Jornal do Sinpol 249 - Novembro

 

Embed or link this publication

Description

Jornal do Sinpol 249 - Novembro

Popular Pages


p. 1

Novembro de 2017 O jornal mais lido e aguardado entre os policiais civis - Ano XXIII - Novembro de 2.017 - nº 249 CCOONNTTRRAA OO PPLL 992200//22001177 Sinpol participa - ao lado de entidades de servidores da saúde, educação e judiciário -, de protesto contra o chamado “pacote de maldades” que o governador Geraldo Alckmin encaminhou em regime de urgência para a ALESP. Se aprovado, os salários serão congelados por mais dois anos e adicionais como sexta parte e outros benefícios deixam de ser pagos. Veja na página 07. O QUE O “FANTÁSTICO” NÃO FALOU UMA TONELADA DE MACONHA A falta de delegados em 40% das cidades paulistas, divulgada em outubro pelo programa dominical da Rede Globo é apenas a ponta do iceberg de problemas enfrentados pela Polícia Civil. Faltam profissionais de todas as carreiras, em número alarmante, sobretudo escrivães. Além disso, os que estão na ativa não recebem reajuste salarial há quatro anos. Confira a crise na Polícia Civil à página 08. DISE de Ribeirão Preto apreende mais de uma tonelada de maconha em caminhonetes de luxo, causando prejuízo superior a R$ 1 milhão aos traficantes. Leia na página 03. E MAIS 4 DIG Ribeirão fecha “fábrica” de cartões de crédito; 4 Sinpol reúne-se com vereador Marinho Sampaio e pede apoio; 4 Em Radar confira as notícias da Polícia Civil na região; 4 Equipe do 4º DP de Franca realiza ações contra traficantes; 4 Policiais civis de Pirassununga prendem estuprador; 4 DIG de São Carlos esclarece mais um homicídio; 4 Veja as novas conquistas do jurídico do Sinpol. Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br

[close]

p. 2

02 FRANCA Novembro de 2017 4º DP DÁ PREJUÍZO DE R$ 30 MIL AO TRÁFICO Em duas ações distintas, policiais civis prenderam traficantes, apreenderam drogas e dinheiro em grande quantidade A equipe do 4º DP (Distrito Policial) to. ação. embalar a droga fracionada, além de de Franca realizou duas importantes No local, os policiais civis encontra- Com o mandado, os policiais civis balança de precisão. ações contra traficantes daquela região ram vários tijolos de maconha, porções seguiram para a residência no dia 20 de Seguindo a busca, os policiais civis da cidade, que integra o Deinter-3 (De- de maconha, uma grande porção de outubro e abordaram o homem que ca- localizaram, escondida em um pequeno partamento de Polícia Judiciária do Inte- cocaína, porções de crack, comprimidos minhava com sua esposa na rua. Eles cofre em formato de coruja, R$ 11 mil, rior), com sede em Ribeirão Preto. de ecstasy e uma droga conhecida por apresentaram o mandado e seguiram provenientes, segundo o dr. Leopoldo, No dia 18 de outubro, os investiga- “Skank”. Segundo o dr. Leopoldo, a dro- com o casal para o apartamento de am- do tráfico de drogas. dores Fabrício e Júlio, coordenados pelo ga no mercado renderia cerca de R$ 20 bos, no Jardim Noêmia. Diante das evidências, o homem foi dr. Leopoldo Gomes Novais, investiga- mil. Além das drogas, os policiais civis Ao revistarem o local, a equipe do 4º conduzido à sede do 4º DP de Franca, vam um traficante de 34 anos que atuava também apreenderam uma quantia em DP de Franca localizou sob um onde o delegado lavrou o flagrante e deu na região do bairro São José. Ele esta- dinheiro, balanças de precisão e materi- tanquinho uma sacola plástica contendo voz de prisão, determinando que fosse va preso e foi posto em liberdade ape- ais utilizados no fracionamento da droga oito grandes porções de cocaína em encaminhado a um centro de detenção, nas 15 dias antes, após cumprir pena por para o tráfico. O suspeito foi localizado pedra. Segundo o dr. Leopoldo, após o onde ficará à disposição da Justiça. Os tráfico de drogas. e preso em flagrante. A região onde a “batismo”, a droga deveria render cerca policiais civis constataram que ele já ha- Os policiais civis receberam informa- dupla morava era próxima de escolas e de 500 porções. Havia também porções via respondido antes por tráfico de dro- ções que, logo ao sair do sistema centro de saúde. A menor foi apreendi- de maconha e objetos utilizados para gas. prisional, o rapaz teria adquirido uma da e encaminhada à Fundação Casa. Foto: Divulgação grande quantidade de droga e que teria R$ 11 mil escondido o material na casa de uma Em outro caso, o setor de investiga- adolescente de 17 anos, com quem ções do 4º DP de Franca recebeu uma mantém um relacionamento amoroso. denúncia anônima. Os policiais civis Jú- Diante da informação, os policiais re- lio, Fabrício, Wander e Oscar passaram alizaram monitoramento do suspeito e a investigar o denunciado, que suposta- constataram que ele eventualmente saia mente seria o principal fornecedor de da casa da namorada com algum objeto cocaína para biqueiras de toda a região na mão, passando supostamente a do Jardim Noêmia. comercializar drogas em sua residência, Diante da denúncia, a equipe coor- que fica próxima à da namorada. denada pelo delegado Leopoldo Gomes Diante das evidências, o delegado do Novais passou a monitorar o imóvel onde 4º DP representou pelo mandado de o homem residia e constataram que a busca domiciliar e foi atendido pelo juiz movimentação no local era característi- da 1ª Vara Criminal. Com o mandado ca de tráfico de drogas. Diante da expedido, dr. Leopoldo coordenou a constatação, dr. Leopoldo requisitou jun- equipe para que fosse realizada uma in- to à Justiça mandado de busca e aprecursão na casa da namorada do suspei- ensão, sendo atendido e iniciando a Dr. Leopoldo Gomes Novais, delegado do 4º DP de Franca

[close]

p. 3

Novembro de 2017 APREENSÃO 03 DISE APREENDE MAIS DE UMA TONELADA DE MACONHA Grande quantidade de drogas e ponto de armazenamento fortificado surpreendem pela magnitude Na tarde do dia 10 de outubro, a DISE sistemas protetivos havia que o imóvel (Delegacia de Investigações Sobre localizado na Vila Carvalho, zona Norte de Entorpecentes) de Ribeirão Preto teve êxito em Ribeirão Preto, foi comparado a um bunker, uma apreender uma volumosa quantidade de espécie de fortificação blindada utilizada em maconha em um imóvel no Jardim Ouro Branco, guerras para manter os ocupantes a salvo. zona Leste da cidade: mais de uma tonelada da Logo na entrada, os policiais civis droga. A apreensão foi uma das maiores encontraram um portão blindado, dificultando o realizadas por essa equipe neste ano. acesso. Mas a equipe localizou um Ao adentrar a casa, a abundância de estabelecimento comercial que dava passagem maconha foi notada desde a garagem, onde havia ao local. três caminhonetes. Em duas delas, era possível Nesse momento, os policiais civis avistaram identificar numerosos tijolos desse entorpecente dois adolescentes no quintal, que imediatamente mesmo com os vidros fechados. Por essa razão, tentaram dispersar diversos pacotes de drogas os policiais decidiram investigar o interior dos jogando-os sobre o telhado e fugindo agilmente veículos, onde a droga foi encontrada em fundos pelo quintal de vizinhos. Quando os policiais os falsos, sob os tapetes, no forro da porta, alcançaram, já não havia drogas em sua posse. distribuída em toda sorte de locais. Assim mesmo, o processo de investigação Não obstante a ilicitude dos entorpecentes, detalhada dentro do bunker localizou diversos duas das caminhonetes também apresentavam tipos de entorpecentes: Sobre o chão da origem suspeita, nas quais o chassi não cozinha, 76 pinos de cocaína, 27 pedras de corresponde à placa. Os três veículos foram crack, quatro comprimidos de ecstasy e 13 apreendidos para a realização de perícia com o micropontos de LSD. Ao averiguar os pacotes intuito de descobrir se foram ou não furtados ou atirados sobre o telhado, mais drogas foram roubados. encontradas, acrescentando ao estoque dos Além da droga, os policiais civis jovens 11 pacotes maiores com maconha apreenderam mais de R$ 8 mil em dinheiro e fracionados em pequenas embalagens. dois telefones celulares. Os 1.050 quilos de Outros acessórios apreendidos também maconha apreendidos vão causar um prejuízo indicavam a realização de tráfico de drogas no superior a R$ 1 milhão para a quadrilha. Um local, como balanças de precisão, liquidificador, suspeito de envolvimento com esse grupo, peneiras e plástico filme impregnados com presente no momento da ação policial, foi preso resquícios de entorpecentes. Na ação, foram pela equipe. apreendidos R$ 582 em cédulas de valores O delegado dr. Diógenes Santiago Netto diversos. explica os próximos passos estabelecidos por Após concluir a ação, a equipe da DISE ele e pelo dr. Eduardo Rodrigues Martinez, conduziu os adolescentes e todo o material responsáveis pela DISE: “As investigações apreendido para a sede da especializada, para prosseguirão com o intuito de identificar outros que fosse lavrado o flagrante. Um dos menores membros da quadrilha e de descobrir a apreendidos já tinha antecedentes anteriores proveniência das drogas encontradas”. por tráfico de drogas e foi recolhido ao NAI Hollywood (Núcleo de Atendimento Integrado), para que No dia 16 de outubro a ação da DISE se fique à disposição da justiça e receba passou em um cenário digno de filmes de atendimento profissional. Hollywood, uma verdadeira fortaleza. Tantos Por: Mariana Luque Foto: arquivo Jornal do Sinpol Fotos: DISE Ribeirão Acima, parte da equipe da DISE que atuou na apreensão de uma tonelada da droga; ao lado a droga sendo pesada na sede da DISE e abaixo no interior de um dos veículos utilizados pela quadrilha de traficantes

