Sapeca 01

 

Embed or link this publication

Description

Misto de sapo e perereca - Editor: Tonico Soares

Popular Pages


p. 1

sapeca misto de sapo e perereca 21/03/2012 ­ editor tonico soares musa deste jornal

[close]

p. 2

no clichê ana maria braga antes de trocar cachorro por papagaio segundo ela cachorro late e come muito metalinguag/em gregório de matos um soneto começo em vosso gabo contemos essa regra por primeira já lá vão duas e esta é a terceira já este quartetinho está no cabo na quinta torce agora a porca o rabo a sexta vá também desta maneira na sétima entro já com grã canseira e saio dos quartetos muito brabo agora nos tercetos que direi direi que vós senhor a mim me honrais gabando-vos a vós eu fico um rei nesta vida um soneto já ditei se desta agora escapo nunca mais louvado seja deus que o acabei.

[close]

p. 3

cataguases ­ ponte de 1915 blumenau ­ ponte de uns dez anos depois sem plágio o brasil não tinha siderúrgica e as pontes metálicas de cataguases aracati e vista alegre em formatos diferentes são de fabricação europeia por certo as duas acima foram encomendadas à mesma fábrica a daqui é branca foi amarela melhor quando a ferragem era cor de ferrugem mais integrada à natureza.

[close]

p. 4

eu era assim fui rica e acabei repartição pública vide a escada em verdeamarelo aí acharam que eu não era bonita então eu fiquei assim guarulhos-sp

[close]

p. 5

marcas de biquíni em plena idade média lembro-me muito pouco de i racconti di canterbury vi só uma vez e pasolini é dez ou seja merece umas dez sessões e pergunto ele cochilou ou fez de propósito cidade maravilhosa À direita belo efeito de bala perdida na janela de uma agência de propaganda carioca em outro tempo e agência ouvimos tiros de metralhadora e descemos pra ver qual era apenas mariel mariscot recém-assassinado em seu carro rua alcântara machado estreita no centro clima de film noir.

[close]

p. 6

fala pedro nava estado da guanabara é a puta que o pariu eu moro é na mui leal e heroica cidade de são sebastião do rio de janeiro vaca profana em 1911 foi demolido o convento da ajuda para dar lu gar ao que seria a cinelândia no rio enquanto não iniciavam as obras funcionou ali um mafuá com todo tipo de atrações uma delas uma vaca como outra qualquer porém quando se lhe levantava o rabo o que aparecia era uma boceta de mulher com grandes lábios pequenos lábios hóstio vaginal cabaço grelo e tudo até o pelo do bicho se modificava por cima e fazia uma moita escurinha e crespa que completava a ilusão

[close]

p. 7

pacificação das favelas traficante é capaz de tudo pra corromper a polícia flagrante militar no cumprimento do dever evacuação em massa diria henfil

[close]

p. 8

peixotópolis abaixo parágrafo inicial do prefácio de francisco inácio peixoto pro livro reta da saudade de manuel das neves título termo de abertura À lusitana chama sobrenome de apelido vale ler a manuel das neves peixoto não lhe apraz o apelido completo e suas crônicas publicadas no cataguases eram como este livro assinadas por manuel das neves apenas desprezando o `peixoto nada mais fez possivelmente do que se insurgir contra o vezo municipal de galardoar a memória dos peixoto mortos ou não dandolhes o nome com suas individuações tribais aos logradouros públicos sejam eles portentosas avenidas ou simples ruelas como a família é grande foi grande e continua enorme isso complica e aturdirá ainda mais o inexperiente turista que desavisado tiver a ingenuidade de dar com os costados um dia nesta a-turística cidade entrando numa `avenida peixoto acabará numa `rua peixoto para assistir a uma partida de futebol num `estádio peixoto e dali talvez queira continuar por outra `rua peixoto qualquer onde é possível encontre um `bar peixoto para se dessedentar com uma `cervejinha peixoto mas não há mais as duas fábricas de cerveja que aqui existiram noutros tempos noutros gloriosos tempos seu itinerário entretanto quer queira quer não há de ser por becos ruelas e praças tudo `peixoto tudo chatamente homenageante como se nome de rua perpetuasse alguém ou a memória de alguém lembro-me de mário de andrade que morando em são paulo na rua lopes chaves perguntou um dia ­ `quem é lopes chaves quem foi lopes chaves ­ não souberam responder-lhe É o olvido fatal que aguarda a quase totalidade dos homenageados urbanos desta que embora tenha um terminal rodoviário peixoto ainda continua felizmente cataguases e espero jamais se chamará `peixoto ou `peixotópolis não há como evitar e depois de morto ele deu nome a rua escola e museu de belas artes nas dependências do instituto francisca de souza peixoto sua mulher e a filha mais velha também são nomes de ruas e na fila de espera seus dois filhos igualmente falecidos.

