressão sobre os candidatos a futuros prefeitos de suas cidades quando o tema é sustentabilidade grajew entende do assunto como empresário e como articulador da responsabilidade social em 1972 ele fundou a grow jogos e brinquedos vinte e um anos depois quando saiu da sociedade seu nome se destacava de biasi em revista 5

[close]

p. 6

no cenário nacional como referência em boas práticas veja a seguir a entrevista de oded grajew de biasi em revista como o senhor avalia os resultados da rio 20 a conferência da onu para o desenvolvimento sustentável oded grajew avançar no caminho sustentável implica mudar o modelo de desenvolvimento e isso depende muito do grau de conscientização da sociedade quanto aos riscos e males do modelo atual a rio 20 foi importante nesse sentido ajudou a elevar o nível de conhecimento sobre os riscos e oportunidades em termos da sustentabilidade no entanto a rio 20 expôs a fragilidade do modelo de acordos globais que depende do consenso de todos os governos isso sempre leva a uma quase paralisia ou a acordos pífios foi o que aconteceu mas isso também resulta positivo pois mostra que para fazer as coisas não se deve esperar que todos os governos no mundo cheguem a qualquer tipo de acordo É possível vislumbrar desenvolvimento sustentável sem consenso entre as nações a rio 20 deixou clara a fragilidade dos governos democráticos para tomar medidas que contrariem interesses econômicos a ausência dos chefes de estado do reino unido estados unidos rússia e china foi emblemática evidencia a inércia do sistema multilateral o sistema tem de mudar independentemente de um acordo global individualmente os países podem ir mais longe mais rapidamente a maioria dos governos ­ e governos importantes ­ estão a serviço de seus financiadores de campanha as indústrias armamentista e petrolífera e são esses que detêm o poder no atual modelo de desenvolvimento que resistem à mudança o que evita o acordo global são os interesses corporativos mas ao mesmo tempo vemos grupos realmente preocupados com a sustentabilidade como explicar 6 de biasi em revista É verdade há indústrias que levam a sério a responsabilidade empresarial e outras que apenas passam um verniz no discurso o noticiário mostrou a placa da delta construções em palmas to na qual a construtora envolvida na cpi do cachoeira diz que tem compromisso com o meio ambiente só a adoção de regras para todo o mercado pode evitar essa distorção entre discurso e ação a transparência tem de ser obrigatória para todos já há uma certa percepção de que a responsabilidade empresarial chegou ao seu limite enquanto ação voluntária agora é preciso haver uma regra para todo o mercado assumir compromissos com todos os seus públicos olhar a cadeia de produção ter postura ética com os consumidores e com a sociedade não se envolver em corrupção ­ todas essas práticas até então adotadas pelas empresas de maneira voluntária precisam ganhar escala para impactar de fato a sociedade e fazer diferença as empresas genuinamente interessadas na sustentabilidade social ambiental cultural e econômica querem regras porque sofrem prejuízos elas não se envolvem em corrupção e ficam em desvantagem frente às que adotam essa prática por exemplo só a adoção de regras para todo o mercado pode evitar distorções entre discurso e ação empresarial em que medida o mercado valoriza as ações socioambientais das empresas essa cobrança ainda está começando mas há maior consciência de que a empresa pode fechar de um dia para o outro e levar junto consigo os credores o setor de seguros e as instituições financeiras por exemplo pragmaticamente fazem a análise de risco e hoje ser socialmente irresponsável é um risco quando eventuais irregularidades são

[close]

