Informativo Ceriluz 39

 

Embed or link this publication

Description

Informativo Ceriluz Além da Energia

Popular Pages


p. 1

Ano XII / Nº 39 / MAIO DE 2018 Pg. 8 e 9 ASSOCIADOS DA CERILUZ VIAJAM A SANTA CATARINA E PARTICIPAM DE INAUGURAÇÃO DA CGH AGUDO Um grupo de cooperados se deslocou ao município de Zortéa onde visitaram a Central Geradora Hidrelétrica Agudo (CGH), construída pela SPVR Geração e Comercialização de Energia Elétrica Ltda., empresa da qual a Ceriluz possui 40% dos ativos. Um ato simbólico inaugurou oficialmente a usina que já está em operação comercial desde o dia 3 de março de 2016. Pg. 3, 4 e 5 ASSOCIADOS REELEGEM ILOIR DE PAULI PARA MAIS QUATRO ANOS DE GESTÃO As assembleias das cooperativas Ceriluz Geração e Distribuição, realizadas respectivamente em 18 de janeiro e 22 de março, contaram com eleição da diretoria. Expressivo número de associados compareceu aos pontos de votação e reelegeram a diretoria para o período 2018/2022. Pg. 6 CERILUZ TEM O MELHOR ÍNDICE DE SATISFAÇÃO ENTRE COOPERATIVAS GAÚCHAS A Cooperativa foi finalista do Índice Aneel de Satisfação do Consumidor (IASC) e com 82% de satisfação sagrou-se a segunda melhor permissionária do país na categoria acima de 10 mil Unidades Consumidoras. Considerando todas as distribuidoras envolvidas na pesquisa – permissionárias e concessionárias - a Ceriluz é a quarta melhor do Brasil e a primeira colocada no RS. Pg. 7 COOPERATIVA PROJETA DOBRAR O NÚMERO DE USUÁRIOS DE INTERNET VIA FIBRA ÓPTICA A Ceriluz Provedores definiu investimento de mais de R$2 milhões de reais em 2018, com o objetivo de acelerar a expansão das redes de fibra óptica. O foco no momento está na disponibilidade da rede nos municípios de Ajuricaba e Catuípe. Pg. 10 LICENÇA DE INSTALAÇÃO DÁ AVAL PARA INÍCIO DAS OBRAS DA PCH SEDE II CENTENÁRIA A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (FEPAM) emitiu no mês de março a Licença de Instalação da PCH Sede II Centenária, projeto no Rio Potiribu, em Ijuí. A expectativa é iniciar os trabalhos no segundo semestre de 2018.

[close]

p. 2

EDITORIAL PERÍODO DE DEFINIÇÕES DEMOCRÁTICAS Um início de ano de importantes definições dentro da Ceriluz. Assim podemos definir os primeiros meses de 2018. Entre os destaques, a eleição das diretorias da Ceriluz, para ambas as cooperativas, Geração e Distribuição de Energia. Para consolidar a marca do Cooperativismo - a participação dos associados na tomada das decisões - as Assembleias Gerais Ordinárias (AGOs) contaram com urnas espalhadas por toda a área de ação da Cooperativa, possibilitando a um maior número de cooperados expressarem sua opinião. E felizmente tivemos boa adesão por parte de nossos associados, que assumiram o compromisso de participar mesmo com muitas atividades particulares por desenvolver, a citar como exemplo, a colheita da soja no dia 22 de março, dia da assembleia da Ceriluz Distribuição. Mais importante que a eleição propriamente dita, que reconduziu Iloir de Pauli e Valmir Elton Seifert aos cargos de presidente e vice-presidente, respectivamente, é a confirmação do alto índice de aprovação do trabalho dessa direção, confirmando o que já havia sido mostrado na Pesquisa da Participação Social de 2017. Em ambas as eleições, realizadas em dias diferentes, 99% dos associados votaram pelo SIM, ou seja, pela continuidade do atual trabalho. Com essa votação, os associados concordam com a continuidade do desenvolvimento da Cooperativa, afinal, o crescimento registrado nos últimos anos é visível. Nos últimos vinte anos a Ceriluz dobrou de tamanho ao falarmos de distribuição de energia, e mesmo com o aumento, não apresentou perdas na qualidade da energia, pelo contrário, essa apenas aumentou. Na geração de energia, de uma pequena Central Geradora de 680 quilowatts (kW) de potência instalada em 1999, a Ceriluz acrescentou outras três usinas após isso, em investimentos próprios ou parcerias, tendo hoje praticamente 25 Megawatts (MW) em potência instalada. Num primeiro momento podem parecer apenas números, mas todos os investimentos feitos em usinas, subestações e redes, se revertem em energia de qualidade, hoje insumo indispensável para que os associados possam ter renda em sua propriedade e viver com conforto e dignidade. Nesta edição do Informativo Além da Energia trazemos mais detalhes referentes às AGOs realizadas, às eleições, à prestação de contas, assim como sobre os resultados produtivos alcançados no ano de 2017, tanto na geração quanto na distribuição de energia. Destaque especial também para o setor da geração, com o ato inaugural da CGH Agudo, em Santa Catarina e a liberação da Licença de Instalação (LI) da PCH Sede II – Centenária, no município de Ijuí. Enfim, trazemos um rápido resumo destes primeiros meses, que repetimos, foram marcados por definições importantes. Leia, saiba mais sobre a Ceriluz e continue participando. ATENDIMENTO QUALIFICADO I Reforçamos aos nossos associados a informação que foi capa do Informativo Ceriluz de janeiro, edição 38, quanto à mudança da sede da Cooperativa. Desde o dia 02 de janeiro o atendimento da Cooperativa está todo centralizado na sua nova sede, localizada na Rua Reinoldo Schindler, nº 100, no Bairro das Chácaras, em Ijuí. Como referência o associado pode usar o trevo do Hospital Bom Pastor, na BR 285. O novo endereço, além de facilitar o acesso do associado do interior, também agiliza o deslocamento das equipes técnicas da Cooperativa para os serviços de manutenção de redes, uma vez que estas não precisam mais se deslocar pelo centro de Ijuí. Para os associados a Ceriluz disponibiliza um amplo estacionamento e um setor de atendimento com mais conforto e comodidade. ATENDIMENTO QUALIFICADO II As novas tecnologias de informação permitem uma comunicação mais precisa e rápida, entre empresas e consumidores. Com o objetivo de qualificar essa comunicação, a Ceriluz solicita aos associados que mantenham seu cadastro sempre atualizado, incluindo números de telefone ou e-mails. Isso permitirá que inúmeros contatos deixem de ser presenciais, com equipes se deslocando até a unidade consumidora, podendo ser por telefone ou mesmo por envio de mensagens. Essas demandas incluem desde a comunicação de algum serviço junto à propriedade do associado, como na área de medição, assim como a notificação de falta de energia e de desligamento programados, entre outros. Ouça o Informativo Ceriluz/Rádio www.ceriluz.com.br/informativos de rádio Sábado – 6h45 às 7h - Rádio Repórter Domingo - 8h15 às 8h30 - Rádio Progresso Rádio Jornal da Manhã - Rádio Águas Claras Rádio Querência - Rádio Ciranda Rádio Liberdade - Rádio Ativa Mais notícias sobre a Ceriluz em: www.ceriluz.com.br EXPEDIENTE Informativo Ceriluz Além da Energia - Edição 39 Produção: Assessoria de Comunicação Social Jornalista: Vilson Wagner (wagner@ceriluz.com.br) Diagramação/Impressão: ITS Gráfica e Editora Jornalística LTDA Tiragem: 10.500 unidades Distribuição gratuita

