Revista D Marília

 

Embed or link this publication

Description

Edição 63

Popular Pages


p. 1

ANO 12 Nº 63 MAI/JUN 17 R$ 14,90 D OPINIÃO CARGA TRIBUTÁRIA APROXIMADA 3,65% FOTO Banco de Imagens ESPECIAL TECNOLOGIA Saiba quais são as empresas de Marília que se destacam no país e fazem a diferença para milhões de brasileiros ANO 12 Nº 63 MAI/JUN 17 R$ 14,90 Foto: Rodrigo Dal Evedove CASAS DE LUXO Residencial Green Valley tem cinco casas de alto padrão sendo construídas simultaneamente VISION PROTECT Serviço de portaria remota une tranquilidade e baixo custo GARIMPO Novidades para cozinha, sala, adega e muito mais ORGANIZAÇÃO Descubra erros que fazem a casa parecer bagunçada JAPAN FEST Colônia japonesa brilha outra vez CIESP Jantar da Indústria homenageia empresas BARCOS Conheça os novos superiates de luxo

[close]

p. 2

Foto do local do empreendimento

[close]

p. 3



[close]

p. 4

D OPINIÃO 4

[close]

p. 5

D OPINIÃO 5

[close]

p. 6



[close]

p. 7



[close]

p. 8

8

[close]

p. 9

9

[close]

p. 10

30 44 20 Presidente - Editor: Marcos Flaitt Direção Geral: Michelle Verginassi Redação: Mariana Roncari e Rodrigo Viudes Operadora de editoração: Gláucia da Mata e Iara Regina da Silva Projeto Gráfico: Ivy Bueno Revisão: Maura Flaitt Logística: Antonio Sanches FALE CONOSCO: Anúncios, divulgação de empresas, serviços e eventos Fale com MARCOS FLAITT: Mobile: (14) 9 9601-3070 / Fixo: (14) 3221-0780 E-mail: flait@uol.com.br Leia pela internet: www.revistad.com.br Correspondência: Av. Santo Antonio, 114 - Bairro Boa Vista, Cep.: 17501-470 - Marília - SP. Todos os direitos desta publicação são reservados. É proibida qualquer forma de reprodução, parcial ou total sem autorização expressa do diretor geral, sob pena das sanções penais e cíveis previstas em lei. As opiniões expressas em artigos e reportagens, bem como informações contidas em propagandas são de inteira responsabilidade de seus autores. 52 34 20 A 25 JAPAN FEST 30 A 31 VINHOS 33 A 45 VEÍCULOS 34 A 40 CARROS 42 MOTOS 44 E 45 BARCOS 50 E 51 LUCAS LIMA 52 E 53 ROCK 54 FILMES 55 A 63 JANTAR DA INDÚSTRIA 64 E 65 MOM 66 E 67 CI 69 A 77 MULHERES INFLUENTES 78 E 79 HOT BEACH 80 E 81 EXPEDIÇÃO VARPA 82 A 106 ESPECIAL TECNOLOGIA REVISTA D MARÍLIA EMPRESA AMIGA DAS TARTARUGAS MARINHAS DE CABO VERDE 82 50 55 10

[close]

