Jornal Sindprev - nº 229 - Outubro de 2017

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Sindprev- nº 229 - Outubro de 2017

Popular Pages


p. 1

JORNAL DO 9912325785/2014-DR/ES Sindprev-ES FILIADO À FENASPS E À CSP-CONLUTAS Nº 229 Setembro/Outubro de 2017 Órgão Informativo do Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde, Trabalho e Previdência Social no Estado do Espírito Santo Rua Barão de Monjardim, 190, Centro – Vitória/ES – CEP: 29010-390 – Tel: 2121-2600- 2121-2618 Sindprev-ES de luta apresenta vitórias e conquistas ao final da Gestão 2014-2017 Vivemos tempos muito difíceis! Os governos e parlamentares, a serviço dos banqueiros e financiadores de campanhas, tentam destruir de vez os serviços mentos de ações e o ajuizamento de outras em defesa dos direitos da categoria. Com esse trabalho, conquistamos vitórias em processos importantes, que atenderam anseios de longa data. públicos, especialmente saúde, trabalho, previdência e as- Lutamos bravamente, junto à Fenasps, contra os aumen- sistência social. Setores que o Sindprev-ES representa a ca- tos abusivos da Geap e Capesaúde e obtivemos vitórias muito tegoria e vitais para a população. importantes. Além das atividades estaduais, o Sindprev-ES es- Com a compreensão de que nossa luta é a luta em defe- teve presente nos eventos nacionais da Fenasps e em reuni- sa dos direitos da categoria e da população – em especial de ões da CSP Conlutas. quem mais necessita – a direção do Sindprev-ES, gestão 2014- A vitória mais importante e reconhecida pela cate- 2017, lutou bravamente. goria foi a incorporação das gratificações. Ela foi con- Foram inúmeras visitas, reuniões e assembleias por local de quistada com a greve de 2015 que, em nível nacional, trabalho. Muitas ações estaduais, como por exemplo, as ativi- paralisou as atividades por 80 dias, com inúmeras mani- dades com os aposentados e aposentadas, Seminário Estadual festações e ocupações. da Saúde, dos/as peculistas e sobre o INSS Digital. Graças a essa vitória, muitos trabalhadores e trabalhadoras Destacamos a luta por melhores condições de trabalho, da Saúde, Trabalho, Previdência e da Anvisa poderão se apo- contra o assédio moral e a criação do Fórum Nacional e sentar com mais dignidade. Estadual de Assistentes Sociais do Seguro e Seguridade So- Sem a incorporação, a redução na remuneração era tão cial, fundamentais na luta contra a tentativa de extinção grande, que muitos/muitas não tinham a menor condição de do Serviço Social. se aposentarem. Por tudo isso, reafirmamos: só a luta digni- Foi importante, também, a atuação jurídica do sindicato. Fo- fica a vida! ram realizados diversos plantões nos municípios, acompanha- Confira o balanço da gestão 2014/2017 nas páginas 4, 5 e 6. 2 Fenasps conquista liminar que reduz contribuição da CAPESAÚDE 7 INSS Digital: diretor do Sindprevs/RN aponta problemas no projeto 8 Parabéns, Servidor e Servidora!

[close]

