OFICINA DE DIAGNÓSTICO RURAL PARTICIPATIVO - CIO/Centro de Inteligência em Orgânicos

 

Embed or link this publication

Description

Com o propósito de incentivar o fortalecimento da cadeia de alimentos e produtos orgânicos no Brasil, a Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), por meio do projeto CIO (Centro de Inteligência em Orgânicos), produziu um manual destinado as Oficinas de Dia

Popular Pages


p. 1

oficina de diagnÓstico rural participativo rio de janeiro apoio:

[close]

p. 2

sumÁrio 1 apresentaÇÃo 2 2 histÓrico 4 3 objetivos 4 4 metodologia 5 5 o que É um diagnÓstico rural participativo 6 6 materiais para a oficina 9 7 ferramentas de drp planejadas para as oficinas 20 8 fontes consultadas 31 9 equipe 32 há o suficiente no mundo para todas as necessidades humanas não há o suficiente para a cobiça humana mahatma gandhi 2

[close]

p. 3

1 apresentaÇÃo este documento apresenta o material elaborado para as oficinas de diagnóstico rural participativo drp realizadas em diversos municípios no estado do rio de janeiro essas atividades fazem parte do escopo da pesquisa junto ao produtor rural realizada no estado do rio de janeiro parte integrante do projeto em desenvolvimento centro de inteligência em orgânicos realizado pela sociedade nacional de agricultura sna com apoio do sebrae o propósito do projeto é incentivar o fortalecimento da cadeia de alimentos e produtos orgânicos no brasil por meio da integração e difusão de informação e conhecimentos as oficinas serão realizadas das 9h às 17h durante dos dias nos municípios e contam com o apoio das prefeituras municipais as atividades serão coordenadas pela professora da universidade federal rural do rio de janeiro ctur-ufrrj juliana arruda e por sua equipe o conteúdo desta publicação não deve ser visto como um guia rígido ao contrário os princípios básicos das técnicas e ferramentas são a flexibilidade e a sensibilidade para a inovação assim não se pretende estabelecer linhas de conduta mas auxiliar as pessoas a estabelecer formas de trabalho de acordo com os contextos ambientais socioeconômicos e políticos que sabemos serem extremamente diversificados 3

[close]

p. 4

2 histÓrico a sociedade nacional de agricultura sna ­ a mais antiga instituição do setor agrícola do brasil com 115 anos ­ realiza desde o início deste século um trabalho direcionado ao desenvolvimento do setor orgânico no brasil com a aprovação do bid banco interamericano de desenvolvimento e de outros órgãos implementou por intermédio de sua incubadora de empresas e com o apoio do sebrae o projeto organicsnet que tem seu foco voltado para a agricultura orgânica brasileira a partir de uma plataforma na internet lançada em 2008 a sna passou a estimular a cadeia de produção do setor oferecendo apoio a pequenos e médios produtores agora com o lançamento do centro de inteligência em orgânicos a sociedade nacional de agricultura reforça seu trabalho junto a essa parcela de produtores rurais realizando pesquisas capacitações eventos e seminários com o apoio do sebrae 3 objetivos o objetivo das oficinas é identificar de forma participativa os requisitos necessários para fortalecer a produção orgânica municipal este material visa contribuir para tornar o grupo eficaz no trabalho e na ação conjunta melhorar a manutenção de registros e anotações intensificar a comunicação e a abertura dentro de um grupo incentivar os grupos a tomar medidas 4

[close]

p. 5

positivas e autônomas sem a intervenção externa 4 metodologia para começarmos neste trabalho conjunto alguns passos são importantes e antes de iniciarmos vamos compreender como este material está dividido no item nº 5 vocês encontrarão informações sobre os conteúdos relacionados a o que é um drp no item nº 6 serão apresentados os materiais utilizados durante as oficinas crônicas músicas filmes etc o item nº 7 trará as ferramentas de drp planejadas para a realização das oficinas vamos aproveitar esta chance para confraternizar com pessoas que têm interesses comuns aos nossos e transformar este final de semana num momento de alegria e trabalho ejam bem-vindos agradecemos a presença de todos e mãos a obra 5

[close]

p. 6

5 o que É um diagnÓstico rural participativo o diagnóstico rural participativo drp é um conjunto de técnicas e ferramentas que permite que as comunidades façam o seu próprio diagnóstico e a partir daí comecem a autogerenciar o seu planejamento e desenvolvimento desta maneira os participantes poderão compartilhar experiências e analisar os seus conhecimentos a fim de melhorar as suas habilidades de planejamento e ação embora originariamente tenham sido concebidas para zonas rurais muitas das técnicas do drp podem ser utilizadas igualmente em comunidades urbanas o objetivo principal do drp é apoiar a autodeterminação da comunidade pela participação e assim fomentar um desenvolvimento sustentável a partir do drp tenta-se avaliar os problemas e as oportunidades de solução identificando os possíveis projetos de melhoria dos problemas mais destacados por grupos de pessoas de diferentes idades posição social e política que podem apresentar posturas semelhantes ou contrárias e que contribuem com seus pontos de vista 6

