Informativo Ceriluz 40

 

Embed or link this publication

Description

Informativo Ceriluz Além da Energia

Popular Pages


p. 1

Ano XII / Nº 40 / SETEMBRO DE 2018 Pg. 3 e 4 CERILUZ INICIA CONSTRUÇÃO DA PCH SEDE II – CENTENÁRIA, EMPREENDIMENTO FIXADO AO LADO DA CIDADE DE IJUÍ A Pequena Central Hidrelétrica exigirá investimento de aproximadamente R$40 milhões de reais e, ao final, representará um acréscimo de 07 Megawatts (MW) na capacidade instalada das usinas da Ceriluz. Projeto é integralmente do Grupo Ceriluz, com ações divididas entre a Ceriluz Geração e a Ceriluz Provedores de Internet. Pg. 8 e 9 PROJETOS DE CONDOMÍNIOS SOCIAS VISAM ATENDER ASSOCIADOS COM MAIS DE 60 ANOS O primeiro Condomínio Melhor Idade foi lançado na Feira de Catuípe, em maio, e prevê a construção de casas de repouso e estrutura completa para atendimentos especiais de preservação da saúde. Paralelo ao projeto social será implantado Parque Solar com potência inicial de 01 Megawatt, que contribuirá para a manutenção das atividades assistenciais. Pg. 5 BÔNUS CERILUZ GERAÇÃO TOTALIZA MAIS DE R$ 2,5 MILHÕES EM DESCONTOS Os recursos foram repassados para 11,5 mil cooperados ao longo de doze meses, entre abril de 2017 e março de 2018, na forma de descontos de 20% no valor da energia consumida pelas Unidades Consumidoras (UCs) das classes Rural e Residencial. Pg. 6 ANEEL DEFINE REAJUSTE DAS TARIFAS DE ENERGIA PARA ASSOCIADOS Em reunião da diretoria, a Agência Nacional de Energia Elétrica determinou aumento médio de 10% aos associados. Nesse ano foi realizada a segunda Revisão Tarifária, que ocorre de quatro em quatro anos, e que avalia todos os fatores que influenciam o equilíbrio financeiro da Cooperativa. Pg. 7 SUBSTITUIÇÃO DE TRANSFORMADOR PERMITE MELHORIA EM DUAS SUBESTAÇÕES Adquirindo apenas um transformador, a Ceriluz permitiu duas melhorias em suas subestações. A SE Reinholdo Luiz Kommers, em Ijuí, passou de uma capacidade 20 Megavolts-ampere (MVA) para 22,5 MVA e a SE Aparício Piccinin, em Santo Augusto, passou de 10MVA para 15 MVA de capacidade. Pg. 10 ENCONTROS DE COMUNIDADE 2018 SERÃO VOLTADOS À CULTURA Cooperativa vai levar até seus associados cinco encontros em setembro, caracterizados como palestra/show com o artista cultural Beto Pires, de Santa Maria, que mescla interação com o público, músicas e bom humor.

[close]

p. 2

EDITORIAL PLANTAR PARA COLHER Todo o agricultor sabe que para colher é preciso plantar. O dono da indústria entende que precisa investir na fábrica para ter um produto. O comerciante não tem como vender sem antes comprar de um bom fornecedor. Essa é a lógica dos negócios. Ao investir em suas usinas a Ceriluz está fazendo esse mesmo raciocínio, uma vez que são as usinas que garantem o abastecimento da energia que a Cooperativa fornece aos seus associados. Mesmo com o sistema elétrico interligado, ter usinas próprias significa maior estabilidade no fornecimento e garantia de oferta no futuro. Além disso, são elas que afiançam os investimentos sociais que a Cooperativa faz e que não seriam possíveis apenas com a distribuição de energia, seja pelos rendimentos mais apertados, seja pelas limitações da legislação. A Ceriluz iniciou no mês de agosto mais um “plantio”, ou a construção de mais uma “fábrica” de energia, como preferirem. Deu o pontapé inicial para a construção da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Sede II - Centenária. Usina 100% do Grupo - 99% da Ceriluz Geração de 01% da Ceriluz Provedores - que permitirá, ao menos por um período, produzir mais energia do que seus associados consomem, somando a produtividade de todas as usinas. Mais uma obra desafiadora, próxima à cidade de Ijuí, mas que, com certeza, a Cooperativa e seus profissionais têm capacidade de executar pelo conhecimento adquirido na construção de outras unidades geradoras com características semelhantes. A construção dessa usina é um dos destaques deste informativo, apresentado nas páginas 03 e 04. Nesta revista, no entanto, não falamos apenas do plantio, mas também da colheita. Temas como o repasse de mais de R$2,5 milhões de reais aos associados pelo Bônus Ceriluz Geração (pg.05) e a construção dos condomínios Melhor Idade (págs. 08 e 09), representam bem essa colheita. São resultados que somente são possíveis pela construção das PCHS, ideia que foi plantada há praticamente vinte anos atrás, ao se decidir pela construção da Central Geradora Hidrelétrica (CGH) Nilo Bonfanti, em Chiapetta. Outros bons resultados que apresentamos aqui são as ampliações das duas subestações da Ceriluz, nos municípios de Ijuí e Santo Augusto (pg.07). Melhorias que refletem em qualidade de energia e, consequentemente, em possibilidades de investimentos por parte dos associados, que por sua vez, darão novo fôlego para o desenvolvimento da região, que não se dá sem esse insumo. Este é o diferencial das cooperativas, onde os resultados não ficam nas mãos de poucos, mas se distribuem, não necessariamente na forma de recursos financeiros, mas também de serviços e produtos de qualidade. O importante é o associado compreender que, quando ele investe na Cooperativa, ele está plantando para colher. Uma boa leitura a todos. INDICADORES DE MELHORIAS A Ceriluz realiza mensalmente um encontro entre os diversos setores da Cooperativa, com o objetivo de debater os Indicadores de Desempenho alcançados por cada uma das equipes de trabalho. O encontro atende as exigências da Certificação ISO 9001, conquistada pela Ceriluz em outubro de 2017, e conta com a participação do consultor Renan Mezari Guidarini, responsável pelo processo de implantação do programa de qualidade na Cooperativa. Durante o encontro cada setor compartilha os resultados alcançados para os demais colegas. Contudo, mais do que apresentar o que se alcançou o objetivo é gerar informações que demonstrem aonde ainda é necessário se melhorar e em que direção devem ser dados os passos seguintes. Juntando as diferentes equipes a Cooperativa busca congregar os esforços na otimização dos serviços, até porque, todas as atividades estão interligadas. Almeja-se como consequência desses encontros, reflexos na qualidade dos serviços prestados, beneficiando principalmente aos associados da Cooperativa. PLANO DE SAÚDE I O contrato firmado entre a Ceriluz e a Operadora do Plano de Saúde UNIMED Noroeste prevê que sempre no mês de maio ocorre a revisão do valor do plano. Neste ano de 2018, contudo, não houve reajuste no valor da mensalidade. Assim, durante o ano vigente os beneficiários do plano de saúde seguirão pagando uma mensalidade de R$ 103,82. Os benefícios seguem os mesmos: a garantia do mesmo valor da mensalidade para todas as faixas etárias e de atendimento ambulatorial, ou seja, com cobertura para consultas médicas e exames laboratoriais com todas as especialidades credenciadas pela Unimed. O plano apenas não cobre internações hospitalares. Atualmente são mais de 4.600 usuários, entre titulares e dependentes. PLANO DE SAÚDE II No mês de maio venceram todas as carteiras de beneficiários do plano Associado Ceriluz e estas devem ser substituídas pelo novo cartão, até porque a apresentação da carteira é obrigatória para o atendimento de consultas já agendadas ou qualquer procedimento a ser realizado, tais como exames de imagem e de laboratório. Os serviços não realizam atendimento com a carteira já vencida. As novas carteiras devem ser retiradas no setor de Relacionamento com o Cliente, localizado na Sala 301 da Sede Administrativa da Unimed, na Rua Siqueira Couto, 93, centro de Ijuí. Ouça o Informativo Ceriluz/Rádio www.ceriluz.com.br/informativos de rádio Sábado – 6h45 às 7h - Rádio Repórter Domingo - 8h15 às 8h30 - Rádio Progresso Rádio Jornal da Manhã - Rádio Águas Claras Rádio Querência - Rádio Ciranda Rádio Liberdade - Rádio Ativa Mais notícias sobre a Ceriluz em: www.ceriluz.com.br EXPEDIENTE Informativo Ceriluz Além da Energia - Edição 39 Produção: Assessoria de Comunicação Social Jornalista: Vilson Wagner (wagner@ceriluz.com.br) Diagramação/Impressão: ITS Gráfica e Editora Jornalística LTDA Tiragem: 10.500 unidades Distribuição gratuita

