Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

Ano X | Nº 61 | Nov/Dez 2017 DE OLHO NO FUTURO Setor se reúne no V Workshop Sindiavipar para debater tendências na avicultura

[close]

p. 2

Sumário 16 Indústria Paraná lidera produção industrial no acumulado do ano. Entenda os motivos! 24 Capa V Workshop Sindiavipar apresenta soluções para o futuro e os desafios da avicultura brasileira 44 InPAR Instituto Paranaense de Reciclagem (InPAR) e Programa Elos da Sustentabilidade firmam parceria Sindiavipar 04 Observatório 05 Agenda 06 Sindiavipar 08 Radar 10 Na mídia 12 Entrevista 14 Meio-ambiente 16 Indústria 18 Associados 20 Bem-estar 22 Pesquisa 24 Capa 34 Evento 34 Jantar do Galo 38 Anuga 40 Avicultor 42 Sustentabilidade 44 InPAR 46 Notas e Registros 48 Estatística

[close]

p. 3

Diretoria Presidente: Domingos Martins Vice-presidente: Claudio de Oliveira Secretário: Olavio Lepper Tesoureiro: Roberto Pelle Suplentes: Paulo Cesar da Silva, Renato Braga Fortes, Valter Pitol, e Roberto Kaefer Conselheiros fiscais efetivos: Paulo Cesar Massaro Thibes Cordeiro, Dilvo Grolli e Ciliomar Tortola Suplentes: Rogerio Wagner Martini Gonçalves, Sérgio Rodrigo Ruiz Guimarães e Marcos Aparecido Batista Delegados representantes efetivos: Domingos Martins e Claudio de Oliveira Suplentes: Ciliomar Tortola e Paulo Cesar Massaro Thibes Cordeiro Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná Av. Cândido de Abreu, 140 - Salas 303/304 - Curitiba/PR - CEP: 80.530-901 Tel.: 41 3224-8737 | sindiavipar.com.br | sindiavipar@sindiavipar.com.br Fale conosco Se você tem alguma sugestão, crítica, dúvida ou deseja anunciar na Revista Sindiavipar, escreva para nós: revista@sindiavipar.com.br. Expediente Produção Centro de Comunicação centrodecomunicacao.com.br Jornalista responsável Guilherme Vieira (MTB-PR: 1794) Colaboração Bruna Robassa, Camila Castro, Jonas Filho, Jorge de Sousa, Karina Becker, Laura Espada, Paulinne Giffhorn e Stefani Aguiar Design e diagramação Cleber Brito e Ana Claudia de Paula Comunicação e Marketing Mônica Fukuoka Impressão Maxi Gráfica Anuncie na Revista Sindiavipar Mônica Fukuoka Comunicação e Marketing marketing@sindiavipar.com.br (41) 3224-8737 Editorial "Juntos somos mais fortes" é a grande bandeira levantada pelo Sindiavipar em seus mais de 25 anos de atuação. Foi assim que passamos pelos percursos do ano e é assim que terminaremos 2017: sempre reunidos e sempre mais fortes. Nos dias 9 e 10 de novembro, diversos representantes da cadeia avícola estiveram presentes no "V Workshop Sindiavipar Avicultura do Brasil para o Mundo", realizado em Foz do Iguaçu (PR). No encontro, foi possível debater o setor de maneira global, entender os desafios e as ­necessidades da população mundial, e traçar a avicultura que q­ ueremos e que é exigida para o futuro. Entre os principais temas, destaco mercado nacional e internacional, sanidade, nutrição e bem-estar animal, gestão de pessoas e custos de produção. Além dos debates e do aprendizado, muita comemoração. Nesta edição, fez parte da programação do evento, o tradicional Jantar do Galo, em que festejamos os números alcançados pela avicultura brasileira, que mostrou crescimento nos indíces de produção e exportação. Os detalhes destes dois dias, você pode conferir na edição da Revista Sindiavipar que está em suas mãos. Matérias sobre pesquisa, indústria, meio ­ambiente e sustentabilidade também estão contempladas nas próximas páginas. Um abraço e boa leitura! Foto: Hamilton Zambiancki selo SFC As matérias desta publicação podem ser reproduzidas, desde que citadas as fontes. Domingos Martins Presidente do Sindiavipar Sindiavipar

