Jornal do Sinpol 252 - Fevereiro

 

Embed or link this publication

Description

Jornal do Sinpol 252 - Fevereiro

Popular Pages


p. 1

Março de 2018 O jornal mais lido e aguardado entre os policiais civis - Ano XXIV - MarcÇo de 2.018 - nº 252 JURISTA VISITA Luiz Flávio Gomes, que já foi investigador, delegado e juiz, visitou a nova sede social do Sinpol e elogiou o trabalho feito pela diretoria. Ele falou sobre as condições precárias enfrentadas pela Polícia Civil por falta de investimentos e sobre a desmotivação dos policiais civis, que acumulam grandes perdas salariais nos últimos anos. Leia na página 08. SINPOL EQUIPE DE PEDREGULHO FAZ APREENSÃO RECORDE Fotos: Delegacia de Polícia de Pedregulho Policiais civis da Delegacia de Pedregulho, na região da Seccional de Franca, fizeram a maior apreensão de maconha na história da cidade. Eles encontraram cerca de 130 quilos da droga escondidos em uma mata do município. Veja na página 05. E MAIS 4 Leia em Radar e Parabólica as notícias de destaque envolvendo policiais civis na região; 4 Sinpol firma parceria com faculdade em São Joaquim da Barra; 4 Presidente do Sinpol critica deputado Delegado Olim por elogiar Alckmin; 4 DISE Ribeirão prende família de traficantes no Conjunto João Rossi; 4 DIG Ribeirão prende receptador em Serrana; 4 Policiais civis de Franca apreendem centenas de pares de tênis falsos; 4 Jurídico obtém diversas vitórias para associados. CARCEREIRO Associado mais longevo do Sinpol, o carcereiro Élio Ferreira da Silva completou 100 anos no dia 18 de fevereiro e familiares organizaram uma bela festa no dia 24 de fevereiro, que contou com a presença de diretores do sindicato. Muito lúcido, ele expressa o orgulho em ter sido policial civil. Saiba mais na página 03. CENTENÁRIO Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br

[close]

p. 2

02 SERRANA Março de 2018 DIG RIBEIRÃO PRENDE RECEPTADOR Homem que já havia sido investigado antes foi flagrado com 30 televisores que constavam como produto furtado de uma transportadora Policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto conseguiram prender um homem por receptação na cidade de Serrana. O homem ainda não tinha apresentado antecedentes criminais anteriormente. Segundo o delegado titular da especializada, dr. Ricardo Turra, os policiais civis encontraram na casa do suspeito 30 aparelhos de televisão que haviam sido furtados de uma transportadora. “Chegamos até o suspeito após descobrirmos um televisor que teria sido vendida através do site de vendas, OLX. Foi assim que chegamos até o suspeito”, explica o dr. Turra. Os policiais civis da DIG estavam investigando, no dia 01 de fevereiro, um furto ocorrido no início deste ano em uma transportadora. E encontraram uma televisão que suspeitaram ser da carga roubada, que havia sido anunciada pelo site OLX. O aparelho tinha as mesmas características dos que compunham a carga furtada. Diante das evidências, os policiais civis foram a campo e descobriram que o anunciante era da cidade de Serrana. Ao ser abordado, o homem informou que apenas havia anunciado o produto no site da OLX, mas que o mesmo pertencia a outra pessoa. Ele indicou o local onde o suposto dono do televisor morava e que ganhava R$ 50 por cada aparelho que conseguisse vender pelo site da OLX, a título de comissão. Diante das informações, os policiais da especializada foram até a residência de T.L.O. Chegando ao local, os policiais civis encontraram o televisor. Encontraram também uma etiqueta, parcialmente suprimida, colada na caixa que acondiciona o aparelho. Desta forma, foi possível confirmar tratar-se do televisor furtado, diante do reconhecimento dos representantes da empresa vítima da ação criminosa. Além do televisor, os policiais civis encontraram diversos outros aparelhos. No total, havia 30 televisores que haviam sido furtados da transportadora. “É sempre bom lembrar que receptador é quem fomenta o furto”, acrescentou o dr. Turra. O homem foi autuado em flagrante, mas pagou fiança de R$ 15 mil e vai responder em liberdade. A carga foi apreendida e devolvida aos responsáveis pela transportadora. 10 furtos No final do mês de janeiro, uma equipe da DIG de Ribeirão Preto conseguiu esclarecer 10 furtos praticados na cidade por três pessoas. Uma delas estava presa desde o dia 25 de janeiro, quando policiais militares, após fuga, perseguição e colisão, conseguiram prender P.A., que conduzia um carro engatado a uma carreta onde estava uma lancha que havia sido furtada pouco tempo antes de uma oficina mecânica. O acusado foi apresentado à Polícia Civil, que realizou o flagrante, apreendeu a lancha e o veículo e encaminhou o inquérito à DIG. As investigações começaram imediatamente e, em pouco tempo, os policiais civis da especializada encontraram no sítio de um dos envolvidos outra lancha, que também havia sito furtada. Também encontraram quatro motocicletas de competição furtadas no início de 2018, além de roupas, que foram furtadas de uma loja no Boulevard. P.A. foi ligado então à gangue da marcha a ré, que comete furto em lojas de Ribeirão Preto utilizando um veículo furtado, jogando-o de ré contra uma vitrine, invadindo a loja e levando mercadorias de seu interior em poucos minutos, fugindo antes que a PM possa chegar ao local. Ele foi ligado a um dos membros dessa quadrilha, que também já está dedito. Diante disso, os policiais civis passaram a juntar as histórias e elucidaram a autoria de 10 furtos. O grupo teria furtado duas lojas de fogos de ar- tifício no centro, uma padaria, uma loja de equipamentos de jardinagem, quatro lojas de roupa, uma oficina de lanchas e uma oficina de motos. Outros suspeitos já foram identifica- Foto: Polícia Civil dos e a equipe de Patrimônio da DIG Ribeirão segue na busca para efetuar novas prisões. Os produtos encontrados no rancho já foram restituídos a seus proprietários. No alto, produtos encontrados na casa do receptador em Serrana, pela equipe do delegado Alexandre Jorge Daur Filho (foto acima), sob supervisão do titular da DIG de Ribeirão Preto, dr. Ricardo Turra (à esquerda)

[close]

