Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

Construsul 77A PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REGIÃO SUL ANO XII | JANEIRO E FEVEREIRO | 2019 ESPECIAL ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA INVESTIMENTO EM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE ATUALIDADES Indústrias do segmento de construção desenvolvem diferentes projetos de responsabilidade social e algumas até possuem institutos consolidados. Projetos que visam valorização do meio e contribuem para a construção de um futuro promissor para as sociedades locais são alguns exemplos dessas ações. TECNOLOGIA A escolha certa de cabos e fios elétricos na construção ou reforma de imóveis é primordial. Além de sustentabilidade, quesitos como segurança, eficiência, economia e durabilidade são algumas apostas da indústria.

[close]

p. 2



[close]

p. 3

Construsul APENAS PORA6NEUDAIIÇSÕ*ES ASSINE AGORA E RECEBA NA SUA CASA OU ESCRITÓRIO A PUBLICAÇÃO OFICIAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO SUL DO PAÍS. PARA ASSINAR ACESSE: REVISTACONSTRUSUL.COM.BR *A assinatura anual compreende um ciclo de seis edições, uma a cada dois meses, a partir da confirmação do pagamento. Mais informações: assinaturarevista@suleventos.com.br

[close]

p. 4

INOVAÇÃO - TECNOLOGIA - LANÇAMENTOS NOS ENCONTRAMOS EM 2019! APOIADORES CONSTRUSUL 2018

[close]

p. 5

Terça a sexta: 13h às 20h

[close]

p. 6

EDITORIAL Por Daniela Manfron Gerente de Comunicação e Marketing Sul Eventos ANO DE OPORTUNIDADES Um ano com resultados melhores comparado aos anteriores é a indicação para o ciclo que se abre. Reverter os quadros da economia e da política, que muito afetaram todos os segmentos, em especial da construção civil, ainda é a pauta do setor. Segundo a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), o varejo de material de construção encerrou 2018 com crescimento de 6,5% sobre 2017 e a previsão para este ano é de crescer 8,5% sobre o ano anterior. Já a Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) divulgou pesquisa que indica o crescimento da indústria de materiais de construção de 1,2% em relação a 2017. A Sondagem Industrial apresentada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) apresentou otimismo para 2019. Os estoques ajustados e as boas expectativas para demanda, emprego e investimentos dão um bom indicativo para a indústria gaúcha este ano. Apesar da queda na produção em 38,1 e no emprego em 47 pontos no mês de dezembro comparado ao mês anterior, os baixos níveis de estoque, 48,3 pontos, sugerem que a demanda foi superior à prevista e colocam um viés de alta para a atividade industrial nos próximos meses. Em sua primeira edição de 2019, a Revista Construsul aborda um panorama do mercado de energia solar fotovoltaica, um setor que em 2018 chegou a dois mil megawatts (MW) de potência operacional da fonte solar fotovoltaica conectados na matriz elétrica nacional. Os mil megawatts projetados como crescimento para este ano proveram de sistemas de pequeno, médio e grande porte. Na seção Tecnologia, apresentamos alguns dados do segmento de fios e cabos elétricos. Além de sustentabilidade, quesitos como segurança, eficiência, economia e durabilidade são algumas apostas da indústria. Desejamos a todos um ano com ótimas novidades, saúde e sucesso! Boa leitura. 6 REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

[close]

p. 7

Construsul APENAS PORA6NEUDAIIÇSÕ*ES ASSINE AGORA E RECEBA NA SUA CASA OU ESCRITÓRIO A PUBLICAÇÃO OFICIAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO SUL DO PAÍS. PARA ASSINAR ACESSE: REVISTACONSTRUSUL.COM.BR *A assinatura anual compreende um ciclo de seis edições, uma a cada dois meses, a partir da confirmação do pagamento. Mais informações: assinaturarevista@suleventos.com.br

