As 48 Leis do Poder

 

Embed or link this publication

Description

Livro

Popular Pages


p. 1

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register as 48 leis do poder joost elffers e robert greene

[close]

p. 2

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register tradução de talita m rodrigues editora rocco rio de janeiro 2000 456 págs prefÁcio a sensação de não ter nenhum poder sobre pessoas e acontecimentos é em geral insuportável quando nos sentimos impotentes ficamos infelizes ninguém quer menos poder todos querem mais no mundo atual entretanto é perigoso parecer ter muita fome de poder ser muito premeditado nos seus movimentos para conquistar o poder temos de parecer justos e decentes por conseguinte precisamos ser sutis agradáveis porém astutos democráticos mas não totalmente honestos este jogo de constante duplicidade mais se assemelha à dinâmica de poder que existia no mundo ardiloso da antiga corte aristocrática em toda a história sempre houve uma corte formada em torno de uma pessoa no poder rei rainha imperador líder os cortesãos que compunham esta corte ficavam numa posição muito delicada tinham de servir aos seus senhores mas se a bajulação fosse muito óbvia os outros cortesãos notariam e agiriam contra eles as tentativas de agradar ao senhor portanto tinham de ser sutis e até mesmo os cortesãos hábeis e capazes de tal sutileza ainda tinham de se proteger de seus companheiros que a todo momento tramavam tirá-los do caminho.enquanto isso supunha-se que a corte representasse o auge da civilização e do refinamento desaprovavam-se as atitudes violentas ou declaradas de poder os cortesãos trabalhavam em silêncio e sigilosamente contra aquele entre eles que usasse a força este era o dilema do cortesão aparentando ser o próprio modelo de elegância ele tinha ao mesmo tempo de ser o mais esperto e frustrar os movimentos dos seus adversários da maneira mais sutil possível com o tempo o cortesão bem-sucedido aprendia a agir sempre de forma indireta se apunhalava o adversário pelas costas era com luva de pelica na mão e no rosto o mais gentil dos sorrisos em vez de coagir ou trair explicitamente o cortesão perfeito conseguia o que queria seduzindo usando o charme a fraude e as estratégias sutis sempre planejando várias ações com antecedência a vida na corte era um jogo interminável que exigia vigilância constante e pensamento tático era uma guerra civilizada hoje enfrentamos um paradoxo peculiarmente semelhante ao do cortesão tudo deve parecer civilizado decente democrático e justo mas se obedecemos com muita rigidez a essas regras se as tomamos de uma forma por demais literal somos esmagados pelos que estão ao nosso redor e que não são assim tão tolos como escreveu o grande cortesão e diplomata renascentista nicolau maquiavel o homem que tenta ser bom o tempo todo está fadado à ruína entre os inúmeros outros que não são bons a corte se imaginava o pináculo do refinamento mas sob a superfície cintilante fervilhava um caldeirão de emoções escusas ganância inveja luxúria ódio nosso mundo hoje igualmente se imagina o pináculo da justiça mas as mesmas feias emoções continuam fervendo dentro de nós como sempre o jogo é o mesmo por fora você deve aparentar que é uma pessoa de escrúpulos mas por dentro a não ser que você seja um tolo vai aprender logo a fazer o que napoleão aconselhava calçar a sua mão de ferro com uma luva de veludo se como o cortesão de idos tempos você for capaz de dominar a arte da dissimulação aprendendo a seduzir encantar enganar e sutilmente passar a perna nos seus adversários você alcançará os píncaros do poder vai conseguir dobrar as pessoas sem que elas percebam o que você está fazendo e se elas não percebem o que você está fazendo também não ficarão ressentidas nem lhe oferecerão resistência para algumas pessoas a idéia de participar conscientemente de jogos de poder não importa se de forma indireta ou não parece maldade pouco social uma relíquia do passado elas acreditam que podem optar por ficar fora do jogo comportando-se como se não tivessem nada a ver com o poder É preciso cuidado com pessoas assim pois embora exteriorizem essas opiniões com freqüência são as maiores especialistas no jogo do poder utilizam estratégias que disfarçam com habilidade a natureza manipuladora tais tipos por exemplo costumam exibir a sua fraqueza e falta de poder como uma espécie de virtude moral mas a verdadeira impotência sem que haja um motivo de interesse pessoal não divulga a sua própria fraqueza para conquistar respeito ou simpatia alardear a própria fraqueza e na verdade uma estratégia muito eficaz sutil e fraudulenta no jogo de poder ver lei 22 a tática da rendição outra estratégia daquele que se diz fora do jogo é a de exigir igualdade em todas as áreas da vida todos

[close]