p. 7

vão financiar a próxima campanha eleitoral de vereadores e prefeitos É um poder fantástico a maioria dos nossos políticos está a serviço de empresas as empresas comprometidas com a sustentabilidade podem se juntar e pressionar os eleitos a promoverem políticas práticas e regras para a sustentabilidade ações de responsabilidade social e ambiental demandam investimentos alguns argumentam que é jogo de `gente grande como ficam as pequenas e médias empresas a natura não nasceu do tamanho que é ela surgiu em um fundo de quintal e cresceu porque praticou responsabilidade empresarial desde o começo a sustentabilidade socioambiental é ainda mais importante para as pequenas e médias que não podem fazer campanha publicitária mas podem se diferenciar pela sustentabilidade de fato elas têm contato mais estreito com seu público o que aumenta a visibilidade de suas práticas sociais e ambientais diretamente com o consumidor o resultado é muito mais rápido e concreto um caso exemplar é o do casal de moradores de rua que achou e devolveu uma sacola com r 20 mil roubados de um restaurante o dono do restaurante em são paulo que poderia dar uma recompensa ou apenas dizer obrigado decidiu empregar os dois está dando sustentabilidade veja o meu caso pessoal também eu tive muito retorno por ter praticado a sustentabilidade e a minha responsabilidade enquanto empresário criei e dirigi a grow dentro dos meus princípios e tive resultados positivos com isso na prática de que forma o senhor exercitava essa responsabilidade eu fazia o que achava que era certo não fazia aos outros o que não gostaria que fizessem a mim achava que era importante ter bons funcionários e entendia que para ter bons funcionários eles deveriam ser bem tratados além de não querer correr riscos achava que era de biasi em revista 7 descobertas e expostas à opinião pública a empresa pode ir rapidamente à falência os riscos são muitos o dano à imagem pode afastar o consumidor pode haver dano financeiro se ela incorrer em ações que gerem sanções econômicas dependendo da gravidade a empresa vai à falência a empresa socialmente irresponsável pode ser muito bem-sucedida em termos de lucros mas corre maiores riscos a delta era uma empresa lucrativa com muitos contratos públicos hoje está em concordata vemos também o `escândalo dos shoppings em são paulo de que forma a iniciativa privada pode colaborar para um futuro sustentável os empresários podem exercer um importante papel político nós já falamos que são as empresas que financiam as campanhas eleitorais elas têm portanto poder sobre os políticos inclusive o de exigir mudanças nas regras para o mercado assim como há a chamada `bancada ruralista no congresso por que não constituir a `bancada da sustentabilidade as empresas grandes ou pequenas têm um enorme poder são elas que

[close]

p. 8

o certo a fazer e pagava todos os impostos registrava todo mundo tratava bem os clientes fazia produtos de qualidade olhava o entorno e o meio ambiente e não danificava não tinha todo esse conceito que tenho hoje mas sabia o que era certo ou errado todo empresário sabe o que é certo e o que é errado se não souber é só fazer um teste com a família ele terá feito tudo certinho se ao final do dia no jantar com a mulher e os filhos puder contar tudo o que fez durante o dia É um teste fácil e rápido falando em teste de que forma o empresário pode garantir a sustentabilidade na sua cadeia de fornecedores a nike foi um caso exemplar envolvida em denúncias de trabalho infantil em fornecedores de países pobres a empresa disse que não tinha nada com isso e que contratava legalmente o fornecedor mas os consumidores os investidores a opinião pública achavam que essa resposta não bastava as vendas caíram houve boicote até que ela admitiu sua responsabilidade o fato é que a empresa não pode desconhecer seus fornecedores se controla preço qualidade e quantidade do que compra ela é socialmente responsável e tem de olhar também o processo de produção do fornecedor para ver se não está contaminado tanto é assim que hoje as empresas colocam uma série de exigências contratuais aos fornecedores os pequenos e médios empresários podem fazer a mesma coisa pode ser que eles não tenham condições de ir verificar in loco fazer uma auditoria mas eles podem estipular condições no contrato por exemplo sempre tem como fazer valer suas condições então ação local e união são as palavraschave sim É isso e voltando ao tópico sobre como as empresas podem atuar é importante lembrar que o programa cidades sustentáveis da rede nossa são paulo é financiado por empresas 8 de biasi em revista em todo o mundo as cidades abrigam a maior parte da população 85 dos brasileiros vivem em cidades se as cidades adotassem modelos sustentáveis o impacto seria enorme o programa tem a missão de sensibilizar e ajudar as gestões municipais a buscar o desenvolvimento sustentável neste período eleitoral mobilizamos os candidatos a assinar uma carta de compromisso com 114 indicadores básicos que consideramos os mais importantes para a cidade se for eleito 90 dias após a posse ele deve fazer um diagnóstico desses indicadores e estabelecer metas para sua gestão com prestação de contas periódica sobre o desempenho de sua administração empresas podem participar diretamente do processo e mobilizar sua rede de relacionamento como as empresas podem participar as empresas são fundamentais elas podem mobilizar participar incidir na tomada de decisões além de gerar impactos diretos através de seus produtos e serviços e indiretos quando atuam com suas redes de relacionamentos as empresas podem envolver seus executivos e funcionários divulgar o programa em suas cidades assim como a campanha eu voto sustentável além de acompanhar as metas e indicadores locais atuando como `guardiãs e monitorando os indicadores outra possibilidade é criar fóruns empresariais e estimular as entidades locais a lutar pela aprovação de lei que exige que os prefeitos apresentem um plano de metas para sua gestão os mecanismos de pressão são muitos para conhecer o programa cidades sustentáveis acesse www.cidadessustentaveis.org.br.

