LIVRE_TO zine capivara

 

Embed or link this publication

Description

zine da radio livre capivara janeiro 2012

Popular Pages


p. 1

rÁdio livre capivara 96.1fm são carlos março 2012 calourada ufscar livre_tô www.radiocapivara.blogspot.com universidade cultura comunicação sociedade direitos governo ocupação da reitoria da usp liberdade o que é uma rádio livre prezam pela não concessão de sinal como um ato de desobediência civil na tentativa de resistir como espaço de livre expressão e circulação

[close]

p. 2

aparelhamento político da universidade caros amigos dizem que o problema da universidade é o seu aparelhamento por organizações políticas eu concordo a partir da década de 90 os campi foram tomados pelas empresas que os transformam gradativamente em mero suporte laboratorial para a iniciativa privada pode parecer que as empresas apenas ajudam a universidade a cumprir sua função de fazer o país crescer balela a coca-cola é mais do que fabricante de refrigerante ela é uma organização política pró-capitalismo a postura do bom aluno em oposição aos vagabundos é entrar na universidade de olho numa oportunidade de ganhar muito dinheiro isso significa desprezar qualquer aprimoramento cultural por isso o sucesso do sertanejo universitário e principalmente não cuspir no prato em que irá comer ou seja nem pensar em questionar o sistema o resultado é a formação de profissionais que não vêem a diferença entre construir uma escola ou uma câmara de tortura apenas cumprem ordens como os soldados dos campos de concentração tente questionar um desses bons homens sua resposta será mais ou menos essa você é um dinossauro ressentido se você trabalhasse como eu e parasse de pensar bobagem poderia ter uma ferrari igual a minha nem tente explicar que existem coisas mais importantes do que ter um carro de u 500.000 o cidadão não entende esse conceito o aparelhamento político de direita roubou a alma da universidade um exemplo tenho um conhecido que foi um dos bons estudantes formou-se engenheiro e trabalha com automação de linhas de montagem quer dizer cada vez que ele bate ponto na empresa um pai de família perde o emprego não sou nem um pouco isento de falhas nem posso sustentar o camarada para que ele não precise exercer essa função também não considero o sujeito a causa e sim uma engrenagem da máquina agora eu recusome a aceitar que ele é um exemplo de como a universidade ajuda o país na verdade acredito que devemos abandonar a idéia de universidade como local de formação ampla e mudar sua designação para centro de formação profissional dessa forma pode-se formalizar o desmonte das faculdades de humanas cursos como a pedagogia e ciências sociais permanecem é claro como departamentos submetidos à engenharia de produção e sob a perspectiva de solidificar o conformismo quanto à filosofia aqui em são carlos eu tenho uma proposta fazer umas adaptações e transformar o prédio em um mc donalds.

[close]

p. 3

o que é uma rádio livre muitos perguntam o que é uma rádio livre ou qual a diferença de uma rádio livre para outras rádios ou ainda se uma rádio livre é uma rádio pirata primeiramente é importante ressaltar que uma rádio livre nÃo É uma rádio pirata a única semelhança entre elas é que ambas funcionam sem concessão da anatel e só uma rádio pirata funciona como uma rádio particular e caso tivesse concessão para transmitir se igualaria as demais rádios comerciais já as rádios livres prezam pela não concessão de sinal como um ato de desobediência civil na tentativa de resistir como espaço de livre expressão e circulação de ideias não existem normas que definam o que é uma rádio livre pois cada uma se organiza de acordo com as características de seu próprio coletivo no entanto essas rádios possuem algumas coisas em comum são estruturas não hierarquizadas autogestionárias sem fins representativos ou comerciais funcionam com uma potência de transmissão baixa e suas deliberações são tomadas por consenso em suas reuniões a estória de que as rádios livres causam interferência no espectro radiofônico não passa de um mito pois sua potência de transmissão é muito menor que o das rádios comerciais possibilitando um uso não predatório desse espectro.