[close]

p. 4

04 EDITORIAL MALDADE OU BURRICE? Quando seus amigos vêm a público para apon- que possam render mídia e omitindo-se nas ques- ceber que todo o funcionalismo está desmotivado, tar seus defeitos, é hora de botar a barba de mo- tões que realmente devem ser enfrentadas, como sucateado, desaparelhado e mal pago. E a popu- lho, meu caro. Alguma coisa muito grave está erra- aumento de recursos humanos e reposição salari- lação está, sim, vendo tudo isso. E sabe que quem da com você. Acho que o nobre governador Ge- al dos servidores que estão sem receber reajuste vai pagar a conta é o cidadão de bem. raldo Alckmin deveria fazer esta leitura ao ver a há quatro anos e não três, como disse equivoca- Aquele que trabalha exaustivamente para pa- reação de seus pares na ALESP, quando apre- damente o deputado Barros Munhoz, ao vociferar gar seus tributos e não recebe a contrapartida que sentou o PL 920/2017, também chamado de “pa- seu desapontamento na tribuna da ALESP contra deveria. Não tem segurança pública. Nem tão pou- cote de maldades”. as maldades propostas por Alckmin. co saúde. Muito menos educação. E, se depender Nem mesmo o líder do governo na Assembleia, Fica então a dúvida: é maldade ou burrice a do judiciário, sabe Deus lá quando será atendido. deputado Barros Munhoz, aguentou tamanha in- proposta do governador? Talvez as duas. A meu Alckmin não precisava criar um “pacote de mal- sanidade. “É a maior burrice que já vi na minha ver, uma insanidade, uma burrice sem tamanho. dades”. Ele já é muita maldade com o Estado. Um vida. Um verdadeiro tapa na cara de quem já está Penalizar ainda mais quem já está penalizado é descaminho. Ano após anos, sob as gestões que sofrendo há três anos sem aumento de salário, jogar uma pá de cal, terminar de sepultar um grupo se sucedem do PSDB, São Paulo vem perdendo disse o deputado Munhoz, do mesmo PSDB que de trabalhadores que respirava com a ajuda de fôlego. A tal “locomotiva na Nação” não é nem um Geraldo Alckmin. aparelhos. trenzinho de corda hoje em dia. Arrecadação cain- Mas não era o estado de São Paulo que esta- Diria mais, isso é um crime. Na verdade, uma do, denúncias de desvios surgindo em profusão e va navegando em céu de brigadeiro, com as fi- forma de tentar reduzir os salários, congelando-os nós a ver navios. O povo, por ser sempre tão mal nanças estáveis, ao contrário do que ocorre com por dois anos e suspendendo o pagamento de atendido em todos os aspectos no serviço público. estados como Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e adicionais. No nosso caso, por exemplo a sexta E o servidor, porque não tem sequer o alento de Minas Gerais, que sistematicamente vem atrasan- parte e demais benefícios. Nesta edição, mais uma receber uma mera reposição para minorar as enor- do os salários de seus servidores? Ele não vive se vez, o fundo do poço para nós, policiais civis, é mes perdas salariais deste período de PSDB. Só vangloriando disso na TV? Não diz que em São mais fundo do que imaginamos há três meses. E lembro a todos: lei da ação e reação. Avise seus Paulo há um jeito diferente de governar? vamos afundando sempre mais, com Alckmin no familiares. Não votem em Alckmin. Pelo bem do Bem diferente mesmo. Governa com o sangue comando do Estado mais importante da Federa- povo, pelo bem do funcionalismo. e sofrimento dos servidores. Com o descaso e maus ção. EUMAURI LÚCIO DA MATA serviços prestados à população. Com um governo Estivemos em São Paulo manifestando nossa Presidente do Sinpol (Sindicato dos aos trancos e barrancos, esbanjando em ações insatisfação contra essa situação e pudemos per- Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) Novembro de 2017 EXPEDIENTE O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: secretaria@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Dorlei Morales, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luiz Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório,Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Josiane K. P. de Souza; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. Novos associados Notas Associaram-se ao Sinpol em outubro os seguintes policiais civis: - Natália Médici Escoriza, auxiliar de papiloscopista de Ribeirão Preto; - Sylvio Augusto Simões Lujan, escrivão de Ribeirão Preto. A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro associativo do sindicato. Falecimento A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, o seguinte falecimento: + Dr. Edgard Meirelles de Siqueira, delegado em Ribeirão Preto, ocorrido em 25/10. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. Aposentados Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em outubro: - Silvana Araújo da Fonseca, carcereira em Ribeirão Preto; - Wellington Francisco Caliman, delegado em Ribeirão Preto; - Adelino Pinto Ribeiro, investigador em Casa Branca; - Luiz Carlos Contin Filho, escrivão em Casa Branca. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejando-lhes poderem usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. Plano de Saúde 1 Atenção associados. Verifiquem a data de validade no cartão magnético do convênio São Francisco Saúde, especialmente dos dependentes que cursam faculdade. Para que não ocorra carência, a declaração escolar deverá ser enviada, impreterivelmente, 20 dias antes da data limite de validade. Na dúvida, confira o verso da carteira do plano de saúde, onde consta a data do término da validade. Não deixe para a última hora. Maiores informações na Central deAtendimento Sinpol, telefones (16) 3625-3890 / 36129008 / 3979-2627. Cantina para o Associado A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. A cerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (16) 99398-8820 com Cristina. Atualização de dados Sinpol Para atualização de dados e de situação profissional, principalmente dos recém-aposentados, o Sinpol está promovendo um recadastramento de todos os associados. Participe da atualização e garanta o recebimento de toda correspondência que enviamos, procurando a Secretaria do Sinpol, ou enviando e-mail para secretaria@sinpolrp.com.br. Plano de Saúde 2 Devido a reclamações recebidas junto à Secretaria do Sinpol, a diretoria do Sindicato pede aos associados usuários do Plano de Saúde que confiram suas cobranças de coparticipação em consultas e exames relativos ao uso do convênio médico. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central de Atendimento do Sinpol, pelos telefones (16) 3612-9008 / 3625-3890. Atenção policiais civis O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, comunica aos associados que, caso necessitem de amparo na área jurídica relacionado à aposentadoria, assim como para acompanhar o andamento de ação já ajuizada, primeiramente entrem em contado com os diretores do Sindicato, através de nossa Central de Atendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 3625-3890 / 3977-3850 para oportuno agendamento com o dr. Ricardo Ibelli. Promoções em todas as carreiras O governo do Estado publicou na edição de 05/09/2017 do Diário Oficial listas com diversas promoções e homolocações para policiais civis em atividade, de todas as carreiras.As listas individualizadas por carreira foram disponibilizadas no site do Sinpol: www.sinpolrp.com.br. Consulte no campo Notícias. Clube fechado A Chácara do Sinpol estará fechada nas festas de final de ano. Nos dias 24, 25 e 31 de dezembro de 2017 e 01 de janeiro de 2018 não haverá expediente. Nas demais datas, o funcionamento é normal. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR FOTOGRÁFICO: Júlio Castro REPORTAGENS: Mariana Luque O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Boleto bancário emitido pelo Laboratório de Notícias DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça investigador Antonio Pereira Alvin Aparecido Donizete Tremura Vanderlei Costa MarcosAntonio Fernandes EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores.

