Revista Mediação - número 10

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

nÚmero 10 · ano iii issn 1808-2564 revista de educação do colégio medianeira 1

[close]

p. 2

2

[close]

p. 3

revista de educação editada e produzida pelo colégio medianeira diretor pe rui körbes s.j vice-diretor prof adalberto fávero coordenador administrativo e financeiro gilberto vizini vieira coord comunitário e de esporte prof francisco alexandre faigle coordenação editorial e revisão nilton cezar tridapalli luciana nogueira nascimento mtb 2927/82v projeto gráfico e diagramação sonia oleskovicz ilustrações ana paula ferreira da luz entrevistas lyane born martinelli colaboraram nesta edição christiane denardir franco caldas fuchs geralda colen kleber klos joão felipe gremski joão paulo almeida da silva juliana cavassin leandro guimarães e liliane grein lucas feron luciane hagemeyer mábile borsatto maria célia martirani thadeu guaraciaba de aquino tiragem 2.700 exemplares papel reciclato suzano 90g/m2 miolo reciclato suzano 240 g/m2 capa número de páginas 52 issn 1808-2564 tecnologia e humanidade quando uma evita a manifestação da outra joão felipe gremski 5 normalizadoras reconfiguradoras melhoradoras a arte dos super-poderes mábile borsatto 7 educação autoconhecimento e tecnologia lucas feron 12 sorria você está sendo filmado geralda colen 16 autonomia e educação um caminho para humanização kleber klos 21 mutum redescobrindo miguilim maria célia martirani 24 da guerrilha colombiana ao ciberespaço juliana cavassin 28 equipe pedagÓgica educação infantil e ensino fundamental de 1ª à 4ª séries coordenadora profª silvana do rocio andretta ribeiro ensino fundamental de 5ª e 6ª séries coordenadora profª eliane dzierwa zaionc ensino fundamental de 7ª e 8ª séries coordenador profª roberta uceda vieira ensino médio coordenador prof marcelo pastre coordenador de pastoral pe guido valli s.j marketing luciana nogueira nascimento a volatilidade das relações thadeu guaraciaba de aquino 31 o uso do papel reciclado da teoria à prática da consciência planetária leandro guimarães e liliane grein 34 novas tecnologias aplicadas à educação musical contemporânea christiane denardir 40 um pretexto para falar de döblin franco caldas fuchs 43 o pequeno nicolau luciane hagemeyer os artigos publicados são de inteira responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião dos editores e do colégio nossa senhora medianeira a reprodução parcial ou total dos textos é permitida desde que devidamente citada a fonte e autoria 47 fraternidade e vida joão paulo almeida da silva 50 crÔnica ano machadiano suje-se gordo 53 br 476 km 130 nº 10546 prado velho · curitiba · paraná fone 41 3218-8000 fax 41 3218-8040 www.colegiomedianeira.g12.br mediacao@colegiomedianeira.g12.br 3

[close]