[close]

p. 9

mercado valoriza balanço social ao mesmo tempo em que os demonstrativos financeiros das companhias se tornam cada vez mais detalhados dissemina-se no mercado também a prática de emitir relatórios de sustentabilidade ­ ou balanços sociais ­ incluindo informações sobre as ações da empresa visando à responsabilidade social e à proteção do meio ambiente mesmo não sendo obrigatória a divulgação desses relatórios segue uma tendência de crescimento caminhando para tornar-se um padrão as informações sociais e ambientais permitem uma visão muito mais aprofundada dos negócios e seus riscos por isso são valorizadas pelo mercado analisa luciano de biasi sócio da de biasi auditores independentes relatórios ajudam a divulgar boas práticas o relatório de sustentabilidade ou balanço social é um instrumento que proporciona maior transparência às atividades empresariais e amplia a percepção da sociedade sobre o sucesso das iniciativas socioambientais no balanço social a empresa mostra com indicadores quantitativos e qualitativos como se relaciona com seus profissionais com a comunidade e com o meio ambiente diz luciano de biasi o portal do instituto ethos de empresas e responsabilidade social esclarece que a elaboração do relatório é voluntária as organizações podem desenvolver seus próprios indicadores sociais ou optar por algum modelo disponível no mercado o próprio ethos criou os indicadores ethos de responsabilidade social empresarial outro modelo foi desenvolvido pelo instituto brasileiro de análises sociais e econômicas ibase fundado em 1981 pelo sociólogo herbert de souza o betinho que morreu em 1997 o modelo de maior credibilidade no cenário internacional usado pelas grandes corporações brasileiras é o da global reporting initiative gri a gri é uma ampla rede independente sediada na capital holandesa amsterdã presente em mais de 30 países no brasil a gri tem parceria com a uniethos e o centro de estudos em sustentabilidade da fundação getúlio vargas o gvces de biasi em revista 9

[close]

p. 10

econômico ambiental social sustentabilidade de ponta a ponta gradativamente o termo sustentabilidade ganha novos e mais amplos significados poucas décadas atrás a ideia predominante era preservar a natureza proteger os animais e as florestas ­ como se o homem não fizesse parte da equação depois o conhecimento científico sobre o aquecimento global e as mudanças climáticas chamou a atenção para a necessidade de proteger o planeta mais recentemente ganhou força o entendimento de que a principal vítima dos maus-tratos e do desenvolvimento predatório não é o planeta e sim o homem a mesma evolução se deu no âmbito das empresas os empresários são chamados a fazer negócios sustentáveis a partir de novos paradigmas não se trata mais de ver as questões ambientais sociais e econômicas como distintas separadas independentemente de porte ou ramo de atividade os gestores precisam estar sintonizados com a pressão das organizações da sociedade civil e principalmente dos clientes/consumidores cada vez mais engajados e preocupados não apenas com as questões ambientais como também com os aspectos sociais o respeito ao capital humano e à comunidade hoje sustentabilidade é um tripé ambiental social e econômico o descuido com qualquer desses aspectos pode criar 10 de biasi em revista monitorar cadeia de fornecedores evita riscos e danos financeiros

[close]

p. 11

riscos para o negócio É neste sentido que as cadeias de fornecedores e parceiros merecem atenção especial acredita enio de biasi sócio da de biasi auditores independentes ele afirma que qualquer denúncia envolvendo um parceiro ou fornecedor afeta a imagem da empresa e pode impactar seu faturamento É essencial que as companhias adotem mecanismos eficientes para monitorar a sustentabilidade social e ambiental em sua cadeia de fornecedores É importante destacar que esses não são problemas das grandes corporações os pequenos e médios também correm riscos nenhuma empresa independe dos serviços ou produtos de outra algumas terceirizam a atividade-meio e precisam ter certeza de que não serão pegas de surpresa por ações de responsabilidade solidária porque seu prestador de serviços deixou de recolher impostos ou contribuições previdenciárias dos funcionários outras podem ser envolvidas em passivos ambientais por terem em sua cadeia um fornecedor de insumos provenientes de áreas de desmatamento ou prejudiciais à saúde do consumidor os riscos são muitos o importante é prevenir conclui enio de biasi mais com menos o cuidado com a cadeia de fornecedores ganha cada vez mais espaço na agenda dos empresários os segmentos industriais de médio porte não podem ficar de fora porque em sua maioria atuam como elos na cadeia industrial dos grandes conglomerados que precisam atender aos requisitos da sustentabilidade a avaliação é de joão cesar m rando diretor-presidente do instituto nacional de processamento de embalagens vazias inpev entidade responsável pela logística reversa das embalagens vazias de defensivos agrícolas para ele ser sustentável é produzir mais com menos menos energia menos materiais não renováveis menos água dessa forma além de preservação ambiental a empresa também reduz custos de produção como os grandes conglomerados estão cada dia mais engajados na preservação de recursos naturais isso puxa toda a cadeia analisa rando afirma que os eventuais custos da sustentabilidade são plenamente compensados pelos benefícios e mais a sustentabilidade é necessária também para a preservação do próprio negócio pois agrega valor à medida em que busca produzir mais com menos diz de biasi em revista 11