[close]

p. 4

Observatório Transporte de animais A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 6392/16, que estabelece em 4,70 metros a altura máxima para os veículos de transporte de animais vivos (semoventes). O texto também determina que os condutores sejam treinados. A informação foi divulgada pela Câmara dos Deputados no dia 19 de outubro. Anteriormente, a altura máxima é de 4,40 metros. Aniversário Em outubro, a C. Vale - Cooperativa A­ groindustrial completou 20 anos. Em 1997, entrou em operação o complexo avícola da empresa pioneiro na produção comercial de frangos em aviários climatizados com alta densidade de aves. A cooperativa também foi inovadora ao fazer o rateio do ICMS e utilizar o sistema dark house. Recentemente, a C. Vale ainda inaugurou o maior e mais moderno abatedouro de peixes do Brasil, em Palotina (PR). Insumos A safra de soja da América do Sul, em particular a do Brasil – pelo seu volume e importância no contexto mundial da produção – começará a fazer parte do ‘radar’ internacional, podendo ser um diferencial positivo na constituição das cotações. Em entrevista ao Portal Notícias A­ grícolas, o analista de mercado da Agrinvest, Eduardo Vanin, explica que, nos últimos anos, a Bolsa de Chicago precificou a colheita norte-americana até que esta chegasse em 70%. Show Rural Coopavel comemora 30 anos de existência Abrindo o calendário de feiras especializadas no agronegócio, o Show Rural Coopavel, acontece de 5 a 9 de fevereiro de 2018 e vai contar com ampliação no Show Rural Pecuário, investimentos nos setores da avicultura e suinocultura, carros chefes na comercialização da cooperativa. No dia 04 acontece a tradicional missa de abertura do evento. Segundo o diretor presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, o Show Rural Coopavel 2017 superou todas as expectativas, mesmo em um ano de economia difícil, o setor do agronegócio mostrou ao país e ao mundo que é possível reverter a crise. “Estamos vivendo um grande momento em nosso país e no agronegócio brasileiro, é a hora de trabalharmos incansavelmente, dentro e fora das nossas porteiras. Temos a responsabilidade de organizar um evento técnico, prático e de alta tecnologia, com o que há de melhor no mercado. O Show Rural Coopavel permite que os produtores rurais tenham contato com o Brasil e o mundo em cinco dias de evento. Estamos trabalhando para que este evento seja o melhor de todos os tempos, pois é só com este sentimento de buscar melhorar a cada ano é que vamos superando nossos limites e aperfeiçoando nosso trabalho”, afirma Dilvo. Acesse: s­ howrural.com.br 4 sindiavipar.com.br Sindiavipar

[close]

p. 5

Quimtia Brasil é certificada entre melhores empresas para se trabalhar A Quimtia Brasil, empresa especializada na produção de insumos para ração animal, recebeu um certificado entre as melhores empresas para se trabalhar na região do Paraná. O reconhecimento foi concedido pela Great Place to Work (GPTW), uma das principais organizações de consultoria e pesquisa do mundo, depois de uma análise criteriosa na relação entre colaboradores e empresas. De acordo com a coordenadora de recursos humanos da Quimtia, Aline Nishimura, esta foi a primeira vez em que a empresa participou da pesquisa. “Esse reconhecimento evidencia o longo trabalho que vem sendo desenhado nos últimos anos. A atuação dos líderes tem sido fundamental para alcançar o êxito e sabemos da importância deles não somente na condução das equipes para as tarefas do dia a dia, mas também no desenvolvimento dos funcionários e na constante necessidade de m­ antê-los motivados, com seus propósitos alinhados ao da empresa”, comenta. Acesse: quimtia.com IPPE Data 30 de Janeiro a 01 de Fevereiro de 2018 Local Atlanta (EUA) Realização US Poultry & Egg Association Telefone 770.493.9401 Site ippexpo.com Show Rural Data 05 a 09 de fevereiro de 2018 Local Cascavel (PR) Realização Coopavel Telefone (45) 3225-6885 Site showrural.com.br Simpósio Brasil Sul de Avicultura Data 10 a 12 de Abril de 2018 Local Chapecó (SC) Realização Nucleovet Telefone (49) 3329-1640 Site nucleovet.com.br Sindiavipar sindiavipar.com.br 5

