Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INTERNA ANO LETIVO 2016-2017 Também disponível em http://agrupamentosousel.drealentejo.pt 1

[close]

p. 2

EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA Laurinda Leão Maria Jacinta Luz Cremilda Delgado Salomé Garcia Dália Conceição Maria Rosa Vivas Maria de Fátima Victorino Luís Ferreira Almerinda Candeias Armindo Fazeres Agradecimentos E AA Equipa de AvaliQaçUãoIPInAteDrnEa agVraAdLeIcAe ÇaÃtoOda todos os Imembros da comunidade NesTcEoRlaNr eA educativa a elevada colaboração, disponibilidade e participação demonstradas, que contribuíram para a elaboração deste relatório, o qual deverá merecer uma leitLuaruareinadteanLteaãaonálise, de forma que os problemas detetadoMs paorisasaJmacsinetmaeLluhzorados. Natércia Ramos Cremilda Delgado Salomé Garcia 2

[close]

p. 3

ÍNDICE INTRODUÇÃO ............................................................................................................................... 5 Objetivos …………..…………………………………………………………………….………8 Planos de análise .......................................................................................................................... 7 Metodologia ................................................................................................................................. 8 1. PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ............................................................................................ 9 1.1. Atividades.............................................................................................................................. 9 1.1.1. Departamento Curricular de Línguas ……………………………………………………..9 1.1.2.Departamento Curricular de Ciências Humanas e Sociais .................................................10 1.1.3.Departamento Curricular de Expressões ........................................................................... 11 1.1.4.Departamento Curricular de Matemática e Ciências Experimentais................................ 12 1.1.5.Cursos Vocacionais e Profissional.......................................................................................13 1.1.6.Biblioteca Escolar ................................................................................................................14 - Avaliação da Biblioteca / Centro de Recursos..........................................................................15 1.1.8.Jardim de Infância de Sousel .............................................................................................. 17 1.1.9.Jardim de Infância de Casa Branca.....................................................................................19 1.10. Jardim de Infância de Cano............................................................................................... 21 1.1.10.Jardim de Infância e Escola Básica de Santo Amaro....................................................... 23 1.1.11.Escola Básica de Sousel ..................................................................................................... 25 1.1.12.Escola Básica de Casa Branca ........................................................................................... 26 1.1.13.Escola Básica de Cano ....................................................................................................... 27 1.1.14. Escola de Artes do Norte Alentejano.............................................................................. 28 1.2.Clubes .................................................................................................................................... 29 1.2.1.Clube de Expressões........................................................................................................... 29 1.2.2.Clube de Teatro .................................................................................................................. 29 1.2.3.Clube de História ................................................................................................................ 30 1.2.4.Parlamento dos Jovens ..................................................................................................... 30 1.4.5. Clube do Desporto Escolar ............................................................................................... 32 1.3.Projetos ................................................................................................................................. 33 1.3.1.Projeto Eco-Escolas ............................................................................................................ 33 1.3.2.Projeto Erasmus + .............................................................................................................. 34 1.3.3.Plano de Ação para a Matemática .................................................................................... 35 1.3.4.Projeto de Educação para a Saúde ................................................................................... 37 1.4.Atividades de Enriquecimento Curricular............................................................................ 38 1.5.Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em Risco (CPCJ)........................................... 39 1.6.Intervenção Precoce na Infância ......................................................................................... 39 1.7.Núcleo de Ação Especial........................................................................................................41 1.8.Associação de Pais................................................................................................................ 42 1.9 . Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) ....................................................................... 43 2. RESULTADOS ESCOLARES .................................................................................................. 50 2.1. Sucesso escolar por ano de escolaridade........................................................................... 50 2.1.1.1º ciclo …………………………………………………………………………..................50 2.1.1.2º ciclo …………………………………………………………………………………..50 2.1.3. 3º ciclo …………………………………………………………………………………...51 2.1.4.Sucesso global do Agrupamento...................................................................................... 53 2.2. Sucesso escolar por turma.................................................................................................. 54 2.2.1.Pré-Escolar.......................................................................................................................... 54 2.2.2.1º ciclo …………………………………………………………………………………..57 2.2.3.2º ciclo ………………………………………………………………………………….65 2.2.4.3º ciclo ………………………………………………………………………………….70 2.2.5.Cursos Vocacionais e Profissional..................................................................................... 77 3