[close]

p. 3

ASSOCIADOS REELEGEM ILOIR DE PAULI E DEFINEM CONSELHOS DA CERILUZ ACeriluz realizou Assembleias Gerais Ordinárias em datas distintas, nesse ano de 2018, referentes às cooperativas de Geração e Distribuição de Energia. Em ambos os encontros sobressaiu-se a prática da democracia cooperativista, onde os associados participaram da eleição das diretorias, com a possibilidade de expressar seu voto em urnas itinerantes espalhadas pela região de atuação da Ceriluz. Nas duas oportunidades os cooperados reconduziram Iloir de Pauli para a presidência, renovando os conselhos. Veja na sequência como foram as atividades: 18 DE JANEIRO – AGO CERILUZ GERAÇÃO No dia 18 de janeiro a Cooperativa de Geração de Energia e Desenvolvimento Social Ltda. – Ceriluz Geração realizou Assembleia Geral Ordinária (AGO), em seu Salão de Atos, quando os associados reelegeram o presidente Iloir de Pauli para quatro anos de gestão. Na oportunidade aconteceu a eleição dos conselhos de administração e fiscal, efetivos e suplentes. Com 13 urnas distribuídas na região 99,38% dos associados participantes votaram pela continuidade da atual administração. Segue com o presidente Iloir de Pauli na diretoria o vice-presidente Valmir Elton Seifert, tendo como secretário Sandro Lorenzoni (veja na página 4 a relação completa dos conselhos). Outra importante decisão foi a prorrogação do repasse do Bônus Ceriluz Geração aos associados, de janeiro a março de 2018, totalizando um ano deste benefício social, período onde repassou mais de R$2,4 milhões aos associados na forma de descontos nas faturas de energia. A assembleia ordinária contou ainda com a prestação de contas da Associados participaram da AGO expressando seu voto nas urnas que percorreram a região... administração acompanhada dos relatórios contábeis, aprovados pelos presentes, além de assuntos gerais. O repasse desses recursos aos associados, assim como os investimentos realizados, constaram o Relatório de Gestão que apresentou sobras líquidas de R$12.568.271,44. Iloir de Pauli agradeceu a participação dos associados na eleição e também a confiança depositada nele e nos demais membros de administração para continuidade dos trabalhos frente à Ceriluz. O presidente reassumiu o compromisso de realizar investimentos na geração de energia, qualificando a distribuição de energia e favorecendo os associados. “Um exemplo de que isso é possível nós demos durante esse último ano, quando garantimos um valor mais justo nas contas de energia dos associados, por meio do desconto do Bônus Ceriluz Geração. Essa, aliás, outra importante decisão da assembleia, que confirmou a continuidade desse benefício até completar doze meses. A qualidade da nossa energia e a devolução dos resultados aos associados mostra o quanto a geração de energia é importante para a Ceriluz”, analisou Iloir. Após a AGO foi realizada ainda Assembleia Geral Extraordinária (AGE), quando foram feitos ajustes nos estatutos da Ceriluz, atualizando a localização da sede da Cooperativa, considerando a mudança recente para a Rua Reinoldo Schindler, nº 100, no Bairro das Chácaras, em Ijuí. ... e também prestigiaram a prestação de contas no encontro realizado no salão de atos da Ceriluz, em Ijuí.

[close]

p. 4

22 DE MARÇO – AGO CERILUZ DISTRIBUIÇÃO Na Cooperativa Regional de Energia e Desenvolvimento Ijuí Ltda. - Ceriluz Distribuição a Assembleia Geral Ordinária foi realizada ao longo de todo o dia 22 de março, quando também houve processo eleitoral e de prestação de contas do ano 2017. Dos associados que compareceram às urnas 99,08% decidiram pela continuidade do trabalho da atual direção, confirmando a aprovação que já havia sido demonstrada na AGO da Ceriluz Geração. A assembleia, que foi aberta às nove horas da manhã, reelegeu o presidente Iloir de Pauli e o vice Valmir Elton Seifert também para essa Cooperativa. Após o processo eleitoral que se estendeu até às 16h a assembleia prosseguiu com a apresentação do relatório de gestão, incluindo a prestação de contas do ano de 2017 e a destinação das sobras apuradas, entre outros assuntos. A Ceriluz Distribuição apresentou um resultado líquido de R$6.550.480,04. O presidente Iloir de Pauli destacou os bons resultados da Cooperativa nos últimos anos e os atribuiu ao amadurecimento dos gestores e do próprio setor elétrico. “Hoje nos consideramos maduros, pois aprendemos a gerenciar a distribuição com base nas regras que temos sobre o setor. Enfim, estamos mais preparados para o que vem pela frente. Temos menos dúvidas e mais convicções. Não são apenas méritos nossos, mas o próprio setor está se mostrando mais amadurecido, ou seja, os órgãos reguladores, como a Aneel [Agência Nacional de Energia Elétrica], estão entendendo melhor as cooperativas e seu papel social”, afirmou. Apuração dos votos aconteceu sob o olhar atento dos membros da Comissão Eleitoral. DIRETORIA CERILUZ GERAÇÃO Conselho de Administração Efetivos Presidente – Iloir de Pauli Vice-presidente – Valmir Elton Seifert Secretário – Sandro Lorenzoni Primeiro vogal – Luiz Vieira Segundo vogal – Roberto Heuser Terceiro vogal – Leonildo Fernandes de Ávila Quarto vogal – Luiz Auri Visioli Quinto vogal – Roque Costa Beber Conselho de Administração Suplentes Sexto vogal – Edson Osvaldo Arnt Sétimo vogal – Olacir Amaral Oitavo vogal – Ângelo Paulo Przybytowicz Nono vogal – Nelson Dallabrida Décimo vogal – Evandro Lanzarin Conselho Fiscal Efetivos: Carlos Karlinski; Cláudio Roberto Drews; Sidnei João Montagner. Conselho Fiscal Suplentes: Valmir Varini; Marlene Bussler; Cledi Marli Pires Savariz. DIRETORIA CERILUZ DISTRIBUIÇÃO Presidente – Iloir de Pauli Vice-presidente – Valmir Elton Seifert Primeiro Vogal – Romeu Ângelo de Jesus Segundo Vogal – Valdir Steiernagel Terceiro Vogal – Luiz Fernando Baroni Quarto Vogal – Sênio Reinoldo Kirst Conselho Fiscal Efetivos: Luciano Lorenzoni; Grasiele de Siqueira Beier; Clóvis Taborda Padilha. Conselho Fiscal Suplentes: Nelson Dallabrida; Evandro Lanzarin; Sandra Marilise Tissot Wender. Associados acompanharam números apresentados nos balanços demonstrativos.

