Jornal Eco da Tradição 190 Junho 2017

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Eco da Tradição Junho de 2017 190

Popular Pages


p. 1

ECO DA TRADIÇÃO - ANO XV - Nº 190 - JUNHO DE 2017 EDITORIAL “ LITERATURA Jovens façam acontecer. O Da trilogia da Casa das sete momento é de vocês mulheres vem aí, “Travessia” RODEIO DA CBTG 19 a 23 de Julho/2017 em QUERÊNCIA/MT Página 02 Página 12 Página 08PROMOÇÃO: REALIZAÇÃO: Eco entrevista as novas prendas e guris do estado Páginas 08, 09, 16 e 17 Mostardas se preparando Prendas e Peões de outros para receber o Rio Grande estados falam da Ciranda Página 20 Página 18 CTG M’Bororé e a 30ª RT conquistam o Rio Grande com Renata da Silva Foto: Rogério Bastos Presidente Nairo Callegaro (C) com as prendas que irão compor o novo grupo estadual, ao lado dos peões que conquistaram seus títulos no mês de abril. Renata da Silva, do CTG M’Bororé, de Campo Bom conquistou a faixa de 1ª Prenda do Rio Grande do Sul e o direito de sediar a Ciranda Cultural de Prendas no ano de 2018

[close]

