Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

Ano XI - Edição 128 - Julho 2018 Distribuição Gratuita TEMPOS DE SEM TETO Relatório da ONU aponta aumento do Viver nos centros urbanos sempre abuso de medica- foi uma tarefa árdua para uma grande parcela da população brasileira. Aos trabalhadores e trabalhadoras de baixa renda que não pos- mentos sob prescrição no mundo. O uso não medicinal suem casa própria, a tarefa se a- de medicamentos presenta ainda mais difícil. sob prescrição está se tornando uma enorme ameaça para a saúde pública e o cumprimento da lei no mundo. Página11 Página 13 Dia 13 Dia Eclipse solar parcial de julho 2018 Como “comportamento de manada” permite manipulação da opi- nião pública por fakes. Página 15 O segundo eclipse parcial do Sol em 2018 acontece no dia 13 de julho. Ao contrário do primeiro eclipse parcial do Sol em 2018, no dia 15 de fevereiro, que foi visível em Porto Alegre, desta vez o fenômeno não é visível no Brasil. Ele apenas pode ser observado no sul da Austrália. No eclipse parcial do Sol parte do Sol fica escondido atrás da Lua e, portanto, pouco luminoso. Isso porque, para ocorrer, a Terra, o Sol e a Lua se encontram alinhados. Depois desse eclipse, há mais um eclipse parcial durante este ano, acontece em 11 de agosto. Tal como o do dia 13 de julho, em agosto ele também não pode ser observado pelos brasileiros. O eclipse de agosto pode ser visto por quem esteja no norte e no leste da Europa e da Ásia, bem como no Ártico. EFEITOS DIRETOS DA IMPLEMENTAÇÃO DA FALSA TESE DO BRASIL COLÓNIA DE PORTUGAL DE JOSÉ BONIFÁCIO Página 16 Passamos do meio do ano. Como vão as promessas do final do ano passado? CULTURAonline BRASIL - A boa música Brasileira - Cultura - Educação - Cidadania - Palestras O desperdício de emoções e de energia .Fazemos isso? Com certeza. Gastamos tempo demais com coisas e pessoas que não valem a pena. O problema é que levamos certo tempo para perceber isso. Existe um desgaste a cada decepção, a cada tentativa e frustração, mas ao contrário do que possamos imaginar isso não nos faz desistir de continuar tentando. Aquilo que faz nossa alma se alegrar quando pensamos em algo, vale a pena lutar para ter, sempre. Ás vezes cansamos de nos decepcionar, daí damos um tempo, Página 4 Um problema urgente que é postergado insistentemente. Baixe o aplicativo www.culturaonlinebr.org Novamente, o assunto voltou a aparecer. Foi colocada em pauta no Supremo Tribunal Federal e também já retirada, uma Proposta de Emenda Constitucional para adotar o parlamentarismo no Brasil. Essa PEC data de 1997. Também, Dom Bertrand, um dos príncipes herdeiros de Dom Pedro II, defendeu a volta da monarquia no Brasil num discurso polêmico, chamando a república de “seita anticristã”. E já houve um plebiscito em 1993 consultando a população Página 5

[close]

p. 2

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 2 Um Estado de Bem Estar Social provocado por um governo de esquerda fez com que aumentasse o número de brasileiros em Portugal. A história se inverte. Brasil tem mais de 85 mil cidadãos vivendo no país ibérico,o que equivale a um quinto de toda a população imigrante. Brasileiros também lideram pedidos de cidadania portuguesa. Os brasileiros formam atualmente a maior comunidade estrangeira em Portugal. São 85 mil pessoas – o que equivale a 20,3% dos 421.711 imigrantes que vivem no país. Os números, correspondentes ao ano de 2017, foram apresentados nesta quarta-feira (27/06) no Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo, elaborado pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Portugal. FASES DA LUA Os dados sobre a imigração brasileira apontam um crescimento de 5,1% em 2017, revertendo as quedas sucessivas registradas desde 2011. O total dos brasileiros que vivem no país aumentou de 81.251 para 85.426. Os brasileiros também são o maior número entre os que pediram a cidadania portuguesa, com 10.805 pedidos em meio a um total de mais de 37 mil. O relatório revela que 63% das recusas de entrada no país pelas autoridades portuguesas nos aeroportos em 2017 foram de cidadãos brasileiros: 1.336 de um total de 2.142 rejeições, ou seja, 368 a mais do que no ano anterior. Este é o maior número de pessoas barradas desde 2011. Os motivos para a recusa são a ausência de justificativas para entrar no país, vistos inadequados ou a falta de condições para a entrada no espaço Schengen, a zona de livre circulação da União Europeia (UE). 02 02 06 09 13 14 17 18 20 25 27 28 ALGUMAS DATAS COMEMORATIVAS Dia do Hospital Dia do Bombeiro Brasileiro Dia da criação do IBGE Dia Revolução Constitucionalista Dia Eclipse solar parcial de julho 2018 Dia da Liberdade de Pensamento Dia de Proteção às Florestas Dia Internacional de Nelson Mandela Dia do Amigo e Internacional da Amizade Dia do Escritor Dia Eclipse lunar de julho 2018 Dia do Agricultor Segundo o estudo, 17% dos cidadãos de nacionalidade italiana registrados pelo levantamento são de origem brasileira, ou seja, pessoas que nasceram no Brasil, mas que obtiveram a cidadania italiana em razão da ascendência familiar. A comunidade italiana em Portugal aumentou mais que 50% em relação a 2016 Os dez países com o maior número de residentes em Portugal são Brasil (85.426), Cabo Verde (34.986), Ucrânia (32.453), Romênia (30.750), China (23.197), Reino Unido (22.431), Angola (16.854), França (15.319), Guiné-Bissau (15.198) e Itália (12.925). Reflexões do mês Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, elas podem ser ensinadas a amar. Nelson Mandela O número de imigrantes vindos do continente africano diminuiu 2,8%, especialmente nos países lusófonos. Segundo o relatório, isso se deve à aquisição da nacionalidade portuguesa por um grande número de pessoas da região. O relatório chama a atenção para o aumento significativo de franceses (35,7%) que optaram por morar em Portugal. Juntamente com o maior número de italianos, isso pode significar que o país se tornou mais atraente para os europeus, com as vantagens fiscais concedidas pelo governo para atrair estrangeiros. Segundo o levantamento, 81% dos estrangeiros em Portugal fazem parte da população ativa – os que fazem ou estão aptos a fazer parte da força de trabalho. Mais de dois terços (68,6%) dos imigrantes se concentram apenas em três cidades: Lisboa, Faro e Setúbal. dw.com/pt-br A Garota mais bonita que eu conheço A garota mais bonita que eu conheço não é nenhuma miss, nem engata tantos olhares quando passa por aí A garota mais bonita que eu conheço nem acha que é bonita. Acha graça e não acredita quando eu a digo assim A garota mais bonita que eu conheço não faz nada para parecer bonita Não faz boa maquiagem, não usa jóias ou roupas da moda, não vai pra academia nem tem belo manequim A garota mais bonita que eu conheço simplesmen- te sorri, e, quando sorri, ela é a garota mais linda do mundo! Augusto Branco Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 3

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 3 Pensamentos e Frases Ditos Populares VOAR PODE SER O CAMINHO Parece que o Brasil está flertando com a depressão e que existe um abismo entre a solução e o impasse. Tantos problemas, tanta insegurança está gerando MARIA VAI COM AS OUTRAS Dona Maria I, mãe de D. João VI (avó de D. Pedro I bisavó de D. Pedro II), enlouqueceu de um dia para e o falta de coragem e sabedoria em todas as esferas conspirando a favor da an- outro . Declarada incapaz de governar, foi afastada do gústia. trono. Passou a viver recolhida e só era vista quando As redes sociais transformaram-se num precipício de ideias que reflete mais a saía para caminhar a pé, escoltada por numerosas da- desconexão entre todos empurrando cada vez mais a sociedade para baixo. mas de companhia. Quando o povo via a rainha levada Faz-se urgente consertar a história, independentemente dos acontecimentos, o pelas damas nesse cortejo, costumava comentar: “Lá que não se fizer, outros farão e esse momento deixará de ser passageiro e nos vai D. Maria com as outras”. Atualmente aplica-se a tornará gerações de impactados e anestesiados por tanta corrupção. É preciso expressão a uma pessoa que não tem opinião e se dei- incomodar quem nos incomoda. xa convencer com a maior facilidade. Para tanto é preciso muito trabalho, pouco tempo livre, muitas buscas e tentati- vas desafiando o que estão impondo a todos, torturando o povo e os tornando antissociais por inércia. Somente saindo da alienação e conformismo será possível uma transformação. ACABAR EM PIZZA Uma das expressões mais usadas no meio político é “tudo acabou em pizza”, empregada quando algo errado é julgado sem que ninguém seja punido. O termo Incomoda a essa república quem não se corrompe, não se vende, tratam todos surgiu no futebol. Na década de 60, alguns cartolas como incapazes de realizarem sonhos ou de pensarem que tem o mínimo de palmeirenses se reuniram para resolver alguns proble- direito a uma boa casa, escola com competência, segurança e atendimento de- mas e, depois de 14 horas seguidas de brigas e dis- cente na saúde. Parece que já cristalizaram em suas mentes que os brasileiros cussões, estavam com muita fome. Assim, todos foram não tem audácia, que não sentem dores e querer tudo isso não é privilégio e a uma pizzaria, tomaram muito chope e pediram 18 nem crime, o povo trabalha muito por isso e, no entanto, foram colocados em pizzas grandes. Depois disso, simplesmente esquece- quarentena e sob observação delinquente, se não tomarem cuidado, serão tra- ram o assunto, foram para casa e a paz reinou. Depois tados como doença contagiosa trancafiados em suas casas juntamente com desse episódio, Milton Peruzzi, que trabalhava no jor- seus sonhos, alegrias e emoções. nal Gazeta Esportiva, publicou a seguinte manchete: Isso é desesperador, se não puder corresponder às suas próprias expectativas, “Crise Do Palmeiras Termina Em Pizza”. Daí em dianterá um roteiro sem permissão para ser reescrito ou modificado, mas preenchi- te, a expressão pegou. do com rasuras. Então de que adiantou tanta dedicação durante anos de vidas, de trabalho, de que adiantou tanto estudo, faculdade, mestrado, horas a fio de- CASA DA MÃE JOANA bruçados em teses de doutorado? A expressão se deve a Joana, rainha de Nápoles e É necessário ousadia para encarar todas essas dificuldades por quais está pas- condessa de Provença, que viveu na Idade Média en- sando a nação, pois não basta ser brasileiro prender também a sair ileso das convenções. espirituoso e humilde se não a- tre 1326 e 1382. Em 1346, ela se refugiou em Avignon, na França. Aos 21 anos, Joana regulamentou os bordéis da cidade onde estava refugiada. Uma das nor- Analisando o porquê de hoje não se ter o que sempre foi sonhado, de não sair mas dizia: “o lugar terá uma porta por onde todos pos- do vermelho, um trabalho pelo qual se esforçou por merecer e ter algo além do sam entrar.” Transposta para Portugal, a expressão nível de estresse pelo qual todos estão passando e adoecendo. “paço-da-mãe-joana” virou sinônimo de prostíbulo. Tra- Fala-se diariamente em propósitos, esperança e foco, mas, por incrível que pa- zida para o Brasil, a palavra “paço”, por não fazer parte reça quase ninguém, está sabendo bem o que fazer para alcançar tudo isso da linguagem popular, foi substituído por “casa”. As- porque as mazelas do dia a dia estão afastando cada um de seus objetivos e os sim, “casa-da-mãe-joana” passou a servir para indicar governantes apenas jogam migalhas para seu povo, como se fossem galinhas. um lugar ou situação em que cada um faz o que quer, É preciso que cada um olhe para seu lado e sua missão dentro dessa história, onde impera a desordem e a desorganização. romper esse silêncio e esse comportamento limitante para voltar a ter lugar ao sol e o brilho nacional alinhado aos verdadeiros propósitos que é a ordem e o DE MÃOS ABANANDO progresso. Na época da intensa imigração no Brasil, os imigrantes tinham que ter suas próprias ferramentas. As “mãos O voto será uma importante decisão, mas, para isso é preciso trabalhar a auto- abanando” eram um sinal de que aquele imigrante não estima imaginando como ter as necessidades atendidas e não apenas ter que estava disposto a trabalhar. A partir daí o termo passou sobreviver com um mísero salário. Rondar os pensamentos firmemente para a ser empregado para designar alguém que não traz poder iniciar nessa jornada e traçar o caminho certo rumo às urnas porque só nada consigo. Uma aplicação comum da expressão é assim, tranquilidade, prosperidade e paz reinarão! quando alguém vai a uma festa de aniversário sem le- É preciso agarrar com unhas e dentes sedentos de provar o valor de cada cida- var presente. dão e fazer acontecer. Podem até rezar, mas até mesmo para isso e obter re- Mês que vem... Tem mais sultados, é preciso uma base sólida, um coração tranquilo e confiante e ir à luta intensificando a oração, mas construindo uma sociedade que não balance me- Colaboraram nesta edição diante os próximos governantes para que o futuro não seja de tremores e acabe em ruínas. - Genha Auga - Augusto Cury O relógio está acelerado e, se algo não for feito a tempo o despertar poderá ser - Mariene Hildebrando - Luciano Siqueira pior. - Cida Oliveira - Luis F. Veríssimo Sejam pássaros que batem suas asas e voam e não galinhas que rastejam a- - Juliana Gragnani - Alex Willians trás de migalhas. - Loryel Rocha - Fernando Calheiros - João Paulo E. Barros - Daniel Mediavilla Genha Auga – Jornalista – MTB:15.320 - Filipe de Sousa - nacoesunidas.org IMPORTANTE Todas as matérias, reportagens, fotos e demais conteúdos são de inteira responsabilidade dos colaboradores que assinam as matérias, podendo seus conteúdos não corresponderem à opinião deste Jornal. A Gazeta Valeparaibana é um jornal mensal gratuito distribuído mensalmente para download na web Diretor, Editor e Jornalista responsável Filipe de Sousa - FENAI 1142/09-J Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 4

