Doroteias, nº131

 

Embed or link this publication

Description

Boletim Informativo da Provincia Portuguesa das Irmãs Doroteias

Popular Pages


p. 1

Al. Linhas de Torres, 2  1750-146 LISBOA  doroteiasnoticias@gmail.com Encontro dos Centros Educativos no Linhó A Ida e a Paula renovaram os Votos no CPA Irmãs que acompanharam a Peregrinação a pé a Fátima Mês de Maio 2017 no Colégio do Parque Festa final do ano em Viseu Em Fátima com o Papa Francisco Dia das Famílias no Colégio da Paz

[close]

p. 2

Encontro dos Centros Educativos no Linhó Vindos de diferentes pontos do país, na primeira quinta-feira de maio, chegaram ao Linhó, para jantar, elementos dos vários centros educativos da Província Portuguesa das Irmãs Doroteias. Com efeito, entre os dias 4 e 6 de maio, teve lugar a formação anual das Equipas Diretivas no Linhó. A noite de quinta-feira foi dedicada a um exercício de escuta e de reflexão, tendo o dia 5 sido preenchido por uma dinâmica constituída por três momentos: escuta de oradores que vieram iluminar o encontro; reflexão individual; e partilha em pequeno grupo. Os convidados foram, de manhã: a Prof.ª Dr.ª Manuela Silva e o Prof. Dr. Joaquim Azevedo, que de forma notável apresentaram a sua comunicação relativa ao tema “Aprender a escutar (a realidade)”. Da parte da tarde, o Padre José Frazão, S.J., apresentou com muita clareza o tema do Discernimento, o “Escutar para escolher”. Antes de partir, o Padre José Frazão celebrou a Eucaristia, que se tornou assim um momento mais íntimo e significativo. No sábado de manhã, último dia, foi tempo de trabalhar por equipas de Centros Educativos, subordinando-se a reflexão ao que são chamadas a ser e a fazer no seu centro educativo, como equipamissão. Terminou o encontro com muita alegria, pelo espírito de partilha e de amizade que se viveu durante estes dias. E partiu-se com um sentido de grande responsabilidade, mas também de sincera esperança face à missão a que se é chamado. Helena Marques, Colégio das Calvanas Encontro de Cuidadores Em Fátima, a 27 de Abril e a 4 de Maio, esteve um grande grupo de Irmãs e leigos num encontro orientado pela Irmã Lourdes Pires, Assistente Geral responsável de uma equipa que se ocupa da Terceira Idade. A reflexão incidiu sobre uma grande realidade: o tempo também passa para nós e vai chegar o tempo de também sermos nós cuidadas! Temos de ser amigas capazes de relações que põem no centro a pessoa com a sua história… procurando “meter-nos na pele do outro”… fazer o que gostaríamos que nos fizessem! CPA em Fátima Foi de 16 a 18 de Junho. Éramos 43 Irmãs. Começou-se cada dia com uma hora de oração pessoal orientada, seguida de partilha em assembleia. Trabalhámos três blocos de materiais resultantes da avaliação das Comunidades às vivências do ano findo: leitura pessoal, reflexão, trabalho de grupo, verificação das incidências e sugestões para o próximo ano. As nossas Irmãs Juniores, Ida e Paula, renovaram os Votos na Eucaristia de encerramento, presidida pelo Padre Jorge Sena, SJ. Férias com Nossa Senhora em Fátima Depois de um dia maravilhoso passado no centro geodésico de Portugal, voltámos quase sem intervalo para as férias com Nossa Senhora, em Fátima. A acolher-nos, o carinho, a beleza e a criatividade bem característica da equipa que nos conduzia – a Irmã Laurentina Mendonça e a Gina Pau Preto. Os posters colocados pela casa com a beleza crescente e magnífica do bom gosto, as palavras do Santo Padre com o tema para estes dias “A alegria nasce da gratuidade do encontro”, Maria a acolher-nos nas portas de cada quarto: “temos Mãe”, deram a todas a alegria e a felicidade de se encontrarem em Fátima, aos pés de Maria que nos chamava a viver com ela. As caminhadas constantes para a capelinha e para a Igreja da Santíssima Trindade, onde geralmente nos reuníamos 2

[close]

p. 3

para a Missa, foram exercício que nos ajudou a desenferrujar as pernas e a acompanharmo-nos umas às outras. No início não se devia andar sem companhia, mas depois de conhecidos os caminhos que levavam ao santuário essa cláusula caiu. Ainda a acolher-nos tivemos uma capela montada para nós, com o Senhor todo nosso. Nela nos reunimos para o encontro da tarde onde se rezava e agradecia o nosso dia. Os tempos de oração conjunta, na nossa capelinha, foram ricos de conteúdo e cheios de delicadezas de Jesus e Maria. Houve também um dia dedicado a Santa Paula. Nos convívios da noite não faltaram anedotas, imitação de vozes de animais, clarins de tropa e outras variedades que nos alegraram e rejuvenesceram. Fora de portas, além das idas à Capelinha e arredores, tivemos o gosto de ver várias exposições e filmes – museu das candeias, as cores do Sol, o museu interativo e outros, todos com guias experientes e bem conhecedores da sua missão. Tudo estava ligado à mensagem de Fátima e à vida dos pastorinhos. Viveram-se dias de verdadeira fraternidade, em que cada irmã pensou nas outras e procurou ajudar acompanhando, amparando, conduzindo pelos caminhos de Fátima. Tudo foi felicidade e alegria. Não nos faltou a visita do Governo Geral e das Irmãs mais novas da Congregação, que no seu programa de formação passaram por Fátima. A alegria e expansão de todas traduziram-se nos cânticos entoados em conjunto. Houve ainda um almoço na casa das Filhas de Santa Maria Mãe da Igreja e tudo foi festa na preparação do farnel que levámos. Não podemos deixar de salientar as muitas pessoas que encontrámos, A ALEGRIA nasce envolvidas na mensagem de Fátima, a visitar o Santuário. Salientamos de da gratuidade do encontro” modo especial a peregrinação das crianças de todo o Portugal, que à seme- Papa Francisco lhança dos pastorinhos quiseram vir até à Mãe do Céu, rezando, cantando, declamando e envolvendo-se em vários números ligados a ela e aos pequeninos Jacinta (santa) e Francisco (santo). Melhor equipa de ajuda, compreensão, alegria e disponibilidade, que vimos e experimentámos na nossa Irmã Laurentina e na Gina, não poderíamos ter. Foi “oiro sobre azul” onde o “oiro” brilhou mesmo no “azul” envelhecido e fraco. Por tudo o que recebemos das nossas comunidades, das nossas coordenadoras, da alegria de cada irmã em nos ter enviado para este tempo de férias com Nossa Senhora e por tudo o que vivemos em conjunto, o nosso obrigada e a nossa oração. Irmã Maria Teresa Rodrigues Exercícios Espirituais de QUATRO DIAS Em equipa de formação preparámos um turno de quatro dias de EE para as nossas Irmãs que já não podem sair para uma casa de Exercícios. Foi recebido pelas Irmãs do Linhó, da Casa Paula, de Vila do Conde, de Coimbra (a quem se juntaram duas Irmãs de Évora, uma de Fátima e outra de Recardães), e dado pelas Irmãs Fernanda Nogueira, Paula Agos- tinho, Anabela Pereira e Goreti Faneca. O tema escolhido foi “Escutar como Discípulo”, e ao longo dos quatro dias vivemos as quatro semanas dos EE. Começámos com a afirmação: “O Senhor desperta os meus ouvidos” e terminámos desejando escutar Deus presente em todas as coisas. Tanto para as que deram como para as que receberam foi tempo de proximidade fraterna, vivido na humildade e simplicidade. Quem dá admira o acolhimento de quem recebe, quem recebe agradece a generosidade de quem dá, e são cada vez mais as que se dispõem a receber. …E Deus passou, despertou, sensibilizou, ensinou a linguagem do silêncio e a exigência da escuta. Um obrigada fraterno. Irmã Goreti Faneca Equipa da Família Desloquei-me ao Peru, pela Equipa internacional da Família, para me encontrar com os casais que localmente as Irmãs chamaram para lançar o projeto que a Congregação tem para a Família. 3

