Boletim Especial CORES edição 05 - Agosto de 2018

 

Embed or link this publication

Description

boletim-especial-sustentabilidade

Popular Pages


p. 1

Edição Especial de 5 anos

[close]

p. 2



[close]

p. 3

MENSAGEM DO PRESIDENTE A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável nos propõe um desafio hercúleo. Um dos capítulos destaca que “Nós podemos ser a primeira geração a obter êxito em acabar com a pobreza; assim como também podemos ser a última com chance de salvar o planeta”. É uma responsabilidade e tanto. A Fiesp e o Ciesp assumiram esse compromisso. Com o objetivo de inspirar a Indústria paulista e brasileira, ambos, por meio do seu Comitê de Responsabilidade Social, produziram esta edição comemorativa do Boletim Sustentabilidade, que destaca diversas empresas que já incorporaram os conceitos da Sustentabilidade de forma mais ampla em sua estratégia de gestão e têm dado sua contribuição para a Agenda 2030. Estamos trabalhando, de diversas formas e em várias frentes, para promover mudanças significativas e avançar rumo ao mundo mais sustentável. Juntos, empresas, governo e sociedade civil, podemos ser grandes atores nesta história e promover as mudanças que farão diferença no mundo. Durante muito tempo a ideia de Sustentabilidade esteve relacionada somente ao meio ambiente. Muitas empresas desenvolveram projetos voltados à preservação da fauna e flora, reúso de água, logística reversa e outras ações que, embora muito relevantes, não alcançaram o conceito mais amplo da Sustentabilidade. Foi ficando cada vez mais claro que o termo representa a integração de três importantes dimensões, e as empresas perceberam que sua atuação no mercado precisaria estar sustentada em três pilares: o econômico, o ambiental e o social, de forma plenamente equilibrada. Em 2015, foi apresentado ao mundo algo ainda mais amplo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, um plano de ação elaborado pelos líderes mundiais que compõem a ONU (Organização das Nações Unidas) para erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir que as pessoas alcancem a paz e a prosperidade. A Agenda 2030 desafia a atuação empresarial, propondo uma meta ambiciosa em seu preâmbulo: “Nós nos comprometemos a que ninguém seja deixado para trás”. Este compromisso, extremamente louvável, exige grande transparência e traz uma nova visão para o mundo dos negócios. Ao mesmo tempo, oferece aos empresários e aos países a oportunidade de trabalhar juntos, de contribuir para erradicar a pobreza e combater a desigualdade, indicadores que impedem o crescimento das nações, das empresas e das pessoas. O pilar Social da Sustentabilidade nunca foi tão importante para os negócios e para o desenvolvimento dos países quanto hoje, se levarmos em consideração que as empresas têm o potencial de remodelar a economia e sua relação com a sociedade. Criando valor para a sociedade, as empresas também podem impulsionar a próxima onda de inovação e crescimento da produtividade na economia global, abrindo os olhos dos gestores para as necessidades humanas e para novos mercados, ao mesmo tempo em que criam vantagens competitivas. Parabéns às empresas que estão nesta edição comemorativa e também a todas as outras que abraçam a Sustentabilidade. Um forte abraço, José Ricardo Roriz Coelho Presidente em exercício da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo e presidente da Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico)

[close]

p. 4



[close]

