GAZETA GALEPARAIBANA

 

Embed or link this publication

Description

Maio 2018

Popular Pages


p. 1

Ano XI - Edição 126 - Abril 2018 As eleições estão logo ai... Muito se fala na importância do voto e na necessidade de se escolherem bons candidatos... AFINAL, O QUE É UM BOM CANDIDATO? Página 5 Distribuição Gratuita O QUE MUDA COM A REFORMA EM 2018? Aprovadas em outubro de 2017, muitas das mudanças acontecerão apenas a partir de 2020. Entre as que já valem para a próxima eleição, ainda poderão acontecer mudanças graduais, para amenizar seus impactos sobre a disputa. Página 11 Dia 27 - Dia Nacional da Mata Atlântica A Mata Atlântica é um bioma composto por um conjunto de florestas e ecossistemas que corresponde a 15% do território brasileiro. Desde 1500, essa área vem sofrendo com o desmatamento, as queimadas e a degradação do ambiente. É por isso que atualmente a vegetação corresponde a apenas 7% da mata original, com árvores de médio e grande porte, constituindo uma floresta densa e fechada. Considerado um dos mais ricos biomas do planeta, ou seja, com maior biodiversidade, a Mata Atlântica é a segunda maior floresta em extensão do Brasil,constituída de planaltos e serras. Sua área abrange a costa leste, sudeste e sul do Brasil e, além disso, uma parte do Paraguai e da Argentina. Dentre os estados brasileiros, está presente em 17 deles: Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Sergipe, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Santa Catarina. CULTURAonline BRASIL - Boa música Brasileira - Cultura - Educação - Cidadania - Sustentabilidade Social Baixe o aplicativo NO SITE www.culturaonlinebr.org Coragem para agir com o coração É preciso coragem para viver, para amar, para ser e estar. Algo tão importante que existe um dia para se comemorar: Dia 06 de maio. É preciso coragem para viver corretamente, para lutar pelo que se acredita, para ir em frente quando tudo parece desmoronar. Coragem para fazer a diferença e para reconhecer quando estamos errados. Leia mais: Página 4 A IMPORTÂNCIA DO IMAGINÁRIO E DA CULTURA SIMBÓLICA NA CULTURA LUSO-AFRO-BRASILEIRA Um postulado consagrado pela exegese grega, judaica e cristã sustenta que o símbolo é a eterna linguagem criadora, que falam-nos em símbolos a religião, a filosofia, a arte, a ciência, o cosmos, a natureza, os seres vivos, enfim, toda a gama do acontecer. Mário Ferreira dos Santos (in: Tratado de Simbólica, 1956, p.11) afirma: “Com símbolos, expressamos o que não poderíamos fazer de outro modo, porque, com ele, transmitimos o intransmissível”. Leia mais: Página 10

[close]

p. 2

Maio de 2018 Editorial Gazeta Valeparaibana Página 2 Quem realmente causa as nossas frustrações? Por que nós nos frustramos com frequência? Por que temos tantas decepções no decorrer da vida? Por que as coisas não ocorrem de acordo com o que queremos ou achamos ser o certo? Quem realmente causa as nossas frustrações somos nós mesmos. Seja na política, seja na família, seja no trabalho, em qualquer núcleo do nosso círculo de convivência como seres humanos, nós criamos expectativas demais, e as outras pessoas não correspondem e aí ficamos frustrados, chateados, decepcionados. A mãe que cria expectativa na capacidade do filho de se dar muito bem na escola e tirar notas altas e o filho não tem sequer interesse em estudar, a namorada que tem a esperança de que o namorado vai abandonar algum mau hábito por amor a ela, após o casamento, e depois se torna uma esposa frustrada, o eleitor que tem um ideal político, passa anos torcendo e esperando que o seu candidato seja eleito, e quando consegue, a oposição “move céus e terra” para não deixar o governo dele ser bem sucedido ou até o derruba do governo, tal eleitor tinha a expectativa que o direito do seu candidato de governar seria respeitado pela oposição segundo as regras da democracia mas tem a desilusão de ver que as coisas não são bem assim na prática pois no meio político há conflitos de interesses, o funcionário que se esforça muito, dá o melhor de si a ponto até de deixar colegas irritados, na esperança de que o chefe lhe reconheça o valor que tem e lhe recompense pelos esforços com um aumento salarial ou uma promoção, e o chefe tem o entendimento de que tal funcionário não faz mais do que a sua obrigação, nem ao menos o elogia. É preferível ser surpreendido do quer se decepcionar, dói muito menos. Quem tem muitas expectativas, têm muitas chances de ter frustrações, e como consequência, de sofrer. Não compensa insistir em nadar contra a correnteza forte sem os recursos adequados para se sobrepor a força dela, porque chega um momento de exaustão e o tal não saiu do lugar, e acaba sendo levado pela correnteza. Cada um de nós tem o seu limite. Cada pessoa pode mudar a si mesma, mas nem sempre consegue mudar as outras pessoas. Ter objetivos a serem alcançados, sim! Ter expectativa demais, não é aconselhável, porque não temos controle absoluto sobre tudo o que acontece, muita coisa foge ao nosso controle. Aquilo que realmente pudermos fazer, façamos o nosso melhor! João Paulo E. Barros FASES DA LUA ALGUMAS DATAS COMEMORATIVAS 01-Dia do Trabalhador 01-Dia da Literatura Brasileira 03-Dia Internacional da Liberdade de Imprensa 03-Dia do Parlamento 03-Dia do Sertanejo 03-Dia do Pau-Brasil 05-Dia da Língua Portuguesa 05-Dia Nacional do Líder Comunitário 05-Dia Nacional das Comunicações 06-Dia da Coragem 07-Dia do Silêncio 10-Dia do Campo 10-Dia Internacional de Atenção à Pessoa com Lúpus 13-Dia das Mães 13-Abolição da Escravatura 13-Dia da Fraternidade 15-Dia do Assistente Social 15-Dia Internacional da Família 17-Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade da Informação 18-Dia Internacional dos Museus 18-Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infantil 20-Dia do Pedagogo 21-Dia da Língua Nacional 22-Dia Internacional da Biodiversidade 22-Dia do Abraço 24-Dia do Vestibulando 25-Dia do Trabalhador Rural 25-Dia Internacional das Crianças Desaparecidas 25-Dia Nacional do Respeito ao Contribuinte 26-Dia Nacional de Combate ao Glaucoma 27-Dia Nacional da Mata Atlântica 27-Dia do Serviço de Saúde 28-Dia Nacional de Luta pela Redução da Mortalidade Materna 28-Dia Mundial dos Meios de Comunicação 29-Dia Mundial da Energia 30-Dia da Santa Joana d'Arc 31-Corpus Christi Reflexão do mês AMOR Acredite sempre no amor. Não fomos feitos para a solidão. Se você está sofrendo por amor, está com a pessoa errada ou amando de uma forma ruim para você. Caso tenha se separado, curta a dor, mas se abra para outro amor. E se estiver amando, declare o seu amor. Cada vez mais, devemos exercer o nosso direito de buscar o que queremos (sobretudo no amor). Mas atenção: elegância e bom senso são fundamentais. Arrisque! O amor não é para covardes. Quem fica a noite em casa sozinho, só terá que decidir que pizza pedir. E o único risco será o de engordar, mas lembre-se. "Curta muito a sua companhia." Casamento dá certo para quem não é dependente. Aprenda a viver feliz - mesmo sem homem/mulher ao lado. Se não tiver com quem ir ao cinema, vá com a pessoa mais fascinante: VOCÊ! Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 3

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 3 Crônica do Mês A FILA ANDA Pensamentos e Frases Ditos Populares Deixar de Nhenhenhém Conversa interminável em tom de lamúria, irritante, monótona. Resmungo, rezinga. Nheë, em tupi, quer dizer falar. Quando os portugueses chegaram ao Brasil, eles não entendiam aquela falação estranha e diziam que os portugueses ficavam a dizer “nhen-nhen-nhen”. Pensando na morte da bezerra Estar distante, pensativo, alheio a tudo. Esta é bíblica. Como vocês sabem, o bezerro era ado- rado pelos hebreus e sacrificados para Deus num altar. Quando Absalão, por não ter mais bezerros, resolveu sacrificar uma bezerra, seu filho menor, que tinha gran- de carinho pelo animal, se opôs. Em vão. A bezerra foi Vivemos um tempo em que a velocidade impera de tal forma, que ao oferecida aos céus e o garoto passou o resto da vida mesmo tempo, em que lutamos para ter longevidade, a cada dia mor- sentado do lado do altar “pensando na morte da bezer- rem mais do que nascem pessoas. ra”. Consta que meses depois veio a falecer. O requinte de crueldade com que vemos ceifar vidas no dia a dia, no- Não entender patavina tícias falsas que rapidamente se espalham pelas redes sociais sem ne- Não saber nada sobre determinado assunto. Nada nhum escrúpulo e acompanhado de uma mídia sensacionalista que mesmo. transforma-nos em números estatísticos de tragédias e desgraças. Tito Lívio, natural de Patavium (hoje Pádova, na Itália), Como ter esperanças se estamos entregues às “traças” e rendidos pe- usava um latim horroroso, originário de sua região. lo crime que nos ataca por todos os lados. Perdemos a dignidade, o Nem todos entendiam. Daí surgiu o Patavinismo, originariamente significava não entender Tito Lívio, que não direito de ir e vir e, cada vez mais, estamos aprisionados em nossas entender patavina. próprias casas. Pagamos altos impostos, pagamos “micos”, pagamos o “pato” e esta- Testa de ferro mos excluídos da nossa própria sociedade, somos tratados com total O Duque Emanuele Filiberto di Savoia, conhecido co- descaso, nosso dinheiro é desviado para sustentar os bandidos de mo Testa di Ferro, foi rei de Chipre e Jerusalém. Mas tinha somente o título e nenhum poder verdadeiro. Daí “cima e de baixo” e mediante total banalidade, ainda somos obrigados a expressão ser atribuída a alguém que aparece como a votar. responsável por um por um negócio ou empresa sem Somos vítimas sociais nessa baderna, sem poder reagir porque as for- que o seja efetivamente. ças estão se esgotando e o mal vencendo e levando o futuro de nos- sas crianças e jovens, enquanto que o bem dos nossos corruptos e Erro crasso Na Roma antiga havia o Triunvirato: o poder dos gene- bandidos está assegurado. rais era dividido por três pessoas. No primeiro destes Não podemos esquecer que um de nós ou dos nossos, poderá ser o Triunviratos, tínhamos: Caio Júlio, Pompeu e Crasso. próximo corpo estendido no chão e, o que se ouve de todos que per- Este último foi incumbido de atacar um pequeno povo dem seus entes queridos é: “Eu só quero JUSTIÇA” e, o que vem de- chamado Partos. Confiante na vitória, resolveu aban- pois? Um grande fila anda... silêncio até tudo cair no esquecimento. E assim, a donar todas as formações e técnicas romanas e simplesmente atacar. Ainda por cima, escolheu um caminho estreito e de pouca visibilidade. Os Partos, mesmo Filhos mandam nos pais, alunos desrespeitam professores, bandido em menor número, conseguiram vencer os romanos, enfrentam polícia, menores estão à solta, a democracia virou um en- sendo o general que liderava as tropas um dos primei- godo, adquirimos informação e não conhecimento, as drogas compe- ros a cair. Desde então, sempre que alguém tem tudo tem com a educação e todo canal de comunicação deseduca, jorra para acertar, mas comete um erro estúpido, dizemos sangue. tratar-se de um “erro crasso“. Estamos nas mãos de manipuladores que nos pisoteiam e deformam o Colaboram nesta edição caráter dessa nação e nos tiram a dignidade da alma e, nesse proces- so de exclusão, cada vez mais as portas se abrem para o crime e o - Genha Auga - Lyria Reis povo brasileiro, está cada vez mais escravizado dentro da sua própria - Mariene Hildebrando - Loryel Rocha falsa liberdade. - João Paulo E. Barros - Filipe de Sousa Que se tente ler notícias, usando filtros e o bom senso para não conti- - Mauro Brandão - Luana C. Alves Perez - ONU - Elisa Navarrete nuarmos nessa desesperança e com normas e disciplina que se tente - Inara Chagas - Wikipédia trazer à tona uma reforma na sociedade que possa coibir essa impuni- - Isabela Souza - Arnaldo S.M. Godoy dade. - Jorge Lyno - Luis Fern. Augusto Genha Auga – Jornalista – MTB: 15.320 - Gilmar Silvério - Manuel Alegre IMPORTANTE Todas as matérias, reportagens, fotos e demais conteúdos são de inteira responsabilidade dos colaboradores que assinam as matérias, podendo seus conteúdos não corresponderem à opinião deste Jornal. A Gazeta Valeparaibana é um jornal mensal gratuito distribuído mensalmente para download na web Diretor, Editor e Jornalista responsável Filipe de Sousa - FENAI 1142/09-J Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 4