p. 4

chegamos à edição de número 10 da nossa revista mediação reli o primeiro número o número 0 e vi lá estampado no editorial o desejo de que a revista fosse uma ponte entre os multiformes assuntos ligados à educação e o mundo fora dos limites da escola mas também dentro deles ao atingirmos o número 10 é possível supor que algumas pontes foram construídas mas o desafio não acaba nunca É preciso restaurar algumas conservar outras construir mais para esse número 10 escolhemos tratar em vários artigos de um tema que desperta boas discussões posições que se confrontam dúvidas que surgem sempre que tomamos um partido a tecnologia ela como o senso comum a definiu ajuda a nos tornar mais humanos a desenvolver mais relações com o outro afinal é possível achar um amigo distante por um site de relacionamento embora aquele que está ao nosso lado às vezes só receba de nós correntes infindáveis e indistintas por e-mail o exemplo é até bobo concordo mas já dá para fazer pensar falar que a tecnologia invade grande parte da nossa vida é chover no molhado e repetir clichês cabe pensar em que medida essa invasão contribui para a construção das relações humanas mais ricas ou cria distâncias mascaradas pelo excesso de informação se as informações fossem materializadas em flechas lançadas por arqueiros diversos haja escudo para proteger nossas cabeças o que fazer com tudo isso o drummond no seu poema de sete faces olhava o alvoroço da cidade com as pessoas indo e vindo e perguntava para que tanta perna meu deus pergunta o meu coração porém meus olhos não perguntam nada trocando as pernas pelas informações é possível pensar na relação entre o homem e seu mundo virtual/real não muito tempo atrás numa dessas pesquisas de jornal em que ficamos nos perguntando como é que eles conseguem medir essas coisas li que uma edição atual de um grande jornal contém mais informações do que um homem na idade média reunia em toda a sua vida só vou perguntar não ouso responder isso é fantástico isso é assustador difícil chegarmos a conclusões do tipo absoluto se a tecnologia é boa ou ruim talvez a gente troque o ou pelo e sempre assumindo o risco de ser acusado de estar em cima do muro enfim convidamos você a pensar conosco sobre essas imbricadas relações mas não guarde suas conclusões a sete chaves escreva para nós no mediacao@colegiomedianeira.g12.br diga o que pensa sobre esse assunto estamos ansiosos por publicar sua carta além da relação entre humanidade e tecnologia falamos ainda de literatura de autonomia escolar música cinema defesa da vida consciência planetária dois parágrafos mais do que especiais antes de nascer a revista em 2004 ficamos nos debatendo a respeito da escolha de um nome significativo para ela conversa vai conversa vem nenhum nome nos satisfazia estávamos a ponto de escolher o menos pior eis que surge josé lorenzatto que trabalhou no colégio medianeira de 1968 até 2007 com uma listinha de uns três nomes datilografados num pedacinho de papel entre eles havia mediação um estalo na cabeça de todos que acharam o nome simples forte significativo para o que queríamos daqueles nomes que a gente acha fácil de imaginar só depois que alguém pensa nele e nos diz em janeiro de 2007 o lorenzatto nos deixou sozinhos nesse mundo mundo vasto mundo mas seu jeito sereno e sábio ficou seja no nome da revista seja no que tentamos fazer de bom pela vida afora ao zé nossa homenagem nilton cezar tridapalli mediacao@colegiomedianeira.g12.br 4

[close]

p. 5

tecnologia e quando uma evita a manifestação da outra humanidade que sonho é esse em que as máquinas farão o trabalho do homem e o homem terá tempo disponível para criar para usufruir de mais tempo livre na vida enfim a tecnologia como a concebemos de fato realiza o trabalho de muitos homens no entanto o que vemos é uma massa de desempregados ou subempregados É possível equacionar esse conflito 5

[close]

