Edição 218

 

Embed or link this publication

Description

Edição 218 da Revista Jornauto

Popular Pages


p. 1

Uma guerra constante: parar, carregar e descarregar Passageiros e motoristas merecem coisa melhor Passageiros » Volvo Novo chassi B250R e o programa de consultoria » Iveco Futuro com inclusão no transporte público Fenatran » Autopeças mostram novidades » Volkswagen lança mesmo Polo fabricado na Europa » Ford New Fiesta com cara nova e mais conectado Peugeot Expert, no uso prático

[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4

EDITORIAL/EXPEDIENTE Nessa longa estrada da vida Gilberto Gardesani Pegando carona na música de famosa dupla, acho que a frase cabe bem no nosso caso. Continuamos a rodar sobre lama, buracos, alguns verdadeiras crateras, contornando curvas com inclinação contrária, escorregando em ladeiras e patinando em subidas íngremes, se esgueirando por desvios improvisados e por pontes com validade vencida, sempre rezando fervorosamente para não ser o escolhido pelos amigos das coisas alheias. E pior, sem a menor esperança de que tudo isso tenha fim, ao contrário, o país vive, hoje, uma verdadeira ditadura legislativa que se apossou, definitivamente, da chave dos cofres públicos, com o beneplácito do poder judiciário. Inédito no mundo moderno. A dificuldade maior para sair dessa situação está no poderoso sistema que criou suas próprias normas e não permite, nem que o patrão, aquele que trabalha, produz as riquezas, paga suas despesas e mordomias, possa interferir em absolutamente nada. Não dá para visualizar qualquer expectativa de mudanças nas eleições de 2018. Basta ver que o maior criminoso da história contemporânea, ou de todos os tempo, se destaca nas pesquisas de intenção de votos. Esperar alguma atitude positiva por parte do povo brasileiro não pode ser levada a sério. Mesmo porque o sistema adotado e mantido por “eles”, não permite mudanças. Tudo está perfeitamente entrelaçado para que, se houver mudanças, será muito pequena, insignificante e facilmente aliciante. Devemos suspirar pelo surgimento de um novo líder tipo Margaret Thatcher, ou um John Fitzgerald Kennedy, um Konrad Adenauer, um Charles De Gaulle, ou um chefe de estado mais atual como a Angela Merkel? Um Mahatma Gandhi, talvez? Não, não! Desculpe o exagero. Podemos usar um pedaço da letra daquele samba: Sonho meu, sonho meu... Estadista desse naipe nunca nasceu por aqui e não será agora, embora, como otimista-realista que sou, nunca descartaria a possibilidade de ocorrer um milagre. Mas... Os nomes que estão rodando por ai não têm a menor chance de alterar o “sistema”. Qualquer um que for eleito em 2018, se não for do “time” deles, ouvirá, sem nenhum constrangimento, alto e claro: “Se não fizer acordo, não governa”. Funciona assim: “vamos fatiar esse orçamento e dividi-lo entre os nomes que nós vamos indicar”. Essa poderosa força que se criou no país só pode ser enfrentada por outra grande força. Ou as forças armadas dão um basta nessa situação e coloca as coisas em ordem, o que também é duvidoso, pois não são homens de formação político-administrativo, ou então só vejo outra solução que, aliás, já propus há algum tempo atrás, mas, claro, não teve a menor repercussão. E não terá, novamente, mas sou teimoso. Ai vai. Pergunto: o que fazem essas poderosas federações e confederações que representam as forças produtivas do país, responsáveis pelo PIB? Não vejo nenhum movimento positivo exigindo as mudanças necessárias do tipo: ou muda ou paramos tudo! Muito radical, não é? Pois é! Bem, e dai? E dai, é que o país é muito grande, tem uma poderosa indústria mecânica e agropecuária, comércio organizado, mais de duzentos milhões de habitantes, mais de cem milhões trabalhando e vejam só, foi só fazer pequenas mudanças e pronto, a esperança renasceu, a economia começou a reagir e temos pela frente um novo ano que será, segundo todos os indicadores, bem melhor do que este que já mostrou melhoras em relação a 2016. Revista Cultura Automotiva EDIÇÃO 218 - NOVEMBRO/DEZEMBRO - 2017 Uma publicação da Rua Oriente, 753 - São Caetano do Sul - SP Cep. 09551-010 | PABX: (5511) 4227-1016 contato@jornauto.com.br | www.jornauto.com.br Edição: Gilberto Gardesani Diretoria: Gilne Gardesani Fernandez Gisleine Gardesani Tuvacek Administração: Neusa Colognesi Gardesani Editor Técnico: Carlos Roberto Fernandez Comercial: Gilberto Gardesani Filho giba.gardesani@jornauto.com.br Distribuição/Assinaturas assinatura@jornauto.com.br Diagramação: Giulio Gardesani Tuvacek Impressão: DuoGraf Colaboradores: Adriana Lampert (RS) Alexandre Akashi (SP) Eliana Teixeira (ES) Fernando Calmon (SP) Guilherme Regepo (BA) Luís Perez (SP) Mauro Geres (SC) Paulo Rodrigues (RS) Ricardo Conte (SP) 4 Revista Jornauto Circulação Nacional: Distribuição dirigida aos diretores e principais executivos que decidem pelas marcas de veículos e peças utilizadas em suas empresas, nos segmentos de frotistas urbanos e doviários de cargas e passageiros, rede oficial e independente de oficinas mecânicas, retíficas, varejistas e distribuidores de autopeças, fabricantes de veículos, concessionários, autopeças, equipamentos, prestadores de serviços, sindicatos e associações de classes que representam todo os segmentos do setor automotivo brasileiro.