[close]

p. 8

ÍNDICE Abramat aponta alta no setor de materiais de construção em 2018. A pesquisa aponta que após três anos de queda no faturamento deflacionado, o segmento apresentou em 2018, crescimento de 1,2% em relação a 2017. Comparado a novembro/2018, o último mês do ano apontou resultado 0,2% superior no faturamento deflacionado. 8 REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019 Foto: divulgação OVD Foto: divulgação Steck Foto: Shuterstock A linha Sophie da Steck oferece mais de 50 itens para aplicações residenciais, com placas nas cores foscas Branco Orus, Amêndoa Seth, Cromado Aton e Grafite Fênix. Os módulos variam entre interruptores, tomadas e conexões, como o RJ45, TV e vídeo, telefonia e o carregador USB, por exemplo. São indicados para aplicações contemporâneas, ambientes com estética jovial e urbana. O Grupo OVD possui mais de 50 anos de atuação no mercado de ferragens, ferramentas, máquinas e equipamentos. Sua história é marcada pelo constante aprimoramento e amplitude de seu mix de produtos, aperfeiçoamento de seus processos logísticos, infraestrutura administrativa e comercial, que contribuíram para a ampliação de seus negócios voltados ao mercado distribuidor atacadista. Foto: Shuterstock Fontes de energias renováveis como a solar fotovoltaica estão cada vez mais em voga. Escolas, empresa e empreendimentos aderem o método como forma de economia e sustentabilidade. Segundo projeções da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil ultrapassará a marca de três mil megawatts em 2019, o que atrairá mais de R$ 5,2 bilhões em novos investimentos privados e cerca de 15 mil novos empregos.

[close]

p. 9

Indústrias do segmento de construção civil desenvolvem anualmente diferentes projetos de responsabilidade social, sejam de sustentabilidade, cursos de capacitação ou auxílio a comunidade em que a empresa esta inserida. Além de contribuir com a sociedade, as organizações que promovem a responsabilidade social aumentam a credibilidade da marca. O Sinduscon-RS divulgou no dia primeiro de fevereiro, o CUB/m² (Custo Unitário Básico por metro quadrado de construção) do mês de outubro de 2018, com base na NBR 12.721/2006. Os insumos básicos da construção que mais subiram em janeiro último são: locação de betoneira (1,33%), registro de pressão cromado Ø 1/2” (1,08%), e tinta látex PVA (1,06%). Foto: divulgação JCB Foto: Shutterstock EXPEDIENTE Foto: Shuterstock Foto: divulgação Saint-Gobain Segurança, eficiência, economia e durabilidade, além de sustentabilidade são algumas apostas da indústria quando falamos de fios e cabos elétricos. Entre diferentes fatores, a prevenção de descargas elétricas e incêndios são especificações relevantes nas normativas. O mercado do segmento mostra-se positivo e otimista quanto as perspectivas para 2019. A JCB no Brasil produziu mais de 20 mil máquinas. Entre 2016 e 2018, foram investidos 50 milhões de reais em ações de melhorias na fábrica em Sorocaba, SP, para ampliação de seu portfólio, trazendo novos produtos para o mercado. A unidade é responsável pela comercialização de máquinas como retroescavadeiras e escavadeiras hidráulicas de esteira. A REVISTA CONSTRUSUL É UMA PUBLICAÇÃO DA SUL EVENTOS DIREÇÃO Wilson Richter Ricardo Richter GERÊNCIA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING E EDITORA RESPONSÁVEL Daniela Manfron (MTB/RS 8.889) ASSISTENTE DE JORNALISMO Aniele Cerutti DEPARTAMENTO COMERCIAL Regina Manfron Silveira Brasil Eventos PARA ANUNCIAR comercialrevista@suleventos.com.br FECHAMENTO DESSA EDIÇÃO 05/02/2019 CORRESPONDÊNCIA Sul Eventos Rua Miguel Tostes, 823, Bairro Rio Branco, Porto Alegre, RS, CEP 90430-061 Fone: 55 51 3225.0011 www.suleventos.com.br As opiniões, entrevistas, artigos e colunas assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores. PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO Pubblicato Editora Ltda. andrea@pubblicato.com.br Fone: 55 51 3013.1330 Diagramação e produção: Vitor Mesquita e Andrea Costa FOTO DE CAPA Shutterstock IMPRESSÃO Gráfica Odisséia PARTICIPE DA PRÓXIMA EDIÇÃO Para participar da próxima edição da Revista Construsul com sugestões, dúvidas e críticas mande seu email para: jornalismo@suleventos.com.br REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019 9

