Revista Empresário Digital - Edição 179

 

Embed or link this publication

Description

Revista Empresário Digital - Edição 179

Popular Pages


p. 1

empresariodigital.com.br • 1

[close]

p. 2

2 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 3

carta ao leitor AFINIDADE NÃO SUPERA COMPETÊNCIA E ÉTICA E nquanto alguns pagam R$ 2.000 por um lead, nós seguimos investindo na mineração de dados. O objetivo? Encontrar potenciais clientes para o mercado de comunicação visual – a um preço realmente competitivo. Parece até ingênuo, mas é muito gratificante, e por uma série de motivos: saber que, partindo desse propósito, milhares de empregos são gerados, e que podemos, no que está ao nosso alcance, ajudar na evolução da economia brasileira. E por uma satisfação pessoal também. Eu trabalharia sem dinheiro, porque é muito bom fazer o que eu faço. E você, trabalharia se não fosse pelo dinheiro? A matéria de capa do mês passado mostrou bem o que um cliente interno (funcionário) ou externo engajado é capaz de fazer. Muitas empresas têm pessoas erradas nos lugares errados, trabalhando por obrigação, para dar conta dos boletos que não falham, enquanto há outras áreas que as motivariam a dar o melhor de si – menos pelos rendimentos que pela insubstituível sensação de fazer o que se gosta. Então deixa eu compartilhar um pensamento contigo. O que fazemos aqui não é vender páginas publicitárias – embora respeitemos a publicidade como a ciência que aproxima uma marca de seu público-alvo. O nosso trabalho vai além disso, e tem sido valorizado pelas empresas que nos acompanham há tempos. O que fazemos é mapear potenciais clientes e entregar a proposta de valor de cada marca. Em muitos casos, recorremos a muita tecnologia e geração de conteúdo para fazer essa entrega. Hoje 30% dos nossos clientes não têm departamentos de marketing e, ainda assim, obtêm faturamentos acima dos R$ 40 milhões por ano. Já 65% dos nossos clientes são empresários que optam por trabalhar conosco ao reconhecer, pela nossa postura ética, que somos uma empresa de inteligência preparada para atender à demanda. Outros 35% dos nossos clientes são executivos que detêm autonomia e fazem escolhas com base na competência, e não no julgamento. Reconhecem a ética porque também são éticos com seus clientes. É recomendável que aquele que você escolhe para cuidar da sua marca tenha afinidade com os seus valores, independentemente de que valores sejam esses. Mas é fundamental que tenha competência e ética de mercado. A riqueza de R$ 10 bilhões é a soma do volume de vendas da cadeia produtiva. As oportunidades não estão somente em descobrir onde está esse dinheiro, onde estão esses clientes. As oportunidades estão, principalmente, na relação da sua marca com a proposta de valor do seu potencial cliente. Se ele entende que precisa da sua oferta, não importa o tamanho do seu empreendimento. Bons negócios vão surgir. Eu já vi muitas empresas multiplicarem os seus faturamentos a partir de uma boa estrutura de relacionamento com o mercado – às vezes, mesmo sem os melhores produtos e preços. Por isso, investir na promoção de uma marca e no relacionamento dessa marca com o mercado é tão essencial. É claro que, se o produto tiver qualidade e valor percebido pelo cliente, a empresa vai se manter por mais tempo no topo. Eu conheço empresas que venderam mais de 3 mil equipamentos e, hoje, 50% deles estão sucateados – e muitas das empresas que investiram nesses equipamentos não existem mais. Ainda assim, vejo muito case positivo também, e por isso tenho a esperança de que muitos gestores vão contratar por competência, e não por afinidade – que vão assumir o controle da oferta e da entrega. E que vão, mesmo com erros, melhorar as opções. Afinal, para o bem ou para o mal, todos temos o poder de escolha. Qual é a sua? Marco Marcelino, diretor editorial Twitter do editor: @marco_marcelino Twitter da revista: @revista_ESD www.empresariodigital.com.br (notícias todos os dias) CAPA “Aqui quem manda é o cliente” Pág. 26 4 Coaching 6 Impressão 8 Sala Vip 10 Têxtil 12 Marketing 14 Out of home 16 Técnico 18 Marketing 22 Opinião 32 Têxtil 34 Negócios 36 Evento Avenida Paulista, 1079 • 8º andar Bela Vista • São Paulo/SP • Brasil Fone/Fax: (11) 2787-6386 www.serinews.com.br Publisher: Marco Marcelino {44.446} mmarcelino@serinews.com.br Comercial: Fabio Peres fperes@serinews.com.br Marketing: Jéssica Câmara jcamara@serinews.com.br Gerente Editorial: Jorge Luiz Mussolin {15.978} jmussolin@serinews.com.br Jornalista: Alexandre Carvalho {44.252} alecarvalho@serinews.com.br Designer: Patricia Barboni patricia@be-erredesign.com.br Foto e Artigo de capa: Yuri Mine As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores, não refletindo necessariamente a opinião da editora. As fotos publicadas têm caráter de informação e ilustração das matérias. Os direitos das marcas são reservados aos seus titulares. As matérias aqui apresentadas podem ser reproduzidas mediante prévia consulta por escrito à Editora. O não cumprimento dessa 3ddeeteDrmireinitaoçsãAoeumstuojpreairitsea.rsá(aLoreiiion9fdr.a6itgo1ir0ta/a9sl8.pc).eonmalid.badre•s previstas na Lei