p. 5

CARTA AO LEITOR Caro (a) Leitor (a) É com alegria que compartilhamos mais uma edição comemorativa do Boletim Sustentabilidade com a certeza de que estamos no bom caminho, apresentando a cada mês um produto com conteúdo e informação relevantes, produzido pelas áreas de Responsabilidade Social da Fiesp e Ciesp. Já são 5 anos de trabalho intenso, pesquisando, conhecendo e divulgando as boas práticas das indústrias que impactam positivamente a vida de milhares de pessoas. Nas páginas desta publicação você conhecerá os desafios enfrentados por estas empresas para aplicar os conceitos de Sustentabilidade - elas enfrentaram muitos obstáculos, mas os frutos colhidos e apresentados aqui demonstram que vale a pena todo o esforço quando você constata os efeitos produzidos na vida das pessoas e da sociedade. Nesta edição, apresentaremos as experiências de 20 empresas, divulgadas no último ano. São ações que vão desde o apoio à sua cadeia de valor, passando por iniciativas que geraram valor para a sociedade, até as que transformaram vidas e promoveram a saúde dos colaboradores. Além das empresas, você poderá conhecer ainda 5 sindicatos patronais que promoveram a sustentabilidade entre seus associados e fomentaram o tema. Desde 2013, já publicamos 49 edições, com 126 empresas e 10 sindicatos, tornando o Boletim Sustentabilidade um importante veículo de propagação das práticas voltadas ao pilar social do Desenvolvimento Sustentável. Para nós, esse é um trabalho motivador e que reforça a crença na criação de um ambiente global favorável ao desenvolvimento humano e social, que reduza as desigualdades, leve a ganhos nas áreas sociais e que contribua cada vez mais para alcançarmos o compromisso assumido por ocasião da definição da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável: “Nós nos comprometemos a que ninguém seja deixado para trás” Esperamos que esta edição os inspire a inserir a Sustentabilidade na estratégia dos negócios. Estamos à disposição para apoiar no que for preciso. Um abraço, Grácia Fragalá Vice-presidente do Conselho Superior de Responsabilidade Social – Consocial Diretora Titular do Comitê de Responsabilidade Social da Fiesp Diretora Titular do Núcleo de Responsabilidade Social do Ciesp

[close]

p. 6



[close]

p. 7

SUMÁRIO LÍDERES PELO SOCIAL – ARTIGOS������������������������������������������������������������������� 9 DESAFIOS À RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO����������������������������������������������� 10 OLHAR E ATITUDE PARA O SOCIAL������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 12 É PRECISO CONSTRUIR UM FUTURO SUSTENTÁVEL E INCLUSIVO���������������������������������������������������������������� 14 O DESENVOLVIMENTO HUMANO E SOCIAL COMO UM CAMINHO PARA UM MUNDO JUSTO E SUSTENTÁVEL������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 16 DIVERSIDADE, EQUIDADE E INCLUSÃO NO MEIO CORPORATIVO: DISCURSO OU PRÁTICA?��������������������� 18 SUSTENTABILIDADE E DIVERSIDADE ANDAM LADO A LADO NA AVON���������������������������������������������������������� 20 O SETOR TÊXTIL E O COMPROMISSO COM A RESPONSABILIDADE SOCIAL�������������������������������������������������� 22 INICIATIVAS SUSTENTÁVEIS: EMPRESAS INDUSTRIAIS������������������������������������� 25 GRUPO FERRERO – FASES DE VALOR�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 26 GERDAU – PARCERIAS RESPONSÁVEIS����������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 29 NESPRESSO – TRANSPARÊNCIA PELA SUSTENTABILIDADE���������������������������������������������������������������������������� 31 DANONE – TRANSFORMANDO VIDAS�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 33 FIBRIA – COMPARTILHANDO VALOR COM A SOCIEDADE���������������������������������������������������������������������������������� 35 LUBRASIL – PROMOÇÃO DA SAÚDE BIOPSICOSSOCIAL����������������������������������������������������������������������������������� 37 ENERPEIXE – QUALIDADE DE VIDA EM FOCO������������������������������������������������������������������������������������������������������ 39 KIMBERLY CLARK – ABRAÇAR PARA DESENVOLVER������������������������������������������������������������������������������������������� 41 ELI LILLY – INVESTINDO NO DESENVOLVIMENTO INTEGRAL��������������������������������������������������������������������������� 43 BAYER – APOSTANDO NA DIVERSIDADE��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 45 VEDACIT – CONECTANDO A CAUSA E O NEGÓCIO��������������������������������������������������������������������������������������������� 46 DOW – PARCEIROS DA DIVERSIDADE�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 48 MICROSOFT – UNINDO ESFORÇOS PELA EDUCAÇÃO��������������������������������������������������������������������������������������� 50 SCHNEIDER ELETRIC������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 52 TECNISA���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 54 FRIGORÍFICOS CARDEAL – REDUZINDO DESPERDÍCIOS����������������������������������������������������������������������������������� 56 PAPIRUS – MATÉRIA PRIMA RECICLADA���������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 58 COLORADO MÁQUINAS – TRANSFORMANDO RESÍDUO EM RENDA��������������������������������������������������������������� 59 INICIATIVAS SUSTENTÁVEIS: SINDICATOS PATRONAIS ������������������������������������ 61 SINICESP �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 62 SINBI ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 64 SINDUSFARMA ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 66 SINDIREPA–SP ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 68 SINBEVIDROS������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 70

[close]

p. 8



[close]

p. 9

LÍDERES PELO SOCIAL – ARTIGOS Os artigos assinados não necessariamente expressam a visão das entidades da indústria (Fiesp/ Ciesp/Sesi/Senai). As opiniões expressas no texto são de inteira responsabilidade do autor.