[close]

p. 10

MOVIMENTO ABCIC anuncia os vencedores do Prêmio Obra do Ano de 2018 Foto: divulgação to, fornecidos pela Cassol Pré-Fabricados – vigas, pilares, lajes alveolares e escadas. O projeto arquitetônico ficou a cargo dos arquitetos André Detanico, Tarso Carneiro e Maurício Ceolin (AT Arquitetura). O Prêmio Obra do ano na categoria Infraestrutura foi para o Terminal Aeroportuário de Vitória, ES, com projeto estrutural de Eduardo Dell’Avanzi e José Soto Quevedo, projeto arquitetônico de Ricardo Rodrigues e Thereza C.N.M. Ferreira e estruturas pré-fabricadas de concreto fornecidas pela Cassol Pré-Fabricados. A Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto (Abcic) anunciou os vencedores do Prêmio Obra do Ano em Pré-Fabricados de Concreto, em três categorias: Edificações, Infraestrutura e Pequenas Obras. A solenidade de premiação foi realizada no dia 29 de novembro, em São Paulo, SP, reunindo empresários, engenheiros, arquitetos, profissionais da cons- trução e representantes de entidades setoriais e de instituições governamentais. Em Edificações, a obra vencedora foi o Campus da Universidade do Vale dos Sinos (Unisinos), em Porto Alegre, RS. Com 60,8 mil m², o projeto é composto por quatro setores, sendo duas unidades construídas com estruturas pré-fabricadas de concre- Na categoria Pequenas Obras, o vencedor foi o prédio EMG da Energisa, situado em Cataguases, MG. O edifício multipavimentos, com superestrutura pré-fabricada de concreto armado e protendido, composta de pilares circulares segmentados, vigas e lajes alveolares fornecidas pela Bemarco Estruturas. O escritório Davis Brody Bond foi contratado para desenvolver o projeto arquitetônico. Já o projeto estrutural ficou a cargo do engenheiro Rogério Cierro. Abramat aponta alta do setor em 2018 A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) divulgou no dia17 de janeiro, a nova edição da pesquisa do Índice, com os dados projetados de dezembro. A pesquisa indica o crescimento da indústria de materiais de construção no mês de dezembro, assim como a confirmação dos dados consolidados do setor no ano de 2018. Após três anos de queda no faturamento deflacionado, o segmento apresentou em 2018 crescimento de 1,2% em relação a 2017. Comparado a novembro/2018, o último mês do ano apontou resultado 0,2% superior no faturamento deflacionado. A comparação com dezembro/2017 registra queda de -2,5%. Outro destaque foi o nível de emprego na indústria de materiais de construção. Os últimos 12 meses (dez/17 a dez/18), comparados ao mesmo período do ano anterior, apresentam alta de 1,7% no número de vagas de emprego nas empresas do mercado. Em relação a dezembro/2017, a alta de empregos do setor é de 2,5%, enquanto que a comparação com novembro/2018 registra alta de 0,1%. O crescimento é relevante e trata-se de um indício mais forte da recuperação do setor, uma vez que até a última edição da pesquisa, com os dados até novembro/2018, a variação de empregos no acumulado do ano era de queda, registrando -0,7%. Após o balanço de 2018, o índice de dezembro da Abramat também apresentou a primeira projeção da associação para 2019, que acredita em um ano de sustentação da tendência de retomada do crescimento. A princípio, a associação, em parceria com a FGV (responsável pela condução pela elaboração pesquisa do Índice da Abramat), estima que o ano de 2019 registrará alta de 2,0% para o faturamento do setor em relação a 2018. 10 REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