p. 3

Março de 2018 ANIVERSÁRIO 03 ÉLIO COMPLETA 100 ANOS Associado mais longevo do Sinpol comemora marca inédita e recebe visita da diretoria do sindicato em festa que mobilizou a cidade Nascido em Pedregulho no dia 18 de fevereiro de 1918, o carcereiro aposentado Élio Ferreira da Silva recebeu, no dia 24 de fevereiro, familiares, parentes e amigos para comemorar uma das datas mais importantes: seu aniversário de 100 anos. E para prestigiar uma data tão importante, a diretoria do Sinpol esteve representada. Estiveram presentes à festa o presidente do sindicato, Eumauri Lúcio da Mata, o vice-presidente Célio Antonio Santiago e a diretora-secretária Fátima Aparecida Silva. Um grande almoço festejou a rica história de vida de Élio, que durante muitos anos foi carcereiro na Polícia Civil, com muito orgulho, como faz questão de afirmar o centenário associado do Sinpol. A festa foi realizada em sua cidade natal, numa chácara, em clima de muita alegria. “É uma honra conhecer o senhor Élio, profissional abnegado, um exemplo a ser seguido. E não podia deixar de dar-lhe um abraço em data tão especial”, revelou Eumauri. “Sempre admirei o Sinpol, em especial o trabalho do Eumauri. Ele defende muito bem os diversos policiais civis. É um grande sindicalista”, exalta o carcereiro aposentado. Durante o encontro, os dois conversaram sobre a Polícia Civil e sobre a carreira de Élio. Lúcido, dinâmico e com memória muito bem. Com muito vigor e alegria, o carcereiro aposentado Élio leva sua vida numa simples, mas aconchegante residência, na cidade de Pedregulho. Aos 100 anos, recém-completados no dia 18 de fevereiro, ele é o aposentado mais longevo do Sinpol e participa ativamente da vida sindical desde os tempos da Apocirp (Associação dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto), embrião do atual Sindicato dos Policiais Civis. Ele orgulha-se em dizer que foi carcereiro “concursado e cursado”. “Eu prestei concurso para carcereiro numa época em que carcereiros eram funcionários de confiança. Eu acu- mulava os cargos de papiloscopista, perito e carcereiro. Mas até como escrivão eu atuava. Se precisasse, como fiz muitas vezes, tocava a delegacia para o delegado”, orgulha-se. Naqueles tempos tão difíceis quanto os atuais, a pessoa indicada para a carceragem deveria participar de um Curso de Carcereiro. Esse curso daria o “Certificado de Conclusão do Curso de Carcereiro”. Élio Ferreira da Silva foi um dos melhores colocados no concurso, aprovado com média de 7,08. “Disputei com delegados e várias pessoas com nível universitário. Essas pessoas achavam o concurso o mais difícil da época”, diz o carcereiro, que guarda orgulhosamente o diploma do curso que concluiu com louvor. Antes de optar pela profissão de carcereiro, atuou muito tempo como escriturário da Secretaria da Fazenda. Também trabalhou por 20 anos na Prefeitura de Pedregulho, como porteiro e também atuando em diversos setores. Como carcereiro, atuou entre 1960 e 1968, quando se aposentou. Aprovado como carcereiro cursado e concursado, Élio foi trabalhar em Pedregulho. Na cidade, acumulava os cargos de papiloscopista, perito, escrivão e carcereiro. “Tínhamos poucos policiais. Quem trabalhasse em delegacias de pequeno porte, como a de Pedregulho, tinha que trabalhar em diversos setores da investigação”, comenta Élio. Foi um dos momentos em que Pedregulho menos sofreu com a fuga de presos, segundo ele. Na época em que Élio esteve à frente da carceragem da cadeia de Pedregulho, não foi registrada nenhuma fuga. Respeito Sobre a carreira, Élio acredita que o carcereiro deveria ser psicólogo. “O fato de estar em contato direto com criminosos exige muito pulso do profissional. Sempre tratei os presos com respeito, afinal também são seres humanos e não foi porque tiveram um desvio de conduta em determinado momento de sua vida que devam ser tratados como animais. Talvez seja por isso que também era muito respeitado na época”, relata. Com os presos também não tinha problemas. Ele explica que, por cinco anos, era o único carcereiro na cidade. Quando terminava o expediente, às 18h00, deixava as chaves com o Cabo da Polícia Militar que mantinha sentinela no local. Morava próximo e, se houvesse qualquer necessidade, a qualquer hora, o delegado mandaria lhe chamar. Para humanizar o local, formou horta e jardim, atividades que fazia por gosto. Trabalhava sério e possibilitava aos presos voltarem ao convívio social. “Muitas vezes saia de Pedregulho em minhas horas de folga, vinha até Ribeirão Preto, falava com os familiares dos presos e levava notícias para eles. Isso ajudou muita gente”, orgulha-se. E foi assim, com a memória em perfeitas condições, que Élio chega aos três dígitos de idade.

[close]

p. 4

04 EDITORIAL Março de 2018 NÃO ELEJA ALCKMIN Nós, policiais civis, ficamos extremamente per- prepara para ser candidato à presidência da Re- tituições policiais do País, quiçá da América Latina. ção cresceu. Uma conta extremamente cruel. plexos com o vídeo onde nosso colega de Institui- pública. Um governo sem visão, que trata o funcionário Nossos policiais civis estão velhos. Não está ção, o deputado estadual Delegado Olim, em dis- Desta forma, venho publicamente pedir a todos público como escravo e o salário do funcionalismo havendo renovação. Sobrecarregados, executam curso durante entrega de viaturas para o setor pe- os que apoiam e se solidarizam com a situação como despesa. Alguém capaz de ficar quatro anos serviço de três, talvez quatro policiais civis. Inquéri- nitenciário do Estado, faz rasgados elogios ao go- calamitosa vivida pela Polícia Civil, assim como pela sem dar qualquer reajuste aos servidores públicos tos se avolumam. Investigações não prosseguem vernador Geraldo Alckmin. Particularmente fiquei Polícia Militar, pela Segurança Pública em geral, e, quando resolve dar, em ano eleitoral, dá 7% por absoluta falta de recursos humanos. Delega- indignado e redigi um texto condenando uma atitu- pela Saúde e pela Educação: não votem em Geral- para a Educação, 4% para a Segurança Pública e dos morrem nas estradas para dar conta de duas, de tão descabida. do Alckmin. Não votem nos candidatos do PSDB. 3,5% para os demais servidores. Uma esmola. Não até três delegacias. Em todas as carreiras, a preo- O meu desagravo parece ter surtido efeito. O deputado Delegado Olim, que é merecedor repõe nada das perdas que tivemos neste período. cupação é enorme. E a pergunta que não quer Recebi dezenas de manifestações favoráveis, o que de respeito por sua carreira ilibada na Instituição Um governo que se recusou a negociar com calar: até quando? Até quando a Polícia Civil vai me fez ter a certeza de tomar a atitude correta. cometeu um tremendo erro ao se aliar ao algoz da os policiais civis. Insensível com os milhares de po- resistir, antes de fechar definitivamente suas por- Estamos sofrendo desde 1995 nas mãos do PSDB, categoria. Creio que o nobre delegado obteve o liciais civis e seus familiares, que vivem em situação tas? Com a palavra, o candidato a presidente da nosso maior algoz. Desde que assumiu, naquela voto de milhares de policiais civis, acreditando ser de estresse permanente. Nunca se trabalhou tanto República, Geraldo Alckmin. oportunidade, o governo do Estado, a situação da ele uma voz da categoria naAssembleia Legislativa. na Polícia Civil e nunca se ganhou tão pouco. Fal- EUMAURI LÚCIO DA MATA Polícia Civil entrou em declínio. Acentuou-se ainda Jamais ele poderia se aliar àquele que vem traba- tam dezenas de milhares de policiais civis. A Institui- Presidente do Sinpol (Sindicato dos mais no governo de Geraldo Alckmin, que agora se lhando para sepultar uma das mais respeitadas ins- ção encolheu na mesma proporção que a popula- Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) Novos Associados Associaram-se ao Sinpol em fevereiro os seguintes policiais civis: - Marcos Leandro Antonio, investigador em Guariba; - André Ciciline de Oliveira, investigador em Ribeirão Preto. A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro associativo do sindicato. Aposentados Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em fevereiro: - Cleonice Lúcia Ribeiro da Silva, carcereira de 1ª Classe; - Adilson Massei, delegado de 1ª Classe; - Hélio Foz Ribaldo, escrivão de 1ª Classe; - José Roberto Pim, investigador de 2ª Classe; - Marcelo Florêncio, investigador de 1ª Classe; - Paulo Roberto Scarparo, investigador de 1ª Classe; - Valéria Aparecida Benedito Fávero, escrivã de 1ª Classe; - Pedro Moretti Júnior, investigador de 1ª Classe; - Isabel Cristina Antunes Ravacci Scoqui, agente de telecomunicações de 1ª Classe; - Sônia Cardoso de Sá Ferreira, investigadora de 1ª Classe. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejando-lhes poderem usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. Falecimentos A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os seguintes falecimentos: + Maria dos Santos Moraes, mãe do investigador Signei Sebastião de Moraes, ocorrido em 13/02; + José Augusto Mendes, investigador de Ribeirão Preto, ocorrido em 18/02; + Paulo Sérgio Ribeiro Chagas, perito criminal de Batatais, ocorrido em 18/02; + José dos Santos, investigador de Ribeirão Preto, ocorrido em 19/02; + Wilson Aidar, pai do escrivão Wilson Aidar Júnior, ocorrido em 02/03; + Celso Garcia de Oliveira, perito criminal de Batatais, ocorrido em 04/03; + Florentina Silva Gonzalez, mãe do investigador Darcy Gonzalez, ocorrido no dia 07/03. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. NOTAS Plano de Saúde 1 Atenção associados. Verifiquem a data de validade no cartão magnético do convênio São Francisco Saúde, especialmente dos dependentes que cursam faculdade. Para que não ocorra carência, a declaração escolar deverá ser enviada, impreterivelmente, 20 dias antes da data limite de validade. Na dúvida, confira o verso da carteira do plano de saúde, onde consta a data do término da validade. Não deixe para a última hora. Maiores informações na Central de Atendimento Sinpol, telefones (16) 3625-3890 / 3612-9008 / 3979-2627. Cantina para o Associado A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. A cerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (16) 99398-8820 com Cristina. Atualização de dados Sinpol Para atualização de dados e de situação profissional, principalmente dos recém-aposentados, o Sinpol está promovendo um recadastramento de todos os associados. Participe da atualização e garanta o recebimento de toda correspondência que enviamos, pro- curando a Secretaria do Sinpol, ou enviando e-mail para secretaria@sinpolrp.com.br. Plano de Saúde 2 Devido a reclamações recebidas junto à Secretaria do Sinpol, a diretoria do Sindicato pede aos associados usuários do Plano de Saúde que confiram suas cobranças de coparticipação em consultas e exames relativos ao uso do convênio médico. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central de Atendimento do Sinpol, pelos telefones (16) 3612-9008 / 3625-3890. Atenção policiais civis O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, comunica aos associados que, caso necessitem de amparo na área jurídica relacionado à aposentadoria, assim como para acompanhar o andamento de ação já ajuizada, primeiramente entrem em contado com os diretores do Sindicato, através de nossa Central de Atendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 3625-3890 / 3977-3850 para oportuno agendamento com o dr. Ricardo Ibelli. Promoções em todas as carreiras O governo do Estado publicou na edição de 25/11/2017 do Diário Oficial lista com diversas promoções para policiais civis em atividade, das carreiras de investigador e auxiliar de papiloscopista. As listas foram disponibilizadas no site do Sinpol: www.sinpolrp.com.br. Consulte no campo Notícias. EXPEDIENTE O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: secretaria@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata; Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, Adilson Massei, Dorlei Morales, Cláudio Expedito Martins e Abraão Guevara Weigert Cleto; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Diretores Financeiros: Carlos Henrique Pischiotini e Cristina Moroti Felix; Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Conselho Fiscal: Prisclla Yoshi S. Hashimoto, Júlio Cesar Machado e Diva Rodrigues dos Santos; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Décio Kury Marques. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP - Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR FOTOGRÁFICO: Júlio Castro REPORTAGENS: Mariana Luque O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Boleto bancário emitido pelo Laboratório de Notícias DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça investigador Antonio Pereira Alvin Vanderlei Costa Aparecido Donizete Tremura MarcosAntonio Fernandes EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores.