p. 2

INSS: veja como ajuizar ação para cobrar a progressão funcional a cada 12 meses A ação interessa sobretudo aos novos servidores e servidoras e a quem ainda não chegou ao final das referências, tendo ainda progressões a receber Os servidores e servidoras do INSS têm direito às progressões funcionais concedidas a cada 12 (doze) meses, e não a cada 18 (dezoito) meses, como vem ocorrendo desde 2008. A Lei nº 11.501/2007, de 11/07/2007, introduziu o período de 18 meses para a concessão da progressão funcional, condicionado à regulamentação da matéria. Já a Lei 12.269/2010, alterou o artigo 9º da Lei nº 10.855/2004 para aplicar à progressão funcional a regra da Lei nº 5.645/70, até a efetiva regulamentação. No entanto, em notória violação à lei e em prejuízo do trabalhador, progressões funcionais foram efetivadas levando em conta o interstício de 18 meses. Para que a ação possa ser ajuizada, os servidores e servidoras precisam entregar ao setor jurídico do Sindprev-ES os seguintes documentos: 1) Procuração; 2) Cópia dos Atos de Progressão Funcional; 3) Cópia das fichas financeiras do período de janeiro de 2009 até hoje; 4) Cópia do ato de posse e exercício no cargo público atualmente ocupado; 5) Cópia de identidade, CPF e comprovante de residência. *Para mais informações, ligue para o Sindprev-ES pelo telefone (27) 2121 2600. Justiça expede carta de arrematação de bens do Sindprev-ES, mas sindicato manterá a luta Em decisão publicada em 30/08/2017, o Juiz da 7ª Vara do Trabalho de Vitória-ES, Dr. Marcos Assef do Vale Depes, determinou a expedição de carta de arrematação da Sede Social e Área de Lazer do Sindicato em favor da Construtora e Incorporação Araguaia Ltda, nos autos do pro- cesso nº 0016479-03.2000.8.08.0024, contudo, determinou que conste na carta de arrematação que sobre tal ato paira recurso pendente de apreciação meritória pelo Egrégio Tri- bunal de Justiça do Estado (TJ/ES), garantindo assim, a reversibilidade da medida em caso de êxito nos recursos interpostos pelo Sindicato. O sindicato, conforme já informou à categoria em as- sembleia, vem a longos anos lutando contra o que considera INJUSTA e INADMISSÍVEL decisão que o condenou a pagar uma indenização astronômica à Construtora e Incorporação Araguaia Ltda, sem que a mesma tivesse executado a obra da Área de Lazer, porém, nesse momento terá que se curvar à ordem judicial publicada em 30/08/2017 e entregar forçosamente a posse dos seus bens à aludida Construtora. No entanto, é importante ressaltar que, conforme dis- posto pelo próprio Juiz irá constar na carta de arrematação que ainda pairam recursos a serem apreciados pelo Egrégio Tribunal de Justiça do Estado (TJ/ES), quais sejam, um Agravo de Instrumento que será interposto contra a decisão recente que inadmitiu o Recurso Especial (na Ação Rescisória) e outro Agravo de Instrumento já interposto na ação originária questionando a arrematação feita pela própria Construtora Araguaia pelo lance de 50% do valor da avaliação, recursos estes que poderão ainda ser remetidos ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) possibilitando se reverter a decisão em favor do Sindicato (caso do recurso interposto na ação Rescisória) ou ao menos, na pior das hipóteses, propiciar uma melhor avaliação dos seus bens (caso do Agravo interposto na ação originária). Portanto, o Sindicato continuará, como já vem fazendo há bastante tempo, lutando arduamente até a última instância para tentar reverter esse ataque ao seu patrimônio e de toda a categoria, pois considera inadmissível essa ação e jamais irá concordar com a decisão injusta de pagar o valor astronômico fixado pelo Acórdão do TJ/ES para uma construtora que não colocou “um tijolo” sequer, não dispendeu um dia de serviço sequer na construção do patrimônio do sindicato, sendo beneficiada por uma decisão que está sendo contestada em Sede de Ação Rescisória, aonde se busca inclusive sua anulação. FILIADO À FENASPS E À CSP-CONLUTAS Informativo do Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde, Trabalho e Previdência Social no Estado do Espírito Santo (SINDPREV-ES) | Edição: Diretoria do Sindprev-ES Diagramação: Nova Pauta Comunicação |Edição Nº 229 ENDEREÇO: Rua Barão de Monjardim, 190, Centro – Vitória - ES. CEP: 29.010-390 - Tels: (27) 2121-2600 - 2121-2618| www.sindprev-es.org.br | organizacao@sindprev-es.org.br O conteúdo dos textos publicados neste informativo é de inteira responsabilidade da diretoria executiva do Sindprev-ES. E os artigos assinados, responsabilidade dos seus autores. 2

[close]