[close]

p. 11

MOVIMENTO Sondagem industrial mostra otimismo para 2019 A Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) divulgou no final de janeiro a Sondagem Industrial que apresenta otimismo para 2019. Os estoques ajustados e as boas expectativas para demanda, emprego e investimentos dão um bom indicativo para a indústria gaúcha este ano. Apesar da queda na produção em 38,1 e no emprego em 47 no mês de dezembro comparado ao mês anterior, os baixos níveis de estoque, 48,3 pontos, sugerem que a demanda foi superior à prevista e colocam um viés de alta para a atividade industrial nos próximos meses. Dentro de uma escala que vai de 0 a 100, abaixo dos 50, os índices significam quedas em relação ao mês anterior e estoques abaixo do nível planejado pelas empresas. ta favorável à produção”, destaca o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry. A insatisfação com as condições financeiras da empresa diminuiu no quarto trimestre, em relação ao período anterior. O índice de satisfação com a margem de lucro operacional subiu para 41,5 pontos e o de satisfação com a situação financeira cresceu para 47,4. Abaixo de 50 pontos os indicadores mostram insatisfação. O avanço bem menor nos preços das matérias-primas, cujo índice caiu de 72,4 pontos para 60,2 pontos no mesmo período, amenizou a situação financeira das empresas. Também é normal no período a menor utilização da capacidade instalada (UCI). Em dezembro, o grau médio atingiu 67,0%, 4,0 p.p. abaixo de novembro. Os empresários da indústria gaúcha também mostraram otimismo com a demanda futura e maior disposição em investir e contratar. “A boa expectativa está ligada ao momento político do País e à disposição do governo em fazer as reformas necessárias. Há forte intenção de investir e trabalhar quando o cenário se apresen- A elevação da carga tributária (indicada por 47,8% das empresas pesquisadas, principalmente pequenas e médias), e a demanda interna insuficiente (33,2%) foram os principais problemas enfrentados no quarto trimestre, conforme a Sondagem Industrial. A taxa de câmbio foi o item que mais perdeu relevância na passagem do terceiro para o quarto trimestre, de 32% para 17,1%, movimento comum a todos os portes de empresa. Abratec lança guias de controle tecnológico do concreto e de solos e pavimentos A Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Construção Civil (Abratec) lançou dois manuais de procedimento: a primeira edição do Guia Prático de Controle Tecnológico de Solos e Pavimentos e a quarta edição do Guia Prático de Controle Tecnológico do Concreto, esse último com revisões e novas informações. De acordo com a presidente da entidade, Paula Baillot, os manuais são práticos e fáceis de consultar tanto por especialistas técnicos quanto por consumidores. Os guias estão disponíveis para download gratuito no site da entidade (www.abratec-lab.org.br). “Ao seguir as orientações e dicas dos manuais, é possível evitar os problemas causados por um concreto de baixa qualidade, que pode resultar em acidentes graves, como desabamentos; e sérios desní- veis de solos e pavimentos por intervenções mal feitas”, afirma Baillot. O Guia Prático de Controle Tecnológico do Concreto reúne referências às normaliza- Foto: divulgação ções atualmente em vigor relativas ao produto e seus constituintes, sobretudo as normas da ABNT. “Com base nas normas, fornece orientações sobre os ensaios necessários para um correto controle tecnológico e obtenção de um excelente produto final, além de reduzir os custos das obras. Assim, é de suma importância para o setor da construção. Essa última versão reúne todas as referências normativas atualizadas”, ressalta a executiva. Segundo Baillot, a primeira edição do Guia Prático de Controle Tecnológico de Solos e Pavimentos foi desenvolvida com o objetivo de colaborar para a melhora da qualidade das obras de infraestrutura, afim de que atendam as exigências de projetos, bem como dos órgãos competentes, além de fornecer orientações técnicas aos intervenientes. REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019 11

[close]

