Raios de Luz

 

Embed or link this publication

Description

A Revista do Instituto Gnóstico de Antropologia de Portugal

Popular Pages


p. 1

Volume 2 |Outubro 2017 Raios de Luz INSTITUTO GNÓSTICO DE ANTROPOLOGIA DE PORTUGAL CENTENÁRIO DO MESTRE SAMAEL AUN WEOR A REVOLUÇÃO DA CONSCIÊNCIA A-HIMSA, A PRÁTICA DA NÃO-VIOLÊNCIA O VOO DA SERPENTE EMPLUMADA SABER VIVER ASTROLOGIA HERMÉTICA LÍDERES ESPIRITUAIS E LÍDERES POLÍTICOS Ciência | Filosofia | Arte | Religião Esoterismo | Medicina oculta | Astrologia Antropologia | Meditação | Alquimia

[close]

p. 2

Raios de Luz A Revista do Instituto Gnóstico de Antropologia de Portugal Iga.gnose.pt

[close]

p. 3

Sumário Colaboradores: Artigos escritos por estudantes e instrutores do IGA Portugal, assim como textos de Livros Sagrados e autores relacionados ao ensinamento gnóstico. Capa: Photo by Igor Ovsyannykov on Unsplash 5 EDITORIAL— CENTENÁRIO DO MESTRE SAMAEL AUN WEOR Por Ricardo Amancio 7 A REVOLUÇÃO DA CONSCIÊNCIA Por V.M. Samael Aun Weor 13 A-HIMSA, A PRÁTICA DA NÃO-VIOLÊNCIA Por Ana Neres 19 O VOO DA SERPENTE EMPLUMADA Por Armando Cosani 21 SABER VIVER Por Jaime Ruela 25 ASTROLOGIA HERMÉTICA Por V.M. Samael Aun Weor 31 CONGRESSO INTERNACIONAL 2017 Por Sede Mundial das Instituições Gnósticas 37 LÍDERES ESPIRITUAIS E LÍDERES POLÍTI- COS Por V.M. Samael Aun Weor

[close]

p. 4

4 | Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017

[close]

p. 5

Editorial—Centenário do Mestre Samael Aun Weor Por: Ricardo Amancio Presidente do IGA Portugal e Diretor do IGA Lisboa Neste ano de 2017 comemora-se os 100 anos de existência do Venerável Mestre Samael Aun Weor, nascido no dia 6 de Maio de 1917 e desencarnado a 24 de Dezembro de 1977. O Mestre Samael cumpriu uma grande missão no Planeta Terra, deixando plasmado a sua Grande Obra, aonde está contido o Quinto Evangélio: a Revolução da Consciência e seus Três Fatores básicos: o nascer, o morrer e o sacrifício pela humanidade, que desenvolveremos a seguir. O V.M. Samael Aun Weor, regente do Planeta Marte e quinto Anjo do Apocalipse, veio tocar sua a trombeta, que significa: anunciar para a humanidade, deste nosso século, o Quinto Evangelho - A Revolução da Consciência, descrito em suas sessenta obras: Livros de Psicologia, Filosofia, Antropologia, Alquimia, Cabala, Astrologia, Medicina, etc... Os quatro primeiros Evangelhos é resultado da Grande Obra plasmada pelo Nosso Senhor Jesus Cristo. De todos os Grandes Seres, Mestres, Criadores de Grandes Filosofias e Religiões, que habitaram este Planeta Terra, somente o V.M. Samael foi autorizado pela Loja Branca a revelar os maiores e mais importantes segredos sagrados, grandes mistérios ligados às iniciações cósmicas. Tudo de forma desvelada, clara e objetiva e, um dos principais motivos é a proximidade demasiada dos finais dos tempos. Não há mais tempo! Em outras épocas se ensinava de forma velada, através de: parábolas, metáforas, códigos e símbolos contidos nas artes, esculturas, filosofia, religiões, etc.. Pois ainda não era tempo de se falar abertamente, mas agora é tudo ou nada! Devemos ser eternamente gratos a estes grandes Seres: V.M. Samael e sua esposa V.M. Litelantes que fizeram grandes sacrifícios para plasmar este quinto evangelho. Vieram a Terra para nos ajudar, nos ensinar o caminho de retorno à Morada do Pai. Agarre esta grande oportunidade, compreenda e Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017 | 5