[close]

p. 5

Novembro de 2017 AÇÃO 05 DIG FECHA “FÁBRICA” DE CARTÕES DE CRÉDITO Dois estelionatos solucionados pelos policiais civis chamam atenção por sua peculiaridade e pela audácia dos criminosos Na manhã do dia 27 de outubro, os policiais da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto desvendaram um esquema criminoso bastante elaborado e peculiar: trata-se de uma “fábrica” de cartões de crédito falsificados. O local funcionava em uma casa no Jardim Antártica, zona Oeste de Ribeirão Preto, onde residia o suspeito. A ação criminosa seria realizada através de duas máquinas, ambas encontradas pelos policiais no local: uma delas tem como função prensar os cartões e a outra magnetizar seus chips. Ambas foram apreendidas juntamente a dezenas de cartões com chips já prontos e R$ 6 mil em dinheiro. Em entrevista à imprensa, o dr. Alexandre Jorge Daur Filho, responsável pelo caso, há suspeita de estelionato. “A princípio ele será preso por uso de documento falso e falsificação de documento público”, disse aos jornalistas. W.R.B., de 30 anos, apresentou documentos falsos quando da abordagem policial. Ele apresentava passagem por tráfico de drogas. Na fábrica de cartões ilícita, foram encontrados também um notebook com listas de nomes de pessoas e um caderno com anotações de valores, possíveis vestígios do modo de operar dos envolvidos. As investigações policiais, que já vinham ocorrendo de forma meticulosa durante o mês anterior à ação, prosseguem em busca de outros possíveis envolvidos e de apurar a proveniência das listas de nomes e se as pessoas citadas são vítimas. “Vamos apurar como ele conseguia essas listas, se as pessoas são vítimas e se há mais gente envolvida”, disse o dr. Daur Filho. Durante outubro, esse não foi o único caso de estelionato investigado pelos policiais civis. Outro caso Uma ação conjunta entre a DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) e a DIG teve uma reviravolta inusitada. A operação iniciada no dia 19 de outubro com o intuito de apreender drogas buscava um caminhão branco. Durante as buscas em um sítio na cidade de Jardinópolis, em região de vegetação abundante, os policiais se depararam com um modelo semelhante ao procurado em situação suspeita: Alguns homens descarregavam rolos de fiação elétrica nesse local ermo, o que despertou a atenção da equipe. Por essa razão, logo foi constatado que, apesar de não se tratar de tráfico de entorpecentes, o caminhão encontrado era peça chave de outra atividade criminosa. Ao perceberem a ação policial, os suspeitos tentaram fugir, mas foram contidos. Um deles apresentou uma CNH (Carteira Nacional de Habilitação) falsificada. A carga do caminhão foi obtida através dessa documentação falsa. O delegado da DISE, dr. Diógenes Santiago Netto, explica que o suspeito utilizava sua habilitação fraudulenta para candidatar-se à função de motorista. Desse modo, o mesmo obteve a carga que foi flagrado desviando. O rapaz se cadastrou para fazer o frete de uma grande quantidade de fios de alumínio para condução de eletricidade, fornecidos por uma empresa em São João da Boa Vista. Eles venderiam a carga para um receptador e ficariam com o dinheiro. Não obstante, as atividades criminosas da quadrilha também se estendiam ao caminhão, fruto de roubo, e a outros veículos utilizados para estender a ação criminosa a uma maior escala, cuja proveniência segue sendo averiguada. Dr. Alexandre Jorge Daur Filho, delegado da DIG, explica que dois desses veículos, um caminhão e uma caminhonete, foram encontrados em outra operação policial, na Avenida Brasil, via movimentada da zona Norte de Ribeirão Preto, em consequência das investigações iniciadas com o intuito de compreender os fatos constatados no sítio de Jardinópolis. As equipes da DISE e da DIG, coordenadas pelos delegados dr. Eduardo Rodrigues Martinez, dr. Diógenes Santiago Netto e dr. Alexandre Jorge Daur Filho, seguem as investigações com o intuito de averiguar outros três caminhões, esses registrados em nome de terceiros. Tais veículos são possivelmente utilizados pela mesma quadrilha para cometer estelionato, indicando a grande magnitude e engenhosidade da ação criminosa desbancada pelos policiais civis. Por: Mariana Luque Acima, parte da equipe da DIG que atuou no caso da “fábrica” de cartões de crédito; ao lado, “estoque” de cartões fabricado por estelionatário Foto: Ricardo Canaveze/acidadeon

[close]

p. 6

06 TÚNEL DO TEMPO Novembro de 2017 PROBLEMA ANTIGO Em junho de 1998, Jornal do Sinpol abordava um antigo problema nas delegacias que persiste até os dias atuais: a inadequação dos prédios A edição do Jornal do Sinpol de número 33, que circulou em junho de 1998, trazia a seguinte manchete: “A disfunção das unidades policiais”. Na principal reportagem, o jornal mostrou o chamado provisório permanente: prédios inadequados para receberem unidades da Polícia Civil, mas que eram utilizados para tal fim. A reportagem questionava os altos alugueis pagos por imóveis nada funcionais, como era, na ocasião, a sede da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), no início daAvenida Independência, próximo àAvenida Francisco Junqueira, em Ribeirão Preto. Os problemas também eram notados na Coordenadoria Regional de Ensino da Acadepol, também na Avenida Independência e nos demais DPs (Distritos Policiais). O prédio que na ocasião sediava o 1º DP, no centro, onde hoje estão DIG (Delegacia de Investigações Gerais), DISE e Central de Flagrantes, apresentava problemas estruturais. Vários DPs utilizavam casas adaptadas. Além disso, o Sinpol denunciava os altos valores pagos por alugueis. No editorial, o então e atual presidente, Eumauri Lúcio da Mata, alertava que, apesar do clima de otimismo às vésperas do início da Copa do Mundo de Futebol na França, a campanha salarial continuava e o sindicato mantinha as cobranças feitas ao então governador Mário Covas, na tentativa de dialogar. O jornal também mostrou o trabalho realizado pelo ex-delegado Seccional de Ribeirão Preto, que assumia o posto de delegado Regional de Marília. Dr. Moysés José Cocito assumia o cargo com muita garra e determinação. Já implementando mudanças, dr. Cocito fez questão de apoiar o crescimento da equipe da DISE de Marília, para um combate efetivo ao narcotráfico. Outro tema abordado foi o assistencialismo. Em reportagem especial, foi mostrado o belo trabalho realizado pela APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Ribeirão Preto. Já em 1998, a entidade que existia há 32 anos (hoje com 51 anos de atuação) enfrentava problemas para continuar prestando seu essencial serviço. Hoje a situação até piorou, em relação há 20 anos. Um assunto que frequentemente voltava às páginas do Jornal do Sinpol: Vila Branca. Na edição 33, o jornal mostrava que, pela segunda vez, havia sido pedida a interdição do local. A Cadeia Pública de Vila Branca enfrentava problemas estruturais e de superpopulação carcerária. Já tinha registrado diversas rebeliões e mortes desde sua fundação, em 1976, e era considerada um barril de pólvora prestes a explodir. Na relação de aniversariantes, a agente de telecomunicações Cleusa Palombo Navajas encabeçava a lista, a exemplo do que ocorre até os dias atuais. A equipe de Patrimônio da DIG, na época tendo à frente o dr. Udelson Canova Simionato, elucidou em apenas três dias o latrocínio de um engenheiro, morto durante assalto a sua empresa, no bairro do Ipiranga. Agindo com rapidez e precisão, os policiais civis conseguiram prender o autor do crime. Na editoria Perfil, o Jornal do Sinpol mostrou o trabalho realizado pelo então delegado Seccional de São José do Rio Preto, dr. Aparecido Capello. Ele defendia a participação de policiais civis nos pleitos eleitorais e na atuação política. Em “Causus”, o jornal do Sinpol abortou um golpe que era novo na ocasião: em tempos onde a tecnologia não era como nos tempos atuais e os telefones não tinham identificador de chamada, bandidos pediam uma pizza das mais baratas através dos telefones e pediam troco para a nota mais alta em circulação na época. Quando o entregador chegava ao suposto endereço, tinha a pizza e o dinheiro roubados. Em alguns casos, até a moto ou bicicleta utilizada na entrega eram levadas pelos assaltantes. A proposta para alteração do Sistema Policial, de autoria da deputada federal Zulaiê Cobra foi abordada. A medida nunca saiu do papel, nem mesmo para votação em plenária. A então delegada da DDM (Delegacia de Defesa da Mulher de Matão), dra. Maria Imaculada Silva Ricoldi, falou sobre seu trabalho na defesa a edição, o jornal publicou uma esclarecedora endas mulheres e sobre sua carreira na Polícia Civil. trevista com o delegado Udelson Canova Quem também figurou nas páginas da edição 33 Simionato. “Em determinado ano, chegamos a do Jornal do Sinpol foi o escrivão Samuel Pereira, 100% de esclarecimento no Setor de Patrimônio destaque da editoria Herói Anônimo. Encerrando da DIG”, concluía o delegado. Reprodução da capa da edição 33 do Jornal do Sinpol

