Revista Mediação - número 13

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

1

[close]

p. 2

2

[close]

p. 3

revista de educação editada e produzida pelo colégio medianeira diretor pe rui körbes s.j vice-diretor prof adalberto fávero coordenador administrativo e financeiro gilberto vizini vieira coord comunitário e de esporte prof francisco alexandre faigle coordenação editorial e revisão nilton cezar tridapalli luciana nogueira nascimento mtb 2927/82v projeto gráfico e diagramação sonia oleskovicz ilustrações kelly tavares viviane vallim sonia oleskovicz montagens e tratamento colaboraram nesta edição andré tezza carlos renato monteiro eduardo túlio baggio fabiana hitomi ono ishiruji francisco carlos rehme geraldo vieira de magalhães gladimir nascimento juliana cavassin juliana cristina heleno marcelo weber e maria célia martirani tiragem 3000 exemplares papel reciclato suzano 90g/m2 miolo reciclato suzano 240 g/m2 capa número de páginas 48 issn 1808-2564 o jogo teatral e a formação do sujeito juliana cavassin 5 Água reuso redução do uso ou conservação gladimir nascimento 9 as vozes do documentário michaud entre os crocodilos e as serpentes eduardo tulio baggio 15 tecnologia e escola integrações nilton cezar tridapalli 19 sequestro do co2 fabiana hitomi ono ishiruji 23 reflexões sobre a leitura juliana cristina heleno 26 em cena o leitor equipe pedagÓgica educação infantil e ensino fundamental de 1ª à 4ª séries coordenadora profª silvana do rocio andretta ribeiro ensino fundamental de 5ª e 6ª séries coordenadora profª eliane dzierwa zaionc ensino fundamental de 7ª e 8ª séries coordenadora profª roberta uceda ensino médio coordenador prof marcelo pastre coordenador de pastoral pe guido valli s.j marketing luciana nogueira nascimento coordenador de midiaeducação nilton cezar tridapalli maria célia martirani 30 a infância por um fio geraldo vieira de magalhães 34 a filosofia enquanto exercício do cotidiano carlos renato moiteiro 36 relativismo cultural e o filme quem quer ser um milionário andré tezza 40 itupava úmidas e silenciosas pedras que contam história francisco carlos rehme 45 os artigos publicados são de inteira responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião dos editores e do colégio nossa senhora medianeira a reprodução parcial ou total dos textos é permitida desde que devidamente citada a fonte e autoria crÔnica prefação marcelo weber 48 linha verde · av josé richa 10546 prado velho · curitiba · paraná fone 41 3218-8000 fax 41 3218-8040 www.colegiomedianeira.g12.br mediacao@colegiomedianeira.g12.br 3

[close]