[close]

p. 7

os princípios básicos do drp respeita a sabedoria e a cultura do grupo analisa e entende as diferentes percepções escuta a todos da comunidade visualização imediata dos assuntos tratados análise e apresentação na comunidade 7

[close]

p. 8

para realizar esta oficina e torná-la a mais participativa possível sugerimos os seguintes passos 1 fixar o objetivo do diagnóstico 2 identificar as expectativas dos/as participantes no drp 3 incentivar a participação de todos nas ferramentas de diagnóstico 4 desenhar o processo do diagnóstico em conjunto 8

[close]

p. 9

6 materiais para a oficina crÔnicas a crônica a seguir foi escrita por paulo coelho em seu livro o livro dos manuais manual para subir montanhas 9

[close]

p. 10

10

[close]

p. 11

11

[close]

p. 12

12

[close]

p. 13

a crônica abaixo foi escrita por ruben braga há mais de trinta anos e poderia ter sido escrita por um dos participantes diante de suas produções seus cultivos um pÉ de milho os americanos por meio do radar entraram em contato com a lua o que não deixa de ser emocionante mas o fato mais importante da semana aconteceu com o meu pé de milho aconteceu que no meu quintal em um monte de terra trazida pelo jardineiro nasceu alguma coisa que podia ser um pé de capim mas descobri que era um pé de milho transplantei-o para o exíguo canteiro da casa secaram as pequenas folhas pensei que fosse morrer mas ele reagiu quando estava do tamanho de um palmo veio um amigo e declarou desdenhosamente que aquilo era capim quando estava com dois palmos veio outro amigo e afirmou que era cana sou um ignorante um pobre homem da cidade mas eu tinha razão ele cresceu está com dois metros lança suas folhas além do muro e é um esplêndido pé de milho já viu o leitor um pé de milho eu nunca tinha visto tinha visto centenas de milharais mas é diferente um pé de milho sozinho em um canteiro espremido junto do portão numa esquina de rua não é um número numa lavoura é um ser vivo e independente 13

[close]

p. 14

suas raízes roxas se agarram no chão e suas folhas longas e verdes nunca estão imóveis detesto comparações surrealistas mas na lógica de seu crescimento tal como vi numa noite de luar o pé de milho parecia um cavalo empinado de crinas ao vento e em outra madrugada parecia um galo cantando anteontem aconteceu o que era inevitável mas que nos encantou como se fosse inesperado meu pé de milho pendoou http zoom50.wordpress.com/2011/05/17/maiz-moradopurple-cornzea-mays-l%e2%80%98kculli%e2%80%99 há muitas flores lindas no mundo e a flor de milho não será a mais linda mas aquele pendão firme vertical beijado pelo vento do mar veio enriquecer nosso canteirinho vulgar com uma força e uma alegria que me fazem bem É alguma coisa que se afirma com ímpeto e certeza meu pé de milho é um belo gesto da terra eu não sou mais um medíocre homem que vive atrás de uma chata máquina de escrever sou um rico lavrador da rua júlio de castilhos 14

[close]

p. 15

mÚsicas tocando em frente almir sater ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei demais hoje me sinto mais forte mais feliz quem sabe só levo a certeza de que muito pouco eu sei ou nada sei conhecer as manhas e as manhãs o sabor das massas e das maçãs É preciso amor pra poder pulsar é preciso paz pra poder sorrir é preciso a chuva para florir penso que cumprir a vida seja simplesmente compreender a marcha ir tocando em frente como um velho boiadeiro levando a boiada eu vou tocando os dias pela longa estrada eu vou estrada eu sou conhecer as manhas e as manhãs o sabor das massas e das maças É preciso amor pra poder pulsar é preciso paz pra poder sorrir é preciso a chuva para florir todo mundo ama um dia todo mundo chora um dia a gente chega no outro vai embora cada um de nós compõe a sua história cada ser em si carrega o dom de ser capaz e ser feliz conhecer as manhas e as manhãs o sabor das massas e das maças É preciso amor pra poder pulsar é preciso paz pra poder sorrir é preciso a chuva para florir ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei de mais cada um de nós compõe a sua história cada ser em si carrega o dom de ser capaz e ser feliz 15

[close]

Comments

no comments yet