p. 12

MOVIMENTO Vendas no varejo de material de construção ficam estáveis em janeiro O varejo de material de construção teve desempenho estável no mês de janeiro, na comparação com dezembro. Já com relação a janeiro do ano passado, o setor teve queda de 9%. Esse desempenho já era esperado pela Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco). “Início do ano sempre é complicado porque temos o pagamento de IPTU, IPVA, retorno das aulas, férias de janeiro, as contas do cartão de crédito de dezembro”, declara o presidente da Anamaco, Cláudio Conz. A Pesquisa Tracking mensal da Anamaco entrevistou 530 lojistas entre os dias 24 e 30 de janeiro. Todas as regiões do país apresentaram resultados abaixo do esperado em janeiro: Nordeste (-26%), Norte (-15%), Sudeste (-12%), Sul (-9%) e Centro-Oeste (-3%). Entre as categorias pesquisadas, tintas apresentaram a maior retração no período (-40%), seguidas de revestimentos cerâmicos (-17%). Já telhas de fibrocimento cresceram 4% no mês, possivelmente por conta do aumento de volume de chuvas. “Para fevereiro, os lojistas estão mais otimistas. 45% dos entrevistados acreditam em recuperação de parte das vendas, mas ainda assim deve ser um mês com pouco volume de vendas, comparado a outros meses do ano. O aumento do volume de chuvas ocasiona obras de reparo, mas as obras mais estruturais acabam ficando pra depois que a época de chuvas passa”, completa o presidente da Anamaco. O levantamento também apontou que 86% dos entrevistados estão otimistas com o novo governo. Enquanto 45% pretendem realizar investimentos nos próximos 12 meses, 20% dos entrevistados querem contratar novos funcionários já em fevereiro. Para 2019, a Anamaco prevê crescimento de 8,5% sobre 2018. Foto: divulgação CBCS realiza evento de encerramento da fase piloto do Projeto Cidades Eficientes O Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS), com apoio e financiamento do Instituto Clima e Sociedade (iCS), realizou no dia 27 de novembro de 2018, o evento de encerramento da fase piloto do Projeto Cidades Eficientes, em Florianópolis, SC. A iniciativa objetiva estimular a adoção de políticas públicas que viabilizem reduções efetivas de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) nos edifícios públicos. 12 O painel de abertura do evento contou com a participação do presidente do CBCS, Olavo Kucker Arantes, do conselheiro e gestor do CT Energia do CBCS, Roberto Lamberts, da coordenadora executiva do CBCS,Clarice Degani, do coordenador do Portfólio de Energia do iCS, Roberto Kishinami, do secretário municipal de administração de Florianópolis, Everson Mendes, e do diretor da região metropolitana do IPUF de Florianópolis, Michel Mittman. O evento marcou o encerramento da fase de assessoria técnica junto aos órgãos municipais das cidades piloto. Sob a coordenação da arquiteta Maria Andrea Triana e do engenheiro Edward Borgstein, a equipe técnica do CBCS atuou junto aos municípios sendo composta pelo engenheiro ambiental Alexandre Schinazi, pela administradora de políticas ambientais Carolina Griggs, pela engenheira ambiental Isabela Issa, e pela arquiteta Rosane Fukuoka. Após a realização de chamada pública nacional divulgada em março de 2018, 130 municípios de 21 estados brasileiros inscreveram-se para participar do processo de seleção do projeto. Três cidades foram selecionadas para a fase piloto: Florianópolis, em Santa Catarina; Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco; e Sorocaba, em São Paulo. REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

[close]

