Gazeta Valeparaibana

 

Embed or link this publication

Description

Outubro 2019

Popular Pages


p. 1

Ano XII - Edição 143 - Outubro de 2019 ATENDIMENTO AO CLIENTE Em vários lugares já me passaram informações de qualquer jeito só para livrarem-se da gente e acabo ficando sozinha e à mercê de meu próprio esforço para resolver os problemas burocráticos do dia a dia. Leia mais: Distribuição Gratuita Ser professor(a) - as múltiplas funções dos mestres Falar da docência é falar das várias profissões que transpõem e se sobrepõem a esta. Enquanto professores... Somos mágicos, ao fazermos malabares com diversas situações... Leia mais: Mídia brasileira reforça políticas históricas de branqueamento do país A discussão sobre a falta de representação da população negra nas mídias brasileiras, como na televisão e na rádio, está cada vez mais difundida entre a população. Uma pesquisa da Faculdade de Direito (FD) da USP, mostra que esse fenômeno pode estar relacionado com as políticas para branqueamento da população implementadas pelo Estado, após o início do período de escravização de africanos no país. O pesquisador Tiago Vinicius André dos Santos abordou o tema para a sua tese de doutorado, intitulada de Desigualdade racial midiática: o direito à comunicação exercido e o direito à imagem violado. Santos decidiu mudar a perspectiva utilizada normalmente para analisar esse tipo de representação e investigou os motivos pelo qual há uma hipervalorização de pessoas brancas nesses espaços. “A discriminação é um fator estruturante da sociedade brasileira. É o que chamamos do racismo estrutural. Ele tem uma história que vai se formando e metamorfoseando com o tempo”, explica. Era do branqueamento Santos defende que o Brasil passou por um período em que “usou de uma força política da máquina administrativa para trazer os europeus para o Brasil, em uma tentativa de deixar a população mais branca”. Já na década de 1960, há um conjunto de políticas públicas para incentivar a ampliação do uso da televisão e do rádio no Brasil. “Esses meios serviram para estabelecer um consenso social de que o governo brasileiro estava no caminho certo e de que vivemos em uma democracia racial”, defende. O termo “democracia racial” é utilizado para definir a ideia de que no Brasil não há desigualdade de raças, por conta do alto índice de miscigenação. “Com a atuação de movimentos sociais e uma série de legislações criadas para proteger a população negra, esse mito foi predominantemente superado até 1988”, explica o pesquisador. Na telinha A falta de representação de negras e negros pode ser ainda maior na televisão aberta, por conta da dificuldade para a criação de novas concessões. No Brasil, o pesquisador encontrou apenas uma experiência de um canal voltado para grupos sub-representados: a TV da Gente, do apresentador Netinho de Paula. A emissora, que foi inaugurada no dia da Consciência Negra de 2005, tinha programas produzidos e voltados para a população negra. Em menos de três anos, no entanto, a empresa perdeu o caráter nacional e passou a ser exibida apenas no estado do Ceará. Mudança Santos defende que hoje há um quadro maior de pessoas negras trabalhando no sistema midiático brasileiro, mas “a estrutura passou por poucas modificações”. Para uma mudança efetiva, a legislação de concessão desses espaços, deve ser alterada. “É fundamental repensar a concessão das mídias levando em consideração a pluralidade da sociedade brasileira. Leis que demandem que a diversidade da população esteja contemplada na mídia são essenciais.” Fonte: paineira.usp.br CULTURAonline BRASIL Palestras e boa música • Palestras: • - Cultura • - Educação • - Meio Ambiente • - Cidadania • Baixe o aplicativo Google Play • no site www.culturaonlinebr.org • LEIA NESTA EDIÇÃO Irreversível impacto da mudança climá- • tica será do tamanho da nossa burrice • A segunda Guerra Fria • Trabalho com inteligência Emocional • A musica na Escola • Eles • Um episódio da era das trevas Todo o ser humano é um fascista em • potencial • O Campo de Concentração de Patu (Ceará-Brasil) Descobrimento da América Força Aérea Brasileira Industria Aeronáutica Brasileira Algumas datas comemorativas Quando vamos compreender... Os 11 princípios da propaganda nazista de Joseph Goebbels A Espacialização da Lusofonia Trabalho Infantil; o ciclo perverso da pobreza Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 2

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 2 ATENDIMENTO AO CLIENTE Em vários lugares já me passaram informações de qualquer jeito só para livrarem-se da gente e acabo ficando sozinha e à mercê de meu próprio esforço para resolver os problemas burocráticos do dia a dia. Vem chegando a época das festas de final de ano e já fico imaginando ir aos shoppings, supermercados e a falta de um bom atendimento e devida atenção para com o cliente. Em muitos desses lugares nem se vê mais o gerente, o vendedor te entrega um papelzinho com o nome dele para na hora de pagar a conta receber a comissão sem terem feito nada, ou, fica aquele te perseguindo sem a menor desconfiança que atender bem não é ficar atrás da gente o tempo todo e te empurrando o que ele quer que você compre mesmo que não tenha gostado. Gerentes ou supervisores deveriam estar “a postos”, não escondidos como se não existissem e sim observando e orientando funcionários sob sua responsabilidade, prezando pelo bom atendimento. E, quando raramente são encontrados, percebe-se falta de investimento por parte da empresa em treiná-los melhor. Bem, estou falando do atendimento físico, presencial, aposto que qualquer um se arrepia quando o atendimento é por telefone, no caso, operadoras de celular, internet, TV a cabo, cartão de crédito, telemarketing. E, se a sua opção for de não se ater muito a esses aparelhos, parece que o mundo vive em função de te ligar, enviar mensagens, acionar o WhatsApp e tirar de vez a sua paz... Será que a falta de paciência é minha? Atualmente as pessoas são consumistas e ansiosas por comprar, mas, parece que nem todos querem vender. Pior é que também não vejo ninguém reclamar. Difícil de entender! Parece que o coletivo engoliu o indivíduo. Genha Auga Jornalista MTB: 15.320 Voluntariado e longevidade ALGUMAS DATAS COMEMORATIVAS Todas as Datas? Visite nossa biblioteca no site 01 - Dia Internacional da Música 01 - Dia Internacional das Pessoas Idosas 02 - Dia Internacional da Não-Violência 03 - Dia das Abelhas 04 - Dia dos Animais 04 - Dia Mundial do Sorriso 07 - Dia do Compositor Brasileiro 08 - Dia do Nordestino 12 - Dia das Crianças 12 - Dia Nacional da Leitura 12 - Descobrimento da América 15 - Dia do Professor 17 - Dia da Indústria Aeronáutica Brasileira 17 - Dia Internacional Erradicação Pobreza 17 - Dia da Música Popular Brasileira 20 - Dia do Poeta 20 - Dia Mundial da Estatística 21 - Dia Nacional da Alimentação na Escola 23 - Dia da Força Aérea Brasileira 29 - Dia Nacional do Livro 31 - Dia do Saci 31 - Dia Nacional da Poesia Parece que nem aconteceu, foram tão poucas manifestações de lembrança e apoio ao dia nacional, que aconteceu dia 28 de agosto passado e que acontece todos os anos, que Colaboraram nesta edição realmente ele foi pouco utilizado. Colaboradores Fixos: Então resolvi por conta e risco criar o dia mensal do voluntariado, na verdade todo dia é dia de lembrar do voluntariado por que é uma grande ferramenta para o crescimento das pessoas, das organizações sociais e da sociedade. Este é o grande lema que quero levar adiante, o voluntariado é importante, estamos esperando o que para tê-lo como um grande aliado nas escolas, nas empresas, nas universidades, nos governos, na vida das pessoas. Em Okinawa no Japão, as pessoas são as mais longevas do mundo, ultrapassando os 100 anos de idade com muita facilidade, um país onde tem muitos terremotos, neve, vulcões, como conseguem? Pois descobriram a razão para viver ou o Ikigai e faz parte desta descoberta os trabalhos de apoio ao próximo. Muitos nesta ilha são voluntários, na verdade no Japão o ser voluntario é quase uma redundância, pois praticamente todos tem esse interesse e o entendimento da importância deste ato. Portanto não é a ilha que tem uma magia qualquer, mas as pessoas que têm uma consciência diferenciada em relação ao mundo e a forma que vivemos hoje. O voluntariado está entre as atividades que dão prazer na sua grande maioria, que tem um resultado visível, faz com que você pertença ao grupo do solucionadores de problemas, faz com que você aumente suas conexões. Mariene Hildebrando Genha Auga Filipe de Sousa João Paulo E. Barros Marcelo Goulart Loryel Rocha Callendar (datas) Fábio Luiz de Souza + Colaboradores e Fontes nesta edição: Soraia Aparecida de Oliveira Leonardo Sakamoto Roberto Ravagnani. Douglas G S Gomes Erick Morais Juliana Bezerra defesa.gov.br fab.mil.br Eli Boscatto paineira.usp.br Manu Campagna Feito a defesa da minha causa o “voluntariado”, continuo com o propósito da defesa e da mobilização para o entendimento dela, lembro sempre que não quero que todos se tornem voluntários custe o que custar, mas quero que as pessoas entendam o que é e para que serve e assim possam decidir de forma lúcida se querem ou não e se criticam quem o pratica ou não. Roberto Ravagnani. IMPORTANTE Todas as matérias, reportagens, fotos e demais conteúdos são de inteira responsabilidade dos colaboradores que assinam as matérias, podendo seus conteúdos não corresponderem à opinião deste Jornal. A Gazeta Valeparaibana é um jornal mensal gratuito distribuído mensalmente para download na web Diretor, Editor e Jornalista responsável Filipe de Sousa - FENAI 1142/09-J Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 3