[close]

p. 10

LÍDERES PELO SOCIAL – ARTIGOS DESAFIOS À RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Por Haruo Ishikawa Haruo Ishikawa é vice-presidente de Capital-Trabalho e Responsabilidade Social do SindusCon–SP, presidente do Seconci–SP, líder de SST na CBIC, coordenador da Bancada Patronal do CPN da NR-18 e membro do Comitê de Responsabilidade Social. O que nos une, ativistas sociais, é tornar a vida melhor, melhorar a humanidade, melhorar as pessoas. Na vida empresarial, investimento social dá visibilidade e lucro, quando feito de forma profissional e sustentável. Ele se tornou uma característica mundial das empresas e um fator de valorização das ações de muitas delas nas bolsas de valores. Nesta perspectiva, o trabalho das instituições em que militamos apresenta diversos desafios. No SindusCon–SP (Sindicato da Indústria da Construção), nosso foco é o bem-estar do trabalhador e de seus familiares, buscando incessantemente valorizá-los. Zelar pela motivação pessoal e pelo crescimento profissional do trabalhador é condição indispensável à prevenção de acidentes e à elevação da produtividade na construção. Com esta perspectiva, desenvolvemos ações que incluem: o ConstruSer (Encontro Estadual da Construção Civil em Família), a Megasipat (Mega Semana Interna de Prevenção de Acidentes), o PSS (Programa SindusCon–SP de Segurança), a liderança do tema da Segurança do Trabalho dentro da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), a coordenação da bancada patronal do CPN (Comitê Permanente Nacional) da NR-18, e a inserção segura de Pessoas com Deficiência nos canteiros de obras. O mais difícil no trabalho social é transmitir motivação e conhecimentos para uma massa enorme, heterogênea e pulverizada de pessoas. Na construção, falamos com 2,3 milhões de trabalhadores, dos quais mais de 670 mil no Estado de São Paulo. Assim, para atingir o maior número de empresas e trabalhadores, optamos por ações e eventos que se viabilizam mediante valiosas parcerias. O ConstruSer, por exemplo, maior evento de responsabilidade social da construção paulista, é uma realização do SindusCon–SP com Fiesp, Sesi–SP, Senai–SP e Seconci–SP (Serviço Social da Construção). Durante um dia inteiro, mais de 20 mil trabalhadores e seus familiares encontram-se nos Centros de Atividades do Sesi–SP na capital e no interior paulistas. Realizam exames médicos e participam de esportes e atividades sobre educação, geração de renda por meio de arte e criatividade, sustentabilidade ambiental, educação financeira, alimenta- 10 Boletim Sustentabilidade | Edição Especial de 5 anos

[close]

