Revista Empresário Digital - Edição 178

 

Embed or link this publication

Description

Revista Empresário Digital - Edição 178

Popular Pages


p. 1

empresariodigital.com.br • 1

[close]

p. 2

2 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 3

carta ao leitor COMO VALORIZAR O TRABALHO? Éaceitável considerar inteligência de negócio como uma simples lista de nomes – e que pode ser adquirida pelo preço de um CD de banca de jornal? Pois eu respondo: inteligência é toda uma galáxia além disso. Até porque os mesmos cem clientes qualificados podem representar zero, 8 milhões ou mesmo 80 milhões de faturamento por ano no consumo de materiais para comunicação visual. E isso, são dados de realidade. Tudo vai depender de quem está no comando e quais serão as escolhas em relação as pessoas, os processos e os produtos. É fundamental entender a diferença entre um chicote e o que realmente motiva a ação para a compra. Mais importante que definir tarefas e políticas de descontos é criar métricas de resultados e empoderar o time vendas. Mas vamos pensar além... Não atoa, as empresas de maior desempenho investem em treinamento, além de tecnologia. De nada adianta investir alguns reais ou milhões em um equipamento, não ter pessoas capacitadas e ainda assim esperar por bons resultados. O mesmo acontece quando você coloca alguém muito qualificado para cuidar da sua marca, mas sem recursos fundamentais. Ou o que é pior... alguém sem o conhecimento mínimo necessário. Seria o mesmo que ignorar as fases essenciais para a produção de uma boa foto e acreditar que o importante seja a câmera. Aliás, há uma metáfora que se encaixa perfeitamente nessa relação. O fotógrafo vai jantar na casa de uma pessoa e, ao mostrar suas fotos, escuta isto: “que lindas fotos, você deve ter uma ótima câmera”. Ele então se cala e, na hora de ir embora, comenta: “o jantar estava ótimo, você deve ter ótimas panelas”. Enfim, se não houver predisposição para fazer as coisas darem certo, o resultado será sempre medíocre. Além de recursos, perderemos tempo, nosso bem mais precioso. Então, qual o limite entre continuar tentando e desistir de um cliente? O meu propósito sempre foi ajudar os meus clientes na ponte entre seu conteúdo e a pessoa que vai consumir isso. O que eu não posso fazer é mudar toda a história para enganar o valor percebido e pôr em risco a credibilidade. Por isso, o meu papel nos últimos anos tem sido investir em dados – um ponto que eu identifiquei e precisava ser melhorado. De verdade, eu não imaginava que era possível ir muito além e ter um crescimento exponencial logo de cara. Mas, para fazer isso, tive de dedicar tempo e recurso financeiro. Quem acredita em mim, no meu caráter e conhece a minha trajetória não duvida de que a minha oferta de valor tem um propósito. Do contrário, vai pedir lista achando que marketing é a simples arte de saber onde estão os clientes. E perderá a oportunidade de caminhar a passos largos, reduzindo tempo e dinheiro. Marco Marcelino, diretor editorial Twitter do editor: @marco_marcelino Twitter da revista: @revista_ESD www.empresariodigital.com.br (notícias todos os dias) CAPA A importância de de ter clientes engajados Pág. 26 4 Serigrafia 6 Marketing 8 Análise 10 Case de Sucesso 12 Gestão de Pessoas 14 Têxtil 16 Out of home 18 Técnico 20 Tintas 22 Sala Vip 24 Economia 32 Consultor 34 Entrevista Avenida Paulista, 1079 • 8º andar Bela Vista • São Paulo/SP • Brasil Fone/Fax: (11) 2787-6386 www.serinews.com.br Publisher: Marco Marcelino {44.446} mmarcelino@serinews.com.br Comercial: Fabio Peres fperes@serinews.com.br Gerente Editorial: Jorge Luiz Mussolin {15.978} jmussolin@serinews.com.br Jornalista: Alexandre Carvalho {44.252} alecarvalho@serinews.com.br Designer: Patricia Barboni patricia@be-erredesign.com.br Foto e Artigo de capa: Estúdio Nós Fotografia por Yuri Mine As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores, não refletindo necessariamente a opinião da editora. As fotos publicadas têm caráter de informação e ilustração das matérias. Os direitos das marcas são reservados aos seus titulares. As matérias aqui apresentadas podem ser reproduzidas mediante prévia consulta por escrito à Editora. O não cumprimento dessa determinação sujeitará o infrator as penalidades previstas na Lei de Direitos Autorais. (Lei 9.610/98). empresariodigital.com.br • 3