p. 6

n não é preciso ser um leitor assíduo de jornais nem um telespectador cativo de telejornais para sentir-se informado sobre o quanto a tecnologia está ao nosso redor isso acontece pelo simples fato de ela fazer parte de nós da humanidade para ser mais geral a tecnologia anda de mãos dadas com a globalização na realidade ambas não conseguem existir isoladas desde as mais complexas reuniões que ocorrem simultaneamente em diferentes partes do mundo até um simples pagamento que pode ser feito sem sair de casa tudo evolui concomitantemente das mais simples até as mais complexas soluções um exemplo mais claro dessa relação tecnologia-globalização está na internet a revolução trazida por esse formidável meio de comunicação está em todas as partes notícias em tempo real conversas simultâneas a possibilidade de conexões que a internet proporciona com toda e qualquer parte do mundo olhando de fora só podemos dizer que a humanidade está mais unida através da internet a comunicação tomou outro rumo desde o seu aparecimento e esse mundo de informações que se abriu no horizonte só deveria trazer benefícios para a humanidade a idéia é essa interatividade comunicação e muito mais mas a situação também deve ser analisada por outro ângulo com o intuito de fazer um balanço sobre esse instrumento tão fabuloso que é a tecnologia e os problemas que ela pode trazer infelizmente nada que surge de novo para a sociedade traz apenas pontos positivos e isso merece ser observado e discutido diminuição da necessidade de mão de obra junto com os avanços trazidos pela tecnologia vem um progressivo aumento no número de demissões devido à substituição da mão de obra pela tecnologia esse é na verdade um problema antigo que vem desde a revolução industrial quando máquinas por mais mais rústicas e menos práticas que fossem substituíam um elevado número de trabalhadores por apenas um aquele que a controlaria hoje a situação é semelhante mas com um agravante além das máquinas já serem substitutas do homem em vários aspectos a tecnologia atual faz esse trabalho de forma ainda mais acelerada e com uma maior produtividade sendo cada vez menos necessária a presença de um ser humano para operar equipamentos e é essa a expectativa da empresa produzir mais lucrar mais e assim prosperar como resultado demissões devem acontecer É importante ressaltar sem qualquer visão sádica que máquinas não precisam de salário nem de férias um problema colateral resultante dessa mecanização trazida pela tecnologia é a pobreza o aumento do subemprego e a exigência de uma qualificação maior para o pouco de mão de obra que ficou à disposição depois de todo esse processo um meio de se evitarem tais problemas está em uma palavra sustentabilidade com um planejamento de médio e longo prazo o governo pode abrir um leque de opções para a sociedade que sem isso pode vir a se tornar vítima e não beneficiária da tecnologia dentre os vários exemplos que podem ser mencionados para resolver essa bagagem de defeitos que a tecnologia traz consigo está a abertura de novas áreas de trabalho em setores nos quais é imprescindível a presença de mão de obra como é o caso da construção civil além disso políticas de incentivo para pequenos e médios empresários devem ser feitas pois são essas empresas que geram muitos empregos e soluções nas mais diversas áreas outro assunto que traz muitas questões em especial nos dias de hoje é o meio ambiente não é necessário muito esforço para perceber o quanto a tecnologia ou melhor o desenvolvimento da 6

[close]

p. 7

tecnologia da forma como acontece traz riscos ao meio ambiente o mais lamentável é que líderes das principais nações do mundo estejam interessados apenas no lado financeiro que essa tecnologia traz para as suas nações e que enquanto um lado cresce e se desenvolve o outro no caso o meio ambiente se deteriora a cada dia que passa aqui temos mais um exemplo para usar a palavra que agora considero o centro dessas considerações a sustentabilidade os avanços trazidos pela tecnologia demonstram pouca preocupação com a preservação do meio ambiente falta para as nações mais desenvolvidas e vale lembrar que junto com esse status vem também o de maiores poluidoras do mundo se organizarem e utilizarem a tecnologia sem afetar o meio ambiente o final dessa história compromete e muito o futuro da nossa humanidade É mais um exemplo de como a tecnologia criada em princípio para tornar nossas vidas mais práticas pode se voltar contra nós devido ao excesso de ganância e falta de comprometimento para com o nosso planeta É a terra voltando-se contra a humanidade em resposta à agressividade com que a tratamos ela responde à altura aquecimento global que comprovadamente trará inundações nas mais variadas partes do mundo efeito estufa falta de água potável furacões tsunamis entre tantas outras alterações a nossa única esperança nessa questão é que a própria tecnologia possa ser utilizada senão para resolver pelo menos para minimizar os seus próprios efeitos muitos outros exemplos podem ser citados para esclarecer melhor o quanto algo considerado fundamental como a tecnologia pode acabar nos prejudicando É de extrema importância uma análise mais profunda quando relacionamos tecnologia e humanidade as relações entre uma e outra não fogem do contexto e no momento nós como humanidade não estamos tratando a tecnologia de uma forma correta pois a vemos apenas como algo prático sem maiores conseqüências e sem observá-la num contexto mais amplo o de um desenvolvimento entrelaçado com a sustentabilidade comente este artigo em mediacao@colegiomedianeira.g12.br joão felipe gremski 21 anos é ex-aluno do colégio medianeira e atualmente é estudante do 3º ano do curso de biologia da universidade federal do paraná tecnologia trabalho e desemprego um conflito social antÔnio vico manas e jayr figueiredo de oliveira editora erica a proposta desta publicação é envolver o leitor nas discussões referentes ao trabalho ao desemprego e à tecnologia bem como analisar os impactos das mudanças do mercado de trabalho na carreira profissional são abordados os conceitos e as evoluções com uma visão filosófica etimológica epistemológica e histórica dos termos trabalho tecnologia emprego e desemprego os diversos modelos de processos de mudanças que influenciam o mundo do trabalho comparações significativas entre o emprego e as inovações tecnológicas no pensamento econômico desemprego crescimento econômico e inovações tecnológicas que influenciam de forma direta e indireta no processo do desemprego e finalmente a globalização tecnológica e a exclusão digital um dos fortes indicadores de desemprego no mundo do trabalho trabalho e tecnologia dicionÁrio critico antÔnio david cattani editora vozes este dicionário crítico apresenta referenciais de análise das novas relações entre trabalho e tecnologia 77

