Revista Consciência 139

 

Embed or link this publication

Description

Revista Consciência 139

Popular Pages


p. 1

2018 - Ano 27 - nº 139 Soberano Grande Primaz do Rito Brasileiro, Nei Inocêncio dos Santos comandou a Investidura Grau 33 em Campo Grande/MS, pág. 25 www.revistaconsciencia.com.br A entrada do Templo Instrução de Aprendiz Maçom O Maço e o Cinzel Loja Farol do Jacuí nº 276 Grande Oriente do Rio Grande do Sul

[close]

p. 2

Acesse www.revistaconsciencia.com.br e veja nossos produtos Ligue (67) 3025-6325 / 3028-3333 EmCampoGrande/MSvisitenossoShowRoom: R.INÁCIOGOMES,119SÃOLOURENÇOCEP79041231 Esq.eComp.VazadoDourado Esq.eComp.Triang. Esq.Comp.Triangular Coraçãoc/Esq.e Ref. BT001 D Azul com Filete Ref. BT007 A Comp. Azul Ref. BT006 A Ref. BT008 A Folha de Acácia Ref. BT012 (Media) AcáciacomPingente AcáciaOval Ref. BT013 Ref. BT014 Esquadro Venerável Ref. BT024 Esquadro Venerável Ref. BT025 Águia Bicéfala 33 Verm. Ref. BT035 V Demolay Caval. e Maçom Ref. BT039 A Bode Ref. BT041 Pomba Ref. BT045 Bandeira Paz Ref. BT048 Band. Brasil x Esq. e Comp. Ref. BT049 EsquadroCompassoStrass AcáciaEsq.eCompasso EsquadroeCompasso DemolayAlumni Esq.eComp.Trabalhado Ref. BT055 A Ref. BT070 V Ref. BT 076V Ref. BT092 Grande - Dourado Ref. BT115 Coração Arco-Íris Ref. BT128 FilhasdeJóLoira Esq.eComp. ComEscrita OvalVermelho Ref.BT133 Ref. BT138 V Conjunto Completo Venerável Mestre para Grande Loja e Grande Oriente Avental Mestre Maçom Gravatas Lisa várias cores com bordado do Esquadro e Compasso Ref. AV 01 Ref. AV 08 Adesivos Diversos Modelos Quant. Mínima 10 Ref. AD 01 Ref. AD 02 Ref. AD 03 Ref. AD 04 Adesivos de Metal Dourado Prateado Chaveiros diversos modelos Prendedores de Gravata Esq. e Comp. Vazado Grande PG002 Esq. e Comp. Liso Vermelho G003 V Cavalaria + Demolay PG008 Esq. e Comp. Trabalhado Azul PG009 A Demolay Esq. e Comp Vermelho PG011 V Canetas Diversos modelos Chav. Malhete Dourado Ref. CH 021 D Esq. e Comp. Azul Giratório Ref. CH 023 A Esq. e Comp Red. Dourado - Verm. Ref. CH 026 V Chav. Acácia Oval - Dourado Ref. CH 028 D Chav. Demolay Recortado - Dourado Ref. CH 043 D Esq. e Comp. Vazado Frat. - Lib. - Iguald. Ref. CH 055

[close]

p. 3

Editorial Irmão Ademir Batista de Oliveira Diretor e Editor da Revista Consciência O que é a verdade? Uma usual expressão entre os Maçons é de que estamos em busca da Verdade. Realmente, é um dos objetivos que todos nós não cansamos em tentar encontrar o seu autêntico significado. E, o Maçom, face ao todo ensinamento que recebe, essa procura é feita com maior foco e mais objetividade. Mas o que é a Verdade? Foi a pergunta que o governador romano, Pôncio Pilatos, a Jesus: “Quid est veritas?”. Como resposta o silêncio e um olhar. Jesus havia dito“Eu sou o caminho e a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim.” (Lucas 14; 6). Como seria possível alguém conhecer a Verdade? É uma pergunta para todas as épocas e para todos. É muito complexo falar sobre a Verdade. Poucos a definiram. O Apóstolo Paulo disse que neste mundo a Luz é obscura e vemos apenas parte da verdade. Santo Agostinho fala da verdade como “o que revela o que é ou se manifesta a si mesmo”. Já São Tomás de Aquino constata que a Verdade é “a adequação do intelecto e das coisas”. Para Platão, a Verdade é algo ininteligível, incapaz de ser alcançado. Aristóteles, há 2400 anos, definiu que “é aquilo que corresponde fielmente à realidade”, que não deixa de ser uma definição muito simples e nada conclusiva. O conceito da Verdade está estreitamente interligado ao conceito do conhecimento. Está sempre relacionada à Ordem Maçônica. Ela é uma escola de superação espiritual, racional, honra e virtude, e, nos ensina e determina que busquemos, incessantemente, a Verdade através do uso da razão, na tentativa de fomentar o desenvolvimento intelectual e moral, formando o legítimo Maçom em busca da desta Verdade para ser o Construtor Social, Justo e Perfeito. 3edição 39 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br