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 4 Coragem para agir com o coração Que tal agir com mais coragem? É preciso Algo tão coragem para viver, para amar, para ser e estar. importante que existe um dia para se comemo- Quando agimos conforme aquilo que pensamos, e de acordo com nossa consciência e nosso coração, estamos agindo rar: Dia 06 de maio. com coragem. É preciso coragem para viver corretamente, para lutar pelo Os desafios surgem a todo o momento, uns menores ou- que se acredita, para ir em frente quando tudo parece des- tros maiores, faz parte de viver. Somos capazes de enfren- moronar. tá-los, basta tomarmos consciência da nossa capacidade e transformar o medo em um impulso de coragem e fazer a Coragem para fazer a diferença e para reconhecer quando diferença. estamos errados. Algumas decisões que sabemos que vão mexer profunda- Acredito ser a coragem uma qualidade que nem todos pos- mente com a gente e com a nossa vida, exigem mais tem- suem. Todos nós sem exceção já passamos por situações po e atenção, um olhar mais minucioso e uma visão das que tínhamos vontade de fugir, de correr para não enfrentá perspectivas que se apresentam. Depois de pensar e anali- -las, por serem situações dolorosas ou que nos apresenta- sar, é jogar o medo fora e ir, sobretudo em frente, porque vam algum perigo. Aqueles que enfrentam essas situações a vida não espera. Se terei a certeza de que estou fazendo são diferentes das pessoas digamos... “comuns”. São pes- o certo? Não sei, só o tempo dirá. Mas escolhas precisam soas que causam admiração e inveja. Ter coragem é supe- ser feitas sempre, até quando escolho não fazer nada, já rar o medo. estou escolhendo, como diz a letra da canção de Charlie É preciso coragem para reconhecer que às vezes desperdi- Brown Jr: çamos tempo e sentimento com pessoas que não tem ne- Cada escolha uma renúncia, isso é a vida... nhuma função, nenhum valor, que não agregam que só estão fazendo figuração na nossa vida, e ainda nos sugam. Quanta energia desperdiçada. Desperdiçamos energia com situações e com coisas também, muitas vezes pelo simples E viver minha gente é muito bom. Experiências mil, todo tipo de emoção, risos, lágrimas de dor, de felicidade, sonhos, vivências, aprendizados, um turbilhão de sensações, desejos, renúncias, escolhas, algumas boas, outras não tão fato de não saber dizer não. É a falta de coragem falando acertadas assim, mas nos fazendo sentir vivos, parte de mais alto, não nos deixando agir com o coração. algo, parte da vida. Temos que tirar da nossa vida o que não nos faz bem. E isso inclui algumas amizades em que tu percebe que o amigo é só tu. Mas é preciso coragem também para aceitar a felicidade. Sim! Quantas vezes nos boicotamos por medo de ser feliz, ou por acharmos que não merecemos tanta fe- Viver é um ato de coragem que requer um conhecimento de nós mesmos, das nossas vontades, dos nossos desejos, nossos sonhos, nossas limitações. As possibilidades de acertarmos são enormes quando o desejo vem da alma, daí licidade, por não acreditar em nós mesmos e pensar que nos surpreendemos com a coragem que nem sabíamos que essa história de ser feliz é um passo para algo ruim que vai possuíamos, que brota da nossa essência de sermos muito chegar e nos desestabilizar, causando sofrimento. Recua- mais que corpo. Somos seres únicos com infinitas capaci- mos e tentamos não parecer tão felizes. Melhor monstrar tanto, afinal, dizem que a inveja mata. não de- dades, somos antes de tudo. seres sempre em construção. Somos alma É meus caros, tenho que dizer que até para ser feliz preci- Se você acha que a coragem é para quem não tem medo, se engana. A coragem é para quem é forte, para quem tem samos de coragem. Minha felicidade pode “incomodar” os força de agir para mudar uma situação difícil, para quem mais “sensíveis”. quer fazer a diferença, para quem consegue ser da manei- Precisamos de coragem para mudar aquilo que não está ra que é sem importar com o que os outros vão pensar. É bom, a nossa vida, o rumo da nossa trajetória, sair da zona lutar pelo que se acredita e ir atrás dos seus sonhos. Viver de conforto, daquilo que já não nos preenche, pelo contrá- é correr riscos, é se aventurar a todo instante. rio, causa um desconforto. com paradigmas. É preciso É preciso coragem para romper coragem para entrar em um re- “Frequentemente é necessário mais coragem para ousar lacionamento e coragem para sair dele, quando já não nos fazer certo do que temer fazer errado.” Abraham Lincoln preenche, quando já não faz crescer. Mariene Hildebrando de Freitas e-mail: marihfreitas@hotmail.com Precisamos respeitar as minorias. De acordo com declaração universal, não deve haver discriminação por raça, cor, gênero, idioma, nacionalidade, opinião ou outro motivo. Imagine se os mais de 6,5 bilhões de habitantes do planeta fossem iguais. Não teria graça, não é mesmo? A diversidade é uma das maiores riquezas do ser humano no planeta e a existência de indivíduos diferentes numa cidade, num país, com suas diferentes culturas, etnias e gerações fazem com que o mundo se torne mais completo. Mas essa convivência só se torna possível se as diferenças forem respeitadas. O artigo 2º da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), aprovada na Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948, diz que não deve haver, em nenhum momento, discriminação por raça, cor, gênero, idioma, nacionalidade, opinião ou qualquer outro motivo. É possível que a extrema pobreza e a desigualdade sejam eliminadas, mas questões fundamentais ainda precisam ser enfrentadas, como a violência, a prostituição infantil, o trabalho escravo e diversos outros problemas. No Brasil, a proteção e a promoção dos direitos de todo ser humano são articuladas e colocadas em prática com o auxílio da Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SDH), da Presidência da República. O órgão é responsável por colocar em prática princípios estabelecidos em estatutos e pela proteção dos direitos de cidadãos, das criança, dos adolescente, dos idosos, das minorias e das pessoas com deficiência. Fonte: Centro de Informação da ONU no Brasil Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 5

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 5 Estado… Defina o que é mais importante e você poderá, novamente, excluir uma série de opções da sua lista. Contudo, lembre de se atentar ainda para pautas que sejam boas para a maioria da população, não apenas para um pequeno grupo de pessoas. Afinal, os políticos eleitos irão governar para todos, não apenas para aqueles que o elegeram. c) Que tipo de comportamento esperar de um candidato? Quão ético precisa ser um candidato para que você consi- dere votar nele? Sabemos que a resposta ideal e 100%, ou deveria ser. Infelizmente, ainda é comum que pessoas vo- tem em candidatos investigados ou até condenados por al- gum crime, muitos deles crimes eleitorais. Lembre-se que seu candidato deve ser um reflexo de você. Portanto, refli- ta bem sobre o tipo de postura que você considera impor- As eleições estão logo ai... tante que alguém, e até você mesmo, apresente. Vale a Muito se fala na importância do voto e na necessidade de se escolherem bons candidatos... AFINAL, O QUE É UM BOM CANDIDATO? pena confiar algo tão importante como o voto em alguém que não cumpre esse requisito? 2) O PASSO A PASSO PARA ESCOLHER UM BOM CANDIDATO Não é incomum que no dia da votação, muitas pessoas ain- Depois que você passar pelo processo de autoconhecimen- da não saibam em quem votar. Com tantas opções, como to, identificando o que em um candidato é mais importan- saber discernir sobre o que é ou não um bom candidato? te, podemos passar para os próximos passos – saber como Para que você não seja uma das pessoas que chega às ur- identificar o candidato ideal. Para isso, existe uma série de nas sem a certeza do seu voto, vamos dar algumas dicas critérios e ferramentas que facilitarão a sua vida. São e- para que você saiba identificar o candidato ideal. les… 1) ANTES DE CONHECER OS CANDIDATOS, VOCÊ PRECISA 1) Conhecer o histórico do seu candidato, refletindo sobre SE CONHECER como o passado dele e um indício de como será sua futura O candidato ideal e aquele que se encaixa no que você gestão. pensa ser o melhor para o país, que está alinhado com os seus valores e com as realizações que você considera mais importante. Para você, qual é o caminho correto para que o Brasil se torne um país melhor? O processo de autoconhecimento é imprescindível nas eleições, pois como saber quais sao as melhores propostas sem definir o que é mais importante para você? Antes de começar a pesquisar os candidatos, pare e pense… 2) Conhecer o partido e a coligação do seu candidato, entendendo o poder que a legenda tem sobre o trabalho dos políticos eleitos. 3) Compreender as atribuições do cargo, as propostas e a afinidade de pensamento do seu candidato, entendendo como esses três quesitos te ajudam a analisar as promessas feitas durante a campanha. PESQUISE O HISTÓRICO PESSOAL a) Qual o meu posicionamento ideológico? A primeira coisa a se fazer é obter o maior número de in- formações sobre o seu possível candidato. Para isso, basta Como o conjunto de coisas que eu defendo se encaixa no um simples serviço de busca, como o Google, que já é um espectro ideológico? Eu tenho posicionamentos de esquer- meio muito prático de se obter as informações necessárias. da, direita ou centrais? Se você tem posicionamentos mais alinhados à direita política, não faz muito sentido você pes- Mas é preciso saber escolher boas fontes, que tragam in- quisar os candidatos daqueles partidos que estão à esquer- formações confiáveis. Dê preferência para os sites oficiais da no espectro ideológico, não é mesmo? Sabendo definir da Justiça Eleitoral, ou paginas de meios de comunicação esse primeiro critério, você já pode cortar da sua lista de mais conhecidos. opções uma infinidade de candidatos. Procure se informar sobre o histórico pessoal e profissional Caso tenha dúvidas sobre como funciona o espectro ideoló- do candidato, sua postura ética e a forma com que ele se gico, confira a trilha de conteúdos que o Politize! preparou relaciona com a sociedade. Este é um caminho que vai lhe sobre isso! ajudar a descobrir se o discurso enunciado realmente con- diz com a atuação dele em outros momentos da vida, fora b) O que é mais importante para mim? do período eleitoral. Você prioriza investimentos em saúde ou educação? Quais Observe também a situação do candidato perante a justiça. pautas ocupam lugar de destaque entre as suas preocupa- Pela internet é possível identificar se há algum processo ções? Muitos candidatos definem as áreas de atuação que criminal contra ele. É importante que ele não tenha um são suas respectivas prioridades e que, portanto, será on- histórico de mau uso do dinheiro público ou outras práticas de buscarão mudanças caso sejam eleitos. É por isso que, ilegais. Um bom candidato é aquele que respeita a nossa antes de escolher seu candidato, você deve fazer o mes- legislação, especialmente aqueles concorrendo a cargos lemo. Há aqueles candidatos que estão preocupados em me- gislativos, uma vez que eles trabalharão diretamente na lhorar a transparência e a gestão pública, os que são des- manutenção das nossas leis. taque em direitos humanos e defesa de minorias sociais, os que buscam maior independência econômica em relação ao Autora: Isabela Souza Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 6

