Tribuna do Piracicaba - A Voz do Rio

 

Embed or link this publication

Description

Bacia do Piracicaba - Abril de 2018 - Edição 238 - Ano XXV

Popular Pages


p. 1

Bacia do Piracicaba, Abril de 2018 / Edição 238 – Ano XXV / Distribuição Dirigida Gratuita / Nas bancas: R$ 2,00 Peti Paraíso ecológico ameaçado Ela fornece energia, lazer, equilíbrio climático e em troca recebe esgoto, justamente de quem é beneficiada por suas águas – Barão de Cocais e Santa Bárbara. Página 3 Cidades poluidoras A Voz do Rio continua a série de matérias sobre quem polui a bacia do Piracicaba e quem trabalha para despoluir a mesma. Página 5 Eucaliptos: vilões ou heróis? O título pode até parecer uma afronta frente à invasão destas espécies na bacia do Piracicaba – Cenibra e ArcelorMittal detêm a monocultura do eucalipto. Página 11

[close]

p. 2

2abril de 2018 2018 é o ano da lutaDia Mundial da Terra contra a poluição por plástico Geral - Como dissemos no Dia Mundial da Água que é urgente reduzir o uso do plástico para salvar nossas águas, e por consequência nossas vidas, hoje no Dia Mundial da Terra diremos o mesmo. Só que desta vez é a própria edição do evento que nos chama para a urgência do problema que é o plástico. Este material constitui 84% do lixo presente nas praias monitoradas em 2017. Segundo o levantamento, 64% do lixo encontrado nas areias provêm de objetos de breve duração: embalagens (30%) e descartáveis (34% como pratos e copos plásticos). O Dia Mundial da Terra - Earth Day, data promovida pela ONU, se comemora todo ano no dia 22 de abril, para nos lembrarmos da importância de preservar o planeta em que vivemos. A primeira comemoração se deu em 1970 no Estados Unidos por iniciativa do senador Gaylord Nelson. O grande problema do plástico Conforme um experimento realizado pela Universidade de Heriot-Watt em Edimburgo, nós respiramos, e não pouca, mi- cropartículas de plástico suspensas no ar, advindas desde os pneus dos automóveis que passam pelas ruas aos móveis e tecidos sintéticos que imperceptivelmente se desintegram no ar. Bebemos e comemos plástico porque está presente até no sal de cozinha. Todo plástico demora centenas de anos para se decompor e até o microplástico, presente em pastas de dentes, esfoliantes, no glitter e em muitos outros produtos, entram para os ecossistemas, poluem as águas, o solo, alimentam animais e caem na cadeia alimentar. Ou seja, é uma praga da qual ninguém está livre. O pior está por vir: você sabia que nem todo plástico é reciclável e nem todo plástico reciclável é efetivamente reciclado? Segundo o Greenpeace, 90% do plástico não é reciclado e sua produção continua a crescer não obstante a poluição que este material causa. Um problema também de saúde E tem mais, como informa o Earth Day: “Você sabia que 300 milhões de toneladas de plástico são vendidos a cada ano e que 90% disso é Dai Florius O plástico constitiu hoje cerca de 84% de todo o lixo presente nas praias e orlas jogado fora? Você sabia que uma grande porcentagem desses plásticos acaba em nossos aterros, nossos oceanos, nossa vida selvagem e nossos corpos? Você sabia que, à medida que o plástico se decompõe em nosso ambiente, ele pode imitar os hormônios humanos e está ligado a tudo, desde o câncer de mama até a puberdade precoce?” O que fazer? O convite não é apenas para hoje, data para se comemorar e se lembrar da importância de preservar o planeta. O convite é para uma mudança de hábito diário na vida de todos nós: *devemos eliminar todo tipo de plástico descartável *reduzir o nosso consumo em geral *dar preferência aos produtos embalados em papel, vidro ou, melhor ainda, em materiais biodegradáveis *dar preferência às roupas feitas de materiais naturais não sintéticos, pois estes contêm plástico na composição *separar o lixo, fomentar a reciclagem São muitas as formas que podemos por em prática para diminuirmos o tamanho do problema (3 vezes maior que a França é a medida da ilha de plástico no Pacífico, para se ter uma ideia!). Pense bem antes de comprar coisas inúteis. Leve sempre sua sacola reutilizável no supermercado. Evite comprar frutas e verduras embaladas em plástico. Participe da nossa campanha Desnude a Fruta. “300 milhões de toneladas de plástico feitos à base de combustíveis fósseis são vendidos a cada ano e 90% disso é jogado fora, destruindo nossa comida, nossa água e nossa saúde. Os governos podem mudar isso agora! Eles podem proibir a produção de plástico descartável e ajudar a apoiar uma mudança para alternativas sustentáveis, não poluentes e não baseadas em combustíveis fósseis. Convidamos você a eliminar gradualmente os plásticos de uso único, apoiar alternativas sustentáveis e enfrentar os bilhões de toneladas de plásticos que já estão em nossos oceanos, nossos córregos, nossa vida selvagem e nós mesmos” Chega de plástico! Expediente: Tribuna do Piracicaba a voz do rio • Diretor Responsável: Geraldo Magela Gonçalves • Diretor Geral: Rafaela Iara Pantuza Gonçalves • Comercial: dindao@bomdiaonline.com (31) 9 9965-4503 • Diagramação/Arte: Sérgio Henrique Braga • Impressão: Gráfica Bom Dia • Representante Comercial: Super Mídia Brasil - BH Redação e Administração Rua Lucindo Caldeira, nº 159, Sl. 301, Alvorada, CEP.: 35930-028 João Monlevade / MG / Brasil (31) 3851.3024 • A Voz do Rio Online: www.tribunadopiracicaba.com Circulação: Bacia Hidrográfica do rio Piracicaba FUNDADO EM FEVEREIRO DE 1994 Razão Social : Geraldo Magela Gonçalves MEI CNPJ 27.776.573/0001-68 Inscrição Estadual : Isenta Inscrição Municipal 0000260304 Todos os Direitos Reservados dindao@bomdiaonline.com