p. 4

ler ou não ler eis a questão na verdade não deveria haver questão ou dúvida quando se trata de leitura ela é imprescindível para a formação de sujeitos críticos reflexivos e capazes de compreender seu contexto e agir a partir dele para a transformação da sociedade ler é construir elaborar alimentar e realimentar corpo mente e alma É ato de pesquisar constantemente as tramas da história do ser humano e do futuro que queremos para nós e nossos filhos ler é caminhar na contramão da massificação do desrespeito a diversidade e do preconceito quem nos fala sobre isto nesta edição é a professora juliana heleno e também a escritora maria célia martirani quando trata da relação entre o leitor e seu livro não existe livro ou autor sem o leitor ler é sentir e permitir ser sentido é troca e reciprocidade entre leitor autor e a própria obra nesta mesma linha de relações passa o trabalho do teatro e do jogo teatral importante no relacionamento do sujeito consigo mesmo seja ele ator diretor ou plateia o cinema outra forma de leitura de contexto está nas análises do filme quem quer ser um milionário e do documentário michaud entre os crocodilos e as serpentes para completar o círculo de mídia e comunicação a tecnologia mocinha e vilã do contexto escolar no qual estão inseridas diferentes gerações enfrenta uma realidade de interações que precisa ser constantemente revista e atualizada sob o risco de se falar linguagens que se opõem que não conversam em um mesmo ambiente em um mesmo contexto partindo para outro extremo mas que não deixa de envolver a leitura veremos maneiras simples de conservar o meio ambiente voltando nossas ações para o reuso redução e conservação da água e para o seqüestro de carbono termo que ainda causa estranhamento e dúvidas entre a maioria das pessoas e a partir desta edição publicamos uma seqüência de crônicas do artista e historiador marcelo weber que se aventura em uma mistura de humor ideias e receitas delicioso aproveite tudo e depois de saborear experimentar construir refletir desconstruir escreva para nós mediacao@colegiomedianeira.g12.br boa leitura luciana nogueira nascimento a respeito do artigo sobre eblogs de autoria das profªs letícia e luciane gostaria de manifestar a minha admiração pelo trabalho o conteúdo dos três blogs apresentados é vasto e muito estimulante para os jovens aprendizes nota-se que mais do que consistir de um artefato tecnológico o blog tem o poder de ampliar ilimitadamente as dimensões da sala de aula tornando a experiência dos alunos ainda mais motivadora parabéns às professoras blogueiras pela proatividade em buscar novas ferramentas didáticas aproveito a oportunidade para sugerir ao colégio medianeira que fomente esta expansão para o espaço cibernético no seu meio acadêmico tomando medidas tais como efetuar uma enquete entre todos os professores visando obter informações de blogs de outros professores do colégio bem como de suas sugestões criar uma página dentro do site do colégio com links para os blogs dos seus professores além de links com sugestões dos mesmos criar uma oficina de construção de blogs para os professores que desejarem desenvolver também a sua ferramenta de comunicação um abraço que transfoma alberto heitor molinari sempre aluno colégio medianeira graduado em bacharelado em informatica ufpr especialista em tecnologia da informação ufpr mestrando em informática industrial utfpr e o mais importante pai do davi e do caio 1º ano e 3ª série mediacao@colegiomedianeira.g12.br 4

[close]

p. 5

o jogo formação do teatral sujeito ea por juliana cavassin além de sermos homo sapiens somos também homo ludens e isso diz respeito à nossa capacidade lúdica para o jogo veja como o jogo teatral é importante para o relacionamento do sujeito consigo mesmo e com o outro seja ele ator diretor plateia 5

[close]

p. 6

d dentre algumas das metodologias do ensino do teatro uma de grande importância é a denominada jogos teatrais da norte-americana viola spolin 1906-1994 além da contribuição para o ensino e a prática da arte cênica as técnicas abrangem o campo da arte-educação também conhecido como método de teatro improvisacional improvisação para teatro é o nome do primeiro livro publicado no brasil em 1979 pela editora perspectiva no que se refere à aplicação para atores e diretores/professores tem-se nele o auxilio técnico de todas as fases do processo de ensaio de uma peça seleção escolha de elenco harmonia aquecimento criação de espaço cênico superação de ansiedade de estreia amadurecimento e integração de participantes ao projeto teatral no que diz respeito ao campo da arte-educação pode-se apontar o quanto a metodologia é capaz de influenciar na formação emocional social e cognitiva não só de atores mas de qualquer participante o que contribui amplamente para a formação do sujeito deixá-lo trabalhar como se fosse a bola de um jogador de futebol mas o jogo teatral ao contrário do futebol não possui um foco material físico como levar a bola ao gol as regras são específicas para cada jogo dadas através da instrução do professor/diretor e levam os jogadores a resolverem o problema com consciência criatividade e uso do corpo deve-se responder a situação proposta de forma cênica mantendo claramente para a plateia também considerada junto ao professor/diretor como jogadora os princípios da unidade dramática quem onde e o que está acontecendo enquanto ocorre o jogo o professor/diretor emite as instruções para abrir espaço de tempo movimento e transformação são expressões simples e diretas que surgem espontaneamente no momento em que os jogadores estão em ação mas cujo vocabulário elimina a orientação autoritária e a síndrome da aprovação/desaprovação por exemplo fala-se compartilhe sua voz com a plateia ao invés de projete sua voz a instrução deve gerar ou manter a energia crescente pois é o apoio entre jogadores e diretor/professor para atingir o organismo total do que se processa mesmo assim apesar da instrução cada indivíduo deve encontrar seu próprio caminho através do esforço pessoal e consequente harmonia coletiva com a prática jogar se torna cada vez mais lúdico orgânico e metodologia do jogo teatral nos jogos de viola spolin sempre se têm bem definidos para diretor/professor os objetivos que apontam o principal resultado que se espera obter para resolver questões da pessoa do grupo e/ou do ensaio da peça como dificuldades de relacionamento projeção de voz unidade cena foco etc esse último especificamente tem uma importância fundamental em todos os jogos já que é o foco que permite ao jogador manter o olho mental vivo como um atleta o mantém na bola em movimento ele também garante o envolvimento de todos os participantes em cada momento durante o processo o foco coloca o jogo em movimento e todos se tornam parceiros na medida em que prestam atenção aos mesmos problemas a partir de diferentes pontos de vista todos os jogadores devem confiar no foco e 6

