Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

Pede-se permuta Coopération attendue We ask for exchange Se pide intercambio Contato Instituto internacional da Língua Portuguesa (IILP) Av Andrade Corvo, nº 8 Plateau, Cidade da Praia - Cabo Verde Telefone: (238) 261 95 04 www.iilp.org.cv www.riilp.org e-mail: revistariilp@gmail.com REVISTA PLATÔ NÚMERO ESPECIAL: PORTAL DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA / LÍNGUA NÃO MATERNA (PPPLE) Organização Edleise Mendes Viviane Bagio Furtoso Editores Gilvan Müller de Oliveira Rosângela Morello Secretaria Executiva Denise Fonseca Comitê editorial Ana Isabel Soares (Instituto Camões, Portugual) António Branco (Universidade de Lisboa, Potugal) Clémence Jouët-Pastré (Universidade de Havard, Estados Unidos da América) Emir José Suaiden (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia/IBICT, Brasil) Gregório Firmino (Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique) Guadelupe Teresinha Bertusse (Universidade Pedagógica do México, México) Manuel Monteiro da Veiga (Universidade de Cabo Verde, Cabo Verde) Maria José Grosso (Universidade de Macau, Macau) Equipe Técnica Rosângela Morello: supervisão técnica Rosângela Morello: revisão Ana Paula Seiffert: divulgação Evelyn Henkel: design gráfico Vanessa de Luca Bortolato: design gráfico Ficha catalográfica Platô Revista do Instituto Internacional da Língua Portuguesa - Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) - V.4, N.7 (2018), Cidade da Praia, Cabo Verde: Editora do IILP, 2018. Semestral ISSN: 2311-6625 on line Arte da capa: Felipe Almeida e Vanessa de Luca 1. Língua Portuguesa - Periódicos. 1. Instituto Internacional da Língua Portuguesa Todos os direitos autorais estão reservados a PLATÔ/IILP

[close]

p. 3

ÍNDICE 06 Apresentação Edleise Mendes e Viviane Bagio Furtoso 10 O PPPLE: avanços e perspectivas atuais Marisa Mendonça 14 O Portal do Professor de Português Língua Estrangeira/ Língua Não-Materna (PPPLE): Origem e Primeiros Passos Gilvan Müller de Oliveira 20 Orientações do PPPLE para a produção de materiais e recursos didáticos: uma perspectiva plural para aprender, avaliar e ensinar em PLE/PLNM Edleise Mendes Viviane Bagio Furtoso 32 Reflexões sobre o ensino intercultural: rompendo fronteiras e tecendo novas histórias com o Portal do Professor de Português Língua Estrangeira/Língua Não Materna (PPPLE) Daniela Mascarenhas Benedini Camila Alves Gusmão 42 Políticas linguísticas para a promoção do português: considerações sobre o Portal do Professor de Português Língua Estrangeira/Língua Não Materna (PPPLE) Luana Moreira Reis PLATÔ ABRIL DE 2018

[close]

p. 4

ÍNDICE 64 A abordagem intercultural e a produção de unidades didáticas para o PPPLE Arthur Vargens Diogo Oliveira do Espírito Santo 80 98 112 As Unidades Didáticas do Portal do Professor de Português Língua Estrangeira (PPPLE): foco nas competências Liliane de Oliveira Neves Natália Moreira Tosatti Jerônimo Coura-Sobrinho A abordagem lexical nas Unidades Didáticas brasileiras de nível de proficiência 1 do PPPLE Everton Luiz Franken Elaboração de roteiro didático a partir do PPPLE: O percurso da experiência e suas implicações Vanessa C. Araújo Viviane Bagio Furtoso PLATÔ ABRIL DE 2018