[close]

p. 5

Março de 2018 PEDREGULHO 05 POLICIAIS FAZEM MAIOR APREENSÃO DE DROGAS Equipe da Delegacia de Polícia conseguiu realizar a maior apreensão já feita: 130 quilos de maconha, escondidas numa mata Graças a uma ação bastante eficien- lheram todas as evidências possíveis te, policiais civis da Delegacia de Polí- para tentar identificar os donos da dro- cia de Pedregulho conseguiram realizar ga. Segundo o policial civil Livingstone a maior apreensão de drogas da histó- Eduard, assim que a droga foi encon- ria daquela cidade. O fato ocorreu no trada, imediatamente acionaram a Perí- dia 15 de fevereiro de 2018, após um mi- cia para que acompanhasse os traba- nucioso trabalho de investigação reali- lhos no local. zado pelos policiais civis. Todo o material apreendido foi en- No dia 14 de fevereiro, a Delegacia caminhado à sede da DISE (Delegacia recebeu uma denúncia dando conta da de Investigações Sobre Entorpecen- movimentação suspeita que vinha ocor- tes), na cidade de Franca, próximo de rendo em uma mata da cidade. A princí- Pedregulho e, posteriormente, a droga pio, os policiais civis suspeitaram tra- será incinerada. tar-se de alguma quadrilha que pudes- Foi a maior apreensão de drogas na se estar agindo na região e estava es- história de Pedregulho. A equipe que condendo objetos roubados e furtados, atuou na descoberta e apreensão dos esperando a “poeira baixar” para 130 quilos de maconha acredita que a negociá-lo com receptadores. droga não seria vendida na cidade, pois Mas assim que as investigações co- isso chamaria muito a atenção. Possi- meçaram, a equipe comandada interina- velmente a maconha seria distribuída em mente pelo dr. Helder Rodrigues - que toda a região de Franca. também é delegado titular do 5º Distri- Apesar de não ter sido encontrado to Polical de Franca - percebeu que o nenhum suspeito no local onde a droga caso era bem mais complexo. estava enterrada, as investigações Ao chegarem à mata, que fica próxi- prosseguem para identificar os respon- mo ao bairro de Vila Barreira, zona rural sáveis. A equipe da Delegacia de Pe- de Pedregulho, os policiais civis perce- dregulho conduz a investigações e já beram que a terra havia sido remexida conta com suspeitos. A expectativa é havia pouco tempo. Havia três covas que, em poucos dias, o caso seja total- abertas no local. Em árvores no entor- mente esclarecido, identificando os res- no, haviam sacos plásticos de cor azul ponsáveis, a procedência e o destino amarrados aos troncos. da droga apreendida. Imediatamente a equipe passou a Foi um trabalho de grande compe- vasculhar o terreno e, após cavar em tência realizado pelos policiais civis de pontos distintos, os policiais civis con- Pedregulho. Participaram das investiga- seguiram localizar 13 tambores. Em 10 ções e apreensão o dr. Helder deles não havia nada, mas em três a Rodrigues, delegado interino de Pedre- equipe da Delegacia de Polícia de Pe- gulho, e os seguintes policiais civis: dregulho encontrou nada menos que Livingstone Eduard, Roberto César, 117 tijolos de maconha, totalizando 130 Ezequiel Damião, José Adolfo, José quilos da droga. Raimundo e Marcelo Ivan. Eles recebe- No local, nenhum suspeito foi en- ram apoio de Ricardo César, do IC (Ins- contrado, mas os policiais civis reco- tituto de Criminalística) de Franca. Durante operação em mata, policiais civis de Pedregulho realizaram a maior apreensão de maconha na história da cidade Fotos: Polícia Civil de Pedregulho

[close]

p. 6

06 RADAR Porto Ferreira I Na manhã de 31 de janeiro, policiais civis das unidades subordinadas à Delegacia Seccional de São Carlos (Deinter 3 - Ribeirão Preto), apreenderam mais de R$ 18 mil, em espécie, durante o cumprimento de mandado de busca domiciliar, no município de Porto Ferreira. No local-alvo, os investigadores apreenderam R$ 18.834, em cédulas fracionadas, além de manuscritos relacionados à traficância e diversos objetos sem comprovação de origem. No momento da apreensão, o investigado não foi localizado. As investigações prosseguem, visando sua localização e prisão. Bebedouro Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Bebedouro (Deinter 3 - Ribeirão Preto) prenderam em flagrante um homem, por tráfico de drogas, no Jardim Eldorado, naquele município. Os agentes realizaram trabalhos investigativos, visando o combate ao tráfico na cidade, os quais apontaram para um imóvel, onde seriam armazenadas drogas. Durante o cumprimento de mandado de busca no imóvel-alvo, residência do investigado, foram localizadas e apreendidas cinco porções de cocaína, uma balança de precisão, R$1.140 e um aparelho de telefone celular. Prisão Policiais civis de Descalvado, Porto Ferreira e Santa Rita do Passa Quatro (Deinter 3, Ribeirão Preto) realizaram, entre os dias 21 e 22 de fevereiro, uma operação policial visando o cumprimento de mandados de prisão, coordenados pela Delegacia Seccional de São Carlos. Seis homens foram presos, três por envolvimento no tráfico de drogas, um pelo crime de furto e dois por não pagar pensão alimentícia. Os presos foram encaminhados para o centro de triagem de São Carlos, onde permanecem a disposição da Justiça. Cocaína Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto (Deinter-3), em 31 de janeiro, prenderam em flagrante uma mulher, por tráfico de drogas, no bairro Ipiranga, naquela cidade. Os agentes realizavam diligências na região, com o objetivo de combater o comércio ilegal de drogas, quando receberam informações de que um imóvel, localizado na Rua Itapicuru, estava sendo usado para o armazenamento de substâncias entorpecentes. No local-alvo, os policiais detiveram a criminosa e encontraram cerca de três kg de cocaína, além de grande quantidade de eppendorfs, produtos farmacêuticos e insumos para o preparo da droga. Porto Ferreira II A Polícia Civil prendeu, na tarde de 08 de fevereiro, uma mulher, de 26 anos, que armazenava em sua casa uma plantação de maconha. O flagrante aconteceu na Rua Hans Beran, no município de Porto Ferreira - região de Ribeirão Preto. Agentes da Delegacia de Porto Ferreira se diligenciaram até o local dos fatos para cumprimento de mandado de busca em uma residência e, na parte superior do imóvel, localizaram a plantação de maconha, com três arbustos de grande porte e outras oito mudas. Ao longo da ocorrência também foram apreendidos dois tabletes, cigarros e sementes de maconha. Além dos entorpecentes, a equipe localizou na casa, alguns talheres de cozinha e um liquidificador – utilizados na fabricação de drogas, dois celulares e três bacias. Os objetos foram apreendidos e as substâncias foram periciadas pelo Instituto de Criminalística (IC), totalizando mais de 1,3 quilos de droga. A mulher foi indiciada e passou por exame de corpo de delito cautelar. A ocorrência foi registrada como tráfico de drogas. Itápolis No dia 09 de fevereiro, policiais civis de Itápolis (Deinter 3 - Ribeirão Preto), prenderam um traficante após o cumprimento de um mandado de busca na residência do suspeito, no centro daquela cidade. O suspeito estava no local e acompanhou as buscas. No quarto, foram apreendidos 150 eppendorfs utilizados para o fracionamento da droga, uma balança de precisão e dois celulares. Ele foi preso em flagrante por tráfico de drogas. Roubo a bancos Policiais Civis da Delegacia Seccional de Polícia de Ribeirão Preto (Deinter 3) esclare- Março de 2018 ceram, em 20 de fevereiro, a autoria de roubos a bancos praticados nas cidades de Bonfim Paulista e Cajuru. Após a prisão em flagrante de 6 pessoas por roubo a banco, no dia 20, em Cajuru, os agentes analisaram diversas provas, armas, veículos e objetos apreendidos, bem como colheram depoimentos de testemunhas. O aprofundamento das investigações levou os policiais a concluírem que os mesmos seis presos também estavam envolvidos, juntamente com outros investigados, em roubos praticados nas cidades de Bonfim Paulista (23/01), Serrana (04/02) e Dumont. Além disso, descobriram que eles também tinham relação com o furto de explosivos de uma pedreira, na cidade de Santa Rosa de Viterbo. Como resultado desse esforço, os roubadores agora também responderão por esses assaltos. Os trabalhos de polícia judiciária prosseguem para a identificação e prisão dos demais envolvidos. Policiais civis de Ribeirão Preto esclareceram a autoria de roubos a bancos praticados na região