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 4 O desperdício de emoções e de energia .Fazemos isso? Com certeza. nossa história, mas que agora não fazem mais sentido na nossa vida, pois percebemos que a presença delas nos deixa mais infelizes do que felizes. Encerrar histórias, ciclos, não é fácil. Continuar Gastamos tempo demais com coisas e pessoas que não valem a em relacionamentos que só trazem conflitos e não agregam mais é pena. O problema é que levamos certo tempo para perceber isso. algo que muitos de nós fazemos, nos damos conta disso, mas não Existe um desgaste a cada decepção, a cada tentativa e frustração, saímos daquele circulo, pois estamos acostumados com aquilo, é mas ao contrário do que possamos imaginar isso não nos faz de- ruim, mas é conhecido, e por incrível que pareça, sentimos uma sistir de continuar tentando. Aquilo que faz nossa alma se alegrar falsa noção de segurança naquilo com o qual estamos acostumaquando pensamos em algo, vale a pena lutar para ter, sempre. Ás dos, por pior que seja. vezes cansamos de nos decepcionar, daí damos um tempo, respi- Dê a sua energia para quem merece e para quem retribui, para ramos fundo, juramos que nunca mais vamos cometer tal erro, mas quem te acrescenta e te faz feliz. Não pense que esta sendo desu- depois esquecemos e tentamos de novo. O tempo cura tudo é o mano ou insensível por se afastar daquilo que faz tua energia cair. que dizem, mas o tempo não existe, é criação nossa..O tempo es- Está sendo amoroso e cuidadoso contigo mesmo. Amizades nos tá, simplesmente. O passado já foi e o futuro não existe ainda, o fazem bem, evitam muitas doenças. Mas amizades boas! que existe é o tempo presente è nele que temos que nos concen- Quantas vezes nem nos damos conta, mas começamos a evitar trar, no agora, no que estou fazendo, como estou me sentindo. Dia- certas pessoas, e porque isso acontece? Porque elas nos roubam riamente nos deparamos com discussões, levamos alguns “nãos”, tentamos impor o nosso ponto de vista e algumas pessoas também energia e nosso corpo sente, e aquilo não nos deixa confortável, tentam nos empurrar sua maneira de pensar goela abaixo. Roubo naturalmente nossa alma pressente isso e nos afasta dessas pessoas, é uma proteção até nós mesmos percebemos o que aconte- de energia! ce. Uma amizade ou um relacionamento quando é bom, nos faz A nossa vida é rodeada de emoções, de sensações, então querer estar juntos sempre que pudermos. No momento em que porque não usar um filtro? Não nos a balar por tudo. Tem coisas começo a evitar essa aproximação é porque algo não vai bem. A- que vão nos fazer sofrer e roubar nossa energia, mas se ficarmos mizades cobradoras também são tóxicas. atentos às situações podemos reverter esse quadro. Colocar-nos mais em alerta e sabermos qual o papel que estamos desempe- Devemos dar a importância que cada amizade ou relacionamento nhando. ou situação merece, nem mais nem menos. É difícil se afastar completamente? Pegue a distância suficiente para que fiques blin- Fato é que nós permitimos que situações e pessoas entrem dada e consiga preservar a tua energia, teu humor em alta. Afastar- na nossa vida, mas quando percebemos o desperdício emocional se de pessoas sugadoras nem sempre é fácil. Não existe um botão que estamos tendo, temos que abandonar essas situações ou pes- excluir pessoas, mas existe o nosso bom senso dizendo como posoas, mesmo que isso seja difícil. Uma amizade, por exemplo, que demos nos preservar sem ferir o outro, não que isso não vá acontesó nos suga, que só pede, que não se doa, que só nos cobra a to- cer de vez em quando, infelizmente quando o assunto é relaciona- da hora, é algo que não nos serve. Pessoas que só nos “roubam” mento, seja de que tipo forem, às emoções estão envolvidas e aí coisas, que nos absorvem até a última gota, nos esgotam física e tudo é possível. emocionalmente sem nos dar nada de bom em troca. Precisamos passar a nos olhar com mais carinho e amor, primeiro nós, depois Coloque limites, se não consegue se afastar. Escolha quem você vai deixar fazer parte da sua vida. Ajude quando puder, quando for as necessidades dos outros. Costumamos dizer que essas pessoas estão a nos sugar, são “vampiros”. Manter distância de pessoas preciso, se coloque no lugar do outro, isso faz bem. O que não faz assim não é fácil, a maioria vai nos fazer sentir culpados de querer bem é alguém que só tira que não dá nada em troca, os problemas romper com essa relação complicada, mas uma convivência desse nos ajudam a crescer, a evoluir emocionalmente. O problema do outro é uma oportunidade para isso e para fortalecer o vínculo en- tipo não é saudável pra ninguém, principalmente pra quem vê a sua energia derrubada. tre vocês. Mas tudo com harmonia, construindo vínculos afetivos saudáveis onde todos ganham, onde não tenho minha energia rou- Quando percebemos que aquela amizade ou relacionamento bada e sim onde eu posso partilhar o meu melhor com o outro por- tem mais momentos ruins do que momentos bons, está na hora de que eu quero e isso me faz bem. Pessoas que somam e agregam, dizer adeus, se afastar. Tudo muda o tempo todo, relacionamentos que nos inspiram confiança e nos enriquecem é o que devemos também. Se aquela pessoa já não acrescenta mais nada, não con- querer na nossa vida. tribui para teu crescimento, ao contrário, provoca mal estar, está na hora de virar a página. Relacionamentos positivos são bem-vindos sempre! Sabemos o quanto é difícil encerrarmos relacionamentos, ou mudarmos situações, como por exemplo, recomeçar fazendo tudo di- Mariene Hildebrando Email : marihfreitas@hotmail.com ferente. Deixar para trás pessoas que foram parte importante da O SANTOS DE PELÉ JÁ PAROU UMA GUERRA? Nos anos 1960, o Santos Futebol Clube se destacava mundialmente – em especial por ter no seu time o melhor jogador do mundo da época, Pelé. Para conseguir uma renda maior, o clube se aproveitava da sua fama e realizava excursões pelo mundo, chegando a jogar no continente africano em 1969. Entretanto, nem os dirigentes do time nem seus jogadores poderiam imaginar o episódio que surgiria dessa viagem. O time liderado por Pelé desembarcou na Nigéria no mês de janeiro de 1969 em meio a uma guerra civil. O conflito, também conhecido como Guerra de Biafra, foi iniciado em 1967 e tinha como objetivo a separação da porção sudeste do território nigeriano para a fundação da República de Biafra. Esse país, a República de Biafra, chegou a existir por 31 meses, mas em 1970 acabou sendo derrotado de vez e anexado novamente à Nigéria. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 5

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 5 lítica. Mas a população tem que começar a conversar sobre a refor- ma política logo, antes que a situação do Brasil fique realmente in- Um problema urgente que é postergado insistentemente. sustentável. Também, é necessária a discussão sobre o federalismo e o municipalismo. O que é que o povo prefere? Será que a maioria das pes- Novamente, o assunto voltou a aparecer. Foi colocada em pauta no soas têm ideia dos conceitos de Estado federativo e Estado unitáSupremo Tribunal Federal e também já retirada, uma Proposta de rio? Será que a maioria dos eleitores faz ideia do que é o municipaEmenda Constitucional para adotar o parlamentarismo no Brasil. lismo? Essa PEC data de 1997. Também, Dom Bertrand, um dos príncipes Bom! O Estado unitário é aquele Estado em que não há a divisão herdeiros de Dom Pedro II, defendeu a volta da monarquia no Bra- em unidades autônomas. Funciona assim, os governadores das sil num discurso polêmico, chamando a república de “seita anticris- regiões não são eleitos pelo povo das regiões, são nomeados pelo tã”. E já houve um plebiscito em 1993 consultando a população so- presidente ou primeiro-ministro do país e responde ao presidente bre forma e sistema de governo, Monarquia ou República, Parla- ou primeiro-ministro do país. Há alguns países unitários que têm mentarismo ou Presidencialismo. A República e o Presidencialismo um certo grau de descentralização, como a Espanha e a Itália. No venceram. A diferença de fato entre Presidencialismo e Parlamen- Estado federal, há divisão em unidades autônomas, como os esta- tarismo é basicamente nas relações entre Poder Executivo e Poder dos aqui no Brasil, autônomos significa com a possibilidade de se Legislativo. autogovernarem e de terem poder legislativo próprio. Os estados O que a sociedade civil brasileira tem realmente necessidade de têm governadores e deputados estaduais eleitos pelo povo habitanentender, é que o atual sistema de governo, o Presidencialismo de te do estado, sem a interferência do governo nacional lá em Brasícoalizão ou coligação, que está em vigor desde a constituição fede- lia. E os deputados estaduais podem criar algumas leis válidas denral de 1988, não serve para este nosso país. Então, a sociedade tro do território estadual. civil brasileira necessita discutir, debater publicamente sobre a re- O municipalismo é a defesa da proposta de um federalismo de mu- forma política-eleitoral-partidária. Não é instituir o Parlamentarismo nicípios, no qual esses tenham maior autonomia, ou seja, os verea- por emenda constitucional à revelia da vontade da população que dores poderem criar mais leis válidas dentro do território municipal, se deve proceder, fazer assim é autoritarismo. É a população que mais liberdade aos vereadores e prefeitos em relação aos estados precisa debater por um período duradouro a reforma política, o que e à união. Aqui é o mais interessante a sociedade civil debater, é que tem que mudar no Brasil. Não é o Congresso Nacional sozi- quem realmente está mais perto do cidadão comum é o município. nho, é a população do Brasil que necessita conversar sobre o siste- A maioria das mazelas do país estão nas cidades, pois é onde a ma de governo e de Estado do Brasil. As pessoas deviam fazer maioria da população vive e trabalha, a cidade é o “mundo real” no propostas, argumentar porque preferem o Presidencialismo ou por- cotidiano da maioria das pessoas, é nas cidades que estão as fave- que preferem o Parlamentarismo, ou o Semipresidencialismo, por- las, os bairros pobres da periferia. O campo, a zona rural tem a sua que preferem a República ou porque preferem a Monarquia, porque imensa importância sem dúvida, mas mesmo a maioria das fazen- preferem um Estado federativo ou porque preferem um Estado uni- das, dos sítios, das chácaras, das estâncias... estão mais perto dos tário. Também, porque preferem o voto em legenda partidária, ou municípios do que das capitais estaduais e da capital federal. Para porque preferem o voto distrital, ou porque preferem o atual siste- o eleitor comum, o vereador é mais acessível que o deputado esta- ma proporcional. Se querem que o voto permaneça obrigatório ou dual, o deputado federal e o senador. A população já se atentou a se passe a ser facultativo, se querem o voto impresso ou como es- esse detalhe? tá atualmente com urnas eletrônicas, como deve ser o financiamen- Não há dúvidas de que há a necessidade de um governante e re- to de campanhas eleitorais, há uma variedade de detalhes que ur- presentante nacional, como o presidente da República, assim como gem ser discutidos pela sociedade civil brasileira. Há possibilidade há a necessidade de um Congresso Nacional e de uma Suprema de reformar e aperfeiçoar o Presidencialismo no Brasil? Apesar dos Corte nacional. Um presidente da República para representar o pa- resultados dos plebiscitos de 1963 e 1993, a sociedade civil tem ís diante do mundo, se responsabilizar por questões externas, para que se conscientizar que o atual sistema não favorece a maioria da se responsabilizar pela defesa e pela segurança nacional... mas população, e que a reforma política é uma discussão prioritária, o quem está mais perto da esmagadora maioria dos cidadãos? Quem Brasil não pode mais ficar esperando. está testemunhando mais de perto o que se passa com os cida- As pessoas conhecem melhor o Presidencialismo, já que é o siste- dãos? O cotidiano? Os bairros? Será que não é interessante para ma de governo do Brasil, e não sabem muito sobre o Parlamenta- os brasileiros debater sobre federalismo e municipalismo? Sim, é rismo. Então, a discussão precisa ser duradoura para que ambos muito interessante para o povo brasileiro debater esse assunto. os sistemas de governo sejam muito bem conhecidos pela população brasileira, assim como outros detalhes referentes a reforma po- João Paulo E. Barros Brasil tem 7 mil obras paradas só na esfera federal “Além dos transtornos para a população, a interrupção de uma obra representa grande prejuízo para o poder público, com o inevitável O volume de obras paradas no Brasil é tão grande que nem mesmo os pesquisadores conseguem mensurar a dimensão do desastre. Claudio Frischak, presidente da InterB, afirma que as 7 mil obras aumento dos custos numa retomada, afirma o presidente da Comissão de Infraestrutura da CBIC, Carlos Eduardo Lima Jorge. Isso ocorre por causa da deterioração de serviços já feitos e de reajus- paradas do governo federal representam um número conservador, pois a própria capacidade de o governo fornecer as informações tes do contrato pelo tempo parado. Para o executivo, existe ainda outro efeito perverso na paralisação de obras: muitas delas perde- está comprometida. ram sentido econômico e social e não se justificam mais. “Ou seja, O gasto com a retomada dessas obras seria, dentro desse quadro o dinheiro investido no início do projeto vai para o lixo”, completa o conservador, da ordem de R$144 bilhões. As paralisações atingem presidente do CBIC, José Carlos Martins. Na avaliação dele, mes- todas as esferas públicas: governos federal, estadual e municipal. mo aquelas que têm racionalidade econômica correm o risco de As paralisações vão desde creches a escolas até a grandes obras não serem concluídas. Além da falta de dinheiro, diz o executivo, com as ferrovias Norte-Sul e Oeste-Leste. Toda essa paralisação as obras paradas também sofrem com problemas de desapropria- de projetos no meio do caminho faz com que o problema seja muito ção, licenciamento ambiental e má qualidade dos projetos executi- maior do que o mero desperdício de dinheiro público. A interrupção vos.” arrasta cadeias produtivas inteiras, incidindo no emprego, na violência e nos dados gerais de retração econômica. Redação Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 6