p. 3

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register têm de ser tratados igualmente seja qual for o seu status ou força mas se para evitar o estigma do poder você quiser tratar todos com igualdade e justiça vai se defrontar com o problema de que algumas pessoas fazem certas coisas melhor do que outras tratar a todos igualmente significa ignorar as suas diferenças elevar o patamar dos menos capazes e rebaixar o daqueles que se sobressaem mais uma vez muitos dos que se comportam assim estão na verdade usando uma outra estratégia de poder redistribuindo os prêmios da maneira como eles próprios determinam uma outra forma ainda de evitar o jogo seria a total honestidade e franqueza visto que uma das principais técnicas dos que buscam o poder é a fraude e o sigilo mas a total honestidade acaba inevitavelmente por magoar e ofender um grande número de pessoas e algumas vão querer pagar na mesma moeda ninguém verá a sua declaração honesta como totalmente objetiva e livre de alguma motivação pessoal e estarão certos na verdade a honestidade é uma estratégia de poder cuja intenção é convencer os outros de que se tem um caráter nobre bom e altruísta e uma forma de persuasão até uma forma sutil de coagir as pessoas finalmente os que alegam não serem jogadores afetam um ar de ingenuidade para se protegerem da acusação de que estão atrás do poder mais uma vez cuidado pois a aparência de ingenuidade pode ser um meio eficaz de enganar os outros ver lei 21 pareça mais bobo do que o normal e até a ingenuidade autêntica não está livre das armadilhas de poder as crianças podem ser muito ingênuas mas com freqüência agem por uma necessidade básica de controlar os que estão ao seu redor elas sofrem muito sentindo-se impotentes no mundo adulto e usam os meios disponíveis para conseguir o que querem pessoas genuinamente inocentes também podem estar no jogo do poder e costumam ser terrivelmente eficazes nisso visto que a reflexão não é um obstáculo para elas de novo aqueles que fazem alarde ou dão demonstrações de inocência são os menos inocentes de todos você pode reconhecer estes supostos não-jogadores pela maneira como ostentam suas qualidades morais sua piedade o seu raro senso de justiça mas como todos nós queremos o poder e quase todas as nossas ações visam a obtê-lo os não-jogadores estão simplesmente jogando areia nos nossos olhos nos distraindo de suas cartadas com seu ar de superioridade moral observando bem você verá de fato que são eles os mais hábeis na manipulação dissimulada mesmo que alguns a pratiquem sem ter consciência disso e se ressentem muito de qualquer publicidade que se dê às táticas que usam todos os dias se o mundo é como uma gigantesca corte fraudulenta e estamos presos nela não adianta optar por ficar fora do jogo isso só vai deixar você impotente e a impotência vai deixá-lo infeliz em vez de lutar contra o inevitável em vez de ficar discutindo se lamentando e cheio de culpa é muito melhor sobressair no poder de fato quanto melhor você lidar com o poder melhor você será como pessoa amigo ou amiga amante marido ou esposa seguindo os passos do perfeito cortesão ver lei 24 você aprende a fazer os outros se sentirem melhor a respeito deles mesmos tornando-se uma fonte de prazer para eles eles se tornarão dependentes de suas habilidades e desejarão a sua presença dominando as 48 leis deste livro você poupa aos outros a dor de não saber lidar com o poder de brincar com o fogo sem saber que ele queima se o jogo de poder é inevitável melhor ser um artista do que negar ou agir desastradamente para aprender o jogo do poder é preciso ver o mundo de uma certa maneira mudar de perspectiva É preciso esforço e anos de prática pois grande parte do jogo talvez não surja naturalmente são necessárias certas habilidades básicas e uma vez dominando-as você será capaz de aplicar as leis do poder com mais facilidade a mais importante e fundamento crucial do poder é a habilidade de dominar as suas emoções reagir emocionalmente a uma situação é a maior barreira ao poder um erro que custará a você muito mais do que qualquer satisfação temporária que possa obter expressando o que sente as emoções embotam a razão e se você não consegue ver com clareza não pode estar preparado e reagir com um certo controle da situação a raiva é a reação emocional mais destrutiva pois é a que mais turva sua visão também tem um efeito cascata que invariavelmente torna as situações menos controláveis e acentua a decisão do seu inimigo se você está tentando destruir um inimigo que o magoou é bem melhor desarmá-lo fingindo amizade do que mostrando que está com raiva amor e afeto também são potencialmente destruidores quando não permitem que você enxergue os interesses quase sempre egoístas daqueles de quem você menos desconfia de estar fazendo o jogo do poder você não pode reprimir a raiva ou o amor ou evitar sentir raiva ou amor e nem deve tentar mas cuidado com a

[close]

p. 4

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register maneira como você expressa esses sentimentos e o que é mais importante eles não devem jamais influenciar seus planos e estratégias relacionada com o controle das suas emoções está a habilidade para se distanciar do momento presente e pensar de forma objetiva no passado e no futuro como janus a divindade da mitologia romana com duas faces e guardiã de todos os portões e entradas você deve ser capaz de olhar em ambas as direções ao mesmo tempo para saber lidar melhor com o perigo seja lá de onde ele vier e esse o rosto que você deve criar para si próprio um que olha sempre para o futuro e o outro para o passado para o futuro o lema é sempre alerta todos os dias nada deve apanhá-lo de surpresa porque você está constantemente imaginando problemas antes que eles surjam em vez de perder tempo sonhando com o final o feliz para o seu plano você deve calcular todas as possíveis combinações e armadilhas que possam surgir quanto melhor a sua visão quanto mais você planejar etapas com antecedência mais poderoso se tornará a outra face de janus olha constantemente para o passado mas não te para lembrar de mágoas passadas ou guardar rancores isso só limitaria o seu poder a parte mais importante do jogo é aprender a esquecer essas coisas que aconteceram no passado e que vão consumindo as suas energias e turvando o seu raciocínio o verdadeiro propósito do olho que espia para trás é ode constantemente se educar você olha para o passado para aprender com quem viveu antes de você depois tendo visto o passado você olha mais perto as suas próprias ações e as dos seus amigos esta é a escola mais importante para você porque se baseia na experiência pessoal você começa examinando os erros que cometeu no passado aqueles que mais dolorosamente o impediram de progredir você os analisa de acordo com os termos das 48 leis de poder e extrai daí uma lição e um juramento nunca mais cometo esse erro não caio mais nessa arapuca se você for capaz de se avaliar e observar assim vai aprender a romper com os modelos do passado uma habilidade de enorme valor o poder requer a capacidade de jogar com as aparências com este objetivo você tem de aprender a usar muitas máscaras e ter uma cartola cheia de truques a fraude e o disfarce não devem ser vistos como feios e imorais todas as interações humanas exigem que se trapaceie em muitos níveis e de certa forma o que distingue os humanos dos animais é a nossa capacidade de mentir e enganar nos mitos gregos no ciclo do mahabharata indiano no épico de gilgamesh do oriente médio as artes ilusórias são privilégio dos deuses um grande homem ulisses por exemplo era jul gado por sua capacidade de rivalizar com a astúcia dos deuses roubando parte do seu poder divino quando a eles se igualava na esperteza e na trapaça a fraude é uma arte que a civilização desenvolveu e a arma mais potente no jogo do poder você não consegue trapacear bem se não se distanciar um pouco de si próprio se não puder ser muitas pessoas diferentes vestindo a máscara que o dia e o momento exigem com essa abordagem flexível a todas as aparências inclusive a sua você perde muito do peso interno que mantém as pessoas presas ao chão faça com que seu rosto seja tão maleável quanto o de um ator trabalhe para esconder dos outros as suas intenções pratique atrair as pessoas para armadilhas jogar com as aparências e dominar a arte da ilusão são um dos prazeres estéticos da vida são também os componentes-chave para conquistar o poder se a fraude é a arma mais potente do seu arsenal então a paciência em tudo é o seu maior escudo ela impedirá que você cometa burrices como o controle das suas emoções a paciência é uma arte ela não surge naturalmente mas nada quando se trata de poder é natural poder é a coisa mais divina no mundo natural e paciência é a suprema virtude dos deuses que nada possuem a não ser tempo tudo de bom acontecerá a grama crescerá de novo se você lhe der tempo e prever antecipadamente várias etapas no futuro a impaciência por outro lado só faz você parecer fraco e o principal empecilho ao poder o poder é essencialmente amoral e a principal habilidade a adquirir é a de ver as circunstâncias e não o bem ou o mal o poder é um jogo nunca é demais repetir e no jogo não se julgam os adversários por suas intenções mas pelo efeito de suas ações você mede a estratégia e o poder deles pelo que pode ver e sentir quantas vezes as intenções de alguém serviram apenas para perturbar e enganar o que importa se outro jogador seu amigo ou rival tinha boas intenções e só estava pensando no seu interesse se os efeitos das ações dele levaram a tanta ruína e confusão É natural que as pessoas disfarcem suas ações com todos os tipos de justificativas alegando sempre terem agido por generosidade você precisa aprender a rir interiormente sempre que ouvir isto e jamais cair na armadilha de avaliar os atos e intenções de alguém usando julgamentos morais que são na verdade uma desculpa para o acúmulo de poder.

