"A informática na educação antes e depois da Web 2.0: relatos de uma docente-pesquisadora"

 

Embed or link this publication

Description

Este texto discute a presença da informática nas escolas do ponto de vista da prática pedagógica e do currículo escolar. Faremos uma linha de tempo, abordando algumas fases não lineares e complementares do uso da informática na educação. Optamos pela narr

Popular Pages


p. 1

a informática na educação antes e depois da web 2.0 relatos de uma docente-pesquisadora[1 edméa santos[2 faculdade de educação da uerj resumo este texto discute a presença da informática nas escolas do ponto de vista da prática pedagógica e do currículo escolar faremos uma linha de tempo abordando algumas fases não lineares e complementares do uso da informática na educação optamos pela narrativa descritiva/analítica buscando apoio em nossa memória profissional de docente-pesquisadora nos campos da informática e da cibercultura na educação o trabalho pretende resgatar uma parte da história do uso do computador na escola bem como mapear novas potencialidades e desafios postos pelo desenvolvimento da informática e da cibercultura com a web 2.0 o trabalho não tem a pretensão de esgotar o tema nem se propõe a analisar a história das políticas públicas e dos programas governamentais que versam pelo tema da informática na educação para começo de conversa o uso instrumental do computador nas escolas no fim dos anos 80 do século xx a microinformática começa no brasil a marcar presença na vida cotidiana inicialmente na indústria no comércio nas universidades e posteriormente nas escolas atualmente a palavra microinformática praticamente não é mais utilizada as novas gerações talvez não a conheçam contudo no final dos anos 80 ela dominou a cena contemporânea anteriormente o campo da informática era um conhecimento dominado por poucos restrito aos profissionais que atuavam nas atividades que envolviam o uso dos computadores de grande e médio portes nas grandes corporações esses computadores eram máquinas enormes que pesavam toneladas e processavam dados em grandes centros de processamentos de dados até hoje conhecidos como cpds os cpds centralizavam as principais rotinas de processamento e armazenamento de dados e informações os demais setores das organizações utilizavam terminais burros apenas como periféricos de entrada e saída de dados com a emergência dos microcomputadores a informática amplia seus alcances para além das rotinas executadas pelas máquinas centralizadas nos cpds neste contexto a palavra microinformática demarcava a diferença entre os computadores de médio e grande portes dos computadores pessoais chamados de pcs que começavam a invadir o cotidiano das cidades com a expansão do uso dos pcs o mercado começava a sinalizar a necessidade de formação e qualificação profissional escolas profissionalizantes faculdades universidades e empresas educacionais passaram a oferecer cursos específicos para a formação de técnicos tecnólogos e bacharéis na área de informática vários cargos e funções emergiram analistas de sistemas programadores operadores digitadores e instrutores de informática estes profissionais começaram a assumir importantes postos nas diversas áreas em que se passou a usar o microcomputador não foi diferente nas escolas a expansão do mercado para os novos profissionais foi e ainda é um grande argumento de venda e propaganda utilizada por muitas instituições de ensino ­ sejam escolas profissionalizantes faculdades universidades e também as escolas básicas ­ para captação e manutenção de alunos matriculados as escolas começam a utilizar os microcomputadores em seus currículos e práticas pedagógicas e aí surgem os laboratórios de informática salas climatizadas fora do contexto das salas de aula convencionais onde ficavam e ainda ficam os

[close]