[close]

p. 5



[close]

p. 6

DISTRIBUIÇÃO URBANA Prospectando negócios e crescimento econômico Carlo Gianese | São Paulo - SP Representante do segmento desde 1981, a ABAD - Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores - reúne mais de quatro mil empresas de ramos distintos, como alimentício, perfumaria, farmacêutico e materiais de construção. De acordo com os resultados divulgados no último Ranking ABAD/ Nielsen, em 2016, o setor cresceu 0,6% em termos reais e 6,9% em termos nominais, com faturamento de R$ 250,5 bilhões. Esses índices conferem aos agentes de distribuição uma participação de 53,7% do mercado mercearil (produtos de uso comum das famílias, como alimentos, bebidas, limpeza, higiene e cuidados pessoais). O desempenho comprova a força do conglomerado, que apesar do cenário de instabilidade econômica enfrentado pelo Brasil nos últimos dois anos, manteve, pelo décimo segundo ano consecutivo, volume mercadológico acima de 50%. “Os diversos setores produtivos vêm fazendo o possível para impulsionar a retomada do crescimento do país. Ainda há alguns entraves, como o desemprego, que atinge um grande número de famílias e prejudica as áreas ligadas ao consumo”, diz Emerson Destro, presidente da ABAD. União de entidades Na visão de Destro, além das atividades realizadas na capacitação e parcerias para a melhoria na operação e gestão das empresas, a associação deve contribuir positivamente aos marcos regulatórios vinculados à cadeia de abastecimento e ao ambiente de negócios. Por isso, desde 2014 passou a integrar a UNECS – União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços, composta pelas sete maiores entidades desse setor e responsáveis por mais de 15% do PIB brasileiro. “Destaco o apoio à aprovação de projetos de lei para melhorar os altos custos de transporte, a revisão das regras para os produtos considerados perigosos, ampliação da cobertura do seguro de cargas e punição mais rigorosa para os crimes de roubo e receptação”, explica Destro. Circulação na malha viária urbana 6 Revista Jornauto

[close]