[close]

p. 4

sobre a vida todo poder é tenso os chefes duros rostos sérios sugerem eterno enterro bocas expelem o que nos olhos não espelham É curioso observar que vivem fantasiados de defunto nos sorrisos-poses pesca-se fadiga uma ansiedade voltada para a próxima cena assim os vemos e assim devem ser de tão distantes da vida da natureza da criação perpétua dificultam imaginá-los arrotando todo poder é tenso os cofres de ferro grades frases que o uso esfriou de costas para o futuro e sentados sobre o presente conferem a hi$tória o dom de ser dono seguros nisso jamais se soltaram quem são ora estão bem no meio de nós dividindo nossas cabeças e braços entre si numa espécie de leilão operam de cima com o olho pregado no horizonte de nossa pazciência das coisas tenso poder não houve distensílio que te relaxasse você persiste duro esquifoso feio enquanto franze a testa ilusõesperanças vão sendo enterradas um dia nasce o contra-corte da tua foice hoje você entretido com tuas energias densas e letais fedorentas e efêmeras apronta mas tuas torres e usinas cavalgam num só grande lombo multienergético vivo sangrento protéico vitamínico você é a crítica o resto é a obra nesta perspectiva torna-se possível chegar terra no pé da vida.

[close]

p. 5

por que fazer parte de uma rádio livre por que é um instrumento poderoso de resistência a mídia capitalista você já se perguntou por que todos os meios de comunicação seja na tv no rádio ou na internet dão sempre a mesma notícia sempre a mesma versão dos fatos sempre as mesmas músicas pois é nós procuramos combater isso sendo nossa própria mídia pouco importa se temos muita ou pouca audiência o mais importante é a experiência e a oportunidade das pessoas se apropriarem dos meios de comunicação além de abandonar a passividade o programador de uma rádio livre singulariza o acesso a informação e a música rompendo com a monocultura e com o latifúndio cultural imposto pela mídia comercial trata-se de uma disputa pela produção e destruição de verdades não é à toa que as grandes mídias também são conhecidas como sendo o quarto poder como condição de resistência a esse poder buscamos produzir uma programação com qualidade e independência além de diversas atividades voltadas para a discussão dos meios de comunicação e promoção das rádios livres se você tem interesse em conhecer a rádio ou em fazer um programa apareça na reunião você será muito bem vind

[close]

p. 6

invasão da re praticamente não há polêmica pelo menos não na mídia oficial sobre a invasão da reitoria da usp os leitores da fsp já estavam nervosos com a tomada da fflch e depois que o movimento decidiu continuar a ação mesmo com uma derrota em assembléia iniciou-se uma sessão de salivação hidrofóbica os alunos foram alçados à condição de causa e sintoma de tudo que há de terrível no brasil que por isso seria de longe o pior país do mundo a ação pode ser discutível e é claro que a sociedade tem direito de opinar sobre um bem público como a usp porém é necessário lembrar que o verdadeiro uso político da universidade é a sua transformação em laboratório para as empresas privadas toda a estrutura professores e alunos é usada para engordar os cofres de empresas chefiadas por sujeitos que não sabem aonde enfiar mais grana essas corporações legitiman-se frente à população investindo nos órgãos da imprensa oficial que tonamse seus capachos depois querem nos fazer engolir que o problema maior são uns pobres coitados que comem no bandejão e ainda são abnegados a ponto de pensar em algo a mais do que na própria carreira porém para além dessa polêmica acerca da função da universidade que na verdade é o ponto principal e deve ser discutido é deploráv el a raiva que têm por sua int por tratar a lib vidual como afr eu digo que esse tenso pois leio que exigem a ret direitos consti tortura morte lenta e degradan todos os alunos É absolutamente que as pessoas q a sede de sangue solver nenhum t lema dá para pe feitamente que a públicas como mento para o pov hoje um sucesso como eram no col na idade média e velho oeste nor eu digo que os c tam a liberdade ronta pois per principal acusa sobre os alunos de cólera e bíli é a de maconheir laurindo diz qu veria usar drog diz a felicida nas drogas lau irma crianças gas porém exi serem faladas 1 ninguém d punido por faze prejudica apena 2 a legaliza de alguns grupo dos pode ter co ruins como a ele consumo porém tráfico nem o t é muito lícito q que a violência o comércio de en

