Sertânia no tempo de Alagoa de Baixo e outras reminiscências

 

Embed or link this publication

Description

JORNAL DE ARCOVERDE – Edição 256 – Agosto/Setembro de 2010 – Caderno 1 – pág. 3

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

jornal de arcoverde ­ edição 256 ­ agosto/setembro de 2010 ­ caderno 1 ­ pág 3 histÓrias da regiÃo pedro salviano filho sertânia no tempo de alagoa de baixo e outras reminiscências imagine uma população de cerca de menos de 500 pessoas vivendo em alagoa de baixo por volta do ano 1900 É o que relata ulysses lins de albuquerque que lá nasceu em 1889 no seu livro moxotÓ brabo de 1960 ele escreveu a vila naquele fim de século tinha noventa casas no máximo muitas delas fechadas inclusive umas meiaáguas constituíam a vila de alagoa de baixo até 1899 menos de 500 habitantes que eu logo contaria mentalmente procedendo a um recenseamento que me decepcionava algumas mercearias bodegas na maior parte dentre as quais a de joão alves de holanda a de joão laerte cavalcante a de sérvulo freire a de joaquim gago e a de veríssimo caboclo em 1899 uma calamidade alarmou a vila a febre amarela ou tifo que ceifou muitas vidas o comerciante sérvulo freire foi vítima também da epidemia grifei em negrito três nomes o joão alves de holanda era irmão do meu avô materno manoel alves do nascimento filho de manoel alves de holanda e bernardina francisca freire o sérvulo avelino freire filho de januário avelino freire e antonia alves freire era casado com antonia alves freire minha tia ela e minha mãe terezinha alves do nascimento depois de casada salviano eram filhas do já mencionado manoel alves do nascimento e de ana alves do nascimento ambos nascidos na fazenda soares tenho impressão que o veríssimo caboclo era o irmão do joão alves de holanda que no registro se chamava veríssimo josé freire casado com maria tereza das virgens www.lanta.myheritage.com meus avós manoel e ana foram morar na fazenda milhoré onde tiveram muitos filhos coisa comum naquela época como também foi comum o quase obrigatório abandono da terra natal na busca da sobrevivência não bastassem as epidemias a seca era um fator muito agravante no começo deste ano comecei a pesquisar a genealogia familiar e além de encontrar tantas informações sobre minha parentada que já faleceu pude contatar muitos primos reatando amizades perdidas pelo tempo e também estabelecendo novos vínculos pelo lado materno conheci virtualmente uma prima que reside em recife maria thereza bezerra minha agora querida tk e ela aderiu à minha busca familiar metódica e inteligente logo dominou o rastreamento cibernético pelos livros cartoriais descobrindo preciosidades pelos registros de alagoa de baixo e garanhuns parte dessas informações do lado materno é que permitiram estes novos conhecimentos.

[close]

p. 3

foi garanhuns o destino de manoel/ana e seus filhos assim tocados por tantos fatores estabeleceram-se na famosa rua da areia hoje sátiro ivo e isto na primeira década do século passado há pouco mais de 100 anos quando a pecuária e a agricultura eram as principais atividades de então e o comércio de cereais a opção da maior parte dos recémchegados na década de 30 o meu pai pedro salviano de albuquerque também deixava sua cidade natal pedra-pe para tentar nova vida em garanhuns estabelecendo-se no ramo do comércio de cereais e na mesma rua da areia assim como vários outros parentes como pude descobrir pelos livros dos cartórios e informações de parentes obviamente lá conheceu minha mãe casaram-se e tiveram meus dois irmãos mais velhos joão fernando salviano e ana maria salviano a minha irmã sônia terezinha salviano já nasceu na fazenda caldeirão no município da pedra comprada com os recursos conquistados em garanhuns assim como o meu avô francisco salviano de melo lanta o meu pai tinha uma boa visão de futuro e achava que o que de melhor poderia deixar para os filhos era o estudo e isto o fez mudar-se para arcoverde onde eu viria a nascer no finzinho da primeira metade do século passado sertânia surgiu de uma fazenda cuja sede se situava a uns 300 m ao sul da lagoa de baixo ­ à margem do rio moxotó como conta ulysses lins no já mencionado livro assim chamada por existirem a uns dois quilômetros acima duas outras lagoas há exatos 200 anos em 1810 teve início naquela fazenda o núcleo da povoação de alagoa de baixo alfredo leite cavalcanti nos revela no história de garanhuns que a ferrovia chegou àquele município de 1887 e que transformou para melhor a vida daquele município diz também que a povoação da fazenda de lagoa de baixo foi elevada à categoria de vila e sede do município em 24 de maio de 1873 desmembrando-se seu território supomos das terras do município do buíque tendo sido moroso o seu desenvolvimento até ser atingido pela estrada de ferro quando `desemperrando progrediu rapidamente passando com a denominação substituída pela de sertânia a figurar entre as mais adiantadas cidades do sertão de pernambuco e o mesmo progresso aconteceu em 1912 em rio branco hoje arcoverde devido à chegada dos trilhos em sertânia ainda alagoa de baixo a estação ferroviária foi inaugurada em 1933 e foi ponta de linha por 8 anos.

[close]

Comments

no comments yet