p. 7

Com o excesso de veículos e a escassez de vias públicas nas cidades, a logística de distribuição precisou se adequar a normas mais rígidas. “Não há alternativa. Toda a estrutura e gestão das frotas, bem como roteirização e outros pontos, foram repensados e adequados às novas condições impostas. As ferramentas de tecnologia logística são cada vez mais necessárias e utilizadas para dar racionalidade, agilidade e eficiência às entregas. Incentivamos a modernização das empresas e a adoção de alta tecnologia, inclusive facilitando o contato entre os associados e fornecedores de produtos e serviços por meio da Central de Negócios ABAD”, explica o presidente da associação. A Volkswagen Caminhões e a Iveco mantém parcerias com a ABAD. No caso da Volkswagen, a relação começou em 1995, sendo o primeiro acordo no país entre uma montadora automotiva e uma associação. A iniciativa já gerou a comercialização de aproximadamente 30 mil unidades. Agilizar o atendimento Destro destaca que as fabricantes encontraram na legislação restritiva uma oportunidade de negócio, sobretudo para os modelos VUC (Veículo Urbano de Carga). “Se as entregas demandam grande circulação em áreas urbanas, os VUCs têm importância fundamental. Eles permitem agilidade no atendimento do pequeno comércio e facilidade de acesso na maior parte dos locais. Cada empresa tem uma necessidade específica e adapta os veículos ao perfil da operação”, explica. “Quando falamos de regiões maiores e com longas extensões de estradas, os modelos pesados são fundamentais. Nossos associados trabalham com uma frota de 100 mil caminhões em todo o país, próprios e terceirizados. Também temos em uso um número expressivo de veículos para intra-logística. Entre as 572 empresas participantes do questionário do Ranking ABAD, por exemplo, são mais de duas mil empilhadeiras”, conclui. produção e distribuição de bebidas. São oportunidades para aproximar as empresas, dar maior visibilidade à ADIBE e fomentar oportunidades”, diz Leonildo Puin, presidente da ADIBE. Puin ressalta que a entidade foi afetada pela economia fragilizada. “O trabalho de uma associação é muito difícil em época de crise. Os empresários tentam cortar todo tipo de investimento e isso impacta diretamente em nossas atividades”. “Mas acredito que a economia está se descolando da política, já sentimos uma sensível melhora no consumo. Produtos com maior valor agregado vão ter uma retomada mais lenta, o poder de compra do consumidor ainda está prejudicado. Ele busca opções mais em conta, geralmente nas categorias de entrada das marcas", conclui. Logística de distribuição Questionado sobre as restrições impostas para circulação de caminhões nos centros urbanos, o executivo aponta que essa tendência é discutida há algum tempo. ADIBE Desde outubro de 1991, a ADIBE - Associação dos Distribuidores de Bebidas do Estado de São Paulo estimula o desenvolvimento de toda cadeia produtiva do setor. Com 125 associados, entre distribuidores (38), fornecedores (59), representantes (12) e prestadores de serviço (16), a entidade tem como desafio ampliar esses números. “Promovemos ações de relacionamento, como o Encontro de Distribuidores e workshops para debater assuntos relevantes ao ciclo de “Temos que conviver com isso, cabe às empresas adaptarem as frotas à operação, com veículos cada vez menores e com capacidade de carga reduzida. Hoje nossos associados usam basicamente os VUCs da Mercedes-Benz e da Volkswagen e as caminhonetas com rodagem simples, como a linha Daily da Iveco”, explica Puin. As montadoras estão atentas à demanda do setor de distribuição e oferecem opções adequadas às suas necessidades e em conformidade à legislação VUC. A parceria de quase duas décadas entre a Volkswagen Caminhões e a cervejaria AMBEV é um caso. Em agosto, foi negociado um lote de 417 veículos dos modelos Delivery 13.160, Worker 17.190 e Worker 23.230. Pioneira no setor “Graças à nossa parceria de cerca de vinte anos, fomos a primeira montadora a desenvolver veículos vocacionais para a distribuição de bebidas, fato que nos motiva e desafia a buscar a excelência e estar sempre na frente”, comenta Roberto Cortes, presidente e CEO da MAN Latin America. “Em tempos de restrições de circulação de caminhões de grande porte nos centros urbanos, a configuração VUC é mais uma van- 7Revista Jornauto

[close]

p. 8

mais produtividade para os transportadores que atuam no segmento de veículos VUC com a Linha Sprinter e os caminhões leves e médio Accelo. Esses produtos oferecem maior valor de revenda, reduzida manutenção e economia de combustível, além de conforto similar à de um automóvel. Como novidade para 2018, elevamos ainda mais o nível de conforto da linha Accelo com a nova cabina estendida e o câmbio automatizado. Tudo isso foi pensado para os motoristas, em especial, os que trabalham no anda e para da distribuição urbana nas grandes metrópoles”. Importância do segmento tagem operacional da linha Delivery. Acompanhar as evoluções do mercado, além de manter a liderança no segmento de caminhões leves no Brasil, é o nosso principal objetivo. São soluções que desenvolvemos para atender a nossos clientes”. Produtos adequados Para Marco Borba, vice-presidente da IVECO Latam, o mercado de distribuição de cargas urbanas é muito importante. “Temos a linha Daily que atende as necessidades do segmento de VUCs. São veículos que proporcionam baixo consumo de combustível, ergonomia para o conforto dos ocupantes, rentabilidade na operação e versatilidade nas aplicações. Os modelos são capazes de circular dentro de zonas de restrição nos grandes centros urbanos. Ampliando a oferta de produtos que atendem essas legislações, a IVECO apresentou na Fenatran a Daily City 30S13. Segundo Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas, Marketing e Peças & Serviços Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil “A Mercedes-Benz é uma marca consolidada no mercado por oferecer 8 Revista Jornauto Destaco também os novos modelos da linha Tector, de 8 e 11 toneladas, com lançamento previsto para segundo semestre de 2018, que estão sendo desenvolvidos dentro das legislações urbanas e aplicações de mercado”.