[close]

p. 8

normalizadoras reconfiguradoras melhoradoras a arte dos superpoderes por mábile borsatto que as artes se apropriam devorando novas possibilidades de linguagem para sua expressão todos já sabemos no entanto muitas vezes o uso irrefletido de aparatos tecnológicos pode limitar mais do que expandir potencialidades de comunicação de que maneira podemos pensar na tecnologia palavra cheia de sentidos como uma boa interlocutora da dança 8

[close]

p. 9

então o que você quer mudar a humanidade não alguma coisa mais modesta que a humanidade se transforme como ela já fez duas ou três vezes cornélius castoriadis e em tempos de uniformização do pensamento individualismo solidão na multidão stress e violências bestiais a tecnologia entra na vida das pessoas alimentando e desorientando corações a relação entre a humanidade e os grandes inventos que ela mesma criou é muito instigante ou é uma antítese ou um paradoxo a tecnologia está sempre evoluindo já a espécie será que realmente sentimos saudade dos bons e velhos tempos em que fomos apresentados ao tal cabral tudo era tão simples naquela época a intenção aqui é levantar a discussão de como a tecnologia influencia no corpo cênico no corpo do artista que dança e expressa conhecimento através de sua manifestação artística essa discussão é apenas o ponto de partida de alguns dilemas apresentados pela tecnologia contemporânea os desdobramentos desse tema servem como reflexão interessante para os artistas da dança que têm o corpo como seu principal objeto artístico o diálogo da dança com a tecnologia é significativo e é tendência mais que confirmada nesse hibridismo da contemporaneidade nesse ato de dançar envolvendo tecnologias essa tal tecnologia estabelece relações que podem tanto limitar quanto multiplicar as relações que a dança pretende estabelecer um tema atual e questionador pois será que a dança e seu objeto de estudo o corpo estão precisando de suportes e extensões para comunicar suas idéias acredito então na dança que é construída na rede de relações capaz de dialogar com as novas tendências tecnológicas que possibilitam enxergar as modificações desestabilizadoras e positivas que isso traz para a arte isso revela uma tecnologia que se desdobra na arte e uma arte alimentada de tecnologia o que enriquece o movimento comunicativo entre os participantes autor e espectador e gera a ressignificação de idéias e conceitos pré-estabelecidos há complexidade no ato de dançar e ela busca a não separação de conceitos e ações a dança é pesquisa do corpo não devemos ter pudor de usar tudo aquilo que seja necessário para que ele consiga manifestar idéias com mais propriedade e essa investida na conversa entre arte e tecnologia requer um tratamento estético vinculado aos créditos que damos para o que pretendemos comunicar marshal mcluhan já dizia que a perspectiva imediata para o homem ocidental letrado e fragmentado ao defrontar-se com a implosão elétrica dentro de sua própria cultura é a de transformar-se rápido e seguramente numa criatura profundamente estruturada e complexa emocionalmente consciente de sua total interdependência em relação ao resto da sociedade as tecnologias fazem parte da construção da humanidade mas faz-se necessário que o acolhimento desse bombardeio robótico seja crítico capaz de compreender sem entusiasmos exagerados os lugares e posições de cada um na dança acredito que essa conversa com outros tipos de comunicação entra como possibilidade de ampliar a rede de diálogos com o mundo enquanto dançamos capacidade de relação trans 9

