Jornal do Sinpol 246

 

Embed or link this publication

Description

Jornal do Sinpol 246

Popular Pages


p. 1

Agosto de 2017 O jornal mais lido e aguardado entre os policiais civis - Ano XXIII - Agosto de 2.017 - nº 246 POLÍCIA CIVIL: FATALMENTE FERIDA Com falta de investimento mínimo do governo do Estado, Polícia Civil vive seu pior momento histórico. Policiais civis estão sem reajuste há mais de três anos. Recursos humanos são escassos, não há nomeações sequer para suprir policiais civis que se aposentam, se afastam ou se desligam da Instituição. Delegado Geral Adjunto pede plano de contingência, que pode representar fechamento de mais delegacias e até economia com combustível para viaturas. Juízes, promotores e políticos passam a cobrar ações efetivas por parte do governo. Tudo vem sendo alertado há mais de 10 anos pelo Sinpol, que segue na luta para que isso não represente o fim da Polícia Civil em São Paulo. Página 08. DIG RIBEIRÃO PRENDE ARMEIRO Foto: DIG Ribeirão Preto E MAIS 4 SSP descarta reajuste de salários; 4 Polícia Civil de Pirassununga prende especialista em adulterar veículos que atendia em domicílio; 4 Equipe do 3º DP de Franca desmonta quadrilha que falsificava cosméticos capilares; 4 Casal é preso por porte de entorpecentes em Ribeirão; 4 DIG São Carlos esclarece duplo homicídio; 4 Região também sofre com falta de recursos humanos na Instituição; 4 Jurídico obtém importantes resultados. Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS Homem foi flagrado com centenas de armas e munições pela equipe da especializada. Suspeita é que ele também alugasse armas para prática de grandes ações criminosas registradas nos últimos anos na região, inclusive roubo a carros-fortes. O homem disse que trabalhava como armeiro, consertando e dando manutenção em armas. Veja na página 03. SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br

[close]

p. 2

02 FRANCA Agosto de 2017 3º DP GANHA DESTAQUE POR AÇÕES Operação Reparação Absoluta - em conjunto com GAECO - e prisão de traficante foram noticiadas em todo o Estado, mostrando a atuação dos policiais civis na região O 3º DP (Distrito Policial) da cidade de Franca esteve em evidência na mídia estadual por conta de duas importantes ações. Aprimeira delas foi a realização da Operação Reparação Absoluta, em conjunto com o GAECO (Núcleo Franca), com apoio de policiais civis da Seccional e sub-região, para o cumprimento de 20 mandados de prisões temporárias, buscas e apreensões de um total de 60 nas três fases da ação, além de cinco conduções coercitivas. A equipe, comandada pelo dr. Leopoldo Gomes Novais, atuou com o objetivo de desmantelar uma organização criminosa que reunia pelo menos 25 pessoas e que falsificavam cosméticos capilares de três marcas de circulação nacional. Em nota enviada pelo dr. Leopoldo, o grupo utilizava, na formulação de seus produtos, substâncias nocivas à saúde. “E em concentração vedada pela Anvisa, como no caso da concentração de 6% em formol”, explicou o delegado. Os policiais civis estimam que o grupo tenha faturado mais de R$ 6 milhões durante os quatro anos em que vinham atuando clandestinamente. Segundo o dr. Leopoldo, somente em vendas pela internet, entre julho de 2015 até junho de 2017, o grupo teria feito vendas totalizando R$ 1,4 milhão, distribuindo seu produto em todos os estados brasileiros. A operação foi simultaneamente deflagrada no dia 05 de julho, nas cidades de Franca, Sertãozinho, Leme, Bariri e São Paulo, contando com a participação de policiais civis e promotores de Justiça de todas estas localidades, além do setor especializado do Denarc (Departamento de Narcotráfico) da Ca- pital. Foram presas 18 pessoas, uma das quais por flagrante de crime inafiançável, além de cinco conduções coercitivas. Foram cumpridos 60 mandados nas cidades onde a ação foi deflagrada. Segundo o dr. Leopoldo, foram apreendidas mercadorias que renderiam cerca de R$ 500 mil e estariam estocadas em um depósito utilizado pelo grupo criminoso. As investigações prosseguem para tentar identificar possíveis desmembramentos dos criminosos. Traficante Os policiais civis do 3º DP também realizavam trabalho investigativo desde 2013, sobre um grupo que traficava drogas na periferia de Franca, mais precisamente na região de atuação da delegacia. Segundo o dr. Leopoldo, a cidade era abastecido por um traficante de Franca que residia em Ribeirão Preto. “Mediante interceptações telefônicas, autorizadas judicialmente, comprovou-se o vínculo associativo deste traficante de Ribeirão com outro sediado em Franca, sendo que nas interlocuções os acusados utilizavam-se de palavras codificadas para se referirem às substâncias ilegais, mais especificamente grande quantidade de cocaína”, explicou o dr. Leopoldo. Durante as investigações, a equipe do 3º DP constatou que havia um policial militar participando do tráfico. Além de apoiar a dupla, ele repassava informações sigilosas obtidas através de seu trabalho, garantindo que os traficantes não fossem descobertos. O delegado determinou a instauração do inqué- rito policial para apuração dos crimes relacionados ao tráfico de drogas e violação de sigilo funcional, seguindo procedimento para análise e denúncia do MP (Ministério Público), através do GAECO, Núcleo Franca. O MP, segundo o dr. Leopoldo, teria determinado a quebra do sigilo bancário dos envolvidos e descobriu-se movimentações financeiras suspeitas, incompatíveis com a renda dos envolvidos. No dia 07 de julho, o Judiciário determinou a prisão preventiva dos três envolvidos. Os mandados foram cumpridos nas primeiras horas do dia 08 de julho e resultaram na prisão do policial militar de Franca e do chefe do grupo que morava em Ribei- Acima, dr. Lepoldo, titular do 3º DP de Franca; ao lado, parte dos cosméticos apreendidos durante operação rão Preto. Como havia um policial militar envolvido, foi a própria PM que realizou as prisões. O policial foi levado para o Presídio Romão Gomes, na Capital e o outro envolvido para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de Ribeirão Preto. O terceiro envolvido estava sendo procurado até o fechamento desta edição. “Prudente declinar que as investigações visavam o combate ao tráfico de drogas e o policial não era objeto de investigação até o momento em que passou a manter contatos espúrios com um dos envolvidos”, concluiu dr. Leopoldo. Os nomes dos envolvidos foram mantidos sob sigilo para não prejudicarem novas investigações. Fotos: Polícia Civil Franca

[close]

p. 3

Agosto de 2017 AÇÃO 03 DIG REALIZA MAIOR APREENSÃO DE ARMAS DA HISTÓRIA DE RIBEIRÃO PRETO Suspeita é que homem atuava como armeiro, realizando consertos, manutenção e até mesmo armazenando armas que podem ter sido utilizadas em atos criminosos recentes No dia 6 de julho, uma operação da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto modificou o curso do tráfico de armamentos. A equipe localizou e apreendeu mais de 100 armas e deteve o suspeito: um homem de 65 anos. Em depoimento, o mesmo confessou que vinha dedicando grande parte da sua vida à atividade de armeiro ilegal, que exercia desde pequeno. O ponto em que se encontravam as armas é na Vila Virgínia. Segundo o acusado, o local é tradicional e funcionava há anos em sua residência. O idoso descreve sua atividade como “um negócio de família”. Contudo, dr. Ricardo Turra, que liderou a equipe da DIG neste caso, explica que para se regularizar como armeiro seria necessário obter autorizações com a Polícia Federal e com o Exército, as quais o suspeito não possui. Possui apenas licença de colecionador, atirador desportivo e para fazer recarga de munição. Trata-se, portanto, de um homem suspeito de dedicar a maior parte de sua vida à atividade criminosa. A ilegalidade desse negócio de família se estendia a diversos outros aspectos. Além da irregularidade profissional do suspeito, apenas uma arma apresentava documentação, segundo o idoso, dentre um extenso arsenal, composto inclusive por armamentos de uso restrito. Assim mesmo, esse documento não foi apresentado. As atividades criminosas em torno das armas de fogo também apresentavam variedade. Foram encontrados prensas de recarga, projéteis, espoletas e pólvora para calibres 12, 762 e 556, indicando que a munição era montada dentro da própria casa. O mesmo também era capaz de realizar modificações e aprimoramentos no produto vendido ou revisado. Dr. Turra explica que um dos fuzis encontrado, calibre 308, está com um cano utilizado para competições, que permite alcançar maiores distâncias e com maior precisão. Além dos aprimoramentos que permitiam uma otimização do produto de contrabando, o homem também realizava modificações na numeração das armas, possuindo equipamentos adequados para essa atividade. O suspeito rasurava a numeração original e confeccionava uma nova. Por essa razão, foi possível associar sua atividade ao comércio ilegal de armas para criminosos. Considerando a extensão do arsenal e esses equipamentos de modificação, dr. Turra acredita na possibilidade de que o homem, inclusive, emprestasse armas para pessoas interessadas em cometer crimes. Outro indício de seu envolvimento com essas pessoas é a constatação de que alguns criminosos vinham levando suas armas ao suspeito para que fizesse a manutenção. Os mesmos também negociavam com o homem, que adquiria armas furtadas ou roubadas. Essa atividade era favorecida pela possibilidade de utilização de seus equipamentos para forjar uma nova numeração, facilitando sua venda ou utilização por outros criminosos e evitando suspeitas. O arsenal do armeiro é marcado pela variedade, tão extenso e peculiar que se assemelha ao acervo de um museu. Ao todo, 40 revólveres e pistolas, 67 espingardas, fuzis e metralhadoras. Algumas das peças mais perigosas, como um morteiro, usado em tanques de guerra pelas mas devido às variadas atividades ilícitas a que foi Forças Armadas para lançar granadas e munições associado, o mesmo foi preso. As investigações de calibre 30 milímetros, são capazes de derrubar que levaram ao armeiro e seu arsenal vinham aviões e perfurar veículos blindados. Dentre as ocorrendo a cerca de três meses. O próximo passo peças mais peculiares, havia armas utilizadas em dos policiais é analisar individualmente as peças guerras. Devido à diversidade e ao potencial apreendidas para desvendar sua ligação com destrutivo do material encontrado, os policiais civis crimes de grande repercussão. Após essa acreditam que esse suspeito provavelmente seja operação bastante produtiva, dr. Turra pontua que o responsável pelo fornecimento de armas de essa recente atuação da equipe da DIG “vai crimes famosos na região, como os recentes dificultar a saída de armas ilícitas”, impactando a assaltos a empresas de transporte de valores. criminalidade na região. O suspeito não possuía antecedentes criminais, Por: Mariana Luque Fotos: DIG Ribeirão Preto Policiais civis da especializada encontraram arsenal na residência do acusado