[close]

p. 3

3abril de 2018 Peti: patrimônio contaminado e ameaçado sob o véu da desinformação (1903), construída pelos ingleses com o objeti- vo de alimentar a mine- ração de São Bento. A usina forneceu energia para Santa Bárbara que foi iluminada em 1912 e em seguida para São Gonçalo em 1928, forne- ceu também durante esse tempo energia inclusive para Belo Horizonte. Com o crescente desen- volvimento da região am- pliou-se o parque energé- tico de Peti e a mesma foi adquirida em 1946 pela Companhia Força e Luz ampliando sua produção energética para 9.6 MW. Em 1971 foi adquirida pela Cemig e em 1983 houve a criação da Uni- Barão de Cocais e Santa Bárbara despejam juntas mais de 12 milhões de litros de esgoto diariamente na represa de Peti dade de pesquisa e desenvolvimento ambiental do Bacia do Piracicaba – Bárbara e São Gonçalo Ambiente, em poucas dos representantes cons- peixes vem acontecendo, Peti. Em janeiro de 2004 Ela fornece energia, lazer, do Rio Abaixo, encanta versões realizadas, con- tituídos, o que era para exporadicamente, sem foi reconhecida como equilíbrio climático e em quem a conhece. tou com a participação ser referência em estru- que nenhuma resposta RPPN (Reserva Particular troca recebe esgoto. Se dos municípios de Ba- tura ambiental e atração seja dada à sociedade. do Patrimônio Natural). já não bastasse os mais Poluidoras rão de Cocais, Catas Al- turística, se encontra sob Enquanto nenhuma ação A Usina de Peti abastece de 12 milhões de litros tas, Santa Bárbara e São o fio da “navalha”, lan- seja tomada esse paraíso as cidades de São Gonça- de esgoto despejado dia- Os municípios de Barão Gonçalo do Rio Abaixo. çada sob a própria sorte ecológico, permanece po- lo do Rio Abaixo, Santa riamente em suas águas, de Cocais e Santa Bárba- por conta de um destino luído e ameaçado. Bárbara, Barão de Cocais, vindos de Santa Bárbara e ra despejam 6,3 e 6,1 mi- Mobilização efetiva incerto, haja vista que, Catas Altas e também Barão de Cocais, a repre- lhões de litros de esgoto por decisão da Cemig, Saiba mais: gera energia para o siste- sa de Peti enfrenta ainda por dia, respectivamen- Por falta de mobilização as atividades em torno ma integrado da Cemig. outras ameaças. te, nas águas do rio São e envolvimento político da educação ambiental A represa de Peti teve o O nome PETI vem do De um lado a Samarco João e no rio Santa Bár- dos moradores e usuá- dentro da reserva encer- início de sua construção tupi-guarani e significa querendo retirar 50 mi- bara que por sua vez de- rios da represa e por fal- raram no dia 30 de Junho no final do século XIX tabaco. lhões de litros de água sagua na represa de Peti, ta de comprometimento de 2013 e mortandade de e início do século XX Fonte: Cemig \ IEF \ Ibama limpa do rio Conceição contaminando a mesma por dia, do outro uma com – sabe Deus que José Gustavo A. Murta das barragens gigantes poluentes – todo tipo de de contenção de rejei- efluentes (residencial, to da Mina de Brucutu. comercial, industrial). Em meio a esse “fogo Nenhum desses municí- cruzado”, esta a Reserva pios, apesar de enviado Ambiental e a represa de questionamentos as suas Peti, localizada em uma assessorias, até o mo- região muito rica em ter- mento não apresentaram mos turísticos, fazendo planos e ou projetos para parte da Estrada Real, mudar essa situação. próxima às cidades his- tóricas de Santa Bárbara, Ações Barão de Cocais, Catas Altas, Mariana e Ouro Algumas ações, isoladas Preto, além do Parque e pontuais, acontecem Natural do Caraça. apenas em datas come- Com uma área de 1.280 morativas, como é o hectares, sendo 605 hec- caso das “barqueatas”, tares de área terrestre e onde são recolhidos lixo 675 hectares de espelho ao longo das margens da d´água, a represa de Peti, represa. O evento que que se encontra na divisa acontece geralmente no Histórica – A Usina de Peti foi construída pelos ingleses com o objetivo de alimentar a mineração de São Bento, dos municípios de Santa Dia Mundial do Meio mas forneceu energia para Santa Bárbara já em 1912, para São Gonçalo em 1928 e até para Belo Horizonte.

[close]

