Jornal Fevereiro Santuario Sao Jose Operario

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Fevereiro Santuario Sao Jose Operario

Popular Pages


p. 1

PARÓQUIA SANTUÁRIO SÃO JOSÉ OPERÁRIO S ãJoornaJl osé OperárioCAPÃOREDONDO-DIOCESEDECAMPOLIMPO ANO XIV - EDIÇÃO Nº 176 - 10.000 EXEMPLARES - DISTRIBUIÇÃO GRATUITA - FEVEREIRO - 2018

[close]

p. 2

Página-2 Jornal São José Operário Com Jesus somos mais que vencedores Fevereiro - 2018 EDITORIAL História: Esse tão querido e morrer de fome. Porém, SÃO JOSÉ OPERÁRIO conhecido santo nasceu em uma bondosa mulher que uma família rica, recebeu já havia sido ajudada por uma excelente educação ele, levava-lhe comida de Deus a profissão de carpin- ser pai adotivo de Deus feito teiro e, dessa maneira suada homem, mesmo sabendo o e laboriosa, permitiu que as que poderia acontecer à sua profecias se cumprissem e família. José lutou pelos di- cristã vindo a tornar-se bispo às escondidas. Quando seu povo fosse salvo, assim reitos da vida do ser humano de Sebaste, Capadócia, atual Armênia quando ainda era bem jovem. Juntamente com seu trabalho religioso, era médico e nas duas tarefas procurava estar ao lado tanto dos pobres e quanto dos ricos, a qualquer hora do dia ou da noite. o governador descobriu, ordenou que cortassem a pele de São Brás com pentes de ferro. O amado São Brás suportou os maiores sofrimentos até ter sua cabeça degolada. Foi um dos primeiros mártires do cristianismo. Começaram as perseguições dos cristãos promovida pelo governador da Capadócia, o que o obrigou a refugiarse em uma caverna no meio da floresta. Ali curava os animais doentes com o sinal da cruz e, com isso, até os animais mais perigosos não lhe faziam mal algum. Acabou sendo encontrado por alguns caçadores, que impressionados com seu magnetismo sobre os animais, levaram-no ao governador. Como São Brás não quis renegar a Cristo foi trancado em uma cela para É invocado desde a mais remota antiguidade como santo dos males da garganta. Já ouvimos muito a invocação de São Brás, quando uma criança ou adulto se engasga com alguma coisa. Essa tradição se deve ao fato de São Bento ter livrado da morte um menino que estava com uma espinha de peixe presa na garganta e São Brás tê-lo livrado da morte. Seu culto é um dos mais difundidos no oriente e no ocidente. EXPEDIENTE Diretor Geral Monsenhor João Batista Diretor de atendimento aos Benfeitores: Jurandi Nunes Publicação mensal da Paróquia: Jornalista Responsável: Santuário São José Operário Mário de Freitas - MTB 36.907 Rua Alfredo Ometecídio, 32 Revisões e Correções Cep.: 05869-170 Equipe de comunicaçãoSantuário São José Operário Diagramação José Andrade Alves Capão Redondo- SP www.santTuearli.o5sa8o7jo3s-e2o0pe0r9ario.org.br santuario@santuariosaojoseoperario.org.br O teor das matérias é de responsabilidade de seus autores. Todas as pessoas são voluntárias Amemória de São José Operário vem-se celebrando liturgicamente desde 1955. a Igreja recorda assim seguindo o exempllo de São José e sob o seu patrocínio, a valorização do ser humano e a questão sobrenatural do trabalho. Todo o trabalho humano é colaboração com a obra de Deus Criador, e, por Jesus Cristo, converter-se na medida do amor a Deus e da caridade com os outros em verdadeira oração e em apostolado. Quanto ao título: São José Operário: ele trabalhou a vida toda para sustentar a Sagrada