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 6 O PODER E A MAGIA SEM MEDO DE VIVER Havia um rei muito poderoso que travava batalhas com outros povos e ganhava todas se gabando desmedidamente por isso, mas, ele usava de seu poder e como era impiedoso e como era muito orgulhoso prometeu a si mesmo que sua honra nunca seria manchada. Na verdade ele não os vencia, todos eram derrotados pelo medo. Continuou desafiando povos de outras terras e mesmo os mais pacíficos acabavam se rendendo, pois conheciam a ira do rei e sua obsessão em ganhar, aproveitando-se do pavor dos mais fracos para vencê-los e assim manter sua fama de imbatível. Comemorava com festas e muito orgulho todas as vitórias gabando-se de tudo e de todos. Até que um dia surgiu um mago que soubera de sua fama e falta de escrúpulos e o desafiou para uma luta. O rei o recebeu, olhou-o de cima abaixo julgando o um pobre coitado e um tanto franzino para vencer e, soberbamente, sem desconfiar que se tratasse de um mago, aceitou. Para mostrar sua suntuosidade, convidou-o para fazer reconhecimento do lugar aonde iriam se confrontar. Ornamentou o espaço com suas melhores artes, adornos e medalhas de suas vitórias e com isso, antecipadamente, o impressionar com a beleza e riqueza do lugar certo de intimidá-lo. O mago caminhou pelo lugar tecendo muitos elogios fingindo estar atônito e constrangido com tamanha prepotência. Enquanto caminhava, o reino foi, magicamente, por ele circulado por um campo de força. Ficou então determinada a data e todos foram convidados para assistir a conhecida fama e, certa vitória do rei. Chega o dia tão esperado por todo reinado e inicia-se a luta. O rei tentou com todas as forças e armas que tinha de tudo, usou suas melhores armas, mas, com a magia do mago espalhada pelo lugar, não conseguiu vencer. Ficou muito envergonhado por ter preparado tanta pomposidade, para no final, acabar sendo visto em uma terrível derrota. O mago resolveu colocá-lo à prova e pediu ao rei que se retratasse perante seu povo e os convidados que reconhecia que ninguém é imbatível quando o orgulho torna-se maior que a força e, assim o rei o fez desculpando-se por tanta ostentação e por aproveitar-se do seu poder para vencer os fracos impedindo-lhes de medir forças igualmente e justamente. Dessa forma, nessa luta de magia e reconhecimento tudo foi resolvido e na história desse reinado, ficou atestada a resiliência do rei e registrada a vitória de ambos. Depois disso o reino tornou-se o mais poderoso do universo e fizeram dali e aos que estavam à sua volta todos muito felizes e congratulados pela generosidade. O mago seguiu seu caminho e continuou visitando outros lugares procurando a quem mais poderia ensinar a lição do amor. Genha Auga – Jornalista MTB: 15.320 DEFINIÇÃO DE ‘PODER’ Genha Auga A vida me ofereceu mais do que quis Dei a ela mais do que supus. Tive dias ensolarados e noites sombrias, Algumas coisas entendi, Outras nem quis saber. Fiz perguntas sem respostas Mas, respondi aos rudes de todos os dias. De minhas fraquezas me fortaleci, De alguns sonhos sucumbi, A mim mesma tive que descobrir, Com meus dias de desassossego, De medo e desespero. Descortinei-os e se foram com o vento Pois a coragem de ser feliz, Amansaram meu peito e me fez seguir. Resplandeci de contentamento, Tracei novos rumos, Reconstruí em cada derrota, Preenchi-me de coragem e amor por mim. Ousei deixar acontecer, Ouvi o silêncio e na hora certa o rompi, Algumas vezes vivi sem alma E outras tive que ter alma para existir. Sonhei em demasia, Sonhar adiou minha dor e me acalentou. Vivi escrevendo meu próprio roteiro, Minha própria poesia. Vivi quase que por teimosia, Aprendi a amar o que sou. E a seguir com coragem Mesmo sem saber direito Qual será o fim. Poder é o direito de deliberar, agir,mandar e, dependendo do contexto, exercer sua autoridade, soberania, a posse de um domínio, da influência ou da força. Poder é um termo que se originou a partir do latim ‘possum’, que significa “ser capaz de”, e é uma palavra que pode ser aplicada em diversas definições e áreas. Segundo a sociologia, poder é a habilidade de impor a sua vontade sobre os outros, e existem diversos tipos de poder: o poder social, o poder econômico, o poder militar, o poder político, entre outros. Alguns autores importantes que estudaram a questão de poder foram Michel Foucault, Max Weber, Pierre Bourdieu. As principais teorias sociológicas relacionadas ao poder são a teoria dos jogos, o feminismo, o machismo, o campo simbólico e etc. Para a política, poder é a capacidade de impor algo sem alternativa para a desobediência. O poder político, quando reconhecido como legítimo e sancionado como executor da ordem estabelecida, coincide com a autoridade, mas há poder político distinto desta, como acontece no caso das revoluções ou nas ditaduras. REFLEXÃO Não duvide do valor da vida, da paz, do amor, do prazer de viver, em fim, de tudo que faz a vida florescer. Mas duvide de tudo que a compromete. Duvide do controle que a miséria, ansiedade, egoísmo, intolerância e irritabilidade exercem sobre você. Use a dúvida como ferramenta para fazer uma higiene no delicado palco da sua mente com o mesmo empenho com que você faz higiene bucal. Augusto Cury O poder se expressa nas diversas relações sociais, e onde existem relações de poder, existe política, e a política se expressa nas diversas formas de poder. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 7

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 7 Exemplos militar de Roma, cuja sobrevivência estava correndo risco. Os patrí- cios então decidiram dialogar com os insurretos plebeus, lhes dar A greve dos caminhoneiros realmente assustou e incomodou o go- ouvidos e atender as suas exigências. verno federal brasileiro. Ninguém duvida disso. As consequências da greve dos caminhoneiros foram sentidas praticamente em todas Um homem sábio, o advogado indiano Mohandas Gandhi também as áreas, afetando não só transporte, mas a educação, saúde, se- deu um exemplo sensacional do poder da união popular. Gandhi gurança e principalmente a economia do país. O governo ficou ator- pregava a resistência à dominação britânica sobre a Índia, por meio doado e até entrou em desespero. Mas mesmo assim, houve apoio da não violência e da desobediência civil às leis britânicas. E ele popular aos caminhoneiros. Os caminhoneiros deram até lições de conseguiu que a Grã-Bretanha concedesse a independência à Índia sustentabilidade. em 1947, sem estimular a violência, os conflitos. A categoria dos professores, por exemplo, não recebe o mesmo No Brasil atual, o brasileiro médio só vai conseguir reverter as coiapoio da população que a categoria dos caminhoneiros. Professo- sas, não será por força e nem por violência, mas só pela união com res grevistas até apanham da polícia militar, e não há uma como- inteligência da população que se sente prejudicada pelo sistema, ção nacional em solidariedade a eles, enquanto até militares e poli- conforme o exemplo dos caminhoneiros que deixaram o governo ciais federais aplaudiram os caminhoneiros. Dizem que a categoria federal assustado, e os exemplos passados de Gandhi e dos pledos professores é muito desunida, que é por isso que não conquis- beus de Roma. tam muitas coisas. Será? Bom! Quem é da categoria, sabe se é ou Muitos não concordam com a atitude dos caminhoneiros de fazer se não é. O professor é, antes de ser professor, um ser humano. É greve, mas mesmo assim a lição da união pacífica é válida do mes- claro que os professores são pessoas diferentes entre si e com per- mo jeito. O caminho correto é a ampla maioria da população brasi- sonalidades distintas. Há professores amados, e há professores leira se unir e se recusar a colaborar com o atual sistema que aflige odiados. Há professores bons e há professores ruins. Mas é incon- tanto a ampla maioria do povo brasileiro. Os brasileiros precisam testável que, no Brasil, o professor é muito, mas muito desvaloriza- entender de uma vez por todas que o caminho não é a violência, o do, muito desconsiderado. caminho é a união de todos os prejudicados, todas as categorias Lá na Roma antiga, séculos antes de Cristo, houve a primeira gran- prejudicadas ao mesmo tempo, todos unidos, mais de noventa por de greve registrada na história da humanidade. Havia uma luta de cento da população. classes entre patrícios e plebeus. Já que havia uma obstinada recu- No entanto, a multidão unida precisa saber o que realmente quer. sa da parte dos patrícios em reconhecer direitos aos plebeus, estes Precisa ter objetivos em comum, precisa deixar bem esclarecido últimos resolveram abandonar, em massa, a velha Roma e se diri- sobre com o que está incomodada, porque está insatisfeita e, o co- giram a um monte não muito distante da cidade, “chutaram o pau mo quer que as coisas passem a ser. Se não houver verdadeira u- da barraca”, ficaram de “saco cheio”. Sem uso de violência, apenas nião, não haverá mudanças. se unindo pacificamente, os plebeus deixaram os patrícios romanos desesperados, pois os plebeus eram essenciais à vida econômica e João Paulo E. Barros Por que tentaram interditar Manuela? jovem e experiente deputada gaúcha. Preconceito anticomunista, aqueles entrevistadores exibiram à exaustão. Machismo, misoginia, ódio fascistoide — idem. Mas não nos enganemos: propositalmente não queriam que Manuela expusesse aos telespectadores seu programa. Aí reside o perigo — para eles e para os que eles representam. Por que além de jornalistas incluíram entre os entrevistadores provocadores da extrema direita? Exatamente para tentarem levar Manuela a um grau de irritação tal que a fizesse perder o autocontrole. Falharam. Manuela se manteve serena, altiva e hábil, contornando as provocações e revelando o quanto é competente e firme. Foi até demolidoramente irônica em alguns momentos. O grotesco festival de reacionarismo, anticomunismo, machismo e Tal como no programa Canal Livre, da Rede Band, a interrompemisoginia protagonizado pela bancada de entrevistadores da depu- ram seguidas vezes para evitar que expusesse os pontos fundatada Manuela D’Ávila, no programa Roda Viva, da TV Cultura, tem mentais do novo projeto nacional de desenvolvimento que lastreia tudo a ver com o ideário da pré-candidata à presidência da Repúbli- a pré-candidatura comunista; e sua bem fundamentada proposta ca pelo PCdoB. de unidade da esquerda já no primeiro turno do pleito presidencial, Outras mulheres candidatas, em diversos momentos, já passaram ponto de passagem para uma frente, a mais ampla possível, desti- por ali, entrevistadas por bancadas de natureza semelhante. nada a alcançar a vitória num eventual segundo turno. Nenhuma recebeu igual tratamento. Isso não queriam ouvir, nem debater. Tentaram esconder — com êxito relativo, pois Manuela assim mesmo, como quem escapa de E até poderia ter sido diferente, os entrevistadores focados em um alçapão, conseguiu expressar, ainda que limitada pelo tempo questões que dissessem respeito ao pleito de outubro. exíguo e bombardeada pelas interrupções. Natural que abordassem justamente temas relacionados com a cri- Manuela representou muito bem, naquela trincheira minada, o que se do País e as propostas da pré-candidata para superá-la. Qual o há de melhor na brava gente brasileira. programa de Manuela e do seu partido? Luciano Siqueira Mas é aí que estão os “venenos” contidos na pré-candidatura da Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 8