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana CALMA, MUITA CALMA! Genha Auga – Jornalista MTB:15320 Liguei para operadora do meu celular para me ajudarem a resolver um probleminha. - Oi, estou vendo que você está ligando de um número de celular. Correto? - Nossa, pensei, como é fantástico esse atendimento. - Bem, continuando, diz a voz do outro lado da linha, se você que falar sobre esse mesmo número, continue na linha, caso contrário, digite outro número. Continuei na linha. - Se o seu problema é informação digite 1, se for reclamação 2, se for para cancelar 3 e assim segue a voz até a sequência do número 9 para falar com dos operadores. Digitei o 9. - Olá, em que posso ajudar? Pergunta a atendente. - Estou com um problema de sinal, explico a ela. Toda vez que estou em uma ligação, não posso me mexer, nem sair do lugar e tenho que ficar bem próxima da janela, quase caindo do 10º andar senão a ligação é interrompida ou a voz fica pouco audível. - Ok, por favor, me confirme seu CPF e data de nascimento para que possamos prosseguir. - Passei a informação e, nisso, toca o interfone do meu apartamento... Se saísse do lugar para atender perderia a ligação ou atenderia, pois poderia ser o pessoal que ficou de vir instalar a internet e se não me encontrassem também perderia. Resolvi atender o interfone. Não era nada importante e a ligação do celular caiu. Respirei fundo e retomei o processo. - Oi, aquela voz do outro lado repete tudo novamente até chegar no ponto que estava. Confirmei o CPF, a data de nascimento e a atendente confirma que não havia nenhum problema com a operadora e ela iria me transferir para outro departamento. - Olá, aquela voz que já estava até quase me parecendo um ente querido da família. Se você quer falar sobre sua fatura digite 1, se for problema técnico 2 e novamente até o 9 para falar com um dos operadores. Digitei o 9. - Olá, em que posso ajudar? Pergunta a atendente. - Explico todo o problema e ela me diz para verificar se o modem estava emitindo sinal de luz da antena, no que respondi: - Não posso, se eu me mexer daqui a ligação cai e vou ter que ligar de novo. - Sinto muito, diz a moça. Preciso que atenda esse procedimento e se a ligação cair terá que ligar novamente. - Moça, respondi, se eu sair daqui e a ligação cair novamente, eu enlouqueço e sorte de não me jogar pela janela porque tem uma tela protetora. - Bem, ela responde: então aguarde que vou transferir para outro setor e, o telefone ficou mudo, completamente mudo. Tive o ímpeto de sair em disparada direto para a loja e reclamar pessoalmente, mas, não poderia sair de casa para não perder o agendamento da instalação da internet. Passei o dia todo remoendo o problema e presa em casa por conta do funcionário da internet, que não apareceu... Página 6 NOVO RUMO Genha Auga Jovem, Junte-se aos bons, Ainda dá! Basta acreditar, Vá conhecer outros caminhos. E verás! Espalhe palavras e poesias, Sinta o poder da oração, Bombeie seu coração com amor, Experimente o frenesi Desse movimento. Mostre a quem te observa Que a palavra é uma reza, Seja um instrumento, Seja o fogo que aquece, Mantenha essa chama. Eleve tua alma, Conduza seus passos, Junte-se aos sábios, Conheças um mundo Que a um rumo novo, Possa te levar. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 7

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 7 brasileiros. E a absurda quantidade de brasileiros natos em posição de poder que optam por priorizar interesses do ca- pital estrangeiro em detrimento de interesses nacionais, é enorme. Um país bizarramente autofágico, que se recusa obstinadamente em alfabetizar bem a sua população, que Quem realmente prejudica o Brasil? persiste em baratear na marra a sua mão de obra, descon- siderando as necessidades básicas de sobrevivência das fa- Muitas são as vozes no país clamam por justiça, por mílias. Sim, quem realmente prejudica mais o Brasil do que punição aos corruptos e aos corruptores. Sim, ninguém ne- estrangeiros são pessoas brasileiras natas. As grandes em- ga em público que há um problema de corrupção sistêmica presas transnacionais, os grandes banqueiros estrangeiros, no Brasil. Teve até um cidadão que distribuiu muita cerveja apenas aproveitam a oportunidade para espoliar esse mag- de graça porque um ex-presidente da república acusado de nífico território e seus habitantes com a ajuda de prontidão corrupção foi preso num processo muito controverso, no de pessoas dentre esses mesmos habitantes. qual segundo muitos juristas, não há nenhuma prova clara contra o réu, e o padrão adotado em situações similares é Uma sociedade civil com síndrome de Caco Antibes, conceder o benefício da dúvida ao suspeito, mas como há um personagem de um programa de humor da TV, inter- muita, muita gente que não gosta da pessoa do réu em pretado por um muito bom ator, o Miguel Falabella, perso- questão, há uma certa exigência de punição ao tal. Final- nagem que replica o comportamento típico de muita gente mente, estamos vendo o Brasil ser limpo das coisas erra- no Brasil. O Caco Antibes é um fictício homem que não tra- das? balha, vive do favor do irmão da sogra dele, o personagem Vavá interpretado pelo também muito bom ator Luiz Gus- Não, não e não! O problema real da nação brasileira é tavo, mas o Caco tem horror a pobre apesar de ser pesso- o jeito de ser, de pensar, de se comportar e de crer da almente pobre com aparência de rico, e diz diversas frases maioria da população. O problema verdadeiro do Brasil não infames insultando as pessoas pobres e seus costumes. O é um homem que foi presidente e que agora está preso. É Caco Antibes é o reflexo de muita gente no Brasil da vida a mentalidade predominante na sociedade civil brasileira. real, gente que é financeiramente pobre mas, se identifica Tentando ser mais claro, o problema é composto por insci- ou com os ricos ou com a classe média, e hostiliza os ou- ência mais imoralidade. Por exemplo, se o brasileiro médio tros pobres. A classe média é também explorada pela clas- perceber que os seus concidadãos estão melhorando de vi- se alta mas, uma boa parcela da classe média defende com da, e que já não pode mais se sentir alguém “melhor” do fervor e paixão os interesses da classe alta, e reage furio- que eles, passa perto de “ter um ataque de nervos”. Uma samente contra a ascensão financeira da classe baixa ou da população assim não precisa perder o seu tempo tendo es- sua própria classe média. Desse comportamento social, é perança de dias melhores no futuro. Uma sociedade com humanamente impossível o Michel Temer, a Dilma, o Lula maioria avessa ao saber e que não sabe interpretar o que ou o Fernando Henrique Cardoso, ou o Aécio Neves, ou Jair lê, com uma sociedade assim, a classe política não se sente Bolsonaro... qualquer um deles ser o culpado. Nenhum de- no dever de dar satisfações a esse tipo de população e nem les deu origem a essa mentalidade de pobre ter ódio de po- de respeitar os seus direitos mais básicos. E os próprios bre, de classe média ter ódio de classe média e de pobre, políticos saem do meio dessa mesma sociedade civil, refle- de brasileiro odiar brasileiro, de o brasileiro “faltar ter um tem os ideais e os valores dessa mesma sociedade. A falta AVC” por causa de outro brasileiro ser próspero emergente. de ética e de moral no trato da coisa pública alastrou-se por todas as camadas da população, há uma cultura de O povo do Brasil é ultraconservador que renega qual- prevaricação. É um problema cultural, de costumes. quer brasileiro arrojado e mentalmente evoluído que queira fazer as coisas diferentes do padrão costumeiro, experi- O imperialismo dos Estados Unidos é algo clássico, não mentar novos métodos que funcionaram em países hoje é novidade. Aquele país foi construído com alicerces no im- desenvolvidos, uma nação com muita gente complicada, perialismo. É só estudar a história deles. Eles anexaram que podia simplesmente solucionar vários problemas nacio- quase a metade do México, entre o Texas e a Califórnia, nais só com uma excelente educação escolar pública e gra- durante a formação do território nacional deles, do Atlânti- tuita, alfabetizar bem a sua população. Não há como aju- co ao Pacífico. Anexaram o Havaí a força, este que era um dar um país cheio de gente que quer o mal do seu próxi- país independente no século XIX. Seja o presidente na Ca- mo, que quer ver o seu próximo derrotado e preso a uma sa Branca republicano ou democrata, é obvio que o gover- vida cheia de dificuldades, que não quer que as outras pes- no americano está interessado nas reservas de hidrocarbo- soas melhorem de vida. Não existe governante que consiga netos do pré-sal brasileiro, assim como multinacionais es- ajudar um povo cheio de gente que pense assim. O próprio trangeiras do petróleo. A China também se interessa no brasileiro prejudica o Brasil antes de qualquer potência es- pré-sal do Brasil. A Europa, idem! As potências estrangei- trangeira. ras não têm compromisso com o bem-estar do povo brasi- leiro, não é o objetivo deles. O interesse no bem-estar do João Paulo E. Barros povo brasileiro, logicamente e naturalmente deve ser de A menina estudando sobre leis ética e cidadania, pergunta para mãe. Mãe porque essa leis não são aplicadas de igual para todo! como assim querida.? ué... veja bem não temos escolas decentes nem saúde que atenda a todos com dignidade, segurança nem se fala. ai eu me pergunto kd os responsáveis, quem paga por esse crimes cometidos contra o povo mãe! E me obrigam a votar ! que democracia fajuta é essa onde somos obrigados a votar e induzidos a temer , a ter esperança num futuro que não existirá, se o presente não mudar. Elisa Navarrete Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 8