[close]

p. 4

Foi uma experiência muito bonita pelo acolhimento ao projeto, quer por parte das Irmãs quer por parte das famílias. As nossas Irmãs Peruanas são extraordinariamente acolhedoras e estou grata por todas as delicadezas que tiveram para comigo e que me fizeram sentir “em casa”. O tempo foi muito curto porque tive 3 encontros com cada grupo mas todos os minutos foram aproveitados para que eu pudesse conhecer a realidade. Estive primeiro em Lima com um grupo que as Irmãs já orientam e que deseja aprofundar a sua formação e ajudar outras famílias. Em Arequipa, onde temos a direção de um Colégio Fé y Alegría, estive com um grupo de casais do colégio, convocados ainda pela nossa Irmã Nila. Por feliz coincidência, nessa diocese o tema do ano é sobre a Família e encontrei-me também com as equipas diretivas dos colégios Inacianos da cidade para partilharmos experiências. Foi muito enriquecedor. No norte do País, onde se notavam muitíssimo as graves consequências das cheias, estive com casais de uma antiga fazenda colonial. Encontrei-me também com os grupos de espiritualidade de Paula que têm um forte compromisso social para além do vivíssimo amor a Santa Paula. Cada grupo agarrou compromissos de futuro diferentes dos outros grupos mas muito concretos, de acordo com a sua realidade. Em todos, o desejo de fazer caminho na formação pessoal e na ajuda a outras famílias. Como equipa, continuaremos a acompanhar estes grupos. Em finais de julho desloco-me ao Brasil, como foi anunciado. Irmã Paula Agostinho Peregrinação a pé de Ansião a Fátima, 29-30 de abril Há vários anos que realizamos esta atividade da Pastoral Juvenil que tem vindo sempre a crescer, em termos de adesão. Os diferentes grupos juntam-se em Ansião e aí iniciamos o nosso peregrinar. Pelo caminho temos alguns momentos de paragem com propostas de reflexão, as quais levam ao silêncio, ao diálogo, à partilha... Este ano centrámo-nos nas várias aparições de Nossa Senhora aos Pastorinhos. No fim do almoço de sábado tivemos Eucaristia presidida pelo Padre Eduardo, Dehoniano a residir em Coimbra. Passámos a noite em Caxarias, no Salão Paroquial, e pelo segundo ano consecutivo tivemos um grupo que nos ofereceu o jantar. Como retribuição pedem-nos para rezar. Na reta de Santa Catarina rezámos quatro mistérios do terço. O últi- mo foi rezado no Santuário depois de termos oferecido uma dezena a cada participante. A cruz da mesma tinha no centro umas pegadas. Foi desenhada por uma jovem do grupo missionário. No fim, fica o espaço para o silêncio agradecido. Irmã Goreti Caminhada para casa da Mãe Faltam-me palavras para descrever o que fui vivendo ao logo da peregrinação; o que fui vendo, sentindo e entendendo por dentro... o que Deus me queria transmitir com esta caminhada para casa da Mãe. Assim, vou destacar os momentos, para mim, mais marcantes: Na Eucaristia - os cânticos, a partilha do nome da pessoa que gostaríamos que recebesse as nossas orações, todo o ambiente vivido era especial! No caminho - o cuidado com o Outro que caminha ao nosso lado, o dar a mão, que ali se manifestou dos mais variados modos, saliento alguns: " Vem aí caaaarro!!!", "encoooosta!!!" ou ainda, o incansável apoio: "Água ou lixo?!?" e um dos mais repetidos slogans - "É já ali !!". 4

