Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

•e••••e• o Edição 14-Janeiro a Agosto de 2018 REVISTA BENCH MARKI NG APRENDENDO COM OS DETENTORES DAS MELHORES PRÁTICAS ODS por Haroldo Machado Filho Assessor Senior do PNUD Brasil Ciência da Felicidade porTal Ben-Shahar Diretor da Happiness Studies Academv

[close]

p. 2

BENCHMARKING BRASI MARKING BRASIL L BENCHMARKING B RAS IL B E NCH

[close]

p. 3

Esta éa 14a edição da Revista Benchmarking cujo propósito écontribuir com aconstrução de uma nova consciência e cultura, a cultura de sustentabilidade. Um periódico que dedica atenção e cuidado na escolha dos assuntos a serem tratados. Relevância, inovação e atualidade são critérios que norteiam as escolhas de temas e personas que são convidadas acompartilharem visões, soluções e reflexões na revista Benchmarking. Nesta edição, os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável(ODS) ocupam lugar de destaque com uma seção totalmente dedicada a eles. Teremos 30 depoimentos sobre os ODS em Vozes da Sustentabilidade. São especialistas, ativistas elideranças que atuam em causas alinhadas aum ou mais dos 17 ODS da Agenda 2030 da ONU. Cada um dos ODS terá representantes falando sobre os mesmos. Enão para por aí, em páginas Verdes, Haroldo Machado Filho, co-presidente do Grupo Assessor do Sistema ONU no Brasil concede entrevista sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Outro assunto que ganha espaço no mundo corporativo e também fora dele, é Ciência da Felicidade. Para falar sobre este tema ninguém menos do que Tal Ben-Shahar, um professor de psicologia positiva e liderança que ficou muito conhecido por suas concorridas aulas. Ele criou ocurso mais popular da história de Harvard eseus livros foram traduzidos para mais de vinte ecinco idiomas eaparecem nas listas de best-sellers em todo o mundo. Hoje ele presta consultoria para grandes empresas e dá palestras sobre Felicidade, Auto-estima, Liderança eDefinição de Objetivos. E tem ainda a cobertura completa do XVI Bench Day que representa a Inteligência Coletiva em Sustentabilidade com seus mais de 400 cases e projetos certificados e compartilhados em plataformas digitais, livros erevistas de gestão, fóruns de sustentabilidade, além dos vídeos cases eminidocs. Fica difícil não ler conteúdo desta qualidade não é? Aproveite aleitura ese atualize com quem está fazendo adiferença no mundo da sustentabilidade. Marilena LinoA. Lavorato Idealizadora do Programa Benchmarking Brasil Expediente 14a edição da Revista Benchmarking, Ano 2018. Periodicidade Anual. Editora: Marilena Lino de Almeida Lavorato. Colaboradores desta edição em artigos técnicos: Beatriz Luz e Marcus Nakagawa. Capa e Diagramação: Gustavo Trentin Prado. Fotos: Metrópole Filmes e outros. Tradução: Rosana Trentin. Produção Executiva: Mais Projetos. Versões: Eletrônica e Impressa. Sites: www.benchmarkingbrasil.com.br e www.socioambientalonline.com.br Contato: (11) 3257-9660 ou imprensa@maisprojetos.com.br ARevista Benchmarking não se responsabiliza pelos conceitos e opiniões emitidos em artigos e frases assinadas, sendo de responsabilidade exclusiva de seus autores. Areprodução, no todo ou em parte, de suas matérias só épermitida desde que citada a fonte e autor.

[close]

p. 4

MARKING BRASIL B E NCH BENCHMARKING BRASI B RAS IL L BENCHMARKING 8 40

[close]