[close]

p. 7

espontâneo principais fundamentos do método spoliniano na medida em que o valor do jogo e do próprio ato de jogar tornavam-se mais claros a palavra jogo substituiu a expressão solução de problemas as explicações sobre técnicas intenções etc tornaramse desnecessárias a procura lógica e racional dessas informações tinha sido ultrapassada pelo foco do jogo teatral spolim p 15 2001 socializador ou seja é a transformação da subjetividade pessoal em objetividade coletiva um pressuposto do ser sujeito e cidadão isso porque resolver os problemas propostos no jogo exige além das habilidades racionais exercita-se com o jogo a emoção e a intuição a intuição emerge no lado direito do cérebro na mente metafórica área x a área do conhecimento que está além das restrições de cultura raça educação psicologia e idade ela é mais profunda do que as máscaras de maneirismos preconceitos intelectualismos que a maioria de nós veste no cotidiano spolim p.18 2001 ao fim de cada jogo plateia professor/diretor e jogadores de palco participam de uma avaliação nela discute-se se a proposta foi realizada de maneira efetiva as dificuldades que surgiram e como foram resolvidas se o foco se manteve as oportunidades outros jogos e ideias relacionados etc enfim nesse momento todo o grupo revela o que foi aprendido percebido e/ou realizado no curso do jogo a formaÇÃo do sujeito percebe-se que no contexto da arte-educação a importância dos jogos se aplica à educação estética pelo teatro às demais linguagens artísticas que sempre se relacionam e também à aprendizagem cognitiva afetiva e psicomotora uma vez que se tratam de experiências que envolvem o grupo o corpo e a mente para responder os desafios maior divulgadora de viola spolim no brasil a pesquisadora ingrid koudela eca/usp apresenta estudos que revelam o desenvolvimento humano que os jogos proporcionam de acordo com o modelo piagetiano de desenvolvimento intelectual os estudos mostram que a criatividade dramática proporciona um meio de atividade adaptativa para a criança que influencia na descentralização cognitiva social e moral no desafio intelectual do criador ator plateia e/ou crítico utilizam-se esquemas cognitivos e afetivos para a estruturação da realidade objetiva ao jogar o individuo e/ou grupo precisam efetivar a passagem do teatro concebido como ilusão para a uma realidade cênica essa passagem é a quebra do egocentrismo do indivíduo e seu mundo particular para que se transforme em jogo dessa forma intuir também implica estar livre de opiniões atitudes preconceitos e julgamentos pré-concebidos para vivenciar soluções no momento presente É por isso que o ato de jogar requer presença aqui e agora é necessário viver no tempo presente e não no tempo da memória já que o jogo só acontece no tempo presente nesse sentido spolim diferencia o estar à espera permitir que o desconhecido se aproxime momento de arte/vida do esperar por passado/futuro no ato do jogo e consequentemente na vida a autora afirma como indivíduos somos isolados uns dos outros cheios de limitações medos tensões competitividade preconceitos e atitudes preconcebidas se a nossa abertura for mais do que apenas uma esperança um sentimento uma palavra então certas condições deverão ser atendidas a primeira delas deveríamos chamar de mutualidade ou confiança o verdadeiro jogo produzirá confiança spolim,p.18 2001 então vemos que as relações intra extra e interpessoais são desenvolvidas pois a prática dos jogos possibilita a aproximação de si mesmo e dos outros jogadores exercitando o pensar agir e sentir e revelando que a técnica é sim 7