[close]

p. 5

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register É um jogo o seu adversário senta-se na sua frente ambos comportam-se como damas ou cavalheiros observando as regras do jogo e sem levar nada para o lado pessoal você joga com a estratégia e observa os movimentos do seu adversário com toda a calma possível no final você aprecia a educação de quem está jogando com mais do que boas intenções treine o seu olho para acompanhar os resultados dos movimentos dele as circunstâncias externas e não se distraia com mais nada metade do seu controle do poder vem do que você não faz do que você não se permite ser arrastado a fazer para isso você deve aprender a julgar todas as coisas pelo preço que terá que pagar por elas como nietzsche escreveu o valor de uma coisa às vezes não está no que se consegue com ela mas no que se paga por ela o que ela nos custa talvez você alcance o seu objetivo e um objetivo digno de ser alcançado mas a que preço use este critério para tudo inclusive para saber se deve colaborar com outras pessoas ou correr em seu auxílio afinal a vida é curta as oportunidades são poucas e a sua energia tem limite e neste sentido o tempo é tão importante quanto qualquer outro fator não desperdice tempo valioso ou paz de espírito com assuntos alheios o preço é muito alto o poder é um jogo social para aprender a dominá-lo você deve desenvolver a capacidade de estudar e compreender as pessoas como escreveu o grande pensador e cortesão do século xvii baltasar gracián muita gente gasta o seu tempo estudando as propriedades dos animais e das ervas muito mais importante seria estudar as características das pessoas com quem temos de viver e morrer para ser um mestre no jogo você deve ser também um mestre na psicologia deve reconhecer as motivações e ver através da nuvem de poeira com que as pessoas cercam suas ações compreender os motivos ocultos das pessoas é o maior conhecimento de que se precisa para conquistar o poder e o que abre possibilidades sem fim de logro sedução e manipulação as pessoas são de uma complexidade infinita e você pode passar a vida inteira observando-as sem nunca chegar a entendê-las portanto é importantíssimo começar a aprender agora mesmo e ao fazer isso você também tem de ter em mente um princípio jamais discrimine quem você estuda e em quem você confia jamais confie totalmente em alguém e estude todos inclusive amigos e pessoas queridas finalmente você precisa aprender sempre a pegar o caminho indireto para chegar ao poder disfarce a sua astúcia como uma bola de bilhar que ricocheteia várias vezes antes de acertar o alvo seus movimentos devem ser planejados e desenvolvidos da maneira menos óbvia possível treinando para ser dissimulado você prospera na corte moderna aparentando ser um modelo de decência enquanto está sendo um consumado manipulador considere as 48 leis do poder como uma espécie de manual das artes da dissimulação as leis baseiam-se nos escritos de homens e mulheres que estudaram e dominaram o jogo do poder estes textos cobrem um período de mais de mil anos e foram criados em civilizações tão díspares quanto a antiga china e a itália renascentista e no entanto elas compartilham fios e meadas sugerindo em conjunto uma essência de poder que ainda tem de ser plenamente formulada as 48 leis do poder são uma destilação desta sabedoria acumulada reunida nos escritos dos mais ilustres estrategistas sun-tzu clausewitz estadistas bismarck talleyrand cortesãos castiglione gracián sedutores ninon de lenclos casanova e charlatões yellow kid weil da história as leis possuem uma premissa simples certas ações quase sempre aumentam o poder de alguém o cumprimento da lei enquanto outras o diminuem e até os arruinam o desrespeito à lei estas transgressões e obediências são ilustradas com exemplos históricos as leis são eternas e definitivas as 48 leis do poder podem ser usadas de várias maneiras lendo o livro do princípio ao fim você aprenderá sobre o poder em geral embora várias leis possam não parecer diretamente ligadas à sua vida com o tempo você provavelmente descobrirá que todas têm alguma aplicação e que de fato elas estão inter-relacionadas com uma visão geral do assunto você será capaz de avaliar melhor as suas próprias ações no passado e alcançar um grau maior de controle sobre seus problemas imediatos a leitura completa do livro vai continuar lhe inspirando idéias e reavaliações durante muito tempo ainda o livro também foi projetado para consultas e exame da lei que no momento lhe parecer mais pertinente ao seu caso digamos que você esteja tendo problemas com um superior e não consiga entender por que seus esforços não resultaram num sentimento maior de gratidão ou numa promoção várias leis tratam especificamente do relacionamento entre o chefe e o subalterno e é quase certo você estar transgredindo uma delas.