[close]

p. 10

formação do fazer artístico consciência sincronizada com corpo-máquina e então autonomia para exibir todo conhecimento produzido entre dança e tecnologia isso tem a ver com o trânsito entre arte e ciência e com os interesses de aproximação que sempre existiram de ambas as partes porém diante da urgência atual esse diálogo apresenta-se escancarado a nossos olhos assim a ciência parece validar o uso tecnológico nas produções em arte tal uso tecnológico entra em ação como normalizadora-reconfiguradora-melhoradora das relações entre indivíduo-tarefa-ambiente e público-obra-espectador É importante ressaltar que as melhorias e os avanços não garantem sucesso e felicidade artística por isso é tão necessário que o uso de tais tecnologias seja tão pesquisado quanto o próprio estudo de movimento realizado na dança dança/público/relaÇÃo/ambiente tecnológico tudo isso funcionará como um sistema que se reorganiza constantemente para adaptar e transformar as informações vivemos em constante transformação atingidos e atingindo tudo e todos que nos cercam sujeitos-objetos em sua coexistência mudam a todo instante capturam tendências registram feitos em tempo real É dança como processo contínuo que ocorre nos trânsitos entre o aperfeiçoamento e a destruição por artefatos tecnológicos colocados em prática essa dança que se propõe a desenvolver tais argumentos acredita que é nessa relação entre o fora e seu constante movimento com o dentro que se criam diálogos capazes de entender esse sistema de signos que a dança é sua capacidade de instigar a compreensão de uma idéia pensando exatamente sobre isso christine greiner avisa que falar em co-evolução significa dizer que não é apenas o ambiente que constrói o corpo tampouco o corpo é que constrói o ambiente ambos são ativos o tempo todo a informação internalizada no corpo não chega imune a idéia de humanidade não se contrapõe à de natureza tecnológica e não deve ser entendida aqui como abandonada a integração entre humanidade e tecnologia entre ser e fazer entre dança e ambiente está entrelaçada já que o indivíduo funciona de maneira sistêmica como explica jorge de albuquerque vieira em seu livro teoria do conhecimento e arte formas de conhecimento arte e ciência uma visão a partir da complexidade desta forma a dança se apresenta e se conserva também de maneira complexa no jogo de sua corporeidade e na dinâmica relacional que se realiza em seu contexto multidimensional com diferentes potencialidades e possibilidades uma ação transformadora do implícito no explícito resultante dos processos reflexivos gerados de auto-organização a arte híbrida dos humanos nos permite perceber que não existe limiar que possa classificar a tecnologia utilizada na própria arte como boa ou ruim entretanto relações humanas e tecnológicas confusas sem questionamentos merecem atenção frente ao uso exagerado e pouco reflexivo da tecnologia no universo artístico argumentos que se sustentam na noção de progresso são vazios de investigação e permitem um julgamento que apenas favorece um presentis 10

[close]

p. 11

mo/futurismo sem levar em conta que o passado é também fundamental para o desenvolvimento de uma pesquisa a arte e no caso a dança não é meramente uma expressão artística no sentido trivializado que essa expressão costuma receber não é um devaneio de pessoas sem praticidade ou ainda um produto supérfluo diante de concepções mais objetivas É uma manifestação de complexidade e de evolução é um reflexo de valores mais elevados que a humanidade tem tentado vivenciar É assim a tentativa de efetivação de formas elevadas de sobrevivência formas essas sabemos bastante inacessíveis à maioria dos seres humanos mas potenciais em todos eles É o que nos diz novamente jorge albuquerque vieira acoplamento estrutural denomina a relação de sistemas que precisam da presença de outros sistemas para seu funcionamento espaços íntimos e abertos espaços públicos e privados na relação humanidade e tecnologia percebemos e construímos um corpo-ambiente irremediavelmente ligado em interação estar consciente sobre nossa existência e sobre as técnicas e tecnologias que cercam o mundo não é somente um sinal de evolução como espécie mas sim um alerta sobre nossa responsabilidade como seres conscientes seja como for minha sugestão é use com responsabilidade o corpo pistas para estudos indisciplinares christine greiner editora annablume este livro é voltado para auxiliar aqueles que iniciam seus estudos sobre o corpo conciso e objetivo apresenta uma completa e atualizada série de referências sobre o assunto fugindo da obviedade irritante da qual padece boa parte das introduções temáticas christine greiner professora de pós-graduação da puc/sp mapeia des de as pioneiras obras com enfoque filosófico e histórico até as tendências recentes dos chamados estudos culturais cross-cultural studies também apresenta os debates voltados à estética e à política do corpo às experiências artísticas e questões ligadas à saúde cirurgia plástica próteses e distúrbios da alimentação entre outros tópicos discutidos em disciplinas específicas como antropologia e sociologia enfim traz um panorama que certamente instigará o leitor a prosseguir em seus estudos sobre o corpo tema tão caro às diversas culturas da humanidade comente este artigo em mediacao@colegiomedianeira.g12.br o homem-mÁquina a ciÊncia manipula o corpo adauto novaes organizador companhia das letras filósofos cientistas artistas e estudiosos brasileiros e estrangeiros discutem as relações entre ciência e corpo para refletir sobre os limites da experimentação científica e os riscos do predomínio da tecnologia na existência humana reunião de ensaios apresentados no ciclo de conferências organizado por adauto novaes em 2001 mábile borsatto é a mais nova professora de dança do medianeira formada em bacharelado e licenciatura em dança pela fap faculdade de artes do paraná é também pesquisadora em dança contemporânea e criadora-intérprete do grupo de dança da fap 11