p. 4

4abril de 2018 Secretaria de Meio Ambiente implanta coleta seletiva em prédios públicos em João Monlevade órgão informa a retomada das atividades de coleta da Atlimarjom Foto Ilustrativa Coletores para coleta-seletiva serão implantados nas repartições públicas municipais João Monlevade - Criar um sistema de padronização para um gerenciamento de resíduos sólidos nos prédios públicos é um dos objetivos educativos da Secretaria de Meio Ambiente a ser implantado no prédio da Prefeitura em João Monlevade e Câmara Municipal. Entretanto, ao pensar em objetivos educativos para um projeto sobre reciclagem, pode-se inserir a questão do consumo responsável; da influencia da mídia, do poder das grandes indústrias, das alternativas existentes para reduzir o lixo, da forma correta de se descartar cada tipo de lixo, dos bons resultados na cidade de João Monlevade que após a implan- tação da coleta seletiva nos prédios públicos vai praticar a reciclagem. Acreditamos que o foco de um projeto educativo precisa ser a educação ambiental e os órgãos públicos municipais deverão estar associados à resolução de problemas ambientais em parceria com a Atlimarjom. Em João Monlevade os catadores de materiais recicláveis se reuniram em sistema de cooperativa da Atlimarjom – Associação dos Trabalhadores da Limpeza e Materiais Recicláveis de João Monlevade, este procedimento impõe a celebração de um contrato de prestação de serviço entre a Prefeitura Municipal de João Monlevade e a associação, e informa a comunidade que a manutenção das atividades da coleta seletiva no município é de responsabilidade da Secretaria de Meio Ambiente onde houve a necessidade de paralisação e agora retoma à readequação dos serviços prestados para melhor gestão integrada dos resíduos. A princípio, o projeto contemplará o prédio público da PMJM e Câmara, os demais prédios públicos que conjugam empreendimentos geradores de resíduos serão atendidos gradativamente. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e a Atlimarjom são entidades responsáveis pelas ações de educação ambiental e espera se criar uma cultura sustentável visando o envolvimento de todos servidores municipais. A SMMA fez um diagnóstico no prédio da Prefeitura e da Câmara Municipal da necessidade de colocação de coletores da área interna e externa, os servidores serão capacitados para a gestão dos resíduos, os setores de cada secretaria se tornam responsáveis para adequar a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010), a gestão de resíduos deve garantir o máximo reaproveitamento e reciclagem. A ação deve estar em perfeita sintonia para que se possam executar as atividades de educação ambiental associada às questões práticas e ás resoluções de problemas locais com melhor uso dos recursos financeiros disponíveis e o comprometimento da população no que se refere ás ações que degradam o meio ambiente. A grande parceria com Atlimarjom, que retoma suas atividades em abril, expõe que o projeto além de educar ambientalmente o corpo de funcionários públicos, também pode promover ou patrocinar atividades de educação ambiental para toda comunidade monlevadense. “Parabenizamos a nossa cidade de João Monlevade e consequentemente enaltecemos o protagonismo dos trabalhadores da Atlimarjom que fortalece a economia local e permite a inclusão socioeconômica, aumenta a vida útil do aterro sanitário e diminui a incidência de doenças, como aquelas desencadeadas pelo mosquito Aedes aegypti, por exemplo”, destaca a secretária Fernanda. Em apenas um bairro, mutirão de limpeza recolhe 16 toneladas de entulhos João Monlevade - No dia 14 de abril, uma equipe coordenada pela Vigilância Sanitária, foi até o bairro Metalúrgico para a realização de mais uma ação contra o mosquito Aedes Aegypti e prevenção à proliferação do caramujo africano. No dia anterior, estagiários da Secretaria Municipal de Meio Ambiente estiveram no bairro entregando panfletos de casa em casa, divulgando o mutirão e convocando os moradores a participarem Fotos: Acom PMJM Mutirão promoveu uma verdadeira varredura no bairro Metalúrgicos do trabalho, separando entulhos e recipientes que possam acumular água como garrafas, potinhos, pneus e latas, e também outros tipos de materiais como madeiras velhas, caixas d’água quebradas, colchões e sofás velhos. Durante toda a manhã do dia 14, 40 pessoas, entre agentes de endemias, equipe da Saúde da Família e funcionários do Centro de Saúde Laranjeiras, além de estagiários da Secretaria do Meio Ambiente e do Projeto Broto da Vida, se espalharam pelo bairro, juntando os materiais que foram recolhidos por um caminhão e pelo carro da Vigilância Sanitária. Ao longo do dia foram recolhidas 16 toneladas de entulhos, e ambos os veículos utilizados na ação fizeram três viagens cada, sendo que os reciclados foram encaminhados direto para a Atlimarjom (Associação dos Trabalhadores da Limpeza e Material Reciclável de João Monlevade).

[close]

p. 5

5abril de 2018 cidades poluidoras São Gonçalo do Rio Abaixo já caminha para tratamento de 100% do esgoto urbano Estação de Tratamento de Esgoto pronta para operar São Gonçalo do Rio Abaixo – A cidade de São Gonçalo do Rio Abaixo, com uma população estimada de 10.588 habitantes (Censo IBGE/2015), despeja diariamente cerca de 2 milhões de litros de esgoto, indiretamente, no Piracicaba e no Rio Doce. A cidade polui o rio Santa Bárbara que desagua no Piracicaba na comunidade de Capela Branca, município de Bela Vista de Minas. Diante dessa situação, a prefeitura de São Gonçalo, dando exemplo para toda região, já executou o projeto para construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), que visa tratar 100% dos esgotos urbanos do município. Para tanto será necessário a construção de emissários e interceptores de esgotos nos fundos dos vales até que este seja lançado na ETE, para ser tratado e lançado de volta no rio Santa Bárbara. Segundo informações da Assessoria de Comunica- ção da prefeitura da cidade, no caso de São Gonçalo, duas bacias formam a área urbana do município e que têm contribuições de esgotos: - uma refere-se à parte nova da cidade, composta pelos bairros Santa Catarina, Monte Verde e Cidade Universitária, que lançam atualmente seus resíduos no córrego Passa Dez (afluente do rio Santa Barbara), cujo volume de vazão, segundo informação da assessoria, é muito pequeno; - a outra parte dos esgotos, que tem a maior contribuição, é referente à parte antiga da cidade e lança seus dejetos direto no rio Santa Bárbara. Todos os bairros da área urbana que compõem estas bacias de contribuição são contemplados com redes de esgotos que são lançados no rio Santa Bárbara ou no córrego Passa Dez. No caso da bacia do córrego Passa Dez, conforme informam, já está previsto a construção de um inter- ceptor, paralelo ao córrego, interligando todas as redes que vem dos bairros desta bacia até a Elevatória de Esgoto Bruto Final, que irá juntar o esgoto das duas bacias e lançar na ETE para tratamento. No caso da bacia do rio Santa Bárbara o projeto seria mais complexo, pois, já existem construções nas duas margens do rio e áreas de rochas que chegam até a água. Assim, será necessária a construção de duas redes de emissários ao longo do rio, uma em cada lado, com três Elevatórias de Esgoto Bruto, para transpor estas barreiras, até chegar à elevatória final. Execução: Ainda conforme a assessoria, a prefeitura, pelo alto valor e volume da obra, licitou uma primeira fase do projeto, onde foi executada parte das redes de emissários da bacia do rio Santa Bárbara que tinham menores interferências, todo interceptor Divulgação da bacia do córrego Passa Dez, a Elevatória Final, o interceptor entre a Elevatória Final e a ETE. Essa prioridade foi dada levando-se em conta o crescimento muito rápido da contribuição da bacia do córrego Passa Dez e a sua baixíssima capacidade de depuração, em detrimento a bacia do rio Santa Bárbara, com capacidade plena de receber o efluente sem comprometer muito a qualidade da água, visto que os lançamentos são feitos separadamente ao longo de seu percurso na área urbana. Situação atual: Para o funcionamento da etapa já executada será necessário a interligação dos equipamentos da Elevatória Final e ETE ao sistema público de energia que se encontra pendente. A Prefeitura está preparando uma licitação para colocar esta primeira etapa em funcionamento e posteriormente, conforme a disponibilidade de recursos orçamentários, será executada a segunda fase do projeto global. cidades poluidoras Catas Altas: 1 milhão de litros de esgoto por dia \ 90% esgoto tratado *Santa Bárbara: 6,1 milhões de litros de esgoto por dia\sem tratamento *Barão de cocais: 6,3 milhões de litros de esgoto por dia\sem tratamento * Ainda não apresentaram informações sobre a existência de projetos para tratar o esgoto produzido pelas respectivas populações.