p. 2

2 Ano XV - Edição 190 EDITORIAL Nairioli Callegaro - Presidente Rua Guilherme Schell, 60 Porto Alegre / RS CEP: 90640-040 Email para sugestão de pautas: conselhoeditorialeco@mtg.org.br www.mtg.org.br mtg-rs.blogspot.com Contato: 51. 3223-5194 EXPEDIENTE: SUPERVISÃO E DIREÇÃO: Nairioli Callegaro DIREÇÃO DE REDAÇÃO: Rogério Bastos DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen CONSELHO EDITORIAL: Elenir Winck, Sandra Veroneze, Odila Savaris, Anijane Varela, José Roberto Fischborn, Vitor Pochmann e Bruno Mendonça. JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rogério Bastos (16.834) Liliane Pappen (16.835) Fúlvio Lopes (16.200) COLABORAÇÃO: Andressa Motter IMPRESSÃO: Zero Hora TIRAGEM: 3 mil exemplares Atendimento De segunda a quinta-feira 09 às 12h e das 13 às 18h Sexta-feira 09 às 12h e das 13 às 17h Valores da Anuidade Junho Valor Plena Parcial Especial Estudantis R$ 1.162,58 R$ 997,19 R$ 611,29 R$ 170,26 40% do valor retorna às RTs. MTG: PRESIDENTE: Nairioli Antunes Callegaro VICE-PRESIDENTE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS: Elenir Fátima Dill Winck VICE-PRESIDENTE DE CULTURA: Anijane dos Santos Varela VICE-PRESIDENTE ARTÍSTICO: José Roberto Fischborn VICE-PRESIDENTE CAMPEIRO: José A. Araújo VICE-PRESIDENTE ESPORTES: Martim Guterres Damasco Não nos responsabilizamos pelas opiniões publicadas no jornal Meus jovens, façam acontecer. O momento é de vocês Ao fecharmos as portas do tomada. Participei quando crian- mês de maio, encerramos um ça, adolescente, jovem e adulto dos ciclos mais importantes do como dirigente de entidade, de MTG. Passamos Abril e Maio, coordenadoria regional e agora meses em que nossa juventude na direção MTG. Percebo e tenho está em evidência, no Entrevero convicção de que esta renovação Cultural de Peões e na Ciran- e retomada passam, sim, pelos da Cultural de Prendas, eventos jovens, desde que estes tenham onde reforçamos a importância o conhecimento da trajetória e de nossos jovens na construção construção de nossa federação. de novas alternativas e renova- O Movimento revigora-se mos esperanças no surgimento quando oportuniza a estes uma de lideranças capazes de conti- participação construtiva, sem nuarem a caminhada iniciada no medos, sem receios, mas com ano de 1947 por jovens que de- a vontade, a coragem e o dese- ram um grito na direção da valo- jo de que pode ser feito. Faço a rização de nossa identidade. leitura no brilho dos olhos, nos Aos peões e prendas que sentimentos que palpitam em trabalham nas bases do Movi- cada coração, nos projetos que mento, em suas entidades, re- nascem em cada mente desta giões, estudando, pesquisando, gurizada, estes sonhos de uma trabalhando no fortalecimen- sociedade mais justa e contem- to destes valores plativa a todos. Sei que norteiam esta caminhada, agradecemos imensamente o esforço e É necessário que te- que vocês não têm o poder de decisão em muitos momentos, mas têm nhamos o en-dedicação pessoal de cada um. É ne- a capacidade de mobilização que é cessário que tenhamos o entendimento e percepção do momento que estamos passando e tendimento e percepção do momento que inerente ao jovem, a capacidade de resignar-se e fazerem o contraditório. Devem começar estamos passan-vivendo em nosso Movimento. a abrir as mentes, pensar por vocês, A sociedade sinaliza com questões que devem ser encaradas e compreendidas por do e vivendo em nosso Movimento. pelos sonhos de cada um e que tornem, estes, em sonhos coletivos capazes de cons- todos. Este período truir uma sociedade de transição é inerente ao nos- mais igualitária, honesta e ética. so convívio social, entidades, Esta nova geração