[close]

p. 4

serigrafia A diferença está na escolha do processo Areprodução de uma imagem tem suas variações, começando pelo processo gráfico escolhido. Seja offset, serigrafia, flexografia ou impressão digital, temos desdobramentos que implicam em mais processos. Cada fase tem inúmeras variáveis e no caso de serigrafia, a preparação da matriz determina a qualidade, a resistência, logo a capacidade produtiva e impacta diretamente nos custos da impressão. Controlar os parâmetros significa dominar o processo e oferecer uma grande vantagem competitiva em termos de impressão. Uma matriz com a escolha adequada do quadro, tecido e fixador vai impactar na qualidade, mas sem dúvidas o processo para fazer essa montagem é a grande diferença. Se você pegar um quadro de madeira de baixa qualidade e estivar um tecido de boa qualidade num sistema automático de esticagem, implicará num problema de estabilidade dimensional e teremos uma tela provavelmente empenada. Um bom quadro com um bom tecido e uma péssima cola num sistema automático, significa uma tela de baixa vida útil. E assim se formos variando as possibilidades, veremos que as escolhas só apontam para um caminho: saber fazer escolhas. Se tivermos os melhores produtos e um sistema manual para esticagem do tecido, o resultado será uma tela de baixa tensão e comprometimento na formação da imagem durante o processo de impressão. Então vamos entender o porquê de investir num sistema de esticagem. O custo é menor, ainda que haja um investimento inicial a ser considerado. A esticagem com equipamentos automatizados ou tensionadores pneumáticos foram desenvolvidos para acompanhar o enlongamento do tecido de uma tela serigráfica, sem atrito, ciência e máxima capacidade de tensão dos fios. A exemplo da G-STRETCH 215, uma mesa de esticagem que permite controle, precisão e repetibilidade com garantias e padrões. Com esse sistema você pode esticar telas de até 3 x 3 metros e considerar a partir da tecnologia embarcada, a reprodução a partir de um sistema telescópio com rápido ajuste ao tamanho das telas e pré-tensionamento automático. É possível tensionar simultâneo, diversas telas e garantir controle automático a partir de 30 programas de memória. A versão G-STRETCH 270A é um equipamento eletromecânico para tensionamento automático. Um mecanismo controla automaticamente por tensiomêtro acoplado. A movimentação alinhada à trama do tecido, sem distorção da geometria da malha. O ajuste é progressivo ao tamanho do quadro, que nesse caso é de até 1500 x 1500 mm. São equipamentos para quem produz altíssima qualidade em precisão de imagem. Mas se o desafio é telas de 4 por 10 metros, a versão G-STRETCH 281 é a ideal. Além de alta capacidade produtiva com consumo mínimo de tecido, ele controla remotamente a esticagem e tem um sistema com variação de velocidade em dois sentidos. Se você ficou interessado em saber mais sobre os processos de esticagem entre em contato com a Agabê através do site: www.agabe.com 10 motivos para escolher esticagem automatizada 1. Controle exato da tensão; 2. Rapidez do processo; 3. Padronização do processo; 4. Controle dos parâmetros de deposição de tinta; 5.Controle total do registro de impressão; 6. Controle do fora de contato na impressão 7. Quadro de alumínio sem deformação da imagem; 8. Quadro de alumínio com maior vida útil; 9. Quadro de alumínio não se tem a preocupação de enferrujar; 10. Quadro de alumínio é leve e versátil 4 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 5

empresariodigital.com.br • 5

[close]