[close]

p. 6

faça a verdadeira Revolução da Consciência, que está estruturada em Três Fatores básicos, trilhados por vários seres que se auto-realizaram, desde antigos tempos, são eles: o Fator Nascer, o Fator Morrer e o Fator Sacrifício pela Humanidade. Nesta edição da Revista Raios de Luz iremos detalhar um pouco mais o que é a Revolução da Consciência e seus Três Fatores. Esperamos que tenha brotado alguma chispa de curiosidade, de querer saber e entender sobre tudo isto. Procurenos para participar dos nossos estudos e conhecer toda a Obra do V.M. Samael. Palavras do Mestre Samael sobre o Quinto Evangelho: “Escrevo o Quinto Evangelho, ensino a ReligiãoSíntese, a qual foi a Primitiva da Humanidade, a Doutrina de Jano ou a dos Jinas. Esta é a ReligiãoSabedoria dos antigos Colégios Sacerdotais, Jinas solitários da Ásia Central, Iohanes, Ascetas Egípcios, Antigos Pitagóricos, Rosa-cruzes Medievais, Templários, Primitivos Maçons e outras Fraternidades Esotéricas mais ou menos conhecidas. Esta é a Doutrina Secreta dos Cavaleiros do Santo Graal, esta é a ‘Pedra Viva’ de Jacob, o Lápiz Electrix, explicado dialeticamente. Sem o Quinto Evangelho, os outros quatro ficariam velados; escrevo para rasgar o Véu de Isis. É urgente desvendar para ensinar... Com o Quinto Evangelho resplandece a Luz nas trevas.” 6 | Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017

[close]

p. 7

A Revolução da Consciência Por: V.M Samael Aun Weor Selecionado por Ricardo Amancio A Revolução da Consciência é o Quinto Evangelho. Nós precisamos urgentemente de uma mudança radical, total e definitiva, que só é possível mediante a Revolução da Consciência dentro de nós mesmos. O pobre animal intelectual erroneamente chamado “homem” pode desenvolver todas as suas ocultas possibilidades se assim o quiser, porém o desenvolvimento de todas essas possibilidades, realmente não é uma Lei. A Lei para o homemmáquina é nascer, crescer, reproduzir-se e morrer dentro do círculo vicioso das leis mecânicas da natureza. Semelhante revolução íntima, somente pode ocorrer dentro do indivíduo e está de fato contra os interesses da natureza. O desenvolvimento de todas as possibilidades ocultas no “animal-intelectual” não é necessário senão unicamente para ele próprio. Nem a natureza, nem a ninguém, interessa o desenvolvimento de tais possibilidades individuais. A revolução do homem é a revolução da sua vontade, jamais poderia ser uma revolução involuntária de tipo mecânico. A Auto-Realização Íntima é o resultado de supremos auto-esforços voluntários e perfeitamente auto-conscientes. As forças tenebrosas, que de modo resoluto se opõem à realização Íntima das grandes massas humanas, também se opõem resolutamente e até de forma violenta, à Realização Íntima do Indivíduo Revolucionário. Todo homem revolucionário tem que ser suficientemente perspicaz para ludibriar as forças tenebrosas; mas as massas humanas, infelizmente, não o podem fazer. Somente o Indivíduo revolucionário pode ter suficiente engenho e ser mais rápido que as forças tenebrosas. Só o homem verdadeiramente revolucionário pode entrar no reino da Magia Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017 | 7

[close]