dos 50 federações e associações, até anos é responsável por este pe- mesmo em setores públicos. De- ríodo de transição, com o discer- vemos ter a humildade e a gran- nimento de mesclar com a ex- deza para prepararmos efetiva- periência e sabedoria de todos. mente novos líderes em um novo São entendimentos necessários, tempo, com novas propostas e para que possamos conviver em conceitos capazes de fortalecer “santa Paz”, como diz nosso hino, nossos posicionamentos, sem na convivência das gerações, ferir ou mudar nossos valores sem que ocorra a anulação de fundamentais. qualquer um neste processo. A sociedade pede, necessi- Meus jovens, façam aconte- ta, clama por líderes capazes de cer. O momento é de vocês. A compreender estes processos, hora é esta, vamos juntos esta- um processo coletivo de valori- belecer uma nova relação. Ba- zação de todos, como nos prin- seado e alicerçado em muitos cípios do Movimento. Tenho esta depoimentos que trazem à di- clareza e convicção, aprendi des- reção do movimento, entendo e ta forma, tive a oportunidade de percebo, concluindo que devem conviver dentro do Movimento fazer valer estas vontades. Para- Organizado nos últimos 40 anos e béns pela trajetória de vocês e vejo hoje a necessidade desta re- um forte abraço. Junho de 2017 OPINIÃO Por: Solon Silva Presidente da ORCAV Uma Ordem para todos A Ordem dos Cavaleiros do Rio Grande do Sul foi criada no 43º Congresso Tradicionalista Gaúcho, realizado na cidade de Santa Cruz do Sul, em janeiro de 1998 e teve como primeiro presidente o Coronel Celso Souza Soares. Criada para representar o MTG no que concernem as cavalgadas, desfiles, condução da chama crioula, estimular a realização de cavalgadas, reconhecer o mérito dos cavaleiros nas diversas cavalgadas e emitir orientações técnicas com o objetivo de coibir excessos, que quando não observadas, possam representar dano ou risco para os cavaleiros ou suas montarias – Essas são as incumbências que recaem, hoje, sobre o cargo de Diretor da OrCav - RS. No dia 03 de junho foi realizado, em Santa Cruz do Sul, o 2º Encontro de Coordenadores de Cavalgadas promovido pela Ordem dos Cavaleiros, 5ª RT e Cavaleiros da Integração de Santa Cruz. O evento contou com a presença de Diretores de Cavalgadas, Coordenadores Regionais, tradicionalistas e da Ilustre presença da 1ª Prenda do Estado, Renata da Silva, da 2ª Prenda , Caroline Scariot e do Peão Farroupilha Jhonatã Reis Leindecker , que estavam cumprindo sua primeira agenda oficial da nova gestão estadual. Lá abordamos os seguintes assuntos: Cavalgada Estadual da Integração dos Povos pela Paz, a Chama Crioula e as outorgas do ano de2017. A cavalgada estadual da integração dos povos pela paz, que iniciará em julho, na Sede do MTG, passando pelas trinta Regiões Tradicionalistas, no intuito de valorizar o tradicionalismo, promovendo a cultura da paz entre os povos e finalizando em Passo Fundo, no Parque da Roselândia, em outubro, culminando no Aniversário do MTG. Ainda foi tratado no encontro , a geração da Chama Crioula, no Marco chamado ‘Pedra de Anita’, em Mostardas comemorando os 70 anos da Chama. Para fazer o arremate do encontro, foi esclarecido sobre a documentação necessária para a Outorga - 2017, planilhas, certificados, quilometragens etc.. Para que o Rio Grande e o Brasil conheçam as pessoas que estarão à frente da Orcav este ano apresentamos a gestão: Presidente - Solon Silva Vice-presidente - Marco Aurélio Angeli (Zoreia) Vice-presidente - Verceli Oliveira Secretária - Sandra Abech Cerimonialista - Vitor Pochmann Comissão de Cavalgada – Oberdan Cantini, Paulo Machado e Edson Mauch Sandra Abech e Solon Silva