[close]

p. 4

- Avaliação global........................................................................................................................ 77 - Unidades empresariais /Protocolos......................................................................................... 78 - Avaliação de desempenho dos formandos feita por algumas unidades empresariais .......80 2.3. Avaliação externa ................................................................................................................ 82 - Provas finais de ciclo ................................................................................................................ 82 2.4.Comparação com anos anteriores – Português e Matemática .........................................84 - Avaliação Externa – 9º ano.......................................................................................................84 2.5.1. Planos de Acompanhamento Pedagógico Individual (PAPI).......................................... 85 2.5.2. Alunos com Necessidades Educativas Especiais (NEE) ..................................................86 2.5.2. Recursos mobilizados.......................................................................................................86 2.5.3. Medidas de promoção do sucesso .................................................................................. 87 2.5.4. Apoios educativos ............................................................................................................88 2.5.3. Resultados alcançados .....................................................................................................88 2.5.4. Plano de Ação Estratégica: Promoção do sucesso escolar ............................................89 2.5.5. Avaliação do Apoio Tutorial ............................................................................................ 92 2.6. Processos e sanções disciplinares ......................................................................................94 - Alunos com medidas disciplinares aplicadas .........................................................................94 3. Reflexão sobre o nível de consecução da implementação das metas para o quadriénio (resultados escolares, ambiente escolar na comunidade …) ................................................. 95 3.1.Departamento Curricular de Educação Pré-Escolar............................................................ 95 3.2.Departamento Curricular do 1º ciclo....................................................................................96 3.3.Departamento Curricular de Línguas ..................................................................................96 3.4.Departamento Curricular de Ciências Humanas e Sociais. ................................................98 3.5.Departamento Curricular de Expressões ............................................................................99 3.6.Departamento Curricular de Matemática e Ciências Experimentais ................................99 3.7.Pessoal não docente .......................................................................................................... 100 3.8.Núcleo de Ação Especial ..................................................................................................... 101 3.9.Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)........................................................................ 101 3.10.Intervenção Precoce na Infância ......................................................................................102 3.11.Consecução das metas / Conclusão...................................................................................103 3. Análise dos questionários ..................................................................................................105 - Grau de satisfação do ensino-aprendizagem........................................................................105 - Questionários aos alunos da BE/CRE..................................................................................... 164 Análise crítica do processo de avaliação ………………..………………...…………………169 4

[close]

p. 5

INTRODUÇÃO De acordo com o disposto na lei 31/2002 de 20 de dezembro, a autoavaliação das escolas é um procedimento permanente, contínuo, criativo e renovador, de análise, interpretação e síntese das dimensões que definem a escola, com o objetivo de elaborar um processo de melhoria. Dando continuidade ao trabalho desenvolvido nos anos anteriores, a Equipa de Avaliação Interna elaborou o presente relatório, no sentido de dar a conhecer os diversos níveis de desempenho dos membros desta comunidade educativa. Num universo de realidades tão díspares, com é o educativo, cabe a cada escola “ver-se ao espelho” e refletir sobre essa imagem, para assim, encontrar o seu próprio caminho rumo à excelência. Assim sendo, é necessário que o conteúdo deste relatório tenha visibilidade, para que possa ser alvo de reflexão e discussão, para que se questionem procedimentos e, em conjunto, sejam encontradas propostas de melhoria, e se definam processos de mudança. É este caráter dinâmico e alicercelado em evidências, que permitirá à Escola alcançar novos e mais eficazes patamares de desempenho. Só com a consciência do que é positivo e negativo se poderá construir uma escola de sucesso. A avaliação é encarada, pois, numa perspetiva processual que visa a qualidade. È o que temos tentado fazer desde o ano letivo 2005/2006, visando o aperfeiçoamento do autoquestionamento e do olhar introspetivo, continuando a ser aprendizes deste processo complexo, que, mais do que uma ação pontual, é uma atitude cultural: a cultura avaliativa. Temos, portanto, pugnado por tornar a autoavaliação um processo reflexivo contínuo de análise e interpretação do Agrupamento que leva à sua renovação constante e que o transforma numa organização dinâmica, apesar de algumas limitações inerentes a qualquer trabalho desta índole. Temos agido com a consciência que avaliar é fazer juízos, o que torna o processo de autoavaliação subjetivo, apesar da objetividade que se pretende, e que pensamos ter conseguido, através do olhar estatístico aplicado à recolha dos dados. Finalmente, optámos por apresentar um relatório preciso, concreto e objetivo, registando o essencial, de forma a facilitar a sua leitura a toda a comunidade educativa, incluindo, quer os processos, quer os resultados, não esquecendo os processos de melhoria para ultrapassar os pontos menos positivos de forma que possamos oferecer uma educação de qualidade e um ensino de sucesso aos nossos alunos. 5

