Anamnese ocupacional : manual de preenchimento da Ficha Resumo de Atendimento Ambulatorial em Saúde do Trabalhador (Firaast)

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

ministÉrio da saÚde secretaria de atenção à saúde departamento de ações programáticas estratégicas anamnese ocupacional manual de preenchimento da ficha resumo de atendimento ambulatorial em saúde do trabalhador firaast saúde do trabalhador 1 série a normas e manuais técnicos brasília ­ df 2006

[close]

p. 2

© 2006 ministério da saúde todos os direitos reservados É permitida a reprodução parcial ou total desta obra desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial a responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens desta obra é da área técnica a coleção institucional do ministério da saúde pode ser acessada na íntegra na biblioteca virtual em saúde do ministério da saúde http www.saude.gov.br/bvs o conteúdo desta e de outras obras da editora do ministério da saúde pode ser acessado na página http www.saude.gov.br/editora série a normas e manuais técnicos tiragem 1.ª edição ­ 2006 ­ 10.000 exemplares elaboração distribuição e informações ministÉrio da saÚde secretaria de atenção à saúde departamento de ações programáticas estratégicas Área técnica de saúde do trabalhador esplanada dos ministérios bloco g edifício sede sala 603 70058-900 brasília ­ df tel 61 3315-2610 fax 61 3226-6406 e-mail cosat@saude.gov.br home page www.saude.gov.br/trabalhador texto poliana de freitas la rocca ricardo josé dos reis tarcísio márcio magalhães pinheiro organização andréa maria silveira organização da série saúde do trabalhador elizabeth costa dias marco antônio gomes pérez maria da graça luderitz hoefel profissionais envolvidos na elaboração das versões anteriores do instrumento ana lúcia elias d almeida ana lúcia murta andréa maria silveira celina schimidel nunes clarissa almeida teixeira de carvalho cláudia maria c branco albinati cristina furquim werneck moreira cristina miranda carneiro cristina souto dourado felipe rovere diniz reis heloísa helena gomes de faria horácio pereira de faria jandira maciel silva joaquim s martins júnior josé geraldo monteiro de castro leiliane amorim lícia maria teixeira soares marcelo araújo campos maria cristina da fonseca maria elaine da silva neuracy léo ferreira raquel maria rigotto ricardo josé dos reis rosita somerlatte tomich pimentel sandra silva serafim barbosa dos s antos filho simone sandra de araújo tarcísio márcio magalhães pinheiro túlio zulato neto valéria aparecida fernandes valéria guerra mendes impresso no brasil printed in brazil ficha catalográfica brasil ministério da saúde secretaria de atenção à saúde departamento de ações programáticas estratégicas anamnese ocupacional manual de preenchimento da ficha resumo de atendimento ambulatorial em saúde do trabalhador firaast ministério da saúde secretaria de atenção à saúde departamento de ações programáticas estratégicas ­ brasília editora do ministério da saúde 2006 52 p il ­ série a normas e manuais técnicos saúde do trabalhador 1 isbn 85-334-1141-3 1 anamnese 2 coleta de dados i título ii série nlm wb 290 catalogação na fonte ­ coordenação-geral de documentação e informação ­ editora ms ­ os 2006/0450 títulos para indexação em inglês occupational medical history taking orientation guide of the summary of worker health ambulatory care em espanhol anamnesis ocupacional manual del uso de la hoja de resumen de la atención ambulatoria en la salud del trabajador editora ms documentação e informação sia trecho 4 lotes 540/610 cep 71200-040 brasília ­ df tels 61 3233-1774/2020 fax 61 3233-9558 home page http www.saude.gov.br/editora e-mail editora.ms@saude.gov.br equipe editorial normalização vanessa kelly revisão daniele thiebaut e lilian assunção capa projeto gráfico e diagramação fabiano bastos

[close]

p. 3

sumÁrio apresentação 5 1 introdução 7 2 instruções gerais 9 referências bibliográficas 39 anexos 41 anexo a 41 anexo b 48

[close]

p. 4



[close]