[close]

p. 5



[close]

p. 6

Apresentação PORTAL DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA / LÍNGUA NÃO MATERNA (PPPLE) Edleise Mendes e Viviane Bagio Furtoso Desde o seu lançamento oficial, por ocasião da II Conferência Para o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial, realizada em Lisboa, em 2013, o Portal do Professor de Português Língua Estrangeira / Língua Não Materna (PPPLE) vem sendo utilizado e aprimorado, ao longo dos últimos anos, como ambiente de promoção da língua portuguesa em uma perspectiva multilateral e pluricêntrica. Planejado, desenvolvido e mantido pelo Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), a partir do que demandou o Plano de Ação de Brasília (PAB, 2010), documento resultado da I Conferência para o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial (Brasília, 2010), o PPPLE é uma plataforma on-line, que oferece materiais e recursos didáticos para o ensino de português a falantes de outras línguas, e conta hoje com material produzido por seis dos nove países que integram a CPLP: Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal e Timor-Leste. Proximamente, o Portal incorporará a contribuição dos outros países membros, uma vez que a iniciativa é um dos projetos de destaque do IILP, que tem como função principal trabalhar para a promoção, a projeção e a difusão do português como patrimônio de toda a comunidade lusófona. O PPPLE hoje conta com mais de 9.000 utilizadores cadastrados e já ultrapassou o número de 550.000 acessos, a partir de 169 países. Até setembro de 2017, serão mais de 750 Unidades Didáticas disponíveis para o ensino de português para falantes de outras línguas, correspondendo à disponibilização de 1500 horas de aula, gratuitamente, para professores de português que atuam em diferentes partes do mundo. As Unidades Didáticas estão disponíveis em três níveis de proficiência, Níveis 1, 2 e 3, e também para grupos específicos, como falantes de português como língua de herança / português para crianças e jovens, para falantes de espanhol e para falantes de chinês. A organização deste número especial da Revista Platô reúne, desse modo, artigos que registram a memória do processo de criação desse relevante projeto, bem como dados sobre o seu aprimoramento e planejamento futuros. Além disso, apresenta os resultados de algumas pesquisas já desenvolvidas sobre o PPPLE, a partir da experiência de utilização de seus materiais e recursos, por professores, pesquisadores e alunos. Aqui, portanto, serão analisados diferentes aspectos relativos ao Portal, tanto do ponto de vista de sua concepção teórica e metodológica, bem como do seu funcionamento. No artigo que inaugura o volume, a atual Diretora Executiva do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), Marisa Mendonça, retoma a trajetória do desenvolvimento do PPPLE, apontando os seus desdobramentos e avanços, desde o início do seu mandato, em outubro de 2014, e apresentando as novas perspectivas e planos para a expansão e o aprimoramento do projeto para os próximos anos. Em seguida, Gilvan Müller de Oliveira apresenta um breve histórico sobre a etapa inicial 6 PLATÔ V.4 N.7 2018

[close]