[close]

p. 6

Objetivos De acordo com a Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro, o sistema de avaliação, enquanto instrumento central de definição das políticas educativas, prossegue, de forma sistemática e permanente, os seguintes objetivos:  Promover a melhoria da qualidade do sistema educativo, da sua organização e dos seus níveis de eficiência e eficácia, apoiar a formulação e o desenvolvimento das políticas de educação e formação e assegurar a disponibilidade de informação de gestão daquele sistema;  Dotar a administração educativa local, regional e nacional, e a sociedade em geral, de um quadro de informações sobre o funcionamento do sistema educativo, integrando e contextualizando a interpretação dos resultados da avaliação;  Assegurar o sucesso educativo, promovendo uma cultura de qualidade, exigência e responsabilidade nas escolas;  Permitir incentivar as ações e os processos de melhoria da qualidade, do funcionamento e dos resultados das escolas, através de intervenções públicas de reconhecimento e apoio a estas;  Sensibilizar os vários membros da comunidade educativa para a participação ativa no processo educativo;  Garantir a credibilidade do desempenho dos estabelecimentos de educação e de ensino;  Valorizar o papel dos vários membros da comunidade educativa, em especial dos professores, dos alunos, dos pais e encarregados de educação, das autarquias locais e dos funcionários não docentes das escolas;  Promover uma cultura de melhoria continuada da organização, do funcionamento e dos resultados do sistema educativo e dos projetos educativos;  Participar nas instituições e nos processos internacionais de avaliação dos sistemas educativos, fornecendo informação e recolhendo experiências comparadas e termos internacionais de referência. 6

[close]

p. 7

Planos de análise A nossa análise baseou-se no seguinte:  No grau de concretização do Projeto Educativo (prioridades e metas) e no modo comose prepara e concretiza a educação, o ensino e as aprendizagens dos alunos, tendo em conta as suas caraterísticas específicas; No nível de execução das atividades proporcionadoras de climas e ambientes educativos capazes de gerarem as condições afetivas e emocionais de vivência escolar propícia à interação, à integração social, às aprendizagens e ao desenvolvimento integral da personalidade dos alunos;  No desempenho dos órgãos de administração e gestão;  No sucesso escolar, avaliado através da capacidade de promoção da frequência escolar e dos resultados do desenvolvimento das aprendizagens escolares dos alunos, em particular dos resultados identificados através dos regimes em vigor de avaliação das aprendizagens;  Na prática de uma cultura de colaboração entre os membros da comunidade educativa. 7

[close]

p. 8

Metodologia A nossa equipa planeou o processo de autoavaliação, definindo quais os objetivos a atingir, como organizar a autoavaliação, o que avaliar, como reunir os dados, onde recolher os dados, como avaliar, ponderar e interpretar os resultados e que sugestões a indicar para melhorar as áreas problemáticas. Neste sentido, como instrumentos de autoavaliação foram selecionados métodos quantitativos e qualitativos:  Análise quantitativa: Foram elaborados gráficos e tabelas para representar a informação processada e oferecer uma compreensão sistematizada de cada uma das áreas avaliadas.  Análise de conteúdo: Recolha de informação de diferentes documentos: relatórios, planos, planificações, pautas, atas de Conselho Pedagógico, de Conselho de Diretores de Turma, de Departamentos Curriculares, de Conselhos de Turma, os diferentes documentos referentes do Agrupamento - Projeto Educativo, Plano de Estudos do Agrupamento, Regulamento Interno e Plano de Atividades e outros registos de caráter documental. O nosso plano de ação levou-nos a desenvolver várias etapas. Assim, este relatório está dividido em quatro partes distintas, cada uma associada a uma das grandes linhas orientadoras da ação programada para a intervenção da equipa de Avaliação Interna:  A primeira parte pretende dar uma visão do grau de concretização do Plano Anual de Atividades desenvolvido ao longo do ano letivo  Na segunda parte foi feita uma análise cuidada dos resultados das aprendizagens dos nossos alunos nos diferentes graus e modalidades da avaliação a que foram sujeitos.  Na terceira parte, fizemos uma reflexão sobre o nível de consecução da implementação das metas propostaspara o quadriénio (resultados escolares, ambiente escolar, reconhecimento da escola na comunidade …)  A quarta parte foi destinada à análise dos inquéritos de opinião a que foram submetidos alguns dos atores do nosso sistema educativo 8