p. 6

marketing Por Bruno Mello* O que você está fazendo para transformar leads em vendas ESTÁ ERRADO Sem planejamento e com a aplicação de receitas formatadas dificilmente haverá conversão. Saber em qual estágio do funil está o cadastrado é o primeiro passo v ivemos a corrida pelo lead. Depois da descoberta do Inbound Marketing como ferramenta poderosa de vendas, passou-se a buscar contatos de potenciais clientes como se houvesse alguma garantia de que aquele cadastro era realmente um lead. Quem tem um pouco mais de estrada neste caminho de criação de conteúdo para vender sabe que é preciso ir além. Inteligência artificial e automação de Marketing são dois aliados nesta missão. Na sequência, dedicação e planejamento farão com que os números e as ferramentas trabalham a seu favor. Precisamos desmistificar dois sensos comuns do mercado. Primeiro, um cadastro é um cadastro e um lead é um lead. São muito diferentes. O erro começa quando se age quase que ingenuamente acreditando que todas as pessoas que por ventura forneceram seus contatos podem chegar ao final do funil como clientes. Não vão. As taxas de conversão mostram isso claramente, mas, mesmo assim, continuamos tratando o cadastro como potencial cliente, como um lead. A briga não é para aumentar a taxa de conversão. É preciso entender quem são estes cadastrados. Mapear e analisar a sua jornada de compra, completa, se possível on e off-line. O primeiro passo, digitalmente, é ter mais filtros de entrada que possam direcionar os públicos de maneira diferente. Essencialmente, devemos conduzi-los por funis distintos, cada qual com sua necessidade. Pois, caso contrário, e o que já vem acontecendo com muitas estratégias de inbound, os custos com todo este processo começam a ficar onerosos. Este é o segundo mito. Aplicar uma receita de bolo uniforme não apenas para todos os cadastros, mas até para potenciais cadastros é um erro fatal, pois nem todos estão no começo do funil. O jogo principal é atrair a atenção seja em qual momento a pessoa estiver. Pode-se e deve-se atrair cadastros direcionando conteúdos diferentes para todas as fases simultaneamente, desde a descoberta, até a decisão de compra, passando pelo reconhecimento do problema e da consideração da solução, no caso, seu produto ou serviço. Por isso, saber por onde caminham seus cadastrados é essencial e não é difícil. Existem no mercado diversas ferramentas que mapeiam o passo a passo das pessoas no ambiente digital por meio da inteligência artificial e podem ser programadas para uma ação. Não podemos nos precipitar colocando o plano na rua sem considerar isso, nem agir cautelosamente demais seguindo um fluxo muito longo. Infelizmente, nós brasileiros, não costumamos passar muito tempo dedicado ao planejamento. Somos mais de executar. Expediente que não funciona no Inbound Marketing, que utiliza inteligência de dados e automação. Primeiro, é preciso mapear, analisar e categorizar os cadastros. Daí cria-se parâmetros, fluxos e ações direcionadas para cada perfil, dando atenção especial aos, agora sim, leads, para transformar o tão suado cadastro em vendas. *Bruno Melo é fundador e editor executivo do portal Mundo do Marketing. Formado em jornalismo pela FACHA e com MBA em Gestão de Marketing pela UFRJ, trabalhou no Jornal de Turismo, na Rádio Carioca cobrindo economia, em sites e revista sobre automobilismo e no site da TVE Brasil, hoje TV Brasil. Fez Planejamento de Comunicação e Assessoria de Imprensa e Marketing para ONGs, piloto de Stock Car e para a Organização Hélio Alonso de Educação e Cultura. 6 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 7

empresariodigital.com.br • 7

[close]