[close]

p. 4

04 EDITORIAL QUEREMOS RESPOSTAS Agosto de 2017 O governador Geraldo Alckmin e sua equi- ação pública cobrando mais recursos humanos Temos centenas de policiais civis aprovados para reposição e ampliação de seus quadros, o pe perceberam que não dá mais para empurrar do governo. em concurso de 2013 que ainda não foram cha- que demonstra pretensa preocupação do Esta- com a barriga a situação em que se encontra a Também nos reunimos com o deputado es- mados. Não é possível conceber que isso esteja do para com a Segurança Pública. Preocupa- Polícia Civil do Estado de São Paulo. O tempo tadual Rafael Silva nos primeiros anos deste sé- ocorrendo. Segurança é direito do cidadão e ção pretensa porque o mesmo não se verifica está fechando para o governador, para o se- culo, passando-lhe nossa aflição, pedindo apoio dever do Estado. Por mais que o governo diga em relação à Polícia Civil, cada vez mais cretário da Segurança Pública e para o Delega- para contratação de recursos humanos e na que não, existe verba específica no orçamento. sucateada com a diminuição acentuada de seu do Geral de Polícia. questão dos reajustes salariais. Ele também en- Ou, de que outra forma o governo faria a efetivo ao longo de mais de duas décadas. Tivemos uma reunião totalmente improduti- trou na briga, apenas recentemente. entrega de quase uma centena de viaturas e Isso sem enveredar nas carências de or- va durante o mês de julho em São Paulo, onde Nunca é tarde para ganharmos reforço, é autorizaria a abertura para contratação de mais dem material, evidenciadas no e-mail do dele- ouvimos o que poderia ser dito através de nota, bom que se diga. E toda ação é bem vinda. de 2,5 mil policiais militares para nossa coirmã? gado geral adjunto aos delegados diretores de evitando deslocamentos e gastos desnecessári- Principalmente quando o governo não conse- Não dá para deixar de fazer o mínimo necessá- departamento, solicitando-lhes propostas para os até São Paulo, uma vez que não há diálogo gue mais esconder a realidade. Vazou uma ins- rio para que a Polícia Civil continue funcionan- o contingenciamento de despesas. aberto. Tudo é sempre monólogo. O Delegado trução aos diretores de departamento da Polícia do, sobretudo em detrimento do outro. A falta de pessoal na Polícia Civil é tamanha Geral e o SSP até ouvem, mas NUNCA trazem Civil para economizar, inclusive na gasolina, fe- É como um texto que circulou via whatsapp, que unidades estão fechando e outras funcio- uma resposta convincente por parte do gover- chando distritos, juntando tudo num só lugar, atribuído a Eduardo Velozo Fuccia, que diz o nando de teimosas. Delegacias e distritos aber- nador. exatamente como fizeram em Ribeirão Preto, com seguinte: tos sem contingente mínimo para realizar um O secretário disse apenas que garantem o essa famigerada Reengenharia, que junta nada “O homem tem duas filhas: uma em colégio trabalho à altura das necessidades da popula- pagamento de nossos salários, como se grande com coisa nenhuma. particular, a outra na escola pública. O nome do ção... favor fosse e não obrigação. O governo precisa O governo vem sendo bombardeado. Um pai é Governo do Estado. A primeira filha cha- ...Começamos com uma comparação e ter- deixar de se achar nosso patrão. Nosso verda- juiz corregedor de Campinas confirmou o esta- ma-se Polícia Militar. A outra, Polícia Civil. minamos com outra. A Polícia Civil de São Pau- deiro patrão é o povo, que está sofrendo assim do lastimável em que se encontra a Polícia Civil, A comparação pode parecer exagerada, lo é um doente na Unidade de Terapia Intensiva como os policiais civis com essa situação inacei- recomendando a contratação imediata de mais mas na unidade mais rica da federação, a dis- e respira por aparelhos. Mas a vontade política tável. pessoal. Ações surgem em todo o Estado co- crepância de tratamento dispensado pelo Exe- do médico ainda é capaz de salvá-la. Só é ne- O Sinpol há muito vem denunciando esse brando a contratação de mais policiais civis, in- cutivo estadual às Polícias Civil e Militar é fla- cessário querer e agir antes que ela acabe.” tipo de situação. Levamos ao promotor Sebasti- clusive contestando a revogação da portaria que grante. EUMAURI LÚCIO DA MATA ão Sérgio da Silveira nossos problemas lá em estabelecia números mínimos de recursos hu- Em comparação com a Civil, a PM ainda Presidente do Sinpol (Sindicato dos 2012. Recentemente ele ingressou com uma manos em cada tipo de unidade policial civil. recebe alguns recursos materiais e humanos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) Notas Plano de Saúde 1 Atenção associados. Verifiquem a data de validade no cartão magnético do convênio São Francisco Saúde, especialmente dos dependentes que cursam faculdade. Para que não ocorra carência, a declaração escolar deverá ser enviada, impreterivelmente, 20 dias antes da data limite de validade. Na dúvida, confira o verso da carteira do plano de saúde, onde consta a data do término da validade. Não deixe para a última hora. Maiores informações na Central deAtendimento Sinpol, telefones (16) 3625-3890 / 3612-9008 / 3979-2627. Cantina para o Associado A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. Acerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (16) 99398-8820 com Cristina. Atualização de dados Sinpol Para atualização de dados e de situação profissional, principalmente dos recém-aposentados, o Sinpol está promovendo um recadastramento de todos os associados. Participe da atualização e garanta o recebimento de toda correspondência que enviamos, procurando a Secretaria do Sinpol, ou enviando e-mail para secretaria@sinpolrp.com.br. Plano de Saúde 2 Devido a reclamações recebidas junto à Secretaria do Sinpol, a diretoria do Sindicato pede aos associados usuários do Plano de Saúde que confiram suas cobranças de coparticipação em consultas e exames relativos ao uso do convênio médico. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central de Atendimento do Sinpol, pelos telefones (16) 3612-9008 / 3625-3890. Atenção policiais civis O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, comunica aos associados que, caso necessitem de amparo na área jurídica relacionado à aposentadoria, assim como para acompanhar o andamento de ação já ajuizada, primeiramente entrem em contado com os diretores do Sindicato, através de nossa Central deAtendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 3625-3890 / 3977-3850 para oportuno agendamento com o dr. Ricardo Ibelli. Parceria O Sinpol firmou uma parceria com duas universidades. Em Ribeirão Preto, foi firmada parceria com a Universidade Estácio de Sá. Já emAraraquara, a parceria foi com a Uniara (Universidade deAraraquara). Maiores informações na Secretaria do Sinpol. Aposentados Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em julho: - Doracy Alves da Silva, escrivã; - João Roberto Pedro, escrivão; - Lucimara Rocha Gomes, auxiliar de papiloscopista; - Luís Antonio Lopes da Silva, investigador; - Luiz Carlos Contin Filho, escrivão; - Edmilson Orlandini, agente policial; - Vadercy Teixeira Rodrigues, agente policial. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejando-lhes poderem usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. Falecimento Adiretoria do Sinpol comunica, com pesar, o seguinte falecimento: + Aparecida Souza da Silva, esposa do investigador aposentado João da Silva, ocorrido em 17/07. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: secretaria@sinpolrp.com.br O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá EXPEDIENTE Ribeirão Preto - SP O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por Fone/fax: (16) 3610-2886 especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade DIRETOR DE JORNALISMO: AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS Adalberto Luque - MTb 19.218 EXCLUSIVAMENTE POR: Boleto bancário emitido pelo Laboratório de Notícias EDITOR FOTOGRÁFICO: DEPARTAMENTO COMERCIAL: Júlio Castro CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: REPORTAGENS: Fernando Mendonça Mariana Luque investigador Antonio Pereira Alvin Aparecido Donizete Tremura Vanderlei Costa M EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores.

