Eco da Tradição_julho 2017

 

Embed or link this publication

Description

Informativo do MTG_julho de 2017

Popular Pages


p. 1

Foto: Rogério Bastos ECO DA TRADIÇÃO - ANO XV - Nº 191 - JULHO DE 2017 PARABÉNS, PAIXÃO Cônsul Cultural do SC Internacional e ícone do tradicionalismo gaúcho, Paixão Côrtes completa 90 anos e anuncia: “É hora de me recolher e descansar” EDITORIAL A Paixão Côrtes, nosso Muito Obrigado Página 02 ENTREVISTAS Eco entrevista as prendas juvenis e piás do estado Páginas 08, 09, 16 e 17 REGIONAIS Conheça as novas prendas e peões de cada Região Páginas Centrais Página 03 FESTEJOS 2017 Elma Sant’Ana é escolhida Patrona dos Festejos do RS Página 20

[close]

p. 2

2 Rua Guilherme Schell, 60 Porto Alegre / RS CEP: 90640-040 Email para sugestão de pautas: conselhoeditorialeco@mtg.org.br www.mtg.org.br mtg-rs.blogspot.com Contato: 51. 3223-5194 EXPEDIENTE: SUPERVISÃO E DIREÇÃO: Nairioli Callegaro DIREÇÃO DE REDAÇÃO: Rogério Bastos DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen CONSELHO EDITORIAL: Elenir Winck, Sandra Veroneze, Odila Savaris, Anijane Varela, José Roberto Fischborn, Vitor Pochmann e Bruno Mendonça. JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rogério Bastos (16.834) Liliane Pappen (16.835) Fúlvio Lopes (16.200) COLABORAÇÃO: Andressa Motter IMPRESSÃO: Zero Hora TIRAGEM: 3 mil exemplares Atendimento De segunda a quinta-feira 09 às 12h e das 13 às 18h Sexta-feira 09 às 12h e das 13 às 17h Valores da Anuidade Julho Valor Plena Parcial Especial Estudantis R$ 1.172,88 R$ 1.005,95 R$ 616,44 R$ 171,29 40% do valor retorna às RTs. MTG: PRESIDENTE: Nairioli Antunes Callegaro VICE-PRESIDENTE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS: Elenir Fátima Dill Winck VICE-PRESIDENTE DE CULTURA: Anijane dos Santos Varela VICE-PRESIDENTE ARTÍSTICO: José Roberto Fischborn VICE-PRESIDENTE CAMPEIRO: José A. Araújo VICE-PRESIDENTE ESPORTES: Martim Guterres Damasco Não nos responsabilizamos pelas opiniões publicadas no jornal Ano XV - Edição 191 EDITORIAL Nairioli Callegaro - Presidente A Paixão Côrtes, nosso Muito Obrigado! Ao longo de nossas vidas Um tradicionalismo que apren- percorremos muitos caminhos, di com meus pais, e que alguns nos quais vamos deixando nos- julgam como ultrapassado, mas sa marca. Algumas são perma- que penso ser o verdadeiro e nentes e outras não; pessoas, único caminho de reencontro empresas, instituições e amigos, com nossas origens. e àqueles que nos marcam de- Neste cenário que nos en- vemos agradecer e reconhecer contramos devemos dar um pelo bem que nos foi feito. muito obrigado muito especial Desta vida nada levamos, em nome de todos os tradiciona- apenas deixamos marcas e te- listas, de nossa sociedade, pela mos que ter o extremo cuidado insuperável contribuição de seu de fazer isto com muita respon- trabalho de pesquisa para com sabilidade. O mês de julho, para nossa cultura regional. os tradicionalistas, deve ser um Agradecer é pouco, reconhe- mês de agradecimento a um ser cer e lutar verdadeiramente por humano que nos marcou tão estes valores basilares de nossa profundamente em nossas vidas identidade é nosso dever e obri- e na forma de olharmos nossa gação, pela nossa consciência sociedade, valorizando e desco- de implementarmos uma socie- brindo nossa identidade cultural dade mais coletiva, mais justa e regional, de nos reencontrarmos mais humana capaz de efetiva- com nossa formação, com nos- mente mantermos nossa unida- sas origens. de com aquele espírito. Falo aqui porque no dia 12 de No dia 12 Não podemos olhar a foto do Gru- de julho com-julho completa 90 anos nosso querido po dos Oito, a foto do acendimento da pleta 90 anosamigo João Carlos Paixão Côrtes, um chama, do primeiro candeeiro, da pri- homem capaz de unir jovens e despertar de uma for- nosso querido amigo João meira ronda ou do primeiro baile gaúcho e sermos so- Carlos Paixãoma incontrolável este sentimento de mente saudosistas. Devemos nos reen- Côrtes, um ho-pertencimento de nossa gente pela contrar, voltar um pouco ao passado, nossa cultura regional. Ele faz parte de um tempo em que mem capaz de unir jovens e buscarmos nossa essência, nossos referenciais. Qual despertar estegrandes pensado- res e intelectuais tradicionalismo queremos conti- sentimento depercorriam nosso meio de uma forma nuar praticando? Aquele em que pertencimento.simples e contributi- va a todo este pro- nos perdemos em competição, em cesso que desen- vaidades pessoais, cadeou em setembro de 1947 disputas de poder, regras, ego...... o surgimento do movimento ou aquele que começou com organizado. O MTG é uma con- aqueles jovens de 1947? Aque- sequência do processo social les jovens nunca imaginaram iniciado neste período, desen- onde chegaríamos e o tamanho volvendo desde o início a capa- do movimento atualmente, mas cidade de organizar e orientar, tenho certeza de que gostariam na medida do possível, esta ca- que algumas questões fossem minhada em nossa sociedade. revistas e readequadas às suas Vivemos um momento de origens. profunda transição que com Nossa grande referência certeza deveríamos voltar aos completa 90 anos. Neste dia 12 ideais e princípios daqueles jo- de julho, obrigado Paixão Côrtes vens liderados por Paixão Cor- por ter nos dado a oportunidade tes. Vivemos o momento de re- de descobrirmos e preservar- tomarmos o chamado “Velho mos nossas origens. Agradeço Tradicionalismo”, aquele que em meu nome e do Movimento inspirou inúmeras pessoas a Tradicionalista Gaúcho. Muita participarem deste movimento. saúde e vida longa. Julho de 2017 OPINIÃO Por: Ajadil Costa Pesquisador e escritor Para, Pedro! 50 anos de história O ano de 2017 terá a comemoração de uma data histórica, que é o aniversário de 50 anos da música “Para, Pedro!”, composta em 1967 por Portela Delavy e José Mendes. Foi na Voz de José Mendes que a música “Para Pedro!” se tornou conhecida internacionalmente, inclusive gravada por vários intérpretes e por vários grupos musicais, como Raul Gil, Trio Irakitan e Brazilian Beatles. Outras tantas canções suas foram gravadas por Sergio Reis, Gaúcho da Fronteira, Milionário e José Rico, Berenice Azambuja e José Claudio Machado – diria que uma pesquisa constata em mais de cem regravações de suas músicas por intérpretes de diversos gêneros musicais. Citei alguns como exemplo, mas muitos outros artistas importantes gravaram suas canções. 43 anos após sua morte, José Mendes continua sendo um dos artistas mais importante para cultura gaúcha, um dos maiores divulgadores do Rio Grande do Sul ao lado de outros imortais como Pedro Raimundo, Teixeirinha, Gildo de Freitas, Irmãos Bertussi e entre outros tantos que fazem a história da musica gaúcha. José Mendes nasceu em 20 de abril de 1939, no distrito de Lagoa Vermelha, na época Machadinho. Com quatro anos de idade seus pais se separaram e ele foi morar com pais adotivos em Esmeralda, na época distrito de Vacaria. Hoje Esmeralda reconhece o ilustre filho adotivo e até ergueu um Memorial para resgatar e preservar a sua história, e divulgar para as gerações atuais o grande legado deixado por ele para a cultura gaúcha, bem como seu exemplo de vida e persistência em lutar peles seus objetivos. José Mendes faleceu em 15 de fevereiro de 1974. Gravou oito discos e fez três filmes. Em 1967, quando lançou um compacto com a música Para Pedro. Matérias jornalísticas relatam que foram vendidas 600 mil cópias de discos e, certamente, com o LP ultrapassou um milhão de cópias. Em 1969, com o mesmo sucesso, José Mendes lançou o Filme Para Pedro, que bateu todos os recordes de bilheteria em diversos estados do Brasil. No último final de semana de novembro deste ano, Esmeralda realizará o evento 10º Esmeralda Canta Zé Mendes, para comemorar os 50 anos da música “Para Pedro!”. “Em noites de tempestade, as árvores rígidas são as primeiras a quebrar, enquanto as árvores flexíveis se curvam e deixam o vento passar!” (Carlos Hilsdorf)

[close]