[close]

p. 6

6abril de 2018 Vereador apresenta projeto de lei para criação do Dia do rio Piracicaba O rio Piracicaba corta toda a cidade e empresta ainda seu nome para denominar o município, mas os cidadãos não dizem nem um “muito obrigado”. Agora vereador quer homenagear o importante curso d´água com um dia exclusivo. Rio Piracicaba - Com objetivo de estimular a preservação do rio Piracicaba, imprescindível curso de água que corta a cidade e empresta o nome para denominar o município, o vereador Tarcísio Bertoldo apresentou um projeto de lei para a criação do Dia Municipal do rio Piracicaba. Em entrevista ao Tribuna, o vereador explicou a importância do Projeto de Lei n° 1.948 de 23 de abril de 2018. “A criação do Dia Municipal do rio Piracicaba destaca a importância do rio para a cidade e estimula projetos de preservação e despoluição do mesmo e pensando na coletividade, apresentamos esse projeto que espero gerar mais ainda interesse e atenção dos piracicabenses, pois ele já desperta o interesse de estudiosos, professores da rede pública estadual e municipal, geógrafos, historiadores e universitários devido a importância para o estado”, informou. Para o vereador o “Dia do rio Piracicaba” é somente um pontapé inicial para se buscar a preservação e restauração do rio” explicou Tarcísio. O projeto que institui o “Dia Municipal do rio Piracicaba” e dá outras providencias traz a seguinte redação: Art. 1° Fica instituído no âmbito do Município de Rio Piracicaba, “O Dia Municipal do rio Piracicaba” que passará a ser celebrado todo o dia de vinte e dois de março, data que se comemora o dia internacional da água. Art. 2º O Dia Municipal do Rio Piracicaba tem como objetivo o desenvolvimento de ações educativas acerca do uso sustentável da água, com envolvimento da escola, família, e sociedade. Parágrafo Único. Essas ações serão implementadas na forma de campanhas institucionais, seminários, palestras, objetivando promover a conscientização geral da população sobre a realidade da água potável no planeta Terra e, em especial, a preservação do rio Piracicaba. Art. 3º O Poder Executivo poderá regulamentar a presente Lei no que couber. Art. 4° Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação. O projeto irá a plenário para apreciação dos vereadores. Prefeituras de 39 municípios receberão R$ 500 milhões para obras de saneamento Verba será repassada pela Fundação Renova, por meio do BDMG e Bandes, às cidades impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão Geral - Prefeituras dos 39 municípios afetados pelo rompimento da barragem de Fundão foram habilitadas a receber R$ 500 milhões para obras de saneamento. O repasse é uma das medidas compensatórias que a Fundação Renova se comprometeu a desenvolver e será feito por meio do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes). Além da verba, os municípios poderão contar com serviços de apoio técnico para o desenvol- vimento de seus projetos. No dia 6 de abril, durante o Fórum de Prefeitos, na cidade de Rio Doce, foi assinado o contrato com os 35 municípios de Minas Gerais. Evento similar será realizado com os quatro municípios capixabas. A ação é fundamental para a revitalização do rio Doce. Segundo o Comitê da Bacia Hidrográfica (CBH – Doce), 80% do esgoto doméstico gerado pelas cidades ao longo desta bacia não recebe tratamento, sendo lançado in natura nos cursos d’água, o que po- lui os rios e gera um forte impacto sobre a saúde da população. Dos 39 municípios que serão atendidos pelo programa compensatório da Fundação Renova, 27 não dispõem de tratamento de esgoto e apenas 6 tratam mais de 50% dos efluentes. Os outros seis restantes realizam o tratamento de uma pequena parte do esgoto, inferior a 50% do volume gerado. Os municípios receberão valores que variam de R$ 2,6 milhões a R$ 71,3 milhões, conforme o número de habitantes, o Fundo de Participação dos Municípios e os impactos sofridos. O repasse por meio do BDMG e do Bandes visa garantir a efetiva aplicação dos recursos em projetos e obras de esgotamento sanitário e disposição final de resíduos sólidos. O recurso será liberado em parcelas e se dará de acordo com o cronograma físico-financeiro e aprovação prévia das medições e prestação de contas. Ainda no âmbito do programa, a Fundação Renova oferecerá apoio técnico às prefeituras para habili- tação junto aos bancos, licitação, elaboração/ contratação de projetos, contratação e acompanhamento de obras e gestão das ações implementadas. “O projeto tem potencial para atrair novos recursos”, acredita Roberto Waack, presidente da Fundação Renova. Será assinado um acordo de cooperação técnica com a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES-MG), referência na elaboração de normas técnicas e procedimentos referentes a saneamento básico. A Fundação também irá estabelecer parceria com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que possui reconhecida expertise em saneamento básico e apoiará o trabalho, especialmente junto aos municípios com menos de 50 mil habitantes. Bacia do Piracicaba No Médio Piracicaba e na bacia do Piracicaba serão beneficiados os municípios de Sem-Peixe, São Domingos do Prata, São José do Goiabal, Dionísio, Marliéria, Timóteo e Ipatinga.