[close]

p. 5

Agosto de 2017 EQUIPE DO 5º DP DE FRANCA ESCLARECE 14 FURTOS 05 CASAL PRESO POR TRÁFICO DE ENTORPECENTES Homem teria sido reconhecido por vítimas como sendo o autor de furtos praticados nos últimos 40 dias na cidade Suspeita-se que dupla de ex-namorados deu continuidade a sua parceria para chefiar o tráfico na zona oeste da cidade Graças a um trabalho investigativo realizado com agilidade pela equipe do 5º DP (Distrito Policial) de Franca, um homem que é acusado de ter praticado pelo menos 14 furtos nos últimos 40 dias acabou preso. Os policiais civis vinham investigando a crescente onda de furtos cometidos contra diversas residências na região. Foto: Arquivo Segundo o investigador Reginaldo Calil, o acusado admitiu a autoria dos furtos Segundo o investigador Reginaldo Calil, graças às imagens obtidas junto aos moradores que foram vítimas dos furtos, foi possível traçar a forma de ação e descobrir suas características. De posse das informações, os policiais civis logo identificaram o suposto autor dos furtos. Imediatamente solicitaram junto à Justiça mandado de prisão contra o homem, um desempregado de 22 anos.Assim que o mandado foi concedido, os policiais civis foram a campo e localizaram o responsável, que assumiu ser o autor dos 14 furtos. De acordo com Calil, o homem foi detido em sua residência, no bairro Residencial Meirelles. Conduzido até a delegacia, foi reconhecido por pelo menos 14 furtos praticados em construções da zona norte. “Através das imagens de câmeras de segurança de imóveis vizinhos, percebemos que se tratava desse desempregado. Ele também viu as imagens e confirmou os delitos, dizendo que cometia para trocar os produtos por droga”, disse Calil. Os policiais civis suspeitam que ele possa estar envolvido em muitos outros furtos cometidos naquela região da cidade e as investigações prosseguem. Após admitir os 14 furtos, o homem foi autuado e encaminhado para o CDP (Centro de Detenção Provisória), onde ficará à disposição da Justiça. O caso foi registrado no dia 07 de julho, em Franca e veio coroar a felicidade do investigador Calil. Em 23 de junho de 2017, nasceu o neto do investigador, Lucas Calil Sato, filho de Rafael Tomoda Sato e Marina Cabral Calil. No dia 19 de julho, uma operação da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto resultou na prisão de um casal de ex-namorados, suspeito de tráfico, que atuava em parceria. Ambos moradores da Vila Virgínia, na região oeste de Ribeirão Preto, armazenavam drogas variadas em grande quantidade em suas residências. Por esse motivo, os dois são conhecidos como chefes do tráfico nessa região. A abordagem da equipe da DISE iniciou-se na casa da mulher. No local, os policiais civis encontraram alguns resquícios de porções de maconha, que ela alegou ser para consumo próprio. Contudo, a equipe atuou de forma minuciosa e notou em um terreno baldio em frente ao local uma mochila escolar.Ao abri-la, foram encontrados 10 tijolos de maconha, além de algumas porções avulsas. Os policiais, então, prosseguiram sua ação com o intuito de descobrir a quem pertencia a mochila e os entorpecentes.Amochila, estampada com dizeres da prefeitura de Uberlândia, foi rapidamente associada à filha de 13 anos da suspeita, que a obteve por ser estudante. Indagada sobre as drogas, a mulher tentou desvencilhar-se das suspeitas, explicando que a adolescente havia emprestado sua mochila ao outro acusado. Iniciou-se, então, a segunda fase da operação: a averiguação na casa do rapaz. O suspeito confirmou a versão da moça, de que as drogas da mochila seriam apenas suas. Contudo, após novas averiguações, constatou-se que a mochila estava na direção precisa da janela da mulher, o que reavivou as suspeitas sobre ela. A história do casal confirmou que sua parceria no passado não se restringiu à vida romântica: ambos apresentavam passagem por associarem-se para traficar drogas. Prosseguindo as investigações, os policiais civis tiveram a confirmação de que o casal chefiava o tráfico da região da Vila Virgínia e do Parque Ribeirão. Por essa razão, constatou-se que o rapaz apenas tentava encobrir a moça, sendo ambos figuras marcantes do tráfico de drogas nesses bairros. Os entorpecentes encontrados ao longo da operação totalizam cerca de 15 quilos de maconha que seriam vendidos a mais de 15 mil reais. Por essa razão, o casal de suspeitos teve a prisão preventiva decretada. Por: Mariana Luque Equipe da DISE que efetuou a prisão do casal por tráfico de entorpecentes

[close]

p. 6

06 SINDICALISMO Agosto de 2017 SSP DECEPCIONA POLICIAIS CIVIS Durante reunião realizada na sede da Secretaria, dr. Mágino Alves de Oliveira informou que governo não irá conceder reajuste salarial Foi tenso o clima durante a reunião realizada na sede da SSP (Secretaria de Segurança Pública) no dia 19 de julho, entre o titular da pasta, dr. Mágino Alves de Oliveira, técnicos da Secretaria da Fazenda e representante dos policiais civis. A reunião, que já havia sido adiada, foi remarcada a pedido do SSP. A expectativa da categoria era a do anúncio de um reajuste salarial. Para acirrar ainda mais os ânimos, muitos policiais civis receberam uma mensagem através do aplicativo whatsapp sobre um suposto PLC (Projeto de Lei Complementar) nº 17, de 2017, onde o governo teria encaminhado à ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) um pedido de reajuste de 8% para policiais militares e 6% para policiais civis. Na verdade, foi um boato criado por algum irresponsável, que fez algumas alterações no PLC do último reajuste salarial concedido para a categoria, em julho de 2014. Antes mesmo de a reunião começar, o deputado federal Major Olímpio esteve à frente da SSP discursando e atacando duramente o governo de Geraldo Alckmin, acusando-o de estar acabando com a segurança pública no Estado, por conta da falta de uma política para as Polícias Civil e Militar. O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago e o diretor Arnaldo Vaz Ferreira, participaram do encontro com dr. Mágino, que estava acompanhado de técnicos da Secretaria da Fazenda. Na reunião, os policiais civis reclamaram muito da falta de uma política de reajustes, já que os policiais civis tiveram a última reposição em 2014. Na ocasião, o governo anunciou um aumento de 8% para policiais militares e de 6% para a Polícia Civil, cm exceção dos delegados, que tiveram a carreira reconhecida como Jurídica, A Polícia Técnico-Científica também recebeu reajuste de 6% na ocasião, mesmo índice aplicado para policiais civis aposentados. Os policiais civis reivindicavam um reajuste junto ao dr. Mágino, justificando que estes três anos sem qualquer índice representa perdas que chegam, na Polícia Civil, a um terço dos vencimentos e, para piorar, com a falta de recursos humanos a categoria vem sendo duramente castigada com jornadas desgastantes diante do excesso de trabalho. Os técnicos presentes ao encontro se apressaram a apresentar dados mostrando que os números da arrecadação impedem a concessão de qualquer índice de reajuste salarial, mesmo que para minimizar as perdas da categoria. Eles disseram que, de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal, estão muito próximos do limite prudencial em relação às despesas com a folha de pagamento dos servidores. Para os sindicalistas, o governo está se valendo de uma decisão no STF (Supremo Tribunal Federal) de 05 de abril de 2017, que proíbe a greve de policiais civis e militares em todo o País. E o governo, durante o encontro, teria dito que, diferente do que vem ocorrendo em alguns estados da União, os policiais paulistas terão garantidos, apesar da crise, seus salários integrais mensais, os benefícios dos inativos e o 13º salário. “Como se isso não fosse obrigação do governo estadual e sim um ‘grande benefício’”, lamentou o vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago. O secretário, por sua vez, se comprometeu a levar toda a discussão ao governador e disse torcer pela recuperação econômica do País, o que permitiria aplicar um reajuste salarial. Ele disse que sua equipe tem tomado medidas de contingência, justificando a Reengenharia como forma de economizar com imóveis locados. Além disso, o governo disse estar focando no combate às sonegações fiscais e fraudes para compor o orçamento estatal. Após um tenso encontro, os policiais civis exi- giram que fosse realizada uma rodada de negociações diretamente com o governo do Estado. “O governo está jogando com a categoria. É desrespeitoso o que ele tem feito, dilacerando os salários e deixando de contratar policiais civis. Neste momento não há condições, segundo o governo. Exigimos a reunião, que será marcada com o governador nos próximos meses para definir o assunto. Por enquanto, sem condições de reajuste”, lamentou Célio. Foto: Divulgação Policiais civis saíram decepcionados após reunião com secretário