p. 8

Branca, o Reino do Esoterismo, o Magis Regnum, o Regnum Dei. Jesus afirmou: “O reino dos Céus toma-se por assalto e os valentes o têm tomado.” Não é estranho que alguém entre no reino mineral (mundo inferior-inferno). Isso é o normal e o reino mineral necessita disso para seu alimento psíquico. O que é raro é que alguém entre no Reino da Alta Magia, porque está dito: - “No Reino só entram os Revolucionários da Consciência, Ardentes, como o fogo”. Os Três Fatores básicos da Revolução da Consciência: Nascer, Morrer e Sacrifício pela Humanidade. Primeiro Fator – Nascer: Certamente o Ser Humano ainda não é um Ser completo. Todas as criaturas nascem completas, exceto o ser humano. Um cachorro nasce sendo um cachorro e como tal está completo; uma águia nasce completa com suas enormes asas e capacidade de visão muito apurada que lhe permite caçar as menores serpentes a longas distâncias. Quanto ao pobre “animal intelectual”, equivocadamente chamado de “Homem”, nasce incompleto. Nasce sem os corpos que deveria ter, nasce sem o corpo astral, o corpo mental e o corpo causal. Então, nasce com que corpos? Nasce com um corpo físico, um corpo planetário, com seu assento vital e nada mais. E o que tem, além disso? Tem ego que é de natureza animal. O pobre animal intelectual possui uma Consciência? Sim, não obstante, está aprisionada no ego, evidentemente. Uma Consciência adormecida, ou seja, condicionada por seu próprio engarrafamento ou aprisionamento. Resumindo, diremos concretamente que o Ser humano nasce incompleto. O gérmen que penetra em uma matriz para se desenvolver convenientemente, pelo fato de ter nascido, de modo algum significa que tenha concluído seu desenvolvimento. O gérmen desenvolvido no ventre materno nasceu e veio ao mundo, porém, permanece incompleto em todos os sentidos. Primeiro, porque não possui os corpos existências superiores do Ser. Segundo, porque o corpo físico se desenvolve completamente, em etapas, com o passar dos anos, do zero aos sete anos, daí aos catorze e depois até chegar aos vinte e um anos. Graças à energia criadora, o corpo físico pode ser gerado no ventre materno; graças à energia criadora o corpo físico continua seu desenvolvimento até os sete, daí aos catorze e até os vinte e um anos de idade. De forma que o até o próprio corpo físico, pelo fato de não estar completo, necessita desenvolver-se. ...No primeiro nascimento nasce o homem comum, o animal intelectual... No segundo nascimento , nasce o Homem, o filho do Homem, o Verdadeiro Homem. Por que se diz Verdadeiro Homem? É o Homem Causal? Sim, simplesmente porque fabricou o corpo causal, que é o ultimo dos corpos necessários para torna-se Homem. Então, seu centro de gravidade fica estabelecido no mundo causal, onde passa a viver. O mundo causal tem como cor fundamental o azul intenso, profundo, elétrico. É no éter, no akasha (o akasha puro) onde tudo flui e reflui, vai e vem, sobe e desce, aumenta e 8 | Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017

[close]

p. 9

diminui. De maneira que o Nascimento-Segundo é o nascimento do Homem causal, como Homem verdadeiro. E este é o primeiro Fator da Revolução da Consciência: Nascer (Conexão do lingam-yoni, sem derramar, jamais o Vaso de Hermes Trismegisto, o Três Vezes Grande Deus Íbis de Thot.) É conveniente que saibam que a energia sexual, da qual se fala tanto em estudos de Filosofia, Psicologia e Psicanálise é o mesmíssimo mercúrio dos alquimistas medievais. Essa energia criadora transmutada é o mesmo “mercúrio dos sábios”. Manifestadamente, o mercúrio vem a se condensar ou a se cristalizar através das notas dó-ré-mi-fá-sollá-si, numa oitava superior, na forma maravilhosa e esplendorosa do “corpo astral”, e noutra oitava o corpo mental e noutra oitava o corpo causal. Segundo Fator - Morrer: É urgente a morte mística, a morte do “Eu”, “do mim mesmo”, “do si mesmo”. Já explicamos em lições anteriores que o “Eu” é uma legião de diabos. É urgente desintegrar esse “Eu”, reduzi-lo a pó, com o único propósito de que, em nosso interior, só exista o SER. “Se a semente não morre, a planta não nasce”. É necessário “morrer” isto é, matar o “Ego animal” que deve ser totalmente eliminado da nossa psique, se é que queremos desfrutar da autentica iluminação. É claro que para desintegrar o “Eu” é necessária uma Ética Revolucionária baseada na Psicologia. Nós temos ensinado essa Ética; nós temos ensinado essa Psicologia. A dissolução do “Eu” é Revolução radical, total e definitiva. A iluminação não é possível se não desintegrarmos o ego. Normalmente a consciência, ou melhor dizendo, anormalmente, porque não se pode chamar esse estado de normalidade, a Consciência está engarrafada no “mim mesmo”, dentro do eu da Psicologia Experimental. É claro que enquanto a consciência continue aprisionada no ego e enfrascada no mim mesmo, estará adormecida e circunscrita no seu próprio condicionamento, de forma subjetiva, incoerente, imprecisa. Quando se tem a mente e a consciência objetivadas, tudo que se manifesta é com absoluta claridade do Espírito: a pessoa se movimenta no mundo da matemática e da perfeição. Todavia, isso não seria possível se antes a pessoa não tivesse passado pela aniquilação budista (morte dos egos). Poderíamos sintetizar para vocês toda a didática para a aniquilação budista, em pouquíssimas palavras: precisamos viver em alerta e vigilantes como sentinelas em época de guerra. É no terreno da vida prática, nos relacionamentos com nossos amigos, em casa, na rua, no trabalho, que os Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017 | 9