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 8 Processo Legislativo Federal rejeitá-lo. Se a aprovada (maioria simples) pelo presidente do Senado. pela casa revisora, a lei é enviada para san- Emendas constitucionais são modificações Processo legislativo federal é o conjunto de ção ou veto presidencial. Se o presidente da no texto da Constituição federal. A Constitui- exigências e procedimentos para a elabora- República não se pronunciar em até 15 dias ção brasileira é um documento rígido, que ção das leis nacionais, sendo responsabili- do seu recebimento, considera-se a lei san- não pode ser facilmente alterado. Como lei dade do Poder Legislativo federal. O Poder cionada, seguindo-se sua promulgação máxima da nação, as emendas devem ser Legislativo federal do Brasil é composto pe- (torna-se válida, oficial). Em caso de veto, consideradas com extremo cuidado, visto lo Congresso Nacional, que se compõe porém, ambas as casas legislativas se reú- que repercutirão em toda a legislação subor- da Câmara dos deputados e do Senado fe- nem para apreciá-lo, sendo que um veto só dinada. Sendo este o propósito das emen- deral, compostos, respectivamente, é derrubado com maioria absoluta de votos, das, seu processo exige grande consenso por deputados federais e senadores. ou seja, no mínimo metade de todos os con- entre os parlamentares. As emendas podem Há sete tipos de legislação: leis ordinárias, complementares e delegadas, emendas constitucionais, medidas provisórias, decretos legislativos e resoluções. Destas, só a medida provisória é reservada ao presidente da República e se destina a matérias que sejam consideradas de relevância ou urgência pelo Poder Executivo federal, as demais gressistas, não só os presentes. Derrubado o veto, segue a lei à promulgação (prazo de 48 horas; se o presidente da República não promulgá-la, o presidente do Senado deve fazê-lo); se mantido, ela é arquivada. Com projetos de lei complementar, a única diferença é que, no lugar de maioria simples, as votações são por maioria absoluta. ser propostas pelo presidente da República, por metade das Assembleias Legislativas do país ou por, no mínimo, um terço dos membros de qualquer casa do Congresso. Além de não poder ser realizadas durante intervenção federal e estado de emergência ou sítio. Feita a proposta, cada casa do Congresso deve discuti-la e votá-la em dois tur- são reservadas ao Poder Legislativo, isto é, As leis delegadas, propostas exclusivamente nos, havendo aprovação somente com mais ao Congresso Nacional. pelo presidente da república, essas leis só de 60% dos votos em ambas. Se rejeitada, a são possíveis com a concessão do Congres- matéria da proposta não pode ser repetida Leis ordinárias são as normas jurídicas com so, que delega seus poderes de legislação. na mesma sessão legislativa; ou seja, uma as regras mais gerais e abstratas - ou seja, Para promulgá-las, o presidente primeiro en- "nova tentativa" ocorre só no ano seguinte. as leis mais comuns. Leis complementares via uma solicitação ao Congresso. Esta po- As cláusulas pétreas, que estão no parágra- procuram reforçar a matéria constitucional; de ser aprovada por maioria simples em fo 4º do artigo 60 da Constituição federal, seu caráter, pois, é de complemento à cons- sessão conjunta ou separada das casas, tor- não podem ser emendadas, que são a for- tituição. Tanto as leis ordinárias quanto as nando-se, neste caso, uma resolução que ma federativa de Estado, o voto direto, se- leis complementares podem ser propostas estipula as condições para o uso dos pode- creto, universal e periódico, a separação dos por qualquer membro ou comissão do Con- res delegados. Uma delegação típica é poderes e os direitos e garantias individuais, gresso Nacional; pelo presidente da Repú- quando o Congresso permite ao presidente que estão no título II, a partir do o artigo 5º. blica; pelo Supremo Tribunal Federal; pelos tribunais superiores; pelo procurador-geral da República; e pelos cidadãos. Quando surge no Congresso Nacional, um projeto de lei ordinária (PLO) vai para a comissões téc- elaborar e promulgar leis sem sua apreciação. Quando a lei, mesmo delegada, precisa ser remetida ao congresso, caracteriza-se uma delegação atípica. Tendo noção de processo legislativo, o cidadão comum e eleitor consegue compreender a importância de se tomar muito cuidado ao voltar em algum candidato para de- nica competente da casa originária (Câmara Decretos legislativos e resoluções legislati- putado federal e para senador. Porque o dos deputados, com 35 comissões, ou sena- vas são medidas normativas com força aná- Congresso Nacional é, na verdade, o mais do, com 11); quando vindo de algum mem- loga à de lei dentro do poder legislativo, sen- poderoso dos poderes estatais, apesar do bro externo ao congresso, o PL é apresenta- do que os decretos legislativos tratam das presidente da República ser considerado o do à Câmara. Se a comissão entender que o atribuições exclusivas do Congresso e as principal cargo público do país. Não adianta projeto é constitucional, legal e útil à socie- resoluções, das competências privativas de a população eleger a pessoa certa para pre- dade, ele o envia para votação em plenário, cada casa. Assim, os efeitos dos decretos sidente da República mas, eleger as pesso- onde a aprovação depende de maioria sim- repercutem fora do âmbito congressional, as erradas para deputado federal e senador, ples, ou seja, no mínimo 50% dos votos dos enquanto os efeitos das resoluções são qua- porque o presidente vai ficar sem apoio para congressistas presentes. Em caso de rejei- se sempre internos. Os decretos legislativos governar e até pode ser retirado da presi- ção, o projeto é arquivado. Em aprovação, dependem de aprovação por maioria sim- dência em pleno mandato. Neste ano de ele segue para a outra casa do Congresso ples em cada casa, enquanto resoluções 2018 estão previstas eleições para outubro. (casa revisora): a Câmara envia o projeto seguem os regimentos internos tanto do É mais uma oportunidade que o povo tem para o Senado e vice-versa. Se a casa revi- congresso quanto de suas casas, a depen- de fazer escolhas certas. sora aprovar apenas partes do PLO, ela o der de quem as propõe. O processo inde- emenda e o devolve para reavaliação da ca- pende de sanção presidencial; uma vez asa inicial, que pode aprovar o novo texto ou provados, ambos seguem para promulgação João Paulo E. Barros Via: Wikipédia Drama dos refugiados insensibilidade num negócio lucrativo, com empresas pleiteando contratos milionários para abrigar as crianças. O problema com a reunião das O drama dos refugiados no mundo todo chega a uma espécie de ápice famílias depois que o Trump se deu conta da bobagem que tinha feito – de horror a cada imagem de uma criança morta. Pode-se fazer uma gra- incrivelmente, ninguém o avisou que a medida ia pegar mal – e voltou duação do horror, dividi-lo em categorias, do lamentável ao lancinante, atrás, é como fazer agora para juntar mães e pais com seus filhos, alguns mas nada nos fere mais do que a foto do cadáver de um bebê que deu na de colo. Muita gente tem comparado o que fizeram com as crianças nos praia como um dejeto humano, ou de uma criança ferida com o olhar es- Estados Unidos com táticas nazistas. Não precisavam ir tão longe. Em maecido de quem não sabe o que lhe aconteceu, ou por quê. A questão Guantánamo, em Cuba, a poucos quilômetros da Flórida, está em opera- do que fazer com refugiados que chegam à Europa aos borbotões – ção o único campo de concentração do Ocidente, com gente presa lá há quando não morrem no caminho – é difícil, mas nenhuma política de imi- anos pelos norte-americanos sem julgamento ou ajuda legal. gração é aceitável se não começar com o martírio das crianças e com o O que fazer com a invasão cada vez maior de refugiados no mundo de- controle da exploração do desespero. O transporte de refugiados que fo- senvolvido é um desafio sem respostas fáceis. No fundo o que está em gem de guerras ou da miséria tornou-se um negócio para donos de bar- jogo é o direito de cada indivíduo de tentar melhorar a sua biografia, e cos que chegam superlotados a portos europeus sem garantia de que corrigir o azar de ter nascido no lugar errado, na época errada. Vai aca- seus ocupantes não serão rechaçados, ou jogados na água se os portos bar vendendo bolsa falsificada num bulevar europeu ou colhendo frutas não os aceitarem. na Califórnia por pouco dinheiro até arranjar coisa melhor. Mas pelo me- A decisão de separar os filhos de imigrantes ilegais dos seus pais presos nos as crianças terão sobrevivido. na fronteira entre os Estados Unidos e o México também transformou a Luis Fernando Veríssimo Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 9

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 9 JOSÉ BONIFÁCIO E A INVENÇÃO DA TESE O BRASIL FOI COLÓNIA DE PORTUGAL RA. Aliás, o fato da própria esquerda se recusar a trazê-la à baila, abrindo-a ao debate já é prova que tem caroço nesse angu, e do grosso. E tem mesmo. Na década de 1940, os historiadores irmãos Nesta circunstância, a introdução "atípica" Tito Lívio Ferreira e Manoel Rodrigues Fer- da figura de José Bonifácio no cenário da reira, juntamente com uma equipe poderosa Independência ainda merece acuradas in- de intelectuais, se debruçaram na questão vestigações, dado que quando ele chega ao proposta por José Bonifácio em 1822, ou Brasil em 1819 praticamente todo o proces- seja, que o Brasil foi colónia de Portugal. so revolucionário já estava pronto e prestes Eles levaram décadas pesquisando o as- a explodir. Esta introdução ilustra, certa- Mário Quintana: “Tão bom morrer de amor! sunto e o fizeram até morrer. O volume de mente, mãos invisíveis, porque ninguém há E continuar vivendo…”. DOCUMENTOS pesquisados alcançou a de ser "ingênuo" a ponto de supor que um *** cifra de 150 mil documentos, um montante homem afastado de sua terra de nascimen- absurdo e acachapante de provas. to por quase 40 anos tivesse meios e con- Isadora Duncan: “As pessoas não vivem A tese lançada por Bonifácio para justificar tactos influentes a ponto de executar em plenamente hoje em dia. Contentam-se com, no máximo, uns dez por cento”. a "Independência" não se sustenta sob ne- minúcias todo um trajeto de viagens e le- *** nhuma hipótese e pode ser desmontada vantar apoios à causa da Independência sob diferentes vertentes que vão da Legisla- praticamente do dia para a noite. Platão: “Calarei os maldizentes continuando a viver bem: eis o melhor uso que podemos ção Portuguesa até Documentos Eclesiásti- Como funcionário da Coroa Portuguesa ele da maledicência”. cos. É uma tese, nada além disso. E exce- conhecia, e muito bem, o que era e como *** tuando-se o fato que vem sendo repetida funcionava as Côrtes. Oras, foi precisamen- por uma linha de historiadores todos com- te em cima das Côrtes que José Bonifá- Xiquote: “Tudo que é fácil de fazer medio- prometidos com movimentos revolucioná- cio investe virulentamente com o argumento rios ou com a maçonaria ou com pensa- do Brasil colónia imputando-lhe crimes e cremente é dificílimo de executar com perfeição. Viver, por exemplo”. *** mento da esquerda não há nada que a con- ilegalidades quando na realidade o ilegíti- firme, rigorosamente nada. mo, o fraudador de documentos, eram ele e A quando do lançamento do grupo de pes- D. Pedro que, do Brasil, exerciam uma ativiquisa, Tito Lívio Ferreira e Manoel Rodri- dade administrativa ILEGAL, dado que um gues Ferreira tiveram o cuidado e a serieda- Príncipe Regente NÃO PODE ter ministros, de de fazer um convite formal para inúme- fazer despachos, criar leis, etc. É absolutaros intelectuais, bem como, para universida- mente incrível, criminoso mesmo o cinismo des brasileiras. A USP recusou-se a partici- brasileiro no trato dessa questão. par do projeto, por razões óbvias. Concerne considerar que José Bonifá- Oscar Wilde: “Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas exis- te”. *** Mark Twain: “Não abandones as tuas ilusões. Sem elas podes continuar a existir, mas deixas de viver”. *** De certo modo, o único historiador que cio quando cunhou a falácia do Brasil coló"questionou" diretamente a tese dos Ferrei- nia não sacou esse coelho da cartola de ura e seu grupo de pesquisa, escrevendo u- ma vez, como por passe de mágica. Uma ma brochura com menos de 30 páginas, análise atenta de sua obra demonstra caque na realidade está cheia de gralhas, mas balmente uma larga produção de críticas e que deve ser estudada como contraponto ácidos afirmando Portugal como país decafoi "O Brasil Foi Colônia de Portugal", de dente cujas causas residiam nos DescobriThomaz Oscar Marcondes de Souza. O his- mentos, na cristandade escolástica e na Fitoriador esquerdista tem trabalhos notáveis, dalguia cristã. Para ele o valor da "Fidalguia é um grande pesquisador, mas todas as su- era coisa de toda a nação ignorante ou preas obras enfermam sempre do mesmo mal guiçosa" ( Fonte: "Apontamentos"- sobre os que caracteriza o seu grupo: excesso de tolos, o amor, o gosto apurado, nação ignoconfiança, narrativa linear, desprezo pelas rante, etc. (MP. Col.José Bonifácio, fontes portuguesas, embora se valha delas, doc.226). Millôr Fernandes: “Viver é desenhar sem borracha”. *** Padre Antônio Vieira: “A vida e o tempo nunca param: e, ou indo, ou estando, ou caminhando, ou parados, todos sempre e com igual velocidade passamos”. *** Maiakovski: “Não é difícil morrer nesta vida: viver é muito mais difícil”. *** Euclides da Cunha: “Viver é adaptar-se”. *** mas, sempre para as distorcer. Dava como certo a decadência do Portugal Sócrates: “A maneira mais fácil e segura de No entanto e apesar disso, o alto nível de cristão inventando novos rumos políticos. debate acadêmico que Marcondes de Sou- Em suas inúmeras "Notas, Apontamentos e za faz com seus oponentes, contrasta gri- Memórias" descrevia a natureza do Brasil vivermos honradamente consiste em sermos, na realidade, o que parecemos ser”. *** tantemente com os historiadores socialistas concluindo que "Portugal foi uma estrela Marques Rebelo: “A nossa vida tem muito atuais, deixando evidente o declínio de inte- errante que brilhou um instante e apagou-se dos queijos com buracos. Buracos que nada lecto e de comportamento dentro da es- para sempre". (Fonte: Apontamentos extraí- querda. dos da obra "Des colonies et la révolution dizem mas que pertencem ao queijo”. *** actuelle de l’Amérique”, de De Pradt, 1817”. Assim, a tese dos irmãos Tito Lívio Ferreira "Museu Paulista". Coleção José Bonifácio, e Manoel Rodrigues Ferreira permanece doc. 89). Dostoievski: “É melhor ser infeliz, mas estar inteirado disso, do que ser feliz e viver como um idiota”. atual e inquestionável até os dias atuais. *** Creio que por um motivo: ela é VERDADEI- Loryel Rocha Clarice Lispector: “Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece 1970: A DITADURA PEGA CARONA NA EUFORIA DA COPA como eu mergulhei. Não se preocupe em en- tender, viver ultrapassa qualquer entendi- Se você gosta de futebol e Copa do Mundo, provavelmente já ouviu falar do jingle que marcou a mento”. conquista do tricampeonato da seleção brasileira, em 1970. Estamos falando da música “Pra fren- *** te Brasil”, composta por Miguel Gustavo para uma cervejaria. Entretanto, o jingle fez tanto suces- so que acabou atraindo atenção do general e presidente Emilio Médici, que comandava o país no auge da ditadura militar (1964-1985). E a GLOBO volta a reeditar nesta copa de 2018. Mês que vem... Tem mais! Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 10