[close]

p. 4

coaching Por Aline K Molinari* O desafio do dia seguinte C Como lidar com a nossa ansiedade diante de um cenário que exige cada vez mais de nós - mais assertividade em tomada de decisões, mudanças cada vez mais rápidas e buscas por reinvenção e inovação? Acredito realmente que nossos mecanismos internos não sejam de todos negativos, o problema é iniciado quando isso afeta nossa capacidade de utilizarmos todo nosso potencial. Consegue se lembrar de alguma vez em que possuiu (ou ainda possui) preocupações demasiadas que chegaram até a afetar sua autoconfiança, pró-atividade, criatividade e habilidade de tomar decisões? Ou aqueles momentos que mal percebemos, mas estamos operando no modo automático, permitindo com que uma série de acontecimentos ou pessoas passem despercebidos. Parando para analisarmos objetivamente, nossa maior fonte de angústia pode não estar no problema de fato, mas sim, em nossas elucubrações diante dele. De repente, o que mais tememos que aconteça, é concretizado pelo “simples” fato de termos dado maior foco naquilo. Longe de ser uma questão mística, nosso cérebro está constantemente criando imagens mentais, estas que orientam a forma como nos comportarmos diante das situações. Imagine que uma pessoa precise alcançar o faturamento de 1 milhão e meio até o final do segundo semestre, ela já possui 1 milhão e duzentos. Como ficaria sua performance e produtividade caso ela pensasse: “E se eu não conseguir? E se eu não conseguir vender tudo que preciso? E se…E se…”? Em um de meus atendimentos e reflexões com uma cliente, ela me disse o quanto se sentia ansiosa, não conseguindo dormir, ter tempo de qualidade com a família e ter uma produtividade melhor durante o período em que, em tese, precisaria ter. Isto porque, possuía um desafio maior do que já teve e me dizia ter medo de como seria sem essa ansiedade, pois de alguma forma, lhe parecia estar em progresso, como se, sem ansiedade, se sentiria estagnada. O problema disso é que, justamente por permanecer extremamente ansiosa, acabava perdendo de vista os detalhes que fariam a diferença para a entrega do resultado a ser realizada. É enquanto nos “pré-ocupamos” com o “e se”, ficando cada vez mais ansiosos, que o nosso poder criativo se perde. Ao mesmo tempo, a preocupação com o futuro pode ser uma forma de se precaver contra possíveis resultados negativos. Acredito que a diferença esteja em “o que fazemos com essa preocupação”. Para esses momentos, pense: O que de pior pode dar errado? Quais são os piores cenários possíveis? Diante disso, quais podem ser as estratégias e ações para combater isso ou, ainda, ações que possa desenvolver para se prevenir que isso aconteça? Existe uma diferença no mapeamento dos cenários possíveis e isso permeia a decisão de buscar por estratégias ou permanecer pré-ocupado. O que vai funcionar melhor para você? *Aline K Molinari é Career, Executive & Business Coach 4 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 5

