Jornal Eco da Tradição 196 - Dezembro de 2017

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Eco da Tradição Dezembro 2017 - 196

Popular Pages


p. 1

ECO DA TRADIÇÃO - ANO XVI - Nº 196 - DEZEMBRO DE 2017 O CORAÇÃO DO RIO GRANDE PULSA CHEIO DE ENERGIA. CPF PIÁ DO SUL É TETRACAMPEÃO O Centro de Pesquisas Folclóricas Piá do Sul, de Santa Maria, sagrou-se campeão das danças tradicionais do Enart pela quarta vez e, com o maior somatório de pontos, a 13ª Região Tradicionalista conquistou seu segundo Troféu Marca Grande e é bicampeã do Encontro de Artes e Tradição Gaúcha Foto: Deivis Bueno/Estampa da Tradição EDITORIAL do presidente Momento de avaliar e, sobretudo, agradecer Página 02 CONGRESSO E SEMINÁRIO PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO 66º CONGRESSO E 31º SEMINÁRIO DE PRENDAS Página 03 CAMPEÃO DO ENART FORÇA “b” CONHEÇA O ctg BRIGADEIRO RAPHAEL PINTO BANDEIRA, DE RIO GRANDE, 6ª RT Página 13 VERSO DE IMPROVISO Dá o tom, que eu abro a guela: OS CAMPEÕES DAS TROVAS E PAJADA DO ENART Página 17 Foto: Rogério Bastos cBtg CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA REALIZA CONGRESSO E CONCURSOS EM FOZ Página 09 Foto: Rogério Bastos festa campeira do rs - 2018 a cidade de esmeralda, terra do tiro de laço se prepara para receber o rs Página 20 Foto: Arquivo Pessoal Família boa de versos. Cravinho e Elizandro venceram no Enart Comitiva do Rio Grande do Sul no Congresso da CBTG Alfredo José dos Santos (C), o pioneiro do tiro de laço competitivo

[close]

p. 2

2 Ano XVI - Edição 196 Dezembro de 2017 Rua Guilherme Schell, 60 Porto Alegre / RS CEP: 90640-040 Email para sugestão de pautas: conselhoeditorialeco@mtg.org.br www.mtg.org.br mtg-rs.blogspot.com Contato: 51. 3223-5194 EXPEDIENTE: SUPERVISÃO E DIREÇÃO: Nairioli Callegaro DIREÇÃO DE REDAÇÃO: Rogério Bastos DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen CONSELHO EDITORIAL: Elenir Winck, Sandra Veroneze, Odila Savaris, Anijane Varela, José Roberto Fischborn, Vitor Pochmann e Bruno Mendonça. JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rogério Bastos (16.834) Liliane Pappen (16.835) Fúlvio Lopes (16.200) COLABORAÇÃO: Andressa Motter IMPRESSÃO: Zero Hora TIRAGEM: 3 mil exemplares Atendimento De segunda a quinta-feira 09 às 12h e das 13 às 18h Sexta-feira 09 às 12h e das 13 às 17h Valores da Anuidade Novembro Valor Plena Parcial Especial Estudantis R$ 1.214,10 R$ 1.040,99 R$ 637,05 R$ 175,41 40% do valor retorna às RTs. MTG: PRESIDENTE: Nairioli Antunes Callegaro VICE-PRESIDENTE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS: Elenir Fátima Dill Winck VICE-PRESIDENTE DE CULTURA: Anijane dos Santos Varela VICE-PRESIDENTE ARTÍSTICO: José Roberto Fischborn VICE-PRESIDENTE CAMPEIRO: José A. Araújo VICE-PRESIDENTE ESPORTES: Martim Guterres Damasco Não nos responsabilizamos pelas opiniões publicadas no jornal EDITORIAL Nairioli Callegaro - Presidente MOMENTO DE AVALIAR E, SOBRETUDO, AGRADECER A vida é uma grande estrada na qual ao longo da caminhada vamos semeando possibilidades, removendo obstáculos, aprendendo e estabelecendo relações que permitem o crescimento pessoal e coletivo. Podemos fazer desta trajetória um percurso de grande aprendizado, e este podemos direcionar de forma a estabelecermos nossos objetivos. Ao chegarmos no mês de dezembro, vamos rever o ano que passou, as dificuldades, as derrotas, as vitórias, o imprevisível, mas, acima de tudo, a superação e a capacidade de entendimento e de compreensão dos processos por nós vivenciados e que nos fazem refletir sobre as experiências adquiridas nesta pequena caminhada. Podemos colher algumas conclusões, vontades e desejos e descobertas de quem verdadeiramente quer trabalhar por um Rio Grande, sem vaidades, sem egos e sem disputas pessoais. Pois é momento de pensarmos no todo, como um conjunto de possibilidades capazes de transformarem para melhor nossa sociedade, nossa instituição. Momento de deixarmos de lado os interesses meramente de entidades, regiões, pessoais. Desenvolvermos uma ação coletiva, uma ação que expresse de forma natural a vontade de vivermos o verdadeiro, o simples e o tradicional. Estas questões aprendemos no seio de nossas famílias, passadas através de nossas gerações. Nas instituições somos instrumentos para repatriarmos estes conhecimentos e aprendizados para todos. Para dirigir uma entidade não é preciso ser especialista; basta conhecê-la, respeitá-la e fazer com alma, pureza e simplicidade. Usar dos nossos conhecimentos herdados de família, de gerações, acrescentando o que a vida nos proporciona, os conhecimentos adquiridos no ensino educacional e profissional de cada indivíduo, fazendo com que tudo isso seja capaz, em um pequeno espaço de tempo, de contribuir com o que o movimento necessita. O Continuar, ao meu entender, é também ter a capacidade de evoluir, aprender e aprimorar os processos de todas as instituições envolvidas e a capacidade de contribuirmos com o crescimento das pessoas, oportunizando a elas as mesmas possibilidades que tivemos. Ao findar este ano, que foi extremamente difícil, com muitos desafios, incertezas e dúvidas, mas acima de tudo com claros propósitos e objetivo, tenho que agradecer. A todos, patrões, coordenadores, conselheiros, prendas, peões, tradicionalistas, avaliadores, amigos, todos os tradicionalistas, aos colaboradores do MTG e FCG, o meu “muito obrigado”. À diretoria do MTG, um carinho e agradecimento muito especial por todos os momentos que passamos e fomos capazes de superar juntos. Agradeço às empresas parceiras e patrocinadoras, e não poderia deixar de mencionar os Voluntários, que compreenderam e acolheram os propósitos de crescimento e mudanças necessárias para este momento. Aos jovens, que tanto tenho mencionado de uma forma insistente com o objetivo único para tornar real e efetiva sua participação, que continuem e acreditem, ocupando seus espaços que de direito têm. Ainda temos um longo caminho pela frente a ser percorrido com coragem e determinação. Espero que percebam o momento que vivemos e o caminho a percorrer. Vamos deixar de lado amarras, e vivermos com coragem uma nova caminhada, com responsabilidade e determinação. A sociedade percebe e nos acompanha nesta jornada. Barbosa Lessa pensou um movimento de todos e convido a todos a buscarem este movimento. Feliz Natal e um ano novo repleto de esperanças e realizações. OPINIÃO Por: Renata da Silva 1ª Prenda do Rio Grande do Sul Que tipo de prenda tu és? Em vinte anos de caminhada tradicionalista vi muitas mudanças acontecerem. Uma das mais expressivas certa- mente é o espaço que a mulher conquistou no Movimento. Quando criança, lembro que falar de prenda era pensar na moça usando uma faixa. Hoje, quando falamos da figu- ra feminina em nosso meio, podemos pensar em todos os segmentos e posições de liderança. De fato, o que mais me alegra é saber que a atuação da mulher não limita-se mais a papéis secundários. E que a prenda de faixa, outrora vista como uma figura decorativa, hoje tem voz, vez e influência. Esta é a realidade que enxergo na minha caminhada pelo Rio Grande e também fora dele. Quando participo de eventos, sejam eles em nível de entidade, região ou federa- ção, as mesas oficiais, bem como as plenárias, congregam homens e mulheres das mais variadas idades que trocam ideias e experiências buscando o melhor para a convivên- cia coletiva. Quando o Presidente Nairo quebrou o protocolo nas festividades dos 51 anos do MTG, e me incumbiu de fazer o uso da palavra, em segundos pensei na responsabilidade e confiança que ele depositou em mim. Mas em momento algum duvidei da honra e da importância de me pronun- ciar enquanto jovem, mulher e Prenda do Rio Grande do Sul. Foi chocante uma prenda de faixa se pronunciar em tal proto- colo? Não foi também para isso que nos preparamos? Os concursos de prenda têm Uma coisa aprendi com grande responsabilidade. No concurso nacional, por exemplo, me surpreendi com as caixas de tantos eventos e concursos: pastas de vivência entregues à prenda foi feita comissão, bem como com a permissão de fazer uma prova oral “livre” e sem limite de tempo. Mas para trabalhar. E devem vejam bem: na CBTG, um prendado dura dois anos. É muito tempo para trabalhar e registrar assumir seu protagonismo, tamanho esforço. É justo limitar a dar vida a ideias e exposição de tudo isso? E como avaliar? servir de espelho. Aqui no Rio Grande, há quem diga que três anos de prendado (entidade + região + estado) é muita coisa. Outros pensam que é um tempo muito curto para uma prenda poder mos- trar serviço. E eu concordo com a segunda linha de pensa- mento. Até porque eu conquistei a minha primeira faixa em 1997, ou seja, vinte anos atrás, e não tenham dúvidas que ela ajudou a me conduzir ao cargo que ocupo hoje, e que me faz almejar ser muito mais do que uma “vitrine bonita” do Movimento Tradicionalista Gaúcho. Sim, as prendas de faixa ainda sofrem preconceito. Tem que ser bonita? Tem que ser culta? Tem que ser formada? Tem que ser rica? Ah, quantas vezes respondi perguntas assim. Quantas vezes precisei defender a minha “classe”. E a culpa é de quem? Certamente de nós mesmas que almejamos o cargo e, quando chegamos lá, esquecemos que a labuta continua. Uma coisa aprendi com tantos eventos e concursos: prenda foi feita para trabalhar. Se por um lado há aque- las que passarão pela vitrine do Movimento Tradicionalista Gaúcho como meras manequins, por outro existem as que assumem o protagonismo, servem de espelho, dão vida a ideias, debates, projetos, trabalhos... e têm o direito e o dever de se pronunciar, de “desfilar a sua beleza”, de se posicionar, de influenciar e de colaborar com a construção dos próximos 50 anos do MTG. Que tipo de prenda tu és?