[close]

p. 7

Novembro de 2017 PROTESTO 07 SINPOL CONTRA O PL 920/2017 Diretores do sindicato participaram de ato público contra o “pacote de maldades” de Alckmin, que congela salários, proíbe pagamento de adicional, sexta parte de demais vantagens “É a maior burrice que já vi na minha vida. Um 2017 congela os salários - que no caso dos policiais verdadeiro tapa na cara de quem já está sofrendo civis já estão congelados há quatro anos -, proíbe o há três anos sem aumento de salário.”Afrase não foi pagamento de adicional, de sexta parte e demais dita por algum policial civil indignado com o gover- vantagens. “Ou seja, além de não conceder reajus- nador Geraldo Alckmin. Nem por algum deputado te e não contratar policiais civis para cobrir a enor- de oposição na ALESP (Assembleia Legislativa do me defasagem de recursos humanos, o senhor go- Estado de São Paulo). Muito menos por opositores vernador espertalhão vem tentar diminuir os salári- ferrenhos aAlckmin, como o deputado federal Major os de todos os servidores públicos. Ele nos trata Olímpio.A frase que abre esta reportagem foi profe- como escravo. Esquece-se que temos dignidade e, rida por ninguém menos que o líder do governo na sobretudo, família, em número suficiente para que ALESP, deputado Barros Munhoz, a respeito do PL ele não seja mais eleito para nada no Brasil, muito (Projeto Lei) 920/2017, também chamado de “paco- menos presidente da República, que é seu objetivo te de maldades deAlckmin”. atual. Se ele acabou com São Paulo, imagina o que O PL 920/2017 foi encaminhado em regime de fará com o Brasil”, vociferou Eumauri. urgência por Alckmin, nos mesmos moldes da cha- Alckmin tem usado a mídia para divulgar que, mada PEC (Projeto de Emenda Constitucional) da graças à sua atuação frente ao Palácio dos Bandei- Morte, de Michel Temer, que congela investimentos rantes, São Paulo não enfrenta crise econômica. públicos por 20 anos. “Essa é a cara do governo Diz que os salários são pagos em dia, a despeito do Alckmin: ele é tirano, desrespeita todo o funcionalis- que acontece em estados como Rio Grande do Sul, mo público, base de seu governo. E, direta ou indi- Minas Gerais e Rio de Janeiro, onde o funcionalis- retamente, prejudica toda a população, que já sofre mo está à míngua. com os serviços públicos de forma geral, prestados “Esse ato covarde e desprezível deAlckmin mos- por servidores desmotivados, com parcos recursos tra nossa real situação. Estamos tão falidos quanto o humanos e que não é ouvido sequer para negociar Rio de Janeiro. Só não vê quem não quer. Estamos uma reposição salarial. Alckmin é inconsequente, há quatro anos sem reajuste e esse cidadão vem despreza o funcionalismo, não pode ser eleito nem propor congelamento de nossos salários por mais para síndico de prédio”, dispara o presidente do dois anos, com a retirada de adicionais fundamen- Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. tais na composição de nosso salário. Falta gente na Para protestar contra o famigerado “pacote de Segurança Pública, na Saúde, na Educação, no maldades” deAlckmin, diretores do Sinpol estiveram Judiciário, enfim, em todos os segmentos.Apopula- em São Paulo no dia 27 de outubro. Vários atos ção tem sido a principal prejudicada com essa situa- foram marcados e todos se encontraram naAvenida ção toda. E ele ainda vem querer dizer que as finan- Paulista. Os policiais civis partiram do Palácio da ças estão saneadas? Mentiroso. Ou um péssimo Polícia, as 13h00. Os servidores do Judiciário parti- administrador. Em minha opinião, os dois”, adianta- ram também as 13h00 da Praça João Mendes. Já se Eumauri. os servidores da Educação saíram às 14h00 da Os diversos sindicatos de servidores públicos Praça da República e os da Saúde também às que participaram do ato, entre eles o Sinpol, devem 14h00, no quarteirão do Hospital das Clínicas. iniciar a cobrança junto aos deputados para que o Todos seguiram unidos e se concentraram na “pacote de maldades” de Alckmin seja retirado da Avenida Paulista, onde aos gritos, manifestavam-se pauta. “Como disse o próprio líder de Alckmin, ‘é a contra a atitude que consideram arbitrária de Geral- maior burrice’. Não tem sentido seguir tramitando”, do Alckmin. Segundo Eumauri, na prática o PL 920/ conclui Eumauri. Fotos: Sinpol

[close]

p. 8

08 ESPECIAL Novembro de 2017 O QUE FALTOU SER DITO NO “FANTÁSTICO” Programa de entretenimento e informação dominical da Rede Globo mostrou parte da grave crise vivida pelos policiais civis no Estado O sucateamento das Polícias Civis pelo Brasil afora foi tema de uma das reportagens especiais exibido pelo programa “Fantástico”, exibido há décadas aos domingos pela Rede Globo. A reportagem foi ao ar no domingo, 22 de outubro e mostrou várias situações enfrentadas por policiais civis pelo Brasil afora. A Polícia Civil do Estado de São Paulo também foi alvo de denúncia. Na reportagem exibida no “Fantástico”, foi dito que 40% dos municípios paulistas não têm delegado. A reportagem exibiu uma entrevista coletiva feita com o governador GeraldoAlckmin em março deste ano, quando ele visitava a cidade de Braúna e foi indagado a respeito das muitas decisões judiciais que obrigam o governo a repor os policiais que se aposentaram ou se desligaram. Alckmin não se fez de rogado. “Se você colocar um delegado numa cidade de mil habitantes, ele vai pescar, não tem sentido isso. Em cidades muito pequenas você coloca um delegado e ele responde por duas ou três cidades”, disse o governador naquela ocasião, afirmando que seria desperdício de dinheiro público contratar delegado para cidade pequena e endossando que eles, delegados, gostam de acumular mais de uma cidade, porque ganham um bom abono, segundo o governador, para isso. Mas a reportagem apresentou um grande problema, ao qual todos estão sujeitos. Mostrou o acidente que matou o delegado do 4º DP (Distrito Policial) de São José do Rio Preto, dr. Davi Ferreira da Rocha. Ele trafegava pela rodovia Euclides da Cunha em Cosmorama, quando bateu a viatura em que estava na traseira de um caminhão. Dr. Davi seguia para uma das cidades pela qual respondia, quando acabou morrendo em serviço. Ele seguia para a delegacia de Mira Estrela, a 151 quilômetros de Rio Preto. De acordo com o presidente em exercício do Sinpol, Célio Antonio Santiago, além de expor os policiais civis ao risco de vida nestas jornadas onde eles trabalham em mais de uma cidade, a política da equipe do governador Geraldo Alckmin também ex- põe o policial civil a uma jornada excessiva e ex- tenuante. “Não são ape- nas os delegados que respondem por várias cidades.Temos na região do Deinter-3 [Departa- mento de Polícia Judiciá- ria do Interior] vários ca- sos de rodízio de escri- vão e investigador. Eles trabalham em duas ou três cidades, por conta da falta de recursos huma- nos. Quer dizer, além do risco de vida inerente à carreira do policial civil, há também o fator via- gem, que aumenta o ris- co potencial contra sua vida, além do fato de que o serviço é excessivo e deveria ser realizado por muitos outros policiais, que é obrigação do go- verno contratar”, pontua Célio. O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, durante denúncia do abandono da Polícia Civil em Ribeirão Preto Briga na Justiça cessário, o governo teria que contratar para cum- rio da Segurança Pública, dr. Mágino Alves Barbo- Uma das primeiras cidades do Estado a regis- prir sua própria determinação”, avaliou Eumauri à sa Filho e ao titular da DGP (Delegacia Geral de trar uma decisão da Justiça obrigando o governo a época. Polícia), dr. Youssef Abou Chahin. Uma das deci- repor os policiais civis em falta foi Leme, que perten- Em abril de 2016, voltou atrás, por não conse- sões foi da juíza Juliana Maria Finatti, de maio deste ce ao Deinter-9, de Piracicaba. O governo havia guir cumprir, e revogou a Determinação. No final do ano, que obriga a equipe de governo a cobrir o criado, em 2013, uma Determinação que regula- mesmo mês de abril, um magistrado de Leme deter- déficit de delegados, investigadores, escrivães e mentava o número mínimo de policiais civis para minou, através de liminar, a obrigatoriedade do Es- agentes na delegacia. Na sentença, a magistrada cada tipo de unidade da Polícia Civil. tado em contratar policiais civis. Na ocasião, a cida- afirma que segurança é direito constitucional do ci- Na ocasião, a Determinação foi duramente de contava com 31 policiais, quando o mínimo ne- dadão e dever do Estado. “Certo é que a resolução criticada pelo presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio cessário seriam 49. O governo recorreu, mas a Jus- foi revogada. No entanto, a obrigação do Estado da Mata, que a considerava já defasada, mas, por tiça manteve a decisão. Mesmo assim,Alckmin não não advém apenas de um ato normativo, mas da outro lado, foi também considerada um avanço, já cumpriu o que foi determinado e continua lutando na Constituição Federal, que instituiu a segurança pú- que normatizava o número necessário de policiais Justiça para derrubar a liminar. blica como um direito fundamental do cidadão”, es- civis. “Todas as delegacias da nossa região esta- Todavia, a briga na Justiça promete ser longa. creveu dr. Juliana, além de determinar na próxima vam abaixo daquele número e isso significava que, Várias outras decisões judiciais causaram dor de nomeação, que um deletado, sete investigadores, mesmo estando abaixo do que consideramos ne- cabeça a Geraldo Alckmin e sua equipe, o secretá- cinco escrivães e quatro agentes, além de quatro