p. 7

Apresentação - Portal do Professor de Português Língua Estrangeira / Língua Não Materna (PPPLE) Edleise Mendes e Viviane Bagio Furtoso de planejamento e desenvolvimento do PPPLE, até o seu lançamento oficial, em 2013, e o seu primeiro ano de funcionamento, em 2014. Entre outros aspectos, o ex-Diretor Executivo do IILP apresenta o quadro político do Portal à época de sua criação e os desafios enfrentados para a sua consecução, bem como os impactos iniciais de seu lançamento. No artigo das professoras Edleise Mendes e Viviane Furtoso, Coordenadora e ViceCoordenadora da Equipe Assessora Central do PPPLE, respectivamente, são apresentados os princípios teóricos e metodológicos que embasaram o planejamento e o desenvolvimento do PPPLE, com destaque para as orientações que balizaram, e ainda balizam, o processo de desenvolvimento de novas Unidades Didáticas. Além disso, são discutidas as diferentes articulações entre as dimensões do aprendizagem e da avaliação nas práticas de ensino de português para falantes de outras línguas, via a experiência do Portal, ressaltando a relação entre língua e cultura e o seu entendimento como instância fundamental para o desenvolvimento de um processo intercultural de aprendizem/avaliação/ensino de línguas, notadamente o português como língua estrangeira / língua não materna. Tomando como base os conceitos de cultura e de interculturalidade e a concepção de língua como cultura e suas repercussões na elaboração de materiais didáticos, o artigo de Daniela Mascarenha Benedini e Camila Alves Gusmão analisam as Unidades Didáticas propostas pelo PPPLE com objetivo de compreenderem de que modo esta plataforma online propicia uma aprendizagem culturalmente sensível aos sujeitos em interação. As autoras reconhecem o investimento da equipe brasileira do Portal em produzir materiais que correspondam às teorias que consideram a prática intercultural como uma necessidade de atuação por um ensino mais crítico, ressaltando a postura protagonista que o professor deve adotar ao fazer uso das UD, escolhendo atividades mais adequadas ao contexto de uso, adaptando o material sempre que necessário de acordo com as perspectivas do grupo. Ampliando a reflexão acerca da importância de uma formação de professores de línguas cada vez mais crítico-reflexivos sobre os seus papéis como educadores e, por consequência, de alunos cada vez mais engajados com sua própria aprendizagem, o trabalho de Luana Reis conclui que o processo de ensino-aprendizagem de PLE-PLNM sob uma perspectiva pluricêntrica e intercultural pressupõe uma maior familiarização com os diversos espaços de circulação do português e das línguas que com ela interagem nesses espaços. Por meio do diálogo intercultural torna-se possível o desenvolvimento de uma postura mais positiva diante das variações e a dissipação de uma representação homogênea e equivocada do português. Nesse sentido, a autora aponta que o PPPLE pode ser uma contribuição relevante para uma política de formação e valorização profissional à medida que incentiva o investimento na formação de professores que saibam elaborar, utilizar e também maximizar o potencial dos materiais didáticos disponíveis. Professores de PLE-PLNM que não sejam apenas espectadores dos materiais didáticos prontos e acabados que chegam às suas mãos, mas professores que possam atuar como gestores e promotores da língua que ensinam. Fechando o conjunto de textos deste número da Revista Platô que investiga a abordagem intercultural para a orientação de material didático, Arthur Vargens e Diogo Oliveira do Espírito Santo analisam atividades do PPPLE com o intuito de estabelecer pontes com o desenvolvimento crítico e reflexivo de aprendizes e professores de línguas. Para os autores, a abordagem intercultural não é uma utopia. Ela é uma realidade possível, que exige, antes de tudo, disposição. Ela orienta a produção de materiais didáticos, os planos de cursos, mas, principalmente, a atitude do professor. Para os autores, o PPPLE traz a oportunidade de os professores terem acesso a uma nova abordagem, a qual talvez não tenham tido acesso na formação como professor de língua e que encontram pouca correspondência com materiais didáticos produzidos mundo afora. As unidades do PPPLE se propõem a serem materiais sensíveis às realidades dos falantes de língua portuguesa que não mais se concentram apenas em dois polos de produção. PLATÔ V.4 N.7 2018 7

[close]