[close]

p. 7

Agosto de 2017 SÃO CARLOS DIG ESCLARECE DUPLO HOMICÍDIO 07 Especializada chegou a autor de crime e, apesar da versão do acusado, policiais civis suspeitam de ação premeditada O duplo homicídio registrado na cidade de São Carlos, registrado no dia 10 de julho, foi rapidamente esclarecido pela equipe da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), que integra a Seccional e o Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), este último com sede em Ribeirão Preto. Graças a um excelente trabalho realizado pela equipe, o duplo homicídio foi esclarecido no dia 17 de julho. Márcio Rogério Mariotto, de 43 anos e Nivaldo Olímpio, de 53 anos, foram mortos em uma casa localizada na Rua Américo Gasparotti, no bairro CidadeAracy. Ambos teriam sido mortos a facadas. Aoassumirocaso,aequipedodr.GilbertodeAquino iniciou imediatamente as investigações e acabou chegando no serralheiro LC, de 34 anos, popularmente conhecido por “Neguinho”, residente no bairroAntenor Garcia. Em depoimento prestado na sede da especializada, L. disse ter ido até a casa de Márcio procurar uma mulher conhecida por “Gabi”. Ele explicou que esta mulher é mãe de duas crianças e as teria deixado com a examásia de L., indo até a casa de Márcio para consumir droga. Inconformado em ver a ex-amásia cuidando das crianças, ele foi até o local procurando por “Gabi”. Enquanto esperava, tomou um corote de aguardente, ao que Márcio apareceu fumando um cigarro de maconha, que ambos compartilharam. Foi quando Neguinho teria pedido a Márcio, que se negou a chamar a mulher. L. então teria pedido R$ 10 para que a ex-amásia continuasse tomando conta das crianças. Márcio, segundo depoimento do acusado, teria se recusado a deixar que Gabi saísse e tratasse do assunto. O homem decidiu voltar para casa, onde esperou mais um tempo. Como Gabi não voltou, ele regressou à casa de Márcio, chamando por ela novamente. O dono da casa, novamente, teria dito que ele estava sendo inconveniente e que não iria falar com ninguém. E de novo L. teria voltado para sua casa, regressando logo em seguida, pela terceira vez. No depoimento, o autor do duplo homicídio disse que, assim que chamou Gabi, Márcio teria saído com uma corrente de moto e golpeado L., que encontrou uma faca e acabou revidando. Depois L. entrou na casa e alegou ter também esfaqueado Nivaldo porque ele teria tentado agredi-lo. Depois de algum tempo, quando finalmente encontrou Gabi, que possivelmente teria se escondido, pediu à mulher que não contasse nada para ninguém. Apesar do depoimento, o delegado não acredita que o crime tenha ocorrido desta forma. “Ele está tentando alegar legítima defesa, mas isso não procede. Segundo a testemunha Gabi, na primeira vez que Leandro foi até a casa, ele teria pedido um pino de cocaína. Como não tinha, ele pediu R$ 10, mas também disseram que não tinham. Então ele foi embora.Após algum tempo, ele voltou e disse para Gabi arrumar cocaína para ele. Como a resposta foi negativa, novamente ficou enfurecido e disse que aquilo não iria ficar assim. Na terceira vez que voltou, ele pulou o portão da casa e derrubou Márcio no chão e desferiu uma facada nele.Avítima correu até um corredor, mas L. o esfaqueou novamente e o matou”, disse o dr.Aquino aos jornalistas. Na opinião do delegado, o acusado agiu de forma fria e premeditada, matando Nivaldo sem motivos. “Depois de matar Márcio, ele entrou na casa e esfaqueou Nivaldo na sala. Atestemunha se escondeu, no meio da confusão, e conseguiu fugir de L. Depois de matar os dois, ele foi até a casa de Gabi, onde também estava a mulher dele e ameaçou Gabi de morte caso contasse o que havia acontecido”, concluiu o delegado. L. acabou indiciado e preso pelo duplo homicídio qualificado, graças à rápida e eficiente intervenção da DIG São Carlos. Foto: Divulgação Equipe da DIG de São Carlos esclareceu o duplo homicídio

[close]

p. 8

08 ESPECIAL O OCASO DA POLÍCIA CIVIL Agosto de 2017 Falta de pessoal, falta de recursos, talvez até falta de vontade governamental: tudo conspira para a falência da Instituição que viveu dias de glória Quando acredita-se ter chegado ao fundo do poço, a dura constatação: ainda há mais para afundar, esvaindo as forças e impedindo qualquer reação para resgatar os dias gloriosos da Polícia Civil do Estado de São Paulo. Considerada modelo entre as Polícias Civis do Brasil, com profissionais que marcaram história e garantindo por décadas a fio a segurança da população do estado considerado o mais importante economicamente para o País, a Instituição vive há anos uma crise sem precedentes. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, o grande responsável por tudo isso é o PSDB. “Desde que o partido passou a administrar o Estado, em 1995, a Polícia Civil vem definhando ano após ano. Nós já recebemos os salários mais altos da Federação. Hoje estamos entre os mais miseráveis. O governo não nos dá reajuste ou reposição. Quando muito, nos dá esmola. Há mais de três anos, nem isso tem dado. E, para piorar, a Polícia Civil está esvaziada. Faltam recursos humanos a ponto de o próprio governo e sua cúpula da Segurança Pública admitirem, após anos negando o fato. Calculo que, para prestarmos um atendimento minimamente digno para a população, o nosso verdadeiro patrão e quem mais sofre com essa situação, é necessário contratar mais de 20 mil policiais civis em todo o Estado. Isso só para repor as perdas, não para recolocar a Polícia Civil em desenvolvimento, acompanhando o crescimento da população”, lamenta Eumauri. O Sinpol, há muitos anos, vem denunciando essa situação de falta de recursos humanos. Já promoveu diversas ações, mas infelizmente o governo não se intimida e não se preocupa com o bem estar da população. Deixa-os à míngua, segundo o presidente do sindicato. “Estamos com centenas de pessoas aprovados no concurso de 2013 que ainda não foi chamado”, dispara Eumauri. Político No final do mês de junho, o deputado estadual Rafael Silva, com base em Ribeirão Preto, enviou requerimento ao secretário da Segurança Pública Pàra muitos, a Polícia Civil está chegando ao fundo do poço, um caminho que pode não ter volta cobrando números da Polícia Civil no estado e es- sam endurecer as cobranças e fazer com que o pecificamente em Ribeirão Preto. Ele quer compa- governo finalmente se sensibilize. É sempre impor- ração com os quadros da Instituição nos anos de tante lembrar que o policial civil não é o único a 2007 e 2017. Também pergunta se o secretário sofrer. Na verdade, quem mais sofre com essa situ- acha suficiente o atual quadro de policiais civis que ação é a população, que acaba sendo mal atendi- atuam na cidade. da, quando consegue atendimento”, destaca. Há tempos o Sinpol tem buscado apoio no meio Ministério Público político. Rafael Silva parece ter entrado de vez nes- Há alguns anos, o Sinpol procurou o Ministério ta luta do sindicato. Não obstante, outros deputados Público para denunciar a falta de policiais civis e os já se alinham com o Sinpol e com diversas entida- problemas que isso ocasiona para a população. des representativas dos policiais civis. Contudo, é Pois uma ação movida pelo Ministério Público trou- preciso que surjam medidas mais efetivas na opi- xe mais alento à luta dos policiais civis. O promotor nião do presidente do sindicato. Sebastião Sérgio da Silveira ingressou com a ação “Sempre tivemos portas abertas nos gabinetes alegando que a Polícia Civil de Ribeirão Preto foi de diversos políticos. Nós esperamos que eles pos- “abandonada” pelo governo e exige a contratação imediata de mais policiais civis. As lacunas crescem vertiginosamente nos qua- dros da Instituição. Segundo dados divulgados pelo jornal A Cidade, na edição de 19 de julho, relativos à Seccional de Ribeirão Preto, em 2002 havia 539 policiais civis. Atualmente são apenas 390, dos quais 40 delegados, 95 escrivães e 129 investigadores. Neste período, Ribeirão Preto que tinha cerca de 535 mil habitantes em 2002, saltou para 675 mil em 2017, um aumento de 26,1%, no período em que a Polícia Civil encolheu 27,6%. Ou seja, a Instituição reduziu no período o número que deveria ter crescido para tentar manter um atendimento à população nos moldes do que praticava em 2002. Em entrevista ao jornal A Cidade, o promotor não poupa o governo. “Durante a tramitação do inquérito, ficou apurado: a) a absoluta insuficiência de policiais civis à luz dos parâmetros técnicos determinados pelos órgãos de Planejamento da Secretaria da Segurança Pública; b) existência de policiais aprovados em concursos e ainda não nomeados e, com consequência perversa da omissão; c) o fechamento de mais da metade dos Distritos Policiais de Ribeirão Preto, com a vã justificativa de reestruturação e modernização dos serviços”, prosseguindo em sua justificativa: “O estado de São Paulo encontra-se, em razão das circunstâncias a que se encontram submetidas as Delegacias de Polícia, omisso em cumprir com a sua obrigação constitucional de garantir segurança pública”, conclui. Para Eumauri, a ação movida pelo dr. Silveira é reflexo da insatisfação que cresce a cada dia pela omissão do governo. “Há muito temos denunciado. Inclusive fomos nós, do Sinpol, que procuramos o dr. Sebastião, municiando-o para que essa ação fosse ajuizada. A insatisfação é grande. Esse negócio de reengenharia é juntar nada com coisa nenhuma. O governo tem que cumprir sua obrigação, que é contratar. E também pagar salários dignos”, revolta-se Eumauri. A ação foi movida em abril de 2017 e teve o