p. 5

TAL BEN-SHAHAR Por Marilena Lavorato Tal é um professor, palestrante e autor que ficou muito conhecido por suas concorridas aulas sobre Felicidade. Ele deu aulas em duas das maiores turmas da história de Harvard University nos cursos de Positive Psychology e The Psychology of Leadership. Hoje, ele presta consultoria e viaja pelo mundo dando palestras para executivos de corporações multinacionais, populações em risco, e publico geral que tenham interesse neste assunto tão especial que é"Felicidade". Em suas palestras e livros, ele fala de liderança, felicidade, educação, inovação, ética, autoestima, resiliência, estabelecimento de metas e atenção plena. Seus livros foram traduzidos para mais de vinte e cinco idiomas e apareceram em listas de best-sellers em todo o mundo. Tal também é co-fundador e diretor da Happiness Studies Academy, Potentialife, Maytiv e Happier.TV. Tal é uma destas figuras humanas que compartilham suas experiências e ajudam pessoas na realização pessoal. Ele é simples e disciplinado, e incluiu na sua rotina exercícios físicos (natação, dança) e a prática da Yoga. Tal Ben-Shahar, compartilhou generosamente sua visão e reflexão sobre ciência da felicidade nesta entrevista inédita que concedeu a Revista Benchmarking. Aproveitem a leitura. Oque a Ciência da Felicidade significa? Até recentemente, o tópico da felicidade melhorar aqualidade de nossas vidas-tem sido dominado pela psicologia popular. Em muitos dos seminários elivros de autoajuda oferecidos atualmente, há muita diversão, carisma e relativamente pouco conteúdo. Eles prometem cinco passos rápidos para a felicidade, os três segredos do sucesso e quatro maneiras de encontrar o seu par perfeito. Estas são geralmente promessas vazias, e ao longo dos anos as pessoas se tornaram cínicas sobre aautoajuda. Do outro lado temos academia, com escrita epesquisa que são substanciais, mas que não encontra seu caminho na maioria dos lares. A meu ver, o papel da ciência da felicidade - eoque minhas aulas elivros apresentam -éfazer aponte entre a torre de marfim earua principal, entre origor da pesquisa acadêmica eadiversão do movimento de autoajuda. Páginas Verdes Tal Ben-Shahar co-fundador ediretor da Happiness Studies Academy.

[close]

p. 6

L~I· Páginas Verdes '~ Tal Ben-Shahar Como esta ciência pode nos ajudar? Como as intervenções são baseadas em evidências, porque foram testadas, sabemos que elas podem fazer uma diferença significativa na vida das pessoas. Eles podem ajudar indivíduos, famílias, organizações e até nações a alcançar níveis mais elevados de bem-estar. Afelicidade é um estado de espírito? Sentimento, sensação? Escolha?Atitude? Ou todos eles? Ligando Oriente e Ocidente, e aproveitando as obras de filósofos, economistas, psicólogos e biólogos, vejo a felicidade como uma variável multidimensional que inclui os seguintes elementos: ·Bem-estar espiritual ·Bem-estar físico ·Bem-estar intelectual ·Bem-estar relacional Bem-estar emocional Com base nesse entendimento, defino a felicidade como a experiência de bem-estar espiritual, físico, intelectual, relacional e emocional. Estes cinco elementos da felicidade fornecem o prisma através do qual podemos entender melhor e buscar afelicidade. Ficamos mais felizes quando nos envolvemos em trabalho que épessoalmente significativo (bem-estar espiritual), exercitando regularmente (bem-estar físico), lendo e aprendendo (bem-estar intelectual), dedicando um tempo a um amigo (bem-estar relacional) ou escrevendo sobre nossos sentimentos (bem-estar emocional). Existe alguma diferença entre felicidade ebem-estar? Éuma questão de definição, edepende de como você define ambos. Para mim, bem-estar é parte da felicidade, como sugere o modelo dos cinco elementos citados acima. Há pessoas que dizem que estão ocupadas demais para pensar em felicidade? Nesta situação, eles seriam felizes ou não? Se alguém está indo bem e está totalmente feliz com a sua vida, não faz sentido pensar em felicidade. Apenas viver a vida sem pensar na felicidade é perfeitamente correto. No entanto, há muitas pessoas que estão infelizes e, então pensar em como elas podem transformar suas vidas pode trazer mudanças importantes. Happier.TV Páginas Verdes Tal Ben-Shahar co-fundador ediretor da Happiness Studies Academy.