[close]

p. 7

Março de 2018 AÇÃO DISE RIBEIRÃO PRENDE FAMÍLIA 07 Casal e filho estariam envolvidos no tráfico de drogas na região do conjunto habitacional João Rossi, zona sul da cidade Graças a um eficiente trabalho de uma viatura do SAMU (Serviço de campo, policiais civis da DISE (Dele- Atendimento Municipal de Urgência) gacia de Investigações Sobre Entor- e encaminhou o suspeito para receber pecentes) de Ribeirão Preto consegui- atendimento médico. Ele foi ferido sem ram efetuar a prisão de um dos chefes gravidade e uma escolta permaneceu do tráfico de drogas do conjunto até que fosse liberado e autuado em habitacional Jardim João Rossi, loca- flagrante. lizado na zona sul da cidade. Ao realizar buscas no apartamento A equipe já vinha investigando do suspeito, os policiais civis encon- M.S.G., morador daquele residencial, traram outro revólver e diversas cáp- por suspeita de tráfico de drogas. Ele sulas contendo pequenas porções de era apontado como um dos principais cocaína, que seriam possivelmente traficantes daquela região. Diante das distribuídas em biqueiras, para a ven- evidências, os policiais civis requisi- da ao usuário. taram mandado de busca e apreensão De lá, seguiram para o apartamen- e, no dia 21 de fevereiro, foram até o to dos pais do suspeito. Logo que en- local para averiguar e, caso as sus- traram, perceberam que a mãe do peitas se confirmassem, realizar o fla- indiciado tentava dispensar porções grante. de droga que estariam em seu aparta- Ao chegar ao local, os policiais ci- mento. Ela e seu marido admitiram que vis se posicionaram na porta do apar- também participavam do esquema cri- tamento do suspeito, que fica no se- minoso criado pelo filho. gundo andar do prédio. Anunciaram O casal foi encaminhado para a que era a Polícia Civil, ao bater na por- sede da DISE de Ribeirão Preto, onde ta. Em seguida, perceberam que um foram autuados em flagrante e enca- homem se preparava para pular pela minhados para unidades prisionais. janela. Assim que pulou, o homem caiu Além das duas armas, os policiais ci- e começou a atirar na direção dos po- vis também apreenderam um carrega- liciais civis. Felizmente nenhum deles dor para arma de fogo calibre 9 milí- ficou ferido, mas revidaram o ataque metros. Na casa dos pais, havia ou- e o homem foi ferido no ombro. tras duas armas de fogo que também Mesmo, assim, conseguiu fugir do foram apreendidas. As armas, porções local e foi se esconder em outro pré- de drogas, R$ 500 em cédulas e os te- dio, nas imediações. A busca começou lefones celulares foram aprendidos e imediatamente e, alertados por mora- levados à sede da DISE. dores que haviam ouvido os tiros, fo- Após a recuperação, o suspeito foi ram direcionados para o local onde M. autuado e encaminhado a uma unida- estaria escondido. Desta feita ele não de prisional. Pai, mãe e filho ficarão à ofereceu resistência e entregou-se. A disposição da Justiça. M era conside- arma do acusado, um revólver calibre rado chefe do tráfico no Jardim João .38 municiado, foi apreendida pelos Rossi, mas ainda não tinha sido ficha- policiais civis do pela DISE. Contudo, já havia tido A equipe imediatamente acionou outras passagens policiais. Acima, parte da equipe da DISE de Ribeirão Preto que atuou no caso; ao lado, armas, drogas e outros objetos apreendidos durante ação Foto: Polícia Civil

[close]

p. 8

08 ENTREVISTA Março de 2018 LUIZ FLÁVIO GOMES Jurista, que já foi policial civil e juiz de direito, visita Sinpol, discute situação da Polícia Civil e fica impressionado com futura sede social Luiz Flávio Gomes, natural de Sud Menucci - interior de São Paulo -, é um jurista e professor brasileiro, fundador da Rede LFG, primeira rede de ensino telepresencial da América Latina. É presidente do Instituto Avante Brasil e coeditor do Portal Atualidades do Direito, ao lado de Alice Bianchini. É também apresentador da TVAD. Ele esteve em Ribeirão Preto no mês de fevereiro de 2018 e fez questão de reunir-se com a diretoria do Sinpol para tratar a questão dos policiais civis. Luiz Flávio já foi investigador e delegado. Também foi promotor de Justiça, juiz de direito e advogado. Formou-se em direito em 1980 pelo Centro UniToledo, interior de Araçatuba. Tornou-se mestre em direito penal pela Universidade de São Paulo em 1989 e doutor em direito penal pela Universidade Complutense de Madri em 2001. Foi professor de direito penal e processo penal em vários cursos de pós-graduação, dentre eles a Facultad de Derecho de la Universidad Austral (Buenos Aires, Argentina) e UNISUL, de Santa Catarina. É professor honorário da Faculdade de Direito da Universidad Católica de Santa María, em Arequipa, no Peru. Vários órgãos de imprensa ao mencionar alguns temas polêmicos na área criminal constantemente fazem referências ao seu posicionamento jurídico. Também foi individual expert observer do X Congresso da ONU, realizado em Viena de 10 a 17 de abril de 2000, membro e consultor da delegação brasileira no décimo período de sessões da Comissão de Prevenção do Crime e Justiça Penal da ONU, realizado em Viena de 8 a 12 de maio de 2001, e secretário geral do Instituto Panamericano de Política Criminal (IPAN). Fundou em 2003 a rede de ensino LFG, a primeira rede de ensino telepresencial do Brasil e da América Latina. Através de sua rede, foram ministrados cursos preparatórios telepresenciais para concursos públicos, destacadamente nas carreiras jurídicas e fiscais. Os cursos são transmitidos a mais de 220 cidades brasileiras, distribuídos em mais de 420 unidades pelo Brasil. Em 2008, concluiu uma negociação em que vendeu a LFG à Anhanguera, transformando esta na maior rede de ensino do Brasil. Publicou diversos livros, entre eles: Direito Penal - Parte Geral - Culpabilidade e teoria da pena; Minicódigo Penal; Processo Penal, todos publicados pela Editora Revista dos Tribunais. Ficou muito impressionado com a futura sede social do Sinpol e elogiou a efetiva atuação do sindicato.Acompanhe, a seguir, os principais trechos da entrevista. Diretores do Sinpol e Feipol Sudeste, além de diversos policiais civis, acompanharam a visita do jurista Luiz Flávio Gomes à futura sede social do sindicato