[close]

p. 12

o maior risco para as empresas que não praticam a responsabilidade socioambiental é ficar fora do negócio não se deve deixar de cumprir requisitos da sustentabilidade apenas por conta dos custos É preciso olhar o negócio como um todo adotar uma abordagem holística os consumidores estão atentos principalmente os das novas gerações quando percebem que a empresa agride o meio ambiente ou não se pauta pelos princípios e valores da responsabilidade socioambiental eles trocam de marca assegura o presidente do inpev enfatizando que os benefícios compensam os custos rando garante se o fornecedor não se alinhar aos clientes na visão da sustentabilidade em algum momento ele será preterido por outro social e ambientalmente mais responsável gestão da cadeia de fornecedores dificilmente haverá uma volta atrás no caminho do desenvolvimento sustentável e as organizações são tangidas a mudar seu papel na sociedade a dar maior importância à relação entre suas ações e o impacto que estas exercem não apenas no meio ambiente como na vida da comunidade e dos trabalhadores o dano à imagem pode afastar o consumidor mas também pode ocorrer dano financeiro se a empresa praticar ações que gerem sanções econômicas dependendo da gravidade ela vai à falência opina oded grajew coordenador do movimento nossa são paulo a auditoria customizada em fornecedores é uma alternativa para o gerenciamento de riscos das cadeias produtivas para garantir a adesão de todos os elos aos procedimentos e valores éticos da empresa diz enio de biasi ele lembra episódios recentes em que empresas acabaram envolvidas em denúncias de trabalho infantil ou 12 de biasi em revista divulgacão joão cesar m rando escravo e até de uso de embalagens produzidas com insumos provenientes de áreas desmatadas a tendência de aumento da terceirização de serviços para reduzir custos também eleva o risco a contratante deve deixar claro quais são seus padrões socioambientais e realizar auditorias na documentação dos parceiros/fornecedores assim como se precaver para evitar riscos tributários por responsabilidade solidária finaliza enio de biasi

[close]

p. 13

terceirizar a solução que pode criar problemas em tempos de insegurança econômica a palavra-chave para as empresas é cortar custos neste cenário terceirizar é uma opção natural já que ela proporciona ao mesmo tempo redução de despesas e foco total no core business da companhia no entanto o que muitas empresas não levam em consideração é que a terceirização também traz riscos de processos trabalhistas em muitos casos principalmente naqueles em que o trabalhador terceirizado cumpre a jornada de serviço internamente à empresa o entendimento da justiça é que a contratante também é responsável por falhas cometidas pela contratada nesse caso a solução pode virar dor de cabeça o cuidado com os direitos dos trabalhadores é um importante aspecto da sustentabilidade pois pode impactar financeiramente a perenidade da empresa É preciso analisar a situação trabalhista da terceirizada para evitar custos com litígios só com um bom sistema de monitoramento a terceirização proporciona a tranquilidade necessária para a companhia se dedicar à sua atividade principal afirma kelly cristina ricci gomes sócia-gerente da de biasi outra vantagem segundo ela é que o gerenciamento desses riscos também previne danos à imagem do cliente por conta de processos na justiça há pouco mais de dez anos com a alteração na lei 8.212 a previdência social se garantiu contra prejuízos estabelecendo a retenção antecipada da contribuição de 11 ao inss nem sempre a contratada cumpre suas obrigações trabalhistas sobre notas fiscais de prestação de serviços realizada essa retenção a empresa tomadora de serviços deixa de responder solidariamente pelas obrigações previdenciárias da contratada esclarece karin friese soliva soria da área de consultoria trabalhista e previdenciária da de biasi entretanto ela alerta que a mesma garantia não ocorre com os direitos trabalhistas dos de biasi em revista 13

