Gazeta Valeparaibana

 

Embed or link this publication

Description

Novembro 2017

Popular Pages


p. 1

Ano X - Edição 120 - Novembro 2017 Alfabetização no Brasil Grandes figuras da música ocidental VII - Bizet Distribuição Gratuita CORRUPÇÂO Página 4 Página 7 Página 8 A única possibilidade de nos eternizamos nessa frágil vida, é plantando boas sementes. É a melhor herança que deixamos! “Até ontem, a nossa missão era fundar a república; hoje, o nosso supremo dever perante a pátria e o mundo é conservá-la e engrandecê-la”. Marechal Deodoro da Fonseca No próximo dia 15 de novembro o Brasil comemo- rará os 117 anos em que foi pro- clamada a Repúbli- ca em nossa nação. Foi em um dia 15 da prima- vera daquele ano que um grupo de militares e civis decretaram o fim da monarquia no Brasil e a im- plantação de um governo republi- cano, democrático e renovável ao final de cada perío- do de mandato. Apesar de ter sido um movimento militar em sua con- clusão o pro- cesso teve articula- ção e protago- nismo da sociedade civil e nos dois segmentos havia participação efetiva de integrantes da Ordem Maçônica. Esse protagonismo ficou esquecido por muito tempo em virtude da discrição que foi imposta para não provocar maiores reações, principalmente por parte de defensores da restauração da monarquia. Nesta foto o que se vê nitidamente é a ausência do Povo , mas a Elite estava bem representada! CULTURAonline BRASIL - Boa música Brasileira - Cultura - Educação - Cidadania - Sustentabilidade Social Agora também no seu Baixe o aplicativo IOS NO SITE www.culturaonlinebr.org Editorial Página 2 Dia da língua portuguesa no Brasil A primeira dificuldade para ser negro no Brasil é viver A cada 23 minutos, um jovem ne- gro é morto no País. O Dia Internacional da Tolerância é comemoradoanualmente em 16 Comemora-se no dia 05 de novem- de Novembro. A data tem o bro o dia da língua portuguesa no objetivo de promover o bem Brasil. A escolha desta data é uma estar, o progresso e a liberdade homenagem ao escritor e político de todos os brasileiro Ruy Barbosa, que nasceu cidadãos, assim como fomentar em 5 de novembro de 1849, e é considerado um grande estudioso a tolerância, o respeito, o diálogo da língua portuguesa. Essa data é e cooperação entre diferentes comemorada desde 2006 no Brasil. culturas, religiões, povos e civilizações. Página 3 Página 10 Página 11 www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 2

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 2 Editorial "Uma questão judicial hoje pode converter-se em política amanhã. Um problema, agora político, pode ser amanhã judicial." Rui Barbosa Nas lides forenses, há uma inerente paixão de parte a parte. De fato, quando a pretensão é resistida, e resistida ao ponto de ser levada para que outrem a decida estamos diante de um ânimo aquecido. Por isso, diz-se que o magistrado é equidistante e deve primar pela serenidade. Como é humano, tem suas falibilidades, mas deve sempre procurar esse lugar sobranceiro. Feito este nariz-de-cera, é bem o momento de dizer que ontem o ministro Gilmar Mendes atravessou o Rubicão. Afora o cerne jurídico do processo - no qual discutiu-se extemporaneamente alguns temas -, S. Exa. se olvidou a temperança e fez acusações e insinuações a torto e a direito. Pode vir a estar certo? Pode. Mas não é assim que se faz. Afora a deselegância, o pior é o exemplo que passa ao juiz que acaba de ingressar na carreira. Pensará o novel magistrado que é assim que deve se portar um juiz. Mas evidentemente não é. Citando metáforas literárias, como já o fez em outras ocasiões, o erudito ministro comparou o exprocurador-Geral ao personagem Simão Bacamarte, dono da casa de Orates de Itaguaí, na clássica obra "O Alienista". No conto, o médico vai revendo aqui e ali suas ideias acerca da sanidade. Mas quem é que, quando o governo era outro, aplaudia o parquet? Quem é que votou pela prisão a partir da 2a instância e agora sinaliza mudança de posição? Enfim, o rico aspecto psicológico da obra machadiana nos faz lembrar o pai da psicanálise, para quem, quando Pedro fala de Paulo, mais sei de Pedro do que de Paulo. Por tudo isso, é hora de tentarmos pôr um fim no fla-flu que tomou conta do país. E o STF tem um papel importantíssimo para que isso aconteça. Ninguém está querendo exterminar opiniões contrárias, porque a contradição é o combustível da humanidade. Mas é necessário aplacar o contraproducente maniqueísmo. A propósito, essa é a deixa para lembrar outro conto do Bruxo do Cosme Velho: "A Igreja do Diabo". No enredo, o Diabo quer fundar uma igreja. Embora ele já ganhasse algum dinheiro, ele se sentia humilhado com o papel avulso que exercia desde séculos, sem organização, sem regras, sem cânones, sem ritual, sem nada. Comunicado a Deus o intento, ele funda seu templo. Na igreja do Diabo, a venalidade tinha lugar de destaque e com uma conveniente noção de disponibilidade, se abstraindo assim toda a noção de ética. De fato, o cão-tinhoso observava que se se pode vender a casa, o chapéu, as coisas que estão fora de nós, "como é que não podes vender a tua opinião, o teu voto, a tua palavra, a tua fé, coisas que são mais do que tuas porque são a tua própria consciência, isto é, tu mesmo? Fonte: http://www.migalhas.com.br/informativo/4200 Como você já deve ter reparado, apresentamos um novo espaço no site da Gazeta Valeparaibana. Um dos objetivos da reformulação é tornar o site ainda mais colaborativo e, assim, fazer jus ao lema de ser “o ponto de encontro da educação”. Tendo em mente essa missão, de se tornar uma verdadeira comunidade virtual que une todos os profissionais e temas relacionados à educação, cultura e sustentabilidade Social, investiu na plataforma que se propõe a veicular trabalhos científicos da área. É o ‘GV - Ciência’. Espaço 100% colaborativo e GRATUITO! A proposta surge para ser o meio em que trabalhos científicos sejam veiculados na imprensa, dano a eles o devido destaque. Todo internauta do Portal Comunique-se pode fazer uso do ‘C-SE Acadêmico’, basta seguir dois passos... 1º - ENVIAR o trabalho para: csecientifico@gazetavaleparaibana.com (em Word sem formatação com letra Arial 11). NÃO ESQUECER de enviar todos os seus dados: Nome Completo, Documento de Identidade, Nome do Curso, Faculdade. 2º - Depois de analisado, será publicado no espaço “GV - ciência” do site e na edição do mês subsequente no Jornal Digital. Mais vale um pássaro na mão que dois voando Significa que é melhor ter pouco que ambicionar muito e perder tudo. É tradição de antigos caçadores. Eles achavam melhor apanhar logo a ave que tinham atingido de raspão, antes que ela fugisse, do que tentar atirar nas que estavam voando e errar o alvo. Apressado come cru Quando não existia o forno microondas, era preciso muito tempo para a comida ficar pronta, ou então comê-la crua. Nessa época, a culinária japonesa ainda não estava na moda e comida crua era vista com maus olhos. Assim, a expressão passou a ser usada para significar afobamento, precipitação. Chorar as pitangas Pitangas são deliciosas frutinhas cultivadas e apreciadas em todo o país, especialmente nas regiões norte e nordeste do país. A palavra deriva de pyrang, que, em tupi-guarani, significa vermelho. Sendo assim, a provável relação da fruta com lágrimas, vem do fato de os olhos ficarem vermelhos, parecendo duas pitangas, quando se chora muito. Farinha do mesmo saco “Homines sunt ejusdem farinae” esta frase em latim (homens da mesma farinha) é a origem dessa expressão, utilizada para generalizar um comportamento reprovável. Como a farinha boa é posta em sacos diferentes da farinha ruim, faz-se essa comparação para insinuar que os bons andam com os bons enquanto os maus preferem os maus. Fila indiana Tem origem na forma de caminhar dos índios americanos, que, desse modo, encobriam as pegadas dos que iam na frente. Os artigos publicados são responsabilidade de seus autores, não refletindo necessariamente a opinião da Gazeta Valeparaibana IMPORTANTE Todas as matérias, reportagens, fotos e demais conteúdos são de inteira responsabilidade dos colaboradores que assinam as matérias, podendo seus conteúdos não corresponderem à opinião deste proje- to nem deste Jornal. A Gazeta Valeparaibana é um jornal mensal gratuito distribuído mensalmente para download na web Diretor, Editor e Jornalista responsável: Filipe de Sousa - FENAI 1142/09-J Ajude-nos a manter este projeto por apenas R$ 15,00 mensal Email: assinaturas@gazetavaleparaibana.com Gazeta Valeparaibana e CULTURAonline BRASIL Juntas, a serviço da Educação e da divulgação da CULTURA Nacional

[close]

p. 3

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 3 Crônica do mês Dia da língua portuguesa no Brasil Comemora-se no dia 05 de novembro o dia da língua portuguesa no Brasil. A escolha desta data é uma homenagem ao escritor e político brasileiro Ruy Barbosa, que nasceu em 5 de novembro de 1849, e é considerado um grande estudioso da língua portuguesa. Essa data é comemorada desde 2006 no Brasil. Uma comemoração justa e importante. A língua portuguesa é falada por mais de 250 milhões de pessoas no mundo. Está presente em 9 países como língua oficial (Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor leste) é um dos idiomas mais falado no mundo, e está presente em várias diásporas mundo afora. Calendário Segundo o dicionário língua é “ Sistema de comunicação comum a uma comunidade linguística.”Conjunto dos elementos que constituem a linguagem falada ou escrita peculiar a uma coletividade; idioma: a língua portuguesa.” Desde 1986 o português é uma das línguas oficiais da Europa. Faz parte da União Africana, das organizações Ibero-Americanas, das agências e organismos das Nações Unidas e de várias organizações internacionais. É a língua falada por portugueses, brasileiros, alguns países africanos e até na Ásia. A língua oficial do Mercosul. É herança que une comunidades espalhadas pelo mundo. Pela importância da língua ela é tida como disciplina escolar obrigatória nos países do Mercosul, fora os lugares em que ela é falada de forma não oficial. Existe um dia em que a língua portuguesa é comemorada por todos os países falantes do português que é dia 5 de maio, e existe o Dia em que o português é comemorado no Brasil. Essa data serve para mostrar a importância da nossa língua e nos fazer ver que existe uma história, um legado cultural que inclui vários outros países. È importante homenagearmos a língua e darmos projeção ao seu significado, afinal ela é a principal forma de nos comunicarmos e de nos expressarmos seja de forma falada ou escrita. A língua é o meio de comunicação de um grupo de pessoas, que pode ser desde uma comunidade até uma nação. Expressa a identidade de um povo. A nossa língua portuguesa é formada por uma diversidade linguística grande, percebemos isso nos diferentes sotaques existentes entre as várias regiões do país. A própria linguagem falada contém palavras que são peculiares a cada estado, emprestando assim uma identidade cultural própria a cada região. A linguagem faz parte das causas que determinam a vida em sociedade, ligando a forma como nos relacionamos com o outro, possui um forte apelo comportamental e cultural, que vai variar conforme o lugar em que se vive, o sexo, a idade, a classe social que se está inserido etc. . É um forte elemento de união de um povo, compõe a identidade de uma nação. FIORIN (1997) diz que: A língua pode ser considerada uma manifestação de uma cultura. A língua nos une a todos. É um patrimônio que deve ser preservado e valorizado, é uma língua mundial ,está presente em todos os continentes ,e a mais falada no hemisfério sul. Vemos a cada dia crescer o interesse global pelo aprendizado do português. Através da língua expressamos nossas emoções, sentimentos, desejo, aflições. A nossa língua faz parte do que somos, da nossa maneira de ver e de sentir a vida. Temos mesmo é que comemorar a língua Portuguesa e a sua importância histórica e cultural. A língua de Camões se torna cada vez mais importante e mais falada no mundo. A importância de datas como essa serve para reforçar o valor e as discussões sobre a língua, nos levando a refletir sobre sua importância no mundo, nas nossas vidas e na nossa história. Algumas datas comemorativas 02 - Finados 05 - Dia Nacional da Língua Portuguesa 12 - Dia do Diretor de Escola 14 - Dia do Bandeirante 14 - Dia Nacional da Alfabetização 15 - Proclamação da República 16 - Dia Internacional da Tolerância 17 - Dia da Criatividade 17 - Dia Internacional dos Estudantes 19 - Dia Internacional do Homem 20 - Dia Nacional da Consciência Negra 27 - Dia Nacional de Combate ao Câncer Ver mais sobre na Página 12 REPÚBLICA O termo "república" remonta à antiguidade grega romana, e a moderna ideologia republicana tomou formas ligeiramente diferentes, dependendo se ela foi desenvolvida nos Estados Unidos, França ou Irlanda. Na versão ocidental, desenvolvida especialmente a partir dos escritos de Rousseau, defendeu o princípio da soberania popular e da participação popular. No entanto, no meio do século XX, inclui uma perspectiva individualista, isto é, assume-se que os indivíduos procuram a sua felicidade em si mesmo ao invés de uma participação política. Mariene Hildebrando e-mail: marihfreitas@hotmail.com PAÍSES LUSÓFONOS [ Países que adotaram a Língua Portuguesa como Língua Oficial ] O que é Lusofonia? É o conjunto daqueles que falam o português como língua materna ou não. conjunto de países que têm o português como língua oficial ou dominante [A lusofonia abrange, além de Portugal, os países de colonização portuguesa, a saber: Brasil, Moçambique, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe; abrange ainda as variedades faladas por parte da população de Goa, Damão e Macau na Ásia, e tb. a variedade do Timor na Oceania.]. AJUDE-NOS a manter este projeto de educação - www.culturaonlinebr.org/apoiadores.htm www.culturaonlinebr.org /// CULTURAonline BRASIL /// www.gazetavaleparaibana.com