[close]

p. 9

Março de 2018 09 Jornal do Sinpol - Qual a razão de sua vin- o senhor vê essa exposição excessiva de seto- da a Ribeirão Preto? res do judiciário, como juízes e promotores de Luiz Flávio Gomes - Estou visitando todas justiça neste período conturbado pelo qual o as Associações que congregam as atividades País atravessa? policiais, porque eu fui investigador, delegado, Luiz Flávio Gomes - Não é recomendável. promotor, juiz e advogado. Então há todo inte- Promotores, delegados têm que cumprir o papel resse em discutir os problemas da classe da Po- colher provas e punir bandidos que é atribuição lícia Civil. Com isso já visitamos Presidente Pru- da Polícia, do Ministério Público e Judiciário. dente, Santos, Bauru e hoje Ribeirão Preto. Essa exposição midiática tem dado mais prejuízo Jornal do Sinpol - O senhor já foi policial que proveitos para Polícia, Ministério Público e civil. Como vê a situação atual da Instituição, Magistratura. Não vejo essa exposição como po- que sofre com uma enorme falta de recursos sitiva, é preciso cautela porque muitas vezes ela humanos e que já estava há quatro anos sem está estragando a Instituição. reajustes e agora teve anunciado apenas 4%? Jornal do Sinpol - Tendo atuado como juiz Luiz Flávio Gomes - De fato houve um de direito, como o senhor vê ações como a do sucateamento total da Polícia investigativa e isso governo do Estado em que insistentemente bus- prejudicou muito a ação, porque se você não ca não cumprir as leis que tratam da aposen- investiga o crime, está estimulando a impunida- tadoria especial, como a LCF 51/1985 e a LCF de, gerando mais violência. Esse sucateamento 144/2014, onde o governo procura aposentar total da Polícia precisa ser rapidamente revisa- o servidor sem direito à paridade e do. É preciso que a Polícia restabeleça a capaci- integralidade? dade investigativa, tem que investigar tudo, não Luiz Flávio Gomes - Não cumprir as leis de- somente os crimes que aparecem na delegacia, veria gerar um crime de responsabilidade. No mí- mas também os crimes econômicos. A Polícia nimo uma improbidade administrativa. O que está tem que ter este poder, fazer a investigação dos aprovado tem que ser cumprido. Acontece que o delitos econômicos que envolvam grandes Estado brasileiro não vê o funcionário como im- corrupções, origem de todos os problemas. E portante para sociedade, é como se fosse algo 4% [de reajuste] não são suficientes, isso afeta a desprezível, e o Estado que presta um serviço dignidade do policial. Não pagar bem o policial público ruim gera insatisfação popular imensa, ou professor, é desestimular o profissional a ir gera desgaste político e eleitoral. Precisamos de para o trabalho. um serviço público de qualidade para todos. Jornal do Sinpol - O senhor é referência Jornal do Sinpol - O Sinpol é um sindicato para muitos jornalistas na área jurídica. Como extremamente preocupado em garantir o cum- primento dos direitos dos policiais ci- vis. Como o senhor avalia o fato de mui- tos governantes não se preocuparem em cumprir as leis, em detrimento do servidor? Luiz Flávio Gomes - Se não existis- se o Sinpol e outras Associações de de- fesa dos direitos da classe, teríamos o serviço público muito pior ainda. Aqui todos estão lutando pelos direitos e be- nefícios de todas as categorias, é impor- tante que associações e sindicatos con- A partir da esquerda: Kiko, presidente da Feipol tinuem cumprindo o seu papel, que é imSudeste; dr. Luiz Flávio e o presidente do Sinpol, portantíssimo. A população espera ter Eumauri, durante encontro na futura sede social um serviço público de qualidade. Quem do sindicato governa tem que atender bem seu funcionário. Imagine que um poli- cial hoje na Europa e Estados Uni- dos. O policial é muito bem remu- nerado, e o professor também, pois o esteio da sociedade é isso, saú- de, segurança e educação. Jornal do Sinpol - O senhor já conhecia o trabalho do Sinpol, que atua em Ribeirão Preto e região? Como o senhor avalia este traba- lho? Luiz Flávio Gomes - Conheço sim o trabalho dos sindicatos, es- Dr. Luiz Flávio: “não cumprir leis deveria gerar crime pecialmente o Sinpol. Mas em Ri- de responsabilidade” beirão Preto houve surpresa com essa magnífi- cial civil não consegue eleger representantes ca estrutura que muitas OABs não têm. Nem nos meios legislativos e até executivos. Isso é mesmo Fóruns no Brasil - e eu fui juiz 15 anos - prejudicial? A categoria deveria ter como nor- têm toda essa estrutura. Parabéns ao Sinpol. Este ma buscar votar em seus próprios represen- é um local para se discutir e debater os proble- tantes, como costuma fazer a Polícia Militar? mas, pois além do lazer, tenho certeza que daqui Luiz Flávio Gomes - Sim deveria.As carrei- sairão muitas ótimas ideias de reformulação da ras mais bem representadas são aquelas que con- Polícia brasileira. seguem uma união em torno de nomes. Sou pré- Jornal do Sinpol - Como o policial civil candidato a Deputado Federal. Já tenho quatro pode se organizar para garantir o cumprimento delegados de Polícia. Isso é importante para es- das leis que regem a categoria? sas carreiras, há outros também do Ministério Luiz Flávio Gomes - O policial civil, Público, Magistratura comigo. Mas quatro dele- investigativo, tem que se organizar de acordo gados eu acho que aí está a questão: a Polícia com um modelo, que é o modelo da Polícia Fede- precisa estar muito bem representada. ral. Tem problemas na Polícia Federal? Sim, tem. Jornal do Sinpol - Qual sua mensagem aos Mas se todas as Polícias brasileiras alcanças- policiais civis? sem este nível, tanto de remuneração, estrutura, Luiz Flávio Gomes - União! O diagnóstico organização e respeito às regras e de hierarquia, dos problemas já está feito, todos sabem dos nós teríamos as Polícias mais eficientes do pla- problemas da Polícia Civil. Ela está sucateada. O neta. O policial deve ter a garantia de que as leis que precisa fazer é reagir unida. Se isso aconte- serão cumpridas, inclusive a lei que cuida da cer, trará a certeza do castigo para crimes, com vida funcional dele. estrutura, bem remunerada, policial motivado. Jornal do Sinpol - Em que outras áreas de Isso sim é o que há de melhor para a população. mídia o senhor costuma atuar? A Polícia tem que se unir obrigatoriamente para Luiz Flávio Gomes - Hoje estou em todas prestar um bom serviço, e satisfazer as necessi- as redes sociais. Todas elas. Faço um trabalho dades da população. de esclarecimento para a população, de vários Jornal do Sinpol - As leis hoje devem ser problemas que estamos vivendo no País, parti- mudadas ou melhor aplicadas? cularmente no mundo da Justiça, da Política e Luiz Flávio Gomes - Acredito que hoje o Educação. As redes sociais hoje são a forma de melhor seria a aplicação correta das leis. Claro nos comunicarmos entre nós mesmos indepen- que uma coisa ou outra precisa ser mudada, mas dente do Estado. precisamos trabalhar uma política de aplicação Jornal do Sinpol - Historicamente, o poli- das leis.

[close]