p. 8

análise Otimismo com o crescimento e preocupação com o repasse dos custos Q uase a totalidade (96%) dos CEOs das empresas brasileiras entrevistados pela KPMG espera o crescimento da economia respectivamente). Entretanto, no atual levantamento, um dos grandes temores das lideranças (66% dos depoentes) é que sejam obrigadas a repassar os custos da alta da inflação aos clientes, hipótese “A preocupação dos CEOs com a inflação não coincide com as análises do Banco Central, do Copom e do próprio mercado financeiro, que projetam queda do IPCA. Então, o que se pode inferir da nacional nos próximos 12 essa que sequer foi mencionada em 2016. cautela dos executivos quanto à questão meses e a mesma proporção está confiante Os dados constam na pesquisa “CEO inflacionária é que persiste a preocupação no desempenho da companhia que presi- Outlook 2017” que entrevistou 50 CEOs relativa à estabilidade política do Brasil, de, resultado bem acima do que o obtido no Brasil e 1.300 no mundo. cuja oscilação pode impactar itens como na pesquisa do ano passado (68% e 56%, O estudo deste ano apontou ainda a desvalorização da moeda e taxa de que 58% dos entrevistados temem o câmbio”, afirma o presidente da KPMG aumento da inflação; 84%, a elevação no Brasil, Pedro Melo. “Mas, não da taxa de impostos; e 30%, o aumento podemos deixar de destacar o otimismo da taxa de juros. dos CEOs que vislumbram crescimento para os próximos meses. Isso pode ser creditado à confiança que os executivos têm nos modelos de negócios utilizados”, completa Melo. Com relação às perspectivas para o Bra- sil nos próximos três anos, a maioria dos CEOs (96%) também diz estar confiante. É uma conclusão bem distante da que se observou no exercício anterior, quando 76% acreditavam na retomada do nível de atividade. Quanto ao crescimento global este ano, 96% também confiam no avan- ço. Em 2016, este índice foi de 46%. O levantamento indicou que 96% dos entrevistados brasileiros estão confiantes na expansão da companhia que dirigem contra 52% registrados pela pesquisa anterior. A estimativa, para 76% dos CEOs, é que esse índice varie entre 0,01 e 1,99% ao ano. Voltando os olhos para o setor no qual estão inseridos, 68% dizem-se confiantes na expansão – em 2016 eram 44%. Acesse: www.kpmg.com.br/ceooutlook 8 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 9

empresariodigital.com.br • 9

[close]

p. 10

case de sucesso Especialista alemão traz as tendências tecnológicas Na palestra “Tendências tecnológicas até 2020”, Rainer vai trazer o que a indústria de impressão vem preparando em inovação nos próximos anos. A drupa 2016 abriu as portas para novas soluções: “Na área de tecnologia tivemos os equipamentos digitais de pré e pós-impressão, incluindo embelezamento digital para impressão e a maturação de software para produção automatizada da impressão. O A segunda parte de minha palestra na Conferência trará mais detalhes sobre este tópico”, frisa Rainer. A vinda de novos equipamentos ao mercado traz como ponto fundamental o conhecimento de suas características e recursos por parte dos impressores, como considera o especialista: “A alta produtividade, os baixos custos de produção e as receitas são muito dependentes do know-how dos profissionais de impressão”, destacou Rainer, que considera a internet uma grande aliada da impressão, mas ressaltando que a maioria dos profisCongresso Internacional de Tecnologia sionais de impressão da América Latina Gráfica vai receber o alemão Rainer ainda não está ciente disso. Wagner, um dos maiores especialistas em impressão do mundo. O evento, Troca de informações que ocorre em 24 de agosto na cidade Na visão de Rainer Wagner, encontros de São Paulo, é uma parceria entre APS como o Congresso Internacional de TecFeiras e ABTG (Associação Brasileira de nologia Gráfica são muito importantes: Tecnologia Gráfica). Em entrevista, Rai- “Como temos de criar nosso próprio futuner destacou o quanto as tecnologias de ro pessoalmente e nos negócios, eventos comunicação gráfica vêm avançando e a como um congresso de alto nível apoia importância de entender tais mudanças. a criatividade e, esperamos, inicia ou dá um suporte ao processo de inovação das empresas participantes”. O especialista alemão destacou a troca de informações entre os mercados da Europa e da América Latina: “O intercâmbio de informações é o ponto-chave da inovação. Como mudarei meu modelo de negócio sem a informação de outros profissionais de impressão e suas experiências com o processo de inovação? Bem, a primeira parte da minha palestra irá apresentar a experiência de alguns profissionais da América Latina sobre como garantir o futuro próximo de seus negócios de impressão. Isto aborda componentes essenciais aprovados para garantir sua existência em uma sociedade latinoamericana de comunicação digital inovando seus modelos de negócio”. Rainer Wagner Rainer Wagner é engenheiro gráfico pela Universidade de Munique, Alemanha. É Consultor técnico e especialista em estandardização e automação da produção gráfica, com clientes nos Estados Unidos e América Latina. É membro da FOGRA - Instituto Alemão de Pesquisa em Impressão. Palestrante frequente nos seminários técnicos de Graphics of the Americas e diversos congressos. Tem publicado dois livros e diversos artigos técnicos. Mais informações: www.apsfeiras. com.br/congressoabtg. 10 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 11