[close]

p. 6

Associe-se! Porque juntos somos mais fortes! Crédito tributário No mês de setembro, o Sindiavipar participou de uma reunião na sede do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do Paraná (Sindicarne), juntamente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), para avaliação da Lei Complementar nº 160, que dispõe sobre o crédito tributário, aprovada em agosto de 2017. O objetivo é entender como as mudanças podem impactar no setor. Modernização As conversas sobre o processo de doação de equipamentos para o Laboratório Marcos Enrietti, da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), seguem avançando. No dia 20 de setembro, o presidente do Sindiavipar, Domingos Martins, e o diretor presidente da Adapar, Inácio Kroetz, se reuniram para tratar do auxílio do sindicato para o aprimoramento do local. Boas Festas! O dSeinMmdaiuaisivtiiapnsafrorerdamelisazeçajõçaeõusem:ssaifnimtdoiddaovesipaonasor.screoeumpsl.eabtsorso|dce(i4ap1da)oz3s2ee2up4ma-8rac7ne3oi7ronso.vo Agradecemos por estarem ao nosso lado mais um ano!

[close]

p. 7



[close]

p. 8

Radar O Workshop Sindiavipar já está em sua 5ª edição e comprova o seu sucesso. Nós vemos ele hoje lotado, debates fantásticos, temas que são muito importantes e que vão ajudar a avicultura do futuro Ricardo Santin, vice-presidente e diretor de mercados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) O Workshop foi excelente: a qualidade dos palestrantes, a exatidão dos temas importantíssimos que foram apresentados e a variedade de assuntos abordados Inácio Afonso Kroetz, diretor presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) O evento representou a força, a pujança, a determinação, o profissionalismo da avicultura paranaense. E também mostra a todos o motivo do Paraná se colocar como o líder nacional na produção e na exportação. Um crescimento gigantesco exatamente porque há lideranças fortes, empresas conceituadas, que levam o nome do estado e da avicultura do Brasil Franscisco Turra, presidente da ABPA Foto: Sindiavipar 8 sindiavipar.com.br Sindiavipar

[close]

p. 9

Eu já participei de diversos eventos da avicultura paranaense. E o V Workshop, para mim, superou as expectativas. O evento está com um conteúdo de debates ainda mais fortes que do ano passado e a presença das lideranças, dos empreendedores, dos técnicos e dos industriais ligados à avicultura é significativa Orlando Pessuti, presidente do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) Estou adorando o evento, que está muito bem estruturado. As palestras estão excelentes com um nível muito bom. Além disso, o clima está bastante agradável, você vê que a avicultura está ressurgindo do ano passado que foi muito duro Eva Hunka, gerente de produtos de avicultura da Zoetis A ciência e a tecnologia não podem ficar em uma jaula, precisam ser expostas. O grande mérito de eventos como esses, é que tornam acessíveis aqueles conceitos, ensinamentos e pensamentos, que são feitos ou por professores, ou por pensadores, ou por especialistas do segmento Osler Desouzart, especialista em comércio internacional Sindiavipar sindiavipar.com.br 9