p. 11

LÍDERES PELO SOCIAL – ARTIGOS ção, nutrição, cultura e segurança no trabalho e no lar. De 2008 a 2017, o ConstruSer já recebeu 331 mil trabalhadores da construção civil e seus familiares, gerando 3,5 milhões de atendimentos em 724 atividades oferecidas gratuitamente. A Megasipat, o maior evento de saúde e segurança do trabalho da construção civil paulista, busca despertar o interesse do trabalhador na prevenção da saúde de acidentes de trabalho, além de abordar temas como higiene, medicina e segurança do trabalho, proteção ao meio ambiente, ética, cidadania e responsabilidade social. Realizado em parceria com Sesi–SP, Senai-SP e Seconci–SP na capital e no interior do Estado, o evento auxilia as empresas do setor a complementar as suas Sipats (Semanas Internas de Prevenção de Acidente de Trabalho) e formar agentes de boas práticas, multiplicadores em suas respectivas empresas. De 2000 para cá, a Megasipat contribuiu para formação de cerca de 30 mil trabalhadores em 4 mil empresas. O PSS, realizado em parceria com o Senai–SP, visa orientar as construtoras sobre os cuidados com a Segurança do Trabalho. Técnicos visitam permanentemente os canteiros de obras em todo o Estado, verificando se estão atendendo a NR-18 e as demais Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho para a prevenção de acidentes. Na Comissão de Política e Relações Trabalhistas da CBIC, desenvolvemos atividades, ações e publicações destinadas à segurança do trabalho. No momento, estamos realizando a Canpat (Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes na Indústria da Construção), mediante seminários nas cinco regiões do país. O evento conta com parceria dos Sesis, Seconcis e do Ministério do Trabalho, e aborda os temas de interesse do momento: inovações e boas práticas em Saúde e Segurança do Trabalho, atuação das entidades na prevenção de acidentes e reforma trabalhista. Em parceria com as entidades dos trabalhadores e o Seconci–SP, e com anuência do Ministério do Trabalho, desenvolvemos uma ação permanente visando à inserção segura de Pessoas com Deficiência na Construção Civil, em atendimento à Lei de Cotas. Também orientamos as empresas ao preenchimento da cota de aprendizes. A preservação da saúde e da segurança do trabalhador também é objeto de várias cláusulas das Convenções Coletivas que o SindusCon–SP assina anualmente com as entidades dos trabalhadores. As construtoras obrigam-se a uma modesta contribuição mensal para o Seconci–SP, que em contrapartida proporciona atendimento médico e odontológico ambulatorial gratuito para os funcionários das mesmas e seus dependentes. Além disso, o SindusCon–SP tem vasta atuação na área da sustentabilidade. Destacam-se a colaboração com o governo estadual para a Montagem do Sigor (Sistema Estadual de Gerenciamento Online de Resíduos Sólidos) e as ações para estimular a construção sustentável, com preservação dos recursos naturais e combate à emissão de gases estufa. Desta forma, exercemos nossa responsabilidade social, em busca de um Brasil economicamente forte, socialmente justo e ambientalmente desenvolvido. Boletim Sustentabilidade | Edição Especial de 5 anos 11

[close]

p. 12

LÍDERES PELO SOCIAL – ARTIGOS OLHAR E ATITUDE PARA O SOCIAL Por Tania Cosentino Tania Cosentino é presidente da Schneider Electric para América do Sul, membro do Diversity & Inclusion Advisory Board da Schneider Electric, lidera o programa HeForShe, uma iniciativa da ONU Mulheres e do Pacto Global da ONU e recebeu o 1º Prêmio CEBDS de Liderança Feminina, iniciativa do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), por seu trabalho em prol do empoderamento feminino. Empresa nenhuma – em particular aquela posicionada como líder no seu mercado – pode ignorar seus impactos ambientais e sociais, sejam eles negativos ou positivos. A velha crença de que o sucesso organizacional está atrelado única e tão somente ao desempenho financeiro deu lugar ao entendimento de que a geração de valor econômico deve estar intrinsecamente ligada à criação de outros valores para a sociedade. Não se trata de ações beneficentes, responsabilidade social, nem mesmo sustentabilidade. Estamos falando de valor compartilhado – um novo modelo em que o êxito de uma companhia e o progresso de um povo estão diretamente relacionados. Vivemos um momento difícil, no Brasil e no mundo como um todo: desigualdade social, criminalidade, poluição, escassez de recursos naturais. Precisamos mudar; o planeta e a sociedade não podem mais esperar, e o setor privado, por sua vez, pode e deve ajudar. Eu me considero uma ativista pela inovação para a sustentabilidade e fico feliz de atuar em uma companhia que me dá espaço para abraçar causas tão urgentes. Desde 2002, nós, da Schneider Electric, trabalhamos mundialmente com o Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) e incorporamos suas iniciativas em nossos negócios. Quando a entidade lançou, em 2015, os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) e suas 169 metas a serem alcançadas até 2030, nós logo nos envolvemos. Para mim, esse tema é apaixonante, e temos inúmeros projetos dos quais me orgulho muito. Desde 2009, desenvolvemos o Programa de Acesso à Energia, cujo objetivo é levar energia renovável, segura, limpa e confiável a áreas isoladas, dependentes de combustíveis fósseis, com fornecimento precário de energia ou sem acesso a ela, além de promover treinamento em competências relacionadas ao setor elétrico para comunidades de baixa renda. Até 2025, a meta global da nossa empresa é gerar eletricidade para 50 milhões de pessoas e treinar 1 milhão. Até o momento, levamos luz elétrica para 5 milhões de pessoas e treinamos mais de 100 mil. Na América do Sul, em cinco anos, capacitamos 30 mil homens e mulheres, elevando a renda média da comunidade piloto em 52%. No Brasil, somente em 2017, contribuímos para a instalação de mais de 30 sistemas de energia solar em comunidades indígenas e extrativistas do Amazonas, beneficiando espaços de uso comunitário (escolas, uni- 12 Boletim Sustentabilidade | Edição Especial de 5 anos