[close]

p. 5

A equipa organizadora, na sua diversidade, alegria e cumplicidade, no respeito pela diferença e na entrega ao grupo, mostrou-me o Amor do nosso Deus encarnado. As músicas que fomos ouvindo, cantando, e, especialmente a entrada no Santuário a cantar, em grupo, - a vida não vai parar.... - foi lindoooo!!!! Sinto-me muito grata pela possibilidade de ter partilhado estes momentos com todos. Muito obrigada! Luísa Basto - Coimbra Com uma bela companhia Chegados a Ansião, já nos esperavam para o aquecimento matinal, com boa disposição, música e danças fantásticas. Foi uma caminhada com uma bela companhia, e com equipas que nos motivavam a dar sempre o próximo passo com mais alegria do que o passo anterior. O esforço, manifestado em “dor”, desaparecia com a entreajuda das nossas belas companhias, que davam apoio, força e coragem para chegar ao nosso objetivo. Estivemos acompanhados de muita alegria e de uma organização sempre pronta a ajudar. Um ponto fundamental e belo foi a nossa missa campal. A organização da peregrinação, mais uma vez conseguiu surpreender pela positiva: sem eles, esta caminhada não seria possível, tendo sido magníficos. Pensando bem, é tão ou mais difícil a tarefa dos apoiantes, pois têm de estar constantemente a pensar em novas atividades para nos animar nesta peregrinação. Na chegada ao Santuário foi uma emoção, que fica marcada pelas lágrimas de alegria… com essa magnífi- ca chegada, conseguimos esquecer todas as dores que nos massacravam pelo caminho. Foi uma explosão de alegria e de conforto/alívio: o nosso objetivo havia sido alcançado, o que podemos agradecer a uma só pessoa... Nossa Senhora de Fátima. Por fim e para terminar, não poderíamos esquecer a bela lembrança que nos foi entregue: a cruz com umas pegadas a lembrar-nos que Deus nos acompanhou na nossa caminhada. Tudo isto conclui-se com a seguinte palavra: OBRIGADA! Encarnação, Nando e Mabília - Viseu Ao encontro da nossa Mãe Há alturas na vida em que precisamos de ir em busca de algo, em que nada na nossa vida parece fazer sentido, em que nos sentimos à deriva! Quando a Irmã Alice me falou de ir ao encontro da nossa Mãe, o meu coração acelerou, os meus lábios formaram um sorriso e saiu-me o SIM. Eu quero ir com as Irmãs Doroteias até Fátima, ao encontro da Mãe. Partimos do Colégio Imaculada Conceição pelas 06:00h rumo a Ansião. Ao chegar conheci 4 pessoas que foram sem dúvida o meu pilar nesta aventura que eu estava a iniciar. E encontrei uma multidão de gente que vinha de vários lados de Portugal. Iniciámos a caminhada… eu toda feliz da vida. À tarde, ao fim do almoço, tivemos uma eucaristia campal, e quando regressámos ao caminho senti as minhas pernas pesadas e que não queriam andar, mas uma mão amiga agarrou-me e lá fomos mais um bocado. Quando finalmente chegámos a Caxarias, ao salão onde íamos pernoitar, só me apetecia tirar os ténis e colocar os pés nuns chinelos de dedo, mas reparei que me tinha esquecido deles em casa! Eis que vem a Dona São (colega de grupo que conheci em Viseu) e me dá os dela, e cuida de mim como se filha dela eu fosse. Meu Deus, naquele momento chorei, tinha dores nos músculos, pés cheios de bolhas e uma mãe que cuidava de mim! No dia seguinte voltámos ao caminho… com as Irmãs Doroteias a incentivar, a dizer que Fátima “é já ali”! Aguentei, cheguei a Fátima! Com os pés cheios de bolhas, dores em todo o corpo e o meu joelho tão inchado que não o conseguia dobrar. Ao chegar ao Santuário chorei… chorei de emoção e alegria! Apesar 5

[close]

p. 6

das dores o meu sacrifício tinha valido a pena pois eu consegui chegar! Mas sei que sozinha não teria feito aquele percurso. Ir em peregrinação a Fátima é um caminho duro, mas ao mesmo tempo um caminho de reflexão. Muitas vezes vamos em silêncio a pensar na nossa vida, a meditar, pois é algo que geralmente com a correria do nosso dia-a-dia nos esquecemos de fazer: parar para pensar! Gabriela – Sátão Peregrinos com o Papa Francisco No centenário das aparições com a Juventude Doroteia e “Eu Acredito”: Dia 11 de Maio de 2017 (Quinta-Feira) pelas 23 horas metade do grupo da Juventude Doroteia reuniu-se para ir ter com o resto do grupo à Estação de comboios de Santa Apolónia, onde uma concentração de jovens de Lisboa, de diferentes paróquias e grupos, formou o EU ACREDITO para juntos fazermos uma grande caminhada até Fátima. Tudo começou com as filas para o Check In… Deram-nos um caderninho para a motivação daqueles 2 dias em “Peregrinação” onde se lê: “Com Maria, abraçamos o Mundo!” e uma camisola azul com uma letra que formaria o nome do grupo: EU ACREDITO… Por volta das 5h30 da manhã saímos do comboio em Chão de Maçãs, onde nos dividimos em grupos conforme as letras do Check In, espaçadamente,10 minutos de intervalo a caminhar… uma caminhada longa de vinte quilómetros, com um ritmo alucinante… Parámos duas vezes. Na última reuniu-se o grupo todo do EU ACREDITO, para levantar os sacos da comida, as velas para a procissão e descansar um pouco para chegarmos TODOS juntos a Fátima. No recinto pudemos descansar, até à chegada do Papa pelas 17h30. Mal o Papa chegou só se ouviam “gritos” de uma alegria imensa. Mas, quando saiu do Papamóvel e entrou na capelinha das aparições, a multidão fez silêncio durante cerca de 8 minutos, o tempo que o Papa esteve em oração pessoal… Depois ainda ficou um bom bocado “connosco” para dar as boas-vindas a todos os peregrinos. Desde que Ele saiu do Santuário até voltar para a procissão das velas, aconteceu-me uma situação engraçada: depois de ter comido alguma coisa (pois já eram umas 19h30) fui à casa de banho com mais 3 amigas… demorámos mais ou menos 1 hora na fila de espera, e quando estávamos a regressar… não dava para entrar dentro do santuário, e explicaram-nos que o Papa ia passar!! Ficámos junto das grades e vimos o Papa tão perto, que nem queria acreditar… o pior foi ao voltar para o nosso grupo, pois tivemos que passar por muitas pessoas com velas acesas… Até chegarmos onde o grupo estava, demorámos cerca de 30 minutos, e já tinham começado o Terço. Seguiu-se a missa e a noite em oração!! Foi 1h30 a 2h00 horas, e valeu mesmo a pena. Para mim este foi o momento que mais me marcou. No dia 13, depois da cerimónia da canonização dos Pastorinhos e do “adeus a Maria” com os lenços brancos (e este foi o outro momento em que o Papa se emocionou), as pessoas começaram a sair, e nós permanecemos no recinto a almoçar, para depois voltarmos com o grupo geral. Já no comboio eu tive que ir com o grupo do meu irmão para chegarmos os três juntos, e no fundo o que eu fiz para além de tentar integrar-me no grupo dele... Li o caderninho com mais atenção, ou seja, fiz uma pausa naqueles dias para pensar no que tinha vivido... e como não estava com as minhas amigas até foi mais fácil! No fundo foi esta uma experiência de vida... e tudo o que vivi agradeço imenso. Constança Mourão Nunes (Grupo Crisma 1 – Prof. Filipe Emídio) 6