[close]

p. 9

COMERCIAL LEVE JAC retorna ao segmento de veículos comerciais Gilberto Gardesani | São Paulo – SP Com o fim das tarifas de importação que agravava o custo do produto, a JAC lançou a versão V260 com 3,200kg de PBT por R$ 69.990,00, completa. Segundo Sérgio Habib, CEO do Grupo SHC no Brasil, a JAC iniciou suas atividades na China em 1964, fabricando veículos comerciais. Em 2016 produziu 300 mil unidades entre automóveis e caminhões de 3,5 ton a 50 ton de PBT. A marca já atuou nesse segmento nacional, com o modelo T140, lançado em dezembro de 2012. Para o executivo, o segmento de VUC’s foi o que menos caiu no Brasil, nos últimos anos: enquanto as vendas de caminhões pesados caíram 73,3% e a de semipesados teve uma redução de 60,5%, os caminhões leves sofreram uma queda de 49,0%. “É o único segmento em que se possa pensar em lançar veículos”, diz Sérgio Habib. Pensa em poder comercializar 600 unidades/ano com 22 revendas e mais seis postos de atendimento. Mercado O V260 vai disputar sua presença no mercado brasileiro com vários outros produtos semelhantes e assemelhados. Entre eles o Hyundai HR, Kia/K2500 e o Lifan Foison. Veja abaixo a participação de cada um no mercado,de janeiro a setembro de 2016/17 E como podem ver, a Kia foi mais agressiva e conseguiu crescer este ano. Marca/modelo 2016 2017 % Hyundai HR 3.612 2.840 - 21,4 Kia/K2500 970 1.156 + 19,2 Lifan Foison 440 291 - 33,9 Mas, em alguns dos sub-segmentos, o V260 terá de vencer a preferência por modelos de outras marcas como o Renault Master, MB Sprinter 311 e Iveco Daily. Os furgões derivados também ocupam espaço nesse mercado com os modelos Fiat Fiorino, Renault Kangoo e Peugeot Partner. Todos com PBT abaixo de 3,5 toneladas. Detalhes Com garantia total de 3 anos ou 100.000 km, o JAC V260 traz detalhes que podem fazer alguma diferença, na hora do cliente decidir pela compra. Primeiro, o preço. Será oferecido por R$ 69.990 completo, com ar condicionado. Segundo a JAC, cerca de R$ 4 mil mais barato que os demais. Importador aposta também no torque do motor que,nas emissões,supera as normas do Euro 5, na capacidade de carregar 1.510 kg de carga útil, na melhoria da habitabilidade da cabina, no ar condicionado de série, no câmbio de seis marchas, no maior entre-eixos do segmento permitindo implementos com mais capacidade cúbica e nas longarinas reforçadas. Garante também um custo menor das peças de reposição. Vem com airbag duplo, freios com ABS, alarme, vidros elétricos, rádio MP3, com USB, direção hidráulica, travamento automático das portas, regulagem de altura do facho dos faróis e mais um item exclusivo: câmera frontal no retrovisor central com oito horas de gravação.As imagens podem ser acessadas à distância, por um app no celular. Ficha Técnica resumida Motor 1,910cm3 – 16V - EGR Potência 103cv@3600rpm Torque 260Nm@1800rpm Dimensões (mm) Entre-eixos 2,470 Largura 1,750 Comprimento máximo 4,845 Altura 1,953 Bitola dianteira/traseira 1,485/1,420 Pesos (kg) Carga útil 1.510 Peso Bruto Total (PBT) 3.200 Freios Dianteiros a disco, traseiros a tambor Rodas 15” com pneus 195/70 R15 Velocidade máxima 130 km/h 9Revista Jornauto