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 3 Ser professor(a) - as múltiplas funções dos mestres 08 - Dia do Nordestino Falar da docência é falar das várias profissões que transpõem e se sobrepõem a esta. Esta data homenageia toda a diversidade cultural e folclórica típica da região Nordeste do Brasil. O Nordeste brasileiro é conhecido pela sua musicalidade, culinária, danças, superstições, artesanatos, belíssimas paisagens naturais e muito mais. Enquanto professores... Somos mágicos, ao fazermos malabares com diversas situações que atingem nossa imagem e a vida pessoal. Somos atores, somos atrizes, que interpretam a vida como ela é, sentimos e transmitimos emoções ao conviver com tantas performances. Somos médicos, ao receber crianças adoentadas pela miséria, pela falta de tempo da família, pela carência de tempo de viver a própria infância. Somos psicólogos, ao ouvir as lamentações advindas de uma realidade dura, que quase sempre nos impede de agir diante do pouco a se fazer. Somos faxineiros, ao tentarmos lavar a alma dos pequenos, das mazelas que machucam estes seres tão frágeis e tão heroicos ao mesmo tempo. Somos arquitetos, ao tentarmos construir conhecimentos, que nem sabemos se precisos, que nem sabemos se adequados. É só parar para pensar que talvez seja possível encontrar em cada profissão existente um traço de nós professores. Contudo ser professor, ser professora é ser único, pois a docência está em tudo, passa por todos, é a profissão mais difícil, mas a mais necessária. Ser professor é ser essência, não sabemos as respostas. Estamos sempre tentando. Às vezes acertamos, outras erramos, sempre mediamos. Ser professor é ser emoção O povo nordestino é um grande tesouro da cultura nacional, um dos maiores traços da identidade do Brasil. O Nordeste brasileiro é composto pelos seguintes estados: Maranhão, Alagoas, Bahia, Ceará, Piauí, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe. Mensagem para o Dia do Nordestino Povo alegre, que vive com um sorriso no rosto! Obrigado por compartilhar conosco toda a riqueza e beleza da sua cultura! O Nordeste não é feito apenas de praias paradisíacas, belezas naturais, comidas deliciosas, festas animadas e artesanatos lindíssimo… O Nordeste tem tudo isso e muito mais: os nordestinos, povo mais hospitaleiro do país! Que sabe abraçar e receber os turistas com todo o carinho e dedicação! Obrigado por dividirem um pedacinho do Paraíso com a gente, meu povo querido do Nordeste! Vocês são a alegria e a identidade forte que ajudam a construir um Brasil bonito e rico culturalmente. Cada dia um desafio Origem do Dia do Nordestino Cada aluno uma lição Cada plano um crescimento. Ser professor é perseverar, pois, diante a tantas lamúrias “não sei o que aqui faço, por que aqui fico?” fica a certeza de que... Educar parece latente, é obstinação. Ser professor é peculiar, Pulsa firme em nossas veias, Professor ama e odeia seu ofício de ensinar Ofício que arde e queima A criação desta data é uma homenagem ao centenário do poeta popular, compositor e cantor cearense Antônio Gonçalves da Silva, conhecido como Patativa do Assaré (1909 - 2002). O Dia do Nordestino foi oficializado com a lei nº 14.952, de 13 de julho de 2009, na cidade de São Paulo, região com a maior concentração de nordestino em todo o país (com exceção do próprio Nordeste, obviamente). Parece mágica, ou mesmo feitiço. Na verdade, não larga essa luta que é de muitos. O segredo está em seus alunos, na sua sala de aula, na alegria de ensinar a realização que vem da alma e não se pode explicar. Não basta ser bom... tem que gostar. Soraia Aparecida de Oliveira Professora A Gazeta Valeparaibna parabeniza todos(as) os(as) professores(as) educadores(as) do Brasil, em especial aqueles(as) que acreditam e lutam por uma educação transformadora, que desperta nos educandos o olhar-respeito, o olhar-direitos, o olhar-reconhecimento diante do Outro tão diverso. Um grande abraço, “Semeie bons pensamentos e pratique belos atos que a sua vida será uma eterna primavera.” Pierre da Gama Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 4

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 4 A Segunda Guerra Fria Irreversível, impacto da mudança climática será do tamanho de nossa burrice As mudanças climáticas em andamento na Terra são irreversíveis. Nas próximas décadas, teremos milhões de refugiados ambientais por conta da subida no nível dos oceanos e pelos eventos climáticos extremos; fome em grande escala devido à redução e desertificação de áreas de produção e à perda da capacidade pesqueira; aumento na quantidade de pessoas doentes e subnutridas, além de conflitos e guerras em busca de água e de terra para plantar. Muita gente vai morrer no Brasil e no mundo. E os sobreviventes terão que adaptar sua vida para conviver com um ambiente mais hostil. A mudança de nosso modelo de desenvolvimento em escala global não serve mais para evitar, mas mitigar impactos. Segundo a Organização Metereológica Mundial, os 20 anos mais quentes, desde 1880, foram registrados nos últimos 22 anos. Tendo em vista o atual comportamento de governos, empresas e consumidores, alterações significativas em nossa economia baseada em carbono não devem ocorrer a tempo de nos encaixarmos nos prognósticos menos piores. Qualquer alce que caiu em um buraco na Sibéria após o colapso do permafrost local ou qualquer urso polar deprimido por estar à deriva em uma placa de gelo que se soltou no Ártico ou ainda qualquer tamanduá-bandeira cercado pelas chamas de uma queimada descontrolada na Amazônia é capaz de dizer que, infelizmente, já ajustamos o termostato do planeta para a posição "gratinar os idiotas". E que, neste momento, estamos nos esforçando apenas para que o assado fique pronto antes da hora. Temos que parar de falar em "evitar" mudanças climáticas e passarmos a tratar de "reduzir a tragédia que já começou". O mundo precisa entender que já está no poço. Apenas não chegou ainda ao fundo ainda. Desfilando nu, apenas coberto de glitter verde e amarelo, com uma bandeirola escrito "soberania", sendo aplaudido por terraplanistas climáticos, o presidente vai passando (vergonha) pelo mundo nessa área. Pensa que o calorzinho que sente é orgulho, quando, na verdade, é concentração de gases de efeito estufa. Torço para os que afirmam que as mudanças climáticas são um exagero, como nosso chanceler Ernesto Araújo, tenham uma vida longa a fim de serem cobrados dos resultado de seus discursos e ações. E que possam senti-los na pele. Não acreditem em quem fala que estamos em contagem regressiva: já adentramos uma nova era de extinção em massa de uma série de espécies. Talvez menos a nossa - ao final, os ricos comprarão sua segurança e herdarão a Terra, desta vez mais árida e violenta. O tempo que temos é para evitar que o planeta se transforme em um plágio barato de uma locação de Mad Max - no qual, certamente, muitos presidentes, primeiro-ministros e monarcas egoístas e imbecis se sentirão em casa. Leonardo Sakamoto A expressão “guerra fria” se refere a um tipo de conflito em que as superpotências rivais não se confrontam diretamente. A primeira guerra fria durou de 1945 a 1991, foi a rivalidade entre os Estados Unidos da América e a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. A rivalidade entre as duas nações tinha origem na incompatibilidade entre as ideologias defendidas por cada uma delas. Os EUA defendiam (e ainda defendem) o capitalismo, e a URSS defendia o socialismo. A Segunda Guerra Fria, ou Nova Guerra Fria, é outro período de tensão política e militar entre grandes potências mundiais, como os países membros da União Europeia e da OTAN contra a Rússia, os Estados Unidos e Japão contra a China e Coreia do Norte, Estados Unidos e Israel contra o Irã... e esse segundo período começou em 2014, dentro do contexto da crise ucraniana, e continua ainda hoje. O perigo é o mesmo da Guerra Fria anterior, as grandes potências mundiais caminharem rumo a Terceira Guerra Mundial. Até onde vai o bom senso das oligarquias políticas internacionais? É evidente que a retomada das tensões geopolíticas é a reação dos Estados Unidos da América à sua decadência enquanto superpotência mundial. Mas o que abalou a economia dos EUA não foi justamente os excessos de gastos militares? As guerras no Afeganistão e no Iraque? O que acontece realmente com os Estados Unidos (e Europa), as políticas de centro, que predominam há muito, estão em decadência. Observando a História e a Geopolítica, é perceptível que os Estados Unidos e a Grã-Bretanha são países “companheiros”, reivindicaram livre-comércio nos anos 90, a Nova Ordem Mundial neoliberal, têm basicamente a mesma ideologia, lutaram do mesmo lado na Primeira e Segunda Guerras Mundiais, será que não convém para os Estados Unidos e a GrãBretanha se juntarem ao Canadá e à Austrália, e formarem um megabloco anglo-saxão? Um “NAFTA alternativo” ampliado entre países desenvolvidos de língua inglesa? Ou que inclua também países que não são anglo-saxões, como Japão e Coreia do Sul? Também, será que não convém aos Estados Unidos esquecer, por uns tempos, o Oriente Médio? Tentar corrigir os seus erros internos? Reverter a desindustrialização interna? Fazer uma Reforma Política? “Ceder os anéis para não perder dos dedos”, aceitando um mundo multipolar e permanecer como um dos grandes protagonistas junto com a União Europeia, a China e a Rússia? Para que colocar o mundo em risco de um holocausto nuclear, de forma a destruir as civilizações atuais? Os EUA são o quarto maior país do mundo em extensão territorial, o terceiro maior em população, têm um PIB com mais de 12 trilhões de dólares, uma influência cultural sem par sobre outros países, um país ainda muito poderoso como os Estados Unidos tem tempo de frear a sua decadência e permanecer a principal potência do planeta por um bom tempo. Não é necessária outra Guerra Fria! O mundo necessita de paz. João Paulo E. Barros Terceirizar responsabilidades pessoais é uma forma de não assumir compromissos sustentáveis com ninguém! Sinal promissor de perda de identidade e autonomia! Se pra você, tudo, tanto faz... lamento informar que o seu cortejo já partiu, e nem isso você decidiu! Douglas G S Gomes Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 5