p. 2

computadores nas escolas a estética convencional dos laboratórios de informática do final dos anos 80 e início dos anos 90 era de um ambiente gélido onde os computadores eram instalados e organizados geralmente em fileiras ou círculos o espaço sagrado dos computadores não permitia a convergência com outras mídias a exemplo dos livros revistas tv materiais concretos as paredes costumavam expor cartazes que divulgavam frases de ordem como silêncio aqui não é permitido conversar não é permitido comer ou beber neste local após o uso desligue os equipamentos a informática portanto entra não como uma atividade transversal e integrada do currículo mas como mais uma disciplina uma especialidade mesmo sendo um conhecimento que começara a penetrar tecido social estruturando os novos processos produtivos e os novos modos de pensar e atuar com a informação e o conhecimento a informática torna-se um local único restrito e fragmentado assim como as demais disciplinas que compõem o currículo disciplinar ou multidisciplinar da maior parte das escolas aqui destacamos um dos primeiros problemas da entrada da informática na educação escolar mesmo com a presença em algumas escolas da teoria pedagógica construtivista que prima pela articulação dos saberes e conhecimentos científicos através de projetos e práticas interdisciplinares e contextualizadas com o cotidiano dos alunos e suas comunidades a informática não costumava ser incluída nesse processo curricular inicialmente porque os professores que atuavam nas disciplinas de informática não eram professores da escola ou simplesmente não eram profissionais da educação o custo para montar e garantir a manutenção de um laboratório de informática era muito alto comprar e atualizar hardware e softwares eram ações que exigiam investimentos financeiros altos demais para a grande maioria das escolas as escolas começaram a iniciar processos de terceirização não só dos equipamentos e do laboratório de informática propriamente dito como também dos profissionais que atuavam nestes espaços estes profissionais não eram na maioria das vezes chamados de professores eram instrutores de informática ou seja técnicos advindos das escolas profissionalizantes faculdades e universidades que formavam profissionais de informática infelizmente esta realidade ainda existe em algumas escolas com a emergência dos cursinhos de informática muitas escolas fizeram parcerias com estas instituições para a instalação de laboratórios nas escolas em alguns casos os cursos de informática recebiam alunos diretamente encaminhados pelas escolas em suas próprias instalações assim como utilizam os serviços de academias de ginástica para suprir a falta das aulas de educação física ou cursos de inglês para suprir a falta de professores de língua inglesa algumas escolas utilizam os cursos de informática para terceirizar o ensino de informática aqui já demarcamos mais um problema a qualidade do trabalho pedagógico um instrutor de informática não possuía formação pedagógica para atuar na educação de crianças e jovens além das questões próprias dos processos cognitivos afetivos sociais e educacionais de cada fase do desenvolvimento humano estes profissionais na sua grande maioria não possuíam formação metodológica e didática e muito menos sabiam ou sabem articular os saberes informáticos com os demais saberes e conhecimentos do cotidiano e do currículo escolar por esses diversos desencontros as aulas de informática não passavam de treinamentos específicos de hardware e software eram comuns as aulas de introdução à informática que contavam a história e evolução da informática as partes físicas do computador e os diversos tipos de software no início dos anos 90 os programas mais utilizados eram as linguagens de programação em destaque a linguagem de programação basic utilizada para ensinar lógica de programação e ensaios de jogos eletrônicos os programas aplicativos comerciais para executar rotinas de edição de textos planilhas de cálculo banco de dados além das linguagens de programação e dos aplicativos comerciais os alunos aprendiam a

[close]

p. 3

utilizar o sistema operacional do computador para gerenciar e fazer manutenção de seus arquivos de dados e do sistema do computador em síntese as aulas de informática não passavam de treinamento para um possível mercado de trabalho com um serviço terceirizado e desarticulado do currículo escolar a informática entra nas escolas como mais um argumento de venda mais uma atividade descontextualizada os professores regentes não viam os instrutores como colegas e parceiros de trabalho a relação era distante e muitas vezes preconceituosa de ambas as partes de um lado os informatas achando que eram privilegiados pelo conhecimento específico que possuíam de outro os professores regentes que muitas vezes sentiam-se acuados por um conhecimento dominado por poucos e pela possibilidade imaginária de seres substituídos pelas máquinas até agora utilizamos o tempo passado para relatarmos o que estamos chamando de fase 1 da informática nas escolas porque muitos dos nossos argumentos são frutos da nossa vivência profissional e pessoal no final dos anos 80 e início dos anos 90 do século xx contudo não consideramos que a realidade descrita até o momento seja coisa do passado infelizmente ainda encontramos em nosso país de dimensões continentais práticas baseadas nesta primeira fase hoje contamos com a presença de softwares que utilizam interfaces gráficas como a família do software proprietário microsoft windows e a família de softwares livres como o sistema operacional linux e seus aplicativos open office mas estes programas muitas vezes são utilizados atualmente de forma instrumental sem nenhuma articulação com a vida prática e com o currículo escolar para promoção da autoria e a cidadania dos sujeitos aprendentes e muitas escolas ainda nem chegaram nesta fase o intermezzo a emergência da informática educativa e o uso de softwares descontentes com a primeira fase da informática nas escolas educadores críticos começaram a denunciar os problemas pedagógicos e anunciaram novos usos e práticas com o computador nas escolas começam a circular no meio acadêmico os conceitos de informática educativa e softwares educativos os maus usos da primeira fase foram descritos como usos instrucionistas do computador na escola o instrucionismo é uma corrente pedagógica baseada na teoria didática tecnicista sustentada pela teoria da aprendizagem behaviorista que prima pelo uso da instrução em detrimento de processos educacionais mais amplos aqui são mais valorizadas as técnicas seus recursos e a aprendizagem mecânica em detrimento de uma relação mais dialógica entre seres humanos e objetos técnicos assim as tecnologias seriam mediadoras no favorecimento de processos de aprendizagem mais significativos ou seja processos que valorizam a subjetividade e a construção plural de sentidos e significados a informática educativa foi advogada como uma área da educação que trata o computador como ferramenta pedagógica ou seja um recurso utilizado para facilitar o processo de ensino e aprendizagem com o uso da informática para além da sua instrumentalidade neste sentido o computador é utilizado no tratamento específico dos conteúdos escolares integrando-se ao currículo escolar através de atividades e projetos pedagógicos intencionais os softwares da primeira fase da informática na escola linguagens aplicativos comerciais e sistemas operacionais passam a ser utilizados como ferramentas de apoio para a construção de tarefas atividades e projetos contextualizados na rotina do currículo escolar exemplo em vez de se usar um software de edição de textos para treinar meramente suas funções e comandos operacionais o editor de textos é utilizado para a criação e produção de textos em geral neste caso os alunos podem praticar os diversos gêneros textuais aprendendo suas funções sociais tendo o programa de edições de textos o apoio técnico para a execução de um projeto bem mais amplo que vai além das funcionalidades do programa em si outro exemplo é o uso de programas de planilha de cálculos nesta fase estes