[close]

p. 5

ENTREVISTA Antônio Carlos Nasi Diretor da Nardon Nasi - Auditores Independentes Desde março de 2017 a Ceriluz conta com os serviços de consultoria da empresa Nardon Nasi – Auditores Independentes, para ser responsável pela validação dos balanços da Cooperativa, garantindo a transparência aos negócios e a confiabilidade dos dados financeiros. Contudo, além da gestão financeira, o trabalho foca também na gestão de vendas, do patrimônio e também dos recursos humanos, com a experiência de 50 anos de trabalho completados em 2017. Os auditores da Nardon Nasi realizam visitas frequentes à Ceriluz, quando fazem análise de toda a evolução contábil e administrativa da Cooperativa, interagindo com diretores e colaboradores. Na assembleia da Ceriluz Distribuição o diretor da empresa Antônio Carlos Nasi apresentou o primeiro parecer sobre a atual gestão da Ceriluz aos associados presentes. Aproveitamos para conversar com ele e compartilhamos algumas informações com nossos associados. • Informativo Ceriluz: Na assembleia do dia 22 de março foi apresentado o Relatório de Gestão 2017 da Ceriluz, que incluía os balanços financeiros. Na sequencia o sr. apresentou o parecer da auditoria independente validando o que foi apresentado. Considerando os resultados, qual sua avaliação sobre o atual momento da Ceriluz? Antônio Carlos Nasi: O trabalho da auditoria independente, como confirma a expressão independente, se caracteriza pela independência em relação ao conselho de administração, ao conselho fiscal e a todos os funcionários, no sentido de nós examinarmos as contas da Cooperativa. Embora sejamos contratados pelo conselho de administração, com o acordo do conselho fiscal, trabalhamos de forma independente, voltados ao interesse dos associados. [...] A situação da Ceriluz é muito boa, a cooperativa está muito capitalizada, está com investimentos também na parte da geração de energia, teve um desempenho muito bom e está bem sólida e isso é o que interessa ao associado, ou seja, que a cooperativa tenha uma estrutura financeira e econômica sólida, resultados bons e que ela possa realmente continuar a fazer novos investimentos e se aprimorar em termos de controle. Tudo isso a gente tem discutido com a diretoria, visando melhorar controles, melhorar processos, reduzir custos, enfim, ter um desempenho adequado. • Nesse processo de gestão existe ainda um relacionamento com os órgãos reguladores. Na sua avaliação, vem sendo cumprido o que a legislação impõe hoje à Ceriluz? A área de energia elétrica ela é extremamente regulamentada e a Aneel, que é a Agência Nacional de Energia Elétrica, tem uma participação muito forte no controle das cooperativas e nas empresas de energia elétrica do Brasil. É uma área muito regulamentada e a Ceriluz tem dado muita importância para isso, tem cumprido com suas obrigações [...] com a Aneel. É uma preocupação grande do presidente em ter o atendimento destas exigências, até porque, se não cumprir há pesadas multas. • O sr. acompanha não só a Ceriluz mais outras cooperativas da área e, na sua opinião, é um desafio para um gestor conseguir atender tanto as questões legislatórias quanto o interesse de seus associados? Uma coisa que a Aneel dá muita importância é justamente aos indicadores de atendimento aos clientes, no caso da Cooperativa, o cliente associado. Esse é um ponto importante onde, aliás, as cooperativas têm um desempenho muito superior às demais empresas de distribuição de energia elétrica que são sociedades anônimas ou companhias abertas. Se olharmos os indicadores de qualidade de serviços das cooperativas de eletrificação rural veremos que são realmente muito interessantes, pela diferença grande da qualidade do atendimento para o associado. • E na sua percepção, a solidez financeira da Cooperativa, sobre a qual o sr. falou antes, está interligada com os investimentos na qualidade dos seus serviços? Nós estávamos conversando com o presidente sobre investimentos em geração, em alternativas de novos investimentos, onde a Cooperativa, além dos financiamentos junto aos bancos, tem que entrar sempre com uma parte de recursos próprios que os bancos exigem. Então a cooperativa tem que estar capitalizada para pode fazer os investimentos ao buscar os financiamentos e, além disso, ainda precisa dar as garantias. Esse é um processo complicado, mas que, para fazer investimentos e garantir a qualidade dos serviços, deve ser feito.

[close]

p. 6

CERILUZ ALCANÇA MÉDIA DE SATISFAÇÃO EXCELENTE NO PRÊMIO IASC 2017 Com índice de satisfação de 82,13% a Cooperativa foi segunda melhor em sua categoria e quarta no ranking de todas as permissionárias brasileiras. Considerando apenas as cooperativas do Rio Grande do Sul ela está na primeira colocação. AAgência Nacional de Energia Elétrica divulgou no dia primeiro de fevereiro o resultado do Prêmio IASC - Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor 2017, que premia as distribuidoras de energia mais bem avaliadas pela percepção dos consumidores residenciais. A Ceriluz estava entre as finalistas na categoria “Permissionárias acima de 10 mil unidades consumidoras”, na qual conquistou a segunda colocação com o índice de satisfação de 82,13%. A campeã foi a Cooperativa de Eletrificação Anita Garibaldi Ltda. – Cergal/SC, com índice de 86,76%, enquanto a terceira colocada na categoria foi a Cooperativa de Distribuição de Energia – Creluz-D/RS, com 81,71%. Na categoria “Permissionárias até 10 mil unidades consumidoras” a vencedora foi a Cooperativa de Eletrificação Lauro Müller – Coopermila/SC, com média de 85,31% de satisfação. No Prêmio Brasil Permissionárias, que inclui todas as Cooperativas do Brasil, a Ceriluz ficou na quarta posição. O presidente Iloir de Pauli acompanhou a cerimônia do Prêmio IASC 2017, que aconteceu na sede da ANEEL, em Brasília. O resultado alcançado pela Ceriluz é apontado como excelente, segundo os padrões de exigência da agência reguladora, e a Cooperativa, desde o início da premiação das cooperativas, sempre esteve entre as cinco melhores do Brasil. Foi a segunda vez que a Ceriluz ficou na segunda colocação, sendo a primeira no ano de 2014. Além das cooperativas permissionárias, também são avaliadas as concessionárias de energia do País, divididas em duas categorias: acima e abaixo de 400 mil unidades consumidoras. Sagraramse campeãs, respectivamente, a Copel Distribuição S.A., com índice de satisfação de 80,69%, e a Muxfeldt Marin & Cia. Ltda., com aprovação de 83,45%. A média geral de satisfação das concessionárias foi de 63,16%, abaixo da avaliação geral das cooperativas, que foi de 71,34%. O índice é aferido por meio de pesquisa de opinião realizada com consumidores de todo o Brasil. A pesquisa foi realizada no período de 19 de agosto a 1º de novembro de 2017. Foram entrevistados 24.926 consumidores residenciais, de forma presencial domiciliar, de 584 municípios atendidos pelas 96 distribuidoras, sendo 58 concessionárias e 38 permissionárias. Na região de atuação da Ceriluz foram ouvidos associados dos municípios de Coronel Barros e Ijuí. Presidente Iloir (segundo da esquerda para direita) na cerimônia de entrega do Prêmio IASC 2017