[close]

p. 3

Ano XV - Edição 190 EVENTOS Junho de 2017 3 Lagoa Vermelha se prepara para receber o Rio Grande para a Convenção Tradicionalista, em julho No dia 29 de julho, o CTG Alexandre Pato será palco de um dos mais importantes encontros tradicionalistas. A Convenção, realizada anualmente, recebe propostas sobre os regulamentos do Movimento Tradicionalista Gaúcho e, por votação, decide os rumos do tradicionalismo pelos próximos 12 meses. A participação de todos os tradicionalistas é de fundamental importância para o movimento organizado. Lagoa Vermelha: Breve Histórico Lagoa Vermelha surgiu do pouso de tropeiros que iam por caminhos de São Borja a Bom Jesus .Foi muito conhecida no ramo agropecuário e por suas grandes madeireiras. Hoje, é um dos polos moveleiros do Rio Grande do Sul, conhecida como Capital Nacional do Churrasco e da Comida Campeira e como cidade da Amizade. Realiza o Rodeio Crioulo Internacional de dois em dois anos. No ano de 2017 comemora 136 anos de emancipação política. PROGRAMAÇÃO 9h – Sessão solene de Abertura 9h30 – 1ª Sessão Plenária 12h – Intervalo para Almoço 13h30 – Momento Cultural 14h – 2ª Sessão Plenária 16h – 3ª Sessão Plenária 18h – 4ª Sessão Plenária 20h – Sessão de Encerramento. COMISSÃO EXECUTIVA Presidente: Marília Dornelles Fone: 54 99904 0193 Vice-presidente: Marcos Avila Fone: 54 99971 8454 Tesoureiro: Yuri Rosa - 54 99911 8270 Éverton dos Passos - 54 99668 8133 Edroaldo Dalla Santa - 54 99669 1302 Secretaria: Ivanir M. de Lima Fone: 54 99646 4508 CTG Alexandre Pato Fone: 54 3358 3230 Informações Importantes - As inscrições devem ser realizada com antecedência pela internet, no site do MTG; - Os crachás serão entregues no credenciamento até as 11 horas, eles são a confirmação de presença; - A retirada dos certificados acontecerão somente no final do evento. - Haverá janta disponível na sexta-feira a noite no CTG Alexandre Pato. - Voltagem: 220 W - Código de área: 54 REFEIÇÕES: Sexta-feira - Jantar: carreteiro, pão e salada - RS 15,00 Sábado - Almoço: churrasco, quirera, arroz, feijão, pão, salada - R$30,00 Sábado - Jantar: vaca atolada, arroz, pão, saladas - R$ 15,00