[close]

p. 9

Agosto de 2017 09 pedido de liminar negado pela Justiça, mas o mérito está sendo prestado de forma correta e satisfatória, ainda será analisado. E nos documentos anexados sem nenhum prejuízo à população”, consta. Já a ao processo, estão os dados passados pelo Sinpol SSP (Secretaria da Segurança Pública) divulgou e tanto o delegado Seccional de Ribeirão Preto, dr. nota informando que foram contratados “desde 2011 Marcus de Lacerda, quanto o diretor do Deinter-3 4.219 policiais civis para todo o Estado, sendo que (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), dr. 254 foram encaminhados para a região de Ribei- João Osinski Júnior, segundo o jornal, admitiram rão Preto. Além disso, estão em formação outros que o número de policiais civis é insuficiente. 708 policiais que serão distribuídos para todo o “A situação é calamitosa. E não se restringe Estado após o término do concurso”. Para Eumauri, somente a Ribeirão Preto. Em todo o Estado vive- a nota da SSP é risível. “Fazendo um cálculo bem mos beirando o desespero. Policiais civis sobre- simples: se temos quase 600 cidades no Estado e carregados, trabalhando por três ou quatro cole- serão 708 novos policiais, não vai dar nem dois por gas que já se afastaram seja por aposentadoria, cidade. Além disso, eles alegam terem encaminha- doença, ou simplesmente deixaram a Instituição”, do 254 para nossa região. Nem para o Deinter-3 acrescenta Eumauri. Ele lembra que, dos 390 poli- deve ter chegado esse número desde 2011. Uma ciais civis que integram a Seccional de Ribeirão piada”, ironiza Eumauri. Preto, 122 recebem abono de permanência, ou Sem dinheiro seja, já possuem condições de se aposentar. Se No dia 19 de Julho, o SSP reuniu-se com re- isso ocorrer, o número será inferior a 270 policiais presentantes dos policiais civis, inclusive diretores civis em todas as cidades que compõem a Seccional. do Sinpol (veja matéria nesta edição), para dizer De acordo com o jornal A Cidade, a Procura- que não haveria nenhum reajuste salarial no modoria Geral do Estado alega no processo não ha- mento por falta de dinheiro. “Pior, nos fez entender O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, no prédio da Central de Flagrantes: sobram problemas estruturais e de conservação nas delegacias ver prejuízo à população e alega estar economi- que devemos ficar satisfeitos porque recebemos No dia 25 de julho, vazou um comunicado in- deverão ser temporariamente suspensas e a partir zando R$ 249 mil ao ano com o aluguel dos imóveis nosso minguado salário em dia, o que não ocorre terno distribuído pelo delegado Geral de Polícia em de qual data; sem recebimento de recursos antes ocupados pelas delegacias aglutinadas. “Ape- no Rio de Janeiro, por exemplo, como se fosse um exercício, dr. Waldir Antonio Covino Júnior, com o suplementares para despesas com combustíveis, sar das dificuldades decorrentes, o serviço público favor e não sua obrigação”, irrita-se Eumauri. seguinte teor: a partir de quando não será possível abastecer “Urgente viaturas e aeronaves; sem disponibilização de Senhor(a) Diretor(a) recursos suplementares para despesas contratuais É do conhecimento de todos a caótica situação (limpeza, impressão corporativa, manutenção orçamentária enfrentada pela Polícia Civil no cor- predial ou de viaturas), quando serão suspensos rente exercício financeiro. Procedimentos foram os serviços e quais unidades deverão ter o encaminhados objetivando, ao menos, amenizar a funcionamento temporariamente suspenso]. deficiência, contudo, sem sucesso, o que faz com O plano de contingência deve ser apresentado que se avizinhe quadro de absoluta por Departamento e ser enviado ao subscritor indisponibilidade financeira, até mesmo para am- deste, até o próximo dia 28.07.2017. parar despesas essenciais à manutenção das uni- Waldir Antonio Covino Junior dades existentes. Delegado Geral de Polícia Adjunto, em Ante a situação alarmante, para orientação de exercício”. expediente a ser elaborado pela Delegacia Geral O documento veio à tona no mesmo dia em que de Polícia, solicito seja efetivada, sob coordenação o governador Geraldo Alckmin divulgou um “pacote dessa Diretoria, verificação nas contas das de segurança” para a Polícia Militar.Além da compra unidades de despesa e, considerando os recursos de 72 viaturas para o CPC (Comando de financeiros existentes, as necessidades e os Policiamento da Capital), o governador autorizou a compromissos assumidos, seja elaborado plano de abertura de concurso público para 2,2 mil soldados Foto: www.osensacionalista.com.br contingência, apresentando quais atendimentos e 221 oficiais da PM. serão suspensos e os períodos respectivos O vazamento do texto causou grande [Exemplificando: sem possibilidade de novas constrangimento na cúpula do governo e fez com O governoador Geraldo Alckmin não autoriza reajuste há mais de três anos para os policiais civis; além disso, não agiliza contratações sequer para repor perdas aquisições de materiais de consumo, quais unidades que o SSP, dr. Mágino Alves Barbosa Filho viesse

[close]