empresariodigital.com.br • 5

[close]

p. 6

impressão DIMIFPREERSESNÃTOEDSIGNIETCALESPSAIRDAADESRicoh está promovendo gran- des investimentos no Brasil no segmento de impressão e vai aconsolidar seu forte trabalho a novidade de toner amarelo NEON, trazendo novos caminhos e produtos para a impressão. Há ainda muitos outros produtos que devem estar no estande, como a PRO C5210, impressora de apresentando toda sua tecnologia produção com alta qualidade para quem necessita de durante a ExpoPrint Latin America baixo volume, ideal para os que estão iniciando um 2018, maior evento de impressão das Américas, que novo modelo de negócio; a Anajet, impressão por ocorre de 20 a 24 de março no Expo Center Norte, sublimação em tecido, também ideal para quem de- em São Paulo. seja entrar em diferentes mercados; H1625, impressão O gerente comercial da Ricoh Brasil, Gustavo em material rígido e flexível; família de impressoras Lopes, destaca o quão relevante a feira é para a in- PB PRO 82, com alta qualidade de imagem e alta dústria: “A ExpoPrint fornece impulsos cruciais para o produtividade voltada ao mercado editorial; e soluções segmento de impressão, mídia, produção de embala- TotalFlow de gerenciamento e automação de produ- gens e aplicações industriais. Especialmente com foco ção, como informações variáveis e e-commerce. nos mercados verticais também”. De acordo com Gustavo Lopes, “a ExpoPrint Latin ExpoPrint Latin America 2018 America consagrou-se como o maior e principal even- A ExpoPrint Latin America é o maior evento de im- to de impressão das Américas trazendo tecnologias de pressão das Américas. Realizada pela Afeigraf (Asso- impressão e oferecendo excelentes oportunidades de ciação dos Agentes de Fornecedores de Equipamentos networking e potencial para excelentes negócios. É e Insumos para a Indústria Gráfica), sua próxima nesta feira que as inovações são trazidas para o mer- edição acontece entre os dias 20 e 24 de março de cado, novos modelos de negócios são desenvolvidos e 2018 nos Pavilhões Azul e Branco do Expo Center novas parcerias são formadas”. Norte, em São Paulo. É exatamente esta alta tecnologia que a Ricoh quer A feira acontece paralelamente com a ConverExpo Latin levar para a feira. Em um amplo espaço, a empresa America, Exposição e Congresso Internacional da Indús- pretende apresentar toda sua linha e novas soluções tria de Conversão de Flexíveis, Corrugados e Rótulos, de hardware. Dentre eles estão: PRO VC60000, realizada pela Abflexo/FTA-Brasil (Associação Brasileira impressora colorida de formulário contínuo, para Técnica de Flexografia). Ambas as feiras têm promoção segmentos editorial e transacional; PRO C9110, e organização da APS Feiras & Eventos. Informações impressora colorida de alta produção e qualidade; nos sites: www.expoprint.com.br e www.converexpo. PRO C7110, já apresentada na última ExpoPrint, com com.br. 6 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 7

empresariodigital.com.br • 7

[close]