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 10 Como os fins de semana de mentos, tudo sem mesmo reduzir o número supérfluas contidas em muitas jornadas de três dias podem contribuir para salvar o mundo total de horas trabalhadas. trabalho, nas quais os empregados estão Um dia por semana, milhares de pessoas efetivamente subutilizados em seu posto de que viajam diariamente de casa para o local serviço, mas não podem ir embora por cau- A redução do número de horas de trabalho não só melhoraria a vida social e familiar dos trabalhadores; está relacionada com uma queda notável do consumo de energia de trabalho poderiam ficar em casa. Se fosse incluída a redução das emissões de gases de efeito estufa causadas pelo deslocamento, o estado calculou uma economia de mais de 12.000 toneladas de CO2 por ano. sa da persistente questão do “presentismo”, pela qual os chefes valorizam os trabalhadores conforme as horas que passam no local de trabalho mais do que por sua produtividade. Em vez de trabalhar mais horas com Quase todo mundo gosta de feriados. Um poucos resultados produtivos poderíamos fim de semana de três dias significa mais Se os norte-americanos tivessem os níveis adotar uma semana laboral mais curta e tempo para passar com a família ou amigos, de horas de trabalho dos europeus, o consu- contribuir para salvar nosso planeta e nosso para sair e explorar o mundo e para relaxar mo de energia seria reduzido em cerca de bem-estar. das pressões do trabalho. Imaginem se ti- 20% De uma perspectiva mais de longo prazo, véssemos um fim de semana de três dias Utah desistiu do experimento em 2011, de- prevê-se que, nas próximas décadas, uma por semana, em vez de tê-lo apenas de vez pois que os habitantes do Estado começa- nova onda de mecanização do trabalho na em quando ao longo do ano. Não é apenas ram a se queixar que não tinham mais aces- qual intervirão a robótica avançada e os sis- uma ideia agradável. Além das possibilida- so aos serviços às sextas-feiras. Parece que temas de aprendizagem automática substitu- des para o tempo livre, os fins de semana de é um tipo de inovação que tem de ser acom- a 47% dos atuais postos de trabalho nos Es- três dias também podem ser um dos passos panhada por uma mudança em nossas ex- tados Unidos e 54% na Europa. Nessas cir- mais simples que podemos dar para reduzir pectativas, de forma que a sexta-feira se tor- cunstâncias, nas quais se terá significativa- radicalmente nosso impacto ambiental e pre- ne o “terceiro dia do fim de semana”, em vez mente menos acesso ao emprego, adotar parar nossa economia para o futuro. de um mero dia útil sem trabalho. O caso de medidas como os fins de semana de três A redução do número de horas de trabalho, Utah mostra que, reproduzido em um país dias se torna algo essencial para que a vida geralmente, está relacionada a uma redução inteiro, a semana de quatro dias poderia re- seja viável em condições econômicas dife- significativa no consumo de energia, como presentar um progresso substancial em dire- rentes. argumentam os economistas e Mark Weisbrot. De fato, David Rosnick se os norte- ção a uma economia al ao meio ambiente. que é menos prejudici- Os experimentos com horários de trabalho mais curtos em uma amostra de locais de americanos, por exemplo, tivessem os níveis Mas também haveria outras vantagens. Tra- trabalho realizados na Suécia em 2015 leva- de horas de trabalho europeus, estima-se balhar menos melhoraria o frágil equilíbrio ram à redução das doenças e até aumenta- que reduziria em cerca 20% o consumo de entre a vida profissional e familiar, e nos aju- ram a produtividade. energia e, consequentemente, as emissões daria a recuperar nossa saúde mental e bem de carbono. -estar físico. Além disso, permitiria ter mais Como sustentamos em nosso livro Inventing Com uma semana de quatro dias, um enorme número de deslocamentos para e do trabalho poderia ser evitado, assim como o gasto de energia dos locais em funcionamento. Em um momento em que precisamos reduzir as emissões de carbono em grande escala, implementar um fim de semana de tempo para se dedicar a atividades sociais, cuidar de crianças e idosos e interagir com nossas comunidades. Os experimentos com horas laborais reduzidas em locais de trabalho selecionados realizados na Suécia, em 2015, levaram a uma redução das doenças e até mesmo aumentaram a produtividade. the Future [Inventar o Futuro], logo a mecanização nos oferecerá a perspectiva de um mundo laboral muito diferente. Seu aumento incrementará a eficácia de muitos processos produtivos, utilizando menos energia e menos força de trabalho humana, até que, no final, fiquemos liberados em grande parte do trabalho. três dias poderia ser a maneira mais simples Destinar a melhoria da eficiência econômica e elegante de tornar nossa economia mais a ter mais tempo livre e a reduzir o consumo A chave para colher os frutos da mecaniza- respeitosa em relação ao meio ambiente. de energia em vez de produzir mais bens ção sem transtornos sociais drásticos de- O exemplo de Utah poderia dar lugar a um mundo melhor e mais pende em parte de que sejam postas em seguro no que se refere ao meio ambiente. prática políticas que promovam a participa- Isso já aconteceu antes. Por exemplo, em ção nos lucros. Isso significa uma semana 2007, o Estado de Utah, nos Estados Uni- Uma objeção óbvia poderia ser: “Como va- laboral mais curta graças à ampliação do fim dos, redefiniu a semana de trabalho para os mos nos permitir isso?”. Mas há importantes de semana, e ao mesmo tempo uma renda funcionários públicos, estendendo os horá- razões econômicas e tecnológicas pelas básica universal. rios de segunda a quinta-feira, podendo sim eliminar totalmente as sextas-feiras. as- quais tanto os Governos como os partidos políticos, as fundações e os movimentos sociais deveriam começar a pensar em defen- Nada disso acontecerá da noite para o dia. Mas, se estiverem no Reino Unido e tiverem Nos primeiros dez meses, a iniciativa econo- der a colocação em prática dos fins de se- a sorte de ter a segunda-feira livre, não se mizou ao estado pelo menos 1,8 milhão de mana de três dias. esqueçam de que esse dia extra em casa ou dólares (cerca de 5,9 milhões de reais) em no parque não serve só para diversão, mas custos de energia. Como argumentou recentemente o antropó- contribui para combater as mudanças climá- Menos dias de trabalho eram equivalentes a logo David Graeber, muitos de nós trabalhamos em empregos que, ao que parece, não ticas. menos iluminação dos escritórios, menos ar servem para nada. De fato, há tempos os Alex Williams. Professor convidado. Univer- condicionado e menos tempo de funciona- economistas estão conscientes das horas sidade da Cidade de Londres mento de computadores e outros equipa- O CONSUMISMO DEVE SER O dos Unidos e China para conter os avanços das rem mundo afora. FOCO! mudanças climáticas. A verdade é que a COP21 é um passo, mas um Cá estamos nós, um ano depois, com Donald passo muito tímido perto do que precisamos pa- Há praticamente três anos, em novembro de Trump, um convicto de que mudanças climáticas ra frear as mudanças climáticas. O acordo fala 2015, todas as nações do mundo se encontra- não existem, eleito presidente dos Estados Uni- muito em energia limpa e renovável, o que signi- vam em Paris para a COP21 (Conference of the dos e ameaçando assim suspender os acordos fica diminuir a queima de combustíveis fós- Parties). Depois de 21 anos de muita conversa e assinados por um dos maiores poluidores duran- seis e aumentar o fornecimento de energia pouca ação, a COP21 marcou o primeiro grande te a conferência em Paris, e vendo as mudanças solar e eólica, mas não endereça uma quesavanço em se tratando de compromissos firma- climáticas dia após dia, graus célsius acima de tão crucial em se tratando de mudanças clidos por grandes países do mundo como Esta- grau célsius, desastre após desastre, acontece- máticas: o consumismo fora de controle. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 11