[close]

p. 4

programas podem ser utilizados no contexto de projetos e atividade de matemática para a criação contextualizada de planilhas tabelas e gráficos as linguagens de programação passaram a serem utilizadas como recursos para desenvolver o raciocínio lógico matemático dos aprendentes em vez de serem utilizadas apenas para execução de rotinas mecânicas além de redimensionar o uso de programas de informática em contextos educacionais mais específicos esta segunda fase é marcada pela emergência do conceito e da prática dos softwares educativos estes softwares aparecem com uma função específica ensinar conteúdos escolares para fins educacionais assim como a indústria do livro didático a indústria dos softwares educativos também se expandiu desde o final do século xx até os dias atuais muitos são os softwares educativos disponíveis no mercado e na internet estes podem ser classificados como tutoriais jogos linguagem de programação perguntas e respostas entre outros os tutoriais são softwares que simulam manuais de instruções ou livros técnicos ou conceituais seu potencial esta na convergência de linguagens e mídias utilizadas por conta do potencial das tecnologias digitais que permite a articulação e convergência de textos gráficos sons imagens estáticas e dinâmicas os jogos são softwares que lançam mão da linguagem lúdica para criar situações de aprendizagens que desafiam a cognição de seus usuários a linguagem de programação é um software que permite que o aprendente possa criar outros programas ao contrário dos demais softwares educativos e comerciais que executam finalidades específicas a linguagem de programação permite o desdobramento de diversas aplicações informáticas o aprendente aqui não apenas utiliza os comandos e rotinas já programadas pode criar a partir dos seus comandos novas rotinas e novos algoritmos neste contexto destacamos a linguagem logo criada no massashusetts institute of technology mit pelo professor e pesquisador s papert a linguagem logo foi muito bem aceita no brasil não só pelos pesquisadores acadêmicos como também pelos professores nas escolas básicas seus fundamentos se baseiam na teoria construcionista que toma como base o uso construtivo do computador pelas crianças em vez de executar seqüências de comandos e instruções predefinidas a criança é incentivada a ser autora de seus próprios projetos esta teoria busca em última análise o desenvolvimento cognitivo dos aprendentes utilizando os mesmos princípios de promoção da autoria por parte dos aprendentes os softwares de autoria também marcaram lugar no cenário da segunda fase da informática na escola o que chamamos de softwares de autoria são programas que permitem criar projetos articulando textos hipertextos sons imagens com a popularização dos aplicativos comerciais da linha windows em especial o power point as escolas passaram a utilizar estes programas como software de autoria muitos são os exemplos de escolas que utilizam softwares de apresentação de slides para criar e simular softwares educativos com a popularização das técnicas multimídia e a expansão do mercado do software educativo muitos softwares passaram a ser comercializados por baixos preços até em bancas de revistas softwares que simulam jogos em geral ganharam o gosto das crianças e dos adolescentes os softwares multimídia não só dominaram o mercado como também os espaços escolares com a emergência das interfaces gráficas o uso do logo começou a cair nas escolas conforme já caracterizamos o logo é uma linguagem de programação e como tal não dispõe de interfaces e rotinas gráficas já configuradas para cada efeito desejado pelo aprendente um conjunto de comandos deve ser acionado numa seqüência lógica notamos em nossa prática docente que ao passo que os aprendentes tinham contato com os programas multimídia o interesse pelo logo ia diminuindo nos dias atuais o logo só é utilizado praticamente com sua versão gráfica por conta das atividades que envolvem a metodologia da robótica educacional.

[close]