[close]

p. 10

PASSAGEIROS Novidades para o operador urbano Antonio Ferro | Curitiba - PR/Caxias do Sul - RS Volvo Bus Latin America apresenta novidades para o transporte coletivo nas cidades, disponibilizando otimização operacional, economia e melhor gestão. Não é de hoje que o conhecimento, a tecnologia e o suporte acompanham a Volvo Bus no mercado brasileiro de transporte urbano. Sua expertise nesse segmento a diferencia por oferecer fundamentos que possibilitam a modernização e a qualificação dos sistemas de transporte envolvidos com a mobilidade urbana. Oferecer os melhores ônibus, serviços e conceitos tecnológicos e de segurança estão em seu DNA. Quer dois exemplos sobre isso? O novíssimo chassi B250R e o programa de consultoria que visa a economia do consumo de combustível. Mais eficiência Em se tratando de veículo, seu mais recente chassi chega para substituir o consagrado modelo B290R ou B7R de seu portfólio de produtos para o transporte coletivo. Com seu novo ônibus, a Volvo quer entregar mais eficiência operacional, por meio de um novo motor, o MD8 (8 litros) de 250 cv de potência e 950 Nm de torque, característica que garante maior desempenho que seu antecessor.Além da tecnologia embarcada disponibilizada no sistema Fleet Management, ferramenta eletrônica de gestão de frotas da marca que recebeu novas funções, como o I-Coaching, o botão de assistência e a função de gerenciamento por região. De acordo com a montadora, são recursos que agregam valor à operação e permitem que o transportador tenha um controle mais detalhado sobre seus veículos, lhe dando rentabilidade e confiabilidade. nutenção em até 4%. “Para garantir os resultados de desempenho e consumo, a Volvo trabalhou no desenvolvimento avançado da engenharia do veículo, e em simulações de performance e testes para adequar o veículo ao mercado latino-americano e garantir a sua eficiência”, explicou o engenheiro. O chassi vem equipado de série com sistema de freios a disco EBS 5, suspensão pneumática eletrônica e volante com ajuste de altura e profundidade, traz ainda duas opções das novas gerações de caixa de câmbio das marcas Voith e ZF, como também novas relações de diferencial. Tudo na mão A Volvo destaca que seu monitoramento online traz muitas vantagens à operação, como o aumento da performance do condutor e a economia de combustível, com o objetivo de se alcançar o máximo desempenho do veículo. Vinícius Gaensly, responsável pela área de serviços conectados da Volvo Bus Latin America, disse que o operador tem o conhecimento em tempo real do comportamento do veículo, com dados gerados pelos sistemas de informação e telemetria permitindo o diagnóstico remoto e o gerenciamento proativo da frota, evitando problemas futuros, como Adequação do produto Segundo Renan Schepanski, engenheiro de vendas da Volvo Bus Latin America, o modelo B250R é até 3% mais econômico em consumo de combustível que o B290R, tendo também uma redução do custo de ma- 10 Revista Jornauto

[close]

p. 11

serviço que tem como foco a redução dos gastos com combustível e é mais um braço da oferta de serviços conectados da fabricante. Em fáceis palavras, a consultoria é realizada por um técnico especialista da concessionária com suporte da fábrica, tendo como função a coleta de dados da operação, a avaliação e o acompanhamento desses dados para transformá-los em informação. Com base nessas informações é definido e entregue ao cliente um plano com sugestões de ações para redução do consumo de combustível. Ação local paradas não planejadas. “A ferramenta I-Coaching é um dispositivo eletrônico instalado no painel do ônibus que alerta o motorista quando ele dirige com aceleração brusca, em marcha lenta ou em velocidade acima da permitida naquele trecho. Aliado a isso, está o botão de assistência, um dispositivo para situações de emergência ou de suporte para veículos equipados com o Fleet Managemen”, explicou Gaensly. Consultoria auxilia redução do consumo Em parceria com a operadora do transporte coletivo urbano VISATE, de Caxias do Sul – RS, e sua concessionária Dipesul, a Volvo apresentou recentemente seu projeto piloto que integra o pacote de serviços conectados oferecido a clientes de ônibus urbanos e rodoviários. Trata-se do programa de consultoria de consumo de combustível, um novo Para Anderson Castilhos, gerente operacional da VISATE, a ação in loco promoveu o treinamento dos motoristas da transportadora para a obtenção das melhorias dos serviços. “Alcançamos com a consultoria uma economia de 7% no consumo de diesel e uma redução de 59% nos eventos negativos por hora, como freadas bruscas, motor em marcha lenta e excesso de velocidade”, enfatizou. Além do combustível, essa parceria também proporcionou a diminuição do custo por quilometro rodado em 9% dos oito ônibus participantes do projeto, em itens como peças, desgaste de pneus e consumo lubrificantes. Segundo a transportadora local, a parceria com a Volvo foi fundamental para os resultados positivos. O programa da consultoria foi utilizado por seis meses no corredor leste/oeste do sistema de ônibus de Caxias do Sul, serviço que transporta 900 mil passageiros por mês. RESULTADO DO COMPARATIVO: O BONGO É INCOMPARÁVEL. 2018 kia.com.br•0800 77 11011 3 1.812 kg CARGA NO PESSOAS CHASSI CNH CATEGORIA B MOTOR 2.5 L TURBODIESEL 130,5 CV TRAÇÃO TRASEIRA E DIREÇÃO HIDRÁULICA VUC CIRCULAÇÃO EM CENTROS URBANOS Pela vida. Escolha o trânsito seguro.