[close]

p. 13

LÍDERES PELO SOCIAL – ARTIGOS dades de saúde) e atividades produtivas (pimenta, mel, castanha), e mantivemos sete parcerias educacionais ativas em diferentes estados. Em um projeto de instalação de sistemas solares no Território Indígena do Xingu, realizamos uma capacitação que beneficiou 28 jovens indígenas de 18 aldeias, de sete etnias. Ao levar energia para uma região isolada, acreditamos ser possível melhorar condições de educação, saúde, comunicação, atividades econômicas e outros aspectos. O acesso à energia colabora para a erradicação da pobreza, a redução das desigualdades e o alcance a outros direitos fundamentais. Vale comentar também acerca das nossas ações a favor das mulheres. Desde 2015, a Schneider Electric é um dos dez participantes corporativos do Impact 10x10x10, da ONU Mulheres, um grupo de empresas, universidades e governos que atua em políticas de gênero. Desde então, cerca de 40 mil colaboradores se juntaram ao HeForShe, programa da ONU Mulheres e da UN Global Compact Initiative. E mais: em 2016, 40 presidentes de países da nossa empresa assinaram os Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs) estabelecidos pela ONU Mulheres e pelo Pacto Global. Diversidade de gênero não é “papo de mulher”; por isso, a intenção do HeForShe é trazer os homens para a conversa, pois são eles, ainda, aproximadamente 95% dos CEOs. Já os WEPs apresentam, de forma simples, sete passos para uma empresa criar seu programa de diversidade de gênero, e tudo começa colocando o tema na agenda do CEO e das altas lideranças. E após assumirmos formalmente esses compromissos em toda a América do Sul, fizemos uma análise da nossa demografia, identificamos nossos “gaps” e estabelecemos nossas metas: aumentar o recrutamento de mulheres para 42% sobre o total até 2017 (meta medida trimestralmente desde 2015); ter 30% de mulheres na alta liderança global da empresa até 2020; e ter 95% dos nossos colaboradores trabalhando em países com processos estabelecidos para eliminar o “pay gap” até 2020. Tenho orgulho de dizer que, inspirada e apoiada pelo CEO global, Jean-Pascal Tricoire, lidero essa grande transformação e posso observar bons resultados. Nossas ações vão além das nossas fronteiras; levamos nossos programas aos nossos parceiros, fornecedores e às comunidades. Temos o dever de elevar o nível de toda nossa cadeia de valor, inserindo padrões de ética, gestão e RH. Eu, aliás, dedico parte do meu tempo a fazer o “advocacy” de sustentabilidade e diversidade, pois acredito que, promovendo nossas ações, compartilhando conhecimento, podemos impactar positivamente toda a sociedade. Essa é minha contribuição – como executiva e como indivíduo. Boletim Sustentabilidade | Edição Especial de 5 anos 13

[close]