[close]

p. 8

muito importante mas o processo é tão amplo dinâmico e lúdico no que se refere às relações humanas que vão além da metodologia e do teatro são parte da comunicação e relacionamento humanos princípio básicos para que o indivíduo se desenvolva plenamente como sujeito comente este artigo em mediacao@colegiomedianeira.g12.br referÊncia spolim v o jogo teatral no livro do diretor perspectiva 2001 juliana cavassin é formada em educação artística artes cênicas fap e jornalismo pucpr com especialização em fundamentos do ensino das artes fap e mestrado em educação pucpr É ex-aluna e professora de teatro desde 2003 do colégio medianeira também é professora do curso de licenciatura em teatro da faculdade de artes do paraná 2007 e presta serviços na área de artes educação e comunicação para várias instituições como senac-pr itde e ufpr contato:jupalomar@hotmail.com jogos teatrais o fichÁrio de viola spolin viola spolin editora perspectiva viola spolin figura seguramente entre os maiores professores de teatro não só nos estados unidos onde quer que seu método e seus ensinamentos tenham chegado não importando o país ou a língua eles fizeram escola improvisação para o teatro sua famosa coleção de jogos exercícios de atuação e comentários continua tão atual hoje quanto na época de sua aparição inicial assim como sua crescente difusão na rede escolar brasileira vem comprovando para melhor instrumentá-la na prática de sua aplicação viola spolin fez uma seleção especial de jogos teatrais dispostos em fichas separadas em uma caixa servindo ao trabalho em sala de aula por meio de jogos teatrais professores e alunos podem viver a experiência teatral com grande benefício para seu ensino e aprendizado o jogo teatral no livro do diretor viola spolin editora perspectiva este livro é uma aplicação prática do famoso método pelo qual viola spolin foi chamada a grã-sacerdotisa do teatro improvisacional a autora mostra de forma lúdica como suas técnicas podem ser utilizadas em larga variedade de situações e também para o amadurecimento e a integração dos participantes do projeto teatral 8 8

[close]

p. 9

reduÇÃo do uso ou por gladimir nascimento Água reuso conservação muitas vezes a tecnologia tem sido vista como instrumento redentor de todos os problemas em muitos casos no entanto outras soluções se tornam mais eficazes e econômicas desde que acompanhadas por conscientização e mudança de pequenos hábitos com dados e contas surpreendentes este artigo nos revela formas simples de economia de água 9

[close]

p. 10

a a coisa chata sobre a pesquisa é que frequentemente ela nos desaponta ao comprovar o oposto daquilo que acreditávamos ser verdade o método científico não tem charme nem senso de humor nem compromisso com as nossas convicções e pouco se lhe dá se o resultado da investigação é sem graça contrário às nossas expectativas ou uma completa afronta ao senso comum lamento-me dessa maneira porque investi dois anos em uma pesquisa para comprovar que o reuso de águas servidas água que sai da pia do chuveiro das lavadoras e tanques é uma alternativa viável e até mesmo imprescindível contra a escassez de água em curitiba e região metropolitana era uma ideia arraigada e a pesquisa deveria servir simplesmente para embasá-la assim como pretendia defender a lei municipal que tornou esse reuso de água obrigatório para novas construções em curitiba bem esse era o resultado esperado porém porém o fato é que a defesa do reuso de água chega a ser uma ingenuidade quando o consideramos no contexto da nossa cidade e dos municípios vizinhos há aqui uma pergunta por que sempre imaginamos uma solução tecnológica para os problemas ambientais será uma desculpa para nosso comportamento poluidor será ao contrário uma punição autoimposta pois um remédio como o reuso de água equivale à autoflagelação será que não queremos enxergar o simples e o necessário então nos pomos a divagar sobre soluções radicais reaproveitar a água é nobre mas a tecnologia para fazê-lo embora sedutora não se justifica enquanto não tomarmos muitas outras medidas urgentes e óbvias no nosso contexto então vamos ao contexto em 1970 a população da região metropolitana de curitiba era de 1 milhão de habitantes em três décadas e meia ela triplicou a maior parte desses moradores instalou-se justamente nas áreas que pressionam os mananciais de onde tiramos nossa água de beber É um problema parecido com aquele da cobra que engole o próprio rabo quanto mais população maior o volume de água necessário e menor o volume disponível já que esses habitantes degradam justamente as nascentes rios matas ciliares e áreas de aquífero este fato deve ser o alvo prioritário das políticas públicas leis debates aulas pesquisas e todo tipo de esforço contra a falta de água potável o problema é grave e caro baseada em um estudo dos engenheiros osvaldo dalarmi e cléverson andreolli que aliás é pai de uma aluna do medianeira a sanepar elaborou um imenso e imensamente dispendioso plano de investimentos a ser cumprido até o ano de 2050 os dois engenheiros acreditam que entre 2025 e 2050 atingiremos o limite da exploração dos recursos hídricos mais próximos depois teremos de captar água a mais de 50 quilômetros de distância e a uma altitude 500 metros abaixo do planalto curitibano com um custo de bombeamento 10 vezes maior que o atual que corresponde a 10 da tarifa aproximadamente portanto o que pagamos hoje na conta de água vai dar somente para o bombeamento e não é apenas porque a população vai crescendo mas principalmente porque vai crescendo em cima dos mananciais logo cada centavo que deixamos de gastar na conservação desses mananciais será cobrado com juros altíssimos quando tivermos de procurar água em outra freguesia reuso é a medida adequada para regiões onde a água praticamente não existe no deserto da namíbia por exemplo onde foi pela primeira vez praticado inclusive para fornecer água potável não é o nosso caso nossa região tem água só precisamos cuidar bem dela nosso problema é que não damos a mínima para os recursos naturais se as coisas continuarem assim então de fato um dia só nos restará beber a água com a qual já tomamos banho os recursos hídricos devem ser compreendidos no conjunto de cada bacia hidrográfica e gerenciados de maneira integrada considerando conservação dos mananciais educação conservacionista melhores práticas na captação tratamento e distribuição da água 10