[close]

p. 3

Ano XVI - Edição 196 EVENTOS Dezembro de 2017 3 VEM AÍ O 66º CONGRESSO TRADICIONALISTA ‘’Amargo doce que eu sorvo, num beijo em lábios de prata. Tens o perfume da mata molhado pelo sereno, E a Cuia, seio moreno, que passa de mão em mão. Traduz, no meu chimarrão em sua simplicidade, a velha hospitalidade, da gente do meu rincão.’’ Em nome do MTG, 2° Região tradicionalista, e da Comissão Executiva, o Município de São Jerônimo, escolheu os Versos de seu ilustre filho, e um dos grandes ideólogos do tradicionalismo gaúcho Glaucus Saraiva, para enviar o chasque que percorrerá todos os cantos de nosso estado, convidando os Gaúchos e Gaúchas de todas as Querências para participar do 66° Congresso Tradicionalista que ocorrerá nos dias 12,13 e 14 de janeiro de 2018 no Ginásio de esportes de São Jerônimo. São Jerônimo, um dos berços do tradicionalismo, da lida do campo e da lavoura, da criação de ovelhas e gado, a produção industrial de medicamentos e do polo educacional da região, terá a alegria em recebê-los na velha e boa hospitalidade gaúcha. São Jerônimo Cidade de origem luso-brasileira, São Jerônimo, após atingir grande desenvolvimento econômico, consegue emancipar-se de Bom Jesus do Triunfo. Em outras épocas, esse município denominava-se “Passo das Tropas”. Atualmente liga-se ao fato de ter sido encontrada a imagem de São Jerônimo numa embarcação ancorada na praia da povoação. Sua principal característica é ser uma cidade forjada pelo minério e a pecuária. Às margens do Rio Jacuí surgiram as charqueadas, que processavam a carne do gado abatido nos campos do município. Aliada a prosperidade das estâncias, a exploração das jazidas de carvão mineral contribuiu para o desenvolvimento da cidade. A população é predominantemente de origem luso-brasileira, o que pode ser visto ainda hoje no centro da cidade e nos casarios de estilo açoriano-colonial, um verdadeiro patrimônio histórico da cidade. PROGRAMAÇÃO ‘’Na conuência dos Rios Jacuí e Taquarí, o berços do Tradicionalismo: São jerônimo, terra de Glaucus Saraiva’’. 12/01/2018 (SEXTA) 09hs - Início do Credenciamento 15hs - Sessão Preparatória do 66° Congresso Tradicionalista 16hs - Chegada da Chama Crioula da 11ª RT 16h45 - 1° Sessão Plenária 20hs - Solenidade de abertura 21hs - Jantar 13/01/2018 (SÁBADO) 09hs - 2° Sessão Plenária 10hs - 3° Sessão Plenária 12hs - Almoço 14hs - 4° Sessão Plenária 14h30 - Instalação da Assembleia Geral Eletiva para Conselho Diretor - Inicio da Votação 16hs - 5° Sessão Plenária 17hs - Encerramento das Votações para o Conselho Diretor e para sediar o 67° Congresso Tradicionalista 19h30 - Sessão Especial do Conselho Diretor para eleição do Presidente e Vice- Presidentes 21hs - Jantar 23hs - Fandango 14/01/2018 (DOMINGO) 08h30 - 1ª Reunião Ordinária do Conselho Diretor e 1ª Reunião dos Coordenadores Regionais. 11hs - Sessão Solene de Encerramento e Posse do novo Conselho Diretor, Junta Fiscal, Departamento Jovem e dos Coordenadores Regionais. 12h30 - Almoço de Encerramento. 31º SEMINÁRIO ESTADUAL DE PRENDAS

[close]

p. 4

4 Ano XVI - Edição 196 Dezembro de 2017 PROSEANDO COM TENÊNCIA Por Rogério Bastos CASOS & ACASOS Apresentação do Enart em versos Costumava dizer que Jayme Caetano Braun, Teixeirinha e Gildo de Freitas não entravam no Enart. Esquecidos, os pioneiros eram só uma lembrança. Pois não é que em 2017 eles vieram com tudo. Pedro Júnior da Fontoura chamou todos os grupos da força “A” em pajadas, ao estilo Don Jayme. Coisa linda de se ouvir. Emoção para os jovens que iam entrar no tablado. E o velho Lalau Miranda sempre lembrando os velhos ídolos. Este ano foi a vez do Rei dos Trovadores, Gildo de Freitas. Loja Maçônica Gaúchos Templários Foi uma linda manhã de sábado, dia 18 de novembro, quando as coisas positivas permeiam o dia, que encontrei meus amigos de muitos anos de lida nesta loja fraterna que meu irmão Léo Ribeiro de Souza batalhou tanto para que existisse e se realizasse. Pois nessa manhã encontrei Paulo de Freitas Mendonça, um grande incentivador desde meus tempos de guri, em seu jornal do Nativismo, Edegar Barboza, o Cacaio, parceiro de tantas viagens culturais nos tempos de IGTF. O amigo e escritor, Maxsoel Bastos de Freitas, que lançou recentemente seu livro, “Nos ideais daqueles lenços”, o poeta Cândido Brasil e a família do meu amigo Léo Ribeiro. Sabe aquela sensação de estar entre amigos em um ambiente que te acolhe? Eu senti isso! Circuito Cultural em Santa Carmem, Mato Grosso Em uma promoção do CTG Paixão sem Fronteiras, de Santa Carmem, 3ª Região Tradicionalista do Mato Grosso, foi realizada a 1ª edição do Circuito Cultural com apoio de uma emenda do parlamento estadual, apoio da prefeitura municipal (prefeito e vice assistiram TODAS as palestras) do MTG do Mato Grosso e da comunidade tradicionalista da cidade, de Sinop, Sapezal, Querência e outras cidades ao redor. João Malisnki, jovem patrão do CTG, estava entregando seu mandato mas ainda conseguiu realizar o evento e lançar a pedra fundamental para a construção do CTG. Do Rio Grande do Sul, foram palestrantes Rogério Bastos, Liliane Pappen e Jhonatã Leindecker, Peão Farroupilha do estado. De Ponta Porã/MS, foram o Peão Tradicionalista da CBTG, Farid Molas e a 3ª Prenda da CBTG, Daiane Pereira. O que mais chamou a atenção foi a presença do Prefeito Municipal, Rodrigo Audrey Frantz, 35 anos, sua esposa, Aline Alexandre Frantz e sua filha Lavínia estiveram permanentemente no evento, bem como o Vice-prefeito, Pablo Liberal Bortolas, com sua família. À noite vários Deputados Estaduais e vereadores estiveram presentes ao evento. Gilberto entregando, Paula assumindo a 18ª RT Amigos de longa data o coordenador Gilberto Silveira se despede e dá lugar à minha amiga Paula, filha do veterano Nelson Oliva, de Dom Pedrito. Conheci o Gilberto ainda na patronagem do Pampa e Minuano, de Bagé, e um dia lhe disse, que ele seria o Coordenador Regional. Paulinha, mais de 25 anos de amizade. Sucesso na empreitada. Prendas da CBTG que se despediram Acompanhei esta gestão de prendas e peões da CBTG e preciso aqui destacar as três prendas adultas (Carol, Aline e Daiane), pela amizade e sincronia que tiveram na gestão. Diálogo e amizade. Diferenças? Muitas! Mas souberam superar e trabalhar pela CBTG. Thaís Dutra, Prenda Veterana, deixou um belo legado, viajou muito, fez eventos, lançou livro. Nossa! Que exemplo. Rafinha (BA), Farid Molas (MS) e Andrini (DF) serão inesquecíveis. Marcaram presença. MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO Calendário oficial do MTG - 2018 DATA EVENTO PROM. CIDADE JANEIRO 2018 13 e 14 66º CONGRESSO TRADICIONALISTA GAÚCHO MTG SÃO JERÔNIMO 14 1ª REUNIÃO DE CONSELHEIROS MTG SÃO JERÔNIMO 14 1ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS MTG SÃO JERÔNIMO 13 SEMINÁRIO ESTADUAL DE PRENDAS MTG SÃO JERÔNIMO FEVEREIRO 2018 17 2ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CAMPEIROS, MTG 17 CULTURAIS, ESPORTIVOS, ARTÍSTICOS, CONSELHO DE ÉTICA E JURÍDICO MTG MARÇO 2018 3 2ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR MTG PORTO ALEGRE 5 PRAZO FINAL INSCRIÇÕES FECARS MTG PORTO ALEGRE 13 PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 30º ENTREVERO CULT. DE PEÕES - FASE ESTADUAL MTG PORTO ALEGRE 15 a 18 30ª FESTA CAMPEIRA DO RIO GRANDE DO SUL MTG ESMERALDA 17 SEMINÁRIO DA CULTURA CAMPEIRA MTG ESMERALDA ABRIL 2018 12 a 14 30º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES - FASE ESTADUAL MTG + 30ªRT NOVO HAMBURGO 18 PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 48ª CIRANDA CULT. DE PRENDAS - FASE ESTADUAL MTG PORTO ALEGRE MAIO 2018 5 3ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS E DIRETORES REGIONAIS MTG PORTO ALEGRE 12 3ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR MTG PORTO ALEGRE 17 a 19 48ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS - FASE ESTADUAL MTG + 30ªRT CAMPO BOM 29 PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 49ª CIRANDA CULT. DE PRENDAS - FASE REGIONAL MTG PORTO ALEGRE 29 PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 31º ENTREVERO CULT. DE PEÕES - FASE REGIONAL MTG PORTO ALEGRE 16 4ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DIRETOR (Provas Ciranda e Entrevero Regional) - SEDE MTG MTG PORTO ALEGRE 30 49ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS - FASE REGIONAL MTG RTs 30 31º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES - FASE REGIONAL MTG RTs JULHO 2018 7 4ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS E DIRETORES REGIONAIS MTG PORTO ALEGRE 25 PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES ENART 2017 MTG PORTO ALEGRE 28 85ª CONVENÇÃO TRADICIONALISTA MTG + 9ª RT PANAMBI AGOSTO 2018 7 SORTEIO ORDEM DE APRESENTAÇÃO DAS INTER-REGIONAIS DO ENART 2018 MTG PORTO ALEGRE 10 E 11 ACENDIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DA CHAMA CRIOULA MTG IRAÍ – 28ª RT 25 e 26 1ª INTER-REGIONAL DO ENART MTG SETEMBRO 2018 1 5ª REUNIÃO CONSELHO DIRETOR MTG PORTO ALEGRE 14 a 20 SEMANA FARROUPILHA MTG + RTs RS 29 E 30 2ª INTER-REGIONAL DO ENART MTG OUTUBRO 2018 6 5ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES REGIONAIS MTG PORTO ALEGRE 6 e 7 ACAMPAMENTO DA JUVENTUDE E TCHENCONTRO 13 e 14 FEGADAN 20 e 21 3ª INTER-REGIONAL ENART 27 52º ANIVERSÁRIO DO MTG / ORCAV MTG NOVEMBRO 2018 1 SORTEIO DA ORDEM DE APRESENTAÇÃO DA FINAL DO ENART 2018 MTG PORTO ALEGRE 10 e 11 27º ABERTO DE ESPORTES - 3º ENECAMP MTG + RT 10 6ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR MTG PORTO ALEGRE 16 a 18 FINAL ENART 2018 - ENCONTRO DE ARTE E TRADIÇÃO GAÚCHA MTG + 5ª STA CRUZ DO SUL DEZEMBRO 2018 5 PRAZO FINAL - ELEIÇÕES COORDENADORIAS REGIONAIS MTG RTs 8 REUNIÃO DE ENCERRAMENTO - CONFRATERNIZAÇÃO NATALINA 12 PRAZO FINAL - APRESENTAÇÃO PROPOSIÇÕES PARA O 66º CONGRESSO MTG RTs JANEIRO 2019 12 e 13 67º CONGRESSO TRADICIONALISTA GAÚCHO MTG + ª RT * CALENDÁRIO SUJEITO A ALTERAÇÕES

[close]