p. 10

10 TÚNEL DO TEMPO Março de 2018 PM VOLTOU PARA VILA BRANCA Em 1998, após alguns meses de impasse a Polícia Militar voltou a atuar na guarda interna da então Cadeia de Vila Branca A principal manchete publicada na edição 35 do Jornal do Sinpol, de agosto de 1998, veio aliviar aos policiais civis. Por conta da Resolução 157/98, a guarda da Cadeia Pública de Vila Branca, em Ribeirão Preto, havia deixado de ser atribuição da Polícia Militar, passando então para a Polícia Civil, que se viu em meio a uma grave crise, por conta do efetivo bem menor que a PM, inclusive já defasado para as unidades em que atuava normalmente, piorando ao ter que assumir a guarda na cadeira pública mais problemática da região. A diretoria do Sinpol atuou intensamente para reverter essa situação e comemorou o resultado, anunciado em forma de acordo entre as cúpulas das Polícias Civil e Militar. No editorial, o então presidente Eumauri Lúcio da Mata comemorava a medida, que deixou os oito DPs (Distritos Policiais) de Ribeirão Preto completamente desguarnecidos durante o tempo em que a resolução vigorou. Eumauri também destacou a importância da união entre Polícias Civis e Militares de todo o País e até no Mercosul, atuando com inteligência e colaboração. Vencendo a distância, a editoria de Turismo mostrou a atuação de policiais civis de Fernandópolis e Araçatuba, além de destacar também atrativos naturais, turísticos e econômicos destas localidades. O então delegado do setor de Desmanches da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), o saudoso dr. Paulo Pereira de Paula, avaliou que o aumento no número de furtos e roubos de veículos estaria ligado à falta de efetivo policial. Isso em agosto de 1998. O Sinpol também alertou aos leitores sobre as Moléstias Incuráveis isentas de IR para servidores da ativa e inativos. A equipe do SIG (Setor de Investigações Gerais) de Jaboticabal destacou-se elucidando dois crimes que chocaram a cidade. O jornal também abordou a história da cidade, que completava na ocasião 170 anos. Vários processos tiveram seus trâmites publicados pelo Jornal do Sinpol, num serviço que orientou os interessados e foi muito elogiado à época. Como de costume, Eumauri participou de diversas reuniões em São Paulo, ora com integrantes do governo, ora com setores específicos na DGP (Delegacia Geral de Polícia), ora com as entidades representativas, que lutavam por reajuste salarial, sempre rejeitado pelo então governador Mário Covas. Em artigo, o então presidente do Sinpol criticava asperamente a Resolução 157/98, da SSP (Secretaria da Segurança Pública), que enquanto vigorou, gerou sérios transtornos, sobretudo na cidade de Ribeirão Preto. A Cadeia de Vila Branca apresentava um longo histórico de problemas como superlotação, rebeliões, interdições e até casos onde policiais civis foram mantidos reféns durante motins. Com a saída da PM, a estrutura de trabalho da Polícia Civil foi sensivelmente prejudicada, acarretando em acúmulo de tra- balho para que a Cadeia pudesse ter a vigilância garantida. Anos mais tarde, felizmente, esse impasse terminou, quando o preso passou a ser atribuição da SAP (Secretaria de Assuntos Penitenciários), não mais da SSP. Ainda na edição 35, o Jornal do Sinpol mostrou o início do processo de beatificação do Padre Donizetti Tavares de Lima, ao qual muitos milagres foram atribuídos após fale- cer, durante anos dedicando-se à igreja em Tambaú. A reportagem também mostrou o trabalho da equipe da Polícia Civil em Tambaú. A edição encerrava suas reportagens entrevistando o dr. Décio Agostinho Gonzalez, então delegado Seccional de Ribeirão Preto. “Acho que a nomeação para Seccional foi o coroamento da minha carreira na Polícia Civil”, disse o delegado, à época. Reprodução da capa da edição 35 do Jornal do Sinpol, que circulou em 1998

[close]

p. 11

Março de 2018 FRANCA 11 DIG REALIZA APREENSÃO DE TÊNIS FALSIFICADOS Foram cerca de mil pares de calçados de uma conhecida marca, encontrados em dois endereços na cidade; duas pessoas foram indiciadas fotos: gcn.net.br Policiais civis da DIG de Franca (foto acima) apreenderam centenas de pares de tênis falsificados; ação foi coordenada pelo dr. Murari (foto ao lado) MAIS DOIS VITORIOSOSInformePublicitário Os primos Hugo Luque e Marcelo Luque Simões estão comemorando suas importantes conquistas. Em 2018, os dois ingressaram em universidades públicas. Marcelo foi aprovado no curso de Ciências Sociais, na USP (Universidade de São Paulo), campus Butantã. Já Hugo foi aprovado em Geografia na UFU (Universidade Federal de Uberlândia) e em Gestão Ambiental na UFSCar (Universidade Federal de São Carlos). Optou pela segunda. Todos os cinco netos do policial Antonio Parras Luque e de Anna Maria Fulgêncio Parras (já falecidos) conquistaram seu espaço com muita luta e determinação. Parabéns. A partir da esquerda: Mariana (formada em Música pela UFSCar); Rodolfo (formado em Administração e cursando Ciências Sociais, ambos na USP), Hugo, Marcelo e Renato (formado em jornalismo pela UNG) Policiais civis da DIG (Delegacia de In- local”, informou aos jornalistas. vestigações Gerais) de Franca, com o auxílio Diante das evidências, a equipe da es- de representantes do fabricante da marca de pecializada, comandada pelo dr. Márcio tênis New Balance, conseguiram apreender Garcia Murari, obteve mandados de busca e cerca de mil pares de tênis falsificados da- apreensão e foram a campo para realizar as quela marca, que estavam sendo produzidos apreensões. A fábrica, que fica na Rua Fran- e estocados em dois pontos distintos da ci- cisco Maniglia, no Jardim Petráglia, foi visi- dade. tada por uma das equipes. No local, os poli- Os representantes da marca procuraram ciais civis encontraram 80 pares de tênis já os policiais civis da especializada, apresen- prontos e diversos funcionários trabalhan- tando dados de que os produtos estariam do na produção de diversos outros. Havia sendo produzidos sem autorização em Fran- também mais 22 pares de cabedais, 691 pa- ca e comercializados de forma pirata, provo- res de solados e diversos pacotes de eti- cando sérios prejuízos para a empresa, que quetas da marca. emprega centenas de funcionários. Enquanto isso, a outra equipe da DIG de A ação ocorreu no dia 20 de fevereiro de Franca vistoriava um imóvel localizado na 2018. Uma das fábricas funcionava no Jardim zona rural da cidade, no Condomínio Quinta Petráglia e a outra no condomínio Quinta do do Bosque, que fica na rodovia que liga Fran- Bosque, que está localizado na rodovia João ca a Ibiraci, em Minas Gerais. Ao chegar ao Traficante, que liga Franca à cidade mineira imóvel, os policiais civis da especializada en- de Ibiraci. contraram cerca de 500 pares de tênis já pron- Imediatamente os policiais civis iniciaram tos, todos estampando a marca da empresa as investigações e conseguiram descobrir os vítima do golpe. dois endereços onde as peças seriam Na linha de produção, havia outros 360 fabricadas. Em entrevista à imprensa, um dos pares de calçados ainda sendo produzidos. representantes da empresa, que preferiu não Os policiais civis apreenderam ainda 396 pa- se identificado, informou que a prática da pi- res de cabedais, 598 pares de palmilhas, 1.091 rataria, infelizmente, tem sido relativamente solas e sacolas e embalagens com a comum, apesar de muito bem combatida pe- logomarca da New Balance. O responsável los policiais civis. “Franca já é uma cidade também vai responder por crime de falsifica- que comumente tem essas falsificações. Es- ção. Todo o material apreendido pelos poli- sas informações, aliadas ao fato de consumi- ciais civis nos dois locais foi encaminhado à dores se queixarem de problemas nos pares sede da DIG, onde serão encaminhados à de tênis, contribuíram para chegarmos até o perícia. Em seguida, serão destruídos.

[close]