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 5 TRABALHANDO COM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL Cidadão de bem UM DESAFIO DA ESCOLA CONTEMPORÂNEA. Não é nenhuma novidade que os estudos acerca da inteligência emocional nos ajudam a compreender e a trabalhar melhor as emoções. Mas para isso, faz-se necessária uma força-tarefa. Desenvolver a inteligência emocional não é uma competência que cabe apenas à escola. A família possui uma participação imprescindível neste processo. Especialistas em educação de diversos países, já vêm discutindo nas últimas décadas, a ideia de que cada indivíduo é dotado de inteligências múltiplas e cada um deles possui o seu próprio ritmo e o seu próprio tempo de aprendizagem. Mas de que forma a inteligência emocional pode auxiliar a escola em seu papel de aprendizagem? Como a escola, enquanto instituição pode estimulá-la no aluno? Estas questões serão elucidadas a seguir. A inteligência emocional consiste em uma construção permanente do indivíduo, por meio de uma abordagem em que a reflexão e a compreensão dos sentimentos negativos são trabalhadas por meio da criação de um repertório emocional que resultará na otimização das faculdades ligadas à sua inteligência. Por esta razão, o estímulo à inteligência emocional deve ocupar um papel primordial na vida do individuo desde sua juventude, exercitando-o a lidar com seus sentimentos de forma construtiva. Este trabalho exaustivo, inicia -se na infância, por meio da socialização primária. Na medida em que a criança cresce e ocupa outros espaços além do ambiente doméstico, seus atributos socioemocionais necessitam ser trabalhados com maior intensidade. Neste sentido, entra a escola. A neurociência, entre outros campos do conhecimento, nos ajuda a compreender melhor como se desenvolve a aprendizagem. A escola é o espaço aonde as crianças e os jovens passam a maior parte de seu tempo, tornando-se o local propício para a socialização e para uma abordagem socioemocional. Claro que para isso, a escola necessita incorporar este papel e abandonar as amarras que ainda a mantém aprisionada nos séculos passados. O velho modelo de educação necessita ceder espaço para que a escola assuma de fato o seu papel, com a formação integral dos indivíduos. Incorporar esta demanda não é tão simples assim. Não basta a alteração de regimento escolar e do PPP da instituição a, b ou c. Uma transformação deve ocorrer em todo o sistema de ensino, a começar no responsável pela formação do professor. É notório que as licenciaturas e os ISE, base da formação inicial do professor, não estão preparados para dar conta desta mudança e não oferecem formação suficiente para subsidiar a ação do professor frente aos desafios da sala de aula. Este debate ainda é novo e não está perto de chegar integralmente nos bancos das universidades. Outra verdade é, que as instituições, tampouco o Poder Público demonstra qualquer preocupação ou compromisso com a formação continuada do professor. O resultado? Como dizia meu falecido avô, na hora do ‘pega pra capar‘, cada um se vira como pode. Já não tenho certeza Se sou cidadão de bem Porque não frequento igreja Nem falo em matar ninguém Não quero arma na cintura Sou contra a tortura E defendo a justiça social Repudio qualquer discriminação Então para mim não há perdão Por eu ser um cidadão do mal. . Não sou um cidadão de bem Carregarei esse fardo comigo Porque além de tudo eu também Condeno a subserviência aos gringos E sou totalmente contrário À redução do erário Que custeia a educação E porque acho que as artes Constituem importante parte Da identidade da Nação. . Não sou um cidadão de bem Porque valorizo a mulher E acho que ela detém O direito de ser o que quiser Então aceito com resignação A inevitável condenação Por não seguir o exemplo do mito Aos cidadãos de bem digo adeus E convido os do mal como eu A continuarem seguindo o Cristo. Eduardo de Paula Barreto 12 - Dia Nacional da Leitura Muitas escolas já têm aderido a esta iniciativa. Muitas redes de ensino já têm aceitado o desafio, mas ainda há um longo caminho a trilhar nesta busca por uma educação que forme “cidadãos globais”. LER FAZ BEM As perguntas que eu sempre ouço em minhas palestras e percursos formativos é: Mas como a minha escola, pode fazer a diferença, com os profissionais que nós temos e com os recursos que dispomos hoje? A minha resposta é sempre a mesma: As escolas precisam exercer um papel ativo na formação das crianças e dos jovens. Alguns países já incluíram a educação emocional em seus currículos, associados a outras disciplinas. Mas, adequando à realidade brasileira, este tema pode ser trabalhado de forma transversal e interdisciplinar. É claro que, para que este processo ocorra de forma eficiente, o professor precisa abandonar o papel de mero reprodutor de conteúdo. Neste processo, o papel do professor deverá ser, de fato, voltado a preparar os indivíduos para se tornarem cidadãos globais, conscientes, críticos e responsáveis pela forma como pensam, sentem e agem. Reconhecendo as emoções do aluno ao seu redor, o professor poderá criar um elo de comunicação para proporcionar uma interação saudável de sentimentos como alegria, tristeza, raiva, medo ou até mesmo a vergonha. A partir disto, podemos concluir que, trabalhar as emoções potencializa e otimiza o processo de aprendizagem do aluno, pois o permite que eles identifiquem e desafiem os limites de seus estudos e os obstáculos encontrados tanto para aprender o conteúdo, quanto para se relacionar com a família e professores, processo fundamental em sua aprendizagem. Claro que, sabemos que o caminho a ser percorrido é quilométrico, e muitos fatores externos são fundamentais neste processo; mas nós, enquanto atores do processo de aprendizagem, podemos mudar a forma como enxergamos a aprendizagem de nossos alunos e criar a partir de nossa realidade, mecanismos que irão proporcionar de fato uma educação significativa. Prof. Fábio Luiz de Souza Diretor Pedagógico da Via Educa Consultor Educacional Vamos falar sobre educação? (86) 99911-1320 O objetivo desta data é incentivar a prática da leitura entre jovens e adultos. A leitura é essencial para a formação do senso crítico, estimulando a criatividade, imaginação e enriquecendo o vocabulário dos leitores. A data foi instituída através da Lei nº 11.899, de 8 de janeiro de 2009, que também prevê a celebração da Semana Nacional da Leitura e da Literatura no Brasil. Várias campanhas são feitas neste período para incentivar a leitura, principalmente entre crianças e jovens, para que cresçam e desenvolvam o gosto por esta atividade. Atividades para o Dia da Leitura - Organizar um encontro literário com os amigos; - Ir à biblioteca com os seus filhos; - Visitar uma Feira do Livro; - Passar dia com os amigos numa livrari- a; - Doar livros para bibliotecas, escolas ou outros espaços públicos; Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 6

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana A música na escola Chega! Página 6 A música e suas possibilidades....Falando aqui do ensino de música nas escolas, mas não dá para não pensar nos sons, nas melodias infinitas, no bem que a música nos faz, nos sentimentos que ela provoca, nas recordações que elas evocam, em tantos momentos que ela está presente em nossas vidas. Ela é fundamental, os ritmos, as melodias, a harmonia nos provocam sensações maravilhosas, nos permite viajar em pensamento. Alguns autores dizem: “que música é a combinação de sons e silêncios de uma maneira organizada”. Música é arte. Faz parte da cultura de um povo, expressa sentimentos, emoções. São muitos tipos de músicas, várias interpretações, várias melodias, uma pluralidade de interpretações e sons infinitos que não acabam nunca, sem falar nas várias funções que ela pode exercer. Se isso não fosse suficiente, basta pensar que a vida sem música seria bem menos encantadora, e que os benefícios da música fazem muita diferença no nosso bemestar físico, emocional e mental. A Lei nº 11.769 tornou obrigatório o ensino de música nas escolas. Há dois anos surgiu uma nova lei que incluiu além da música, o teatro, a dança e as artes visuais como disciplinas obrigatórias. É sabido que a música promove o desenvolvimento da criança, desperta a criatividade e facilita a inclusão do aluno no ambiente escolar. Os benefícios são muitos, mas então porque não temos uma disciplina de música na maioria das escolas? Encontramos geralmente aula de artes, mas o resto não vem junto. São quatro professores para essas áreas que poderiam trabalhar juntos, mas uma das dificuldades é encontrar profissionais habilitados, existem poucos. Outra dificuldade são as políticas públicas que deveriam considerar a importância de adaptar o ensino de música a realidade de cada lugar. O que normalmente acontece nas escolas é termos um professor que abarca todos os quatro componentes curriculares, quando o ideal seria cada professor ter a sua formação específica para trabalhar com os alunos de forma interdisciplinar. Sobram vagas nos cursos. São cerca de 128 cursos de música no país que oferecem 8.384 vagas, sendo que 2.246 finalizaram o curso em 2016. Segundo o censo também em 2016 havia 36 cursos de formação de professores em artes sendo que apenas metade das vagas foi preenchida. 52 cursos de formação de professores em teatro com 1974 vagas e apenas 595 finalizaram o curso. Assim ocorreu também com o curso de dança, mais vagas do que pessoas interessadas. Falta incentivo, apoio, bons salários para que esses cursos sejam procurados, e também a valorização e a oferta de vagas para esses profissionais nas escolas para que a procura aumente. Precisamos nos dar conta que a música é uma forma de expressão que contribui para a formação da criança de várias maneiras, despertando a sensibilidade, melhorando a autoestima, desenvolvendo a criatividade. Estimula o processo de ensino aprendizagem, envolvendo todos os sentidos. Aumenta o vocabulário, pode revelar habilidades até então desconhecidas. Trabalha a cooperação quando a proposta é tocar em grupo, permite que os alunos se associem por gostos e interesses musicais. Promove a autonomia, individualidade a concentração, a criatividade. Pesquisas mostram que as crianças que tem em seu aprendizado a música, apresentam uma performance melhor no ambiente escolar e na vida em geral. Já dizia Platão que “a música é um instrumento educacional mais potente do que qualquer outro”. A música é importante para o desenvolvimento do raciocínio. São tantos os benefícios da música, seja aprendendo um instrumento, ou aprendendo a cantar . A arte estimula e transforma as pessoas, nos ajuda a nos conhecer e a compreender os outros. A música encurta as relações entre as pessoas e contribui para o desenvolvimento cognitivo da criança. Perecebe-se então que a música é um dos meios de comunicação mais importantes do homem, e isso já é suficiente para que ela esteja presente no processo de alfabetização. “Uma coisa boa sobre a música é que quando ela bate você não sente dor” (Bob Marley) Mariene Hildebrando Especialista em Direitos Humanos Chega, é hora do basta Rendam-se servos do mal Que ao invés de doces balas Distribuem balas de metal Que voam a esmo Nos lugares ermos Cruzando distâncias Insípidas balas perdidas Que abreviam a vida De inocentes crianças. Chega, rendam-se insanos Que criam governos paralelos Formados por milicianos Que oprimem e causam flagelo Às populações desassistidas Pelo Governo homicida De alma doente e mente torpe Que com seu vasto arsenal Combate a desigualdade social Eliminando os pobres. Chega, é hora de pormos um fim Nesse Governo mesquinho Que incendeia o nosso jardim Queimando rosas e deixando espinhos Para ferir os pés dos quilombolas E dos índios que vão embora Para as selvas de pedra Onde não há árvores verdes Nem rios que matam a sede Da tradição que seca. Chega, já atingimos o limite Se a justiça a sociedade postula Trata-se de sábio alvitre Libertar o ex-presidente Lula E dar-lhe justo julgamento Que tenha como fundamento A busca pela justiça cega Para que haja equilíbrio E mantenhamos o livre-arbítrio Para podermos gritar: Chega! Eduardo de Paula Barreto. 07 - Dia do Compositor Brasileiro Os compositores são as pessoas que compõem músicas, seja a letra ou a sua melodia. Esta data é uma homenagem aos artistas brasileiros que se imortalizaram como mestres da composição musical. Compositores brasileiros famosos Alguns dos compositores brasileiros que se imortalizaram na história da Música Popular Brasileira, estão: Heitor Villa-Lobos, Chico Buarque, Gilberto Gil, Cazuza, João Gilberto, Tom Jobim, Cartola, Raul Seixas, Caetano Veloso, Noel Rosa, Vinícius de Moraes e muitos outros. O Dia Mundial do Compositor é comemorado em 15 de janeiro, no entanto, o Brasil é o berço de grandes compositores, merecendo uma data especialmente dedicada a esses nomes. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 7