p. 5

a robótica educacional é uma atividade que envolve a criação de robôs em projetos educativos com software a combinação de equipamentos eletromecânicos com uso de software permite desenvolver projetos que incentivam a aprendizagem de conceitos de ciências principalmente a matemática e a física o lego logo é uma solução que foi e ainda é bastante utilizada nas escolas quando se trata de robótica educativa sobre as diversas soluções destacadas nesta segunda fase da informática nas escolas é fundamental observarmos que não podemos generalizar a qualidade das mesmas apenas pelas potencialidades da informática com seus recursos pirotécnicos uma vez que um software ganha o status de educativo junto com ele temos que analisar criticamente o seu fundamento educacional ou seja qual a concepção de ensino e aprendizagem trazida pelos recursos do software o software é instrucionista ou construtivista qual a teoria da comunicação embutida em suas funções o software é baseado na lógica da mídia de massa que se preocupa apenas com a transmissão de informações e conteúdos ou é baseado na teoria da interatividade que favorece a autoria do usuário o software é técnica e artisticamente interessante promove interatividade por ser de boa usabilidade e sobre os paradigmas curriculares o software é disciplinar multidisciplinar pluridisciplinar ou interdisciplinar com apenas um software é possível articular as disciplinas do currículo com elementos do cotidiano das escolas e dos alunos enfim estas são apenas algumas de muitas questões para as quais devem atentar os educadores e profissionais da educação na escolha de softwares educacionais ou educativos a educação é uma área interdisciplinar complexa e plural o que é educativo para um grupo pode não ser educativo para outro concordamos com bonilla 2001 que entende por educativo qualquer produto cultural ou objeto técnico que seja propício à interlocução reconstrução de saberes à articulação de sujeitos e linguagens sendo nessa interação que os sujeitos resignificam o que está dado e o que recebem têm possibilidade de produzir e socializar o novo então a novela a propaganda o filme os programas de entretenimento os softwares que estão no mercado são educativos estando ou não eles presentes na escola bonilla 2001 p 49 nesta fase da informática na educação os instrutores de informática comuns da fase 1 começam a ser aos poucos substituídos por professores das mais diversas áreas do conhecimento inicialmente os professores das áreas das ciências exatas começaram a se aproximar mais principalmente na atuação a partir do quinto ciclo do ensino fundamental professores de matemática e física se interessam muito pelo uso de linguagens de programação e robótica principalmente por conta de suas aptidões com o desenvolvimento lógico matemático e as noções básicas de ciências os professores licenciados em pedagogia eram e ainda são geralmente alocados em projetos na educação infantil e nas séries iniciais devido a sua proximidade com as teorias e práticas nestas fases os programas de pósgraduação lato sensu começaram a oferecer cursos específicos para a formação de professores para atuar na área da informática educativa além destas iniciativas no âmbito acadêmico cursos e oficinas livres também garantiam a formação inicial no âmbito da formação continuada os cursos de graduação em sua grande maioria não contavam com disciplinas específicas e muito menos com uma proposta mais ampla e transversal mesmo com alguns espaços de formação universitária a formação continuada dos professores acontecia também no âmbito da prática profissional empresas especializadas em informática educativa começaram a surgir em todo país estas empresas buscavam desenvolver junto às escolas programas específicos que atendessem às demandas dos projetos políticopedagógicos das escolas juntamente com a consultoria em planejamento docência e infraestrutura as empresas de informática educativa tiveram inserção garantida a partir do início da década de 90 do século passado com a crescente popularização dos pcs e dos softwares comerciais e educativos de linguagem gráfica e com a qualificação de alguns professores as

[close]

p. 6

escolas aos poucos foram implementando seus projetos de informática educativa contudo as muitas empresas que terceirizavam serviços na área continuam no mercado até os dias atuais a internet na educação a emergência de uma incubadora de informações mesmo com a emergência dos softwares educativos gratuitos a popularização dos softwares proprietários e o crescente avanço num quadro profissional mais crítico e qualificado o uso de softwares educativos é um pouco limitante pelo próprio limite do software como um objetivo técnico programado para executar funções já preestabelecidas mesmo em se tratando das linguagens de programação que são softwares mais abertos seu uso constante provocava em médio prazo desinteresse por parte dos estudantes em nossa experiência profissional constatamos uma busca desenfreada por parte dos profissionais da área por encontrar sempre novas soluções informáticas softwares e diferentes estratégias metodológicas para uso dos softwares na prática pedagógica por mais que criássemos situações e projetos de aprendizagem variados os alunos consumiam muito rapidamente os softwares disponibilizados era muito difícil fazer a escola acompanhar as novidades do mercado muitos alunos dispunham de soluções informáticas mais sofisticadas em suas residências a escola passou a não acompanhar tanto o avanço tecnológico com isso o conhecimento informático não se limitava mais aos saberes docentes os aprendentes passaram a saber mais que muitos professores a informática passou a ser estruturante de novas formas de aprender e pensar como afirma pretto 1997 com o avanço da internet e a entrada do cc computador conectado à internet vários horizontes se abriram para a democratização da informática na vida cotidiana das pessoas e nas práticas educativas como um todo a internet rede mundial de computadores passou a agregar inúmeros recursos interfaces e dispositivos à informática educativa cada vez que uma pessoa de conecta um novo nó é criado o público infanto-juvenil passou a ser alvo do mercado na internet programas de tv fabricantes de brinquedos passaram a criar sites infantis 3 com recursos como jogos e atividades interativas por exemplo alguns professores passaram a lançar mão destes sites em suas aulas de informática educativa inicialmente a internet foi apropriada pelos professores como um grande repositório de informações variadas desde conhecimentos vulgares publicados por pessoas comuns e informações publicadas por agências de notícias da mídia de massa que passou a migrar para a internet a saberes científicos publicados por instituições grupos e agências de pesquisa este grande repositório de informações e conhecimentos passou a ser utilizado por professores e estudantes em seus projetos de ensino e aprendizagem com a popularização da linguagem html em suas mais variadas interfaces seja diretamente por comandos de linha ou através de programas aplicativos muitos professores de informática educativa passaram a se apropriar desta linguagem e começaram a utilizar não só a internet para buscar informações como também começaram a utilizá-la como agência de notícias para a publicização de suas autorias inicialmente estas autorias possuíam o formato de home pages sites pessoais ou institucionais a rede passou a ser habitada por páginas com informações das escolas das disciplinas dos projetos e dos professores os professores publicavam seus planos de cursos conteúdos de aprendizagem atividades e tarefas para que os alunos pudessem fazer uso desses conteúdos num segundo momento os professores passaram a investir mais nas autorias dos estudantes encorajando-os a publicarem seus projetos de autoria o que já faziam com os softwares de autoria e com a linguagem de programação passaram a fazer com a internet e seus recursos hipertextuais e interativos a grande diferença estava não apenas na produção dos conteúdos ­ substituição do software educativo pela linguagem html ­ mas sobretudo na visibilidade e compartilhamento em potência com o mundo inteiro os projetos passaram a ser em potência socializados com o mundo inteiro e não mais ficavam limitados

