http://ecosdapoesia.org/eisfluencias/eisfluencias_dezembro_2011_2_14.pdf

 

Embed or link this publication

Description

eisFluências - Revista Literária e Informação eisFluências - Literary Magazine and Information Revista de Dezembro de 2011 Magazine 2011 december Revista literária e informação em lingua portuguesa e eventualmente com artigos em espanhol Liter

Popular Pages


p. 1

issn 2177-5761 issn 2177-5761 9 772177 576008 revista bimestral dezembro/2011 ano ii núm xiv poeta rodrigo octavio pereira de andrade presidente da academia cabista de letras artes e ciÊncias no arraial do cabo/rj entrevistado por mercedes pordeus este mês a revista eisfluências traz uma entrevista a rodrigo octavio pereira de andrade pseudônimo rodrigo poeta presidente da a.c.l.a.c ­ academia cabista de letras artes e ciências no arraial do cabo/rj É poeta professor de língua portuguesa literatura e técnica de redação palestrante ministra oficinas voltadas para valores humanos Ética e cidadania pesquisador ativista cultural membro da academia cabista de letras artes e ciências de arraial do cabo/rj membro da academia de artes de cabo frio membro correspondente da academia de artes ciências e letras de iguaba grande/rj membro correspondente da academia de ciências letras e artes de minas gerais sede manhuaçu/mg cônsul de cabo frio/rj pelos poetas del mundo entidade com sede no chile conselheiro islâmico de assuntos shiita do centro estudantil Árabe iman ali de são paulo/sp conselheiro de assuntos sociais e cultural afro brasileiro pela ftabh de são paulo/sp faculdade de teologia afro brasileira e holÍstica livre membro correspondente da academia itapirense de letras e artes de itapira/sp membro correspondente da academia barramendense de letras de barra do mendes/ba membro da academia de letras e artes da região dos lagos/rj membro correspondente da academia de letras e artes de valparaíso chile mp rodrigo poeta você poderia nos falar um pouco sobre o surgimento da academia cabista de letras artes e ciências a.c.l.a.c rp a iniciativa da criação da aclac partiu de grandes nomes da cultura cabista e de artistas cabo-frienses a aclac foi inaugurada no dia 12 de dezembro de 2005 em arraial do cabo/rj numa cerimônia no tupi e.c o primeiro e único jornal da região dos lagos a documentar este feito foi o jornal o popular de iguaba grande/rj a entidade é a única da região a ter uma sede própria valoriza a memória cultural e as raízes do povo cabista tanto que seu patrono é o poeta popular cecílio barros pessoa um poeta de origem humilde que nos seus versos captou as imagens de um arraial do cabo que poucos conheceram nós somos uma entidade preocupada com o social e com a cultura somos diferentes de muitas outras que vivem a vender sonhos pelo brasil sonhos como falsos títulos de nobreza medalhas honrarias etc não somos mercadores de sonhos somos uma academia de verdade somos cabista mp como você vê o papel da internet na divulgação da cultura e como acontece o equilíbrio entre a a.c.l.a.c física e a virtual rp a internet ajudou muito a entidade a ser tornar conhecida pelo brasil e principalmente pela implantação dos membros correspondentes em 2009 feita por mim quando eu era secretário do presidente adão antunes de castro hoje a entidade se relaciona através do orkut e do facebook fazendo interação com o brasil inteiro e divulgando seus feitos no seu blog neste endereço http aclacademiacabista.blogspot.com este equilíbrio faz com que a entidade passe a ser conhecida e respeitada pelo seu trabalho nestes seis anos já fizemos muito como antologia lítero cabista 2009 a implantação do quadro de correspondentes 2009 a implantação do diploma mérito cultural 2009 a implantação do título de membro honorário 2011 o projeto ciclo de palestras 2009 e os momentos de palavra de sabedoria 2011 e momento cultural 2011 estamos para realizar em 2012 várias atividades que em breve serão divulgadas no blog da entidade mp e os membros correspondentes como desempenham o papel de veículos do lema uma academia viva e atuante uma academia onde a memória é respeitada rp os correspondentes são primordiais para a entidade pois divulgam a mesma em suas localidades eles seguem normas para desempenharem este papel os que não fazem o papel de divulgador e incentivador da entidade perdem a titularidade como correspondente tanto que hoje temos cerca de 30 correspondentes dos 40 que começamos aqueles que não seguem o perfil da entidade perdem suas cadeiras a aclac é uma das poucas entidades acadêmicas do brasil que não cobra anuidade aos correspondentes nós queremos é a fidelidade a divulgação e a troca de informações para o bem da entidade e o bem da cultura no brasil lançaremos em breve um novo edital para correspondentes no brasil e teremos brevemente os primeiros correspondentes internacionais a divulgar a entidade em seus países já estamos em contatos com escritores poetas e artistas plásticos dos seguintes países méxico japão grécia e portugal somos uma entidade atuante se os correspondentes atuam para o bem da cultura divulgamos suas atividades em nosso blog e em nossas assembléias pois uma academia se faz com a memória cultural de um povo de uma nação e quiçá do mundo!

[close]

p. 2

02 eisfluências dezembro 2011 mp falemos agora do rodrigo poeta tenho acompanhado seu papel incansável em prol da cultura já há alguns anos consecutivos como e quando nasceu esse interesse rp nasceu em 1993 o primeiro poeta que degustei seus versos foi vinicius de morais e de 1993 a 2011 são quase vinte anos promovendo cultura literatura resgate cultural em inúmeros projetos em escolas entidades acadêmicas e dentro de comunidades carentes em cultural hoje tenho a responsabilidade como presidente em ampliar os ideais socioculturais não só em nossa região mas também no país e quem sabe em outros países mp recentemente você foi eleito presidente da a.c.l.a.c quais são suas metas para sua gestão rp a entidade não se faz só com o presidente temos muitos projetos em mente alguns serão implantados em janeiro e brevemente divulgados na mídia outros projetos serão estudados e de acordo com a parceria serão realizados para o bem da cultura temos projetos voltados para a comunidade cabista principalmente os jovens tanto que sempre em nossos eventos estimulamos e divulgamos os novos talentos cabistas mp que mensagem você deixaria para nossos leitores no sentido de incentivar o desenvolvimento e continuidade do trabalho em prol das artes da cultura rp não seja coadjuvante nem marionete e fantoche dos donos da vaidade pois todos nasceram para brilhar com a luz do farol que guia para sucesso ao lado de deus e dos verdadeiros amigos rodrigo octavio 01/11/11 mp:rodrigo poeta a revista eisfluências cumprindo seu objetivo traz ao leitor uma visão mais ampla divulgando tão respeitada entidade que é a a.c.l.a.c agradece a sua colaboração e deseja muitas realizações nos seus projetos e empreendimentos junto aos acadêmicos e membros correspondentes que estão ajudando a preservar e construir e divulgar a história da a.c.l.a.c uma academia onde a memória é respeitada mercêdes pordeus é membro correspondente da a.c.l.a.c mercedes pordeus recife/br viº concurso poesiarte de poesia regulamento 1-participantes poderão participar do concurso moradores do município de cabo frio e demais municípios do brasil com idade a partir de 8 anos e também aceitando participações internacionais sendo que o poemas sejam escritos em língua portuguesa 2 período de inscrição os trabalhos deverão ser entregues para rodrigo octavio pereira de andrade no seguinte endereço rua jorge lóssio n°1478 vila nova ­ cabo frio/rj.­ cep 28907-015 as inscrições serão aceitas de 21 de novembro de 2011 a 7 de janeiro de 2012 ou enviadas por correio até a mesma data valendo o carimbo postal como comprovante do prazo ou para os seguinte e-mail poesiarte@hotmail.com para mais informações consulte http concursopoesiarte.blogspot.com ficha tÉcnica director victor jerónimo portugal/brasil directora cultural carmo vasconcelos portugal responsável pela redacção mercêdes pordeus brasil design gráfico e composição victor jerónimo nosso sítio http www.eisfluencias.ecosdapoesia.org conselho de redacção abilio pacheco brasil carlos lúcio gontijo brasil humberto rodrigues neto brasil luiz gilberto de barros brasil marco bastos brasil petrônio de souza gonçalves brasil rosa pena brasil correspondentes alemanha antónio da cunha duarte justo argentina maría cristina garay andrade bielorussia oleg almeida brasil elizabeth misciasci cabo verde nuno rebocho espanha maría sánchez fernández revista de eventos actualidades notícias culturais político/sociais e outras mas sempre virada à directriz cultural nas suas várias facetas propriedade de mercêdes batista pordeus barroqueiro recife/pe/brasil tiragem 100 ex distribuição gratuíta divulgação via internet depósito legal lei do depÓsito legal lei n° 10.994 de 14 de dezembro de 2004 biblioteca nacional brasil isnn 2177-5761 contacto eisfluencias@gmail.com dois anos 2009-2011