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana “ELES” Página 7 Ao final do dia pegam o mesmo bonde e seguem juntos calados, cansados demais. Cada qual com seus pensamentos. Saudosos de seus costumes e da sua gente, aliviados por já não sentirem os corpos tremerem pelos estrondos que os ensurdeciam e que os faziam esconderem-se em buracos, a dor agora é mais amena, sentem no coração mas não na carne, olham para fora tranquilos, observam pequenas casas, gente chegando e luzes acendendo os lares. Numa pequena vila, forma-se uma comunidade onde aos poucos vão mudando a sua história... Ela, uma jovem morena, cabelos longos e pretos, corpo bem feito, prenuncio da mocidade. Ao chegar, encontra seu jantar feito; uma boa sopa, que a mãe lhe prepara e a acompanha na degustação ouvindo-a tagarelar sobre seu dia, a mãe lhe cuida com apreço enquanto aguarda o pai que virá mais tarde do trabalho, pai severo na educação e de pouca fala mas como o leão, sempre a espreitar as fêmeas que são de sua guarda. Ele, um rapaz de pouco mais de dezoito anos, louro, olhos azuis como o mar que o trouxe de tão longe, não tem a mesma sorte; em seu pequeno quarto ao fundo de um quintal que uma senhora lhe alugara e que por vezes oferece alguma comida que sobrou, ou, sacia a fome com pão que come com o que tiver. Na casa dela se faz preces agradecendo pelo dia, depois mãe e filha põem-se a costurar pequenos remendos, o pai fuma na porta da casa e observa a noite prevendo o tempo. Recolhem-se e dormem. O jovem louro após sua refeição, deita-se, sente o corpo cansado relaxar e os pensamentos vão longe, lembranças dos seus familiares que lá ficaram, esperança de dias melhores encontrarem. O corpo pesa, a cabeça confusa, adormece. Na manhã seguinte a chuva fina os espera e os molha, sem pena de quem vai trabalhar, sobem ao bonde, cada qual percebe o outro num rápido olhar e voltam-se para suas mentes até seus destinos cada qual chegar. Na comunidade da vila, nos finais de semana, começam a sentar nos bancos da praça para conversar e desenvolvem um benquerer, afinidades e uma proximidade das famílias. Filhos de imigrantes, aqui encontraram refúgio, trabalho duro, costumes diferentes mas, o tempo passou, a comunidade cresceu e a alegria foi tomando conta de todos naquele lugar onde podiam recordar suas histórias mas também encontraram muito afeto e boas relações com os brasileiros. A vida foi melhorando, puderam estudar, ajudar os pais e daquela amizade surgiu um grande amor, um bom casamento, e uma filha nascida nesse Brasil que sempre foi acolhedor com seus estrangeiros que aqui vieram tentar continuar a vida. Já se passaram muitos anos, muitos deles já se foram mas, restou, a filha, para quem sabe, deixar um último registro dessa história... DIA DAS CRIANÇAS DOZE DE OUTUBRO DIA DE ALEGRIA... NESSA DATA PODE TUDO! NA VERDADE, É POESIA, SOMENTE POR UM DIA. ESTÃO PELAS RUAS PASSANDO FOME E ABANDONADAS, SEM DIREITO À EDUCAÇÃO, NUM MUNDO DE DEVASTAÇÃO, CRIADAS EM MEIO HÁ TANTA DESTRUIÇÃO. BUSCAM NO LIXO UM PEDAÇO DE PÃO ENQUANTO AS IGREJAS REVESTEM-SE DE OU- RO, E O GOVERNO IRONICAMENTE PRA LÁ E PRA CÁ DE AVIÃO... GANÂNCIA E MALDADE, DOMINOU O CORAÇÃO DO HOMEM E NOSSAS POBRES CRIANÇAS SOFREM O RESULTADO... NESSA DATA NÃO COMEMORE NADA, NÃO DIGA VIVA A ESSE DIA. MAS LUTEMOS SIM, PRA QUE SALVEM NOSSAS CRIANÇAS! Genha Auga Genha Auga Jornalista Mtb:15.320 20 - Dia do Poeta Esta data celebra o profissional, que pode (e deve) ser reconhecido no país. como um artista escritor, que usa de sua criatividade, imaginação e Mas, a data foi escolhida por uma razão bastante especial para os sensibilidade para escrever, em versos, as poesias que faz. poetas brasileiros. No dia 20 de outubro de 1976, em São Paulo, O principal propósito desta data é incentivar a leitura, escrita e pu- surgia o Movimento Poético Nacional, na casa do jornalista, roman- blicação de obras poéticas nacionais. cista, advogado e pintor brasileiro Paulo Menotti Del Picchia. Há séculos as pessoas se emocionam, riem e choram com essas A data homenageia e lembra este momento ímpar para os poetas belas produção artísticas, consideradas como uma das Sete Artes do Brasil. Tradicionais. Curiosidade sobre o Dia da Poesia Origem do Dia do Poeta Antigamente, a poesia era cantada e acompanhada pela lira, um O Dia Nacional do Poeta é comemorado a nível extraoficial, ou se- instrumento musical típico da Grécia. Por isso, a poesia é classifi- ja, não há uma lei que oficialize o 20 de outubro como Dia do Poeta cada como pertencente ao gênero lírico da literatura. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 8

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 8 Um episódio da Era das trevas mentos após a leitura de histórias em quadrinhos. Essas revistas são desenhadas com o intuito de destruir as nossas tradições e Faltavam poucos minutos para o enforcamento. Eram 15 h e o sino corromper os nossos jovens! da igreja da vila repicava sem parar, emitindo sons que chegavam como soco no nariz, dedo nos olhos e picada de marimbondo. To- Pessoas gritavam: dos acotovelavam-se na praça para ouvir as acusações contra o - Ideologia de gênero! condenado . Dali alguns instantes seria enfocado um homem com - Multiculturalismo! cerca de 74 anos. O carrasco observava de maneira enigmática a série de sete janelas trancadas no céu. Ele iria proferir antes do en- - Apologia da Revolução! forcamento um discurso incriminador perante a população compos- O carrasco prosseguiu tendo em mãos agora o velho single do ta essencialmente de operários, trabalhadores de aplicativos, pro- quarteto de fessores, faxineiros, caixas de super mercado e atendentes de tele- Liverpool: marketing . Ao fundo uma orquestra tocava pela quinta e última vez o hino nacional. - Beatles! Temos aqui a canção I Want To Hold Your Hand. Parece uma música inocente mas não é! Se colocarmos este disco de trás O homem estava com a corda com pele de sucuri em volta do pes- pra frente numa vitrola, será possível ouvir “ Proletários de todos os coço. A longa corda foi amarrada no galho de uma árvore centená- países, uni-vos! “. Os Beatles eram agentes secretos que trabalha- ria. O condenado com as mãos atadas, os pés amarrados e a boca vam para a União Soviética. Este homem que está diante de nós tampada, mal conseguia se equilibrar no banquinho, que seria chu- participa de um culto de drogados e pervertidos, cujo líder espiritual tado dentro de instantes. O carrasco iniciou seu discurso: John Lennon se dizia mais popular do que Jesus Cristo! - Me perdoem, mas mal consigo voltar meus olhos para o condena- Mais gritos vinham do público: do. Vejam o que as forças do mal podem lançar sobre a terra! Estamos diante daquilo que no século XX chamavam de “ intelectual “. - Maconheiro! Um homem que passou décadas da sua vida, da vida que é conce- - Comunista! dida por Deus!, doutrinando jovens. Ele possui uma ideologia, sim uma ideologia... Em suas aulas e em seus artigos falava sobre a O carrasco pediu calma e prosseguiu: miséria no Brasil e portanto falava mal do nosso país. Ele usou a - Até agora nos deparamos com objetos que apenas sugerem o ca- palavra “ cultura “ mas para pronunciar na verdade o idioma de Sa- ráter maligno deste homem. Passo agora a comprovar que esta- tã! Em escolas, universidades e centros culturais, locais aonde os mos, de fato, diante de um comunista. jovens inocentes deveriam aprender os conhecimentos necessários O carrasco retirou da caixa livros assinados por autores como para servir ao mercado, esse homem promovia debates, discus- Marx, Engels, Lenin, Trotski, Rosa Luxemburgo, Gramsci, Marcuse sões sobre as diferenças entre ricos e pobres. e outros. Ele atirava os livros pelo ar. Transtornado, descabelado, Duas mulheres que estavam junto ao público gritaram : ele vociferou em meio aos gritos da multidão suas palavras finais: - Comunista! - Terrorista! O carrasco continuava: - Basta! Basta de imundices! Homens como esse falam em cultura mas participam junto aos marcianos de uma grande conspiração, de um conjuração contra a civilização! Ele é um inconfidente! Mostremos com o exemplo da sua morte que o capitalismo é eterno! - Mas tem mais senhoras e senhores, muito mais! Este homem Que é o sol que gira em torno da terra e não a terra que gira em possui objetos que comprovam a sua falta de patriotismo, o seu ó- torno do sol! Mostremos que quem deseja mudanças na sociedade dio contra a família e a propriedade. não aceita na verdade os desígnios de Deus! Não existe Paraíso sem acumulação de capital! As multinacionais nos dão o pão de Uma senhora sorridente caminhou em direção ao carrasco com u- cada dia! Quem não trabalha desobedece as leis de Deus! Quem ma caixa contendo variados itens que pertenciam ao condenado. O não trabalhar hoje irá para o inferno amanhã! carrasco retirou da caixa um exemplar do livro A origem das Espé- cies, de Charles Darwin. Todos gritavam: - Temos aqui um exemplar demoníaco que nega o fato do homem - Enforquem o maldito! ser criação divina. O homem foi enforcado. No final da tarde, a caixa contento os itens A evolução das espécies é uma teoria que nega a Deus. Um homem gritou: do morto deveria ser levada para longe da vila e enterrada em local desconhecido. Um jovem, que passa os dias fazendo entregas de bicicleta foi escalado junto a outros dois jovens que trabalham co- - Ateu! mo atendentes de telemarketing, para enterrar a caixa. Os três en- O carrasco retirou outro livro: A Interpretação dos Sonhos, de Sig- terraram a caixa tomados por uma grande curiosidade pelos itens mund Freud. Nem foi preciso que ele comentasse a obra, sendo que esta continha. Estes jovens não tinham as mesmas opiniões interrompido por três pessoas que gritavam: dos outros habitantes da vila. A caixa foi enterrada naquela noite. Porém, passados dois dias, a caixa foi desenterrada e seu conteú- - Pornográfico! do desapareceu. - Devasso! Naquela vila, por volta das 2 h da madrugada, quando os homens e - Tarado! mulheres tementes a Deus dormem, aqueles três jovens estudam O carrasco colocava as mãos sobre o rosto e em seguida as elevava em direção ao céu, como se pedisse auxílio divino. Ele prosse- documentos condenado. históricos, leem aquelas obras que pertenceram a um guiu e retirou da caixa uma pilha de revistas de histórias em quadri- Observação: esta é uma pequena obra de ficção. Apesar do seu nhos e um antigo single dos Beatles: pano de fundo ser inevitavelmente histórico, personagens e lugares - O que dizer destes itens? Gibi: sabemos quantas pessoas se en- foram inventados. tregaram aos pecados da carne e aos mais hediondos comporta- Manu Campagna PRECISA-SE VOLUNTÁRIO Para revisão de textos do jornal de acordo com as novas normas do acordo ortográfico. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 9