[close]

p. 7

L~~ Páginas Verdes ' Y# Tal Ben-Shahar Épossívelserfeliz sozinhojá que vivemos em sociedade? Nenhuma pessoa é uma ilha. Todos nós precisamos de alguma companhia. No entanto, enquanto algumas pessoas precisam de muitos amigos na maior parte do tempo, há outras que só precisam de alguns amigos e ficam felizes quando estão sozinhas a maior parte do tempo. Há diferenças individuais. O problema atualmente, no entanto, é que a maioria das pessoas não tem tempo livre suficiente com seus amigos e familiares. Infelizmente, a mídia social está substituindo interações sociais reais, e milhares de amigos no Facebook não são substitutos por aquele melhor amigo. Épossível aprender aser feliz? Sim, absolutamente, é possível se tornar mais feliz. Aqui estão algumas lições aserem lembradas: Lição 1: Dê a si mesmo permissão para ser humano. Quando aceitamos emoções - como medo, tristeza ou ansiedade - como naturais, estamos mais propensos a superá-las. Rejeitar nossas emoções, positivas ou negativas, leva à frustração e infelicidade. Somos uma cultura obcecada pelo prazer e acreditamos que a marca de uma vida digna é a ausência de desconforto; e quando sentimos dor, tomamos isso para indicar que algo deve estar errado conosco. De fato, há algo errado conosco se não sentimos tristeza ou ansiedade às vezes - que são emoções humanas. O paradoxo é que, quando aceitamos nossos sentimentos quando nos damos a permissão para sermos humanos e vivenciamos emoções dolorosas, é mais provável nos abrimos para as emoções positivas. Lição 2: Felicidade está na intersecção entre prazer e significado. Seja no trabalho ou em casa, o objetivo é se envolver em atividades que sejam particularmente significativas e agradáveis. Quando isso não for viável, certifique-se de ter propulsores da felicidade, momentos durante toda a semana que lhe proporcionem prazer e significado. Pesquisas mostram que uma hora ou duas de uma experiência significativa e prazerosa podem afetar a qualidade de um dia inteiro ou mesmo de uma semana inteira. Lição 3: Tenha em mente que a felicidade depende principalmente de nosso estado de espírito, não de nosso status ou do saldo da nossa conta bancária. Exceto por circunstâncias extremas, nosso nível de bemestar é determinado pelo que escolhemos enfatizar e por nossa interpretação de eventos externos. Por exemplo, nos concentramos na parte vazia do copo? Consideramos os fracassos como catastróficos ou os vemos como oportunidades de aprendizado? Lição 4: Simplifique! Geralmente estamos ocupados demais, tentando encaixar cada vez mais atividades em muito menos tempo. A quantidade influencia aqualidade ecomprometemos nossa felicidade tentando fazer muito. Saber quando dizer"não" aos outros geralmente significa dizer "sim" para nós mesmos. Lição 5: Lembre-se da conexão mente-corpo. O que fazemos - ou não fazemos - com nossos corpos influencia nossa mente. O exercício regular, o sono adequado ehábitos alimentares saudáveis levam àsaúde física emental. Lição 6: Expresse gratidão, sempre que possível. Nós costumamos achar que nossas vidas estão garantidas para sempre, e nem sempre é assim. Aprenda aapreciar esaborear as coisas maravilhosas da vida, das pessoas àcomida, da natureza aum sorriso. Lição 7: Onúmero um, prognóstico de felicidade é o tempo que passamos com pessoas de quem gostamos e que se preocupam conosco. A fonte mais importante de felicidade pode ser a pessoa sentada ao seu lado. Aprecie-os, saboreie o tempo que passam juntos. Páginas Verdes Tal Ben-Shahar co-fundador ediretor da Happiness Studies Academy. D

[close]