[close]

p. 3

eisfluências dezembro 2011 03 a importÂncia de um abraÇo por ary franco em tempos idos era eu gerente da sucursal de uma empresa seguradora em belo horizonte estressado pela responsabilidade imposta pelo cargo e por metas a serem alcançadas sofri por quatro meses com o distúrbio de uma glândula que me provocava sudorese em excesso independente do calor ou frio que estivesse fazendo minhas mãos estavam sempre suadas e por mais que as enxugasse em lenços preventivamente levados comigo permaneciam úmidas meus contatos profissionais eram muitos diariamente e ficava constrangido na hora do aperto de mãos nas apresentações ou reencontros de clientes então como recurso estratégico ao ver mãos estendidas para mim ignorava-as e partia para um abraço acompanhado de muito prazer ary franco neste período realizei bons negócios e fiz grandes amigos como nunca dantes depois de curado com tratamento médico adequado resolvi continuar com meus agora espontâneos abraços ao meu gabinete de trabalho eram conduzidos os funcionários novos contratados pelo rh para me serem apresentados desde o contínuo até os mais graduados eu levantava-me da cadeira dava a volta na mesa e abraçava o recém-chegado dando-lhe as boas-vindas era o gerente mais legal do mundo certa feita o gari que varria a minha rua tocou o interfone e perguntou-me se eu poderia assinar na listinha de natal peguei uma nota não me lembro mais do valor e fui ao portão apor meu nome na lista ele retirou a luva da mão direita e estendeu-a para mim desejandome um feliz natal ignorei aquela mão e abracei-o retribuindo os votos meio acanhado ele disse-me durante o abraço doutor estou sujo e suado eu respondi perante deus talvez eu o esteja mais que você daquele dia em diante minha calçada era a mais bem varrida e limpa de todas e era na minha casa que ele mitigava sua sede nos dias mais quentes sob o sol causticante que dificultava a exaustiva tarefa de seu trabalho então aí ficou para mim uma lição de vida transformando uma adversidade em um grande aprendizado certamente ministrado pelo nosso deus criador ary franco rio de janeiro/br nÃo me importo ary franco não me importo de ser um idoso só não quero jamais envelhecer desejo sentir-me sempre ditoso renovar-me a cada amanhecer não me importo se mais uma ruga aparece cada uma delas tem sua estória pra contar somente uma única coisa me entristece saber que um dia todo este eu vai acabar não me importo com as mãos enrugadas minha pele sem aquele viço de outrora se já não mais aproveito as madrugadas mas quero a vida viver até a última hora não me importo se já durei o bastante continuarei a aproveitar cada instante buscando inspiração para meus poemas achando solução pra os meus dilemas não me importo se nada mais concretizar mas faço questão de continuar a sonhar feliz quero viver mas o dia que me for levar no peito o coração cheio de amor não me importo se comigo não te importas olvidarei teu desdém e abrirei outras portas um dia não mais hei de ti me lembrar fiques como estás não precisas me amar oh passado por que nÃo voltas ary franco por onde andará aquele romantismo de outrora hoje só os poetas admiram uma noite enluarada uma troca de olhares com a pulsação acelerada flerte e aproximação nada disso subsiste agora pra onde foram os namorados que passeavam de mãos dadas aqueles apaixonados que levavam flores para suas amadas os encontros escondidos porque o pai da moça era zangado dentro do cinema a mão no ombro e um beijo roubado as orquestras tocando em bailes pra casais com rostos colados nada de djs arranhando discos e os pares pulando separados os trovadores cantando sob as sacadas canções apaixonadas quase sempre isso ocorria em noites lindamente estreladas onde estão as praças em que ficavam os rapazes conversando e as moças passeando em torno dela e por nós desfilando aguardávamos sempre a volta seguinte daquela que nos atraiu quem sabe na próxima ela vai sorrir mostrando que me viu meu deus concedei-me o retrocesso dessa cruel evolução dê-me de volta o lindo passado de minha saudosa geração em meu peito bate um pobre coração morrendo de saudade mas ufanoso de ter vivido grandes amores na jovem idade rio de janeiro/br ary franco escritor e poeta nasceu em 25 de novembro de 1933 na rua cardoso marinho nº 17 no bairro de santo cristo na cidade do rio de janeiro ­ brasil pelo que orgulha-se de ser um carioca legítimo cursou a faculdade de letras curso que interrompeu para casar-se casamento que mantém feliz há 54 anos com seus 3 filhos e 4 netos mais tarde completou o bacharelato em letras desde cedo atraído pela poesia já em garoto brincava de fazer rimas hoje aposentado confessa-se um contumaz devorador de livros que sofre de uma necessidade compulsiva de escrever É autor de vários romances crónicas e poesia que publica essencialmente na internet É membro da academia virtual sala de poetas e escritores avspe

[close]

p. 4

04 eisfluências dezembro 2011 a poesia da fotografia lanÇamento teca miranda ­ juiz de fora ­ mg ­ 10/11/2011 por marco bastos em 10/11/2011 deu-se o lançamento no museu de arte moderna murilo mendes na cidade de juiz de fora minas gerais do excelente trabalho artístico de teca miranda contido no livro a poesia da fotografia editado pela all print editora/sp brasil tive a honra e o prazer de prefaciar a obra e comparecer a esse evento cultural nesse livro a poeta pintora e fotógrafa trabalha com duas formas de expressão ­ com o concreto no abstrato da poesia e a abstrata fotografia do concreto cotidiano na arte da fotografia no branco e preto das cores teca ressalta os contrastes o brilho intenso do sol da lua de prata testemunha romântica confidente lua-cheia seus reflexos na praia nos lagos na pele e nos cabelos nos seus escuros dos montes e na exuberância da mata nas cascatas que despencam nos rios quais arminhos de prata céus profundos de sua terra alterosa ora altos cirros flamejantes ora nimbos de chuva grossa suas carreiras de casas hospitaleiras que adivinho naquelas cidadezinhas que cismam por trás dos montes e as pessoas se apresentam na verdade dos seus trabalhos ou nos sonhos dos seus amores cidades-silhuetas sob clarões estupefatos a fotografia registra só o que existe no mundo a artista cria os momentos os animais as flores as fantasias e tudo se integra em sua poesia aqui não me contenho e apresento nessa pequena amostra uma página do livro onde o leitor encontrará na exuberância original da linguagem dela da fotógrafa que é poeta o seu caudaloso rio de encantamento insinuando o estro a poesia de teca é moderna sua linguagem encaixa-se nas principais características propostas por Ítalo calvino para as letras do milênio leveza rapidez exatidão visibilidade multiplicidade consistência escreve com liberdade e precisão sem se preocupar com os aspectos formais de metrificação e de rimas seu estilo é elegante e bem trabalhado poesia ritmada cadenciada e candente na qual capta e expressa seus sentimentos apresentando sua visão de mundo polimórfica a cuidadosa leitura da obra de teca miranda revela um conjunto de vivências e abstrações onde a poeta mulher moderna atual e prática altamente franca e verdadeira se mostra veladamente romântica teca miranda é têmpera_mental lúcida sensual e cristalina a poeta traz da poesia minimalista que também escreve a cunha do inesperado as sínteses as metáforas as metonímias a beleza que expressa não se traduz em jogos de palavras ­ em seus versos livres quase não rima a estética de seus versos encontra-se na capacidade de fazer afluírem e interagirem autor e personagens e sensíveis associações para os seus temas variados e recorrentes natureza sol lua o social esse trem sociedade carinho atemporalidade eternidade introspecção o amor e a afetividade jeito mineiro de ser a chuva dentro de si a estrada a liberdade a inspiração e o encantamento.