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 9 pequenos tiranos. E é exatamente isso que se observa dentro do panorama social contemporâneo. Discursos de ódio, segregação, culpabilidade dos problemas produzidos socialmente a determinados grupos, isolamento, egoísmo, egocentrismo, competição extrema por todos os espaços, incapacidade de ouvir, enxergar, ver e reparar. Todas essas características, as quais poderiam se relacionar com os regimes totalitários supracitados, na verdade, também pertencem a nossa sociedade. Sendo assim, a banalização do mal em uma nova faceta nos atinge e demonstra que o inferno não está nos outros, em outro lugar, mas em nós, aqui e agora. A grande problemática, desse modo, reside no fato de, mesmo a- pós tantas experiências negativas para o ser humano, a sociedade insistir em se organizar de maneira autodestrutiva, desintegrada e excludente. Com uma estrutura social que estimula uma concorrên- Todo ser humano é um fascista em potencial: cia brutal, em uma espécie de luta de todos contra todos, como se Reflexões sobre a Banalidade do Mal fôssemos inimigos, gladiadores no coliseu, no melhor estilo do humanitismo desenvolvido por Machado, não é estranho que tenha- Theodor Adorno disse que todo ser humano é um fascista em po- mos perdido a capacidade de enxergar o outro como um ser com tencial, pois nenhum de nós está isento de cometer atrocidades dimensão própria e diferente da nossa, que mais do que meros jul- contra o outro, uma vez que todos podem perder ou deixar-se per- gamentos, deve ser compreendido em sua individualidade e com- der a capacidade de pensar o mundo como uma dimensão de es- plexidade. paços que coabitam. Ou seja, qualquer ser humano pode deixar de enxergar a dimensão que forma o outro e passar a entender o mundo a partir de um único ponto de vista, sem direito ao diálogo, até porque, como disse, não há um interlocutor para que o diálogo seja Quando se desenvolve um sistema que cria condições favoráveis ao afloramento do mal e sua prática por todos (banalização), há se entender que os dispositivos possuem problemas e precisam ser estabelecido. corrigidos. Isso não significa estabelecer um determinismo, em que todos, sem exceção, agirão do mesmo modo quando expostos a Dessa forma, há de se considerar a força que a estrutura sociopolí- determinada circunstância sociopolítica, mas perceber que os mol- tica exerce para que o indivíduo se torne um fascista, como ocorreu des em que a sociedade se constrói são fundamentais para que se na Alemanha nazista, em que o próprio Estado criou mecanismos tenha indivíduos inclusivos ou exclusivos (autoritários, incapazes para que qualquer pensamento contrário ao dominante fosse exter- de dialogar e, não raras vezes, agressivos). minado pelo ódio e pela violência. Naquela ocasião, o horror nazista não foi praticado por pessoas “demoníacas”, tomadas por um ente abstrato, como muitas vezes aparenta, e sim, por pessoas comuns, adaptadas e subservientes ao sistema, inclusive, um totalitário. Se vivemos em uma sociedade pautada no reino do eu, então, somos incapazes de enxergar o outro de forma autônoma e diferente. Pelo contrário, enxergamos o outro somente como um reflexo nosso e na medida em que não conseguimos perceber esse reflexo, vemo-nos na obrigação de por meio da força torná-lo igual ao mo- Analisando por essa perspectiva, percebemos que de fato há no delo-padrão. Trocando em miúdos, não há na base formadora da homem uma potencialidade para o mal. Mais que isso, existe uma nossa sociedade elementos que estimulem o diálogo, a capacida- potencialidade para que o mal seja praticado e banalizado. Em to- de, para lembrar Rubem Alves, de enxergar que o outro possa ver da prática fascista, portando, há uma banalização do mal, uma vez mundos que eu não enxergo. E é justamente essa incapacidade que ao se tornar parte do cotidiano, algo padrão compartilhado por que produz a violência, seja verbal, como discursos de ódio e into- todos, o fascismo se torna banal, um mal não de “monstros”, mas lerância nas redes sociais, seja física, quando o indivíduo-tirano de homens comuns. não aceita a insubordinação daquele que vive diferente das suas Nesse ponto, o pensamento de Adorno se encontra com o de Han- normas. nah Arendt, em que se constata que o vetor do mal praticado em Posto isso, o mal pode existir e ser banalizado em qualquer época regimes fascistas é o homem comum, destituído da capacidade de e sociedade, porque, como disse Bertold Brecht – “A cadela do fas- pensar. A perplexidade que essa análise traz não está apenas em cismo está sempre no cio” – à espera de sistemas que a copulem e perceber que responsáveis por milhares de mortes eram indivíduos produzam cachorrinhos obedientes a todo comando do pai. Sendo, médios, mas, sobretudo, em entender que qualquer um pode se portanto, o mal oriundo do homem comum, banal, que estava ape- tornar uma pessoa abominável e externar o monstrinho que somos, nas procurando do melhor modo estar adaptado ao sistema, é pre- lembrando Saramago. ciso ressaltar a sua incapacidade de ser diferente e romper com a Obviamente, dificilmente teremos a repetição de modelos totalitá- ordem. É preciso ressaltar a nossa extrema facilidade em se adap- rios como o nazismo, o stalinismo, ou as ditaduras latino- tar e banalizar o mal, mesmo que, no fim das contas, todos seja- americanas, em que sobressaltaram aos olhos indivíduos como Hi- mos afetados pela violência do totalitarismo, verdadeira tragédia do tler e Stálin. No entanto, na conjuntura atual, é possível que peque- homem comum. nos reinos totalitários sejam instalados, bem como, o levante de Erick Morais 20 - Dia Mundial da Estatística cos possuem sobre a sociedade. Atualmente, mais de 130 países celebram esta data em 20 de outubro. Esta data é destinada a fortalecer o reconhecimento do importante Importância das estatísticas papel dos estudos estatísticos perante a sociedade. No Brasil, o principal órgão responsável pelos estudos estatísticos da população brasileira é o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Origem do Dia Mundial da Estatística Como ferramenta para conclusões de trabalhos científicos e acadêmicos; Análise do desenvolvimento econômico e social de um país; Como diagnóstico para tomadas de decisões importantes dos governos, empresas e demais instituições; A World Statistics Day foi criada pela Organização das Nações Uni- Para a definição de serviços e produtos mais adequados aos dife- das – ONU e celebrada pela primeira vez em 2010, com o intuito de rentes tipos de consumidores. homenagear e reconhecer a importância que os estudos estatísti- Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 10

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 10 Campo de concentração do Patu (A história que poucos contam) 31 - Dia do Saci A data homenageia o Saci-Pererê, figura mitológica do imaginário folclórico brasileiro. O Dia do Saci foi criado com o intuito de ajudar a valorizar o folclore nacional, ao invés do Dia das Bruxas (Halloween), que é celebrado no mesmo dia e que nada tem a ver com a cultura do Brasil. Origem do Dia do Saci Poucos brasileiros conhecem a história do sítio arquitetônico do “Campo de Concentração do Patu”, no Ceará. Tombado patrimônio histórico-cultural da cidade de Senador Pompeu, recentemente, o local foi palco de muito sofrimento no passado. O Campo de Concentração do Patu, como ficou conhecido, servia para confinar milhares de pessoas que fugiam da seca no interior do Ceará. O objetivo era evitar que os retirantes chegassem a outras cidades, principalmente Fortaleza, capital cearense. Oficialmente, 16.221 pessoas ficaram concentradas no local, sob alegação de que estariam sob a proteção do governo. De acordo com historiadores, lá elas eram expostas a uma série de sofrimentos e privações. Muitas delas morreram de inanição e de doenças, como tifo. Os retirantes também seriam explorados como mão de obra escrava, trabalhando de forma forçada em obras públicas. A história dos campos de concentração no Ceará origina-se em processos vividos na seca de 1877, quando um ciclo intenso de estiagem motivou grandes deslocamentos de retirantes do interior do estado para Fortaleza. Em 1915, temendo que a situação de 1877 se repetisse, o governador da época, coronel Benjamin Liberato Barroso, criou o primeiro campo de concentração do Ceará, em Fortaleza, no chamado Alagadiço, atualmente bairro de São Gerardo. Com o fim da estiagem, em 1916, o campo foi desfeito. Em 1932, mais uma vez a seca foi intensa e novos campos de concentração surgiram para confinar os retirantes, não só em Fortaleza, mas em outras cinco cidades também: Crato, Senador Pompeu, Quixeramobim, Cariús e Ipu. Ao todo, eram sete campos de concentração, sendo dois deles em Fortaleza. O isolamento das pessoas de baixa renda dos grandes centros urbanos não era o único propósito dos campos. Na época, a ideia do darwinismo social era popular e ajudava a justificar iniciativas como essas. De acordo essa teoria, algumas sociedades seriam superiores às outras. Esse conceito motivou as ideias de eugenia, racismo, fascismo e nazismo. Os campos de concentração brasileiros foram criados quase meio século antes dos nazistas, que tiveram os primeiros campos em 1933. Os campos de concentração do Ceará foram desativados em 1933. O número de mortos nunca foi oficialmente contabilizado. Da redação Com o objetivo de fazer resistência à cultura norteamericana, a Comissão de Educação e Cultura elaborou o Projeto de Lei Federal nº 2.479, de 2013, que institui o 31 de Outubro como sendo o Dia do Saci. Dia do Saci x Halloween Como dito, o Dia do Saci surgiu como uma alternativa ao Halloween, uma celebração baseada na cultura norteamericana. O objetivo é conscientizar a população sobre a rica variedade cultural do folclore brasileiro. A Lei n.° 2.479, de 2003, diz que: “A data escolhida, 31 de outubro, dia em que se festeja o Halloween, “Dia das Bruxas”, nos Estados Unidos, parece -nos pertinente. A comemoração do Halloween no Brasil – como tantas outras celebrações da cultura norteamericana de forte apelo comercial – tem atraído cada vez maior número de jovens e crianças. Criar, na mesma data, o “Dia do Saci” é, portanto, uma forma de se oferecer à juventude brasileira a alternativa de festejar as manifestações de sua própria cultura.” A Lenda do Saci-Pererê Há quem diga que a lenda do Saci surgiu no sul do Brasil, em meados do século XVII, onde as histórias populares narravam as travessuras de um pequeno índio de rabo que assustava os animais e destruía plantações. Porém, quando a lenda chegou ao norte do país, as características do personagem mudaram. Passou a ser negro, usar um gorro vermelho e a fumar um cachimbo (por influência da cultura africana na região). A lenda também descreve o Saci como tendo apenas uma perna, pois a outra teria perdido em uma luta de capoeira. A lenda do Saci-Pererê é transmitida ainda hoje de geração em geração nas comunidades rurais do Brasil, principalmente. O mito ficou conhecido nas grandes cidades do país e internacionalmente graças aos livros de Monteiro Lobato, com destaque para "O Sítio do Pica-Pau Amarelo", que teve sua adaptação para a TV e tornou as histórias do Saci conhecidas em todos os cantos do Brasil. Edição: Filipe de Sousa Fonte: Callendar 17 - Dia Internacional da Erradicação da Pobreza tes vivam com qualidade de vida e dignidade. De acordo com dados da UNESCO (Organização das Nações Uni- A data tem o objetivo de conscientizar a sociedade e os governos das para a Educação, a Ciência e a Cultura), mais de 840 milhões de todo o mundo sobre o elevado número de pessoas que ainda de pessoas continuam sofrendo de fome excessiva entre os anos estão vivendo na extrema pobreza, expostos à miséria, fome crôni- de 2011 e 2013, em todo o planeta. ca e violência. A erradicação da pobreza e da fome é um dos oito objetivos de De- O Dia Internacional Para a Erradicação da Pobreza surgiu a partir senvolvimento do Milênio, definidos no ano 2000 pelos 193 países de uma iniciativa de Joseph Wresinski, em 17 de outubro de 1987. membros da Organização das Nações Unidas. A pobreza extrema é considerada um crime contra os Direitos Hu- No Brasil, de acordo com estimativas, cerca de 16 milhões de pes- manos, e todos os governos devem assegurar que os seus habitan- soas vivem em situação de pobreza extrema. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 11