p. 8

L~I· Páginas Verdes '~ Tal Ben-Shahar Você iniciou a Happiness Studies Academy em 2016 com qual finalidade? Quais são os objetivos e projetos em ação? Para realizar nossa missão, nós da HSA, adotamos uma abordagem holística einterdisciplinar para ensinar afelicidade - primeiro na maneira como definimos a felicidade e, segundo, na maneira como a ensinamos. Definimos a felicidade como a experiência do bem estar por inteiro. Os cinco elementos essenciais para uma vida por inteiro são: ·Bem-estar espiritual · Bem-estarfísico ·bem-estar intelectual ·bem-estar relacional ·Bem-estar emocional Juntos, esses elementos inspiram todos os nossos programas - de nossas palestras introdutórias sobre a felicidade, o Certificado de um ano em Estudos da Felicidade. Para melhor entender, perseguir e alcançar o conhecimento, não basta explorar cada um destes elementos através das lentes de um único campo- seja psicologia ou filosofia. Em vez disso, precisamos adotar uma abordagem interdisciplinar, nos voltarmos para a psicologia e a filosofia, assim como para a literatura, a história, a economia, a teologia, a biologia e outras disciplinas. Essa abordagem interdisciplinar está alinhada com a nossa abordagem holística geral - que une, em vez de dividir, une e não separa. Nós conectamos e HAPPINESS STUDIES ACADEMY .ACADEMY nos unimos entre: ·Ateoria e a prática · Reflexão e ação · Senso comum e complexidade · Sabedoria antiga e pesquisa moderna · Ohumanista e o científico · Leste e oeste O conteúdo rico, juntamente com a maneira única em que o conteúdo é ensinado, informa sobre o significado e a importância da felicidade, bem como transforma ecria um mundo melhor. Porfavor, deixe sua mensagem sobre felicidade para onosso leitor Nosso mundo está em extrema necessidade de felicidade, e cabe a cada um de nós contribuir para a disseminação da felicidade. Podemos fazer isso começando por nós mesmos e depois ampliando para nossas famílias, amigos, colegas ealém. 'I AL IJ/ü -.\'llAl/ AU. f'li. f) NEW YORK TIMES BESTSELLER Páginas Verdes Tal Ben-Shahar co-fundador ediretor da Happiness Studies Academy.

[close]

p. 9

HAROLDO MACHADO FILHO Por Marilena Lavorato Temos alguns marcos que se tornaram referências a partir de iniciativas da ONU para o debate e superação de desafios globais relacionados ao meio ambiente eodesenvolvimento sustentável. Em 2000 a ONU promoveu a Cúpula do Milênio com 8objetivos para serem atingidos até 2015. Foram os Objetivos do Milênio (ODM), conhecidos também como 8Jeitos de Mudar o Mundo. Em 2015, na Cúpula do Desenvolvimento Sustentável, os 193 países membros da ONU adotaram oficialmente aAgenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável com 17 objetivos e 169 metas, que são os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável). Para falar sobre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável - ODS, entrevistamos Haroldo Machado Filho que éAssessor Senior do PNUD Brasil; negociador do Governo Brasileiro em Conferências das Nações Unidas sobre Mudança do Clima desde 1998. Étambém lead author do Vrelatório do Painel Intergovernamental de Mudança do Clima - IPCC (Grupo Ili), e Árbitro nomeado pelo Governo Brasileiro do Painel de Peritos Ambientais na Corte Permanente de Arbitragem, em Haia, Holanda.Atualmente co-preside oGrupo Assessor do Sistema ONU no Brasil sobre os ODS. Os ODS tocam em pontos cruciais para a Humanidade que são os 5 Ps: Planeta, Pessoas, Paz, Prosperidade eParcerias. Como está sendo aplicada aagenda 2030 em cada um destes pontos? Os 5 Ps mencionados estão contemplados na parte inicial da agenda de uma maneira bastante ambiciosa. Aagenda diz que os objetivos e metas devem estimular a ação em áreas de importância crucial para a humanidade e para o planeta nos próximos 15 anos, que são os 5 Ps. É importante destacar que o Desenvolvimento Sustentável só será possível com a confluência de todas estas áreas. Originalmente sempre se falou que o Desenvolvimento Sustentável é a confluência das dimensões: Social, Econômica e Ambiental. Mas, a agenda 2030 traz uma perspectiva adicional - que sem paz não há Desenvolvimento Sustentável, e sem Desenvolvimento Sustentável também não há paz. Eas parcerias são agrande amálgama de todas estas áreas, porque ninguém consegue fazer todas as ações sozinhos. Então as parcerias entre os vários setores: governamental, Intergovernamental, academia, setor privado, e a própria mídia, tudo isto é importante para impulsionar. Todas as nossas ações, sejam globalmente, sejam no Brasil, são para avançar nestas 5 áreas prioritárias, estes 5 Ps .E toda nossa articulação é para que estas áreas conversem entre sí. Páginas Verdes Haroldo Machado Filho Assessor Senior do PNUD/Brasil