[close]

p. 6

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register folheando os parágrafos iniciais sobre as 48 leis no sumário você identificará a lei pertinente por fim o livro pode ser folheado e lido ao acaso como diversão como um passeio agradável por entre as fraquezas e grandes feitos de nossos antepassados no poder um aviso entretanto aos que usarem o livro com este propósito É melhor voltar atrás o poder por si só é infinitamente sedutor e ilusório É um labirinto sua mente se consumirá na solução de problemas sem fim e você logo perceberá que está agradavelmente perdido em outras palavras é muito divertido levá-lo a sério não seja leviano com um assunto tão importante os deuses do poder desaprovam a frivolidade eles só satisfazem aos que estudam e refletem e castigam os que pro curam se divertir nas espumas flutuantes o homem que tenta ser bom o tempo todo está fadado à ruína entre os inúmeros outros que não são bons por conseguinte o príncipe que desejar manter a sua autoridade deve aprender a não ser bom e usar esse conhecimento ou abster-se de usá-lo segundo a necessidade o prÍncipe nicolau maquiavel 1469-152 7 não existem princípios apenas fatos não existe o bem e o mal apenas circunstâncias o homem superior apóia fatos e circunstâncias a fim de guia-los se houvesse princípios e leis fixas as nações não as mudariam como mudamos de camisa e não se pode esperar de um homem que seja mais sábio do que uma nação inteira honoré de balzac 1799-1850

[close]

p. 7

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register lei 1 nÃo ofusque o brilho do mestre faça sempre que as pessoas acima de você se sintam confortavelmente superiores querendo agradar ou impressionar não exagere exibindo seus próprios talentos ou poderá conseguir o contrário inspirar medo e insegurança faça com que seus mestres pareçam mais brilhantes do que são na realidade todos têm as suas inseguranças quando você se expõe ao mundo e mostra os seus talentos é natural que isso desperte todos os tipos de ressentimentos invejas e outras manifestações de insegurança É de se esperar que isso aconteça você não pode passar a vida preocupando com os sentimentos mesquinhos dos outros mas com quem está acima de você é preciso adotar outra abordagem quando se trata de poder brilhar mais do que o mestre talvez seja o maior erro quem conquista um alto status na vida é como os reis e as rainhas quer se sentir seguro na sua posição e superior aos que os cercam em inteligência perspicácia e charme É uma falha de percepção mortal porém comum acreditar que exibindo e alardeando os seus dons e talentos você está conquistando o afeto do senhor ele pode fingir apreço mas na primeira oportunidade vai substituir você por alguém menos brilhante atraente e ameaçador duas regras 1ª é possível inadvertidamente brilhar mais do que o senhor sendo simplesmente você mesmo existem senhores que são mais inseguros do que outros a lição é simples se não for possível evitar ser charmoso e superior você deve aprender a evitar esses monstros de vaidade É isso ou descobrir um jeito de apagar as suas boas qualidades quando estiver com o superior 2ª não imagine que pode fazer tudo o que quiser só porque o senhor gosta de você livros inteiros poderiam ser escritos sobre favoritos que caíram em desgraça por considerar garantido o seu status por ousar brilhar sabendo dos perigos de brilhar mais do que o seu senhor você pode tirar vantagem desta lei primeiro você precisar elogiar e cortejar o seu senhor a bajulação explícita pode ser eficaz mas tem seus limites é por demais direta e óbvia e causa má impressão aos outros cortesãos cortejar discretamente é muito mais eficaz se você é mais inteligente do que seu senhor por exemplo aparente o oposto deixe que ele pareça mais inteligente do que você mostre ingenuidade faça parecer que você precisar da habilidade dele cometa erros inofensivos que não afetarão você a longo prazo mas lhe darão chance de pedir a sua ajuda os senhores adoram essas solicitações o mestre que não consegue presenteá-lo com sua experiência pode deixar cair sobre você a sua ira e má vontade se a suas idéias são mais criativas do que as do seu mestre atribua-as a ele da maneira mais pública possível deixe claro que seu conselho está simplesmente repetindo um conselho dele se você for mais esperto do que seu mestre tudo bem em representar o papel de bobo da corte mas não o faça parecer frio e mal humorado em comparação apague um pouco o seu senso de humor se necessário e descubra com fazer parecer que é ele que está divertindo e alegrando os outros o inverso você não pode ficar se preocupando em não aborrecer todas as pessoas que cruzam o seu caminho mas deve ser seletivamente cruel se o seu superior é uma estrela cadente não há perigo nenhum brilhar mais do que ele não tenha misericórdia ­ seu senhor não teve escrúpulos na sua ascensão a sangue frio até o topo calcule a força dele se for fraco apresse discretamente a sua queda supere-o seja mais encantador mais inteligente do que ele nos momentos-chave se ele for muito mais fraco e estiver prestes a cair deixe a natureza seguir o seu curso não arrisque brilhar mais do que um superior frágil ­ pode parecer crueldade ou despeito mas se o seu senhor está firme na sua posição e você sabe que é mais capaz do que ele tenha paciência e espere o momento mais propício o curso natural das coisas é o poder acabar enfraquecendo o seu senhor cairá um dia e se jogar direito você vai sobreviver e um dia brilhar mais do que ele evite brilhar mais do que o seu senhor toda superioridade é odiosa mas a superioridade de um súdito com relação ao seu príncipe não só é estúpida como fatal baltasar gracián

[close]