[close]

p. 12

Peugeot Expert, no uso prático Gilberto Gardesani Filho | São Caetano do Sul - SP Criar alternativas para a distribuição de cargas nos grandes centros urbanos, essa foi a aposta da PSA ao lançar, em outubro na FENATRAN, o Expert da Peugeot. Antes disso, no final de setembro, a Citroën lançou sua versão, a Jumpy. Ambos compartilham praticamente tudo, as diferenças estão nos faróis, grades e pára-choque dianteiro e alguns pequenos detalhes na traseira. Concorrente direto no mercado somente o Vito da Mercedes-Benz e, as montadoras, cada uma com sua estratégia, procuram aplicações e mercado para esse tipo de veículo que é uma novidade por aqui. A nossa experiência foi com o modelo Peugeot Expert Business com o pacote Pack, que iremos detalhar a seguir. Os valores sugeridos para a comercialização dos modelos são: Business 1.6 R$ 83.990 e com o pacote Pack R$ 91.990. geiros. A visão é um pouco prejudicada pelas colunas A do carro, mas nada que rapidamente um motorista profissional não se acostume sem trazer prejuízo à dirigibilidade. Porta objetos é o que não falta para manter a cabine organizada, bolsas nas portas, porta garrafas na parte de cima e laterais do painel, espaço para a importante prancheta no centro, além de porta-luvas. No encosto do banco central dos modelos equipados com o pacote Pack, quando rebatido, se transforma em uma mesa do tamanho de uma folha A4 para ajudar no trabalho de controle das entregas. O que pode ser repensado pela engenharia é o espaço para o som poder acomodar uma central multimídia, já que auxiliares de navegação é uma necessidade para veículos dessa natureza. Internamente A primeira atitude que temos que tomar ao iniciar uma avaliação é encontrar o posicionamento ideal para uma condução correta e, nesse quesito, demos nota máxima. Com regulagem em altura e profundidade do volante e do banco encontrei facilmente uma posição confortável para dirigir com o meu metro e oitenta centímetros de altura. Para ajustar os retrovisores, com o pacote Pack é fácil, já que ele é elétrico. Todos os comandos estão à mão, e a posição da alavanca de câmbio é bem próxima ao volante evitando fadiga desnecessária. O espaço interno é suficiente para acomodar motorista e dois passa- 12 Revista Jornauto Ponto cego No painel de instrumentos, a faixa verde que geralmente os veículos equipados com motorização diesel oferecem para trabalhar dentro da faixa de torque ideal foi substituída por um mostrador digital, que

[close]