[close]

p. 12

educaÇÃo e tecnologia por lucas feron autoconhecimento em tempos de bbbs privacidade ameaçada e valores centrados no consumo o indivíduo está mais distante de si mesmo esquecendo-se de como algumas reservas de solidão e silêncio podem contribuir para atitudes reflexivas capazes de erigir um ser humano antes do que um consumidor 12

[close]

p. 13

a a escola nas últimas décadas tem recebido uma carga muito grande quase exclusiva de responsabilidade na formação de jovens tanto em relação à formação humana quanto acadêmica essa formação categórica de jovens requer um preparo muito criterioso por parte do corpo docente que procura orientar os estudantes na vida como seres humanos e profissionais cada vez mais a escola ganha espaço e ocupa o dia-adia dos estudantes primários e secundários isso porque as ruas já não oferecem a segurança para que se usufrua delas como em algumas décadas atrás portanto a escola carrega nas costas uma grande parte de responsabilidade na formação de seres humanos em muitos ambientes de caráter escolar e familiar uma das idéias que persevera há tempos é a de que a principal meta educacional a ser alcançada por um ser humano é a de projetar o indivíduo para que o mesmo caminhe com suas próprias pernas porém este caminhar exige um esforço muito grande por parte do sujeito que busca tal ideário esse ideal do caminhar com as próprias pernas é para muitos pais e educadores reduzido por muitas vezes a tão somente capacitar o discípulo para que este tenha condições em primeiro lugar de agregar valores materiais reforçando temporariamente a idéia de que tais valores trazem a felicidade não raro observa-se que a conseqüência do efeito desse reforço causa por vezes uma crise existencial aguda formando indivíduos com pouca capacidade para se manter por exemplo em silêncio e/ou sozinhos por um certo período de tempo tendo em vista que tais indivíduos sentem dificuldade de refletir a sós condição essa que possibilita uma reflexão interna muito grande indispensável para que possamos crescer como seres humanos contrariamente a isso a condição de buscar constantemente ocupações para o nosso tempo pode ser encarada de forma a escapar da responsabilidade que nos cerca de crescermos evoluirmos como seres humanos tendo em vista que diante de tantas ocupações pouco nos ocupamos re fletindo sobre a nossa própria subjetividade o fato de um indivíduo se encontrar em silêncio e sozinho por certos momentos do dia-a-dia é muitas vezes visto com maus olhos visto como algo negativo ao ser humano no entanto thomas edison lembra que para ter pensamentos lúcidos um homem deve conseguir períodos regulares de solidão quando possa concentrarse e entregar-se sem perturbações à sua imaginação a solidão é tão necessária para a imaginação quanto a sociedade é sadia para o caráter corrobora james russell lowell a solidão é o ninho do pensamento diz ainda um provérbio curdo as grandes almas vivem hoje na solidão e é na solidão que deus espera os homens humberto de campos enfim exemplos de pensamentos que valorizam momentos de solidão não faltam quando perguntamos às pessoas sobre o que elas gostariam de se tornar ouvem-se habitualmente respostas como ah eu queria ter uma boa casa ter um bom casamento ter um emprego bom e um carro legal que já está de bom tamanho É fácil notar como todos estes itens são encontrados no mundo exterior ao ser humano e também por que não dizer que se trata também de um adiamento da felicidade algo como apenas tornar-se feliz quando conseguir realizar a conquista desses ideais observando essa habitual resposta obtida para a pergunta mencionada anteriormente percebo que a maioria das pessoas possui medo ou não aprendeu a olhar para dentro de si e buscar a satisfação de suas reais necessidades falo das necessidades interiores do ser humano das mais profundas aquelas que ecoam no fundo da alma e não as que pulsam do lado de fora no seu exterior percebendo isso é que me pergunto por que é tão difícil ouvir diferentes respostas à pergunta que exemplifiquei algo como gostaria de ser um bom professor e também de entender mais as pessoas ou ainda gostaria de ser advogado quero trabalhar com as leis de uma forma que pudesse beneficiar realmente as pessoas toda essa idéia de educar para o ter gera uma frustração interior que reflete na plenitude 13