[close]

p. 4

4 Ano XV - Edição 190 Junho de 2017 PROSEANDO COM TENÊNCIA Por Rogério Bastos CASOS & ACASOS Folclore, populário ou diversidade cultural Costumamos ouvir as diversas formas de nomenclaturar as culturas populares espontâneas – No século XIX, Apolinário Porto Alegre chamou de ‘populário’, universalmente conhecemos por ‘folclore’ (folk – conhecimento e lore – povo) e, no Brasil, século XXI, costumamos ouvir chamarem de diversidade cultural. Mas, que é folclore? — A ciência que estuda em todos os seus pormenores as manifestações populares sob todos os aspectos. Só é folclore, porém, o que não tem autor definido, o que nasceu do seio do povo sem a marca específica da paternidade. Compreende o folclore, o populário, ou mesmo a diversidade cultural - tudo quanto anda por aí, quer cantado, quer recitado, quanto à música e à poesia, quer falado, como os contos e lendas, ou ainda o que diz respeito aos usos e costumes: vestuários, modos de vida, religião, crendices e superstições, danças, etc. Tudo o que nasceu do povo, que surgiu do meio dele e se tornou popular, patrimônio geral e comum. Curso de Folclore da CGF A Comissão Gaúcha de Folclore, entidade associada à Comissão Nacional de Folclore e reconhecida pela UNESCO, criada em 23 de abril de 1948, está promovendo seu curso anual de folclore, dias 10, 11, 17 e 18 de junho, no Memorial do Rio Grande do Sul. Criada pelo folclorista Dante de Laytano, a CGF por muitos anos esteve dentro do IGTF promovendo a pesquisa do folclore do nosso estado. Em seu quadro de colaboradores estiveram nada mais, nada menos que Paixão Cortes, Rose Mari dos Reis Garcia, Lilian Argentina, Dante de Laytano, entre outros. Hoje o quadro está sendo renovado. Os cursos estimulam a criação de núcleos da CGF no interior do estado. Odilon Ramos – 50 anos de rádio No dia 21 de maio, no 35 CTG, uma domingueira com o Alma Gauderia marcou a festa de 50 anos de rádio de um das mais belas vozes do estado: Odilon Ramos. Muitos o lembram pelas poesias, a ‘Ave Maria do Peão’, ‘Que diacho, eu gostava do meu cusco’, ou mesmo pela Radio Liberdade FM. Muito além de tudo isso, Odilon Ramos é um ser humano iluminado e um grande cidadão. Em Santo Antônio da Patrulha, junto aos seus irmãos, continuam cantando o terno de reis. O Reisado vai do natal até o dia 6 de janeiro. Nesta noite toma um caráter especial que é o “cantar dos reis” – que eles executam com maestria. CFor tipo exportação Quando o Rio Grande do Sul promoveu seus primeiros cursos de formação tradicionalista, na primeira década dos anos 2000, não se tinha a noção de que chegaria ao atual número, com mais de dez mil participantes. O sucesso foi tão grande que outros estados da federação também passaram a promover os CFors. Mato Grosso do Sul, que já está em sua segunda edição. Paraná, que realizou em Francisco Beltrão, Maringá e agora, promove o terceiro em Cascavel. Brasília também já realizou um, bem como a Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha. Na busca pelo conhecimento, a procura por este tipo de curso está cada vez maior. Semana Farroupilha vem se achegando Para quem acha que os festejos farroupilhas estão distantes por que estamos no mês seis e, os festejos acontecem em setembro, mês nove, pode estar enganado. O tema já foi escolhido, o local do Acendimento da Chama, em agosto, também. Está próximo a escolha do Patrono Estadual. As reuniões já estão acontecendo e, em agosto, teremos o Acendimento da Chama na cidade de Mostardas. Neste momento já foi apertado o botão de “start” e o tempo voa. MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO Calendário do MTG - 2017 DATA 10 24 24 1 25 29 8 11 e 12 26 e 27 2 14 a 20 30 1 7 14 e 15 21 e 22 EVENTO PROMOÇÃO JUNHO DE 2017 4ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DIRETOR (Provas Ciranda e Entrevero Regional) - SEDE MTG 48ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS - FASE REGIONAL 30º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES - FASE REGIONAL MTG MTG MTG JULHO DE 2017 4ª REUNIÃO DE COORDENADORES E DIRETORES REGIONAIS PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES ENART 2017 83ª CONVENÇÃO TRADICIONALISTA MTG MTG MTG + 8ª RT AGOSTO DE 2017 SORTEIO DA ORDEM DE APRESENTAÇÃO DAS INTER-REGIONAIS DO ENART 2016 ACENDIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DA CHAMA CRIOULA 1ª INTER-REGIONAL DO ENART MTG MTG + 23ª RT MTG SETEMBRO DE 2017 5ª REUNIÃO CONSELHO DIRETOR MTG SEMANA FARROUPILHA 2ª INTER-REGIONAL DO ENART MTG + RTs MTG OUTUBRO DE 2017 2ª INTER-REGIONAL DO ENART 5ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CULTURAIS ACAMPAMENTO DA JUVENTUDE E TCHENCONTRO FEGADAN 3ª INTER-REGIONAL ENART MTG MTG LOCAL PORTO ALEGRE RTs RTs PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE LAGOA VERMELHA PORTO ALEGRE MOSTARDAS PORTO ALEGRE RS PORTO ALEGRE Data CURSOS JUNHO 2017 15 CAPACITAÇÃO DE JUIZES DE PROVAS CAMPEIRAS 18 CFOR BASICO EM SANTA MARIA 02 08 e 09 09 15 15 e 16 JULHO 2017 CFOR BÁSICO - SANTA ROSA CFOR AVANÇADO - MODULO I CFOR BÁSICO - SÃO GABRIEL CFOR BÁSICO - PORTO ALEGRE FORMAÇÃO DE POSTEIROS ARTÍSTICOS 1ª;2ª;6ª;11ª;12ª;15ª;16ª;22ª;23ª;24ª;25ª;26ª;27ª e 30ª Regiões Promoção Cidade MTG PORTO ALEGRE MTG + 13ª RT SANTA MARIA MTG + 3ªRT SANTA ROSA MTG PORTO ALEGRE MTG + 18ª RT SÃO GABRIEL MTG PORTO ALEGRE MTG PORTO ALEGRE Fique ligado! CFOR Básico Em Julho, na 20ª RT Três Passos/20ª RT Mais informações: cursos@mtg.org.br “Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso” (Malanie Klein)