p. 8

sala vip Por Marcelo Ponzoni* O DESAFIO DE CRESCER SEM PERDER A IDENTIDADE *Marcelo Ponzoni é publicitário e diretor executivo da agência Rae,MP, que atua há 26 anos no mercado; e Autor do livro “Eu só queria uma mesa”, da Editora Saraiva. (11) 5070-1294 marcelo@raemp.com.br - www.raemp.com.br S e existem dois dilemas na vida de um empreendedor, estes são os de como chegar lá e depois como se manter lá. As atitudes de uma empresa definem quase que por completo a sua identidade. Na teoria é muito fácil compreender, mas é no exercício do dia a dia que a identidade de uma empresa é colocada à prova. Entre o ideal e o ser verdadeiro, existe uma vala de necessidades e comportamentos necessários para que o equilíbrio médio seja superior às pressões conspiratórias. A empresa fala, não só pelos canais de comunicação, mas principalmente pelas dezenas de bocas-miúdas. São nas sequências de decisões e escolhas de seus líderes e liderados que mora o grande perigo de uma possível deterioração da imagem, gerando, assim, a dissonância entre a identidade almejada e a real interpretada. Cabem aos gestores e à equipe definir com muita autenticidade estas posições de identida- de e, após escrituradas e concordadas, conduzidas com total proteção e cuidado no dia a dia. Manter uma identidade inabalada requer disciplina militar, amor incondicional, comportamento solidário e muita resistência. Com a adoção de regras claras, exemplos constantes, exercícios rotineiros e a atenção ininterrupta dos possíveis desvios é que uma empresa pode ter um êxito na manutenção da identidade. Muitas vezes, reverter a percepção de uma identidade é uma tarefa quase que impossível. Não é difícil constatar marcas que ao abrirem mercados de maneira pouco planejada acabaram por ter suas identidades totalmente distorcidas. É imprescindível que haja amor e muita dedicação nesta tarefa, pois, muitas vezes, sem muita percepção interna, a identidade começa a se perder, sem que ninguém perceba a distorção. Identidade de uma empresa não é um ativo físico e imutável, pelo contrário, é muito subjetivo e totalmente vulnerável, portanto, todo cuidado é pouco. 8 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 9

empresariodigital.com.br • 9

[close]

p. 10

têxtil Semana Brasileira de Moda E sse ano trouxemos a 5ª. edição do CINM para SP com uma forte intenção de oxigenar esse debate. De sonho em sonho, de passo a passo e com muita gente estendendo a mão para nos apoiar resolvemos crescer organicamente e ampliar o olhar para esse mundo tão possível. Vamos juntos! Tá na hora de repensarmos as formas como consumimos a moda, como criamos a moda, como vestimos a moda, como nos comunicamos com e pela moda, como distribuímos a moda, como criamos valor para a cadeia da moda, como podemos sobreviver sustentavelmente com a moda. FFF SP: Fashion Film Festival uma rede de festivais de filmes publicitários de moda, realizada anualmente nas mais diversas cidades do mundo, com o objetivo de difundir o mundo da moda a partir do ponto de vista da publicidade, e que agora chega ao Brasil pela primeira vez. O FFFSP está com inscrições abertas para as categorias de Filmes do Autor, Marcas, Têxteis Técnicos, Estudante e Internacional. Conta com um júri especializado nas áreas de cinema, publicidade e moda, e os vencedores receberão suas premiações em um evento a ser realizado no dia 25/9, na UNIBES Cultural, em São Paulo. www.semanabrasileirademoda.com. br/fff CINM: Congresso Internacional de Negócios da Moda que está na sua 5ª. edição, tem como objetivo ampliar o conhecimento, identificar rumos e traçar estratégias para o crescimento sustentável dos negócios da moda. A estrutura é composta por palestras, fóruns, mesas redondas e apresentação de trabalhos científicos/acadêmicos. Integra pesquisadores que pensam a profissionais que fazem a moda – gestores e marcas - promovendo avanços na fronteira do conhecimento e dos negócios do setor. Acontecerá na EACH-USP nos dias 26, 27 e 28/09 entre 9h30-18h00 cinm.org.br/2017 Feira Estações da Moda: tem como objetivo inspirar e conectar criadores de moda a projetos de tecnologia e sustentabilidade, proporcionando a troca de conhecimento e apresentando tecnologias inovadoras das mais diversas áreas com interseção na moda. Acontecerá no formato de exposições, experimentações, intervenções, oficinas e rodas de conversa. Acontecerá na EACH-USP nos dias 27 e 28/09 entre 11 e 18h00. PitchStartUS de Moda: conexão de novos empreendedores de moda, que têm processos de inovação, sustentabilidade e criatividade em seus core values a investidores do mercado. Acompanhe e participe: www.semanabrasileirademoda.com.br 10 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 11