[close]

p. 14

da vida de um ser humano quantos jovens reclamam de suas vidas jovens que têm a possibilidade de receber uma boa educação formal mas de espírito fazem parte de uma classe muito carente em que o respeito ao próximo o amor pela natureza e a compreensão para com as pessoas nem fazem parte de seu cotidiano a idéia que prevalece na atitude destes carentes de vida interior é muitas vezes apenas a de tirar vantagem das situações do dia-a-dia para se dar bem por certo isso não acontece porque estes jovens nasceram assim mas sim porque nunca cultivaram seu mundo interior lembrando uma máxima que nos diz o seguinte para quem não sabe para onde ir qualquer caminho serve percebemos a grande quantidade de universitários que vivem nesse estado percebo isso vendo a quantidade de matadores de aula que preferem estar nos bares em frente às faculdades a estar produzindo dentro da sala de aula do curso que eles mesmos escolheram por qual motivo matariam tantas aulas por muitos mas certamente quem trabalha seu mundo interior costuma ser mais assertivo em suas escolhas de vida e sabe por que faz tais escolhas tem em mente algo mais concreto com relação à direção que busca em sua existência mas que direção é essa huberto rohden filósofo e educador brasileiro que trabalha em seus escritos sobre ciência religião e filosofia escreve muito sobre valor do autoconhecimento na formação do ser humano em seu livro educação do homem integral faz a seguinte colocação em quase todos os países do mundo sem excetuar o nosso brasil o mundo dos valores é quase totalmente negligenciado sofre de uma atrofia calamitosa enquanto o mundo dos fatos está unilateralmente hipertrofiado e é esse pavoroso desequilíbrio entre atrofiamento da educação e hipertrofia da instrução que provocou a crise da frustração existencial que agoniza a nossa humanidade huberto rohden nologias colabora para o desequilíbrio humano gerando muitas vezes seres automatizados incapazes de sonhar refletir sobre a condição humana sobre a vida pensar na própria vida viajar na maionese e penso quem não sonha não viaja pouco se interessa pela vida para estes não sonhadores parece mais valer ocupar uma posição social de prestígio zelando por sua própria imagem e mais vale se contentar com tudo e aceitar a vida poupando-a mesmo que para isso seja necessário viver uma realidade de que não se goste muito porque sempre que começo a sonhar um pouco o mundo dos fatos chega perto de meus ouvidos e diz em tom de amizade para que eu pare de sonhar e caia na real dizendo que é melhor sempre manter os pés no chão cuidar com meus sonhos pois corro o risco de falhar no mundo dos fatos por ter me libertado do mundo material e partido em busca de um sentido de vida mas e o mundo dos valores este sim pode realizar uma pessoa internamente o mundo dos fatos vive em alternância desconhece uma conduta de vida constante o mundo dos fatos costuma trazer a alegria nos finais de semana nos feriados no carnaval quando podemos usufruir o que temos em casa e na conta bancária quando estamos fora dessas possibilidades a alegria não é garantida já o mundo dos valores propõe que não sejamos escravos do mundo material que busquemos ser felizes e constantes em nosso dia-a-dia para que possamos usufruir de nós mesmos da natureza das pessoas e do conhecimento nesse sentido é perceptível que existe uma boa diferença entre a alegria e a felicidade sendo que a primeira pode estar dentro da segunda entretanto se invertermos a situação e nos perguntarmos se dentro da alegria encontramos a felicidade talvez surpreendamo-nos com nossa resposta interior a felicidade é o resultado de um constante cultivo de nosso interior ser feliz é conhecer um pouco de si mesmo entrar em contato com nosso interior e aprender a nos valorizar por nossas qualidades e aceitar que temos defeitos também a partir do momento em que estamos ci É inegável o poder da tecnologia para fomentar principalmente o mundo dos fatos mundo este que corresponde na interpretação de grandes pensadores como albert einstein e huberto rodhen ao que é exterior ao ser humano entretanto o uso desenfreado de tais tec 14