p. 3

Após pressão da categoria, governo mantém Serviço Social na nova estrutura do INSS Por meio da Portaria n° 414, de 28 de setembro de 2017, o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA) manteve o Serviço Social na nova estrutura do INSS, após ser excluído do Regimento Interno em uma proposta de documento vazada e que teve o repúdio imediato da categoria. Tal exclusão revoltou as trabalhadoras e trabalhadores do INSS, principalmente as/os assistentes sociais e terapeutas ocupacionais, cujas atividades são fundamentais na concessão de benefícios previdenciários e poderiam ser terceirizadas, segundo a proposta anterior. A reação e pressão da categoria, por meio de atos, manifestações, abaixo-assinados, reuniões e também pela realização de uma audiência pública na Câmara dos Deputados, realizada graças à iniciativa da Fenasps, foram determinantes para que o Serviço Social se mantivesse no novo Regimento Interno do INSS. No Espírito Santo, a categoria realizou manifestação e acionou os parlamentares contra a retirada do Serviço Social do INSS Mas esse novo regimento já possui divergências. Uma comissão da Fenasps está analisando os itens que podem ser problemáticos para os trabalhadores e trabalhadoras e, em breve, divulgará um parecer para a categoria. Confira no site www.sindprev-es.org.br a íntegra da Portaria 414 do MDSA que contém o novo Regimento Interno do INSS. Fenasps ganha liminar que reduz contribuição da CAPESAÚDE Da mesma forma que entrou com ação na Justiça contra o aumento abusivo da Geap, a Fenasps entrou com ação solicitando que a CAPESAÚDE também cumprisse a resolução da Agência Nacional de Saúde (ANS), que limita os reajustes ao percentual de 13,57%. A ação foi motivada diante do reajuste de 19,50% aprovado pelo Conselho de Administração da CAPESAÚDE e a Justiça concedeu uma liminar à Fenasps. Com a liminar, os servidores e servidoras da Funasa e do Ministério da Saúde estão contemplados com a redução da contribuição, mas deverão acompanhar seus contracheques e verificar se houve a redução. Essa é mais uma vitória da FENASPS e dos sindicatos filiados 3

[close]

p. 4

BAGLEADSNETÇÃOO GESTÃO 2014/2017: Tr compromisso com a catego Agestão 2014/2017 do Sindprev-ES termina o mandato com a certeza de que honrou o voto e a confiança da categoria. Os últimos anos não têm sido fáceis. O que reina é o desrespeito, o assédio moral, a apatia, a insegurança, o medo, a falta de humanidade e o terror. É a barbárie capitalista nua e crua! E o Governo Temer e seus aliados, descaradamente, estão exterminando direitos e serviços públicos e, consequentemente, vidas humanas. “Diante dessa desumanidade, a gestão do Sindprev-ES, junto à FENASPS, lutou para assegurar os direitos da categoria e defender os serviços públicos. Foi um período difícil, mas também tivemos conquistas”, reforçou a diretora do Sindprev, Marli Brigida. Entre as lutas travadas e as conquistas alcançadas nesta gestão, são destaques: • Campanhas salariais anuais, com atos em frente aos Ministérios da Fazenda, Previdência Social e ao INSS, em Brasília e no Estado. • Pela manutenção do acréscimo de tempo no cálculo do período insalubre. • Pela incorporação das Gratificações (GDASS, GDPST, GECEM, GACEM e GEDR). • Manifestações e visitas diversas à Câmara dos Deputados para pressionar parlamentares, assim como em aeroportos em Brasília e no Estado. • Pela anistia da greve de 2009 no INSS e negociação dos dias parados do ex-MTE que participaram da greve de 2015. • Pelo cumprimento dos acordos de Greve, que passaram pela aprovação de lei federal na Câmara e no Senado (frutos dos acordos de greve) e pressão direta aos parlamentares e ao governo, de modo a se assegurar os reajustes de 5,5% em agosto de 2016 e de 5% em 2017, inclusive, em relação à Anvisa. • Dias Nacionais de Luta com Paralisações e Greve Geral do Seguro e da Seguridade Social durante 80 dias em todo o país. 4 • Pela suspensão do ciclo do IMA/GDASS ou reanálise dos indicadores, expurgando dos índices todos os problemas reais, que não são de responsabilidade dos servidores e prorrogando para 2017 a avaliação do IMA/GDASS. • Pela regulamentação das atribuições dos técnicos e analistas do Seguro Social. • Contra a privatização da Reabilitação Profissional e em defesa do Serviço Social, contra sua exclusão do novo regimento do INSS. • Pela revogação do Memorando Circular Conjunto, que dentre outras medidas, proíbe entrega de resultado de perícias médicas nas Agências da Previdência Social (APS), ameaçando ainda os servidores que descumprirem tal ordem. • Contra as péssimas condições de trabalho e exigências de metas desumanas. Por concurso público, contra o assédio moral, o adoecimento e o imposto sindical. • Pelas 30 horas, sem redução salarial e contra a demissão de servidores públicos. • Eleição dos delegados e delegadas sindicais de base e reorganização da Central Sindical e Popular (CSP Conlutas) no Estado.