[close]

p. 7

ao contexto do laboratório de informática várias são as escolas que divulgam seus projetos na internet como é o caso do projeto amora http amora.cap.ufrgs.br da escola de aplicação do ufrgs exemplos como este fazem o laboratório de informática ganhar mais um desdobramento o ciberespaço inspirado na possibilidade de ter a internet não só como um grande repositório de informações mas sobretudo como um espaço de encontro e pesquisa foi desenvolvida em 1995 uma metodologia mundialmente conhecida a webquest inquieto com as atividades de busca de informações na internet para responder perguntas simples o professor bernie dodge da san diego state university desenvolveu a metodologia da webquest a webquest é uma atividade coletiva baseada na pesquisa orientada em que quase todos os recursos e fontes utilizadas para o desenvolvimento da atividade são provenientes da web pedagogicamente esta página é uma atividade didática baseada na prática da pesquisa orientada na qual grupos de estudantes devem desenvolver a pesquisa de forma colaborativa dodge organizou a metodologia com a seguinte estrutura a introdução ­ o professor deve contextualizar o tema de pesquisa proposto instigando os aprendizes para a pesquisa propriamente dita b desafio ­ nesta etapa o professor deve apresentar as questões de estudo e o problema da pesquisa c tarefa e seu desenvolvimento ­ aqui o professor deve explicar com mais detalhes o enunciado da atividade orientando os aprendizes no desenvolvimento da atividade como um todo d recursos ­ o professor deve disponibilizar os links url dos materiais e fontes de pesquisa disponibilizados na web e avaliação ­ na webquest a avaliação da aprendizagem e da produção do aprendiz deve ser transparente aqui o professor deve disponibilizar os critérios e indicadores de avaliação do processo de aprendizagem e dos produtos gerados pela atividade f créditos ­ indicar a autoria dos recursos e fontes disponibilizados bem como os dados do autor da webquest segundo dodge 2006 após a publicação da sua primeira webquest na internet no ano de 1995 muitos foram os professores que multiplicaram suas idéias mundo afora a metodologia tornou-se um sucesso entre os educadores dos diversos segmentos seja na educação básica ou no meio acadêmico santos 2008 além da hipertextualidade da www com suas conexões e mixagens o elemento interatividade passou a ser o grande diferencial com a evolução das interfaces de comunicação assíncronas e síncronas as escolas passaram a não só divulgar suas produções publicando-as na internet como também passaram a compartilhá-las seja entre turmas de uma mesma escola seja entre escolas e principalmente entre as escolas e o mundo assim as escolas passaram a ter internet e a internet passou a ter as escolas as primeiras interfaces assíncronas foram os correios eletrônicos e-mails e em seguida as listas de discussão o conceito de comunidade de aprendizagem tão popularizado com a web 2.0 tema que trataremos no próximo item teve seu fundamento com a popularização das listas de discussão a emergência de projetos em rede fez com que as listas de discussão fossem utilizadas não só por parte dos estudantes em seus projetos como também pelos seus professores com o objetivo de formação continuada trazemos como exemplo o projeto kidlink http wwwusers.rdc.puc-rio.br/kids/kidlink este projeto de dimensões internacionais ganhou bastante visibilidade no brasil além de disponibilizar projetos de ensino e aprendizagem para alunos professores e escolas com intercâmbios internacionais o projeto kidlink foi um dos principais projetos de formação continuada de professores na rede com o passar do tempo outras interfaces síncronas e assíncronas começaram a surgir as listas de discussão passaram a conviver com a presença de fóruns de discussão e salas de bate-papo conhecidas como chats estas interfaces geralmente eram e ainda são divulgados pelos portais outro evento de grande importância na primeira fase da internet são os portais educacionais os portais educacionais são sites que reúnem um conjunto de recursos dentre