[close]

p. 3

CERILUZ DÁ INÍCIO AOS TRABALHOS DE CONSTRUÇÃO DA PCH SEDE II/CENTENÁRIA Com a Licença de Instalação (LI) da Pequena Central Hidrelétrica Sede II/Centenária em mãos desde o mês de março e a aprovação do financiamento da obra pelo Banco Regional de Desenvolvimento (BRDE), a Ceriluz deu início, nos últimos dias, aos trabalhos visando a construção efetiva da usina, que será localizada na região da Linha 04, em Ijuí. Os primeiros trabalhos se caracterizaram pela limpeza dos espaços e o início da escavação do canal adutor, que dará acesso ao túnel de aproximadamente dois quilômetros, que vai conectar a barragem à casa de máquinas principal. Essas primeiras intervenções no canteiro de obras foram apresentadas aos conselheiros da Cooperativa no dia 26 de julho, em visita coordenada pelo presidente da Ceriluz, Iloir de Pauli. Ele apresentou detalhes do projeto aos presentes. A construção do túnel, que terá cinco metros de diâmetro, conforme o presidente, será um dos principais desafios do projeto, pela sua extensão de quase dois quilômetros, e também representará um dos maiores custos, estando estimado em R$15 milhões. “Com a obtenção da Licença de Instalação, com recursos próprios, começamos a fazer escavações com o objetivo de definir o emboque do túnel. Também já definimos o local onde este vai sair, a dois quilômetros da cascata Waslawick, onde também estamos fazendo a limpeza do local com o objetivo de chegar na rocha e iniciar a sua escavação”, explica o presidente. As obras devem se intensificar nos próximos dias, com expectativa de conclusão em 16 meses. A previsão é de um investimento de R$ 40 milhões para a construção da usina que terá uma Capacidade instalada de 07 Megawatts (MW). Obra da PCH teve início pelo canal adutor que dará acesso à empresa que fará a perfuração do túnel Conselheiros da Ceriluz visitaram o local onde será implantada a obra da PCH Sede II

[close]

p. 4

Usina será a primeira financiada pelo BRDE do Programa Gaúcho de Incentivo às PCHs ACeriluz recebeu no dia 13 de julho a notícia da aprovação do financiamento da obra da PCH Sede II Centenária junto ao Banco Regional do Desenvolvimento (BRDE), durante reunião do Comitê de Monitoramento do Programa Gaúcho de Incentivo às PCHs (COMPECH). A PCH Sede II – Centenária será a primeira usina financiada pelo BRDE dentro do programa gaúcho e também a primeira que recebeu Licença de Instalação - em março – cujo processo transcorreu inteiramente pelo Sistema Online de Licenciamento – SOL. A reunião contou com a presença do governador do Estado, José Ivo Sartori e, representando a Ceriluz, do presidente Iloir de Pauli e do engenheiro eletricista João Fernando Costa. O presidente Iloir de Pauli valorizou a inciativa do Estado a partir do Programa de Incentivo às PCHS. “Para nós, do grupo Ceriluz, é um grande orgulho estar aqui hoje confirmando a aprovação do financiamento. O orgulho é ainda maior pela PCH Sede II Centenária simbolizar o sucesso do Programa Gaúcho de Incentivo às Pequenas Centrais Hidrelétricas, idealizado há um ano, e que hoje demonstra seus resultados”, afirmou. O presidente ainda mencionou o fato do Estado estar dando a devida importância para a implantação de PCHs, que fomentam o desenvolvimento regional. “Vale destacar que investir em Presidente Iloir de Pauli, juntamente com representantes da Secretaria de Meio Ambiente, FEPAM e BRDE, no ato de entrega da aprovação do financiamento da usina. geração de energia, e aqui cito de forma especial as usinas das Cooperativas, não é gerar lucro para um investidor apenas, mas resultados para toda a sociedade, pois gerar energia significa desenvolvimento econômico e social”, reforçou. Preservação do Patrimônio Histórico Além dos investimentos na infraestrutura física da usina, propriamente dita, serão aplicados recursos com o objetivo de preservar o patrimônio histórico local. Estão sendo reformadas duas casas antigas ali localizadas e ainda o prédio do antigo Moinho Waslawick e os seus equipamentos. Como o projeto define a desativação da Usina Velha, do Departamento Municipal de Energia de Ijuí (DEMEI), a Ceriluz ainda assumiu, como contrapartida, a recuperação de prédios históricos localizadas na área daquela Central Geradora Hidrelétrica (CGH), que completará 100 anos em 2023. Casa histórica em área próxima a escavação do canal adutor. Antigo moinho ao lado da cascata Waslawick. Prédios históricos na Usina Velha, do Demei.