p. 8

Apresentação - Portal do Professor de Português Língua Estrangeira / Língua Não Materna (PPPLE) Edleise Mendes e Viviane Bagio Furtoso O potencial do PPPLE na formação de professores de línguas continua permeando o próximo artigo da Revista, uma vez que Liliane de Oliveira Neves, Natália Moreira Tosatti e Jerônimo Coura-Sobrinho ressaltam a enorme contribuição que o Portal representa para a área do ensino da Língua Portuguesa como não materna. Os traços culturais dos países da CPLP são manifestados nas UD assim como o são os diferentes usos que se fazem da língua portuguesa nesses espaços e também nas diásporas. Tudo isso contribui para a difusão do idioma, além de enriquecer enormemente o trabalho de professores que nem sempre puderam, ao longo de sua formação, conhecer o espaço da lusofonia. No que diz respeito à aprendizagem, os autores analisaram seis UD, tomando como base o construto teórico do Quadro Europeu Comum de Referência, bem como a Teoria Semiolinguística, análise esta que mostrou como as UD podem orientar o aprendiz para o desenvolvimento das competências linguística, semiolinguística, sociolinguística, situacional, pragmática e discursiva, em situações reais de comunicação, de forma a favorecer a interlocução. Sendo o léxico uma dimensão da língua que compõe as competências comunicativas discutidas no texto anterior, a contribuição de Everton Luiz Franken se dá pela investigação e discussão, a partir de exemplos, das formas apresentação, exploração e fixação do léxico nas atividades das Unidades Didáticas brasileiras do Nível 1 do PPPLE. Com esse objetivo, o autor adota a perspectiva da abordagem lexical, enfatizando esse componente como um dos aspectos fundamentais no processo de ensinar e aprender uma língua estrangeira ou segunda. O artigo apresenta como resultado das análises o fato de que a abordagem lexical implícita - a partir da prática de habilidades comunicativas da língua, constitui-se na modalidade de desenvolvimento lexical mais frequente nas UD do Portal, sendo a leitura e a escrita os destaques como habilidades mais incidentes, enquanto a compreensão oral e as tarefas vinculadas à pesquisa são as menos exploradas. Depois de olharmos para aspectos linguísticos e conjuntos de Unidades Didáticas analisados sob diversas perspectivas e abordagens teórico-metodológicas complementares, o trabalho de Vanessa C. Araújo e Viviane Bagio Furtoso apresenta uma experiência com a elaboração de um Roteiro Didático (RD) a partir da definição do Portal: um percurso elaborado para o ensino de PLE/PLNM, que organiza conjuntos de Unidades Didáticas reunidas por algum eixo temático ou de interesse específico de aprendizagem. Assim, o artigo aborda o processo de desenvolvimento e a experiência de elaboração de um RD, a partir da seleção de Unidades Didáticas do PPPLE, discutindo as suas implicações para o processo de aprender, avaliar e ensinar português para falantes de outras línguas. Entre outros aspectos, as autoras destacam a importância do uso contemporâneo de Recursos Educacionais Abertos (REA), como é o PPPLE, no campo da produção de materiais didáticos para o ensino de línguas e, finalmente, propõem algumas diretrizes para orientar a produção de novos roteiros didáticos com base no Portal. Finalizamos esta apresentação, reconhecendo que o conjunto de textos que compõe este número da Revista Platô representa o resultado de experiências de uso e de reflexão sobre o PPPLE, seus princípios, orientações, funcionalidades e potencialidades. Por essa amostra, é possível antecipar que o Portal, desde o seu lançamento, em 2013, alcançou grande sucesso junto a professores, alunos e pesquisadores, de várias partes do mundo, justamente por seu caráter democrático e aberto, fornecendo às pessoas, de modo gratuito, materiais e recursos para o ensino de português a falantes de outras línguas. O Portal avança e já podemos antever os seus impactos em futuro próximo, o que com certeza merecerá outras reflexões e análises. 8 PLATÔ V.4 N.7 2018

[close]

p. 9

Apresentação - Portal do Professor de Português Língua Estrangeira / Língua Não Materna (PPPLE) Edleise Mendes e Viviane Bagio Furtoso PLATÔ V.4 N.7 2018 9

[close]

p. 10

O PPPLE: AVANÇOS E PERSPECTIVAS ATUAIS Marisa Mendonça Sobre o autor Marisa Mendonça Diretora Executiva do Instituto Internacional da Língua Portuguesa - IILP 10 PLATÔ V.4 N.7 2018

[close]