[close]

p. 8

eles interfaces de comunicação síncrona e assíncrona para que professores possam fazer uso dos potenciais da internet em suas práticas a maior parte dos portais agrupa conteúdos para estudo sugestões de atividade e projetos comunidades de aprendizagem a propósito do conceito mais genérico de portais lemos 2000 fez uma crítica à idéia de reunião de conteúdos e tentativa de organização e roteirização do hipertexto da internet o autor e pesquisador da cibercultura associa ao conceito de portal a metófora do cural fazendo a crítica ao movimento de fixar o internauta num ponto ou nó da grande rede que é a própria internet compartilhamos da crítica do autor contudo reconhecemos a importância dos portais educacionais como locus não só para a busca de informações ou repositório de conteúdos mas sobretudo pelo seu potencial de agregar pessoas com objetivos semelhantes permitindo em potência que suas autorias sejam não só publicadas como sobretudo compartilhadas destacamos alguns dos mais visitados portais educacionais brasileiros 1 multirio http www.multirio.rj.gov.br/portal 2 educarede http www.educarede.org.br 3 escola br http www.escolabr.com/portal 4 escola do futuro http www.futuro.usp.br 5 proinfo http proinfo.mec.gov.br 6 webeduc http webeduc.mec.gov.br no ano de 1997 foi implementado o proinfo o programa nacional de tecnologia educacional o proninfo é um programa educacional criado pela portaria n 522 de 9 de abril de 1997 pelo ministério da educação para promover o uso pedagógico da informática na rede pública de ensino fundamental e médio este programa foi responsável pela expansão do uso da informática nas escolas públicas das redes estaduais de todo brasil além da implantação de laboratórios de informática nas escolas o programa implementou a formação continuada dos professores através dos ntes núcleos de tecnologia educacional os ntes contam com o trabalho educacional e formativo dos professores-multiplicadores responsáveis pela formação continuada dos professores nas escolas cada estado desenvolve de forma autônoma suas estratégias pedagógicas para a formação de seus docentes a web 2.0 na educação da incubadora de mídias às redes sociais a expressão web 2.0 tornou-se conhecida e destacada mundialmente a partir da publicação em 2005 do artigo o que é web 2.0 4 por tim o´reilly mas afinal o que é web 2.0 e como se difere da internet a expressão não é nova nem significa uma outra internet a web 2.0 é um desdobramento sociotécnico já previsto pelos teóricos e autores na cibercultura na primeira fase da internet como relatamos no item anterior a internet não dispunha de muitas soluções amigáveis para a produção e compartilhamento de informações e conhecimentos via rede para publicar e compartilhar informações e conhecimentos era necessário conhecer linguagens específicas de programação para internet como a linguagem html com a web 2.0 passamos a ter sites publicados e editados pelos próprios usuários da rede a tecnologia wiki é um exemplo como exemplo de site que utiliza a tecnologia wiki temos a enciclopédia online wikipedia a wikipedia é um exemplo de solução baseada nos princípios da web 2.0 porque apresenta acesso aberto conteúdo dinâmico ­ criado colaborativamente por seus usuários conteúdo livre para cópia utiliza tecnologia já existente fruto de processos engajados de seus usuários grupos-sujeitos ­ tecnologia wiki com a apropriação da rede por grupos-sujeitos mercado mídia clássica e principalmente nativos digitais criativos e antenados com a lógica da interatividade e da colaboração novas e surpreendentes soluções informáticas foram criadas no contexto em que

[close]