[close]

p. 10

L~~ Páginas Verdes ' Y# Haroldo Machado Filho Existe algum critério para se escolher quais ODS devem ser trabalhados inicialmente? Alguma forma de identificaras prioridades? Bom, para as Nações Unidas, nós falamos do conjunto dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, porque para nós as interconexões ea natureza integrada dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável são de importância crucial para assegurar que o propósito desta nova agenda se concretize. Os ODS são um conjunto integrado e indivisível e é assim que a gente os vê. É importante ver que há sinergia einterconexões entre cada um dos ODS, apesar de serem temáticas diferentes. Quanto a priorizar éclaro que cada realidade, de acordo com as suas circunstâncias locais enecessidades de desenvolvimento deve priorizar um ODS ao outro. No entanto oque nós reforçamos éaimportância de verificar as interconexões entre eles. Eeu vou dar um exemplo muito claro. No caso da água, a população em alguns casos foi incentivada afazer captação da água da chuva e o fez muitas vezes e muito bem. Mas também algumas vezes a população não tampou os recipientes, e isto gerou maior proliferação de mosquito aédes aegypti que deu problemas relacionados a zika e chikungunya, etc. Ou seja, muitas vezes você pode achar que está com uma ação positiva num determinado ODS, no caso o ODS da água, mas está complicando o ODS da saúde. Então é muito importante verificar todas as sinergias, interconexões econtradições. Como aferir a contribuição de cada organização que desenvolve ações com foco nos ODS? Algum modelo de indicadorespecifico? Em âmbito global os indicadores para aferir os avanços dos ODS estão sendo determinados pelo comitê de estatística da ONU e por um órgão independente, que são os 231 indicadores oficialmente adotados. Estes indicadores servem sobretudo para uma relatoria, ou seja, países reportariam baseados nestes indicadores determinados globalmente. Nada impede que nacionalmente também se determine indicadores nacionais para um acompanhamento interno. Agora como isto será feito depende dos órgãos estatísticos, dos órgãos de governo para juntar todas estas informações. No caso do setor privado éum pouco mais complicado porque as ações não são reportadas com base nos indicadores globais, mas pode criar proxys1 neste sentido. Há vários casos tanto no mundo quanto no Brasil, de empresas que já identificam quantitativamente suas contribuições para os ODS por meio destas proxys1• Qual é aimportância da adesão das pessoas, empresas egovernos nos ODS daAgenda 2030 É muito importante lembrar que esta não é uma agenda das Nações Unidas. Ela foi aprovada sob os auspícios das Nações Unidas, mas é uma agenda para toda a humanidade. Eu costumo dizer que é uma agenda para chefes de estados epara chefes de famílias. Então é fundamental ecrucial aparticipação de todos etodas para que estes objetivos e metas sejam uma realidade. Muitas ações, claro, não dependem de pessoas, são ações mais estruturantes que dependem de governos. As pessoas que tenham interesse nos ODS, eu aconselho que leiam a agenda, os objetivos, as metas. Elas vão identificar que há muitas ações ali, que estão no seu dia adia. Todos etodas tem uma participação nesta agenda, e o nosso convite é para que conheçam a agenda e se engajam. Acho que todo mundo tem que assumir e tomar as rédeas do seu processo de desenvolvimento com as suas mãos eser um partícipe deste processo de desenvolvimento, e não esperarsimplesmente que isto venha dos governos. 10conceito de proxy vem do direito norte-americano eestá ligado ao conceito de representação (agency). Em estatística, uma proxy éuma variável que não édiretamente relevante por si só, mas atua no lugar de uma variável não observável ou não mensurável para descobrir um resultado provável. Em TI (Tecnologia da Informação), proxy éotermo usado para definir os intermediários entre ousuário eseu servidor. Páginas Verdes Haroldo Machado Filho Assessor Senior do PNUD/Brasil