p. 3

Ano XV - Edição 191 ESPECIAL Julho de 2017 3 Ao completar 90 anos, Paixão Côrtes anuncia afastamento João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes, nascido Paixão Côrtes, que iniciou suas pesquisas folcló- em Santana do Livramento, fronteira seca do Rio ricas junto com Barbosa Lessa ainda no final da Grande do Sul com Rivera (Uruguai), em 12 de década de 40, desenvolveu um notável trabalho julho de 1927, é engenheiro agrônomo, folcloris- de “garimpagem” junto ao genuíno homem do ta, radialista e dedicado pesquisador da cultura, campo por perdidos rincões do estado gaúcho. hábitos e costumes populares do Rio Grande do No transcorrer do tempo, necessitou custear, às Sul e do Brasil, os quais registrou em dezenas de expensas próprias e sem auxílio de qualquer ór- publicações e discos. Formado em agronomia, gão governamental, os filmes, as fitas magnéti- teve sua vida profissional ligada à Secretaria da cas e os equipamentos — gravadores, filmado- Agricultura do Rio Grande do Sul, onde desen- ras e máquinas fotográficas — utilizados para volveu trabalhos relacionados com a ovinotec- registrar um fértil manancial da cultura popular nia, com destaque para a introdução da tosquia gauchesca. australiana e a tipificação de carcaças. Deste trabalho como pesquisador no nosso Em 1947, liderou os estudantes que funda- Estado, em outros estados brasileiros e em di- ram o Departamento de Tradições Gaúchas do versos países da América Latina e da Europa, Grêmio Estudantil do Colégio Júlio de Castilhos resultou um acervo de milhares de slides, de em Porto Alegre, célula-mater do Movimento Tra- centenas de fitas gravadas, de horas de filmes dicionalista Gaúcho. Esse núcleo estudantil foi o em super 8 e em VHS, de raros registros fono- centro agregador para um grupo de jovens que gráficos da Casa A Eléctrica, pioneira produtora protagonizaram pioneiramente momentos mar- do selo gramofônico Discos Gaúchos, e de inú- cantes na história do tradicionalismo. Ele e sete meros documentos sobre os hábitos e costumes companheiros, trajados e montados tipicamente rio-grandenses. à gaúcha, algo inédito na época, formaram o “Pi- Tendo como foco a divulgação deste mate- quete da Tradição” que desfilou, em Porto Alegre, fazendo a guarda de honra rial, colaborou com diversos artigos para jornais e revistas, apresentou teses da urna funerária dos restos mortais do general farroupilha Davi Canabarro. aprovadas em Congressos Tradicionalistas e de Pesquisadores da Música Este Departamento criou, durante a primeira Ronda Crioula, uma série de Brasileira, palestrou em simpósios e encontros culturais, participou de pro- solenidades culturais e cívicas que deram origem aos símbolos da Chama gramas de rádio e televisão, colaborou com documentários, entre outras ati- Crioula e do Candeeiro Crioulo e que inspiraram a criação da Semana Far- vidades culturais. roupilha. Participou ativamente do grupo, onde estavam presentes Barbosa Profissionalmente realizou cursos sobre tradição, folclore e danças tra- Lessa e Glaucus Saraiva, que fundou o “35 Centro de Tradições Gaúchas”, o dicionais, ensinou professores em especializações em faculdades, realizou primeiro CTG, compondo a primeira diretoria como Patrão de Honra. Estima- espetáculos de danças e, como radialista, utilizou seus programas, ao longo -se que existam mais de 4.000 entidades gauchescas de diferentes consti- de quatro décadas para propagar seus estudos e para oportunizar espaço tuições (CTGs, piquetes, grupos de danças e conjuntos musicais, etc.) que para manifestação da cultura popular do homem do campo. Desenvolveu congregam cerca de 5 milhões de pessoas no Rio Grande do Sul, em quase nas últimas décadas o Projeto Mogar (Momento Gauchesco Artístico Cultu- a totalidade dos estados do Brasil, e em diversos países da Europa, da Amé- ral Rio-grandense), no qual editou, com textos e fotos do seu acervo pessoal, rica do Norte e da Ásia. cerca de quatro dezenas de livros, opúsculos, folhetins, e fôlderes, num total Seu trabalho foi reconhecido pelo povo do Rio Grande do Sul, ao ser de 350 mil publicações que estão sendo distribuídas gratuitamente para en- escolhido por voto espontâneo, como um dos “20 Gaúchos que Marcaram riquecimento cultural de bibliotecas públicas, de entidades educacionais, de o Século XX”, colocando-o entre exponenciais figuras como Getúlio Vargas, Centros de Tradições Gaúchas (CTGs), de grupos artísticos, de escolas e de Osvaldo Aranha, João Goulart, Erico Verissimo, Mario Quintana, Barbosa Les- diversos grupos propagadores da cultura gauchesca. sa e outras personalidades. Nacionalmente foi distinguido pelo então presi- Assim, em 70 anos de múltiplas atividades, Paixão Côrtes sempre foi um dente da República Fernando Henrique Cardoso com a Comenda da Ordem tropeiro cultural. Se em um momento estava em terras europeias cantando ao Mérito Cultural por serviços prestados à cultura brasileira. e dançando a alma da sua terra, em outro estava pesquisando e resgatan- Do governo do Estado do Rio Grande do Sul recebeu a Medalha Negrinho do Pastoreio como reconhecimento Foto: Divulgação do as manifestações autóctones do povo sulino, para, em seguida, estar transmitindo e divulgando-as pelos diversos por serviços prestados à cultura e a Medalha Assis Brasil rincões do Brasil, contribuindo, assim, definitivamente na em destaque por seu trabalho em prol da agropecuária. formação da identidade do gaúcho rio-grandense. Por sua atuação nos mais diversos segmentos, igualmen- Chegando aos 90 anos de idade, decidiu recolher-se te recebeu significativas homenagens e distinções por na intimidade do convívio familiar. Vai dar uma pausa na diferentes entidades das áreas de ensino, da cultura, das sua atuação como homem público, pois os anos de tro- artes, da literatura, das representações governamentais, peada lhe causaram desgastes de saúde. Já não conse- da agropecuária, da economia, da religiosidade e da re- gue atender igualmente a todas as demandas e não quer presentação popular. preterir ninguém, mas precisa se fortalecer. Espera que Igualmente, empresta seu nome a museu, a CTG, a compreendam sua decisão. A sua figura pública sempre praça e a premiações em distintos municípios gaúchos. foi agente de uma ideia, que foi plantada em solo fértil, e Convidado pelo consagrado escultor Antônio Caringi, em propagou nas novas gerações. Que estas sejam responsá- 1954, Paixão Côrtes teve a honra de posar, com suas rou- veis pelos novos frutos. pas campeiras e laço de 14 braças, para o artista escul- Ele segue observando, organizando e enriquecendo pir a estátua O Laçador, que inicialmente foi colocada em seu extenso acervo documental de pesquisas. O Tropeiro gesso na exposição em comemoração do IV Centenário da Tradição agora segue “a despacito”, no ritmo do seu de São Paulo. Em 1958, a obra escultural eternizada em tempo, a trançar outros tentos. Agradece a todos as mais bronze foi erguida em praça pública à entrada de Porto diferentes manifestações de carinho que continua rece- Alegre, sendo deslocada, em 2007, para o Sítio do Laçador. bendo. Recentemente, sua Santana do Livramento homenageou-o com obra estatutária de Sérgio Coirolo, colocada na entrada da cidade, saudando o visitante da fronteira. Paixão, aos 26 anos com suas vestes rurais Porto Alegre, 2 de julho de 2017. Por Carlos C. Paixão Côrtes (Filho do J.C. Paixão Côrtes)

[close]

p. 4

4 Ano XV - Edição 191 Julho de 2017 PROSEANDO COM TENÊNCIA Por Rogério Bastos CASOS & ACASOS Edital de cultura oferece R$ 10 mil Atentos às necessidades de nossas entidades e o trabalho que realizam, encontramos este edital que pode ajudar quem realmente faz acontecer. A Secretaria da Diversidade Cultural, do Ministério da Cultura, lançou um edital para selecionar 500 inciativas que fortaleçam as expressões culturais populares brasileiras, com R$ 10 mil cada. Entre no site do MinC e faça a sua inscrição. Transmissão do Sarau do M’Bororé Com equipamento moderníssimo, a TV do Gaúcho transmitiu o 19º Sarau do CTG M’Bororé. Um sucesso nas redes sociais. A entidade anfitriã não se prende a um grupo ou a outro, tanto que, além de fazer sucesso com seu rodeio e com seus grupos de danças de todas as categorias, alcançou o título estadual com a prenda Renata da Silva e a prenda mirim, Cecília Scholz. Isso é reflexo de muito trabalho e visão, em épocas de crise. Gildo de Freitas vai reinaugurar biblioteca O CTG Gildo de Freitas realmente está a mil na questão cultural. Depois de promover uma série de palestras e atividades em seu galpão, agora prepara a reinauguração da Biblioteca Barbosa Lessa, para o mês de novembro. Na inauguração, o patrono Lessa esteve presente no CTG. Rodrigo, Cristiano Silveira e Luis Carlos Chomieniuk estão trabalhando muito com uma ótima equipe. Sucesso pra eles. . A era das incertezas e do descompromisso O historiador britânico Eric Hobsbawm apelidou o século XX de ‘Era dos Extremos’ pelo fanatismo que pairava sobre o mundo. Já o início do século XXI tem sido marcado por muitas incertezas, a que os cientistas não têm sabido dar respostas porque a humanidade tem se comportado de uma forma instável, e a juventude, que já era um tanto descompromissada, abusa dessa característica agora. Foi assim que o sociólogo polonês Zygmunt Bauman (falecido em janeiro) definia o atual momento: a ‘Era das incertezas’ e o mundo líquido. A busca pela verdade constituiu, ao longo da trajetória humana, uma de suas mais intrigantes jornadas – nos criamos assim. O mundo parece diferente, não é? Lembram que quando criança ouvíamos falar que o mundo terminaria no ano 2000? Pois bem, aquele nosso mundo realmente terminou. Agora temos que nos adaptarmos a esse novo mundo, exatamente como portugueses, espanhóis, alemães, italianos e tantos outros imigrantes fizeram quando chegaram à América. Temos que ter criatividade para começar a reconstruir o que ruiu na troca de século. Curso de Folclore Cumprindo com seus estatutos e com as obrigações de uma Comissão de Folclore, a CGF organizou e realizou mais um Curso de Folclore, como fez ano passado. Foram 40 horas de estudos sobre o folclore gaúcho e brasileiro. Com um trabalho à frente do presidente Ivo Benfatto, que classificou como positiva a ação: “Independente do numero de alunos precisamos manter firme a divulgação do folclore do nosso estado” – afirmou. Presidente da CBTG visita o Governador O presidente da CBTG, João Mello, esteve reunido com o governador José Ivo Sartori para tratar do retorno das homenagens feitas pelo Rio Grande do Sul aos seus ilustres filhos que saíram do estado, mas que continuaram a preservar as tradições lá fora. Desta forma está de volta a outorga dos títulos de Consul e Embaixador da Cultura Gaúcha, entregue pelo Piratini durante os Festejos Farroupilha de 2017. MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO Calendário do MTG - 2017 DATA 1 25 29 8 11 e 12 26 e 27 2 14 a 20 30 1 7 14 e 15 21 e 22 EVENTO JULHO DE 2017 4ª REUNIÃO DE COORDENADORES E DIRETORES REGIONAIS PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES ENART 2017 84ª CONVENÇÃO TRADICIONALISTA AGOSTO DE 2017 SORTEIO DA ORDEM DE APRESENTAÇÃO DAS INTER-REGIONAIS DO ENART 2016 ACENDIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DA CHAMA CRIOULA 1ª INTER-REGIONAL DO ENART SETEMBRO DE 2017 5ª REUNIÃO CONSELHO DIRETOR SEMANA FARROUPILHA 2ª INTER-REGIONAL DO ENART OUTUBRO DE 2017 2ª INTER-REGIONAL DO ENART 5ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CULTURAIS ACAMPAMENTO DA JUVENTUDE E TCHENCONTRO FEGADAN 3ª INTER-REGIONAL ENART PROMOÇÃO MTG MTG MTG + 8ª RT MTG MTG + 23ª RT MTG MTG MTG + RTs MTG MTG MTG LOCAL PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE LAGOA VERMELHA PORTO ALEGRE MOSTARDAS PORTO ALEGRE RS PORTO ALEGRE Data CURSOS 02 08 e 09 09 15 15 e 16 JULHO 2017 CFOR BÁSICO - SANTA ROSA CFOR AVANÇADO - MODULO I CFOR BÁSICO - SÃO GABRIEL CFOR BÁSICO - PORTO ALEGRE FORMAÇÃO DE POSTEIROS ARTÍSTICOS 1ª; 2ª; 6ª; 11ª; 12ª; 15ª; 16ª; 22ª; 23ª; 24ª; 25ª; 26ª; 27ª e 30ª RT’s Promoção Cidade MTG + 3ªRT SANTA ROSA MTG PORTO ALEGRE MTG + 18ª RT SÃO GABRIEL MTG PORTO ALEGRE MTG PORTO ALEGRE 66º Congresso Tradicionalista Gaúcho será em São Jerônimo Sandra Veroneze O 66º Congresso Tradicionalista Gaúcho, em janeiro de 2018, será no município de São Jerônimo, na 2ª Região Tradicionalista. A confirmação é do presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Nairo Callegaro, que na semana que passou esteve reunido com o prefeito da cidade, Evandro Agiz Heberle, com o vice-prefeito Júlio César Prates Cunha, além do prefeito de General Câmara, Helton Holz Barreto, e o Coordenador da 2ª Região Tradicionalista, Ivan Fernando Botelho. O Congresso Tradicionalista é a reunião, em Assembleia Geral, das entidades filiadas-efetivas e tem por fim traçar diretrizes, rumos e princípios para o Movimento Tradicionalista Gaúcho; ensejar o debate e a divulgação de ideias, trabalhos, pesquisas, sugestões, teses e temas de cunho tradicionalista; e escolher a nova diretoria da entidade para o ano, entre outros. Segundo o presidente do MTG, Nairo Callegaro, o Congresso é um dos mais importantes eventos do calendário da entidade, uma vez que abre espaço para o debate, discussão e definições quanto ao futuro do tradicionalismo no Rio Grande do Sul, além de proporcionar o encontro de tradicionalistas de todo o estado em um clima de amizade e hospitalidade. Foto: Rogério Bastos Mesa Diretora do 65º Congresso