[close]

p. 4

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 4 Alfabetização no Brasil período em que surgiram, con- têm como principais objetivos desenvolver no traditoriamente, as primeiras car- aluno a capacidade de compreensão, além de tilhas nacionais. treiná-lo na habilidade de antecipar e seguir Os primeiros métodos presentes sequencias de ideias, relacioná-las entre si e nas cartilhas brasileiras eram memorizá- las. Com histórias e contos, a leitusintéticos, isto é, métodos que ra é estimulada como fonte de informação e partem de unidades menores da de prazer. Posteriormente, o texto é analisado língua para partes maiores. Se a nas unidades linguísticas menores. A principal unidade escolhida como ponto desvantagem apontada é que, muitas vezes, de partida é a letra, trata-se do a aplicação dos métodos analíticos negligenmétodo alfabético ou de soletra- cia o desenvolvimento da capacidade de ler ção, em que primeiro se ensi- palavras novas e deixa em segundo plano a nam os nomes e as formas das exploração de textos diferentes dos utilizados letras, na sequencia alfabética e durante o processo de alfabetização. Hoje, considera-se que conhecer a história também salteada, para depois trabalhar com Reformas educacionais dos métodos ajuda o professor a resgatar al- as sílabas e, em seguida, com as palavras, Na década de 1920, ocorreram reformas eduguns princípios permanentes e a construir u- frases, para, finalmente, chegar a textos intei- cacionais em vários estados brasileiros, bus- ma metodologia eficaz para a alfabetização. ros. Se o início da aprendizagem começa pe- cando consolidar o ideário republicano. As reMuitos professores, em toda a história do las sílabas, o método é o silábico. São apre- formas colocaram o aluno no centro do pro- "ensino das primeiras letras", buscaram o me- sentadas sílabas em diferentes estruturas, em cesso de educação, defenderam a utilização lhor método para alfabetizar. Nos dias de ho- geral associadas a uma palavra ilustrada. de materiais concretos e jogos na sala de au- je, essa busca continua presente, mas muitos Surgem os métodos analíticos la. Em Minas Gerais, essa mudança ficou co- educadores se "arrepiam" com o tema, pois Com a Proclamação da República, houve um nhecida como Reforma Francisco Campos - consideram essa discussão um retrocesso. processo de expansão do ensino no Brasil: os nome do então secretário de interior, respon- Isso acontece em grande parte, de acordo primeiros grupos escolares surgem em São sável pela educação - e aconteceu em 1927. com Magda Soares, pesquisadora do Ceale e Paulo, em 1892, e depois em todo o país. Ins- Segundo Francisca Maciel, "a Reforma é um professora emérita e titular da Faculdade de titui-se, nesses grupos, a divisão em séries, o marco porque instituiu a adesão oficial aos Educação da UFMG, em razão da idéia restri- que gera, então, a necessidade de materiais métodos analíticos". No bojo da Reforma, tiva que se tem de método, considerado como específicos para cada turma. O ideário repu- Francisco Campos idealizou a Escola de Aescolha de um caminho único e de um só ma- blicano, nacionalista, traz a preocupação em perfeiçoamento, com o objetivo de difundir o terial didático, percurso com controle excessi- produzir materiais "mais brasileiros", deixando método global e o ideário da Escola Nova na vo que não leva em conta o processo de aqui- de lado os termos tipicamente portugueses e educação primária em Minas. O escolanovissição da língua e o conhecimento que os alu- os conteúdos voltados para a história de Por- mo preconizava a função socializadora da es- nos já possuem sobre ela. tugal. cola, a centralidade do indivíduo no processo No entanto, é preciso ter em mente que não é possível alfabetizar sem método. O que muda é que o conceito toma forma mais ampla e complexa, deixando de envolver a uniformização de procedimentos em todas as turmas e em todos os momentos do ensino. Conhecer a história dos métodos de alfabetização pode levar o professor a identificar permanências e De acordo com Francisca Maciel, ocorre aí uma mudança no emprego dos métodos: certo rompimento com os sintéticos e progressiva difusão dos analíticos (globais), que partem de unidades significativas da língua, como palavras, sentenças ou histórias, focalizando primeiro o sentido e a memorização, para depois partir para a análise das sílabas e fonemas. de aprendizagem, a educação para a vida, o caráter científico da educação, com contribuições da Psicologia, da Sociologia, dentre outras. Lúcia Casasanta, responsável por ensinar os métodos de alfabetização às professoras na Escola de Aperfeiçoamento, era uma das maiores defensoras do método global de contos. A implantação do método global foi influenciada pelas pesquisas realizadas na princípios norteadores que vão ajudá-lo a alfa- Os métodos globais são classificados em: de Psicologia e pelos trabalhos de Decroly, que betizar, levando em conta a situação específi- palavração, de sentenciação, de historietas e defendia um período preparatório para a alfa- ca da sala de aula, os conteúdos a ensinar, os de contos. Como o próprio nome indica, o mé- betização, com uso de jogos pedagógicos que processos cognitivos dos alunos e suas difi- todo da palavração toma como unidade inicial possibilitassem às crianças a passagem do culdades e facilidades em adquirir certas habi- as palavras, que são memorizadas por meio concreto ao abstrato e o desenvolvimento das lidades. de repetitiva visualização. Só depois a aten- discriminações auditiva, visual e tátil. Entre as As primeiras cartilhas e os métodos ção é dirigida às sílabas, letras e sons. Se- décadas de 1960 e 1980, o caráter concreto sintéticos gundo os defensores desse método, a vanta- dos jogos decrolyanos foi distorcido pelas es- Até 1808, quando éramos colônia de Portugal, gem de começar pela palavra é que ela é con- colas brasileiras, que os transformaram em era proibido publicar no Brasil. Nessa época, siderada, ao mesmo tempo, unidade da língua exercícios escritos como, por exemplo, a ativi- segundo a professora da Faculdade de Edu- e do pensamento. O método da sentenciação dade de levar o coelhinho até a cenoura por cação da UFMG e pesquisadora do Ceale, segue uma lógica parecida, mas começa a meio de uma linha pontilhada. Francisca Ma- Francisca Pereira Maciel, os professores con- análise pela frase. Já o método de historietas ciel explica, ainda, que "Emília Ferreiro se feccionavam materiais para alfabetizar e tam- utiliza como ponto de partida pequenas histó- contrapôs à idéia do período preparatório da bém usavam cartilhas portuguesas. O exposi- rias, com sentido completo em si mesmas. No alfabetização e mostrou o caminho que o alu- tor português foi uma das primeiras, seguida caso do método de contos, os materiais didá- no percorre para aprender a ler e escrever na pela Cartilha Maternal, do poeta português ticos trazem uma seqüência de contos, com teoria do Construtivismo" João de Deus. O método João de Deus foi sentidos complementares, para serem traba- mais difundido no Brasil na década de 1880, lhadas ao longo do ano. Ambos os métodos Fonte: ceale.fae.ufmg.br www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 5

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 5 Refletindo MORADA FINAL uma vida com poucos recursos pode ser seguida com morte com pobres homenagens: flores de plástico, uma vela. Os que sobreviverem lidarão com a perda cada qual à sua maneira. FRASES SOBRE POVO Eis que chega o Dia dos Finados, “dia de visitas aos mortos” com oferendas, lágrimas saudosas e outras homenagens. Do lado de fora dos cemitérios, o comércio de flores e artigos religiosos permite que os comerciantes faturem um bom quinhão que poderá ser destinado ao pagamento de suas casas. Não importa se corpos estejam em suntuo- sas moradas finais, lápides impecáveis e Enquanto vivos, os homens trabalham para monumentos suntuosos, ou em simples se- comprar casa e, da mesma forma, incenti- pulturas que o desgaste do cimento tornou vam os filhos a conquistarem um espaço anônimas. Não importa quanto esforço e para viverem e, terem ao menos sua pró- suor de vidas inteiras. Nos cemitérios todos pria casa. são nivelados, sem dó nem piedade: será Alguns conseguem, a “duras penas”. Ou- pó. tros herdam de quem penou para isso. Os A grande dúvida dos seres humanos: e do que não conseguem adquirir a sua própria, pó, para onde iremos? agarram-se avidamente ao emprego que lhes possa garantir o aluguel de um teto. Teremos opções sexuais, religiosas ou de status? Há pessoas que possuem vários imóveis e outras, nenhum. Algumas se estabelecem Seremos julgados ou haverá delação preem mansões, outras em pequenos aparta- miada? mentos, mas, pior são os que perdem suas Propinas para escolher o Paraíso ou o In- moradias com as enchentes, com o fogo, ferno? com o descaso que gera o desemprego e Será que por lá haverá o livre arbítrio que que os obriga a morar nas ruas... aqui houve e que tantos não souberam u- Observando o ciclo de vida deste planeta, é sar? admirável a competência do homem em construir e edificar o mundo com prédios, Ou serão limitados ao Limbo até dam que, acima de tudo, existe que aprenalgo muito mas, sem edificar as relações humanas... maior e melhor, algo que foi esquecido u- No entanto, por ironia do destino e para to- sando muito mal o presente que lhes foi da- dos, o final de cada história se dará no es- do gratuitamente que é o amor, a bondade paço que os mortos ocuparão e onde será e a solidariedade em nome de um Deus, determinado seu desaparecimento num seja lá qual for. E que com certeza, é esco- gradativo esquecimento. lha nossa, de cada um de nós. Uns terão como homenagem fotos, meda- Haverá quem, entre os homens, não aceite lhas, mármores com seus nomes escritos, que no fim do túnel, todos estarão e serão inscrições ou apenas orações. iguais? Alguns terão sua morada final preservada com flores frescas e, de acordo com sua religião, as devidas homenagens. A outros, Genha Auga Jornalista MTB: 15.320 François Guizot: “A música oferece à alma uma verdadeira cultura íntima e deve fazer parte da educação do povo”. Rui Barbosa: “A degeneração de um povo, de uma nação ou raça, começa pelo desvirtuamento da própria língua”. Simone de Beauvoir: “É preciso erguer o povo à altura da cultura e não rebaixar a cultura ao nível do povo”. George Sand: “Os ricos só fazem o mal porque o povo lhes estende o pescoço”. Raul Seixas: “O povo brasileiro não tem tempo pra ler, anda muito ocupado para poder pensar”. Patativa do Assaré: “Eu sou de uma terra que o povo padece mas não esmorece e procura vencer”. José Saramago: “Os políticos são a mentira legitimada pela vontade do povo”. Ludwig Börne: “Os governos são as velas, o povo é o vento, o Estado é o barco, e o tempo é o mar”. Ditado popular: “Um povo de cordeiros sempre terá um governo de lobos”. John Lennon: “Eles me criticaram por cantar ‘Poder para o Povo’, dizendo que nenhuma facção pode deter o poder. Bobagem. O povo não é uma facção. Povo significa todas as pessoas”. Eduardo Galeano: “Na luta do bem contra o mal, é sempre o povo que morre”. Pablo Neruda: “Ninguém sabe onde enterraram os assassinos estes corpos, / porém sairão da terra / para cobrar o sangue derramado / na ressurreição do povo”. Gustave Le Bon: “Dominam-se mais facilmente os povos excitando as suas paixões do que cuidando dos seus interesses”. Rousseau: “O povo, por ele próprio, quer sempre o bem, mas, por ele próprio, nem sempre o conhece”. Gilberto Gil: “O povo sabe o que quer, mas também quer o que não sabe” Mês que vem tem mais. Porque precisamos fazer a Reforma nistrar o país, toda a sociedade precisa colaborar para que eles possam nascer e Política Popular no Brasil? terem sucesso. É preciso um sistema eleitoral moderno para melhorar a qualidade da política. Os Seus impostos merecem boa administração. Bons políticos políticos "tradicionais" tem horror à reforma política, porque ela pode mudar a situa- não vem do nada. Para que existam bons políticos para admi- ção atual onde eles usam e manipulam o eleitor e são pouco cobrados ! www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 6