[close]

p. 4

3 O que é a verdade? Editorial - Irmão Ademir Batista de Oliveira 6 A entrada do Templo Traduzido por Irmão Bruno Oliveira 7 Procura-se um verdadeiro maçom Irmão Hugo Schirmer 10 Devemos ajudar a um irmão necessitado? Irmão Gustavo Velasques Santos 12 Pirataria maçônica Irmão José Maurício Guimarães 13 Instrução de Aprendiz Maçom Irmão Lair Alonso Moschiara Junior 14 Sou maçom? Irmão Denilson Forato Almir Veríssimo - Eterno Aprendiz. 16 A salvação do homem livre Irmão Charles Evaldo Boller 18 Epítome do sucesso Autor Desconhecido 19 As Cruzadas www.todamateria.com.br/as-cruzadas/ 20 Levantar templos a virtudes* Irmão André Bessa 22 Maçonaria em gotas(X) - Virtudes Irmão Valdemar Sansão 27 Os sete degraus e sua importância simbólica no aprimoramento maçônico Autor desconhecido 29 A verdade saindo do poço Jean-Léon Gérôme, 1896 30 Pentalpha Irmão E. Figueiredo 31 Fim da Ordem dos Templários www.todamateria.com.br/templarios/ 32 O Maço e o Cinzel Irmão Lair Alonso Moschiara Junior 33 Simbolismo da “Luz” na Maçonaria 34 Purificação Irmão Sérgio Quirino Guimarães Visite nosso site e veja os vários eventos Maçônicos. Conheça também nossa Loja virtual: www.revistaconsciencia.com.br Visite nosso Show Room em Campo Grande/MS: R.InácioGomes,119-São Lourenço-CEP 79041-231 Fones(67)3025-6325/3028-3333 Loja Maçônica Estrela do Ocidente São Paulo/SP CNPJ 02.586.377/0001-08 Inscr. Estadual 28304576-0 Filiada à ABIM - Assosiação Brasileira de Imprensa Maçônica com Registro N0 06 DEPARTAMENTO DE VENDAS E RECEBIMENTO DE CORRESPONDÊNCIA Caixa Postal 6001 - C. Grande/MS - CEP 79002-971 Fones (67) 3028-3333 / 3025-6325 Celular (67) 99600-36363 WhatsApp revistaconsciencia@revistaconsciencia.com.br ademir@revistaconsciencia.com.br www.revistaconsciencia.com.br • R. Inácio Gomes, 119 - São Lourenço - CEP 79041-231 DIRETOR PRODUÇÃO EDITORIAL COLABORADORES PROJETO GRÁFICO Ademir Batista de Oliveira (67) 99911-3636 ademir@revistaconsciencia.com.br E. Figueiredo - Jornalista (MTB 34 947) efig2005@gmail.com A colaboração na Revista Consciência não gera vínculo trabalhista • Campo Grande/MS Juvenal Cordeiro Barbosa (67) 3321-5360 / 99985-0758 Osvaldo Freitas (67) 3028-4695 / 99905-3124 • Aquidauana/MS Arlindo (67) 3241-1779 • Natal/RN Alci Bruno (84) 3234-5909 / 99101-5315 • Divinópolis/MG Gabriel Campos de Oliveira (37) 3216-0808 / 99987-7633 • Santa Maria/RS Hugo Schirner (55) 3222-0536 • Sinop/MT Joel Monteiro Lopes (66) 3531-2650 / 99231-7544 • Rondonópolis/MT Cicero Belarmino da Silva (66) 3422-3006 / 99994-8533 • Porto Velho/RO Francisco Aleixo da Silva (69) 3229-1556 / 99972-1027 • Presidente Prudente/SP Sergio Pereira Cardoso (18) 3221-5941 / 99742-4367 André da Silva Cerqueira (comp&art) 121218 A Revista Consciência é um veículo independente, não vinculada a Potências ou Lojas Maçônicas. Os artigos assinados não refletem necessariamente o pensamento da direção da Revista, sendo de inteira responsabilidade de seus autores. Os trabalhos enviados à redação são analisados pelo Conselho Editorial, podendo ser ou não publicados. Os originais não serão devolvidos aos autores. Atenção: Solicitamos aos nossos colaboradores que enviem seus artigos com o título, o nome completo, Loja e local. EXEMPLO: José da Silva • Loja Perfeita Luz nº 00 (Potência) • Campo Grande/MS ficha técnica SEDE PRÓPRIA www.revistaconsciencia.com.br PROJETO GRÁFICO R. Inácio Gomes, 119 - São Lourenço CEP 79041-231 - Campo Grande/MS (67) 3025-6325 / 3028-3333 comp_art@uol.com.br (67) 9983-6214 IMPRESSÃO E ACABAMENTO www.printexpress.art.br (18) 3642-9001 VEICULAÇÃO NACIONAL Tiragem 5000 Exemplares 4 edição 139 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br

[close]

p. 5

Grande Loja do Estado de Mato Grosso do Sul Campo Grande 46 anos de fundação da Sereníssima Grande Loja Maçônica do Estado de Mato Grosso do Sul O Sereníssimo Grão-Mestre Irmão Wágner Augusto Andreasi, juntamente com o Grão-Mestre Adjunto Irmão Darci da Costa Filho, e toda sua diretoria, receberam os Veneráveis Mestres das Lojas Jurisdicionadas, e um bom números de Irmãos para uma Assembleia Geral e a comemoração dos 46 anos de fundação da Sereníssima Grande Loja Maçônica do Estado de Mato Grosso do Sul Pedro Gomes Loja Paz União n° 58 Foi realizado na Loja Paz União n° 58, uma sessão de iniciação dos Profanos, Anderson Denis Matinazzo, Ademar de Souza Peserico e Wesley Martins de Oliveira, pelo Venerável Mestre Irmão Valdecir Dalto. Estando presente o Sereníssimo Grão-Mestre Irmão Wagner Augusto Andreasi e o 2º Grande Vigilante Geova Gontijo e o Irmão Ademir Batista de Oliveira da Loja Oriente Maracaju nº 01, e vários outros, superlotando o Templo de Irmãos da região. COMAB - Grande Oriente do Rio Grande do Sul Espumoso No dia 19 de Novembro, 2018, foi realizado a Cerimônia de Exaltação do Irmão Adenilso Marcos Rosalem Mezenga, pelo Venerável Mestre Gustavo Schaffazick, da Loja Farol do Jacuí nº 276, estando presentes vários Irmãos, prestigiando esta Oficina 5edição 39 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br