[close]

p. 5

rês anos de muita luta, oria e vitórias conquistadas • Contra a reforma da previdência e a retirada de direitos, como aposentadorias por invalidez e auxílio-doença retirados sem que o segurado ou segurada tenha sequer o direito à ampla defesa. cional sobre Reformas e Dívida Pública. • Travamos uma árdua luta em defesa da Geap e contra os seus aumentos abusivos e desumanos de 37,55%. Luta que perdura, inclusive, com batalha judicial e tentativa de acordo. Luta para que seja realizada uma auditoria nas contas da GEAP. • Participamos dos vários Encontros Nacionais do Seguro e da Seguridade Social e realizamos encontros estaduais específicos. • Realização de pescarias na Área de Lazer. • Participação na Greve Geral em 28 de Abril, que parou o Brasil contra as reformas da Previdência e Trabalhista e pelo Fora Temer. • Contra a terceirização e privatização, em especial contra a extinção do Ministério da Previdência, ataques à Saúde, à Previdência, ao Trabalho e Assistência Social. • Participação no lançamento da Frente em Defesa da Previdência Social, no Senado. Criação, junto com outras entidades, da Frente Estadual em Defesa da Previdência Social, dos Direitos Trabalhistas e Serviços Públicos, que tem encaminhado as lutas e contribuído com panfletos e cartilhas, que mostram como as contrarreformas estão vinculadas ao Sistema da Dívida - a maior corrupção que existe. • Em defesa do fundo de pecúlio da Geap, com participação nos Encontros Nacionais de Peculistas e realização de assembleias e seminários estaduais. • Defesa permanente da paridade e integralidade, de modo que as conquistas dos ativos e ativas sejam iguais para os aposentados/aposentadas. Inclusive, para que estes recebam diretamente os seus contracheques. • Obtivemos vitórias judiciais importantes, como a liminar contra a Geap, que estabeleceu o reajuste em 13,5%; o recebimento da diferença de 50% no valor da indenização de campo para servidores da Funasa, que estavam na ativa entre 04/10/2005 a 2009 e que não ajuizaram ação individual; o processo coletivo sobre irregularidades nas contas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) da União Federal, com benefício para mais de 500 servidoras e servidores do Ministério da Saúde (MS) e a expedição do precatório do processo coletivo sobre irregularidades nas contas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) da União Federal dos servidores do Ministério da Saúde (MS/Ex-Inamps). Com isso, a previsão é que esse processo seja pago aos trabalhadores em 2018. • Contra os ajustes fiscais (MP 664 e 665, de 2014), que de forma desumana atacou direitos como auxílio previdenciário, pensão por morte, seguro defeso e seguro desemprego. • Luta contra o PLP 257/2016 (renegociação da dívida dos Estados e destruição dos Serviços Públicos), PEC 241/55 (congelamento dos gastos e investimentos nos serviços públicos e políticas sociais durante 20 anos, enquanto mantém liberados os gastos com juros das dívidas e reserva recursos para empresas estatais não dependentes, um esquema fraudulento de transferência de dinheiro público para banqueiros. • Luta pela Auditoria da Dívida Pública, com participação popular, inclusive, com adesão à Campanha pela Derrubada do Veto Presidencial. Participação na Consulta Na- • Ação coletiva impetrada pelo sindicato em benefício dos servidores e servidoras da Funasa que estiveram ativos por qualquer período entre 2002 e 2013 questionando os descontos do Plano de Seguridade Social (PSS) sobre o terço constitucional de férias. 5

[close]