[close]

p. 7

eitoria da usp iria diminuir com a medida o problema não são as características particulares do produto e sim o mercado negro se as rosas forem proibidas os donos de floricultura serão parecidos com o zé pequeno do filme cidade de deus 3 drogados fazem besteiras É possível punir apenas essas besteiras se fulano precisa roubar para sustentar o vício em coca prenda-se o ladrão se sicrano fuma crack e comete um homicídio prenda-se o assassino porém se beltrano usa maconha e cuida de sua coleção de selos por favor deixem o filatelista solto em resumo o usuário de drogas não é necessariamente um problema em si não deveria ser tolhido em sua liberdade individual dentre todos ele é o mais interessado no fim da guerra do tráfico e não comete necessariamente outras atividades ilegais os males causados para a sociedade pelos que se drogam são no mínimo discutíveis eles não deveriam ser alvo de ódio o texto de alan moore na abertura de sua grande obra v de vingança ainda em 1988 contém um lamento pela disposição da sociedade em aceitar caminhos violentos e o fato das pessoas tratarem questões de fórum íntimo como anomalia que seriam sinais de uma disposição fascista na sociedade as pessoas tensidade e berdade indironta e ódio é ino comentários tirada de itucionais lenta vionte para s invasores e evidente querem saciar e e não retipo de proberceber peras execuções entretenivo seriam estrondoso liseu romano européia e no rte americano críticos trae como afrcebo que a ação que pesa s e que enche is os leitores ro ue ninguém degas laurindo ade não está urindo reafnão usem droistem coisas a deveria ser er algo que as a si mesmo ação demanda os hostilizaonseqüências evação do não ajuda o traficante e que se imagine a que envolve ntorpecentes

[close]

p. 8

k um fazendeiro solteiro das vizinhanças de rostock em mecklenburg aflingido desde o nascimento por um feio lábio leporino foi pego tendo relações sexuais com sua porca já tinha sido avisado duas vezes anteriormente excelência ­ explicou ele ao juiz von z ­ olhe para meu lábio as mulheres correm de mim ou riem ou ficam assustadas mas minha velha porca não parece se importar com minha aparência o juiz von z deu-lhe um ano de cadeia e perda permanente da cidadania por violações repetidas do parágrafo 175 do reichstrafgesetzbuch concernetes a bestialidades e outros widernatuerliche unzucht atos contranatura k ficou espantado um ano de cadeia mas a porca é minha ­ protestou ele foi informado que não estava envolvida a questão da propriedade a resposta aparentemente só serviu para aumentar a incapacidade do fazendeiro de compreender a severidade da sentença um ano de cadeia então quanto eu receberia se tivesse matado a porca o juiz von z explicou se a porca é sua você tem direito de matá-la não há punição pela morte de animais domésticos eu posso matá-la mas não posso fodê-la exclamou o fazendeiro.

[close]

p. 9

todos começaram a rir no tribunal e até o juiz von z sorriu enquanto explicava ao fazendeiro que relação sexual com animais era caso de zoorastia e portanto um crime sexual uma infâmia e profanação enquanto que a morte de animais era legal k devia considerar-se feliz por viver nos tempos modernos e não nos dias antigos quando a pena no código mosaico como se podia ler na bíblia era mais violenta ambas as partes do ato de bestialidade homem e animal deveriam ser mortos na prisão k a princípio comportou-se muito bem mas logo começou a bradar contra der herrgott que permitia que os homens nascessem com lábio leporino e então proibia-os em sua bíblia de ter o único alívio possível ou seja com um porco um porco cuja garganta estava certo cortar mas cujo traseiro não se deveria ousar tocar pois tal era a lei de deus À medida que continuou a se preocupar mais e mais com isto k teve de ser transferido para o irrenanstalt asilo de loucos em neu-strelitz onde está agora sem tratamento classificado como incurável com pouca esperança de que algum dia haja razão para classificá-lo sob outra rubrica da edição de 1911 do jahrbuch der gesammten kriminologie ­ citado no livro `sade o santo diabólico de guy endore

[close]