empresariodigital.com.br • 11

[close]

p. 12

gestão de pessoas Por Tom Coelho* EXCELÊNCIA NO “ ATENDIMENTOA maior habilidade de um líder é desenvolver qualidades extraordinárias “em pessoas comuns. H(Abraham Lincoln) á alguns meses eu retornava de um evento no interior de Minas Gerais, trafegando pela Rodovia Fernão Dias, quando repentinamente senti uma Consciente de que aquele local não seria adequado, em hipótese alguma, para uma eventual cirurgia, consegui ser medicado com uma dose de morfina que me permitiu pegar a estrada e retornar a São Paulo, onde me dirigi ao Hospital 9 forte dor na região lombar. de Julho. Lá, tudo mudou! Imediatamente parei o carro no acostamento, desci para me alongar, mas de nada adiantou. Pesquisei o hospital A qualidade do atendimento começou já na recepção, com profissionais respeitosas e sensíveis, que tiveram a privado mais próximo e, com muita difi- preocupação de orientar e agilizar os culdade, quinze minutos depois estava lá. procedimentos. Após a liberação do Entreguei meu documento de identidade na recepção, pois sequer era possível aguardar qualquer procedimento. Porém, quarto, fui muito bem recebido pela técnica em enfermagem Nélia e pela enfermeira Priscila. Ao ser transferido a partir daí, passei por uma das piores para o centro cirúrgico, fui gentilmente experiências que já tive. conduzido pelo assistente de transporte Resumidamente, fiquei naquele hospital por sete horas recebendo um péssimo atendimento. Para exemplificar, so- Ednei. E a cirurgia foi conduzida com excelência pelo anestesista Cássio e pelo Dr. Flávio Areas. mente cheguei a ser medicado quando Meu intuito é lhe deixar uma reflexão literalmente caí no chão de dor. Após uma série de exames foi identificado que o problema era um cálculo renal. diante deste relato. O que diferencia de forma tão contundente o atendimento em ambos os estabelecimentos? Seria a infra- Mas a mediocridade dos profissionais era estrutura de cada um dos hospitais? Ou tamanha que o médico que me assistia, a formação dos profissionais envolvidos? ao terminar seu turno de trabalho, sequer teve o mínimo de respeito em me informar (bem como aos demais pacientes) quem Não, a resposta é vocação e gestão. Em um hospital encontrei pessoas que nitidamente vão trabalhar apenas para daria continuidade no atendimento. garantir seu sustento ao final do mês. Gente preocupada em cumprir apenas o básico, em fazer o possível, à espera do horário para ir embora quando. No outro, pessoas que gostam e apreciam o que fazem, interessadas em fazer o seu melhor, cientes de que um paciente, independentemente de sua condição, está ali por necessidade, motivo pelo qual procuram transmitir acolhimento e carinho para amenizar o desconforto. Esta é a diferença entre trabalhar por vocação ou por mera necessidade financeira. Mas a gestão também está presente. Afinal, cabe aos líderes criarem um ambiente favorável para que seus colaboradores possam atuar de maneira assertiva, cumprindo com seu propósito pessoal. Isso envolve valores corporativos legítimos capazes de unir e alinhar a equipe, treinamento e capacitação regulares e autonomia para propor mudanças em busca da melhoria contínua. Deixo-lhe uma questão final: qual o padrão adotado pela empresa na qual você trabalha? * Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de nove livros. E-mail: tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www. tomcoelho.com.br, www.setevidas.com.br e www. zeroacidente.com.br. 12 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 13