p. 6

BAGLEADSNETÇÃOO A Previdência Social é o alvo! A Previdência Social tem recursos e por isso é o grande alvo do governo Temer Aprevidência faz parte da Seguridade Social (previdência, saúde e assistência social) e corresponde a mais de 20% de todos os recursos arrecadados e investidos pelo governo todos os anos. Sobram bilhões de reais todos os anos que deveriam ser aplicados no pagamento de todas as aposentadorias, auxílios, salário maternidade e família, pensões por morte e os benefícios assistenciais (BPC/Loas), mas vão para o pagamento de juros e amortizações da dívida pública. E não são só os recursos da Seguridade Social que vão para esse poço sem fundo, mas metade de tudo que é arrecadado. E os banqueiros querem muito mais. Os governos e a maioria dos/ das parlamentares, financiados e dirigidos pelos banqueiros, já não escondem os interesses que representam. Portanto, além da corrupção, o que mais se viu foi cassação dos direitos e destruição dos serviços públicos. Caçador de direitos Esses ataques não são novos. Não podemos esquecer de Collor, FHC, Lula, Dilma e de que a dívida pública atual foi para as alturas com a ditadura militar e com o Plano Real. Mas, para cumprir o prometido, mostrar serviço para os banqueiros e se manter no cargo, Temer não está deixando “pedra sobre pedra”. Com a contrarreforma trabalhista, a terceirização total, as medidas provisórias, as portarias, os regimentos, as perícias médicas, ele vem cassando os direitos previdenciários e os benefícios assistenciais. Outros ataques, ações e interesses inconfessáveis! Não é só o governo que ataca a categoria. Ações judiciais antigas contra o sindicato consomem dinheiro da categoria, tempo e energia da direção, que luta judicialmente para manter o patrimônio do sindicato, seriamente ameaçado. São ações estranhas, mesquinhas, com interesses inconfessáveis, que ameaçam comprometer a luta do sindicato. Há ações promovidas por membros da categoria, filiados ou não, que se beneficiaram das ações ganhas pelo sindicato, mas se negaram a contribuir com o percentual definido pela categoria em assembleia ou tentaram tirar proveito de algum modo. 6 Oportunistas usam as eleições sindicais para tentar tomar o Sindprev-ES da categoria A cada 03 anos ocorrem as eleições do Sindprev-ES. É um momento importante para a categoria, mas, também, momento de dificuldades para o sindicato. É que os oportunistas, que ficam três anos sem participar das assembleias e das lutas do sindicato, aparecem, registram chapa, mas já preparando ação judicial para tentar ganhar no tapetão. Agem de forma irresponsável, prejudicando a categoria e as finanças do sindicato. Torcem contra o sindicato e com sua postura favorecem aqueles e aquelas que promoveram ações milionárias contra nossa entidade.

[close]

p. 7

INSS Digital: “Uso da tecnologia está sendo instrumentalizado para um novo projeto de estado excludente” Em evento realizado pelo Sindprev-ES, diretor do Sindprevs/RN Lênin Tierra Silva destacou que a euforia dos servidores, no início do projeto, durou até o momento em que a gerência determinou um número de metas inexequíveis OSindprev-ES realizou no dia 29 de setembro, no auditório do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), na avenida Beira Mar, em Vitória, o Seminário Estadual “INSS DIGITAL: Será o fim do Instituto Nacional do Seguro Social e dos direitos trabalhistas e sindicais?”. O seminário contou com a palestra do diretor do Sindprevs do Rio Grande do Norte (RN) Lênin Tierra Silva. Ele falou sobre a implantação do projeto-piloto do INSS Digital nas Agências da Previdência Social (APSs) de seu estado. Lênin observou que o projeto do INSS Digital é uma adaptação institucional da entidade aos novos tempos de barbárie – de retirada de direitos e do agravamento das situações econômicas e sociais do país. “Essa proposta é fruto desse momento e ela só pode ser analisada dentro deste contexto”, pontuou. Segundo ele, esse projeto é a contribuição do INSS para que seja executado um novo projeto de Estado que é excludente por natureza. “O uso da tecnologia nesse caso não é isenta. Ela está sendo instrumentalizada para viabilizar uma proposta de estado que não vai garantir os direitos da maior parte da população. E não se enganem, nós não estamos a salvo desse projeto”, alertou. O diretor do Sindprevs/RN, Lênin Tierra Silva, expõe problemas do projeto INSS Digital deveriam cumprir esse papel e que não estão capacitados para tanto. A diretora do Sindprev-ES, Marli Brígida Reis, lembrou que o público-alvo do INSS é uma população mais vulnerável, e que não possuem acesso a esses serviços. Ou quando possuem, o uso do aparelho celular como uma ferramenta para esse tipo de serviço é limitado. “Nós atendemos vários segurados que possuem celular, mas muitos não sabem interpretar o que está ali”, apontou. Euforia x realidade Mossoró A cidade de Mossoró, no RN, foi a primeira cidade do Brasil a adotar o sistema do Projeto INSS Digital. Com a promessa de diminuição de filas de espera e mais rapidez e praticidade no atendimento, a entidade lançou um portal na internet denominado de “Meu INSS”. A ferramenta permite à população tirar dúvidas e ter acesso a serviços do instituto. O portal permite que os usuários enviem documentos e façam agendamentos, tudo pela internet. Mas aqui começam os problemas: caso apareçam dificuldades, os usuários deverão procurar parceiros, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e os sindicatos rurais, que não Lênin destacou que no início do projeto houve uma euforia entre os servidores, mas que durou até o momento em que a gerência passou a determinar um número de metas inexequíveis. “Você gera um excedente de processos que não consegue concluir por dia, de modo que gera uma bola de neve e uma pressão absurda sobre o servidor”, enfatizou. Para o diretor do Sindprevs, o governo quer transferir para os servidores a responsabilidade de problemas estruturais que não foram resolvidos até agora. “E se você não render bem será tachado de preguiçoso, porque você tem um baixo desempenho e não está acompanhando os outros. Tem pessoas que produzem bem mais, mas a que preço?”, questionou. Como fica a organização sindical com o home office? Outro grande problema apontado pela diretora Marli durante o evento foi sobre como os sindicatos mobilizarão a categoria para a luta diante do trabalho em home office. “O servidor e a servidora ficarão em casa e virão à agência uma vez por semana ou a cada 15 dias. Já é difícil mobilizar os trabalhadores nos locais de trabalho. Agora chegaremos aqui e quase não haverá servidores. Não podemos perder a nossa mobilização e a nossa luta”, alertou. A diretora reconheceu que o processo da informatiza- ção é irreversível, mas, para ela, é preciso preservar a dignidade e os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. “Com o INSS Digital, o servidor poderá executar demandas de casa, utilizando o seu computador pessoal, sua internet, sua energia etc. Isso afetará diretamente direitos, como o vale-transporte, o vale-alimentação e o auxílio-creche – com o discurso da economia. Precisamos buscar formas de incorporar os avanços tecnológicos sem perdermos direitos, saúde e qualidade de vida”, apontou Marli. 7