p. 13

Um dos grandes diferenciais é a altura do Expert, com 1,94 m pode acessar facilmente garagens de prédios e estacionamentos de shoppings. Abrindo ainda mais o leque de aplicações. Um deles é o serviço de ambulâncias. Os modelos disponíveis no mercado não entram em qualquer lugar para fazer o transporte de enfermos. Dirigibilidade indica qual a melhor marcha para aquele momento, tanto superior como inferior. Isso vai ajudar o motorista a lembrar da sexta marcha, até que se torne automático. O ponto negativo que, aliás, foi o único preocupante do Expert, são os retrovisores, principalmente o da direita, que tem ponto cego, exigindo grande cautela para uma mudança de faixa de rolamento. Entendo que a PSA deva rever esse equipamento já que segurança é uma grande preocupação da fabricante francesa. Em movimento, a impressão é de estar dirigindo um automóvel, pelo conforto e o baixo ruído dentro da cabine. Salientando que todo o nosso trabalho foi com o ar-condicionado ligado, item essencial para enfrentar o pesado trânsito da Grande São Paulo. Inclusive foi sugerido, por ocasião do lançamento, pelo nosso editor, que esse item fosse oferecido fora do pacote Pack. Externamente O Expert tem um visual atraente, dando um toque de requinte em qualquer frota, imagine em uma empresa de pequeno porte. Valoriza e personifica qualquer produto ou prestação de serviços. Seu pára-choque envolvente garante que as encostadinhas comuns em manobras não se tornem uma dor de cabeça, o posicionamento dos faróis acima e recuado impedem que esses esbarrões o atinjam. Uma porta corrediça lateral ajuda em cargas e descargas em locais mais justos em espaço. As duas folhas da porta traseira abrem a 180º, facilitando os atos de carregar/descarregar utilizando empilhadeiras. Mais um item útil do pacote Pack é o sistema Moduwork, que por meio de uma portinhola na divisória carga/passageiros, acessa a cabina por baixo do banco do passageiro permitindo colocar cargas de até 4 metros de comprimento. Com isso a capacidade salta de 6,1 m3 do modelo convencional para 6,6 m3. Em peso, o modelo avaliado, segundo a ficha técnica, pesa 1.719 kg e transporta até 1.519 kg de carga útil. É o que mais perto chega da saudosa Kombi, que transportava o que pesava, uma tonelada. Em nossa avaliação aferimos 1.770 kg de tara – devido ao tanque cheio – e 370 kg de carga líquida, totalizando 2.140 kg de peso bruto total. Voltando, o engate de marchas é preciso e o bom posicionamento dos pedais deixa tudo mais fácil. O auxiliar de rampa, que mantém o veículo parado por dois segundos funciona bem e evita que o carro desça involuntariamente em manobras de subidas/descidas. O motor de 1.6 litro a diesel, provavelmente o único Euro VI rodando no Brasil, com injeção direta de combustível, entrega potência de 115cv@3.500rpm e torque de 30kgfm@1750rpm. Nada a reclamar do seu desempenho. Menos multas Em uma pequena alavanca do lado esquerdo logo abaixo da direção fica o Cruise Control, ou controle de velocidade. Hoje, com a indústria 13Revista Jornauto

[close]

p. 14

da multa a todo vapor, eu considero esse equipamento como um dos mais importantes de um veículo que irá circular por ruas e avenidas. Com ajuste fácil, o motorista coloca a velocidade máxima para a via e ao atingi-la, por mais que ele acelere, o dispositivo impede que a velocidade seja excedida. Como já mencionado acima, para uma melhor avaliação, colocamos 370 kg de carga líquida. Com isso, pudemos checar o seu comportamento em trânsito, em manobras evasivas e seu consumo de diesel. No quesito manobras, com o ESP (programa eletrônico de estabilidade) e o Hill Assist (reconduz o veículo a trajetória) ele se portou de forma até surpreendente - pelo seu tamanho e peso - a 40 km/h. Com a manobra seria possível evitar um acidente sem deixar o motorista virar passageiro. O sistema de freios do Expert, com discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, mostrou eficiência em todas as operações realizadas nos testes. Completando a segurança, o Expert vem equipado com os obrigatórios airbags duplos. Em relação a consumo, em circuito misto entre cidade e estrada, obtive 13,21 km/l . Nas inspeções preventivas do motor o acesso é fácil, mesmo com a tampa do motor curta, é possível ver o fluido de freio, nível do óleo do motor, água do esguicho do pára-brisa e a bateria. Conversei com Heleno Brito, gerente Administrativo da Giuliana Flores, uma das principais e-commerces desse segmento de mercado. Mostrei o veículo para que ele analisasse sob o olhar de um comprador técnico, já que a empresa tem quatro veículos em sua frota para entregas e transferência de produtos. Os pontos positivos destacados foram: altura, porta lateral para acesso a cargas e o conforto da cabine. Ficou impressionado com o designer e o preço. Mas sua curiosidade não foi sanada com relação ao consumo. Ponto negativo foi o comprimento, ele achou que para a nova operação que está sendo desenvolvida por ele nos shoppings, e por ocupar mais de uma vaga (comprimento de 5,309mm), esse seria um problema. Expert Business Business Pack Motor 1.6 Turbo Diesel Blue HDI com injeção direta de combustível Potência (CV/RPM) 115/3.500 Torque (kgfm/RPM) 30/1.750 Pneus 215/65 R16 104/106T Peso vazio (Kg) 1.770 1.719 Carga útil (Kg) 1.500 1.519 Peso Bruto Total 3.200 3.238 Velocidade Máxima (Km/h) 160 Capacidade tanque (litros) 69 Combustível Diesel S10 Compartimento de carga(m3) 6.1 6.3 Comprimento de carga (mm) 2.862 4.024 Largura Interior (mm) 1.636 Altura Interior (mm) 1.397 Distânciacaixasderodas(mm) 1.258 Entre-eixos (mm) 3.275 Comprimento (mm) 5.309 Largura com espelhos (mm) 2.204 Altura (mm) 1.935 14 Revista Jornauto