p. 13

MOVIMENTO Indústria brasileira do aço confirma trajetória de recuperação em 2018 Segundo a 42ª edição do informativo do Instituto do Aço Brasil, o desempenho da indústria brasileira do aço em 2018 deve confirmar sua trajetória de recuperação, com crescimento nas vendas internas de 8,9% em relação a 2017. No tocante à produção, tendo em vista a entrada de novas produtoras de aço no mercado e o atingimento do pleno ritmo de operação pela CSP, a indústria brasileira do aço deve ter recorde de produção de aço bruto (estimada em 36 milhões de toneladas) este ano. As importações devem aumentar 2,6% em relação a 2017, totalizando 2,4 Mt e as ex- portações devem cair 7,2%, devendo atingir 14,2 Mt. Apesar dos números positivos de 2018, quando comparados a 2017, as projeções das vendas internas e do consumo aparente ainda permanecem abaixo dos níveis alcançados em 2013. Com expectativas otimistas em relação às medidas que estão sendo anunciadas pelo governo, as previsões do Instituto Aço Brasil para 2019 são de aumento das vendas internas de aço em 5,8%, totalizando volume de 20 milhões de toneladas. O consumo aparente de aço deverá subir 6,2% em 2019, indo para 22,4 milhões de toneladas. O Instituto Aço Brasil, integra coalizão empresarial da indústria ao lado de outras nove entidades de classe. Constam também como prioridades da agenda da coalizão a retomada dos investimentos na construção civil e em infraestrutura e o fomento às exportações. Em relação a uma maior abertura comercial do país, a coalizão entende que somente seja feita após as correções das assimetrias competitivas. Neste sentido, a área econômica do governo já sinalizou que a abertura será feita de forma gradual, segura e negociada. Projeto Moradias Infantis vence o Prêmio Internacional de arquitetura No final de novembro o Royal Institute of British Architects (RIBA) anunciou o projeto Moradias Infantis como ganhador do Prêmio Internacional Riba 2018. O complexo escolar desenvolvido pelos escritórios brasileiros Aleph Zero e Rosenbaum em Formoso do Araguaia no Tocantins oferece acomodação para 540 crianças que frequentam a Escola Canuanã. Segundo artigo de Eric Baldwin publicado no site ArchDaily, o prêmio RIBA é concedido a cada dois anos para um edifício que exemplifi- que a excelência em projeto e a ambição arquitetônica, além de proporcionar um impacto social significativo. Moradias Infantis foi reconhecido por sua visão em imaginar a arquitetura como uma ferramenta para a transformação social. O projeto foi escolhido a partir de uma lista de quatro novos edifícios excepcionais por um grande júri presidido pela renomada arquiteta Elizabeth Diller (DS+R). Financiado pela Fundação Bradesco, é uma das 40 escolas administradas pela instituição que oferece educação para crianças em comunidades rurais em todo o Brasil. Os arquitetos Gustavo Utrabo e Petro Duschenes, do Aleph Zero, desenvolveram o projeto em colaboração com Marcelo Rosenbaum e Adriana Benguela, do estúdio de arquitetura e design Rosenbaum. Combinando uma estética contemporânea com técnicas tradicionais, a obra foi descrita pelo júri como “reinventando o vernáculo brasileiro”. Foto: Leonardo Finotti REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019 13

[close]

p. 14

MOVIMENTO Guia BIM promete baratear imóveis A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) é responsável pelo desenvolvimento do Guia BIM, em português, Modelagem da Informação da Construção. O uso desse sistema pode baratear obras em no mínimo 15% em relação ao custo total. Na prática é uma ferramenta de planejamento que utiliza um modelo virtual em três dimensões para facilitar a visualização do construtor, para saber exatamente onde estarão as portas e janelas, por exemplo, acabando com o costume de construir uma parede para depois quebrá-la para passar fios, ou encaixar batentes. Para seguir esse sistema que as grandes construtoras já têm acesso, é preciso criar um banco de imagens de tudo o que precisa numa construção como, portas, janelas, encanamentos. O foco da ABDI é disponibilizar esse guia com todos os itens de construção, catalogados gratuitamente, para que todas as construtoras tenham acesso, tornando as pequenas empresas do setor mais competitivas, podendo aumentar a concorrência. O desafio da Agência é buscar soluções para setor de construção civil, tornando a biblioteca do guia cada vez mais completa, mas para isso é preciso a conscientização principalmente dos fornecedores de materiais que tem que disponibilizar todas as informações técnicas sobre as matérias-primas e insumos utilizados numa obra. “Estamos entrando em uma nova etapa que é a digitalização da economia”, afirma o presidente da ABDI, Guto Ferreira. 14 SindusCon-SP estima crescimento do PIB da construção em 2019 Depois de acumular queda de 28% de 2014 a 2018, o produto interno bruto (PIB) do setor da construção deverá crescer pela primeira vez em 2019, em 2%, comparado ao ano passado. A estimativa foi anunciada pelo presidente do SindusCon-SP, Odair Senra, em entrevista coletiva em 5 de fevereiro, tomando como base uma projeção de crescimento para o PIB nacional de 2,5% neste ano. Se este resultado se confirmar, ele deverá ser “puxado” pelas obras e pequenas reformas realizadas por pequenos empreiteiros ou famílias (autoconstrução), que em seu conjunto poderão crescer 3,5% neste ano, explicou o vice-presidente de Economia da entidade, Eduardo Zaidan. A estimativa é que a atividade das construtoras se eleve em 1%, completou. A previsão de crescimento encontra respaldo em um cenário econômico mais favorável que nos anos anteriores, comentou a coordenadora de Projetos da Construção do Instituto Brasileiro de Economia da Fun- dação Getulio Vargas (FGV/Ibre), Ana Maria Castelo. Em sua apresentação, a economista mostrou dados e projeções como a de uma possível elevação do nível de emprego na construção em 4,5%, em 2019. Os dirigentes do SindusCon-SP destacaram a importância da realização de reformas, especialmente a da Previdência, para que os investimentos em construção Foto: Shuterstock se elevem e resultem em geração massiva de empregos. Segundo as sondagens setoriais feitas em janeiro, as expectativas dos empresários têm subido, aproximando-se do otimismo moderado. Além disso, 2018 deixou um legado econômico favorável, com inflação baixa, a menor taxa básica de juros da série histórica e o emprego em alta, acrescentou Ana Maria. O ano passado também legou também fatores desfavoráveis ao investimento, como a elevação da dívida do governo, a piora do quadro fiscal dos estados e um crescimento aquém do esperado da produção industrial. Nos últimos 12 meses até novembro de 2018, o PIB da construção acumulava queda de 2,3%, a menor dos últimos anos, segundo a FGV. No ano passado, o crédito imobiliário voltou a crescer, as vendas e os lançamentos de empreendimentos aumentaram, os distratos de aquisição de imóveis diminuíram e as eleições impulsionaram obras. REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019