[close]

p. 5

eisfluências dezembro 2011 05 e poesia a boa poesia é isso sínteses metáforas e estranhamento ­ aquela faísca que estalou na cabeça do poeta e a partir dela nada mais foi tudo igual e o mundo é diferente no seu processo criativo algumas vezes nos deixa ver a alternância do embate entre a racionalidade que conduz a poesia e o arrebatamento que submete o autor à obra convido-os a conhecerem a poesia da fotografia citando mikhail bakhtin em estética da criação verbal na tradução da versão francesa por maria ermantina galvão g pereira mas como dar-lhe ao autor de novo a palavra reconhecendo o parentesco de nossos discursos vendo em sua justaposição não a da metalinguagem e da linguagem-objeto mas o exemplo de uma forma discursiva muito mais familiar o diálogo para a crítica dialógica a verdade existe mas não a possuímos concluindo pressinto o prazer que os leitores terão ao entrarem no mundo de formas luzes e letras acompanhando a inspiração da poeta o mesmo prazer senti ao conhecer o livro e sinto agora ao divulgar a obra registros do lanÇamento a cidade de juiz de fora http www.youtube.com/watch?v=o8czb9ldi_w&feature=related http www.youtube.com/watch?v=blmdcygqdga&feature=related repercussÃo local do trabalho de teca miranda http www.dig-foto.net/2011/11/lancamento-do-livro-poesia-da.html http jfemfoco.blogspot.com/2011/11/teca-miranda-e-sua-fotopoesia fotografias do evento apresentaÇÃo autoria prefÁcio o evento teca miranda

[close]

p. 6

06 eisfluências dezembro 2011 as caracterÍsticas da arte moderna por clóvis campêlo segundo josé guilherme merquior no livro formalismo e tradição moderna o problema da arte na crise da cultura de 1974 é dentro da própria consciência geradora do saber da cultura ocidental que a estética moderna encontrará campo para dar vazão ao sentimento de insatisfação que a invade mostra-nos o autor que nada poderia ser mais eloquente do que a simples menção da influência de duas ciências humanas na arte moderna a psicanálise e a antopologia e ambas se prestam a esse papel por provocarem constantes deslocamentos no pensamento que as gerou assim munidos de novos instrumentos os artistas modernos encontram condições de manifestar a negação e a perplexidade da arte em relação aos caminhos dos tempos contemporâneos valorizando os impulsos libertários do inconsciente bloqueados pela ética do pensamento conservador os modernos passam a salientar o caráter repressivo do princípio da realidade como uma limitação às possibilidades vitais do homem assumem desse modo uma postura vocacionalmente surrealista instalando no bojo do seu pensamento a mística da liberdade espiritual fonte da contracultura de vanguarda no final do século passado a desconfiança da arte moderna ante os valores da cultura ocidental faz com que juntamente com a vontade de ruptura cultural desenvolva-se na primeira uma tendência ao hermetismo tal tendência intensifica o isolacionismo cultivado pelo artista a partir do pós-romantismo afastando com desdém a estética moderna das massas muito embora estas se mostrem cada vez mais alfabetizadas e encaminhando a arte moderna para uns postura semântica elitista o poeta moderno cerca de obstáculos o acesso ao significado da mensagem poética e almejando alcançar um público seleto cria obras que jogam com significados incertos esquivos e obscuros por compreender que o fácil entendimento das obras significa a banalização e a alienação da informação tal assertiva torna-se interessante em um mundo caracterizado pela democratização da informação e pela proliferação do simulacro enquanto meio de consciência cósmica ao mesmo tempo em que serve para desnudar mais um aspecto contraditório das artes modernas o bardo moderno envereda por caminhos esotéricos e inusitados mudança quanto ao conteúdo enquanto adota contra a linguagem comum alteração quanto à forma o que ramon jakobson numa tentativa de definir a literatura sob a ótica dos formalistas classificou como violência organizada concomitantemente a esse movimento de afastamento das massas verificado na estética moderna a arte de vanguarda experimenta uma universalização dos horizontes mentais estabelecendo entre os artistas modernos uma comunicabilidade definitivamente diluidora do sentimento de cor local dos românticos e que transcendendo as nacionalidades provoca o cruzamento de temas e estilos em que pese cada literatura estar irremediavelmente ligada ao espírito da sua língua desse modo segundo a ótica de merquior são quatro os movimentos que caracterizam a passagem da arte romântica para a arte moderna a mudança de uma concepção mágica de arte para uma concepção lúdica desdobrada em visão grotesca jogo quanto ao conteúdo e experimentalismo jogo quanto à forma transformação da oposição cultural romântica em ruptura afastamento das grandes massas e tendência para o hermetismo e encaminhamento da poética atual para o cosmopolitismo e para um futuro planetário no entanto se o primeiro movimento faz com que a arte moderna manifeste uma saudável tendência de revigoramento e renovação ao mesmo tempo em que nega os valores culturais que contradizem a afirmação humana tendência essa confirmada no movimento de ruptura afastamento o terceiro movimento elitização e hermetismo é contraditório e caminha em sentido inverso aos anteriores por seu lado o quarto movimento cosmopolitismo parece nos indicar que a grande arte perdida a sua função mágica e situada em uma cultura de massa onde prevalece a divisão de classes característica supranacional exercita essa permeabilização universalista como forma de uma adaptação necessária à sua sobrevivência para finalizar consideremos que o conceito de arte moderna ainda segundo merquior prende-se muito mais aos fatores internos observados nas obras de arte do que a sua contemporaneidade tal fato se deve a permanência ainda hoje na tradição da arte moderna de elementos românticos não submetidos ao novo estilo e que atuam como fatores de estreitamento e de enfraquecimento da arte moderna reduzindo a sua capacidade de elaboração de uma crítica da cultura e diminuindo a sua energia criadora dessa maneira nem toda a arte contemporânea pode ser considerada arte moderna assim como podemos estabelecer a existência de diversos graus de modernidade clóvis campêlo recife/br http cloviscampelo.blogspot.com http geleiageneral.blogspot.com a serpente e a maÇÃ clóvis campêlo era só monotonia a vida no paraíso tudo correto e preciso sem tristeza ou alegria eis que um dia de repente em pleno sol da manhã a suculenta maçã desperta o olhar da serpente por que então preservá-la negando-se ao prazer mas para poder prová-la preciso será romper a lei e não acatá-la desafiando o poder a sÍntese clóvis campêlo neguei todos os preceitos como quem renega a vida atingindo o próprio peito dilacerando a ferida a mesma mão que afaga acende o fogo e o apaga fiz do mundo o seu avesso vestido de manto espesso para ser inacessível e conclui o desfecho na imensidão do impossível recife 2011

[close]