[close]

p. 7

INVESTIMENTO DE R$2 MILHÕES VAI ACELERAR EXPANSÃO DA REDE DE FIBRA ÓPTICA Oano de 2018 será um ano marcante para a expansão do sistema de fibra óptica por parte da Ceriluz para conduzir sinal de internet aos associados. Isso porque a Cooperativa projeta investir mais de R$2 milhões até o final do ano. Estes investimentos incluem, além da expansão das redes troncais, também a ampliação das equipes de trabalho de modo a acelerar a conexão dos novos clientes. A meta é dobrar o número de conexões, que rondam mil usuários. Atualmente há três equipes fazendo o chamado lançamento de cabos - número que deve passar a cinco - mais uma responsável pelas emendas e outra pela instalação nas residências. No momento são aproximadamente 375 quilômetros de redes de fibra óptica, não incluídos os ramais de conexão dos associados. Pelo cálculo do setor responsável, no período em que a Ceriluz Provedores de Internet está atuando como prestadora de serviço, foram investidos mais de R$3,5 milhões. Fato importante a salientar é que parte desses investimentos previstos se refere aos resultados obtidos pela própria provedora, uma vez que as ações iniciais foram possibilitadas pela Ceriluz Geração. A instalação da fibra óptica partiu de Ijuí, se expandindo para as áreas mais urbanizadas dentro da área de ação da Ceriluz, como Bozano e Coronel Barros (veja abaixo onde a fibra já está). A partir de agora os investimentos devem se voltar para os municípios de Catuípe e Ajuricaba, seguindo ordem de demanda apresentada pelos associados, durante período de inscrição realizado pela Cooperativa. Entre as prioridades está em implantação uma rede troncal que parte da subestação da Ceriluz, na comunidade de Chorão, passando por Colônia Santo Antônio, Santa Tereza, Passo Burmann, Três Vendas e Colônia das Almas. Paralelo a esse projeto, outro já está em fase adiantada em direção à cidade de Ajuricaba, margeando a rodovia RS 514. Nestes locais, não há necessidade dos moradores fazerem contato com a Ceriluz para manifestar seu interesse, como foi feito no início, quando a Cooperativa solicitou inscrição para avaliação de demanda. Hoje, à medida que a rede de fibra óptica vai sendo implantada, a Ceriluz está fazendo contato com os associados próximos passíveis de conexão, oferecendo o serviço de internet, apresentando os planos e os investimentos cabíveis a cada usuário. A Cooperativa oferece planos diversos, divididos entre Residenciais e Empresariais. Onde está a fibra? • Ijuí: nas comunidades de Santana, Chorão, Linha 08 Floresta, Linha 06 Parque Havaí, Barreiro, Linha Base Sul, Rincão dos Becker, Alto da União, Arroio das Antas, Linha 06 Oeste e Linha 08 Oeste; • Bozano: em toda a área urbana, na Linha 11, em São Valentin, Santa Lúcia e Saltinho; • Coronel Barros: em toda a área urbana, na Linha Pedreira e na Linha 11 Oeste.

[close]

p. 8

ASSOCIADOS DA CERILUZ PARTICIPAM DE ATO INAUGURAL DA CGH AGUDO, EM SANTA CATARINA Um grupo de aproximadamente 120 associados da Ceriluz, representantes dos diferentes municípios da região de atuação da Cooperativa, se deslocou no dia 19 de janeiro para o município de Zortéa, em Santa Catarina, onde realizou visita técnica na Central Geradora Hidrelétrica (CGH) Agudo. A usina é de propriedade da empresa SPVR Geração e Comercialização de Energia Elétrica Ltda., da qual a Ceriluz possui 40% dos ativos, estando associada a um grupo de investidores catarinenses. Um ato simbólico na Casa de Máquinas inaugurou oficialmente a usina que já está em operação comercial desde o dia 03 de março de 2016. A obra foi totalmente coordenada pelas equipes técnicas da Ceriluz, que possui o know-how acumulado da construção de três outras usinas na região de Ijuí: a CGH Nilo Bonfanti e as Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) José Barasuol e RS-155. A obra civil teve início em janeiro de 2014 e representou um grande desafio para os responsáveis, principalmente pela dificuldade de acesso em terreno acidentado, numa região de mata fechada e com grande influência do clima, com chuvas torrenciais frequentes. Associados percorreram caminho completo entre a barragem e a Casa de Máquinas. O associado Abílio José Reis, de Jóia, destacou o esforço em construir a usina. “Achei muito importante a construção dessa usina e, principalmente, saber que a direção da Ceriluz está investindo o dinheiro e o associado está vendo aonde vai esse dinheiro. É importante saber que, nós, como consumidores, apesar de pagarmos uma luz barata, ainda sobra para investir e para evoluir”. Já Odilon Hoffmann, de Ajuricaba, mencionou a expansão da Cooperativa. “A gente vê que a Ceriluz está expandindo, o que é bom para nós associados, futuramente, acredito que vai dar mais retorno”. A CGH Agudo tem uma capacidade instalada de 3,9 MW e é favorecida pelo terreno inclinado existente na região, onde, mesmo com um rio pequeno, agrega geração de energia a partir de uma queda de 122 metros. Os associados que integraram a excursão puderam conhecer a infraestrutura de geração percorrendo toda a extensão entre a barragem e a casa de máquinas, que são conectados por 1,9 mil metros de tubulação forçada que transporta a água usada na geração de energia. Veja na sequência algumas imagens do caminho percorrido por associados.