p. 11

Não vão destruir o Brasil! Olá amigas e amigos! Você que é industrial, industriário, comerciante, comerciário, profissional liberal, seja da área de serviços e tantos outros, pode ter uma certeza: nossos governos, os passados, este e os políticos, bem como o Judiciário, principalmente o Supremo Tribunal Federal, não vão conseguir destruir o Brasil. Muito menos os movimentos sindicais de fachada e sociais mortadela, pagos com nosso dinheiro. O Brasil é muito mais forte do que eles. Afinal, que importância têm eles todos daqui a 100 anos? É claro que neste momento de desordem geral e incertezas, Executivo, Legislativo e instâncias superiores do Judiciário estão pouco se lixando para a economia e a população produtiva. Independentemente de ideologias, é fato que o PT mentiu e os outros partidos também. Deixaram um legado de 14 milhões de desempregados. Isso sim que é de dar pena. Imagine-se nessa situação. Sem recursos nem para comer do dia para a noite. Você está cansado de ver os noticiários. Não vamos reprisar aqui a quadrilha ativa e passiva que comandou e comanda o Brasil. Só que, como diz o ditado, “cada povo tem o governo que merece”. Onde está a indignação popular? Cadê o povo nas ruas de novo? Fora Dilma foi justo. Fora Lula também. Mas e o fora Temer? E o Fora SupremoTribunal Federal que não tem legitimidade alguma para julgar porque ali ninguém é concursado e todos devem favores a seus padrinhos? E esse povo nem pode ser tirado de lá. No STF, por exemplo, pouco se importam com a Constituição. Acabou de entrar o ministro indicado por Temer. O que fez? Já pediu vistas de processo para ajudar o padrinho. É uma vergonha e tudo isso que está acontecendo no País dá nojo. Sem falar do acordo dos donos da JBS. Vou às autoridades, inclusive com o representante mor do Ministério Público Federal, digo que roubei, mas não estava sozinho, corrompi autoridades, só mais de 1.400 e sou totalmente liberado para sair do País e absolvido de qualquer crime. Enquanto isso a classe trabalhadora, desde o chão de fábrica ao empresário honesto e liberais pagam pelas consequências. Todos literalmente se “matando” para manter os negócios funcionando e a roubalheira e impunidade ou lentidão do STF à solta. Não é à toa que todos querem o foro privilegiado. Gastam milhões para se elegerem para praticarem o ilícito e contarem ainda com o privilégio do Supremo. Mais uma prova de que ele não funciona. Porém, isso está sendo tudo muito válido para as atuais gerações, principalmente os mais jovens, sobretudo pelos exemplos da Operação Lava Jato. O Brasil vai superar tudo isso e está se politizando cada vez mais, o que é um legado. O País é novo ainda, tem pouco mais de 500 anos, e já que a população não faz nada, quem sabe quando estiver com 600, 700 ou 1.000 anos esteja melhor. A curto prazo também vai melhorar. Já está dando sinal disso. Resta resistirmos nos próximos meses e anos trabalhando cada vez mais. Bem como votarmos certo. Mas o ideal mesmo seria toda a classe produtiva depositar em juízo seus impostos, já que eles não são aplicados como determina a Constituição de 88. Aí sim quero ver os canalhas sobreviverem. Mas vamos falar de coisas melhores, como nossas edições das revistas D Marília, Fashion D, Casa D e D Saúde que estão cheias de novidades. Trazemos o Especial Tecnologia da Informação, Especial Fit, Casas de Luxo e de um congresso internacional sobre cirurgia de quadril, entre diversas outras novidades. Mais uma edição imperdível feita com muito amor e carinho para você. Muito obrigado por tudo, abraços e fiquem com Deus. 11

[close]

p. 12

OPINIÃO MARCOS KOPESKA Renovação ou letargia? Uma constante escolha que pode definir a vida A águia é a ave que possui a maior longevidade da espécie. Chega a viver setenta anos mas, para chegar a essa idade, aos quarenta anos, ela tem que tomar uma séria e difícil decisão. Aos quarenta, está com as unhas compridas e flexíveis e não consegue mais agarrar as suas presas com eficácia. O bico alongado e pontiagudo se curva perdendo a possibilidade de golpes certeiros. Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas. Em razão das penas espessas voar já é difícil. Então, a águia só tem duas alternativas: morrer... ou... enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar cento e cinquenta dias. Normalmente a natureza a faz optar pela renovação. É o instinto guerreiro de lutar pela vida. Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar. Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo, apesar da dor que irá ter que suportar. Arranha as pedras com as unhas até desgastar as velhas presas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas. Este ser estranho, sem bico, sem garras e sem penas recusa-se a sair e nem o pode fazer. Sofre com as noites frias e com a fome. Perde peso e enfraquece, mas após cinco meses sai para o famoso voo de renovação e para viver então mais trinta anos. Em nossa vida, muitas vezes, temos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Para que continuemos a voar um voo de vitória, devemos estar dispostos a processos de renovação. Estes processos são dolorosos, pois quebram paradigmas, e o próprio termo já sugere quebra.... E quebras rompem e doem. Num texto encontrei esta declaração: “As coisas de Deus são sempre renovadas”. Os casamentos precisam de renovação de amor e atração, caso contrário, sucumbem. As amizades precisam de renovação, caso contrário, tornam-se utilitaristas. A vida profissional precisa de renovação, caso contrário somos atropelados pelo avanço do mercado. A mente precisa de renovação. O teólogo John Stott diz que a batalha espiritual é quase sempre ganha na mente. É pela renovação de nossa mente que nosso caráter e comportamento se transformam. Paulo, o apóstolo já alertava: “e não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente”. As igrejas precisam de renovação, caso contrário, se transformam em museus religiosos (visitei alguns deles nos países onde nasceram os reformadores protestantes). É comum alguns religiosos se levantarem para dizer: “Está em ata que não pode mexer!” Ata de vinte anos atrás... Ora, coloque na ata que agora pode mexer. Depois de períodos difíceis na nossa nação, nada melhor do que renovação política, econômica, estrutural, social e moral, para alçarmos o voo da vitória. Quem tem medo de reformas não está pronto para viver o dinamismo da sociedade e será mumificado no tempo. Não tenha medo de renovação! Não pare no tempo! Exatamente sobre isso Isaías, o profeta, falou: “mas os que esperam no senhor, renovarão as suas forças, subirão com asas como águias, correrão e não se cansarão, caminharão e não se fatigarão” (Is 40:31). Que Deus nos dirija aos saudáveis processos de renovação. Reverendo Marcos Kopeska Paraizo é bacharel em Teologia Exe- gética, pastor da 3ª Igreja Presbiteriana Independente, integrante do Conselho de Envio da MIAF (Missões para o Interior da África), escritor, e parte do corpo docente do Seminário Teológico Sul-Brasileiro. 12