[close]

p. 6

A entrada do Templo Traduzido por Irmão Bruno Oliveira Capitulo Umuarama nº43 - Maçons do Real Arco Tem sido frequentemente de dentes” sobre a nossa adesão em amigo não-maçônico disse à mienfatizado que a Maçona- declínio, e a dificuldade de obter e nha mulher que, quando ela era ria não é uma religião. Mas manter os trabalhadores e líderes uma menina, seu pai lhe disse que precisamos que todos os candidatos dispostos e capazes em nossas vá- se ela estava sempre em qualquer professem uma crença na Divinda- rias corpos maçônicos. dificuldade ou perigo, ela deve ir a de, e uma Loja em sessão tem uma Para se tornar um Maçom, qualquer maçom, e ele iria ajudar e cópia aberta das Escrituras Sagradas um homem deve primeiro mani- protegê-la. Mas ela passou a dizer em seu altar. Em todos os graus da festar interesse, petição, ser inves- que ela não iria confiar suas filhas Maçonaria com o qual estou fami- tigado e eleitos por voto unânime. perto do monte de homens que ela liarizado, citações da uma parte do ritual. Bíblia são Mas parece que muitos se tornam membros que têm pouca ou nenhu- via agora vestindo insígnias maçônicas. Então, eu não vejo nenhum ma qualificação, exceto uma peti- Que pena! Tem sido meu problema em usar um verso da Es- ção assinada e um cheque no valor privilégio nos últimos anos para ser critura como um ponto de partida das taxas. um membro de um corpo maçôni- para uma questão que gostaria de Comissões que investigam, co, que passa a ser relacionado com discutir com o objetivo de estimu- frequentemente fazem pouco ou o Rito de York, no qual o número lar o pensamento de sua parte. nenhum investigação profunda. de membros é estritamente limita- Em um dos graus do Rito de Parece que estamos também inte- do, e na qual a adesão é apenas por York, o seguinte é lida a partir do ressados em número de membros convite. Estou intensamente orgu- capítulo 44 do livro do Antigo Tes- pagantes, e não suficientemente lhoso de que a afiliação, e tentar vi- tamento de Ezequiel: “E o Senhor interessado em nossos Lojas e ou- ver de acordo com seus princípios disse-me: Filho do homem, nota tros corpos maçônicos, sendo feita e apoiar ativamente. bem, vê com os teus olhos, e ouve de grupos de pessoas dedicadas aos Existem tais grupos de as- com os os teus ouvidos tudo o que princípios da Maçonaria e reco- sociação limitados em outras partes tenho a dizer-te sobre as ordenan- nhecido pela comunidade em geral da maçonaria, e eu sinto que seus ças da casa do Senhor, e todas as como moral e em circulação cida- membros são igualmente orgulho- suas leis; e marcar bem a entrada dãos, a quem as pessoas podem sos e ativos. Voltando à passagem da templo, com todas as saídas do apontar com orgulho. citada de Ezequiel, somos exor- santuário. Lembro-me bem uns 40 tados a “marcar bem” à entrada Em nosso próprio dia e hora anos atrás, quando eu era um jo- do templo. A frase “marcar bem” há muito “choro e pranto e ranger vem Maçom, que a esposa de um (Mark Well) foi parafraseado em Dr. José Alves Pereira CRM MS 1499 CIRURGIA GERAL E VIDEOLAPAROSCÓPICA APARELHO DIGESTIVO E GASTROENTEROLOGIA FONE (67) 3321-0562 Rua Antonio Maria Coelho, 3595 - Campo Grande/MS OFTALMOLOGISTA Dr. Elson Yamasato CRM MS-2038 Rua Antonio Maria Coelho, 2880 CEP 79002-221 - Campo Grande/MS 6 edição 139 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br Psicóloga Clínica e Organizacional Adulto, Casal, Adolescente, Avaliação Psicóloga Simone Viana Storti CRP 14/00809-6 (67) 3321-0562 / 99925-2306 Rua Antonio Maria Coelho, 3595 - Jd. dos Estados CEP 79020-210 - Campo Grande/MS