[close]

p. 9

ENTREVISTA Juliano Rossa ACentral Geradora Hidrelétrica Agudo é uma usina pertencente à SPVR Geração e Comercialização de Energia Elétrica Ltda., empresa a qual a Ceriluz integra, possuindo como sócios, investidores da região onde a obra foi construída. Representando os sócios, estiveram presentes no ato Juliano Rossa e Marcel Viccari. Integram ainda a sociedade Cleber Primo, Dagoberto Primo e Jacson Primo. Na oportunidade o Informativo Ceriluz realizou entrevista com Juliano Rossa, que falou representando os demais investidores da obra. De forma geral Juliano destacou a obra como de difícil execução e salientou a fundamental importância da parceria com a Ceriluz para sua efetivação. Informativo Ceriluz: Como os srs. percebem esse dia, onde, simbolicamente, inauguramos a CGH Agudo, aqui no município de Zortéa? Pra nós é uma grata satisfação a conclusão dessa obra, cujo projeto iniciou a mais de dez anos, venceu todas as etapas, alcançou todos os licenciamentos e teve a fundamental parceria da sócia Ceriluz, que veio com todo o seu know how, toda sua equipe, com dedicação, muita presteza e trabalho sério, e tirou esse projeto do papel. Então, pra nós é um dia de satisfação o dia de hoje, uma conquista imensurável. • Os srs. acompanharam desde o início essa obra que foi bastante desafiadora, considerando principalmente o local onde ela foi construída. Como vocês a analisam? Sim, os desafios foram muitos, tanto técnicos quanto desafios de toda a natureza, mas a todo o momento, a gente percebeu que a equipe estava muito engajada e não poupou esforços para que ela se realizasse e nós chegássemos a um final positivo como era desde o início o nosso plano. • Como o sr. disse, um projeto que teve praticamente dez anos de andamento, com estudos e licenciamentos ambientais, e hoje podemos afirmar que é uma obra que se concluiu com um impacto ambiental muito baixo. Extremamente reduzidos [os impactos], uma área de alague pequena, uma queda bastante grande, como são as características das usinas construídas aqui na nossa região, diferente do que ocorre na região onde a Ceriluz atua principalmente, por isso que pra nós também foi algo positivo. O município também acolheu essa obra com bons olhos, pela geração de empregos, de renda, não só durante a execução da obra, mas com uma perspectiva futura de retornos e sem impactos significativos, muito pelo contrário, hoje ela é uma obra bonita de se conhecer e pode ter até um viés turístico, integrando a paisagem muito bonita da região toda onde ela foi desenvolvida. • Como foi vista a parceria com uma cooperativa no início do projeto? Nós, enquanto idealizadores do projeto também partimos de uma sociedade, de uma integração, de uma parceria. Sempre vimos como um projeto grandioso, de execução difícil e que nós iriamos ter que somar forças com mais alguém para podermos tirá-lo do papel, e a Ceriluz, com toda sua experiência, com seus anos de tradição, com a hombridade do presidente e toda a equipe que a compõe, foi uma peça fundamental para que a gente chegasse aonde chegamos. Não só pelo que nós visualizamos, mas também pelas referências que tivemos no mercado de energia, a Ceriluz é vista hoje como um expoente, como uma empresa que se destaca por toda a sua tradição e o trabalho que vem desenvolvendo.

[close]

p. 10

FEPAM EMITE LICENÇA QUE AUTORIZA OBRA DA PCH SEDE II CENTENÁRIA Entrega simbólica da Liceça de Instalação na sede do BRDE, ao engenheiro João Fernando Costa. ACeriluz comemorou em março a obtenção da Licença de Instalação (LI) de mais uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH), emitida pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (FEPAM). No dia dia 23 de março o órgão ambiental estadual autorizou a implantação da PCH Sede II - Centenária, no leito do Rio Potiribu, na Linha 04 Leste, em Ijuí. O projeto é de autoria da empresa Ijuí Centenária Geração SPE Ltda., da qual a Ceriluz tem 99% do capital social. A PCH Sede II Centenária - que ganha esse nome em homenagem a Usina Velha, que completará 100 anos em 2023 - terá uma barragem acima da Cascata Wazlawick, túnel de adução de aproximadamente dois quilômetros e Casa de Máquinas próxima à Associação dos Apicultores de Ijuí, alcançando um declive total de aproximadamente 40 metros, o que possibilitará uma capacidade instalada de 07 Megawatts (MW). A expectativa da direção da Ceriluz é que as obras iniciem efetivamente no segundo semestre de 2018, sendo que nos próximos meses, a partir da LI em mãos, intensifica-se o trabalho de busca de recursos junto a agentes financiadores, onde já tramitam propostas. Desativação da Usina Velha O projeto em questão, pela sua localização e características, exigirá a desativação da Central Geradora Hidrelétrica (CGH) Usina da Sede, mais conhecida por Usina Velha, do Departamento Municipal de Energia de Ijuí – DEMEI. Essa desativação era um dos critérios exigidos pela FEPAM para a liberação da licença e foi autorizada no dia 04 de outubro de 2017, quando o prefeito de Ijuí, Valdir Heck, assinou a Lei nº 6.569 que versa sobre esse fim. Antes da sanção, o projeto de lei já havia passado pela avaliação do Poder Legislativo no dia 25 setembro de 2017, quando os vereadores de Ijuí aprovaram, por unanimidade, a proposta de desativação da Usina Velha. Em contrapartida, a Ceriluz repassará o valor da geração atual da Usina Velha ao município e garantirá o retorno do ICMS. A Cooperativa ainda fornecerá 65 mil metros cúbicos de pedra retiradas do canteiro de obras – para o uso pelo Poder Executivo na infraestrutura do município e irá recuperar parte da estrutura física da Usina velha, que continuará sendo usada como atração turística. Usina Velha, do DEMEI, será desativada para implantação da nova usina, condição já autorizada por projeto de lei municipal.