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 11 12 - Descobrimento da América Foi em 1504 que o navegador florenti- Descobrimento da América Chama-se Descobrimento da América a chegada e ocupação da América pelo navegador Cristóvão Colombo (1452-1516) em 12 de outubro de 1492. A expedição foi patrocinada pelos reis católicos de Espanha, Fernando de Aragão e Isabel de Castela. no a serviço da Espanha, Américo Vespúcio (14541512), classificou como um continente as novas terras descobertas. Atualmente, questiona-se o uso da palavra "descobrimento" para nomear este feito, pois as terras já se encontravam habitadas por povos nativos. O fato foi confirmado em 1513 pelo navegador Nuñez A Busca pelo Oriente de Balboa (1476- Com as dificuldades importas pelos turcos ao comércio europeu, 1519) que atravessou a América Central e chegou ao oceano Pací- após a tomada de Constantinopla em 1453, a busca por uma rota fico. alternativa à Mediterrânea se tornou prioridade para a Europa. Mais tarde, o cartógrafo Martin Waldseemüller (1470-1520) come- Neste momento, Portugal liderava uma série de expedições maríti- çaria a empregar o termo América em seus mapas, em homena- mas que o levou a tomar posse das ilhas atlânticas como Açores, gem a Américo Vespúcio, para designar o "novo mundo". Madeira e da cidade de Ceuta, na África. Por sua parte em 1519, o navegador português Fernão de Maga- Em seguida, os portugueses foram se lançando a percorrer a Áfri- lhães (1480-1521) iniciou a primeira viagem de circunavegação pe- ca, mas sem perder de vista a costa deste continente. lo planeta. Como os reis de Castela também se interessaram em se lançarem Rejeitado pelo rei português, ele se pôs a serviço do monarca es- ao mar, ambas coroas assinaram vários tratados a fim de repartir panhol Carlos I (1500-1558). Sua expedição partiu de Cádiz, e fez as terras descobertas e por descobrir. paradas nas Canárias, Recife e Buenos Aires. De lá, atravessou o Um dos acordos assinados foi o Tratado de Tordesilhas, em 1492, Estreito de Todos os Santos que posteriormente foi chamado de que dividia o mundo entre Portugal e Espanha. "Magalhães" em sua homenagem. Expedição Marítima de Colombo Com isso, ele conseguiu chegar à Ásia, especialmente nas Filipinas e nas Ilhas Molucas. Magalhães morreu em 1521, nas Filipinas, em combate com os nativos. A viagem foi concluída no ano seguinte pelo espanhol Juan Sebastián Elcano (1476-1526) e dezoito sobreviventes. As Grandes Navegações As grandes navegações foram um empreendimento que mudou a fisionomia do mundo para sempre As grandes navegações foram impulsionadas pelo fechamento das rotas comerciais pelos turcos, após a queda de Constantinopla em 1453. A conquista de um mundo desconhecido representava um desafio para as monarquias nacionais, que viam neste empreendimento uma foram de legitimar seu poder e expandir seu território. "Primeira homenagem a Colombo", pintado em 1892, retrata a a chegada de Cristóvão Colombo à América de maneira eurocêntrica. O continente europeu recebia do Oriente açúcar, ouro, cânfora, porNeste contexto, o navegador genovês Cristóvão Colom- celanas, pedras preciosas, pimenta, cravo, canela, noz-moscada, bo alimentou a ideia de chegar às Índias navegando pelo poente. gengibre, drogas medicinais, bálsamos, unguentos, perfumes e óOu seja: ele queria tentar um novo caminho até então inexplorado. leos aromáticos. Esta rota era baseada no mapa do florentino Paolo Toscanelli As mercadorias que saíam do Oriente rumo ao Ocidente eram (1397-1482), e a ideia foi apresentada ao rei de Portugal, Dom Jo- transportadas por árabes em caravanas realizadas por terra até a ão II (1455-1495). O monarca negou o apoio, pois duvidava que fo- Itália, chegando a Gênova, Veneza e Pisa. ra possível fazê-lo. Como intermediárias, essas cidades monopolizavam o comércio Colombo parte para os reinos de Castela e Aragão em busca de do Mar Mediterrâneo e havia uma pressão das monarquias nacioajuda. Apesar de unificadas, parte da nobreza castelhana queria nais para a quebra do monopólio. continuar a sustentar guerras no continente europeu. A outra parte Além do comércio paralisado, a união entre o Estado e a burguesia desejava arriscar-se em buscar o denominado "novo mundo". consistiu em outro importante fator para as grandes navegações. Após sete anos de reuniões, discussões e intrigas, Colombo conse- Era de interesse dos monarcas e burgueses financiar a tecnologia gue dinheiro para realizar seu empreendimento. Assim, partiu em para subsidiar as incursões marítimas. 13 de agosto de 1492, com apenas duas caravelas: Nina e Pinta e Surgem, assim, os barinéis, pequenos barcos de dois mastros e a nau Santa Maria. velas quadrangulares; seguidos pelas caravelas com três mastros A tripulação estava composta de 90 homens que chegaram à Amé- e, por fim, as naus, mais sofisticadas e dotadas de leme. rica 61 dias depois, aportando nas Bahamas e, logo depois, em Cu- Da China provinha a bússola, e das regiões árabes, o astrolábio, ba e Santo Domingo. que serão fundamentais para auxiliar e fazer possível a navegação Colombo acreditava ter encontrado as Índias e tentou por mais qua- de grande distância. tro vezes chegar aos mercados indianos. Sempre acreditou que ti- Todo esse conhecimento náutico, o Estado centralizado, uma bur- nha chegado à Ásia, porém suas incursões resultaram no descobri- guesia interessada em expandir seus negócios, e a Igreja Católica mento das Antilhas e da América Central. desejando expandir a fé cristã, favoreceram o sucesso das navega- Um Novo Continente: América ções europeias à América e Ásia. Viagens dos navegadores de várias nacionalidades ao continente Juliana Bezerra americano Professora de História Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 12

Outubro de 2019 23 - Dia da Força Aérea Brasileira Gazeta Valeparaibana 17 - Dia da Indústria Aeronáutica Brasileira Página 12 Aviação de Transporte e indústria aeronáutica brasileira O ano de 2018 é emblemático para a Aviação de Transporte na Força Aérea Brasileira (FAB): a aeronave C-95 Bandeirante completa 50 anos de seu primeiro voo e a primeira unidade do avião KC-390 deve ser entregue no segundo semestre. Ambas as aeronaves são marcos da indústria aeronáutica brasileira, desenvolvidas pela empresa Embraer. Foi em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, que a Força Aérea Brasileira (FAB) teve seu batismo de fogo. A partir da junção de equipamentos aéreos e pessoal da Marinha, do Exército e do então Departamento de Aviação Civil (DAC), instituiu-se o Ministério da Aeronáutica, que teve na FAB seu braço armado. Passada a heróica participação em combates nos céus da Itália, ao lado das forças aliadas, a FAB tem hoje a missão de manter a soberania do espaço aéreo nacional, prevenindo e impedindo a prática de atos hostis ou contrários aos interesses do país. A Força Aérea Brasileira está capacitada para atuar tanto na vigilância, quanto no controle e na defesa do espaço aéreo. Para tanto, dispõe de modernos recursos para detecção, interceptação e eliminação de equipamentos aéreos, terrestres e aquáticos. Desde o início, esta história teve as duas instituições caminhando lado a lado. O fundador da Embraer, Ozires Silva, destaca a importância da fundação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em 1950, para alavancar a indústria aeronáutica no país. “Em 1965, uma pequena equipe de apenas quatro engenheiros formados pelo ITA, através de estatísticas internacionais e nacionais, encontrou uma oportunidade para criar um avião diferente, não fabricado pelas concorrentes internacionais”, conta. Este avião – projetado para atender uma área até então deixada de lado pelos fabricantes internacionais, ou seja, voos regionais e pistas de menor porte – seria o EMB 110, na FAB batizado como C-95 Bandeirante. A iniciativa, segundo Ozires, foi apoiada pela Força Aérea Brasileira e, em 22 de outubro de 1968, foi realizado o primeiro voo do protótipo. Amplas, as atribuições do Comando da Aeronáutica incluem o provimento da segurança da navegação aérea; a operação do Correio Aéreo Nacional; o apoio logístico, de inteligência, de comunicações e instrução na repressão a delitos que envolvam o uso do espaço aéreo e as áreas aeroportuárias; além do controle do espaço aéreo brasileiro em cooperação com os organismos de fiscalização competentes. Para reforçar a capacidade dissuasória da Força Aérea Brasileira, o Ministério da Defesa anunciou, em dezembro de 2013, a negociação, com transferência de tecnologia, de modernos caças Gripen-NG, fabricados pela empresa sueca SAAB. A FAB conta hoje com mais de 68 mil homens e mulheres em seus quadros. O atual comandante da Aeronáutica é o tenentebrigadeiro-do-ar Antonio Carlos Moretti Bermudez. Fonte: defesa.gov.br Diante do sucesso do projeto, surgiu a base nos mercados nacional e mundial para a criação da Empresa Brasileira de Aeronáutica – Embraer – em 1969. Em 1973, o Ministério da Aeronáutica recebeu os primeiros Bandeirantes e, desde então, as aeronaves fazem parte dos esquadrões de transporte da FAB cumprindo as mais variadas missões. A eles foram somados outros projetos da Embraer também utilizados pela FAB, como o VU-9 Xingu e o C-97 Brasília, além de aviões de fabricantes internacionais, como o C-98 Caravan, o C-105 Amazonas e o C-130 Hercules. O desenvolvimento – pela Embraer – de diversos projetos, aliado à utilização ao longo de décadas – pela FAB – de diferentes aeronaves, fez com que os brasileiros obtivessem a experiência necessária para alçar um novo e importante voo: a fabricação do cargueiro multimissão KC-390. A aeronave, que tem previsão de entrega à FAB ainda em 2018, será a nova espinha dorsal da Aviação de Transporte militar no Brasil. “Da Amazônia à Antártica, a frota de 28 aeronaves terá um papel fundamental para os mais diversos projetos do Estado brasileiro, da pesquisa científica à manutenção da soberania", ressaltou o Comandante da FAB, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, em fevereiro de 2015, após o primeiro voo do protótipo do KC-390. As duas primeiras unidades estão confirmadas para serem entregues à Ala 2, em Anápolis (GO). Ao todo, 28 aeronaves adquiridas pelo governo brasileiro irão compor a frota da Força Aérea Brasileira. Fonte: fab.mil.br PRECISA de voluntário corretor (a) de textos do Jornal. QUEIMADAS CRIMINOSA. A Lei de Crimes Ambientais, nº 9.605 de 1998, em seu artigo 54, descreve: “Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora”. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 13