p. 7

eisfluências dezembro 2011 07 manifesto do poeta por rosa pena para uma poesia alegre um buquê com flores viçosas coberto de pétalas frescas orvalhadas rimas mais preciosas que esmeraldas e rubis do anel que tu me destes uma lua bem cheia e a mais bela cadente envolvendo nosso porta-retrato sobre o criado-mudo de espanto com todo o amor que a foto traduz para uma poesia triste um buquê de flores murchas mortas vivas rimas artificiais como bijuterias um minguante de lua e um cometa decadente sobre o criado-surdo ao amor que tu me tinhas que era pouquíssimo e babou o amor não a poesia pois alegre ou triste ela não deve sofrer à síndrome do descaso poetas ainda que de celular falam com borboletas pedras estrelas quando nossa segunda pele é poesia por rosa pena a gente se veste dela para apaziguar o apetite de comer a lua para dizer um tchau sorridente ao sol que se finda mais cedo para brindar o cheiro que exala dos cabelos de algum apego para gritar as frases não ditas impróprias para uma platéia descrente de ternura para jogar água sanitária no luto do passado pintar de verde a desistência e o cansaço sorrir do vermelho no rosto depois daquele beijo para achar aquele suspiro esquecido embaixo da cama para desamarrar o cadarço do sapato da razão para sentir a umidade da terra que fecunda a ilusão de que nada foi em vão pra tecer com o canto dos colibris um novo nó na gravata do juízo que adora sufocar o grito -te amo ah na poesia qualquer dia tem confissão e comunhão amantes se vestem da nudez e estendem as línguas para receber a hóstia da paixão paris maluca com certeza rosa pena sem beleza estamos todos malucos sociedade desamparada todo mundo fala tudo ninguém diz nada com nada quem sabe daqui há dez mil o mundo descubra que nunca soube demais volte a dançar rock com as aranhas viaje num trem das sete refaça o corcel 73 decrete o amor a bola da vez tomara que a ciência descubra a vacina eficaz para tanta estupidez o grito da paz É o sonho que corro atrás -maria da graça almeidaparis tem certa magia nem bem posso explicar É uma coisa que indicia o elã livre no ar É a alma que se amplia como um raio de luar é a cor da fantasia que se espalha no lugar É a arte do imortal ou o ofício do mambembe é a tinta natural da mão firme que não treme É a torre colossal férrea que o espaço não teme É um arco triunfal das avenidas o leme É o perfume o olor da mulher que não se apressa é no sena o rumor dos barcos fazendo festa paris tem certa magia nem bem posso explicar É uma coisa que indicia o elã livre no ar maria da graça almeida nascida em pindorama são paulo escritora poetisa professora pedagoga e formada em educação artística http esperasazuis.blogspot.com divulgação de rosa pena rosa pena rj/br http www.rosapena.com aprendi que um homem só tem o direito de olhar um outro de cima para baixo para ajudá-lo a levantar-se gabriel garcia marques q q q o escritor original não é aquele que não imita ninguém mas aquele a quem ninguém pode imitar visconde de chateaubriand

[close]

p. 8

08 eisfluências dezembro 2011 ofÍcio de tradutor por oleg almeida quem é o tradutor aquela pessoa afeita à caneta e nos dias de hoje ao laptop cujo trabalho consiste em transpor ­ frase por frase ideia por odeia ­ os mais diversos textos de um idioma para o outro brilhante linguista que se empenha em decifrar os mistérios das épocas remotas e dos países longínquos levando-os ao conhecimento do curioso público ou escritor frustrado que se contenta em popularizar os livros de outrem por lhe faltarem sorte ou coragem na promoção dos seus artesão das palavras que preza pela qualidade formal de suas versões longa e pacientemente lapidadas a ponto de subestimar a profundeza espiritual dos originais vertidos ou provedor da aproximação cultural entre os povos que muitas vezes nada têm em comum senão a literatura traduzida e dessa maneira compartilhada não sou adepto de nenhuma destas opiniões sejam corretas ou não para mim o tradutor é antes de tudo um bom professor incumbido de ensinar aos autores estrangeiros uma língua bem diferente da que deu asas à criatividade deles há professores que por algum motivo tomaram conta de uma só turma escolar assim foi o poeta russo nikolai gnêditch que dedicou a vida inteira à tradução da grandiosa ilíada de homero há mestres que criaram uma plêiade de discípulos talentosos este seria o caso de tadeusz boyeleñski cujo labor incansável brindou os leitores poloneses com a chamada biblioteca de boy composta de quase 100 tomos traduzidos do francês o mesmo se refere aos virtuais alunos ­ há quem estude aplicado e obediente tais são as obras de dickens flaubert e tolstoi facilmente lidas e interpretadas em qualquer parte do mundo e quem se mostre cheio de rebeldia os colegas que já tentaram traduzir digamos guimarães rosa com seus inúmeros neologismos herméticos até para os conterrâneos dele não me deixariam mentir acerca das dificuldades técnicas desse tipo de tradução em resumo a figura do tradutor é tão humilde e ao mesmo tempo sublime quanto a do educador seu nome vem impresso em letras miúdas seus honorários nem se comparam aos de uma estrela literária porém o mérito e a glória de sua profissão se revelam incontestáveis igual ao pedagogo entusiasmado com o sucesso dos antigos pupilos eu me sinto todo orgulhoso de ter ensinado baudelaire e púchkin a falar português e este é o maior estímulo para cumprir em rigor meu ofício modesto e nobilíssimo traduzido por oleg almeida cxlvi la mort des amants nous aurons des lits pleins d odeurs légères des divans profonds comme des tombeaux et d étranges fleurs sur des étagères Écloses pour nous sous des cieux plus beaux usant à l envi leurs chaleurs dernières nos deux coeurs seront deux vastes flambeaux qui réfléchiront leurs doubles lumières dans nos deux esprits ces miroirs jumeaux un soir fait de rose et de bleu mystique nous échangerons un éclair unique comme un long sanglot tout chargé d adieux et plus tard un ange entr ouvrant les portes viendra ranimer fidèle et joyeux les miroirs ternis et les flammes mortes cxlvi a morte dos amantes nós teremos leitos a manar olores e divãs profundos nossas sepulturas e pelas estantes as estranhas flores as que noutros tempos viram mais ternuras esbanjando à farta os últimos ardores far-nos-emos duas tochas às escuras que refletirão os seus duplos fulgores nos espelhos gêmeos nossas almas puras uma noite feita de azul e de rosa trocaremos uma chama vagarosa dois adeuses juntos num clarão final e depois um anjo ao soabrir as portas virá reanimar firme e jovial os espelhos baços e as centelhas mortas oleg almeida brasília/df brasil www.olegalmeida.com

[close]

p. 9

eisfluências dezembro 2011 09 tempo de doar palavras por carlos lúcio gontijo a palavra escrita é sagrada como veículo de comunicação pois foi o instrumento usado pelo criador para se comunicar conosco dando origem à bíblia que é o caminho e o norte religioso social e moral da humanidade desejosa de criar condições de convivência fraterna dentro dos valores e princípios cristãos ensinados por jesus cristo filho de deus defendemos a tese de que sem a comunicação gráfica o mundo jamais teria avançado material e espiritualmente uma vez que não experimentaria o refrigério eficiente para suas atribulações e instintos de violência que se amenizam e até se desfazem diante da leitura de um poema verdadeiro marcado por antíteses e imagens metafóricas ou perante a trama amorosa e a mensagem filosófica de um romance bem escrito deus poderia ter destinado a cada ser humano alguma fonte de riqueza definida e tangível ­ moedas de ouro pedras preciosas ou qualquer outro bem material ­ mas não o senhor do universo optou pela caridade da palavra que nos consola e ilumina nossa caminhada no planeta terra em várias ocasiões do transcorrer de nossa trajetória literária tivemos que editar por conta própria pois sempre encontramos dificuldades na busca de patrocínio pela comprovada razão de serem poucos e raros os detentores de capital que se nos apresentam dispostos a despender recursos na impressão de livros mas graças a deus eles existem o procedimento natural é de injeção de dinheiro tão-somente em produtos alimentícios agindo como se a doação de palavras de conscientização e esperança não fizesse parte da cesta básica da caridade voltada à igualdade e ao pleno desenvolvimento do ser humano escrevemos imbuídos do desejo de contribuir para a construção de um mundo melhor que não tem como surgir por intermédio do simples suprimento das necessidades tidas ou havidas como básicas à sobrevivência das pessoas que são muito mais que ocupantes de espaço físico existindo portanto uma quântica energia cósmica que habita cada uma delas e que não se alimenta de prato de comida roupas de grife joias conta bancária notoriedade prestígio ou fama a palavra escrita ferramenta da poesia da literatura da informação e do conhecimento é muitas vezes menosprezada mas se não fosse por ela o mundo seria um longo e ininteligível filme sem legenda dessa forma ousamos apontar o exercício da arte da palavra como uma atividade revestida de poder de caridade e capaz de propiciar um destino mais digno à raça humana levando-nos assim a conduzir nosso trabalho literário com humildade e disposição para direcioná-lo preferencialmente e sem qualquer ganho nem lucro financeiro a bibliotecas comunitárias escolas de zona rural escolas de periferia etc locais em que os exemplares de obras literárias quase nunca chegam em síntese dentro do nosso idealismo gostaríamos que as pessoas em todos os momentos comemorativos ­ nos aniversários nos natais e nas festas de fim de ano ­ doassem palavras de amizade perdão estímulo e consolo umas às outras presenteando seus amigos e conhecidos com livros e dedicatórias feitas de próprio punho sob a crença de que a leitura revigora a mente e agrada aos desígnios do criador que tem no verbo bíblico o seu mecanismo de transformação do gênero humano então em nome da sensibilização dos seres humanos da paz e da prática do efetivo amor ao próximo nos relacionamentos sociais tomamos a liberdade de conclamar em alto e bom som poetas escritores mãos à obra cumpram com sua missão solidária de escrever e lançar livros a mancheias multiplicando o milagre da sublime doação de palavras carlos lúcio gontijo poeta escritor e jornalista www.carlosluciogontijo.jor.br nó de pedra carlos lúcio gontijo quero a pedra no caminho colher a verdade da pedra tecer de pedra a fibra moral cozer a pele no coral da pedra amolar na pedra o suor nascente ser refletida pedra por fora transparente pedra por dentro talhadeira lapidando gente pronta pra luta de pedra atiradeira batalha naval em mar de lágrimas sacristia pantaneira ungindo navalha para nos livrar da democracia retireira liberdade que fenece na hipocrisia e não nos guarnece de asas para voar mas se na esteira da luta estradeira soldado dessa pedreira tombar cada estilhaço um nó de pedra em pedaço verdadeira pedra em pó que solta ao vento nunca andará só pois não há quem a pedra desuna nem esteja prestes a maldizer essa coluna do livro aroma de mÃe clg/1993 www.carlosluciogontijo.jor.br bateia do amor carlos lúcio gontijo venha abraça-me forte faça sentir-me úmido de desejos encha-me o ventre de pantanais quero véu de alagados pelo corpo abrir nesgas de céu em meus pecados sentir conforto de relva em corte de canaviais deixar-me quase morto na bateia do amor fazer ferver todo o sangue na veia e afogar-me no mangue das libidos alvadias feito se entregam as estrelas ao raiar dos dias do livro pelas partes femininas ­ clg amores em queda carlos lúcio gontijo o rio saliva cachoeira assim como eu desejo o beijo do meu amor pro rio é queda-d água pra mim é quebra-mágoa o beijo do meu amor www.carlosluciogontijo.jor.br