[close]

p. 11

EQUIPAMENTOS AVALIAM QUALIDADE DA ENERGIA NAS UNIDADES CONSUMIDORAS Por determinação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a Ceriluz precisa atender parâmetros de qualidade na distribuição de energia, inclusive enviando relatórios periódicos ao órgão regulador. Entre os quesitos controlados está o nível de tensão no ponto de consumo de energia, o que é obtido com a instalação de Medidores de Níveis de Tensão nas unidades consumidoras. Os Medidores de Níveis de Tensão, de forma simplificada, verificam a qualidade da energia na Unidade Consumidora (UC) registrando, por exemplo, oscilações no fornecimento. Eles são instalados junto ao quadro de medição e permanecem conectados à rede pelo período de sete dias, intervalo em que são feitos no mínimo 1.008 registros válidos, no intervalo de 10 minutos cada. A definição das propriedades a serem visitadas é feita a partir de sorteios realizados pela Aneel, com base em informações prestadas pela Ceriluz. O relatório deve ser enviado trimestralmente onde, para sua confecção, considerando o número de UC’s da Cooperativa, a Aneel define 42 unidades a serem avaliadas. “Destas nós temos que enviar o relatório de no mínimo 36. Assim nós temos três meses para instalar os equipamentos, coletar os dados, fazer os relatórios e enviar de volta para a Aneel”, explica o coordenador do Setor de Medição, Eliseu da Motta. Apesar de ser uma exigência do órgão regulador a medida também é benéfica para o associado, uma vez que, ao se detectar alguma anormalidade, melhorias são implementadas. “Em se percebendo alguma anomalia nos níveis de tensão, de imediato a Ceriluz vai providenciar uma ação corretiva, para que eles fiquem dentro dos níveis exigidos pela Aneel”, salienta Eliseu. Serviços da Ceriluz são executados somente por equipes uniformizadas e com veículos caracterizados. • Agendamento – Dentro das diretrizes do procedimento de medição dos níveis de tensão a Ceriluz deve comunicar previamente ao associado, o que é feito principalmente por telefone. “Por isso a importância do nosso associado manter, dentro dos cadastros da Ceriluz, o número de telefone sempre atualizado”, alerta Eliseu. Não conseguindo efetivar o contato telefônico, uma equipe da Ceriluz precisa se deslocar até a UC para comunicar o associado sobre a data e hora da instalação do equipamento. No dia em questão as equipes da Ceriluz irão se deslocar para a propriedade, sempre identificadas, com uniformes e veículos caracterizados da Ceriluz. Caso o associado tenha dúvidas quanto a qualquer intervenção elétrica em sua UC, por pessoas não identificadas, não deve autorizála e fazer contato com a Cooperativa, pelo telefone 0800 51 3130, para informar a situação. ATENDENDO CERTIFICAÇÃO ISO 9001 CERILUZ FAZ AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS PRESTADOS A busca pela qualidade exige que se tenham informações precisas de como que está a prestação de serviços prestados e quais as principais carências ou dificuldades. Uma das melhores formas de se buscar essas informações são as pesquisas de opinião. Os associados da Ceriluz já conhecem duas pesquisas importantes que a Ceriluz usa para buscar subsídios: a Pesquisa da Participação Social (PPS), idealizada e promovida pela própria Cooperativa a cada dois anos, sendo a última em 2017; e o Índice Aneel de Satisfação do Consumidor (IASC), este elaborado pela Agência Nacional de Energia Elétrica, reguladora do setor. A Cooperativa, contudo, desenvolve uma terceira pesquisa, mais específica, aplicada apenas entre os associados que fazem uso de atendimento direto, via telefone 0800 51 3130, ou por atendimento pessoal, nos escritórios. Trata-se da Pesquisa de Satisfação sobre a Prestação de Serviços e/ou Tratamento das Reclamações. São avaliadas questões como o atendimento pessoal, a forma do tratamento das reclamações, o cumprimento dos prazos e a real solução das demandas apresentadas. Essa pesquisa está diretamente ligada ao Programa de Qualidade ISO 9001, cuja certificação a Ceriluz conquistou em outubro de 2017, que por sua vez é uma exigência da Aneel. A meta estabelecida pela ISO é de uma aprovação de 80%, o que vem sendo alcançado, segundo a coordenação do Setor de Atendimento. “Essa pesquisa é realizada mensalmente, quando os atendentes da Central de Teleatendimento (CTA) fazem contato via telefone com associados, possibilitando a eles apresentarem sua avaliação sobre o atendimento que receberam da Ceriluz”, explica o responsável, Márcio Mühlbeier. A pesquisa é por amostragem contemplando 2% das ligações por interrupção de fornecimento; 20% das solicitações de fornecimento; 20% das reclamações comerciais e técnicas e 5% das solicitações dos demais serviços. Com os dados compilados os resultados são analisados pelos coordenadores dos setores envolvidos, assim como pela direção, em reuniões de análise de dados, onde são definidos, caso haja pontos insatisfatórios, ações para melhoria de desempenho dos processos, visando qualificar os serviços prestados e, consequentemente, o grau de satisfação dos associados.

[close]

p. 12

DEMANDA DE ENERGIA MANTÉM-SE ESTÁVEL ENTRE ASSOCIADOS, EM 2017 Ocenário econômico e político costuma afetar os setores produtivos, aumentando ou reduzindo a demanda por produtos e serviços. E foi o que se viu em 2017. Este fator, aliado ao clima - bastante regular e ameno no ano passado - manteve a distribuição de energia da Ceriluz praticamente estável no ano que passou, com modesta elevação. No período os associados da Ceriluz consumiram 0,32% mais energia em relação ao ano de 2016, passando de um consumo total de 121.221.630 quilowatts-hora (kWh) para 121.626.129 kWh. No período anterior (2015/2016) esse crescimento havia sido de 5,14%. Apesar do crescimento moderado essa demanda representa o maior consumo já registrado pela Cooperativa em toda a sua história. Como já é esperado, considerando o maior número de associados da Classe Rural, o consumo nas propriedades agrícolas representou a maior fatia do uso da energia. A Classe Rural exigiu 51.304.241 kWh, número 0,2% superior ao ano de 2016, de 51.201.383 kWh. A segunda maior demanda foi da indústria, com 45.608.463 kWh, contudo, que apresentou declínio, já que no ano anterior a demanda fora de 47.101.731 kWh. Na terceira posição a classe comercial, essa sim com crescimento mais expressivo, de 8,3%, passando de 11.518.105 kWh em 2016 para 12.480.394 kWh em 2017. Outros dois setores com consumo mais significativos foram o Serviço Público, com crescimento de 16% e 6.223.649 kWh exigidos, e o residencial urbano, com crescimento de 2,55%, consumindo 3.391.766 kWh. O clima interferiu principalmente no uso dos pivôs de irrigação central nas lavouras da região, já que se registrou um ano de temperaturas mais amenas e chuvas mais equilibradas. Os consumidores irrigantes apresentaram um declínio de demanda na ordem de 18,9%, passando de 7.135.266 kWh em 2016 para 5.784.320 kWh em 2017. GERAÇÃO CRESCE INFLUENCIADA POR RESULTADOS DA CGH AGUDO A Ceriluz teve mais um ano favorável em 2017 para a geração de energia apresentando crescimento nos resultados em relação ao ano de 2016. Usando como parâmetro de avaliação as mesmas usinas que estavam produzindo efetivamente em 2016 – as Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) José Barasuol e RS-155 e a Central Geradora Hidrelétrica (CGH) Nilo Bonfanti - a Ceriluz aumentou sua produção em 0,44% no ano passado. Estas usinas alcançaram uma produção total de 133,6 milhões de quilowatts-hora (kWh) frente aos 133 milhões do ano anterior. Essa situação muda se acrescentarmos nos cálculos a CGH Agudo, construída no município de Zortéa, em Santa Catarina. Nesse caso a geração total sobe para 145,5 milhões de kWh, totalizando então um crescimento de 9,4%. Contudo, é importante salientar que a CGH Agudo pertence à empresa SPVR Geração e Comercialização de Energia Elétrica Ltda., da qual a Ceriluz é acionista, mas controla toda a geração por meio da sua Central de Operação, em Ijuí. Considerando sua maior capacidade instalada a PCH José Barasuol lidera em termos de produção total, com 92,1 milhões de kWh gerados, crescimento de 1,54% em relação ao ano anterior. O segundo maior resultado individual foi da PCH RS-155, com 35,4 milhões de kWh gerados. Comparado ao ano anterior, no entanto, essa usina apresentou queda de 6,35% nos resultados. A CGH Nilo Bonfanti foi a que apresentou a menor geração total, de 5,9 milhões de kWh, porém, alcançou o maior índice de crescimento, de 38,11%. A CGH Agudo gerou um total de 11,9 milhões de kWh, tornando-se assim a terceira usina, entre as administradas pela Ceriluz, com maior potencial produtivo. Mesmo com o acréscimo dos resultados da CGH Agudo a geração do ano passado não alcançou a maior produção já registrada pela Ceriluz, de 146,2 milhões de kWh, no ano de 2015, com suas três usinas. O ano produtivo foi considerado positivo pela direção da Ceriluz, com um clima que se mostrou favorável para a manutenção do nível dos rios de Ijuí e região.