[close]

p. 7

29 de abril 7abril de 2018 Marley Mello Elvira Nascimento João Monlevade 54 anos Desejamos que as aniversariantes voltem suas ações para a busca efetiva da sustentabilidade Bela Vista de Minas Timóteo Homenagem do Tribuna do Piracicaba – A Voz do Rio Divulgação Elvira Nascimento Ipatinga

[close]

p. 8

8abril de 2018 Santa Bárbara apoia a agroecologia Fotos: AcomPMSB do Mercado Municipal. Já a feira da Agricultu- ra Familiar funciona, de sábado a quinta-feira, de 7h às 12h, e na sexta- -feira, de 6h às 17h, no Sindicato dos Trabalha- dores Rurais, localizado na Praça Leste de Minas. Nesse ambiente de apoio à agricultura familiar, o Município tem outras iniciativas que for- talecem o trabalho do homem do campo, en- tre elas, a aquisição de Prefeitura de Santa Bárbara quer incentivar o consumo dos produtos das feiras da cidade um caminhão 0km em atendimento integral à Santa Bárbara - Em Municipal cedido para te. No espaço, há tam- Agricultura Familiar apoio à agricultura fa- o funcionamento da fei- bém, quitandas. e a aquisição de uma miliar, a Prefeitura de ra Raízes. O projeto é Outro comércio da Agri- patrulha agrícola me- Santa Bárbara quer in- uma iniciativa conduzi- cultura Familiar é a co- canizada. centivar o consumo dos da pelos agricultores fa- nhecida feira do Sindi- Dentro da perspectiva produtos das feiras da ci- miliares comprometidos cato que também oferta de desenvolvimento so- dade - a Feira Raízes e a com a produção de base frutas, legumes e verdu- cioeconômico, o poder da Agricultura Familiar. agroecológica. Isso sig- ras naturais, artesanatos público também apoia Em ambas há comércio nifica que as verduras, e quitandas, entre outros o setor pela aquisição de legumes, frutas e ver- frutas e legumes não re- produtos, provenientes de seus produtos. Des- duras, produtos naturais cebem adubos químicos do campo, fortalecendo, de 2013 até meados de e agroecológicos. e agrotóxicos durante o assim, o cultivo ambien- 2017, a Prefeitura já Hoje, segundo informa cultivo. O objetivo é es- talmente correto e a eco- havia adquirido quase a assessoria de comu- timular uma alimentação nomia do município. R$700 mil em produtos nicação da prefeitura, mais saudável e mostrar A feira Raízes acontece da agricultura familiar, o município conta com a importância dessa prá- todo sábado, de 6h às dando um salto de 100% um espaço no Mercado tica para o meio ambien- 13h, no estacionamento nessas compras. Catas Altas busca voltar a ser mais ecológica Catas Altas - Desde que a atual gestão de Catas Altas assumiu em janeiro de 2017, tem promovido diversas ações com objetivo de tornar o município mais ecológico e adequado às condições sanitárias. Para isso, das 64 ações previstas no Plano de Governo voltadas para Agricultura, Meio Ambiente e Saneamento, 28,12% já foram executadas completamente e 20,31% estão em andamento ou são atividades realizadas constantemente. “Garantir condições adequadas para o produtor rural, esgoto tratado, água limpa e cidade mais verde e mais bonita são compromissos firmados por toda a nossa equipe. Estamos trabalhando arduamente para conseguir cumprir Divulgação Reginaldo Nascimento vem dando cara ecológica ao município cada um deles”, destaca o Secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Reginaldo Nascimento. Entre as ações desenvolvidas ou em execução constante, pode-se citar algumas: - Concessão de ação deliberativa ao Conselho Municipal de Meio Ambiente (CODEMA) efetivando a participação da comunidade; - promoção de educação ambiental nas escolas da rede municipal de ensino, em conformidade com legislação federal, disseminando informa- ções ao desenvolvimento da consciência crítica da população para a preservação do meio ambiente; - implantação de programas de preservação de nascentes; - criação de programas de recuperação e preservação ambiental de locais degradados, especialmente aqueles situados em áreas de preservação permanente; - desenvolvimento de ações de educação ambiental do munícipe e do turista; - promoção de melhorias nos serviços de limpeza e conservação dos espaços públicos e de seus equipamentos, inclusive limpezas de boca-de-lobo da rede pluvial; - controle de quantidade e vigilância sistemáti- ca de qualidade da água distribuída, além de promover o uso racional da água através do combate às perdas e desperdício, utilizando instrumentos educativos; - melhoria da prestação dos serviços de limpeza urbana com a ampliação gradativa da coleta seletiva de materiais reaproveitados de lixo domiciliar, comercial e público, com adequado manejo e destinação final dos resíduos; - promoção de ações de capacitação do produtor rural visando um aumento da qualidade dos produtos e as qualificações necessárias à sua inserção dos produtos no mercado regional; - criação de canais de comercialização direta à comunidade dos produtos agrícolas, como fei- ras livres e mercado; - instalação do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável, dando liberdade aos conselheiros na tomada de decisões de definição das ações e políticas públicas, efetivando a participação do produtor rural; - apoio e fornecimento de insumos agrícolas ao produtor rural. Logística para análise de solo, distribuição de calcário, adubação da terra, sementes de qualidade, patrulha agrícola para o desenvolvimento do setor rural proporcionando melhor produtividade; - manutenção periódica das estradas rurais, para escoamento de produção e incentivo ao produtor; - apoio e fortalecimento do Selo de Inspeção Municipal (SIM).