[close]

p. 9

há algum tempo ouvi quatro prostitutas uma vizinha minha que pegou o marido sacumé né com o irmão dela durante o papo concluíram que beijá na boca do criente é trair o home da gente e uma estava vendendo o kit prazer entre outros prazeres uma bolinha que introduzida lá explode e dá ao criente a sensação de estar com uma virgem e o oposto um creme que facilita o coito anal e calçola de comer sabor morango e comentaram sobre uma que por ser casada acha que não vai ficar com a fama leni riefenstahl a cineasta das e dos cineastas É o consenso não obstante vendeu-se ao nazismo voltou a ter prestígio ao fotografar com classe o fundo do mar e por ironia a raça impura do sudão e ninguém poderia imaginá-la mano a mano com um núbio pelado vendo a foto lembrei de chiquim da real ao dizer pré-desfile da escola de samba que bancou 1973 veste o coitão aí moura o apelido diz tudo e com ele coitão elegeu-se vereador.

[close]

p. 10

pequena amostra leni do talento de leni

[close]

p. 11

politicamente incorreto ouvi senhor de fina estampa dizer que encontrou deputado federal de cidade próxima e perguntou por que sendo assaz votado em cataguases nada faz e traz pra nós resposta do insigne deputado aqui é território do fulano de tal continua tudo como dantes a cada um sua capitania alguns um maranhão uma bahia um alagoas o sertanejo é antes de tudo sem sorte andarilho segue pela estrada poeirenta chapéu roupas alpercatas em petição de miséria não vê a hora de chegar a um povoado uma tapera que seja onde consiga quando nada um osso pra chupar até amolecer e ir sorvendo porque os dentes podres não permitem mais roer há meses come o pouco que acha na caatinga bebendo também a água possível num empoçado já quase seco aqui e ali na terra esturricada então como beduíno em oásis aproveita pra descansar pode aparecer algum bicho também sedento e matá-lo com uma pedrada tirar o couro com a peixeira rombuda e assar pois ainda tem no bolso uma caixa de fósforos com alguns palitos o máximo que encontrou de mais sustança até hoje foram calangos rãs jiboia devidamente degustados quando dorme é um sonho só com comida como a cadela baleia sonhava com preás em vidas secas de graciliano ramos não leu o livro posto que analfabeto mas ouviu um resumo por um narrador de feira súbito ouve ronco de motor de um caminhão à distância cheio de esperança de ganhar uma carona e quiçá algo de comer e o caminhão vem vindo é um pau de arara repleto de retirantes o que reaviva ainda mais sua expectativa fazendo sinais de que está com fome ao se aproximar o motorista diminui a marcha e da carroceria alguém lhe atira uma lata grande como aquelas de biscoitos nas vendas de antigamente caminhão segue seu rumo e ele senta-se no chão pra tirar a tampa daquelas de pressão em vez do tão desejado cheiro de comida o que vem de dentro é um bafo insuportável de merda pois os retirantes à medida que carne de sol e farinha acabam às latas dão destino de latrinas.

[close]

p. 12

madame aspásia põe fim a todas as suas interrogações e traz seu homem de volta com dois irmãos três irmãs a sogra o amante dela uma prima solteirona a avó de 99 anos e lhe concede mais dez graças mediante módica taxa extra tutto nel mondo è burla da ópera falstaff de giuseppe verdi-arrigo boito sapeca parte desse princípio e não vai longe por ser vide o cidadão abaixo um jor nau sem rumo.

[close]

Comments

no comments yet