[close]

p. 7

algumas traduções mais recentes como “olhai por” ou “olhar com cuidado para. “Parece-me que, se a Maçonaria é para continuar como uma força viável no mundo de hoje, vamos ter de esquecer o” jogo dos números “e olhar para a qualidade da nossa sociedade, a fim de que possamos ter o respeito da comunidade e mostrar por nossa vida os princípios morais sobre os quais aprendemos mais e mais à medida que participam nos vários ramos da Maçonaria. O propósito de uma igreja é ou deve ser para mudar a vida das pessoas, para iniciá-los na direção certa em suas vidas e, em seguida, para ajudar e incentivá-los a continuar nesse caminho. Como os maçons que estão no negócio, ou deveríamos ser, ou fazer bons homens e torná-los melhor através de nossos ensinamentos morais. Assim como aqueles que, em uma igreja ou sinagoga devem estar em constante crescimento na fé e obras, para nós, se somos verdadeiros maçons, devemos crescer no conhecimento e prática dos ensinamentos morais em nossos ritos. Dessa forma, podemos dar o exemplo em nossas comunidades e no mundo que deve melhorar este mundo conturbado em que vivemos. Que o Supremo Arquiteto do Universo nos guiar para fazer exatamente isso! Seymour B. Ingerson, General Grande Capelão, General Grande Conselho de pedreiro enigmáticos, Internacional Maçom do Real Arco Revista da Primavera 1987 Vol 15 No 9 Evidence de R. A. M. Procura-se um verdadeiro maçom Irmão Hugo Schirmer Rio Grande do Sul Ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei demais... (Almir Satter), isso me serve de lição, pois o resto da poesia é tudo isso que vivemos no passado, presente e no futuro e quantas lágrimas derramamos e será que ainda teremos o que derramar? Todo mundo ama um dia, todo mundo chora, um dia a gente chega, no outro vai embora... Aproveito a deixa dada pelos Amados Irmãos, de que ao nos acostumarmos a não fazermos certas coisas, começamos a pegar gosto pelo não fazer, pelo não ir, ficar encostado e a descobrir que tudo que fizermos antes não tem sentido algum e muito menos o valor que nos é devido. A coisa não deve ser nem tão ligeiro, nem tão devagar, que cada uma pareça desmerecer algo, alguém ou alguma coisa, mas que muitas vezes criam muitos anéis nos dedos e magoados ficam com qualquer comentário que se fizer. Aqui parafraseando o Irmão Claudio Beyerstedt - Ontem eu fui o mais jovem em minha Loja Maçônica, passados mais de 30 anos, hoje, durante mais uma sessão econômica dei-me conta de que estou entre os mais idosos que ainda frequentam os trabalhos. Vi gente entrar e sair com a maior naturalidade. A gente passa pelo túnel do tempo e nem percebe e quando acordamos já era. Como também ainda estava em atividade minha matricula no Estado era um dos mais antigos ainda em atuação, entrei jovem e já com um tanto de idade, estava entre os mais antigos, ali a vida passou, ali aprendi entre solavancos da vida a aprender um tanto dela, já que nunca aprendemos tudo o que a ela se nos apresentou. 7edição 139 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br

[close]

p. 8

Tudo isso correu paralelamente, vida funcional, vida maçônica, vida social e vida familiar, de tudo isso tiramos ou não lições Aproveito o momento para trazer a seguinte pensamento e uma grande reflexão: Uma profunda reflexão! Ternura para com os jovens, compaixão pelos idosos, solidariedade com os esforçados e tolerância para com os fracos e os fortes, porque chegará o dia em que você terá sido todos eles.” George Washington Reflexão é o que falta ao Maçom, ele não parece saber que isso exista. Mais vale a força bruta e a brabeza e a se rebelar contra tudo e todos e mais ainda se não comungarem com ele. “No começo, eu tinha o entusiasmo da juventude. Pedia a Deus que me desse forças para mudar a humanidade. Aos poucos, percebi que isto era impossível. Então passei a pedir a Deus que me desse forças para mudar quem estava a minha volta”. “Agora já estou velho, e minha oração é muito mais simples. Peço a Deus o que devia ter pedido desde o começo”. “Peço para que consiga mudar a mim mesmo”. Aristóteles dizia que: “Ninguém é dono de sua felicidade”! Já que sempre teremos quem queira ser nosso dono e dela e com ela quer barganhar conosco. Indira Gandhi dizia que: Há dois tipos de pessoas: as que fazem as coisas e as que ficam com os louros. Procure ficar no primeiro grupo: Há menos competição. É exato e tem um realidade, que até custou a vida dela. A nossa custou um chega para lá e um desencanto sem tamanho, uma dor lancinante, que só com o tempo é que vamos aprender e saber exatamente o que aconteceu lá atrás. Portanto, não chores pelas coisas terem terminado, sorria porque elas existiram (Louis E. Boudakian). Tudo porque foi lindo e a alegria de tudo é como ver uma flor desabrochar. Já que a razão da sua vida é você mesmo. Pare de pensar mal de você mesmo e seja seu melhor amigo, sempre! Agradeça tudo que está em sua vida nesse momento, inclusive a dor, que ficará ou não lá dentro de nosso âmago. Por isso, repito, andei depressa demais, por isso agora pretendo andar devagar, e ela nos machucou muito, coisa que não é só minha, mas deve ser de muitos ou de todos nós. Portanto, viva sua felici- dade e não permita que ninguém, mas que ninguém mesmo seja dono dela e sim só você seja você mesmo. E isso e mais isso começamos a gostar de não fazer isso e aquilo, porque já fiz e muito fizemos, mas que termina por nos dar o prazer de ficar, parar e nada fazer, pois a pressa foi grande e as lágrimas muitas, por isso agora devagar, pois o gosto é bem melhor. Com tudo aprendi uma coisa, comecei a gostar de só fazer o que eu realmente goste e vocês não sabem com é bom isso e assim dizendo, sem mais lágrimas, colhe-las se for o caso para irrigar as flores da vida... Por isso encerro dizendo: Procura-se um VERDADEIRO MAÇOM que nos abrace por três vezes três, sorrindo, chorando ou enxugando nossas lágrimas para termos a inabalável certeza de que a Maçonaria é realmente a iluminada Escada de Jacó, que eleva o homem da Pedra Bruta à presença da mente cósmica universal. Um tríplice e fraterno amplexo a todos os Amados Irmãos. Seja um consultor da Revista Consciência em sua cidade. 8 edição 39 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br ((6677))33L0i0g22u58e--63332353revistacwonwscwie.rnecviais@tarceovnisstcaieconncisac.iceonmci.ab.crom.br