[close]

p. 9

9abril de 2018 Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente inicia atividades em 2018 Projeto propõe uma reflexão sobre os 3 Rs reduzir, reutilizar e reciclar Dindão Centro de Educação Ambiental da ArcelorMittal João Monlevade - O Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente retomou suas atividades e chega à 27ª edição em 2018. A novidade deste ano é a escolha do tema “Meio ambiente e ciência: reduzir, reutilizar e reciclar – os 3 Rs no meu dia a dia”. A preocupação com a destinação do lixo, a importância da economia circular e a implementação de soluções ambientalmente corretas são algumas questões na pauta que motivaram a definição pelo assunto. Cerca de 228 mil kits educativos foram produzidos para distribuição às escolas participantes e os educadores foram qualificados nos meses de março e abril. Voltado para alunos e educadores, o projeto visa estimular a experimentação científica. A expectativa é que mais de 300 escolas públicas e particulares se envolvam no projeto. As instituições de ensino estão localizadas em 32 municípios de Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo, Bahia e Santa Catarina. “Além da consolidação do seu modelo por projeto de ciências, o concurso tem o desafio de alcançar a cada ano uma maior participação da comunidade escolar. Acredito que a meta será atingida em função do tema estar relacionado ao cotidiano das pessoas. A reutilização do lixo e a reciclagem são questões que ganham cada vez mais destaque no Brasil”, aponta Leonardo Gloor, diretor-presidente da Fundação ArcelorMittal. Muitas das escolas que participam estão inseridas em localidades onde a coleta seletiva não é uma realidade. Diante disso, ganha mais importância trabalhar o conceito da redução do consumo e da economia circular. Ao trabalhar a questão na sala de aula, o Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente 2018 pretende envolver estudantes e professores sobre a importância do tema no cotidiano do aluno, estimular a curiosidade, o trabalho em equipe e a experimentação. O assunto ainda está em consonância com a atuação da empresa, que é adepta à economia circular. Em linhas gerais, a proposta é que os resíduos gerados pela produção de uma indústria sirvam de matéria-prima reciclada para ela própria ou para outras. No caso da ArcelorMittal, 9% de sucata gerada pela empresa é reutilizada na fabricação de um novo aço. Projeto O projeto é realizado em parceria com as Secretarias Municipais e Estaduais de Educação e Meio Ambiente e com as unidades locais da ArcelorMittal e Belgo Beka- ert. A edição do Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente no ano passado registrou aumento de 14% no número de alunos participantes e de 5% no total de escolas, em relação a 2016. No total, foram inscritos 425 projetos. Em 2017, 32 cidades participaram e foram beneficiadas cerca de 88 mil pessoas. Na Bacia do Piracicaba participam escolas das cidades de Antônio Dias, Bela Vista de Minas, João Monlevade, Nova Era, Rio Piracicaba e São Domingos do Prata.

[close]