[close]

p. 14

ela exemplifica uma empresa pode apresentar a mesma relação de empregados para várias contratantes independente de todos estarem ou não executando os serviços há que se advertir também que em serviços como limpeza vigilância e segurança ainda existem situações de informalidade portanto pode ocorrer de os empregados não estarem regularizados normalmente os empregados da terceirizada têm seus serviços coordenados por um funcionário da contratante e não pelo departamento financeiro que é quem verifica a folha nesse caso assim como em várias outras situações a irregularidade passa despercebida completa karin soliva empregados terceirizados quando contrata terceiros que deixam de recolher encargos sociais como o fgts ou não pagam direitos trabalhistas como horas extras e férias a empresa responde subsidiariamente explica karin soliva ainda há empresas cujos gestores acreditam que recolhendo os 11 do inss podem ficar tranquilos em relação aos empregados da terceirizada É importante alertar que isso não é correto a contratante ainda responde pelas verbas trabalhistas e pelo recolhimento do fgts complementa kelly cristina ricci auditoria de terceiros evita ações trabalhistas na justiça a auditoria de terceiros não só confere e cruza informações fornecidas pela terceirizada como realiza um trabalho in loco entrevistando os empregados quanto ao recebimento de vale-transporte pagamento de salário férias de olhos bem abertos a auditoria de terceiros tem como finalidade checar a regularidade da empresa no cumprimento de suas obrigações trabalhistas muitos contratantes se sentem seguros com medidas inócuas como exigir que a terceirizada envie cópias da folha de pagamento do recolhimento do fgts da gps e certidões negativas de débitos isso é um engano garante karin soliva 14 de biasi em revista

[close]

p. 15

adicionais e 13° trata-se de um trabalho preventivo conferimos os nomes da folha e conversamos com os coordenadores da contratante já descobrimos casos em que o terceirizado apresentava um termo assinado pelo funcionário abrindo mão do valetransporte mas era falso ele declarou ter sido coagido a assinar são problemas que podem repercutir na empresa contratante afirma o intuito é evitar que o contratante seja acionado depois para responder subsidiariamente por tudo isso a empresa acaba pagando duas vezes esses custos estão embutidos no preço acordado mas o terceirizado não honra e sobra para a contratante pagar na justiça diz kelly cristina ricci ela lembra que uma única empresa chegou a acumular 90 processos trabalhistas por conta de serviços terceirizados mercado sem regras apesar de ser uma prática disseminada no mercado o brasil ao contrário de muitas nações ainda não normatizou o que já é uma realidade empresarial este é outro ponto que deve inspirar muita cautela aos empresários ainda não existe no ordenamento jurídico brasileiro lei regulamentando a terceirização a única regra em vigor foi especificada pelo tribunal superior do trabalho tst na súmula nº 331 que admite a contratação de serviços especializados desde que ligados à atividademeio do tomador e que inexistam características como pessoalidade e subordinação dos empregados terceirizados leia mais sobre o assunto no artigo terceirização campo minado de controvérsias na página 21 como prevenir alguns cuidados são essenciais para afastar o fantasma de uma contratação prejudicial 1 não repassar serviços relacionados diretamente com seus objetivos sociais suas atividades-fim 2 buscar no mercado empresas ou profissionais autônomos idôneos não se deixar levar somente pelo baixo custo oferecido 3 considerar a capacidade econômica da contratada e se certificar de que é compatível com a atividade a ser desenvolvida 4 fazer um contrato de prestação de serviços por escrito estabelecendo as obrigações e responsabilidades da contratante e da contratada 5 manter relacionamento comercial e profissional com a empresa contratada nomeando um gestor para cumprir essa tarefa 6 incentivar o rodízio entre os empregados da contratada disponibilizados em sua empresa 7 solicitar aos empregados da contratada que utilizem uniformes e crachás que identifiquem a empresa pela qual prestam serviço 8 manter as necessárias distinções entre os seus empregados e os da empresa contratada 9 exigir da contratada a exibição de documentos que comprovem sua regularidade registro dos empregados disponibilizados bem como recolhimentos previdenciários pertinentes 10 não contratar empresas que prestam serviços somente para a sua empresa evitando assim a exclusividade de biasi em revista 15

[close]

Comments

no comments yet