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 6 Contos e Poemas da Genha TULIPAS & GRILOS da classe, não obteve sucesso em suas falas e já pronta para estabelecer um plano de ataque Vejo uma nuvem densa e branquinha! Parece uma bola de algodão arrepiada, iluminada pela luz sutil do sol que ameaça voltar para alegrar o verão. contra os “saltitantes”, resolveu apelar à dupla de amigas a fim de polidamente salvar a classe das flores, visto não quererem se expor a comentários deselegantes que lhes denegririam o status de charme. Peço ao vento que a sopre levemente e a leve até o “Quartel Pedagógico” de minha companheira para avisá-la de que temos uma missão e que venha me ajudar. Juntas, ouvimos a reclamação e nos pusemos a observar a ação dos réus em questão. O primeiro grilo grita em brados retumbantes, como se fosse proclamar a liberdade “grilante” E assim se foi... e salta avidamente em cima do talo de uma flor, A nuvem pairou disfarçadamente sobre a que se enverga como um escravo frente a seu “Rampa do Ditado”, transformou-se numa car- senhor, alvoroçando as pétalas. Outro pulo no ruagem feita de sonhos e desejos, onde guar- voo frenético até a próxima Tulipa que, deses- damos nossos doces segredos de aventuras e perada, tenta desviar-se para o lado, mas o sal- transmitiu minha mensagem: to quase mortal a atinge fazendo-a tremer como - Encontre-me no intervalo das aulas, sei vareta de bambu ao vento. Essa brincadeira que é breve, mas a carruagem é mágica, pode- “grilante” chega a atrair uma quantidade muito remos passar minutos como se fossem horas grande desses impetuosos da natureza, que cumprindo mais uma alegre e divertida mis- não se dão conta da fragilidade das plantinhas, são... embora o caule lhes pareça ser uma fortaleza. Em pouco tempo a carruagem retornou, Acontece que a alegria e a gritaria são e sugou-me pela janela. Lilás, decorada com tantas que ninguém ouve os lamentos das flo- flores e luzes discretas, belos cavalos imponen- res nem o grito reclamante da líder aclamada tes e fortes, forrada com seda prateada, almo- para dar uma solução. fadas macias de nuvens rosadas, perfume de Bem, não poderíamos agir a não ser com verbena, veloz como um raio que dispara sobre cautela para não prejudicar nenhum dos lados, a terra num dia chuvoso, porém quente. mas também sabíamos que aqueles ruidosos Sentei-me ao seu lado de minha compa- grilos falantes, gritantes e encrenqueiros, tamnheira, ela toda vestida de felicidade e arte e eu bém não nos ouviriam. Todavia, tínhamos uma de transgressora do tempo e libertadora dos arma nas “mangas”... momentos sérios do dia de uma criança. Viva a Lembramo-nos de que num passeio a alma pura e inocente! Viva a alma velha e so- Florianópolis, conhecemos um caçador de gri- nhadora! los que os pegava apenas para maltratar os po- Par perfeito, seguimos adiante com a or- brezinhos e prendê-los numa caixa, com o intui- dem do dia: visitar as hospedeiras dos grilos to de divertir-se e fazer corridas de saltos com encrenqueiros. eles, até a exaustão que muitas vezes os aleija- Voando rapidamente pelo céu azul em solavancos macios, passando por caroços assimétricos de nuvens, pairamos sobre tulipas enormes e falantes das mais variadas cores. Corri por entre as amarelas para um selfie combinando com o dourado do sol, e minha parcei- va ou os fazia sucumbir. Descobrimos então, um apito do caçador, cuja sonoridade só era ouvida por grilos, que assim eram atraídos como caça. Roubamos o apito, conseguimos libertar os reféns dessa crueldade, e nunca mais eles foram feitos prisioneiros. ra preferiu as roxas, cujo destaque era devido Eis que, estando o apito bem guardado ao seu aroma e sua cor. Andamos entre elas numa caixa secreta em nosso poder, voltamos cumprimentando-as felizes por aquele lugar en- rapidamente para casa, retornando no tempo cantado e fomos encontrar as “Tulipas Charmo- mágico de nossa carruagem, sopramos forte- sas”, indignadas que estavam com as encren- mente o apito, atraindo fervorosamente todos cas que ocorriam por lá, esperançosas de so- os grilos, que se colocaram a postos em frente corro da dupla de humanas, mas que tinham às charmosíssimas vítimas florais. Foi quando autorização da natureza para intervir nessas pudemos discutir a situação, sensibilizando a pequenas causas, de forma a evitar qualquer todos, fazendo aflorar lágrimas, mostrando as desequilíbrio que pudesse desviar a atenção do dores sentidas pelas delicadas criaturas florais. curso natural de um belo dia. Os algozes aquietados reconheceram o estra- Eis o problema: grilos gostam de pular por entre flores deliciando-se com seus cheiros, mas ultimamente, descobriram algo particular go, desculparam-se pelo ocorrido, mostrando que não havia má intenção, e foram buscar divertimentos bem longe dali. às tulipas: além de belas e aromáticas, possu- Felizes, as flores nos agradeceram com em um caule forte que dá a eles impulso para delicadeza orquestrada pela liderança da Tuli- saltos muito maiores do que os normais, tor- posa. No ritmo do vento fresco e leve, balança- nando bem mais divertido exercitar suas pernas ram-se num vai e vem, exalando seu perfume, pulantes. No entanto, as tulipas se sentem abu- envolvendo-nos num arco-íris de “muito obriga- sadas por esse atletismo, e muitas vezes as da”. pobrezinhas ficam vergadas pela dor, sem falar Parti para minha casa. que os grilos às vezes esbarram nas coitadi- E minha amiga foi para o “quartel” termi- nhas, deixando-as despetaladas. Insetos sem nar sua tarefa menos divertida: copiar a lição de compostura e gritantes, deixam-nas suscetíveis casa... e caídas, pois não se detêm, invadidos que são pela euforia de tantas proezas que ali realizam. A líder, “Tuliposa”, reclamante em nome Genha Auga jornalista MTB:15.320 SINTONIA DO AMOR Genha Auga NÃO TE ESQUEÇO EM NENHUM MOMENTO TUDO QUE FAÇO, TODOS OS MEUS PASSOS E TODA MINHA ALEGRIA, SÃO MOTIVADOS PELO AMOR. SINTONIA DE DOIS AMANTES E DUAS ALMAS NUM MESMO ESPAÇO, DURANTE O DIA, SEPARADOS, A NOITE, UNIDOS NUM ETERNO DESEJO, EM LENÇÓIS PERFUMADOS, ENTRELAÇADOS POR ABRAÇOS. O AMOR MANTÉM O ESPECTRO DE MINHA ALMA, LEVA-ME PARA JUNTO DE TI TODOS OS DIAS, ENVOLVE MEU SER JUNTO AO TEU CORPO, MOSTRA-ME QUE SOU E SEREI SEMPRE SUA. ÉS MINHA VIDA E ASSIM ME MANTENHO NA TUA ETERNA SINTONIA. O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. Fernando Pessoa AJUDE-NOS a manter estes projetos de educação (Rádio e Jornal)- www.culturaonlinebr.org/apoiadores.htm

[close]

p. 7

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 7 Musica Grandes figuras da música ocidental cadores de pérolas), uma história linda sobre A história que tinha como heroína uma jovem VII - Bizet um voto de amizade entre dois homens que é sedutora e “devassa" segundo os costumes abalado pelo amor a uma mesma mulher. Es- da época provocou uma reação negativa da sa mulher que também tem sua crise entre se crítica especializada. O público também a re- entregar a um amor terreno e seguir seus vo- cebeu friamente. tos de sacerdotisa. Uma história muito sensí- Hoje especula-se que a montagem original vel e com melodias incríveis. Na época os crí- mal feita foi a causa do fracasso. ticos menosprezaram a obra a despeito do Esse insucesso trouxe uma depressão profun- sucesso entre o público que a assistiu. Bizet da para Bizet. Três meses depois dessa es- tinha apenas 25 anos quando a compôs. Ela treia ele teve um ataque cardíaco e faleceu acabou não sendo mais encenada durante a com apenas 37 anos de idade. A ópera então vida do compositor. Hoje em dia ela é coloca- começou a estourar primeiramente fora de da entre os grandes títulos universais tanto Paris e se transformou em um sucesso abso- Falamos de ópera em alguns artigos passados, sobre Verdi, Wagner, Puccini, Mozart, italianos e austro-germânicos, mas a ópera pela crítica quanto pelo público. Está sendo encenada este ano entre 30/10 e 6/11 no Theatro Municipal de SP. luto. Bizet não chegou a conhecer esse triunfo. Carmen hoje é uma das óperas mais executa- não ficou restrita a essas duas linhas. Há ópe- Alguns trechos: famosos. das no mundo todo e muitas de suas árias ra francesa e muito boa. Um dos maiores re- O famoso dueto da amizade: também foram transcritas para diversas ou- presentantes dessa região é Georges Bizet https://youtu.be/p2MwnHpLV48 tras formas de expressão musical. (25/10/1838 3/6/1875). A aria do protagonista: A quantidade de melodias intensas e emocio- Carmen, foi sua última ópera, e é uma das https://youtu.be/bNwhHwFl_JE - aqui cantada nantes que essa ópera contém quase me im- mais executadas no mundo até hoje! por um dos principais cantores líricos dos a- pede de escolher os “melhores" trechos. Vale Suas árias e melodias já foram rearranjadas e nos 60 a 80 - Alfredo Kraus a pena conhecê-la inteira! Mas, vamos lá executadas por diversos artistas de vários gê- Essa última melodia foi largamente arranjada A abertura instrumental: https://youtu.be/ neros! por músicos populares. Aqui dois exemplos: PQI5LtRtrb0 Bizet teve uma vida muito curta e bem típica David Gilmour do grupo de rock inglês Pink A Habanera - https://youtu.be/K2snTkaD64U - do romantismo do século XIX, artista talento- Floyd: https://youtu.be/VqBxtvWp7Ps Talvez a mais conhecida de todos os trechos so e com capacidade quase zero de lidar com Alison Moyet, também inglesa: A aria de paixão do tenor seu talento e de administrar sua vida pessoal. https://youtu.be/DoJu9EYZxSQ - https://youtu.be/R8rNEuiyQ70 Era um excelente pianista mas nunca se aproveitou dessa habilidade para ganhar a vida. Aqui o final da ópera: A famosa aria do Toureiro: Bizet ganhou o famoso Grand Prix de Roma, https://youtu.be/35viKGmT22Q - https://youtu.be/aFr8Q_PIMhc um prêmio que era dado pelo governo francês Aqui a ópera completa: A aria linda da namoradinha do protagonista aos jovens artistas promissores em vários se- https://youtu.be/73yG59EE654 que é traída por ele por causa de Carmen: tores artísticos inclusive o de música. Os ven- Bizet levou mais de dez anos até compor e https://youtu.be/EwvDzT6vfO0 cedores eram custeados pelo governo pelo estrear sua última ópera, Carmen, uma ópera A aria das cartas, cena onde Carmen prevê período de 3 a 5 anos para ficarem em Roma ousada, e que muito provavelmente foi a cau- sua morte nas cartas: aperfeiçoando sua técnica. sa da morte prematura de Georges. https://youtu.be/B9RLIRTxBro Ele foi premiado em 1857, e depois do perío- Baseada em um romance de P. Mérrimée, A cena final dueto e morte de Carmen: do de estudos em Roma, retornou a Paris. conta uma história trágica. A decadência de https://youtu.be/Gt0jUXJk2dU Mas na época os compositores novos não e- um soldado com carreira promissora depois A ópera completa: ram muito prestigiados. sistir da carreira. Isso quase o fez de- que ele é seduzido por Carmen, uma linda e sedutora que trabalhava numa cigana fábrica https://youtu.be/46JIeRbVlRA Tinha uma capacidade incrível de criar melodias que simplesmente nos emocionam já da primeira vez que ouvimos. Ele adorava o pal- de cigarros. Don José, transferido de sua cidade natal para a cidade onde Carmen residia, abandona o amor de Micaëla, uma moça Bizet, é mais um caso triste na história da arte de incompreensão em vida e consagração absoluta após a morte! co, as histórias, o teatro, a ópera e sempre de família tradicional da sua região, por causa Sorte a nossa podermos ainda nos emocionar sonhou em ter uma vida dedicada a isso, che- da sedutora cigana. Carmen por sua vez se com a música envolvente que ele compôs e gou a fazer algum sucesso em vida, muito diverte com a sedução e acaba o abandonan- apenas imaginar o que ele teria feito caso não menor do que o sucesso póstumo. do por se encantar pelo toureiro Escamillo. tivesse nos deixado prematuramente! Sua ópera mais famosa, Carmen, foi precedi- Don José enlouquecido de ciúme acaba por da de um outro título que faz grande sucesso duelar com Escamillo e ao fim mata Carmen Saudações Musicais hoje em dia: Les pêcheurs de perles (Os pes- num acesso de loucura. Mto. Luís Gustavo Petri Rádio web CULTURAonline Brasil NOVOS HORÁRIOS e NOVOS PROGRAMAS Prestigie, divulgue, acesse, junte-se a nós ! A Rádio web CULTURAonline Brasil, prioriza a Educação, a boa Música Nacional e programas de interesse geral sobre sustentabilidade social, cidadania nas temáticas: Educação, Escola, Professor , Família e Sociedade. Uma rádio onde o professor é valorizado e tem voz e, onde a Educação se discute num debate aberto, crítico e livre. Mas com responsabilidade! Acessível no link: www.culturaonlinebrasil.net