[close]

p. 15

MOVIMENTO Foto: Tiago Belinski/Ascom SOP Empreendimento habitacional recebe as primeiras famílias beneficiadas pelo Minha Casa, Minha Vida Segundo informações da Secretaria de Obras e Habitação, o residencial Breno Jardim Garcia, em Gravataí, RS começou a receber as primeiras famílias beneficiadas pela construção das unidades habitacionais na parada 103 da ERS-030 no final de janeiro. Ao total 1.013 unidades foram entregues nesta primeira etapa do empreendimento. Com investimento total de R$ 150 milhões, fruto de parceria entre os governos federal, estadual e municipal, o loteamento beneficiará 2.025 famílias com renda de zero a três salários mínimos. As unidades estão sendo construídas para as famílias que residem em áreas de risco ou em situação de vulnerabilidade social. “O governo estadual também é protagonista desta história. Cada unidade habitacional está recebendo aporte de R$ 5 mil dos cofres do Estado. No total serão R$ 5,6 milhões de investimentos pelo Executivo para a promoção da habitação em Gravataí”, destacou o secretário estadual de Obras e Habitação, Rogério Salazar. A segunda etapa do empreendimento, que compreende a construção de outras 1.012 unidades, tem previsão para ser entregue nos próximos meses. As casas possuem 40 metros quadrados, dois dormitórios, banheiro, cozinha, sala e área de serviço externa, além de placas de energia solar. Após a conclusão e entrega das obras, o residencial terá uma população estimada em 10 mil pessoas, contando com toda a infraestrutura viária, escolas, unidades de saúde, CRAS, Estação de Tratamento de Esgoto, além de áreas destinadas ao lazer e a convivência. Foto: Shuterstock Financiamentos imobiliários em dezembro têm maior alta de 44 meses Conforme informações no site da CBIC, em dezembro de 2018, os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) somaram R$ 6,05 bilhões, registrando o melhor resultado dos últimos 44 meses. O montante indica alta de 24,1% em relação a novembro e, comparativamente a dezembro de 2017, de 64,4%. No acumulado do ano, foram aplicados R$ 57,4 bilhões na aquisição e construção de imóveis, elevação de 33% em relação a 2017. A marca representa uma interrupção num período de três anos de quedas consecutivas. Nas modalidades de aquisição e construção, foram financiados 23,4 mil imóveis em dezembro de 2018, resultado 18,5% maior que o de novembro. Em relação a dezembro de 2017, houve alta de 60,9%. Em 2018, foram financiadas aquisições e construções de 228,4 mil imóveis, alta de 30% em relação a 2017, quando 175,6 mil unidades foram objeto de crédito bancário. REVISTA CONSTRUSUL JANEIRO/FEVEREIRO 2019 15

[close]

Comments

no comments yet