[close]

p. 10

Na mídia Buscando as metas Números do bimestre reforçam expectativa positiva do setor O mês de agosto confirmou as expectativas positivas do setor avícola paranaense. O período registrou o maior volume de embarques do ano, com 150,37 mil toneladas exportadas, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), vinculada ao Ministério de Desenvolvimento, Indúst ria e Comércio Exterior (MDIC). O número é aproximadamente 15% sup erior ao mesmo mês do ano passado, quando 130,77 mil toneladas foram escoadas pelos portos paranaenses. Segundo o presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos Av ícola s do Estado do Paraná (Sindiav ipar), Domingos Martins, os meses de agosto e setembro foram extremamente positivos para o setor, "restab elecemos os níveis de produção e exporta- ção, o que reforça nossa expectativa de crescimento para o ano", ­af ir ma. O bom cenário foi assunto em veículos regionais e internacionais no último bimestre como Tribuna do Vale, Jor nal do Oeste, Metro Maringá, Diário dos Camp os e Rede Inter nacional de Televisão (R IT). Portais especializados, entre eles Setor Avícola, Avicult ura Indust rial e Agrolink, também foram pautados pelo tema. Ao todo, mais de 40 notícias relacionadas a industria avícola paranaense foram divulgadas no período, somando um retorno de mídia espontânea de aproximadamente 300 mil reais. Retorno de mídia - Outubro 2017 Jornal 3% O4n%line 10 sindiavipar.com.br Sindiavipar 93TV%

[close]

p. 11



[close]

p. 12

Entrevista Onotimfuistumroo Livro “Pousando em 2027: o voo do frango”, projeta o setor avícola nacional como líder mundial em produção Com uma experiência de mais de 30 anos no agronegócio, o engenheiro agrônomo Ronei Vicente Gauer analisa em seu livro “Pousando em 2027: o voo do frango”, diversas projeções para o setor avícola brasileiro para os próximos 10 anos, inclusive sendo o novo líder na produção mundial dessa proteína animal. Gauer aborda temas como genética nos insumos para ração animal, redução no uso de antibióticos nas granjas, importância do investimento na nutrição animal, além do foco da produção ser voltado para o consumidor, base de toda cadeia produtiva. Com 160 páginas divididas em 11 capítulos, a publicação pode ser encontrada nas versões digital e impressa. O lançamento do livro foi realizado durante a edição de 2017 do Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura (­SIAVS), que ocorreu entre os dias 29 a 31 de agosto. O autor contou a Revista S­ indiavipar mais sobre a obra. Quais suas motivações para escrever o livro e como foi o processo criativo dele? Basicamente queria contar minha experiência de vida e contribuir com o setor. Estou há mais de 30 anos atuando no agronegócio. Aí fui conversando com colegas do setor, com algumas empresas e ­cooperativas e resolvi começar o projeto há seis anos. Queria fazer uma análise para o futuro, discutindo estratégias que serão adotadas nos próximos anos para alcançar as metas propostas pela avicultura nacional. Acredito que até 2027, seremos pioneiros na conversão alimentar de 1:1 para aves com 2 kg de peso médio. Como sempre tive aproximação com os números, abordo com diversos gráficos e tabelas esses indicativos. Quais são os principais temas abordados dentro da sua análise? O livro tem 11 capítulos e é dividido em três partes principais. A primeira é “Organograma de sucesso”, quando dou dicas para o avicultor de como melhorar sua produção, buscando investir na nutrição de sua granja para maior rapidez no cres- cimento dessas aves. Já o segundo setor é o “Complô antibacteriano”, no qual explico a importância de se diminuir o uso desses produtos nas rações animais, buscando inclusive o uso de aditivos naturais na avicultura, para diminuir a incidência de doenças veterinárias. Por último, temos “Quais as estratégias para atingir a meta”, em que falo sobre os procedimentos que o Brasil deve tomar nos próximos anos para assumir a liderança da produção avícola até 2027. Qual sua avaliação da atual situação da avicultura ­nacional? As atuais condições zootécnicas e sanitárias brasileiras são referências mundiais. E a proteína animal é um setor que sempre consegue ir bem no mercado, pois a maior parte dos indivíduos quando aumenta seu poderio financeiro, também eleva seu consumo de carne. Por seu potencial produtivo, o Brasil deve chegar em breve ao cargo de maior produtor mundial de alimentos. 12 sindiavipar.com.br Sindiavipar