Família e depois ver nosso Senhor Jesus Criasto dar a vida pela humanidade. No dia primeiro de Maio, que recorda a luta dos trabalhadores do mundo pleiteando respeito a seus direitos. Foi uma das motivações que levou o Papa Pio XIII a instituir a Festa de “São José Trabalhador”, em 1955, na mesma data em que se comemora o Dia do Trabalho em quase todo o planeta. São José é modelo ideal de Operário e de homem que viveu a caridade. Ele sustentou sua família durante toda a vida com o trabalho de suas próprias mãos, cumpriu sempre seus deveres para com a comunidade, ensinou ao Filho como toda a Humanidade. A Igreja, ao apresentar-nos São José como modelo, não se limita a louvar uma forma de trabalho, mas a dignidade e o valor de todo o trabalho humano. No Livro de Gênesis, em que o homem surge como participante da Criação. A Sagrada Escritura também nos diz que Deus colocou o homem no jardim do éden para que o cultivasse e guardasse. O trabalho foi desde o principio um preceito para o homem, uma exigência da sua condição de criatura e expressão da sua dignidade. E a forma como colabora com a Providência Divina sobre o mundo. É freguente observar que a sociedade materialista dos nossos dias valoriza o que produz e aprecia os homens”pelo que ganham”, pela sua capacidade de obter um maior nível de bem-estar econômico. É hora de todos ocupações mais nobre do que as outras. O trabalho, todo o trabalho é testemunho da dignidade do homen, do seu dominio sobre a criação; é o meio de desenvolvimento da personalidadde; é vinculado de união com os outros see res; fonte de recursos para o sustento da família; meio de contribuir para o progresso da sociedade que se vive e para o progresso de toda humanidade. Proclando São José como protetor dos tralhadores, a Igreja quis demonstrar que está ao lado deles, os mais oprimidos, dando-lhes como Patrono o mais exemplar dos homens, aquele que aceitou ao proteger Jesus, e, agora coloca-se ombro a ombro na luta pelos direitos humanos dos trabalhadores do mundo, por meio dos membros da Igreja que aumentam as fileiras do que defendem os oprários e seu direito a uma vida digna. São José ensina nos a realizar bem o oficio que nos ocupa tantas horas: as tarefas domésticas o laboratório, o arado ou o computador, o trabalho de carregar pacotes ou de cuidar da portaria de um edificio… a categoria de um trabalho reside na sua capacidade de nos aperfeiçoar humana e sobrenaturalmente, nas possibilidades que nos oferece de levar adiante a família e de colaborar nas obras em favor dos homens, na ajuda que através dele prestamos à sociedade… Contudo, São José, enquantotrabalhava, tinha Jesus deiante de si. Jesus deve ter-lhe ajudado em seu trabalho. Quando se sentia cansado olhava para o seu filho, que era o Filho de Deus, e aquela tarefa adquiria aos seus olhos um novo vigor, porque sabia quecom seu trabalho colabora com os planos misteriosos, mas reais, da salvação. Peçamos-lhe hoje, que ele nos ensine a ter a presença de Deus e a exercer a caridade que ele teve enquanto exercia seu ofício. Não nos esquecemos de oferecer em sua honra, nestes dias, alguma hora de trabalho ou de estudo, e, principalmente o Santo Rosário, oração comtemplativa que nos faz entrar na história da salvação. Card. Dom Orani João Tempesta Arcebispo Metropolitano do Rio de Janeiro www.santuariosaojoseoperario.org.br