[close]

p. 13

D OPINIÃO 13

[close]

p. 14

OPINIÃO Filme da vida JOÃO PAULINO QUARTAROLA Em qual papel você atuaria para fazer a diferença? Aprendemos que, conscientes ou não, o filme da nossa vida torna-se inevitável, e o importante é identificar o papel que, predominantemente, estamos desempenhando: se de figurante, coadjuvante ou protagonista. Identificado o papel é fundamental avaliar se estamos satisfeitos com o desempenho atual, lembrando que temos o poder de escolher, manter ou mudar o papel, quando desejarmos. É sabido que ficar na plateia ou subir ao palco é, tão somente, uma escolha. Contudo, para subir ao palco é preciso decidir desempenhar o papel de protagonista do filme da vida, assumindo a gestão da jornada, com o propósito de solucionar as situações que se apresentarem, rumo ao alvo almejado. Vale salientar que ser protagonista é uma atitude que supera o comum, que foge ao corriqueiro. Não basta só querer, passa por um ato de mudança comportamental – vem de dentro para fora e embora possível, é um processo que exige tempo, treino, ferramentas e orientação para tal. No papel de protagonista, além de estar atento para oportunizar-se, de fazer acontecer, ser proativo, é preciso olhar cada situação pela ótica do desafio, do arriscar, do errar e acertar - aprender, do ousar, do atuar como líder de si mesmo, gerindo com sucesso a caminhada. No fluxo do viver verificamos que as mudanças são constantes na jornada e administra-las capacita-nos a gerir bem a jornada, assumindo o papel de protagonista do filme da vida. Com anos de caminhada compartilho o aprendizado contido na reflexão 100, do meu livro “108 reflexões sobre mudanças”. Para a efetivação de mudanças faça uso dos 6 ‘Ds’: tenha discernimento – saiba o que deseja mudar -; seja determinado – tenha foco -; tenha desprendimento – abandone a zona de conforto -; seja des- temido – tenha coragem para ousar, inovar -; seja dedicado – faça corretamente o que precisa ser feito -; seja disciplinado – garanta o cumprimento rigoroso do que precisa ser feito para conseguir o que se deseja em tempo adequado. Longe de querer passar receita, convido você, amigo leitor, a refletir sobre um processo vivenciado com muito resultado. Algumas vezes não obtive êxito e fazendo verificações para entender o fracasso, verifiquei que sempre ocorria o descumprimento de um ou mais dos “6 Ds”. Dessa forma, conhecendo-me um pouco mais, decidi dar mais atenção aos “Ds” que não cumpria e ou não apresentava os resultados desejados e a investir no aprimoramento dos mesmos. Contudo, observava que ao obter êxito nos resultados, constatava o cumprimento, com rigor, dos “6 Ds”. Confirmava assim que o desempenho inadequado de um subsistema comprometia o resultado do todo, bem como o funcionamento harmônico e integrado de todos os subsistemas garantia o êxito do processo e au- xiliava, também, a assumir o papel de protagonista, nos palcos dos mais variados. É importante salientar que no palco da vida não existe ensaio. Cada apresentação é única e não existe espaço para o “amadorismo”. Sim, somos todos caminhantes, e cada pessoa é aprendiz e mestre, autor e diretor da sua própria jornada. Portanto, seja autor do script da sua história – escreva-o com amor, ousadia, aventura, repleto de emoção -, bem como, assuma o papel de protagonista - atue com verdade, respeito, ética e profissionalismo. Esteja sempre pleno. Desafie-se. Recomece. Inove. Jamais desista. Insista, persevere, persista. Empreenda. Obtenha, no dia a dia, a concretização de seus feitos, espetacularmente bem feitos. João Paulino Quartarola é admi- nistrador de empresa, especialista em psicanálise clínica e personal coach. O e-mail é jpquartarola@terra.com.br. 14

[close]

p. 15

D OPINIÃO 15

[close]

Comments

no comments yet