[close]

p. 10

defeitos que levamos escondidos aparecem de forma espontânea. Quando estamos em alerta, é claro que descobrimos e vemos os nossos defeitos. Defeito descoberto deve ser compreendido imediatamente e logo submetido à análise. Mediante a auto-reflexão evidente do Ser, poderemos conhecer diretamente qualquer defeito. Uma vez que tenhamos compreendido tal ou qual defeito psicológico, sem dúvida, podemos nos dar ao luxo de desintegra-lo. Se conseguirem passar pela aniquilação budista, se conseguirem “morrer” radicalmente, despertarão totalmente, aqui e agora, e terão consciência da vida nos mundos superiores. Repito temos que morrer para despertar aqui e agora! Quando despertarmos, verdadeiramente, o problema do desdobramento astral deixa de existir, porque estaremos conscientes tanto no mundo físico como nos mundos superiores. Levai à prática os ensinamentos da Revolução da Consciência. Começai a vossa Revolução Integral a partir deste momento. Dedicai tempo ao “mim próprio”, porque assim, vivos como estais, com esse tremendo “eu” dentro de vós, sois um fracasso. Quero que resolvas morrer de forma radical, em todos os níveis da mente. A todos aqueles que se queixam de não conseguir a Iluminação, aconselho paciência e serenidade. A Iluminação vem a nós quando dissolvemos o “eu” plurarizado, quando morremos de verdade, nos quarenta e nove níveis do subconsciente. Abandonai a auto-justificação e auto-consideração. Transformai-vos em inimigos de vós mesmos, se de verdade quereis morrer radicalmente. Só assim alcançareis à Iluminação. Terceiro Fator - O Sacrifício pela Humanidade: O Terceiro fator básico da Revolução da Consciência consiste em sacrificar-se pela humanidade, em mostrar o “caminho” a outros. Isso é “Caridade” bem compreendida isso é Amor. É necessário amar nossos semelhantes, mas um amor que possa ser demostrado com fatos claros, concretos e definitivos. Não basta dizer que amamos nossos semelhantes, temos que demonstrá -lo com fatos. Precisamos nos dispor a subir na ara do supremo sacrifício pela humanidade; temos que levantar a “tocha da sabedoria” para iluminar o 10 | Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017

[close]