p. 5

Ano XVI - Edição 196 DEPARTAMENTO JOVEM Por: Eduardo Gusmão Bittencourt Vice-diretor Dpto Jovem do MTG Um ano para se reinventar! Aproxima-se mais um findar de ano, este que nem bem terminou, e já deixa um gosto de saudade, mas 2018 já começou para grande parte da juventude tradicionalista do nosso Rio Grande; afinal passado o ENART é tempo de reorganizar a casa, o corpo, a mente, as finanças e de traçar novas metas para o ano que se aproxima. Para o Departamento Jovem Central, é um ano de agradecimento a juventude gaúcha, a diretoria deste movimento, a gestão de Prendas e Peões estadual, e a todos que de uma forma ou outra auxiliaram na realização das atividades propostas. Um ano em que a palavra DOAÇÃO, foi de suma importância no trabalho realizado; pois foram feitas campanhas de arrecadação de alimentos e materiais de limpeza, para as vítimas atingidas pelas tempestades na cidade de Rolante e São Francisco de Paula; uma semana da Paz e dia do jovem tradicionalista, voltados ao voluntariado e auxílio ao próximo resgatando os legados de 1947; a realização de mais uma edição do Acampamen- to da Juventude Gaúcha e Tchêncontro Estadual, dessa vez intermunicipal, proporcionando a juventude tradicionalista um contato direto com a história do Rio Grande do Sul ainda viva nas ruínas de São Miguel e na hospitaleira Giruá; e para brindar o final deste valoroso ano, o Movimento Tradicionalista realizou um dos maiores ENART’s dos últimos anos, onde a demonstração de voluntariado, amizade e amor as tradições gaúchas resultaram em um grandioso evento. Dos saldos positivos que ficam, 2017 foi um ano de realizações, pois a força da juventude, e a vontade de mostrar que está sendo construído um movimento para o futuro das próximas gerações ficou visível em cada ação deste departamento. Para o ano que se aproxima, fica nosso desejo de um abençoado 2018, regado de muito trabalho e muitas conquistas, e que as próximas lideranças tenham a oportunidade de fazer crescer ainda mais este departamento. Vida longa a Juventude Gaúcha! Vida longa ao Departamento Jovem Central! Dezembro de 2017 5 CEVANDO O MATE Por Sandra Veroneze RECAPITULANDO Curso de Assessoria de Imprensa - Dezembro 2017 Ao longo deste ano publicamos aqui nesta coluna, e no formato de mini curso, considerações acerca da atividade de assessoria de imprensa para entidades tradicionalistas. Como explicitado desde o início, a ideia foi compartilhar a expertise do MTG aplicável a toda e qualquer entidade tradicionalista, independente de tamanho e área de abrangência. Longe de esgotar o assunto, esse material teve como propósito indicar um caminho, uma perspectiva, visando maior e melhor presença da agenda tradicionalista nos veículos de comunicação. Espero ter contribuído com a estruturação de assessorias de imprensa para aquelas entidades que ainda não dispunham e também agregado conhecimento àquelas que já tinham iniciativa nesse sentido. Reitero aqui a importância de cada entidade tradicionalista cultivar um bom relacionamento com os veículos de comunicação, que desempenham um papel muito importante nas comunidades, tanto informativo quanto na formação de opinião. Muitas vezes nos desgostamos de como o tradicionalismo é apresentado na imprensa, mas isso não deve servir de desestímulo. Tanto pelo contrário. O tradicionalismo é tão bonito e tão importante para a sociedade que não podemos abdicar de nenhuma oportunidade para mostrar isso ao maior número de pessoas possível. Boa jornada! Continuo à disposição em caso de dúvidas. NOTA DE APOIO E ESCLARECIMENTO Ao longo do tempo, mas principalmente nos últimos três anos, o MTG tem trabalhado e contribuído com a Secretaria Estadual de Agricultura para a construção, junto à sociedade, ao governo e às associações, uma alternativa capaz de facilitar o trânsito de animais, preservando a legalidade e a segurança. Esta nota de Instrução da Secretaria Estadual de Agricultura (Instrução Normativa SEAPI Nº 010/2010) vem ao encontro dos anseios e vontades de nossa sociedade. A circulação dentro do município sem a emissão da GTA vai facilitar e contribuir na realização dos eventos. Somos conscientes de que todos os exames devem ser mantidos e ampliados cada vez mais, pois este é o caminho de mantermos a segurança de nossos animais. Colaboramos junto ao Governo para a construção desta alternativa e somos solidários a esta medida. Esta alternativa vai contribuir para maior circulação e realização de novos exames em animais dentro de um mesmo município. O MTG é e sempre será parceiros de medidas dentro da legalidade que venham ao encontro dos interesses da coletividade. Nossa orientação a todos os associados é que mantenham seus exames em dia junto aos profissionais da área para que possamos preservar o avanço nesta caminhada. O nosso Muito Obrigado e seguiremos construindo sempre um caminho seguro de nossa sociedade. Nairioli Antunes Callegaro troian.pdf 1 07/03/2017 22:41:25 Presidente do MTG Luciano Maia promove oficina de acordeon O evento “O�icina: falando em gaita”, com Luciano Maia, vai acontecer na Casa da Gaita Ponto, na av. Ipiranga, 8856, no Parthenon, em Porto Alegre. O consagrado acordeonista Luciano Maia, que já foi campeão do Enart nesta modalidade, está organizando encontros com outros artistas e alunos para discutir o atual momento do instrumento. Será dia 16 de dezembro, a partir das 9h da manhã, com a presença de Orlandinho Rocha, Mano Monteiro. Jonatan Dalmonte, falará sobre captação e microfonação, Noé Correa, sobre transporte e cuidados com o instrumento. Uma conversa com o mestre Luis Carlos Borges e a oficina com Luciano Maia. A oficina destina-se a todas as idades e níveis de conhecimento musical. Inscrições pelo e-mail: contato@lucianomaia.com ou 51 99328 6574 com Thaís. C M Hámaisde 15anosDandovozÀnossa tradição! Y CM MY Entre em contato, temos a estrutura completa para o seu evento. CY CMY K 5499112.1085 troiansonorizacao@gmail.com

[close]

p. 6

6 Ano XVI - Edição 196 Dezembro de 2017 NOTÍCIAS PELO BRASIL ESPAÇO DA CBTG Por: João Ermelino de Mello Presidente da CBTG Roberto Basso foi 30 Anos da CBTG e muito reeleito no Mato Grosso trabalho pela frente Roberto Basso foi reeleito Presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho do Mato Grosso, para a gestão 2018/2019. Basso é membro do Conselho Diretor da CBTG - Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha e Conselheiro da CITG - Confederação Internacional da Tradição Gaúcha. A eleição da nova diretoria ocorreu na manhã do dia 02 de dezembro, na cidade de Água Boa-MT. O MTG/MT foi anfitrião do Fenart e Rodeio Nacional de Campeões, que aconteceu em Querência. Na parte da tarde as atividades seguiram com uma convenção, onde foram apresentadas proposições e alterações no regulamento geral, artístico, campeiro, esportivo e cultural do Mato Grosso. Foto: Rogério Bastos Roberto Basso foi reeleito presidente do MTG-MT e escalou jovens para ajudá-lo nesta empreitada Eleita nova diretoria do MTG de Santa Catarina Este ano foi marcado pela celebração dos 30 Anos da CBTG. Desde que assumimos em 2014, almejávamos passar este momento com as Federações unidas em prol da tradição gaúcha. Com orgulho conseguimos e enfatizamos que esta celebração sempre teve como essência o trabalho voluntário. Com o Prendado da CBTG e o MTG-MS retomamos um relevante evento de integração de nossas crianças e jovens: Encontro da Juventude Tradicionalista. Vivenciamos momentos de intenso entrosamento e valorização do tradicionalismo gaúcho. Em parceria com o MTG-MT em julho realizamos o Nacional em Querência-MT, com a visitação de 60 mil pessoas e 4 mil inscritos, oriundos de todas as Federações. Durante os Festejos Farroupilhas resgatamos a cerimônia de entrega dos Diplomas de Cônsules e Embaixadores da Tradição Gaúcha em Porto Alegre-RS. No fim de outubro, em Montevidéu/Uruguai, participamos do 13º Congresso Tradicionalista da CITG. Debatemos sobre o melhor funcionamento desta Confederação e a possibilidade de congregação com outros países, ajustando a questão da comunicação, fundamental para o bom andamento das nossas relações exteriores. Novembro foi finalizado com a realização pelo MTG-PR do 20º Congresso Brasileiro da Tradição Gaúcha, eleição da Diretoria e Concurso Nacional de Prendas e Peões Tradicionalistas, em Foz do Iguaçú-PR. Destacamos o dinâmico e competente trabalho do Prendado da CBTG nas regiões brasileiras, desenvolvendo projetos de divulgação, incentivo social e fortalecimento da cultura gaúcha. Assumimos a CBTG por mais dois anos. Persistiremos lutando para que a Figura do Gaúcho seja reconhecida como Patrimônio Imaterial da Humanidade. Realizaremos o próximo Nacional (julho 2019) em Criciúma/SC; Congresso Brasileiro em Nova Veneza/SC (novembro de 2019) e a Convenção em fevereiro próximo na capital gaúcha. Agradecemos todos que nos ajudam a preservar o tradicionalismo gaúcho: patrocinadores, apoiadores, colaboradores e voluntários. A CBTG deseja um Feliz Natal e que o Grande Arquiteto do Universo nos ilumine com um Próspero Ano de muitas conquistas e união para a nossa tradição gaúcha! No dia 15 de novembro, nas dependências da sede social do MTG de Santa Catarina, localizada em Lages, aconteceu o XIV Congresso Tradicionalista Barriga Verde do MTG/ SC. Nessa ocasião, foi escolhida a nova diretoria executiva do MTG catarinense. Aprovou-se o novo Estatuto e realizou-se a entrega de homenagens aos cinco CTGs mais antigos do estado, bem como a entrega das comendas Anita Garibaldi (símbolo de reconhecimento por parte do MTG/SC). Prendas e Peões do estado estiveram auxiliando para que o evento acontecesse da melhor maneira possível, ajudando as secretárias do MTG-SC, contabilizando os votos da comenda Anita Garibaldi e entregando as homenagens. Foi eleito para presidir o MTG de Santa Catarina, Valcirio Fernando Harger, como seu primeiro vice, Acílio Tristão Espindola e a 2ª vice, Sueli Dors. Paralelo a tudo isso, o prendado estadual expôs seus projetos desenvolvidos ao longo da gestão, para que os tradicionalistas, de todo o estado (contabilizados durante o Congresso em torno de 750 pessoas), pudessem conhecer e valorizar os belos trabalhos sociais e culturais promovidos pelos integrantes do prendado. Se despediu desta gestão, frente ao MTG/SC, Orides Luiz Pompeu, que assumiu como Conselheiro Fiscal da CBTG, no último Congresso em Foz do Iguaçú. Além de deixar um novo time, muito unido, na Federação. Foto: Rogério Bastos MTG-SC - Nova equipe já foi com força total para Foz do Iguaçu e buscou 12 títulos Thaís Dutra lança obra sobre Anita Garibaldi Ex-prenda Veterana da CBTG, que já foi 2ª prenda juvenil da 9ªRT, em 1993, lançou o livro “A vida de Anita Garibaldi, sob um olhar feminino”, em Foz do Iguaçú. Durante o 20º Congresso Tradicio- sua caminhada em solo catarinense, nalista Gaúcho da CBTG, em Foz do no CTG Coxilha do Quero-quero, da Iguaçú, Thaís Dutra, 1ª Prenda Vetera- 12ªRT, do MTG/SC, por quem ganhou na da CBTG, que estava por entregar a o titulo na CBTG, em 2015. Ao lado do gestão, lançou o livro que faz parte da seu esposo, Clairton e da filha Andres- pesquisa que a prenda tem que apre- sa, Thais trilha sua trajetória pelo Brasil sentar durante o Concurso Nacional de bombachas. de Prendas e Peões Foto: Rogério Bastos da Confederação. A obra denomina-se “A vida de Anita Garibal- di, sob uma ótica fe- minina”. Thaís começou suas atividades no tra- dicionalismo em 1988, em Júlio de Castilhos, onde participou dos CTGs Tio Anastácio, Porteira Aberta e Júlio de Castilhos. Além de ser prenda da AT Es- tancia do Minuano, de Santa Maria. A partir de 2013, ela começou Thaís Dutra construiu sua história no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

[close]