[close]

p. 3

Fevereiro - 2018 Jornal São José Operário Com Jesus somos mais que vencedores Página-3 ESPIRITUALIDADE E COMUNHÃO COM DEUS E A IGREJA Averdadeira espiritualidade está ar- raigada em nossa comunhão com Deus e a Igreja. Esta comunhão somente acontece, se houver de fato uma intimidade com “O VERBO encarnado em nossa vida; em nossa história. Por isso, que precisamos saber que os maiores pilares de uma vida espiritual estão enraizados na PALAVRA DE DEUS E NA EUCARISTIA. Ao aderir a comunhão com a Palavra e o Pão da vida, fica possível a comunhão com as pessoas, com as pastorais, com a família, com o trabalho, com os amigos… Sem fazer comunhão com a palavra e a Eucaristia, fica impossível fazer comunhão com os outros. Por isso que é preciso que todos os fiéis se comprometam com a ver- dade da Lei, com a Palavra de Deus e com a Eucaristia. Para ser um cristão verdadeiro é preciso que tenha claro e cumpra duas funções importantes: obedecer a Deus e servir a Igreja. Estas funções se concretizam quando o fiel procura conhecer e viver a Palavra para bem obedecer a Deus e servir a Igreja. Sem estes requisitos não dá para ser identificado como um discípulo de Cristo. Se você não conhecer a Palavra, não tem como vivê-la; e muito menos obedecer a Deus e nem como servir a Igreja. Daí a sua vida como cristão está bastante comprometida. Vai ter muita dificuldade para entender e viver o que a Igreja anuncia. Nós fomos batizados para construirmos vidas novas; fomos batizados para sermos integrados no projeto de Senhor. Atuar fora do projeto de Deus, é fugir da submissão ao todo poderoso. Quem não é submisso a Deus Uno e Trino, está submisso a qualquer outra coisa. Ninguém vive no mundo sem algum tipo de submissão. A nossa Igreja apresenta aos seus fiéis o essencial para a vida. Este essencial está intimamente ligado com a comunhão plena com o “VERBO”. Em São Mateus 24, 35, na parábola da Figueira, Jesus dá uma orientação chave para todos os homens e mulheres que querem andar na retidão e na sabedoria. Jesus disse que “Passarão o céu e a terra. Mas minhas Palavras porém não passarão.” A grande verdade é que Jesus sabe que é a Palavra, que, eterniza a vida das pessoas. Por isso, que Ele valoriza em primeiro lugar a unidade de todos em torno da Palavra. Porque o verbo é o centro da vida do homem e da mulher, bem como, da família. Uma pessoa inteligente tem bons discernimentos, por isso, segue com convicção a Palavra da verdade anunciada. É importante que saibamos que tudo tem prazo de validade; tudo vai vencer o seu tempo, somente a Palavra de Deus que é eterna. Ela nunca vai morrer. Em nossa Igreja temos diariamente as verdades da eternidade que são a Palavra e a Eucaristia. Peço carinhosamente a todos os leitores para unir-se em torno da Palavra; deixar seu coração embebedar-se Dela, pois assim sua vida não será vencida, porque a Palavra é eterna e não tem tempo de validade. vra. Ele diz que no princípio era a Palavra, a Palavra estava com Deus e a Palavra era Deus. A palavra já estava no mundo, porque o mundo foi feito por meio dela. Quando Deus fez o mundo, Ele o fez por meio da Palavra. Todos que acolheram a Palavra receberam capacidade de tornarem-se filhos de Deus. Os filhos de Deus são, por excelência os que acreditaram no nome de Deus. Esses não nasceram do sangue, nem da vontade da carne; nasceram da vontade de Deus. A palavra se fez carne e habitou entre nós. João, o Batista se expressou muito bem sobre o sentido de ser um autêntico cristã. Ele disse que “um homem nada pode receber a não ser que lhe tenha sido dado do céu.” (Jo 3.27.) João sabia que a sua liderança como precursor de Jesus não tinha sido iniciativa sua; sua liderança veio de Deus. Sabemos que nossa humilde e boa forma de atuar veio de Deus. A Eucaristia na comunhão traz para nossa vida o fruto principal que é a nossa íntima união com o Nosso Senhor. Pois o Senhor diz: “Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue permanece em mim e eu nele” (Jo 6,56). Assim como o Pai, que vive, me enviou e eu vivo pelo Pai, também aquele que de mim se alimenta vi- verá por mim” (Jo 6,57): A comunhão da Carne de Cristo ressuscitado, conserva, aumenta e renova a nossa vida na graça recebida no Batismo. A nossa vivência neste sacramento é alimentado pela Comunhão Eucarística. Este é o pão que nos sustenta durante a nossa peregrinação, até o momento da morte, quando nos será dado como viático. Ao dar-se a nós, Cristo reativa a nossa força, nos torna capazes de viver o seu grande amor. Assim conseguimos coragem para romper as amarras com as criaturas, romper-nos com as coisas do mundo e assim enraizamos nossa vida no maior líder de todos os tempos, Jesus Cristo. SEJA COMPROMETIDO COM A PALAVRA, CONSAGRE COM FIDELIDADE O SEU DIZIMO E ACREDITE NAS PROMESSAS DE DEUS. TOME POSSE DA GRAÇA DE DEUS. TENHA FÉ! CORAGEM... “AQUELE QUE SEMEIA POUCO, POUCO COLHERÁ. AQUELE QUE SEMEIA COM GENEROSIDADE, COM GENEROSIDADE COLHERÁ” (IICOR 9,6). SEJA FIEL NO DÍZIMO E NAS OFERTAS. São João dá força na Pala- www.santuariosaojoseoperario.org.br Monsenhor João Batista Pároco e Reitor do Santuário Dioc. São José Operário

[close]