p. 11

caminho dos outros, devemos nos mobilizar a ponto de dar até a última gota de sangue por nossos semelhantes, com amor verdadeiro, desinteressado e puro. O egoísmo pode se apresentar por meios extremamente sutis que devemos eliminar. Enquanto tivermos egoísmo dentro de nós, a iluminação não será possível. O egoísmo é formado por múltiplos Eus, dentro dos quais a Consciência está aprisionada. É verdade que temos que desintegrar essa multidão de Eus do egoísmo, se não o fizermos a consciência vai continuar enfrascada, diminuída, limitada, condicionada e qualquer possibilidade de iluminação será nula. Devemos compreender que a humanidade é uma grande família. Infelizmente estamos presos a muitos afetos e consideramos como familiares unicamente poucas pessoas que nos rodeiam, o que caracteriza o egoísmo. Ocorre que todos os seres humanos, sem exceção de raça, credo, casta e cor formam uma só família, que se chama humanidade. Por outro lado devemos levar o conhecimento gnóstico para todos os nossos irmãos, mostra-lhes a Senda para que, algum dia, eles também possam trilhar o caminho e chegar à liberação final. Se nós quisermos ser felizes, devemos lutar pela felicidade dos outros. “Quanto mais se dá mais se recebe, porém, aquele que nada dá, até o pouco que tem lhe será tirado”. Como poderíamos alcançar a autêntica felicidade nirvânica e paranivânica, aqui e agora, se não trabalharmos pela felicidade dos outros? A autêntica felicidade do Ser não pode ser egoísta; alcança-se, unicamente, através do sacrifício por nossos semelhantes. Por exemplo, aqueles que atingiram estados elevados de ser, os que ingressaram nos “mundos paranirvânicos, mahaparanirvânicos, monádico ou ádico”, aqueles que, afinal, tenham conseguido fusionar-se com o “Eterno-Pai-Cósmico-Comum”, de alguma forma se sacrificaram por seus semelhantes, neste mundo, ganhando méritos suficientes para chegar a essa felicidade que não tem princípio nem fim. Existem alguns irmãozinhos das escolas pesudoestéricas e pseudo-ocultistas, que preferem começar o Trabalho, Sacrificando-se pela Humanidade, fazendo alguma coisa pelos seus semelhantes, mas cometem o erro de esquecer a dissolução do “Eu” e a “Maithuna” (transmutação da energia criadora/ sexual). O Abismo está cheio de sinceros equivocados e de pessoas cheias de muito boas intenções. Conclusão: Muito temos explicado e muito temos dito em nossas mensagens sobre os Três Fatores básicos da Revolução da Consciência, contudo as pessoas estão muito débeis. E nosso Senhor Jesus Cristo disse: “Sede frios ou quentes, mas nunca mornos, porque aos mornos vomitá-los-ei de minha boca”. Os pseudo-esoteristas e pseudo-ocultitas reagem ante os “Três Fatores” do nosso “Quinto Evangelho”, cada um de acordo com a sua idade, condicionamento mental, preconceitos, paixões, debilidades, etc. Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017 | 11

[close]

p. 12

As pessoas cheias de potencia sexual preferem começar o “Trabalho” com o “Maithuna” (transmutação da energia criadora), mas facilmente esquecem a Morte do “Eu” e o Sacrifício pela Humanidade. Os pobres velhos decrépitos, anciãos e anciãos, assim como os enfermos e impotentes, preferem começar o Trabalho com a dissolução do “Eu”, mas cometem o erro de confundir a nossa ética Revolucionária com essa falsa moral, morna, subjetiva, insípida, incoerente, absurda, tão cacarejada por todos os irmãozinhos das diversas escolas pseudo-esoteristas e pseudo-ocultistas. Existem também muitíssimos casos de pessoas sexualmente potentes e cheias de vida, que preferem começar o Trabalho (*) com a dissolução do “Eu”. Porém, não são revolucionárias e querem dissolver o “Eu” com essa falsa moral de mentecaptos, com essa falsa moral antiquada anteriormente citada e que abunda, como já o dissemos, entre os irmãozinhos de todas as escolas pseudo-esoteristas e pseudo-ocultistas É correto que um ancião impotente deixe o Maithuna para sua próxima vida e que inicie o Trabalho dissolvendo o “Eu”, porém, não é correto querer dissolver o “Eu” com base na Beatice. É correto que as pessoas cheias de potencia sexual comecem agora mesmo a Trabalhar com o Maithuna para fabricarem os seus Corpos Solares, contudo, não é correto que tais pessoas não se preocupem com a dissolução do “Eu” nem com o “Sacrifício pela Humanidade”. É correto que nos Sacrifiquemos pela Humanidade, mas não é correto esquecer a dissolução do “Eu” e a fabricação dos Corpos Existenciais Superiores do Ser (Corpos Solares) A Doutrina de todos os Avatares tem suas raízes nos três fatores básicos da revolução da consciência: nascer, morrer e sacrifício pela humanidade. Jesus sintetizou magistralmente a doutrina da revolução da consciência, dizendo: “É necessário que todo Filho do Homem padeça muitas coisas e que seja desprezado pelos anciões e pelos príncipes, pelos sacerdotes e pelos escribas, e que seja entregue à morte e que ressuscite ao terceiro dia”...Acrescentou mais: “Em verdade que alguns não provarão a morte até que vejam, por si próprios, o Reino de Deus”. A Auto-realização Íntima só é possível trabalhando com os Três Fatores Básicos da Revolução da Consciência. Trabalhai os três fatores da Revolução da Consciência de forma ordenada e perfeita. (*) Refere-se à: Trabalho sobre si mesmo, Trabalho na Revolução da Consciência, Trabalho na Grande Obra do Pai, Trabalho na Dissolução dos Egos, Trabalho na Maithuna, etc. Bibliografia: Livros do V.M. Samael Aun Weor Filosofia Gnóstica Revolucionaria para Nova Era, Cap. VI e VII; Fundamentos da Gnose, Cap. VII e VIII; Corpos Solares, Cap. 16; Revolução da Dialética, Cap. IX. 12 | Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017