[close]

p. 5

Ano XV - Edição 191 DEPARTAMENTO JOVEM Por: Kelvyn Krug Diretor Dpto Jovem do MTG Esperança: a continuidade através das novas gerações O caminho que trilhamos hoje é o responsável por conduzir o futuro do Movimento. Nossas ações refletem na formação da concepção de relações que serão estruturadas por crianças que hoje têm seus primeiros contatos com o tradicionalismo. É necessário que tenhamos uma base sólida em que nossa progenitura possa firmar-se. Luiz Carlos Barbosa Lessa, em sua tese “O Sentido e o Valor do Tradicionalismo”, alertava que precisávamos ter atenção especial às novas gerações. Por consequência do enfraquecimento e, em muitos casos, o desaparecimento de grupos locais, a criança não tem o contato imediato com a autenticidade social emanada pela tradição. Assim, apenas seguirão nosso caminho se houver uma força que propicie o contato e o mantimento dele para com a cultura. Transmitindo o legado de patrimônio cultural perpassado por gerações, estaremos doando o mais rico arsenal para que a pessoa se integre à cultura comum. É na realização de pequenos hábitos que a tradição segue seu ciclo, onde pais e filhos se reúnem para sorver o mate e incentivam a preservação dos valores, como o respeito, o sentimento de igualdade e o nativismo. Quando retemos o conhecimento de onde viemos, a inspiração em personalidades faz com que tenhamos a fibra e a coragem para agir em defesa de nossos direitos e ideais. É através dos caminhos que um homem percorre que podemos conhecê-lo, e de tal maneira possuímos a consciência ao traçar os rumos para tranquear, pois este será o legado a ser deixado para as gerações subsequentes. Os Centros de Tradições Gaúchas são alimentados pela sabedoria dos que já viveram e a pureza dos corações curiosos no porvir. Alicerçados às experiências dos mais velhos, eles seguem os passos para a construção de seu posicionamento. Que saibamos trilhar o caminho de forma a servir como bom exemplo a estes que virão. No despertar da chama ardente da tradição no peito de cada um, estaremos plantando a semente para garantirmos o futuro. Desta forma também estaremos construindo a estrada para viabilizar mais 50 anos de vida ao Movimento Tradicionalista Gaúcho. Passaporte Farroupilha abre passagem para o Harmonia Novidade deste ano para os bailes e shows na Estância da Harmonia (Parque Mauricio Sirotsky Sobrinho), o Passaporte reduz o preço do ingresso para os grandes nomes da música gaúcha. A agenda de shows bailes do Acampamento Farroupilha deste ano começa a se desenhar. A AG Produtora, empresa organizadora de grandes eventos, se integrou ao Movimento Tradicionalista Gaúcho para a realização da “Maior Semana Farroupilha do Rio Grande do Sul” e já garantiu atrações como ‘Os Monarcas’, ‘Joca Martins’, ‘Alma Gaudéria’, ‘Luiz Marenco’, ‘Machado, Marcelo do Tchê’, ‘João Luiz Corrêa’, ‘Os Mateadores’, ‘Grupo Rodeio’, ‘Tchê Guri’, ‘Gurias Gaúchas’, ‘César Oliveira e Rogério M‘Baeiltoa’,c‘aM’, o‘Gtirsoréuiasnp.poOdfQli1vue0ei7rr/ao03’-,/Q2‘0Vu1o7ezr2eo2s:4’,1‘d:X25oiruCMamisspioo’-, neiro’ e ‘Grupo Minuano’. Segundo Fernando Espíndola, da AG Produtora, a programação ainda contemplará fandango mirim para a criançada e bailes dos piquetes, com quatro bandas. “Haverá passaporte para todos os shows, com valores promocionais”, afirma. O presidente do MTG, Nairo Callegaro firmou a parceria com a AG porque acredita que os bailes são um grande atrativo do Acampamento Farroupilha, que a cada ano recebe mais público. Mais informações sobre datas, valores dos ingressos e outros detalhes serão divulgados em breve. Julho de 2017 5 CEVANDO O MATE Por Sandra Veroneze Quais as ferramentas de uma assessoria de imprensa? Curso de Assessoria de Imprensa - Julho 2017 Todo bom profissional tem ferramentas. O assessor de imprensa, para trabalhar, precisa de algumas. Vejamos. Mailing – O mailing é ‘ouro em pó’ para o assessor de imprensa. Um mailing de qualidade aumenta consideravelmente as chances de se ter uma pauta presente nos veículos de comunicação. Contendo o nome, email, telefone e veículo do jornalista já dá para fazer um bom trabalho, mas se você também conseguir segmentar por editoria e área de abrangência do veículo de comunicação, o trabalho será mais assertivo. Você pode desenvolver o mailing e mantê-lo sempre atualizado ou comprá-lo de empresas especializadas. Alguns serviços podem ser contratados na modalidade assinatura, na qual você paga um valor por mês e tem direito a todas as atualizações. PC ou Notebook – O notebook facilita em termos de mobilidade. Com ele, o assessor de imprensa pode trabalhar a qualquer momento, em qualquer lugar. Em eventos, por exemplo, ele se demonstra bastante útil. Máquina fotográfica – A máquina fotográfica permite o registro dos acontecimentos. Até um tempo atrás era um investimento bastante caro. Com a fotografia digital o trabalho ficou facilitado. Não é mais necessário revelar o filme, escanear a foto e então enviar para a imprensa. Internet – Muito raramente algum jornalista solicitará o release impresso. Nesses anos todos de trabalho na assessoria de imprensa do MTG, a única solicitação nesse sentido acontece por parte das rádios que fazem a cobertura do Enart. Para o jornalista é mais fácil trabalhar um release que chega por e-mail, sem necessidade de redigitar. Nesse sentido, procure utilizar um e-mail da própria entidade (não o seu particular) e na assinatura deixe todas as formas de contatá-lo (e-mail, telefone, whatsapp). Gravador – Muito importante na realização de entrevistas em que o volume de informações é bastante grande, ou que se priorizará a publicação de citações do entrevistado. Telefone – Muito importante para relacionamento com os profissionais de imprensa. Dependendo da relevância da pauta, é estratégico ligar para o jornalista antes ou depois de enviar o release, reforçando a importância da pauta e se colocando à disposição para entrevistas exclusivas. Smartphone – Pode abarcar todas as funções anteriores. Nele é possível fazer fotos, enviar email com imagens e vídeos, gravar entrevistas, conversar com os jornalistas e até mesmo escrever os releases... Continua no próximo mês. Em caso de dúvida, escreva para mim: imprensa@mtg.org.br C M Hámaisde 15anosDandovozÀnossa tradição! Y CM MY Entre em contato, temos a estrutura completa para o seu evento. CY CMY K 5499112.1085 troiansonorizacao@gmail.com

[close]

p. 6

6 Ano XV - Edição 191 Julho de 2017 ESPAÇO DACBTG Edson Debom assume a presidência do Conselho Deliberativo da FCG O presidente do MTG, Nairo Callegaro, reuniu-se na noite de terça-feira, 7 de junho, com a diretoria da Fundação Cultural Gaúcha. O encontro aconteceu na sede da entidade, com o objetivo de escolher a diretoria 2017/18. Como presidente foi escolhido Edson Francisco Tavares Debom, que terá Euclides da Silva Filho como vice-presidente e Carlos Rogério dos Anjos Farias como Secretário. Também integram o conselho os tradicionalistas Edison Flores Dornelles, Celso Barbosa Echeli, Paulo Matukait da Sil- va, Celso Guimarães da Silva, Helder Ricardo de Menezes, Luiz Henquique Lamaison e Tarcísio de Castro Falconi da Cunha. Os suplentes são Jeandro Portal Garcia, Adão Sagini, Luiz Ernani Ferreira de Souza, Lalvir José Rodrigues e Marta Guedes Bayer. O Conselho Fiscal passa a ser integrado por Maciel Silva Arce como presidente, Avelino dos Santos Menezes como contador e Adão Barreto como secretário. Os suplentes são Manoel José Lopes, Eloim Pereira e Albeni Carmo Oliveira. Foto: Divulgação João Mello é recebido pelo governador do RS O presidente da Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha, João Ermelino de Mello reuniu-se com o Governador José Ivo Sartori na tarde do dia 21 de junho, no Palácio Piratini, para entregar o convite para o evento em Querência – MT. Também fez parte da audiência a solicitação para que retorne a entrega dos Diplomas de Cônsules e Embaixadores da tradição gaúcha, honraria entregue para quem presta o serviço de preservar as tradições do nosso estado além do território Rio-grandense. Estiveram presentes no encontro o Secretário Adjunto da Cultura André Kryszczun, o Chefe de Gabinete do Deputado Gabriel Souza, o líder do Governo na Assembleia, João Alberto Machado Cardoso, e o Diretor de Divulgação da CBTG e vice-presidente da Comissão Gaúcha de Folclore, Rogério Bastos. Mello avaliou como positiva a reunião com o governador. “Saímos daqui com a certeza de que o governo do estado, através da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes, volta a motivar os guerreiros que, em cada estado, lutam para mostrar o que o Rio Grande tem de melhor: suas tradições e a sua gente”, afirma o presidente da CBTG. Foto: Rogério Bastos Conselho da Fundação Cultural Gaúcha em noite de reunião na sede do MTG André Kryszczun (E), João Ermelino de Mello, José Ivo Sartori e João Alberto Cardoso

[close]

p. 7

Ano XV - Edição 191 FESTIVAIS Por Vinicius Brum UM CANTO PARA O DIA Entre os dias nove e doze de dezembro de 1976 realizou-se a sexta edição da Califórnia da Canção Nativa de Uruguaiana. A Calhandra de Ouro foi pousar nas mãos de Ernani Amaro de Oliveira, autor de letra e música da canção “Um canto para o dia”, vencedora da linha de projeção folclórica. “Sol, lua, estrela boieira, num rastro de poeira...” o dia começa, continua e termina, sendo costurado pelo refrão que remete ao infindável girar das horas que nos marca e nos desaparece, nesse misto de eternidade e esquecimento que nos conforma. Lembro-me do bordão repetido pelo narrador em “Assim na terra” de Luiz Sérgio Metz: “mas em mim a frase de Thomas Stearns Elliot não descansava: no começo o fim, no fim o começo.” A interpretação da canção, com o acompanhamento do grupo Os Uruchês, coube a César Scout (grafia da contracapa do Lp do festival lançado em 1977) que haveria de se imortalizar como César Passarinho, uma das vozes mais marcantes da música rio-grandense a partir da Califórnia da Canção Nativa. Passarinho já havia sido considerado o melhor intérprete masculino da quarta edição do festival. Anos mais tarde consagraria a canção “Guri” dos irmãos Júlio e João Machado da Silva. Ao lado seu lado estava Oristela Alves, jovem cantora uruguaianense, que na edição anterior fora destacada como melhor intérprete feminina, feito que repetiria nesta sexta edição. A propósito da polêmica que se criou a partir de recente texto sobre a condição feminina na canção regional gaúcha, com o qual concordo, assinado pela amiga Shana Müller, percebo que nas seis primeiras edições da Califórnia, em três vezes as canções que receberam o troféu máximo tiveram interpretação feminina. Recordemos: Cecília Machado, em Reflexão (primeira edição), Rosa Maria, em Canto de morte de Gaudêncio Sete luas (terceira edição) e Oristela Alves, em Um canto para o dia (sexta edição). O que isto pode significar? Talvez, pouco. Talvez, um tanto. O importante é que cada discussão contribua para ampliar nossa capacidade de reflexão e de compreensão do mundo. Rincão da Amizade completa 25 anos O CTG Rincão da Amizade, com sede no Parque Florido, em Gravataí, foi criado a partir de uma dissidência ocorrida no CTG Coxilha Verde, no ano de 1992 e completou, este ano, um quarto de século. Quem passa pelas bandas de Grava- tístico o CTG possui as invernadas mirim taí, no bairro Parque Florido, avista “a lo e juvenil além da participação expressiva largo” um galpão de campanha criado na modalidade da chula, sendo represen- no longínquo ano de 1992. No dia 15 de tado por José Guilherme Guimarães, que janeiro daquele ano reuniram-se aproxi- iniciou os primeiros passos no CTG aos madamente 20 pessoas, para tratar da 6 anos e aos 18 já coleciona 192 troféus, fundação do CTG. Nesta data foi tratada entre eles de campeão do Rodeio da Va- também a elaboração do estatuto, basea- caria, Mercosul, Fegachula e 2º lugar no do no estatuto do pioneiro das tradições, ENART 2014. Além dos tradicionais bailes o 35. A escolha do nome do CTG, entre os gaúchos a entidade desenvolve a dez apresentados, por unanimidade foi esco- anos a tertúlia artística e cultural com mú- lhido CTG Rincão da Amizade e o lema: sicas, poesias e causos sempre no último “Aqui se cultua as tradições do rio grande”. sábado de cada mês. No esporte a enti- No dia 22 de Janeiro de 1992, foi escolhida dade com uma equipe de bocha partici- a Patronagem Provisória, tendo como pa- pativa no campeonato do bombachudo e trão José dos Santos Pedro e como vice- bocha campeira Enecamp e FECARS. -patrão Wilson de Oliveira Carpes. A entidade cede espaço para ginás- Hoje, o CTG tem como patrão Alen- tica laboral duas horas semanais para a car da Silva e o vice, Fe- Foto: Nathan Silva lipe da Rocha. A entidade comunidade, como projeto social. Ainda promove, comemorou. no dia 15 de juntamente ao sócio Al- Janeiro, seus 25 anos com cendor Dutra, há 13 anos, um churrasco na vala e o “Natal da Criança Caren- uma domingueira ani- te”, que atende mais de mada pelo grupo Vozes 150 famílias da comuni- Campeira. Está preparan- dade, promovendo um dia do um evento de grande de Brincadeiras, diversão, proporção para o ultimo além de Cortes de cabelo trimestre, visando o en- e doações de Brinquedos, cerramento deste ano em vestuário e Cestas Bási- que comemoram seu jubi- cas. Este é o CTG Rincão leu de prata. da Amizade, da cidade de No departamento Ar- Patrão Alencar da Silva e sua esposa Gravataí. Julho de 2017 7 ESPAÇO CGF/FSH Por: Paula Simon - Folclorista Folclore Mágico Devocionismo O ser humano acredita e sempre acreditou no sobrenatural, especialmente quando não possui respostas para seus questionamentos. Atribuir a forças ocultas os fatos para ele desconhecidos sempre foi uma solução satisfatória, fácil e prática. Os votos estão presentes desde a antiguidade até nossos dias, nas mais diferentes culturas, e se revelam na queima de incenso, em ramos de flores, em joias e adornos. Aparecem também na iconografia, em esculturas, e até mesmo na imolação de animais nas religiões de matriz africana. A palavra voto tem origem latina - é o voto com sentido de promessa, de oferenda aos deuses pagãos, ou aos santos oficiais. O povo cria santos extraoficiais nos quais confia por estarem mais próximos de seus problemas, geralmente pessoas que viveram, sofreram ou tiveram morte violenta. No RS existem diversos santos canonizados pelo povo que futuramente serão referidos neste espaço. Devocionismo - a palavra vem do latim “devotio” e significa beato, igrejeiro, e refere-se a crenças ou devoções exageradas a santos canonizados pela igreja oficial ou pelo povo. Pedido/Promessa - troca de favores entre o devoto e o santo de sua devoção. Pedido que se faz ao santo (na Igreja ou fora do contexto religioso) em troca de um oferecimento que pode ser um sacrifico pessoal como assistir à Santa Missa de joelhos, acompanhar uma procissão de pés descalços, carregar uma cruz etc. Pode ser feita uma oferta de flores ou velas para o altar; uma mesa de inocentes, uma oferta para alguém necessitado como uma cesta básica ou enxoval de nenê, placas de agradecimento, ex-votos, publicação de oração no jornal ou qualquer outra prova de agradecimento. Muito comum é a promessa de vestir uma criança de anjo ou com a roupa do santo para pagar promessa relacionada à saúde . Carta-corrente: série de cartas enviadas pelo correio nas quais são feitas ameaças a quem interromper a corrente e prometidas inúmeras benesses a quem der continuidade. São combatidas pela igreja católica. Carta Benta ou Votiva - Em muitas igrejas são encontrados maços de orações para algum santo que também é feito por promessa, mas sem ameaças, por exemplo: oração de Santa Rita, o Chinelo de Santo Antônio e outras similares. Pedidos em paredes: grafites nos quais são feitos pedidos ou orações. Por exemplo: Deus te Salve, Jesus te ama, Deus é fiel... Oferendas Bentas ou Votivas: velas previamente benzidas pelo padre que são acesas em altares, cruzeiros, no cemitério (para as almas), em pagamento de promessas, para reforçar a súplica do devoto, ou durante o período durante o qual é rezado um tríduo, uma novena ou uma trezena. Ex-votos: peças de madeira, de cera ou mesmo pães com formatos diversos, lembrando partes do corpo (pés, mãos, pernas, cabeças) que são oferecidas aos santos em pagamento de promessa quando obtida a cura para um problema de saúde. Geralmente os pães oferecidos são leiloados na festa do santo e o lucro revertido para a igreja ou capela. Rezas curadoras e rezas milagrosas: orações ou novenas tidas como milagrosas feitas para determinados santos pedindo solução para problemas de saúde, dinheiro ou casos de amor. Por exemplo: oração para Santa Rita das Causas Impossíveis (somente para saúde, esta santa não atende pedidos de causas de amor); Trezena para Nossa Senhora do Sagrado Coração; para Santo Antônio para conseguir casamento ou para Santo Antoninho (para achar objetos perdidos). Santo Antônio pequenino se vestiu e se calçou / Sua mãe lhe perguntou: onde vais Antoninho? / Vou procurar... (diz-se qual objeto)... que... fulano... não achou (diz-se o nome da pessoa que procura o objeto).