[close]

p. 8

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 8 Cidadania Cidadãos lobistas podem vir a ser a solução contra o populismo? Nota-se que o mundo tem dado uma guinada ao populismo de direita. Donald Trump nos EUA, a popularidade do Jair Bolsonaro no Brasil, o partido AfD na Alemanha, a Marine Le Pen na França, há populistas em diversos países no mundo. Vamos esclarecer os termos. O que é Populismo? É o modo como um governante usa de estratégias que tem como objetivo angariar a confiança do povo, principalmente das classes mais desfavorecidas, baseando-se num discurso simples, carismático, direto e pessoal, um apelo ao cidadão “comum" em oposição às oligarquias ou aos estrangeiros. Ou seja, é quando um político candidato à presidente ou à primeiro-ministro tem discurso messiânico, promete ser o salvador da pátria. Há populismo tanto de esquerda quanto de direita. O populismo de esquerda é antielitista, anticapitalista, tem sentimento antiamericano, ideais de igualitarismo social, fazendo promessas aos menos favorecidos de solução de problemas sem sacrifícios por parte da sociedade. O populismo de direita é etnocêntrico, antiimigração, protecionista, chauvinista, se inspira em valores conservadores e tradicionalistas e defende a religião tradicional da nação. O que é Lobby e o que é lobista? Lobby é uma palavra da língua inglesa que é usada no meio político significando influência na tomada de decisões políticas para atender à um interesse, na maioria dos casos, interesses econômicos e financeiros. Há o Lobby das armas, o Lobby da agricultura, o Lobby da indústria de veículos automotores, há o Lobby da mídia, há uma diversidade de Lobbies. O lobista é a pessoa que, a serviço de um Lobby, manipula as negociações na Câmara dos Deputados Federais, no Senado, na Assembleia Legislativa estadual ou na Câmara dos Vereadores, de forma a conseguir que uma determinada lei seja aprovada ou vetada. A ideia dos cidadãos lobistas não é minha, mas eu a apoio. Tudo bem, eu reconheço que a humanidade ainda necessita do Poder Legislativo representativo, e também dos partidos políticos. Só que o cidadão comum ser lobista de sua comunidade é a prática da Democracia Participativa junto com a Democracia Representativa. O cidadão comum tem que aprender a interagir mais com os parlamentares eleitos, com os legisladores representantes dos eleitores. Porque, se os eleitores começarem a interagir mais, vão aprender mais e ter mais noções de Processo Legislativo e Controle de Constitucionalidade das leis, e não vão cair na conversa de populistas irresponsáveis, supostos salvadores da pátria, sejam eles de esquerda ou de direita. O povo é enganado e confundido porque não tem esclarecimento, não tem noção do funcionamento do sistema. Aí os malintencionados têm vantagens gigantes quando o eleitorado é desinformado, é “leigo” no assunto. E a melhor forma de aprendizado é a prática cotidiana. Enfim, eu sou a favor que o cidadão eleitor se torne um lobista de sua comunidade, de sua família, de seus parentes, amigos e entes queridos de forma geral. E você? O que acha disso? João Paulo E. Barros LOBI NA POLÍTICA Lobby se caracteriza como uma atividade de exercer pressão sobre algum poder da esfera política para influenciar na tomada de decisões do poder público em prol de alguma causa ou apoio . No Brasil, devido à não regulamentação e falta de transparência, o termo lobby é comumente atrelado à corrupção, o que não caracteriza a sua concepção original. Trata-se de uma atividade lícita que pode ser exercida por qualquer cidadão, desde que dentro da legalidade. O problema seria que alguns lobistas, a fim de conseguir apoio a algum interesse específico em nome de terceiros, vão além da persuasão e se utilizam de propina ou suborno a fim de almejarem os resultados que desejam, agindo secretamente sem o conhecimento público. Diversos escândalos de corrupção no Brasil envolvem lobistas, daí encontra-se a origem da associação do termo com a corrupção. www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// CAPITALISMO E CORRUPÇÂO Nem campo democrático-popular, nem a burguesia e o Estado: os trabalhadores devem se organizar de maneira independente econômica e politicamente. Não devemos confundir corrupção, isto é, mecanismos ilícitos de favorecimento das empresas na sua relação com o Estado, com atos que os trabalhadores realizam para tentar burlar regras as quais os prejudicam (não pagar impostos ou não pagar passagem no ônibus, por exemplo). A primeira movimenta bilhões, os outros são apenas tentativas individuais e inócuas de atentar uma ordem que não lhe favorece. Aliás, tais atitudes, longe de resolverem o problema, muitas vezes podem prejudicar outros trabalhadores. Isto posto, devemos entender que – parafraseando Pedro Henrique Pedreira Campos (2015) – as irregularidades envolvendo empresários e Estado não são um desvio anômalo, mas sim mecanismos de que dispõem os capitalistas na acumulação de capital. Esses mecanismos podem servir tanto para “elevar as margens de lucro, neutralizar a concorrência”, quanto para repartir a maisvalia entre os agentes (públicos e privados) que auxiliaram nas condições para extraí-la. Entendida sob a lógica da reprodução do capital, a corrupção não deixará de existir sob o capitalismo, por mais democrático que ele seja. No entanto, vemos que, a depender do Estado-nacional, a forma predominante de relação das grandes empresas com os políticos dos altos escalões muda: com predomínio do ilícito ou do lícito, mais ou menos regulamentada. Em outras palavras, corrupção mais ou menos sofisticada. Ao olharmos para a Lava-Jato e o processo político em curso, tais nuances nos são muito importantes. Em um artigo para o VALOR, em 17 de dezembro de 2015, o professor na Escola de Economia de São Paulo da FGV e ex- Secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, se propõe a explicar os ganhos institucionais da Lava-Jato e as vantagens do “combate à corrupção”. O professor Holland defende a tese do economista ganhador do prêmio Nobel, Douglass North, de que o crescimento econômico (leia-se o desenvolvimento capitalista) é expressão direta de melhores instituições. Tal contradição demonstra que o autor, ao não levar em conta o desenvolvimento histórico do Estado em cada país, a forma pela qual se estabeleceram e avançaram as relações capitalistas e a história particular da luta de classes em cada Estado-nação, não consegue explicar as diferenças superestruturais entre Brasil, países da América Central e da África. Ou seja, não são instituições “melhores” que favorecem o desenvolvimento do capital, mas é o próprio desenvolvimento do capital que exige instituições apropriadas a suas necessidades. Mesmo não analisando a relação entre superestrutura e infraestrutura econômica corretamente, o autor percebe um fenômeno interessante da realidade, qual seja: a partir do avanço das relações capitalistas nos diferentes países, isto é, a presença de monopólios internacionais e nacionais atuando em seu território e exportando capitais, a superestrutura precisa se desenvolver e arranjar a melhor maneira pela qual as diferentes empresas irão se relacionar com o Estado, pois se isso não ocorrer, pode haver um entrave ao pleno avanço do capital e às disputas entre as grandes empresas. Ora, a este ponto chegou o Brasil. Lucas Carlini e Daniel Lage

[close]