[close]

p. 9

1. PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 1.1. Atividades Nas seguintes tabelas apresentamos as atividades realizadas ao longo do presente ano letivo, as quais tiveram em vista a prossecução das metas do Projeto Educativo e das metas de aprendizagem das disciplinas e áreas curriculares. Para a sua avaliação, tivemos em conta os relatórios dos docentes e dinamizadores destas atividades, clubes e projetos. De uma maneira geral, quase todas as atividades foram realizadas e o balanço foi positivo 1.1.1. Departamento Curricular de Línguas 1ªa semana de aulas 12 de outubro 31 de outubro 1 de novembro 11 de novembro dezembro 1ª semana de aulas do 2º período 14 de fevereiro 4 demaio 19 demaio 30 de maio de 27 a 31 de março atividades realizadas  ErsterSchultag  A Hispanidade  Hallowe’en  Dia de los Muertos 1 de novembro  Martinstag  Festa de Natal  Día de Reyes/ Dia de Reis  Dia de S. Valentim  Idas ao teatro: 7ºs Anos(4 de maio); 8ºs anos( 19 de Português) 1ºVoc .Misto; 2ºVoc. Misto e 9ºs anos: em Inglês na Futurália.  Dinamização da semana da leitura “O Prazer de Ler”  Atividades da BE/CRE, PNL e aLER+ atividades não realizadas  Semana das Línguas 9

[close]

p. 10

1.1.2. Departamento Curricular de Ciências Humanas e Sociais 5 de outubro 11 de novembro 1 de dezembro 10 de dezembro dezembro 20 de abril 27 de abril 23 de maio 2º período abril 9 de maio 25 de abril 15 de maio 9 de maio 30 de maio 8 março junho atividades realizadas  Comemoração do “5 de Outubro de 1910”  S. Martinho  Comemoração do Dia da Restauração da Independência - “1 de dezembro de 1640”  Comemoração dos Direitos Humanos  Natal  Visita de estudo ao Mosteiro da Batalha e Jardim do Eden  Visita de estudo ao Forte de S. Jorge de Oitavos - Cascais  Visita de estudo a Fronteira – Centro de Interpretação da Batalha dos Atoleiros/Observatório Astronómico/Ribeira  Semana da disciplina de EMRC  Páscoa  Dia da Europa  Comemoração dos feriados históricos  Dia Internacional da Família  Encontro dos alunos da disciplina de EMRC  Visita de estudo a Aljustrel, Fátima e grutas atividades não realizadas  Visita de estudo a Évora (colaboração com a Universidade de Évora)  Visita de estudo ao Castelo de S. Jorge  Dia Internacional da Mulher  Dia do Ambiente 10

[close]

p. 11

1.1.3. Departamento Curricular de Expressões 11 de novembro 3 de dezembro 15 de dezembro 1 de fevereiro 14 de fevereiro 24 de fevereiro 19 de março 21 de março 24 de março de 27 a 31 de março 3 de abril 7 de maio 15 de maio 1 de junho 14 de junho a partir do 2º período ao longo do ano letivo 22 de março 15 de maio 20 de abril 5 de junho atividades realizadas  S. Martinho  Dia Internacional da Pessoa com Deficiência  Natal - 15 de dezembro  Plenário da Educação Ambiental  Dia dos Namorados  Carnaval  Dia do Pai  Dia da Árvore  Orçamento Participativo das Escolas  Semana da Leitura  Páscoa  Dia da Mãe  Dia Internacional da Família  Dia Mundial da Criança  Receção aos alunos de 4º Anos  Hipoterapia  Projeto Erasmus  Visita à Adega de Borba e Palácio de Vila Viçosa  Visita de estudo a Lisboa MAAT  Visita Mosteiro da Batalha e Jardim do Eden atividades não realizadas  Dia do Ambiente  Turma 5 estrelas Ao longo do ano letivo (Existe um regulamento específico para este projeto) 11