[close]

p. 5

BÔNUS CERILUZ GERAÇÃO REPASSA MAIS DE 2,5 MILHÕES PARA ASSOCIADOS Os associados da Ceriluz que costumam analisar todas as informações de sua fatura de energia observaram que ao longo dos meses de abril de 2017 e março de 2018 a Ceriluz disponibilizou um desconto de 20% sobre o consumo de energia, denominado de Bônus Ceriluz Geração, conforme definido em Assembleia Geral Ordinária (AGO) da Cooperativa de Geração de Energia e Desenvolvimento Social Ltda, responsável pelo investimento. Nesse período a cooperativa contabilizou o repasse de R$ 2,53 milhões para mais de 11,5 mil associados. “Esse valor representa uma efetiva distribuição de resultados e isso só foi possível porque nós somos uma Cooperativa, onde todos os consumidores são associados. E fizemos isso num tempo onde a Ceriluz pratica as menores tarifas em relação às distribuidoras mais próximas”, explica o gerente administrativo/financeiro da Ceriluz, Ivo Boratti. Ele lembra, no entanto, que esse repasse foi feito apenas para associados Pessoa Física, não incluindo as demais classes e não contemplando os consumidores irrigantes, que já recebem subsídios do governo federal. Outro fato importante para o associado observar é que o desconto de 20% se deu apenas sobre o consumo de energia. “Numa fatura de energia nós temos a discriminação de vários valores. Um dos valores é o consumo de energia, mas além dele nós temos tributos, basicamente ICMS, PIS e Cofins, outros débitos autorizados pelos associados, como plano de saúde e contribuições para entidades, e podemos ter, eventualmente, bandeiras tarifárias, conforme os custos da geração de energia. Esse desconto não incidiu sobre tributos, bandeiras tarifárias e outros débitos, uma vez que esses a Ceriluz simplesmente arrecada e repassa para o governo ou às entidades vinculadas”, esclarece Boratti. A Ceriluz Geração repassou à Ceriluz Distribuição os valores não arrecadados pela distribuidora ao longo da vigência do Bônus Ceriluz e, conforme Boratti, é o retorno dos investimentos realizados nos últimos anos em usinas hidrelétricas. “A grande fonte de resultados está nos investimentos feitos em geração de energia. É a partir das usinas que foram construídas que a Ceriluz passou a reunir condições para esse e outros benefícios que a Cooperativa eventualmente fornece aos seus associados”, garante. Divisão dos negócios – A separação das atividades da Ceriluz em geração e distribuição de energia se deu em razão do processo de regulamentação da distribuição de energia perante a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e deu origem a duas cooperativas, Ceriluz Geração e Ceriluz Distribuição. A Ceriluz Geração, fundada em 2006, passou a gerenciar os ativos das usinas existentes e a fomentar parcerias. Atualmente ela participa do capital de outras oito empresas, entre elas a Ceriluz Provedores de Internet, e a outras Sociedades de Propósito Específico (SPEs), que se referem a empreendimentos voltados para a geração de energia, compondo assim o Grupo Ceriluz.

[close]

p. 6

AUMENTO DAS TARIFAS FOI DE 9,35% PARA A MAIORIA DOS ASSOCIADOS Estão vigorando desde o dia 30 de julho as novas tarifas de energia da Ceriluz. Os índices de reajuste foram definidos no dia 24 de julho, durante a 26ª reunião da diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). As tarifas de energia da Ceriluz terão um reajuste médio de 10%, sendo que os associados de Baixa Tensão que englobam a maioria dos consumidores, entre eles as classes rural e residencial – terão aumento de 9,35%, enquanto que os de Alta Tensão – grandes consumidores – perceberão elevação de 10,55%. As novas tarifas têm a vigência de um ano. Neste ano de 2018 a Ceriluz enfrentou sua segunda Revisão Tarifária, que ocorre de quatro em quatro anos, conforme contrato de Permissão de Serviço Público assinado em 2010. Nesse processo a agência reguladora avalia todos os fatores que influenciam o equilíbrio financeiro da Cooperativa e, a partir desses dados, define uma nova tarifa. A correção anual dos valores é denominada de Reajuste Tarifário e é simplificada, considerando principalmente fatores de mercado. O reajuste definido pela Aneel atende às expectativas da direção da Ceriluz, que estimava aumento próximo aos 10%, considerando que, pela nova legislação, estão Pela complexidade do sistema elétrico no meio rural, o governo repassa subvenções à cooperativa via CDE. sendo retirados subsídios da Cooperativa na compra de energia da supridora. “Nesse ponto fomos favorecidos pela Lei 13.360/2016, que regulamenta o setor e define subvenções às cooperativas, considerando as dificuldades que elas enfrentam para atender seus associados” avalia o presidente da Ceriluz, Iloir de Pauli. “Se não fosse por isso, com certeza, o aumento seria ainda maior, uma vez que os associados teriam que arcar com a retirada dos descontos na compra”, acrescenta. Para compreender - Por sua atuação em áreas de difícil acesso, principalmente no meio rural, de menor densidade demográfica, as cooperativas eram beneficiadas com subsídios na compra de energia. A nova legislação retirou esses subsídios, igualando as condições das cooperativas as das concessionárias. Considerando que os custos de distribuição no meio rural são maiores, pela distância entre as Unidades Consumidoras, a Lei 13.360/2016, definiu a compensação dessa retirada, por meio de repasses de subvenções pela Conta de Desenvolvimento Energético – CDE, diretamente às Cooperativas. REPRESENTANTES DA CERSAD (SC) BUSCAM EXPERIÊNCIAS NA CERILUZ No dia 07 de agosto estiveram na Ceriluz dois representantes da Cooperativa de Energia Elétrica Salto Donner - Cersad, de Doutor Pedrinho, Santa Catarina. Realizaram a visita o presidente da cooperativa, Cláudio André Roeder, e o contador, Wesley Tonolli. A iniciativa fez parte de um roteiro da dupla no estado do Rio Grande do Sul, que incluiu ainda as cooperativas Certel, de Teutônia, Creral, de Erechim, Coprel, de Ibirubá, e também a concessionária Hidropan, de Panambi. Ambos são alunos do curso de MBA Executivo em Administração – Setor Elétrico, promovido pela Fundação Getúlio Vargas – FGV, em Lages, SC, nos últimos dois anos. Além de visitar colegas do curso nessas distribuidoras de energia, o objetivo, conforme o presidente Cláudio André Roeder, foi conhecer as diferentes experiências destas empresas nas áreas de geração e distribuição de energia. Um dos principais pontos diz respeito à regulamentação da Cersad como Permissionária de Serviço Público, uma vez que as cooperativas visitadas já estão regulamentadas, enquanto que a cooperativa de Santa Catarina deve assinar no próximo mês o seu contrato junto à Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel. “Hoje não estamos no ambiente regulado, devemos assinar o contrato em setembro e estamos buscando ver o que estas cooperativas que já são reguladas estão fazendo, como elas se anteciparam para essa regulamentação [...] e tentar aplicar alguma coisa na nossa cooperativa assim que ela for regulamentada”, comentou Roeder. Ambos estiveram reunidos com diretores da Ceriluz, incluindo o presidente Iloir de Pauli, que responderam Diretores da Cersad e da Ceriluz realizaram visita na PCH RS-155 dúvidas sobre o tema, repassando informações que servirão de subsídios para os próximos passos da cooperativa catarinense. Apesar de ser mais antiga que a Ceriluz – está com 59 anos - a Cersad é uma organização de pequeno porte, com pouco mais de 1,2 mil unidades consumidoras e duas usinas em operação, com capacidade instalada de 5 Megawatts (MW). No roteiro na Ceriluz esteve incluída visita ao canteiro de obras de Pequena Central Hidrelétrica Sede II – Centenária e da estrutura da PCH RS-155.