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 11 Tempos de Sem-Teto presentar 50% do déficit habitacional do pa- econômica e de espoliação urbana, agraís. Ou seja, em 2015 mais de 3,177 milhões vando ainda mais as precárias condições de de famílias urbanas com renda de até 3 sa- vida dos trabalhadores de baixa renda. Re- lários mínimos acabaram comprometendo baixamento salarial, informalidade e desem- 30% ou mais da renda familiar mensal so- prego apresentam-se nesse contexto como mente com o custeio do aluguel. elementos significativos para levarmos em O dado é alarmante e chama mais a aten- consideração a possível tendência de crescição quando levada em consideração a série mento da pobreza urbana e proliferação das temporal elaborada pela fundação. O levan- populações de sem-teto nas regiões metrotamento mostra que em 2007 o ônus exces- politanas do país. sivo com aluguel atingia 1,74 milhões de do- Entretanto, é preciso ressaltar que essa micílios brasileiros, aumentando para 2,12 massa de excluídos não surge apenas das milhões em 2010. Já em 2013, esse núme- contradições evidenciadas no capitalismo Viver nos centros urbanos sempre foi uma ro aumentou para 2,55 milhões, chegando contemporâneo. Trata-se de precisá-los en- tarefa árdua para uma grande parcela da em 2015 a somatória de 3 milhões de domi- quanto uma população historicamente ex- população brasileira. Aos trabalhadores e cílios do total do déficit habitacional brasilei- plorada e marginalizada no campo e posteri- trabalhadoras de baixa renda que não pos- ro. No entanto, alguns fatores podem ajudar ormente nas cidades, herdeira de um passa- suem casa própria, a tarefa se apresenta a entender melhor os principais motivos que do escravocrata e senhorial, o qual relegou ainda mais difícil. A partir da crescente espe- levaram a essa crescente do ônus excessivo social e territorialmente principalmente os culação e valorização do solo urbano, os com aluguel. negros e camponeses expropriados a uma preços dos aluguéis dispararam, comprome- O primeiro fator diz respeito ao agravamento condição de exclusão social em sua plenitu- tendo de maneira considerável grande parte das contradições urbanas, impulsionada de, a saber: nos âmbitos econômico, polítida renda familiar das camadas mais empo- principalmente pela crescente valorização e co, cultural e espacial. brecidas das cidades. Diante de uma con- concentração da terra nos grandes centros É certo que vivenciamos uma conjuntura po- juntura de cortes nas políticas sociais e pre- urbanos, que além de contribuir diretamente lítica extremamente desfavorável aos traba- carização das relações de trabalho o cenário para a elevação dos preços dos aluguéis, lhadores, porém, uma esperança surge no se torna ainda mais dramático, sinalizando inviabiliza as populações de baixa renda de horizonte a partir da luta protagonizada pe- para uma tendência acelerada de cresci- conseguirem adquirir um imóvel nos locali- los movimentos de sem-teto nas inúmeras mento da pobreza urbana e expansão das dades próximas aos grandes centros urba- ocupações urbanas que explodem pelo país. populações de sem-teto nas regiões metro- nos. São forçadas assim a viverem no alu- Pode ser que venha justamente dessa mas- politanas do país. guel, principalmente do mercado imobiliário sa historicamente expropriada, explorada e É o que nos mostra a mais recente pesquisa informal. marginalizada, as possibilidades efetivas pa- divulgada em abril de 2018 pela Fundação João Pinheiro, órgão responsável pelo cálculo oficial do déficit habitacional brasileiro. De acordo com os novos dados divulgados, o déficit habitacional (número de famílias Outra questão que pode contribuir para o entendimento está relacionada diretamente ao fracasso das políticas públicas em suprimir ou ao menos minimizar os altos índices ra a constituição de uma força social capaz de exercer uma contraposição direta ao projeto neoliberal e às elites oligárquicas e autocráticas que se perpetuam no poder. que vivem em condições precárias de mora- do déficit habitacional brasileiro. O principal Propostas desafiadoras de renovação políti- dia) aumentou em 20 dos 27 estados brasi- programa habitacional do Governo Federal, ca alinhada a uma perspectiva anticapitalista leiros, passando de 9% [6 milhões e 68 mil o Minha Casa Minha Vida, não conseguiu estão surgindo e se desenvolvendo no país. domicílios] no ano de 2014 para 9,3% [6 mi- atingir o núcleo do déficit, ou seja, as famí- Talvez dessa conjuntura nefasta possa elhões e 355 mil] em 2015. O cálculo leva em lias com renda mensal de até três salários mergir, a partir do movimento dinâmico da consideração qualquer domicílio que se en- mínimos. Concentrou-se nas camadas mé- luta de classes, as condições necessárias quadre em um dos quatro componentes in- dias e na parceria com as grandes constru- para a construção de uma unidade classista tegrantes do déficit habitacional: domicílios toras e incorporadoras, a saber, suas finan- de caráter popular, radicalmente participati- precários coabitação familiar, ônus excessi- ciadoras de campanha. va e democrática. Diante dos novos desafios vo com aluguel e adensamento excessivo Um terceiro ponto a ser considerado é mais colocados à classe trabalhadora, certamente de moradores em imóveis alugados. recente, diz respeito à conjuntura de crise os sem-teto assumem um protagonismo im- Contudo, um novo dado apresentado pela pesquisa realizada pela fundação ganha destaque. Diz respeito ao ônus excessivo com aluguel, que em 2015 obteve uma alta de 80% em relação à série histórica iniciada em 2007. Conforme apontam os números, o econômica que atualmente assola o país. Com a implementação das políticas de ajuste fiscal (com cortes e congelamentos do orçamento público nas áreas sociais) e da reforma trabalhista (leia-se: flexibilização das leis e aumento da precarização do trabalho), par, impondo-se como uma base social e política imprescindível para construção de um projeto de sociedade que se proponha mais justo e igualitário. Sem dúvida, vivemos tempos de muita luta e resistência. Tempos de sem-teto. gasto excessivo com o aluguel passou a re- intensificam-se os processos de exploração Fernando Calheiros A FAVELIZAÇÃO DO MUNDO pais meios de comunicação, a quantidade de tropolitanas revelaram que o crescimento das novos assentamentos irregulares vem crescen- favelas desde 1980 não pode ser relacionado De acordo com o novo relatório global sobre as- do avassaladoramente, provando que a taxa de meramente ao processo de migração, que certa- sentamentos humanos realizado pela ONU, o crescimento da população favelada não só ex- mente diminuiu a partir a década de 60. Contra- número de favelados no mundo, que atualmente trapola em muito a de crescimento da cidade riamente, a maioria dos moradores se mudou está na casa de 1 bilhão de pessoas, possivel- formal como também que os governos federais, para as favelas através de uma filtração descen- mente dobrará nas próximas 3 décadas, vindo a estaduais e municipais estão totalmente despre- dente. O aumento do valor da terra assim como representar 32% da população mundial. No Bra- parados e desarticulados para enfrentar um pro- sua escassez, o empobrecimento da população, sil, assim como na maioria dos países em de- blema desta magnitude. a mobilidade social descendente e os movimen- senvolvimento, o problema habitacional é umas O aumento da população favelada está relacio- tos intrametropolitanos bem como a dificuldade das questões urbanas mais preocupantes, refle- nado ao aparecimento de novas favelas, a ex- de acesso ao mercado imobiliário formal são tindo-se na formação de aglomerados pobres, sem infraestrutura e socialmente segregados. pansão física daquelas já existentes e principalmente devido ao adensamento das unidades fatores importantes relacionados ao número de favelas na última década crescente Conforme é anunciada diariamente nos princi- residenciais. Pesquisas feitas nas regiões me- Da redação Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 12

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 12 Como o hormônio do amor der nossa natureza, incluídos os aspectos Os resultados mostraram que, ao receberem diminui o ódio ao estrangeiro mais sombrios, pode ajudar, segundo Toma- oxitocina, os que já eram altruístas dobra- sello, a melhorar nossas sociedades. vam suas doações tanto aos necessitados Estudo mostra que a combinação de spray de oxitocina com bons exemplos pode limitar a xenofobia Um estudo publicado nesta semana na revista PNAS pela equipe do dr. René Hurlemann, do Centro Médico da Universidade de Bonn (Alemanha), tenta levantar dados para locais como aos refugiados. Entretanto, o hormônio do amor não mudava a atitude dos xenófobos, que continuavam quase sem doar dinheiro aos refugiados e aos nacionais. Há meio milhão de anos, as populações de elaborar estratégias que permitam reduzir os “A oxitocina aumenta a generosidade em macacos em algumas regiões da África sentimentos xenofóbicos e fomentar a coo- relação aos necessitados, mas isso aconte- cresceram tanto que colocaram nossos an- peração entre estranhos. Num momento em ce em alguém que já é altruísta, o hormônio cestrais em apuros. Aqueles pequenos ani- que é preciso se adaptar a sociedades etni- não cria o altruísmo”, observa Hurlemann. mais eram rápidos demais na concorrência camente mais diversas e culturalmente mais Para alcançar os xenófobos, os pesquisado- por alimentos como as frutas e os humanos variadas, esse tipo de conhecimento pode res testaram características menos conheci- tiveram de buscar alternativas para sobrevi- se tornar uma ferramenta para melhorar a das da oxitocina, que é muito mais que o ver. Essa crise – que em chinês não signifi- convivência. hormônio do amor. Essa proteína, que de- ca oportunidade, embora às vezes possa ser – é empregada para explicar a origem do que pode ser a habilidade essencial de nossa espécie: a capacidade de juntar as mentes. Assim começaram a cooperar para conseguir mantimentos inalcançáveis para os macacos, como os antílopes. A proposta dos experimentos é “caracterizar as condições sociais e biológicas que possibilitam o comportamento altruísta em relação a estranhos, um fenômeno que ocorre na famosa parábola do bom samaritano, mas que não foi estudado a partir de uma perspectiva neurocientífica”, diz Hurlemann. sempenha muitos papéis relevantes na regulação das relações dentro dos grupos, também incrementa a adesão às normas sociais. Ela serve, por exemplo, para aumentar a coesão em um grupo que está em confronto com outro. Com essa ideia, provaram que a pressão social somada à oxitoci- Nesse contexto, a capacidade de colaborar No primeiro experimento, ofereciam 50 eu- na pode ter efeitos surpreendentes. Quando, com os congêneres era essencial para so- ros a um grupo de voluntários alemães bran- depois de inalar o hormônio, viram o que breviver e, pouco a pouco, foram sendo cria- cos e pediam que doassem quanto quises- seus companheiros mais generosos tinham dos grupos nos quais todos dependiam dos sem a um grupo de 50 pessoas necessita- doado, até as pessoas com uma disposição demais. Paulatinamente apareceu a divisão das e ficassem com o resto. Destes 50 ne- mais negativa em relação aos estrangeiros de trabalho e a interdependência mútua se cessitados, metade eram alemães em situa- incrementaram em 74% suas doações. intensificou à medida que se produziam en- ção de pobreza e outra metade, refugiados. Os autores administraram oxitocina como frentamentos com outros grupos. A humani- Além de servir para identificar as pessoas spray nasal para incrementar seus níveis no dade também se forjou na guerra. mais altruístas e as mais xenófobas, o pri- cérebro, mas nosso corpo produz esse hor- Os participantes do teste doaram 20% mais meiro teste ofereceu um resultado curioso: mônio naturalmente e a libera quando reali- aos refugiados com dificuldades econômicas os voluntários doaram 20% mais aos refugi- zamos algumas atividades sociais como que aos nacionais nas mesmas circunstân- ados em dificuldades econômicas que aos cantar ou dançar. “Seria absurdo tratar a xe- cias alemães nas mesmas circunstâncias. nofobia com um inalador, não é isso que es- Em entrevista ao EL PAÍS, o pesquisador A pressão social somada à oxitocina au- tamos sugerindo!”, explica Hurlemann. O norte-americano Michael Tomasello contou mentou a generosidade dos mais xenofó- que seus dados indicam é que algumas ati- que, apesar de podermos “considerar isso bicos em relação aos refugiados vidades sociais junto com o exemplo de mo- um fato infeliz”, nossa capacidade de cooperar “evoluiu dentro desses grupos”. “Há 100.000 anos fomos interdependentes dentro de nosso grupo cultural, mas lutávamos com outros grupos e não confiávamos neles, não conseguíamos entender seu idioma... É uma das descobertas mais sólidas da psicologia, as diferenças entre os tratamentos dados a quem é do grupo e a quem não é. Favorecemos quem pertence a nosso grupo e Em uma segunda fase dos experimentos, foi estudado o papel da oxitocina nas atitudes dos participantes em relação aos refugiados. Esse hormônio está relacionado à força dos vínculos dentro do grupo ou os laços entre pais e filhos, mas também ao ódio em relação aos diferentes. O teste realizado foi similar ao anterior, com a diferença que se fornecia oxitocina a uma parte do grupo altruísta e a uma parte do grupo xenófobo e delos sociais positivos, família, figuras públicas e líderes religiosos podem ajudar a reduzir os sentimentos xenofóbicos que dificultam a integração dos estrangeiros em nossas sociedades graças ao mecanismo que eles observaram. Ou, como já propuseram outros antropólogos, para reduzir as tensões entre quem consideramos parte de nosso grupo e os que consideramos alheios a esse círculo. desconfiamos dos de fora”, concluía. Enten- placebo a outra parte desses grupos. Daniel Mediavilla COPA E CURIOSIDADES DO FUTEBOL Barcelona teria que receber, mas também da UEFA, organizadora dos campeonatos europeus e da Liga dos Campeões. Uma seleção catalã? Apesar da existência desses obstáculos, caso o movimento separa- Se você achou que a seleção da Espanha não seria afetada com tista ganhe a disputa, a fama do Barça pode ajudar a tornar o pro- uma eventual separação da Catalunha, achou errado. Isso por- cesso mais fácil. que jogadores importantes da Espanha na verdade são catalães, como Gerard Piqué, Jordi Alba e Sergio Busquets. Aliás, Piqué e o Barcelona: mais que um clube ex-treinador da Seleção Espanhola, Pep Guardiola, são defensores Após uma guerra civil, a Espanha mergulhou em uma ditadura, da separação da Catalunha, região que até já tem uma seleção sendo controlada pelo militar Francisco Franco entre 1936 e 1939. própria. Essa foi uma época conturbada da história espanhola e, principal- Apesar de não disputar torneios oficiais, o time já conta com o ídolo mente, da Catalunha – já que a região perdeu grande parte da sua do Espanyol – Segio García – como seu artilheiro. autonomia, fato que reanimou os nacionalistas locais. Caso a separação da Catalunha se torne realidade, é provável que Foi nessa época que o FC Barcelona tornou-se um símbolo da reo Barcelona continue jogando o Campeonato Espanhol até a FIFA sistência catalã. É justamente por toda a importância política do reconhecer a legitimidade da Federação Catalã, um processo que clube que seu lema é “mes que un club” (mais que um clube). pode demorar 6 anos. E não é só o reconhecimento da FIFA que o Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 13