p. 7

Ano XVI - Edição 196 FESTIVAIS Por Vinicius Brum A Califórnia está de volta! Muito tem se falado sobre a música produzida no RS, em seus mais variados estilos e concepções. Há nas redes sociais espaços importantíssimos que vem se dedicando a estes debates, ora com foco na história, ora em questões artísticas, mas sempre contribuindo para fazer ferver o caldeirão cultural que nos forma, nos diferencia, nos identifica. Tenho procurado refletir sobre questões atinentes ao universo regional, principalmente à música, que por convenção, chamamos nativista. Desde o surgimento dos festivais, cujo movimento já conheceu dias gloriosos, e hoje passa, depois de alguma retração, talvez por um promissor momento de retomada, reabilitando aquele cenário vibrante das primeira décadas, lá se vão mais de quatro. Além de algumas permanências como a Coxilha Nativista de Cruz Alta, o Musicanto de Santa Rosa, a Moenda de Santo Antônio da Patrulha, o Carijo de Palmeira das Missões, cada um com seu viés estético característico, sempre contando com o envolvimento de suas comunidades, chega agora a bela notícia da retomada da Califórnia da Can- ção Nativa de Uruguaiana: o festival está de volta ao local de sua consagração original – o antigo Cine Pampa, hoje Teatro Rosalina Pandolfo Lisboa nos dias 08, 09 e 10 de dezembro, mesma data de sua primeira edição. Preciso registrar que no dia 21 de novembro deste 2017 que se despede, no galpão do Palácio Piratini, o idealizador do nosso pioneiro festival, o escritor e pesquisador Colmar Duarte foi agraciado pelo Governo do Estado com a medalha Simões Lopes Neto, a mais alta honraria estadual para aqueles que se destacam nas artes e na cultura. Merecida, oportuna e histórica homenagem. A cultura rio-grandense deve muito ao engenho e à perseverança de pessoas desta envergadura. Quando reflito sobre o tema dos festivais, sempre pondero sobre a necessidade de lapidação de uma nova pedra para que não se apague jamais o brilho precioso deste nosso cancioneiro. Pois bem, parece estar vindo do berço histórico o rasgo de luz, o lampião que já clareia nossa mina. A Califórnia está de volta! Uma alegria para todos aqueles que acreditam e prestigiam a música feita no Rio Grande. CTG Chaleira Preta tem 1ª mulher como Patroa Após 27 anos de fundação, completos no dia 4 de novembro, o CTG Chaleira Preta terá à frente da patronagem uma mulher, indicada pelo Conselho de Vaqueanos. Kelen Dewes, 45 anos, foi eleita no dia 4 de dezembro pelos 34 eleitores da assembleia eletiva. Ao seu lado, ela terá como vice Sanyr Freytag, atual presidente do Conselho. Kelen destaca que não montou chapa, pois o Conselho de Vaqueanos estava à frente da entidade, em função da última chapa não ter sido aceita. Em reunião, na última quinta-feira ela teria sugerido alguns nomes, no entanto, foi o seu o escolhido. “Nem tive muito tempo para pensar” - destaca Kelen. A patronagem ficou assim composta: Patroa: Kelen Dewes Capataz (vice-patrão): Sanir Freytag 1ª Sota-Capataz (secretária): Paula Cristina Ilha 2ª Sota-Capataz (2ª secretária): Lisandra Campos 1ª Agregada das Pilchas (Tesoureira): Líria Meurer 2º Agregado das Pilchas (2º Tesoureiro): Angileu José Reck Capataz campeiro: Rafael Schwengber Vice-capataz campeiro: Evandro Machado Capataz artístico: Jonathan Stumm da Silva Capataz do patrimônio: Darlei Stertz Coordenadora Cultural: Luciana Inês Kroth Loeblein Agregada das falas: Manoela Carvalho Conselho de Vaqueanos - Edio Carvalho - Roberto Kessler ( Chiquinho ) - Oli Joaquim Franco - Valentim Galarsa - Jarlei Denis Wacholz - Jaime Bergamaschi A posse da nova patronagem está agendada para o dia 14 de dezembro, na sede da entidade. Foto: Arquivo Pessoal Kelen Dewes aceitou o desafio de a 1ª Patroa do CTG Dezembro de 2017 7 ESPAÇO CGF/FSH Por: Paula Simon - Folclorista MARACATU Manifestação folclórica surgida no Pernambuco na Zona da Mata e disseminada em vários estados do nordeste brasileiro e também no carnaval. Reconhecido como patrimônio cultural imaterial da região. Surgiu entre fins do século XIX e início do XX. Representa um dos mais antigos ritmos de origem africana. É formado pelo cortejo e por um conjunto instrumental com instrumentos de percussão que o acompanha. Existe registro de existência de Maracatu em Pernambuco desde 1711, e o mais antigo em vigência é o Maracatu Elefante, fundado em 15 de novembro de 1800 no Recife pelo escravo Manuel Santiago. De modo geral os Maracatus são regidos por homens, o Elefante foi o primeiro a ter uma Rainha mulher, Dona Santa. Outra peculiaridade neste Grupo é que leva três calungas (e não duas como outros Maracatus) , em homenagem a Dona Leopoldina, Dom Luis e Dona Emília, que representam os orixás Iansã, Xangô e Oxum . O nome Elefante como símbolo é em homenagem a Oxalá que segundo a crença protege este animal. Os Maracatus mais antigos foram criados por negros trabalhadores rurais dos engenhos de Nazaré da Mata, trabalhadores dos canaviais. Existem dois tipos de Maracatu: Maracatu Rural ou de Baque Solto e Maracatu Nação de Baque Virado, que diferem um do outro por seus personagens, organização e pelo ritmo. Este cortejo recria em terras brasileiras as antigas cortes africanas que ao serem escravizados conservaram suas raízes, mantendo seus títulos de nobreza. Não tem um enredo nem dança é um cortejo ritmado pelos tambores com acompanhamento de percussão. Inúmeras figuras formam o cortejo, que trazem também figuras de outros autos, como o Mateus e a Catirina personagens do bumba meu Boi. O cortejo é aberto pelo bandeireiro ou porta o estandarte que conduz o estandarte com o nome da entidade ou agremiação (Nação Pici, Leão Coroado, Rei de Paus e outros). No cortejo estão o Rei a Rainha, a Dama do paço que leva nas mãos a Calunga, uma boneca de madeira ricamente ves- tida (a calunga representa uma antiga rainha ou uma divindade), o vassalo que leva o pálio, guarda sol ou sombrinha que protege os reis. Compõem ainda o cortejo, as iabás ou baianas e outros. Os batuqueiros acompanham o cortejo tocando diversos instrumentos como alfaias (tambores), caixas de guerra, xequerês, maracás, cuíca (também chamada de porca), zabumba e outros. Os caboclos de lança, figura que surgiu mais recentemente tem ganho bastante força, são caboclos que realizam movimentos com a lança em muitas direções e levam presos à roupa guizos ou chocalhos, dando uma marcação mais rápida ao Maracatu de Baque Solto. No Maracatu Rural a parte musical é composta por mais instrumentos, além da percussão aparecem os metais (clarinete, saxofone, trombone, pistom). É de notar que na maioria dos cortejos de Maracatu a Rainha é representado por um homem. É praxe pintar o rosto de preto. Por que Homem? o traje da rainha é belíssimo, luxuosamente bordado com pedrarias e, portanto, muito pesado, chegando a 25 quilos, peso demasiado para uma personagem feminina. Outra explicação é de ordem social, quando os maracatus surgiram em final do século XIX não era permitido a mulheres saírem em cortejo. Num tempo de submissão da mulher, estas ficavam restritas às casas não sendo possível sua participação em cortejos de rua. O Maracatu espalhou-se, veio da zona da mata para o litoral e espalhou-se para outros estados inclusive. O Maracatu Cearense surgiu na década de 50 do século passado (não se tem registros de existir antes desta época), entretanto alguns autores acreditam já existir em final do século XIX com ligação com as Irmandades do Rosário. É uma brincadeira bastante semelhante ao pernambucano, tem na sua estrutura o desfile da corte acompanhada pela percussão. Os integrantes da corte tem o rosto pintado de preto, e seu movimento é mais cadenciado e se destacam o balaieiro (levando na cabeça o balaio de frutas representando a fartura) e o casal de Pretos Velhos.

[close]

p. 8

8 Ano XVI - Edição 196 Dezembro de 2017 NOTÍCIAS Assembleia Gaúcha entrega o prêmio Vitor Mateus Teixeira Fotos: Rogério Bastos Foto oficial com todos ganhadores do Prêmio Vitor Mateus Teixeira de 2017 A Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul entregou no dia 06 de dezembro, o Prêmio Vitor Mateus Teixeira, que reconhece e valoriza o trabalho de artistas e veículos de comunicação que enaltecem a música gaúcha. A comissão julgadora do premio é formada por representantes do Sindicato dos Compositores Musicais do RS - SICOM/RS; Sindicato dos Músicos Profissionais do Rio Grande do Sul; Movimento Tradicionalista Gaúcho - MTG; Fundação Vitor Mateus Teixeira; e do Departamento de Relações Públicas e Atividades Culturais da ALRS. Agraciados com o Prêmio Vitor Mateus Teixeira – 2017 - Cantor: Chico Saratt - Cantora: Anahy Guedes - Declamador: Romeu Weber - Declamadora: Silvana Andrade - Trovador: José Estivalet - Trovadora: Tetê Carvalho - Compositor: Pirisca Grecco - Instrumentista: Gilberto Monteiro - Arranjador: Nelci Vargas - Pajador: Jadir Oliveira Filho - Produtor Musical: Carlos Leandro Cachoeira - Capa de Disco: Design gráfico NUTUM BRANDING – Edson de Souza / Disco 100% Autoral Pedro Júnior da Fontoura - Veículo de Divulgação de Artista Gaúcho: TV Tradição - Grupo de Show: Grupo Chão de Areia - Grupo de Baile: Alma Gaudéria - Grupo de Dança Gaúcha: Grupo Folclórico Tropeiros da Tradição - Bandinha Típica Alemã: Banda Sul Brass - Conjunto ou Intérprete de Música teuto-rio-grandense: Lúcia Luft - Conjunto ou Intérprete de Música italo-rio-grandense: Ragazzi Dei Monti NOTÍCIAS Por: Daniela Bonet Rodeio da Integração une entidades da 19ª RT Com o objetivo de diminuir a competição fora dos tablados e fazer com que os integrantes da 19ª Região Tradicionalista pudessem celebrar a amizade, a união e a solidariedade, foi realizado o I Rodeio da Integração no CTG Sentinela da Querência, em Erechim. Os dançarinos de diversas entidades da região foram divididos em suas respectivas categorias e todos misturados, sendo o posteiro sorteado na hora. Ao saber qual seria sua invernada, o professor tinha alguns minutos para organizar uma apresentação com três danças tradicionais e, caso quisesse, montar coreografias simples de entrada e saída. Nenhum dos grupos foi avaliado pela harmonia, interpretação ou correção coreográfica, e sim, pela união e interação entre os participantes. Além de estarem juntos na pista, todos também estavam sendo observados se permaneciam unidos fora dela. No final, foram escolhidos os grupos e instrutores destaques que alcançaram o objetivo principal do evento. Para participar da atividade, cada integrante e patrão das entidades precisou levar um brinquedo para ser doado às crianças carentes do Alto Uruguai. “Todos foram depositados embaixo da árvore natalina para que não esqueçamos do verdadeiro sentido do natal, que é o amor ao próximo, fazendo valer assim um dos objetivos da carta de princípios que diz que devemos ‘auxiliar o estado na solução dos seus problemas fundamentais e na conquista do bem coletivo’, sendo tradicionalistas e amantes de uma sociedade justa e igualitária”, comenta a patroa do CTG Sentinela da Querência, Roseli Battisti. A coordenadora da 19ª RT, Cleusa Sotoriva, comentou sobre o sucesso da realização da primeira edição do Rodeio da Integração. “Estou extremamente orgulhosa de cada um por terem vestido a camisa da 19ª RT para salientar a amizade, a união e a assistência a aqueles que de nós necessitam, promovendo no final de tudo o maior de todos os bens: o amor pelo tradicionalismo gaúcho”, finaliza. CTG Marciano Brum promove encontro de Prendas e Peões No dia 04 de novembro, na cidade de Soledade-RS, durante o 49º Rodeio do CTG Marciano Brum, realizou-se o Encontro Regional de Prendas e Peões da 14ª Região Tradicionalista, o qual teve como tema “Resgatando a História da Chama Crioula”. Durante o encontro palestraram a 1ª Prenda da entidade anfitriã, Luíze França da Rocha, que relatou a história da Chama Crioula em nosso Estado, bem como a 1ª Prenda Juvenil, Ana Luísa de Oliveira Kummer, que relatou um pouco da história do CTG Marciano Brum. Além disso, o tradicionalista Vilson Freitas, um dos pioneiros a promover e a participar das Rondas Crioulas no município de Soledade-RS, relatou como foi essa história. O encontro contou com a participação de diversas prendas e peões da 14ª Região Tradicionalista e também com autoridades representantes do Movimento Tradicionalista Gaúcho e dos Centros de Tradições Gaúchas da região. Foto: Divulgação Elma Santana, Nairo Callegaro, Renata da Silva e Jhonatã Lendecker CTG Marciano Brum, um dos mais antigos do estado, trabalha fortemente a cultura na 14ª RT TEMA SEMANA FARROUPILHA 2017: “FARROUPILHAS: IDEALISTAS, REVOLUCIONÁRIOS E FAZEDORES DE HISTÓRIA”