p. 9

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 9 Educação Os desafios da educação superior no Brasil para aumentar a competição, reduzir custos ou melho- Apesar de o relatório reconhecer que o Brasil é uma rar a qualidade. Temos enormes barreiras de entrada nação muito grande e diversa, se comparada a outras para professores estrangeiros, reduzindo a pressão so- grandes como os Estados Unidos e a Rússia, a desi- bre os nossos. E oferecemos pouquíssimos atrativos gualdade é muito mais dramática por aqui, apresentan- O relatório “Education at a Glance” de 2017, da OCDE, para bons alunos de graduação de outros países. do variações de até cinco vezes nos percentuais, contra suscita a oportunidade para uma reflexão sobre os de- O Relatório “Education at a Glance” de 2017 da OCDE menos de três vezes de disparidade em outros países. safios do Ensino Superior no Brasil. disponibiliza estudo que analisou sistemas de ensino de Um dado que contrapõe isso, porém, é que quase 75% A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento 45 países, o estudo descreve que o Brasil investe em dos estudantes brasileiros no ensino superior estão em Econômico (OCDE) é uma organização internacional de universitários mais do que o triplo do que é gasto com instituições privadas, contra cerca de 33% da média dos 35 países que aceitam os princípios da democracia re- estudantes do ensino fundamental e médio. países da OCDE. presentativa e da economia de livre mercado, que pro- O Brasil é um dos países que menos gastam com alu- O relatório alerta, no entanto, que, nesse caso, a falta cura fornecer uma plataforma para comparar políticas nos do ensino fundamental e médio, mas as despesas de mecanismos de financiamento estudantil pode ser econômicas, solucionar problemas comuns e coordenar com estudantes universitários se assemelham às de um obstáculo e programas como o Fies podem ter aju- políticas domésticas e internacionais. A maioria dos países europeus, segundo a Organização para a Coo- dado a colocar os brasileiros na faculdade por aqui. membros da OCDE é composta por economias com um peração e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A situação no Brasil muda em relação aos gastos com elevado PIB per capita e Índice de Desenvolvimento No estudo "Um Olhar sobre a Educação" a entidade estudantes universitários: a quantia passa para quase Humano e são considerados países desenvolvidos. analisa os sistemas educativos dos 35 países membros US$ 11,7 mil (R$ 36 mil), mais do que o triplo das des- Teve origem em 1948 como a Organização para a Coo- da organização, a grande maioria desenvolvidos, e de pesas no ensino fundamental e médio. peração Econômica (OECE), liderada por Robert Marjo- dez outras economias, como Brasil, Argentina, China e Com esse montante, o Brasil se aproxima de alguns lin da França, para ajudar a gerir o Plano Marshall para África do Sul. países europeus, como Portugal, Estônia e Espanha, a reconstrução da Europa após a Segunda Guerra Mun- O Relatório expõe contradições da educação no Brasil, com despesas, respectivamente, por aluno universitário, dial. Posteriormente, a sua filiação foi estendida a esta- metade dos brasileiros adultos não conclui o ensino mé- de US$ 11,8 mil, US$ 12,3 mil e US$ 12,5 mil, e até dos não-europeus. Em 1961, a Convenção sobre a Or- dio e os salários dos professores continua baixo, um ultrapassa países como a Itália (US$ 11,5 mil), Repúbli- ganização para a Cooperação e Desenvolvimento Eco- dos dados que chamaram mais atenção foi a informa- ca Checa (US$ 10,5 mil) ou Polônia (U$ 9,7 mil). nômico reformou a OECE e deu lugar à Organização ção de que, em 2015, mais da metade dos adultos entre A média nos países da OCDE é de US$ 16,1 mil, puxa- para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. 25 e 64 anos não concluíram o Ensino Médio - outros da por despesas mais elevadas de países como os Es- A sede da OCDE é localizada no Château de la Muette 17% não concluíram o Ensino Fundamental. Tais índi- tados Unidos, Noruega, Luxemburgo e Reino Unido. em Paris, França. ces estão abaixo da média observada nos outros países Os gastos no Brasil com alunos universitários também O Relatório “Education at a Glance” de 2017, da OCDE, analisados pela OCDE, na qual 22% dos adultos não superam os da Coreia do Sul, de U$ 9,6 mil. suscita a oportunidade para uma reflexão sobre os de- chegaram ao Médio e 2% não concluíram as etapas do O país asiático, que gasta um pouco mais com o ensino safios do Ensino Superior no Brasil. Ensino Fundamental. fundamental (U$ 9,7 mil), está entre os primeiros do O primeiro deles é entender a missão do Ensino Superi- Outro avanço observado, por outro lado, foi o aumento Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA) or. No Brasil, ele é principalmente um instrumento de do percentual de adultos (25 a 34 anos) que completou da OCDE. O teste mede conhecimentos de estudantes formação profissional. O modelo possivelmente foi ade- a última etapa da Educação Básica de 53% em 2010 na faixa de 15 anos nas áreas de ciências, matemáticas quado para a primeira metade do século XX, mas já não para 64% em 2015. e compreensão escrita. corresponde ao avanço das economias e tecnologias. O Brasil gasta anualmente US$ 3,8 mil (R$ 11,7 mil) por Já o Brasil está entre os últimos no teste do PISA e ape- A tendência, nos países mais avançados, é dividir o aluno do primeiro ciclo do ensino fundamental (até a 5ª nas 17% dos jovens entre 25 e 34 anos têm diploma Ensino Superior em duas partes. A primeira é de forma- série), informa o documento. O valor em dólar é calcula- universitário, um dos índices mais baixos entre os paí- ção geral, onde as pessoas aprendem a pensar com do com base na Paridade do Poder de Compra (PPC) ses do estudo. profundidade. Quanto mais rigorosos, mais para comparação internacional. Em média, os membros da OCDE gastam quase meta- “generalistas” e menos aplicados, mais importantes se A cifra representa menos da metade da quantia média de a mais por estudante do ensino universitário do que tornam esses cursos em uma sociedade em que não desembolsada por ano com cada estudante nessa fase com os do primário, diz o documento, "enquanto Brasil e sabemos como serão os empregos do futuro. Cabe re- escolar pelos países da OCDE, que é de US$ 8,7 mil. México gastam três vezes mais". gistar que uma pequena parcela do ensino superior, em Luxemburgo, primeiro da lista, gasta US$ 21,2 mil. A OCDE vem destacando nos últimos estudos que hou- países desenvolvidos, está voltada para a formação de Entre os países analisados no estudo, apenas seis gas- ve aumento dos investimentos públicos em educação tecnólogos, em cursos de curta duração. Na segunda tam menos com alunos na faixa de dez anos de idade no Brasil. Em porcentagem do PIB, o Brasil está próxi- parte do Ensino Superior é que os alunos buscam uma do que o Brasil, entre eles a Argentina (U$ 3,4 mil), o mo da média dos países da organização. profissionalização de nível mais alto ou se preparam México (US$ 2,9 mil) e a Colômbia (U$ 2,5 mil). A Indo- Os gastos com educação totalizaram 4,9% do PIB brasi- para iniciar uma carreira acadêmica. nésia é o país lanterna, com gastos de apenas US$ 1,5 leiro (último dado disponível no estudo). A média dos No Brasil, como as profissões são hiper- mil. países da OCDE é de 5,2% do PIB. regulamentadas, os currículos ficam “amarrados”, com Nos anos finais do ensino fundamental e no médio a Ao mesmo tempo, a OCDE vem afirmando que é preci- uma infinidade de disciplinas e cursos obrigatórios. Ou situação não é diferente. O Brasil gasta anualmente a so aumentar os gastos por aluno do ensino fundamental seja, privilegia-se a quantidade em detrimento da quali- mesma soma de US$ 3,8 mil por aluno desses ciclos e e médio, considerados bem abaixo do montante consi- dade. Nesse item, estamos na contramão dos países também está entre os últimos na lista dos 39 países que derado adequado pela organização. mais avançados. forneceram dados a respeito. Apesar da melhora no nível de investimentos em educa- O segundo desafio é o da qualidade. Na maioria dos A média nos países da OCDE nos últimos anos do ensi- ção no Brasil, o Brasil continua entre os últimos do ran- países desenvolvidos, cerca de 30% dos concluintes do no fundamental e no médio é de US$ 10,5 mil por aluno, king dos testes de avaliação do PISA. Ensino Médio ingressam em algum curso superior, e o que representa 176% a mais do que o Brasil. Na avaliação da organização, isso ocorre porque houve isso tem aumentado nas últimas décadas. Em pouquís- Apenas 15% dos estudantes brasileiros entre 25 e 34 maior acesso à educação no país, com a inclusão no simos países, como os Estados Unidos, esse número é anos estão no ensino superior, face a 37% na OCDE, sistema de ensino de alunos desfavorecidos e com atrasuperior a 50%. Na maioria dos países europeus, o a- 21% na Argentina e a 22% no Chile e na Colômbia. No sos de aprendizagem, o que acaba puxando o desemcesso ao Ensino Superior ainda é bastante restrito e entanto, se comparado aos países dos Brics (bloco for- penho geral dos estudantes brasileiros para baixo. seletivo, e as instituições – quase sempre só públicas – mado pelo Brasil, a Rússia, Índia, China e África do O Brasil tem desafios gigantescos para acertar o seu geralmente mantêm padrões bastante similares entre si. Sul), o Brasil está melhor – a China tem 10%, a Índia, Ensino Superior. Há ilhas de excelência aqui e ali – mas No Brasil, temos diferentes realidades – algumas uni- 11%, e a África do Sul, 12%. são ilhas nas quais as instituições, professores e pes- versidades e cursos são seletivos, mas a grande maiori- No Brasil, cerca de 37% das graduações em 2015 eram quisadores pagam um preço alto para não sucumbir à a não é. De acordo com os dados do Pisa, menos de feitas nas áreas de negócios, administração e direito, mediocridade generalizada. O progresso de uma nação 10% dos alunos brasileiros teriam condições de acesso índice semelhante ao da maioria dos outros países pes- depende em grande parte da quantidade e da qualidade a um curso superior em países europeus e muito menos quisados. de suas elites, e isso está diretamente relacionado à de 1% teria condições de concorrer às universidades Em seguida, a preferência dos brasileiros, na época, era qualidade do Ensino Superior. norte-americanas de elite. Os dados do ENEM também por pedagogia, com 20% das matrículas – uma das ta- Os adultos com educação universitária também são confirmam essa situação. Ou seja, o desafio da qualida- xas mais altas entre todos os países. O relatório mostra menos propensos a sofrer de depressão do que aqueles de do Ensino Superior só começará a ser resolvido quando o País produzir egressos do Ensino Médio com um nível de aprendizagem adequado. O terceiro desafio é institucional. O marco legal do Ensi- inclusive, que apenas a Costa Rica e a Indonésia têm taxas mais altas de opção por pedagogia (22% e 28%, respectivamente). Somente 15% dos estudantes brasileiros optavam por que não chegaram ao ensino superior. Os jovens adultos estão cada vez mais dispostos a obter uma educação no Brasil que aumente suas habilidades, em vez de no Superior no Brasil é baseado na ideia de uma cursos de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, entrar no mercado de trabalho diretamente após a con- “Universidade de Ensino, Pesquisa e Extensão”, modelo uma das taxas mais baixas, mas semelhante à de paí- clusão do ensino obrigatório. Entre 2000 e 2016, o per- inicialmente implementado na Alemanha no Século XIX. ses vizinhos como a Argentina (14%) e a Colômbia centual de jovens de 20 a 24 anos que continuaram a Nem todas as instituições de Ensino Superior realizam essas três atividades, o que cria um extraordinário custo para que se cumpra o modelo – ou se burle a legisla- (13%). Entre os países da OCDE, o percentual ficou em 23%. Em relação à desigualdade no acesso ao ensino superi- estudar aumentou 10%, em comparação com uma diminuição de 9% daqueles que trabalham. ção. O sistema de gestão das universidades públicas or, no Brasil a disparidade entre os estados é a maior não oferece estímulos para que sejam eficientes. A ges- observada na pesquisa. Enquanto 35% dos jovens de Benigno Núñez tão das instituições privadas é sujeita a um emaranhado 25 a 34 anos no Distrito Federal frequentam a universi- regulatório de altíssimo custo e que em nada contribui dade, no Maranhão a taxa é cinco vezes menor (7%). www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 10

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 10 Tolerância O Dia Internacional da Tolerância Às vezes, essa é a forma encontrada para referência internacional sobre o tema, afirma é comemoradoanualmente em 16 de manter laços, fazer contato, mesmo que que tolerância não é aceitação, Novembro. A data tem o objetivo de destrutivos. Tudo é motivo para discordar, condescendência ou indulgência. promover o bem estar, o progresso e a liberdade de todos os cidadãos, assim como fomentar a tolerância, o respeito, o diálogo e cooperação entre diferentes culturas, religiões, povos e civilizações. reclamar, ou brigar. São pessoas que não “A tolerância é, antes de tudo, uma atitude conseguem se comunicar de forma afetiva. Ao ativa fundada no reconhecimento dos direitos agir dessa forma, elas estão se distanciando universais da pessoa humana e das não apenas do outro ou outros, mas de si liberdades fundamentais do outro.” E vai mesmas. além, ao afirmar que “é uma virtude que torna Para ser tolerante é importante a paz possível e contribui para substituir uma compreendermos que não há necessidade de cultura de guerra por uma cultura de paz”. estar sempre em primeiro plano e que, Conheça a íntegra da Declaração. realmente, não estamos nem precisamos A data tem o objetivo de promover o bem disso; que o outro tem total direito de pensar e estar, o progresso e a liberdade de todos os agir diversamente do que acreditamos ou cidadãos, assim como fomentar a tolerância, gostaríamos, sem com isso nos sentirmos o respeito, o diálogo e cooperação entre ofendidos ou diminuídos; que o tempo é diferentes culturas, religiões, povos e mesmo relativo e, portanto, tenha calma se o civilizações. No Brasil, comemora-se no dia computador leva mais do que trinta segundos 21 de janeiro o Dia Nacional de Combate à A data tem o objetivo de promover o bem estar, o progresso e a liberdade de todos os cidadãos, assim como fomentar a tolerância, o respeito, o diálogo e para abrir ou se o garçom demora um pouco para atender a sua mesa, afinal, se você estiver entretido numa boa conversa ou em bons pensamentos, nem vai perceber o tempo passar. Intolerância Religiosa, data que também possui o significado de conscientizar à população a respeitar as diferenças religiosas que existem no país. cooperação entre diferentes culturas, ATENTADOS - Lembremos também os 72 religiões, povos e civilizações. Ser mais Ser tolerante, exige autoconhecimento, anos da Organização das Nações Unidas tolerante é fundamental. disciplina, atenção e, principalmente, respeito, para a Educação, a Ciência e a Cultura A Gazeta Valeparaibana aproveita o dia 16 consideração e amor por si próprio. tolerante tem autoestima alta. A pessoa (Unesco). de novembro para lembrar a importância de A diretora-geral do órgão, Irina Bokova, ser mais tolerante na vida e o bem isso faz Todos nós podemos ser mais tolerantes. Mas, expressou nesse fim de semana solidariedade para nosso bem-estar – sobretudo, em para tanto, é necessário um pouco de esforço, com a França na sequência dos atentados em tempos tão conflituosos. mudanças de pensamentos e atitudes. Paris e condenou os ataques, sem Com a globalização, a pluralidade cultural que existe no mundo se tornou ainda mais interligada, exigindo uma maior compreensão das pessoas em respeitar os diferentes modos de viver de cada cidadão. Isso, no entanto, não significa que devemos aceitar as ideias ou doutrinas de todas as sociedades, mas apenas aprender a respeitá-las e Algumas atividades podem ser de grande ajuda, por propiciarem a quebra de paradigmas e novas possibilidades, como a meditação, yoga, taichi, terapias, enfim, o que possa dar um tempo para nós mesmos, colocando-nos em contato com a nossa essência e, assim, trazendo à tona o que temos de melhor. precedentes na história do país. “Em nome da UNESCO e em meu próprio nome, eu apresento minhas mais sentidas condolências ao povo da França e a todas as famílias de luto tão terrivelmente desoladas por esses bárbaros atos. Esse crime afeta a todos nós. Representa um ataque contra toda a humanidade". conviver com as diferenças. Os atentados terroristas simultâneos e Durante a reunião do G20 em 2015 — fórum Olhar e interagir com o mundo à nossa volta com mais tolerância pode nos encher de prazer e paz. É bom lembrar que, ao sermos coordenados na capital francesa deixaram mais de 120 pessoas mortas, 300 feridas e milhares chocadas e indignadas pelo mundo. internacional das 20 maiores economias do mundo — na Turquia, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon também lembrou que o tolerantes com fatos externos, estamos Depois que o Estado Islâmico assumiu a terrorismo é uma ameaça para toda a sendo, primeiro, com nós mesmos. Estamos autoria dos ataques, o tema intolerância humanidade. nos dando chance de agir de forma sensata e religiosa ganhou os noticiários e as redes “Como temos visto ao longo dos anos com calma. E a sensação que advém disso é sociais - campo fértil para embates não regularidade desagradável, nenhum país, sempre muito boa. menos intolerantes. O nenhuma cidade e ninguém está imune”, Muitas pessoas se irritam com facilidade, Dia Internacional da Tolerância, Instituído disse. vivendo em estado de tensão e levando as pela ONU como reconhecimento à Tem alguma dúvida sobre o tema? pessoas que lhes cercam a se também. Não é difícil observar ambiente familiar. irritarem Declaração de Princípios sobre a Tolerância isso no da Unesco, feita em Paris, em 1995. O documento, que é considerado uma Participe, mande serem debatidos. sugestões sobre temas a gazetavaleparaibana@gmail.com Tolerância é um termo que vem do latim tolerare que significa"suportar" ou "aceitar". A tolerância é o ato de agir com condescendência e aceitação perante algo que não se quer ou que não se pode impedir. A tolerância é uma atitude fundamental para quem vive em sociedade. Uma pessoa tolerante normalmente aceita opiniões ou comportamentos diferentes daqueles estabelecidos pelo seu meio social. Este tipo de tolerância é denominada "tolerância social". A expressão "tolerância zero" é utilizada para definir o grau de tolerância a uma determinada lei, procedimento ou regra, de forma a impedir a aceitação de alguma conduta que possa desviar o que foi previamente estabelecido. Por exemplo, "tolerância zero a motoristas embriagados". AJUDE-NOS a manter estes projetos de educação (Rádio e Jornal)- www.culturaonlinebr.org/apoiadores.htm