p. 5

apresentaÇÃo a saúde como direito universal e dever do estado é uma conquista do cidadão brasileiro expressa na constituição federal e regulamentada pela lei orgânica da saúde no âmbito deste direito encontra-se a saúde do trabalhador embora o sistema Único de saúde sus nos últimos anos tenha avançado muito em garantir o acesso do cidadão às ações de atenção à saúde somente a partir de 2003 as diretrizes políticas nacionais para a área começam a ser implementadas tais diretrizes são · atenção integral à saúde dos trabalhadores · articulação intra e intersetoriais · estruturação de rede de informações em saúde do trabalhador · apoio ao desenvolvimento de estudos e pesquisas · desenvolvimento e capacitação de recursos humanos · participação da comunidade na gestão das ações em saúde do trabalhador entre as estratégias para a efetivação da atenção integral à saúde do trabalhador destaca-se a implementação da rede nacional de atenção integral à saúde do trabalhador brasil 2005 cujo objetivo é integrar a rede de serviços do sus voltados à assistência e à vigilância além da notificação de agravos à saúde relacionados ao trabalho em rede de serviços sentinela brasil 20041 1 os agravos à saúde relacionados ao trabalho de notificação compulsória que constam na portaria n.º 777/04 são acidentes de trabalho fatais com mutilações com exposição a materiais biológicos com crianças e adolescentes além dos casos de dermatoses ocupacionais intoxicações por substâncias químicas incluindo agrotóxicos gases tóxicos e metais pesados lesões por esforços repetitivos ler e distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho dort pneumoconioses perda auditiva induzida por ruído pair e câncer relacionado ao trabalho 5

[close]

p. 6

com o intuito de atender os trabalhadores com suspeita de agravos à saúde relacionados ao trabalho incluindo os procedimentos compreendidos entre o primeiro atendimento até a notificação esta série de publicações complexidade diferenciada oferece recomendações e parâmetros para seu diagnóstico tratamento e prevenção trata-se pois de dotar o profissional do sus de mais um instrumento para o cumprimento de seu dever enquanto agente de estado contribuindo para melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores e por conseguinte para a garantia de seu direito à saúde ministério da saúde Área técnica de saúde do trabalhador

[close]

p. 7

1 introduÇÃo em 1992 o ambulatório de doenças profissionais do hospital das clínicas da universidade federal de minas gerais adp/hc/ufmg e o departamento de medicina preventiva e social da faculdade de medicina da universidade federal de minas gerais dmps/fm/ufmg ­ com o núcleo de referência em doenças ocupacionais da previdência social nusat/inss a coordenadoria de saúde do trabalhador da superintendência de epidemiologia da secretaria estadual de saúde de minas gerais cst/ses/mg o ambulatório de saúde do trabalhador do município de contagem ast/contagem e o centro de referência em saúde do trabalhador do barreiro cersat/belo horizonte elaboraram a ficha de resumo de atendimento ambulatorial em saúde do trabalhador firaast a ficha foi criada para ser um instrumento epidemiológico que contribuísse para conhecer sistematizar agilizar homogeneizar e intercambiar dados e informações úteis ao planejamento à formação de recursos humanos ao atendimento à vigilância à avaliação de serviços de saúde do trabalhador e à divulgação pública mais ampliada pinheiro et al 1993 após pré-teste em 1993 a primeira versão da firaast foi implantada em 1994 no adp nusat ast/contagem e cersat/belo horizonte a base de dados foi construída seguindo a estrutura do instrumento que utilizou o software epi-info em 1995 a ficha continuou sendo usada nos quatro serviços e foi também implantada no serviço de saúde do trabalhador de betim sersat/betim nesse mesmo ano foi desenvolvido no curso de especialização em medicina social cems/dmps um estudo de reavaliação da firaast tal reavaliação baseou-se no perfil da demanda atendida no adp/hc/ufmg pinheiro martins jÚnior marinho 1995 nusat mendes bahia 1995 ast/contagem vorcaro hadad zulato neto 1995 e principalmente no relato de profissionais que trabalharam com a ficha entre outros achados este estudo apontou a necessidade de aprimoramento simplificação e readequação da firaast ao incipiente sistema 7

[close]

p. 8

nacional de informação em saúde do trabalhador a elaboração dessa segunda versão foi feita com a colaboração do nusat cst/ses-mg crst/contagem e cst/belo horizonte e foi implantada em janeiro de 1996 martins jÚnior pinheiro 1995 em janeiro de 2004 a Área temática de saúde do trabalhador do ministério da saúde identificou no interior da rede nacional de atenção integrada à saúde do trabalhador renast a necessidade de um instrumento nacional para sistematização das informações colhidas por ocasião do atendimento de trabalhadores com suspeita de doenças relacionadas ao trabalho a equipe do centro de referência estadual de saúde do trabalhador antigo adp/hc/ufmg foi incumbida de constituir o ponto focal encarregado de elaborar um protocolo para abordagem de pacientes com suspeita de doenças relacionadas ao trabalho denominado protocolo de anamnese ocupacional o protocolo apresentado se inspira em larga medida no modelo até então utilizado pelos cerest/mg cerst/bh e cerst/contagem autores das primeiras duas versões do modelo de ficha de atendimento chamada firaast como historiado acima esta versão foi reformulada sendo então apresentada em teleconferência para técnicos de centros de referência em saúde do trabalhador de 11 estados da federação posteriormente a ficha foi colocada para consulta pública na home page do ministério da saúde no período de 1.º de dezembro de 2004 a 30 de janeiro de 2005 a versão aqui apresentada constitui o resultado final destes momentos durante os quais várias críticas e sugestões foram incorporadas esclarecemos que a ficha foi concebida fundamentalmente como instrumento a ser utilizado nos centros de referência em saúde do trabalhador que compõem a renast foi elaborada ainda como instrumento passível de utilização como prontuário eletrônico e de informatização abaixo seguem as instruções de preenchimento da ficha aplicável a ficha de primeira consulta e a ficha de retorno 8