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 13 + ALGUMAS DATAS COMEMORATIVAS levar seus animais para receberem uma bênção especial. A educação infantil deve ser direcionada desde cedo para a consci- 01 - Dia Internacional da Música entização da importância de proteger e valorizar os seres que habi- tam o nosso meio ambiente, sejam os animais domésticos (cães e Esta data tem o objetivo de homenagear uma das formas de arte gatos, por exemplo), até mesmo os selvagens (leão, tigre, elefante mais apreciadas pelas pessoas: a música. e etc). Origem do Dia Internacional da Música A existência de todas as espécies é essencial para o equilíbrio da A ideia para criar o Dia Mundial da Música surgiu a partir de uma cadeia alimentar de um ecossistema. iniciativa da UNESCO, em 1975, através da International Music Council – uma organização não-governamental, fundada em 1949, 04 - Dia Mundial do Sorriso e que tem o objetivo de promover a paz e a amizade entre os po- vos com o auxílio da música. O Dia Mundial do Sorriso é celebrada na primeira sexta-feita de ou- tubro. Conhecido em inglês como World Smile Day, foi criado em 01 - Dia Internacional das Pessoas Idosas 1999, sendo celebrado desde então todos os anos na primeira sex- Também conhecido como Dia Internacional do Idoso, o principal ta-feira do mês de outubro. A sua criação deve-se a Harvey Ball, objetivo desta data, além de homenagear as pessoas de mais ida- um artista de Worcester, Massachussets. de, é incentivar a conscientização da sociedade sobre as necessi- 21 - Dia Nacional da Alimentação na Escola dades das pessoas idosas. Para isso, os cidadãos e os governantes devem estar cientes sobre Esta data tem o objetivo de chamar a atenção de toda a comunidaos papéis sociais que devem desempenhar, desde o respeito e au- de sobre a importância de pensar e manter bons hábitos alimentaxílio aos indivíduos idosos, até políticas e estratégias (nos variados res para as crianças, jovens e adultos estudantes. setores) que garantam que as pessoas tenham um envelhecimento Uma boa alimentação é fundamental para o desenvolvimento da com qualidade de vida e dignidade. capacidade cognitiva dos alunos, ajudando no rendimento escolar Com o rápido envelhecimento da população mundial, a necessida- e proporcionando outras melhorias, como: aumento da qualidade de de criar cidades e espaços inclusivos também é um assunto e- do sono, da capacidade respiratória e a prevenção do aparecimen- mergencial a ser debatido nesta data. to de doenças cardiovasculares, por exemplo. Ao longo desta data, são realizadas diversas pales- É essencial a introdução de bons hábitos alimentares desde os pritras, workshops e demais atividades direcionadas para todos os meiros anos de vida do indivíduo. públicos sobre as mais variadas questões relacionadas ao envelhe- Para ajudar nesta tarefa (que também deve ser acompanhada de cimento. perto pelos pais ou responsáveis), foi criado o Programa Nacional No Brasil, através da lei nº 10.741, de 1 de outubro de 2003, está de Alimentação Escolar (Pnae), que desde 1955 contribui para a presente o Estatuto do Idoso, uma legislação que dispõe os direitos construção e fortalecimento de hábitos alimentares saudáveis para assegurados às pessoas com idade igual ou superior aos 60 os alunos de educação básica das redes públicas de ensino. (sessenta) anos. Nesta data, as escolas também costumam realizar palestras ou- 03 - Dia das Abelhas workshops direcionados aos responsáveis dos alunos, explicando e dando dicas de como manter a alimentação saudável para cada A data tem o objetivo de homenagear e lembrar da importância que faixa etária. este pequeno inseto possui para o bem-estar dos seres humanos, Existem diversas opções baratas (e gostosas) para montar uma sendo o único animal do planeta capaz de produzir o mel - conside- merenda escolar com qualidade. rada a primeira substância adocicada utilizada pelo homem na anti- guidade. 29 - Dia Nacional do Livro Não se sabe ao certo como surgiu o Dia Nacional das Abelhas no A data celebra uma das invenções mais enriquecedoras do ser hupaís, mas a data já faz parte do calendário oficial de datas come- mano: o livro! morativas do Ministério do Meio Ambiente. O livro pode ser uma fonte inesgotável de conhecimento, transpor- Curiosidades para o Dia da Abelha: tando os leitores para os lugares mais espetaculares da imagina- - Principal forma de polinização elas são responsáveis pela frutifica- ção humana, além de informar e ajudar a diversificar o vocabulário ção da maioria das plantas. das pessoas. - Uma abelha é capaz de produzir no máximo cinco gramas de mel Os livros surgiram há centenas de anos e, desde então, continuam por ano. maravilhando as gerações com contos fantásticos e registrando os - Para produzir um quilo de mel, as abelhas precisam colher o néc- principais acontecimentos da história da humanidade. tar de pelo menos cinco milhões de flores. Faça da biblioteca a sua academia de ginástica do cérebro. - Para produzir um grama de cera, as abelhas devem consumir cer- 31 - Dia Nacional da Poesia ca de seis a sete gramas de mel. - A abelha rainha é capaz de pôr entre 2 mil e 5 mil ovos por dia. A data foi criada em homenagem ao poeta Carlos Drummond de - A Apicultura é a arte de tratar do cultivo de abelhas e da produção de mel e cera. Andrade, um dos principais nomes da literatura brasileira. - Diariamente, uma abelha passa por cerca de 50 mil flores, em busca de néctar e pólen. O Dia Nacional da Poesia foi oficializado através da lei nº Existem, aproximadamente, 20 mil espécies diferentes de abelhas, 13.131, de 3 de junho de 2015, divididas em 10 famílias. por sugestão do senador Álvaro Dias do PSDB do Paraná. 04 - Dia dos Animais O dia 31 de outubro remete à data de nascimento de Drummond de Andrade, conhecido por ser um dos principais nomes da segunda A data destaca a importância que os animais têm na vida dos seres geração do Modernismo brasileiro. A data, além de homenagear os humanos e do planeta Terra, ressaltando o respeito e o compromis- poetas em geral, também serve para lembrar da riqueza e impor- so que todos os seres humanos devem ter com o meio ambiente. tância cultural que a arte poética representa. O Dia dos Animais é amplamente comemorado pela Igreja Católica. Em muitas paróquias são rezadas missas, onde os donos podem VISITE NOSSO SITE - Lá verá todas as datas comemorativas Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 14