[close]

p. 9

Ano XVI - Edição 196 NOTÍCIAS PELO BRASIL Dezembro de 2017 9 Paraná sediou o 20º Congresso e o 17º Concurso de Prendas e Peões da CBTG, em Foz do Iguaçú A cidade de Foz do Iguaçú recebeu o Brasil de bombachas para a realização do 20º Congresso Brasileiro da Tradição Gaúcha e o 17º Concurso Nacional de Prendas e Peões da CBTG, nos dias 24 e 25 de novembro. O presidente do MTG/RS, Nairo Callegaro presidiu o conclave. O presidente do MTG do Rio Grande do Sul, Nairo Callegaro foi escolhido pela plenária do 20º Congresso Brasileiro da Tradição Gaúcha para presidir o conclave que elegeu João Ermelino de Mello para mais dois anos a frente da Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha e, paralelo a isso, foi realizado o 17º Concurso Nacional de Prendas e Peões, que elegeu Natália Lorenzoni de Souza, de Santa Catarina, a 1ª Prenda da CBTG. Durante o Congresso foi debatido e votado o local do próximo Rodeio Nacional de Campeões, Jogos Tradicionalistas e Fenart. A cidade escolhida foi Criciúma, em Santa Catarina, cuja data foi solicitada para a realização dos eventos, em julho, de 2019. O próximo Congresso da CBTG será realizado em Nova Veneza, cidade próxima à Criciúma, em Santa Catarina, em novembro, de 2019. Já a convenção ficou para a capital Fotos: Rogério Bastos Equipe que vai trabalhar nos próximos dois anos pela Confederação Brasileira gaúcha, Porto Alegre, no mês de fevereiro, de 2018. O MTG do Rio Grande do Sul levou a comissão avaliadora para o Concurso Nacional formada por Luise Morais, Anderson Hartman, Laura Callegaro, Gelson Vargas, Lisete Ritter, Tiago Nunes, Paulo Roberto Vargas, Aline Almeida de Souza, Franco Ghiggi, Milton Redivo, Hideraldo Padilha e José Demósthenes da Silva. Ainda estavam na comitiva do estado o presidente Nairo Callegaro, seus vices, José Roberto Fischborn e José Araújo, o coordenador Rogério Bastos, o Conselheiro Benemérito Gerson Ludwig, Maria Celene Rocha, a 1ª Prenda do RS, Renata da Silva e o Peão Farroupilha Jhonatã Leindecker. É de Santa Catarina a 1ª Prenda da CBTG O título de primeira prenda da Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha ficou com a catarinense, Natália Lorenzi de Souza, 22 anos, natural de Chapecó/SC, estudava Engenharia Ambiental pela Universidade Federal da Fronteira Sul, decidiu seguir seu sonho de estudar medicina e, hoje, faz cursinho pré-vestibular para cursar medicina em uma federal. É oriunda do CTG Herança Gaúcha, 12ª RT do MTG/ SC. Dos 23 títulos em jogo, Santa Catarina ficou com doze, seguida do Mato Grosso, com seis e Paraná com quatro. Mato Grosso do Sul ficou com o 2º Peão Veterano. Categoria: PEÃO MIRIM 1º Gustavo Bassoli Branco - MTG-SC 2º Athur Lamim Bortoluzzi - MTG-PR 3º Anderson Paulo Servo - MTG-SC Categoria: PEÃO JUVENIL 1º Felipe Rafael Cardoso - MTG-MT 2º Ysmael Lucas Medes de Oliveira - MTG-SC 3º João Vinícius Batista - MTG-SC Categoria: PEÃO ADULTO 1º Victor Alberto Parmeggiani - MTG-SC 2º Douglas de Freitas Moreira - MTG-MT Categoria: PEÃO VETERANO 1º Elisandro Tonatto - MTG-SC 2º Alex Sandro Martimiano Moreira - MTG-MS 3º Ademar Santos de Jesus - MTG-SC Nairo Callegaro (E) e Wilson Porto João Ermelino de Mello, presidente da CBTG Equipe de avaliadores com prendas da CBTG DIRETORIA CBTG 2017/2019 DIRETORIA EXECUTIVA Presidente: João Ermelino de Mello | MTG-MS 1º Vice-presidente: Eduardo Larsen | MTG- SP 2º Vice-presidente: Rodrigo A. Maciel | MTG-RS Secretário Geral: Dalton C. de Camargo | MTG-MS Secret. Adjunto: Mário Dal Pont Silvério | MTG-SC Tesoureiro Geral: Moacir Kohl Filho | MTG-MS Tesoureiro Adjunto: Paulo José Lucas | MTG-RS – CONSELHO DE ÉTICA - Titulares: Natal Jose Marchioro – MS Dilto Bernardino de Souza – SC Maria Celene Rocha de Melo – RS CONSELHO DE ÉTICA - Suplentes: Jose Aparecido Pascoal – RS João Malinski Junior – MT Francisco Gomes – SP CONSELHO FISCAL - Titulares: Orides Pompeu – SC Reni Martins Marchioro – MS Francisco José Muller de Souza – MT CONSELHO FISCAL - Suplentes: Mauro Fagundes – SP Carlos Farid Villamayor Molas – MS Darci Tozatti – MT Depto. Integração Nacional: Eduardo Larsen - SP Depto. Projetos: Celivio Hortz - SC Depto. Relações Internacionais: Loiva Calderan - DF Depto. Social: Francisco Fighera – SP Depto. Ensino/Pesquisa: Zuleide Mota Borges – SC Asses. Jurídica: Dr. Helio Damaceno Louzado – SP Depto. Narradores: Sizenando do Carmo Neto – SC Diretor Geral: Wilson da Silva Porto Filho – DF Assessoria de TI: Wilson da Silva Porto Filho – DF, Aline Kraemer de Mello Kohl – MS e Aline Jasper – PR Depto. Divulg. e Comunic.: Rogério Bastos - RS Depto. Cultural: Carolina Piatzchaki – PR Depto. Artístico: Everton Douglas Diehl – RS Depto. Campeiro: Romencito Alessio – SC Depto. Esportes: Mauro Magno – DF Ordem dos Cavaleiros da CBTG - ORCAV: Maria Celene Rocha de Melo – RS e Pedro Couto - RS Categoria: PRENDA MIRIM 1ª Nicole Burigo Schmoeller - MTG-SC 2ª Maria Clara Rossini Bevilaqua - MTG-MT 3ª Heloisa Grando Piva - MTG-MT Categoria: PRENDA JUVENIL 1ª Bibiana Adiers Callai - MTG-MT 2ª Gabriela Oliveira Silva - MTG-PR 3ª Thais Lilian da Silva - MTG-SC Categoria: PRENDA ADULTA 1ª Natalia Lorenzi de Souza - MTG-SC 2ª Ana Carla Batista - MTG-SC 3ª Ana Cristine Bittencourt - MTG-PR Categoria: PRENDA VETERANA 1ª Viviane Melz Rhoben - MTG-MT 2ª Darlene Narvaz Cardoso - MTG-SC 3ª Danieli Cristine de Oliveira - MTG-PR Prendas e Peões da CBTG Gestão 2017/2019 TEMA QUINQUENAL: “PROJETO SOCIAL MTG - VOLUNTARIADO”

[close]

p. 10

10 Ano XVI - Edição 196 Dezembro de 2017 CPF Piá do Sul chega ao seu quarto tít O Centro de Pesquisa Folclórica Piá do Sul, de Santa Maria, conquistou seu quarto título nas danças tradicionais do ENART, Força “A”. O CTG Brigadeiro Foto: Arquivo CPF Piá do Sul O tempo passa rápido. Isso nin- guém pode negar, por que é o que mais se ouve entre as pessoas. Assim é no Enart, também. Em sua 32ª edi- ção, o Encontro de Artes e Tradição Gaúcha já tem seus campeões. Ainda parece que foi há muito pouco tempo que surgia o Festival do MOBRAL, que este ano completaria 40 anos. Depois, organizado em Farroupilha surgiu o Fegart – Festival Gaúcho de Arte e Tra- dição. Em 1999, em Santa Cruz do Sul, era realizado o 1º Enart, cumprindo, na época, uma necessidade de troca de CPF Piá do Sul homenageou o índio piá missioneiro, Paixão e Lessa nomenclatura do Fegart. Foto: Deivis Bueno/Estampa da Tradição Passadas centenas de etapas re- gionais, dezenas de inter-regionais (que substituíram as macros), milhares de concorrentes, Santa Cruz foi palco da final da 32ª edição do Encontro. A modalidade que mais atrai pú- blico, sem dúvida nenhuma é a dança tradicional da força “A”. Mas, logo ali pertinho, tem a Força “B” e as modali- dades individuais, nos diversos palcos. Tem ainda, modalidades que muita gente nem conhece, pois não vê os concorrentes, como a poesia e os con- tos (os vencedores foram publicados Pedro Júnior da Fontoura (E) chamou todos os grupos em versos de improviso nesta edição). Vozes lindas interpretam Foto: Deivis Bueno/Estampa da Tradição musicas regionais gaúchas, na modalidade interprete solista vocal masculino e feminino. Em outro palco, os violões amadrinham o recitar de lindas poe- sias do cancioneiro gaúcho. A chula, o desafio dos sapateadores. Teve que ser montada uma arena especial para esta modalidade, a fim de atender a de- manda de torcidas. O mesmo aconte- ceu com a trova, que foi para a área de aclimatação e atraiu público. O Enart foi descobrindo seus espaços. Mos- trando seus campeões. O CPF Piá do Sul, de Santa Maria, A emoção do Coordenador junto ao CTG Brigadeiro Raphael Pinto Bandeira chegou ao seu 4º título estadual, pois já conquistara em 1998, 99, 2003 e agora, Foto: Deivis Bueno/Estampa da Tradição em 2017. Mais uma vez levantou o giná- sio com sua coreografia homenagean- do os precursores do tradicionalismo: Paixão Cortes e Barbosa Lessa. Na For- ça “B”, o Brigadeiro Raphael Pinto Ban- deira, da 6ª RT, chegou ao tão sonhado título. Na chula, Leonardo Brizola confir- mou seu favoritismo. A 13ªRT, do Coor- denador Sergio Fassbinder conquistou, pelo segundo ano consecutivo, o troféu Marca Grande de Campeão do Enart. A entidade destaque foi o CTG Lalau Mi- randa, de Passo Fundo, 7ª RT. O grupo de danças mais popular foi o PTG Bocal CTG Tiarayu, de Porto Alegre, vice campeão recebe o troféu da 3ª Prenda do RS de Prata, de Osório, 23ª RT. Foto: Deivis Bueno/Estampa da Tradição CTG Aldeia dos Anjos, de Gravataí, 3º lugar nas danças tradicionais, força “A” Foto: Deivis Bueno/Estampa da Tradição Centro Farroupilha de Tradições Gaúchas ficou com o 5º lugar na força “B” Foto: Rogério Bastos Leonardo Brizola, campeão de chula recebe o troféu do presidente do MTG Foto: Deivis Bueno/Estampa da Tradição Coordenador Sergio Fassbinder (E), da 13ªRT, com o DTG Noel Guarany Assine ou renove sua assinatura Para assinar deposite: BANCO BANRISUL Agência: 0838 - Conta Corrente: 06.117918.0-5 FUNDAÇÃO CULTURAL GAÚCHA MTG Envie o comprovante para: administrativo@mtg.org.br com os dados completos: nome, endereço, CEP, cidade, número de telefone, RG e CPF