p. 12

12 ANIVERSARIANTES DE ABRIL 01 João Ipólito Willian Donizete Floriano Rosa Maurício Eduardo de Brito Umberto Fauze Amsei 02 Edison José da Silveira Octacílio Baptista de Souza César Roberto Silva Rinaldo Domingos Borges Cláudia Moreira Spadafora Machado 03 Clóvis Pina Barão Cleonice Lúcia Ribeiro da Silva Luciene dos Santos Pereira F. Rodrigues Etelvino Acácio Mafra 04 Vera Lúcia Marques 05 Anivaldo Registro Ana Cláudia Ramos da Silva Tosta Antônio Carlos Barreto das Neves 06 Edmilson Orlandini Tânia Regina Ribeiro Trepador Ricardo Turra 07 Daniel Ferreira de Souza Mário Antonio de Oliveira Franceschini Carlos Eduardo Soares Thomaz 08 José Armando Soares D’Agostino Rogério de Souza Pinheiro Adonis Leite Ribeiro 09 Luciana Cristina Mioto Marques Kátia Patrícia Pagliari de Souza Vadercy Teixeira Rodrigues George Theodoro Ary Roberto Rodrigues Costa 10 Antonio Moreira de Souza Lucilene de Cássia Pavan Boreli Valter Marqueto 11 Paulo Sérgio de Oliveira Adolfo César Belório 12 Luiz Carlos da Costa Idineo Ferreira de Araújo Valcir Antonio Bologniese Claudemir Alberto Cruz Sylvio Augusto Simões Lujan Carlos Alberto Lopes Martins José Roberto Pim 13 Célia Maria Pereira Caruano Osmani Lopes da Silva Luís Fernando Martini José Fernando Viviero Gabriel César Cortez 14 Valmir dos Santos Tosta Leila Maria Martins Faccion José Menari Cleuza Lopes Silva Iara Helena de Souza 15 Flávio Sérgio Inácio Mário Maruta Reinaldo dos Santos Evaldo Armando Antonialli Jorge Miguel Koury Neto Mário Leandro Silva Vieira 16 Sandra Eloisa Bedim Pavani André Carlos de Carvalho Arrisse Adriana Cristina da Silva Wagner Fernando da Silva Livingstone Eduard Rodrigues 17 Homero Freitas Gorjon Francisco Righini Luiz Roberto Ramada Spadafora Fabiana Andrea Tonon Camargo 18 Maria de Fátima Pimenta de Moraes Paulo Sérgio Venturoso Roberval Maurílio Viana 19 Cícero Toledo Carlos Alberto de Menezes Adevandro Alves da Silva Levi Mendes José Adolfo Ferreira 20 Claudinei Dario Antonio Carlos Prates Renato Celso Cardoso Amilton Luiz Jamberci Mirna Lílian Parra Braguini Orocini 21 Henrique César Perciani Campaner Judas Tadeu Souza Rodrigues Wagner Del Sant André Luiz Evaristo de Oliveira Otaviano dos Santos Boemia 22 Silvana do Carmo Guidelli Omar Silva Valizi Mércia Regina dos Santos Costa 23 Fernando Cesar Afeto Neres Luís Mário Hisamatsu Gilberto Araújo Paulo Roberto de Paula 24 Fátima Edir da Silva José Otávio Flora da Silva José Roberto Pena Oswaldo José Ferraz Ezequiel Damião da Silva Sérgio Luís Ferreira José Carlos Valentini Deise Aparecida Medeiros Baviera 25 Maria Francisca C. Barbosa José de Carvalho da Silva Rafael Talarico Ana Cláudia Lopes da Cunha Ulian 26 Ademar Birches Lopes Paulo Domingues de Oliveira Bruno Ivan Longo Ronaldo Henrique de Oliveira Rui Barbosa Gonçalves 27 Ariston Alves Lipari Kazuyoshi kawakami José Donizeti Vieira Aparecida Francisca Ribeiro dos Santos 28 Ulisses das Neves Rosa Neuradir Antonio Bataglioti José Antonio da Silva Lopes João Carlos Possendoro 29 Maria Conceição Aparecida Tasca Mauro Martins Gimenes 30 Geraldo Antonio Franchetti Fernando José Leonardo Luiz Carlos Bonafini Marcos Eduardo Urbano Ailton de Aguiar Daniel Anselmo Tarsitano DO LEITOR Março de 2018 Meu caro Amigo Eumauri: Com os meus iniciais cumprimentos, quero ir direto ao assunto: Sua carta-desabafo ao Deputado Delegado Olim valeu pelo que todos nós deveríamos dizer-lhe e não dissemos. Você falou por nós e interpretou muito bem nossos sentimentos: foi realista sem ser arrogante, falou o que todos sabemos, mas permanecemos calados. E, calar quando se deve protestar, transforma o homem de bem em covarde, já se disse. Esse nosso silêncio conivente, que você em boa hora rompeu, há de ter a repercussão que merece alcançar e certamente alcançará. E esperamos que os efeitos também surjam. Chega de tanta desfaçatez e hipocrisia. Estão nos aniquilando e... batemos palmas. Aí não! Tudo tem limites. Você tem meu modesto apoio, renovada admiração e incondicional solidariedade. Parabéns, amigo Eumauri! Jarim Lopes Roseira Presidente da IPA - SP O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos.

[close]

p. 13

Março de 2018 ARTIGO 13 ASSIM NÃO É POSSÍVEL, DELEGADO OLIM Por: Eumauri Lúcio da Mata (*) Confesso que fiquei estarrecido ao re- dezenas de policiais civis, militares e até tecnologia se não há quem possa utilizá- dificultou o acesso do povo. Para ele foi ceber, através do aplicativo whatsapp, o bombeiros. los? De que adianta investimentos milio- bom, porque muita gente deixou de regis- discurso proferido pelo nobre colega, de- Mas vamos nos ater à nossa área, dele- nários para aparecer na campanha eleitoral trar ocorrência e, estatisticamente, “bai- putado Olim. Ele aparece em alguma inau- gado Olim. O senhor sabe que não adianta do governador, que almeja ser presidente xou a criminalidade”. guração, ao lado do inimigo número um da só tratar o preso com dignidade. O senhor da República, se não recebemos um salário Mas como contratar sem um salário de- Polícia Civil, o governador Geraldo deveria defender também que o governo digno? cente, não é mesmo, delegado Olim? O se- Alckmin. Por ser o delegado Olim um poli- tratasse com dignidade quem combate o Sabe delegado Olim, cheguei a acredi- nhor sabe bem da nossa situação. Os sa- cial civil, acreditávamos que ele jamais se crime. Os policiais civis e militares que es- tar que nós, policiais civis, tínhamos final- lários pagos aos policiais civis do Estado prestaria a tamanho desserviço para com a tão nas ruas há quatro anos sem qualquer mente conseguido eleger alguém para nos estão entre os mais baixos do País. Aliado Instituição. percentual de reposição salarial e agora vão defender. Um de nós. Mas este seu discur- à falta de policiais civis para executar o Ele elogia o governador pelas novas vi- receber uma esmola de 4%. so foi colo a pá de cal sobre a sepultura da trabalho de forma minimamente aturas entregues aos presídios, por trans- O senhor deveria defender a Polícia Ci- Instituição. satisfatória, o quadro é de caos. O senhor portar presos com dignidade. Ele lembra ser vil, Instituição onde faz carreira desde 1992. Não é possível que o senhor não enxer- está prestando um desserviço à Institui- do tempo em que as delegacias eram chei- Chegou a conhecer, mesmo que rapidamen- gue o que Alckmin faz com a Polícia Civil. ção que defendeu com brilho durante as de condenados dentro de distritos e que te, a administração de um governo que não Há uma gritante falta de recursos huma- anos. Está agindo exatamente como seus foram os governos do PSDB que tiraram seja do PSDB. E, como todos nós, vem pa- nos. Nunca tivemos um número tão baixo pares da ALESP (Assembleia Legislativa todos os presos e deixaram a Polícia Civil decendo ao longo dos anos com os suces- de policiais civis, a grande maioria em vias do Estado de São Paulo). Parece que ti- trabalhar. Depois elogia a SAP (Secretaria sivos governos deste partido que é inimi- de se aposentar. Se isso acontecer, quem rando o PT e o PSB, todos os demais par- de Assuntos Penitenciários) por proteger go dos policiais civis e está no poder des- vai desenvolver o papel de Polícia Judiciá- tidos são subservientes ao governador, a população e os presos dentro dos presí- de 1995, começando com Mário Covas, pas- ria, senhor delegado Olim? ele aprova o que quer. dios, mantendo a ordem, sem haver um pro- sando por Alckmin várias vezes, José Ser- Justamente o senhor, que se elegeu de- Mas o senhor não podia fazer isso com blema para fora das muralhas. Elogios ra e Alberto Goldman. putado com os votos de quem acredita na os policiais civis. Justamente o senhor, que eloquentes ao governo e sua equipe. Mas se não tem ideia formada, se foi Polícia Civil e quer o seu melhor, foi capaz ganhou projeção nacional coordenando o Muito me espanta, delegado Olim. O durante as gestões do PSDB que o senhor de elogiar nosso maior algoz. Alckmin tem trabalho de sua equipe, que elucidou o as- senhor sabe bem que a história não é bem construiu sua carreira, não há como negar tentado, de todas as formas, acabar com a sassinato da advogada Mércia Nakashima assim. O governo estadual é refém de uma que trabalhou com muita gente que conhe- Polícia Civil. e fez a população acreditar que a Polícia facção criminosa que atua dentro e fora ceu o prestígio e o reconhecimento dos O senhor acompanhou de perto tudo Civil ainda respirava, mesmo que com a dos presídios paulistas e já expandiu fili- policiais civis e sabe quanto mal Alckmin e isso. Ele criou essa famigerada ajuda de aparelhos. Quero crer que foi um ais para todos os demais estados brasilei- seu PSDB fizeram à nossa Instituição. Reengenharia, que é juntar nada com coisa ato falho e o senhor vai voltar a ver com ros. E que essa mesma facção já causou Sucateada é a palavra que melhor defi- nenhuma para dar a impressão que tem po- quem está a razão. pânico e deixou o Estado em regime de ne a Polícia Civil hoje em dia. De que adi- liciais civis em número suficiente. Delega- (*) Eumauri Lúcio da Mata é investiga- total atenção, com toque de recolher, quan- anta, delegado Olim, viaturas novas se não cia não se fecha. Se abre mais, para melhor dor aposentado e presidente do Sinpol do promoveram queimas de coletivos e há quem possa conduzi-las? De que adian- atender nosso verdadeiro patrão, a popu- (Sindicato dos Policiais Civis da ataques a unidades policiais, matando ta, delegado Olim, equipamentos de alta lação. Mas Alckmin fechou às centenas e Região de Ribeirão Preto)