[close]

p. 7

Uma forte experiência de fé e de Igreja Toda a equipa da Pastoral Juvenil Doroteia, Irmãs e jovens, se mobilizou para motivar um grupo significativo de Jovens, dos 16 aos 30 anos, para juntos participarmos no Centenário das Aparições e encontrarmos o Papa Francisco. Connosco tivemos cerca de 30 jovens do Porto, entre alunos do Colégio da Paz e universitários. Também havia um grupo de Coimbra, um grupo de Lisboa e Alentejo com cerca de 50 jovens (alunos do secundário do Colégio Santa Doroteia, dos grupos de Crisma, grupo de Jovens X´Amas, universitários e jovens adultos), mais o grupo da Juventude Missionária Doroteia que se prepara para partir em missão em agosto. Integrámos a plataforma do “Eu Acredito” de modo a chegarmos a Fátima em segurança, e proporcionar aos jovens uma forte experiência de fé e de Igreja, tocar a comunhão da Igreja Universal, neste centenário que teve a bênção da canonização dos Pastorinhos, Francisco e Jacinta, e contou com o “peregrino da Paz”, queríamos gritar com outros que somos a juventude do Papa. Grupo Colégio da Paz Dois dias intensos de União e de Fé Tudo começou com um toque do despertador à meia-noite e meia. Pode parecer estranho, mas era preciso estar em Santa Apolónia à uma e meia da manhã. Mal cheguei à estação deparei-me com uma multidão enorme. Pessoas conhecidas, pessoas desconhecidas, pessoas mais novas e pessoas mais velhas, altas e baixas, magras e roliças. Mas o que realmente me impressionou naquela emblemática estação de comboios foi a quantidade de jovens que conhecia apenas de vista e que revelavam com a sua presença ter a mesma crença que eu. Confesso que não me recordo da viagem de comboio que nos levou a Chão de Maçãs. Talvez porque cedemos ao cansaço e acabámos por dormir toda a viagem… Poucos minutos antes de chegarmos ao nosso destino, rezámos uma oração. Estávamos prontos para embarcar numa caminhada que mudaria a minha vida. Num turbilhão de emoções abriram-se as portas e entre alegria e entusiasmo peguei na mochila e saí do comboio. Tudo a mexer…. Começámos a andar em direção a Fátima. Ainda de noite, subimos, descemos, voltámos a subir e a descer… por caminhos de terra batida, terra seca ou lama, entre casas ou por pinhais…. O nascer do Sol por detrás dos montes foi o segundo momento em que percebi que esta “viagem” seria uma experiência que ia recordar para todo o sempre. Achei curioso a existência dos “tapa buracos” que tentavam literalmente tapar ou diminuir os buracos, que na realidade eram espaços vazios entre nós. Quero crer que a sua tarefa fê-los andar mais km’s que todos nós juntos. A sua existência fez com que eu e o Rodrigo criássemos mais uma ligação na nossa amizade, por sermos sempre nós a abrir esses mesmos buracos. Pequenos “nadas” que num espaço incomum e num tempo sem limitações, se tornam grandes revelações e fortes laços entre as pessoas. Chegados ao Santuário, acampámos. No meu caso, foi abrir o guarda-chuva, cobrir a mochila e deitar-me. Qualquer minuto saberia a horas de descanso e relaxamento. Penso que adormeci por momentos. Não foi na realidade um tempo longo, mas o tempo de me sentir no Santuário. 7

[close]

p. 8

Novo salto no relógio e…. O Papa Francisco chegou a Portugal! O primeiro arrepio que se tornou menor pelo momento seguinte. Foi para mim o momento marcante. Não falo de quando o Papa sobrevoou o Santuário de helicóptero, mas sim o momento em que o Papa chegou à Capelinha das Aparições. No preciso momento em que o Papa começou a rezar, milhares de pessoas fizeram silêncio unindo-se num imenso simbolismo às suas orações. Todo o santuário, todas as pessoas, unidas em redor do Papa, mas mais do que isso em redor de Deus. Mais tarde, durante a procissão das velas, enquanto rezávamos o rosário, senti-me em verdadeira comunhão com todas as pessoas que estavam no recinto. Novo momento de transformação. Percebi e impressionei-me com um Santuário cheio de pessoas a rezar em várias línguas a este Deus que nos ama e nos diz tanto. Que bonita comunhão entre diferentes povos. Depois de mais uma noite sem dormir, ao relento, à chuva, fomos alertados pela Irmã Francisca, pois ia passar a procissão do Santíssimo. Foi o momento de despedida. O acenar de lenços numa imagem plena de significado. Obrigada, Papa, por ter estado connosco neste momento tão especial para os católicos que creem em Fátima. Após todas as celebrações do dia 13 de Maio em que me senti unida ao Papa e a todos os crentes presentes, chegou a hora de partir…. Acabámos por sair três horas depois do previsto. Partida às 20:30, sem qualquer ressentimento. O atraso foi a hipótese de criar mais laços com pessoas do Colégio e de outras Escolas. A entrada no comboio marcava o final de dois dias intensos de união e de Fé. Ao reler este testemunho invade-me uma estranha sensação. As palavras parecem-me tão redutoras. A experiência da Peregrinação é única. É a possibilidade do encontro connosco mesmos, um momento de paz interior e de procura de formas de transpor, para o nosso dia-a-dia e para quem nos rodeia, o acreditar em Deus, este Pai que nos quer tanto e a quem queremos de todo o coração. Obrigada a todos os que enriqueceram a minha vida partilhando cada momento desta Peregrinação. Carolina Carvalho, 11º A (CSD, Crisma 1 – Irmã Ida) Com um espírito de oração e de união A peregrinação a Fátima foi absolutamente fantástica, com muitas aventuras, com um grupo extraordinário e muito bem organizada, sempre com um espírito de oração e de união para ver o Papa e a Canonização dos Pastorinhos. Gostei muito quando o Papa Francisco chegou e rezou na capelinha das aparições, uma vez que se formou um enorme silêncio de milhares de pessoas, todas em oração. Foram momentos muito bem vividos, com muitas alegrias sem nunca esquecer a causa que nos unia, a visita do papa. A admiração do Papa por Nossa Senhora, bem presente quando lhe acenou com o lenço branco, na procissão do adeus, foi também um momento muito especial. A procissão das velas e o terço rezado em 20 línguas diferentes, foram também momentos que simbolizaram uma enorme união entre todos. Madalena (Lisboa, Grupo Crisma - Irmã Ida) Em Fátima com o Papa Francisco Abrigados da chuva, mochilas por perto (e alguns já com as t-shirts vestidas), esperamos pelas camionetas. Falamos do tempo, do Papa, do sono, do entusiasmo. Partimos cedo, na sexta-feira, dia 12. A viagem decorre sem problemas, e até pára de chover. É na chegada a Santa Catarina da Serra que o tempo volta a piorar, e a caminhada até ao Santuário é feita à chuva. Muitos tinham trazido uma capa impermeável, mas todos chegámos encharcados ao nosso destino. Encharcados, mas felizes. 8