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 8 Quem realmente causou a divisão na Cristandade? vessem sido tomadas, se outros caminhos tivessem sido Por que o Cristianismo se dividiu tanto através dos sé- optados, não há como saber as consequências de supostas culos, desde a sua fundação? Por que hoje em dia vemos versões alternativas. tantas Igrejas Evangélicas com nomes diferentes, por aí? Mas o Papa Leão X, no século XVI, certamente teve a Na verdade, o Cristianismo era, originalmente, uma opção de ser mais flexível com Martinho Lutero, de reco- seita de outra religião, o Judaísmo. Era a seita dos Nazare- nhecer as reclamações e críticas dele como justas e aceitá- nos, e era vista como herege pelos demais ramos do Juda- veis. E o Papa Leão IX, no século XI, certamente também ísmo, e foi perseguida e rejeitada pelo Judaísmo institucio- teve a opção de ser mais flexível com o Patriarca Miguel nal. Com a conversão e trabalho de Saulo de Tarso, reno- Cerulário e demais ortodoxos. É fato que os Papas e seu meado Paulo, houve um grande investimento evangelístico clero católico romano adotaram regras indefensáveis atra- aos outros povos, e o número de gentios (gente de outras vés das épocas. Absurdos como o dogma da infalibilidade nações) superou o de judeus a ponto de “eclipsá-los”, entre papal, não há ser humano perfeito, todos comentemos er- os seguidores de Jesus de Nazaré. Inclusive, os livros que ros, todos temos falhas, ninguém é perfeito. Megalomania compõem o Novo Testamento, os originais foram escritos tem limite! A consagração do latim como idioma litúrgico, o em grego koiné e não em hebraico como os livros do Anti- Cristianismo é uma religião de origem israelita, hebraica, go Testamento, provavelmente para visar diversos povos surgida no Oriente Médio. Se, se houver alguma língua sa- da época. E com a destruição do templo em Jerusalém no grada, então obviamente só pode ser o hebraico. Porém, o ano 70 depois de Cristo, ali é considerado o rompimento Novo Testamento foi escrito originalmente em grego e Je- definitivo entre o Judaísmo e o recém-nascido Cristianismo. sus, assim como os seus apóstolos, falavam aramaico. En- Antes do imperador Constantino oficializar o Cristianismo tão, pode-se levar em consideração também o aramaico e como religião do Império Romano em 313, o Cristianismo o grego. Mas o latim não tem nada a ver, o Cristianismo primitivo teve divisões como os gnósticos, os arianos, os não nasceu na Península Itálica. Entretanto, o obvio é a li- maniqueístas, os marcionitas, os montanistas, divisões na turgia ser no idioma vigente do país para que as pessoas Cristandade veem de longa data. entendam. Entre outros detalhes. A exigência do Bispo de Roma por ter primazia sobre todos os demais, típico do au- A partir de Constantino, as Igrejas que hoje são a Ca- toritarismo cultural romano, certamente prejudicou a uni- tólica Apostólica Romana e as Ortodoxas eram unidas e ti- dade da Cristandade mundial. A partir da Reforma Protes- das como o Cristianismo “legítimo”. Só que divergências de tante em diante, qualquer divergência ou “nova revelação”, exegese e hermenêutica como a questão do Filioque, e di- funda-se um novo ministério. A Reforma abriu um novo vergências culturais e políticas entre Roma e Constantino- precedente. pla levaram ao Cisma de 1054. O Patriarca Miguel Cerulário da Igreja Bizantina foi excomungado pelo Papa Leão IX. O autoritarismo dos Papas no passado foi o pontapé inicial Toda a Igreja oriental reagiu e excomungou o Papa Leão IX que levou a Cristandade a se dividir tanto. O autoritarismo, de volta. Ah, houve também a Igreja Celta na Alta Idade a postura de impor a sua vontade e a recusa em dar ouvi- Média, nas atuais Grã-Bretanha e Irlanda, que tinha tradi- dos aos insatisfeitos, leva os insatisfeitos à rebelião e à op- ções diferentes da Cristandade latina, mas depois foi assi- ção pela ruptura. Segundo o que está escrito no livro bíbli- milada pela Igreja Católica Romana. co de Lucas, capítulo nove, quando uma aldeia de samari- tanos recusou a receber Jesus, dois apóstolos queriam a Mas a Reforma Protestante foi a mais impactante re- punição daquela vila, e Jesus lhes repreendeu, já que o ob- belião contra o Papado de Roma. Os reformistas que mais jetivo de Jesus não era destruir as almas. Também, ao di- se destacaram foram o alemão Martinho Lutero e o francês zer que o reino dele não é deste mundo, Jesus não ambi- João Calvino, dois clérigos católicos romanos. A intenção cionava ter influência política ou poder sobre a sociedade, original era protestar reivindicando reformas, mudanças no nem lucrar financeiramente com a religião institucional. O sistema da Igreja Católica Apostólica Romana. A verdade é fundador do Cristianismo não se deixava influenciar pela que a liderança política dos Papas sobre a Europa estava infantilidade das pessoas, pela xenofobia, pela intolerância, declinando no final da Idade Média, os próprios nobres e tão persistentes na humanidade através das eras. Ele mes- casas reais estavam incomodados com o poder papal. No mo não impôs aceitação de si pela força e pela violência. decorrer dos séculos, novas e novas Igrejas, novos minis- Muitos sucessores da primeira geração da Igreja Cristã, no térios eclesiásticos, foram surgindo. Uma pequena diver- decorrer dos séculos, infelizmente optaram pela imposição gência teológica ou de interpretação basta para alguém por força e violência, por autoritarismo, recorreram até a fundar uma nova instituição eclesiástica, até mesmos inte- práticas criminosas como tortura e assassinato. E hoje ve- resses pessoais. Muitos, muitos nas igrejas neopentecos- mos muitas Igrejas e instituições religiosas como verdadei- tais dão destaque à questão financeira, à busca de benefí- ras empresas privadas com fins lucrativos e para dar poder cios materiais pelos fiéis somada à retribuição na forma de político aos seus fundadores e clérigos. E se os Papas no ofertas em dinheiro. Isso tudo que acontece hoje que é ti- passado tivessem sido mais tolerantes, mais flexíveis? do como reprovável poderia ter sido evitado? O problema do “se” é que não temos como saber se outras decisões ti- João Paulo E. Barros Religiões Religião é um conjunto de sistemas culturais e de crenças, além de visões de mundo, que estabelece os símbolos que relacionam a humanidade com a espiritualidade e seus próprios valores morais. As religiões politeístas (politeísmo) admitem a existência de mais de um deus. Atualmente, as religiões monoteístas são dominantes no mundo: judaísmo, cristianismo e islamismo, juntos, agregam mais da metade dos seres humanos e quase a totalidade do mundo ocidental. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 9

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 9 Por que o índice de negros em cargos negros que quer dizer que não exista nenhum, certo? São políticos é baixo? notórios os personagens que contribuíram e/ou contribuem Será que no Brasil existe diversidade racial nas candidatu- para causas de grande valor para o nosso país. Alguns e- ras? Por que existe um baixo índice de negros em cargos xemplos são: políticos? O que nós podemos fazer para mudar esta desi- Nilo Peçanha (1867-1924): Considerado o primeiro presi- gualdade? dente da república negro, também foi deputado, governa- POSSÍVEIS RAZÕES PARA POUCOS POLÍTICOS NEGROS dor e vice-presidente. Uma de suas medidas foi a criação da Escola de Aprendizes Artífices e seu lema de governo Já compreendemos que a desigualdade racial existe no se- era “Paz e Amor”. tor político. Mas, por que isso acontece? Antonieta de Barros (1901-1952): Jornalista e primeira Em primeiro lugar, é importante a compreensão do signifi- parlamentar negra no Brasil, fundou o Curso Particular An- cado do termo. Nós, do Politize!, já falamos sobre desigual- tonieta de Barros, com o objetivo de proporcionar uma e- dade social, dá uma conferida! ducação digna para a população carente. Desigualdade significa a falta de equilíbrio entre as partes, Marielle Franco (1979-2018): Além de socióloga e vereadoentão, a desigualdade racial seria esta diferença voltada ra do Rio de Janeiro, Marielle defendia, entre outros ideais, aos grupos étnicos. No vídeo abaixo, do canal Super Inte- uma maior participação feminina na política. Chegou a preressante, é mostrado o cenário atual de desigualdade racial sidir a Comissão de Defesa da Mulher. Seu assassinato reno Brasil, mencionando, inclusive, a representatividade dos percutiu internacionalmente e motivou manifestações negros em cargos políticos: Joaquim Barbosa (1954 – até os dias de hoje): Advogado, Mas, voltando à explicação do porquê do baixo índice de já foi ministro e primeiro presidente negro do Supremo Trinegros na política brasileira, são vários os pontos de vista e bunal Federal (STF), além de vice-presidente do TSE. Tamreflexões possíveis a respeito. Aqui citamos alguns deles: bém já foi membro do Ministério Público Federal (MPF). Recursos para investimento em campanhas Leci Brandão (1944 – até os dias de hoje): Além de canto- De acordo com o sociólogo Augusto Campos, mesmo que ra, compositora e atriz, Leci Brandão é deputada estadual um percentual considerável de políticos negros se candida- pelo estado de São Paulo. Foi Conselheira da Secretaria te, a arrecadação que conseguem para investir em suas Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e campanhas é baixa. Além disso, se comparados aos políti- também membro do Conselho Nacional dos Direitos da Mu- cos brancos, os gastos também são menores. Isso aconte- lher por quatro anos, além de lutar pelos direitos das mino- ce porque não possuem um apoio tão concreto de seus rias e ao respeito às religiões de matriz africana. partidos para suas candidaturas e nem sempre personali- Alceu Collares (1927 – até os dias de hoje): Advogado, Al- dades que lutam por suas causas hoje em dia se candida- ceu Collares foi o primeiro governador negro eleito demo- tam. craticamente pelo estado do Rio Grande do Sul. Também Políticas de equidade racial foi prefeito de Porto Alegre e deputado federal. Chegou a No Brasil, não existe nenhum tipo de cota mínima obrigató- sofrer racismo dentro do próprio partido. ria para partidos candidatarem políticos negros, diferente COMO MUDAR ESTE BAIXO ÍNDICE DE NEGROS EM CAR- do percentual para gênero. A Lei das Eleições estabelece GOS POLÍTICOS? que os partidos preencham, no mínimo, 30%, e, no máxi- Antes de buscarmos uma solução, de fato, para a desigual- mo, 70% das candidaturas para cada gênero. dade racial entre os políticos no Brasil, vale ressaltar al- Histórico do negro no Brasil guns pontos. Como dito antes, ela surge por uma série de Apesar do enfoque ser na baixa quantidade de negros em outros fatores, a raiz está mais no fundo. Não basta apenas cargos políticos, este acaba não sendo o único lugar em uma atitude para que tudo se resolva, ou esperar que as que o índice é apontado. As diferenças em vários setores coisas mudem de repente. são resultado de séculos de preconceito, racismo e discri- O senador Paulo Paim é o autor do Estatuto da Igualdade minação no Brasil. Racial, instituído em 2010. Ele possui o objetivo de estabe- Após anos da abolição da escravatura, implementação de lecer políticas visando a diminuição da desigualdade racial. políticas públicas voltadas à inclusão deste grupo étnico e De acordo com o senador, na lei havia um artigo de cotas afins, as desigualdades raciais no Brasil ainda existem. Ain- para negros em cargos políticos. Contudo, o mesmo foi dei- da há muito o que fazer para atingir a equidade de raças/ xado de lado, porque acreditavam que, se permanecesse, o cores. Estatuto não seria votado. O cenário de parte significativa dos negros nos dias de hoje Sobretudo, uma solução interessante é um conjunto de po- continua sendo reflexo desse histórico. Baixa escolaridade líticas públicas voltadas para a igualdade social no Brasil. pode gerar menores oportunidades de emprego, que, como Isto tanto no setor comercial (sanar as diferenças salariais) resultado, contribuem para uma renda baixa. Consequen- como cultural (intolerância), educacional (acesso à educa- temente, tudo isso reverbera no que foi citado neste tópi- ção de qualidade) e afins. Ainda assim, é importante sali- co: campanhas sem orçamento suficiente, falta de apoio entar que o racismo no Brasil existe. Não podemos nos a- dos partidos e tudo que já vimos. comodar com este tipo de preconceito ou simplesmente ig- norá-lo. EXEMPLOS DE NEGROS EM CARGOS POLÍTICOS NO BRA- SIL Autora: Inara Chagas - Graduanda de Jornalismo pela Univer- sidade Federal de Santa Catarina. Acredita que o conhecimento Não é porque estamos discutindo o baixo índice de políticos é a chave para mudar o mundo. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 10

