Revista Voz da Paróquia edição de Setembro de 2018

 

Embed or link this publication

Description

Noticias da Paróquia Nossa Senhora do Bom Sucesso de Guaratuba

Popular Pages


p. 1

Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52 Ano Nacional do Laicato MSêsetdeamBbroíblia SETEMBRO - Mês da Bíblia Programa Voz da Paróquia FM 87,9 de segunda a sexta feira das 17:30 as 18:00 hs

[close]

p. 2

E ditorial Setembro Mês da Bíblia Todo mês de setembro, a Igreja, de modo especial no Brasil, celebra o Mês da Bıb́ lia. Surgiu em 1971, por ocasiã o da celebraçã o do cinquentená rio da arquidiocese de Belo Horizonte, Minas Gerais. A partir desta ocasiã o, foi levado adiante com a colaboraçã o efetiva do Serviço de Animaçã o Bı́blica- SBA (Paulinas), até , posteriormente, ser assumido pela Conferê ncia Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB e estender-se ao â mbito nacional. Com os objetivos: contribuir para o desenvolvimento das diversas formas da presença da Bıb́ lia, na açã o evangelizadora da Igreja do Brasil; criar subsıd́ ios bıb́ licos nas diferentes formas de comunicaçã o; facilitar no diá logo criativo e transformador entre a Palavra, a pessoa e as comunidades. Sã o Jerô nimo escreveu “ignorar as sagradas escrituras é ignorar o próprio Cristo”. Neste mês de setembro, mês da Bıb́ lia, a Igreja está refletindo sobre o Livro da Sabedoria, como em defesa da vida? com o tema: “PARA QUE NELE NOSSOS POVOS TENHAM VIDA” (Sb 1,1-6,21), e com o Lema: “A SABEDORIA E UM ESPIRITO AMIGO DO SER HUMANO” (Sb 1,6). Ou seja, a Sabedoria é uma expressã o da amizade de Deus por nó s, seres humanos. O objetivo é oferecer um estudo bı́blico, proporcionando um encontro pessoal e comunitá rio com a Palavra de Deus a partir do Livro da Sabedoria. O livro da Sabedoria, está entre os textos escritos já no final do perıó do do Antigo Testamento. Como cantamos em nossas celebraçõ es em referência à Bıb́ lia: “A Bıb́ lia é a Palavra de Deus semeada no meio do povo. Que cresceu, cresceu e nos transformou, ensinando-nos viver num mundo novo”. A palavra de Deus nos chama para colocar o nosso ouvido no coraçã o de Deus e escutá -lo com atenta docilidade. A Palavra é portadora de sabedoria divina que nos capacita para superar o mal deste mundo e faz a vida ter sentido. É preciso estarmos atentos, pois pela falta de contato com a Bíblia deixamos de semear a palavra de Deus e fatalmente, ela não crescerá e não produzirá frutos”. Continuamos sendo o Sal da terra e Luz do Mundo, como Leigos e Leigas missioná rios do Evangelho, na construçã o de um mundo de paz, justiça e fraternidade. Pe. Pedro Hélio de Oliveira, C.Ss.R. Missionário Redentorista Índice 03 Mês de Setembro 03 Aconteceu... 04 Quem são nossos irmãos? 05 Independência do Brasil 06 Natividade de Nossa Senhora 07 "História à Exaltação da Santa Cruz" 07 Aconteceu... 08 Pastoral da Comunicação (Pascom) 08 Aconteceu... 09 São Mateus Apóstolo 09 Primavera 11 Dia Mundial sem Carro 12 Erosão Subterrânea em Guaratuba 13 São Gerônimo, Presbítero e Dr. da Igreja 14 Príncipe e Princesas 15 Bem-Aventurado Gaspar Stanggassinger 15 Aconteceu... 16 São Vicente de Paulo 16 Aconteceu... 17 Pastoral da Catequese 18 Dicas de Saúde 18 Aconteceu... 19 O “Purgatório” 20 Pastoral da Criança 20 Aconteceu... 21 A Verdade 21 Santos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael 22 Pastoral da Pessoa Idosa Ano IV - Nº 52 - Setembro 2018 02 Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52

[close]

p. 3

Mês de Setembro Neste mês lembramos o amor e a esperança que renasce. Amor - através da Palavra nas celebraçõ es litú rgicas, particularmente a celebraçã o da Eucaristia Dominical, sã o encontros de Deus com o seu Povo, reunido em assembleia por Ele convocada. Esperança com a vinda da primavera... “Porque há esperança para a árvore, pois, mesmo cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus rebentos. Se envelhecer na terra a sua raiz, e no chão morrer o seu tronco, ao cheiro das águas brotará e dará ramos como a planta nova.” Jó 14.7-9 As á guas do Espıŕ ito de Deus podem penetrar sua alma sofrida e cansada, e renovar suas forças. O poder do Eterno faz romper no tronco seco dos nossos coraçõ es os brotos da fé. Daquela qualidade de confiança que nos move a reagir positivamente. A erguer nossos olhos para Ele, convictos de que um novo tempo pode ser inaugurado por sua graça. A certeza de que pela sua bondade, novamente, poderá haver folhas, flores e frutos. Feliz Setembro! Silvana Baitala Bührer Aconteceu... Confraternizaçã o da Pastoral da Pessoa Idosa no Dia dos Avó s 03Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52