[close]

p. 5

Ano XV - Edição 190 DEPARTAMENTO JOVEM Por: Kelvyn Krug Diretor Dpto Jovem do MTG Junho de 2017 CEVANDO O MATE 5 Por Sandra Veroneze “De grão em grão” Olhando para nossa sociedade, onde sabemos o preço de tudo, mas não sabemos o valor de nada, volvemos para o passado e para os verdadeiros valores do gaúcho, para o verdadeiro intuito das entidades tradicionalistas que perpassa gerações formando cidadãos de bem. Notamos uma grande decadência nos princípios, tanto éticos quanto morais e isso são frutos, muitas vezes da ambiguidade das pessoas que procuram somente poder. No tradicionalismo, em sua maioria, vemos grande parte das pessoas e suas ideias serem sufocadas e oprimidas por alguns que somente buscam prêmios e que preferem alimentar o próprio ego ao bem comum. Precisamos relembrar e trazer de volta os projetos sociais para nossas entidades, assim reafirmando o primeiro artigo da nossa carta magna, a Carta de Princípios, que diz: “I - Auxiliar o Estado na solução dos seus problemas fundamentais e na conquista do bem coletivo”. Com o “trabalho de formigui- nha” podemos ir muito mais longe, se cada um fizer sua parte, estaremos de grão em grão semeando nossa cultura para que tenhamos ela viva durante muito tempo e para que as futuras gerações possam seguir unidas dentro de um mesmo meio, dentro do mesmo ambiente, fazendo com que todos tenham orgulho de “fazer o bem, sem olhar a quem”, praticando a parábola do “bom samaritano”. Seguindo na linha tênue entre fazer o bem e estar bem, devemos conscientizar todas as famílias e todos os tradicionalistas, que podemos fazer o bem para muitas pessoas, que com os projetos sociais podemos ter um grande alcance, levando a cultura para os que, infelizmente, não têm a oportunidade de conhecer nossa cultura, sem esperar resultados e sem focar em ganhos para o hoje, pois como uma semente, que é preciso plantar e bem cuidar, para no futuro germinar, podemos plantar a semente da tradição e colher uma grande quantidade de “soldados” que estarão de pé para a defesa do nosso Rio Grande do Sul. Santa Maria sediará Cfor Básico Sandra Veroneze O Movimento Tradicionalista Gaúcho realiza, no dia 18 de junho, o curso de Formação Tradicionalista – Cfor Básico, em Santa Maria. O conteúdo programático contempla História do Rio Grande do Sul; História do Tradicionalismo Gaúcho; Noções básicas da Cultura Gaúcha; Carta de Princípios; Gestão de Pessoas: liderança, relacionamento interpessoal e gerenciamento de conflito e Voluntariado. As inscrições, ao custo de R$ 65,00, podem ser feitas pelo link http://www. cursos.mtg.org.br/formulrio-cfor-basico-mtg. O curstrooiasn.epdrfá1m07i/n03is/2t0r1a7d2o2:4n1:2o5 CTG Sentinela da Querência, Bairro Camobi. Mais informações podem ser obtidas pelo email cursos@mtg.org.br. Foto: Mauro Heinrich Quem é a imprensa Curso de Assessoria de Imprensa - Junho 2017 Normalmente nos referimos à imprensa de maneira geral. ‘A imprensa não gosta de tradicionalismo; a imprensa fala mal de CTG; a imprensa destacou nosso evento...’ O assessor de imprensa até pode, enquanto balanço, enquanto média, analisar dessa forma, mas no dia-a-dia de seu trabalho jamais deve cometer esse erro. O assessor de imprensa, mais do que ninguém, deve ter presente que existem jornalistas e jornalistas, repórteres e repórteres, editores e editores, radialistas e radialistas e que isso deve ser levado em conta. Os anos de experiência à frente da assessoria de imprensa do MTG me permitiram identificar alguns ‘tipos’ mais comuns na cobertura da pauta tradicionalista. De maneira lúdica, como brincadeira, desenhei esses perfis. Vejamos. O profissional – Fortemente comprometido em dar a melhor informação. Faz perguntas, conversa com várias pessoas, pede material de pesquisa, telefona depois para confirmar detalhes, acompanha o evento, não se importa de ficar um pouco mais, é fiel ao que é falado, segue critérios jornalísticos. As matérias, via de regra, são muito boas. O cumpridor de tabela – Visivelmente não gostaria de estar aí. Sente-se deslocado, com pouca vontade de aprofundar seu entendimento sobre a pauta. Mas cumpre a tarefa, muitas vezes de maneira até exemplar. O do contra – Tem um gosto pela ‘antipauta’ (acabei de inventar essa palavra). Faz perguntas provocativas e atua mais ou menos como o advogado do diabo, o que não significa que suas matérias, necessariamente, serão negativas. O consultor – Normalmente alguém com experiência em tradicionalismo ou apaixonado pelo tema. Passa boa parte do tempo opinando sobre como as coisas deveriam ser. Suas matérias costumam ser recheadas de opinião. O fiscal – Tem a mesma postura do repórter ‘do contra’, com a diferença de que só dará pauta negativa. É o repórter, por exemplo, que irá até seu evento para fotografar a poça de água e criticá-la, mesmo que no palco esteja se desenrolando uma belíssima programação artística. O operador de telemarketing – Quer fazer tudo por telefone. Não conhece pessoalmente ninguém e nunca pisou na sede da instituição – ou até fez isso, muito remotamente. Suas matérias podem ser muito boas. Reitero aqui que essa classificação é uma mera brincadeira, que torna mais divertida a execução das atividades de assessoria de imprensa. Na prática, todos devem ser tratados com respeito e profissionalismo por parte do assessor. E como lidar com os perfis menos simpáticos à causa tradicionalista? Essa é uma decisão da entidade, que poderá decidir por não fazer qualquer tipo de distinção ou até mesmo não atender. É importante frisar que uma entidade não tem obrigação de dar entrevistas, se assim desejar. Da mesma forma, o assessor de imprensa não é obrigado a enviar releases para determinados jornalistas, se essa for a política da entidade. A prática, porém, demonstra que animosidades costumam gerar resultados negativos. Manter um bom relacionamento é sempre a melhor estratégia. Continua no próximo mês. Em caso de dúvida, escreva para mim: imprensa@mtg.org.br. C M Hámaisde 15anosDandovozÀnossa tradição! Y CM MY Entre em contato, temos a estrutura completa para o seu evento. CY CMY K 5499112.1085 troiansonorizacao@gmail.com