[close]

p. 9

Academia Maçônica de Letras Campo Grande Posse de um novo Acadêmico A Academia Maçônica de Letras de Mato Grosso do Sul - AMLMS, realizou sessão magna de posse de novo acadêmico, na oportunidade passou a integrar à Academia o Irmão Rodrigo Pedroso Fernandes, do Oriente de Três Lagoas - MS. Na mesma ocasião, foram homenageados com a Medalha do Mérito Cultural: “Fadel Tajher Iunes”, personalidades e instituições que contribuíram para o engrandecimento da cultura sul mato-grossense como segue: Raquel Naveira, Delasnieve Daspet, Nena Sarti, Henrique Medeiros, Valdecir Souza Martins, Juarez Vasconcelos e José Vieira Couto 9edição 39 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br

[close]

p. 10

Devemos ajudar a um irmão necessitado? Irmão Gustavo Velasques Santos Meus irmãos, outro dia, li obedecer aos governos e as auto- terra. Ela condena a exploração do um texto em nosso Gru- ridades se são justos, viver segun- homem, os privilégios e as regalias, po, que nos escreve, que do os ditames da honra, praticar a enaltecendo, porém, o mérito da in- um irmão Maçom, não deve ficar justiça, amar ao próximo, trabalhar teligência e da virtude, bem como o procurando ajudar demais irmãos, incessantemente pela felicidade do valor demonstrado na prestação de em empregos, ingresso em hospitais gênero humano, conseguindo a sua serviços à Ordem, à Pátria e a Hu- públicos, etc... etc, devendo focar emancipação progressiva e pacífica. manidade. objetivos maiores relacionados com A liberdade é a fonte de to- Ela exige um combate sem o desenvolvimento ético e de cres- dos os sentimentos de honra e de tréguas aos hipócritas, aos pérfidos, cimento da Sociedade em que vive- dignidade, e ela, defende a expres- aos ambiciosos e aos corruptos, ela mos... são do pensamento, desde que man- deve buscar eliminar a ignorância, Algumas considerações: tida a correlata responsabilidade. os preconceitos de grande parte da Peço-vos, paciência, pois se- O verdadeiro maçom prati- humanidade, que se encontra cega, rei um pouco cansativo em concei- ca o bem e leva a sua solicitude aos pelas paixões e inerte, pela ausência tos já arraigados, no consciente de infelizes, na medida de suas forças, do saber. todo o Maçom que já está acima do reprimindo com sinceridade e des- A maçonaria não é uma So- segundo degrau, mas minhas consi- prezo o egoísmo e a imoralidade. ciedade de auxílio mútuo ou de cari- derações vão para os nossos apren- Os ensinamentos maçôni- dade. Aquele que não cumprir o seu dizes, aqueles que estão a iniciar-se cos, dentre outros, induzem a seus dever como maçom, será considera- nesta eterna caminhada na escada adeptos a dedicarem–se a felicidade do traidor à Maçonaria. de Jacó.. de seus semelhantes, não porque a Mas Respeitáveis irmãos, Por não ser o dono da verda- razão e a justiça imponham este de- assim como em toda a Associação, de, mas com a liberdade de expres- ver, mas porque este sentimento de temos direitos e deveres a cumprir e são do pensamento permissível a solidariedade, é a qualidade inata enumero um deles : todo Maçom, solicito aos irmãos a que faz os filhos do Universo fieis Reconhecer como Irmão complementação, ou a discordância às leis do amor e simpatia, com que todo Maçom e prestar-lhe a proteção do que aqui escrevo. o G.:A.:D.:U.: nos brinda neste pla- e ajuda de que carecer, defendendo Alguns conceitos copilados neta. em tudo que for justo e necessário. de nossa tradição literária: A maçonaria em uma de suas Tornar-se enquanto maçom, Dentre outros objetivos em definições, pugna pelo aperfeiçoa- um elemento da paz, de concórdia e nossa missão institucional acessível mento moral, intelectual e social da harmonia no seio da Maçonaria. a profanos e maçons, pois que regis- humanidade, fazendo isto, por meio Os Maçons devem ser ami- trados em livros, Estatutos, Consti- do cumprimento inflexível do dever, gos dedicados e leais, e estarem tuição , como deve ser, em qualquer da pratica desinteressada da benefi- sempre prontos a correr no auxílio sociedade civil, a Maçonaria visa: cência e da investigação constante de seus irmãos, nos momentos mais Combater a ignorância em da verdade. difíceis de suas vidas. todas as suas modalidades, tornan- Ela determina que os maçons Devem os maçons brandi- do-se uma escola mutua que impõe estendam e liberalizem os laços fra- rem sempre suas espadas, no so- o seguinte programa: ternais que os unem, a todos os ho- corro à vida e a honra de um irmão Obedecer às leis do País, mens espalhados pela superfície da necessitado. 10 edição 139 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br