[close]

p. 11

combate metódico ao desperdício lógica tarifária e generalização do uso de dispositivos e métodos economizadores nas edificações vamos checar o que a nossa valorosa companhia de saneamento investe na conservação dos mananciais dos quais tira água e dinheiro no ano passado esse valor cresceu um pouco graças aos recursos federais do pac plano de aceleração do crescimento mas descontando esse reforço vemos que no ano de 2005 por exemplo a sanepar investiu em meio ambiente r 1,9 milhão no ano seguinte r 1,2 milhão e em 2007 r 2,5 milhões dos quais somente r 51 mil viriam de recursos próprios para dar uma ideia de como são míseros esses recursos basta mostrar a ata da 43ª assembleia geral ordinária da sanepar que avaliou o balanço de 2006 da companhia distribuiu aos acionistas o lucro de r 49,7 milhões e provisionou para remuneração dos conselheiros e administradores para o exercício de 2007 o valor de r 4,3 milhões ou seja a empresa destinou para remuneração dos conselheiros e administradores 70 mais do que todo o seu investimento em meio ambiente e o combate ao desperdício em julho de 2007 a diretoria da sanepar apresentou as obras da estação de tratamento de Água miringuava que custou r 143 milhões ela adiciona ao sistema mil litros de água por segundo com a conclusão de obras complementares chegará a 2 mil litros por segundo o que representa um aumento de 25 na oferta de água tratada que antes do miringuava encontrava-se em torno de 8 mil litros por segundo recapitulando a companhia investiu r 143 milhões pagos por nós para aumentar o fornecimento em 25 e sabe quanto ela deixa vazar na própria rede distribuidora 32 as perdas nas redes de abastecimento ocorrem em todo o mundo e a média brasileira é de assustadores 42 existe um limite técnico para além do qual não se consegue impedir o vazamento porém falar de reuso de água quando um terço de toda a água captada e tratada simples mente é jogado fora antes de chegar aos imóveis é no mínimo um desvio de prioridade e a educação conservacionista você já foi atingido por algum programa desse tipo seus filhos foram qual foi o resultado qual foi a insistência e as tecnologias economizadoras elas foram divulgadas para você existe alguma em sua casa a companhia de saneamento estimulou você a adotá-las pelo menos informou a respeito e a lógica tarifária se fôssemos pagar pelo que a água realmente custa não daríamos conta só conseguimos pagar a fatura todo mês porque não estão incluídos ali os custos ambientais da operação mas esses custos existem e como sabem os contabilistas não dá para esconder custos por muito tempo em algum ponto a dívida será cobrada reuso de água é um recurso interessante para indústrias e alguns tipos específicos de construções hotéis por exemplo de acordo com a associação brasileira da indústria de hotéis o brasil possui aproximadamente 25 mil hotéis e pousadas um hotel com 100 apartamentos usados em média 10 horas por dia consome diariamente cerca de 15 mil litros de água curitiba tem 18 mil leitos de hospedagem admitindo-se 2 leitos por apartamento chega-se a um consumo diário de água no setor hoteleiro na cidade em torno de 8,226 milhões de litros considerando uma ocupação média de 70 reduz-se para 5,758 milhões de litros o reuso desde que combinado com outras tecnologias economizadoras pode baixar em 50 o consumo de um hotel o que teoricamente significaria poupar 2,879 milhões de litros por dia cada curitibano consome em média 240 litros por dia ou 7.200 litros por mês logo a economia de 2,879 milhões de litros na rede de hotéis substituiria o consumo de 11.995 curitibanos É como economizar toda a água consumida pelo bairro do atuba por exemplo que segundo o ibge tem 12,6 mil habitantes ou suprimir o consumo da população do tingui que é de 11,6 mil pessoas uma economia interessante porém fora dessas edificações especiais como os hotéis o reuso é a última medida tecnológica em uma lista que tem 6 itens e que está 11 11