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 13 Relatório da ONU aponta aumento do abuso de medicamentos sob prescrição no mundo. A manufatura global de cocaína alcançou, em A cannabis é uma droga de escolha comum pe2016, seu nível mais alto de toda a história, com los jovens; no entanto, o uso de drogas entre os uma estimativa de produção de 1.410 toneladas. jovens difere de país para país e depende das A maior parte da cocaína mundial vem da Co- circunstâncias sociais e econômicas dos envol- lômbia, mas o relatório também mostra que a vidos. Há duas tipologias extremas de uso de África e a Ásia estão emergindo como centros drogas entre os jovens: drogas de casas notur- de tráfico e consumo da droga. nas e drogas recreativas entre jovens afluentes; De 2016 a 2017, a produção global de ópio au- e o uso de inalantes entre crianças de rua para mentou 65%, atingindo 10.500 toneladas, a mais lidar com suas circunstâncias adversas. alta estimativa já registrada pelo UNODC desde O uso de drogas entre a geração mais velha que começou a monitorar a produção de ópio (com 40 anos ou mais) tem aumentado a um global, no início do século 21. A expansão acen- ritmo mais rápido do que entre os mais jovens. tuada do cultivo de papoula de ópio e o aumento Embora haja apenas dados limitados disponí- O uso não medicinal de medicamentos sob gradual de rendimentos no Afeganistão resulta- veis, o relatório afirmou que isso requer atenção. prescrição está se tornando uma enorme amea- ram em uma produção de ópio nesse país que As pessoas que passaram pela adolescência ça para a saúde pública e o cumprimento da lei atingiu 9.000 toneladas. em um momento em que as drogas eram popu- no mundo, com opioides sendo responsáveis pelos maiores danos, contabilizando 76% de mortes envolvendo distúrbios relacionados ao uso de drogas. A conclusão é do Relatório Mun- “As descobertas do Relatório Mundial sobre Drogas deste ano mostram uma expansão dos mercados de drogas ilícitas, com a produção de co- lares e amplamente disponíveis têm mais probabilidade de usar drogas e, possivelmente, de continuar usando. dial sobre Drogas, lançado nesta terça-feira (26) caína e de ópio atingindo recordes altíssimos, o Os usuários mais velhos de drogas podem fre- pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas que apresenta vários desafios em diversas fren- quentemente ter múltiplos problemas de saúde e Crime (UNODC). tes”, afirmou o diretor-executivo do UNODC, física e mental, tornando o tratamento medica- Yury Fedotov. Ele destacou ainda que “o U- mentoso eficaz mais desafiador, mas pouca a- O fentanil e seus análogos ainda constituem um NODC está comprometido em trabalhar com os tenção tem sido dada aos transtornos por uso problema na América do Norte, enquanto o tra- países-membros com vistas a buscar soluções de drogas entre os idosos. madol – um opioide utilizado para tratar dores moderadas e graves – tem se tornado uma preocupação crescente em partes da África e da Ásia. O acesso ao fentanil e ao tramadol para usos medicinais é vital para o tratamento da dor equilibradas e balanceadas para os desafios atuais de drogas, para avançar no atingimento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Em todo o mundo, as mortes causadas diretamente pelo uso de drogas aumentaram em 60%, entre 2000 e 2015. Pessoas com mais de 50 anos representaram 27% dessas mortes em crônica, mas traficantes os produzem ilicitamen- “O Relatório Mundial sobre Drogas representa 2000, mas esse percentual aumentou para 39% te, promovendo-os em mercados ilegais e cau- um pilar fundamental que, juntamente com a as- em 2015. Cerca de três quartos de óbitos por sando danos consideráveis à saúde. sistência para traduzir obrigações internacionais transtornos relacionados ao uso de drogas entre em ações e capacitações no país, permitirão aqueles com 50 anos ou mais estão entre as A apreensão global de opioides farmacêuticos respostas eficazes e a proteção da saúde e do pessoas que usam opioides. em 2016 foi de 87 toneladas, aproximadamente bem-estar mundial”, disse Fedotov. a mesma quantidade de heroína apreendida na- A maioria das pessoas que usam drogas são quele ano. Foto: IRIN/Sean Kimmons A cannabis foi a droga mais amplamente consu- homens, mas as mulheres têm padrões específi- mida em 2016, com 192 milhões de pessoas cos de uso, segundo o relatório. A prevalência A apreensão global de opioides farmacêuticos tendo-a utilizado ao menos uma vez ao longo do do uso não médico de opioides e tranquilizantes em 2016 foi de 87 toneladas, aproximadamente último ano. O número global de usuários de can- pelas mulheres permanece em um nível compa- a mesma quantidade de heroína apreendida na- nabis continua a aumentar e aparenta ter expan- rável, se não superior, ao dos homens. Embora quele ano. Foto: IRIN/Sean Kimmons dido em aproximadamente 16% na ultima déca- as mulheres possam tipicamente começar a u- O uso não medicinal de medicamentos sob da até 2016, refletindo assim um aumento simi- sar substâncias mais tarde que os homens, uma prescrição está se tornando uma enorme amea- lar na população global. vez que iniciam o uso, tendem a aumentar a ta- ça para a saúde pública e o cumprimento da lei Drogas como a heroína e a cocaína, que tem xa de consumo de álcool, cannabis, cocaína e no mundo, com opioides sendo responsáveis estado disponíveis por um período significativo, opioides mais rapidamente que os homens, bem pelos maiores danos, contabilizando 76% de coexistem de modo crescente com novas subs- como desenvolver rapidamente desordens de- mortes envolvendo distúrbios relacionados ao tancias psicoativas (NSP) e medicamentos sob correntes do uso de drogas. uso de drogas. A conclusão é do Relatório Mun- prescrição. Houve aumento no fluxo de prepara- Mulheres com transtornos por uso de substân- dial sobre Drogas, lançado nesta terça-feira (26) ções farmacêuticas de origens pouco claras cias são relatadas como tendo altas taxas de pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas destinadas ao uso não medicinal, juntamente transtorno de estresse pós-traumático e também e Crime (UNODC). com o poli uso de drogas e o poli tráfico de dro- podem ter experimentado adversidades na in- O fentanil e seus análogos ainda constituem um gas “poly drugs”, adicionando níveis sem prece- fância, tais como negligência física, abuso ou problema na América do Norte, enquanto o tra- dentes de complexidade no tema das drogas, abuso sexual. As mulheres continuam a repre- madol – um opioide utilizado para tratar dores disse o UNODC. sentar apenas uma em cada cinco pessoas em moderadas e graves – tem se tornado uma pre- Vulnerabilidade de determinados grupos por ida- tratamento. A proporção de mulheres em trata- ocupação crescente em partes da África e da de e gênero mento tende a ser maior para tranquilizantes e Ásia. O acesso ao fentanil e ao tramadol para sedativos do que para outras substâncias. O tra- usos medicinais é vital para o tratamento da dor O número de pessoas em todo o mundo que tamento do uso de drogas e a prevenção, trata- crônica, mas traficantes os produzem ilicitamen- usou drogas ao menos uma vez por ano perma- mento e atenção ao HIV devem ser adaptados te, promovendo-os em mercados ilegais e cau- neceu estável em 2016, com cerca de 275 mi- às necessidades específicas das mulheres. sando danos consideráveis à saúde. lhões de pessoas, ou cerca de 5,6% da popula- ção global entre 15 e 64 anos. O Relatório Mundial sobre Drogas de 2018 ofe- A apreensão global de opioides farmacêuticos rece uma visão global sobre a oferta e a deman- em 2016 foi de 87 toneladas, aproximadamente Olhando para as vulnerabilidades de vários gru- da de opiáceos, cocaína, cannabis, estimulantes a mesma quantidade de heroína apreendida na- pos etários, o relatório concluiu que o uso de do tipo anfetamina e novas substâncias psicoati- quele ano. drogas e os danos associados a ele são os mais vas (NSP), bem como sobre seu impacto na sa- A apreensão de opioides farmacêuticos – princi- elevados entre os jovens em comparação aos mais velhos. A maioria das pesquisas sugere úde. Ele destaca os diferentes padrões de uso das drogas e vulnerabilidades de determinados palmente do tramadol na África Central, Oriental que a adolescência precoce (12-14 anos) e a grupos por idade e gênero, bem como a mudan- e do Norte, contabilizou 2016. Países da Ásia, 87% do total global em que contabilizaram no tardia (15-17 anos) é um período de risco crítico para o início do uso de substâncias e pode atin- ça ocorrida no mercado mundial de drogas. passado mais da metade das apreensões glo- gir o pico entre os jovens (com idade entre 18 e bais, representaram apenas 7% do total global 25 anos). nacoesunidas.org em 2016. DROGA É UMA DROGA Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 14

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 14 Vítimas dos agrotóxicos são 25% ela terá extrapolado em 12% o que o seu peso do na sombra enquanto a mãe trabalha. E na de crianças e adolescentes corpóreo poderia tolerar desse veneno, o malati- hora de pulverizar, a criança é pulverizada junto. ona. Essa permissividade explica porque essas Por isso, os números não surpreendem.” “Produzimos algo que deixou de ser crianças teriam se contaminado", diz. Os venenos afetam também a saúde dos mais alimento, virou commodity, agroenergia” Crianças estão entre as principais vítimas dos velhos. Conforme Felizardo, nos acampamentos Em Minas e Mato Grosso, 30% dos intoxicados efeitos nocivos dos agrotóxicos no Brasil de tomate é comum os trabalhadores, ainda a- têm de 0 a 4 anos. Na faixa etária dos 10 aos 14 Dados inéditos da USP indicam que entre 2007 dolescentes, desenvolverem depressão e alcooanos, o segundo maior motivo de intoxicação é o e 2014 foram notificadas 2.150 intoxicações so- lismo. "Não são raras as tentativas de suicídio, uso de veneno agrícola em tentativa de suicídio. mente na faixa etária de 0 a 14 anos de idade; todas sem registro. Na região de Jaú, se a gente Pulverização aérea está entre as principais cau- número pode ser 50 vezes maior ver as pessoas que estão fazendo tratamento de sas de intoxicação de crianças e adolescentes Adoecimento: é comum a pulverização de vene- câncer, a maioria está exposta aos agrotóxicos", São Paulo – As crianças e os adolescentes bra- no sem equipamento de proteção conta Felizardo. sileiros estão entre as principais vítimas dos a- São Paulo – Crianças e adolescentes estão en- O dirigente chama ainda a atenção para o asségrotóxicos no Brasil. Segundo dados oficiais, tre as principais vítimas dos efeitos nocivos dos dio, desleal, da indústria do veneno. Em sua reentre 2007 e 2014 foram registradas 25 mil into- agrotóxicos. Um estudo do Departamento de gião há poucos técnicos. "Se reunir todos os axicações relacionadas a esses produtos, um da- Geografia da Universidade de São Paulo (USP), grônomos do poder público, temos em torno de do que pode ser dezenas de vezes maior, dada com base em dados do Ministério da Saúde e da 40 técnicos para assistência técnica. Uma emà subnotificação das ocorrências. Desse total, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), mostra que presa na cidade vizinha tem, sozinha, 36 agrô20% – 2.181 casos – têm idades entre 0 e 14 entre 2007 e 2014 foram notificadas em todo o nomos, cada um com um carro, que sai a cada anos. Em estados como Minas Gerais e Mato país 2.150 intoxicações somente na faixa etária propriedade vendendo os agrotóxicos. E a cada Grosso, 30% das vítimas têm entre 0 e 4 anos. entre 0 e 14 anos de idade. O dado, alarmante, 15 dias fazem palestra, faz churrasco e bebida e "Os dados são chocantes quando a gente olha não reflete o real, que pode ser 50 vezes maior. chama os agricultores para fazer propaganda. É para o conjunto das intoxicações no Brasil e vê Isso porque de cada 50 casos de intoxicação por muito diferente a atenção. É desleal." os dados por faixa etária. A gente tem no Brasil esses venenos, apenas um é notificado no servi- Desde 2009, o Brasil lidera o consumo mundial uma lei muito importante, que é o Estatuto da ço de saúde. desses venenos, utilizando sobre suas lavouras Criança e do Adolescente (ECA). E quando vê Os dados, inéditos, foram apresentados pela um quinto de todo o agrotóxico produzido no dados de agrotóxicos fica pasmo porque, em professora Larissa Mies Bombardi, do Departa- mundo. Tamanho consumo está provocando ualguns estados, até 25% da população intoxica- mento de Geografia da Universidade de São ma verdadeira epidemia, silenciosa e violenta, da é de crianças e adolescentes", afirma a pro- Paulo (USP) durante o seminário Impacto dos colocando em risco a vida e saúde dos campo- fessora e pesquisadora do Departamento de Ge- Agrotóxicos na Vida e no Trabalho, realizado na neses, trabalhadores rurais e seus familiares, ografia da Universidade de São Paulo (USP), Câmara dos Vereadores de São Paulo. em contato direto com o produto, e a população Larissa Mies Bombardi, autora do Atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia. Promovido pela Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida e pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, entre outros par- da cidade, que consume alimentos cada vez mais encharcados. Cancerígeno, glifosato não é detectado Em entrevista aos jornalistas Glauco Faria e Ma- ceiros que lutam pelo banimento agrotóxicos e por testes da ANVISA em alimentos rilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual, Larissa traz das sementes transgênicas no Brasil, o evento Em março passado, a Agência Internacional de dados ainda mais estarrecedores. "Em estados integra a programação da Associação Brasileira Pesquisa sobre o Câncer (Iarc), vinculada à Or- como Minas Gerais e Mato Grosso, 30% do total de Saúde Coletiva (Abrasco), que está divulgan- ganização Mundial da Saúde (OMS), classificou de crianças e adolescentes intoxicados (343) do a atualização de seu Dossiê Impactos dos o glifosato, presente em herbicidas como o tinha entre 0 e 4 anos, ou seja, ainda na primeira Agrotóxicos na Saúde. Roundup – um dos mais utilizados no mundo – infância", afirma. Estudiosa do tema, a professora conta que só como cancerígenos prováveis para o homem. Outro dado alarmante é que na faixa dos 10 aos entre 1999 e 2009, o Sistema Nacional de Infor- "Porém, a presença do veneno não é avaliada 14 anos, a segunda maior causa de intoxicação mações Toxicológicas (Sinitox), da Fundação pela ANVISA em seu monitoramento de agrotó- por agrotóxicos no período foi a tentativa de sui- Oswaldo Cruz (Fiocruz), mostra que foram regis- xicos nos alimentos", alerta a professora da Uni- cídio. "São mais de 300 crianças e adolescentes tradas 62 mil intoxicações por agrotóxicos no versidade Estadual do Rio do Janeiro (Uerj) e no Brasil que tentaram se matar com agrotóxi- país. pesquisa da Fiocruz Karen Friedrich, que está cos". "São 5.600 intoxicações por ano, 15,5 por dia, entre os 44 autores do Dossiê da Abrasco. Larissa também relata que pesquisas mostram uma a cada 90 minutos. Nesse período houve De acordo com a ANVISA, as amostras dos ali- que a exposição frequente a uma classe especí- 25 mil tentativas de suicídio com uso de agrotó- mentos são encaminhadas aos laboratórios, cuja fica desses produtos – os organofosforados, que xico. O dado é alarmante, representando 2.300 análise é realizada pelo método analítico de são tóxicos ao sistema nervoso central – provo- casos por ano. São seis por dia”, afirma Larissa, “multirresíduos”. O método rápido, utilizado em ca depressão que se aprofunda a ponto de a reforçando para o fato que o dado pode ser 50 outros países, analisa simultaneamente diferen- pessoa doente tentar tirar a própria vida. "O sui- vezes maior. tes ingredientes ativos de agrotóxicos em uma cídio é a ponta da cadeia de um quadro tóxico encadeado pela exposição frequente", diz. Para o presidente do Consórcio de Segurança Alimentar do Sudoeste Paulista e dirigente da mesma amostra. Porém, esse método não se aplica à análise de De acordo com a professora, há 54 casos regis- Federação da Agricultura Familiar de São Paulo, alguns ingredientes ativos, como o glifosato, o trados de intoxicação por alimentos nesse perío- José Vicente Felizardo, as crianças sempre esti- 24D e o etefon, entre outros, que demandam do e 343 de bebês intoxicados. Entre as hipóte- veram expostas a esses venenos no campo, metodologias específicas e onerosas. Conside- ses para explicar a contaminação dos bebês es- principalmente na plantação de tomates, que rando o cenário atual relativa à larga utilização tão o contato com os pais trabalhadores na agri- predomina em sua região. Ele conta que até o do glifosato e de reavaliação deste ingrediente cultura e diretamente expostos a esses produ- ano 2000 a contaminação na faixa etária entre 5 ativo, a Anvisa está trabalhando para pesquisar tos, além da ingestão de alimentos com resíduos e 14 anos ocorria durante o trabalho, quando o glifosato em algumas culturas agrícolas a par- e também a exposição aos agrotóxicos durante essas crianças manuseavam agrotóxicos, tir de 2016, principalmente nas transgênicas e pulverizações, principalmente aéreas. "temperando a calda" – fazendo a diluição. nas culturas em que ocorre o uso como desse- "Nunca é demais lembrar que permitimos no "Eram comuns mortes de crianças", conta. cante antes da colheita. Brasil limites de glifosato na soja duzentas vezes Conforme ele, as denúncias não surtiam efeito. Segundo Karen, isso é grave, já que os alimen- maior que o limite aceito na União Europeia. O Até que em 2000 uma criança de 5 anos morreu tos podem conter doses elevadas do veneno. glifosato é cancerígeno e a soja é usada em depois de beber agrotóxico. "Ela estava na roça "Se não há limite de segurança, ou seja, o agro- qualquer alimento industrializado. E no feijão, com a mãe. Bebeu agrotóxico. Conseguimos tóxico é nocivo à saúde em qualquer quantida- clássico alimento de norte a sul do país, temos mobilizar a imprensa, mostrando as embala- de, imagine em grandes doses." Segundo a pró- índices do inseticida malationa quatrocentas ve- gens. Desde então, a coisa começou a cami- pria ANVISA, 70% dos alimentos têm agrotóxi- zes maior que o permitido na União Europeia. nhar." cos, alguns deles com quantidades bem acima Se uma criança pesando dez quilos consumir em um dia 125 gramas de feijão e 125 gramas de arroz, dentro dos limites máximos permitidos, No entanto, pouca coisa mudou. Segundo Felizardo, crianças pequenas ainda são levadas às roças de tomate pelas mães. "Elas ficam dormin- do tolerado. Cida de Oliveira Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 15