p. 9

também fizeram emergir novas atitudes mais engajadas com a autoria e co-autoria de sentidos significados e significantes com a web 2.0 a cibercultura ganha contornos mais concretos conceitos como inteligência coletiva nova ecologia dos saberes grupoware comunidade virtual de aprendizagem apresentados por pierre lévy no início dos anos 90 do século passado são hoje ações e projetos concretos muitas das idéias de lévy foram refutadas por intelectuais e professores por conta da falta de ações e soluções informáticas concretas que dessem visibilidade aos conceitos e idéias propostos pelo autor pierre lévy em parceria com michel autier chegou a idealizar e criar o software gingo conhecido como Árvore do conhecimento para operacionalizar os conceitos acima citados em nossa pesquisa de mestrado santos 2002 estudamos as funcionalidades do software e constatamos suas potencialidades no que se refere à gestão do conhecimento o gingo se estruturava como um banco de dados semânticos que potencializava a comunicação entre os sujeitos envolvidos formando uma comunidade de aprendizagem a partir do momento em que os sujeitos compartilham suas singularidades de saberes na pluralidade da comunidade contudo esta solução não se popularizou por sua lógica de mercado software proprietário e também pela complexidade tecnológica e limitação da interface na época dos primórdios da rede o autor ficou conhecido par alguns críticos e apocalípticos como futurista ou integrado ou seja como alguém que valorizava conceitos sustentados por idéias e não por soluções e ações concretas e viáveis para a democratização da rede e da inclusão digital por inclusão digital entendemos que não basta apenas ter acesso aos meios digitais mas sobretudo saber utilizá-los de forma autoral e cidadã com a web 2.0 podemos mais concretamente vivenciar a inteligência coletiva porque dispomos de soluções informáticas concretas gratuitas e de acesso livre e também a fenômenos culturais estruturados por e com estas tecnologias como as redes sociais mediadas por interfaces digitais e softwares sociais a exemplo dos blogs das wikis orkut msn skype e dos ambientes online de aprendizagem os ambientes online de aprendizagem também conhecidos como plataformas de ead são programas que integram numa mesma interface um conjunto de interfaces de conteúdos e interfaces de comunicação defendemos a tese de que um ambiente online de aprendizagem não é apenas um conjunto de interfaces e ferramentas tecnológicas e sim um organismo vivo que se auto-organiza a partir das relações estabelecidas pelos sujeitos que interagem produzindo conhecimentos a partir das mediações tecnológicas e simbólicas das tecnologias digitais portanto um ambiente online de aprendizagem é todo o conjunto de objetos técnicos e as redes sociais que constroem saberes e conhecimentos no ciberespaço É a partir destes fundamentos que situamos o ambiente moodle como um ambiente online de aprendizagem que potencializa não só a produção e socialização de informações digitalizadas como também a produção e socialização de conteúdos abertos de aprendizagem falar do ambiente moodle não é apenas falar de uma plataforma para práticas de ead ou educação online o moodle é um ambiente online de aprendizagem que agrega e estrutura uma comunidade mundial de produtores de conteúdos abertos www.moodle.org a comunidade moodle é formada por redes de sujeitos e grupos-sujeitos do mundo inteiro que desenvolvem e compartilham soluções para diversas modalidades educacionais e de aprendizagem seja no âmbito educacional escolar acadêmico corporativo das organizações não governamentais como também dos movimentos sociais organizados a emergência dos softwares sociais e das soluções webtop é o diferencial sociotécnico da web 2.0 em relação à internet na sua primeira fase os softwares sociais são interfaces ou conjuntos de interfaces integradas que mediam a comunicação síncrona e assíncrona entre sujeitos geograficamente dispersos com isso os sujeitos se encontram não só para compartilhar suas autorias como sobretudo para criar vínculos sociais e afetivos pelas mais diferentes razões objetivas e subjetivas estas características podem ser aproveitadas pelos educadores para a concretização de projetos de ensino e aprendizagem engajados com os

[close]

p. 10

ideais das teorias construtivistas sociointeracionistas interculturalistas bem como gerar atos e arranjos curriculares interdisciplinares contextualizados com os cenários histórico-culturais e multirreferenciais dos sujeitos envolvidos o uso dos softwares sociais vem estruturando na web 2.0 as chamadas redes sociais a expressão rede social também não é nova segundo lemos 2008 foi criada pelo antropólogo john narnes da universidade de manchester em 1954 no contexto da web 2.0 é muito utilizada para designar a interconexão de sujeitos e objetos técnicos na rede uma das principais características das soluções web 2.0 é a possibilidade de interconexão entre os sujeitos o conceito de rede social na internet parte da idéia de juntar pessoas com interesses comuns que interagem colaborativamente a partir da mediação tecnológica das redes e suas conexões no brasil a solução mais utilizada para este fim é a interface orkut www.orkut.com observamos em nossa prática pedagógica que os alunos do ensino superior na sua grande maioria utilizam o orkut para encontrar e se comunicar em rede além das interfaces e dos softwares sociais dos ambientes online de aprendizagem a web 2.0 se diferencia também pela revolução do webtop valente e mattar 2007 conceituam as soluções webtop como aplicações que rodam direto na web para substituir o desktop com este conceito de webtop temos na rede diversos softwares que comumente utilizamos fisicamente em nossos computadores pessoais a exemplo dos editores de texto planilhas de cálculo banco de dados programas de apresentação de slides agendas calculadoras bloco de notas editores de imagens entre outros estes programas podem ser utilizados nas escolas que possuírem conexão com a rede não cabendo mais o investimento em softwares comerciais e suas licenças de uso por partes das instituições educacionais além disso a mobilidade da web 2.0 no ciberespaço permite que os educadores possam aproveitar os diversos espaços de conexão com a rede nas cidades a exemplo das lanhouses dos infocentros dos pontos de cultura entre outros estas novas possibilidades afetam diretamente o conceito e a lógica do laboratório de informática nas escolas a escola poderá instituir parcerias diversas com outras instâncias da sociedade algumas considerações concluímos este texto apresentando um quadro contrastivo que sintetiza alguns dos principais temas abordados o objetivo não é fechar a discussão muito pelo contrário aqui fizemos um exercício de mapear uma história não linear dos diversos usos da informática na educação destacando o perfil dos professores as soluções informáticas mais utilizadas suas aplicações nas práticas pedagógicas e nos atos de currículo quando afirmamos que as fases da informática na educação não são lineares é porque constatamos em nossa atividade profissional a presença de todas elas no cotidiano escolar além de isoladas em alguns contextos aparecem também misturadas vale ressaltar ainda que muitas escolas sequer chegaram a vivenciar as primeiras fases em tempos de cibercultura precisamos investir mais em políticas de inclusão digital não só para os estudantes da escola básica como também dos professores em formação inicial e continuada fases não lineares o uso instrumental do soluções tecnológicas perfil do docente atos de currículo sala de aula computadores softwares aplicativos instrutor em sua grande maioria aulas isoladas descontextualizadas do currículo escolar laboratórios de informática sem conexão à internet.