[close]

p. 11

Prezados irmãos, terminados parte dos conceitos já de conhecimento de todos, entendo no meu ponto de vista, que nós Maçons somente poderemos atuar em defesa dos legítimos interesses da Ordem, se pudermos não apenas brandir a espada , a caneta, ou a voz, mas efetivamente em nosso dia a dia, atuarmos como verdadeiros agentes transformadores das situações que cerceiem a Liberdade, a cidadania e a humanidade e realmente nos irmanarmos no auxilio a um irmão necessitado. Afinal somos filhos de uma mesma viúva. Resumindo - O verdadeiro maçom, prima por atuar em três frentes: A primeira: Um maçom deve buscar conhecer a si mesmo em comunhão espiritual, procurar no recôndito de sua alma, de sua mente a razão de sua existência. Aprender a desbastar a pedra bruta de seu templo interior, preparar-se para a grande Obra, que está predestinado a lapidar. Descobrir a sua Verdade. A segunda: Um maçom deve pelo exemplo, atuar com vigor, na sociedade em que se encontra inserido. Em quaisquer de suas áreas de atuação, no serviço, no convívio social, em sua crença religiosa, na participação política ou econômica. Deve procurar galgar os degraus superiores da sociedade em que inserido. Deve transformar-se em verdadeiro Líder, pois somente enquanto Líder, poderá utilizar-se da pedra filosofal que transmutará os corações e mentes adormecidos, somente enquanto Líder, pode- rá trazer a Luz do esclarecimento, que tornará possível o combate aos usurpadores da ética, da moral e da liberdade. A terceira: Ajudar a seu irmão, em tudo que for justo necessário e possível, pois as nossas espadas, nossa amizade, nossa dedicação, estarão sempre a postos, para correr em socorro da vida e da honra de um verdadeiro irmão, sempre que as vicissitudes da vida o colocarem em eminente perigo. Sendo assim, com relação à questão inicialmente proposta, discordo com respeito da opinião do Irmão, pois devemos sim, ajudarmos no que pudermos e nos for possível, dentro de um espírito ético e moral , a um irmão que esteja em necessidade. AFINAL, ASSIM JURAMOS UM DIA !!!

[close]

p. 12

Pirataria maçônica Irmão José Maurício Guimarães Durante o processo de ad- que o proponente que não CREIA pedimento absoluto e irremovível missão na Maçonaria, tanto na existência de Deus não é aceito para a Iniciação.” o candidato quanto a Loja na maçonaria ‒ seja esse Deus um Antes de Albert Mackey, a se convencem de que nossa Ordem princípio criador, um ente infini- Constituição escrita por James An- não é uma religião. Por comodida- to, eterno, sobrenatural e existente derson (ministro da Igreja da Escó- de, substitui-se o Deus das religiões por si só; seja esse princípio a cau- cia e pastor nas Igrejas Presbiteria- pelo conceito Pitagórico de “Grande sa necessária e fim último de tudo nas de Swallow Street e Lisle Street) Arquiteto do Universo” sobre o qual é erigido um novo culto e uma nova “religiosidade” que muitos pretendem ser “não dogmática”. Apesar disso, o raciocínio verossímil (porém inverídico) dessas afirmações reside no fato de que existe, etc. O Landmark XIX, compilado por Albert Mackey é taxativo: “XIX – A crença no Grande Arquiteto do Universo é um dos mais importantes Landmarks da Ordem. A negação dessa crença é im- determinou peremptoriamente: “Um Maçom é obrigado, por dever de ofício, a obedecer a Lei Moral; e se ele compreende corretamente a Arte, nunca será um estúpido ateu nem um libertino irreligioso.” Apesar das cláusulas pétreas estabelecidas nos Landmarks, mui- tos curiosos (e mesmo pretensos au- www.glomaron.org.br/faca-sua-doacao tores) vêm questionando as tradições maçônicas. Mal sabem eles (ou se sabem, agem de má fé) que a Maço- naria é uma Ordem Tradicional ‒ ou seja: um movimento fundado e con- servado na tradição ‒ entendendo-se por tradição a herança cultural, o le- gado de processos mentais ou atitu- des e técnicas de uma geração para outra; tradição é, queiram ou não es- ses “sábios”, o conjunto dos valores morais e espirituais transmitidos de geração em geração. A Maçonaria só se sustenta no mundo por causa da TRADI- ÇÃO. Removam esses Ladmarks, alterem-se as leis e os costumes, e chegaremos ao ponto de excluirmos o Avental, o Esquadro, o Compasso e os Juramentos. O decréscimo de nossa autoridade ética, assim como as “maçonarias” irregulares que po- voam o noticiário, têm sua origem no relativismo com que alguns seg- mentos vêm tratando os assuntos 12 edição 139 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br