p. 8

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register lei 2 nÃo confie demais nos amigos aprenda a usar os inimigos cautela com os amigos eles o trairão mais rapidamente pois são com mais facilidade levados à inveja eles também se tornam mimandos e tirânicos mas contrate um ex-inimigo e ele lhe será mais fiel do que um amigo porque tem mais a provar de fato você tem mais o que temer por parte dos amigos do que dos inimigos se você não tem inimigos descubra um jeito de tê-los ninguém acredita que um amigo possa trair amigos são como os dentes e a mandíbula de um animal perigoso se você não toma cuidado eles acabam mastigando você É natural querer empregar os amigos quando você mesmo está passando por dificuldades o mundo é árido e os amigos o suaviza além do mais você os conhece por que depender de um estranho quando se tem um amigo à mão o problema é que nem sempre se conhece os amigos tão bem quando se imagina eles costumam concordar para evitar discussões disfarçam suas qualidades desagradáveis para não se ofenderem mutuamente acham graça demais nas piadas uns dos outros visto que a honestidade raramente reforça a amizade você talvez jamais saiba o que um amigo realmente sente eles dirão que gostam de poesia adoram a música injevam o seu bom gosto para se vestir ­ talvez estejam sendo sinceros com freqüência não estão quando você decide contratar um amigo aos poucos vai descobrindo as qualidades que ele ou ela estava escondendo curiosamente é o seu ato de bondade que desequilibra tudo as pessoas querem sentir que merecem a sorte que estão tendo o recibo por um favor pode ser opressivo significa que você foi escolhido porque é um amigo não necessariamente porque merece existe quase um ato de condenscendência no ato de contratar os amigos que no íntimo os aflige o dano vai surgindo lentamente um pouco mais de honestidade lampejos de inveja e ressentimento aqui e ali e antes que você perceba a amizade se foi quanto mais favores e presentes você distribuir para reavivar a amizade menos gratidão receberá em troco a ingratidão tem uma longa e profunda história ela tem demonstrado seus poderes há tantos séculos que é realmente interessante que as pessoas continuem subestimando-os melhor prestar atenção se você nunca espera gratidão de um amigo vai ter uma agradável surpresa quando eles se mostrarem agradecidos o problema de usar ou contratar amigos é que isso inevitavelmente limitará o seu poder É raro o amigo ser a pessoa mais capaz de ajudar você e afinal capacidade e competência são muito mais importantes do que sentimentos de amizade todas as situações de trabalho exigem uma certa distância entre as pessoas você está tentando trabalhar não fazer amigos a amizade real ou falsa só obscurece esse fato a chave do poder portanto é a capacidade de julgar quem é o mais capaz de favorecer os seus interesses em todas as situações guarde os amigos para a amizade mas para o trabalho prefira os capazes e competentes seus inimigos por outro lado são uma mina de ouro escondida que você deve aprender a explorar como disse lincoln você destrói um inimigo quando faz dele um amigo sem inimigos a nossa volta ficaríamos preguiçosos um inimigo nos calcanhares aguça a nossa percepção nos mantém concentrados e alertas Às vezes então é melhor usar os inimigos como inimigos mesmo em vez de transformá-los em amigos ou aliados um inimigo nitidamente definido é um argumento muito mais forte a seu favor do que todas as palavras que você conseguir usar jamais deixe que a presença de inimigos o perturbe ou aflija você está muito melhor com um ou dois adversários declarados do que quando não sabe quem é o seu verdadeiro inimigo o homem de poder aceita o conflito usando o inimigo para melhorar a sua reputação como um lutador seguro em quem se pode confiar em épocas incertas o inverso embora em geral seja melhor não misturar trabalho com amizade há momentos em que um amigo pode ser mais eficaz do que um inimigo um homem de poder por exemplo freqüentemente precisa fazer um trabalho sujo mas para salvar as aparências é melhor deixar que outros façam isso por ele os amigos são os melhores visto estarem dispostos a se arriscar pelo afeto que sentem por ele além disso se os seus planos gorarem por algum motivo o amigo é um bode expiatório muito conveniente esta queda do favorito era um truque usado com freqüência por reis e soberanos eles deixavam que o seu melhor amigo na corte assumisse a responsabilidade por um erro visto que o público não acreditaria que eles deliberadamente sacrificassem um amigo com esse propósito e claro que depois de fazer essa jogada você perdeu o seu amigo para sempre e melhor portanto reservar o papel de bode expiatório para alguém chegado a você mas não muito.

[close]

p. 9

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register finalmente o problema de trabalhar com amigos é que isso confunde os limites e as distâncias que o trabalho exige mas se ambos os parceiros no arranjo compreendem os perigos envolvidos um amigo pode ser muito eficaz você não deve jamais baixar a guarda nessa aventura entretanto fique sempre atento a qualquer sinal de perturbação emocional tal como inveja e ingratidão nada é estável no reino do poder e mesmo os amigos mais chegados podem se transformar nos piores inimigos os homens apressam-se mais a retribuir um dano do que um benefício porque a gratidão é um peso e a vingança um prazer tácito muita gente pensa que um príncipe sábio deveria tendo oportunidade incentivar astuciosamente uma inimizade uma inimizade de forma que ao elimina-la ele possa aumentar a sua grandeza os príncipes especialmente os novos encontraram mais fé e utilidade naqueles homens a quem no início do seu poder viam com suspeita do que naqueles em quem começaram confiando nicolau maquiavel saiba tirar vantagem dos inimigos você precisa aprender que não é pela lâmina que se segura a espada mas pelo punho para poder se defender o sábio lucra mais com seus inimigos do que o tolo com seus amigos baltasar gracián.

[close]