empresariodigital.com.br • 11

[close]

p. 12

marketing EpeSsPqMuisaapsrdeesednotuataosra5dporimeirasepresentação do con- sumo em filmes da década de 1950, ditos e não ditos nos critérios rde avaliação das peças como as imagens retratavam um modelo a ser seguido. Era um papel normatizador sendo transmitido pelas imagens”, explica Cunha. Em contrapartida, existia o “american way of feeling”, que não Distinção Criativa: O Consumo da Criação Publicitária na ordem dos bens simbólicos: ditos e não-ditos sobre critérios de avaliação de peças publicitárias publicitárias em premiações, estava expresso nestes produtos culturais. em contextos de premiação os discursos do Memorial da Resistência “Havia uma tensão no ar, que vaga entre Maria Aparecida da Silva Abranches de SP por parte de professores e alunos, o belicismo e a segurança”, comenta. apresenta a pesquisa “Distinção Criati- as representações midiáticas da multidão Cunha buscou nos clássicos dez filmes va: O Consumo da Criação Publicitária em contextos de resistência e as Wearable definidos como corpus da pesquisa – pro- na ordem dos bens simbólicos: ditos e Technologies: comunicação e consumo duzidos por estúdios norte-americanos na não-ditos sobre critérios de avaliação no contexto de possíveis reconfigurações década de 1950, ganhadores do prêmio de peças publicitárias em contextos de humano-tecnológicas Oscar de Melhor Filme –, e que são os premiação”. A pesquisadora teve como O Programa de Pós-Graduação em seguintes: A malvada (1950), Sinfonia objetivo analisar as lógicas de legitima- Comunicação e Práticas de Consumo de Paris (1951), O maior espetáculo da ção do campo da publicidade criativa, (PPGCOM), da ESPM, apresenta os re- terra (1952), A um passo da eternidade considerando que seus discursos são um sultados de quatro anos de pesquisa dos (1953), Sindicato de ladrões (1954), bem simbólico valorizado pelos agentes doutores Paulo Roberto Ferreira Cunha, Marty (1955), A volta ao mundo em 80 da publicidade. Maria Aparecida da Silva Abranches, dias (1956), A ponte do Rio Kwai (1957), A pesquisadora recortou seu objeto de Felipe Carvalho Corrêa de Mello, Fran- Gigi (1958) e Ben-Hur (1959). estudo em 40 cartas dos presidentes do cisco Silva Mitraud e Vicente Mastrocola Os filmes clássicos escolhidos por Clube de Criação e 103 peças impressas (Vince Vader). Abaixo um breve resumo Cunha retratam questões marcantes da que receberam o Ouro, de 1975 a 2015. das cinco teses: época como ser ou não ser bem-suce- As reflexões de Maria Aparecida trazem dido, o preço pago pela conquista sem também a análise sobre a relação entre American way of life: ética, os valores burgueses, os vencedores alguns momentos da sociedade de con- representação e consumo de um e os perdedores, o trabalho e o talento sumo brasileira com o desenvolvimento estilo de vida modelar no cinema sendo reconhecidos, questões da hierar- do campo publicitário nacional norte-americano dos anos 1950 A pesquisa de Paulo Roberto Ferreira da Cunha “American way of life: represen- quia no trabalho, os bens de conforto perante a sociedade como o carro, a casa e a diversão. Em um momento em Link para a pesquisa: tação e consumo de um estilo de vida que o país vivia o crescimento do pós modelar no cinema norte-americano dos Segunda Grande Guerra mundial, valores anos 1950”, analisa alguns filmes e como como o do esforço e do trabalho eram uma parte dos norte-americanos daquela bem vistos segundo este modo de vida década tinham, por meio do consumo de norte-americano. imagens, um modelo de estilo de vida sendo apresentado àquela sociedade. 1950 era um momento de reconstrução e de crescimento da indústria estadunidense. “Havia a midiatização de um modelo de A pesquisa completa pode ser acessada em: Comunicação, educação e história: a recepção do discurso do Memorial da Resistência de São Paulo por parte de professores (as) e aluno (as) do Ensino Fundamental vida. Como deveria ser a família, a saúde II e Ensino Médio infantil, a comodidade do lar, a carreira e Diversas questões relacionadas a ditadura 12 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 13