p. 11

O PPPLE: avanços e perspectivas atuais Marisa Mendonça O Portal do Professor de Português Língua Estrangeira/Língua Não Materna (PPPLE) é um dos projetos-bandeira do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), órgão da Comunidade dos Países de Lingua Portuguesa (CPLP). A atual Direção Executiva (2014-2018) elegeu um conjunto de príncipios orientadores para a sua gestão, dentre os quais, de momento, importa destacar o da “continuidade” e o da “inovação”. O PPPLE, como um dos principais projetos da Instituição, encerra, em si mesmo, ambos os príncipios, se se considerar, por um lado, que os objetivos do Portal e a sua configuração interna de base se mantém e, por outro lado, que as principais estratégias de desenvolvimento do projeto se têm mantido válidas e realizáveis. Porém, considera-se justo considerar que simultaneamente ao anteriormente referido, ao Portal do Professor de Português de Língua Estrangeira/Língua Não Materna se têm imposto uma série de ações que tem permitido uma melhoria da plataforma, aprimorando, assim, um mais fácil acesso dos utilizadores aos conteúdos disponibilizados na mesma. O principal público-alvo do PPPLE, o professor de Português, tem contribuído para um cada vez maior refinamento do próprio Portal, na medida em que, na perspetiva em que se coloca, tem feito chegar à Institutição e aos gestores da plataforma as suas opiniões e sugestões sobre a funcionalidade e sobre a utilidade dos recursos disponibilizados. A par do público em geral e dos professores, de forma mais particular, importa sublinhar que a Instituição tem tentado, de forma permanente, responder e corresponder às propostas apresentadas de forma construtiva, que também têm sido formuladas e apresentadas em consequência da realização de um número considerável de pesquisas científicas, desenvolvidas sobre o Portal. A conciliação de ações que traduzem as perspetivas de continuidade e de inovação parece fundamental, se se considerar, acima de tudo, os elementos motivadores e os critérios assumidos para a conceção do PPPLE, mas também, o seu caratér inovador e único para a Língua Portuguesa. Importa, destacar, neste âmbito, que o Portal reflete, no seu conteúdo, as diferentes variantes da Língua Portuguesa, as formalizadas e descritas (brasileira e europeia), mas também, todas as outras, ainda em construção e ainda não descritas, porém, em uso nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e em Timor-Leste. As unidades didáticas desenham uma ampla moldura desta nossa língua-património comum, nas suas aproximações e especificidades, fruto de uma também natural convivência entre ela e as demais línguas que habitam a Comunidade de Países de Língua Portuguesa e muito para além dela. O Portal e o seu conteúdo refletem os povos-falantes do Português, as suas culturas, as suas vozes, a sua enorme riqueza, em níveis diferenciados. Considerando, por um lado, vários testemunhos obtidos e o interesse que se tem vindo a notar para a realização de pesquisas sobre o PPPLE, pode-se concluir que esta plataforma tem sido significativamente útil e de reconhecida valia. Outros elementos que permitem sustentar esta ideia prendem-se com o crescente número de visitas e de utilizadores do Portal, o aumento permanente do número de países onde se utilizam os conteúdos da plataforma e o número significativo de pesquisas realizadas e de contextos de reflexão e de discussão sobre o PPPLE, em conferências internacionais. A par do já referido, importa ressaltar que os Cursos oferecidos para a elaboração de materiais para o Portal têm tido uma adesão crescente, não só por parte de professores de Língua Portuguesa, mas também, por parte de profissionais com formações complementares a esta em áreas muito específicas. As formações desenvolvidas, até o momento, oito cursos, têm tido, quer um caratér generalista e, nesta perspetiva formado equipas nacionais dos países de Língua Portuguesa, garantindo, assim, um desenvolvimento da área central do Portal, quer um caráter mais PLATÔ V.4 N.7 2018 11

[close]

p. 12

O PPPLE: avanços e perspectivas atuais Marisa Mendonça específico, dilatando assim os conteúdos oferecidos pela plataforma, como sejam, por exemplo, as perspetivas do ensino do Português como língua de herança, como língua de acolhimento, materiais para o ensino de Português a falantes de espanhol, entre outros. Ressalta-se que os cursos, principalmente os de caráter generalista, têm tido redobrados benefícios para os PALOP, na medida em que proporcionam a formação de equipas nacionais para a produção de materiais de ensino. Os conhecimentos proporcionados e desenvolvidos nestas formações têm-se mostrado válidos e, de certa forma, transferíveis e adaptáveis para outros contextos de produção de materiais para o ensino de língua(s). De forma sintética, importa salientar que parece útil considerar: ▪▪ o alargamento permanente, mas realista, da oferta de formações (cursos) que visam ao alargamento dos conteúdos disponibilizados na secção principal e nas secções específicas do Portal; ▪▪ a possibilidade dos Cursos num evento mais alargado, que permita uma reflexão, quer inicial, quer continuada, sobre a temática e/ou perspetiva elegida para cada formação específica; ▪▪ a adoção de estratégias variadas para uma maior e melhor divulgação do Portal; ▪▪ a cada vez maior, mas segura, diversificação dos recursos oferecidos na plataforma, tendo em conta os reais recursos disponíveis na Instituição. 12 PLATÔ V.4 N.7 2018