[close]

p. 15

PASSAGEIROS Iveco Bus: pensando no amanhã Gilberto Gardesani Filho | Sete Lagoas - MG Como deverá ser e o que será necessário desenvolver em termos de veículos para atender a populações que utilizam transporte público nos próximos anos? Essa foi a proposta do Iveco Bus Experience 2017. Discutir ideias e propor soluções! Em um evento denominado “Próxima Parada 2030 o Futuro já Começou”, na cidade onde fica a sede da montadora no País, foi discutida ideias do que se esperar em termos de agilidade, conforto e inclusão no transporte público daqui a 13 anos. Participaram executivos da montadora, estudantes da área de designs de ônibus da Universidade Federal de Minas Gerais, representantes dos fabricantes de carrocerias, membros do setor público e imprensa especializada. “A Iveco não tem a pretensão de ditar quais serão as tendências para o futuro do transporte, mas queremos participar da discussão”, informa Gustavo Serizawa, gerente de Marketing para América Latina. Os projetos gerados foram apresentados aos participantes e depositados em uma cápsula e guardado em uma urna na entrada das instalações da empresa e quando for aberta, em 2030, os resultados serão analisados pela próxima geração. "Daqui a 13 anos a estrutura será analisada e a próxima geração saberá se acertamos ou não nas projeções para um transporte mais inteligente", afirma Humberto Spinetti, diretor de Negócios para América Latina da montadora Acessibilidade A expectativa de vida das pessoas no mundo vem aumentando consideravelmente, principalmente pelo avanço da medicina e hábitos mais saudáveis. No Brasil, segundo o IBGE, de 2014 para 2015 passou de 75,2 para 75,5 anos. Mas se compararmos com 1940, o aumento é de 30 anos, quando na época a média era 45,5 anos. O que demonstra claramente o envelhecimento da população. Ainda, segundo a entidade, cerca de 45,6 milhões de pessoas declaram algum tipo de deficiência no Brasil no censo de 2010. Por isso, veículos adequados para transportar essas pessoas já são uma necessidade real e para o futuro ainda mais. Spinetti destaca que: “sustentabilidade não é só meio ambiente, mas a inclusão social também”. E a marca vem demonstrando muita preocupação nessa área. Prova disso são as soluções em 100% dos produtos da Iveco para o mercado quando o assunto é acessibilidade. Inclusão Segundo Serizawa, cerca de 70% das empresas mineiras tem dificuldade em atingir as cotas para pessoas com alguma deficiência. Então, oferecer soluções para a inclusão é mais que um nicho de mercado, é dar oportunidade de trabalho para pessoas que, de alguma forma, tem dificuldade de encontrar um emprego por ter deficiência de locomoção. A montadora italiana apresentou um veículo conceito que traz a inclusão para um mercado que até então era impensável para uma pessoa com limitações de movimento. O Daily Life é uma aposta audaciosa. Uma poltrona móvel vem buscar o motorista até fora do veículo e o coloca na posição de dirigir. Ele possui todos os dispositivos auxiliares que são necessários para uma pessoa conduzir utilizando só as mãos. Spinetti reitera: "nosso time se antecipou à demanda do mercado e coloca à disposição mais um veículo que engloba tecnologia, inclusão e acessibilidade." Esse dispositivo será testado em outros modelos da marca, aumentando assim as possibilidades de oferecer o produto mais adequado a necessidade dos clientes. 15Revista Jornauto

[close]

Comments

no comments yet