[close]

p. 13

Ronei Vicente Gauer Engenheiro agrônomo formado na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Especialista na área de nutrição animal Gerente do Grupo Avipal (1984-2000) Proprietário da Gauer Consultoria, que presta serviços no Brasil e América do Sul Vai e volta Mercado Não pode esquecer do atendimento ao consumidor. É ele quem sustenta toda a cadeia produtiva. Sanidade Vejo como positiva a tendência do aumento de proteção nas granjas. Isso garante um frango de maior qualidade no mercado. Avicultura Vai cada vez mais dominar o setor de proteína animal, muito graças ao avanço da nutrição. Insumos Não se produz nada sem eles Hoje, 80% de toda ração animal é proveniente de insumos. Acredito que até 2027, seremos pioneiros na conversão alimentar de 1:1 para aves com 2 kg de peso médio Foto: Arquivo pessoal Sindiavipar sindiavipar.com.br 13

[close]

p. 14

Meio ambiente Primeiro encontro Evento realizado no dia 18 de outubro reuniu mais de 500 pessoas para discutir a Logística Reversa no estado Com a necessidade de um debate mais amplo e completo a respeito das políticas de logística reversa implementadas no estado do Paraná, foi realizado o 1° Seminário Paranaense de Logística Reversa, organizado pela Federação das Indústrias do ­Estado do Paraná (Fiep), no dia 18 de outubro. O evento foi em parceria com o Instituto Paranaense de Reciclagem (InPAR), Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sema/PR) e o Sindicato das Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado Paraná (SINQFAR). Na abertura, o diretor da Fiep, Virgílio Moreira Filho, destacou o papel da Federação na mobilização do setor industrial paranaense em torno da logística reversa desde 2010, quando foi promulgada a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), por meio da Lei 12.305/2010. “A Fiep, desde a criação do PNRS, tem feito um trabalho incessante junto com a Sema e os sindicatos filiados a esta entidade, justamente para conscientizar as indústrias sobre a importância da coleta de embalagens e resíduos junto aos 500 pessoas participaram do evento consumidores”, afirma. O coordenador técnico do Comitê Técnico do InPAR, Paulo Henrique Quintiliano Moura, explicou que o seminário dispôs de painéis que discutiram os avanços do estado em logística reversa nos mais variados setores. “O primeiro painel apresentou os desafios e as oportunidades da logística reversa no âmbito ambiental, social, econômico e legal. O segundo painel apresentou aspectos do coprocessamento, bem como cases de logística reversa da construção civil e do setor de medicamentos. O terceiro painel, tratou exclusivamente da logística reversa de embalagens em geral, no qual participou o pre- 14 sindiavipar.com.br Sindiavipar

[close]

p. 15

sidente do InPAR, Rommel Barion. Já no último painel foram apresentados os trabalhos de associações nacionais e empresas multinacionais no estado do Paraná ”, relata A palestra destaque teve o tema “A logística reversa no estado do Paraná: histórico e status atual” e foi conduzida pelo Coordenador de Resíduos Sólidos da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná, Vinício Bruni. “O sucesso foi obtido em função do número de presença, do interesse das pessoas e da quantidade de palestras feitas no mais variáveis setores.” explica o coordenador do ­Sema-PR. Mais de 500 pessoas, entre profissionais da indústria, academia e prefeituras, compareceram ao evento que Logística Reversa A Logística Reversa tem o objetivo de implantar ações que eliminem ou minimizem os impactos gerados após o consumo do produto. Além disso, reaproveitá-lo em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou para uma destinação ambientalmente adequada. Ou seja, a efetividade dessa política depende da colaboração de toda a cadeia produtiva, incluindo fabricantes, comerciantes, importadores, distribuidores, consumidores e o poder público. Todos têm responsabilidade nesse processo. Essas práticas acabam impactando três segmentos importantes da sociedade: o social, o econômico e o ambiental. “o valor social que é empregar os catadores, o valor econômico que é geração de faturamento e renda, e por último, o valor ambiental que é a orientação apropriada do produto” exemplifica Vinício Bruni. contou com quatro painéis que tratavam de assuntos pertinentes ao meio ambiente, como por exemplo: sustentabilidade, política de resíduos e logística. Os números positivos já garantiram uma segunda edição do evento que ainda não tem data marcada.

[close]

Comments

no comments yet