[close]

p. 12

no quadro a seguir ele ilustra de modo rudimentar as vantagens relativas entre dispositivos economizadores simples como os aeradores de torneiras e os redutores de vazão e aqueles que exigem mudanças no sistema hidráulico uso de água de chuva e reuso de águas servidas consideraram-se trÊs nÍveis de qualificaÇÃo positivos e trÊs nÍveis de qualificaÇÃo negativos bom Ótimo excelente ruim pÉssimo proibitivo a aplicação desses três níveis sobre cada diferente aspecto de cada uma das tecnologias consideradas permite uma comparação simplificada entre elas sendo o conceito resultante de cada medida um posicionamento numérico direto em relação às demais os conceitos no entanto são atribuídos pelo autor considerados um em relação aos outros e naturalmente admitem avaliações destoantes comparaÇÃo de tecnologias economizadoras de Água conceito final retorno de investimento potencial de economia manutenÇÃo dificuldade tÉcnica aeradores de torneiras resistÊncia cultural custo 18 18 14 14 5 -8 redutores de vazÃo descarga de caixa acoplada cavaletes individuais Água de chuva reuso de Água 3 excelente 2 ótimo 1 bom -1 ruim -2 péssimo -3 proibitivo 12

[close]

p. 13

senhores apresento-lhes o aerador de torneiras o redutor de vazão e a descarga de caixa acoplada juntas essas 3 tecnologias tremendamente simples e baratas têm um efeito economizador comparável ao do dispendioso complexo e temerário reuso de água a descarga acoplada todo mundo conhece é aquela que tem uma caixa sobre o assento sanitário em vez da válvula hydra mas cuidado sem manutenção ela acaba tendo vazamentos terríveis aerador é aquela peneirinha que se coloca na ponta da torneira e redutor de vazão é uma espécie de registro que se instala no encanamento e que regula a pressão da água nos nossos chuveiros por exemplo o uso dessas geringonças é altamente positivo melhor que isso para economizar só mesmo o conselho do meu encanador nada de banho gostoso para ter uma ideia do que custa um único banho demorado use uma banheira e feche a saída ao final do banho compare o que ficou estancado multiplique pelo número de moradores da sua casa e pelo número de dias do mês o resultado é um volume de água e um peso na consciência que não tem reuso que resolva para concluir resta dizer que a utilidade do reuso de água é a de ser uma ameaça não é solução mas sim a punição que infalivelmente virá para os que não fizeram o dever de casa que ele nos sirva como advertência para que acabemos com o desperdício em nossas próprias residências e locais de trabalho e lazer e principalmente que sirva de instrumento de pressão sobre nossos políticos e gestores públicos para que levem a sério esse problema explosivo que é a progressiva escassez de água em curitiba e nas cidades vizinhas comente este artigo em mediacao@colegiomedianeira.g12.br a Água josÉ galizia tundisi takako matsumura a água é cada vez mais um recurso estratégico para a humanidade pois mantém a vida no planeta terra sustenta a biodiversidade e a produção de alimentos e suporta todos os ciclos naturais as grandes civilizações dependem e dependerão da água para sua sobrevivência econômica e biológica e para o desenvolvimento econômico e cultural folha explica a Água aborda de forma didática questões como as propriedades essenciais de água seus usos múltiplos os impactos nos recursos hídricos e suas consequências a Água um direito humano fundamental joÃo marcos adede y castro editora nuria fabris a presente obra referese aos direitos humanos e direitos fundamentais referidos ou não na constituição federal ela traça panorama histórico da legislação ambiental brasileira com ênfase aos recursos hídricos examina a legislação constitucional e infraconstitucional a legislação esparsa sobre águas e incursiona sobre o direito internacional das águas com isto permite o conhecimento sobre a legislação mas chama o leitor para refletir sobre a importância da água como elemento de dignidade desenvolvimento sustentável e sem sombra de dúvida como direito humano fundamental ou seja rompe o paradigma de exame exclusivamente legal para propor uma discussão de caráter social humano e sistêmico gladimir nascimento é jornalista profissional ufpr mestre em tecnologia e meio ambiente utfpr e especialista em sistema de gestão ambiental puc-pr É pai de dois alunos e dois ex-alunos do medianeira e um dos idealizadores da nova webradio http jornalismofm.com.br 13