p. 10

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register lei 3 oculte suas intenÇÕes mantenha as pessoas na dúvida e no escuro jamais revelando o propósito de seus atos não sabendo o que você pretende não podem preparar uma defesa leve-as pelo caminho errado até bem longe envolva-as em bastante fumaça e quando elas perceberem as suas intenções será tarde demais parte i use objetos de desejo e pistas falsas para enganar os outros se em algum momento da sua fraude as pessoas tiverem a mais leve desconfiança quanto a suas intenções estará tudo perdido não lhes dê oportunidade de perceber o que você pretende disfarce colocando pistas falsas pelo caminho use a falsa sinceridade envie sinais ambíguos invente objetos de desejo desorientadores incapazes de distinguir o falso do verdadeiro elas não podem ver o seu objetivo real as pessoas na sua maioria são como um livro aberto elas dizem o que sentem não perdem oportunidade de deixar escapar opiniões e constantemente revelam seus planos e intenções elas fazem isso por vários motivos primeiro é fácil e natural querer sempre falar dos próprios sentimentos e planos para o futuro É difícil controlar a língua e monitorar o que se revela segundo muitos acreditam que sendo honestos e francos estão conquistando o coração das pessoas e mostrando a sua boa índole eles estão imensamente iludidos a honestidade é na verdade uma faca sem fio mais sangra do que corta a sua honestidade provavelmente vai ofender os outros é muito mais prudente medir as suas palavras dizer às pessoas o que elas querem ouvir em vez da verdade nua e crua que é o que você sente ou pensa mais importante sendo despudoradamente franco você se torna tão previsível e familiar que é quase impossível inspirar respeito ou temor e a pessoa que não desperta esses sentimentos não acumula poder se você deseja poder ponha imediatamente a honestidade de lado e comece a treinar a arte de dissimular suas intenções domine a arte e você prevalecerá sempre elementar para a habilidade de ocultar as próprias intenções é uma simples verdade sobre a natureza humana nosso primeiro instinto é sempre o de confiar nas aparências não podemos sair por aí duvidando da realidade do que vemos e ouvimos imaginar constantemente que as aparências ocultam algo mais nos deixaria exaustos e aterrorizados isto faz com que seja relativamente fácil ocultar as próprias intenções basta acenar com um objeto que você parece desejar um objetivo que você parece querer alcançar diante dos olhos das pessoas e elas tomarão a aparência como realidade uma vez com os olhos fixos na isca elas não notarão o que você está realmente pretendendo na sedução dê sinais conflitantes tais como desejo e indiferença e você não só os despistará como inflamará o seu desejo de possuir você uma tática que funciona com freqüência quando se quer armar uma pista falsa é parecer estar apoiando uma idéia ou causa que na verdade contraria o que você sente a maioria vai achar que você mudou de idéia visto não ser comum brincar com tamanha leviandade com coisas tão carregadas de emoção como as suas próprias opiniões e valores o mesmo se aplica a um objeto do desejo usado como chamariz pareça querer alguma coisa pela qual não está nem um pouco interessado e seus inimigos perderão o rumo calculando tudo errado durante a guerra da sucessão espanhola em 1711 o duque de marlborough chefe do exército inglês queria destruir um forte francês importantíssimo que protegia uma estrada vital para a entrada na frança mas ele sabia que ao destruí-lo os franceses perceberiam o que ele queria avançar por aquela estrada em vez disso ele simplesmente capturou o forte e o guarneceu com algumas das suas tropas como se o desejasse para algum propósito particular os franceses atacaram o forte e o duque deixou que ele fosse reconquistado novamente de posse do forte entretanto eles o destruíram imaginando que o duque tinha alguma razão importante para querer ficar com ele agora o forte não existia mais o caminho estava livre e marlborough pôde facilmente entrar na frança use esta tática da seguinte maneira não esconda as suas intenções se fechando com o risco de parecer misterioso e deixar as pessoas desconfiadas mas falando sem parar sobre seus desejos e objetivos só que não os verdadeiros você matará três coelhos com uma só cajadada vai parecer uma pessoa cordial franca e confiável ocultará suas intenções e deixará seus rivais atordoados tentando achar inutilmente uma coisa que levarão tempo para descobrir outra ferramenta eficaz para colocar as pessoas desorientadas é a falsa sinceridade elas confundem facilmente sinceridade com honestidade lembre-se o primeiro instinto é o de confiar nas aparências e como as pessoas valorizam a honestidade e querem acreditar na honestidade dos que as cercam raramente irão duvidar de você ou perceber o que você está fazendo parecer que está acreditando no que você mesmo diz dá um grande peso às suas palavras foi assim que iago enganou e destruiu otelo diante da intensidade das suas emoções da aparente sinceridade da sua preocupação com a suposta infidelidade de desdêmona como otelo poderia desconfiar dele foi assim também que o grande charlatão yellow kid weil tapou os olhos das suas vítimas parecendo acreditar tanto no objeto-isca que

[close]

p. 11

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register acenava diante deles um cavalo falso um cavalo de corrida apresentado como uma barbada ficava difícil duvidar da sua realidade claro que é importante não exagerar nessa área a sinceridade é uma arma traiçoeira aparente estar apaixonado demais e despertará suspeitas seja uma pessoa comedida e em quem se possa acreditar ou a sua artimanha parecerá a fraude que ela é para que a sua falsa sinceridade seja uma arma eficaz ocultando as suas verdadeiras intenções adote a fé na honestidade e na franqueza como valores sociais importantes faça isso da forma mais pública possível enfatize a sua posição quanto a isso divulgando ocasionalmente alguma idéia sincera mas só aquela realmente sem importância ou irrelevante é claro o ministro de napoleão talleyrand era mestre em despertar a confiança das pessoas revelando um suposto segredo esta confiança fingida a isca despertava em seguida a confiança verdadeira do outro lembre-se os maiores impostores fazem de tudo para encobrir suas virtudes traiçoeiras cultivam um ar de pessoa honesta numa área para disfarçar a sua desonestidade em outras a honestidade é simplesmente mais uma isca no seu arsenal parte ii disfarce as suas ações entre cortinas de fumaça trapacear é sempre a melhor estratégia mas as melhores trapaças exigem uma cortina de fumaça para distrair a atenção das pessoas do seu verdadeiro propósito o exterior afável ­ como a inescrutável cara-de-pau ­ e quase sempre a cortina de fumaça perfeita escondendo suas intenções por trás do que confortável e familiar se você conduzir a vítima por um caminho desconhecido ela não perceberá que você a está levando para uma armadilha lembre-se os paranóicos e desconfiados são os mais fáceis de enganar conquiste a sua confiança numa área e você terá a cortina de fumaça que turva a visão deles em outra deixando que você se aproxime de manso e os arrase com um golpe devastador um gesto prestativo ou aparentemente honesto ou que sugira a superioridade do outro estas são táticas diversionistas perfeitas adequadamente montada a cortina de fumaça é uma arma poderosíssima se você acha que trapaceiros são aquela gente pitoresca que ilude com mentiras elaboradas e histórias incríveis está muito enganado os maiores impostores são os que utilizam uma fachada suave e invisível que não chama atenção eles sabem que gestos e palavras extravagantes levantam logo suspeita pelo contrário eles envolvem o seu objetivo numa aura familiar banal inofensiva depois que você tiver atraído a atenção das suas vítimas para o familiar elas não notarão a fraude que está ocorrendo pelas suas costas a origem disso está numa verdade muito simples as pessoas só conseguem focalizar uma coisa de cada vez e realmente muito difícil para elas imaginar que a pessoa suave e inofensiva com quem estão lidando está ao mesmo tempo tramando outra coisa quanto mais cinza e uniforme a fumaça da sua cortina melhor ela esconde as suas intenções nas iscas e pistas falsas discutidas na parte 1 você distrai ativamente as pessoas na cortina de fumaça você ilude a sua vítima atraindo-a para a sua teia por ser tão hipnótica esta é com freqüência a melhor maneira de dissimular suas intenções a forma mais simples de cortina de fumaça é a expressão facial por trás de um exterior brando ilegível podem estar sendo tramados todos os tipos de ações violentas e prejudiciais sem serem percebidas esta é uma arma que a maioria dos homens poderosos na história aprendem a usar à perfeição dizia-se que ninguém era capaz de ler o rosto de franklin d roosevelt o barão james rothschild teve por hábito durante toda a sua vida disfarçar o que estava realmente pensando com sorrisos afáveis e olhares indefiníveis stendhal escreveu a respeito de talleyrand jamais um rosto serviu tão pouco de barômetro henry kissinger fazia seus adversários numa mesa de negociação chorar de tédio com seu tom de voz monótono seu olhar inexpressivo seus detalhamentos intermináveis e aí quando já estavam com o olhar esgazeado ele os atingia de repente com uma relação de termos ousados apanhados desprevenidos intimidavam-se facilmente como explica um manual de pôquer na sua vez de jogar o bom jogador raramente é um ator pelo contrário ele pratica um comportamento frio que minimiza os padrões legíveis frustra e confunde o adversário e permite mais concentração um conceito adaptável a cortina de fumaça pode ser praticada em vários níveis todos jogando com os princípios psicológicos da distração e da desorientação uma das cortinas de fumaça mais eficazes é o gesto nobre as pessoas querem acreditar que gestos aparentemente nobres são autênticos porque é uma crença agradável elas raramente notam como eles enganam o comerciante de peças de arte joseph duveen se viu certa vez diante de um terrível problema os milionários que pagavam tão bem por seus quadros não tinham mais tanto espaço nas suas paredes e com os impostos sobre heranças subindo cada vez mais parecia pouco provável que continuassem comprando a solução foi a national gallery of art em washington d.c que duveen ajudou a criar em 1937 conseguindo que andrew mellon doasse a sua coleção a national gallery era a fachada perfeita para duveen num só gesto seus clientes fugiam aos impostos abriam espaço nas paredes para novas aquisições e reduziam o número de quadros no mercado mantendo a pressão que aumentava o seu preço tudo isto enquanto os doadores aparentavam ser benfeitores da sociedade outra cortina de fumaça eficaz é o padrão quando se estabelece uma série de ações que seduzem a vítima e a