[close]

p. 11

Ano XVI - Edição 196 Dezembro de 2017 11 tulo e a 13ª RT é bicampeã do Enart o Raphael Pinto Bandeira foi o grande campeão da Força “B”. Sergio Fassbinder, coordenador da 13ª RT, comemorou o segundo troféu Marca Grande DANÇAS TRADICIONAIS – força A 1º Lugar – CPF PIÁ DO SUL - Santa Maria - 13ª RT 2º Lugar - CTG TIARAYÚ - Porto Alegre - 1ª RT 3º Lugar - CTG ALDEIA DOS ANJOS - Gravataí - 1ª RT 4º Lugar – CTG RANCHO DA SAUDADE - Cachoeirinha - 1ª RT 5º Lugar – CTG LALAU MIRANDA - Passo Fundo - 7ª RT DANÇAS TRADICIONAIS – força B 1º Lugar – CTG BRIGADEIRO RAPHAEL PINTO BANDEIRA – Rio Grande – 6ª RT 2º Lugar – DTG NOEL GUARANY – Santa Maria – 13ª RT 3º Lugar – GF CHALEIRA PRETA – Ijuí – 9ª RT 4º Lugar – CTG TROPILHA FARRAPA – Lajeado – 24ª RT 5º Lugar – CENTRO FARROUPILHA DE TRADIÇÕES GAÚCHAS – Alegrete – 4ª RT CHULA 1º Lugar - Leonardo B. de Mello - GF Chaleira Preta - 9ª RT 2º Lugar - Leonardo M. Silvano - CTG Rancho da Saudade - 1ª RT 3º Lugar - José G. Guimarães - CTG Rincão da Amizade - 1ª RT GAITA PIANO 1º Lugar - Eduardo Abramson - CTG Querência Costeira - 3ª RT 2º Lugar - Lucas Biazus - CTG Ronda Crioula - 19ª RT 3º Lugar - Luiz Miguel Melos Valim - CTG Sinuelo - 25ª RT GAITA DE BOTÃO ATÉ OITO BAIXOS 1º Lugar - João Vitor B. Nunes - CTG Sentinela do Forte - 18ª RT 2º Lugar - Nícolas Moro Müller - CTG Ronda Charrua - 25ª RT 3º Lugar - Victor Hugo M. B. da Silveira - CTG Martim Fierro - 4ª RT GAITA DE BOTÃO MAIS DE OITO BAIXOS 1º Lugar - Nícolas M. Müller - CTG Ronda Charrua - 25ª RT 2º Lugar - Luidhi Moro Müller - CTG Ronda Charrua - 25ª RT 3º Lugar - Victor Hugo M. B. da Silveira - CTG Martim Fierro - 4ª RT INTÉRPRETE SOLISTA VOCAL MASCULINO 1º Lugar - Pablo M. Cardoso - DT Querência das Dores - 13ª RT 2º Lugar - Patrick Antunes - CTG Lalau Miranda - 7ª RT 3º Lugar - Igor Tadielo Cezar - DT Querência das Dores - 13ª RT INTÉRPRETE SOLISTA VOCAL FEMININO 1º Lugar – Marcelly Bueno Da Silva Walteman Cahoeira - 12ª RT 2º Lugar – Lucimara da Rosa – CTG Lanceiros de Sta Cruz - 5ª RT 3º Lugar – Talia Becker – CTG Tropilha Farrapa – 24ª RT TROVA MI MAIOR DE GAVETÃO 1º Lugar – Paulo E. de Lima Chaves – CTG Lenço Verde – 18ª RT 2º Lugar – José J. J. Hugo – CTG Cel. Thomaz Luiz Osório – 26ª RT 3º Lugar – Luiz Carlos Araújo – AT Pedro Ribeiro da Luz – 7ª RT TROVA DE MARTELO 1º Lugar - João B. S. Arena - CTG Carreteiros da Saudade - 1ª RT 2º Lugar – Aldori M. Tito - CTG Oswaldo Aranha - Alegrete - 4ª RT 3º Lugar – Pedro A. Merchel – CTG Herdeiros da Tradição – 25ª RT TROVA ESTILO GILDO DE FREITAS 1º Lugar – Paulo R. de Lima Chaves – CTG Tarumã – 18ª RT 2º Lugar – Celso de Oliveira – CTG Velha Cambona – 15ª RT 3º Lugar – Jorge Luis Pieniz – CTG Tropeiros do Buricá – 20ª RT TROVADOR MAIS POPULAR Jorge Luiz Pieniz – CTG Tropeiros do Buricá – 20ª RT DECLAMAÇÃO MASCULINA 1º Lugar - João Batista de Oliveira - CTG Sinuelo da Serra - 11ª RT 2º Lugar - Willian Andrade - CTG Lalau Miranda - 7ª RT 3º Lugar - Kelvyn Eduardo Krug - CTG Felipe Portinho - 7ª RT AMADRINHADOR DESTAQUE DECLAMAÇÃO MASCULINA - Caique Mello CONJUNTO MUSICAL DE INVERNADA 1º Lugar – CTG Galpão Campeiro – Erechim – 19ª RT 2º Lugar – DT Querência Das Dores – Santa Maria – 13ª RT 3º Lugar – CTG Gildo de Freitas – Porto Alegre – 1ª RT MELHOR ENTRADA 1º Lugar – CTG Lalau Miranda – Passo Fundo – 7ª RT 2º Lugar – CTG Aldeia dos Anjos – Gravataí – 1ª RT 3º Lugar – CTG Campo dos Bugres – Caxias do Sul – 25ª RT MELHOR SAIDA 1º Lugar – União Gaúcha J. Simões Lopes Neto – Pelotas – 26ª RT 2º Lugar – CPF Piá do Sul – Santa Maria – 13ª RT 3º Lugar – CTG Lalau Miranda – Passo Fundo – 7ª RT GRUPO DE DANÇAS MAIS POPULAR PTG Bocal de Prata – Osório – 23ª RT MELHOR ACAMPAMENTO PQT Tradição Farroupilha - DTG José Altivo dos Santos - 5ª RT DESTAQUE DO ENART 2017 1º Lugar – CTG Lalau Miranda – Passo Fundo – 7ª RT 2º Lugar – DT Querência das Dores – Santa Maria – 13ª RT 3º Lugar – CTG Sentinela da Querência – Santa Maria – 13ª RT TROFÉU MARCA GRANDE – 13ª Região Tradicionalista Foto: Rogério Bastos GAITA DE BOCA 1º Lugar - Rodrigo Filipini - CTG Sentinela da Querência - 13ª RT 2º Lugar - Aventino Rosa - GAN Anita Garibaldi - 24ª RT 3º Lugar - Mario I. Becker - CTG Lanceiros de Santa Cruz – 5ª RT DECLAMAÇÃO FEMININA 1º Lugar - Clara L. Faccio - CTG Passo dos Tropeiros - 22ª RT 2º Lugar - Romila H. do Amaral - CTG Herdeiros da Tradição - 25ª RT 3º Lugar – Aline Martins Linhares – CTG Farroupilhas - 13ª RT BANDONEON 1º Lugar - Lauri Sagave - CTG Tropilha Farrapa - 24ª RT 2º Lugar - Bruno Luttke - CTG Cel. Thomaz Luiz Osório - 26ª RT VIOLINO OU RABECA 1º Lugar - Cristiane Vasconcellos - CTG Querência do Arroio do Meio - 24ª RT 2º Lugar - Matheus Sebalhos Lameira - DTG Noel Guarany - 13ª RT 3º Lugar - Tiago Luigi G. Radin - CTG Pousada do Imigrante - 11ª RT VIOLÃO 1º Lugar - Pablo M. Cardoso - DT Querência das Dores - 13ª RT 2º Lugar - Felipe L. Rodrigues - CTG Sentinela da Querência - 13ª RT 3º Lugar - Matheus Prada da Silva - CTG Estirpe Gaúcha - 11ª RT VIOLA 1º Lugar - Rafael C. da Silva - GF Os Guapos de Camaquã - 16ª RT 2º Lugar - Rodrigo Ziliotto - CTG Negrinho do Pastoreio - 25ª RT 3º Lugar - Christian Luiz Albarello - CTG Unidos pela Tradição Riograndense - 7ª RT AMADRINHADOR DESTAQUE NA DECLAMAÇÃO FEMININA - Willian Andrade PAJADA 1º Lugar - Paulo R. de Lima Chaves – CTG Tarumã - 18ª RT 2º Lugar - Paulo E. de Lima Chaves – CTG Lenço Verde - 18ª RT 3º Lugar - Celso de Oliveira – CTG Velha Cambona - 15ª RT CAUSO 1º Lugar - Alexandre da Rosa Vieira - DT Clube R. Juvenil - 7ª RT 2º Lugar – Cleinner Teixeira – CTG Tropeiros da Querência – 21ª RT 3º Lugar – Frederico Sá de Farias – CTG Velha Cambona – 15ª RT DANÇA GAÚCHA DE SALÃO 1º Lugar – Gabriel C. Becker e Laura Panzer – CTG Rancho da Saudade - 1ª RT 2º Lugar - Luiz Fabricio Trindade e Briani Costa de Trindade – CTG Lalau Miranda - 7ª RT 3º Lugar – Leonardo Schneider Ullrich e Victória Brondani de Oliveira – AT Poncho Branco - 13ª RT Nícolas Müller (D), do CTG Ronda Charrua: Dois prêmios de gaita ponto Foto: TV Tradição Uma cena para a história: Gildinho se emociona no tablado do Enart Foto: Rogério Bastos CONJUNTO INSTRUMENTAL 1º Lugar - DT Querência das Dores - Santa Maria - 13ª RT 2º Lugar - GF Os Guapos de Camaquã - Camaquã - 16ª RT 3º Lugar - CTG Fronteira Aberta - Santana do Livramento - 18ª RT POESIA 1º Lugar - Inês T. Busetti - CTG Rancho de Gaudérios - 25ª RT 2º Lugar - Jefferson Valente de Barros - CTG Raizes do Sul - 24ª RT 3º Lugar - Jorge Claudemir Soares - CTG Tríplice Aliança - 4ª RT CONJUNTO VOCAL 1º Lugar - CTG Sentinela da Querência - Erechim - 19ª RT 2º Lugar – DTG Noel Guarany – Santa Maria – 13ª RT 3º Lugar – CTG Rincão da Carolina – Santana do Livramento – 18ª RT CONTO 1º Lugar - Cândido de Bastos Brasil - CTG Laço da Amizade - 1ª RT 2º Lugar - Luciele da C. Gomes - CTG Patrulha do Oeste - 4ª RT 3º Lugar - Andréa C. Rodrigues - CTG Pres. do Pago da Vigia - 18ª RT José Roberto(E) entrega o premio de trovador mais popular a Jorge Pieniz

[close]