p. 10

10 Agosto de 2017 a público para classificar como “precipitada” a solicitação, dizendo que há previsão orçamentária. “Isso é uma precipitação da Delegacia GeralAdjunta, de soltar este e-mail, porque havia já um crédito suplementar de R$ 4.134.310. Ficou evidente a precipitação desse pedido de suplementação, já que o crédito tramita desde 02 de junho”, afirmou durante evento na SSP para divulgar índices de criminalidade. De acordo com Eumauri, a estimativa é que esse crédito suplementar seja insuficiente para fomentar a atividade da Polícia Judiciária. “Estimativas apontam ser necessário R$ 38 milhões, no mínimo. O governo está dando R$ 4 milhões e ainda tenta desacreditar o delegado Geral Adjunto em exercício, que de forma corajosa, soltou o documento com o objetivo de preservar a integridade física e psicológica dos policiais civis. Ele admitiu o que o governo tenta esconder a todo custo: não tem funcionário em número suficiente para o trabalho policial. Além disso, o governo está cortando drasticamente as verbas para a Polícia Civil. Esse dr. Covino foi extremamente corajoso, mesmo sabendo que poderia ocorrer o que ocorreu: o vazamento, escancarando a situação terminal”, aponta o presidente do Sinpol. Ele também ressalta que, apesar de não vir crescendo na mesma proporção que cresce a população, o efetivo da Polícia Militar tem se mantido estável. “Existe uma predisposição em favorecer mais a Polícia Militar, por parte do senhor governador. Se bem que, nos tempos atuais fica difícil afirmar que o governo favorece alguém. Na verdade, devemos dizer que existe uma predisposição em prejudicar menos a Polícia Militar por parte do senhor governador”, observa Eumauri. Quando o governo achava que a situação poderia ser abafada, eis que surge um fato novo. O presidente da FEIPOL Sudeste, Aparecido Lima de Carvalho, tornou público um documento da Corregedoria da Polícia Judiciária encaminhado à SSP no dia 02 de março e assinado pelo Juiz de Direito NelsonAugusto Bernardes de Souza, falando sobre as condições precárias verificadas na região de Campinas, com o seguinte teor: “Sirvo-me do presente para encaminhar a Vossa Excelência cópia da ATA das visitas em correição realizadas nas dependências das Delegacias de Polícia da Comarca de Campinas. Constatei, como já venho constatando nestes últimos cinco anos como Juiz Corregedor da Polícia Civil, o absoluto estado da precariedade das unidades visitadas.Além das instalações de muitas delas não serem apropriadas, faltam material humano - escrivães e investigadores, principalmente - e logística adequada (viaturas, material de escritório, computadores, etc). Salvo melhor juízo, são necessárias rápidas e eficazes medidas para se evitar a paralisação de algumas unidades. Cópia da ATA é enviada também ao Corregedor Geral da Justiça - Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e ao Delegado Geral da Polícia Civil. Apresento a Vossa Excelência protestos de consideração e apreço. Nelson Augusto Bernardes de Souza Juiz de Direito”. Todos os desdobramentos registrados nas últimas semanas são denúncias há tempos feitas pelo Sinpol. Seja em relação às precárias condições dos prédios que sediam delegacias e unidades da Polícia Civil. Seja em relação à falta de recursos humanos. Mais ainda em relação à inexistência de uma política de reajustes salariais e de total desrespeito à data base dos policiais civis que é o mês de março. A questão dos materiais, que há muito vinha sendo contornada, já era alvo de denúncia nas primeiras edições do Jornal do Sinpol, na segunda metade dos anos 1990. “O Sinpol denunciou desde o princípio dessa famigerada Reengenharia que isso não iria representar nada em benefício da população. O povo é o mais prejudicado nesse processo todo. Os policiais civis, até por conta do absurdo déficit de pessoal, até acabam digerindo esse ajuntamento, que em nossa opinião é juntar nada com coisa nenhuma, como sempre costumo apontar. O governo não é claro o suficiente, mas sua intenção deve ser mesmo acabar com a Polícia Civil. Porém, se não criar instrumentos mínimos para essa situação, a população seguirá sendo prejudicada. O senhor Geraldo Alckmin, já muito, não estão nem aí para o que acontece com o estado que governa. Está em campanha para as eleições presidenciais de 2018. Ele acredita que essa é a melhor hora. Esquece-se que precisa do voto do povo, que vem sendo penalizado por essa situação. Nem digo que precisa do voto dos policiais civis, porque se isso fosse realmente verdade, não estaria mantendo seu partido no poder durante mais de duas décadas. Apenas reitero que, se algum policial civil, da ativa ou aposentado, acabar votando nele está traindo não apenas sua categoria, mas a si próprio. O fato é que tudo isso só aprofunda ainda mais as feridas. Vivemos um momento tristemente ímpar, onde nossa Instituição encontra-se mortalmente ferida, aguardando apenas que o governador Geraldo Alckmin decrete a hora do óbito”, concluiu Eumauri. Fotos: Arquivo Segundo Eumauri, o principal culpado pela crise na Polícia Civil é Geraldo Alckmin

[close]

p. 11

Agosto de 2017 11 DIG FRANCA “APOSENTA” VOVÔ LADRÃO DE CARROS O idoso, um dos mais antigos ladrões em atividade, foi preso por agentes da DIG À primeira vista, com seus cabelos grisalhos e aparência franzina, ele parece inofensivo. Quem não está nos meios policiais e olha para o desempregado E.F., de 63 anos, não imagina estar diante de um dos ladrões mais antigos de Franca e região e que possui uma especialidade: furto de veículos. Depois de 20 anos se dedicando a esse “ramo”, o idoso foi preso por agentes da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) e, enfim, “se aposentou”. A prisão do “vovô do crime”, conhecido como “Graia”, aconteceu no final da noite de quinta-feira, na cidade de Delta (MG), com o apoio da Polícia Militar mineira e de investigadores da Polícia Civil de Igarapava, um dos municípios onde ele também costumava agir. O idoso estava morando em Delta desde 2013, quando se aproveitou de uma “saidinha” para não retornar ao presídio de Marília (SP). Lá, F. cumpria pena por outros furtos. Segundo o delegado Márcio Garcia Murari, ele adquiriu casa própria na cidade mineira com o di- nheiro que arrecadava ao desmanchar os veículos que subtraía, mas nunca deixou de vir para Franca e cidades das imediações e, assim, continuar no que fazia há mais de duas décadas: furtar veículos, de preferência caminhonetes. “Durante nossas diligências em Minas Gerais, encontramos três caminhonetes que foram furtadas (uma S-10, uma Ranger e uma F1000) em Franca e outro carro em Igarapava. Há suspeita de que ele ainda tenha furtado outros três veículos. Esses últimos casos já estão sob nossa investigação”, disse Murari. Além dos veículos, havia ferramentas variadas na casa. Elas eram utilizadas para desmontar os automóveis e adulterar os números de chassi e de motor. “Ele agia como um profissional. Tinha grande experiência nesse ramo e admitiu os crimes”, afirmou o delegado. O idoso ainda foi surpreendido com uma espingarda e munições, fato que o fez ser autuado por posse ilegal de arma de fogo. Questionado, ele disse que comprou a arma “para se pro- teger”. Levado até a sede da DIG no dia 28 de julho, “Graia” prestou depoimento e, depois, foi recolhido à Cadeia Pública de Franca. Além de responder por esses crimes e dever alguns anos à Justiça, tendo em vista que fugiu do presídio de Marília, o Idoso que era um dos mais antigos ladrões de carro em atividade na região acabou tendo “aposentadoria compulsória” após ser preso por policiais da DIG Franca idoso ainda recebeu uma pena de nove anos de reclusão por furto - também de veículos - pela Comarca de Pedregulho. Na delegacia, admitiu que, agora, é hora de “se aposentar” e, enfim, sair do mundo do crime. Por: gcn.net.br com adaptações Foto: Marcella Murari/gcn.net.br RECURSOS HUMANOS PREOCUPAM EM SÃO CARLOS E ARARAQUARA Em reportagem publicada pelo portal G1, as duas Seccionais também sofrem com a falta de policiais civis; Sinpol foi referência na reportagem Afalta de policiais civis em Araraquara e São Carlos (SP) tem gerado insegurança aos moradores e comerciantes. Nos últimos anos, o quadro da polícia civil vem diminuindo, mas a população e os crimes têm aumentado. Segundo o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), as cidades têm um dos maiores déficits do estado: são 82 policiais atualmente em São Carlos, quando o ideal seria 250. Em Araraquara são 81, mas o certo seria 300 profissionais. A Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP) informou que desde 2011 foram contratados 4,2 mil policiais civis, 73 para as seccionais deAraraquara e São Carlos. E que, em breve mais de 700 devem reforçar o quadro em todo o estado. Assaltos Faz oito meses que o operador de manufatura André Fonseca teve o carro furtado, na Vila Prado, em São Carlos. Ele tinha estacionado perto do trabalho. Quando saiu, o veículo não estava mais no local. "Era uma rua muito movimentada, com bastante fluxo de pessoas. Nunca esperava que isso ia acontecer comigo. Infeliz- mente fui uma vítima", contou. Para Fonseca o problema é que até hoje não teve informação do carro. "Até agora não tive resposta da policia. Se eu não tivesse seguro estaria sem carro até hoje", falou. Em Araraquara, uma padaria da Vila Xavier já foi assaltadacincovezes.Masatéomomentosóumcasofoi solucionado. "No último assalto fiquei sabendo que prenderam os suspeitos, mas do resto não", contou a comerciante Isabela Corvello. Falta investigação Para o presidente do Sindicato dos Policiais Civis Eumauri Lucio da Mata um dos motivos para a falta de solução dos casos é o baixo número de profissionais para investigação. "A situação é ruim com tendência para piorar porque os investigadores, policias civis, vão se aposentando e o governo não abre concurso", disse. "São crimes insolúveis porque a policia não tem meios para trabalhar em cima deles. Precisa de gente para ir atrás", acrescentou Mata. Por: g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao, com adaptações