[close]

p. 8

8 NOTÍCIAS Ano XV - Edição 191 Julho de 2017 ECO ENTREVISTA Precursor do tradicionalismo na Bahia, criou o Sinuelo das Gerais João Kuffel, 65 anos, nascido em Ibirubá, distrito de Cruz Alta. Foi para a Bahia em 1983, quando acompanhou um cliente para conhecer uma fazenda que ele iria comprar. Ao chegar à Bahia resolveu também comprar terras na nova localidade. Um irmão ficou cuidando até 1985, quando ele se mudou em definitivo para Barreiras/BA, onde estabeleceu um escritório de engenharia agrônoma. A cidade de Luís Eduardo Magalhães, que no início de sua povoação chamava-se Mimoso do Oeste, em 1986 viu nascer um grupo de empresas denominado ‘GRUPO MIMOSO’, nos ramos de hotelaria, transportes, alimentícios, combustíveis e agropecuário, também de propriedade do fundador, passou a ter o mesmo nome do vilarejo. Em 3 de dezembro de 1987, o pequeno povoado Foto: Rogério Bastos Patrão fundador: “A necessidade nos fez criar um CTG” de Mimoso passou a ser distrito de Barreiras e, em 1998, passou a ser município. No ano de 2000 recebeu o nome do filho do senador Antônio Carlos Magalhães, mediante muitas polêmicas, das quais Kuffel é um dos grandes críticos. Reunido com alguns gaúchos, Kuffel procurou o prefeito de Barreiras para a construção de uma entidade para congregá-los distante dos pagos, mas sentiu que na cidade não teria como construir, porque a área não era liberada. Então foram para Mimoso do Oeste, receberam um hectare, onde hoje é o posto Imperador, e construíram um pequeno galpão, com cobertura de palha, única opção da época. “Precisávamos de um lugar para criar nossos filhos onde permeassem os valores, usos e costumes do povo gaúcho e proporcionasse espaços a todos” – conta. Kuffel andava pilchado por toda região nos finais de semana, nas festas e era bem conhecido, o que facilitou reunir a gauchada para construir uma sociedade com os fundamentos aprendidos no Rio Grande. Então nascia ali o CTG Sinuelo as Gerais – “Sinuelo, que é um animal dócil que ajuda a conduzir a tropa, e Gerais, porque representava a parte mais alta e uma topografia mais horizontal” – explica. O lema foi feito por Kuffel, às vésperas da inauguração: “Reascender o brilho da chama da tradição no novo pago, nosso chão”, juntamente com o brasão, confeccionado pela esposa do fundador, dona Sônia Terezinha Floss Kuffel. Em sua nova localização, o CTG Sinuelo das Gerais tem uma propriedade com 23 ha, em sua sede urbana, além de um grande galpão. A flor que desabrochou e aprendeu a ser sentimento “Na flor que desabrochou sob a luz do sol, no tempo... Aprendi tudo que sou, aprendi a ser sentimento!” – frase que a 3ª Prenda juvenil do RS carrega consigo. Júlia Calvi da Silva, 17 anos, é natural de Encantado, mas mora em Parobé. “Sou Técnica em Móveis, formada pela Escola Técnica Estadual Monteiro Lobato” – conta Júlia, orgulhosa. Ela iniciou sua caminha tradicionalista aos seis aninhos, no CTG Sangue Nativo, da cidade de Parobé. Eco – Júlia, como foi a tua preparação para esta ciranda? Minha preparação para mais esta Ciranda Cultural de Prendas iniciou logo após eu ter dado meus primeiros passos dentro do Movimento Tradicionalista Organizado. Com apenas nove anos fui prenda mirim de minha entidade, tendo a oportunidade de representar o CTG Sangue Nativo e a 22ª Região Tradicionalista em outras duas Cirandas Estaduais: em 2011, na cidade de Passo Fundo, e em 2015, quando representei essa pequena região como prenda juvenil, durante a 45ª Ciranda na cidade de Rio Grande. Os últimos três anos foram intensos e satisfatórios. Foram horas de estudo, dedicação e preparação, muitas vezes abdiquei de momentos com os amigos e familiares para me dedicar intensamente ao sonho de ser uma das representantes do Rio Grande do Sul. Em meu coração pulsava a vontade de reescrever a minha história e, pela terceira vez eu sonhava, acreditava e vivia intensamente o sonho de participar de uma Ciranda Estadual. Hoje tenho absoluta certeza de que todo o esforço valeu a pena e que os obstáculos que são postos em nosso caminho podem servir de ensinamento e impulso para passarmos a acreditar ainda mais na beleza de nossos sonhos. Para a realização deste sonho contei com o apoio de inúmeras pessoas que foram de extrema importância durante esta caminhada, que sempre acreditaram em mim e em meu potencial, e a todos fica aqui minha eterna gratidão. Eco – Ao chegar a tua cidade, qual a emoção ao ser recebida como Prenda do RS? Muitas felicitações já foram enviadas ainda durante o baile da divulgação dos resultados, através de inúmeras mensagens, postagens nas redes sociais e telefonemas. Ao chegar a minha cidade fui recebida com muita alegria pelos integrantes da entidade que orgulhosamente represento, o CTG Sangue Nativo. A cada palavra de carinho, a cada abraço e sorriso recebidos tive a certeza que muitas pessoas sonhavam juntamente comigo, e todos se orgulhavam muito de mim e de minha conquista, sendo que depois de quinze anos a 22ª RT e a cidade de Parobé tinham novamente uma representante estadual. Muitas pessoas foram essenciais para esta grande conquista. Recebi ainda homenagem da patronagem de minha entidade, reconhecimento de outras entidades da região e também da Câmara de Vereadores da cidade de Parobé. Eco – Qual o planejamento para a gestão? Após ver que a gestão de Prendas e Peões do Rio Grande do Sul 2017/2018 estava completa, tive a certeza que será um ano de muito trabalho, simplicidade, companheirismo, amizade e união. Somos prendas e peões vindos dos mais variados rincões deste Rio Grande, todos com muita vontade de trabalhar em prol do Movimento Tradicionalista Gaúcho e da juventude de nosso estado. O ano de 2017, assim como o de 2016, é de grande alegria para o Movimento Tradicionalista Gaúcho. Afinal, em 1947, setenta anos atrás, por iniciativa de jovens, iniciou-se o nosso Tradicionalismo Organizado e temos a convicção que aos jovens pertence o presente e o futuro do nosso Movimento, iniciando assim a preparação para o próximo cinquentenário. Sei que será um ano repleto de momentos inesquecíveis e únicos, fortalecendo nossas amizades com os demais tradicionalistas e buscando sempre o melhor para que possamos servir de exemplo e inspiração, fazendo jus aos cargos que nos foram concedidos e vivendo intensamente este sonho que é de todos nós. Livro: A Casa das Sete Mulheres Comida: Lasanha da Vó Linda Filme: Desafiando Gigantes TEMA SEMANA FARROUPILHA 2017: “FARROUPILHAS: IDEALISTAS, REVOLUCIONÁRIOS E FAZEDORES DE HISTÓRIA”