p. 4

Página-4 Jornal São José Operário Com Jesus somos mais que vencedores Fevereiro - 2018 IR À MISSA É COMO IR AO CALVÁRIO Quando vamos à Missa é como se fôssemos a um Calvário. (...) Cada celebração da Eucaristia é um raio daquele sol sem ocaso que é Jesus ressuscitado. Mas, essencialmente, o que é a Missa? A Missa é o memorial do Mistério pascal de Cristo. Ela nos torna partícipes na sua vitória sobre o pecado e a morte e dá significado pleno a nossa vida. Este não é somente a recordação – o memorial não é somente uma recordação dos acontecimentos do passado, mas o memorial os torna de certo modo presentes e atuais. Precisamente assim Israel entende a sua libertação do Egito: toda vez que é celebrada a Páscoa, os acontecimentos do Êxodo tornam-se presentes na memória dos fiéis para que conformem a própria vida a eles. Jesus, com sua paixão, morte, ressurreição e ascensão ao Céu, levou a Páscoa ao seu cumprimento. Assim, a Missa “é o memorial da sua Páscoa, de seu “êxodo”, que realizou por nós, para nos fazer sair da escravidão e nos introduzir na terra prometida da vida eterna. Não é somente uma recordação, não, é mais do que isto: é fazer presente o que aconteceu há 20 séculos”. Assim, “a Eucaristia nos leva sempre ao ápice da ação de NAKA C. R. C. 104884 CONTABILIDADE Assuntos Fiscais Assistência Jurídica Serviços de Contabilidade Fones: 5872-1466 - Email: sen100@uol.com.br Rua Abílio César, 299 - CEP 05881-020 Capão Redondo - São Paulo / SP salvação de Deus: o Senhor Jesus, fazendo-se pão partido por nós, derrama sobre nós toda a sua misericórdia e o seu amor, como fez na cruz, renovando o nosso coração, a nossa existência e o nosso modo de nos relacionarmos com Ele e com os irmãos”: Cada celebração da Eucaristia é um raio daquele sol sem o por do sol que é Jesus ressuscitado. Participar da Missa, em particular no domingo, significa entrar na vitória do Ressuscitado, ser iluminados pela sua luz, aquecidos pelo seu calor. Por meio da celebração eucarística, o Espírito Santo nos torna partícipes da vida divina que é capaz de transfigurar todo o nosso ser mortal. Na sua passagem da morte à vida, do tempo à eternidade, o Senhor Jesus nos leva com Ele para fazer a Páscoa. Na Missa se faz Páscoa. Nós, na Missa, estamos com Jesus, morto e ressuscitado e Ele nos leva para frente, para a vida eterna. Na Missa nos unimos a Ele. Antes ainda, Cristo vive em nós e nós vivemos n’Ele (...). Assim pensava São Paulo. O seu sangue nos liberta da morte e do medo da morte: Nos liberta não somente do domínio da morte física, mas da morte espiritual que é o mal, o pecado, que toma conta de nós cada vez que caímos vítima do pecado nosso ou dos outros. E então a nossa vida é sujada, perde a beleza, perde o significado, esmorece. Cristo, pelo contrário nos dá a vida novamente; Cristo é a plenitude da vida, e quando enfrentou a morte, a aniquilou para sempre: A Páscoa de Cristo é a vitória definitiva sobre a morte, porque Ele transformou a sua morte em supremo ato de amor. Morreu por amor. E na Eucaristia, Ele quer nos comunicar este seu amor pascal, vitorioso. Se o recebemos com fé, também nós podemos amar verdadeiramente Deus e o próximo, podemos amar como Ele nos amou, dando a vida. E se o amor de Cristo está em mim – posso doar-me plenamente ao outro, na certeza interior de que mesmo que o outro me fira, eu não morrerei. Caso contrário, deverei defender-me: Os mártires deram a sua vida justamente por esta certeza da vitória de Cristo sobre a morte. Somente se experimentamos este poder de Cristo, o poder de seu amor, somos realmente livres para nos doar sem medo. E esta é a Missa - entrar nesta paixão, morte, ressurreição, ascensão de Jesus: E quando vamos à Missa é como se fôssemos a um Calvário, é a mesma coisa. Mas pensem: se vamos ao Calvário - pensemos usando a imaginação - naquele momento, nós sabemos que aquele homem ali é Jesus. Mas, nós nos permitiremos ficar conversando, tirar fotografias, fazer um pouco o espetáculo? Não! Porque é Jesus! Nós, certamente estaremos em silêncio, no choro, e também na alegria de sermos salvos. Quando nós entramos na Igreja para celebrar a Missa, pensemos isto: entro no Calvário, onde Jesus dá a sua vida por mim, e assim desaparece o espetáculo, desaparecem as conversas, os comentários, e estas coisas que nos distanciam disto que é tão bonito que é a Missa, o triunfo de Jesus. Penso que agora esteja mais claro – como a Páscoa nos torna presente e atuante cada vez que celebramos a Missa, isto é, o sentido de memorial. Papa Francisco Boletim da Santa Sé Refrigeração Bom Clima Assistência Técnica Especializada Câmaras e Balcões Frigoríficos, Freezer, Geladeiras e Máquinas de Lavar www.santuariosaojoseoperario.org.br Tel. 5873-3032 / 9308-1486 - Sr. Augusto R. Marco Basaiti, nº 8 - Capão Redondo