[close]

p. 4

Quem são nossos irmãos? 05 de Setembro Dia do Irmão Jesus estava ensinando seus discıṕ ulos quando alguém o interrompeu, dizendo:“Tua mã e e teus irmã os estã o parados lá fora, procurando falar-te.” (Mateus 12:48) Jesus aproveitou entã o a oportunidade para ensinar uma liçã o importante e por isso fez aquela pergunta curiosa: “Quem é minha mã e e quem sã o meus irmã os?” Apontando para os seus discıṕ ulos, ele respondeu: 'Estes sã o a minha mã e e os meus irmã os!' Daı,́ Jesus explicou o que queria dizer com isso: “Todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está no céu, este é meu irmã o, e minha irmã e minha mã e.” (Mateus 12:47-50) Isso mostra como Jesus era apegado aos discıṕ ulos. Ele queria dizer que, para ele, os discıṕ ulos eram como irmã os, irmã s e mã es de verdade. Mas o que é amor? — Amor é um sentimento forte dentro de nó s que nos faz querer fazer o bem para os outros. Mostramos que amamos os outros quando gostamos deles e fazemos coisas boas para eles. E quem sã o os irmã os que devemos amar? Jesus nos ensinou, sã o todas as pessoas que fazem parte da grande famıĺ ia cristã . A Bıb́ lia diz: “...pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê.” (1Joã o 4, 20) Assim, nã o devemos amar apenas alguns, mas a todos. “Jesus disse: Se você s tiverem amor uns para com os outros, todos reconhecerã o que vocês sã o meus discıṕ ulos.” (Joã o 13,35). E você, ama a todos os irmã os? Lembre-se que se nã o fizer isso, você nã o vai amar a Deus de verdade. E os meus irmãos de Sangue: Amor de irmã o nunca acaba. A gente pode brigar, discutir, se bater, mais nã o tem como deixar de amá -los. Há sempre um “pode contar sempre comigo!” Os segredos, as cumplicidades, as brincadeiras, as lá grimas, os sonhos realizados, as decepçõ es. Sã o experiências ú nicas vividas no amor de irmã os. Cada sucesso de meu irmã o é meu também. Um abraço sincero e caloroso nã o há valor que se pague. Como é bom ter irmã os para partilhar a vida em todas as situaçõ es. Para que esse amor aconteça é necessá rio que os pais se respeitem e respeitem seus filhos. Os pais sã o espelhos. Os filhos se vêem nos pais. E na famıĺ ia que acontece a transmissã o dos valores do respeito, perdã o e companheirismo. E sob a orientaçã o dos pais que os filhos aprendem a respeitar os irmã os da grande famıĺ ia que é a Igreja, a Escola, seu local de trabalho e a Sociedade. E os meus irmãos que encontrados na caminhada, como amá-los? Muitos desses sã o apresentados por Deus de diversas maneira e em situaçõ es diversas. Há irmã os que nã o sabemos de sua procedê ncia, mas temos certeza de que Deus os coloca no nosso caminho para que aprendamos a ser mais humanos, mais gente. Sã o as crianças, os jovens e os idosos. Os mais frá geis, os mais pobres, os irmã os andarilhos. Sim, esses são nossos irmãos também e, como tais devemos amá -los e cuidar deles com carinho e respeito. Esses devem nos sensibilizar para a vivê ncia do amor maior deixado por Jesus: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao pró ximo como a si mesmo.” Mt. 22,34-40 Pra encerrar seria bom refletir sobre a letra desse canto do Pe. Zezinho que tantas vezes cantamos na celebraçã o Eucarıś tica: “Quero ver no meu irmão, a imagem Dele, Meu irmão que até nem tem O necessário pra ter paz, Quero ser pro meu irmão, a resposta dele, Eu que vivo mais feliz e às vezes tenho até demais”. Qual a minha oraçã o diante dessa letra? O que falta para que de fato eu seja irmã , irmã o dos meus irmã os? Feliz dia do IRMAO para você e pra mim! Irmã Ivanil mc 0148 Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52

[close]