[close]

p. 9

Novembro de 2017 09 auxiliares, sejam destinados a Águas de Lindoia. vem sendo cumprida”, destaca o presidente em exer- Atualmente a cidade conta com um delegado, um cício do Sinpol. investigador, dois escrivães e um agente. Para Célio, a situação é calamitosa há vários E as ações que obrigam o governo a contratar anos. “Temos denunciado isso há mais de uma dé- policiais civis não param. Jales, São José do Rio Pre- cada. O governo não vem repondo adequadamen- to, Dracena, Ilha Solteira, Itapura, Lindoia e Jacareí te os claros no quadro de funcionários. Isso tem se também tiveram ações que notificaramAlckmin. Con- acentuado na última década. Só na região do tudo, em nenhum dos casos há informações de que Deinter-3, onde a Polícia Civil atende 93 cidades, os recursos humanos receberam reforços ou que foi em um ano foram cerca de 100 colegas que se cumprida integralmente a decisão. aposentaram, isso apenas contando com os que Deinter-3 são associados do sindicato. Outros tantos deixa- Diretores do Sinpol, Célio e Fátima Aparecida ram de trabalhar na Polícia Civil - muitos dos quais da Silva reuniram-se com o vereador em Ribeirão desmotivados pelo excesso de trabalho e pelo salá- Preto Marinho Sampaio, do PMDB, ainda durante rio aviltante praticado. Há também os muitos que outubro (leia matéria nesta edição). Na ocasião, Célio estão afastados por problemas de saúde. Em um foi incisivo ao afirmar que o governo Alckmin des- ano, só em nossa região, seguramente mais de 200 respeita a CF (Constituição Federal). policiais civis saíram, seja por aposentadoria, desli- “Trata-se da absurda defasagem do efetivo de gamento ou afastamento médico. O governo alar- todas as carreiras que compõem a Polícia Civil de deou que, no final de 2016, nomeou 442 policiais São Paulo, incluindo a Superintendência de Polícia civis, sendo 80 delegados, 79 investigadores e 283 Técnico-Científica [SPTC], chegando a mais de 10 escrivães, quando soltou a pérola que delegado em mil cargos. Faltam policiais em todos os municípios, município pequeno iria viver pescando. Pois bem, a resultando no aumento direto da criminalidade, im- conta não fecha. Se há falta de delegado em 40% punidade e da violência. A população reclama e o das cidades, teremos 258 municípios aguardando governo do Estado nada tem feito, descumprindo um desses 80 delegados recém-formados. Mas este seu Mister Constitucional previsto no Artigo 144 da número também deve ser usado para repor as la- CF. Por outro lado, a reposição das perdas salariais cunas existentes nas médias e grandes cidades. O anuais dos policiais civis, nos termos do Artigo 37, mesmo ocorre com investigadores, escrivães e com inciso X, da CF, consagrada em lei estadual como todas as demais carreiras”, lamenta Célio. ‘data-base’, virou letra morta: há quatro anos não A reportagem do Jornal do Sinpol realizou uma pesquisa junto site Foto: jornalggn.com.br da Polícia Civil, no link de notícias. De 09 de novembro de 2016 (não há arquivo anterior a esta data) até 24 de outubro de 2017, a equipe da Asses- soria de Imprensa da Polícia Civil di- vulgou apenas cinco reportagens abordando nome- ações de novos policiais civis. A primeira teria ocor- Sinpol responsabiliza Alckmin por “absurda defasagem de efetivo” rido em 21 de no- O número de policiais civis diminui na mesma proporção que aumenta o sofrimento da população que procura atendimento em delegacias vembro de 2016, quando foram anunciados 722 no- blicos para a Polícia Civil e SPTC. “Esses futuros vos policiais, sendo 587 para a Polícia Civil e 135 policiais agora vão para a Acadepol, a Academia de para a SPTC. Na Polícia Científica, seriam 35 médi- Polícia Civil. Em 90 dias estarão reforçando o traba- cos legistas, 25 peritos, 50 auxiliares de necropsia e lho de investigação e perícia em todas as regiões do 25 fotógrafos. Já para a Polícia Civil, 80 delegados, Estado de São Paulo”, afirmou o governador. 120 investigadores e 387 escrivães. Contudo, de julho em diante, somente houve Este número foi corrigido porAlckmin quatro me- anúncio de novos policiais civis ao final de setembro ses depois, quando o grupo estava concluindo a e não foram 1.118, mas apenas 588. “O governa- Academia de Polícia. Foram 80 delegados, 79 in- dor deve achar que está enganando a população vestigadores - e não 120 - e 283 escrivães - seriam com números mentirosos. Quase não contratou. Pro- 387, totalizando 442 novos policiais civis para todo o moveu reengenharia, fechando delegacias. A Polí- Estado, com 650 municípios. cia Civil está há quatro anos sem reposição salarial. Em 14 de março, foi divulgada a nomeação de Só aumentou a defasagem de pessoal, em todas as 26 novos fotógrafos, também para integrar a SPTC carreiras da Instituição, em especial na de escrivão, em todo o Estado. Em 21 de junho, foi publicado um que vem sendo excessivamente sobrecarregada, texto alardeando a formação de três novos delega- levando os integrantes dessa carreira a constantes dos de Polícia. E finalmente em 28 de setembro, o afastamentos médicos e pedidos de readaptação de governo anunciou mais 588 novos policiais civis, função. Quanto ao trabalho de investigação policial, sendo que para o interior - 606 cidades - viriam apesar dos esforços dos funcionários, não atende a apenas 249 deles: 33 delegados, 104 investigado- demanda em virtude da defasagem. A população res e 112 escrivães. O restante ficaria para a Capital está sendo prejudicada e tornou-se descrente em e demais 39 cidades da Grande São Paulo. relação à Polícia Civil. Alckmin está acabando com Ainda em 18 de abril, Alckmin destacou em seu uma Instituição que já foi a mais respeitada da Amé- programa de rádio “Conversa com o Governador” rica do Sul, exemplo de eficiência. Hoje é sinônimo a nomeação de 1.118 aprovados em concursos pú- de sucateamento”, conclui Célio.