[close]

p. 9

Sentados no chão, almoçámos no meio de milhares de outros peregrinos. O movimento “Eu Acredito” já está todo reunido, formando uma mancha azul que grita: Esta é a juventude do Papa. Faltam ainda algu- mas horas até à chegada do Papa Francisco. A tarde é passada a conversar, a cantar, a conviver e a conhecer; há ainda quem aproveite para descansar, pois a viagem foi cansativa. É quase ao final da tarde que a multidão de peregrinos se levanta para dar as boas-vindas ao Papa Francisco. Aclamado pela multidão, dirige-se à Capelinha das Aparições; instala-se o silêncio. O tempo pára no Santuário; o Papa reza a Nossa Senhora e oferece-lhe uma rosa de ouro. À noite, reza-se o terço em várias línguas. Segue-se a Procissão das Velas; é um momento de união que todos partilhamos. Depois, começa a Missa da Vigília. Quando termina, desligam-se os altifalantes e gran- de parte dos peregrinos decide ir dormir. É uma da manhã quando o nosso grupo estende os sacos-camas; embora esteja frio, a chuva parou outra vez. Levantamo-nos antes das sete, arrumamos as “camas” à pressa: há que arranjar espaço para os peregrinos que ainda vão chegar. A celebração mais esperada começa: a Missa de Canonização. O Papa conheceu a criança cuja cura foi atribuída à intercessão de Francisco e Jacinta, e declarou-os santos. A alegria é partilhada por todos e ouve-se o aplauso da multidão. Por todo o lado, peregrinos de todo o mundo celebram a canonização. Lá está de novo a mensa- gem das camisolas azuis: Esta é a juventude do Papa. O Papa participa, de seguida, na “Procissão do adeus”. De olhos postos na imagem de Nossa Senhora, a multidão transforma-se num mar de lenços brancos. Algum tempo depois, o Papa Francisco dei- xa o recinto: vai almoçar, antes de iniciar a viagem de regresso. Almoçamos também. Há 24 horas que não abandonamos o local onde nos instalámos; vivemos tanto sem sair do lugar. Começam as arrumações, pois partimos a meio da tarde. O recinto vai esvaziando. Despedimo-nos de Fátima com as capas impermeáveis vestidas, porque a chuva voltou. Voltamos aos autocarros. Todos sabemos que levamos para casa muito mais do que o que trazemos às costas. Cansados, mas felizes. Esta é a juventude do Papa. Maria Noronha Testemunho de Fé – 2 anos de preparação para o Crisma Vou tentar descrever, o mais sucintamente possível, o meu percurso de fé ao longo dos últimos anos, que me permite estar hoje a dois dias da minha Confirmação, convicta de que quero dar o meu SIM a Deus. Este percurso foi feito por duas caminhadas paralelas, uma caminhada individual, de transformação interior, numa tentativa de aproximação a Deus, e outra de convivência coletiva, proporcionada em grande parte pelo grupo de preparação para o Crisma e também pelo Colégio e o acolhimento da sua comunidade cristã. Esta caminhada pessoal teve início no momento em que a religião deixou de ser simplesmente rotina para me dizer algo a mim. Na preparação para a profissão de fé senti uma conexão verdadeira e os primeiros traços de intimidade com Deus. Contudo, não se pode dizer que tenha sido algo linear: teve várias crises existenciais, pois houve acontecimentos que abalaram a minha fé, mas Deus arranjou sempre novas formas de comunicar comigo! E esses acontecimentos não me afastaram de Deus, mas procurei N’Ele refúgio. Um exemplo recente de um “abalo de fé” foi o facto de, ao sentir que não passava tempo de qualidade suficiente com Deus, que procurava mais, ter tentado encontrar solução no “passo a rezar” ou “click to pray”; mas estas iniciativas só criaram mais barulho de fundo e conflito interior. Foi na peregrinação que fiz com a Juventude Doroteia que percebi que precisava de estar em silêncio com Deus. Tornou-se o meu modo de entrega a Deus. 9