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 10 A IMPORTÂNCIA DO IMAGINÁRIO E DA CULTURA SIMBÓLICA NA CULTURA LUSO-AFRO-BRASILEIRA tipos de Cultivo: o do Corpo e do Espírito/Alma. Por conseguinte, a Cultura é o Cultivo Simultâneo do Corpo e do Espírito, mas, não como opostos polares, emblema por excelência das oposições máximas e irredutíveis, mas, sim como opostos polares correspondentes e complementares. “Os opostos polares complementares não são apenas as extremidades de uma escala, mas as matrizes de uma harmonia […] Entre esses dois planos, separados por muitos “mundos”, deve haver necessariamente muitas transições e atenuações” (Olavo de Carvalho, in: Dialética Simbólica). Esses dois planos (do Corpo e do Espírito) estão conectados por “cima”, podem estar em “analogia”. Na simbólica das Tradições Espirituais um símbolo não tem jamais o mesmo significado quando considerado em planos diferentes de realidade, por exemplo, o coração do homem e o coração do Sagrado Coração de Maria. O que estabelece a analogia é o fato de ambos os entes (o coração) estarem ligados a um mesmo Princípio Lógico, Ontológico ou Metafísico. Assim, entre o Corpo e o Espírito há muitos “mundos” e é preciso, portanto, analogias para subir da percepção sensível (Corpo) à apreensão da essência espiritual (Espírito), ou seja, ir do visível ao invisível, ir da Natureza à Graça e, vice-versa. A escada das analogias é uma espécie de Escada de Jacó, nos degraus do Paraíso de Dante, transitando em todas as Hierarquias do Conhecimento Espiritual. A Cultura Simbólica, por meio das analogias, visa transpor esse hiato de oposição polar para atingir um Conhecimento vivido e concreto do universal. O símbolo, é a via, é o elo perdido entre o mundo dos sentidos e os conceitos universais. A Cultura Simbólica ao iniciar investigações de Solve et Coagula, ou seja, pela alternância alto-baixo/céu-terra, materializada na fórmula alquímica “A Materialização do Espírito e a Espiritualização da Matéria”, universal-particular, realiza em modo constante a subida e a descida das analogias da Escada de Jacó e ela constitui todo o objetivo da educação espiritual, sendo portanto, fundamental e substancialmente, uma Disciplina da Alma. Assim, uma Cultura que não eduque simultaneamente o Corpo e o Espírito os fazendo relacionar e interagir por meio das analogias é um simulacro de cultura. Eis o que se chama “cultura de massa”, onde desaparece o Ser do Ser Humano com toda a fenomenalidade que o envolve em dialética simbólica com o Cosmos. Esta é a cultura atual do Brasil, materialista por essência, mas, já de uma matéria vazia de sentido, uma vez que o próprio conceito de matéria só faz sentido à luz do Espírito, e vice-versa. Na cultura do Brasil atual foi esvaziado o dinamismo do imaginário e seus conceitos operatórios, foram espargidas as fontes da cultura simbólica, foram destruídas as filosofias do simbolismo e seus respectivos sistemas hermenêuticos, foi profanado o simbolismo do Templo, foram invertidos os símbolos e forçada sua migração de uma cultura para outra. Tais descaminhos foram semeados pela historiografia brasileira que tem- se norteado, regra geral desde a Independência em 1822, à contemplação de um projeto ideológico de poder e enferma de uma visão autocentrada Aparição de Cristo Crucificado a Afonso Henriques em Ourique (gravura da coleção da Sociedade Martins Sarmento) da história do Brasil desconectada das fontes e acervos tradicionais da História e da Cultura da Coroa Portuguesa. Compromissada com as ignorâncias, as omissões, as negações, as maldições e o perjúrio da realidade Um postulado consagrado pela exegese grega, judaica e cristã sustenta lusobrasílica que vigorou de 1500–1822, não passa, portanto, de uma liteque o símbolo é a eterna linguagem criadora, que falam-nos em símbolos ratura de compromisso que está equivocada porquê assenta em um erro a religião, a filosofia, a arte, a ciência, o cosmos, a natureza, os seres vi- ou em uma deturpação, recusando-se a penetrar na alma autêntica do vos, enfim, toda a gama do acontecer. Mário Ferreira dos Santos Brasil. (in: Tratado de Simbólica, 1956, p.11) afirma: “Com símbolos, expressa- Convirá, por conseguinte, alterar essa metodologia, importa interrogar es- mos o que não poderíamos fazer de outro modo, porque, com ele, trans- ses descaminhos a partir de disciplinas várias que consubstanciem uma mitimos o intransmissível”. No mesmo sentido e de modo lapidar Fernando visão de mundo tendo o Mitologema, a História e a Cultura portuguesa nas Pessoa (Esp. 54–18)diz que “A verdade não pode ser transmitida à huma- suas grandes linhas como base para a compreensão da realidade brasilei- nidade porque a humanidade não a compreenderia. Só por símbolo, por- ra. tanto, pode a verdade ser-lhe dada de sorte que sinta a verdade, sem a compreender”. Pois, com efeito, afirma Vicente Ferreira da Silva que o que denominamos Cultura é função, em sua configuração total, de um Mito dominante, que O símbolo é uma linguagem universal e o simbolismo participa da nature- está inseparavelmente unido ao Mito do Divino. Com a criação desse Mito za central e imutável da tradição das coisas divinas enquanto que o saber constitui-se a Cultura e o povo; antes não existe de modo algum. A essên- discursivo se reporta à dualidade dos contrários, à eterna dialética oposito- cia da Cultura brasileira está cifrada no Mitologema inicial de Portugal: a ra do Bem e do Mal. Batalha de Ourique. Toda a História tem um prólogo no céu e es- “Paradoxalmente, talvez nunca como hoje, face ao omnipresente e mediá- te lógos original, origem de todo o originado, encarna um mundo de signifitico império da informação, da propaganda, e da semântica, foi tão eviden- cações, virtudes e valores. Para conhecer o Brasil é fundamental conhecer te a confusão reinante ante as diferentes manifestações da cultura simbóli- Portugal, pois, como afirmava Arlindo Veiga dos Santos, o presente que ca, confusão que se compraz em confundir imaginação com fantasia, ou a nega o passado não terá futuro. reduzir, quer a imaginação, quer as categorias simbólicas do imaginário, a Alta Cultura, afirma Olavo de Carvalho, é a vida intelectual superior de um um sucedâneo subjectivo e obscuro da realidade[…] Nesta conformidade, país, o patrimônio mais valioso de uma nação. Inexiste Alta Cultura sem uma vez alienado o seu dinamismo específico e perdidas as chaves desti- Cultura Simbólica. Cultura Simbólica é uma DISCIPLINA DA ALMA, fala nadas à sua assunção consciente, tal como foram codificadas e transmiti- em Corpo e em Alma, de Corpo e de Alma. das tradicionalmente, a profanação dos símbolos parece inexoravelmente apresentar-se como um sinal dos tempos”( Manuel J. Gandra, in: Noese e Eis o que nos cabe e pertence: conhecer o Brasil com os seus encantos e Técnica do Símbolo 1, 2017, p.7–8). as suas tristezas para amá-lo conscientemente, como queria Roquette- Pinto. Urge, portanto, alterar tal metodologia. Se ao falarmos em Cultura pensás- semos em Cultivo muitas violências e ignorâncias seriam evitadas. Há 2 Autor: Loryel Rocha Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 11