[close]

p. 5

Fevereiro - 2018 Jornal São José Operário Com Jesus somos mais que vencedores Página-5 QUARESMA UM ENCONTRO PESSOAL COM CRISTO GELHO, A BOA NOVA DA SALVAÇÃO). Nos chama a atenção que o Filho de Deus se submeteu a penitência, junto com a oração, sendo como era, um Deus feito homem . Pare, leia e medite. Queridos amigos paroquianos, a QUARESMA é o tempo intenso da convesão pessoal e comunitária no nosso Santuário. Mas Ele quis nos dar o exemplo de que o seu Reino, o Reino dos Céus, é uma conquista pessoal e permanente que há de conseguir com esforço e sacrifício para vencer as forças do mal que vivem dentro de cada ser humano. É o tempo que nos levará através da oração, recolhimento e penitência à Páscoa da Ressurreição, para continuar avançando até o encontro definitivo com Cristo no seu amor. Quaresma é este espaço de tempo dedicado de uma maneira especial a nos lembrar o que é a vida do homem sobre a terra: UMA CONSTANTE CONVERSÃO, OU SEJA, UMA VOLTAA DEUS, DEPOIS DO PECADO. Quaresma vem da quarentena. E se refere aos quarenta dias que Cristo passou no deserto em contínua oração e fazendo penitência para se preparar a predicar e anunciar (O EVAN- EAsmpaaçnohã - Cyber Café - Tai Chi Chuan - Acumpultura - Florais - Massoterapia BISCUIT - PROMOÇÃO: 1ª AULA GRÁTIS A recompensa, nesta terra, é a paz de Deus que abrange tudo o que o ser humano possa desejar. Uma pessoa é feliz enquanto se tem a Deus no coração. Se qualquer pessoa possui a esperança e a paz dentro de si, desfrutará da presença de Deus quando vier ao nosso encontro. O mais importante é preparar-nos para este encontro pessoal com Cristo que deseja viver na nossa vida. E este encontro com Cristo, cada um de nós, teremos que proporcionar com o nosso esforço pessoal e nossa fidelidade na vida de oração, de meditação das Sagradas Escrituras, da participação ativa nos sacramentos e sobre tudo e de uma maneira toda especial, do nosso grande AMOR AO NOSSO PRÓXIMO. Queridos amigos paroquianos, aproveitemos este tempo muito especial que nos remarca e proporciona a Igreja ao mistério da paixão, morte e ressurreição de Cristo, para refletir sobre estes mistérios de festa grande que se aproxi- mam na vida de cada cristão. A oração e esses sinceros sacrifícios ou penitências, e em especial, os exercícios da caridade fraterna, nos ajudarão a criar esse clima íntimo na proteção de Deus durante todos os quarenta dias que duram este tempo de CONVERSÃO DO CORAÇÃO A CRISTO... A oração, que é a nossa conversação com Deus, na pessoa do seu Filho Jesus Cristo e de Maria, a Mãe de Jesus, é o único elemento fundamental e imprescindível para para nos colocar em sintonia com o nosso Deus Pai e obter o beneficio do seu presente na alma e no coração pelo Dom do seu Espírito Santo. E temos que reconhecer que o Espírito Santo é o que põe a verdadeira vida de Deus na nossa alma. Queridos amigos paroquianos, aproveitemos ao máximo estes quarenta dias que teremos a nossa disposição para ressuscitar com Cristo a uma vida renovada no seu Sangue derramado por nosso amor. QUARESMA É O TEMPO FAVORÁVEL PARA ESTE ENCONTRO COM CRISTO QUE PADECE, MORRE E RESSUSCITA POR MIM, POR TI E POR TODOS OS HOMENS QUE ACEITAM A SUA PESSOA NO SEU CORAÇÃO E NA SUA VIDA. FELIZES FESTAS DA PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO NO DIA PRIMEIRO DE ABRIL DE 2018! Um abraço do amigo de sempre Telefone: 5873-2618 Av. Comendador Santana, nº 959 www.santuariosaojoseoperario.org.br Pe. Nilson da Silva Vigário Paroquial

[close]

p. 6

Página-6 Jornal São José Operário Com Jesus somos mais que vencedores Fevereiro - 2018 www.santuariosaojoseoperario.org.br

[close]

p. 7

Fevereiro - 2018 Jornal São José Operário Com Jesus somos mais que vencedores Página-7 www.santuariosaojoseoperario.org.br

[close]

p. 8

Página-8 Jornal São José Operário Com Jesus somos mais que vencedores Fevereiro - 2018 PROGRAMAÇÃO DA PARÓQUIA SANTUÁRIO SÃO JOSÉ OPERÁRIO www.santuariosaojoseoperario.org.br