[close]

p. 10

Esta peregrinação levantou outro grande desafio de responder à pergunta: “Quem é Deus para mim”? Obrigou-me a verbalizar a minha fé, a pôr por palavras aquilo que sinto e vivo com Deus. Encontrar esta resposta deixou-me um passo mais próximo de Deus e do meu SIM. Por outro lado, a Fé e a religião para mim não podem ser vividas a sós, implicam sempre um “próximo”. O grupo de Crisma proporcionou partilha e aprendi muito ouvindo a experiência dos outros. Partilhar e viver isto em comunidade proporcionou-me um crescimento interior e incentivou-me a viver a fé mais intensamente e de um modo mais aberto. Sinto que estas duas caminhadas se unificaram numa só, e essa união trouxe uma estabilidade à minha fé que me deixa preparada par dar o meu SIM, o que não significa que esta caminhada esteja acabada. Mariana Soares (Grupo de Crisma 2 – Irmã Ida) No passado dia 21 de Maio, juntaram-se os grupos de Jovens do Colégio de Santa Doroteia X´AMAS (um grupo formado por Jovens que fizeram o crisma e que são universitários, ex-alunos ou atuais alunos do colégio) e o grupo Jovens de Arrentela para darem em conjunto testemunhos de fé que ajudassem o actual grupo de preparação para o crisma da Arrentela a perceber que depois do Crisma começa tudo! Uma encontro fantástico, com testemunhos cheios de vida... Em comum... A paixão por Jesus Cristo e o amor à Igreja, com uma marca a dar identidade: Juventude Doroteia. E, no final, os 2 grupos de jovens continuaram juntos num almoço partilhado, animado e umas questões provocadoras que nos juntaram em roda e permitiram conhecermo-nos melhor. Sentimos que este foi o 1.º encontro de vários... Assim Deus queira! Confiamos o grupo de Crisma da paróquia da Arrentela ao Espírito Santo, para que se animem a ir mais longe na fé, na certeza de que podem contar connosco! Carta de Agradecimento pelo Concerto Solidário 16 de Junho de 2017 Querido Colégio de Santa Doroteia, querido Externato do Parque e querido Paulo VI, Correram-se as cortinas, apagaram-se as luzes, fecharam-se as portas. Enfim, ao que parece, o espetáculo terminou… Mas será que isso é verdade? O passado sábado (dia 20 de Maio) foi marcado por momentos verdadeiramente belos. Contudo não foram (apenas) estas atuações que fizeram do “Vozes Solidárias” um Espetáculo (com letra maiúscula) – foram vocês! Cada um e cada uma de vós fez daquela tarde algo muito especial, fez daquela tarde uma incrível sucessão de momentos que dificilmente conseguiremos traduzir por palavras. Resta-nos, por isso, agradecer. Obrigado ao Colégio de Santa Doroteia, que na pessoa da Irmã Amorim nos abriu a porta que possibilitou este dia, aliás, como sempre tem feito! Obrigado ao Externato do Parque, nas pessoas da Irmã Elvira e Tucha, que movimentaram as “nossas” crianças para uma atuação inesquecivelmente bela. Obrigada, por fim, à Obra Social Paulo VI, na pessoa da Irmã Purificação, por terem ido mais longe do que alguma vez sonhámos e terem possibilitado um momento cheio de ternura ao qual ninguém ficou indiferente. A todos e a todas, o nosso mais sincero obrigado. Deixamo-vos com uma certeza – todos foram essenciais para a concretização da nossa Missão, todos nos levaram um pouco mais longe, deixaram-nos um pouco mais próximos do nosso objetivo. Levamos um pouco de vós connosco para o Recife, levamos um pouco de vós àquelas crianças que queremos ajudar, no fundo, não somos só nós que vamos, cada um de vós vai connosco, cada um de vós vai ajudar as crianças do Cecosne, cada um de vós. 10

[close]

p. 11

Enfim, de facto, o espetáculo não terminou porque, efetivamente, o espetáculo são todos vós, com a vossa generosidade, carinho, acolhimento e entrega! Reiteramos, o nosso mais sincero obrigado! A Juventude Missionário Doroteia de Lisboa, Beatriz Monteiro, Joana Gonçalves, Rafael Rebordão Covilhã – Fundação Imaculada Conceição Dia da Mãe Para comemorar este dia fizemos uma caminhada que se iniciou na nossa instituição e terminou no Monumento a Nossa Senhora da Conceição. No local, depois de partilhadas várias mensagens de homenagem a Nossa Senhora e às Mães, fizemos uma largada de treze balões que homenageava as Mães no centenário das aparições de Fátima. A adesão por parte das mães a esta iniciativa foi de praticamente 100%, o que levou a uma tarde muito animada e cheia de beleza e alegria. Festa dos Avós No dia 26 de maio comemorámos o dia dos Avós. A primeira hora desta festa foi preenchida pela Dr.ª. Carolina Santos, Psicóloga, que falou do papel dos avós na vida das crianças e da sua importância na educação conjuntamente com os pais. Seguidamente tivemos um lanche partilhado recheado de muita música, diversão e alegria. Dia Mundial da Criança Neste dia tão especial, as nossas crianças mais crescidas puderam, a con- vite da Câmara Municipal da Covilhã, usufruir de uma manhã muito animada no Complexo Desportivo onde tinham insufláveis, pinturas faciais e muita música com o “Mundo da Sara”. Mas aqui em casa, com os mais pequeninos, não faltou a diversão com almoço no parque e muitas outras surpresas. Foi um dia muito divertido! Covilhã, 2016/2017 Obra Social Paulo VI A Semana da Cultura Decorreu na Obra Social Paulo VI, entre os dias 19 e 29 de maio, a segunda edição da nossa semana cultural, que este ano foi inteiramente dedicada à Amizade pela Natureza. Ao longo destes dias foram preparadas sessões para as crianças, sessões para pais e filhos e sessões apenas para pais, tendo as mesmas sido muito bem acolhidas por todos. Desde encontros de espiritualidade para crianças (incluindo bebés!) à realização de papel reciclado, passando por um showcooking, uma sessão de ioga, lançamento de um livro, arte performativa e muitas outras atividades relacionadas com a Natureza: construção de mandalas no jardim, dinamização da horta pedagógica, construção de abrigos para passarinhos, etc. Vivemos uma semana muito animada e cheia de boa disposição. Para além destas atividades, a nossa Praça vestiu-se de cor. Todas as salas participaram numa exposição dedicada à natureza sob o tema “Se eu fosse…”, tendo igualmente surgido uma mostra de fotografias dedicada aos jardins da nossa escola e a construção partilhada com materiais naturais (madeiras, pedras, folhas, flores…) de uma instalação com o nome de “A cidade equilibrada”. Foi uma semana fantástica, onde vivemos experiências novas, aprendemos imenso, criámos novos laços de amizade e o sentido de 11