[close]

p. 9

Ano XV - Edição 191 ECO ENTREVISTA Julho de 2017 9 Realizado um sonho Ela levou um título inédito de criança para sua cidade Maria Fernanda Corrêa Freitas, 17 anos, natural de Quaraí e estudante do 3º ano do Ensino Médio. Iniciou a trajetória tradicionalista no Piquete Manoel Luís Osório, e hoje representa o CTG Sentinela do Jarau, 4ª Região Tradicionalista. Eco – Como foi a tua preparação para esta ciranda? Esse sonho sempre esteve comigo, desde muito pequena. Foi em 2015 que decidi lutar por ele, e então comecei a me preparar para a Ciranda Regional, na qual conquistei o título de 1ª Prenda Juvenil da 4ª Região Tradicionalista, em junho de 2016. Assim, continuei minha caminhada. Comecei tudo novamente, estudos, ensaios, apresentações de palestras, projetos, trabalhos com escolas e com entidades tradicionalistas, viagens, eventos, muitas e muitas horas de dedicação, abdicando dos amigos e muitas vezes até dos familiares, conciliando a escola e os estudos para o Enem com a Ciranda – mas tudo valeu a pena, pois o resultado foi melhor que o esperado e consegui realizar meu sonho. Sonho, este, que não pertencia somente a mim, mas também a todos que me apoiaram, me incentivaram e sonharam comigo, aos quais serei eternamente grata. Eco – Ao chegar a tua cidade, qual a emoção ao ser recebida como prenda do RS? Logo que cheguei a Quaraí, minhas famílias (de sangue e tradicionalista) me esperaram com uma carreata, onde percorremos as ruas da cidade comemorando este título. E, além disso, recebi uma Moção de Aplauso e Reconhecimento da Câmara de Vereadores e uma homenagem da Prefeitura Municipal juntamente com a Secretaria da Indústria, Comércio, Serviços e Turismo. Cada abraço ou palavra de carinho que recebi foram muito importantes, pois esses pequenos gestos significam muito para mim. E tudo me deixou extremamente feliz, emocionada e honrada, pois é o reconhecimento de um trabalho realizado não só por mim, mas também por todos aqueles que estiveram comigo, me apoiaram e contribuíram para que o sonho se tornasse realidade. Eco – Qual a tua expectativa para a gestão? Espero poder, junto aos meus colegas, realizar um belíssimo e marcante trabalho em prol do nosso Movimento e da nossa Cultura, contribuir com os conhecimentos que já tenho e adquirir ainda mais, auxiliar a todos que precisem de nós, representar muito bem minha cidade, Região, o Rio Grande do Sul e toda juventude tradicionalista e, além disso, criar laços de amizade que permaneçam para sempre, pois no final de tudo, ficarão em nossas memórias e corações as contribuições, as ações, as lembranças e os amigos! Livro: República das Carretas (Barbosa Lessa) Comida: Churrasco Filme: O Tempo e o Vento A jovem Isadora Santin Fochi, de 16 anos, natural de São Domingos do Sul e que cursa o 1º ano do Ensino Médio na escola Estadual Frederico Benvegnú, iniciou no tradicionalismo com nove anos, em 2010, dançando nas invernadas artísticas do CTG Presilha Serrana, a qual ainda é sua entidade mãe e que ela orgulhosamente representa. Isadora conquistou um título inédito para sua cidade que retribuiu o esforço com uma grande festa. Eco – Isadora, como foi a tua preparação para a ciranda? Minha preparação para este sonho se iniciou no momento em que conquistei minha primeira faixa de prenda em 2013. A partir de então passei a perceber o quão grandioso o Movimento Tradicionalista Gaúcho é, isso ainda quando concorri na Ciranda Regional pela primeira vez. Em 2016 concorri novamente em uma Ciranda Regional, com uma preparação mais intensa ainda e ao ser agraciada com o título de 1ª prenda Juvenil da 7ª RT a preparação aumentou cada vez mais, exigindo que eu abdicasse de muitas horas de lazer, com os amigos, ensaios da invernada, para que pudesse passar mais tempo estudando. Eram cerca de oito horas de estudo, ensaios, enfim, preparação para a Ciranda, conciliando também a escola e demais afazeres, buscando aproveitar cada minuto vago do dia. E ao olhar para trás, vejo que tudo isso foi extremamente válido, não somente pela faixa, mas por todo o conhecimento adquirido e pelas capacidades que descobri em mim mesma. Eco – Ao chegar a São Domingos, qual a emoção ao ser recebida como 1ª Prenda Juvenil do RS? Minha cidade tem pouco mais de três mil habitantes, e nunca em seus quase 30 anos de história alguém havia participado de uma Ciranda Cultural de Prendas em sua fase estadual. A surpresa foi imensa, e esta surpresa se iniciou ainda quando recebi a faixa regional em 2016, mas, ao ser agraciada como 1ª Prenda Juvenil do RS a cidade inteira vibrou. Ao chegar a São Domingos do Sul, fui recebida ainda antes de entrar na cidade, junto a uma carreata. A cada abraço que recebia vi que aquele sonho não era só meu, mas de um município inteiro, que sem dúvidas foi essencial para a realização deste sonho. Em minha escola recebi muitas felicitações também, e a cada “Parabéns” que eu ouvia, eu percebia que tinha cumprido meu dever e que, sem dúvidas, este título é de todas as pessoas que me ajudaram. Mesmo depois de quase um mês da Ciranda, muitas pessoas daqui me falam o quão feliz ficaram por ver uma cidade tão pequena, como é o caso de São Domingos do Sul, deter o título de 1ª Prenda Juvenil do Estado. Enfim, foi uma recepção muito calorosa, cheia de emoção e orgulho, não somente meus, mas de todos aqueles que estiveram lá para me receber. Eco – Qual a tua expectativa para a gestão? Em 2016, o MTG completou seu primeiro Cinquentenário; em 2017, o tradicionalismo organizado, iniciado em 1947, chega aos seus 70 anos; por isso, iniciando o segundo cinquentenário do MTG e recordando os feitos pelos jovens de 1947, acredito que enquanto prenda do Rio Grande do Sul é meu dever garantir a perpetuação do tradicionalismo e da cultura gaúcha. A gestão que se formou por completo naquela madrugada fria de maio, em Bagé, certamente será uma gestão que trabalhará muito em prol do Movimento, sempre buscando fortalecer seus laços de tradição, mas também, criar e fortalecer os laços de amizade que são o sustento do trabalho que realizaremos entre nós, entre as prendas e peões das regiões e com as prendas e peões das entidades. Isso requer muito esforço e companheirismo, o que acredito que não faltará nesta gestão. O tradicionalismo é um movimento cívico-cultural que prega valores que se encontram ausentes na sociedade atual, mas que neste meio, acham um meio de projeção para que as pessoas os enxerguem, por isso, nós, os representantes destes valores, queremos trazê-los à tona e mostra para as pessoas o verdadeiro papel do tradicionalismo, como um elemento propulsor e renovador da consciência humana. Bem como fazer com que o mesmo ganhe destaque em todos os meios, assim como disse Paixão Cortês “O tradicionalismo deixou de ser de galpão para ser universal”. Livro: “O menino do pijama listrado” Comida: Pizza Filme: “A Teoria de Tudo” TEMA QUINQUENAL: “PROJETO SOCIAL MTG - VOLUNTARIADO”

[close]

p. 10

10 Ano XV - Edição 191 Julho de 2017 Regiões Tradicionalistas elegem seus novo Um sistema uni�icado que foi criado para padronizar os concursos e dar as mesmas chances para todos aqueles que se preparam para o concurso estadual eleg 1ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª Prenda: Adileny Nunes Meneghetti 2ª Prenda: Maria Borges Antunes 3ª Prenda: Rayssa Fróz Bertino 1ª Prenda Juvenil: Nathália Bruchiz Dias 2ª Prenda Juvenil: Rafaela dos Santos Rodrigues 3ª Prenda Juvenil: Kathellyn Beatriz da S. Garcia 1ª Prenda Mirim: Letícia Soriano Coelho da Silva 2ª Prenda Mirim: Luiza Webster Quinteiro 3ª Prenda Mirim: Rafaela Barcellos Elias 1º Peão Farroupilha: Henrique Arruda Rodrigues 1º Guri Farroupilha: Irã Pereira Goulart 2º Guri Farroupilha: Roger Gabriel Matias Guedes 3º Guri Farroupilha: Weverson Eduardo F. Nunes 1º Piá Farroupilha: Vítor Menezes dos Santos 2º Piá Farroupilha: Matheus Souza Gomes 1ª Chinoca: Lenair Maria S. Pacheco 1ª Prendas Mirim: Júlia Nogueira do Rio 1ª Prenda Juvenil: Milenar Procter Lopes de Sousa 2ª Prenda Juvenil: Andrielli Santos do Carmo 2ª Região Tradicionalista Gestão 2017/2018 2ª Prenda Mirim: Valentina de Oliveira Schittler 3ª Prenda Mirim: Manuela Sechhi Kochhann 1ª Prenda Juvenil: Alexia Marques Scaramussa 2ª Prenda Juvenil: Julia Castanho de Freitas 3ª Prenda Juvenil: Nathalia Jacob Muller 1ª Prenda: Ana Maria Kolling Lamarque 2ª Prenda: Danieli dos Santos Caetano 3ª Prenda: Laura Lima Frota 1° Piazito: Hector Lima da Rosa 2° Piazito: Bernardo Taborda Weber 3° Piazito: Mikael De Lima Lopes 1° Piá: Vitor Vargas dos Santos 2° Piá: Thierry Monzon Robalo 3° Piá: Gustavo Gabriel Ferreira Marques 3ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1° Guri: Lucas Vargas dos Santos 2° Guri: Iago Carvalho dos Santos 1ª Prenda Dente de Leite: Thais Ourique Gayer 2ª Prenda Dente de Leite: Eva Sofia Dias da Silva 3ª Prenda Dente de Leite: Moara Colombo Pereira 1ª Prenda Mirim: Victória Allebrandt Padilha 3° Guri: Daniel Muller Forrati 1° Peão: Andrei Caetano 2° Peão: Jheferson Nenê de Figueiredo 1ª Prenda: Pâmela de Lima da Costa 2ª Prenda: Francieli Ribeiro Corrêa 1ª Prenda Juvenil: Érica Pedroso da Silva 2ª Prenda Juvenil: Bianca Costa de Melo 3ª Prenda Juvenil: Vitória Alicia B. de Oliveira 1º Piá Farroupilha: João Mauricio Oliveira Correia 1º Guri Farroupilha: Keverson da Silva Rodrigues 1º Peão Farroupilha: José Valdir Corrêa Júnior 4ª Região Tradicionalista Gestão 2017/2018 5ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª Prendinha: Emilly Schumacher de Freitas 2ª Prendinha: Alinne de Freitas Vargas 1ª Prenda Mirim: Raiane Salayaram Santos 2ª Prenda Mirim: Vitória Halinski da Rosa 1ª Prenda Juvenil: Sindyane Machado de Souza 2ª Prenda Juvenil: Daniela Lucas Brocardo 1ª Prenda: Julia Duarte da Costa 1ª Chinoca: Gleides Amaral dos Santos 1º Piazito: Felipe Guerreiro de Souza 1º Piá: Marcelo Azambuja 1º Guri: Felipe Pelegrino Grandini 1º Peão: Emerson Lucas Brocardo 6ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 7ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1° Prenda Mirim: Vitória Mendonça Prestes 2° Prenda Mirim: Eduarda Rodrigues 3° Prenda Mirim: Elen Vitória Ruiz 1° Prenda Juvenil: Taiane Ávila 2° Prenda Juvenil: Marina Pereira 3° Prenda Juvenil: Caroline Baldez 1° Prenda: Tassya Marasciulo 2° Prenda: Bianca Schafer 1° Piá: Gabriel Timm 2° Piá: Nicholas Sica 1° Guri: Jorge Luis Silveira 1° Peão: Mateus Dias Louzada 2° Peão: Mateus Simões 1º Prenda Mirim: Ester Belegante Nervo 2º Prenda Mirim: Ana Beatriz Trichez Rocha 3º Prenda Mirim: Vitória Benica Cedron 1º Prenda Juvenil: Nathalia Yasmin Gregoski 2º Prenda Juvenil: Laura Durante Soares 3º Prenda Juvenil: Caroline Tenedini 1º Prenda: Tamara Trentini Rigo 2º Prenda: Leticia Thaise Fuchs 3º Prenda: Juliana Dias Salles 1º Piá: Kauan Webber 2º Piá: Felipe Belegante Peruzzo 3º Piá: João Carlos Potrich 1º Guri: Eduardo De Almeida 2º Guri: Fernando De Souza Ortolan 3º Guri: Dennis Henrique Lizot De Souza 1º Peão: Kelvin Eduardo Krug 2º Peão: Renato Ramalho 3º Peão: Vitor Zottis Batista 9ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª Prenda Mirim: Yasmin Finger 2ª Prenda Mirim: Beatriz Weber 3ª Prenda Mirim: Isadora Pinheiro Alves 1ª Prenda Juvenil: Rafaela Briato da Silva 2ª Prenda Juvenil: Gabrielli da Rosa Costa 3ª Prenda Juvenil: Kerolin Keller Kirst 1ª Prenda: Andrieli Della Méa Moro 2ª Prenda: Jamile Kauane Z. da Silva 1ª Piá: Bruno Freitas 2º Piá: Djonathan Julio Streit 3º Piá: João Vítor dos Santos Dias 1º Guri: Felipe Antônio Moreira Hamerschmitt 2º Guri: Orozimbo Pereira Andreatta Júnior 3º Guri: Mateus Stella Zamberlan 1º Peão Farroupilha: Diego Izequiel Rüdell 11ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª Prenda Mirim: Ana Luiza Bessega 2ª Prenda Mirim: Iasmin Cendron Soccol 3ª Prenda Mirim: Giullyanna Defendi Peruzzo 1ª Prenda Juvenil: Natália Sitnievski 2ª Prenda Juvenil: Taís Bergamin Kemerich 3ª Prenda Juvenil: Marcela Bonifácio Figueiredo 1ª Prenda: Alice Pagliarini Picolotto 2ª Prenda: Giulia Maria Taufer 3ª Prenda: Diana Haeflinger Piá Farroupilha: Guilherme Baldasso Cazzanatto 2º Piá Farroupilha: Jorge Dalla Pozza Pereira 3º Piá Farroupilha:Willian Borne de Paula Guri Farroupilha: Cézar Augusto Bertani Gomes 2º Guri Farroupilha: Ângelo Castaldello Borrin 3º Guri Farroupilha: Dener Gustavo Breda Peão Farroupilha: Willian Defendi Minozzo 2° Peão Farroupilha: Maurício José Flores 3° Peão Farroupilha: Luiz Cassol Ferrigo 1ª Prenda Mirim: Erika Ilibio De Mesquita 1ª Prenda Juvenil: Beatriz Arend 2ª Prenda Juvenil: Brenda Vitoria Bueno 1ª Prenda: Alexandra Martins 2ª Prenda: Jaqueline Lilge Abreu 3ª Prenda: Amanda Vitoria Toniello da Silva 1ª Chinoca: Gisleine Fagundes Zahner 1º Piá: Israel Rodrigues dos Santos 1º Guri: Ivan Lucas da Silva Dos Santos 2º Guri: Augusto Apolo Ferreira Garcia 1º Peão: Willian Santos Castro 12ª Região Tradicionalista Gestão 2017/2018