[close]

p. 12

12 ANIVERSARIANTES DE SETEMBRO 01 Jayme da Silva Ribeiro Filho Ernesto Renan de Morais Ronaldo Alessandro Perussi Estevo Fernando Tavelin Antonio Cândido Naves 02 Sirlei Murari Élcio Marcos Bezerra Wandson de Sousa Roberto Leandro Del Sant Rodrigo Angelo da Costa Hebert Ignacio Carboni 03 Carlos Elias Thomé Speltz Sérgio Kreniski Augusto César Vaquero Marques 05 Salazar Furloni 06 José Ventura Perroni Marcus Vinícius Souza Pedrozo Wagner Issa Farah 07 Evandro de Oliveira Gilmar Roberto Gregório Joel Martins Luiz Francisco Tonetti Ailton Faion Luiz Alberto Galíssia 08 Wilson Graciano Ribeiro Luís Quirino do Nascimento Cléia Maria Jardim Avila Júlio César Cocito Sônia Aparecida Vieira Rodrigues 09 João Carlos Fuzzio Cadelca José Gaspar Ciachero Cirene Aparecida dos Santos Americano Antonio Juraci Crovador Luís Henrique da Silva 10 Ismael Ribeiro de Mendonça Cícero Jesus de Souza Alcindo Artur Grespi Rodrigo da Silva Gislene Martins de Souza Volpini 11 Márcio Luiz de Vicentes Walter Martins Donizeti de Fátima Camilo Ieda Luciane Barcellos Leite Pádua 12 Alcides Batista de Oliveira Cláudia Adriana M. Nicoleti da Silva Gianete Martins Garcia Anderson Rodrigo Dionizio Edson Aparecido da Silva Eduardo Rodrigues Martinez Edson Francisco Flausino Sene 13 Mateus da Silva Gumiero Daniel Bassi Cláudia Cristina Carmello dos Santos 14 Maria Therezinha Lourenço de Biaggi Isildo Pereira Valdimir Azarias da Silva Dario de Souza Sidney Rodrigues Martinez 15 Luiz Fernando Junqueira Azevedo Luzia de Selles José Eduardo Velludo Elaine Bombonato Pereira 16 Fabiana Leal Ribeiro Rogério Batista da Silva 17 Maria Imaculada Silva Ricoldi Fábio Alcione Tavares José Roberto Gibim Fernando Donizette Antonialli Evania Borges Dias de Menezes 18 Eduardo Baratella Alexandre Roberto Machado Edna Torres 19 Dorlei Morales José Álvaro Ament Júnior Ocimara Aparecida Paiola Valdeir Muniz Lisboa 20 Wilson Abdalla Mansur Zaquia Júlio Cesar Lourenço Guilherme da Mata Sousa 21 Joval Pereira Borges 22 Carlos Alberto Lino Elaine Aparecida de Oliveira Maurício Lara Giampedro 23 Marcelo José Greghi Haroldo Chaud Mauro Ferreira dos Santos 24 Reinaldo Barboza Iguatemy Brasil M. de Camargo 25 Gerson Antonio de Oliveira Conceição Aparecida da Silva Celso Gerolim Marcos Antonio Rodrigues Adriano Romanini de Andrade Sérgio Luiz Corrêa 26 Targino Donizeti Osório Ruth Iracema Valentin Reina Riberto Cassiani Aparecida I. C. Guizziline 27 Paulo Sérgio Pin Divaldo Rodrigues dos Santos Vanderly Tomé Soraia Pinhone Ravagnani Gustavo André Alves José Roberto Hussar Eduardo Borges dos Santos Filho Sonia Cardoso de Sá Ferreira 28 Dorival de Paula e Silva Paulo César de Sousa Benedito Aparecido Vezzoni Sebastião Domingos Pereira 29 Luís Henrique Maringoli de Lima Kyoshi Airton Ogassavara Rosângela Maria de Toledo Carlos Henrique da F. Ferreira 30 Israel Francisco Pereira Ricardo Souza Silveira Emerson Pereira José Roberto Cavallini Elis Regina Zero de Araújo O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. MEMÓRIA Agosto de 2017 TEMPOS DA APOCIRP Em nossa última edição, por equívoco, publicamos a foto acima com duas imprecisões. A legenda correta da foto que mostra parte da diretoria da APOCIRP (Associação dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) é a que segue: em pé, a partir à esquerda, desconhecido, escrivão José Rubens Vieira, escrivão Sérgio Pires, investigador Wilson Sasaki, investigador Baltazar Padilha, escrivão Adilson Massei, investigador Geraldo Souza Filho, e escrivão Maurício Kusumota. Sentados: escrivã Marisa Lelis Takata, escrivão Luiz Carlos Silveira e investigador Eumauri Lúcio da Mata. Desta composição, hoje são delegados Adilson Massei, Luiz Carlos Silveira e Geraldo Souza Filho, delegado Seccional Adjunto de São Carlos. Por um erro de redação, na última edição dr. Geraldo e Maurício saíram como desconhecidos, razão pela qual pedimos desculpas pela falha. DO FUNDO DO BAÚ O Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto está mantendo um acervo de imagens relacionadas à Polícia Civil. Para tanto, a Diretoria está incentivando a participação de associados que tenham em seus arquivos fotografias que possam ilustrar diferentes aspectos da história da Instituição. “Temos certeza que muitos colegas guardam várias fotos com lembranças de reuniões, eventos e de situações cotidianas dentro da Instituição, com um valor inestimável pelas lembranças que representam”, ressalta o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Os interessados em colaborar com esse resgate da memória da Polícia Civil da região podem entrar em contato com a Secretaria do Sinpol, através dos telefones (16) 36129008, 3625-3890 e 3979-2627, ou do e-mail sinpolrp@sinpolrp.com.br.

[close]

p. 13

Agosto de 2017 13 DESCOBERTO EM PIRASSUNUNGA ESQUEMA DE ADULTERAÇÃO DE VEÍCULOS Policiais civis da cidade descobriram ação de empresário que adulterava chassis e motores para regularizar documentação de veículos Após realizar intenso trabalho de investigação, os policiais civis de Pirassununga prenderam em flagrante um homem acusado de adulterar numeração de motores e chassis de veículos para obter documentação junto ao departamento de trânsito, regularizando automóveis com restrições. O homem preso é um empresário que atua como despachante na cidade. Segundo informações em nota passada pelo chefe dos investigadores da Polícia Civil em Pirassununga, Domingos Cláudio de Oliveira, a prisão é resultado de investigações efetuadas pela equipe sob s supervisão do delegado titular da cidade, dr. Francisco Paulo Oliveira Lima. “As investigações partiram de uma denúncia anônima recebida no final do mês passado, através do Disque Denúncia (197), dando conta de que um empresário estaria remarcando motores de veículos de terceiros, para fins de regularização junto ao Detran”, informou. A equipe passou a realizar diligências até que, no dia 17 de julho, os investigadores notaram que o empresário suspeito havia entrado numa residência localizada na zona leste de Pirassununga, portanto seu equipamento de trabalho, fazendo com que a equipe passasse a suspeitar que ele iria proceder na remarcação de motor ou chassi. Posicionados em frente à casa, a equipe ouviu batidas de martelo, reforçando ainda mais as suspeitas. Como o portão estivesse aberto, os policiais civis entraram no local e flagraram o homem debruçado sobre o motor, com os pinos de remarcação e martelo nas mãos. Imediatamente deram voz de prisão em flagrante e apreenderam todo o equipamento utilizado para a prática do crime de remarcação. Os pinos alfa numéricos eram acondicionados em dois estojos. Todo o apetrecho foi encaminhado para o 1º DP (Distrito Policial) de Pirassununga, para onde foram conduzidos o homem que remarcava os chassis e motores e o dono do motor que estava sendo remarcado. Os dois foram ouvidos pelo dr. Francisco. O dono do motor foi liberado após prestar declarações. Já o homem que fazia a adulteração teve ratificado o flagrante e, embora não tivesse anteceden- Adulterador tinha ferramentas eficientes para remarcação de motores e veículos com objetivo de “esquentar” documentação tes criminais, foi encaminhado à Cadeia Pública, ficando à disposição da Justiça. Trabalharam na operação os policiais civis Domingos, Danilo e Macarenko. Com informações da Polícia Civil de Pirassununga Foto: Polícia Civil de Pirassununga POLÍCIA CIVIL DE GUAÍRA PRENDE DOIS POR HOMICÍDIO Durante prisão dos acusados, policiais civis encontraram drogas e arma, que foram apreendidas Policiais civis da cidade de endido. homens, de 34 e 27 anos. Guaíra, pertencente ao Deinter-3 (De- O homicídio ocorreu no dia 03 de julho, na Ave- O mais novo acabou preso em uma casa no partamento de Polícia Judiciária do In- nida José Cavenague, bairro Bom Jesus. Elvis Ma- bairro Nossa Senhora Aparecida. Já o outro foi de- terior), com sede em Ribeirão Preto, chado Alvarenga, de 32 anos, também conhecido tido no centro de Guaíra. Com a dupla, os policiais prenderam dois homens no dia 17 de por Cigano, foi atacado por homens encapuzados, civis encontraram uma pistola calibre .40 e diversos julho. A prisão ocorreu na cidade e a que efetuaram pelo menos cinco disparos certeiros. carregadores e munições do mesmo calibre e de dupla acabou detida após serem iden- Os assassinos estariam em um Vectra que, horas calibres 380 e 9mm. tificados como autores de um homicí- depois, foi encontrado carbonizado em um canavial Os policiais civis também encontraram 120 pi- dio registrado no início do mês. Du- na zona rural de Guaíra. nos vazios, uma pedra de crack e seis pequenos rante a prisão, os policiais civis en- Assim que ocorreu o homicídio, os policiais civis tijolos de maconha.Além de homicídio, a dupla tam- contraram com os suspeitos porções passaram a investigar e conseguiram identificar dois bém foi indiciada por porte ilegal de arma de fogo, de drogas diversas, além de uma envolvidos. Após obterem mandados de prisão jun- receptação e tráfico de drogas. arma. Todo o material ilícito foi apre- to à Justiça, os policiais civis conseguiram deter dois Com informações da SSP/SP