[close]

p. 13

ILOIR DE PAULI É ELEITO PARA PRESIDÊNCIA DA FECOERGS No dia 05 de abril a Federação das Cooperativas de Energia do RS – FECOERGS realizou sua Assembleia Geral Ordinária (AGO) onde, entre os destaques, esteve a eleição da diretoria, quando Iloir de Pauli, da Ceriluz, foi eleito presidente. Junto com ele, comandarão a Fecoergs pelo biênio 2018/20 como vicepresidente, Erineo Hennemann, da Certel, de Teutônia, e como secretário, Querino Volkmer, da Cooperluz, de Santa Rosa. “Pretendemos dar continuidade ao trabalho muito bem conduzido pelo presidente Jânio Vital Stefanello e isto é um grande desafio, porém com a participação de todas as cooperativas e de todos os presidentes, acreditamos que teremos êxito,” disse o presidente eleito, Iloir de Pauli. Ele acrescentou que sua escolha para conduzir a federação demonstra a atual representatividade da Ceriluz, hoje uma das mais importantes do RS e do Brasil, inclusive sendo a melhor avaliada no Estado pelo Índice Aneel de Satisfação do Consumidor – IASC. A AGO foi inicialmente conduzida por Jânio Vital Stefanello que fez uma análise do ano de 2017. Ele destacou a ligação de 5.629 novas unidades consumidoras, os investimentos em geração e distribuição de energia e, principalmente, as tratativas sobre o processo de regularização das cooperativas junto à Agência Nacional de Energia (Aneel). O bom relacionamento e o intercâmbio técnico, operacional e administrativo das cooperativas também mereceu especial referência. Outro importante fato citado por Jânio foi o excelente posicionamento das cooperativas gaúchas no Prêmio IASC, que avalia a qualidade da prestação dos serviços de energia elétrica e que conferiu para três das oito permissionárias filiadas - Ceriluz (82,13%, Creluz D (81,71%) e Coprel (80,79%) - o conceito de excelência na execução dos serviços prestados. No âmbito de geração de energia o sistema Fecoergs encerrou o ano de 2017 com 24 Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) próprias em operação, com uma potência instalada de 52,84 Megawatts (MW), e mais sete usinas consorciadas, com potência instalada de 76,75 MW, totalizando 129,59 MW instalados. CURIOSIDADE: PLANTAR PARA QUE UM DIA TENHAMOS SOMBRA... E FRUTOS Entre os diferenciais na nova sede da Ceriluz sobressai-se o espaço existente para as diferentes finalidades, especialmente se comparada à antiga sede, no centro de Ijuí. Além da melhor divisão das áreas de acordo com as diferentes atividades ou setores da Cooperativa – Administração, Departamento Técnico, Departamento de Segurança, Almoxarifados e Depósitos - o local oferece amplos espaços abertos, que servem de estacionamento tanto para associados quanto para colaboradores, mas que também, com o tempo, formarão uma importante área verde. Isso porque a Cooperativa optou pelo plantio de mudas de árvores nativas nestes locais, colaborando com a sustentabilidade ambiental da nova sede. À medida que estas árvores crescem, sobressai-se o fato de, não apenas elas contribuírem com a renovação do oxigênio e o controle da temperatura, mas também fornecerem frutas nativas para funcionários e visitantes. E algumas das espécies já começaram a frutificar neste último ano, caso dos ingazeiros, que no verão já produziram vagens açucaradas (foto). São pequenos detalhes que nos trazem uma lembrança importante. É possível, e nem tão difícil, preservar o meio ambiente. Qualquer propriedade, qualquer empresa ou residência, sempre terá um cantinho onde é possível plantar uma árvore, que em algum dia, fornecerá sombra e frutas para alguém. Se não for para nós mesmos, será para outro, nossos filhos, netos, ou mesmo um desconhecido. Plante árvores você também!

[close]