[close]

p. 12

1.1.4. Departamento Curricular de Matemática e Ciências Experimentais atividades realizadas 3 de outubro  Concurso de Sopas 14 de março  Dia doπ ao longo do ano  Projeto de combate à obesidade ao longo do ano  Projeto de combate aos consumos no recinto escolar 21 de março  Dia da Árvore 16 de maio  Visita ao Centro de Ciência Viva de Estremoz 14 de junho  Observação Astronómica 30 e 31 março 2º e 3º períodos 26 de janeiro ao longo do ano 7 deabril (comemoração - 19 de abril) 21 de abril  Visita à Futurália  Campanha LitterLess- Jovens Repórteres para o Ambiente  Visita de Estudo às estufas de criação de caracóis da empresa “Caracoleta Alentejana”  Clube de Matemática  Dia Mundial da Saúde  Dia Mundial da Terra 5 de junho  Dia Mundial do Ambiente 16 de junho  Visita de estudo à Serra da Arrábida atividades não realizadas  Oficina das Ciências (inclui o projeto “Inventa e Experimenta”  Visita de estudo ao Jardim Zoológico de Lisboa  Visita de estudo ao Fluviário de Mora e Centro Histórico de Avis  “HourofCode”  Projeto sobre utilização conscienciosa das Redes Sociais  Desafio do Mês 12

[close]

p. 13

1.1.5. Cursos Vocacionais e Profissional 27 de outubro outubro outubro novembro novembro novembro novembro 1º período 19 de março 22 de março março / abril 17 de maio 24 de maio outubro junho junho junho junho junho 5 de julho ao longo do ano letivo maio - junho - julho atividades realizadas  Pisa tradicional da uva - Adega do Mouchão  Visita ao Forte de Nossa Senhora da Graça (Elvas)  Concurso de sopas “Sopas para Todos”  -Palestra sobre a Fauna e a Flora autóctones da Serra de S.Mamede; -Diferenciação entre a Grande Rota e a Pequena Rota: Workshop sobre Percursos Pedestres Interpretativos  Percurso Pedestre de Castelo de Vide a Marvão (PR)  Percurso Pedestre Interpretativo (Pequena Rota)  Visita ao Teatro S. Carlos Assistir à peça de teatro de Frei Luís de Sousa  Assistir à peça de teatro “O que os Olhos vêem ou o Adamastor”  Ida à BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa  Visita de Estudo à Adega Cooperativa de Borba e ao Palácio de Vila Viçosa  “Alemão a caminho – na formação profissional” (Helena Dawin – Goethe Institut)  Visita de Estudo à EPDRAC – Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Alter do Chão  Visita de Estudo à Escola de Hotelaria e Turismo de Portalegre  Sessões de orientação e esclarecimento - Suporte Básico de Vida – Primeiros Socorros  Programa CUIDA-TE - Teatro Interativo  Visita à Feira da Agricultura de Santarém  Aquaturismo: Azenhas da Seda  Visita ao IPP de Portalegre  Visita à Escola Superior Agrária de Elvas  Percurso Interpretativo: Fornos de Cal (Sousel)  Visita de Estudo à Fábrica da Cerveja “Sagres” - Vialonga  Programa: “Economia para o Sucesso” (Associação Júnior Achievement) - Sessões de orientação e esclarecimento  Promoção dos Cursos Vocacionais: Sessões de orientação e esclarecimento sobre o prosseguimento de estudos no secundário. 13