p. 14

LÍDERES PELO SOCIAL – ARTIGOS É PRECISO CONSTRUIR UM FUTURO SUSTENTÁVEL E INCLUSIVO Por Ulisses Matiolli Sabará Estamos diante de um novo marco para a construção de uma economia inclusiva e compartilhada, com o objetivo de eliminar a pobreza e criar um quadro institucional para o desenvolvimento sustentável. Neste momento, o nosso compromisso é fortalecer as práticas nos negócios, no ambiente interno e nas múltiplas relações para garantirmos uma perspectiva de inclusão, equidade e sustentabilidade para as gerações atuais e futuras. Ulisses Matiolli Sabará é presidente da Beraca, uma das unidades de negócios do Grupo Sabará, estudou Engenharia Química e Administração de Empresas. Foi reconhecido em 2016 como um dos dez nomes responsáveis por divulgar e implantar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, resultado de um trabalho alinhado ao Objetivo número 15 – Vida Terrestre. A ideia é estabelecer uma relação amigável entre os processos produtivos da sociedade e os processos naturais. Dessa maneira, será possível promover a conservação, a recuperação e o uso sustentável dos ecossistemas, tratando os serviços prestados à vida como ativos financeiros de interesse público. Essa é uma estratégia que ajuda a transformar a sociedade e a fortalecer o setor privado, pois o investimento no capital humano, a valorização das cadeias produtivas e a preservação dos recursos naturais são elementos essenciais para que possamos trilhar o caminho do crescimento em harmonia com a proteção do meio ambiente e o desenvolvimento econômico e social. Aliás, em junho de 2016, fui reconhecido pela ONU como um dos Local SDG Pioneers, devido aos esforços que realizo alinhado ao Objetivo número 15 – Vida Terrestre (Life on Land) –, dedicado a proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda da biodiversidade. A ação selecionou dez líderes empresariais e agentes de transformação de todo o mundo, com a missão de defender a sustentabilidade por meio de seus modelos de negócios, promover a mudança e mobilizar a comunidade empresarial em geral para que sejam tomadas medidas de apoio aos ODS. O grande foco dos selecionados é mobilizar esforços para que, até 2030, as ações sejam aplicadas universalmente, de modo que contribuam para o fim de todas as formas de pobreza, promovam a luta contra as desigualdades e combatam as alterações climáticas, assegurando que ninguém seja deixado para trás. 14 Boletim Sustentabilidade | Edição Especial de 5 anos

[close]

p. 15

LÍDERES PELO SOCIAL – ARTIGOS Na Beraca, entre as iniciativas que sempre destaco, está o Programa de Valorização da Sociobiodiversidade®, criado no ano 2000 e que está baseado nos alicerces: “Rentabilidade Adequada”, “Preservação da Água e Biodiversidade” e “Desenvolvimento Humano de Forma Equilibrada”. Trata-se de um projeto que atua como uma ponte entre 105 comunidades agroextrativistas espalhadas pelo Brasil, com mais de 2.500 famílias, e os principais fabricantes mundiais de cosméticos. Isso faz com que a empresa conecte a biodiversidade brasileira a milhares de consumidores por meio de uma relação de transparência, rastreabilidade e inovação. Para mensurar a importância desse projeto, promovemos uma parceria entre a Beraca, a Universidade de São Paulo (USP) e a Columbia University, de Nova York, nos Estados Unidos, para realizar um estudo inédito sobre os impactos proporcionados. A análise avaliou 334 famílias, dos municípios de Salvaterra, Breves (Furo do Gil) e Bragança, no Pará, e Palmeira do Piauí e Uruçuí, no Piauí, e concluiu que, em determinadas regiões, a cada R$ 1 investido no extrativismo sustentável, são retirados R$ 3,6 da mão de obra em madeireiras ilegais. Ao falarmos em comprometimento com questões socioambientais, devemos ressaltar também que durante a 21a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, a COP21, realizada em 2015, o Brasil assumiu a responsabilidade de zerar o desmatamento na Amazônia Legal e restaurar 12 milhões de hectares de florestas. Para que o país atinja esses números, além do reflorestamento, com a fiscalização e a criação de unidades de conservação, é preciso apostar em alternativas de uso sustentável da floresta pelas mais de 4 milhões de pessoas que lá vivem. Uma oportunidade para atingir a meta é por meio do extrativismo sustentável, iniciativa que consiste na manutenção das florestas em pé, para que seus frutos e sementes sirvam como uma fonte de renda aos moradores das comunidades ribeirinhas e pequenos núcleos de agricultura familiar. As famílias que vivem em áreas como a região amazônica não podem depender apenas de atividades como a monocultura de mandioca e a pesca, por exemplo. Diante disso tudo, defendo fortemente a importância da criação de cadeias de valores dentro dos negócios, capazes de garantir a perenidade e o aperfeiçoamento das três dimensões do conceito de sustentabilidade: o valor agregado do próprio negócio; a melhoria do bem-estar de populações rurais localizadas em áreas remotas; e a preservação do meio ambiente. Apenas com estímulo em ações socioambientais, é possível reduzir a pressão sobre os recursos naturais. Boletim Sustentabilidade | Edição Especial de 5 anos 15

[close]

Comments

no comments yet