[close]

p. 9

2 instruÇÕes gerais a todos os campos deverão ser preenchidos a partir de informações fornecidas pelo trabalhador e obtidas durante o exame médico outras fontes de informação a serem utilizadas são prontuário médico prontuário de consultas anteriores comunicação de acidentes do trabalho cat relatórios pedidos de encaminhamento etc quando houver divergência entre as informações das fontes secundárias procure elucidar os fatos com o trabalhador b a parte inicial da ficha número do cartão do sus até telefone deve ser preenchida em momento anterior à consulta pelo auxiliar de atendimento secretária ou atendente o profissional responsável pelo atendimento deverá conferir as informações e assegurar-se de sua qualidade c nenhum campo deve ficar em branco quando não for possível obter a informação deve-se anotar no próprio campo o motivo da não obtenção da informação ex 1 trabalhador sabe que é sindicalizado não sabe o nome do sindicato sindicalizaÇÃo sim qual sindicato i não sabe informar o nome do sindicato i não não sabe informar ex 2 trabalhador não sabe informar o endereço e esse não foi encontrado no prontuário ou em outros documentos endereÇo de referÊncia i não sabe informar i n.º iiiii compl i i bairro i i cep iiiiii-i i i i telefone i i i-i iiiiiiii municÍpio i betim i uf imigi ex 3 não tem telefone endereÇo de referÊncia i rua maracujá i n.º i i i 9 i 1 i 9

[close]

p. 10

compl i casa 7 i bairro:i jardim das tamanducáias i cep i 3 i 9 i 7 i 2 i 0 i-i 0 i 2 i 0i telefone i i i-i iiiiiiii municÍpio:i lagoa da prata i uf:imigi d a ocupação atual deverá ser preenchida pelo responsável pelo atendimento após a coleta da história ocupacional o nome da ocupação atual não é necessariamente aquele relatado pelo trabalhador e sim o nome escolhido pelo responsável pelo atendimento baseando-se em informações colhidas na história ocupacional e ajustadas à definição existente na classificação brasileira de ocupações versão 2002 e as categorias tempo na ocupação relação no mercado de trabalho situação atual de trabalho carteira de trabalho tempo na empresa atual adicionais e empresa/empregador referem-se à ocupação atual essas categorias devem ser preenchidas somente após o registro da ocupação atual f para satisfazer os itens d e e recomenda-se a seguinte rotina 1 antes da consulta ­ o auxiliar de atendimento secretária preenche até a categoria telefone 2 durante a consulta ­ o responsável pelo atendimento preenche a partir de origem do encaminhamento g quando o indivíduo exerce uma mesma ocupação tendo mais de um emprego deve-se interrogá-lo sobre a empresa/empregador que ele considera como principal e as categorias relacionadas no item e serão referentes à ocupação atual exercida na empresa/empregador principal o responsável pelo atendimento deve orientar o trabalhador na escolha da empresa/empregador principal baseando-se no critério de maior risco ocupacional primeira consulta 1 número do cartão sus anotar o número do cartão do sus do trabalhador manter espaços em branco à esquerda 10

[close]

p. 11

ex n.° cartÃo sus 0 5 6 8 9 2 6 6 7 1 3 2 número do prontuário anotar o número do prontuário do trabalhador no serviço manter espaços em branco à esquerda ex nÚmero do prontuÁrio i i i 0 i 0 i 2 i 3 i 4 i 5 i 3 número do código do serviço anotar o número do código do serviço manter espaços em branco à esquerda ex nÚmero cÓdigo do serviÇo 2 1 4 data do atendimento anotar a data da consulta com dia mês e ano no formato dd-mm-aaaa ex data do atendimento i 0 i 5 i i 0 i 5 i i 1 i 9 i 9 i 6 i identificaÇÃo 5 nome anotar o nome completo do trabalhador manter as preposições e não utilizar abreviaturas de qualquer natureza como por exemplo m.ª da glória joventino a de lima duarte alvarez cássio ataíde jr hélio magalhães soares f.° se o espaço for insuficiente ocupe a margem direita da ficha esta variável é primordial para pesquisas no banco de dados procure anotar em letra de forma de modo claro e legível ex nome i maria eugênia lopes de faria por deus i 6 sexo assinalar a opção adequada ex masc fem 11