[close]

p. 10

10 SINDICALISMO Novembro de 2017 SINPOL PEDE AJUDA A VEREADOR MARINHO SAMPAIO Parlamentar do PMDB, que foi contra o fechamento do 7ª DP, reuniu-se com diretores do sindicato e interou-se da situação extremamente grave da Polícia Civil O presidente em exercício do Sinpol, Célio Antonio Santiago e a diretora-secretária Fátima Aparecida Silva, reuniram-se com o vereador de Ribeirão Preto pelo PMDB, Marinho Sampaio, em seu gabinete, no dia 19 de outubro. O objetivo do encontro foi levar ao vereador o quadro caótico enfrentado pela Instituição em todo o Estado e, sobretudo, na região de Ribeirão Preto, contando com o apoio do vereador não somente para denunciar a situação, como também para que ele leve o quadro até a ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) e divulgue na mídia o problema que afeta diretamente toda a população. “A Polícia Civil está há quatro anos sem reposição salarial seguidamente pela defasagem de pessoal, em todas as carreiras da Instituição, em especial na de escrivão, que vem sendo excessivamente sobrecarregada, levando os integrantes dessa carreira a constantes afastamentos médicos e pedidos de readaptação de função. Quanto ao trabalho de investigação policial, apesar dos esforços dos funcionários, não atende à demanda em virtude desta defasagem”, avalia Célio. O presidente em exercício do Sinpol levou ofício ao vereador, onde apresenta as reivindicações feitas reiteradas vezes ao governador e todas sem atendimento; - O nível universitário, criado pela LC 1067/2008, representou apenas requisito para ingresso nas carreiras de escrivão e investigador, sem o devido enquadramento remuneratório; - A aposentadoria especial, ora regulamentada pela LCF (Lei Complementar Federal) 144/2014, embora contemple o direito à integralidade e paridade ao policial que se aposenta, vem sendo descumprida por parecer conjunto nº 03 da SPPREV/UCRH; - Outra questão figura a contida no arti- go 9º da KC 1.151/2011, pois não vem dado cumprimento à interpretação de que “classe” não é cargo e sim evolução funcional e, por isso, o policial civil, na data de sua aposentadoria, não pode retroagir na classe por estar há menos de cinco anos. O Sinpol ressalta que já houve entendimento, quando da edição da Lei, entre as esferas hierárquicas do Governo e lideranças do legislativo no sentido de que prevalecesse essa interpretação, aliás, e conhecida segundo o sindicato, pelo Judiciário reiteradamente, a administração não vem reconhecendo este direito; - Não houve equiparação do “auxílio alimentação” pago à Polícia Militar em valores muito superiores, em virtude do valor e referência. Para os policiais civis, aplica-se a UBV (Unidade Básica de Valor) e para a PM aplica-se a UFESP. Célio e Fátima também apresentaram ao vereador Marinho Sampaio o quadro preocupante existente em Ribeirão Preto. “Tínhamos oito Distritos Policiais. Hoje temos apenas três. Isso ocorreu supostamente para otimizar o serviço policial, porém nada foi acrescido, continuando com o mesmo número de funcionários. Nas três CPJs [Centrais de Polícia Judiciária] criadas com a ‘reengenharia’, trabalham os mesmos 250 funcionários que respondiam pelos oito DPs da cidade. Há uma necessidade urgente de, pelo menos, mais 500 policiais civis para essas unidades. Além disso, a Polícia Científica enfrenta sérios problemas em seus quadros, com uma grande defasagem. Todo o serviço realizado pela Polícia Civil está comprometido pela falta de funcionários. O governo não pode usar a falta de investimentos em recursos humanos como desculpa para fechamento de distritos policiais sob o pretexto da famigerada reengenharia”, dispara Célio. O presidente em exercício do Sinpol também lembrou que a data-base da categoria virou data morta, pois há quatro anos os policiais civis não recebem um centavo sequer de reposição salarial. “O governo simplesmente rasgou a Constituição federal”, acusa o presidente em exercício do Sinpol. Marinho Sampaio mostrou-se favorável às reivindicações feitas pelo sindicato. Disse que pretende votar uma Moção de Repúdio ao governador, ao delegado Geral de Polícia e ao Secretário da Segurança Pública. Também pretende trabalhar junto à TV Câmara para que o Sinpol possa obter um espaço e trazer à população de Ribeirão Preto os problemas enfrentados pelos policiais civis. Para Célio e Fátima, a luta continua e o sindicato ainda pretende realizar mais ações. Fátima e Célio foram pedir apoio a Marinho Sampaio (dir.)

[close]

p. 11

Novembro de 2017 SÃO CARLOS DIG ESCLARECE HOMICÍDIO DO CDHU Especializada esclareceu crime ocorrido no dia 19 de outubro, quando um homem foi assassinado durante uma briga 11 A DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de São Carlos esclareceu mais um homicídio registrado na cidade. Com mais essa ocorrência de autoria desconhecida, os policiais civis da especializada elucidaram a grande maioria dos homicídios registrados na cidade durante 2017 e a maioria dos autores já foi devidamente identificado e detido ou apreendido, seguindo à disposição da Justiça. No dia 19 de outubro, os policiais civis foram chamados para ocorrer um homicídio no bairro CDHU de Vila Isabel, periferia de São Carlos. No local, encontraram o corpo de Luciano Aparecido Otorola Grégio, de 39 anos. Ele recebeu vários tiros e morreu no local, no estacionamento de um dos prédios do conjunto habitacional, ao lado de sua motocicleta, que estava caída. Imediatamente a DIG passou a investigar o caso. A primeira versão, apresentada por uma suposta testemunha no dia do crime indicava que Luciano estaria sendo perseguido por outra moto e, na entrada do condomínio, acabou sendo atingido por pelo menos seis tiros, caindo morto ao lado da moto. As informações indicavam que o autor da moto teria fugido em sequência em sua motocicleta de cor preta. Em entrevista aos jornalistas, dr. Gilberto de Aquino, titular da DIG São Carlos, disse que a versão apresentada pela testemunha foi fantasiosa. De acordo com o levantamento feito pelos investigadores, o autor dos disparos não chegou em uma moto, mas estaria no local. A equipe da DIG descobriu que Luciano era dependente químico e teria ido até o local para adquirir drogas. Os policiais civis descobriram que ele não ti- Foto: Divulgação Dr. Gilberto de Aquino (ao centro, de gravata) e equipe da DIG de São Carlos: especializada vem mantendo alta produtividade nha dinheiro no momento e houve um princípio de discussão. Foi quando Luciano subiu em sua moto dizendo que iria buscar dinheiro. Ele foi até a padaria de sua família e, em seguida, retornou ao CDHU. Foi quando ocorreu a discussão. Após identificar e prender o acusado do crime, W.J.O.S., de 19 anos, os policiais civis fizeram o interrogatório e confirmaram detalhes do crime que já haviam levantado durante as investigações. W. disse aos policiais civis que Luciano voltou alterado e teria tentado agredir seu amigo, de apelido “Morcego”, quando foi alvejado por um tiro. Em seguida, teria partido para cima do acusado, que efe- tuou outros cinco disparos na direção da vítima e caiu morto no local. O acusado disse ainda que a arma foi adquirida junto a um primo em troca de um aparelho de videogame. Dr. Gilberto de Aquino acredita que a arma pertence a uma equipe de segurança e teria sido furtada, tendo sua numeração adulterada para dificultar na identificação. O autor confesso do crime foi encaminhado ao Centro de Triagem e permanece à disposição da Justiça. Ligação com o tráfico Em entrevista ao Programa Maciel O Repórter, da Rádio São Carlos, dr. Gilberto disse que a DIG de São Carlos se- gue investigando todos os crimes que ocorrem na cidade, principalmente os homicídios e admitiu que a maioria dos delitos envolvendo morte têm ligação com o tráfico de drogas. Durante o programa, o delegado foi direto: “Temos visto vários jovens morrendo devido a essas brigas de gangues por disputa por pontos de tráfico de drogas. É triste. Nosso objetivo não é apenas de identificar os autores de homicídios, mas também combater os pontos de vendas de entorpecentes, evitar esses crimes, pois geralmente são na maioria com pessoas que têm envolvimento com drogas”, concluiu o dr. Aquino.