[close]

p. 11

Ano XV - Edição 191 Julho de 2017 11 os representantes para o estadual 2018 geu, no ultimo �inal de semana de junho, as novas prendas e peões regionais para a gestão 2017/2018. Con�ira quem são eles, no Eco da Tradição, de julho. 13ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª Prenda Mirim: Antônia Cardoso Gracióli Arend 2ª Prenda Mirim: Carolina Tavares Fogaça 3ª Prenda Mirim: Rafaela Copetti 1ª Prenda Juvenil: Manoela Zanini de Matos 2ª Prenda Juvenil: Eluize Nascimento de Oliveira 3ª Prenda Juvenil: Bárbara Stieler Bohrer 1ª Prenda: Aline Martins Linhares 2ª Prenda: Stéphanny Lencina Bittencourt 3ª Prenda: Juliane Cardoso Rigão 1º Piá: Lorenzo Sefrin Castiél 2º Piá: João Victor Porto Lemes 3º Piá: Gabriel Machado Azzi 1º Guri: Gilyell Adolfo Souza 2º Guri: Nicolas Correia Barboza 3º Guri: Yuri Garcia 1º Peão: Thiago Rodrigues da Cunha 2º Peão: Matheus dos Santos Sacchett 1ª Prenda Mirim: Júlia Mallmann Tatsch 2ª Prenda Mirim: Gisely Oliveira Ferreira 1ª Prenda Juvenil: Aline Spada Petter 2ª Prenda Juvenil: Éllen Silveira Ferreira 3ª Prenda Juvenil: Laisa Mocelin Soares 1ª Prenda: Camila Bassani Batista 2ª Prenda: Catharinie Antônia Mazocco Dutra 1º Peão: José Anildo Brum da Silva 14ª Região Tradicionalista Gestão 2017/2018 16ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª. Prenda Mirim: Julia Freitas Bauer 1ª. Prenda Juvenil: Eduarda Hartwing 2ª. Prenda Juvenil: Julia Costa 3ª. Prenda Juvenil: Ritielle Ramos 1ª. Prenda - Andryelle Osvald 1º Pia Farroupilha - Ismael Oliveira 1ª. Guri Farroupilha: Herbert Meyer 1ª Prenda Mirim: Eduarda Ribeiro Giediel 1ª Prenda Juvenil: Eduarda Cardoso de Lima 1º Piá Farroupilha: Elano Brum Bussatto 17ª Região Tradicionalista Gestão 2017/2018 18ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª Prendinha: Maria Eduarda Zaballa Rodrigues 2ª Prendinha: Sophia Santana 1ª Prenda Mirim: Milena Piemolini Teixeira 2ª Prenda Mirim: Isabelly Brito Correa 1ª Prenda Juvenil: Julia Trindade Modernel 2ª Prenda Juvenil: Kamilly Alves Bautista 3ª Prenda Juvenil: Manuela do Prado Lima 1ª Prenda: Diana Silva 2ª Prenda: Carolina Ribas Martins 3ª Prenda: Franciele Garcia 1º Piazinho: Mauricio Vieira dos Santos 1º Piá: Gabriel Peres Amaro 2º Piá: João Vitor Rodrigues 3º Piá: Nicolas Alves Branco 1º Guri: Rogério Lopes Pires 2º Guri: Leonel Pedroso Soares 1º Peão: Eduardo Gusmão Bittencourt 2º Peão: Lucian Fonseca Ferreira 19ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1º Prenda Mirim: Aline Sczcepanik 2º Prenda Mirim: Julia Santin 3º Prenda Mirim: Julia Mingoti Favero 1º Prenda Juvenil: Laura Lais Durli 2º Prenda Juvenil: Nicoly Bresolin 3º Prenda Juvenil: Bianca Smiderle 1º Prenda: Daniela Bonet 2º Prenda: Carla Malvesti 3º Prenda: Emanuele Tatiane Da Silva 1º Piá: João Luiz Alabora 2º Piá: Fernando Dorigon 1º Guri: Marcos Vinicius Reck 2º Guri: Vinicius Estevam Gavenda 1º Peão: Mateus Vedoy 20ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª Prenda Dente de Leite: Nicoly Vieira Do Amaral 2ª Prenda Dente de Leite: Rafaeli Aparecida V. de Moura 3ª Prenda Dente de Leite: Julia Mota Cervo Prenda Dest. Dente de Leite: Antonela Giovana Bonazza Prenda Destaque Dente de Leite: Kiara S. De Almeida 1ª Prenda Mirim: Laura Schweigert Braseiro 2ª Prenda Mirim: Geogia Simionato Dinarte 3ª Prenda Mirim: Luiza Pitol Strada 1ª Prenda Juvenil: Cristina Kunzler Diemer 2ª Prenda Juvenil: Giulia Pietra Paim Do Rosário 3ª Prenda Juvenil: Bruna Maders Da Fonseca 1ª Prenda: Dara Stroeher 1º Piazito Farroupilha: Leonardo Alencar Rebiski 2º Piazito Farroupilha: Lucas André Vitancourt Piá Farroupilha: Renan Stroeher Guri Farroupilha: Leonardo Luis Finker Peão Farroupilha: Alexsander Adelar Moreira 2º Peão Farroupilha: Elvis Reizes Hahn 22ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 Pia Dente de Leite: Davi Luca Oliveira Bonequinha de Galpão: Laura Viganó Lima Valandro Infantil: Luiza Eninger Costa Infantil: Giovana Schneider Rodrigues 1ª Prenda Mirim: Larissa Tayza Gewehr 2ª Prenda Mirim: Julia Alves Ferraz De Almeida 3ª Prenda Mirim: Brenda Eduardo Becker 1ª Prenda Juvenil: Marina Pereira Tejada 2ª Prenda Juvenil: Leticia Fernanda Reichert 1ª Prenda: Ana Paula Sperb 2ª Prenda: Keterly Jhuani Herrmmann Bortolanza Prenda Xirua: Stephanie Spiecker 1º Piá Farropilha: Gabriel Henrique Antunes Ribeiro 1ª Prenda Juvenil: Amanda Damásio Cabral 2ª Prenda Juvenil: Maria Eduarda Baltazar Bitencourt 3ª Prenda Juvenil: Paola Ferreira Lopes 1ª Prenda: Francesca Mondadori 1º Guri Farroupilha: Matheus Mohr Ramos 1º Peão Farroupilha: Augusto de Moraes 23ª Região Tradicionalista Gestão 2017/2018 24ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª Pre-mirim: Betina Ruppenthal 2ª Pre-mirim: Vitória Pezzine Coferre 1ª Prenda Mirim: Eduarda Vitória Pessi 2ª Prenda Mirim: Eloisa Bergamaschi 3ª Prenda Mirim: Amália Rempel Fontana 1ª Prenda Juvenil: Maiara Leticia Ebert da Rosa 2ª Prenda Juvenil: Isadora Catarina Moraes 3ª Prenda Juvenil: Emilia Berch Schimdt 1ª Prenda Adulta: Jéssica Thaís Herrera 2ª Prenda Adulta: Michele Lehnen 3ª Prenda Adulta: Luana Mayara Erthal 1ª Chinoca - Luciana Cechim 1º Piazito: Matheus Loeblin 2º Piazito: Jonathan Arthur Schonardt 1º Piá: Arthur Ferreira 2º Piá: Arthur Correa Teixeira 3º Piá: Vinicius Strassburger 1º Guri: Lucas Scheneders 2º Guri: Christian Loeblin 3º Guri: Gabriel Felipe Kaufmann 1º Peão: Douglas Rodrigues Kist 2º Peão: Luis Henrique Volk Nascimento 25ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª Prendinha: Anita Tolotti Pereira 1ª Prenda Mirim: Vitória Muller dos Santos 2ª Prenda Mirim: Samira Albuquerque da Costa 3ª Prenda Mirim: Laura Pedrotti Pronobi 1ª Prenda Juvenil: Andressa A. Ribeiro Heckler 2ª Prenda Juvenil: Ana Flávia Soares Lima 1ª Prenda: Nathália Bossle 2ª Prenda: Elshadday Ribeiro dos Reis 3ª Prenda: Renata de Faveri 1º Piazito: Giácomo Gai Soares Filho 1º Guri Farroupilha: Wesley Gonzatti Machado 2º Guri Farroupilha: Jhonny Vanzo

[close]