[close]

p. 12

7 data de nascimento registrar a data de nascimento com dia mês e ano no formato ddmm-aaaa caso o trabalhador não saiba e não seja possível obter o dado de outra fonte procure estimar o ano mais próximo possível registrar o mês de junho meio do ano e o dia 15 meio do mês preencher espaços em branco com 0 zero ex trabalhador rural nascido em 1926 não sabe o dia e mês não há outras fontes de informação disponíveis no momento documentos prontuário ex data de nascimento i 1 i 5 i i 0 i 6 i i 1 i 9 i 2 i 6i 8 escolaridade marque a opção mais adequada ex trabalhador declara ter estudado até a 3.ª série do primeiro grau não sabe ler/escrever alfabetizado ensino fundamental incompleto ensino fundamental completo ensino médio incompleto ensino médio completo superior incompleto superior completo especialização mestrado doutorado 9 nome da mãe escreva o nome completo da mãe sem abreviaturas este é dado importante para fazer a diferença entre homônimos as pessoas podem ter nomes iguais mas pouco provável que as mães tenham o mesmo nome o nome da mãe é sempre conhecido o do pai nem sempre 12

[close]

p. 13

10 naturalidade escreva a cidade em que o paciente nasceu 11 endereço de referência É o endereço onde o trabalhador pode ser localizado facilmente pode ser o endereço de residência preferivelmente ou do local onde ele está hospedado desde que não seja hospedaria de caráter provisório como hotel etc não pode ser o endereço da empresa onde ele trabalha esta informação será registrada no campo endereço de trabalho observações a registrar com atenção o número do imóvel mantendo espaços em branco à esquerda b localizar o cep no catálogo quando o trabalhador não souber fornecê-lo c se o trabalhador não tiver telefone registrar se possível um para contato d registrar o município sem abreviações do tipo bh s.j dos campos etc e É importante registrar o endereço de forma clara legível e a mais completa possível porque as informações coletadas nesses campos constituirão base para malas-diretas 12 origem do encaminhamento registrar a opção adequada de acordo com a instituição ou o profissional que encaminhou o trabalhador ao serviço encaminhamento escrito ou verbal inss ­ encaminhamento de qualquer setor do instituto nacional do seguro social 13

[close]

p. 14

serviço médico privado ­ refere-se a encaminhamento de unidade de saúde ambulatórios hospitais clínicas etc privadas e encaminhamento de profissionais autônomos médicos fisioterapeutas psicólogos etc cujo atendimento foi feito por consulta particular paga diretamente ou por meio de convênio unimed bradesco etc sindicato ­ trabalhador que procurou o centro de referência em saúde do trabalhador orientado pelo sindicato assessoria técnica diretoria sindical etc sus ­ engloba além dos serviços públicos serviço de saúde privado conveniado com o sus empresa ­ trabalhador encaminhado pelo serviço de engenharia de segurança e medicina do trabalho sesmt ou outro setor de empresa sem encaminhamento ­ refere-se à demanda espontânea engloba os trabalhadores orientados a procurar o centro de referência em saúde do trabalhador por amigos colegas de trabalho vizinhos parentes etc outros ­ essa opção deve ser assinalada quando ocorrer situações não contempladas nas opções anteriores nesse caso o tipo de encaminhamento deve ser especificado no espaço próprio ex 1 trabalhador atendido no centro de referência em saúde do trabalhador com pedido de interconsulta ou encaminhamento de uma outra especialidade do hospital das clínicas inss serviço médico privado sindicato sus município belo horizonte unidade hc empresa sem encaminhamento outro 14

[close]

p. 15

ex 2 trabalhador orientado a procurar o centro de referência em saúde do trabalhador pela associação de moradores do bairro ou pelo conselho regional de técnicos em radiologia ou uma outra entidade organizada inss serviço médico privado sindicato sus município unidade empresa sem encaminhamento outro associação de moradores do bairro tal 13 ocupação atual observações 1 verifique os itens d a g instruções gerais 2 para desempregados a sem atividades no momento anotar a última ocupação b que exercem atividades como autônomo ou no mercado informal anotar ocupação referente à atividade exercida no momento 3 para aposentados a sem atividades no momento anotar a última ocupação b que exercem atividades como autônomo ou no mercado informal anotar ocupação referente à atividade exercida no momento c que está empregado anotar a ocupação referente à atividade exercida no momento 4 no caso de desvio de ocupação registrar a ocupação que o trabalhador efetivamente exerce 5 a profissão não deve ser considerada vide ex 3 e ex 4 no item 18 15

[close]

Comments

no comments yet