[close]

p. 7

AMPLIAÇÃO DA CAPACIDADE DE SUBESTAÇÕES DÁ SUPORTE PARA AUMENTOS DE CARGA ACeriluz ampliou a capacidade instalada das suas duas subestações, a SE Ceriluz 01 – Reinholdo Luiz Kommers, e a SE Ceriluz 02 – Aparício Piccinin. Isso ocorreu a partir da troca inicial de um transformador da Subestação Ceriluz 01 – Reinholdo Luiz Kommers, localizada na comunidade de Chorão, em Ijuí, que passou de uma potência de 20 Megavolts-ampere (MVA) para 22,5 MVA. A Subestação Reinholdo Kommers possui dois transformadores e ambos eram de 10MVA, porém, um deles foi substituído por um novo de 12,5 MVA, totalizando investimento de R$1,2 milhões. Desde seu funcionamento, esta foi a segunda vez que a estrutura passou por uma ampliação da capacidade de carga. Em janeiro de 2013 a Cooperativa efetivou a substituição de dois transformadores de 5 MVA por outros dois de 10 MVA, dobrando a sua capacidade. Esse investimento na subestação de Ijuí também terá reflexos na Subestação Ceriluz 02 – Aparício Piccinin, localizada na comunidade de São Jacó, em Santo Augusto. Isso porque o transformador de 10 MVA retirado da subestação de Ijuí irá substituir um transformador de 5 MVA da subestação de Santo Augusto, elevando sua capacidade de 10MVA para 15 MVA. A ampliação de capacidade das duas unidades de transformação traz mais segurança para os associados que poderão ampliar seus investimentos, como explica o engenheiro eletricista responsável pelo setor de redes, Bráulio Schussler. “As duas subestações trabalhavam com a Novo transformador instalado na subestação de Chorão tem potência de 12,5 Megavolts-Apere capacidade para, no caso da falha de um equipamento, o outro conseguir assumir toda a carga, no entanto, com o aumento de ligações que tivemos para atender pivôs de irrigação, principalmente na Subestação de Santo Augusto, dependendo a época do ano, um transformador não conseguia mais absorver a carga pelos dois. Esse foi o principal motivo que nos levou a fazer esse aumento de capacidade destas duas subestações”. O segundo motivo das trocas foi a necessidade de um transformador reserva. Com esse remanejamento o transformador do 5MVA retirado da Subestação Aparício Piccinin será desativado provisoriamente podendo ser reaproveitado em caso de dano a algum dos transformadores em operação. Num médio prazo ele será reutilizado em uma nova subestação a ser implantada para a segurança energética na área de ação da Ceriluz. Além dessas duas subestações, SE Reinholdo Kommers e SE Aparício Piccinin, a Cooperativa possui conexão com a Subestação Ijuí 01, no município de Ijuí, de propriedade da CEEE. Subestação Aparício Piccinin - Santo Augusto Subestação Reinholdo Luiz Komers - Ijuí

[close]

p. 8

PROJETO SOCIAL LEVARÁ QUALIDADE DE VIDA AOS ASSOCIADOS IDOSOS DA CERILUZ Os associados da Ceriluz já estão familiarizados com os lemas da Cooperativa, como o “Além da Energia” e, o mais recente, “Energia para a Vida”. Agora a Cooperativa dá novos passos no sentido de consolidar estes conceitos apresentando um novo projeto social focado na qualidade de vida dos associados idosos. A proposta consiste na construção de condomínios voltados a atender às necessidades de pessoas com idade acima de 60 anos. Os Condomínios Melhor Idade contarão com casas de repouso, onde os associados poderão permanecer por tempo indeterminado, e estrutura completa para atendimentos especiais para a preservação da saúde. O primeiro Condomínio Melhor Idade já tem local definido para ser construído. Será em Catuípe, ao lado da RS 342, logo após o trevo de acesso à cidade, onde a Ceriluz adquiriu área de 12 hectares e cujas obras devem iniciar em 2019. O projeto foi lançado oficialmente no dia 31 de maio, em evento que integrou o programa da 12ª Feira da Indústria, Comércio e Desenvolvimento de Catuípe – FEICAT, ato que contou com a presença de autoridades regionais, estaduais e associados. “Este será o primeiro projeto de Presidente da Ceriluz, Iloir de Pauli, apresentou o projeto aos presentes no evento de lançamento. uma série que planejamos expandir para outros municípios. Hoje se fala muito em sucessão familiar, o que é importante, mas às vezes se esquece da qualidade de vida do pai e da mãe que passam a responsabilidade para seus filhos. Eles precisam continuar tendo tarefas, tendo opções para o dia a dia que lhes garanta qualidade de vida”, afirmou o presidente da Ceriluz, Iloir de Pauli. Além dos espaços interdisciplinares, os condomínios projetam também ambientes para prática de esportes, atividades de lazer e laborais. Para viabilizar estes atendimentos especializados a Cooperativa está firmando parcerias, especialmente com prefeituras, que disponibilizarão seus profissionais para propiciar os serviços de assistência médica, odontológica, de fisioterapia, psicologia, entre outros. “A Ceriluz mais uma vez sai na frente e pensa nas pessoas além do econômico. Eu agradeço, em nome dos mais de 10 mil habitantes de Catuípe, por termos sido escolhidos para ser o embrião desse projeto que com certeza trará muitos benefícios para a comunidade catuipana, principalmente aos associados da Ceriluz”, comemorou o prefeito de Catuípe, Joelson Baroni.