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 11 REFORMA POLÍTICA: 8 MUDANÇAS PARA FICAR DE OLHO mente até 2030, quando a exigência será de pelo menos 3% dos voto válidos em no míni- mo um terço dos estados, com ao menos 2% dos votos válidos em cada um deles. O QUE MUDA COM A REFORMA EM 2018? 4) Propaganda eleitoral Aprovadas em outubro de 2017, mui- Assim como em 2016, as eleições terão duração de 45 dias, não mais 90 como era até tas das mudanças acontecerão ape- 2014. O horário eleitoral gratuito, aquele que passa nas rádios e emissoras de TV, terá nas a partir de 2020. Entre as que já duração de 35 dias. Fora do período eleitoral não serão mais veiculadas propagandas dos valem para a próxima eleição, ainda partidos ou candidatos. Para o segundo turno, as propagandas eleitorais começam a ser poderão acontecer mudanças gradu- transmitidas na primeira sexta feira após a votação. Antes, elas iniciavam 48 horas após a ais, para amenizar seus impactos votação do primeiro turno. sobre a disputa. Quanto às propagandas na internet, os candidatos e partidos continuam proibidos de pa- Veja abaixo o que já começa a valer neste ano. gar por propagandas em sites de terceiros (como em portais de notícias, por exemplo), mas as novas regras permitem que publicações em redes sociais e mecanismos de busca 1) Limite de gastos (como o Google) sejam impulsionadas (pagas). Os candidatos podem também criar sites Se antes a lei eleitoral não estipulava um limite máximo para os gastos dos candidatos, próprios. agora a situação é outra. A partir de 2018, haverá um limite de gastos definido de acordo Permanece proibido o uso de robôs ou perfis falsos para aumentar a visibilidade das pu- com cada cargo em disputa: blicações de candidatos. Quer saber como os robôs serão utilizados nas eleições e apren- Para quem disputa uma vaga nas assembleias legislativas estaduais, o teto de gastos der a identificar um? Leia sobre os social bots nas eleições e como identificar fake news. estabelecido é de R$ 1 milhão, independente do estado; Para aqueles que almejam uma vaga na Câmara dos Deputados, o limite máximo que 5) Doações, crowdfunding e autofinanciamento pode ser gasto é de R$, 2,5 milhões. Esse valor também independe do estado de origem Com o financiamento por parte das empresas ainda proibido, os candidatos terão como do candidato. opção de arrecadação de recursos, além dos Fundos já citados, também a doação de Quem está em busca de uma vaga no Senado Federal poderá gastar entre R$ 2,5 mi- pessoas físicas. A novidade é que agora essas arrecadações poderão ser feitas através lhões e R$ 5,6 milhões, dependendo do número de eleitores em seu estado. de crowdfundings, as “vaquinhas online”. Além disso, os partidos poderão realizar a venda Já para os candidatos ao governo de estado, o teto máximo de gastos de campanha foi de bens e serviços e realizar eventos, tudo isso para arrecadar recursos para as campa- estipulado entre R$ 2,8 milhões e R$ 21 milhões, a depender do número de eleitores no nhas dos seus candidatos. A arrecadação por campanhas online pode ser feita a partir de estado. 15 de maio e os sites que oferecerem o serviço deverão divulgar a identidade dos doado- Por fim, quem quer o mais desejado cargo de Presidente da República poderá gastar até res e o valor de suas respectivas doações. R$ 70 milhões no primeiro turno. Se houver um segundo turno, o limite é metade do teto O autofinanciamento por parte dos candidatos continua valendo e a tentativa de estipular do primeiro turno. um percentual limite para essa modalidade de arrecadação foi vetada pelo Presidente Leia também: 5 permissões e 5 proibições em pré-campanhas. Michel Temer. Na prática, até 100% dos recursos angariados para as campanhas pode- rão ter origem no autofinanciamento. 2) Fundo Eleitoral As doações de pessoas físicas continuam a valer da mesma forma que antes: são permiti- Este foi um dos pontos mais polêmicos da Reforma. Eis o motivo: das doações equivalentes a até 10% do rendimento bruto do doador, declarado no ano A legislação brasileira já estabelece a existência de um fundo com verbas destinadas aos anterior à eleição, nesse caso 2017. partidos políticos: o Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos, mais conhecido como Fundo Partidário. Ele é mantido com dotações orçamentárias da União 6) Debates (isto é, as verbas previstas como despesas nos orçamentos públicos e destinadas a fins Até as últimas eleições, as emissoras de rádio e televisão eram obrigadas a convidar para específicos), multas, penalidades, doações e outros recursos financeiros que lhes forem os debates os candidatos de todos os partidos com mais de nove parlamentares na Câ- atribuídos por lei. mara dos Deputados. Defendida principalmente pelos partidos menores, a mudança esti- Ainda assim, durante a discussão da Reforma Política, o Congresso aprovou a criação de pula que a partir das eleições em 2018, as emissoras deverão chamar ao debate os no- um novo fundo – o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC). Mantido com mes dos partidos com pelo menos cinco cadeiras na Câmara. Isso quer dizer que no pró- recursos públicos, o FEFC será constituído por dotações orçamentárias da União em ano ximo ano, veremos em debate candidatos de partidos menores, que poderão ter mais eleitoral e terá sua verba distribuída aos partidos pelo TSE. maiores chances de dar destaque às suas plataformas. Qual é então a diferença entre os dois fundos? O Fundo Partidário é destinado à manu- tenção dos partidos políticos, seja ano eleitoral ou não. Enquanto isso, o FEFC apoiará a 7) Voto impresso realização das campanhas políticas, ou seja, existirá apenas em ano de eleição. Antes da Reforma Política, o voto dos eleitores ficava registrado apenas nas urnas eletrô- Para 2018, o orçamento do FEFC ficou em 1,7 bilhão de reais, enquanto o fundo partidá- nicas. Agora, foi aprovada a impressão do registro de voto já para a eleição de 2018, mas rio, que continua em vigor, terá um orçamento de cerca de 1 bilhão de reais para a mes- o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) comunicou que não terá orçamento para implementar ma eleição. essa mudança em todo o país no próximo ano. Por isso, a situação do voto impresso con- Composto por dinheiro público, o fundo terá a seguinte divisão: tinua incerta. 2% dele será igualmente dividido entre todos os partidos registrados no TSE; 35% entre os partidos que tenham ao menos um representante na Câmara dos Deputa- 8) A Reforma Política extinguiu as coligações partidárias? dos, na proporção dos votos conquistados por ele na última eleição geral para a Câmara; Um dos principais pontos de mudança na Reforma Política diz respeito às coligações par- 48% divididos entre as legendas na proporção do número de deputados na Câmara, con- tidárias. Já falamos por aqui quais motivos levam os partidos a se coligarem. Pois bem, a sideradas as legendas dos titulares do mandato; extinção das coligações partidárias foi um dos pontos mais polêmicos na Reforma. A me- 15% divididos entre os partidos na proporção de senadores, considerando a legenda dos dida já foi aprovada e sancionada pelo Presidente Michel Temer, mas passará a valer titulares do mandato. somente nas eleições de 2020. Isto não quer dizer que os partidos não poderão mais for- mar alianças, mas que isso agora será feito através das federações partidárias, 3) Cláusula de barreira As coligações partidárias foram extintas somente no sistema proporcional, isto é, as elei- A cláusula de barreira ou desempenho é uma lei que restringe a atuação e o funciona- ções para deputados e vereadores. Nas eleições que funcionam através do sistema majo- mento de partidos políticos que não obtiverem determinada porcentagem de votos para o ritário (presidente, senador, governador e prefeito) as coligações continuam a valer. Congresso. Como ela influencia as eleições em 2018? Da seguinte forma: para que os Apesar da Reforma Política já ter sido aprovada no Congresso e sancionada pelo Presi- partidos tenham direito a um tempo mínimo de propaganda eleitoral e direito a uma parce- dente, muitos dos seus pontos ainda estão sendo discutidos no TSE. Por isso, é importan- la do fundo partidário, eles precisarão: te que você fique atento: muita coisa ainda pode mudar até o dia da eleição. 1) alcançar no mínimo 1,5% do total de votos válidos em pelo menos 9 estados brasilei- ros, na disputa por vagas para a Câmara dos Deputados. Em cada um desses estados, a Agora que você já conhece as principais mudanças da Reforma Política, não tem mais legenda precisa conquistar pelo menos 1% dos votos válidos. desculpas para não ficar de olho no seu candidato durante as eleições. É imprescindível 2) Como alternativa, os partidos precisarão eleger pelo menos 9 deputados, distribuídos que, assim como você, seu candidato também esteja ciente das novas regras eleitorais. em no mínimo 9 estados brasileiros. Esse é, inclusive, um bom critério para avaliar quais candidatos merecem seu voto. 3)Os partidos que não alcançarem uma dessas alternativas perderão tempo de TV e direi- to ao fundo partidário já em 2019. A longo prazo, isso poderá levar à extinção de alguns Autora: Isabela Souza dos 35 partidos políticos no país, por o percentual de votos mínimos irá crescer gradativa- Estudante de Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 12

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 12 Especialmente no “Príncipe”, sua obra mais conhecida, Maquiavel suscita problemas de difícil solução. Trato da questão dos tradutores e me refiro à parte final do Capítulo XXV. Nesse capítulo, Maquiavel acrescenta a sorte (fortuna) à virtude, como indicativos do pleno sucesso e domínio do príncipe. O poder exige qualidades (virtude) mas de algum modo também depende de um contexto prédeterminado (a fortuna, ou a sorte). No original: “perché la fortuna à donna, et è necessario, volendola tenere sotto, batterla er untala”. O florentino Nicolao Maquiavel e a maldição de seus tradutores para português Maquiavel equiparou a fortuna à mulher. E afirmou que a sorte seria obtida com força e violência, a exemplo de como mulheres seriam tratadas. Há aqui um tremendo problema que todo tradutor deve enfrentar, especialmente porque não pode passar ao largo para com a dignidade da pessoa humana. Em algum ponto do universo (no céu ou no inferno ou ne- Vejamos o que escreveram os tradutores de Maquiavel pa- nhures, a depender do leitor) o florentino Nicolau Maquia- ra nossa língua. Na prestigiosa tradução da Editora Martins vel convive com a descoberta de que passou de Florença Fontes lemos: “a fortuna é mulher, e é necessário, para para a posterioridade na forma de adjetivo negativo. Nos- submetê-la, bater nela e maltratá-la”. Na tradução da Co- sas hipocrisias transformaram Maquiavel em leção Os Pensadores, optou-se por “a sorte é mulher e, pa- “maquiavélico”, simbolizando o maligno e significando mui- ra dominá-la, é preciso bater-lhe e contrariá-la”; essa op- to que se crê que Maquiavel teria dito, ainda que não o te- ção também foi a da Edipro, que manteve a versão da Edi- nha escrito. tora Abril[3], bem como foi a opção da Ediouro. A tradução Nessa categoria, uma lista de sentenças não localizadas co- da Martim Claret foi mais metafórica: “a sorte é uma mu- mo “fazei o mal, mas fingi fazer o bem”, “sede bruto e mi- lher, sendo necessário, para dominá-la, empregar a força”. serável”, “quando apunhalar o inimigo o faça a par da mais da mais significativa de todas: pelas costas”, “Os fins justi- Na edição mulher e, da se Golden Books optou-se por; “a sorte é uma quiseres conquista-la, precisas enfrenta-la e ficam os meios”. Na tradição ocidental Maquiavel é a pró- subjuga-la”. pria encarnação da astúcia, da hipocrisia, da crueldade; é A tradução da Paz e Terra é das mais agressivas: “a sorte é lugar comum lembrar que o substantivo próprio transfor- mulher e é necessário, para subjuga-la, espanca-la e surra mou-se em adjetivo prenhe de antropologia negativa. Mais. -la”. A tradução da Cultrix também é pesada: “a sorte é Como demonstrarei mais adiante, Maquiavel também sofre mulher, e é necessário, para domina-la, bater-lhe e feri- nas mãos de seus maiores algozes: seus tradutores traido- la”. De igual modo, a tradução do Jardim dos Livros: “a for- res; ou, ainda, os faz sofrer. tuna é mulher e convém, se a queremos subjugar, batê-la O florentino também tem seus méritos. Afastou da teoriza- e humilha-la”. Na tradução da Companhia das Letras (que ção política a fabulização da realidade. Não nos vendeu nenhuma utopia. Também não nos legou nenhuma premoni- tem prefácio de Fernando Henrique também foi traduzida com aspereza: Cardoso) a passagem “a fortuna é mulher, e ção de um mundo distópico. O futuro não é sombrio, e nem é preciso, case se queira mantê-la submissa, dobrá-la e nirvânico. É apenas o resultado de nossa ação, pautado por força-la”. nossos cálculos, e também influenciado por eventos exter- Na tradução da L&PM Pocket tem-se a impressão que o tra- nos, que fogem a nosso controle. É bíblico: colhemos na dutor registrou seu espanto com a passagem, colocando velhice o que semeamos na juventude. um “sic” em seguida do excerto: “a fortuna é mulher e, pa- A principal preocupação de Maquiavel consistia no esforço ra mantê-la submissa, é preciso bater-lhe e maltrata-la em influenciar a condução dos negócios públicos na cidade- [sic]”. Na tradução da Revista dos Tribunais manteve-se o república na qual vivia. Era um prático. Maquiavel defen- tom pesado: “a sorte é mulher e é necessário, para domina deu a república florentina, a ordem estabelecida; inspecio- -la, bater-lhe e agredi-la”. nava pessoalmente as fortalezas da cidade. Era um homem As traduções de Portugal mantém o mesmo tom de misogi- de costumes simples, de hábitos plebeus e anticonvencio- nia infinita. Na edição do Círculo dos Leitores “a fortuna é nais, gostava da boa conversa e sentava-se com desemba- mulher e é necessário, querendo-a ter debaixo, vergá-la e raço com qualquer tipo de gente. acomete-la”. Na edição da Europa-America optou-se por “a Com a queda da república florentina em 1512 Maquiavel fortuna é mulher e, para a conservar submissa, é necessá- viveu anos. seu inferno. Em 1513 foi Retornou aos negócios preso e torturado. Tinha 44 da cidade de Florença em rio bater-lhe e contrariá-la”, tradução também utilizada edição da Casa Coisas de Ler. Pesadíssima a tradução na do 1519. Em 1521 teve de abandonar a vida pública. Dedicou- Editorial Presença: “a fortuna é mulher e, se quiser mantê- se a nos. ca. literatura. Morreu em 21 de junho de Estava pobre e não exercia nenhuma 1527, aos 58 ainfluência políti- la submissa, há que espanca-la e contraria-la”. Na edição da Casa Guimarães também se optou por uma fórmula forte: “a fortuna é mulher, e é necessário, se se quer domina- Seu legado, tomando-o sem qualquer folclore, consiste no la, bater-lhe e feri-la”. fato de que deixou de fabulizar a realidade política, como o fizeram Platão e Morus, por exemplo, intervindo na vida re- Todas as traduções acima indicadas são medonhas e agressivas para com a condição feminina. São inaceitáveis, ain- al, aliás, a única que nos permite algum espaço de ação da que registrem o que Maquiavel escreveu. Não há her- prática. Menos do que as prosaicas e úteis instruções deixadas no “Príncipe”, talvez o maior legado de Maquiavel se- menêutica ou avel tinha em teoria da tradução que explique o que Maquimente quando compôs essa sentença. ja o próprio exemplo, no sentido de que entendamos que a Esse excerto é mais um componente, entre tantos outros, vida nos exige muita ação e muita energia. que confirmam que não entendemos o passado, que o pas- Maquiavel é personagem emblemático do Renascimento, sado não nos explica e que a possibilidade de compreensão época que se opunha ao misticismo, ao coletivismo, ao an- universal é próxima do nada. Persiste o mundo, e as rela- tinaturalismo, ao teocentrismo e ao geocentrismo. O Renascimento era marcado por intensa defesa do racionalismo, do individualismo, do antropocentrismo, do heliocen- ções humanas, como um perpétuo mal entendido, no qual falamos o que não pensamos e ouvimos apenas o que queremos ouvir. E se a fortuna de alguém dependa de maus trismo. O humanismo foi também um dos traços definido- tratos para com qualquer ser humano, melhor perecermos res daquele tempo, centrado na retomada dos valores gre- na desgraça e na adversidade. co-romanos, circunstância muito característica na obra de Autor: Arnaldo Sampaio de Moraes Godoy Maquiavel. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 13