p. 5

Independência do Brasil Dia 07 de Setembro O: “- laços fora soldados, Independê ncia ou Morte” – dito por D. Pedro no valoroso sete de setembro de 1822 custou-nos dois milhõ es de libras esterlinas que foram emprestadas da Inglaterra. Os tempos mudaram e hei-nos aqui à s voltas, ainda com saldos imensos pois a dıv́ ida externa brasileira é e segunda maior do mundo e, além disso temos grandes somas a serem resgatadas. Somas estas, que escorreram pelos dedos do “gigante adormecido” devido a episó dios que formaram câ nions de feridas fétidas numa naçã o onde as cicatrizes purgam contaminando bem estar e prosperidade de um povo. Jesus no Sermã o da Montanha proclama na quarta bem aventurança: “_ Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serã o saciados”.(Mt 5,6). De acordo com esse ensinamento, nã o devemos nos conformar, tolerar situaçõ es como: corrupçã o, violência social e doméstica, fome, bullying, discriminaçã o, intolerâ ncia, injustiça e por aı ́ a fora. Nã o raro vemos na televisã o, diante de um quadro de violê ncia extrema, as pessoas pedindo por justiça. O que estará faltando? Jesus por certo quer, atravé s dos seus ensinamentos, que sejamos cidadã os mais inclusivos, generosos, solidá rios e equilibrados. Sabemos que somos minimamente corruptos de vez em quando: quem respeita as filas todas as vezes? Quem nã o dá um jeitinho para passar na frente quando está apressado? Quem nã o finge dormir no banco do ô nibus para nã o ceder o lugar ao idoso? Quem respeita a vaga de estacionamento ou meio de acessibilidade do deficiente ou idoso? Quem nã o mente ou dissimula numa situaçã o de tensã o? A necessidade neuró tica de poder leva à injustiça, a corrupçã o, a ganâ ncia, ao deboche, a loucura. O uso do dinheiro pú blico para servir a si mesmo quando na realidade só é digno de poder quem se curva diante da sociedade para servi-la. Precisamos estar inconformados com a injustiça e fazer um convite à liberdade tanto aos nossos governantes como a nó s mesmos como cidadã os exaltando assim a beleza e grandiosidade de nossa terra tã o bem enunciada no nosso Hino Nacional: Terra adorada. Entre outras mil, és tu Brasil ó Pá tria amada! Dos filhos deste solo és mã e gentil. Pá tria amada. Brasil. Margarida Miranda Correa Programa Voz da Paróquia Radio Alternativa FM 87,9 Segunda a sexta das 17:30 as 18:00hs Missas das 10:00hs de domingo da Igreja Matriz transmitida pela Radio Alternativa FM 87,9 e também pelo site da paróquia. Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52 05

[close]

p. 6

Natividade de Nossa Senhora Dia 08 de Setembro O nascimento de Nossa Senhora ou a Natividade de Maria é uma festa litú rgica das Igrejas Cató lica e Anglicana, celebrada no dia 8 de setembro, nove meses apó s a sua Imaculada Conceição, celebrada em 8 de dezembro. Também é celebrada pelos cristãos sıŕ ios em 8 de Setembro e pelos cristã os coptas em 1 Bashans (equivale a 9 de Maio). Na Igreja Ortodoxa, a Festa de Theotokos, é uma das doze grandes festas do ano litú rgico. Para aquelas igrejas que seguem o calendário juliano, acontece em 21 de Setembro; para as do calendá - rio gregoriano, em 8 de Setembro. Esta festa tem sua origem em Jerusalé m. Começou a ser celebrada no sé culo V como festa da Bası́lica Sanctae Mariae ubi nata est, atualmente cohecida como Bası́lica de Santa Ana. No século VII, já era celebrada pelas igrejas bizantinas e em Roma, como festa do nascimento da BemAventurada Virgem Maria. A festa foi incluı́da no calendá rio tridentino em 8 de Setembro e permanece, até hoje, nesta data. De acordo com a tradiçã o, Maria nasceu de pais já velhos e estéreis, chamados Joaquim e Ana, como resposta à s suas preces. A paciência e a resignaçã o com que sofriam a esterilidade levaram-lhes ao prê mio de ter por filha aquela que havia de ser a Mã e de Jesus. Eram residentes em Jerusalém, ao lado da piscina de Betesda, onde hoje se ergue a Basıĺ ica de Santa Ana; e aı́, num sá bado, 8 de setembro do ano 20 a.C., nasceu-lhes uma filha que recebeu o nome de Miriam, que em hebraico significa "Senhora da Luz", passado para o latim como Maria. Maria foi oferecida ao Templo de Jerusalé m aos três anos, tendo lá permanecido até os doze anos. Visivelmente, nenhum acontecimento extraordiná rio acompanhou o nascimento de Maria e os Evangelhos nada dizem sobre sua natividade. Nenhum relato de profecia, nem apariçõ es de anjos, nem sinais extraordiná rios sã o narrados pelos evangelistas. No entanto, Sã o Joã o Damasceno afirma que o nascimento a partir de uma mã e estéril já era um sinal das bençã os especiais que recaem sobre Maria. Ainda, em sua Homilia sobre a Natividade de Maria diz: "Hoje é o começo da salvaçã o do mundo, porque na Santa Probá tica foi-nos gerada a Mã e de Deus através de quem o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, nos foi gerado." Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ministro da Eucaristia - Sergio Justichechen CHAMADO VOCACIONAL REDENTORISTA Jovem, Jesus te chama! Seja um Missionário Redentorista, sendo padre ou irmão! “Jesus disse: ‘Não tenhas medo! De agora em diante serás pescador de homens!’”(Lc 5,10). Escreva para Secretariado Vocacional, falando com o padre Mello ou padre Celso Cruz: pvcampogrande@gmail.com 06 Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52