Julho de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 15 Como “comportamento de manada” permite manipulação da opinião pública por fakes. Alguns dos usuários identificados como fakes sariamente maliciosos, são mecanismos que tinham mais de 2 mil amigos no Facebook. Os automatizam determinadas tarefas e podem ser perfis publicavam constantemente mensagens a usadas para o bem e para o mal nas redes soci- favor de políticos como Aécio Neves (PSDB) e o ais. presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), “É impossível proibi-los. A saída democrática é além de outros 11 políticos brasileiros. ter transparência para outros eleitores”, afirma. Eles negam ter contratado qualquer serviço de Se “robôs políticos” existem e estão voluntaria- divulgação nas redes sociais por meio de perfis mente cedendo seus perfis para reproduzir con- falsos. A investigação da BBC Brasil não desco- teúdo de um político, eles devem estar marca- briu evidências de que os políticos soubessem dos como tal, como, por exemplo, “pertencente do expediente supostamente usado. ao ‘exército’ do candidato X”. Eduardo Trevisan, dono da Facemedia, empresa Transparência Usuários reais estão sujeitos à manipulação de perfis falsos nas redes sociais. A estratégia que vem sendo usada por perfis que seria especializada em criar e gerir perfis falsos, nega ter produzido fakes. “A gente nunca criou perfil falso. Não é esse nosso trabalho. Nós fazemos monitoramento e rastreamento de redes sociais”, disse à BBC Brasil. Defensora do direito à privacidade e da liberdade de expressão, a pesquisadora Joana Varon, fundadora do projeto Coding Rights (“direitos de programação”), também defende a transparência como melhor via. “Anonimato e privacidade falsos no Brasil e no mundo para influenciar a Personas existem para proteger humanos. Bots (robôs de opinião pública nas redes sociais se aproveita de uma característica psicológica conhecida como “comportamento de manada”. As pessoas que afirmam ser ex-funcionárias da Facemedia entrevistadas pela BBC Brasil disseram que, ao começar na empresa, recebiam u- internet) feitos para campanha eleitoral precisam ser identificáveis e registrados, para não enganar o eleitor”, afirma. O conceito faz referência ao comportamento de ma espécie de “pacote” com diferentes perfis Mas como aplicar essa lógica para os perfis fal- animais que se juntam para se proteger ou fugir falsos, que chamavam de “personas”. Esses sos controlados por pessoas que prestariam ser- de um predador. Aplicado aos seres humanos perfis simulavam pessoas comuns em detalhes: viço secretamente para políticos, como os identi- refere-se à tendência das pessoas de seguirem profissão, história familiar, hobbies. As mensa- ficados pela BBC Brasil? um grande influenciador ou mesmo um determinado grupo, sem que a decisão passe, necessariamente, por uma reflexão individual. gens que elas publicavam rísticas criadas. refletiam as caracte- Para Pablo Ortellado, professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da Universidade de “As pessoas estão mais abertas a confiar numa São Paulo (USP), deve haver maior transparên- “Se muitas pessoas compartilham uma ideia, opinião de um igual do que na opinião de uma cia e regulação em plataformas como o Facebo- outras tendem a segui-la. É semelhante à esco- marca, de um político”, disse um dos entrevista- ok, que deve começar a agir “como se fosse um lha de um restaurante quando você não tem in- dos. Estado, já que virou a nova esfera pública”, onde formação. Você vê que um está vazio e que outro tem três casais. Escolhe qual? O que tem gente. Você escolhe porque acredita que, se outros já escolheram, deve ter algum fundamento “Ou vencíamos pelo volume, já que a nossa quantidade de posts era muito maior do que o público em geral conseguia contra-argumentar, acontecem discussões e interações. Ou seja, a plataforma deve começar a se autorregular, se não quiser ser regulada pelos Estados. nisso”, diz Fabrício Benevenuto, professor da ou conseguíamos estimular pessoas reais, mili- Uma de suas tarefas, diz ele, deve ser excluir Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), tâncias, a comprarem nossa briga. Criávamos esses perfis falsos da rede – algo que a própria sobre a atuação de usuários nas redes sociais. uma noção de maioria”, diz um ex-funcionário. empresa diz, sem dar detalhes, que pretende Ele estuda desinformação nas redes e testou Para Yasodara Córdova, pesquisadora da Digital fazer no Brasil antes das eleições de 2018. sua teoria com um experimento: controlou quais Kennedy School, da Universidade Harvard, nos “Mas o grande desafio mesmo é desarmar a so- comentários apareciam em um vídeo do YouTu- EUA, e mentora do projeto Serenata de Amor, ciedade, que está muito polarizada e sendo esti- be e monitorou a reação de diferentes pessoas. que busca identificar indícios de práticas de ges- mulada nos dois campos. Sem essa polarização, tão fraudulentas envolvendo recursos públicos cai a efetividade dos perfis falsos”, diz Ortellado. Quanto mais elas eram expostas só a comentários negativos, mais tendiam a ter uma reação negativa em relação àquele vídeo, e vice-versa. no Brasil, “a internet só replica a importância que se dá à opinião das pessoas ao redor na vida real”. Córdova defende que os usuários sejam educados sobre o que são robôs e que mais pessoas os estudem. “O remédio contra esses exércitos “Um vai com a opinião do outro”, conclui Bene- “Se três amigos seus falam que um carro de u- de robôs é um exército de pessoas que enten- venuto. Em seu experimento, os pesquisadores ma determinada marca não é bom, aquilo entra dam a natureza dessas entidades na internet.” chegaram à conclusão de que a influência esta- na sua cabeça como um conhecimento”, diz ela. va também ligada a níveis de escolaridade: Além disso, diz, a tendência é que as platafor- quanto menor o nível, mais fácil era ser influen- Confiança abalada mas deixem as pessoas controlarem seus pró- ciado. Exército de fakes Evidências reunidas BBC Brasil ao longo por uma investigação da de três meses, que deram Para Lee Foster, da FireEye, empresa americana de segurança cibernética que identificou alguns perfis fakes criados por russos nas eleições americanas, essa tentativa de manipulação pode não fazer as pessoas mudarem seus vo- prios feeds e que existam cada vez mais empresas de checagem de notícias, já que outra preocupação em 2018 são as fake news (notícias falsas). “Não tem solução mágica. É um ecossistema que está sendo criado.” origem à série Democracia Ciborgue, da qual tos. “Mas podem passar a ver o processo eleito- À BBC Brasil, o Twitter informou que “a falsa i- esta reportagem faz parte, sugerem que uma ral todo como mais corrupto, diminuindo sua dentidade é uma violação” de suas regras e que espécie de exército virtual de fakes foi usado por confiança na democracia”, afirma. contas que representem “outra pessoa de ma- uma empresa com base no Rio de Janeiro para manipular a opinião pública, principalmente, no pleito de 2014. E há indícios de que os mais de “As redes sociais estão permitindo cada vez mais coisas avançadas em termos de manipula- neira confusa ou enganosa nentemente suspensas”. poderão ser perma- 100 perfis detectados no Twitter e no Facebook ção nas eleições”, diz Benevenuto, citando as O Facebook diz que suas políticas não permitem sejam apenas a ponta do iceberg de um proble- propagandas direcionadas do Facebook. perfis falsos e que está aperfeiçoando seus sis- ma muito mais amplo no Brasil. “Estamos entrando em um caminho capaz de temas para “detectar e remover essas contas e aniquilar democracias.” todo o conteúdo relacionado a elas”. “Estamos A estratégia de influenciar usuários nas redes incluía ação conjunta para tentar “bombar” uma hashtag (símbolo que agrupa um assunto que está sendo falado nas redes sociais), retuítes de políticos, curtidas em suas postagens, comentá- A solução proposta por pesquisadores para o problema dos perfis falsos e robôs em redes sociais vai da transparência das plataformas ao esforço político de “despolarizar” a sociedade. eliminando contas falsas em todo o mundo e cooperando com autoridades eleitorais sobre temas relacionados à segurança online, e esperamos tomar medidas também no Brasil antes das eleições de 2018”. rios elogiosos, ataques coordenados a adversá- Córdova diz que não se deve pensar em rios e até mesmo falsos “debates” entre os fa- “derrubar todos os robôs” – que não são neces- Juliana Gragnani kes. Educar para o desenvolvimento e para o Bem Estar Social Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

Comments

no comments yet