[close]

p. 9

Projeto solar ajudará a viabilizar os condomínios Melhor Idade Oprojeto lançado na feira conta ainda com uma Usina Solar instalada no mesmo terreno, que visa dar sustentabilidade ao projeto social, podendo suprir até 70% dos custos, conforme o presidente Iloir de Pauli. Neste projeto do Parque Solar de Catuípe serão investidos aproximadamente R$ 7 milhões e a expectativa da direção é iniciar a instalação no segundo semestre de 2018, com os trabalhos se estendendo por seis a oito meses. Inicialmente serão mais de três mil painéis solares, com uma capacidade instalada de 1 Megawatt (MW), já estando prevista a ampliação para 2 MW. Parque Solar, anexo ao Condomínio, ajudará na manutenção dos custos do projeto social.

[close]

p. 10

ENCONTROS DE COMUNIDADE LEVARÃO MÚSICA E HUMOR PARA ASSOCIADOS DA CERILUZ ACeriluz irá mais uma vez ao encontro de seus associados e vai realizar mais uma edição dos seus encontros de comunidade, do Programa Além da Energia. Esse ano, contudo, a proposta é um pouco diferente. Ao invés de palestras informativas, como ocorriam nos últimos anos, quando foram abordados diversos temas, entre eles saúde, motivação e gestão de negócios, em 2018, as atividades se voltarão a levar cultura e bom humor. Para isso será realizada a palestra show “Beto Pires: um Prato cheio de Humor e Música”. Nascido em Santa Maria, Beto Pires começou aos 16 anos tocando em bares noturnos, e depois, passou a improvisar e interagir com a plateia, usando o humor para ligar uma canção na outra. Beto Pires já realizou inúmeras palestras para empresas e instituições pelo Brasil. Os encontros estão agendados para acontecer no mês de setembro, em cinco diferentes comunidades. No município de Ijuí serão visitadas a Linha 07 Leste e a Vila Chorão; em Augusto Pestana o encontro será na Linha São Miguel; em Catuípe, na Comunidade de Três Vendas e em Ajuricaba, no salão Paroquial Católico (veja ao lado a programação). Os encontros são voltados para as famílias. Além da apresentação de música e humor, os associados poderão interagir com diretores da Ceriluz. Abrindo os encontros, diretores da Cooperativa, incluindo o presidente Iloir de Pauli, apresentarão as principais ações e projetos em desenvolvimento na Ceriluz. Agende a data do encontro mais próximo da sua comunidade e compareça. O associado pode fazer a adesão antecipada com representantes das comunidades, diretamente na Ceriluz ou pelo telefone 0800 51 3130. Músico Beto Pires mescla bom humor e música em suas palestras. DATA 12/09/18 13/09/18 25/09/18 26/09/18 27/09/18 COMUNIDADE Linha 7 Leste Linha São Miguel Salão Paroquial Católico Comunidade Três Vendas Vila Chorão CIDADE Ijuí Aug. Pestana Ajuricaba Catuípe Ijuí HORA 19h 19h 19h 19h 19h MEDIDAS PREVENTIVAS PODEM MINIMIZAR DANOS EM TEMPORAIS Neste ano de 2018 o Rio Grande do Sul já registrou casos de fortes temporais em diferentes regiões. Inclusive a área de atuação da Ceriluz foi atingida, mas de forma mais amena. E os próximos meses tendem a ser ainda mais agitados, principalmente com a possibilidade da ocorrência do fenômeno El Ninho. Preventivamente deixamos na sequencia algumas orientações de segurança para momentos em que ocorrem temporais: Para sua segurança: • Permaneça dentro de casa até a tempestade terminar; • Não tome banho ou utilize torneira elétrica; • Evite contato com qualquer objeto que possua estrutura metálica, como fogões, geladeiras, torneiras; • Se estiver fora de casa evite ficar em lugares abertos, como pastos, campos de futebol e também locais elevados; • Evite contato com cercas de arame, grades, tubos metálicos, linhas telefônicas e de energia elétrica ou com qualquer objeto metálico; • Caso esteja em um veículo, permaneça dentro dele. Feche os vidros e não encoste nas partes metálicas; • Caso não houver nenhum abrigo por perto, fique agachado com os pés juntos até a tempestade passar. Em relação à energia: • Desligue os aparelhos e motores elétricos para não queimar os equipamentos; • Se faltar energia, primeiro verifique se o disjuntor de proteção do seu padrão de medição está na posição ligado; • Confira com seus vizinhos se eles também estão com falta de luz; • Entre em contato com a Ceriluz. Caso os demais vizinhos também estejam sem energia não há necessidade de todos ligarem. Deve ser um problema comum a todos; • Na medida do possível, deixe os aparelhos elétricos desligados das tomadas até o retorno da energia; • Em caso de poste caído ou cabos de energia no chão, não se aproxime, pois ela pode continuar energizada. Faça contato imediato com a Ceriluz.

[close]