[close]

p. 13

O PPPLE: avanços e perspectivas atuais Marisa Mendonça PLATÔ V.4 N.7 2018 13

[close]

p. 14

O PORTAL DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA/ LÍNGUA NÃO-MATERNA (PPPLE): ORIGEM E PRIMEIROS PASSOS Gilvan Müller de Oliveira Sobre o autor Gilvan Müller de Oliveira Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Gilvan.oliveira@ufsc.br Resumo Este texto apresenta um breve histórico das ideias que nortearam a fase inicial do Projeto Portal do Professor de Português Língua Materna/Língua Não Materna (PPPLE) do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (2012-14) e registra os passos realizados. 14 PLATÔ V.4 N.7 2018

[close]

p. 15

O Portal do Professor de Português Língua Estrangeira/ Língua Não-Materna (PPPLE): Origem e Primeiros Passos Gilvan Müller de Oliveira 1. PPPLE: origem e primeiros passos O Portal do Professor de Português Língua Estrangeira/Língua Não Materna (PPPLE) é hoje uma plataforma on-line reconhecida, com mais de meio milhão de acessos e com mais de nove mil utilizadores permanentes, que oferece unidades didáticas para o ensino de PLE/ PLNM elaboradas em diversos países de língua portuguesa e por professores especializados em diferentes contextos de ensino, como o contexto de herança, ou o contexto de ensino para falantes de línguas próximas, como o espanhol. A sua criação foi recomendada no Plano de Ação de Brasília para a Promoção, Projeção e Difusão do Português (PAB), documento anexo à resolução da VI Reunião Extraordinária do Conselho de Ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), ocorrida em 31 de março de 2010, por ocasião da I. Conferência Mundial sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial, realizada em Brasília de 25 a 31 de março de 2010. Este plano estabelece estratégias várias e linhas de ação para a internacionalização da língua portuguesa e foi adotado e assinado pelos Presidentes da República dos Estados-Membros da CPLP na VIII CONFERÊNCIA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA, realizada na capital angolana em 23 de julho de 2010: 13. No âmbito da promoção e divulgação da Língua Portuguesa e Ação Cultural: i) Saudaram a realização da Conferência Internacional Sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial e da VI Reunião Extraordinária de 16 Ministros da CPLP, que tiveram lugar em Brasília, entre 25 e 31 de março de 2010, e adoptaram o “Plano de Ação de Brasília para a Promoção, a Difusão e a Projeção da Língua Portuguesa”. Instaram, assim, os Estados membros a viabilizar a execução do Plano de Ação de Brasília, coordenando esforços com o IILP, as Comissões Nacionais do Instituto, as entidades da sociedade civil, com vista a implementar estratégias comuns para: a implantação da Língua Portuguesa nas organizações internacionais; a promoção e difusão do ensino da Língua Portuguesa no espaço da CPLP, nas diásporas e como língua estrangeira; a aplicação do Acordo Ortográfico; e a difusão pública da Língua Portuguesa nos diferentes meios de comunicação social; Resolve o Plano de Ação de Brasília no item II - Estratégias de Promoção e Difusão do Ensino da Língua Portuguesa, no ponto relativo a (iii) Instrumentos: 2. Atribuir ao IILP a tarefa de criar uma plataforma comum na Internet relativa ao ensino do português, contendo, entre outros recursos: - Rede virtual de professores de português para a partilha de experiências pedagógicas e recursos didáticos; - Acesso a recursos didáticos baseados nas tecnologias da informação e comunicação. Em primeiro lugar podemos verificar que, ao contrário de outros instrumentos para o ensino/aprendizagem de língua portuguesa, o PPPLE/PLNM foi recomendado pelo mais alto nível de governo dos Países de Língua Portuguesa, como um recurso comum e compartilhado. Vemos também que o plano atribui a tarefa explicitamente ao IILP, e que o instrumento a ser criado deveria ser uma rede para partilha de experiências e recursos didáticos usando recursos de TICs. PLATÔ V.4 N.7 2018 15

[close]

Comments

no comments yet