[close]

p. 13

maçônicos, inclusive na internet: no Facebook aos olhos de todos e no WhatsApp. Modernizar a linguagem, SIM; vulgarizar e profanar, JAMAIS. Ainda há entre nós os piratas que propõem listas próprias ou mais curtas de Ladmarks, modificando alguns (entre eles o número XIX), eliminando os números I e II (sobre os métodos de reconhecimento e a divisão do Simbolismo em três graus), e por aí vai ‒ tudo em nome da “modernidade”. O pedantismo e a autossuficiência invadem assim vários recantos da Ordem onde são aceitos discursos sobre temas de especialização Universitária proferidos por quem sequer se deu ao trabalho de ler os primeiros capítulos das obras que citam. Mais valeria se nos ativéssemos às Instruções de Aprendizes que, por si só, já contêm material de sobra para tirar o sono de muitos “professores”. Essa pirataria apoia-se no sofisma de que a moralidade está subordinada às necessidades da época e que o maçom é livre para interpretar a filosofia da Ordem e independente para seguir o caminho que bem entender. Não é bem assim. A liberdade de pensamento consiste no grau de independência e no conjunto de direitos e faculdades humanas que têm como objetivo o conhecimento. Essa independência e esses direitos têm que ser, necessariamente, conduzidos pela inteligência. O simples fato de alguém estar “na Maçonaria” ‒ numa Loja regular ‒ não lhe dá o direito de alterar a Tradição Maçônica em nome de uma pretensa “liberdade de pensamento”, independentemente do seu grau de instrução profana, cargo maçônico ou Grau alcançado em quaisquer dos ritos. Instrução de Aprendiz Maçom Irmão Lair Alonso Moschiara Junior Loja Luz de Akhnáton nº 20 - Cassilândia/MS Eu me encontrava em um mundo profano, sem ainda oportunidades entre vós, após algum tempo estava submetido à aprovação desta respeitável Ordem. Houve minha iniciação. Após uma introspecção sobre os princípios que regem esta instituição, uma pequena chama de conhecimento e compreensão toma forma a cada sessão. Segundo a minha Primeira Instrução recebida, compete a mim, Irmãos Aprendizes, o trabalho de desbastar a Pedra Bruta, ou seja, devo me desvencilhar dos meus defeitos e de minhas paixões. A Pedra Bruta, extraída das pedreiras, representa a natureza humana ainda grosseira, informe e à espera de ser trabalhada. Três instrumentos me foram apresentados, para que com eles me fossem dadas as noções básicas que a Maçonaria constrói, ou seja, transformá-la em Pedra Cubica, talhada em ângulos retos, conforme as exigências construtivas. Isto é, o mosaico de ligações de todas as consciências, afim de objetivarem a felicidade individual e social. Foram-me apresentados: O MAÇO, juntamente com o CINZEL, instrumentos utilizados para educar a nossa áspera e inculta personalidade para uma vida ou obra superior. Haverei sempre de me lembrar de que esses utensílios são indispensáveis para descobrir as protuberâncias ou falhas da minha personalidade. Assim a reflexão que julgo ter sido feita é a de que o Maçom deve trabalhar inteligentemente para o bem. De acordo com os preceitos contidos na literatura pesquisada de Jorge Adoum, GRAU DE APRENDIZ E SEUS MISTÉRIOS, o bem não deve permanecer apenas no seu foro íntimo: o Maçom tem o dever de praticá-lo igualmente nas suas relações familiares e no mundo em que vive. Se um dos ensinamentos aprendidos me diz que devo ter respeito ao próximo e ter a magnitude de minhas compreensões para com o nosso semelhante, onde estariam 13edição 139 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br

[close]

p. 14

a FRATERNIDADE, IGUALDADE e LIBERDADE um dos ternários da Maçonaria, apregoadas inclusive por leigos e profanos? Não devemos ter responsabilidades e deveres perante o Grande Arquiteto do Universo? Meu esforço tem que ser dedicado ao progresso universal. Tenho o dever de ajudar o Grande Arquiteto do Universo em sua Obra, construir e aprender por minhas próprias experiências (sem no entanto deixar de buscar apoio nos demais Irmãos tenho que sempre dar, sem jamais esperar por recompensa. Parece-me claro que, com relação às três viagens realizadas em minha Iniciação, o material lido e consultado nos indica o que é do nosso dever aprender - GRAMÁTICA, LÓGICA e RETÓRICA, ou ainda, que devo SENTIR FUNDO, PENSAR ALTO e FALAR CLARO. Se o Aprendiz, não sabe ler nem escrever, somente soletrar, é meu dever estudar ainda mais as Letras e os seus efeitos. Para tanto, meus Irmãos solicito sempre a vossa ajuda, em especial ao Vigilante de nossa Colunas, afim de que possa fazer novos progressos em meus estudos. Desta forma terei a oportunidade de cada vez melhor servir, de ser FILHOS DA LUZ, construtores com SABER, para também OUSAR, QUERER e CALAR. Sou maçom? Irmão Denilson Forato Almir Veríssimo - Eterno Aprendiz. Um dos grandes dilemas maçônicos é saber se podemos nos intitular maçons (Sou maçom!) ou se essa afirmativa não nos pertence e só pode ser feita por outro maçom. De fato, temos uma visão míope de nós mesmos. Tendemos a uma hipervalorização do nosso eu e, não raras vezes, em detrimento do outro… Explico melhor, fomos educados em um sistema de comparações em que um ponto geralmente é explicado ou visto em relação a outro. Tendemos ao comparativo e assim nos sentimos mais ricos quando vemos mais pobres, sentimo-nos mais bonitos quando vemos mais feios e assim por diante. Ocorre que por vezes nossa miopia egocêntrica é tão grande que nos assustamos com nós mesmos ao vermos nossa imagem refletida em um espelho. Tendemos a não acreditar no que vemos… não é possível que seja eu… Mas por vezes forçamos a barra e influímos na imagem do espelho, ou pelo menos no que ela está nos revelando. O feio se torna belo e assim por diante. Assim, ao nos considerarmos maçons, em detrimento de sermos reconhecidos como tal, chamamos para nós um conjunto de características do “ser maçom” que muitas vezes não apresentamos, não temos. Claro, sempre se pode invocar o formalismo. Sou maçom porque fui iniciado. Sou maçom porque pertenço à obediência tal… e etc… Mas isso realmente nos confere a autoridade para nos denominarmos maçons? O que é ser maçom??? É somente ter sido iniciado??? Não implica mais nada??? Desde meus tempos de aprendiz escuto um trocadilho muito usual em nosso meio, principalmente quando não gostamos de um determinado Irmão: “fulano é um profano de avental” ou então, quando encontramos qualidades em um não iniciado: “é um maçom sem avental”… Por certo ser maçom implica muito mais que ter passado por uma iniciação. Também reverbera em meu pensamento uma frase muito pronunciada em iniciações: “bem-vindo meu Irmão; esperamos agora que assim como você entrou para a Maçonaria que deixe que essa entre em você, em seu coração e atitudes…” Minha angústia, que motiva essa reflexão sobre SER MAÇOM, é a inépcia de nossos métodos “maçônicos” em muitos de nós. Não raro vemos Irmãos colados no grau de mestre, mestres instalados e, até 14 edição 139 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br