p. 10

depois do golpe de 1964 agito e propaganda como uma tarefa menor a imagem predominante que a esquerda brasileira tem sobre o trabalho de agitação e propaganda é a tarefa de panfletagem em locais de grande movimentação e em áreas de periferia urbana nessa concepção basta destacar militantes para a panfletagem e entre eles garantir a presença de um seleto grupo que tenha condições de conduzir um debate em escolas comunidades de base etc não há formação específica para a tarefa de agito e propaganda porque nessa conformação não há necessidade disso desta forma a atividade da agitação e propaganda virou uma tarefa menor uma tarefa para militantes novos e principalmente para a juventude que é vista como mão-de-obra barata para este tipo de atividade o que fica patente nesse tipo de proposta é que há uma separação entre aqueles que formulam as reflexões e aqueles que as executam nos questionamos em nossa metodologia o sistema de divisão do trabalho que ao dissociar teoria e prática aliena os militantes envolvidos do golpe de 1964 em diante o domínio dos meios de produção da cultura permanece monopolizado nas mãos da elite o regime dos fuzis incentivou a criação de um sistema nacional de televisão ­ do qual o maior expoente foi a rede globo o objetivo era respaldar esteticamente o projeto de modernização conservadora do país por meio da imposição de uma imagem de desenvolvimento progresso e integração da nação com a qual os militares e a elite nacional pretenderam justificar seu predomínio brutal no poder um dos efeitos da hegemonia burguesa no âmbito da cultura foi o apagamento da memória dos embates anteriores em que movimentos como os centros populares de cultura cpcs nascido em 1961 e o movimento de cultura popular mcp que surgiu em 1959 ambos destruídos pelo golpe militar de 1964 articularam as esferas da cultura e da política de forma radical a experiência de agitação e propaganda desses dois movimentos compreendia a publicação de jornais revistas gravação de discos organização de festivais e de debates ambos os movimentos operaram mudanças radicais na organização da produção cultural brasileira desde os temas a pesquisa de formas a incorporação do processo de construção coletiva de obras a apresentação gratuita em comunidades rurais e bairros de periferia urbana a realização de oficinas de formação cultural em consonância com a formação política que naquela conjuntura não andavam dissociadas portanto do golpe de 1964 em diante prevalece o domínio dos meios de produção da cultura monopolizado nas mãos da elite esse fato deu novo fôlego ao antigo preconceito inclusive em amplos setores da esquerda brasileira de que cultura é coisa de rico em suma a idéia de cultura e arte como mercadoria como espetáculo para diversão é a fatura que herdamos do golpe militar naturaliza-se a idéia de que o campo da estética deve ser desvinculado da vida política efetiva.

[close]

p. 11

ocupar produzir resistir ao lado da ufscar existe um prédio com infra estrutura para servir como centro cultural voltado para diferentes atividades e expressões artísticas a mais de um ano ele está pronto para o uso mas a universidade não consegue dar utilidade ao prédio se justifica que ainda faltam pequenos ajustes de acabamento e que o acesso para carros e pedestres depende da construção de uma via marginal na washington luiz além das justificativas estruturais temos as desculpas de não se chegar a um acordo em quem deve tomar conta do lugar apesar do espaço ser projetado para suprir a ausência de uma sede social do dce no centro da cidade onde os estudantes poderiam realizar eventos fora do campus da ufscar a reitoria não libera o uso e muito menos a administração para o movimento estudantil enquanto isso os anos se passam e o prédio construído com dinheiro pÚblico esta abandonado ao tempo mostrando o descaso com que os administradores públicos tratam a cultura e educação no brasil mesmo quando eles são educadores um espaço para a pratica de teatro circo danÇa encontro de grupos festas shows capoeira ensaios de bandas e com espaços como teatro de arena área p skate cabine de som banheiros palco p shows área p eventos cobertos e muitas outras atividades culturais e educativas este espaço cultural fica na área da pista de saúde da ufscar com fácil acesso a pé e pronto p receber um acesso de carros q não precise de uma obra rodoviária complexa antes que este lugar fique tomado pelas aranhas e poeira antes q o sr tempo resolva o problema precisamos ocupar o centro cultural resistir com atividades culturais que já realizamos sem estrutura e produzir novas práticas culturais tanto p ufscar como p a cidade de são carlos q tbm é carente de espaços como este enquanto a reitoria não libera o centro cultural e tbm não usa tipo não caga e não sai da moita temos q nos posicionar e utilizar este espaço q tanto faz falta.

[close]

p. 12

faÇa um programa web rÁdio podcasts ao vivo grave e divulgue segunda terça quarta quinta sexta -sábado domingo 18hs-reunião 20hs-geral ao vivo livre 18hs-perolas aos poucos ao vivo livre programaÇÃo 24hs/7dias toque na rÁdio livre ao vivo 14hs-batuquis brasilis ao vivo 19hs-octopus ao vivo 20hs-som e revoluÇÃo ao vivo !escolha um horário p fazer o seu programa!reuniões segunda 18hs no prédio do dce/apg livre livre livre 12hs-difÍcil digestÃo 12hs-samba da terra ao vivo faÇa um programa

[close]

Comments

no comments yet