p. 12

12 Ano XVI - Edição 196 TROPEANDO VERSOS Por: Luis Afonso Ovalhe Diretor Departamento de Manifestações Poéticas Dezembro de 2017 FÓRUM DA DANÇA Por: Madeline Zancanaro Diretora do Dpto de Danças do MTG O que fica depois do final? AGRADECIMENTO O Enart 2017 nos deixou alguns ensinamentos e com eles o aprendizado de que sempre existe espaço para o novo, para ajuste que nos trazem ganhos. Este foi um ano repleto de mudanças e valorização da arte declamatória. Quando uma nova equipe assumiu os trabalhos na metade desse ano, assumiu o compromisso de resgatar alguns valores quanto a avaliação dos trabalhos apresentados desde as inter-regionais até a final em Santa Cruz do Sul. Uma preocupação constante em se desprender de poetas, poemas e principalmente de nomes de declamadores, deixando fluir apenas a apresentação (o momento) de cada participante. Tivemos grandes interpretações, muitos poetas como Jayme Caetano Braun, Glaucus Saraiva, entre outros já não tão declamados, estiveram presentes nos palcos e com uma nova roupagem, surpreendendo tanto os avaliadores quanto o público. Buscávamos exatamente isso, o valor de cada um, sua simplicidade e naturalidade com muita emoção, introspecção e verdade, não importando “rótulos”. A equipe utilizou pela primeira vez o sistema de informatização das planilhas, sendo esse processo prático, seguro e sigiloso. Contamos com a participação do Presidente do MTG, Nairoli Antunes Callegaro, que abriu a grande final do domingo, declamando “Mãe Gaúcha” - do Poeta Glaucus Saraiva, uma interpretação autêntica, nos fez refletir muito sobre o rumo da declamação e os meios que iremos buscar para não perdermos a grandiosidade e o valor que esse concurso merece e possui ao longo de tantas edições. Tivemos 24 apresentações, num lindo momento de confraternização e respeito à arte. Sagraram-se Campeões: Clara Lisiane Faccio, Romila Hoffman do Amaral e Aline Martins Linhares na Declamação Feminina e João Batista Oliveira, William Andrade e Kelvyn Eduardo Krug na modalidade Masculina. A Poesia, o Enart e a Declamação estão de parabéns. O primeiro passo foi dado para mantermos esse concurso no seu local de destaque, não deixando que a vaidade e o ego escolham quem realmente passou “sua verdade” pelo palco. Que sigamos trabalhando em prol da Arte. Sucesso a todos os envolvidos! Ao findar o ano de 2017, tenho a felicidade de compartilhar com todos minha alegria de ser tradicionalista e de acreditar que a arte de dançar vai muito além dos simples movimentos que ela proporciona. Poder acompanhar a final do Enart em Santa Cruz, no mês de novembro, foi o novo desafio a mim dirigido. Porém, serei eternamente grata a quem me proporcionou esse momento ímpar em minha vida. Recordo que em minha primeira coluna escrevi desafio x oportunidade, e hoje tenho a convicção que o desafio veio carregado de novos aprendizados e a oportunidade me fez acreditar ainda mais que a nossa tradição vista e sentida através da dança é indescritível. Busco palavras para agradecer todos os dançarinos que viveram a dança em sua mais sublime essência e emoção e que são fomentadores da cultura gaúcha. Fica aqui meu carinho e admiração a todos que fizeram do Enart 2017 mais um espetáculo cultural, mostrando a força e a magnitude do povo gaúcho. Desejo a todos um feliz natal e um próspero ano novo. Elisângela Mello Reghelin entre os melhores delegados do Brasil A Prenda da 1ª RT, 1994/1995 e do Rio Grande do Sul, 1995/1996, Elisângela Mello Reghelin, do DCG Mescla de Guapos da Sogipa tem seu nome registrado na seleta lista dos melhores delegados do Brasil. Foto: Divulgação Vem aí a 19ª Cavalgada Cultural da Costa Doce No dia 18 de janeiro terá início a 19ª Cavalgada Cultural da Costa Doce. A saída será na cidade de Barra do Ribeiro percorrendo os antigos Caminhos Farroupilhas e de tropeiros, a beira da Lagoa dos Patos, chegando em Pelotas no dia 28(domingo). O percurso será em torno de 250 km da costa da Lagoa. Nesses 10 dias de cavalgada, a Associação dos Cavaleiros da Cavalgada Cultural da Costa Doce, promotora do evento, pretende resgatar a história e a tradição do estado do Rio Grande do Sul. Além disso, é uma grande oportunidade para confraternização e intercâmbio cultural entre os cavaleiros. Como participar: Ao chegar ao local de concentração, apresentar-se ao credenciamento, receberá a ”pulseira de identificação”, é necessário o uso permanente no total da Cavalgada; Cada participante será responsável pelo transporte de seus pertences, cavalo, sua alimentação e bebidas; Valor do Convite – Individual - da Barra do Ribeiro/Pelotas – R$ 250,00 - de São Lourenço do Sul/Pelotas – R$ 150,00. Será fornecido certificado oficial de participação do evento para cavaleiros e pessoal de apoio. Informações pelo e-mail: ccd19@ cavaleirosdacostadoce.com.br ou (53) 99103 3410 - Carlos Gonçalves. Foto: Divulgação Cavalgada cruza pelas belas paisagens da Lagoa dos Patos Em entrevista para o Eco, Elisângela disse que carrega consigo o aprendizado que teve, quando foi prenda do RS Em julho de 2017, o Portal Nacional dos Delegados & Revista da Defesa Social passaram a escolher os “Melhores Delegados de Polícia do Brasil”, com a finalidade essencial de diferenciar e reconhecer, a partir deste ano, os delegados que se destacarem nas atividades jurídicas, investigação e de gestão, através da eficiência e qualidade dos serviços prestados. Elisângela Reghelin, que foi Prenda do RS em 1995/96 é Doutora em Direito Penal e Ciência Política na Universidade Autônoma de Madrid, na Espanha, onde foi dirigida pelo Prof. Dr. Manuel Cancio Meliá. Visiting Scholar at University of California, Berkeley, bolsista da Fogarty Foundation, tendo, por dois anos, tendo estudado Criminologia em programa da UCB e na Prisão Estadual da California, de San Quentin. Mestre em Ciências Criminais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, tendo sido bolsista da CAPES. Delegada de Polícia no RS há 19 anos, sendo atualmente Diretora-Geral da Academia de Polícia Civil do RS. Atuou na Secretaria de Segurança Pública do Estado, junto ao Gabinete do Secretário Adjunto, bem como no Departamento de Desenvolvimento de Recursos Humanos. “Agradeço por ter sido uma das escolhidas, neste país imenso, especialmente na categoria jurídica, conforme refere o Portal dos Delegados, em pesquisa nacional. Ser policial civil e unir isto à vida acadêmica, há 19 anos, era algo quase inimaginável para mim. Hoje, após muito esforço pessoal, posso dizer, orgulhosa, que construí esta ponte e me dedico a fazer com que outros, que têm o mesmo objetivo, possam realizá-lo” – disse Elisângela. O Rio Grande cumprimenta sua eterna prenda e exemplo de cidadã. TEMA SEMANA FARROUPILHA 2017: “FARROUPILHAS: IDEALISTAS, REVOLUCIONÁRIOS E FAZEDORES DE HISTÓRIA”

[close]

p. 13

Ano XVI - Edição 196 NOTÍCIAS Dezembro de 2017 13 SAÚDE EM FOCO Por: Mauro Gimenez - Médico De “querido da Rainha” a campeão do Enart, na força “B” Diz a lenda, que o Brigadeiro Rapahel Pinto Bandeira jamais perdeu uma batalha e era admirado pela Rainha D. Maria I. Quando foi acusado de roubo e levado aos tribunais ela mandou parar o julgamento e o retirou do local. O Outro Raphael, o CTG, também não perdeu a batalha. O CTG Brigadeiro Raphael Pinto Bandeira, de Rio Grande, da 6ª Região Tradicionalista, fundado em 14/09/1968, teve como primeiro Patrão, Leonel Romeu Netto, sendo o atual, Marcolino Brancão. Neste ano de 2017 venceu a Força “B” do enart. O grupo de danças adulto, ‘OS PESCADORES’, iniciou sua história no CTG no ano de 2013, onde passou a abordar e a homenagear as características locais e regionais de Rio Grande, sua inserção geográfica e histórica e sua vocação para as atividades de beira de praia, dando ênfase para a abordagem cultural e artística sobre as coisas bicuíras, sobre a pesca, a religiosidade, o clima, a musicalidade e as festas regionais, bem como sobre a influência dos povos colonizadores da nossa região. No ano de 2013, o grupo juvenil, reforçado por 3 ou 4 pares adultos, participou de seu primeiro ENART, tendo sido vice-campeão da Inter-regional de São Jerônimo e depois ficando em 32º na classificação geral. O tema da adulta teve a mesma denominação, entretanto usando músicas diferentes, Tainha do Maricá como entrada e Ogum Beira Mar como saída, falando pela primeira vez sobre religiosidade e cultura africana, como povo formador dos gaúchos. Em 2016, o grupo juvenil voltou a participar do Juvenart, terminando o evento em 35º, enquanto que o grupo de danças adulto, usando o tema “ Quando o mar ouve o som da batucada “ fazendo uma abordagem sobre o sincretismo religioso entre Nossa Senhora dos Navegantes e Iemanjá, neste ano o grupo atingiu pela primeira vez a finalíssima do Enart, tendo encerrado o evento em 6º lugar, garantindo classificação prévia ao ENART 2017, como cabeça de chave. Coroando um ciclo com chave de ouro, o ano de 2017 proporcionou que o grupo de danças adulto do CTG Brigadeiro Raphael Pinto Bandeira, pudesse novamente par- Foto: Arquivo do CTG Grupo adulto do CTG Raphael Pinto Bandeira, de Rio Grande, 6ª Região Tradicionalista ticipar do ENART, sendo campeão de seu bloco na fase final e terceiro lugar geral no sábado, coroando o trabalho com o título do ENART 2017, com o tema “Ela mora no mar, Ela brinca na areia “, desta vez enfatizando a crença dos pescadores em Iemanjá, suas manifestações religiosas e musicais em homenagem à Santa e buscando demonstrar a influência da mesma, nos ciclos lunares, nas ondas e nas marés. Iemanjá a Deusa do Lunar, a Rainha das Ondas. Tal feito, campeão do Enart 2017, Força “B”, garantiu o acesso à Força “A” e a classificação direta à fase final do ENART 2018, concluindo um ciclo e dando início a uma nova caminhada, buscando espaço entre os maiores grupos de dança do estado. O grupo de danças OS PESCADORES tem responsabilidade técnica e coreográfica de Antônio Branco e Diogo Moreira. Ao longo deste período de cinco anos de participação no ENART força B, diversas pessoas também tiveram participação importante, Andreia Tonin, Henrique Vargas, Thainá Porto, Pedro Duquia e Greice Maia, todos na correção coreográfica, harmonia e interpretação. Ainda como coreógrafos, Andreia Tonin, Diogo Moreira, Henrique Vargas, Greice Maia, Gustavo Maciel, Priscila Freitas e Felipe Leite. Ainda foi de extrema valia a participação do musical, com Leandro Araújo (que musicou todas as letras escritas por Antônio Branco), Lucas Oteiro, Zelionara Branco, Robinson Barcelos e Guilherme Valadas, que conseguiram harmonizar os arranjos com o grupo, possibilitando o melhor rendimento do mesmo. Ainda participaram do musical o Alexandre Souza e o Rafael Nunes. Por fim, o CTG Brigadeiro Raphael Pinto Bandeira, que está às vésperas do seu cinquentenário e, seu grupo de danças adulto, ‘OS PESCADORES’, chegaram a uma das maiores alegrias de sua história até o momento, o título de campeão do Estado do Rio Grande do Sul, em 2017. “Nossa satisfação de estarmos aqui pré classificados ao ENART 2018 e num novo ciclo, desta vez entre os maiores CTG’s em expressão artística do estado, nos motiva a continuarmos nossa trajetória, buscando formar cidadãos, acima de dançarinos, homens e mulheres de bem, acima de artistas, buscando valorizar o trabalho voluntário, a coletividade e com isto fortalecer nosso Movimento Tradicionalista Gaucho” – afirma Antônio Izair Branco, instrutor e coordenador do grupo. ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Meus amigos, todos sabemos que para ter qualidade de vida, almejar longevidade, cuidar do corpo, necessitamos ter uma alimentação saudável. Mas muitas vezes não sabemos bem o que significa isso. Ou muitas vezes achamos que sabemos nos alimentar, mas erramos. Primeiramente gostaria de afirmar que quem melhor entende de alimentação é o profissional formado em Nutrição. Por isso vou dar somente algumas dicas básicas, e oriento a consulta com Nutricionista. Ter uma alimentação saudável é fundamental para que as funções do organismo funcionem de forma equilibrada. De forma prática, uma alimentação saudável é aquela composta por todos os macro e micronutrientes. Os macronutrientes são os carboidratos (pães, massas e batatas, entre outros), gorduras (como os óleos, as oleaginosas, abacate e outros) e proteínas (peixes, ovos, carnes vermelhas, carne de frango, entre outros). Enquanto os micronutrientes são as vitaminas e minerais, que estão presentes nos mais diversos alimentos, como frutas, verduras, legumes, entre outros. As fibras, a parte não digerível do alimento vegetal, a qual resiste à digestão e à absorção intestinal, com fermentação completa ou parcial no intestino grosso, também são essenciais para a alimentação saudável e estão presentes nos alimentos integrais, nas frutas e verduras. Uma alimentação composta por estes nutrientes de forma equilibrada costuma ser bem variada, não tem exageros e não segue nenhum tipo de modismo. Uma alimentação saudável proporciona inúmeros benefícios às pessoas. Melhora o sono, dá mais disposição, melhora o funcionamento do intestino, melhora a pele, evita patologias cardio-circulatórias, previne doenças crônicas tais como a Hipertensão Arterial, o Diabetes, entre outros. Permite o bom funcionamento do fígado, dos rins, enfim, do corpo como um todo. Então, vamos manter o equilíbrio na alimentação e procurar uma Nutricionista. Sempre é muito melhor prevenir que remediar. Até a próxima, meus amigos! TEMA ANUAL: “RESGATANDO OS LEGADOS DE 47 - 70 ANOS DA CHAMA CRIOULA E DO GRUPO DOS OITO”