[close]

p. 9

Fevereiro - 2018 Jornal São José Operário Com Jesus somos mais que vencedores Página-9 Vamos iniciar o Ano Jubilar do nosso Santuário Iniciaremos neste mês de fevereiro o Ano Jubilar de nossa Paróquia Santuário. Serão diversas atividades e celebrações que irão marcar este período que terá início com a Missa Solene – presidida pelo nosso bispo Dom Luiz Antônio Guedes, no dia 24 de fevereiro às 19h – e irá até a mesma data em 2019, onde uma enorme festa nos aguarda para celebrar os 50 anos de nossa comunidade. Talvez muitas pessoas se perguntam sobre o que é afinal um ano jubilar? A proposta é responder nas próximas linhas deste artigo. Mais do que um simples aniversário, o jubileu tem suas raízes nos textos bíblicos, de forma mais contundente nas tradições do antigo Israel. A história do Povo de Deus passa pela libertação no Egito e segue com a caminhada rumo à terra prometida, textos estes narrados entre os livros de Êxodo e Josué. Fazemos uma pausa no livro do Levítico, que é um texto que marca a religiosidade judaica e está repleto de leis, assim como o livro do Deutero- nômio. O ano jubilar foi instituído e anunciado a Moisés pelo Senhor no capítulo 25 de Levítico: “Santificareis o quinquagésimo ano e publicareis a liberdade na terra para todos os seus habitantes. Será o vosso jubileu.” (Lv 25,10a). Na relação do povo com Deus lembramos com frequência dos mandamentos que foram entregues a Moisés, sobretudo, a importância do sábado para o povo da Antiga Aliança. Da mesma forma o ano jubilar ocupa uma dimensão sagrada para o povo judeu indo além da dimensão religiosa, pois o ano jubilar é um recomeço para o povo. Dívidas eram perdoadas, terras eram devolvidas, escravos eram libertos, tudo isso após o toque do Shofar, instrumento feito de chifre de carneiro utilizado na abertura do ano jubilar na tradição judaica. O próprio Jesus, como bom judeu, proclama este ano da Graça em sua pregação na Sinagoga de Nazaré (cf. Lc 4, 18-21). Até aqui abordamos o Jubileu dentro da dimensão judaica e bíblica, mas ele dentro do catolicismo recebeu um caráter mais espiritual, incentivando a busca pelas indulgências e de uma vida mais piedosa sendo chamado também de Ano Santo. O primeiro foi no ano de 1300, com o Papa Bonifácio VIII e o último, de caráter extraordinário foi no ano de 2016 com o Papa Francisco, inclusive com nosso Santuário sendo um dos diversos locais no mundo inteiro que recebeu uma Porta Santa da Misericórdia (outra marca do Ano Jubilar Católico). Como foi dito no início, o Jubileu vai além da comemoração de mais um ano, ele marca um novo tempo e exatamente isso que esperamos ao longo desse tempo especial em nosso Santuário. Olhando para nossa história, vamos render graças a Deus por tudo aquilo que Ele nos proporcionou, mas seguimos em frente, mergulhando e incentivando a devoção a São José Operário, padroeiro do Distrito do Capão Redondo, sobretudo crescendo na amizade com Cristo e promovendo o encontro com Ele para todos aqueles que irão visitar nosso Santuário. Alcoólicos Anônimos unidade serviço recuperação Fundada: 10/06/1935 ( Grupo Reconstrutores de Vida de A. A. ) Formado: 22/07/1973 Se alguém que você conhece estiver com problemas com bebidas Alcoólicas ‘ Procure-nos ’ Reuniões: 2ª, 3ª, 4ª, 6ª às 20h - Sábado às 19h Informações: 3315-0216 / 3315-0040 Rua Abílio César, 26 Sala 05 CEP: 05881-020 Jd. Soraia - Capão Redondo - SP DESDE JANEIRO /2016 www.santuariosaojoseoperario.org.br Desde já, bom início de Jubileu para você amiga e amigo paroquiano. Raylson Araújo Bacharelando em Teologia PUC-SP Membro da Escola da Fé do Santuário São José Operário

[close]

p. 10

Página-10 Jornal São José Operário Com Jesus somos mais que vencedores ANUNCIE AQUI Este espaço está reservado para você! 5873-2009 santuario@santuariosaojoseoperario.org.br Faça-nos uma visita na Secretaria do Santuário Fevereiro - 2018 MELLO FARMA DROGARIAS Medicamentos e Perfumaria em geral Telefone: 5872-6763 Rua Abílio Cesar, nº 3 Capão Redondo - SP LOJAS KENZO Enxoval para bebê e roupa infantil Tel.: 5873-2620 Av. Comendador Santana, nº 957 Capão Redondo - SP ADVOCACIA * Civil * Trabalhista Arabela Santos (Advogada) * Família * Criminal e Empresarial * Aposentadoria E-mail: arabelasantos@uol.com.br RUA JOÃO ROBALO, 17 - JD SORAYA SÃO PAULO - CEP 05881-000 FONE/FAX 5873-4588 / 5873-2320 - CEL. 9136-9382 MELLO FARMA DROGARIAS MELLO - 2 MEDICAMENTOS E PERFUMARIA EM GERAL Disk-entrega grátis 5873-8309 5873-8094 9.4642-6669 R. Henrique Sam Mindlin, nº 39 Capão Redondo - SP www.santuariosaojoseoperario.org.br ANUNCIE AQUI Este espaço está reservado para você! 5873-2009 santuario@santuariosaojoseoperario.org.br Faça-nos uma visita na Secretaria do Santuário