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 13 A importância de conhecer a nossa história Cultura popular: sua diversidade e importância Nada é mais incisivo como marcador da identidade de um povo do que a cultura em que este povo mesmo se define. Sem ela, tal identidade simples- mente desaparece, dissolve-se, dei- xando ali, como consequência, uma amorfa massa humana. Daí ser impe- rativo o reconhecimento, incentivo e preservação da cultura popular de for- ma que as gerações futuras sintam-se não só herdeiras, mas também valedo- Para um país como o Brasil, em que a diversidade cultural é imen- ras de gigantesco e precioso tesouro. sa, pode parecer estranho quando se fala na história dos nossos antepassados. Ainda mais se pensarmos na forma como ocorreu a São elementos constitutivos da cultura popular os ritos, mitos, sím- formação da nossa sociedade, a partir das influências recebidas bolos, folclore, todas as crenças, em suma, tudo aquilo que foi cria- dos diferentes ciclos migratórios. do e conservado por aqueles que existiram antes nós. É o que for- Saber a história de uma nação significa resgatar e preservar a tra- ma nossa autoconsciência e o que permite que nos reconheçamos dição daqueles que contribuíram para que chegássemos ao ponto no lugar e pertença de nosso povo. Ademais, é sempre bom lem- em que nos encontramos. Trata-se de uma oportunidade única pa- brar que é no ventre dos guetos, nas camadas pobres e interiora- ra compreender, inclusive, a nossa própria identidade. nas que brotam as mais duradouras e valorosas manifestações dessa cultura. A despeito da visão europeia, que ainda é predominante nos livros didáticos e paradidáticos, há outra corrente que defende que a his- Não obstante o advento da globalização, que visa “derrubar” fron- tória da humanidade seja contada com base em outros relatos e teiras e mundializar os espaços geográficos, algumas regiões brasi- visões de mundo. Nesse sentido, existe uma legislação federal que leiras procuram preservar costumes e tradições. Sendo um país de torna obrigatório o ensino nas escolas da cultura afro-brasileira e dimensão continental e tendo como base principal da formação de indígena. Essa lei, que acaba de completar dez anos, infelizmente seu povo o europeu, o negro e o índio, e com a chegada mais tarde ainda é pouco conhecida. Compete a nós, militantes e especialistas dos japoneses, italianos, alemães e árabes, é natural haver no Bra- da área de educação, colocarmos isso em prática. sil enorme variedade de culturas. Assim sendo, a pletora de culiná- Como exemplo, podemos citar o que ocorre em Santo André, na rias, danças, religiões e festas, que caracterizam cada região do região do ABC paulista. No final de 2013, teve início a capacitação país, desenha, no conjunto, um complexo painel cultural. sobre cultura indígena para os professores de educação física da rede municipal de ensino. O objetivo é fazer com que o docente As celebrações e festas populares como o Círio de Nazaré e o fes- passe a utilizar em suas aulas as danças, os jogos cooperativos e tival de Parintins no Norte; O bumba meu boi, o maracatu, o cabo- as brincadeiras oriundas dessa tradição. clinho e o frevo no Nordeste; as cavalhadas, a procissão do foga- Trazer essa visão de mundo para os alunos é importante para se réu, o caruru e os deliciosos pratos com os peixes do Pantanal des- perceber como a influência desse povo se faz muito presente no tacam-se no Centro-Oeste; a Festa do divino, festejos da Páscoa e nosso dia a dia. Para ficar em um só aspecto, vale mencionar o há- dos santos padroeiros, a peregrinação a Aparecida e o carnaval bito do banho diário. Sem falar nas centenas de palavras e termos são marcas do Sudeste; com forte influência dos italianos, espa- de origem indígena que usamos para nos expressarmos. nhóis, portugueses e alemães, o Sul nos dá a festa da uva (cultura italiana), a oktoberfest (cultura alemã), o fandango (influência portu- Essa percepção, que por vezes passa despercebida face ao con- guesa e espanhola), o pau de fita e congada; da culinária sulista, o texto globalizado em que vivemos, é fundamental para mostrar às churrasco e o famoso chimarrão, pirão de peixe, marreco assado e nossas crianças e jovens a riqueza da cultura e da tradição dos pri- o bom vinho encerram essa síntese cultural brasileira. meiros habitantes do nosso país. Ao oferecer essa possibilidade aos alunos, estamos contribuindo Como se vê, nossa riqueza material e imaterial é de dimensão oce- para resgatar o papel dos índios na formação do Brasil. Serve, ain- ânica, o que impõe um incansável exercício de sua defesa e pre- da, para evitar possíveis percepções preconceituosas em relação a servação. Todos, exatamente todos devemos cuidar de tal riqueza, esse povo, que deve ser reverenciado pelas inúmeras contribui- pois é nela que estão resguardados os valores tão caros a nosso ções que, hoje, se encontram naturalmente incorporadas ao nosso povo. Por outro lado, não bastam políticas públicas para este fim, é cotidiano. Significa também dar à cultura indígena o devido prota- importante entender que a exacerbada valorização da cultura de gonismo que ela tanto merece. massa, pautada no efêmero e no modismo de ocasião promove a Autor: Gilmar Silvério, professor da rede estadual de ensino gilmar_silverio@hotmail.com. nefasta confusão demoníaca, capaz de sepultar o que é sólido, perene e possuidor de real valor. Jorge Lyno Definição de Cultura Popular Brasileira Cultura Popular Brasileira. Cultura segundo o seu mais profundo significado, é a transmissão de conhecimentos cultivados, através de palavras, gestos, costumes, ritos, histórias, tradições, e suas mais diversas manifestações de um povo: Dança, Música, Literatura, Folclore, Arte. Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 14