[close]

p. 10

10 eisfluências dezembro 2011 noite de jÚbilo para a poesia noite poÉtica josefense por maura soares em um teatro do município de são josé santa catarina inaugurado em 1856 que leva o nome do célebre violinista josé adolpho ferreira de mello dos ferreira de mello da ilha de são jorge açores-portugal aconteceu no sábado dia 22 de outubro de 2011 o sarau literomusical noite poética josefense em comemoração ao dia do poeta ocorrido dia 20 de outubro num projeto idealizado formatado e apresentado pela acadêmica hiamir polli mathias tendo como apoiadores a fundação municipal de cultura e turismo de são josé e a associação dos cronistas poetas e contistas catarinenses acpcc a noite de sábado 22 engalanouse com o desfile de talentos da literatura da grande florianópolis ou região metropolitana como querem as autoridades hiamir polli mathias membro da referida associação uma das fundadoras do gpl e também das academias desterrense de letras adl e alcantarense de letras acalle conduziu o cerimonial com tranquilidade e competência tendo em augusto de abreu acpcc e rosinha schmidt secretária de cultura e turismo de são josé como apoiadores na hora do cerimonial quando da entrega de diplomas e placas alusivas ao evento desfilaram pelo palco do pequeno e aconchegante teatro as mais diversas formas de dizer poesia pois cada poeta extravasa seu sentimento à sua maneira participaram quase todos os segmentos das letras da grande florianópolis citando associações e academias acpcc adl acalle grupo de poetas livres gpl academia catarinense de letras e artes acla associação literária florianopolitana aliflor academia são josé de letras asajol academia de letras de biguaçu abl academia de letras de governador celso ramos academia catarinense de letras e grupo literário a ilha tendo em vista o número de pessoas a se apresentar a cada qual foi reservado o espaço para dois poemas ou uma canção e um poema citando tentando não esquecer todos os que abrilhantaram a festa da poesia marli terezinha dos santos luz gpl interpretando ao violão de geraldo pereira lopes adubando nossas raízes seguida dos declamadores com suas próprias criações osmarina maria de souza adl,acpcc,acalle,asajol,alb paulo berri asajol,alb,acla,acpcc inês carmelita lohn acpcc,acalle,algcr celso joão de souza gpl,acalle deyse de abreu teodoro acpcc artemio zanon acl,asajol,adl susana zilli de melloacpcc acalle valter manoel gomes presidente da adl neide elliotacpcc augusto de abreuacpcc,adl,asajol hiamir polli mathias acpcc,adl,acalle geraldo pereira lopesgpl,adl jurema munareto vanda lúcia sens schäffer alb,asajol leatrice moellmann acl alb asajol gpl a professora maura soares do grupo de poetas livres leu a coerente incoerência dos poetas de carmo vasconcelos poetisa de portugal e directora cultural da revista eisfluências e um poema de sua autoria beijos o atelier de dança de são josé com o casal de bailarinos bruno bittencourt e gabriela ferreira apresentou o belíssimo número musical loving you a cantora nini apolônia natural de são josé interpretou as melodias palmeira à beiramar e quem sabe esta de autoria de carlos gomes a associação coral do hospital florianópolis sob a regência do maestro fernando di carli apresentou o hino da cidade de florianópolis rancho de amor à ilha ave verum corpus deixa meu povo ir negro spiritual cantigas do boi-de-mamão adaptação do folclore ilhéu por carlos lucas besen a noite foi encerrada com a premiação às instituições literárias presentes cada qual recebendo diploma e placa de prata de parabéns está a acadêmica hiamir polli pela iniciativa em promover a festa e pela oportunidade de mostrar os talentos da região da grande florianópolis em uma noite inesquecível que espero seja a primeira de muitas outras profa maura soares grupo de poetas livres e academia desterrense de letras florianópolis/br http www.poetaslivres.com.br http www.lachascona.blogspot.com passagem das horas multipliquei-me para me sentir para me sentir precisei sentir tudo transbordei não fiz senão extravasar-me despi-me entreguei-me e há em cada canto da minha alma um altar a um deus diferente Álvaro de campos fernando pessoa

[close]