p. 11

PROJETO ORIENTA ESTUDANTES SOBRE SEGURANÇA E CONSUMO DE ENERGIA ACeriluz é parceira do Projeto Energia Amiga, iniciativa coordenada pelo curso de engenharia elétrica da Unijuí e que consiste em disseminar conhecimento sobre os conceitos da eletricidade, consumo consciente e o uso seguro das instalações elétricas. O projeto se volta para escolas de ensino fundamental do município de Ijuí, alcançando principalmente estudantes dos terceiros e nonos anos do ensino fundamental. Inicialmente foram realizadas palestras, ministradas pela professora do curso de engenharia elétrica Caroline Raduns, que têm o objetivo de aproximar os conceitos teóricos de eletricidade com a vivência diária dos alunos e seus familiares. Foram visitadas as escolas, Dona Leopoldina, Nossa Senhora da Conceição, João Goulart, Rui Barbosa, Eugênio Storck, Osvaldo Aranha, Joaquin Nabuco, Luiz Fogliato, Davi Canabarro, Madre Stanislá, Pedro Maciel, e Tomé de Souza, Giovana Margarita, Dr. Ruy Ramos, 15 de novembro, IMEAB, Sagrado Coração de Jesus e EFA. Além das orientações em sala de aula, para demonstrar seu aprendizado, posteriormente os alunos participarão de um concurso de desenho e redação, abordando o tema do projeto, cuja construção se deu em sala de aula. O concurso irá premiar os melhores trabalhos, recebendo premiação o aluno, o professor e a escola. Os alunos vencedores da etapa regional participarão da etapa nacional promovida pela ABRACOPEL - Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade. A coordenadora do programa, professora Caroline Raduns, salienta o fato do projeto ir até as escolas, não só urbanas, mas também rurais. “Nós conseguimos nesse projeto fazer o transporte desse material e estas atividades até às escolas, e isso também permite abordar Alunos recebem orientações sobre a teoria da eletricidade e os riscos em seu mau uso. experiências locais, informações sobre o dia a dia deles e como isso se contextualiza em relação às instalações elétricas”. A diretora da escola Madre Stanislá, de Alto da União, considera de suma importância a interação da escola com a sociedade, o que dá um real significado ao saber pedagógico. “A gente considera que dessa forma conseguimos tornar os alunos protagonistas, eles se tornam cidadãos, sujeitos ativos, na sua proteção e na proteção do ambiente”. O engenheiro eletricista da Ceriluz, Bráulio Schussler, destaca que a energia está presente no nosso cotidiano e, sendo assim, é fundamental conhece-la melhor para evitar riscos. “É praticamente impossível nos vermos em qualquer situação sem que de alguma forma a eletricidade esteja presente, sendo assim, é de suma importância que a conheçamos e compreendamos um pouco melhor, que a valorizemos e acima de tudo a utilizemos de forma consciente”, afirma. Além da Ceriluz e da Abracopel, apoiam a iniciativa o Conselho de Consumidores do Departamento Municipal de Energia de Ijuí - DEMEI, A 36ª Coordenadoria de Educação – CRE/RS, Secretaria Municipal de Educação de Ijuí e o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia - CREA-RS. Professora Caroline Raduns na palestra na Escola de Alto da União, em Ijuí. ASSOCIADOS PODEM FAZER DOAÇÕES À AMAE VIA FATURAS DE ENERGIA ACeriluz firmou parceria com a Associação Municipal dos Amigos Especiais – AMAE, de Chiapetta, com o objetivo de possibilitar a arrecadação de recursos para a manutenção da entidade filantrópica. Para contribuir com a iniciativa o associado interessado deve procurar a AMAE e lá assinar um formulário que autoriza o débito junto à fatura de energia de um valor definido pelo doador. Com essa autorização a Ceriluz irá inserir o valor doado na fatura mensal do consumidor, o cobrando e repassando posteriormente para a associação. Além do valor, o doador decide o tempo que quer contribuir mas pode cancelar a autorização a qualquer momento. O apoio à AMAE é importante pelo valioso trabalho social que ela desempenha e pelas dificuldades que enfrenta. Apesar de ter sido regularizada apenas no mês de fevereiro de 2017, a instituição já atua há oito anos na assistência de pessoas portadoras de necessidades especiais. Além de contar com o apoio da comunidade, que pode fazer a doação espontânea de recursos, alimentos ou materiais de higiene e limpeza, têm também a assistência do Poder Público Municipal, que sede funcionários para o atendimento dos alunos, especialmente técnicos, assim como repassa alimentos e produtos diversos. Ainda, para manter-se, a direção organiza pedágios solidários e rifas. Contando com 75 sócios mantenedores, o apoio da comunidade é fundamental para sua manutenção. Atualmente são 24 alunos atendidos, entre adolescentes e adultos com todos os tipos de necessidades. Para o atendimento a AMAE conta com 10 profissionais, sendo dois serventes, uma cozinheira e sete professores. Também conta com atendimento nas áreas de psicologia, fonoaudiologia, psiquiatria, odontologia e medicina, e com acompanhamento por parte de um assistente social, todos especialistas cedidos pelo Município, pelas secretarias de Saúde e Assistência Social.

[close]

p. 12

JOVENS PARAGUAIOS CONHECEM MODELO DE COOPERATIVAS DE INFRAESTRUTURA Grupo de estudantes do Paraguai esteve na sede da Ceriluz, visualizando o trabalho das equipes. Um grupo de 15 jovens integrantes do Comitê de Educação da Cooperativa Colônias Unidas, de Obligado, Paraguai, esteve na Ceriluz na manhã do dia 11 de julho, onde teve a oportunidade de conhecer o modelo cooperativo de infraestrutura. O grupo foi recebido na sede da Ceriluz, em Ijuí, onde foram apresentadas informações sobre a Cooperativa, sua história e atual infraestrutura, nas áreas de geração, distribuição e de telecomunicações, em que está se consolidando pela implantação das redes de fibra óptica para disponibilização de internet de qualidade aos associados. O momento foi reservado para questionamentos por parte dos estudantes para diretores e colaboradores da Ceriluz, de forma que estes pudessem tirar dúvidas sobre o cooperativismo de infraestrutura e o sistema elétrico brasileiro. Após as atividades na sede da Ceriluz, o grupo partiu para uma visita técnica na Pequena Central Hidrelétrica (PCH) RS-155, localizada na comunidade de Santana, em Ijuí. Segundo relatos dos estudantes, o modelo de pequenas centrais geradoras não é comum no Paraguai, uma vez que praticamente toda a sua demanda de energia é suprida por duas usinas binacionais: a Itaipú, construída no Rio Paraná, em parceria com o Brasil, e a Jaciretá, também no rio Paraná, esta construída de forma conjunta com a Argentina. Apesar de não haver grandes dificuldades de oferta de energia, os jovens expuseram problemas de abastecimento, por inconsistências no sistema de distribuição, especialmente em horários de pico e em períodos de temporais. Os jovens puderam conhecer todo o processo de geração de energia da PCH, visitando barragem, minicentral e Casa de Máquinas principal. Além do grupo paraguaio, também conheceram essa usina no primeiro semestre de 2018 os alunos do 6º ao 9º anos da escola São Pio X, de Bozano, e do 3º ano do Ensino Médio do Centro Educacional Francisco de Assis - EFA, de Ijuí. ESTUDANTES DE CHIAPETTA CONHECEM RELAÇÃO ENTRE A GERAÇÃO DE ENERGIA E O MEIO AMBIENTE ACeriluz recepcionou no dia 14 de junho 25 alunos do ensino fundamental da Escola Estadual de Ensino Médio Anchieta, de Chiapetta, na Central Geradora Hidrelétrica (CGH) Nilo Bonfanti, localizada no rio Buricá. As crianças puderam conhecer o processo de geração de energia, seus impactos ambientais, e receberam orientações sobre os cuidados ao consumir energia nas suas residências. A visita também oportunizou uma experiência ambiental, uma vez que contemplou passeio no bosque e nas margens do rio Buricá, onde há, inclusive, a cascata, ponto turístico conhecido na região. A professora Geneci Siqueira Godinho destacou a importância de Chiapetta ter uma usina em seu território e das possibilidades que ela oferece. “A gente veio até aqui e foi muito bem recebido, nos informaram sobre a usina, sobre a preservação dos recursos naturais. Todos os alunos deveriam ter esse privilégio de vir visitar a usina, que é uma riqueza do nosso município, aliás, o município inteiro deveria valorizar a usina e vir conhecer o que tem aqui dentro desse local”, avaliou. Apesar de ser uma usina de pequeno porte, enquadrada como CGH, ou seja, com potencial de geração menor que 5MW, a Nilo Bonfanti é extremamente importante para a Ceriluz. Considerando o papel de educação ambiental ela representa bem a capacidade de gerar energia elétrica com baixo impacto, por meio do aproveitamento de uma queda d’água natural, com mínimo impacto na flora e na fauna. Próxima de completar 20 anos, em 2019, ela segue sendo importante nos resultados eco- Crianças conheceram o processo de geração e os aspectos ambientais vinculados a ele nômicos da Cooperativa pela sua geração, com uma potência instalada de 680 quilowatts (kW). A CGH Nilo Bonfanti - assim como as demais usinas - segue aberta à visitação para escolas da região, quando os visitantes podem visualizar todos estes detalhes. As visitas podem ser agendadas ligando para o telefone 0800 51 3130 ou 3331 9100 ou enviando email para wagner@ceriluz.com.br.