civil-militar no Brasil geraram diversas pesquisas acadêmicas, mas a pesquisa de Felipe Carvalho Corrêa de Mello foi elogiada por seu ineditismo e análise brilhante. A pesquisa busca delinear as dimensões comunicativas do Memorial da Resistência de São Paulo. A instituição museológica é constituída como um meio de comunicação/mídia, fazendo parte do campo da Comunicação e, a escolha de professores e alunos se deve ao fato de a escola ser um espaço privilegiado de reflexão sobre a realidade social. Mello traz a concepção de que por um lado o discurso do Memorial da Resistência é contra hegemônico e predisposto a operar como embate à concepção hegemônica acerca da ditadura civil-militar em circulação nos meios de comunicação e no campo escolar. Por outro lado, o pesquisador compreende como sentidos hegemônico o conjunto de discursos que relativizam ou silenciam sobre a violência; a tortura; a corrupção; as diversas violações de diretos humanos; a censura; o genocídio dos povos indígenas; as lutas de resistência etc. Comunicação, Consumo e mobilizações contemporâneas: representações midiáticas da multidão em contextos de resistência. Francisco Silva Mitraud analisa as representações midiáticas das mobilizações recentes por meio de um objeto que denomina “corpo-multidão”. Durante a pesquisa ele buscou compreender quais os sentidos produzidos, principalmente pela mídia impressa, em relação as multidões que se articulam para resistir ao hegemônico. Mitraud analisou imagens das manifestações de 2013 e 2016. Ele chega a conclusão que os sentidos atribuídos a multidão são instáveis. Para chegar em multidão, Mitraud analisa dois conceitos distintos, que seriam os conceitos de povo e de multidão. A pesquisa mostra que a mídia imprensa, em sua maioria, não apenas coopta os discursos das multidões, como também produz sentidos antagônicos à sua natureza, normalmente dando ênfase à violência, à ilegalidade e desqualifica seus objetos. Wearable Technologies: comunicação e consumo no contexto de possíveis reconfigurações humano-tecnológicas A pesquisa de Vicente Mastrocola, mais conhecido como Vince Vader, demonstra como, a partir das wearable Technologies (tecnologias vestíveis como relógios inteligentes, por exemplo), a hibridização humano/não-humano pode servir estrategicamente para que empresas/ marcas/produtos estreitem laços com seus onsumidores buscando capturar dados e informações dos mesmos. Vince Vader utiliza a Teoria Ator-Rede e da Cartografia de Controvérsias para definir o que é Wearable Technologies. A pesquisa conclui que as wearable Technologies afetam sim os sentidos e mudam a experiência de consumo e o pesquisador afirma que a legislação deve deixar mais claro o que pode ser realizado com os dados dos consumidores, pois as empresas se negam a dizer o que fazem com rastros digitais. Mastrocola faz uma provocação pois questiona que o discurso da inovação sempre carrega uma mensagem de que “tudo é para o seu bem”, porém cabe analisar a “cultura da vigilância” e de como os consumidores conseguem se desligar dela. As cinco pesquisas realizadas no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo (PPGCOM-ESPM) são o resultado de um trabalho meticuloso que vem sendo realizado desde 2006, quando a Capes reconhece o mestrado do programa e, em 2012, o doutorado. O doutor Francisco Mitraud, também realizou o mestrado no PPGCOM-ESPM, orientado pelo professor Dr. Vander Casaqui. O embrião do PPGCOM, nasce em 2003, como um Núcleo de Pesquisa e Práticas de Consumo, com vistas na formulação de proposta para Programa de Pós-Graduação - curso de mestrado. Da equipe daquela época, que integram o PPGCOM até hoje estão: a decana Maria Aparecida Baccega, Rose de Mello Rocha, Gisela Castro, Tânia Hoff e João Carrascoza. O programa produz a revista Comunicação Mídia e Consumo, que tem qualificação A2 e onze grupos de pesquisa certificados CNPq, além de acordos institucionais de cooperação acadêmica com Instituições de Ensino Superior nacionais e internacionais. O programa formou, até 2017, 127 egressos, incluindo os doutores citados acima. empresariodigital.com.br • 13