p. 11

eisfluências dezembro 2011 11 al capone por fahed daher a historia do cinema norte americano nos brindou com filmes maravilhosos muitos deles históricos embora na tônica da história tenha havido algumas fantasias para levantar emoções recentes histórias do nosso mundo político nos levaram para a lembrança da história de chicago pela apresentação do filme os intocáveis filme de grandes atividades emocionais com os intocáveis a história da máfia a honorata societá também chamada de cosa nostra onde pontificavam imigrantes italianos entre eles a figura que se tornou famosa chamada al capone com ele o crime organizado al capone nasceu na itália em 1889 e faleceu em 1947 nos eeuu consta que o serviço de segurança juntamente com a polícia federal americana sempre muito eficientes somados ao judiciário nunca conseguiram provar qualquer participação de al capone em todos os processos de criminalidade havidos no comando da sua cosa nostra inclusive consta que nunca ele portou uma arma apenas os seus auxiliares e seguidores portavam as armas metralhadoras as vezes transportadas em um saco de golfe ou sob as vestimentas consta que as atividades de gangsters comandadas por ele faturava cerca de três e meio bilhões de dólares por ano com capacidade de subornar policiais e juizes despendendo cerca de duzentos e cinqüenta milhões de dólares anuais nunca houve provas para puni-lo pois nunca estava presente nos acontecimentos nem suspeitas materiais ficavam nos atos de ilegalidade nas disputas de grupos ou domínio de territórios de tráfico de drogas prostituição clandestinidade de bebidas especialmente durante a promulgada lei seca que proibia o comércio de bebidas alcoólicas também no oferecimento compulsório de proteção a comerciantes e empresários e pessoas de muitas posses este tipo de proteção era uma forma de extorquir dinheiro sob pena de receberem a agressão da própria organização e quando pagavam para não serem agredidos pelo próprio grupo eram também defendidos contra a agressão de outros al capone oficialmente nunca sabia de nada e nunca aparecia qualquer comprovação das suas participações ou comandos conseguia ser recebido nos altos círculos sociais relacionava-se bem com as autoridades alem dos subornos concedia belos presentes na forma de gentileza de boa amizade seus auxiliares os que se deixavam ser suspeitos e sujeitos a investigações maiores por fracasso em determinadas ações eram imediatamente eliminados eliminação que era comandada com ordens para outros subordinados tal como fazia stalin na rússia quando recebia no gabinete algum elemento pelo qual não nutria simpatia à saída deste chamava um outro auxiliar de confiança e apenas dava um sinal para eliminar o visitante que acabara de sair sem nada dizer a punição de al capone lhe veio por algum deslize na declaração do imposto federal o que deu a oportunidade para o governo puni lo não é necessário ser letrado para ser um chefe de máfia nem ser culto ou erudito basta ter a capacidade de penetrar na psicologia dos auxiliares conhecer a psicologia do medo para impor a tirania conhecer a gula de cada um para satisfazer suas exigências e se aproveitando de todas estas fraquezas saber dizer a cada um o que cada um gosta de ouvir assim distribuir algumas benesses e dominar mantendo o ar de nobreza e de protetor se fazendo ausente e desconhecedor dos acontecimentos comprometedores a massa da população gosta de protetores mesmo fantasiosos a classe média gosta de fantasias a camarilha gosta de participar do lucro fácil há boas condições para a máfia manter o domínio entre nós o brasil não precisa da lei seca igual a adotada pelos ee uu diante de tanta complacência e indignidade nossas leis já são secas para os poderosos fogosas para os opositores fahed daher ­ médico governador de rotary 1995/1996 academia de londrina ­ centro de letras do paraná sobrames soc brás de médicos escritores vice pres pr academia de letras de londrina ­ acad josé de alencar curitiba frustraÇÃo fahed daher no olhar tens um malévolo reflexo no sangue tens volúpia de conquista não amas a ninguém queres que exista sempre um novo arlequim para o teu sexo buscas um novo beijo e um novo amplexo no afã que o teu fulgor ninguém resista És a irmã de don juan és a egoísta deixando a cada afago alguém perplexo alma boêmia cópia de narciso tens canto de sereia no teu riso ferros de prometeu nos teus carinhos sorvi um trago de beijo nessa taça onde o amor teve a forma da fumaça e levo a tua sombra em meus caminhos fahed daher 1952 luciano e o retrato fahed daher entre meu filho venha ter comigo saia do quadro preso nesse espaço o seu sorriso é franco e meu amigo o seu olhar suplica o meu abraço você sentiu na vida que o persigo segui sua existência passo a passo o carreguei no colo e não consigo esquecer que há entre nós um grande laço eu vejo o seu retrato me espreitando e sinto a sua vida palpitando no bem querer no amor na vibração trocando olhares com o seu retrato muitas lágrimas turvam-me a visão e o seu abraço vem-me ao coração fahed daher 11/12/01

[close]

p. 12

12 eisfluências dezembro 2011 semana cultural en Úbeda por maría sánchez fernández en los primeros días de noviembre el centro cultural del hospital de santiago de Úbeda se ha visto colmado de música poesía filosofía humanismo misticismo el día cinco y en el gran auditorio fue inaugurada la semana sanjuanista en honor del poeta místico de fontiveros Ávila san juan de la cruz patrón universal de la poesía en lengua castellana en la que han intervenido conocidos músicos y grandes oradores venidos desde varios puntos de nuestra geografía mundial el programa de esta gran semana encierra temas tan interesantes como la vida obra y andadura de este inquieto fraile carmelita que llegó al cenit de lo sublime con la sencillez de su palabra y pureza en su poesía han sido unos maravillosos días dedicados al gran poeta carmelita que vino a vivir a Úbeda a un convento de su orden para morir en una humilde celda muy cerquita del guadalquivir en la madrugada del 14 de diciembre de 1591 antes de expirar se dice que repitió la última estrofa de su noche oscura quedéme y olvidéme el rostro recliné sobre el amado cesó todo y dejéme dejando mi cuidado entre las azucenas olvidado a san juan de la cruz patrón universal de la poesía en lengua castellana ¡juan de la cruz ¡divino enamorado pequeño ruiseñor que dice amores te derramas en trinos y candores anegando los campos del amado tu música callada me ha calado el alma de dulcísimos sabores y así ya traspasada sin temores mi soledad sonora se ha tornado ¡juan de la cruz mi amigo en la distancia tu noche nunca ha visto mi alborada mas mi noche es tu noche ¡oh dulce calma que inunda los sentidos de fragancia al borde de una fuente plateada y tu llama de amor me embriaga el alma quisiera de una forma muy sencilla hacer también mi homenaje a juan de la cruz mi poeta predilecto con un soneto que compuse hace algún tiempo y al que musicalicé en esta primera gran semana de noviembre en el centro cultural del hospital de santiago no todo ha sido religiosidad música y elevación del espíritu también el alma humana necesita a veces evadirse de lo sublime para hacerse ancha y grande como la tienen los niños pequeños qué paradoja ¿verdad el día 5 a distinta hora de la apertura de la semana sanjuanista en la sala de conferencias julio corzo y con gran afluencia de público se presentó una obra para niños y para personas que se sientan niños se trata del libro didáctico canciones infantiles me siento muy orgullosa de ser su autora pues lo he compuesto con todo el amor a los más pequeños a continuación incluyo la presentación que hago al principio del mismo presentación queridos profesores y queridos niños cuando pensé escribir este libro de canciones infantiles además de moverme el deseo de reencontrarme con mi niñez nunca se es tan feliz como cuando se es niño también deseaba construir algo positivo algo que aportara al mundo infantil un mucho de alegría de fantasía con historias divertidas que se pudieran cantar y también gesticular a mí me parece que lo logré pues fui ahondando y escarbando muy dentro de mí y vi con alegría que era muy posible encontrar y lo encontré ese mundo maravilloso de colores y de inocencia que dormía en mi interior desde hacía tantos años y lo desperté y lo saqué a la luz y aquí está y os lo ofrezco con toda la ilusión del mundo porque ahora soy una niña más que juega y se divierte con pelusín con el perrito coco que es real con perico que siendo burro es amigo de una mariposa con don plimplim que vive en un jardín fantástico lleno de animalitos y de colores con el bravo filipón que en su barco pirata de velas amarillas surca los mares en busca de aventuras con el pájaro y el pez que son amiguitos aunque nunca llegarán a abrazarse con el conejito que le gusta ir a la escuela con el patito marinero con el pingüino que baila en la nieve con el barquito de papel que juega con los delfines con el osito goloso y con tantos y tantos más también están las canciones que entran dentro del grupo más didáctico como son el reloj de mi papá donde el niño puede aprender divirtiéndose el movimiento de las agujas marcando las horas del reloj la rotación del tiovivo en donde se persiguen jugando unos personajes a otros en la fiesta el pequeño toma conciencia de los distintos instrumentos musicales como son el tambor la pandereta la flauta el acordeón familiarizándose con ellos mientras juega gesticulando en mi burrito sabrá qué es lo positivo y qué es lo negativo mi andalucía que resalta el colorido y la estampa andaluza dentro de un aire de fiesta donde despuntan en los dos estribillos unos toques de sevillanas en esta canción he querido hacer como un himno infantil a andalucía y las notas musicales ¡ay cómo me recuerdan mis primeras clases de solfeo recibidas de mi padre tendría yo cinco o seis años mi padre gran músico y compositor y también un niño grandote que pensaba reía y se divertía como el más feliz de los niños desde estas páginas desde lo más hondo de canciones infantiles que está en la pequeña alma de sus personajillos mi más cariñoso recuerdo y homenaje para él en esta canción las notas musicales hermano a las siete notas del pentagrama con los siete colores del arco iris por consiguiente el niño se inicia en el mundo fantástico de la música así como en el mundo también fantástico de los colores la música es color y el color es música quiero resaltar y también agradecer la valiosa colaboración de las maestras de educación infantil maría del mar navajas fernández e inmaculada colacios moreno que han estudiado y analizado con gran entusiasmo este libro de canciones aportando con sus conocimientos el carácter pedagógico que yo pretendía para mi trabajo puntualizaría más bien que carácter pedagógico que suena como más técnico y más serio en un libro infantil creo que sería más entrañable decir el calibre preciosísimo de unas profesionales que han elegido la hermosa y difícil tarea de ayudar al niño al hombre entre fábulas juegos y canciones a ir escalando desde los primeros peldaños la inmensa escalera multicolor y multiforme que es la vida también quiero destacar la dedicación entusiasta de mi hermano emilio pues gracias a su infinita paciencia y cariño este cancionero ha tomado forma deseo con toda mi alma que mi libro canciones infantiles entre de lleno en el corazón de todos vosotros maría sánchez fernández Úbeda ­ españa ­ noviembre de 2011