[close]

p. 7

"História à Exaltação da Santa Cruz" A piedade cató lica, movida pelo Espı́rito Santo, modelou ao longo dos sé culos, variadas formas de devoçã o à quilo que representa de maneira tocante, a Redençã o do Gênero Humano: a Santa Cruz de Jesus Cristo. "O crux ave, spes unica. Hoc passionis tempore. Piis ad augi gratiam. Veniam dona resque." - "Salve a cruz, nossa ú nica esperança. Neste tempo de sofrimento concede graça e misericó rdia aqueles que aguardam julgamento." A condenaçã o e morte pelo suplicio da cruz era uma morte ignominiosa, reservada para ladrõ es e assassinos. Segundo nos relata Cı́cero, os Crucificados - Os Romanos tinham duas maneiras de eliminar os criminosos: uma nobre, a decapitaçã o, e outra ignominiosa, que era a morte pela cruz. Portanto, Cristo morreu pela maneira mais cruel, a morte pela cruz. No suplicio da cruz o condenado, ao ser pregado na cruz, chegava ao má ximo da dor, uma vez que ao ter as mã os pregadas na cruz, cada prego lhe dava 21 de Setembro uma descarga de nervos, que fazia com que o condenado gritasse de dor. Na cruz o condenado perdia muito sangue e, em geral morria de asfixia, apó s muitas horas de sofrimento e, se continuasse vivo, suas pernas eram quebradas e, neste caso, a morte era instantâ nea por asfixia. Com efeito, na cruz a respiraçã o é lenta e mais curta, pois o ar penetra nos pulmõ es, mas nã o consegue fluir e o condenado tem sede de ar, semelhante ao asmá tico em plena crise. Bem, estamos rememorando esses fatos, para lhes dizer como foi cruel e dolorosa a morte de Jesus na Cruz. Entretanto, segundo os Evangelhos, Cristo ressuscitou e a cruz vazia passou a indicar para o cristã o uma fonte de salvaçã o e de ressurreiçã o. A Cruz para os cristã os, portanto nã o,é o sıḿ bolo de morte, mas de vida. Rocio Bevervanso Agente Cultural/Paróquia de Nossa Senhora do Bom Sucesso Aconteceu... Casais participam no Trıd́ uo em louvor a Santo Afonso Maria de Ligó rio de 01 a 03 de agosto. Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52 07

[close]

p. 8

Pastoral da Comunicação (Pascom) Nossa Senhora das Dores Dia 15 de Setembro Nossa Senhora das Dores possui também outras denominaçõ es , entre elas, Mater Dolorosa (Mã e Dolorosa). Ela é representada por uma figura de profunda dor e sofrimento, além das sete espadas ferindo o seu coraçã o, simbolizando os seus sete sofrimentos. Esta forte imagem nada mais é que a representaçã o das dores e tristezas que Nossa Senhora sofreu na sua vida terrena, suportando a grande perda e as provaçõ es, mas com a consciência de que tudo aquilo era o motivo de um bem maior. A histó ria desta Santa, é da Virgem Maria, mã e de Jesus, que passou a sua vida a amar e cuidar do filho de Deus e que enfrentou calada, mas com muita dor e pesar em seu coraçã o, por todos os sofrimento e humilhaçõ es que Cristo passou na terra. As sete lanças em seu coraçã o representam as sete dores de Nossa Senhora que sã o : Primeira: quando presencia a profecia que Siemã o fez sobre o futuro de Jesus ; Segunda: o momento do desespero e da fuga para o Egito; ŜŠŰŘŪŮŚȚÜĞŞÂŚŮȚŘŨşČŜÂĴŠŰẀČŬŠÛŜȚŘŰÂŲŮſŅŠŚȚŘĜ Quarta: quando Mã e e Filho se encontram no caminho para o Calvá rio (Paixã o de Cristo) ; Quinta: a dor e profundo sofrimento de ver seu filho Jesus crucificado ; Sexta: ao receber em seus braços o corpo do Messias apó s o falecimento na Cruz ; Sétima: momento de despedida a Jesus no Santo Sepulcro. O culto a Nossa Senhora das Dores iniciou-se em 1221 no Mosteiro de Schö nau na Alemanha. As comemoraçõ es como hoje conhecemos, celebrada no dia 15 de setembro, teve inıć io em Florença, na Itá lia, em 1239, através da Ordem dos Servos de Maria. A sua maior veneraçã o é feita na Bası́lica do Santuá rio de Monte Sená rio na Itá lia. Ela é Padroeira de inú meras cidades do Brasil, alé m do Estado de Minas Gerais, do Estado do Mississipi nos Estados Unidos e da Eslová quia. Ido Hepp Aconteceu... Missa da Catequese que aconteceu no segundo sá bado de agosto,13, Dizimo Mirim e Dia dos Pais. Apó s a celebraçã o aconteceu uma confraternizaçã o no salã o paroquial entre alunos da catequese e seus pais. Foi um dia especial que deixou lembranças de momentos de carinho e emoçã o! 08 Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52

[close]