[close]

p. 12

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register fazem acreditar que as coisas continuarão sempre da mesma maneira o padrão joga com a psicologia da expectativa nosso comportamento se encaixa no padrão ou assim gostamos de pensar em 1878 o barão ladrão americano jay gould criou uma empresa que começou a ameaçar o monopólio da companhia de telégrafos western union os diretores da western union resolveram comprar a empresa de gould foi preciso dispor de uma quantia considerável mas eles achavam que tinham conseguido se livrar de um irritante adversário poucos meses depois entretanto gould estava lá de novo queixando-se de que fora tratado injustamente ele abriu uma segunda empresa para competir com a western union e a sua nova aquisição a mesma coisa voltou a acontecer a western union comprou a empresa para fazer com que ele calasse a boca logo o padrão voltou a se repetir pela terceira vez mas agora gould atacou na jugular de repente ele iniciou e logo conseguiu uma sangrenta tomada de controle hostil da western union ele tinha estabelecido um padrão que iludiu os diretores da empresa fazendo-os achar que o seu objetivo era ser comprado por um preço razoável depois de comprar eles relaxavam e não percebiam que estavam na verdade apostando mais alto o padrão funciona muito bem porque a pessoa se ilude esperando o contrário do que você está realmente fazendo outra fraqueza psicológica que serve de base para se construir uma cortina de fumaça é a tendência que as pessoas têm de confundir aparência com realidade a idéia de que se alguém parece fazer parte do seu grupo é porque faz realmente este hábito faz da camuflagem uma fachada muito eficaz o truque é simples você simplesmente se mistura com as pessoas ao seu redor quanto mais você se misturar menos suspeito se tornará durante a guerra fria das décadas de 1950 e 1960 como hoje se sabe muitos funcionários públicos britânicos passaram informações secretas para os soviéticos ninguém descobriu nada durante anos porque eles eram aparentemente sujeitos honestos tinham freqüentado boas escolas e se adequavam perfeitamente ao modelo da rede de ex-alunos de escolas de prestígio a mistura é a cortina de fumaça perfeita para a espionagem quanto mais você se misturar melhor conseguirá disfarçar suas intenções lembre-se é preciso paciência e humildade para apagar as suas cores brilhantes e colocar a máscara da pessoa insignificante não se desespere por ter de usar esta máscara apagada quase sempre é a sua ilegibilidade que atrai os outros e faz você parecer poderoso o inverso não há cortina de fumaça pista falsa insinceridade ou outra tática diversionista qualquer que disfarce as suas intenções se você já tiver fama de impostor com a idade e o sucesso que você vai alcançando se torna cada vez mais difícil disfarçar a sua esperteza todos sabem que você é dissimulado continue bancando o ingênuo e corra o risco de parecer um grande hipócrita o que limitará seriamente o seu espaço de manobra nesses casos é melhor assumir aparentar ser um patife honesto ou melhor um patife arrependido não só vão admirá-lo por sua franqueza como o que é mais estranho e maravilhoso você vai conseguir continuar com as suas artimanhas À medida que ia ficando mais velho p.t barnum o rei da fraude no século xix foi aprendendo a aceitar a sua reputação de grande impostor num determinado momento ele organizou uma caça a búfalos em nova jersey completa com índios e alguns búfalos importados ele divulgou a caçada como sendo autêntica mas o resultado foi tão artificial que a multidão em vez de ficar zangada e pedir o dinheiro de volta se divertiu muito eles sabiam que barnum trapaceava o tempo todo era o segredo do seu sucesso e gostavam dele por isso aprendendo a lição barnum parou de esconder as suas artimanhas chegando até a revelar suas fraudes numa autobiografia como escreveu kierkegaard o mundo quer ser enganado finalmente embora seja mais sábio distrair a atenção dos seus propósitos apresentando um exterior suave e familiar há momentos em que o gesto colorido visível é a tática diversionista correta os grandes charlatões saltimbancos da europa nos séculos xvii e xviii usavam o humor e o divertimento para iludir suas platéias deslumbrado com o espetáculo o público não percebia as verdadeiras intenções dos charlatões assim o próprio astro charlatão aparecia na cidade numa carruagem negra puxada por cavalos negros palhaços funâmbulos e artistas de espetáculos de variedade o acompanhavam atraindo o povo para as suas demonstrações de elixires e poções milagrosas o charlatão fazia o divertimento parecer o assunto do dia quando na verdade o assunto do dia era a venda dos elixires e poções milagrosas espetáculo e divertimento são nitidamente excelentes artifícios para dissimular as suas intenções mas não podem ser usados indefinidamente o público se cansa e desconfia e acaba percebendo o truque pessoas poderosas com exteriores afáveis por outro lado os talleyrand os rothschild os selassie podem praticar suas dissimulações no mesmo lugar a vida inteira seu ato não se desgasta e raramente levanta suspeitas a cortina de fumaça colorida deve ser usada com cautela portanto e só na ocasião certa não deixe que o vejam como impostor mesmo que hoje seja impossível não o ser que a sua maior esperteza esteja em