[close]

p. 12

12 Novembro de 2017 ANIVERSARIANTES DE DEZEMBRO 1 Liliane Garcia Rodrigo Salvino Patto 2 Reinaldo Takeo Aono Izabel Cristina Ramos Ferreira Giovani Silveira de Andrade José Potoloha 3 Maria Helena Masson Neres Marlene Mathias Figueira Gabriel Marduy Tosta 4 Maria Luiza Félix Manço Mauro Antonio Coraucci José Eduardo Baldo Geraldo de Araújo Belli Júnior Neiva Alda Candido Roberto Abud 5 Daniel Cândido de Souza Alexandre Luís Seridonio 6 Cláudio Salles Marta Dellacorte Maria Aparecida Trebbi Maria das Graças Silva 7 Carlos Vedovato Neto Antonio Flávio Barbosa Newton José Cucolicchio Júnior João Riberto de Jesus Ramires 8 Vera Lúcia Rampim Viola Elizabete Aparecida Mafra Sérgio Luís de Lima Carvalho 9 Sônia Maria Mello de Paula Luiz Carlos Fazzio Odair Aparecido Camargo Carlos Henrique Carneiro Scarparo 10 Aldo Abbad Cássio Antonio Alexandrini Heverson Luciano Barbosa Marcelo de Paula Mello 11 José Olívio Brigato Valdir Ferreira de Moraes Pedro Levorato Andréia Ferreira Renato Fernandes Sérgio Salvador Siqueira Vera Lúcia Nucci Beggiato 12 Sérgio Pires Luzia Aparecida Capela Americano Eunice de Amorin Ferreira Said de Souza Silva Filho Luiz Antonio Barbosa Maria Inês Rosa José Luís Possati Moraes Cláudio Hilário Pereira 13 Sônia Luzia de Aguiar Monteiro Sílvia Luzia Lazaretti Aparecido de Paula Totoli Cacildo Gonçalves Netto Júnior 14 Antonino Bairon Elyseo Brandão Alexandro Leandro de Oliveira 15 Ailton Martins de Oliveira José Gonçalves dos Santos Alfredo Hermano Carrara Selvito de Souza Filho Iremar José Alves Sérgio Luís Anello Archibaldo Brasil Martinez de Camargo 16 José Gilberto Martins Lourenço Laura Maria dos Santos José Armando Fantini Adilson Borges da Silva 17 Olavo Elias dos Santos Marcelo Batista de Sousa Cláudio Messias Alves Luís Carlos Paula Senhorini 18 Regina Célia Tonhão de Abreu Rosilene Siena Rocha 19 Tharcílio Panosso Júnior Ivo Alves Mendonça Sandra Galvão Nogueira Carvalho 20 Shigeyuki Miura José Antonio Lopes de Lacerda 21 Amauri Zanardi 22 Sérgio Morari Tânia Cristina Machado Roberto Luiz Bezerra Ferreira João Roberto de Carvalho Motta 23 Verônica Regina dos Santos Reinaldo José Sanches Marcos Ivan Garcia 24 Martha Helena Coelho Sandra Valéria Coimbra Passeto Luiz Augusto Stesse Vinícius Aleixo 25 Ildo Fernando Melani Heloísa Maria Tristão Lázaro Natalino Gregório Rita de Cássia Vieta Manoel Natalino Alves Lopes Paulo Antonio Silveira César Augusto Jaime César Augusto Seridônio Osmar Balmant Cristian César Moraes da Silva Ricardo Gonçalves Vaz de Oliveira Jesus Carlos Rodrigues da Silva 26 Luiz Carlos De Stefano José Ricardo João Márcia Marino Vieira Francischetti Gilmar Antonio de Almeida Décio Kury Marques Ademir Delfino de Souza 27 Carlos César Alves Ariovaldo Torrieri Júnior Antonio Carlos Espíndola Fátima Aparecida Pedrussi Rodrigo Milan Bavieira 28 Lázaro Amâncio de Barros Netto Vinícius França Monteiro 29 David de Barros Valins Nair Celis Magallini Moysés Pereira dos Santos Jarbas Genova de Paula Júnior 30 Wilson Aidar Júnior João Carlos Alves II 31 Reginaldo Aparecido Malimpensa João Arnaldo Damião Melki Antonio Athanásio da Cruz Júnior Jair Gonzaga O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos.

[close]

p. 13

Novembro de 2017 RADAR 13 DISE de Franca... Policiais civis da DISE (Delegacia de Polícia de Investigações sobre Entorpecentes) de Franca (Deinter 3 de Ribeirão Preto) prenderam, no dia 19 de outubro, um homem por tráfico de drogas, naquela cidade. Agentes da unidade especializada apuraram que a residência do investigado, era utilizada para o tráfico de drogas. Foi cumprido mandado de busca e apreensão no imóvel, onde apreenderam 280 porções de cocaína, além de material para embalar as drogas. ...em ação Em outra ação, em 18 de outubro, a equipe da DISE de Franca prendeu um homem, por tráfico de entorpecentes, na zona rural daquele município. Aequipe policial levantou informação, acerca de um traficante, que atuava no imóvel, situado no bairro Jardim Zanetti. Foi cumprido mandado de busca e apreensão no referido imóvel, onde foram apreendidos 25 tijolos de maconha, com peso aproximado de 20 kg, além de uma balança de precisão e anotações com a contabilidade do tráfico. As investigações prosseguem para prender outro envolvido no tráfico, já identificado pela Polícia Civil. São Carlos Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes) de São Carlos (Deinter 3 Ribeirão Preto) prenderam no dia 19 de outubro um homem por tráfico de drogas, naquele município.Após investigações sobre o tráfico de drogas na região, foi cumprido mandado de busca e apreensão na residência do investigado, localizada no Parque Sisi. No imóvel foram apreendidos 13 porções e 1 pino de cocaína, 5 porções de maconha, 1 celular, R$ 300, além de material para embalagem e manipulação dos entorpecentes. Ibaté Policiais Civis da Delegacia de Polícia de Ibaté (Deinter 3 - Ribeirão Preto) prenderam, naquela cidade, dois homens acusados de homicídio, ocorrido na madrugada de 10 de outubro.Após investigações, os policiais identificaram e prenderam a dupla como autores do crime. A vítima foi morta por espancamento, e posteriormente atearam fogo em seu corpo. Foram cumpridos os mandados de prisão expedidos contra os dois investigados. Araraquara I Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) deAraraquara (Deinter 3 - Ribeirão Preto) apreenderam cinco tijolos de maconha no dia 09 de outubro, em continuidade às investigações deflagradas no dia 29 de setembro. Os cinco tijolos de maconha foram localizados na zona rural de Araraquara. Na sequência das investigações desenvolvidas, onde um homem foi preso com 175 kg de maconha, foi apurado que em uma área comum, da propriedade do investigado, havia mais entorpecen- tes escondidos. Em diligências pelo imóvel, conseguiram localizar os cinco tijolos de maconha, com peso aproximado de 5,8 kg. Araraquara II Policiais civis da DISE (Delegacia de Polícia de Investigações sobre Entorpecentes) de Araraquara (Deinter-3), na manhã de 06 de outubro, prenderam um homem, por receptação e tráfico de entorpecentes, no Parque Gramado II, naquela cidade. Os agentes investigavam o suspeito, que usava a própria casa, para armazenar drogas. Foi cumprido mandado de busca e apreensão, na residência do investigado, onde foram apreendidos 1 ciclomotor furtado, além de 1 pedra de crack. Manicure armada Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto (Deinter 3), na tarde de 09 de outubro, prenderam uma manicure, por posse ilegal de arma de fogo, naquela cidade. Os agentes levantaram informações, sobre um imóvel localizado naAvenida Julieta Engrácia Garcia, usado para armazenar drogas e armas de fogo. No local foi apreendido um revólver, de calibre 38, municiado. A proprietária da residência foi presa em flagrante. Porto Ferreira Policiais civis da Delegacia de Polícia de Porto Ferreira (Deinter 3 - Ribeirão Preto) prenderam em flagrante, naquele município, um homem por tráfico de drogas. Os agentes levantaram informações, onde descobriram que o suspeito comercializava entorpecentes numa passarela, na Rodovia SP 215, entre as cidades de Porto Ferreira e Descalvado. No local, avistaram o suspeito, que dispensou uma sacola plástica, com 15 pinos de cocaína, 24 pedras de crack e 19 porções de maconha. Itápolis Na manhã de 05 de outubro, policiais civis da Delegacia de Polícia de Itápolis (Deinter 3 - Ribeirão Preto) prenderam um homem por receptação, posse irregular de arma de fogo e tráfico de entorpecentes, no Jardim Esperança, naquela cidade. Foram cumpridos diversos mandados de busca e apreensão, entre os locais, um "Lava Rápido", conhecido pela comercialização de entorpecentes. No imóvel, apreenderam um notebook, produto de furto, 19 porções de drogas, além de uma arma de fogo, artesanal de calibre 36. Policiais civis de Itápolis apreenderam diversos objetos, drogas e arma de fogo Fotos: Polícia Civil Equipe da DISE de Araraquara apreendeu cinco tijolos de maconha