[close]

p. 11

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 11 Consciência Negra A primeira za, eu vi que 90% das mulheres que passa- Mundo acadêmico. A falta dos negros da área dificuldade para ser negro no Brasil é viver A cada 23 minutos, um jovem negro é morto no País. vam o dia mantendo os locais limpos eram acadêmica é um ponto abordado tanto por Ar- negras. O Brasil é um país racista, a diferença tur quanto por Juliana. Quando ela estava na é que as pessoas têm o chamado 'racismo/ universidade, em sua sala de 60 pessoas, a- preconceito velado'", relata Juliana. penas três eram negros, sendo dois bolsistas. O racismo é sentido pelos negros de diferen- Artur, por sua vez, questiona: "quantos teórites formas em seus cotidianos. Artur, por e- cos, acadêmicos negros vocês conhecem? xemplo, afirma que, por ser gay, o racismo o Quantos professores negros nas universidaatinge de formas diferentes. "Os maus olhares des?". O movimento negro é, de modo simplificado, e xingamentos são uma constante. conseguir O tema é importante para Artur porque voz é a luta contra o racismo e a busca pela sua su- sair na rua sem ouvir uma risada ou sem ser poder. "Historicamente, as vozes negras são peração de forma estrutural e institucional na agredido ao menos verbalmente se tornou u- silenciadas pelo racismo e abafadas em fun- sociedade. Esta é uma base comum, mas há ma raridade". ção da branquitude", afirma. "Nós já conhece- diferentes vertentes dentro do mesmo objeti- Há as formas indiretas, como chama Artur, de mos o que pessoas brancas falam sobre ra- vo, modos diferentes de se posicionar e de se sentir agredido, como a ausência de pes- cismo, porque elas sempre puderam e sem- lutar. soas negras nos espaços que frequenta. "Na pre irão poder falar sobre. Pessoas negras Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de USP, onde eu estudo, apenas 0,09% dos pro- não", por isso, para ele, é importante que os Domicílios (Pnad), realizada em 2014 pelo IB- fessores são negros", afirma. negros tenham voz e representatividade. GE, 53% dos brasileiros se declararam como Além das ofensas que Juliana se acostumou No dia 6 de julho, um relato de Mirna Moreira, negros e pardos, um aumento de 5 pontos a ouvir por toda a vida, ela afirma que já per- negra e estudante de medicina da Universida- porcentuais em relação à mesma pesquisa deu as contas de quantas vezes perguntaram de Estadual no Rio de Janeiro chamou aten- realizada há dez anos. se ela era adotada, pois sua mãe é branca. ção nas redes sociais. Divulgada pela página Artur Santoro, 19 anos, estudante, é militante "Inclusive, quando eu era criança, cheguei a Boca de Favela, a história que ela conta é so- negro LGBT e passou por este processo de acreditar realmente que eu era adotada. Na bre um dia em que foi fazer uma ação sobre assumir sua cor. "Eu sou negro de pele clara minha visão, a infância e adolescência são as sexualidade em uma escola pública: "No dia e por muito tempo não me entendia como ne- piores fases para uma pessoa negra, princi- dessa ação na escola eu voltei no mesmo ôni- gro, mas como branco. Sempre falo que saí palmente no âmbito escolar. Já no 'prézinho' bus que uma aluna, e quando eu desci no do armário duas vezes: uma enquanto gay, eu e meus colegas de turma negros sofríamos mesmo ponto que ela aqui no Complexo, ela outra enquanto negro", diz. "É muito como a- racismo, que vão desde ser chamada de pio- perguntou: o que você tá fazendo aqui? qui no Brasil pessoas negras que se auto de- lhenta até não ter par para dançar quadrilha, a Ela não esperava que eu descesse aqui na claram brancas, porque a miscigenação aqui última vez que participei de festas juninas eu favela. Eu chorei muito. Isso me marcou de- se deu com o objetivo de embranquecimento estava na quinta série", relata. mais, até porque eu nunca tive uma represen- da nossa população". Principais pautas. De acordo com Artur, os tação física e próxima que eu pudesse me es- A aproximação do estudante com o movimen- temas mais fortes dentro do movimento negro pelhar nesse campo profissional, essa mulher, to negro se deu no contexto das manifesta- são o genocídio da população negra, o fim da negra, médica. Sabe?" ções de julho de 2013, quando começou a se polícia militar, o fim da guerra às drogas, as Envolvimento branco. envolver com a política e com a militância por cotas raciais e as políticas de permanência Artur e Juliana pensam da mesma maneira amigos. "Passei a compreender diversas situ- em todas as universidades, oposição à redu- quanto ao envolvimento de pessoas brancas ações que passei na minha vida com racistas. ção da maioridade penal e outras. na causa negra: o primeiro passo é reconhe- Sempre ouvi na escola piadas e xingamentos "Nossas pautas - infelizmente - ainda se refe- cer que sua cor dá privilégios e que o racismo sobre o meu cabelo crespo", afirma Artur que, rem a direitos básicos, como o direito de viver, é um problema latente na sociedade brasilei- antes de ser militante, achava que se tratava de não ser assassinado pela polícia militar por ra. de bullying. estar com um saco de pipoca", diz o estudan- Mesmo com a opinião de que o movimento O mesmo aconteceu com Juliana Lourenço: te, em referência a confusão do saco com um negro deve ser sempre protagonizado por "comecei a buscar e me buscar e me envolver pacote de drogas. pessoas negras, Artur acredita que os bran- mais nas questões de militância quando me O relatório final da CPI do Senado sobre o As- cos têm de se posicionar e colaborar com a assumi negra. Como grande parte das pesso- sassinato de Jovens aponta que 23.100 jo- luta. "Existe um abismo entre ser contra o ra- as negras no Brasil, nós passamos boa parte vens negros de 15 a 29 anos são assassina- cismo e lutar contra o racismo. Ser simples- da vida negando nossa origem e condição". O dos: 63 por dia, um a cada 23 minutos. mente contra não é suficiente para mudanças processo aconteceu com a jornalista mente, há menos de um ano. recente- "Todos os da polícia meus amigos já sem mais nem levaram menos, enquadro e quanto concretas", opina o jovem. "Pessoas brancas devem agir em utilizar seus privilégios para Representatividade e racismo. "O Brasil é o mais escura sua pele for, mais racismo você ecoar as vozes de pessoas negras na luta an- país com a maior população negra fora do irá sofrer, infelizmente", lamenta Juliana. tirracista." continente africano, metade da população brasileira é negra, porém vemos poucas pessoas negras ocupando os espaços", diz Juliana e propõe a reflexão que fez para si mesma: quantos dentistas negros você conhece? Negra e mulher. Juliana, além de ser militante do movimento negro, também é engajada no movimento feminista e comenta como ser mulher e ser negra atinge a ela e a várias brasileiras: "somos preteridas desde sempre, so- "Racismo não é mimimi, ele afeta diretamente em nossas vidas e de nossas famílias. Levar o discurso aos meios onde estamos inseridos é importante e necessário, desde a academia até a rodinha no bar com os nossos amigos e "Quando eu fiz estágio eu era a única negra mos hiperssexualizadas, somos estereotipa- também em nossos lares", diz Juliana. do ao setor e uma das poucas da empresa, mas entrar nos banheiros ou na área de limpe- das, somos vistas apenas como mulheres para sexo, mas não para formar uma família". ANITA E FRAIM ESPECIAL PARA O ESTADO DE S. PAULO www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 12

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 12 Algumas datas comemorativas 02 - Finados 17 - Dia da Criatividade A celebração de Finados é bastante importante para algumas religi- A criatividade é considerada como uma aptidão para inventar ou criar ões, principalmente para a Igreja Católica, que considera esta data coisas novas. Uma pessoa criativa é uma pessoa inovadora, que como um momento especial de homenagem a todos os entes queri- tem ideias originais. dos que já morreram. Esta característica pode se revelar em várias áreas diferentes, como a Nesta data, o movimento nos cemitérios é intenso, pois muitas pesso- música, poesia, pintura, etc. Em algumas profissões a criatividade é as vão deixar flores e fazer orações nos túmulos de familiares ou ami- um elemento essencial, como nas agências de publicidade e design. gos. Além disso, a criatividade também pode estar relacionadas com áreas A religião protestante não reconhece o feriado do Dia de Finados co- como a engenharia (nas suas várias vertentes). Isto porque a criativi- mo uma celebração, pois alegam que a data não está presente na Bí- dade é uma atitude de alguém que cria soluções para resolver um de- blia, consequentemente eles não têm motivos para comemorar ou ho- terminado problema. menagear. A criatividade está relacionada com a capacidade de fazer perguntas Em inglês, o Dia de Finados é traduzido para All Soul's Day ("Dia de e procurar respostas para essas perguntas, usando para isso a capa- Todas as Almas", na tradução literal para o português). cidade de imaginação. O Dia de Finados é antecedido pelo Dia de Todos os Santos (1º de novembro), outra data que se dedica a homenagear a alma de todas as “pessoas santas” e mártires anônimos ao redor do mundo. Uma pessoa criativa é uma pessoa pioneira, que tenta fazer coisas que nunca foram feitas antes. A criatividade faz o mundo avançar, o pensamento criativo do ser humano foi o motor que capacitou grandes invenções e descobertas. 12 - Dia do Diretor de Escola No Dia da Criatividade comprometa-se a ser criativo no trabalho, na escola ou em casa. Faça as coisas de modo diferente, desde as refei- ções ao desporto que pratique. Aponte as suas ideias. Faça um vídeo, Esta data celebra o profissional responsável em gerir e administrar as componha uma música ou escreva um texto para partilhar com os adecisões da escola, colaborando para construir um bom ambiente pa- migos ou para guardar para si mesmo. ra os professores, alunos e demais colaboradores dos colégios. Em alguns estados brasileiros, o Dia do Diretor Escolar é comemora- 25 - Dia Intern. Elim. da Violência Contra as Mulheres do em 18 de outubro. Em São Paulo, por exemplo, a Lei nº 10.927, de 11 de outubro de 2001, declara do Diretor de Escola no estado. o dia 18 de outubro como o dia oficial A data tem o objetivo de alertar a sociedade sobre os casos de violência e maus tratos contra as mulheres. A violência física, psicológica e Em outros estados do país, como o Paraná, Maranhão e Pernambu- o assédio sexual são alguns exemplos desses maus tratos. co, a data é celebrada em 12 de novembro. De acordo com as estatísticas, uma em cada três mulheres sofre de 14 - Dia do Bandeirante violência doméstica. A violência contra a mulher é uma questão social e de saúde pública, não distingue cor, classe econômica ou social, está presente em todo o mundo. A data homenageia os personagens responsáveis por desbravar e a- A Organização das Nações Unidas (ONU), desde 1999, reconhece o judar a conquistar e proteger grande parte do território brasileiro du- dia 25 de novembro como o Dia Internacional para a Eliminação da rante o período da colonização portuguesa: os bandeirantes. Violência Contra as Mulheres. Bandeirantes eram chamados os exploradores que saiam do litoral A data surgiu em decorrência do Dia Latino-americano de Não Violên- em direção ao interior do Brasil, uma região até então inexplorada, em cia Contra a Mulher, que foi criada durante o Primeiro Encontro Femi- busca de ouro e pedras preciosas. Foram responsáveis pela expan- nista Latino-Americano e Caribenho de 1981, realizado em Bogotá, são do território nacional, mas ao mesmo tempo, um dos principais Colômbia, comemorado em 25 de novembro, em homenagem às ir- inimigos dos indígenas da época. mãs Pátria, Maria Tereza e Minerva Maribal, que foram violentamente Os bandeirantes caçavam os índios e negros e os escravizavam du- torturadas e assassinadas nesta mesma data, em 1960, a mando do rante as expedições. Foram um dos grandes protagonistas do sistema ditador da República Dominicana Rafael Trujillo. escravocrata no período do Brasil Colonial. As irmãs eram conhecidas por "Las Mariposas" e lutavam por solu- As expedições organizadas por grupos particulares (senhores do en- ções para os diversos problemas sociais de seu país, a República Dogenho, fazendeiros, comerciantes) eram chamadas de Bandeiras, já minicana. os grupos de desbravadores enviados pelo governo recebiam o nome de Entradas. 27 - Dia Nacional de Combate ao Câncer 15 - Proclamação da República O principal objetivo desta data é alertar a população brasileira sobre os diferentes tipos de tratamentos e, principalmente, como evitar esta A Proclamação da República do Brasil foi decretada em 15 de novem- doença, considerada a segunda que mais mata no Brasil e no mundo. bro de 1889, sendo este o momento em que o regime republicano foi De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde – OMS, a- instalado no país, derrubando a monarquia constitucional parlamenta- proximadamente 30% das mortes provocadas pelo câncer poderiam rista do Império e acabando com a soberania de Dom Pedro II, impe- ter sido evitadas, caso o paciente tivesse feito o diagnóstico prematu- rador do Brasil naquele tempo. ramente, ou com ações preventivas para garantir hábitos mais saudá- A Proclamação da República aconteceu no Rio de Janeiro, a antiga veis. capital do país, por um grupo de militares liderado pelo Marechal Deo- No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (INCA) é o órgão responsá- doro da Fonseca, que deu um golpe de estado no Império. vel pela coordenação e desenvolvimento de campanhas e estudos Marechal Deodoro da Fonseca instituiu uma república provisória e se relacionados com esta doença, em parceria com o Ministério da Saú- consagrou o primeiro presidente do Brasil. A partir desse momento, a de. população poderia eleger os seus governantes, através de voto direto. O Brasil era considerado o único país independente do continente americano que ainda era governado por um imperador. A independência do país já havia sido conquistada em 7 de setembro de 1822, através do decreto de D. Pedro I. Fonte: www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 13