p. 9

São Mateus Apóstolo O apó stolo e evangelista São Mateus teve dois nomes: Mateus e Levi. Mateus quer dizer “dom precoce” ou “conselheiro”; ou vem de magnus, “grande”, e Theos, “Deus”, como se dissesse “grande para Deus”. Diz a “Legenda Aurea” que “Ele foi um dom precoce por sua rá pida conversã o, foi conselheiro por sua salutar pregaçã o, foi grande diante de Deus pela perfeiçã o de sua vida, foi a mã o de que Deus se serviu para escrever Seu Evangelho”. Levi quer dizer “retirado”. Ele foi retirado de sua banca de cobrador de impostos e colocado entre os apó stolos. Lições de Mateus: 1. A prontidã o de sua obediência pois, no instante em que Cristo o chamou, ele abandonou seu ofıć io de cobrador de impostos, para juntar-se completamente a Cristo. 2. Sua generosidade ou liberalidade, pois logo serviu ao Salvador uma grande refeiçã o em sua casa. Recebeu Cristo com grande afeto e amor; e ali Jesus deu grandes ensinamentos: 21 de Setembro 3. Sua humildade, que se manifestou em duas circunstâ ncias: confessou ser um publicano. Ele chama a si mesmo de Mateus e publicano, para mostrar que ningué m deve perder a esperança na sua salvaçã o. 4. A honra de seu Evangelho ser lido com mais frequê ncia que os outros. De um homem á vido por riquezas e avarento, Cristo fez um apó stolo e um evangelista. Que ningué m se desespere pelo perdã o se quiser se converter. O Evangelho a ele atribuıd́ o nos fala mais amplamente que os outros trê s do uso certo do dinheiro. “Nã o ajunteis para vó s tesouro na terra, onde a traça e o caruncho os destroem, e onde os ladrõ es arrombam e roubam, mas ajuntai para vó s tesouros nos céus.” “Nã o podeis servir a Deus e ao dinheiro.” Uma tradiçã o antiga recorda que Mateus sofreu o martıŕ io apedrejado, queimado e decapitado na Etió pia. A Igreja comemora seu dia em 21 de setembro. Iliara Kloster Bassil (cancaonova.com) 21 de Setembro Dia da Árvore 22 de Setembro Início da Primavera Sabe, uma árvore grande, bem grande, de mais ou menos 10 metros de altura? Totalmente sem folhas. Seus galhos desnudos devido a açã o do inverno? Tudo hibernando: brotos, folhas e frutos? Apenas algumas plantas hospedeiras em sua copa resultado da açã o da visita dos passarinhos? pois bem, esta á rvore está no quintal do vizinho mas é a maravilha que eu contemplo todos os dias. Nela, se vê a açã o do tempo em toda a sua variedade e força. Agora - quando escrevo esta crô nica (9/8) - ela está como que um conjunto de zumbis fantasmagó ricos cobertos de musgos onde parece que o lusco-fusco da vida paira meio sem força no seu cinza amarronzado. Engano. Logo os brotinhos começarã o a sur- gir e em poucas semanas ela estará totalmente verdinha. Os passarinhos que o digam. Todos os dias muitos deles as visitam e parecem querer acordá -la do sono invernal com seu vozerio insistente e sucumbi-la para a vida primaveril que se aproxima. E o grande ciclo das estaçõ es. Tudo em sincronismo. E a primavera que se aproxima com todo o seu esplendor. Margarida Miranda Correa Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 48 09

[close]

p. 10

Missas com Bênção do Santíssimo 1ª Quarta-feira do Mês: Nossa Senhora do Perpé tuo Socorro 1ª Quinta-feira do Mês: Bênçã o da Saú de - Traga remé dios, receitas, roupas (Matriz) 2ª Quinta-feira do Mês: Bênçã o das Chaves da Casa, dos Carros, das Motos, da Bicicletas (Matriz) 3ª Quinta-feira do Mês: Bênçã o dos Alimentos - Traga alimentos para serem abençoados, e um quilo de alimento para partilhar com os pobres (Matriz) 4ª Quinta-feira do Mês: Bênçã o dos Trabalhadores e dos Desempregados (Matriz) 5ª Quinta-feira do Mês: Bênçã o dos Artigos Religiosos, Aguas (Matriz) HORÁRIO DAS MISSAS/NOVENAS HORÁRIO DE MISSAS Matriz N. Sra. Bom Sucesso/Centro 19h30 - Quarta, Quinta e Sexta 10h00 e 19h30 - Domingo N. Sra. Perpétuo Socorro/Brejatuba 19h30 - Quarta 08h00 - Domingo N. Sra. Navegantes/ Barra do Saí 18h00 - Quarta (Novena) 19h30 - Sábado N. Sra. Aparecida/Caieiras 19h30 - Quarta (Novena) 19h30 - Sábado Santo Antônio/Coroados 19h30 Quarta 08h00 - Domingo São Luis Gonzaga/Nereidas 19H30 - Quarta (Novena) 10h00 - Domingo N. Sra. Aparecida/Banaze 08h30 - 2° e 4° Domingo São Joaquim/Cubatão 10h00 - 2° e 4° Domingo N. Sra. Fátima/Riozinho 09h00 - 1° e 3° Domingo BATIZADOS NAS COMUNIDADES N. Sra. Navegantes 1° Sábado às 19h30 Santo Antônio 1° Domingo às 08h00 São Luis Gonzaga 2° Domingo às 10h00 N. Sra. Perpétuo Socorro 3° Dom. às 08h00 N. Sra. Aparecida 3° Sábado às 19h30 N. Sra. Bom Sucesso 4° Domingo às 10h00 HORÁRIOS DE ATENDIMENTOS E ASSESSORIAS DAS COMUNIDADES E PASTORAIS DOS MISSIONÁRIOS REDENTORISTAS EM GUARATUBA COMUNIDADE PASTORAIS, GRUPOS DIAS DE PLANTÃO Pe. Roque Sutil Gabriel, C.Ss.R. - Matriz N. Sra. Bom Sucesso (Centro) - Santo Antonio (Coroados) - São Joaquim (Cubatão) - Catequese; Liturgia e - quarta e sábado Canto; - Juventude; Coroinhas - P. Humanizante Pe. Pedro Hélio de Oliveira C.Ss.R - N. Sra. Aparecida (Caieiras) - N. Sra. navegantes (Barra do Saí) - P.P.I.; Criança; Dízimo; R.C.C.; - Leigos - segunda e sexta Pe. Donald R. Roth C.Ss.R. - N. Sra. Perpétuo Socorro (Brejatuba) - São Luiz Gonzaga (Nereidas) - N. Sra. Aparecida (banaze) - Ministros; Batismo; Familiar - Social - terça e quinta Comunhão, Participação e Missão São Luís de Franca Padroeiro de Guaratuba Obs.: Última segunda-feira do mês, não há atendimento, encontro dos padres. 10 Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52