[close]

p. 13

CERILUZ ALERTA PARA RISCOS DE ACIDENTES ENVOLVENDO MÁQUINAS E REDES DE ENERGIA Os períodos de plantio e colheita são especiais para produtores rurais, pois são eles que definem o sucesso da propriedade. Porém, parte desse sucesso diz respeito à segurança do agricultor. E é nesses períodos que se intensifica o ingresso de máquinas nas lavouras. Considerando que muitas dessas lavouras são cortadas por redes de distribuição de energia, é indispensável a atenção redobrada dos agricultores em relação a elas, não só com os postes, mas também com os condutores de energia e estais que as sustentam. A Cooperativa faz o alerta considerando os acidentes já registrados envolvendo máquinas agrícolas e redes de energia. No ano de 2018, nos primeiros seis meses, foram sete casos de danos envolvendo máquinas e redes, enquanto que ao longo de todo o ano de 2017 foram 13 acidentes e, em 2016, nove, média de praticamente um acidente por mês. São casos de abalroamentos de postes, rompimento de condutores de energia e também danos a partir do fato da máquina enroscar nos estais. Somam-se ainda situações onde árvores são derrubadas sobre as redes com o uso de motosserras. “Por isso, pedimos que o produtor avalie sempre as condições do local de trabalho próximo às redes, verificando a distância dos postes, se eles são fixos por estais, a altura dos cabos condutores, identificando se não há obstáculos. E em caso de acidente é indispensável contatar a Ceriluz para que possamos tomar as medidas de segurança e de correção dos danos causados”, afirma Tiago Garros, engenheiro eletricista, responsável pela Central de Operação da Distribuição (COD). Em caso do operador da máquina identificar previamente riscos na realização da sua tarefa, também pode solicitar apoio à Cooperativa, pelo 0800 51 3130, que uma equipe se dirigirá ao local. Sinalizadores - Uma iniciativa que vem sendo tomada pela Cooperativa visa diminuir essas ocorrências. Para evitar o abalroamento dos estais e postes a Cooperativa vem adotando Sinalizadores de Estais, que são capas coloridas que cobrem parte do cabo, de modo que o mesmo seja visto com maior facilidade. A Ceriluz está usando ainda, em alguns casos, estacas de sinalização, também com cores chamativas, que ajudam na visibilidade e ainda servem de proteção para os estais. Além das redes novas, as antigas, ao passarem por manutenções que incluam a instalação ou substituição Sinalizadores de estais visam alertar condutores de máquinas quanto a sua proximidade de estais, vêm recebendo igualmente este sistema de identificação, quando registrada a necessidade e a viabilidade dessa medida. COLABORADORES REVISAM CONCEITOS DA NR10 Os colaboradores técnicos da Ceriluz participaram de curso de reciclagem da Norma Regulamentadora 10 (NR10), qualificação que deve ser feita a cada dois anos. Ao entrarem na Cooperativa todos os funcionários da área técnica, obrigatoriamente, participam de um curso de formação de 80 horas referente à NR10, se preparando para as funções que irão exercer. Esta reciclagem – que compreende 16 horas - tem por objetivo retomar os ensinamentos repassados no curso e tirar os funcionários do comodismo da rotina de trabalho. “É importante fazer esse treinamento já que, muitas vezes, o pessoal acaba entrando em uma rotina de trabalho e acaba não usando todos os procedimentos e equipamentos de segurança exigidos. É sempre importante relembrar esses procedimentos de trabalho porque várias situações ocorrem durante a jornada e o funcionário precisa estar extremamente preparado”, comenta o técnico em segurança no trabalho, Fábio Zago. Equipamentos - A Ceriluz também promove periódicamente testes dielétricos dos Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs) e Coletivos (EPCs) utilizados nas tarefas diárias em redes de distribuição de energia. Um teste dielétrico é um processo de avaliação realizado por aplicação de uma tensão a um componente elétrico que excede a sua tensão de operação normal. O objetivo do teste é determinar se o isolamento do componente é adequado para proteger o usuário contra choques elétricos. Esta verificação deve ser feita a cada seis meses nos chamados equipamentos flexíveis, como luvas e lençóis isolantes, e anualmente nos equipamentos rígidos, como varas de manobra. MANUAL DO COLABORADOR Os novos colaboradores da Ceriluz, ao serem admitidos, estão recebendo um exemplar do Manual de Integração do Colaborador, livreto que tem por objetivo fornecer informações e orientações sobre a empresa onde eles passarão a atuar. A intenção é facilitar a adaptação dos novos funcionários ao focar as relações interpessoais, a comunicação interna, a segurança no trabalho e uma postura sustentável dentro da empresa. O manual apresenta direitos e deveres dos colaboradores, normas gerais de comportamento interno e orientações básicas sobre segurança no trabalho, tema que é aprofundado pelos treinamentos nas respectivas Normas Regulamentadoras (NRs). O Manual de Integração do Colaborador atende definições do programa de qualidade ISO 9001 - cuja certificação a Ceriluz alcançou em outubro de 2017 - e foi desenvolvido de forma conjunta, envolvendo direção e gestores de equipes, que apresentaram sugestões para contemplar equitativamente todos os setores e seus colaboradores. Os demais colaboradores, independente do tempo de trabalho, também receberam um exemplar, devendo-se adaptar às suas orientações ou reafirmar as já praticadas.