p. 14

APÓS 15 ANOS DE VIGÊNCIA, PROGRAMA DE PADRONIZAÇÃO VAI REVISAR PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS ACeriluz recebeu nos dias 10 e 11 de abril engenheiros e técnicos eletricistas e de segurança do trabalho, para um encontro do Programa de Padronização da Federação das Cooperativas de Energia, Telefonia e Desenvolvimento Rural do RS FECOERGS. O objetivo do programa é gerar um modelo único para as atividades do dia a dia das cooperativas, desde a elaboração dos projetos até a operacionalização das redes, considerando critérios técnicos e de segurança. O engenheiro eletricista, Luís Osório Dornelles, coordenador técnico do programa, explica que esse primeiro encontro serviu para verificar as demandas e prioridades para o ano de 2018. Iniciado em 2003, o programa de padronização é contínuo e, uma vez que o setor elétrico é muito dinâmico, seus documentos devem ser revisados periodicamente. Esse, conforme Dorneles, será um dos objetivos para esse período. “Em quinze anos muita coisa muda e o objetivo dessa revisão é justamente trazer os nossos procedimentos a uma situação mais adequada às novas tecnologias, à nova realidade, aos novos equipamentos, aos novos métodos de trabalho, que o pessoal costuma buscar em outras empresas [...] ou feiras”, esclarece Dorneles. Também está no foco da comissão responsável pela definição dos procedimentos padrões a definição de parâmetros para instalação de redes compactas e multiplexadas, assim como a unificação das especificações técnicas sobre os Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs) e Coletivos (EPCs). “Esse nosso trabalho, quando trata da revisão dos procedimentos operacionais, tem dois objetivos: o primeiro deles é garantir a segurança do colaborador que estiver envolvido nas atividades de intervenção das redes, e o segundo, é fazer com que a gente consiga atender aos nossos associados com agilidade e segurança”, comenta o engenheiro eletricista. Iloir de Pauli, presidente da Ceriluz e da Fecoergs, coordenou a abertura dos trabalhos no dia 10 de abril CERILUZ DOA EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA PARA ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE IJUÍ Asegurança no trabalho é um princípio muito presente no dia a dia da Ceriluz. Todas as atividades desenvolvidas, especialmente as funções técnicas, exigem que seus colaboradores estejam preparados, com equipamentos de segurança e também consciência, para enfrentar os riscos existentes. No último final de ano, contudo, esse princípio extrapolou as fronteiras da instituição e, a partir do trabalho socioambiental promovido pelo Programa Além da Energia, a Ceriluz levou essa sua preocupação para outro setor carente desse tipo de cuidados: no dia 28 de dezembro doou Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs) para famílias integrantes da Associação de Reciclagem da Linha 06 (ARL6) e da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Ijuí (ACATA). Foram doados jalecos, botinas, luvas e máscaras para cada um dos trabalhadores filiados às associações. O ato de entrega dos EPIs aconteceu na sede da ARL6 e contou com a presença dos trabalhadores das duas entidades e de representantes da Ceriluz, o diretor-secretário Romeu Ângelo de Jesus e a técnica em segurança no Trabalho, Andréa Cargnelutti. “Sabemos das dificuldades que todos vocês têm no desempenho dessa função e sabemos também da importância econômica e ambiental desse trabalho. Por isso, optamos por ajuda-los, garantindo que vocês possam trabalhar com tranquilidade, sem riscos para a sua saúde e de seus familiares”, comentou Romeu de Jesus. Todos os equipamentos doados são novos e seguem o mesmo padrão de qualidade exigido pela Cooperativa para os equipamentos de seus colaboradores. O presidente da ARL6, Luís Veriato dos Santos, explica que são 31 famílias que retiram sua renda da coleta de resíduos, sendo 22 da ARL6 e nove da ACATA. Ele salienta a importância dos equipamentos. “Nós agradecemos a Ceriluz pela doação desses equipamentos, pois precisamos usá-los, para não nos cortarmos, não nos machucarmos. O risco aqui é bastante grande, vem vidro, vem seringa, enfim, os equipamentos são obrigatórios para a segurança das pessoas no dia a dia” afirma. Veriato se queixa da qualidade do material que é deixado no galpão da associação e pede à comunidade para que tenha mais atenção ao separar os resíduos, o fazendo de forma adequada, entre rejeitos e secos, sendo que, neste último, deve ser destinado apenas material reciclável, como garrafas pets, papeis, papelões, plásticos, latas e embalagens longa vida, sempre tendo o cuidado para que esse material esteja limpo para não contaminar os resíduos. O material que chega até os galpões das associações de catadores é recolhido pelos caminhões da coleta de lixo urbana. Segundo relatos das pessoas que trabalham nas associações, infelizmente, muito material chega contaminado por rejeitos, incluindo fraldas descartáveis, papel higiênico e alimentos, além de vidros quebrados e equipamentos de saúde, como seringas, que colocam em risco a integridade física das pessoas. Além do papel social que a correta separação do lixo cumpre, soma-se ainda o ambiental, uma vez que esse material não irá contaminar o meio ambiente.

[close]

p. 15

Dica da Nutricionista MAS AFINAL, O OVO É MOCINHO OU VILÃO? DE VILÃO O OVO NÃO TEM NADA! Durante mais de 25 anos, os ovos foram considerados vilões devido ao alto teor de gordura e colesterol. Entretanto, os estudos comprovaram que não há diferença no risco relativo de doenças cardiovasculares entre indivíduos que consomem menos de um ovo por semana e indivíduos que consomem mais de um ovo por dia. Por isso, atualmente o ovo deixou de ser vilão e passou a ser considerado um alimento funcional, ou seja, contém substâncias que beneficiam a saúde. Quais são essas características nutricionais do ovo? 01. Seu consumo é indicado para a saúde da memória por ter a vitamina colina; 02. Tanto a clara como a gema são fontes importantes de proteína e pode ser o substituto das carnes, aves e peixes na alimentação; 03. Previne catarata e perda da visão, por conter vitamina A, luteína e zeaxantina, substâncias essenciais para a saúde dos olhos; 04. Ajuda no emagrecimento por ser rico em proteínas e da sensação de saciedade após a refeição; 05. Mantém a saúde dos ossos, por conter cálcio e fósforo; 06. Previne anemia, por conter ferro; 07. Fortalece o sistema nervoso e aumenta a produção de sangue, por conter vitamina B12; 08. E o melhor de tudo, o ovo não altera o colesterol sanguíneo, isso porque não absorvemos o colesterol do ovo como fonte de energia, porque nós produzimos o nosso próprio colesterol. Além disso, o ovo ajuda a equilibrar os lipídios séricos. Não podemos esquecer que o modo de preparo deve ser considerado. A fritura não é indicada. Dê preferência para ovos cozidos, mexidos, omelete e no caso de preparo do ovo frito, utilize o óleo apenas para untar a frigideira. Dica: você pode utilizar até um papel toalha para espalhar e retirar o excesso de óleo da frigideira. Vale lembrar que o ovo cru ou mal passado não é indicado em função da contaminação pela bactéria salmonela. Devido ao seu perfil nutricional, o ovo deve fazer parte da dieta da maioria dos indivíduos, com exceção daqueles que apresentam alguma intolerância ou alergia ao ovo. Não tenha medo de consumir esse alimento e, se achar necessário, procure um nutricionista para a inclusão desse alimento em sua alimentação. RECEITA OMELETE COLORIDO INGREDIENTES • 2 ovos inteiros; • Meia cenoura ralada; • 1 tomate pequeno picado em cubos; • 2 colheres sopa de aveia em flocos; • Sal, temperos verdes e orégano a gosto; Modo de preparo Bata os ovos por 1 minuto, então acrescente o restante dos ingredientes em uma tigela e misture bem. Espalhe a omelete em uma frigideira antiaderente e então leve ao fogo médio, virando quando necessário para cozinhar do outro lado. Alguns minutinhos e está pronto. Nutricionista Matiele Pranzl Wielens | CRN2 11523D

[close]

Comments

no comments yet