[close]

p. 13

eisfluências dezembro 2011 13 el estigma o seÑal de caÍn la violencia de gÉnero de-generÓ en violencia por maría cristina garay andrade podemos aseverar que la violencia es una acción destructiva hacia múltiples individuos al mismo tiempo o hacia una persona en particular y puede dispararse de varias formas ya sea físicamente o psicológicamente pero la finalidad es la misma aplicar con frenesí el fanatismo de demolición de su autoestima o el exterminio físico del individuo hablar en esta fecha que próxima al 25 de noviembre como día internacional de la violencia hacia la mujer instituyo afirmativamente que la debemos enfocar en una realidad de violencia mucho más generalizada y extendida en todos los ámbitos de la sociedad colectiva sorprendentemente la violencia es una depravada cadena indestructible que sobrecargamos desde los tiempos más remotos hasta la actualidad difícilmente podamos cortar con ella en la medida que el hombre no tome otro camino basado en el respeto por la vida misma y renovar valores de su propia esencia que se fundamenten en un generoso porvenir colmado de nobleza amor en todas sus jerarquías y que tristemente pareciese hablar de una utopía irracional pero insisto que no hay otro camino que nos lleve a la paz sino modificamos los parámetros en los que nos manejamos en la actualidad que tienen una connotación de negatividad terminante los sistemas económicos mundiales están llegando al final de su mezquina efectividad la acumulación de bienes especialmente financieros por grupúsculos inescrupulosos de acumulación indiscriminada de riquezas que al final de cuentas son quiméricas es lo que produce en las sociedades la división insoslayable entre los globalizadores y globalizados porque de esa globalización de la que tanto nos hablan no es otra que una vil mentira de los poderosos manejadores del mercado financiero con bolsas repletas de valores que solo ellos conocen muchos o algunos podrán poner en tela de juicio mis palabras más aun también puedo aseverar la coincidencia de numerosos convencidos que coinciden con este solapado criterio encubiertamente enigmático entre la desconfianza por la pérdida de los capitales acumulados indiscriminadamente o como la consecuencia de su propia inseguridad a la pérdida de esas exuberantes sumas son las que produce el caldo de cultivo de la violencia y los que por resentimiento no toleran vivir en la marginación siendo conscientes de que ese estado es provocado por los mencionados acumuladores anteriormente es la principal consecuencia para desatar un clima de hostilidad generador indiscutiblemente de beligerancia próxima a detonar en un caos de hartazgo 12natural todo este mundo así estructurado es el que provoca permanente desasosiegos pánicos perturbación en los estados de ánimo exponiendo a los individuos que componen esta sociedad belicosa dejarla al borde de una explosión demográfica de indignación humana y de la cual no sabemos como podría terminar realmente su control porque cuando los pueblos se cansan hacen tronar el escarmiento la deshumanización puede explicar a la perfección la justificación y la propagación de la violencia terriblemente la atmosfera social esta contaminada por el pánico el crimen y la violencia vivimos lastimosamente en una era colosalmente violenta potencialmente latente en la historia del mundo dejar de reconocer esto sería una forma de ceguera social arriesgadísima imposible es dejar de ver en los titulares de los medios de comunicación masiva periódicos revistas sensacionalistas y programas televisivos como la violencia en todas sus variedades ocupa siempre por lo general las primeras planas o noticias estridentemente exageradas de acuerdo a la gravedad que sea considerado el caso ¿podemos acaso romper con esas cadenas de eslabones fuertemente enlazados históricamente y encadenados en la sociedad a modo de grifos legendarios como algo común y corriente nos hemos acostumbrado a convivir con ellos y tomarlos como un reglamento de nuestras vidas lamentablemente tenemos como vieja costumbre instaurada socialmente que se trata de moderar ciertos hechos monstruosos a nivel d e resultados de procesos psicológicos individuales y aislados comúnmente ante estos acontecimientos siempre se trata de encontrar un culpable antes de asumir una situación generalizada pero las guerras no están compuestas por un solo individuo desequilibrado la violencia en nuestros días es en sí un tema patéticamente agobiante podemos tomar como ejemplo los riegos que corren jovencitas y mas de regreso a determinadas horas del anochecer consideran que deben estar prevenidas para defenderse de cualquier robo o ataque sexual así como la brutalidad y violencia que se presenta con frecuencia en calles y edificios utilizados como ratoneras para efectuar cualquier inmoralidad explicita a una persona quienes ejecutan estos actos de crueldades son generalmente jóvenes alienados por la droga o por la formación impartida por los medios masivos formadores de violencia generalizada implícita la cual inconscientemente penetra en el inconsciente humano dejando su rastro siniestro de esta es la única forma de coexistir y de convertirse en un superhéroe por que ellos a su vez han sido expuestos a la estimulación de medios masivos de propagandas y diversión que en continua e insistentemente se les presentan imágenes de violencia en todos los contextos e indumentarias posibles ninguna civilización anterior llego a un grado de brutalidad semejante de enseñanza como la que vivimos actualmente de manera que si queremos estudiar la solución para evitar que se frene definitivamente esta sociedad de violencia generalizada para lograr un mundo no-violento es preciso e imperativo que dirijamos la mirada hacia el futuro que queremos pero sin duda dejando atrás definitivamente el pasado de la barbarie con la grave dificultad de limpiar nuestras mentes del pasado reciente y esto no resultará nada factible forjar un mundo nuevo no resultará viable es necesarios deponer mentalidades formadas bajo esos conceptos y despojar sentimientos negativos creados para fermentar la cultura del odio rencor sed de venganzas furias antipatías hostilidad humillaciones jamás superadas envidias y racismo colmados de animadversión resulta ficticio verdad pero no hay alternativa alguna que no se logre esa consecuencia si pretendemos un mundo realmente de paz ya no nos resulta posible hablar de violencia de género hacia la mujer con exclusividad la violencia se ha convertido en una característica de convivencia masiva que podemos vislumbrar con solo detenernos por pocos instantes en la rutina diaria como peatones de paso sin intervención en las escaramuzas comunes y diarias que en muchos casos resultan motivos realmente intrascendentes fuera de pretextos embarazosos cave aclarar en este tema de tanta magnitud que los niños no están dotados de una mentalidad destructiva pero la industria de los juguetes están haciendo todo lo posible para que la adquieran en lo que simplifica su mensaje que el asesinato es divertido y la guerra un placer solo con observar los video juegos estoy convencida que si las suculentas sumas de dinero que se emplean en todo el mundo para armamentos y guerras se destinaran en regiones azotadas por el hambre y la pobreza en sus peores formas muchos de estos flagelos se eliminarían definitivamente inclusive pequeños gastos servirían para aliviar muchas de estas necesidades ¿pero como cambiar esta cultura de destrucción masiva ¿como hacerle entender al hombre impío que los fines de inversión planetaria pueden aplicarse de otra forma mas humana y mucho mas al servicio de la humanidad misma ¿cómo hacer entrar en razones a estas bestias andariegas matar a no combatientes incluyendo mujeres y niños se ha convertido en una práctica común y corriente y de por mas agresiva los civiles nos hemos convertido en el blanco principal de cualquier contienda bélica y seremos quienes suframos mayor número de bajas el eslabón de la violencia generalizada reúne un sinfín de circunstancias por ejemplo podemos citar el trabajo de esclavos que tiene una descomunal y aun subestimada importancia como medio de matar personas por agotamiento explotación de niños por debilidad resultan solamente como métodos para obtener ganancias económicas a costa de la vida misma no se trata entonces de un problema exclusivamente de vidas