[close]

p. 11

Fevereiro - 2018 Jornal São José Operário Com Jesus somos mais que vencedores Página-11 Os mais sinceros votos de Paz aos Dizimistas do mês de Fevereiro/2018 SANT. DIOC. SÃO JOSÉ OPERÁRIO EDUARDO BARROS CLEMENTINO JOSÉ MARQUES PINHEIRO SUZART MARIA ONEZINA G. DE FARIAS TEREZINHA RIBEIRO NOBRE ALCIONE DIAS DO NASCIMENTO EDVANIA APARECIDA LOPES JOSÉ RAIMUNDO DE LIMA MARIA RAMOS DOS SANTOS TURENE DIAS MARTINS ADERAL R. SILVA EGENIR MARIA FERREIRA DE LIMA JOSÉ SARAIVA DE SOUZA MARIA ROSELITA ALVES SANTOS ULISSES DE LIMA ADRIANA PALMITO SUZART ELIETE MARIA DA SILVA JOSÉ SEVERINO DA SILVA MARIA SOCORRO VIEIRA SOUZA VALDOMIRA SOUZA DANTAS AGOSTINHO COUTINHO EMELY MARI TENÓRIO JOSÉ SEVERINO FERREIRA SANTOS MARIANA SOUZA NUNES VANDERLEI CAMPOS ALAIDE OLIVEIRA GOMES EDNALDO LIMA JOSEFA BATISTA ALVES MARINEUZA O. C. DE SANTANA VICENTE JOÃO FREITAS ALESSANDRA LESSA DE A. SOUZA ERNESTO ELIAS T. SILVA JJOSEJA MARIA BATISTA MARLI RIBEIRO YVAN SANTANA JUNIOR ANA CLAUDIA S. L. ROCHA EUN ICE MATOS DE MELO JURANDIR BURANHEM CARDOSO MARLI MOREIRA DA SILVA ZILAR CARVALHO DA SILVA ANA MARIA DE JESUS EUNICE MOREIRA BASTOS LARISSA VIRGINIA DOS SANTOS MONICA C. RAMOS ANA VIANA DA SSILVA EUTÁLIA MENDES DA SILVA LAURA VITO SANTOS NAIR SILVA DOS SANTOS CAPELA SÃO VICENTE ANATÁLIA GONÇALVES FABIANA LEMOS LIMA LINDOMAR BALBINO DE SOUZA NEUZA MAIA DE LISO ANDRESSA E JOILSON SANTANA ANTONIA FERN. CHMIELEWICZ FERNANDA SANTOS DE JESUS LOURDES CONCEIÇÃO LISBOA NILSON DA SILVA CLEIDE DOS ANJOS ANTONIO MIRANDA DE LIMA FRANCIELE DE AZEVEDO LOURDES PEREIRA NILVA DE SOUZA DIEGO CORDEIRO MARCIEL ANTONIO PEREIRA RAMOS FRANCISCO DE ASSIS ABREU JUNIOR LOURDES RIBEIRO DA SILVA NILZA TEIXEIRA DE MELO EDMILSON ALVES DA SILVA APARECIDA DOS SANTOS FRANCISCO JACINTO A. FILHO LUANA SILVA SOUZA NOELIA SILVA SANTOS EFIGENIA SEC. DE MARCELHA SILVA ARI ALVES ROCHA FRANCISCO JOSÉ MOURA DA SILVA LUCIANA LOURENÇO DOS SANTOS NUBIA PEREIRA DE MORAES FERNANDO VIEIRA PANTOJA BEATRIZ BARBOSA DA CRUZ GABRIELA APARECIDA ALEXANDRE LUCIENE PEREIRA DE AZEVEDO PATRICIA MARGARIDA SILVA FRANCISCA DA SILVA S. MOREIRA BENEDITA CRISTINA SANTOS GARDILEIDE LEAL RAMOS MARCELA RAMOS PAULO VICENTE MOREIRA JOSÉ ANTONIO DO MONTE BENEDITA MATOS GENILZA FERNANDES M. GOMES MARCIA GONZAGA DE ALMEIDA PEDRO DAMIÃO DOS S. RAMOS JUSSARA ANTUNES DE OLIVEIRA BRUNA LUCCO BACELAR GEOVANA MIRANDA DA SILVA MARCIA ROCHA CAMPOS PRISCILA DA SILVA SOARES MARIA CLARA PINHEIRO BRUNO HENRIQUE J. DA SILVA GERALDO FORTUNATO GOMES MARIA AUXILIADORA DE ARRUDA RAIMUNDA DA SILVA GONZAGA MARIA DO CARMO DE ARAUJO CARLOS ANTONIO DA SILVA GILCE ALEXANDRIA OLIVEIRA MARIA CARVALHO GOMES