[close]

p. 12

cuidado pela natureza! Kathy Silva Envio uma descrição da Hermínia Seguro, filha de António Seguro, o responsável pela construção da Padaria Paula Frassinetti - tem 12 anos e anda aqui no nosso Colégio de Santa Doroteia - e da Inês Seguro a mais nova que tem 4 anos a caminho dos 5, e que foi a mentora deste movimento todo. Foram passar as férias da Páscoa com o Pai que trabalha em Luanda. Irmã Purificação A nossa ida a Cuamato No dia 11 de Abril de 2017, às 3:33 da manhã, eu Hermínia Seguro, a minha irmã Maria Inês Seguro, a minha mãe Ana e o meu pai António Seguro, saímos de Luanda com destino a Cuamato. Foi uma longa e cansativa viagem, 1 dia e meio para lá chegarmos, porque algumas estradas estavam destruídas. Devido a essa situação, tivemos de dormir na província do Lubango, porque os caminhos à noite são muito perigosos. Connosco levámos a irmã doroteia Lúcia, que estava em Benguela. Durante o nosso trajeto tivemos o privilégio de conhecer as primeiras Irmãs Doroteias que partiram de Angola para Portugal para fazer parte desta tão grande comunidade. Cuamato está situado entre a fronteira de Namíbia e Angola, ou seja, na província do Cunene. Levámos sacos de farinha de trigo e fermento para a padaria de Paula Frassinetti, para ajudar na produção do pão, e também algumas guloseimas que deliciaram as crianças. 45Km antes da chegada a Cuamato, tivemos de passar por uma picada que foi a mais demorada de toda a viagem. Havia apenas buracos que faziam com que andássemos sempre aos saltos, até a minha irmã Hermínia disse “Isto não se devia chamar picada, devia chamar-se saltada!” Nós todos rimo-nos imenso. Chegámos a Cuamato, finalmente, por volta das 17:00 h, onde nos esperavam uma grande comitiva de crianças e senhoras. Fomos recebidos com muita alegria, com danças e cantos, muitos agradecimentos, sorrisos, abraços e beijinhos. O povo com muito pouco mas com muita felicidade! Eu queria conhecer, estava muito feliz por ter ido a Cuamato, pois só tinha ouvido falar na escola, brinquei com toda a gente foi um grande momento na minha vida! Juntamente com a minha irmã fomos conhecer o dormitório das meninas. Não era um dormitório como nós conhecemos, era um quarto muito pequeno para tanta gente, tinham vários beliches velhos e muito pobres mas tudo muito asseado. Não nos foi possível fazer o pão como prometido devido à falta de condições da estrada; era muito tarde, queríamos voltar naquele mesmo dia e tínhamos uma longa viagem de regresso. As Irmãs com todo o gosto organizaram a nossa estadia para 1 dia, mas não nos foi possível dormir pois não íamos preparados para tal. No final eu fui mais a minha irmã distribuir os doces que tínhamos levado. Eu, Hermínia Seguro senti uma grande alegria ao presenciar a felicidade das crianças quando nos viram, ainda por cima tinham muito pouco mas isso não as impedia de serem felizes. No entanto, fiquei muito impressionada com tal pobreza, acho que ninguém consegue imaginar como é viver daquela maneira e ninguém deveria viver assim. Gostei bastante do que prepararam para nós, desde as danças e cantorias até aos abraços calorosos e sorrisos. Foi uma grande oportunidade fazer parte disto tudo. Acho que ninguém está à espera daquela realidade, porém, temos de aceitar e saber que tudo isto é real. Os meus pais, Ana e António Seguro, já tinham presenciado várias situações semelhantes, por isso o dever deles é apenas ajudar para tentar melhorar as condições. Se todos fizermos um pouco, já é uma grande ajuda. 12

[close]

p. 13

Foi uma grande felicidade e agradecemos às Irmãs Doroteias por nos proporcionarem estes momentos que nunca iremos esquecer. Um bem-haja a todos. Maria Inês Leite Seguro, Hermínia Sofia Leite Seguro, Ana Leite, António Seguro Lisboa – Externato do Parque É com muita alegria e emoção que podemos dizer: "HÁ PÃO em Cuamato ". Em 17 de Maio, recebemos fotos bem sugestivas do pão que se fabrica na Padaria Santa Paula Frassinetti. A solidariedade e a partilha dos alunos das nossas Escolas deram vida ao sonho da Irmã Maria da Conceição Ribeiro (Geral das Irmãs Doroteias) que nos lançou o grito desafiante "Aqui não há pão". Queremos continuar a angariar dinheiro para a farinha, só assim continuará a cumprir-se o que Jesus nos diz no Evangelho: "Tive fome e deste-Me de comer"… quando Senhor? "O que fizeres ao mais pequenino dos meus irmãos é a Mim que o fazes". Vamos continuar... No Externato do Parque, no passado sábado dia 20 de Maio, o pré-escolar festejou o "Dia das famílias". Pela 1ª vez todas as crianças e respetivas famílias viveram um dia de festa e tiveram oportunidade de viver momentos únicos de partilha e alegria. Ao longo de 4 horas todos puderam fazer corridas de cavalinhos, jogar à barra do lenço, fazer um circuito com saquinhos na cabeça, jogar bowling, derrubar latas, corrida com pés atados, circuito no ginásio, pinturas faciais, fazer uma deliciosa espetada de cenoura, fazer pulseiras, corrida com colheres, saltar à corda, tração à corda, jogar à macaca e tirar uma fotografia em família. No final da festa todas as crianças brindaram as suas famílias com uma atuação conjunta onde cantaram diversas canções. Foi um dia inesquecível para todos. Alguns Ecos Tudo foi possível e correu muito bem porque foi preparada com muito amor e empenho de todos. Um obrigada a todos: educadoras, professores de educação física, música, inglês, auxiliares e Mães delegadas. Foi uma Festa lindíssima, onde se viveu o espírito de família e a simplicidade, valores que devemos cultivar para seguir o Carisma de Santa Paula. Sentiu-se o “Dar vida nos encontros”, tema do ano que tem vindo a ser trabalhado pela Comunidade Educativa. Quero agradecer a festa fantástica que tivemos ontem. Todo o vosso trabalho e dedicação numa festa cheias de emoções. Um beijinho. É para continuar, um dia inesquecível para todos, foi um convívio e o poder usufruir da escola é uma forma de nos sentirmos em casa… Quero agradecer a festa fantástica que tivemos no sábado. Todo o vosso trabalho e dedicação numa festa cheia de emoções. A Festa das Famílias é uma celebração à vida. Um momento onde pais e filhos podem simplesmente estar. “Super sorrisos” O Externato do Parque mais um uma vez quis sensibilizar os alunos sobre os cuidados com a higiene oral. Esteve entre nós uma equipa de sensibilização que lançou um desafio e os alunos aderiram. 13