[close]

p. 13

A prática da não-violência Por: Ana Neres Estudante do IGA Lisboa A Trindade da religião hindu consiste em Brahma – O Criador ou Keter da Cabala Hebraica; Vishnu – O Conservador ou Chokmah O Cristo Cósmico e Shiva – O Destruidor ou Binah, O Espírito Santo. Em tempos de trevas Vishnu toma a forma humana para recompor a ordem e faz nascer as grandes matrizes religiosas. Segundo o Mahabharata, Vishnu veio ao mundo como Krisna, no alvorecer da civilização indiana, assim como veio ao mundo Yeshua Ben Pandira, o Jesus Cristo. Em diversos textos sagrados do hinduísmo [Rigveda, o Hatha Yoga Pradipika de Gorakshanatha e o Yoga Sutra] encontramos referência aos 10 Yamas (cuja tradução literal do sânscrito é “restrição”) que são às regras ou códigos de conduta para se viver em um estado de consciência virtuoso, são as diretrizes éticas e sociais para os iogues. A abstinência de agressão, o não causar dor a qualquer criatura por pensamento, palavras ou ações, 10 Yamas por Śāṇḍilya Upanishad: Ahiṃsā (अह सिं ा): Não-violência Satya (सत्य): Veracidade Asteya (अस्तेय): Não roubar Brahmacharya (ब्रह्मचय)य : Castidade, fidelidade matrimonial e restrição sexual Kṣamā (क्षमा): Perdão Dhṛti (धतृ त): Força de espírito Dayā (दया): Compaixão Ārjava (आर्वय ): Não hipocrisia, sinceridade Mitāhāra (ममता ार): dieta medida Śauca (शौच): Pureza, limpeza Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017 | 13

[close]