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 14 Nossa Língua Portuguesa Outras diferenças também estão no significado das pala- vras e vou dar alguns exemplos: Quando estiver passeando Hoje vou falar um pouquinho da nossa língua portuguesa. por Lisboa, aproveite para beber uma imperial (chopp) e A língua portuguesa é a língua oficial de Portugal, Brasil, comer uma bifana ou um prego. Uma bifana é um bife de Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé porco no pão e um prego, um bife de vaca no pão. Mas, e Príncipe e Timor Leste. Aproximadamente 280 milhões de depois de algumas imperiais, se precisar de ir ao banheiro, pessoas no mundo são falantes desta língua que é a sexta peça para ir à “casa de banho” porque, em Portugal, mais falada no mundo (atrás do mandarim, inglês, hindi, “banheiro” é aquele homem que trabalha como salva-vidas espanhol e árabe). na praia, também chamado de “nadador-salvador”. Mas porque falar da nossa língua? Porque, apesar de ser- Para as compras convém saber que as calcinhas femininas mos todos falantes de português, existem muitas diferen- são cuecas e, antes que alguém pergunte, as cuecas mas- ças entre o modo de falar a língua em cada país e mesmo culinas também são cuecas. Camisolas (aquelas que as dentro de um mesmo país. No Brasil, percebe-se bem isso mulheres usam para dormir) são camisas de noite. As mei- pelas diferentes palavras usadas e nas diferenças de sota- as-calças são collants, as camisetas são Tshirt ou camisolas que entre as várias regiões. Até mesmo dentro de um mes- mas, roupa de inverno de lã tipo pulôver também é cami- mo estado. Por exemplo, em Minas Gerais existem 5 dife- sola e, se tiver abertura (botões ou zíper) aí é casaco. Um rentes dialetos “mineiros”. Em Portugal também são identi- maiô ou uma sunga é um fato de banho. Se tiver um aci- ficados 9 diferentes dialetos que, com o tempo, vamos a- dente, um corte no dedo por exemplo e precisar de band- prendendo a diferenciar. Mas vou falar principalmente de aid, peça “pensos”. Os absorventes higiénicos também são algumas diferenças que existem na língua falada no Brasil pensos. e em Portugal porque pode ser muito útil para quem viaja e para quem pensa em viver em Portugal. As mulheres normalmente gostam muito de olhar as vitri- nes, não é? Aqui veem as montras. E, acreditem, a dificul- As diferenças existem não só na língua falada mas também dade é igual para os portugueses no Brasil. Outro dia uma na escrita. Por exemplo, muitos brasileiros quando vem pa- senhora portuguesa contou na televisão que, no Rio de Ja- ra Portugal a passeio ou como imigrantes acham muito neiro, disse numa loja: “Eu queria ver aquela carteira da bom porque falamos a mesma língua e é mais fácil a comu- montra”. E não a entenderam… E o que ela queria era “Eu nicação. Sem dúvida que é muito mais fácil do que ter que quero ver aquela bolsa da vitrine”. aprender e falar outra língua mas, mesmo assim, existem algumas diferenças que podem causar alguma dificuldade São diferenças sutis da nossa língua portuguesa que nem de comunicação para os brasileiros. Eu penso que os portu- sempre é fácil de saber logo a primeira vista. E porque? gueses já estão mais acostumados com o português brasi- Porque quando falamos “quase” a mesma língua, geral- leiro do que os brasileiros com o português falado em Por- mente não sabemos qual palavra utilizar no lugar daquela tugal, afinal, desde 1977 que os portugueses assistem às que a gente conhece para sermos bem compreendidos. novelas brasileiras. Enquanto estiver passeando por Lisboa, se for pegar o Pra começar, os portugueses falam mais fechado que os trem diga que quer “apanhar o comboio”. Ônibus é autobrasileiros. Às vezes demora um pouco para um brasileiro carro (ou camioneta). Se revolver pegar carona, peça treinar o ouvido para entender bem. Como vivo em Portu- “boleia” e, quando for atravessar uma rua, passe sempre gal há algum tempo já fui “intérprete” de português- pela passadeira (faixa de pedestres), os condutores respeiportuguês. Parece engraçado não é mesmo? Mas, em umas tam os peões (pedestres) que passam nas passadeiras. conferências feita por brasileiros em Portugal, algumas pa- Ahhh e os bondinhos que andam por Lisboa e Porto são os lavras que usamos no Brasil não são compreendidas em elétricos. Se for algum dos que sobem as colinas de Lisboa, Portugal (ou tem outro sentido e vice-versa). Em outra aí são elevadores. Pode aproveitar e subir o elevador da conferência feita por portugueses, alguns estudantes brasi- Glória, da Bica ou o do Lavra. leiros que estavam há pouco tempo em Portugal também Autora: Lyria Reis não entendiam… Mas, nada que o tempo não resolva. Você sabe o que é variação linguística? A variação linguística é um fenômeno que acontece com a língua e pode ser compreendida por intermédio das variações históricas e regionais. no preconceito linguístico que associa, erroneamente, a língua ao status. O português falado em algumas cidades do interior do estado de São Paulo, por exemplo, pode ganhar o estigma pejorativo de incorreto ou inculto, mas, na verdade, essas diferenças enriquecem esse patrimônio cultural que é a nossa língua portuguesa. Em um mesmo país, com um único idioma oficial, a língua pode so- As variações linguísticas acontecem porque vivemos em uma soci- frer diversas alterações feitas por seus falantes. Como não é um edade complexa, na qual estão inseridos diferentes grupos sociais. sistema fechado e imutável, a língua portuguesa ganha diferentes nuances. O português que é falado no Nordeste do Brasil pode ser diferente do português falado no Sul do país. Claro que um idioma nos une, mas as variações podem ser consideráveis e justificadas de acordo com a comunidade na qual se manifesta. Alguns desses grupos tiveram acesso à educação formal, enquanto outros não tiveram muito contato com a norma culta da língua. Podemos observar também que a língua varia de acordo com suas situações de uso, pois um mesmo grupo social pode se comunicar de maneira diferente, de acordo com a necessidade de adequação As variações acontecem porque o princípio fundamental da língua linguística. Prova disso é que você não vai se comportar em uma é a comunicação, então é compreensível que seus falantes façam entrevista de emprego da mesma maneira com a qual você conver- rearranjos de acordo com suas necessidades comunicativas. Os sa com seus amigos em uma situação informal, não é mesmo? diferentes falares devem ser considerados como variações, e não como erros. Quando tratamos as variações como erro, incorremos Autora: Luana Castro Alves Perez Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

p. 15

Maio de 2018 Gazeta Valeparaibana Página 15 A evolução da ideia e do conceito de família INTRODUÇÃO os membros devem ter suas necessidades atendidas e a busca da felicidade de cada indivíduo passou a ser essencial no ambiente familiar. É certo que a família é sem dúvida a instituição e o agrupamento Porém, o maior avanço a que o ideal de família passou fora no ele- humano mais antigo, haja vista que todo ser humano, todo indiví- mento que a constitui, hoje, as pessoas se unem por haver uma a- duo nasce em razão da família e, via de regra, no âmbito desta, as- tração entre elas, um querer. A união das pessoas possui um fim sociando-se com seus demais membros. egoísta, porém no melhor sentido do termo, vez que esta se dá pe- A palavra família possui um significado que foge à ideia que temos lo fato de a outra pessoa lhe trazer prazer, felicidade e crescimento. de tal instituto hoje, vem do latim famulus e significa grupo de es- Esse novo elemento para a criação da família é de suma importân- cravos ou servos pertencentes ao mesmo patrão. cia, principalmente para entendermos as mudanças à que passa a A ideia do que vem a ser família, suas características, sua forma- família. ção e etc., é um conceito extremamente volátil e mutável no tempo, Como se percebe, não há mais que se falar em casamento como acompanhando sempre a evolução dos ideais sociais, das desco- elemento de criação da família, afinal é o sentimento que une seus bertas científicas e dos costumes da sociedade, sendo impossível membros, a vontade de cada um em se unir ao outro, por isso, hoje se construir uma ideia sólida e fixa do que vem a ser família e quais é possível vislumbrarmos que uniões estáveis podem constituir fa- suas características. mília, que há a família monoparental (mãe ou pai solteiro) e que há 1- A INFLUÊNCIA DA SOCIEDADE E DAS CIÊNCIAS NA CONS- família na união de pessoas do mesmo sexo. Tudo isto porque o TRUÇÃO DO CONCEITO DE FAMÍLIA elemento responsável pela constituição da família é subjetivo e de- corre da vontade dos indivíduos. A ideia que temos de família hoje não é a mesma de tempos atrás, vez que estamos em um momento de desenvolvimento social e jurí- A família passou a ser vista como um instrumento de desenvolvi- dico sobre o tema, onde o conceito do que vem a ser família está mento pessoal de cada indivíduo, e não mais como uma instituição. sendo ampliado. Essa mudança filosófica e institucional ainda não está completa- mente difundida na sociedade atual, porém encontra-se em cres- Antigamente, o modelo familiar predominante era o patriarcal, patri- cente consolidação. monial e matrimonial. Em tal modelo tínhamos a figura do “chefe de família”, era o líder, o centro do grupo familiar e responsável pela Tal mudança se deu principalmente pelo princípio da dignidade da tomada das decisões. Era tido como o provedor e suas decisões pessoa humana, vez que hoje há uma proteção maior à pessoa, à deveriam ser seguidas por todos. sua felicidade e a seus direitos individuais. Não há mais que se fa- lar em obrigação matrimonial, hoje as pessoas podem se divorciar Além disto, a ideia de família era patrimonial e imperialista, prova de forma imediata caso queiram, inclusive, sem o consentimento do disso estava no fato de que as uniões entre pessoas não se davam outro cônjuge ou da família, não há mais a figura do chefe de famí- pela afeição entre as mesmas, mas sim pelas escolhas dos patriar- lia, sendo cada indivíduo responsável por suas escolhas, possuindo cas, com o interesse de aumentar o poder e o patrimônio de suas o livre arbítrio e não há mais que se falar em uma família patrimoni- famílias. Em tal modelo, muitas vezes os nubentes nem sequer se alizada, vez que a via que cria os laços familiares é subjetiva e de- conheciam, mas se viam obrigados a contrair núpcias para honrar o pende do elemento volitivo das partes. bom nome da família e contribuir para seu fortalecimento econômico. Portanto, temos que a ideia de família já avançou consideravelmen- te, logicamente ainda há resquícios de um conceito antigo de famí- A família era constituída unicamente pelo casamento, não havia lia na sociedade atual, afinal, não se trata de um conceito universal, que se falar em nenhum outro meio de constituição familiar, como a sendo a família composta por indivíduos, cada qual com uma ma- união estável. Como consequência de tais fatos, a figura do divór- neira única de pensar. Porém, em um contexto generalizado, perce- cio era inimaginável, vez que a felicidade dos membros não era bemos que o ideal de família evoluiu juntamente com a sociedade, mais importante do que a predominância da família como institui- evolução esta que ainda não se findou, vez que, como já dito, o ção, afinal, o divórcio representaria uma quebra no poderio econô- conceito e a ideia de família é volátil e está em constante alteração. mico concretizado pelo casamento. CONCLUSÃO Temos então, que em tal modelo, a família é vista como uma insti- tuição, onde a felicidade e a liberdade de seus membros é um ideal Em face à evolução social que passamos, não há como ter uma vi- secundário e que somente era levado em conta se atendido o ideal são estagnada do que vem a ser família. Hoje, muito se critica as primário, que era o fortalecimento econômico/patrimonial da institui- novas formas familiares, como a família entre pessoas do mesmo ção familiar. sexo, porém, conforme já vimos, o elemento que cria a família é a vontade entre as partes, portanto, não há como negar o status de Ora, resta claro que tal ideia de família é tida como inconcebível família à uniões estáveis, à famílias monoparentais e a família ad- atualmente, uma forma arcaica e, de certo modo, repudiada na atu- vinda da união entre pessoas do mesmo sexo. alidade. Porém, isto somente se deu pela evolução a que passou a sociedade ao lutar pela igualdade entre os indivíduos e pela valori- A dignidade da pessoa humana deve ser respeitada e protegida, zação da dignidade da pessoa humana, conquistas estas que en- não podendo utilizar uma ideia ultrapassada de família para privar a contram-se estabelecidas hoje em nosso mais alto regramento jurí- constituições de novos tipos familiares. Afinal, o que deve-se prote- dico, a Constituição Federal de 1988. ger é a felicidade, a liberdade e a igualdade entre os indivíduos, e não uma forma arcaica de pensamento. Portanto, é errôneo não reconhecer à influência das conquistas so- ciais na elaboração do conceito de família, sendo, inclusive, este o É preciso que haja uma conscientização popular, para que seja di- motivo de tal conceito ser mutável ao longo do tempo. fundida a ideia de família como um instrumento de felicidade e de desenvolvimento pessoal, e não como uma instituição. 2- O CONCEITO DE FAMÍLIA EM UMA VISÃO MODERNA Portanto, não devemos nos prender a um pensamento estagnado, Com o passar do tempo e a evolução a que passou a sociedade, o mas sim evoluirmos juntamente com a sociedade, respeitando sem- modelo familiar mudou, fora influenciado pela ideia da democracia, pre a maior conquista já obtida ao longo do tempo, a liberdade, em do ideal de igualdade e da dignidade da pessoa humana. todas as suas formas. A família passou a ser mais democrática, o modelo patriarcal fora Autor: Luis Fernando Augusto abandonado, sendo empregado um modelo igualitário, onde todos Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

[close]

Comments

no comments yet