[close]

p. 11

computador nas escolas sistema operacional linguagem programação computadores softwares educativos softwares aplicativos e de técnico de informática sem formação pedagógica professor de informática educativa profissional da educação que busca formação continuada específica professor de informática educativa profissional da educação que busca formação continuada específica regentes de classe em coautoria com professor de informática professores regentes que utilizam softwares e a rede para potencializar suas autorias com seus estudantes informática disciplina como informática educativa e o uso de softwares educativos aulas isoladas informática como disciplina alguma articulação multidisciplinar de conteúdos projetos de aprendizagem laboratórios de informática sem conexão à internet a internet na educação a emergência de uma incubadora de mídias computadores internet portais educacionais páginas de professores projetos instituições educacionais softwares free software livre misto de informática como disciplina com práticas disciplinares ou interdisciplinares através de projetos de aprendizagem professores regentes com mais autoria frente aos recursos da informática laboratórios de informática com conexão à internet em alguns casos computadores conectados em pontos diferentes da escola a exemplo da biblioteca sala de leitura a web 2.0 na educação da incubadora de mídias às redes sociais computadores internet softwares sociais redes sociais projetos de aprendizagem que articulam uso de diversas mídias softwares e as interfaces da web 2.0 para comunicação e aprendizagem laboratórios de informática com conexão em alguns casos computadores conectados em pontos diferentes da escola a exemplo da biblioteca sala de leitura além dos espaços escolares variados professores estão utilizando pontos da cidade como lanhouses infocentros pontos de cultura entre outros em alguns projetos já

[close]

p. 12

encontramos a presença dos computadores e tecnologias móveis o conceito de laboratório de informática começa a ser questionado as possibilidades educacionais das soluções da informática são diversas e requerem dos professores e formadores não só a formação técnica para uso específico da informática seja dos programas comerciais dos softwares educativos da internet ou da web 2.0 como também e sobretudo uma formação epistemológica e metodológica que garanta atos de currículo sintonizados com as dinâmicas da construção do conhecimento em rede da inteligência coletiva da comunicação interativa e conseqüentemente da educação cidadã enfim a construção de novos paradigmas educacionais comunicacionais e tecnológicos referências bonilla m h educativo amarra que impossibilita o vôo revista de educação ceap n 33 p 47-51 2001 dodge b webquests passado presente e futuro in carvalho a a org actas do encontro sobre webquest braga universidade do minho-pt 2006 lemos a morte aos portais 2000 disponível em http www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/portais.html acesso em junho de 2008 lemos r web 2.0 compreensão e resolução de problemas rio de janeiro fgv online 2008 prensky m digital natives digital immigrants on the horizon ncb university press v 9 n 5 october 2001 disponível em http www.marcprensky.com/writing/prensky%20%20digital%20natives 20digital%20immigrants%20 20part1.pdf acesso em novembro de 2007 pretto n escola com e sem futuro são paulo papirus 1996 santos e o currículo e o digital educação presencial e a distância dissertação de mestrado salvador faced-ufba 2002 orientador prof dr nelson de luca pretto a metodologia da webquest interativa na educação online endipe porto alegre 2008 docência na cibercultura laboratórios de informática computadores móveis e educação online projeto de pesquisa rio de janeiro uerj 2007 educação online cibercultura e pesquisa-formação na prática docente tese de doutorado salvador faced-ufba 2005 orientador prof dr roberto sidney macedo.

[close]

p. 13

[1 este texto faz parte de um conjunto de produções advindas da pesquisa docência na cibercultura laboratórios de informática computadores móveis e educação online apoiada pelo cnpq [2 doutora em educação pela ufba professora adjunta da faculdade de educação da uerj atua com a disciplina informática na educação nos cursos de pedagogia presencial e a distância site www.docenciaonline.pro.br e-mail mea2@uol.con.br fones para contato 21 2244-6450;9139-3437 [3 vejamos alguns exemplos disney online www.disney.com psb kids www.psbkids.org nickelodeon www.nick.com fun brain www.funbrain.com millsberry www.millsberry.com barbie www.barbie.com e icarly www.icarly.com [4 para ler o referido artigo de tim o´reilly acesse o http www.oreillynet.com/pub/a/oreilly/tim/news/2005/09/30/what-is-web-20.html link:

[close]

Comments

no comments yet