[close]

p. 14

14 PIRASSUNUNGA Novembro de 2017 POLICIAIS CIVIS PRENDEM ESTUPRADOR Equipe do 1º DP localizou homem, que estava foragido; em outra ação, flagraram traficante com meio quilo de drogas Policiais civis do Setor de Investigações do 1º DP (Distrito Policial) de Pirassununga localizaram e prenderam um homem que era procurado por um crime de estupro. A detenção foi realizada no dia 19 de outubro, durante diligência feita pelo investigador Thiago. O crime foi registrado em setembro. Na ocasião, o acusado teria entrado em uma residência para praticar um furto. No local, havia uma adolescente que acabou sendo agredida e violentada sexualmente. Depois de estuprar a jovem, o ajudante geral, de 23 anos, recolheu alguns pertences da casa e fugiu do local. A equipe do 1º DP de Pirassununga, coordenada pela dra. Tatiane Cristina Parizotto, realizou uma minuciosa investigação e obteve a identificação do homem acusado do estupro e de furtar diversos objetos de valor da casa. Na verdade, trata-se de um indivíduo que reúne várias passagens policiais, algumas delas desde sua adolescência. Entre 2010 e 2012 o rapaz teria praticado diversos roubos. Ainda menor de idade, o acusado teria roubado um posto de combustíveis e um supermercado na cidade de Leme. Em Pirassununga, foi apreendido após roubar uma loja de roupas. Também teria participado de uma rebelião numa cela de menores. Tempos depois, encaminhado à Fundação Casa de São Carlos e, posteriormente de Araraquara, participou de rebeliões, com acusações de danos e ameaças. Já maior de idade, foi preso aos 18 anos por tráfico de drogas. No ano de 2015, detido no CDP (Centro de Detenção Provisória) de Hortolândia, foi flagrado com drogas dentro de sua cela. Em 2017 foi colocado em liberdade e, segundo o chefe dos investigadores da Polícia Civil de Pirassununga, Domingos, era monitorado pelo envolvimento com tráfico, furtos e roubos. Em alguns deles, acabou sendo reconhecido. Há poucas semanas acabou preso por violência doméstica e no dia 19 foi dedito pela equipe do 1º DP de Pirassununga pelo estupro, permanecendo à disposição da Justiça. Traficante No dia 11 de outubro, o delegado titular de Pirassununga, dr. Francisco Paulo Oliveira Lima, organizou uma ação em conjunto com a GCM (Guarda Civil Municipal) de Pirassununga. O objetivo era cumprir um mandado de busca e apreensão contra pessoas relacionadas ao tráfico de drogas. A operação foi planejada após um minucioso trabalho de investigação realizado pela equipe da Polícia Civil de Pirassununga. O homem, que recentemente passou à maioridade penal, já era conhecido por seu envolvimento com drogas e furtos. De posse do mandado de busca e apreensão, a equipe foi até a residência, que fica próximo à Estação Rodoviária de Pirassununga. Após verificar as condições, os policiais civis e GCMs entraram na casa e encontraram o suspeito ao lado de sua esposa e demais parentes. Após a abordagem, a equipe iniciou as buscas e encontraram meio tijolo de maconha escondido numa parede. Próximo da droga, encontraram mais 33 porções embaladas e pronta para venda. No quintal da casa, havia várias embalagens plásticas utilizadas para embalar a droga. Ainda encontraram R$ 10 e uma balança de precisão. A droga totalizou meio quilo de maconha. Todo o material foi apreendido e o homem foi encaminhado à Delegacia de Polícia de Pirassununga, onde recebeu voz de prisão em flagrante do dr. Francisco. Trabalharam nesta ação os GCMs Edmilton, Alves e Rosada, o investigador Domingos e o dr. Francisco. Foto: Polícia Civil/Pirassununga Droga e dinheiro oriundo do tráfico apreendidos por policiais civis de Pirassununga, durante ação

[close]

p. 15

Novembro de 2017 JURÍDICO 15 MAIS VITÓRIAS EM FAVOR DE ASSOCIADOS Advogados do sindicato obtiveram dois mandados de segurança de reversão de aposentadoria, um garantindo aposentadoria especial e liminar suspendendo descontos de policial civil Graças a um trabalho que vem sendo realizado há vários anos, o Sinpol, através de seu departamento jurídico, por intermédio dos advogados Viviane Cristina Ibelli Pinheiro e Ricardo Ibelli, promoveu centenas de ações visando garantir os direitos de seis filiados, principalmente no tocante à aposentadoria especial, com direito à paridade e integralidade. Desta forma, todos os meses vários policiais civis têm obtido vitórias favoráveis aos seus pleitos junto ao Judiciário. No mês de outubro de 2017, quatro policiais civis acabaram contemplados com conquistas obtidas pelo departamento jurídico. Um deles, todavia, obteve uma vitória inédita, graças à atuação do Sinpol. A ação tramitou em primeira instância na 1ª Vara da Fazenda Pública de Ribeirão Preto. O sindicato ingressou em nome do investigador de Santa Rosa de Viterbo, Paulo Rogério Marcussi, com mandado de segurança pleiteando liminar, visando a suspensão dos descontos que eram aplicados pelo governo em seu salário. Em sua sentença, a juíza Roberta Steindorff Malheiros Melluso esclareceu que, de acordo com a documentação apresentada, “os períodos de afastamento do impetrante para descompatibilização para concorrer a cargo eletivo (2008, 2012 e 2016) foram computados como de efetivo exercício para concessão dos adicionais por tempo de serviço e licença-prêmio. Porém, posteriormente, foi feita revisão dos benefícios concedidos ao impetrante e outros servidores em situação semelhante (fls. 42/ 45), resultando em anulação de 180 dias de licença-prêmio do impetrante e descontos mensais em sua folha de pagamento”, proferiu a juíza, que concluiu: “A responsabilidade pelo erro da Administração Pública não pode ser transferida ao servidor de boa-fé”. E expediu a seguinte sentença: “Assim, defiro a liminar pretendida, com base no artigo 7º, inciso III, da Lei nº 12.016/09, e determino que a autoridade impetrada abstenha-se de proceder no- vos descontos em folha de pagamento do impetrante, a título de restituição ao erário de verbas salariais indevidamente pagas pela Administração Pública, até nova ordem deste juízo”, concluiu a Magistrada. Apesar de ser passível de recurso, a conquista obtida pelo departamento jurídico foi comemorada pelo presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. “O governo sempre age de forma arbitrária, prejudica o servidor, que já está bastante prejudicado pela situação cotidiana, sem receber qualquer centavo de reposição salarial há quatro anos e trabalhando como escravo com a falta de recursos humanos. O entendimento da juíza é o mesmo que nós temos: não é correto fazer descontos de forma arbitrária, subtraindo o já diminuto salário do servidor, sem que haja amparo legal”, destaca Eumauri. Mais vitórias As conquistas do jurídico também contemplaram outros associados, durante o mês de outubro. Foi o caso da investigadora de Franca, Elis Regina Zero de Araújo. Através do Sinpol, ela ingressou com mandado de segurança visando obter aposentadoria especial, com direito à paridade e integralidade. Foi derrotada em primeira instância. O departamento jurídico recorreu e ela obteve ação procedente. O investigador aposentado de Itápolis, Luís Rafael Paloni, procurou o jurídico para tentar reverter sua aposentadoria. Ele se aposentou de acordo com a LCE (Lei Complementar Estadual) 1062/2008, que não contemplava o direito à paridade e integralidade, ocasionando um grande prejuízo ao policial civil. O Sinpol ingressou com uma ação visando obter a reversão da aposentadoria, da 1062/2008 para a LCF (Lei Complementar Federal) 51/1985, posteriormente atualizada pela LCF 144/2014. Ele obteve vitória em primeira instância. O mesmo ocorreu com o escrivão de Casa Branca, Sérgio Luís Porfírio. Ele também obteve vitória na ação de reversão da aposentadoria em primeira instância. Em todos os casos ainda cabe recurso. Eumauri alerta aos associados que busquem sempre orientação com a diretoria. “Muitas vezes nosso colega está propenso a ingressar com a ação, mas tem dúvidas se deve fazê-lo. Venha nos procurar, é sempre o melhor caminho. E, se o associado já ingressou com a ação e notou alguma movimentação no Fórum, que nos procure, que teremos prazer em esclarecer seu andamento. Nosso objetivo é garantir os direitos dos policiais civis”, concluiu Eumauri. Eumauri comemora as importantes vitórias jurídicas do Sinpol

[close]

Comments

no comments yet