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 14 Quando vamos compreender? Os 11 princípios do ministro da propaganda Muita gente está escandalizada com a postura do presidente da nazista, Joseph Goebbels República Federativa do Brasil diante do mundo. Um homem que se expressa de forma grosseira, fica defendendo o Regime Militar e Qualquer semelhança com as práti- até as torturas praticadas durante os governos militares, tem uma cas da mídia golpista brasileira é me- paranoia gritante com o socialismo, enfim, ele não demonstra ter ra coincidência... bom senso. Talvez aquele homem não tenha noção do que está realmente defendendo. Conhece Joseph Goebbels, o violento ministro de propaganda de Hitler? O pior de tudo é que tal presidente realmente representa uma am- Estes são os 11 princípios que leva- pla camada de pessoas de nacionalidade brasileira. Aquela cama- ram o povo alemão a tentar extermi- da de pessoas que avaliam as outras pessoas pela roupa que ves- nar à humanidade: te, pelo carro que tem, pela casa que tem, pelo emprego que tem... aquela gente que exige ter empregada doméstica sem ter que pagar caro, aquela gente que não gosta de intelectuais e nem de formadores de opinião, porque acha que todos são de esquerda e contra o capitalismo, aquele pessoal que se diz “cristão” e repete o mantra “não existe almoço grátis” e acha errado ajudar aos socialmente vulneráveis, aquela gente que ofende e até faz ameaças 1.- Princípio da simplificação e do inimigo único. Simplifique não diversifique, escolha um inimigo por vez. Ignore o que os outros fazem concentre-se em um até acabar com ele. contra quem tem opinião diferente da sua, pessoas que são favorá- 2.-Princípio do contágio perfeito veis a pena de morte confiando que nunca alguém da sua família será réu, e se alguém propõe combater as desigualdades sociais, Divulgue a capacidade de contágio que este inimigo tem. Colocar esse pessoal já acusam o tal de “comunista”, já gritam “vai para um antes e mostrar como o presente e o futuro estão sendo contaCuba!” ou “vai para a Venezuela!”, e já rotulam “esquerda caviar”, minados por este inimigo. pessoas apaixonadas pelo American Way of Life, fãs “de carteiri- 3.-Princípio da Transposição nha” dos Estados Unidos, neoliberais fanáticos, pessoas que tra- Transladar todos os males sociais a este inimigo. tam a política na base da comoção, da paixão. 4.-Princípio da Exageração e desfiguração Queridos leitores, todo ser humano normal gosta de consumir, quer ter dinheiro e bens. O problema é que, o caminho que está sendo Exagerar as más noticias até desfigurá-las transformando um deliescolhido pelos “reacionários” é o que justamente levará ao colap- to em mil delitos criando assim um clima de profunda insegurança e so do capitalismo mais rápido. O que sustenta o modo de produção temor. “O que nos acontecerá?” capitalista é justamente o consumo, e quem mais consome é justa- 5.-Princípio da Vulgarização mente a maioria da população. Se a maioria não tem dinheiro para Transforma tudo numa coisa torpe e de má índole. As ações do gastar, o fluxo vai ser interrompido, a concentração exagerada de inimigo são vulgares, ordinárias, fáceis de descobrir. renda compromete a saúde do fluxo de oferta e demanda. Se não tiver alguém para comprar, o vendedor não consegue vender. Não 6.-Princípio da Orquestração conseguindo vender, o vendedor não consegue ter lucro. Além do Fazer ressonar os boatos até se transformarem em notícias sendo colapso do capitalismo, o mundo ainda testemunhará o colapso estas replicadas pela “imprensa oficial’. ambiental também. As gerações futuras verão um mundo árido, poluído, a maioria da população doente, miserável, será “o inferno na 7.-Princípio da Renovação terra”. Sempre há que bombardear com novas notícias (sobre o inimigo Quando vamos compreender que é justamente o Estado do Bem- escolhido) para que o receptor não tenha tempo de pensar, pois Estar Social somado ao Desenvolvimento Sustentável, lembrando está sufocado por elas. que o Estado Social também não é perfeito, tem sim as suas fa- 8.-Princípio do Verossímil lhas, mas é o que vai fazer o modo de produção capitalista durar Discutir a informação com diversas interpretações de especialistas, mais tempo? Quando vamos entender que é o que vai sustentar as mas todas em contra do inimigo escolhido. O objetivo deste debate civilizações por mais tempo? Quando as pessoas vão perceber que é que o receptor, não perceba que o assunto interpretado não é é inevitável abrir mão de algumas coisas agora para ganhar outras verdadeiro. lá no futuro? De que adianta um seleto grupo ganhar o mundo inteiro agora e, lá no futuro, a humanidade perder a sua própria existên- 9.-Princípio do Silêncio. cia? De que adianta perder a saúde para ganhar muito dinheiro e Ocultar toda a informação que não seja conveniente. depois ter que abrir mão desse dinheiro para recuperar a saúde? De que adianta valorizar só aquelas pessoas que possuem e pelo 10.-Princípio da Transferência que podem comprar, se qualquer um está correndo risco de falir e Potencializar um fato presente com um fato passado. Sempre que ficar pobre? De que adianta recusar o espírito de comunidade e op- se noticia um fato se acresce com um fato que tenha acontecido tar pelo de individualidade, se o ser humano é incapaz de sobrevi- antes ver sozinho? Por que a sociedade não compreende que é mais difí- 11.-Princípio de Unanimidade cil lidar com pessoas ignorantes, pessoas analfabetas funcionais, porque, salvo as boas exceções, a tendência é pessoas assim se- Busca convergência em assuntos de interesse geral apoderandorem rudes, truculentas, ter comportamento de bárbaros, tomar atitu- se do sentimento produzido por estes e colocá-los em contra do des típicas de pessoas pré-civilizacionais, é justamente uma boa inimigo escolhido. educação que faz o ser humano ser civilizado, ter princípios eleva- Qualquer semelhança com as práticas aplicadas a mando do siste- dos, ter respeito pelo seu semelhante. ma pela nossas mídias corporativas, especialmente a TV aberta, De que adianta brigar só com o presidente Bolsonaro se há milhões não é pura coincidência. de brasileiros que pensam como ele? João Paulo E.Barros Edição: Filipe de Sousa O Estado de bem Estar social não é característico de regimes socialistas ou capitalistas, de esquerda ou de direita. O Estado de Bem Estar Social é característico de Governos justos. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 15

Outubro de 2019 Gazeta Valeparaibana Página 15 A Espacialização Mundial da Saúde (OMS). da Lusofonia O ingresso nas diversas comunidades políticas e/ou econômicas está diretamente ligado ao contorno geopolítico da CPLP, haja vis- A lusofonia − ou ainda, as ta a substanciosa articulação que a lusofonia tem despertado aos lusofonias, conforme pro- Observadores Associados. posição deste espaço – é decorrente da utilização de um idioma Entretanto, em artigo anterior defendi que as ligações imateriais tor- comum nas mais diferentes instâncias do espaço que abrange, atu- naram-se limitadoras da própria lusofonia, fato que permitiu à eco- almente, nove países de língua oficial portuguesa. nomia assumir a capacidade de projetar, concomitantemente, um A geografia da língua portuguesa tem sido observada pelos princi- futuro e uma nova identidade espacial ao espaço lusófono. pais grupos de pesquisas linguísticas no mundo. É o caso do Ob- Nesse sentido, estudos do governo português apontam que esta servatório da Língua Portuguesa que considerou o português, em nova perspectiva para lusofonia é caracterizada, essencialmente, 2016, como o quarto idioma materno mais falado no mundo. Idem pela proposição de valorização da Língua Portuguesa como ativo para o Ethnologue que, também em 2016, classificou a língua de comercial ao identificá-la, através de um conjunto de indicadores, Camões e Eça de Queiroz como o sexto idioma mais falado em ní- como uma língua global e em crescimento. vel mundial. Torna-se importante, entretanto, entender que os principais dados estatísticos indicam que os países de língua oficial portuguesa somam 3,7% do PIB mundial e 3,8% da população mundial distribuídos em 4 continentes. Números reduzidos, no entanto, jamais desprezíveis. Pois que, na visão de Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros, de Portugal, a Língua Portuguesa é a base para a formação de uma identidade individual e ao mesmo tempo coletiva das sociedades que a adotam. Elo entre o cultural e o político, para além dos aproximadamente 280 milhões de falantes no mundo, o português é percebido por um largo potencial econômico. A esse respeito, destacam-se as seguintes publicações: (i) Potencial Econômico da Língua Portuguesa; e (ii) Novo Atlas da Língua Portuguesa. Coordenado por Luís Reto, Reitor do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa-Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), o Potencial Económico da Língua Portuguesa, publicado em 2012, concluiu que a língua Portuguesa é responsável por 17% do Pro- Conforme o barômetro das línguas, de Calvet, a língua portuguesa duto Interno Bruto (PIB) de Portugal. é classificada como língua supercentral, uma vez que a mesma es- Também foi constatada a relevância da tá à volta do inglês – a única língua hipercentral – assim como o proximidade linguística nos processos de internacionalização da alemão, o espanhol e o francês, dentre outros. Nessa perspectiva, economia e, por conseguinte, nos fluxos populacionais e comerci- estimativas da ONU sinalizam que a Língua Portuguesa terá um ais. crescimento, sobretudo, em África, a ponto de ultrapassar em nú- Segundo Reto, ter acesso a uma nova língua, além de levar à valo- mero de falantes o Brasil, até o final do século. Juntos, Angola e rização do capital humano próprio, na medida em que esta ganha Moçambique, com base em tal previsão, possuirão quantitativos valor de troca pelos recursos a que dá acesso, produz, também, populacionais superiores ao país sul-americano até 2100. um efeito de rede, ou seja, maiores recursos podem ser obtidos Na prática, a língua portuguesa já assume uma lacuna aberta por quanto maior for o número de falantes. conta da diversidade de línguas em países africanos de língua oficial portuguesa (PALOP), o que favorece a expansão do português que, cada vez mais, é utilizado em ambientes do cotidiano. O escritor José Eduardo Agualusa, certa feita, afirmou: “Um quarto de século após a independência, o número de falantes de português cresceu de forma impressionante, devendo o português ser hoje a segunda língua materna mais falada em Angola, logo depois do umbundo. Tal fenómeno parece-me verdadeiramente espantoso. Pela primeira vez uma língua de origem europeia conseguiu enraizar-se em África, tornando-se numa língua africana, num espaço de tempo muitíssimo curto e por ação dos próprios filhos do país”. Mais recente, o Novo Atlas da Língua Portuguesa, publicado em 2016, foi produzido para ser um instrumento de afirmação da lusofonia. De autoria de Luís Reto, Fernando Machado e José Paulo Esperança, a ideia foi fazer um atlas com um conjunto de indicadores econômicos, demográficos, geoestratégicos. O livro mescla textos e ilustrações, com mapas e gráficos, além de homenagens a alguns autores lusófonos. Outrossim, as questões geopolíticas em torno da temática revelam Para Reto, “há pouca divulgação sobre a pertinência da atuação de uma ativa comunidade política que re- a língua portuguesa e sobre os países” presente os interesses dos governos lusófonos, uma vez que a lu- da CPLP, ao sublinhar que o português sofonia é a base cultural (e linguística) da Comunidade dos Países “está vivo e a crescer”, principalmente devido ao crescente número de Língua Portuguesa (CPLP). de alunos estrangeiros que desejam aprender o idioma lusófono. Diante de iniciativas para tornar a língua portuguesa como língua Recordo que, em entrevista realizada na capital portuguesa, em oficial da Organização das Nações Unidas (ONU), o português já é fevereiro de 2017, fui presenteado por Luís Reto com uma cópia da língua de trabalho nas seguintes organizações internacionais: Or- referida publicação. Meses antes, o Ministro dos Negócios Estranganização dos Estados Americanos (OEA); Mercado Comum do geiros de Portugal, Augusto Santos Silva, fizera o mesmo gesto, Sul (MERCOSUL); Associação Latino-Americana de Integração durante o encontro dos Chefes de Estado e de Governo que assi(ALADI); União de Nações Sul-Americanas (UNASUL); Comissão nalara os 20 anos da Comunidade dos Países de Língua PortugueEconômica para a América Latina e Caribe (CEPAL); Organização sa (CPLP), em Brasília. dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI); Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos Assim, para finalizar, ao lembrar o Modelo de Uppsala, apesar de a (CELAC); União Africana (UA); Comunidade Econômica dos Esta- língua ser um elemento de aproximação que tende a facilitar os nedos da África Ocidental (CEDEAO); Zona de Paz e Cooperação do gócios, a espacialização da língua portuguesa faz referência necesAtlântico Sul (ZPCAS); União Europeia (UE); Comunidade de Esta- sariamente a uma visão mais pragmática na relação cultura e ecodos do Sahel-Saara (CEN-SAD); Comunidade Econômica dos Es- nomia. tados da África Central (CEEAC); Mercado Comum da África Orien- Marcelo Goulart tal e Austral (COMESA); Organização das Nações Unidas para a Geógrafo e Professor de Geografia Educação, Ciência e Cultura (UNESCO); e, por fim, Organização Mestre em Geografia (UFBA) Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

Comments

no comments yet