[close]

p. 13

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register dissimular o que parece ser esperteza baltasar gracián já ouviu falar de um general muito hábil que pretende surpreender uma cidadela anunciando seus planos ao inimigo oculte os seus propósitos e esconda o seu progresso não revele a extensão dos seus objetivos até ser impossível se opor a eles até terminar o combate conquiste a vitória antes de declarar a guerra em resumo imite aqueles guerreiros cujas intenções ninguém sabe exceto o país destruído por onde eles passaram ninon de lenclos 1623-1706

[close]

p. 14

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register lei 4 diga menos do que o necessÁrio quando você procura impressionar as pessoas com palavras quanto mais você diz mais comum aparenta ser e menos controle da situação parece ter mesmo que você esteja dizendo algo banal vai parecer original se você o tornar vago amplo e enigmático pessoas poderosas impressionam e intimidam falando pouco quanto mais você fala maior a probabilidade de dizer uma besteira o poder é de várias maneiras um jogo de aparências e quando você diz menos do que o necessário inevitavelmente parecerá maior e mais poderoso do que é o seu silêncio deixará as pessoas pouco à vontade os seres humanos são máquinas de interpretar e explicar e explicar precisam saber o que o outro está pensando se você controla cuidadosamente o que revela eles não conseguirão penetrar nas suas intenções ou nos seus pensamentos as respostas curtas que você der e o seu silêncio os colocarão na defensiva e eles nervosos se apressarão a preencher o silêncio com diversos comentários que acabam revelando informações valiosas sobre eles mesmos e as suas fraquezas eles sairão de uma reunião com você sentindo-se roubados e irão para casa pensar em todas as palavras que você disse esta atenção extra às suas parcas observações só aumentará o poder que você tem dizer menos do que o necessário não é só para os reis e estadistas em quase todas as áreas da vida quanto menos você diz mais profundo e misterioso parece quando jovem o artista andy warhol teve a revelação de que era impossível convencer as pessoas a fazer o que se queria delas apenas conversando elas se voltariam contra você subverteriam os seus desejos desobedeceriam a você por simples perversidade certa vez ele disse a um amigo aprendi que na verdade você tem mais poder quando fica de boca fechada falando menos do que o necessário você cria a aparência de significado e de poder também quanto menos você diz menor é o risco de falar uma bobagem ou até algo perigoso em 1825 um novo czar nicolau i subiu ao trono da rússia imediatamente houve uma rebelião liderada por liberais que exigiam que o país se modernizasse que suas indústrias e estruturas civis se igualassem às do resto da europa esmagando brutalmente esta revolta a insurreição de dezembro nicolau i condenou à morte um de seus líderes kondrati rileive no dia da execução rileiev subiu ao patíbulo a corda no pescoço o alçapão se abriu mas quando rileiev ficou suspenso no ar a corda se rompeu e ele foi ao chão na época essas ocorrências eram sinal da providência ou vontade divina e quem se salvasse da morte dessa forma costumava ser perdoado quando rileive se levantou sujo e arranhado mas acreditando que estava com o pescoço à salvo gritou para a multidão estão vendo na rússia não sabem fazer nada direito nem mesmo uma corda um mensageiro seguiu imediatamente para o palácio de inverno com a notícia do enforcamento que não tinha acontecido apesar de irritado com essa reviravolta frustrante nicolau i começou a assinar o perdão mas aí releiev disse alguma coisa depois deste milagre o czar perguntou ao mensageiro senhor o mensageiro respondeu ele disse que na rússia não se sabe nem fazer uma corda nesse caso disse o czar vamos provar o contrário e rasgou o perdão no dia seguinte rileiev foi para a forca de novo desta vez a corda não se partiu aprenda a lição as palavras depois de pronunciadas não podem ser tomadas de volta mantenha-as sob controle cuidado particularmente com o sarcasmo a satisfação momentânea que se tem dizendo frases sarcásticas será menor do que o preço que se paga por ela o inverso há momentos em que não é sensato ficar calado o silêncio pode despertar suspeitas e até insegurança especialmente nos seus superiores um comentário vago e ambíguo pode expor você a interpretações com as quais não contava ficar em silêncio e dizer menos do que o necessário são técnicas que devem ser praticadas com cautela portanto e na ocasião certa ocasionalmente é mais sensato imitar o bobo da corte que se faz de tolo mas sabe que é mais esperto do que o rei ele fala e fala e distrai todo mundo ninguém desconfia de que ele não é tão tolo assim Às vezes as palavras também funcionam como uma espécie de cortina de fumaça quando você quer enganar os outros enchendo os seus ouvintes com palavras você os distrai e hipnotiza quanto mais você falar menos eles desconfiam de você a verborragia não é percebida como maliciosa e manipuladora mas como sinal de incompetência e ingenuidade isto é o inverso da política do silêncio utilizada pelos poderosos falando mais e parecendo mais fraco e menos inteligente do que é você pratica a dissimulação com muito mais facilidade não abra a boca antes dos seus subordinados quanto mais você permanecer calado mais rápido os outros começam a dar com a língua nos dentes quando eles movem os lábios e dão com a língua nos dentes eu posso compreender suas

[close]

p. 15

this document has been created with a demo version of pdf create convert http www.equinox-software.com/products/pdf_create_convert.html to remove this message please register verdadeiras intenções se o soberano não é misterioso os ministros terão oportunidade de se aproveitar han-fei-tsé filósofo chinês século 3 a.c.

[close]

Comments

no comments yet