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 13 Meritocracia Meritocracia, neologismo cunhado pelo so- féricos geralmente sofrem mais dos problemas ciólogo britânico Michael Young nos anos existentes naquela comunidade. Tem-se uma 1950, é uma palavra híbrida, formada pelo menor estabilidade do corpo docente, maiores latim mereo e pelo grego antigo κράτος, entraves etc; tampouco as famílias são escola- transl. krátos que estabelece uma ligação rizadas a ponto de engajarem-se em mudan- direta entre mérito e poder. No texto introdutório sobre a meritocracia, definimos este conceito que é largamente aplicado nas sociedades democráticas ocidentais. A justiça meritocrática, baseada na capacidade e esforço de cada um, é um princípio que orienta o sistema educacional dessas sociedades, incluindo a brasileira. Dissemos que a meritocracia na educação depende da igualdade de oportunidades. Oportunidades iguais, por sua vez, supõem igualdade de acesso, segundo análise do sociólogo francês François Dubet (2004). No Brasil, a universalização do acesso ao ensino caminhou a largos passos a partir da década de 40 do século passado. Hoje, quase 100% das crianças em idade escolar acessam ao ensino fundamental. Em etapas posteriores, como o ensino médio e principalmente o ensino superior, a realidade é outra. É evidente que a ampliação do acesso ao ensino deve ser comemorada, mas ainda é uma meta limitada se estamos procurando uma educação justa – isto é, que não perpetue injustiças e desigualdades – e de qualidade. Pois, em resposta à escola que se expandiu, Dubet afirma que “essa escola não se tornou mais justa porque reduziu a diferença quanto aos resultados favoráveis entre as categorias sociais e sim porque permitiu que todos os alunos entrassem na mesma competição”(2004, p. 541). Há de se pensar que uma concepção puramente meritocrática da justiça escolar traz imensas dificuldades. Antes de procurarmos modificar esse princípio, é necessário entender que dificuldades são essas. Dubet (2004) destaca cinco: – Os alunos apresentam base e formação distintas, decorrentes das condições sociais dos pais e das suas possibilidades e capacidades em acompanhar a educação dos filhos. Aqui há dois problemas: as desigualdades entre pessoas, pois mesmo nos alunos de camadas sociais semelhantes o desempenho escolar pode variar bastante; e as desigualdades entre as classes, pois as desigualdades sociais pesam muito nas desigualdades escolares. As “bagagens” distintas desses alunos fazem com que uns tenham vantagens sobre os outros na escola. Valorizar essa diferença significa reproduzir desigualdades; – A oferta do ensino é desigual, pois não só as famílias e os alunos são diferentes, como ainda o sistema educacional não é homogêneo entre ças na escola. Logo, a competição que serve de pressuposto à meritocracia não é perfeitamente justa e tende a valorizar estudantes e escolas de meios mais favorecidos; – O modelo meritocrático apresenta certa crueldade, à medida que os “vencidos”, os alunos que fracassam, não são mais vistos como vítimas de uma injustiça social e sim como responsáveis pelo seu fracasso, uma vez que a escola lhes deu, a priori, todas as chances de obter sucesso. A justiça meritocrática, dessa forma, reduz a escola a uma competição na qual boa parte do alunado é excluída. Alunos responsabilizados pelo seu fracasso tendem a construir uma imagem de “maus alunos”, sofrerem de baixa autoestima, desmotivação e violência. Quando o fracasso é visto não mais como um produto da condição social e sim como fruto de uma competição justa entre os indivíduos, estamos diante da legitimação das desigualdades sociais. – O modelo de igualdade de oportunidades acarreta sérios problemas pedagógicos. Se for pressuposto que todos os alunos estejam envolvidos na mesma competição e sejam submetidos às mesmas provas, as diferenças se aprofundam rapidamente. Em pouco tempo, nota-se que alguns alunos são incapazes de competir. Mas a competição continua. Gradativamente cria-se um abismo entre os “alunos bons” e os “alunos ruins”. Ao assumirmos que essa desigualdade é produto de toda e qualquer competição – que se deu sob as mesmas condições, logo, justa –, admitimos a falência da escola na educação de todos. – Finalmente, podemos questionar a própria noção do mérito. Ao darmos relevo àqueles poucos alunos de melhor desempenho, visto que há a necessidade de se premiar os melhores, justificamos a maior produção de “vencidos” que de “vencedores”. É válido pensar: o que é o mérito? Mérito é transformar herança em virtude? Mérito é legitimar desigualdades e o poder dos dirigentes? Mérito existe e pode ser medido? Se não somos responsáveis por nosso nascimento, como sê-lo por nossas aptidões? As dificuldades de uma noção de justiça pautada pelo mérito são tantas que fica evidente a importância de se procurar outros conceitos de justiça. Enquanto as sociedades democráticas liberais fazem uso da meritocracia como um pilar fundamental, vemos que uma escola puramente meritocrática atua na contramão de um sistema justo e democrático. si, sobretudo nentais como em países de dimensões contio Brasil. Escolas de bairros peri- Fonte: ensaiosdegenero.wordpress.com CONTOS E CURIOSIDADES “Vintém poupado, vintém ganho”, dizem certos ricos que “não abrem a mão nem pra dar bom dia”, ou que “parece que têm escorpião no bolso”. São geralmente avarentos, agiotas. Muitos sinônimos identificam as pessoas obcecadas por acumular dinheiro. Um cara desses diz que é “econômico” ou “seguro”, mas os outros usam outras palavras. Por exemplo: pão-duro, fominha, filárgiro, munheca, mão de vaca, ridico (corruptela de ridículo), vinagre, casca, socranca, somítico, gaveteiro, sovina, forra-gaitas, muquirana, mofino, usureiro, morrinha, avaro, cobiçoso, unha de fome, miserável, mão fechada, mesquinho, sórdido, munheca de samambaia, sovelão, resmelengo, fuinha, morto de fome, tacanho, sovina, unhaca, tranca, mão-devaca… Lembro-me de um sujeito desses que morava numa pequena cidade do litoral paulista. Na época, existia o hábito de um dia por semana os mendigos irem de porta em porta pedindo esmola. Pulavam a casa dele, porque sabiam que dali não sairia nada. Um dia, apareceu lá um mendigo de fora, que não sabia da fama do dito cujo. Bateu na porta da casa dele e o sujeito gritou lá de dentro: ― Quem é? O mendigo falou com voz sofrida: ― Esmola… A resposta que veio lá de dentro: ― Pode colocar por baixo da porta. Segundo um ditado brasileiro, se ferradura desse sorte burro não puxava carroça. Mas muita gente poderosa acreditava nos poderes dela. O presidente Harry Truman tinha uma em cima da porta de seu gabinete, e o almirante Lord Nelson mandou pregar uma no alto do mastro de sua nau capitânia. O candomblé era “vigiado” pela polícia na Bahia, os terreiros tinham que ter registro policial. Só em 15 de janeiro de 1976 é que acabou a exigência de registro. Mês que vem tem mais www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 14