[close]

p. 14

14 NOTÍCIAS Ano XVI - Edição 196 Dezembro de 2017 AMPLIANDOHORIZONTES Por: Marco Antônio Souza Saldanha Júnior Chaleira Preta, 100% inclusão no Enart O Grupo Folclórico de Ijuí, 9ª RT, mostrou que temos que estar permanentemente atentos às necessidades de nossos semelhantes. Foto: Mauro Cezar Heinrich Coreografia com cadeiras de rodas emocionou o público que assistia a força “B” Às vezes, belos momentos passam desapercebidos no Enart, por não estarem acontecendo no ginásio poliesportivo, onde se realiza a Força “A”. Este ano, o GF Chaleira Preta, de Ijuí, que participou na Força “B”, chamou a atenção pelo trabalho 100% inclusivo. Durante sua coreografia de entrada, o grupo adulto do GF harmonizou seus dançarinos para interpretarem junto com a menina Giovana Brizzi, que está em uma cadeira de rodas, por portar uma doença neurodegenerativa chamada Ataxia de Friederich, e com a jovem Alana kosloski, que possuí a Síndrome de Down, na coreografia de saída. A música composta por Alexandre Brunetto, com coreografia de Alex Balaka, fez o público, das arquibancadas do pavilhão, aplaudir e emocionou quem assistiu, com o tema liberdade, igualdade e humanidade. Este trabalho já vem de outras épocas. Em 2015, a prenda Victoria Ribeiro apresentou um trabalho voltado à essa área no Congresso Tradicionalista, que mais tarde rendeu uma homenagem para o GF Chaleira Preta. Foto: Mauro Cezar Heinrich O Brasil de Bombacha ...”Gaúchos retornam aos seus rincões trazendo consigo um novo traje, a bombacha, que de militar passaria festivalmente a civil, simbolizando aqueles que se dignificaram defendendo a pátria. De uso guerreiro e festivo inicialmente, se incorporaria definitivamente no uso cotidiano do gaúcho sul-americano”... A bombacha começou a ser utilizada no Rio Grande do Sul na Guerra do Paraguai, tendo surgido no Uruguai, provavelmente trazida por comerciantes ingleses é discutida sua origem, sendo que Antônio Augusto Fagundes diz que é turca e Manoelito de Ornellas, que é árabe, mas o nome foi adotado do termo espanhol “bombacho”, que significa “calças largas”. As bombachas eram largas na região da Fronteira, estreitas na Serra e médias no Planalto, quase sempre trabalhadas com os favos. “Após as adaptações sofridas no pampa gaucho seguras por botões acima dos tornozelos.” Esta descrição nos da certeza de que a bombacha surgiu da adaptação da indumentária tradicional para o uso campeiro, especialmente lides campeiras a cavalo. Em 10 de janeiro de 1989, foi oficializada através da Lei nº 8 813, a Pilcha Gaúcha, considerada traje de honra e de uso preferencial na vida do tradicionalismo e que representa a imagem atual do homem, exaltando o uso da bombacha continuamente. O Movimento Tradicionalista Gaú- cho como órgão coordenador das atividades tradicionalistas, é responsável pelas Diretrizes da Pilcha Gaúcha e publicou o livro Indumentária Gaúcha, sendo assim disciplinador do uso adequado da indumentária. As Bombachas podem ser confeccionadas com os seguintes tecidos: brim, sarja, linho, Oxford e microfibra, nas cores claras ou escuras, sóbrias ou neutras tais como marrom, bege, cinza entre outras, podemos ser lisas, listradinhas ou xadrez. Com o cós largo sem alças, dois bolsos nas laterais, com ou sem favos. Atualmente são muitos gaúchos espalhados pelo Brasil e pelo mundo fazem o possível para manter os hábitos que herdaram dos pais e, de alguma forma, repassá-los aos filhos. O uso de nossa bombacha esta presente nessas formas, movidos por nostalgia e outros sentimentos. ...“Este é o Brasil de bombacha É a saga da raça guerreira Nos fundões dessa pátria se acha Um gaúcho abrindo fronteira”... A bombacha, traje histórico que revela a imagem maior do homem do torrão rio-grandense, marca exclusiva de sua identidade, precisa ser preservada em seus aspectos regionais, assim como outras peças que simbolizam a cultura rio-grandense. Imagem: Livro Indumentária Gaúcha GF Chaleira Preta, de Ijuí, ficou em terceiro lugar na força”B”, do Enart 2017 Marco Saldanha fala sobre a bombacha SOLICITE SUA PROPOSTA CONOSCO! Rua Demétrio Ribeiro, 990 - CJ 305 Centro Histórico - Porto Alegre/RS (51) 3028.0364 / 3023.2364 (51) 98175.1058 / 98128.9328 executivodecontas2@crmachadoseguros.com.br www.crmachadoseguros.com.br SEGURO DE RODEIO E CAVALGADA SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS Faça seu seguro por muito menos que você imagina, tenha um evento com segurança e tranquilidade conforme regulamenta as Leis Federais 10.220/2001 e 10.519/2002. Os organizadores de rodeio ficam obrigados, ainda, a contratar seguro pessoal de vida das pessoas envolvidas diretamente com as provas campeiras. União Seguradora Fone: 51 3061.9606 www.uniaoseguradora.com.br TEMA SEMANA FARROUPILHA 2017: “FARROUPILHAS: IDEALISTAS, REVOLUCIONÁRIOS E FAZEDORES DE HISTÓRIA”

[close]

p. 15

Ano XVI - Edição 196 Dezembro de 2017 15 CONTO DO ENART Conto Vencedor do Enart 2017 Cândido Brasil (pseudônimo: Andarengo) O MÃO GRANDE Era um homem solitário, de origem desconhecida e fisionomia horripilante, segundo diziam, apesar de não se ter notícia de alguém que o tenha visto pessoalmente. Sua casa ficava localizada na saída da cidade, tomada por mato e aves incomuns como corvos e corujas, e à noite morcegos, muitos morcegos. Dizem que perdera a mão direita lutando com um cachorro louco, que o mordeu no pulso, arrancando o membro, enquanto que com a esquerda esfaqueava o animal, até arrancar-lhe a cabeça. Teria sido esta uma das raras vezes em que o teriam enxergado, visto que teria enterrado a própria mão na frente da casa, junto a um cinamomo, que no outro dia amanheceu seco. A partir daí espalhou-se a notícia de que a mão do homem havia matado a árvore e criou-se o mito de que ela, a mão, era coisa do mal e o homem recebeu a alcunha de Mão Grande. Na pequena localidade, quando as crianças arteiras aprontavam das suas, eram severamente repreendidas e ameaçadas com: - “vou te entregar pro Mão Grande”... Os moradores, quando perdiam alguma coisa, pediam para a mão grande, em forma de oração e logo encontravam.. Apesar de tanto folclore em torno do estranho morador, que não incomodava ninguém, pois não aparecia, fato este que inclusive causava dúvidas em alguns quanto a sua existência, havia um outro morador específico, o Boca, que era o maior falastrão do local, que além de debochar de tudo e todos, desafiava, inventava e mal dizia contra o Mão Grande. O Boca dizia que o Mão grande era tão feio, mas tão feio que ele próprio não se olhava no espelho, que não saía de casa para o sol não se esconder de medo, que não tomava banho no rio pra água não fugir e ficar só o leito... Desafiava o Mão Grande a aparecer e mostrar a fuça. Dizia que ia soltar os cachorros para morderem a outra mão. Uma feita, durante jogatina e beberagem no boteco da localidade, veio a tona o assunto Mão Grande e o Boca saltou dizendo que não existia e se existisse era um covarde que não mostrava a cara e não aceitava o seu desafio. Os companheiros de trago então provocaram o Boca, dizendo que ele tinha medo do Mão Grande e que não se animava a desenterrar a mão que estava no pátio, na entrada da casa. O Boca topou o desafio, encheu-se de coragem e foi, só com uma faca para desenterrar a mão do Mão Grande e demonstrar para os amigos a sua valentia. Chegou na frente da casa, abriu o portão enferrujado e entrou. Os amigos ficaram olhando de longe. O Boca ajoelhou-se ao pé do cinamomo seco e começou a cavar. Um buraco, dois, três, quatro, cinco... e nada da mão. Iniciou, parou, reiniciou, até que o cansaço venceu-lhe as forças. Tomado de suor e raiva, levantou-se, recolheu algumas pedras e arremessou contra a casa gritando impropérios contra o Mão Grande. Recebendo o silêncio como resposta, o Boca voltou a carga das ofensas, quando então enxergou junto à janela a figura horripilante do proprietário, com olhos assustadores. O Boca deu um salto para trás e saiu em disparada, em completo pavor, segurando o pescoço para recuperar o fôlego. Os amigos chegaram e perguntaram o que havia acontecido, mas pela primeira vez na vida o Boca não disse nada e de cabeça baixa foi para casa. Todos pegaram seu rumo, pois já se fazia noite. No outro dia, as plantas da frente da casa do Boca amanheceram todas secas. Tomados pela curiosidade os amigos fora até a casa e chamaram pelo Boca, mas ninguém respondeu. Bateram à porta e ninguém apareceu. Decidiram então arrombar a porta e entrar. No interior da casa só silêncio. Passaram pela sala e encontraram o Boca sentado na cama, vestido do mesmo jeito que no dia anterior, de olhos arregalados, dentes cerrados e as mãos no pescoço. Ao tentar acorda-lo nenhum sinal de vida. O pavor tomou conta de todos. Baixaram suas mãos e notaram no pescoço do Boca a marca de quatro dedos no lado esquerdo e o que parecia um polegar no lado direito, como sendo uma mão grande tatuada. Todos saíram em disparada deixando o Boca morto sobre a própria cama. Foram direto ao Posto Policial, a fim de informar o delegado e quando passaram em frente a casa do Mão Grande, surpresos viram o cinamomo verde, com folhas copadas e o jardim da casa florido. Cândido Brasil MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO - MTG EDITAL DE CONVOCAÇÃO De acordo com o que determina o artigo 28 do Estatuto do MTG combinado com o inciso XIII do artigo 175 do Regulamento Geral, convoco as Entidades Tradicionalistas filiadas ao MTG e aos congressistas definidos na Legislação Tradicionalista para o 66º CONGRESSO TRADICIONALISTA GAÚCHO, a ser realizado de 12 a 14 de janeiro de 2018, na cidade de São Jerônimo. Porto Alegre, 01 de dezembro de 2017. Nairioli Antunes Callegaro Presidente do MTG MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO - MTG EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL ELETIVA No uso das atribuições que me são conferidas pelo Estatuto e Regulamento Geral do Movimento Tradicionalista Gaúcho – MTG, convoco as Entidades Tradicionalistas Efetivas, a se fazerem representar por seus delegados, para a Assembleia Geral Eletiva do Conselho Diretor e Junta Fiscal do MTG, cujo credenciamento será permitido até às 12hs e o processo eleitoral entre 14hs e 17hs do dia 13 de janeiro de 2018, sábado, no Ginásio Municipal de Esportes – Av Rio Branco, nº366 - Bairro Centro, durante o 66º Congresso Tradicionalista, na cidade de São Jerônimo. Conforme o Regulamento Geral, artigo 117, as chapas deverão ser encaminhadas para registro na Secretaria Geral do MTG, por requerimento de, no mínimo 10 (dez) entidades filiadas efetivas, até 8 (oito) dias antes da data e hora marcada para a Assembleia Geral Eletiva Porto Alegre, 01 de dezembro de 2017. Nairioli Antunes Callegaro Presidente do MTG EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA ELETIVA TRIÊNIO 2018 A 2020 O presidente da Comissão Gaúcha de Folclore, Ivo Benfatto, convoca os associados fundadores e efetivos, de acordo com o que determina o Estatuto vigente em seu Art. 10, alíneas a e b, Art. 11, parágrafo 1º, e os Art. 20, 21, e 38 para a realização de Assembleia Geral Ordinária – Assembleia Geral Eletiva, no dia 16 de dezembro de 2017, em sua sede, na Rua Olinda 368, nesta cidade de Porto Alegre/RS, às 15:00h em primeira convocação e às 15h30min com qualquer número de associados fundadores e efetivos presentes, para a seguinte pauta: 1ª PARTE: 1. Abertura da Assembleia Eletiva pelo presidente da CGF; 2. Indicação de presidente da Assembleia pelo plenário dos associados; 3. Apresentação de associados efetivos concorrentes aos cargos estatutários eletivos da Diretoria da CGF para a gestão 2018-20: Presidente, 1º Vice-presidente, 2º Vice-presidente da CGF, e para três membros titulares e dois suplentes para o Conselho Consultivo e Fiscal, para os anos de 2018 e 2019. 4. Eleição propriamente dita pelos associados efetivos que formam o plenário. 5. Proclamação do resultado e Posse dos eleitos 2ª PARTE 6. Inauguração do novo piso externo da sede. 7. Admissão de novos associados da CGF. 8. Reunião Festiva com coquetel. Porto Alegre, 29 de novembro de 2017 Prof. Ivo Benfatto Presidente CGF

[close]

Comments

no comments yet