[close]

p. 14

EXAMES DO PCMSO VISAM CONFIRMAR APTIDÃO AO TRABALHO Omês de julho foi dedicado a cuidar da saúde dos colaboradores da Ceriluz. No período aconteceram os exames médicos periódicos, atendendo o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), definido pelas normas trabalhistas do Ministério do Trabalho. As exigências são maiores para os colaboradores da área técnica, que atuam em altura. De acordo com a Norma Regulamentadora 35 – NR35, empresas onde os trabalhadores trabalham em altura acima de 2m do solo, além dos treinamentos específicos para suas funções, devem garantir-lhes alguns exames complementares para assegurar sua integridade física. Para o trabalho em altura, são exigidos os exames de acuidade visual, audiometria ocupacional, eletrocardiograma, eletroencefalograma, glicemia de jejum e um hemograma completo. Além desses exames também são avaliados fatores psicossociais para atestar a aptidão para o trabalho em redes. O PCMSO também estabelece a realização de exames médicos admissionais, de retorno ao trabalho, mudança de função e demissional. O objetivo é prevenir, monitorar e controlar possíveis danos à saúde e integridade do empregado e detectar riscos prévios, especialmente no que diz respeito às doenças relacionadas ao trabalho. Todas as empresas, independente do número de funcionários, são obrigadas a disponibilizar o atendimento médico ocupacional. A Os colaboradores realizaram exames básicos visando sua segurança e de suas equipes elaboração do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional e a definição dos exames complementares a serem realizados nos funcionários são tarefas do médico do trabalho, considerando as exigências específicas das NRs relativas às áreas de atuação da empresa, no caso da Ceriluz, o médico do trabalho Ernani Oppermann. VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE A H1N1 ACeriluz possibilitou aos seus colaboradores a sua imunização contra o vírus da gripe A H1N1. A vacina foi aplicada a todos que tinham interesse, em duas etapas, nos dias 20 e 23 de abril, pela equipe técnica da empresa Imunijui, optando-se pela vacina tetravalente, ou seja, que imuniza contra quatro cepas de gripe. As vacinas tetravalentes contra infecções causadas pela Influenza são mais protetoras do que as trivalentes, segundo estudos realizados. A iniciativa da Ceriluz complementa as campanhas de vacinação realizadas pelo Ministério da Saúde, até porque, a campanha nacional contempla apenas um público específico, que não inclui a maioria dos colaboradores da Ceriluz. A 20ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza iniciou em 23 de abril e se estendeu até o dia 15 de junho, tendo como público alvo idosos a partir de 60 anos, crianças de 6 meses a menores de 5 anos, trabalhadores da saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional, considerados de risco. Colaboradores puderam optar pela imunização contra a Gripe A

[close]

p. 15

Dica da Nutricionista ORIENTAÇÕES PARA AUXILIAR NO CONTROLE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL Cerca de um bilhão e meio de pessoas sofrem com pressão alta em todo o mundo, e sete milhões morrem a cada ano em decorrência dela. É importante saber que, embora muitas vezes sem sintomas, a pressão arterial aumenta por causa de vários fatores: obesidade, problemas renais, envelhecimento, entre outros. As artérias vão ficando menos flexíveis e o sangue acaba fazendo mais pressão para conseguir circular corretamente. Que tal, então, aprender a se cuidar com bons hábitos e boa alimentação? CONSUMA ALHO: com ação analgésica, antibacteriana e expectorante, o alho consegue tratar aquela hipertensão arterial leve. “Ele vem sendo usado desde a antiguidade pelos efeitos benéficos ao coração e circulação”. Colocar alho nos alimentos não é uma tarefa difícil. É só caprichar na criatividade. CONSUMA ALIMENTOS RICOS EM POTÁSSIO: O potássio é um excelente diminuidor da pressão arterial, por ajudar a mandar o sódio embora do corpo. O potássio está presente em vários alimentos, entre eles na folha de beterraba, abóbora, semente de abobora, cenoura, feijão preto, inhame, lentilha, chicória, espinafre, vagem, abacate, rabanete, couve-flor, banana, laranja, maracujá, mamão e ameixa. CONSUMA ALIMENTOS COM ÔMEGA 3: Peixes como o salmão, arenque, cavala, atum e sardinha carregam o ômega 3, que ajudam a retirar o excesso de gordura ruim do sangue. Com isso, a circulação flui melhor, ajudando a controlar a pressão arterial. Linhaça e chia também contêm ômega 3. EVITE GORDURAS DA CARNE VERMELHA, FRITURAS E ALIMENTOS GORDUROSOS: não é preciso parar de consumir carne vermelha, mas prefira os cortes magros e os prepare grelhados, assados ou cozidos, já que gordura em excesso pode aumentar o colesterol e causar entupimento nos vasos, dificultando a circulação do sangue e aumentando a pressão arterial. USE ERVAS PARA SUBSTITUIR O SAL: que o sal dá um sabor especial a qualquer preparação é fato, mas ele também é o vilão para aumentar a pressão. Colocar menos sal e preencher essa lacuna com outros temperos como a cebola, alho, salsa, coentro, orégano, cebolinha, louro, limão, cúrcuma, pimenta e entre outros temperos ajudam a dar sabor à preparação. Experimente reduzir a quantidade de sal gradativamente. Além disso experimente utilizar sal de ervas (receita abaixo) em substituição do sal comum. DIGA NÃO A ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS COMO: Embutidos, enlatados, caldos de galinha, de carne e de legumes, salgadinhos de pacote, biscoitos, comidas congeladas, molhos prontos, refrigerantes sem açúcar. Se for comer industrializados, que seja de vez em quando, sempre prestando atenção no rótulo dos alimentos. RECEITA SAL DE ERVAS: INGREDIENTES • ½ x de chá de alecrim desidratado; • ½ x de chá de manjericão desidratado; • 1 x de chá de orégano • 1 x de chá de salsinha desidratada; • 1 x de chá de sal Modo de preparo Coloque no liquidificador e bata as ervas na seguinte ordem: primeiramente o alecrim, depois o manjericão, o orégano, a salsinha e por último o sal. Bata até ficar um pó bem fino e uniforme. Guarde em pote com tampa e utilize em suas preparações. Lembrando que essas orientações não substituem a consulta com médico e nutricionista. Nutricionista Matiele Pranzl Wielens | CRN2 11523D

[close]

Comments

no comments yet