[close]

p. 14

19 e 26 de março junho 2º período junho atividades não realizadas  Sessão de formação e orientação sobre o desporto aventura e atividades outdoor; - Realização das atividades. Desporto Aventura  Visita de Estudo à Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Algarve  Exposição: “A Água antes da Torneira”  PeddyPapper Percursos pedestres com provas interpretativas 1.1.6. Biblioteca Escolar setembro outubro última semana de novembro dezembro janeiro fevereiro março ao longo do ano letivo abril 9 demaio ao longo do ano letivo ao longo do ano letivo um momento ao longo do ano letivo ao longo do ano letivo atividades realizadas  Reunião da “equipa” da Biblioteca / Centro de Recursos Receção na Biblioteca / Centro de Recursos aos novos alunos Reuniões com Conselho de Diretores de Turma e Departamentos Receção aos alunos do 5º ano, seguida de explicação sobre as zonas funcionais da BE/CRE e a forma de organização do fundo documental Reunião com Conselho de Docentes do ensino pré-escolar e do 1º ciclo.  Campanha “Ler e reler… o saber Partilhar”  Comemoração do Dia Internacional das Bibliotecas Escolares:  Concurso  Feira do Livro  Comemoração do Natal, mensagens de Natal  Provas de seleção para o Concurso Nacional de Leitura  “Ler amor”  Semana da Leitura  Comemoração do Dia Mundial da Poesia (semanalmente foram expostas poesias, quer no átrio da escola, quer na sala de convívio)  Comemoração do Dia 25 de Abril  Comemoração do Dia da Europa  Apoiar a realização de trabalhos de pesquisa  Apoiar os professores na prática letiva  Atualização, registo, classificação, catalogação e indexação Atualização do fundo documental Auscultação dos departamentos curriculares em relação às aquisições a efetuar. Gestão do equipamento audiovisual e informativo do Agrupamento  Aplicação do modelo de autoavaliação da BE –  Promoção da Leitura - Projeto a LER + 14

[close]

p. 15

- Avaliação da Biblioteca / Centro de Recursos Nível 4 3 2 1 Descrição A ação da biblioteca escolar traduz-se num muito bom desempenho. Tem um impacto consistente e bastante positivo. Os pontos fortes predominam na quase totalidade dos indicadores em avaliação e os resultados obtidos apontam para um nível de eficiência acima da média. A ação da biblioteca escolar traduz-se num bom desempenho. Tem um impacto consistente e positivo. Apresenta uma maioria de pontos fortes nos indicadores em avaliação e os resultados obtidos apontam para um bom exercício, havendo algumas melhorias a introduzir. A ação da biblioteca escolar traduz-se num desempenho limitado. Tem um impacto reduzido. Apresenta uma minoria de pontos fortes nos indicadores em avaliação e os resultados obtidos apontam para fragilidades, sendo necessário investir consistentemente na melhoria dos serviços. A ação da biblioteca escolar traduz-se num desempenho muito aquém do desejado. Tem um impacto muito reduzido. Os pontos fracos predominam e sobrepõem-se aos pontos fortes nos indicadores em avaliação e os resultados obtidos apontam para uma ação muito limitada, a requerer uma intervenção imediata e um investimento profundo na melhoria.  Currículo, literacias e aprendizagem Trabalho de intervenção no apoio ao currículo e na formação para as literacias 4 – Utilização por 76% ou mais das turmas Desenvolvimento de ações promotoras do uso da informação, dos media e das tecnologias 3 – Utilização por 51 a 75% dos alunos Impacto na progressão nas aprendizagens 4 – Avaliação MB/B por 76% ou mais dos alunos e docentes Impacto na melhoria dos níveis de literacia digital, dos media e da informação 4 – Avaliação MB/B por 76% ou mais dos alunos e docentes  Leitura e literacia Desenvolvimento de estratégias e atividades de leitura 4 – Articulação com 76% ou mais das turmas Incremento do acesso e envolvimento dos alunos em práticas de leitura 4 – Utilização por 76% ou mais dos alunos Impacto no desenvolvimento do gosto e do prazer da leitura 4 – Avaliação MB/B por 76% ou mais dos alunos e docentes Impacto no desenvolvimento da competência leitora 4 – Avaliação MB/B por 76% ou mais dos alunos e docentes  Projetos e parcerias Promoção de parcerias e envolvimento em projetos 4 – Sistemática Fomento da participação dos Pais/EE e famílias em atividades conjuntas 2 – Pontual 15

[close]

Comments

no comments yet