[close]

p. 14

14 Março de 2018 SINPOL FIRMA CONVÊNIO COM FACULDADE Facesb de São Joaquim da Barra vai oferecer até 55% de desconto para policiais civis no curso de direito e até 45% nos demais cursos O Sinpol firmou, no dia 19 de fevereiro de 2018, um convênio com a Facesb (Faculdade de Ciências Empresariais de São Joaquim da Barra), trazendo reais benefícios financeiros para policiais civis que queiram cursar nível superior. O convênio foi firmado entre a diretora da faculdade, Érica Smargiassi e os diretores do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, Célio Antonio Santiago e Fátima Aparecida Silva. A Facesp assumiu a antiga Facig (Faculdade de Ciências Gerenciais) e pertence à família Smargiassi, que já atua no setor de educação em nível superior com outras faculdades. A partir de 2018, com novos rumos, a Facesp vai oferecer cursos de Administração, Ciências Contábeis, Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos e a grande novidade: o curso de Direito. Todos são devidamente reconhecidos e autorizados através de Portaria do MEC (Ministério da Educação e Cultura). A diretora da Facesb, Érica Smargiassi, é especialista em Metodologia do Ensino Superior e doutoranda em Avaliação Institucional no Ensino Superior. Nascida em Guaxupé, filha de professora, foi criada nas escolas administradas pela mãe. Possui 25 anos de experiência em ensino superior e 15 em educação à distância e conta com o apoio do filho Antonio Smargiassi Neto na direção financeira da faculdade, além de seu pai, Antonio Smargiassi, da nora Ana Paula Marques Smargiassi e da filha Ana Flávia Smargiassi Sousa. Na direção acadêmica está a professora Rogéria Mascarenhas e na direção admi- nistrativa o professor Vanir Martins. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, são todos cursos presenciais e graças à negociação entre sindicato e Facesb, o desconto obtido é bastante vantajoso. No curso de direito, que inicia sua primeira turma neste primeiro semestre de 2018, o desconto será de 55% caso a mensalidade seja paga até o sexto dia útil de cada mês, pontualmente. Se for pago até o dia 20 de cada mês, o desconto cai para 50%. Se a mensalidade for paga após o dia 20 ou se houver atraso, o policial civil vai pagar a mensalidade integral, que é de R$ 1.250,00. Nos demais cursos, o desconto é de 45% se a mensalidade for paga até o sexto dia útil ou 40% se paga até o dia 20 de cada mês. Se for paga após o dia 20, ou se houver atraso, o policial civil vai pagar o valor integral da mensalidade. No caso de Administração, a mensalidade total é de R$ 980,00. Já no caso de Recursos Humanos e Ciências Contábeis a mensalidade é de R$ 780,00. De acordo com o convênio firmado entre Facesb e Sinpol, inicialmente o desconto será oferecido a todos os policiais civis. Num segundo momento, somente aos que forem filiados ao Sinpol. O convênio também é limitado somente à unidade de São Joaquim da Barra. Segundo Eumauri, a negociação será bastante vantajosa para os filiados ao Sinpol. “Obtivemos mais de 50% de desconto. Nenhum convênio costuma oferecer tamanha vantagem. E justamente no curso que pode mais interessar aos policiais civis, que é direito. Vimos que o corpo de professores é altamente capacitado, com especialistas em diversas áreas. Foi uma excelente oportunidade que vislumbramos e conseguimos concretizar para os policiais civis”, conclui Eumauri. Serviço: Facesb - Faculdade de Ciências Empresariais de São Joaquim da Barra Rua Maria Rosa da Silva, 151, Jd. Paraíso São Joaquim da Barra - SP Fone: (16) 3818-3271 Site: facesb.ecid.com.br A partir da esquerda: Célio, Érica, Eumauri e Fátima, durante assinatura do convênio entre Sinpol e Facesb

[close]

p. 15

Março de 2018 JURÍDICO 15 MAIS SEIS VITÓRIAS PARA ASSOCIADOS Foram quatro casos de mandados de segurança garantindo aposentadoria com paridade e integralidade, além de uma reversão de aposentadoria e uma absolvição O departamento jurídico do Sinpol continua colecionando vitórias em favor dos associados, em todas as frentes que vem atuando. Nas últimas semanas, contabilizou nada menos que seis importantes vitórias em favor de associados. Segundo os advogados Viviane Cristina Ibelli Pinheiro e Ricardo Ibelli, foram quatro casos de mandados de segurança que garantem ao policial civil o direito a se aposentar com paridade e integralidade, um caso de reversão de aposentadoria - em todos os cinco casos ainda cabe recurso - e uma absolvição de associado do Sinpol. Segundo Eumauri Lúcio da Mata, o volume de ações no jurídico do Sinpol contra o governo é grande, sobretudo na questão que envolve a aposentadoria especial. “Nosso nobre governador insiste em descumprir as leis. Neste caso, Lei Federal, que sobrepõe à Lei Estadual. Há vários anos Geraldo Alckmin insiste em não acatar o que prevê a aposentadoria especial à qual temos direito: a paridade e integralidade. Ele descumpre, simplesmente rasga a Constituição Federal”, lamenta Eumauri. O estado de São Paulo foi o único da Federação a não adotar a LCF (Lei Complementar Federal) 51/1985. Alckmin alegava que, por ser Lei anterior à CF (Constituição Federal) promulgada em 1988, a 51/85 não havia sido recepcionada pela Carta Magna e, desta forma, criou a LCE (Lei Complementar 1062/ 2008), que não previa para o policial civil que se aposentasse o direito à paridade e integralidade, representando uma grande perda mensal em seu salário. “Passamos a ingressar com pedidos de Mandado de Segurança. E começamos a obter vitórias sucessivas, afinal, temos o direito à aposentadoria especial. Em 2014, criouse a LCF 144, que atualizava a LCF 51/85. Mesmo assim, Alckmin continuou insistindo em não conceder paridade e integralidade e nossa briga na Justiça perdura até hoje. Além disso, temos os casos de reversão, onde colegas que acabaram sucumbindo e aposentaram-se pela 1062/08 buscam através de ações patrocinadas pelo Sinpol reverter essa situação e receber a paridade e integralidade. Temos conseguido grandes vitórias”, comemora Eumauri. Conquistas Nas últimas semanas, seis conquistas foram registradas. Uma delas foi a absolvição do investigador de Viradouro, Clóvis Luiz Ferreira. Ele foi totalmente inocentado pelo jurídico do Sinpol. Em outras frentes, uma importante vitória foi obtida pelo investigador aposentado de São Carlos, Paulo Cesar Prado Blanco. Em ação de reversão de aposentadoria, onde pleiteia o direito à paridade e integralidade, ele obteve vitória em primeira instância. Os outros casos são todos relativos a policiais civis que buscam mandado de segurança garantindo-lhes o direito de se aposentarem pela LCF 144/2014, qual seja com paridade e integralidade. O escrivão de Guaíra, Gilberto Haruo Yamaoka, ganhou sua ação em primeira instância. A escrivã de Franca, Vânia Eloisa David, perdeu em primeira instância. O jurídico do Sinpol recorreu e obteve a vitória em segunda instância. Já o investigador de Ribeirão Preto, Jefferson Pessotti, obteve vitória já em primeira instância. O mesmo ocorreu com a carcereira de São Carlos, Deise Rodrigues Aiello. Ela obteve vitória em primeira instância, que lhe favorece com o direito à paridade e integralidade, nos moldes da aposentadoria especial que rege as carreiras dos policiais civis. “É uma luta constante, estamos sempre alertas. Sempre que alguém tiver alguma dúvida, venha procurar a diretoria do Sinpol O mes- mo orientamos para quem sofre sindicâncias administrativas. Não vamos concordar com injustiças praticadas contra os policiais civis e defenderemos incansavelmente nossos asso- ciados. Temos obtido resultados muito expressivos graças à atuação dos advogados de nosso departamento jurídico”, conclui Eumauri. A partir da esquerda: Fátima, Célio, Viviane, Eumauri e Ricardo: diretoria do Sinpol e jurídico concentram forças em favor dos associados

[close]

Comments

no comments yet