RAMINA MARIA S. DA CRUZ MARTA MARIA BASTOS FERNANDES CARLOS PRADO DE SOUZA GILTON JOSÉ DA SILVA MARIA CLARA LINS RAMON DA SILVA SANTANA MORGANA SILVA FONTES NOVAES CELIO DE OLIVEIRA E SILVA IMACULADA AP. SOUZA VARGAS MARIA CREUZA L. DO S. BARBOSA RENATA AP. M. VASCONCELOS OSVALDO F. VIEIRA FILHO CICERA DE OLIVEIRA BARBOSA IRACI R. C. STOPPA MARIA DA SILVA RITA DE CASSSIA F. PAULA REGINALDO JOSÉ DE ASSIS CICERO MOURATO DE LIMA IVONE JOSÉ DE SENA MARIA DAS GRAÇAS COSTA SILVA ROSA LUCIA BORGES MOTA CLAUDIO GABRIEL SOUZA JACI B. DE CARVALHO MARIA DAS GRAÇAS F. LEITE ROSANGELA SANTANA DIAS CAPELA SÃO PEDRO CLESIANE OLIVEIRA FRANÇA JANAÍNA APARECIDA DE S. PONTES MARIA DAS N. GOMES ROSELI MESSIAS ALVES ANA PAULA ALVES COELHO COSMA S.A. SOUSA JASCI BENICIO CARVALHO MARIA DE FATIMA OLIVEIRA ROSELY BARBOSA ANTONIO R. CORDEIRO CRISTINA DE SOUSA FERREIRA JEFFERSON DA SILVA MARIA DE LOURDES B. FERNANDES ROSEMARIM. GUMAUSKAS ARMANDO JOSÉ DOS SANTOS CRISTINA DAMASCENO ALEXANDRE JENNYFER BUENO SOUSA MARIA DE LOURDES DE SOUSA ROSICLÉIA NUNES GONLAVES CLEIDIONICE SOARES FERREIRA CRISTINA GONÇALVES LIMA JESUINO FERNANDES COSTA MARIA DJANIRA DE JESUS PRADO ROZANE BEZERRA DOS SANTOS DAIANA DE ALMEIDA DOS SANTOS DAMIANA PEREIRA SOTERO JOÃO BOSCO MACHADO BRUM MARIA DO AMPARO DE JESUS SANDRA CRISTINA COSTA SANTOS DEJANIRA SUZART MOTA COSTA DENILDA PEREIRAD DOS SANTOS JOAQUIM ELIAS DA SILVA MARIA DO SOCORRO G. PORFÍRIO SANTA BARBOSA DE A. JOANA FERREIRA FRANCO VIANA DILMA P. DE OLIVEIRA JOAQUIM QUEIROZ DE CARVALHO MARIA ELI DO NASCIMENTO SEBASTIÃO MARTINS JOSÉ BARBOSA SANTOS DJAILTON DE OLIVEIRA JOEMA Mª. G DE PINHO MARIA ELIONEIDE DA SILVA SEBASTIÃO PEREIRA DA SILVA KATIA JANINE CHAGAS ROSA DONIZETH CARNEIRO DE SOUZA JORDINA APARECIDA P. ARAUJO MARIA HELENA FERRAZ SILENE ROSA DA SILVA LUCIA DE FATIMA SILVA SANTOS EDILEUZA MARIA DA CONCEIÇÃO JOSÉ VICTOR DOS SANTOS MARIA HELENA SIMÕES SILVANA DIAS DOS SANTOS MARIA DO SOCORRO ROCHA EDNALVO JESUS DOS SANTOS JOSÉ ANGELO DO NASCIMENTO MARIA LIMA LOPES SILVANA L. BERING MARIA ESPEDITA DE SOUZA EDNALVA DO S. CONEIÇÃO JOSÉ GERALDO RODRIGUES MARIA LUCIA DE ARAUJO SILVIA FORMAGIO PEDRO BATISTA LIMA PESSOA EDSON DO NASCIMENTO JOSÉ GERALDO SOARES MARIA LUIZA MOISES SORAIA F. DE SOUZA F. DA SILVA RENATO GOLVEIA DOS SANTOS EDSON VANDERLEI MOISES JOSÉ LUIZ SANTANA DOS SANTOS MARIA NAZARENE CORD. BARROS TEREZA LEONOR DA CONCEIÇÃO ROMENIO SILVA DOS SANTOS “Pagai integralmente os dízimos ao tesouro do templo, para que haja alimento em minha casa” (Malaquias 3, 10) www.santuariosaojoseoperario.org.br

[close]

p. 12

www.santuariosaojoseoperario.org.br

[close]

Comments

no comments yet