[close]

p. 14

14 eisfluências dezembro 2011 expuestas a la muerte casi segura sino también a que esas muertes den como consecuencia utilidades comerciales la gente superflua los inadecuados los improductivos los pacientes con enfermedades mentales en grados graves lisiados mutilados los indeseables todo este cuadro se comprende como la mejor identificación y la exterminación del débil nosotros los poseedores de un gran poder y prosperidad llenamos la mente de los niños con una corriente interminable de imágenes de violencia a menudo atractiva y siempre excitante si se quisiera hacer una lista de todas las variedades de métodos de asesinar torturar herir o matar no se encontraría un repertorio más completo que el que presentan los medios modernos de comunicación de masas y en especial la televisión en consecuencia a todos estos resumidos antecedentes hablar de violencia de género hacia la mujer resulta corolario de la vida cotidiana que vemos a diario sintéticamente la cantidad habitual de feminicidios que se incrementan en forma indiscriminada se presentan bajo la brutalidad la tortura el sadismo la conexión entre la crueldad y la sexualidad y la debilidad frente a la brutalidad la violencia es presentada en la pantalla de televisión como método o forma de vida normal y corriente por lo general la representación del hombre resulta violento y victorioso el culto al héroe es un fenómeno natural y se ha convertido a consecuencia en el culto a la violencia más inhumana maría cristina garay andrade monte grande ­ buenos aires ­ argentina noviembre 21 de 2011 http mariacristinadesdemissilencios.blogspot.com universo solitario maría cristina garay andrade en la soledad del universo me siento bañada de estrellas la noche de afarolada luz comulgo luces junto a ellas no hay un semejante compartiendo coincidencias y extraño entonces algunas sentidas ausencias dios me mira mientras regalando milagros de vida entre los matices de verdes y las flores adormecidas con sonidos de selvas abrigándose siento apagarse el día y me pregunto en el ocaso ¿que fin entonces cumple la mía en este universo de misericordias mi pequeñez implora la plenitud de mis ojos que incansablemente adora tanto mundo desaparecido tantos afectos en mi abrigo que en esta soledad me pregunto y ahora que hago conmigo desde mis silencios fue mi forma de ser insólitamente amé sin ser amada amé incondicionalmente no importa si estoy triste si el sonido es la calma guardo en tanto camino inmortales amores en el alma deja los plomizos para hermanar al sufrimiento que en gamas felices lo convierta servil el viento define del arcoíris a tu paso uno que con alegría atesores eligiéndolo sencillo y que llene tu vida dé flores multicolores monte grande buenos aires ­ argentina porquÉ te pienso tanto maría cristina garay andrade refleja tu retirada un toque en mi melancolía que será de tu vida tan lejos ahora de la mía qué del crepúsculo sin rosas de amor florecidas por donde andará tu risa entre nubes escondida cargando solitaria esta angustia del querer abandono tan sentido que no puedo comprender es que te pienso tanto en el desierto de tus manos en el calvario solitario de tus recuerdos lejanos qué evoca la nostalgia el sin sabor de tu partida que de pesar se carga la doliente anochecida deshojan vacías jornadas de hastío las postrimerías por la ventana lluviosa en las madrugadas sombrías cierra el silencio definitivo la frecuencia palpitante queda retenida en tu ausencia quisiera volver a vivir aquellas locas travesías que inspiraban los manantiales de mis poesías si soy parte en el pasado de tu olvido consciente de percibir el haberte perdido aun sigo amándote con sutil encanto debe ser entonces el porqué te pienso tanto monte grande buenos aires ­ argentina al principio vienen necesariamente a la mente la fantasía y la fábula desfilan después lo cálculos matemáticos y sólo al final la realización corona el pensamiento konstantín eduardovich tsiolkovski 1857-1935 científico e inventor ruso

[close]

p. 15

eisfluências dezembro 2011 15 brincar É criar vÍnculo¹ por abílio pacheco em belém do pará o natal tem uma data para chegar logo após o re-círio duas semanas após o círio é o dia em que se faz algo muito semelhante ao dia de reis todo e qualquer elemento decorativo principalmente o cartaz de nossa senhora colocado na porta de casa é retirado eu fiz isso este ano e fui zanzar numa importadora pertinho de onde moro sai carregando comigo uma palestra que havia assistido em dvd perca tempo com seu filho de pe léo ­ canção nova carregando comigo na memória e junto com ela uma cena que havia visto no condomínio há poucos dias sabe esses carros de brinquedo que cabe a criança dentro pois bem vi um desses a controle remoto a minha hipótese de que os pais compram brinquedos para si depois que os filhos nascem já havia encontrado respaldo ao ver pai e mãe brincando com um helicóptero de modelismo junto com o filho de 14 meses ouvindo as lições de padre leo sempre vindas com boas narrativas ou interpretações de narrativas bíblicas ou não no dvd citado a história da chapeuzinho vermelho interpretada sob a ótica das relações familiares é digna de nota fez-me ­ mais tarde ­ lembrar-me de um episódio quando eu lecionava numa escola particular em marabá eu lecionava redação e a proposta de atividade do livro era para ser feita junto com os pais aliás com o pai os pais desses meus alunos eram muito ocupados e não tinham tempo a perder com baboseiras de escola ou de ficar de conversa com os filhos a atividade portanto tinha tudo para não dar certo só o autor do material didático não havia percebido isso alguns alunos nitidamente haviam falseado a entrevista eles mesmo me confessaram depois poucos realmente haviam feito a atividade com o pai mas tinha uma menininha tristezinha que não fizera professor papai é muito ocupado fico pensando hoje o quanto a gente pode ser grosseiro indelicado e inconveniente eu fui olhe seu pai tem uma secretária não tem ela respondeu que sim pois bem ligue para a secretária do seu pai e marque com ele uma hora eu passei pelos corredores da importadora observando os brinquedos muitos brinquedos novos pecam pela falta de possibilidade de interação da criança com os pais ou com outras crianças existem brinquedos que são mesmo para o divertimento dos pais e não dos filhos o carro a controle remoto com a criança dentro parece mais uma extensão dos brinquedos infantis dos pais que algo para a diversão da criança ademais não favorece o contato os pais controlam o carro à distância e o filho fica sozinho no cockpit balançando-se feito um joão teimoso neste natal e também no decorrer do ano dê dois presentes para seus filhos um brinquedo que possibilite o contato com outro ser humano e dê a se mesmo de presente para brincar com ele afinal brincar é criar vínculo ¹ ¹ a palavra brincar vem do latim vinculum que significa ligação atadura e passou pelo seguinte processo de modificação até chegar no português atual vinculum vinculo vinclo vincro vrinco brinco e o verbo brincar abilio pacheco professor escritor www.abiliopacheco.com.br memórias de março a paulo cardoso abilio pacheco quando amanheço leito manso e lento nesta manhã sob este sol silente a cidade desperta calmamente ao meu olhar atônito e em tormento uma canoa tangida pelo vento com as lembranças da última enchente em mim desliza e a cidade sente À margem nos degraus um leve alento mas a tristeza morre neste instante quando no pontal o itacaiúnas vem farto de canoas desaguar e sou portanto este olhar brilhante cheio de lembranças de botos de buiúnas que corre lento assim de encontro ao mar in mosaico primevo belém/br no prelo abilio pacheco se a minha palavra é a minha busca de uma vida inteira em todo mundo e ela dorme encantada à sombra de um livro raro quiçá encontrá-la-ei num alfarrábio num sebo numa biblioteca pública quem sabe minha resposta ainda esteja no prelo in mosaico primevo belém/br luzes da cidade a charles chaplin abílio pacheco deambulo em trapos pelas ruas e vejo você serena e cega alva e bela com uma cesta plena de flores claras súbito amo-te como uma criança a outra simples como a rosa branca que recebo e ponho na lapela faço de tudo para que mesmo vendo-me trapalhão você contemple as luzes da cidade in mosaico primevo belém/br retrato ii a cecília meireles abílio pacheco eu também não tinha este rosto assim tenso assim denso assim calvo nem olheiras e rugas nem cabelos alvos eu não tinha estes olhos de agora tão rubros tão turvos tão vagos nem esta mão incerta nem dedos fracos mal venho notando esta mudança que lenta constante e suave do espelho vem desbotando a minha face in mosaico primevo ­ belém/br

[close]

Comments

no comments yet