[close]

p. 8

Congresso da Fenasps definirá rumo das lutas e elegerá nova direção da Federação Evento acontece em momento importante para o país e para a classe trabalhadora, que sofre com os ataques do governo Temer AFederação Nacional de Sindicatos de Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps) realizará de 26 a 29 de outubro, em Serra Negra, São Paulo, seu décimo quinto congresso nacional, o CONFENASPS. O XV Confenasps terá como pauta: 1) Análise de Conjuntura Internacional e Nacional – Crise Econômica e as Consequências para os Trabalhadores; 2) Reorganização Sindical: Movimento dos Servidores Públicos Federais; 3) Reorganização dos Processos de Trabalho, Teletrabalho, Saúde do Trabalhador; 4) Saúde e Previdência Complementar (Fundação Viva de Previdência, Capesaúde e outros); 5) Balanço Político do Movimento Sindical; 6) Plano de Lutas; 7) Alteração Estatutária e Regimental; 8) Eleição da Diretoria Colegiada. Em todo o país, os sindicatos filiados estão realizando reuniões por local de trabalho e/ou assembleias visando a eleição de delegadas e delegados ao Congresso, que definirá os rumos das lutas e elegerá a nova diretoria da entidade para o triênio – 2018 a 2020. A direção do Sindprev-ES esteve nos locais de trabalho pelo Estado para eleger a delegação capixaba para o evento. Para a direção do sindicato, o momento é propício para o congresso nacional, já que os trabalhadores e trabalhadoras em saúde, trabalho e previdência – e a classe trabalhadora de um modo geral – têm sido atacados em seus direitos pelo governo Temer, que pretende desmontar ainda mais os serviços públicos e os direitos trabalhistas e sociais consagrados na Constituição de 1988 e ampliar cada vez mais o poder das grandes corporações capitalistas internacionais, em detrimento da população. “Não temos outra saída que não seja a mobilização, a resistência e a luta pela manutenção de nossas conquistas históricas e por novos direitos”, garante o diretor do Sindprev-ES, Willian Aguiar Martins. “MAMRARCIANLHMEOIRONUHNACBIALIFDOORSMO”OU Parabdéansss, Ceravtiedgoorraias!emdeosmsosedrviaidnoterdeseptúabnlticoossa! tAanqousessa, mlauntatiévedmigonsaadlue tcaopmeleamovarlaoçrãizoa! ção 28 de outubro - Dia da Servidora e do Servidor Público 8

[close]

Comments

no comments yet