[close]

p. 15

entes disso podemos escolher entre tentar melhorar ou cruzar os braços quem vive apenas no mundo dos fatos geralmente aceita seus defeitos com passividade e pouco se importa se tais atingem o seu próprio dia-a-dia ou pior do que isso se também atingem o próximo o trabalho do ensino e a prática das artes música dança plásticas cinema são muito importantes para o desenvolvimento e a percepção do caráter humano a arte reativa a vontade de sonhar a exemplo disso muitas pessoas quando ouvem a música de j.s bach relatam a sensação de estar no céu ou de estar voando a arte fornece a chance de sonhar de voar de questionar nossos próprios limites a arte não mente coloca o ser humano cara a cara com a vida trabalhando como se fosse um espelho da alma humana levando o homem a contatos muito mais próximos com seus sentimentos levando-o a uma autocompreensão maior e possibilitando o contato com o infinito aquilo que não pode ser tocado mas pode ser sentido no entanto vale lembrar que para sentir isso é preciso também muito trabalho e muita busca quando estamos alegres é fácil explicar o motivo da alegria agora quando a situação envolve a tristeza a resposta fica mais difícil de ser encontrada parece que ela está mais escondida lá no fundo e muitas vezes não sabemos como chegar até lá porque só sabemos do superficial consigo curar uma fome de estômago com uma boa refeição mas a fome de espírito não sei como fazer parece que nem sei do que ela precisa isso porque não aprendemos a nos sentir e também a nos entender através de mecanismos tecnológicos a educação de um ser humano não pode ter como único pilar a instrução e a tecnologia ela precisa também de autocompreensão de coragem de caráter de ética de sonhos enfim educação é uma via de mão dupla em que os mestres vêm na contramão compartilhando o que podem mas a estrada de cada um é única e para construí-la de forma sólida e verdadeira precisamos de um cultivo interior constante em nosso dia-a-dia lucas de vargas feron é ex-aluno do colégio medianeira e cursa o 5º período de educação musical na ufpr É professor da fundação solidariedade patrocinada pela volvo e das escolas trilhas e talento musical também atua como instrumentista tendo conquistado o 3º lugar no concurso latino americano rosa mística de interpretação violonística em 2006 e recebido em 2007 o prêmio de menção honrosa no mesmo integrante do quarteto de violões de artes da ufpr comente este artigo em mediacao@colegiomedianeira.g12.br a invenÇÃo da solidÃo paul auster editora companhia das letras neste livro de memórias o autor americano paul auster alia seus notáveis talentos de poeta tradutor ensaísta e ficcionista as recordações da infância e dos primeiros anos como escritor se entremeiam com uma profunda reflexão sobre a paternidade o acaso e a literatura paul auster parte primeiro de sua experiência como filho e depois como pai para indagar a fundo a natureza do legado que sem escolher herdamos e transmitimos de geração a geração construído na forma de um mosaico poético de fragmentos o livro alterna recordações pessoais com argutos comentários sobre literatura pintura e filosofia 15

[close]

Comments

no comments yet