[close]

p. 11

Datas e Eventos Paroquiais de Setembro HORA SANTA COM JESUS Local: Matriz Nossa Sra. do Bom Sucesso Data: 07/09 Horário: 18:30h. Toda primeira sexta feira de cada mê s. Participe conosco! SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS HORA SANTA Local: Comunidade Perpétuo Socorro Brejatuba Data: 07/09 Toda primeira sexta feira do mê s As 15h junto com o Terço da Misericó rdia. INFORMAÇÕES NA SECRETARIA PAROQUIAL Visite o site da Paróquia ww.paroquiaguaratuba.com.br Dia Mundial sem Carro Dia 22 de Setembro Com o crescimento da urbanizaçã o e da industrializaçã o nas sociedades do mundo todo, difundiu-se em grande parte o uso do automó vel como meio principal de locomoçã o. O carro tornou-se parte integrante de nossas vidas, de forma que, para muitos, é difıć il pensar a vida sem ele. Se o automó vel facilita a vida, de um lado acarreta problemas por outro, pois aumenta o consumo de combustıv́ eis e, consequentemente, gera mais poluentes para a atmosfera, principalmente o gá s carbô nico (CO2). Esse gá s é considerado por muitos cientistas um dos principais responsáveis pela intensificaçã o do efeito estufa e o agravamento do aquecimento global. Em razã o desse problema, foi criado o Dia Mundial sem Carro, celebrado em 22 de setembro. O primeiro paıś a comemorar essa data foi a França, no ano de 1997. No Brasil, desde 2001, movimentos ambientalistas e cicloativistas colocam a prá tica do Dia Mundial sem Carro em atividade, nã o tã o somente deixando o uso do automó vel, mas promovendo incentivos para que as pessoas utilizem meios alternativos de deslocamento nas cidades, principalmente com o uso da bicicleta para percorrer certas distâ ncias. Com isso, menos poluentes na atmosfera, e uma melhoria na qualidade de vida para a populaçã o. O uso do carro no nosso dia a dia é, sem dú vidas, importante. Porém, se, sempre que possıv́ el, optarmos por outras formas de deslocamento, estaremos contribuindo por uma sociedade melhor em vá rios aspectos, do social ao cultural, do polıt́ ico ao econô mico. A bicicleta é uma das grandes aliadas da saú de humana. Pedalar melhora o condicionamento fı́sico, ajuda a combater o estresse e previne doenças como hipertensã o, colesterol alto, enfarte, entre outras. "Em cima dela, (bicicleta) é possıv́ el observar melhor tudo o que acontece a sua volta e você ainda foge do estresse de quem está preso no trâ nsito", Patrícia BFitness (Ballet/Pilates/Dança) (brasilescola.uol.com.br) Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52 11

[close]