empresariodigital.com.br • 13

[close]

p. 14

têxtil Bertucci Fashion Uniforms surge para revolucionar o conceito de uniforme no Brasil Voltada aos segmentos Hospitalar, Escolar e Corporativo, Loja Conceito é criada em São Paulo para oferecer design, tecnologia, sustentabilidade Pcom preço justo aos seus clientes ela primeira vez, a alta tecnologia está presente neles pela BERTUCCI FASHION UNIFORMS, que anuncia o lançamen- explica o empresário. Nesta busca, Bertucci conheceu a maior empresa de NANOTECNOLOGIA | Textile Effects, a multinacional brasileira Golden Technology, com fábricas aqui e em Honduras, to de uma Loja Conceito que oferecem inovação, tecnologia e sus- no Itaim Bibi. Em parceria com a Golden tentabilidade para toda cadeia têxtil, desde Technology, as marcas trouxeram um la- o processo de tingimento até aos tecidos. boratório para dentro do estabelecimento Esta parceria, que tem como objetivo para comprovar estas inovações. gerar Inovação de Valor ao mercado de Tudo começou quando Sérgio Bertucci, uniformes, resultou no lançamento de uma Estilista e Empreendedor Endeavor no Loja Conceito no Itaim Bibi, a BERTUCCI segmento de moda há 20 anos, sendo 11 FASHION UNIFORMS. “O local foi es- deles dedicados à produção de uniformes, trategicamente escolhido por estarmos no resolveu que queria trazer algo novo ao meio do mercado da moda no Itaim Bibi mercado. “A ideia não era criar somente e, principalmente, próximos aos nossos uma roupa com design, mas algo que maiores Clientes que se encontram na re- pudesse gerar uma nova percepção e gião da Vila Olímpia, Berrini e no próprio diferencial ao colaborador, para que ele Itaim”, conta o empreendedor. se sentisse melhor, mais confortável”, Segundo explica Sergio Bertucci, com a Sergio Bertucci e Tecidos Gustavo Rampini loja, a marca trará Inovação de Valor para os 3 principais segmentos no mercado de uniformes: o HOSPITALAR, no qual além de criar as coleções de acordo com a identidade da marca dos Clientes, trará uma melhor performance pelos efeitos como o Termorregulador (Adaptive), no qual o tecido esfria e esquenta de acordo com a temperatura externa; Repelência às Sujidades, que, além de repelir sujeiras – como o próprio nome diz - proporciona uma economia no processo de lavanderia, pois absorvem 30% menos água; e os Anti Microbianos, que controlam odores nas peças, causados pela proliferação de microrganismos, em especial as bactérias. Já para o segmento ESCOLAR, a Bertucci percebeu a oportunidade de trazer inovação em design e tecnologia ao segmento, no qual, além dos efeitos em nanotecnologia, estará vendendo diretamente aos pais por e-commerce, conseguindo uma redução média de 25-30% nos preços pagos nos uniformes hoje. “Eles fazem parte da personificação da marca de nossos Clientes e é de suma importância a percepção dos valores perante o mercado”, explica Sergio. Por fim, no segmento CORPORATIVO, o foco será nos colaboradores que atuam na linha de frente, marketing promocional, salões de beleza, academias, franquias, restaurantes dentre outros. Além dos efeitos acima mencionados, Bertucci também contará com benefícios como Easy Care (não precisa passar), cheiro em tecidos, proteção da pele contra os raios UV-A e UV-B, que trarão Conforto, Performance e Proteção à engenharia das peças. Para saber mais, acesse: www.bertucciuniforms.com.br/ 14 • empresariodigital.com.br

[close]

p. 15

empresariodigital.com.br • 15

[close]

Comments

no comments yet