p. 14

em qualquer momento é o A-himsa, o primeiro e o principal Yama, sendo os outros nove condutas que nos permitem atingir a realização do A-himsa, da não-violência. O A-himsa pode ser praticado em todos os aspetos da nossa vida cotidiana, de um ponto de vista pessoal no trato com o nosso corpo físico, etérico, astral ou emocional e mental, ou no ponto de vista coletivo, na nossa relação com o outro. A não-violência é compaixão, é amor verdadeiro e consciente. E podemos conseguir isto a cada dia, através do correto agir, pensar e falar, vamos aprendendo a amar profundamente de momento em momento. Contudo, esta vivência é impossível sem uma transformação interior profunda, sem uma minuciosa análise do mim mesmo, sem a morte dos nossos defeitos psicológicos. lência. A-Himsa é o contrário do egoísmo. A-Himsa é altruísmo e amor absoluto. A-Himsa é a reta ação. Mahatma Ghandi fez do A-Himsa o báculo da sua doutrina política. Ghandi definiu a manifestação do A-Himsa, assim: “A não-violência não consiste em renunciar a toda luta real contra o mal. A nãoviolência, tal como a concebo, empreende uma campanha mais ativa contra o mal do que a Lei de Talião, cuja natureza em si mesmo dá por resultado o desenvolvimento da perversidade. Eu levanto frente ao imoral uma oposição mental e, por conseguinte, moral. Trato de amolecer a espada do tirano, não cruzando-a com uma Lâmina mais afiada, mas defraudando a sua esperança ao não oferecer resistência física alguma. Ele encontrará em mim uma resistência de alma que escapará ao seu assalto. Esta resistência primeiramente o cegará e em seguida lhe obrigará a dobrar-se e, o fato de dobrar-se não humilhará o agressor, senão que o dignificará”… Não existe arma mais poderosa do que uma mente bem fundamentada! A Revolução da Dialética Trago-vos algumas frases do precioso livro, A Revolução da Dialética, do Mestre Samael sobre o Ahimsa (a não violência), sobre como aplicar esta filosofia em nossa vida. A-Himsa é o pensamento puro da Índia, da nãoviolência. O A-Himsa está realmente inspirado pelo amor universal. Himsa significa querer matar, querer prejudicar. A-Himsa é, pois, a renúncia a toda intenção de morte ou de dano ocasionado pela vio- É o ego que desune, atraiçoa e provoca a anarquia, entre a pobre humanidade doente. O Egoísmo, a traição e a falta de fraternidade dividiu a humanidade. O ego não foi criado por Deus, nem pelo Espírito, nem pela Matéria. O ego foi criado pela nossa própria mente e deixará de existir quando o tivermos compreendido totalmente, em todos os níveis da mente. Somente através da reta ação, reta meditação, reta vontade, meios retos de vida, reto esforço e memória reta, podemos dissolver o ego. É urgente compreender a fundo tudo isto, se realmente queremos a Revolução da Dialética. Não se deve confundir a personalidade com o ego. 14 | Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017

[close]

p. 15

Na realidade a personalidade se forma durante os sete primeiros anos da infância e o ego é o erro que se perpetua de século em século, fortificando-se cada vez mais com a mecânica da recorrência. a senda do Matrimônio Perfeito. Somente com a não-violência em pensamento, palavra e obra, poderá reinar a felicidade nos lares. O ego utiliza a personalidade como instrumento de ação. O personalismo resulta desta mescla de ego e personalidade. O culto à personalidade foi inventado pelo ego. Realmente, o personalismo engendra egoísmo, ódios, violência, etc. Tudo isto é rejeitado pelo A-Himsa. É urgente saber viver. Quando o ego se dissolve vem até nós a Grande Realidade, a Felicidade Verdadeira, “Aquilo” que não tem nome. O A-Himsa é a não-violência em pensamento, palavra e obra. O A-Himsa é respeito às ideias alheias, respeito a todas as religiões, escolas, seitas, organizações, etc. Não esperemos que o ego evolua, porque o ego não se aperfeiçoa jamais. Necessitamos uma total Revolução da Consciência. Este é o único tipo de revolução que nós aceitamos. É na Revolução da Dialética, na Revolução da Consciência, que se fundamenta a doutrina do AHimsa. Conforme morremos de instante em instante, a concordância entre os homens vai se estabelecendo lentamente. Conforme morremos de instante em instante, o sentido da cooperação vai substituindo totalmente o sentido da competição. Conforme morremos de momento em momento, a boa vontade vai substituindo pouco a pouco, a má vontade. Os homens de boa vontade aceitam o A-Himsa; resulta impossível iniciar uma nova ordem de nossa psique excluindo a doutrina da não-violência. O A-Himsa deve cultivar-se nos lares, seguindo-se Conclusão Devemos estar atentos aos alimentos que ingerimos pelos nossos sentidos, aos alimentos que damos ao nosso corpo físico, que damos às nossas emoções e à nossa mente (através de filmes, músicas, revistas, entre outros). Todas estas impressões ou alimentos produzirão impacto na nossa vida, na nossa saúde e psique. Pensamentos ou emoções negativas ativam respostas de stress no nosso sistema nervoso simpático, responsáveis pelos “instintos de luta ou fuga”, mesmo na ausência de ameaça reais externas. Esta resposta induz a secreção do hormônio cortisol, que entre outras ações, reduz a resposta do sistema imunológico deixando-nos mais propensos a diversas doenças. Como diz o nosso Venerável Mestre “emoções negativas são mais contagiosas do que os vírus e as bactérias”. Raios de Luz—Número 2—Outubro 2017 | 15

[close]

Comments

no comments yet