p. 12

Erosão Subterrânea em Guaratuba “Corre corre... porque a cidade esta afundando” Ningué m ficou ferido ou morreu naquele 22 de setembro de 1968 em Guaratuba, Litoral paranaense. Isso graças aos que saıŕ am forçosamente do cinema que ficou sem luz à s 22h30. Da porta do Cine Media Luz, na Rua da Praia, marco zero da cidade, a populaçã o conseguiu ver o que parecia ser o fim do mundo: o mar já havia derrubado o muro de arrimo da rua principal e avançava impetuosamente. Todos correram em debandada, batendo de porta em porta, acordando os que já haviam se deitado e pedindo para fugir dali. Maria do Rocio Bervervanso, uma criança na é poca, lembra que ficava olhando para o pai, que vagava pela rua em trajes de dormir e nã o entendia nada. Guaratuba havia perdido seu chã o. O dia do afundamento da orla de Guaratuba é atribuıd́ o a causas lendá rias, como a crença indı-́ gena de que ela seria tragada pelo mar para que a baıá se unisse à praia. O desastre também sobrou para os ex-escravos. Dizem que foram eles que rogaram uma praga para municıṕ io porque ali, dentro do prédio da antiga prefeitura, havia um pelourinho onde eram castigados – foi justamente este edifı́cio o primeiro a ruir. Há ainda quem tenha dito que a erosã o foi causada por um tatu enorme que estava fazendo buracos há anos perto do trapiche. Geó logos como Joã o José Bigarella, que estudou o solo depois do ocorrido, explicam que a erosã o ocorria há muito tempo, e foram inclusive registrada nas palavras de Saint Hilaire em 1820. Os problemas foram agravados com a construçã o do trapiche e do muro de arrimo. “O muro foi feito com dois metros de profundidade e com drenagem insuficiente. A á gua entrava por debaixo e nã o saıá . Quando começou o desmoronamento, a areia fina que restava virou á gua, por isso em menos de duas horas uma cratera se formou”, explica Bigarella. Catorze imó veis foram atingidos, num raio de 120 metros e 160 pessoas ficaram desabrigadas. O prédio da prefeitura veio abaixo, assim como o cartó rio eleitoral que ficava em anexo. A populaçã o perdeu tudo. O barbeiro Chavico, naquela noite, pulou na á gua, de pijama e tudo, para tentar salvar seus 600 cruzeiros que estavam em uma gaveta. Foi em vã o. Cachorro flutuava em cima de geladeira Logo depois do que aconteceu em Guaratuba, o morador Luiz Araú jo contou aos jornalistas como encontrou seu cã o, que dormia dentro de casa quando o mar engoliu a orla da cidade: “Ele havia sumido e me disseram que os Bombeiros conseguiram achá -lo em cima de uma geladeira que flutuava no mar”. A cena descrita pelo senhor Luiz resume o que foi a vida dos guaratubanos nos dias seguintes ao afundamento. Os pertences leves boiaram e os outros, como o cofre da prefeitura, foram parar no fundo do mar e só os escafandristas conseguiram recuperá -lo. Foram encontradas três má quinas da padaria do senhor Floriano e muitos mó veis que ficaram encobertos pelo lodo. Uma caixa de papelã o do bazar Austria, onde haviam sido guardados 8 mil cruzeiros novos, foram engolidos pela á gua e nunca mais apareceram. Naquela noite, um funcioná rio da prefeitura ligou para Paranaguá pedindo socorro, mas a histó ria narrada foi desacreditada pelo policial que estava do outro lado da linha. A cena era mesmo de horror. Moradores como a aposentada Luiza Pickius, contaram à imprensa que os azulejos das casas começaram a cair junto com o ventilador de teto. O chã o começou a ficar com grandes fissuras e as á rvores e postes pareciam ser engolidos pelo solo, porque nã o caiam, apenas afundavam verticalmente. “A sensaçã o era de que as construçõ es estavam podres e iam se esfarelando”, diz ela. 12 Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52

[close]

p. 13

Casca de ostra - A prefeitura funcionava no edifı́cio Sã o Luıś , que antes era Câ mara e Cadeia. Ele foi construıd́ o por volta de 1771, época da fundaçã o da cidade. Como nã o havia cimento, o prédio foi levantado com casca de ostra, pedra de rio e ó leo de baleia. O que veio abaixo A tragédia de setembro de 1968 destruiu importantes edificaçõ es de Guaratuba: - Prefeitura de Guaratuba – prédio Sã o Luıś . - Cartó rio eleitoral e Câ mara de Vereadores. - Bar Patriarca, barbearia Chavico, loja Agnel- lo, restaurante Marabá , loja do proprietá rio Floriano Millek, Bar Nacional, uma panificadora recém-construıd́ a, bazar Austria, a sede do Clube Atlé tico Ipiranga, a casa do exprefeito Joaquim Mafra e outras residê ncias particulares. Matéria na Gazeta do Povo em 30/11/2012 São Gerônimo, Presbítero e Dr. da Igreja “Ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo” Nasceu em Dálmacia, (hoje Croácia) em 340. Filho de pais abastados, ficou conhecido como escritor, filó sofo, teó logo, historiador e exegeta* e doutor da igreja. Na sua juventude foi estudar em Roma, e aproveitou para conhecer as Catacumbas, onde contemplava nas capelas e se esforçava para decifrar os escritos nos tú mulos dos Má rtires . Ele teve um sonho que foi determinante para a sua conversã o: Nesse sonho ele se apresenta como Cristã o e é repreendido pelo pró prio Cristo, por estar faltando com a verdade. Ainda nã o tinha assumido um compromisso de traduzir as Sagradas Escrituras. Logo em seguida, (aos 25 anos) foi batizado pelo Papa Libé rio, terminou seus estudos em Roma, foi em peregrinaçã o para a Terra Santa, mas ficou doente e permaneceu um tempo em Antioquia. Com o tempo retirou-se para o Deserto de Cá lcida com o propó sito de seguir uma vida Eremıt́ ica. Foi ordenado sacerdote em 379, começou estudar varias lıń guas para responder as necessidades da época, isto a pedido do Papa Dâ maso, já para traduzir as Sagradas Escrituras, que eram escritas em Aramaico, Hebraico e Grego. E traduzi-las para o Latim, que era a lıń gua oficial da igreja. Foi um trabalho imenso de muita dedicaçã o amor e fé na palavra do Senhor. Isto já , morando em Belé m numa gruta com alguns monges. Sua vida foi repleta de atividades, foi conselheiro de vá rias pessoas que se tornaram santas, era uma pessoa muita capacitada, inteligente, estudioso, um poliglota, falava varias lıń guas. Faleceu no dia 30 de Setembro de 420, da era cristã . A igreja declarou o Padroeiro de todos os que se dedicam aos estudos da Bıb́ lia. Sã o Gerô nimo, Rogai por nó s! Pe. Roque CSsR, Missionário Redentorista Fonte: Santo do dia. Canção Nova - Exegeta- intérpetre ou comentarista de textos bíblicos, gramaticais ou legais. Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52 13