p. 10

10abril de 2018 271 moradores participaram da pesquisa apresentada na manhã do dia 13, pela UFMG, também foram observados transtorno de ansiedade generalizada, estresse pós-traumático e comportamento suicida Tragédia da Samarco: Quase um terço dos atingidos por desastre sofre com depressão, diz estudo Mariana - Dois anos e cinco meses após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, 29% dos atingidos sofrem com depressão. O dado foi apresentado na manhã do dia 13 de abril pela Universidade Federal de Minas Gerais. Participaram da pesquisa 271 moradores da região. O índice da enfermidade é cinco vezes maior daquele registrado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no país. Para o pesquisador e médico Frederico Garcia a causa principal dos transtornos mentais que assombram essa população tem relação com a perda do vínculo com a terra e com a comunidade. “A comunidade tinha 200 anos. Os atingidos relatam a falta de coisas simples como o pé de goiabeira”, explica. O médico informou ainda que não esperava encontrar esses índices. “Dois anos depois, não esperávamos que o índice estivesse como logo após o rompimento”, completou. Além da depressão, foram observados transtorno de ansiedade generalizada, estresse pós-traumático, comportamento suicida, entre outros. O transtorno de estresse pós-traumático afeta 12% da popula- ção pesquisada. “O que chama muito a atenção é a gravidade dos casos”, analisou a pesquisadora Maila de Castro. O índice do transtorno de ansiedade generalizada atingiu 32%, número três vezes maior que a brasileira. O produtor rural Marino D’Ângelo sente na pele vários desses sintomas. Sem poder produzir o leite como fazia antes do rompimento, ele precisa de medicação para combater a depressão. Mesmo tomando remédios, ele ainda não consegue dormir. “Preciso ter minha vida de novo, minha terra”, contou. Fundação Renova diz que trabalha para garantir aos atingidos o acesso aos cuidados com a saúde Em nota, a Fundação Renova, criada para ajudar na reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem em Mariana informou que também realiza um estudo sobre os impactos da tragédia na saúde mental e física dos moradores, que deve ser concluído em 2019. Segundo a Fundação, os resultados parciais já estão sendo usados para nortear ações na área de saúde. Multa ambiental poderá financiar projetos e ações Medida permitirá que multas ambientais não quitadas possam ser convertidas em prestação de serviços ambientais Geral - O governador Fernando Pimentel assinou no dia 19, no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, acordo de cooperação para converter os recursos de multas ambientais não quitadas na prestação de serviços e de melhoria do meio ambiente. A iniciativa será desenvolvida pelo Governo de Minas Gerais, por meio do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), o Ministério Público Estadual e o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Em seu pronunciamento, o governador Fernando Pimentel destacou o pioneirismo da proposta em Minas Gerais, com destaque para aplicação dos recursos em causas ambientais. “É um passo muito importante, é um passo inédito. O estoque dessas multas poderá, agora sim, ser negociado - claro, com a supervisão do Ministério Público -, mas negociado de forma sadia para a comunidade, porque poderá ser convertido em prestação de serviços e ações de fortalecimento ambiental que beneficiem a comunidade. É transformar multa naquilo que ela deveria ser: um ressarcimento positivo para algum dano ambiental causado”, explicou. Fernando Pimentel também destacou que em Minas Gerais a iniciativa só foi possível devido à união dos diferentes poderes do Estado. O procurador-geral do Estado, Antônio Sérgio Tonet, classificou o dia da assinatura como “histórico” para o direito ambiental em Minas Gerais e no Brasil. “Minas Gerais sai na frente com essa parceria entre o Estado, todos os órgãos ligados ao meio ambiente, o Ministério Público, o Judiciário e a sociedade civil organizada em defesa do meio ambiente. Nós vamos, de forma consensual, conseguir resolver os três aspectos que envolvem os danos ambientais. Vamos resolver as questões penais, administrativas e cíveis. Vamos conseguir desafogar as demandas que podem ser resolvidas de forma consensual e resolver questões do direcionamento de muitas multas para causa da defesa do meio ambiente”, avaliou. O presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Geraldo Augusto de Almeida, lembrou da importância da conciliação. “Com o Centro Judicial de Solução de Conflitos e Cidadania, o Tribunal de Justiça está trazendo e participando com todos os entes públicos para uma solução rápida e menos burocrática possível para as soluções das questões e trazendo também, com isso, de certa forma, uma contribuição para o Estado de Minas Gerais”, afirmou. O secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Germano Vieira, também destacou o avanço de Minas Gerais na fiscalização preventiva. Segundo ele, todo esse trabalho se junta à ideia inovadora desse programa. “Ele vai permitir que, no mesmo ambiente de conciliação, você consiga equacionar o pagamento da multa ambiental, mas também a indenização civil e as denúncias criminais, tudo chancelado e com a segurança jurídica que é conferida pelo Tribunal de Justiça”, afirmou. Manoel Marques/Imprensa MG O governador Fernando Pimentel destacou o pioneirismo da proposta em Minas Gerais

[close]