p. 12

12 Ano XV - Edição 191 Julho de 2017 1ª Prenda juvenil: Letícia Conter da Cunha 1º Guri farroupilha: Paulo Bastos Jr 26ª Região Tradicionalista Gestão 2017/2018 1ª Prenda Mirim: Isadora Marinho 1ª Prenda Juvenil: Leticia Oliveira 2ª Prenda Juvenil - Luana Guaragni 1ª Prenda Adulta: Emília Beatriz Lucas Pia: Henrique da Silva Guri Farroupilha: João Gabriel Ferreira 27ª Região Tradicionalista Gestão 2017/2018 28ª Região Tradicionalista - Gestão 2017/2018 1ª Prenda mirim: Livia Possamai 2ª Prenda mirim: Sofia Argenta Mariani 3ª Prenda mirim: Mara Caroline Baranoviski 1ª Prenda juvenil: Emily Tomazoni 2ª Prenda juvenil: Gabriela Alberti 3ª Prenda juvenil: Emanueli Maria Biselo de Souza 1ª Prenda: Karoline Teixeira Cocco 1ª Piá: Gustavo Jordão 2ª Piá: Willian Arthur Ferencz 1ª Guri: João Gabriel Bonafé Barth 2ª Guri: Bruno Três Mayer 3ª Guri: Lucas Batistti Casal 1ª Prenda Mirim: Emanuelle Adona Gai 2ª Prenda Mirim: Maria Clara Poletto Fontana 1ª Prenda Juvenil: Alana Perineto Biasi 2ª Prenda Juvenil: Júlia Pires Borges 1ª Prenda: Karine Bárbara Paloschi 29ª Região Tradicionalista Gestão 2017/2018 1ª Prenda Mirim: Maria Eduarda Menezes Prado 2ª Prenda Mirim: Tamires Strapasson Moders 3ª Prenda Mirim: Agatha Rafaely Schmitz 1ª Prenda Juvenil: Nicole Rafaela Schuh 2ª Prenda Juvenil: Amanda Araújo Gomes 3ª Prenda Juvenil: Thuane Vagner Prenda da Juventude Gaúcha: Gabriela Shaiane da Silva Prenda Adulta: Maiquéli Cristina da Silva Angeli 30ª Região Tradicionalista Gestão 2017/2018 FÓRUM DA DANÇA Por: Madeline Zancanaro Diretora do Dpto de Danças do MTG DESAFIO X OPORTUNIDADE Aos 36 anos, natural da cidade de Marau, casada e mãe de dois filhos, professora de Educação Física e Pós-graduada em Dança e Consciência Corporal, nasci e cresci no meio tradicionalista, trazendo a tradição gaúcha como legado deixado pelos meus pais. Vinte anos após o início de minhas atividades junto ao CTG Felipe Portinho, recebo um convite para dirigir uma modalidade tão importante de nosso estado: as DANÇAS TRADICIONAIS. Cabe uma pausa para pensar: isso seria um desafio ou uma oportunidade? Então fui procurar a definição científica do que é desafio, e em muitas de suas definições é a ação ou o efeito de desafiar, um verbo que faz referência a competir. E oportunidade é uma circunstância favorável para que algo aconteça, ensejo, uma situação nova. Através disso, acredito que só terei êxito se utilizá-las juntas, buscando através do desafio, competir comigo mesma, mostrando a força da mulher gaúcha em superar qualquer situação que venha acontecer e através da oportunidade mostrar uma atuação séria e comprometida, livre de pré-conceitos ou modismos, fazendo que o tradicional e simples, características do gaúcho, sejam a base do trabalho. E para todos os dançarinos deste Rio Grande amado desejo que: dancem por amor, não por aplausos, dancem para expressar, não para impressionar, dancem não para ser cópia de alguém, mas para expressar quem são, pois a dança precisa ser sentida por quem a executa e causar emoção em quem a vê. Um forte e carinhoso abraço. Lançamento do DVD 25 anos do Coral Vozes O Movimento Tradicionalista Gaúcho, que ano passado festejou seu cinquentenário, trouxe no seu nascedouro a essência da miscigenação étnica e cultural, vinda dos primitivos habitantes, o silvícola bugre, chamado de índio e dos imigrantes europeus de todo o Estado. No vale do Rio dos Sinos, Feitoria do Vale Cânhamo e Novo Hamburgo, além dos poucos já existentes, chegaram os alemães com seus usos costumes, culinária e a musicalidade e com essa a paixão e o exercício do canto em coro. Posteriormente foram chegando os imigrantes de outras nacionalidades com as suas culturas. Novo Hamburgo nasce dessa cultura alemã e com ela passa ao caldeamento com as raízes terrunha. O CTG Porteira Velha o fez no sentido inverso, dentro do núcleo seguidores da cultura alemã, surgiu pela vontade de um grupo de pessoas amantes da cultura tradicionalista de cunho campeiro, desenvolvendo as atividades a fins, mas sempre prestigiou os demais segmentos culturais e em especial no ano de 1991. “Em 2016, especialmente reverenciamos o JUBILEU DE PRATA do nosso Coral, festejando e lembrando que, para isso ao longo dos vinte e cinco anos muito aconteceu e muitos colegas, amigos e amigas ajudaram a construir” conta Adão Motta, conselheiro do MTG. Atualmente, o Coral desenvolve um espetáculo musical com canto em coro, danças tradicionais e do folclore americano de corrente espanhola, Projeto Cultural intitulado “América, Porteira da Liberdade”. “Passado um ano do Jubileu de Prata, do Coral Vozes, do Porteira Velha, juntamente com a Patronagem, no dia 22 de julho, sábado, a partir das 20 horas, estaremos Lançando o DVD, Jubileu de Prata do Coral, em um JANTAR BAILE, com animação da Banda Clave de Prata” – conta Motta. SOLICITE SUA PROPOSTA CONOSCO! Rua Demétrio Ribeiro, 990 - CJ 305 Centro Histórico - Porto Alegre/RS (51) 3028.0364 / 3023.2364 (51) 98175.1058 / 98128.9328 executivodecontas2@crmachadoseguros.com.br www.crmachadoseguros.com.br SEGURO DE RODEIO E CAVALGADA SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS Faça seu seguro por muito menos que você imagina, tenha um evento com segurança e tranquilidade conforme regulamenta as Leis Federais 10.220/2001 e 10.519/2002. Os organizadores de rodeio ficam obrigados, ainda, a contratar seguro pessoal de vida das pessoas envolvidas diretamente com as provas campeiras. União Seguradora Fone: 51 3061.9606 www.uniaoseguradora.com.br TEMA SEMANA FARROUPILHA 2017: “FARROUPILHAS: IDEALISTAS, REVOLUCIONÁRIOS E FAZEDORES DE HISTÓRIA”

[close]

p. 13

Ano XV - Edição 191 CURSOS Julho de 2017 SAÚDE EM FOCO 13 Por: Mauro Gimenez Médico Três Passos também terá Cfor Básico Sandra Veroneze O Movimento Tradicionalista Gaúcho realiza, no dia 23 de julho, o Curso de Formação Tradicionalista – Cfor Básico, no município de Três Passos, na 20ª Região Tradicionalista. O encontro inicia às 8h, com Recepção, seguida de Abertura Oficial, e a partir das 9h15min palestras. Alguns dos temas abordados são História do Rio Grande do Sul, His- tória do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Noções Básicas da Cultura Gaúcha, MTG e sua estrutura administrativa, Conduta e Ética implantando uma nova visão do Voluntariado, e Gestão de Pessoas: liderança, relacionamento interpessoal e gerenciamento de conflitos. O investimento é de R$ 65,00 e mais informações podem ser obtidas pelo email cursos@mtg.org.br. MTG realizou capacitação para juízes de provas campeiras Sandra Veroneze O Movimento Tradicionalista Gaúcho realizou, no dia 15 de junho, Capacitação de Juízes de Provas Campeiras. O evento aconteceu na sede da entidade, em Porto Alegre, promovido pelas vice-presidências Campeira e de Cultura. No encontro, o presidente do MTG, Nairo Callegaro, falou sobre a estrutura da entidade. Dauro Soares e Nicanor Castilhos falaram sobre Regulamento Campeiro. Já o Vice-presidente de Campeira do Movimento Tradicionalista Gaúcho, José Araújo, discorreu sobre os rodeios do Rio Grande do Sul e Aimara Bolsi, que foi prenda do Rio Grande do Sul em 1998, falou sobre História do Rio Grande do Sul e Origem do Gaúcho. Marco Varela, por sua vez, falou sobre Ética em Processos Avaliativos. O evento foi considerado um sucesso pelos organizadores. Foto: Divulgação ESTERÓIDES ANABOLIZANTES Hoje em dia, infelizmente, vale tudo por uma aparência mais bonita, um músculo mais definido, uma ilusão do “corpo perfeito”. Buscando estas características, cada vez mais os jovens (e até pessoas de mais idade) estão fazendo uso dos esteroides anabolizantes. Mas afinal, o que é isso?? Esteroides anabolizantes são variações sinteticamente produzidas do hormônio natural masculino testosterona. Tanto homens quanto mulheres produzem testosterona. O nome completo dessa classe de drogas é esteroides (classe de droga), anabolizantes (construtor de tecido) androgênicos (promove características masculinas). E o que ele proporciona?? Os esteroides anabolizantes têm uso indevido por bodybuilders, atletas e fanáticos pela aparência musculosa que acham que assim ganham vantagem competitiva ou melhoram a aparência física. Esteroides têm o propósito de aumentar a massa muscular, força e agressividade. Como efeito, algumas pessoas fazem uso dos esteroides anabolizantes para aumentar o tamanho dos músculos e força, e alguns acreditam também que melhora a aparência. Nós, médicos, fazemos uso desta droga em algumas situações para melhorar a saúde das pessoas: para a perda da função dos testículos, câncer de mama, baixa quantidade de células vermelhas sanguíneas, puberdade atrasada, e estados debilitantes decorrentes de cirurgia ou doença. Meus amigos, sem estrita orientação médica não vale a pena usar o esteroide para melhorar o corpo. Ele pode proporcionar inúmeros efeitos colaterais danosos à saúde, dentre estes, para os homens: Calvície, desenvolvimento de mamas (ginecomastia), ereções doloridas, encolhimento dos testículos, perda da função dos testículos. Para as mulheres: Crescimento de pelos na face e corpo, engrossamento da voz, redução dos seios, aumento do clitóris, irregularidades menstruais. Para ambos os sexos: acne, retenção de fluidos, icterícia, crescimento interrompido em adolescentes, elevação dos níveis do colesterol ruim, diminuição dos níveis de colesterol bom, alterações de humor, sentimento de hostilidade aumentado, agressividade. Portanto, não caiam na tentação de buscar o corpo perfeito a todo custo. Não vale a pena prejudicar a saúde por vaidade. Muito melhor é ter uma alimentação saudável, praticar exercícios físicos e evitar o fumo e o álcool. Até a próxima! Abertas inscrições para Formação de Posteiros Artísticos (ensaiadores) Grupo que participou da capacitação de juízes de campeira na sede do MTG Equipe de Indumentária conta com novo canal de comunicação Desde o início do ano, a Equipe de Indumentária do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), conta com um novo canal de comunicação. Qualquer dúvida relacionada ao tema, pode ser enviada para o e-mail indumentaria@mtg.org.br. Com este novo endereço eletrônico, o grupo deseja atender a todos os questionamentos, e ainda centralizar o atendimento em um canal de comunicação oficial. Sandra Veroneze O Movimento Tradicionalista Gaúcho abriu inscrições para a 3ª Formação de Posteiros Artísticos (Ensaiadores), direcionada para a 1ª, 2ª, 6ª, 11ª, 12ª, 15ª, 16ª, 22ª, 23ª, 24ª, 25ª, 26ª, 27ª e 30ª Regiões Tradicionalistas. A Formação acontecerá em Campo Bom, nos dias 15 e 16 de julho, no CTG Palanques da Tradição. O conteúdo teórico aborda estrutura do MTG, voluntariado, ética e conduta, motivação e gerenciamento de conflitos. Já o conteúdo prático aborda temas como Ciclos Coreográficos, o que são?; Como ensinar danças para Crianças, Jovens e Adultos (linguagem e abordagens); Técnicas de execução de danças de roda; Técnicas de execução de danças em fila; Técnicas de execução de danças de pares independentes e Conceitos básicos de Harmonização. No período de 10 a 30 de junho serão disponibilizadas 50 vagas para as regiões selecionadas e de 01 a 10 de julho serão disponibilizadas 30 vagas para todas as 30 regiões, dando a oportunidade de participação a todos. Podem se inscrever duas pessoas por entidade tradicionalista, com autorização do Patrão e aval do Coordenador Regional. Não será permitida a participação de Tradicionalistas com Cartão Administrativo de Instrutor de Danças Tradicionais, uma vez que o curso é direcionado para iniciantes, ou seja, para aqueles que desejam atuar como ensaiadores nas suas entidades. São pré-requisitos ter conhecimento das danças tradicionais gaúchas e pelo menos 16 anos de idade. O curso é gratuito. Mais informações podem ser obtidas no link https://www.cursos.mtg.org.br/formulrio-curso-de-poesia ou pelo email cursos@mtg.org.br TEMA ANUAL: “RESGATANDO OS LEGADOS DE 47 - 70 ANOS DA CHAMA CRIOULA E DO GRUPO DOS OITO”