[close]

p. 14

Príncipe e Princesas Tradição na Festa do Divino em Guaratuba Um dos eventos mais esperados da Festa é justamente para aqueles que serã o o futuro da nossa cidade e do paıś . O Evento Cinderela e Prıń cipe é uma atraçã o que enche os olhos dos pais, padrinhos e convidados. Malgarete Costa e sua equipe que há 18 anos organiza esse dia de contos de fadas para as crianças. Este ano o nosso reino Guaratubano contou com 14 crianças. Sã o elas, Mahbily Coalhato Maes, Sofia Odevagen Veiga, Camila Penelope Martins Wistuba, Luanna da Luz Cabral, Valentina Koszela Pimenta, Giovana Machado da Silva, Alana Teixeira da Costa, , Ana Julia Salvador, Maria Clara Slobodzian, Kamilly Romdesperger, Benjamin Rosa de Oliveira, Rafael Farias Marcondes, Luiz Guilherme Machado da Silva, Samuel Felipe da Silva Tiller. No dia 14 de julho desfilaram perante toda a comunidade, mas se engana quem pensa que esses pequenos só se encontram no dia do evento. No dia 23 de Junho, a também tradicional Festa Junina dos candidatos e candidatas aconteceu no Hotel Pousada Porto da Lua. Dona Eliane e seu Cesar já oferecem com todo amor uma tarde deliciosa para os pequenos há 18 anos. E a oportunidade de encontrar os amigos é receber as ú ltimas informaçõ es para o grande dia. Com tanta dedicaçã o desses pais, é impossı-́ vel deixar de contribuir e prestigiar nesse dia de encanto e magia. Além de ganharem a viajem com acompanhante para o Beto Carrero, ainda levam vá rios presentes. Assim formou se o Evento Cinderela e Prıń cipe. Malgarete Costa 14 Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52

[close]

p. 15

Bem-Aventurado Gaspar Stanggassinger No dia 26 deste mê s a Congregaçã o do Santıś simo Redentor celebra a memó ria do Missioná rio Redentorista padre Gaspar Stanggassinger, uma pessoa alegre, bondosa, espelho do grande amor de Deus. Morreu jovem, com apenas 28 anos, quatro anos depois de ter sido ordenado padre. Gaspar Stanggassinger nasceu no sul da Alemanha em 12 de janeiro de 1871, sendo o segundo de 16 filhos. Queria ser padre desde a infâ ncia, e ao conhecer a obra de Santo Afonso entrou na Congregaçã o do Santıś simo Redentor no dia 6 de outubro de 1892. Sua vida foi de inteira dedicaçã o a Igreja e à formaçã o de novos sacerdotes, vivendo com extrema dedicaçã o a espiritualidade redentorista, dizia: “Os santos têm intuiçõ es especiais, mas o que é importante pra mim, que nã o sou um santo, sã o simplesmente as verdades eternas: A Encarnaçã o, a Redençã o e a Santıś sima Eucaristia”. Foi um missioná rio muito cuidadoso com as coisas de Deus, guiava os estudantes, ajudava nas igrejas das cidades vizinhas, estava sempre disponıv́ el e foi um excelente pregador. Em sua missã o, animava o povo de Deus a buscar frequentemente a devoçã o ao Santıś simo Sacramento, tinha a certeza que em Cristo Eucarıś tico se encontrava o consolo nos momentos de necessidade. Sua vida foi um testemunho vivo do Evangelho, com humildade transbordava a misericó rdia, era direto e convincente, amigo e compreensivo. Sua vida é um estıḿ ulo e um exemplo, especialmente para 26 de Setembro todos que trabalham na Pastoral da Juventude e na Pastoral Vocacional. Com apenas 28 anos, no dia 26 de setembro de 1899 sua peregrinaçã o aqui na terra chegou ao fim, sua breve vida foi intensa e totalmente entregue a vontade de Deus, e no dia 24 de abril de 1988, Stanggassinger foi proclamado beato pelo Santo Padre, o Papa Joã o Paulo II. Oração Deus eterno e onipotente, que enriquecestes o Bem-Aventurado Gaspar Stanggassinger, sacerdote, com o dom de anunciar a fé com alegria e de formar com esmero os candidatos ao sagrado ministério, concedei-nos que, auxiliados pela sua proteção e estimulados pelo seu exemplo, nos tornemos cooperadores do divino Redentor, confirmando com a vida a fé que proclamamos com as palavras. Por Cristo Nosso Senhor. Amém. Para conhecer mais sobre a espiritualidade dos santos e beatos redentoristas acesse: http://redentoristas.org.br Thiago Coutinho Seminarista Redentorista Aconteceu... 10 de Agosto, foi um dia de muita alegria com a ordenaçã o diaconal de 3 seminaristas de nossa diocese de Paranaguá . Agradeço a Deus pela ordenaçã o Diaconal de Alberto, Felipe e Tiago. Agradeço també m a todas as pessoas que os ajudaram em sua caminhada formativa. Continuemos a rezar por eles. Dom Edemar Peron Revista Voz da Paróquia | Comunhão, Participação e Missão |Ano IV | Setembro 2018 | Nº 52 1505

[close]

Comments

no comments yet