[close]

p. 15

no grau 33, com exposições diametralmente opostas à nossa filosofia, com atitudes antagônicas ao que se desprende de nossas alegorias e símbolos. Bem sei que deveria estar preocupado acima de tudo com a minha pedra bruta, evitando reparar nas imperfeições de outras pedras, mas isso está se tornando impossível para mim, pelo que peço humildes desculpas aos meus Irmãos, mas não dá para “tapar o sol com a peneira”, empresto aqui voz há muitos que têm se chocado com palavras e atitudes de outros Irmãos. Abate-me extremamente estar ao lado de Irmãos que acham que o cume de seus progressos na Maçonaria são os graus colados… ser grau 33 em seu rito, ser mestre “instalado”, estar autoridade maçônica e assim por diante e, deixam à humildade, a fraternidade, o carinho e virtudes trancados no armário, o armário da arrogância e da empáfia. Abate-me saber que Irmãos são indiciados civil ou criminalmente pelos mais variados delitos ou crimes. Abate-me ter conhecimento de Irmãos que batem em suas esposas, filhos e familiares. Abatem-me as disputas para saber quem é mais maçom, quem tem o maior grau… quem foi melhor Venerável Mestre. Não consigo entender também como alguns insistem em trazer o pior de suas práticas profissionais para o seio das Lojas. Estive em Lojas onde me senti como em um tribunal de justiça, onde se fazia de tudo menos aquela Egrégora gostosa de estar entre Irmãos. Todas as palavras eram medidas com cuidado, os pronunciamentos eram cheios de erudição jurídica, menos maçônica. A sessão travava com os famigerados “pela ordem Venerável”… E o que falar dos Irmãos entendidos em política. Raro é os ver apresentando um trabalho sobre alegoria ou simbolismo maçônico… a tônica é uma só: política. Voltamos então ao fulcro desta reflexão: sou maçom ou sou reconhecido como tal? O que significa ser reconhecido como maçom? O que ou quem é o maçom? Há algo que o diferencia de outro ente? Se nos orientarmos pelos rituais e pela literatura maçônica teremos uma visão superidealizada do SER MAÇOM. Ele mais se parece com um super-homem, dotado de poderes extraordinários. Mas no convívio, no dia a dia, se desfaz essa visão do super-homem. Eu pelo menos nunca o encontrei entre nós, pelo menos não na forma idealizada. Muito menos em mim mesmo… Está mais do que na hora de nos despirmos do modus profano. De tirarmos as nossas máscaras e darmos um passo em direção ao autêntico “ser maçom”. Está na hora de sermos maçons. Reconheça que você não é o centro do universo! Reconheça que outros podem vivenciar mais a maçonaria do que você! Reconheça que graus de nada servem se seu coração e atitudes não passaram daquelas do grau 1 (pedra bruta)! Reconheça que ser Mestre Instalado não lhe dá direitos acima de seus Irmãos! Reconheça que tem pesquisado, estudado e refletido muito pouco em nossos símbolos, alegorias e ritualística! Reconheça que tem faltado às sessões porque se acha melhor que aqueles que estão sempre lá, gostando ou não, ajudando nos trabalhos em Loja. Reconheça que se é verdade que Maçonaria não se faz somente em Loja, também o é verdade que sem estar em Loja não se faz Maçonaria! É na Loja que exercitamos o submeter minhas vontades e fazer novos progressos na maçonaria. Não se iluda. Reconheça que a Maçonaria não é clube social, partido político, confraria da cerveja ou o quintal de sua casa, terraço de seu apartamento, sala de seu trabalho, mas uma Ordem INICIÁTICA. Reconheça, por fim, que você não é dono da Loja. Deixe que as alegorias e símbolos tomem forma em seu interior e se manifestem em suas atitudes, não em meras palavras. Deixe que o movimento da Egrégora maçônica lhe tome a mente, o coração. Deixe que a humildade aflore em suas palavras e ações. Não tema, pode baixar a guarda, você está entre Irmãos. Por fim, receba seu prêmio, não é um avental mais bonito que o dos outros Irmãos ou um título de MI ou 33º, mas, tão somente uma ação: você é reconhecido como tal, sem sombras de dúvidas! 15edição 139 • 2018 • www.revistaconsciencia.com.br

[close]

Comments

no comments yet