[close]

p. 14

Os alunos do 1º e 3º anos participam este ano no concurso "Super sorrisos" sobre higiene oral. Na disciplina de expressão plástica elaboraram os seus estudos e em grupo criaram as suas maquetas. Aqui está um dos trabalhos levados a concurso! Concerto Solidário O grupo coral do Externato do Parque quis marcar presença no Concerto Solidário realizado no CSD pelo Voluntariado missionário da Juventude Doroteia. Foi uma tarde muito bonita e cheia de significado com a participação de vários grupos. Último dia do mês de maio No dia 31 de maio, toda a Comunidade Educativa rezou a Nossa Senhora. Reunimos todos os meninos do pré-escolar na portaria do colégio onde estava o andor com Nossa Senhora de Fátima e três meninos vestidos como os pastorinhos. Depois de umas breves palavras sobre o significado da celebração que íamos fazer, quatro alunos do quarto ano levaram o andor e deu-se início à procissão. Ao longo do caminho estava o primeiro ciclo que, depois de o andor passar, seguia no cortejo. Foram momentos muito bonitos. Rezámos e cantámos até o andor ser colocado sobre uma mesa no palco para que todos pudessem ver e aclamar Maria, mãe de Jesus e nossa mãe. A meio do percurso outros quatro alunos do terceiro ano transportaram o andor. No momento de silêncio feito por todos, para ouvir o que a Mãe do Céu nos queria dizer e qual seria a nossa resposta, foi comovente ver tanta criança desde os meninos mais pequenos ao quarto ano e o seu modo de estar. Criou-se um grande clima de interioridade e oração. Na mão levavam um sol que foi trabalhado ao longo do mês e no verso a oração dos pastorinhos que rezámos, em conjunto, no final. Foram colocados à frente os cartazes que estavam nas salas com o tema vivido ao longo do mês, proposto neste Centenário das Aparições - Senhora do Rosário mais brilhante do que o sol. Acabámos cantando. Dia da Criança No dia 1 de junho, quisemos proporcionar uma manhã diferente aos nossos alunos. Com a preciosa colaboração dos agentes da PSP, dirigimo-nos ao Centro Comercial das Amoreiras para ver dois filmes. O pré-escolar viu o "Zootrópolis" e os alunos do primeiro ciclo "A Viagem de Arlo". Foi uma manhã diferente. A ementa do almoço foi escolhida pelos delegados de turma. De tarde, cada educadora/professora, livremente, escolhia o que fazer com o seu grupo. Procurámos que todas as crianças vivessem o seu dia com entusiasmo e alegria. Festa dos “finalistas” Os alunos do 4º ano, os finalistas, participaram numa Eucaristia de Ação de Graças pelo que viveram no Colégio e querem continuar a ser testemunhas de Jesus Luz do Mundo. Os pais quiseram marcar presença neste momento tão importante na vida dos filhos. Foi uma celebração partilhada por todos, um momento de interioridade. No final receberam uma recordação do colégio, um Menino Jesus, que os vai acompanhar. Festa linda! A mensagem transmitida da vivência destes anos no colégio vai no ♥ de todos. 14

[close]

p. 15

Só foi possível pelo empenho das crianças, pais, professores e restante comunidade educativa. Só o amor consegue fazer maravilhas! Felicidades para os nossos FINALISTAS. No final a Comunidade Educativa fez-se ouvir com este cântico: Vai confiante, segue o teu caminho. Lembra-te sempre que não estás sozinho. Segue o teu trilho com fé e amor. Eu fico a pensar em ti. Vai confiante, segue o teu caminho. Lembra-te sempre que não estás sozinho. Segue o teu trilho com fé e amor. Eu fico a torcer por ti. Venham daí e vamos celebrar Estão preparados, prontos a voar! Prontos a voar, vamos celebrar, Nada vos pode parar! Vai confiante, segue o teu caminho. Lembra-te sempre que não estás sozinho. Segue o teu trilho com fé e amor. Eu fico a rezar por ti. Colégio de Nossa Senhora da Paz - Porto Dia da Família 17 horas era o horário combinado para o encontro, mas os preparativos começaram bem antes… O Dia da Família é já uma tradição no Colégio da Paz, e todos se empenham entusiasticamente no seu planeamento, preparação e concretização, já que este dia se constitui como um momento de convívio da comunidade escolar em que participam alunos, pais e encarregados de educação, funcionários, professores e respetivas famílias. O programa abriu, como já é habitual, com uma Eucaristia celebrada pelo padre Maia e que contou com a participação do Coro da Paz. No cortejo de entrada, relembrou-se o tema do ano, Dar Vida no(s) Encontro(S), a Juventude Doroteia, a catequese, a comunidade educativa, o projeto de solidariedade Sementes da Paz, bem como a fundadora da congregação, Santa Paula Frassinetti. Destacou-se ainda, pelo seu simbolismo, o momento da bênção dos finalistas do secundário que receberam uma pequena lembrança. De seguida, vários alunos apresentaram os seus dons, no “concurso”GOD TALENT! Da dança, ao canto, passando pela representação e pela declamação de poesia, foram muitos os aplausos, mas poucos para tanta criatividade, coragem e talentos demonstrados. Deu-se início ao jantar solidário. As diferentes banquinhas espalhadas pelo recreio do Colégio venderam os mais variados produtos, de churrasco a sobremesas, de caldo verde a cachorros, de refrigerantes a cafés. Este momento, especialmente organizado pelo grupo de solidariedade das Sementes da Paz, contou com a colaboração, entusiasmo e boa-disposição de todos, que foram fazendo escala e realizando as mais diversas tarefas necessárias para que tudo corresse da melhor forma. Não podia faltar a animação! Terminado o jantar, a noite de festa prosseguiu com a apresentação dos alunos de guitarra e com o concerto do Coro da Paz que permitiram encerrar este dia da melhor forma! 15

[close]

Comments

no comments yet