p. 11

11abril de 2018 Na bacia do Piracicaba, eucaliptos da Cenibra dominam paisagem Geral - Inúmeros proprietários rurais e sitiantes vêm creditando à seca dos cursos d´água em suas propriedades ao plantio cada vez maior do eucalipto. Pesquisando a respeito, o Tribuna do Piracicaba – A Voz do Rio encontrou legislação que limita o cultivo da espécie, em metragem, próximo a nascentes e cursos d´água, sendo em um raio de 50 metros no entorno de nascentes e às margens de cursos d’água (iniciando-se com faixas marginais de 30 metros para cursos d’água com largura inferior a 10 metros) e ainda em terrenos com declividade acima de 45 graus. Ainda conforme pesquisa, a reportagem encontrou extensa matéria sobre o tema – sendo que o destaque ficou para a forma como se cultiva e não o cultivo da espécie em si. Segundo a biografia, o problema é justamente a falta de respeito às normas técnicas e à legislação para o cultivo do eucalipto, fazendo com que a espécie seja acusada de ser a vilã. Área da ArcelorMittal Na bacia do Piracicaba, o que antes era da CAF de propriedade da então Cia Belgo Mineira, hoje pertence à Cenibra e esses eucaliptos dominam a paisagem. Entretanto, uma extensa área também na Bacia do Piracicaba, plantada de eucaliptos, ainda pertencente à ArcelorMittal, mas se encontra desativada, ou sem manutenção ou corte desses exemplares. Nossa reportagem solicitou da ArcelorMittal informações sobre a extensão e localização dessas áreas, mas a as- MUNICÍPIO ÁREA Alvinópolis 59.979 Antônio Dias Barão de Cocais Bela Vista de Minas Bom Jesus do Amparo Catas Altas Coronel Fabriciano Dionísio Ipatinga Itabira João Monlevade Jaguaraçu Mariana Marliéria Nova Era Rio Piracicaba São Domingos Prata São Gonçalo Rio Abaixo 78.707 34.056 10.852 19.516 23.821 22.208 -------16.609 125.449 --------------119.386 54.368 36.001 37.317 74.637 36.475 Santa Bárbara Timóteo 68.471 -------- CENIBRA PLANTADA 4.182 1.859 16.669 8.740 3.660 1.971 1.131 411 721 433 5.507 3.117 5.966 2.678 ------- ------ 2.059 726 5.926 2.551 ------- ------ ------- ------ 3.201 1.161 774 358 7.993 3.730 595 286 3.682 2.014 7.919 3.958 9.444 ------ 5.604 ------ sessoria solicitou tempo maior para levantamento dessas informações. Área da Cenibra Questionada sobre o tema a Cenibra informou que a empresa maneja uma área total de 254 mil hectares, sendo 51% de plantio de eucalipto; 41% de área de Preservação Permanente e Floresta Nativa; e o restante em áreas destinadas para infraestrutura e outros, sendo mais de 103 mil hectares de área de preservação permanente e reserva lega. A empresa enviou também a relação de área e localização das mesmas distribuídas por cidade conforme quadro – na Bacia do Piracicaba. Cumprido legislação Ainda segundo a Cenibra, as plantações de eucalipto da empresa estão em conformidade com a legisla- ção florestal. As plantações estão afastadas em, no mínimo, 30 metros de cursos d’água e 50 metros ao redor de nascentes. Segundo a assessoria da Cenibra, a empresa possui um planejamento ambiental realizado em todas suas propriedades que tem como uma de suas principais atribuições identificar locais onde possa ocorrer desvios e, se isso existir, promover a adequação. Questionadas sobre a situação da represa de Peti, a empresa informou que há árvores de eucalipto de grande porte situadas em distância menor que a exigida pela legislação, que neste local é de 50 metros, entretanto estas árvores são remanescentes de plantios realizados pela antiga proprietária da área: “Não se tratam de plantações manejadas pela Cenibra e, em sua maioria, estas árvores não serão cortadas, pois estão plenamente integradas ao ambiente de mata ciliar da represa de Peti e o corte promoveria grande impacto às árvores nativas vizinhas”, informou a assessoria. Ainda questionada sobre se a Cenibra, diante a extensa área plantada, acompanha de perto a limitação exigida pela legislação, a empresa informou que as áreas de preservação permanente estão em fase final de adequação nas terras da empresa, embora ainda o Programa de Regularização Ambiental (PRA), previsto no Código Florestal, ainda não esteja regulamentado e, portanto, esta obrigação ainda não esteja efetivada: “O planejamento ambiental realizado tem abrangência em todas as terras da empresa e, quando desvios são identificados, eles são tratados quando a empresa reforma as plantações nestas terras”, esclareceram. Disponibilidade hídrica Sobre a questão da escassez hídrica a Cenibra informou que pratica uma gestão ambiental que busca o equilíbrio entre a execução das atividades operacionais e a preservação do meio ambiente: “A respeito do cenário atual de crise de disponibilidade hídrica, a Cenibra possui um Grupo de Trabalho que desenvolve estratégias de curto, médio e longo prazo para garantir sustentabilidade aos processos da empresa de forma integrada ao desenvolvimento das comunidades em que atua, respeitando também diretrizes das Deliberações Normativas emitidas por Governos e órgãos competentes”. Segundo a empresa, atualmente, ela maneja florestas em 54 municípios de Minas Gerais, uma área de 255 mil hectares, sendo 51% de cultivo de eucalipto; 41% com matas nativas na forma de áreas de Preservação Permanente, Reserva Legal e outras áreas protegidas; e o restante em áreas utilizadas como aceiros, estradas e outras infraestruturas “Programas de monitoramento de água, solo, fauna e flora são desenvolvidos em parceria com universidades e empresas especializadas. Os resultados destes monitoramentos são considerados no planejamento das atividades operacionais, bem como na definição de estratégias de conservação e proteção do patrimônio natural da Empresa, composto por mais de 103 mil hectares de matas nativas. Esta área (maior do que os 20% exigidos legalmente - Lei Nº 12651/2012 – Código Florestal) é povoada por uma rica fauna silvestre e conta com diversos lagos e cursos d’água devidamente protegidos, segundo os critérios legais. Estas áreas abrigam mais de 4.500 nascentes devidamente protegidas, que fornecem água limpa para as comunidades vizinhas da Empresa, bem como mantém a biodiversidade. Considerando a integração das atividades florestais e industriais, a Empresa apresenta um balanço positivo e favorável à disponibilidade hídrica”, informaram. Segundo a assessoria, atualmente, 95% da água que é captada e utilizada no processo de fabricação da celulose, retorna ao Rio Doce, após passar pela Estação de Tratamento de Efluentes da Empresa, com todos os parâmetros de qualidade exigidos pela legislação plenamente atendidos.

[close]

p. 12

JUBILEU DO SENHOR BOM JESUS RIO PIRACICABA PROGRAMAÇÃO TERÇA-FEIRA, 01 DE MAIO Dia de São José Operário e do Trabalhador Bênção dos Trabalhadores e da Carteira de Trabalho 7h30 – Missa no Santuário do Senhor Bom Jesus. Pe. Arlindo 15h30 – Confissão Comunitária na Matriz de São Miguel. Pe. Ricardo Caricati 18h – Missa no Santuário do Senhor Bom Jesus, em seguida procissão para a Gruta do Senhor do Bonfim. Pe. Nelson Antônio / Belo Horizonte QUARTA-FEIRA, 02 DE MAIO 19h – Missa na Gruta, em seguida procissão para o Rosário. Dom Marco Aurélio Gubiotti / Bispo Diocesano QUINTA-FEIRA, 03 DE MAIO 7h30 – Missa no Rosário, em seguida procissão para a Matriz. Pe. Arlindo 10h – Missa dos Romeiros na Matriz São Miguel. Pe. Ricardo Caricati 12h – Terço dos Romeiros 14h – Missa na Matriz São Miguel. Pe. José Ricardo / São José do Goiabal 14h – Leilão de Bezerros no Parque de Exposição 19h – Missa Festiva na Matriz São Miguel, em seguida procissão para o Santuário do Senhor Bom Jesus, encerrando com a Bênção do Santíssimo. Pe. Ricardo, Pe. Arlido e José Ricardo. SEXTA-FEIRA – 04 DE MAIO 19h – Celebração e Bênção no Santuário do Senhor Bom Jesus, em seguida procissão para a Matriz com a Imagem de São Miguel. Pe. Ricardo Caricati. 12abril de 2018

[close]

Comments

no comments yet