[close]

p. 11

8ench Pav~ um dia pelo avanpo da sustentabilidade no Brasil Se onosso futuro comum será oresultado das nossas práticas presentes, que elas sejam as melhores. E as melhores estavam no XVI Bench Day realizado em 28 de Junho no Hall Nobre do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3a Região) em São Paulo. Adiversidade ea inovação foram as marcas da edição. Os melhores times da sustentabilidade apresentaram cases e projetos alinhados aos ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável) e atuantes em diferentes temáticas da sustentabilidade. Práticas que estão transformando realidades que não servem mais, gerando avanços nos 3 pilares da sustentabilidade: social, ambiental e econômico. Dra Therezinha A. Cazerta - Presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região Dr. Gilberto Natalini -Ambientalista e vereador Legítimos da Sustentabilidade 2018 Cases e projetos selecionados por especialistas de vários países Os cases e projetos certificados Benchmarking passaram por filtro rigoroso de uma banca avaliadora com especialistas de vários países que pontuaram quesitos seguindo a metodologia Benchmarking de certificação de boas práticas socioambientais. A Banca contou com a participação de 13 especialistas de 6 diferentes países para selecionar os Seniores, eoutros 1Oespecialistas nas modalidades Juniores. Bench Day foi transmitido ao vivo nas mídias sociais, e recebeu presencialmente grande público de especialistas, gestores, pesquisadores, ativistas, autoridades e lideranças que atuam com e pela sustentabilidade nas suas organizações, instituições de ensino e comunidades. O XVI Bench Day contou com o apoio de instituições representativas e governamentais, universidades, escolas técnicas emídia especializada. Alexandra Leras -Ativista em diversidade e inclusão social Marilena Lavorato - Idealizadora Benchmarking Brasil BENCHMARKING Os legítimos da sustentabilidade em 2018

[close]

p. 12

8ench Day,, um dia pelo avanpo da sustentabilidade no Pafs Um respeitado Programa de Sustentabilidade que reconhece, certifica e compartilha cases de boas práticas há mais de uma década. Até a edição atual, mais de 400 cases e projetos com práticas sustentáveis foram certificados ecompartilhados em publicações (livros, revistas, vídeos, portais e bancos digitais) e eventos (encontros, seminários, fóruns econgressos). Os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) estão inclusos na metodologia de seleção dos cases de sustentabilidade, e as metas e compromissos do Programa estão na plataforma SDG (Sustainable Development Goals) da Agenda 2030 da ONU. A iniciativa conta com o apoio institucional de entidades representativas, órgãos governamentais, universidades, escolas técnicas profissionalizantes e mídia especializada. Benchmarking Brasil se tornou um legítimo representante da inteligência coletiva em sustentabilidade por certificar e compartilhar práticas com excelência gerencial produzidas e aprovadas por pesquisadores, gestores, especialistas eativistas da área socioambiental, do Brasil ede outros 25 diferentes países. O Programa recebe inscrições de cases e projetos de sustentabilidade para certificação das melhores práticas, no período de janeiro amarço de cada ano. As avaliações são realizadas nos 2 próximos meses ea certificação ocorre em junho de cada ano. Para saber mais visite osite: www.benchmarkingbrasil.com.br BENCHMARKING Os legítimos da sustentabilidade em 2018

[close]

p. 13

Benchmarkingem Números OPrograma Benchmarking Brasil divulga anualmente seu relatório com informações consolidadas .Os números impressionam emostram porque oPrograma éconsiderado afotografia da gestão socioambiental brasileira, eplataforma da inteligência coletiva em sustentabilidade. Veja os números da modalidade Senior (Empresas eInstituições): 16 edições realizadas 388 cases Benchmarking certificados eorganizados em 1Ocategorias gerenciais 200 organizações dos 03 setores da economia ede 27 ramos de atividades, localizados em 17 diferentes estados da federação 218 especialistas de 25 diferentes países na comissão técnica 01 série com 3volumes publicados: BenchMais1, BenchMais2 eBenchMais3 01 revista, 14 edições publicadas 01 Banco Digital com livre acesso na internet com vídeos cases, minidocs eebooks Temática Gerencial (Total de 388 cases) Educaçã o, lnform ação e Com_ Socioam biental Ferrame nt as e Polít icas de Gest ão Re síduos Re cursos Hídricos e Ef luentes Proteção e Conservação Ene rg ia 41 36 66 54 116 Emissões Pesquisas Científic as e Desenv olvimento de N ovos Produtos M anej o e Ref loresta ment o Font e: Mais Projetos, Julho 2018 A rranjos Produt ivos o 20 40 60 80 100 120 BENCHMARKING Os legítimos da sustentabilidade em 2018

[close]

p. 14



[close]

p. 15



[close]

Comments

no comments yet