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 14 Cultura simbólica "A FAMÍLIA REAL BRASILEIRA NÃO TEM O Príncipe parece desconhecer, desprezar ou ciência daquilo que reinvindicam e da Tradição DIREITO DE DIZER QUEM SERÁ O REI" confundir (?!) por completo o que são estas da qual se dizem herdeiros e partícipes legítiduas instituições completamente distintas, a mos. Loryel Rocha COROA e o MONARCA. A sequência da en- Não há que botar panos quentes nisso. O Im- É consabido que o sistema político brasileiro é trevista é uma bizarrice sem fim que culmina pério do Brasil instaurado em 1822 é um proje- um caos porque assentado em quadrilhas que exemplificando que o melhor modelo de Mo- to maçônico. Nele a instituição da Coroa não é se revezam no poder. Na busca de soluções a narquia para o Brasil é a parlamentarista im- uma Coroa de fato, trata-se de um simulacro essa questão, tem sido aventada a possibilida- plantada por toda a Europa e que FHC e Frei institucional. Este modelo governativo privilegi- de do retorno da monarquia, uma possibilidade Betto são figuras excelentes. ou o cargo do Monarca em detrimento da insti- a considerar desde que não seja uma monar- Está na moda no Brasil falar de implantar essa tuição da Coroa, ou seja, inverteu um papel quia parlamentarista. Explico. estultice de monarquia parlamentarista segun- institucional que de modo algum poderia ser O título deste artigo foi extraído de uma entre- do os moldes europeus. Oras, pois foi precisa- invertido. A Coroa do Império era Constitucio- vista do Príncipe D. João ao Jornal Gazeta do mente esse modelo de monarquia que permitiu nal. O que isso significa? Que a Coroa é, por Povo e cujo link encontra-se no fim deste. A que o projeto globalista da Nova Ordem Mundi- essência, materialista. Oras, o que significa o frase, vinda de um membro da Família Imperial al se implantasse na Europa entregando-a nas fato da instituição da Coroa ser contrária à brasileira, expressa um anacronismo estratos- mãos do conglomerado de Bilderberg o que Deus, ao modo de vida da Cultura Ocidental férico por parte de D. João, evidenciando, en- levou a Europa a total destruição, como se po- cristã? Significa que o Estado e a Cultura po- tre outras coisas, que o que ele entende por de constatar. As monarquias atuais da Europa dem ser materialistas. Este é 1 (há muitos ou- Monarquia deve ser o modelo que Napoleão são fabricadas, são falsas. Um breve estudo tros) dos problemas do Império do Brasil forja- implantou na França, uma vez que para ele a da origem delas após a II Guerra deslinda a do como golpe de Estado em 1822. O fato de sucessão dinástica é mera figura de retórica trama por detrás da sua "eleição". Mas, é pre- ter permanecido a mesma dinastia no governo que pode ser jogada no limbo da história. Se- cisamente esse modelo que a própria Família brasileiro ( no caso os Braganças) dá a impres- gundo ele, o parlamento pode e deve escolher Imperial vem apregoando como o ideal para são de que a instituição da Coroa permanece o Monarca. Assim, Lula ou FHC ou João Dória ser implantado no Brasil, como se não existis- intacta. Ledo engano. Essa estratégia foi uma poderiam ser Monarcas do Brasil. Portanto, D. se outros modelos de monarquias. manobra proposital do movimento revolucioná- João apregoa uma Monarquia não hereditária, Não é só D. João que parece confundir a Coro- rio cujos objetivos inconfessos escondem-se mas, política. Os brasileiros são realmente in- a com o cargo de Monarca. A propaganda pró- por trás de outros cenários obscuros respeitan- ventivos! monárquica brasileira tem confundido (?!) deli- tes à suposta Independência, jamais revelados Esqueceu-se (?!) na sua preleção de considerar que nas Casas monárquicas verdadeiras a Família Real é uma Instituição e como tal seus beradamente as duas instituições da Coroa e do Monarca ao ponto de submeter a primeira (Coroa) ao Monarca, como se o Monarca fosse ao público sob pena de deixar à mostra o maldito projeto revolucionário cujo objetivo era destruir a Cultura Ocidental e Cristã. membros são educados e formados para a mais importante e vital do que a Cora. Usam, Qualquer que seja o modelo de governo e de função e o cargo que ocuparão. Por conse- por exemplo, indiscriminadamente a pessoa de sistema político a ser implementado no Brasil guinte, o que ele chama de "Monarca", na au- D. Pedro II (a instituição Monarca) como mode- ele deve primar pela decência e pela VERDA- sência desta Instituição e desta educação ori- lo de Coroa. É evidente que ou isso é uma DE de seus propósitos. O Brasil precisa ser unda de uma tradição familiar Real, é um mero fraude de proporções homéricas ou trata-se do REFUNDADO e que o seja com ÉTICA e na títere de forças políticas, ou seja, um indivíduo mais absoluto caso de ignorância já praticado VERDADE, doa a quem doer, custe o que cus- qualquer, despreparado e que sequer sabe por membros e prosélitos da família Imperial, e tar. Basta de engodos! distinguir entre duas instituições completamen- neste caso, sem fatos que os possam abonar te distintas: a COROA e o MONARCA. Como ou atenuar dado que se trata de família que Link: http://www.gazetadopovo.com.br/politica/republica/aesse despreparado "Monarca" vai reinar é coi- pretende ser alçada de volta à Realeza e por familia-real-nao-tem-o-direito-de-dizer-quem-sera-o-rei-diz- sa que somente o Capeta poderia explicar. O conseguinte tem a obrigação de ter PERFEITA dom-joao-de-orleans-e-braganca- BRASIL IMPÉRIO Chama-se de Brasil Império o período histórico do nosso país que se iniciou em 07 de setembro de 1822 (Independência) e 15 de novembro de 1889 (Proclamação da República), durando quase 68 anos. Nesse período, ou em boa parte dele, o Brasil era governado por Monarcas, que nada mais eram do que os Imperadores. Um parlamento havia sido formado com o intuito de discutir e aprovar leis e era composto por deputados e senadores. Foi assim, então, que o Brasil passou a ter a sua Constituição e por isso também nomeiam esse feito de Monarquia Parlamentar Constitucional. Nesse resumo do Brasil Império acrescentamos que ele foi dividido entre primeiro e segundo reinado. O Primeiro Reinado se iniciou quando o país se tornou independente de Portugal, em 1822, permanecendo ainda como uma Monarquia. O primeiro imperador dessa nova era foi D. Pedro que governou até 1831, antes de abdicar do trono e retornar a Portugal. Antes mesmo da Independência, em meados de 1822, D. Pedro I havia convocado uma Assembleia Constituinte, tendo seus deputados escolhidos através do voto do povo. Numa sociedade movida à dinheiro e hipocrisia, encontramos pessoas propensas aos mais diversos rumos incluindo-se a devassidão. Cuidado com quem andas, pois tua companhia sumariza quem és. Não tenha medo de lutar pelo que acredita, apenas seja você mesmo nos mais divergentes momentos que possam surgir. Fazendo isto, certamente afetará os que estão à tua volta que não gostam do que veem. Saberão fazer a triagem do joio e do trigo. Só tome cuidado com o lado com que ficará, pois uma escolha errada pode te afetar drasticamente. Pense no seu futuro. Sua escolha hoje, será o seu futuro amanhã. Seja feliz, haja com honestidade sempre. Mas acima de tudo, cuidado com o que te tornarás! Filipe de Sousa

[close]

p. 15

Novembro 2017 Gazeta Valeparaibana Página 15 EUROPA hoje e ontem (artigo continuado) Por: Michael Löwy resgate” de canibalismo social imposto à Europa. Isto se expressou no conflito entre o Grécia pela troïka da UE, o Banco Central FMI e a UE – entre os Estados Unidos e a Sociólogo, é nascido no Brasil, formado em Europeu e o FMI. Depois de cinco anos de Alemanha – sobre a sustentabilidade da Ciências Sociais na Universidade de São Paulo, e “austeridade” draconiana para salvar os dívida grega e a necessidade de sua redução. vive em Paris desde 1969. Diretor emérito de pesquisas do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS). Homenageado, em 1994, com a medalha de prata do CNRS em Ciências Sociais, é autor de Walter Benjamin: aviso de incêndio (2005), Lucien Goldmann ou a dialética da totalidade (2009), A teoria da revolução no jovem Marx (2012) e organizador de Revoluções (2009) e Capitalismo como religião (2013), de bancos com o sangue e as lágrimas do povo Os “redutores” (o FMI) reclamam, porém, grego, os dois anteriores “programas de inclusive com mais força do que os EUA, a resgate” fracassaram totalmente em resolver mais draconiana austeridade na Grécia. O a crise, tornando-a muito pior. A população da governo Obama não ocultou seu temor de Grécia está condenada à miséria permanente, que o Grexit implicasse na criação de um com 40% da mesma sobrevivendo sob a linha “risco sistêmico global”, como o manifestou de pobreza. A 12 de julho de 2015, uma nova Jack Lew, Secretário do Tesouro dos EUA, “listagem de horrores” (na expressão da preocupado com a situação precária da Walter Benjamin revista alemã Der Spiegel) exigida pela troïka, economia norte-americana, que se prepara foi finalmente aceita pelo governo Tsipras. para um aumento das taxas de juros. Capitalismo e democracia “O povo grego não pode nem poderá aceitar O eixo franco-germano da integração os ditames de Bruxelas, Berlim e Washington. c a p i t a l i s t a e u r o p e i a r o m p e u - s e Saudamos a contínua resistência heroica dos progressivamente; França está afundada no na Europa trabalhadores gregos e dos setores sobre-endividamento, na desindustrialização e empobrecidos, sobretudo da geração jovem, no descontentamento social. François PARTE XXIII manifestada poderosamente na massiva Hollande e seu governo “socialista”, que É porque os fundos e bancos europeus estão seriamente afetados pela crise grega que os abutres concordaram com um novo resgate por valor de 85 bilhões de euros, que o FMI considera insuficiente, para pagar esses credores, em primeiro lugar os credores dos bancos gregos. O resgate do Estado e da banca da Grécia será pago pelos trabalhadores da Grécia e de toda a Eurozona. mobilização de 3 de julho e na vitória do NÃO / OXI com 62% dos votos no referendo de 5 de julho contra a chantagem das “instituições” imperialistas, continuadas agora com as mobilizações populares de 15 e 22 de julho contra o novo Memorando. Condenamos sem equívocos a traição à vontade popular expressa democraticamente na vitória do NÃO / OXI. A honestidade intelectual e política demanda chamar o pão, pão, e a capitulação, capitulação. A coalizão do alimentaram as ilusões de Syriza, foram mais um instrumento da pressão e chantagem sobre a Grécia, mas foram obrigados a tomar alguma distância da literal tortura da delegação negociadora grega imposta por Schäuble, e chegaram a pedir um “Grexit temporal”: “A maratona de negociações que manteve a Grécia na zona do euro, com enorme custo para a soberania política do país, definiu um novo cenário político para o continente. Ao forçar o governo Tsipras a uma Duas Manifestações sobre a Crise Grega governo Tsipras, Syriza e ANEL, capitulou ao rendição abjeta – ignorando os pedidos de Declaração de 109 (de um total de 201) membros do Comitê Central de Syriza: “A 12 de julho em Bruxelas teve lugar um golpe que demonstra que o objetivo dos dirigentes europeus era aplicar um castigo exemplar a um povo que ousara aspirar a outro caminho, firmar um “programa de austeridade” pior do que o rejeitado no referendo. Entra agora em rota de colisão com os setores populares mais prejudicados, que tinham investido suas esperanças em Syriza para dar fim à tortura eterna da austeridade. alguns de seus vizinhos, em particular a França – Alemanha exerceu com estrondo, talvez pela primeira vez após a reunificação, seu poder no palco europeu”. Duas crises ficaram escancaradas: a da UE, que pode conduzi-la à sua explosão, e a das diferente do modelo neoliberal de austeridade “Estamos com a classe operária e as forças relações UE/Alemanha-EUA, e tudo a partir extrema. É um golpe dirigido contra qualquer populares, dentro e fora de Syriza, na sua de um elo menor da corrente, a Grécia. No noção de democracia e de soberania popular. rejeição do pacto vergonhoso de entrega aos capitalismo “global”, o rabo abana o cachorro. O acordo firmado com as “instituições” é o resultado de ameaças de estrangulamento econômico imediato, e representa um novo Memorando que impõe condiciones humilhantes e odiosas de tutela, destrutivas para nosso país e nosso povo. “Somos conscientes das pressões asfixiantes que se exerceram sobre a representação grega, mas consideramos que o orgulhoso NÃO do povo trabalhador grego no referendo não permite ao governo ceder diante da pressão dos credores. Esse acordo não é compatível com as ideias e os princípios da esquerda e, por cima de tudo, não é compatível com as necessidades das classes trabalhadoras. Esta proposta não é aceitável por parte dos membros e quadros de Syriza Chamamos à convocatória imediata do Comitê Central e fazemos um chamado aos militantes, quadros e deputados de Syriza para preservar a unidade do partido sobre a base de nossas decisões congressuais e nossos compromissos programáticos”. mafiosos do capital global, que converte Grécia em um protetorado da EU, com um governo de “boa vontade” expurgado de toda oposição de esquerda, antidemocrático e refém das forças da reação burguesa, no interior e no exterior do país. Convocamos internacionalmente àqueles que sentem na própria carne a ignomínia do terceiro pacote de austeridade imposto ao povo grego, aos seus trabalhadores e à sua juventude precarizada, a se somar em solidariedade a esta declaração, difundindo-a por todos os meios. Só uma massiva resposta internacional dos explorados, manifestada militante e publicamente nas ruas, nos locais de trabalho, nos meios alternativos e redes sociais, pode derrotar a pretensão imperial europeia de transformar Grécia em sua colônia. Fazer isso hoje por Grécia, buscando a vitória, significa impedir que os planes imperiais de canibalismo social sejam implementados no restante do mundo”. A estratégia política (largamente improvisada) de Syriza, por sua vez, chegou a um ponto final, o que põe sobre o tapete a questão do programa e da direção política na Grécia. Como constatou Stathis Kouvelakis: “O cenário do “bom euro” pressupunha a existência de aliados de algum significado ao nível dos governos e/ou instituições (a referência aqui não é o apoio dos movimentos sociais ou outras forças de esquerda). Os governos da França e da Itália, os socialdemocratas alemães, e, finalmente, em um verdadeiro frenesi de fantasia, o próprio Mario Draghi eram de vez em quando invocados como tais potenciais aliados. Tudo isso veio por água abaixo em poucos dias. As expressões “redução” da dívida e até mesmo o famigerado “corte de cabelo” foram rejeitadas da forma mais categórica possível, por credores que ficam enfurecidos só de ouvi -las… Raramente foi uma estratégia refutada tão inequívoca e tão rapidamente”. Atenas, 15 de julho de 2015 Mediante a imposição de um ajuste selvagem Declaração de solidariedade com o povo à Grécia, a burguesia imperialista alemã, EEK, Partido Revolucionário dos Trabalhadores, na rua. grego contra o novo terceiro pacote de apoiada pela poderosa socialdemocracia de a u s t e r id a d e im p o st o p e la t ro ï ka : seu país, conseguiu tornar mais agudas as CONTINUA NA PRÓXIMA EDIÇÃO “Denunciamos o novo e bárbaro “programa de rivalidades interimperialistas dentro e fora da ÚLTIMA PARTE www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

Comments

no comments yet