[close]

p. 14

14 Ano XV - Edição 191 TROPEANDOVERSOS Por: Carlinhos Lima Diretor Departamento de Manifestações Poéticas Julho de 2017 AMPLIANDOHORIZONTES Por: Manoelito Carlos Savaris Conselheiro Vaqueano do MTG e da CBTG Sem perder a essência Nascida nos galpões das estâncias, a declamação gaúcha passou a ser uma das principais artes da nossa cultura. Inserida não só ao redor de um fogo grande, em rodas de chimarrão, prosa e cantoria, o recitado de versos chegou também à cidade tomando os salões e os eventos culturais. É claro que, ao longo do tempo, a nossa arte passou por muitas fases e estilos, afinal, quem não pára ao escutar o mestre Dom Jayme, com seus versos metricamente perfeitos e falando das nossas lidas e sentimentos? Com certa rudeza, sim, mas com muita perfeição literária e não é à toa que se perpetuou como um dos ícones da poesia. Poesia crioula, mas, universal. Jayme tinha um talento nato como poeta, pajador e recitador, mas, além disso, ele tinha uma boa voz e era uma figura carismática que compunha toda a sua imagem galponeira. Esse conjunto nos dá a certeza de que devemos muito a ele pelo que temos na atualidade. É bem verdade que nos concursos, nos rodeios e nos festivais, notamos a busca por novos estilos, novas escolas, múltiplas facetas da universalidade da nossa cultura tradicional, afinal, tudo é uma busca constante pelo novo. O tempo mudou, mas a tradição é a mesma. Ainda encontramos, pelos fundões deste Rio Grande imortal, muitos homens de melenas brancas encarando um “Bochincho”, na roda de mate, ou ainda, um piá “metendo verso” com um “Galo de Rinha”. Mesmo que alguns conceitos tenham mudado, nosso jeito peculiar de interpretar chama, e muito, a atenção, pois há sentimento, emoção e acima de tudo, há a vivência de quem é do campo ou, sendo da cidade, encarnou a essência da nossa tradição campeira, tornando-se simplesmente gaúchos. Talvez, pela busca dessa essência, tenhamos hoje um respeito maior pela poesia e por isso tentamos ser mais velosos ao verso. Cuidamos mais da sua forma, da pontuação, da escrita. Mas, principalmente, cuidamos do sentimento, pois ele brota da alma do poeta e nós, declamadores, temos que vivenciar, mesmo que sejam dores, amores ou simplesmente histórias. Por reverência ao seu criador é fundamental que tenhamos, ao declamar, um bom envolvimento com o texto poético (e seus personagens). Algumas mudanças nos conceitos, às vezes, são necessárias para aperfeiçoar a arte, desde que não se perca a essência. E isso é que faz uma tradição se perpetuar, alicerçada nos costumes antigos, mas acompanhando o tempo de cada coisa. Porém nunca nos esqueçamos destes fundamentos: simplicidade e autenticidade, pois é isso que nos define como gaúchos declamadores, com sentimento a toda prova, a exemplo de Jayme Caetano Braun. 13ª RT realizou chá para as mulheres A coordenadoria da 13ªRT reali- mento. Entre as mais de 120 pessoas zou no inicio do mês de junho o 1° presentes ao evento, estava o coorde- Chá em homenagem as mulheres nador da 30ª RT, juntamente com o tradicionalistas da região. O evento Peão Farroupilha do estado, Jonathan contou com a participação especial Lendecker, as Prendas do RS, Renata da Vice-presidente de Administração da Silva e Carolina Scarioti. e Finanças do MTG, Elenir Wink, que Durante o chá foram homenagea- falou sobre a importância e a trajetó- das mulheres que, ao longo dos anos, ria da mulher dentro do tradicionalis- doaram voluntariamente seu tempo, mo e do MTG. trabalho, dedicação e conhecimentos Isolde Fischer, que com seu espo- em prol da preservação da cultura, so, Edemar Fischer coordena o grupo dos usos e costumes do nosso esta- de prendas e peões estaduais, contou do. São cozinheiras que muitas ve- sobre sua caminhada dentro do Movi- zes anonimamente fazem a comida. Foto: Divulgação São as preparadoras de prendas e peões, direto- ras culturais, declama- doras, patroas de CTGs, campeiras, dançarinas, etc. “Foi uma tarde mui- to agradável de troca de experiências e con- fraternização” – conta o Evento homenageou as mulheres em Santa Maria Coordenador Luiz Sérgio Fassbinder. CONSTRUTORES DO RIO GRANDE “A História de um povo só poderá ser bem interpretada, conhecendo-se a vida e a obra de seus filhos maiores”. (Walter Spalding) TEIXEIRA NUNES Joaquim Teixeira Nunes nasceu em Canguçú em 1802. Jovem ainda alistou-se na Guarda Nacional e participou da Guerra da Cisplatina (1825-28). Republicano convicto integrou desde logo as hostes farrapas envolvidas numa revolução que se estendeu por dez anos a partir de 1835. Em novembro de 1836 era major do Corpo de Lanceiros Negros sob o comendo do Tenente Coronel Joaquim Pedro Soares. E, no dia seis daquele mês, realizou-se na primeira capital farroupilha a apresentação da “Bandeira da República Rio-grandense” conduzida pelo Major Teixeira Nunes. Participou com destaque do combate de Rio Pardo, em 1838, e da expedição a Laguna, em 1839, na liderança de celebre 1º Corpo de Lanceiros Negros, constituído de escravos libertos. Foi no comando do destacado Corpo de Lanceiros Negros que Teixeira Nunes realizou façanhas bélicas, demonstrou toda a sua coragem, praticou com maestria a “guerra à gaúcha” onde se caracterizavam a mobilidade e a velocidade de deslocamentos com ataques de surpresa contra as forças inimigas. Os historiadores são unanimes em descrever Teixeira Nunes como um soldado leal e valoroso, que só matava quando as circunstâncias o exigiam e que nunca sacrificou um prisioneiro. Foi o maior de todos os defensores da libertação dos escravos negros. Em combate colocava-se sempre à frente da sua tropa, servindo de exemplo de valentia e destreza no manejo da lança e da espada. O historiador Claudio Moreira Bento, assim se refere ao descrever Teixeira Nunes: “Na Revolução Farroupilha foi um dos mais constantes, intrépidos e denodados líderes de combate. Brilhou em diversas ações, ao ponto de ser classificado por Assis Brasil como “o maior herói da Revolução” e pelo General Tasso Fragoso como “a maior lança farrapa”. Seu maior feito estratégico foi derrotar, em Santa Vitória (atual município de Bom Jesus) a Divisão Paulista, enviada de São Paulo para lutar contra a Revolução. O episódio foi registrado em 1839 quando parte das tropas que haviam invadido Laguna, retornavam ao Rio Grande, pelo difícil caminho da Serra. Integravam essa pequena tropa Giuseppe Garibaldi, Luigi Rosseti e Anita Garibaldi. O coronel Teixeira Nunes morreu em combate, em 26 de novembro de 1844, quando sua pequena tropa tentou a última reação armada contra o Exército Imperial. Depois de ter o cavalo ferido, o valente farrapo ainda lutou a pé, sendo ferido de morte por soldado da tropa do Cel Chico Pedro, o “Moringue”. Erva Mate Barão é destaque no Top Of Mind O Top of Mind - As Marcas do Rio Grande, iniciativa pioneira no Brasil, e realizada há 27 anos pelo Grupo AMANHÃ, é a única e mais importante pesquisa de lembrança de marcas que realmente ouve a população do Estado. Pelo rigor metodológico, e a série histórica das suas edições, tornou-se a referência para os gestores das empresas e instituições gaúchas. Nos anos de 2015 e 2017, a Erva Mate Barão, parceira da 1ª Região Tradicionalista e do MTG nos eventos, tem imposto a sua liderança no segmento. Barão, Madrugada e Vier tradicionalmente disputam palmo a palmo a liderança nos resultados gerais do Top of Mind – Rio Grande do Sul na categoria Erva Mate. “A Barão cresceu em todas as classes sociais, gêneros e idades onde é líder, com destaque para a faixa etária dos 25 aos 39 anos”, explica Ramiro Freire, diretor da Segmento Pesquisas.

[close]

p. 15

Ano XV - Edição 191 NOTÍCIAS Julho de 2017 MTG 15 Lagoa Vermelha pronta para a 84ª Convenção PROGRAMAÇÃO Informações Importantes 9h – Sessão solene de Abertura 9h30 – 1ª Sessão Plenária 12h – Intervalo para Almoço 13h30 – Momento Cultural 14h – 2ª Sessão Plenária 16h – 3ª Sessão Plenária 18h – 4ª Sessão Plenária 20h – Sessão de Encerramento. COMISSÃO EXECUTIVA Presidente: Marília Dornelles Fone: 54 99904 0193 Vice-presidente: Marcos Avila Fone: 54 99971 8454 Tesoureiro: Yuri Rosa - 54 99911 8270 Éverton dos Passos - 54 99668 8133 Edroaldo Dalla Santa - 54 99669 1302 Secretaria: Ivanir M. de Lima Fone: 54 99646 4508 CTG Alexandre Pato Fone: 54 3358 3230 - As inscrições devem ser realizadas com antecedência pela internet, no site do MTG; - Os crachás serão entregues no credenciamento até às 11 horas - eles são a confirmação de presença; - A retirada dos certificados acontecerá somente no final do evento. - Haverá janta disponível na sexta-feira à noite no CTG Alexandre Pato. - Voltagem: 220 W - Código de área: 54 REFEIÇÕES: Sexta-feira - Jantar: carreteiro, pão e salada - RS 15,00 Sábado - Almoço: churrasco, quirera, arroz, feijão, pão, salada - R$30,00 Sábado - Jantar: vaca atolada, arroz, pão, saladas - R$ 15,00 Um Bocal de Prata que vale ouro O pequeno Bernardo Bragati Grabinski, de apenas 7 anos, sobrinho da prenda Suzany Bragati, do DTG Lenço Colorado, sofre de uma doença rara, chamada Fibrose Cística (também conhecida como Mucoviscidose - é uma doença genética crônica, que afeta principalmente os pulmões, pâncreas e sistema digestivo, afetando também as células que produzem muco, suor e sucos digestivos. Isso faz com que esses fluídos se tornem espessos e pegajosos). Para o tratamento adequado e mais eficiente ele necessita usar um colete respiratório (Vest Airways Clearance System), o mesmo é importado e de valor elevado. Com finalidade de desobstruir as vias aéreas, facilitando sua respiração. O tratamento apropriado alivia os sintomas e reduz as complicações. Pois no domingo, dia 02 de julho, durante o Patrulha Arte e Dança, em Santo Antônio da Patrulha, o PTG Bocal de Prata, liderados pelos jovens Rafael Sepé e Magnon Calderon (que já dançou no Lenço Colorado e conhece a realidade de Bernardo), reuniu seus dançarinos e fizeram uma doação, em dinheiro, dentro de um cofre personalizado. “Por maior que sejam as dificuldades nossas em pagar mensalidades, roupas e etc.. Quando vimos esta situação, em nenhum momento pensamos nelas, todo mundo se prontificou em ajudar, acho que este é o maior objetivo que temos em nossas vidas, fazer o bem e sem olhar a quem” – disse Rafael. A campanha que busca arrecadar os recursos está na internet. Faça como a gurizada do PTG Bocal de Prata e dê a sua contribuição: https:// www.vakinha.com.br/vaquinha/bernardo-de-fibra Lançada 3ª edição do Prêmio MTG de Jornalismo Sandra Veroneze O Movimento Tradicionalista Gaúcho anunciou nesta semana a realização da terceira edição do Prêmio MTG de Jornalismo. A iniciativa tem por objetivo reconhecer o papel da imprensa e seu compromisso com a história, cultura e folclore do Rio Grande do Sul, nas categorias Profissional e Universitário. Poderão concorrer trabalhos jornalísticos veiculados em TVs, jornais, revistas, rádios, sites, blogs e fanpages, que se destaquem por ineditismo e/ou originalidade da abordagem do tradicionalismo gaúcho; pela consistência na divulgação e cobertura dos fatos tradicionalistas; capacidade de traduzir os fatos tradicionalistas para o leitor; pela contribuição para preservação da memória do tradicionalismo gaúcho; e contribuição para uma reflexão sobre a figura folclórica e simbologia do gaúcho. Segundo o presidente do MTG, Nairo Callegaro, a imprensa é gran- de parceira da entidade na divulgação da pauta tradicionalista e a realização do Prêmio não é apenas uma forma de reconhecer, mas também de agradecer pelo trabalho desenvolvido. Mais informações serão divulgadas em breve. 3ª Edição MTG inicia WebSérie sobre Danças Tradicionais Gaúchas Sandra Veroneze O Movimento Tradicionalista Gaúcho está dando início a mais uma WebSérie, desta vez abordando as Danças Tradicionais Gaúchas. O objetivo da iniciativa é promover conhecimento e cultura acerca desta que é uma das manifestações artísticas mais apreciadas no Rio Grande do Sul, segundo o presidente da entidade, Nairo Callegaro. A metodologia seguirá o padrão anteriormente adotado já com as webséries sobre a Carta de Princípios e a Chama Crioula, com publicações diárias na página oficial do MTG no Facebook. O trabalho está embasado na obra Danças Tradicionais Gaúchas 4ª edição, publicado em 2016 pela Fundação Cultural Gaúcha através da Vice-presidência Artística, a cargo de José Roberto Fischborn. No total, serão 26 posts.

[close]

Comments

no comments yet