[close]

p. 14

as vozes do documentário michaud entre os crocodilos e as serpentes por eduardo tulio baggio um dos gêneros cinematográficos mais desenvolvidos no brasil o documentário mostra inúmeros meios de mostrar a sua voz acompanhe algumas reflexões sobre isso a partir do documentário paranaense michaud entre os crocodilos e as serpentes 14

[close]

p. 15

a as teorias do cinema documentário tratam constantemente das vozes ou estilos dos filmes esses conceitos buscam demonstrar quais as opções discursivas dos filmes e por consequência seus pressupostos éticos e suas características de linguagem este texto propõe uma observação sob o ponto de vista dos quatro principais estilos do cinema documentário de um filme roteirizado e dirigido por mim que se chama michaud entre os crocodilos e as serpentes esse documentário foi idealizado a partir da análise das possibilidades de estratégias e estilos desenvolvidas no decorrer da história do cinema documentário desde os primeiros filmes de robert flaherty joris ivens john grierson dziga vertov alberto cavalcanti paul rotha basil wright e outros pioneiros o documentarismo busca colocar-se ideologicamente essa busca constante por uma colocação que seja ideologicamente interessante dadas as circunstâncias e o contexto em que o documentarista está inserido geraram maneiras diferentes de relação do documentarista com o tema e com o público bill nichols diz que o documentário usa estratégias de estilo variadas que mudam com o passar do tempo e que nesse sentido sua evolução ocorre da mesma forma que a evolução do filme ficcional que também mudou e muda de estratégias dentro de sua história e mudam em grande parte pelas mesmas razões os modos dominantes do discurso expositivo mudam assim como a arena de debate ideológico o realismo confortavelmente aceito por uma geração parece um artifício para a geração seguinte novas estratégias precisam ser constantemente elaboradas para representar as coisas como elas são e outras para contestar essa representação 2005 p.47 frame do vídeo documentário michaud entre os crocodilos e as serpentes na evolução do documentário a disputa entre formas centrou-se na questão da voz por voz refirome a algo mais restrito que o estilo aquilo que no texto nos transmite o ponto de vista social a maneira como ele nos fala ou como ele organiza o material que nos apresenta nesse sentido voz não se restringe a um código ou característica como o diálogo ou o comentário narrado voz talvez seja algo semelhante àquele padrão intangível formado pela interação de todos os códigos de um filme e se aplica a todos os tipos de documentário nichols 2005 p.50 segundo nichols a história do documentário apresenta quatro estilos principais e cada um deles tem suas características próprias quanto à forma e no que diz respeito às posturas ideológicas esses estilos têm seu ponto central marcadamente determinado pela voz a primeira dessas vozes é a do estilo de discurso da tradição griersoniana1 também conhecida como voz de deus a segunda a do cinema direto2 que prometia um aumento do efeito verdade graças à objetividade ao imediatismo e à impressão de capturar fielmente acontecimentos ocorridos na vida cotidiana de determinadas pessoas nichols 2005 p.48 a terceira voz é representada pelos filmes de entrevistas às vezes profundamente reveladores às vezes fragmentados e incompletos esses filmes forneceram o modelo para o documentário contemporâneo nichols 2005 p.49 por fim nichols cita o que seria a voz mais recente do documentário a voz do estilo autorreflexivo esse novo documentário autorreflexivo mistura passagens observacionais com entrevistas a voz sobreposta do diretor com intertítulos deixando patente o que esteve implícito o tempo todo o 15

[close]

Comments

no comments yet