[close]

p. 14

14 RADAR Agosto de 2017 DISE Ribeirão A Polícia Civil prendeu um homem por tráfico de drogas. O flagrante, de 13 de julho, aconteceu no bairroAlto do Ipiranga, em Ribeirão Preto. Ele estava com 31 porções de drogas, que foram apreendidas. Após investigações, policiais da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) do município localizaram o suspeito na Avenida Rio Pardo e fizeram a abordagem. Com o auxílio de um cão farejador, os agentes encontraram 19 porções de maconha, oito pinos de cocaína e vários eppendorfs vazios. As substâncias estavam escondidas em uma linha férrea próxima ao local da abordagem. Já no imóvel do criminoso, foram encontrados mais três pedras de crack, um pino de cocaína e uma balança de precisão. Tudo foi apreendido e encaminhado à perícia no Instituto de Criminalística (IC). O homem de 20 anos confessou o crime e foi detido. O caso foi registrado na delegacia especializada como drogas sem autorização ou em desacordo. São Carlos Policiais Civis de São Carlos (Deinter 3 - Ribeirão Preto) através da DIG (Delegacia de Polícia de Investigações Gerais), prenderam naquela cidade, um homem acusado de duplo homicídio. Ele é acusado de ter matado duas pessoas, na noite de 12/7, um das vítimas era auxiliar de serviços gerais, e a outra era motorista. Os corpos foram encontrados no bairro Cidade Aracy, e apresentavam sinais de perfurações nas regiões das costas e abdômen, provocadas por golpes de faca. Bingo Policiais civis da DIG (Delegacia de Polícia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto (Deinter- 3), na tarde de 12 de julho, descobriram um bingo clandestino que funcio- nava no JardimAnhanguera, em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. O setor de inteligência levantou informações, sobre um possível local, que exercia atividades com jogos de azar. A Polícia Civil solicitou mandado de busca e apreensão para o estabelecimento comercial, localizado na rua Barão do Bananal, em Ribeirão, que foi deferido pela Justiça. Em cumprimento ao mandado, os agentes constataram a existência da casa de jogos, localizada na parte dos fundos do estabelecimento. No endereço foram apreendidos 48 CPUs, 51 monitores, 10 televisores, R$ 1,5 mil em dinheiro, além de centenas de cartelas e outros materiais utilizados nos jogos de azar. O gerente do bingo foi preso no local. Araraquara No dia 07 de julho, policiais civis da DISE (Delegacia de Polícia de Investigações sobre Entorpecentes) de Araraquara (Deinter 3/Ribeirão Preto) prenderam duas pessoas por tráfico e associação ao tráfico de drogas. Os suspeitos, um homem, de 32 anos, e uma mulher, de 29 anos, foram presos em uma residência, no bairro Jardim Brasil, emAraraquara.Após investigações e trabalhos de campo, os policiais surpreenderam o casal no momento em que realizavam o comércio ilícito, dentro do imóvel. No local, foram apreendidos 9 pinos contendo cocaína, 12 porções de crack, 2 porções de maconha, anotações da contabilidade do tráfico, R$ 287,00 provenientes da traficância e material para embalagem das drogas. Também foram apreendidos celulares e 2 videogames sem comprovação de procedência. Eles foram autuados em flagrante por tráfico e associação ao tráfico de drogas. Terra Roxa Em uma ação conjunta das Delegacias de Policia de Terra Roxa e Viradouro, com o apoio da Delegacia de Polícia de Investigações sobre Entorpecentes de Bebedouro (Deinter 3), prenderam no final da tarde de 12 de julho uma jovem de 18 anos, e outros dois homens, de 19 e 34 anos, por tráfico e associação ao trafico de drogas. Os policiais civis, na posse de mandado de busca e apreensão, diligenciaram até o imóvel, e lá apreenderam 33 porções de crack e a quantia de R$ 223, angariados com a venda dos entorpecentes. Ituverava Policiais Civis de Ituverava (Deinter 3 - Ribeirão Pre- to) prenderam, na manhã de 11 de julho, um traficante com mais de 700 porções de drogas, escondidas dentro de um bueiro, naquele município. Em cumprimento a mandado de busca e apreensão, os policiais localizaram pequena quantidade de drogas dentro da residência do investigado. Todavia, em frente a sua casa, embaixo do local onde o traficante estacionava o carro, foi descoberto um bueiro e, dentro dele, encontradas 418 porções de maconha e 300 pinos de cocaína. Essa droga tinha a mesma embalagem daquela encontrada na residência do suspeito. Ele foi preso em flagrante por tráfico de drogas. Foto: Polícia Civil Traficante preso por policiais civis de Ituverava escondia a droga em um bueiro

[close]

p. 15

Agosto de 2017 15 DEPARTAMENTO JURÍDICO: CONTRA AS INJUSTIÇAS Jurídico do Sinpol consegue mais um mandado de segurança para aposentadoria especial e suspensão de despacho que lançaria falta injustificada para perito em licença saúde O departamento jurídico do Sinpol obteve duas havia sido praticado e depois de fechado o sistema ela ganhou o mandado importantes vitórias no mês de julho, em favor de da folha de pagamento, o que tornou fator impeditivo de segurança no Tribu- policiais civis sindicalizados. Num dos casos, os ad- para as devidas correções”. nal. Ainda cabe recurso. vogados Viviane Cristina Ibelli Pinheiro e Ricardo Na defesa de José Roberto, o jurídico justificou Segundo o presi- Ibelli conseguiram suspender o despacho que de- que, não obstante sua condição de afastado para dente do Sinpol, Eumauri terminava lançar como faltas injustificadas o período tratamentomédico,foramlançadasfaltasinjustificadas, Lúcio da Mata, o jurídico em que o perito criminal José Roberto Pereira cum- situação que, além de lhe acarretar o não recebi- do sindicato continua priu para tratamento médico por licença saúde. mento de seus vencimentos entre o primeiro e o sempre à disposição do Em sua decisão, o juiz argumentou: “Conforme último dia de janeiro de 2016, pode caracterizar associado. “Não aceita- salientado pela própria autoridade apontada abandono de trabalho, circunstância que pode lhe mos injustiça. Nos dois coautora, a situação derivou de uma mudança de custar o cargo. O juiz julgou procedente o pedido e casos em que obtivemos orientação da Secretaria da Fazenda que alterou a concedeu a ordem impetrada, tornando definitiva a vitória, o governo agiu metodologia de registro das situações de afastamento liminar deferida. de forma a prejudicar os para tratamento de saúde, para que nos períodos Em outro caso, a escrivã de São Joaquim da policiais civis. Felizmen- de ausência, mesmo para esse fim, fossem anota- Barra, Mônica Maria Santos Rocha Borges, havia te tivemos condições de dos no ponto do servidor registros falta injustificada. ingressado com uma ação pleiteando mandado de reverter esse quadro. E Essa mesma autoridade, em seguida, afirmou que a segurança para obter aposentadoria especial, ga- assim será em todas as Secretaria reviu a alteração e retornou ao sistema rantindo-lhe paridade e integralidade. Ela foi derro- demais situações”, con- anterior, porém, o fez quando o ato impugnado já tada em primeira instância, mas o Sinpol recorreu e cluiu Eumauri. Os advogados Viviane e Ricardo Ibelli POLICIAIS CIVIS PRENDEM TRAFICANTE EM ITUVERAVA Dois homens manuseavam droga para revender em biqueiras da cidade; um deles conseguiu fugir e está sendo procurado Policiais civis da Delegacia de Polícia de torpecentes. Um deles empreendeu fuga ao notar a Ituverava (Deinter 3 - Ribeirão Preto) prenderam, presença da equipe policial. na tarde 21 de julho, um homem por tráfico de dro- No imóvel foram localizados 56 porções de co- gas e associação ao tráfico, naquele município. caína e diversos petrechos para o preparo das dro- Os agentes da unidade, através de serviço de gas tais como: facas, rolos e sacos plásticos, panela inteligência policial levantaram que, numa chácara, de pressão, balanças de precisão, bicarbonato de o suspeito e um comparsa manuseavam e embala- sódio e xilocaína. vam drogas para mercancia. As investigações prosseguem a fim de identificar Os policiais diligenciaram até o local-alvo onde e capturar o fugitivo. flagraram os dois investigados no preparo dos en- Por: policiacivil.sp.gov.br Equipe de policiais civis da Delegacia de Ituverava conseguiu prender em flagrante homem que traficava drogas na cidade

[close]

Comments

no comments yet