[close]

p. 14

out of home Por Jorge Mussolin BRT CARIOCA GANHA ENVELOPAMENTO A Tegra Incorporadora (novo nome da Brookfield Incorporações), e o Grupo Coruja estabeleceram uma parceria para o envelopamento do ônibus do Bus Rapid Transit (BRT) da linha TransOeste, TransOlímpica e TransCarioca BRT carioca. A nova marca ocupa 140 m2 de um ônibus articulado que percorrerá 23 estações em um trajeto de 25,5 quilômetros. O Grupo Coruja ganhou o direito de exclusividade, no Rio de Janeiro, para o envelopamento dos 440 ônibus que circulam pelo sistema em 124 estações e 9 terminais. A Tegra Incorporadora possui seis projetos na Zona Oeste da cidade – incluindo a região do Centro Metropolitano, Barra Olímpica e Recreio dos Bandeirantes – entre imóveis prontos e em construção. NOVA LEI DE PUBLICIDADE É DISCUTIDA EM CUIABÁ Na semana passada, representantes Sindicato das Empresas de Publicidade Exterior-SEPEX e diretores da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Cuiabá se reuniram com o Secretário Municipal de Meio Ambiente, Juares Silveira Samaniego, para discutirem a minuta de uma nova Lei de Publicidade para a cidade. O texto tem o objetivo de criar uma nova ordenação de anúncios na paisagem urbana para a veiculação de publicidade. Foram levadas algumas sugestões de melhorias ao texto apresentado, respeitando a legislação da publicidade. INVESTIMENTOS EM MÍDIA EXTERIOR CRESCEM EM 2017 RELATÓRIO DO KANTAR IBOPE MOSTRA EVOLUÇÃO DO MEIO A Mídia Exterior (ou Publicidade Exterior, ou OOH), cresceram no primeiro semestre de 2017 conforme relatório publicado pelo Kantar IBOPE Media.Além dessa mídia, o Rádio foi o outro meio que apresentou maior crescimento na compra de espaço publicitário.A evolução dos investimentos em Mídia Exterior, segundo o próprio Instituto, se deve, também, ao fato de que, em conjunto com associações e veículos da mídia exterior, foi feita a inclusão de exibidoras representativas do meio e de novos ambientes na cobertura, como edifícios, estabelecimentos comerciais (academias, hotéis, shopping centers e supermercados) e transportes (metrô, trens e ônibus). O crescimento da Mídia Exterior foi de 26% em relação ao mesmo período de 2016, atingindo uma fatia de 2,8% do total de investimentos, contra 2,3% em 2016. 14 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 15

N A d te m a G P c a tr m n p 1 te c N a c m e c c o d A ta p O G u empresariodigital.com.br • 15

[close]

Comments

no comments yet