[close]

p. 6

6 ESPAÇO DACBTG Ano XV - Edição 190 Junho de 2017 14º FENART 19 de Julho de 2017 - QUARTA-FEIRA 08h Recepção e credenciamento dos Participantes. Encaminhamento das Secretaria Hospedagens e acampamento na área de camping do CTG. Recepção 14h Reunião da Comissão Organizadora do 14º FENART com a Diretoria da CBTG e Salão A Presidentes das Federações. do CTG 15h Reunião das Federações 14º FENART com a Diretoria da CBTG para supervisão Salão A dos recintos de apresentações (palcos e salões). do CTG 17h Reunião das Federações e Comissão Técnica do 14º FENART para apresentação do modelo da Mostra Vídeo Fotográfica Pioneiros do CTG em Mato Grosso, para ajustes finais. Salão A do CTG 18h Encerramento das Atividades do Dia. Salão A do CTG 20 de Julho de 2017 - QUINTA-FEIRA 08h Continuidade da Recepção e credenciamento dos Participantes. Encaminhamento Secretaria das Hospedagens e acampamento na área de camping do CTG. Recepção 09h Passagem do Palco reconhecimento e marcação dos pontos de atuação nos salões de danças e apresentações. Salões Palcos A e B Salões Palcos Tendas C, D e E 12h Intervalo para o Almoço Todos os Recintos 14h Continuação Passagem do Palco reconhecimento e marcação dos pontos de atuação nos salões de danças e apresentações. Salões Palcos A e B Salões Palcos Tendas C, D e E. 18h Abertura da Mostra Vídeo Fotográfica Pioneiros do CTG em Mato Grosso. Salão Tenda 1 21 de Julho de 2017 - SEXTA-FEIRA 8h30 Reunião da Comissão Organizadora do 14º FENART com a Diretoria da CBTG e Presidentes das Federações para Credenciamento da comissão avaliadora. Salão A do CTG 9h30 Reunião das Federações e Comissão Técnica do 14º FENART com a Diretoria Artística do CBTG para o Sorteio da ordem de apresentações. Salão A do CTG 10h30 Reunião da Comissão Técnica, Avaliadores e Diretores Artísticos (Posteiros) para os ajustes finais das apresentações Salão A do CTG 15h Início das Danças de Salão - Mirim e Juvenil. Salão A do CTG 15h Chula - Fase Classificatória - Mirim e Juvenil. Salão B do CTG *19h Abertura Oficial do NACIONAL 2017 com a presença de autoridades Municipal, Estadual e Nacional. Salão A do CTG 22 de Julho de 2017 - SÁBADO 08h Visitação à Mostra Vídeofotográfica Pioneiros CTG em Mato Grosso Salão Tenda 1 08h Danças Tradicionais - Fase Classificatória - Juvenil e Adulto Salão A do CTG 08h Danças Tradicionais - Fase Classificatória - Mirim e Veterana Salão B do CTG Apresentação musical de Violão: Veterano, Adulto, Juvenil e Mirim; Apresentação 08h musical de Gaita de botão até 8 baixos: Veterano, Adulto, Juvenil e Mirim; Salão Palco Apresentação musical de Gaita de botão mais de 8 baixos: Veterano, Adulto, Tenda C do CTG Juvenil e Mirim. 08h Apresentação de Declamação - Veterana, Adulta (Prenda/Peão); Apresentação Salão Palco de Causo - Categoria Única. Tenda D do CTG 08h Intérprete Individual - Mirim e Juvenil (Prenda/Peão); Conjunto Vocal - Mirim, Salão Palco Juvenil, Adulto e Veterano. Tenda E do CTG 12h Intervalo para o Almoço Todos os Recintos 14h Danças Tradicionais - Fase Classificatória - Juvenil e Adulto Salão A do CTG 14h Danças Tradicionais - Fase Classificatória - Mirim, Veterana e Xirú Salão B do CTG Apresentação musical de Violão: Veterano, Adulto, Juvenil e Mirim; Apresentação 14h musical de Gaita de botão até 8 baixos: veterano, Adulto, Juvenil e Mirim; Salão Palco Apresentação musical de Gaita de botão mais de 8 baixos: Veterano, Adulto, Tenda C do CTG Juvenil e Mirim. 14h Apresentação de Declamação - Veterana, Adulta (Prenda/Peão); Apresentação Salão Palco de Causo - Categoria Única. Tenda D do CTG 14h Intérprete Individual - Mirim e Juvenil (Prenda/Peão); Conjunto Vocal - Mirim, Salão Palco Juvenil, Adulto e Veterano. Tenda E do CTG 16h Danças Gauchescas de Salão - Adulto e Veterano. Salão Palco A 16h Apresentação de Dança Chula - Fase Classificatória - Adulto e Veterano. Salão Palco B 23 de Julho de 2017 - DOMINGO 08h Visitação à Mostra Vídeo fotográfica Pioneiros CTG em Mato Grosso Salão Tenda 1 08h Danças Tradicionais - Fase Final - Mirim, Juvenil e Adulto Salão Palco A 08h Danças Tradicionais - Fase Final - Xirú, Veterano e Mirim Salão Palco B 08h Apresentação de Gaita de Boca - Categoria Única; Apresentação de Gaita Piano - Juvenil, Adulto, Mirim e Veterano; Salão Palco Tenda C 08h Apresentação de Declamação - Mirim e Juvenil (Prenda/Peão); Apresentação de Trova em ‘‘MI Maior’’ - Categoria Única; Apresentação de Trova de Martelo - Categoria Única Salão Palco Tenda D 08h Intérprete Individual - Adulto e Veterano (Prenda/Peão). Salão Palco Tenda E 12h Intervalo para o Almoço. Todos os Recintos ** Apresentação de Dança Chula - Fase Final - Mirim, Juvenil, Adulto e Veterano. Salão Palco B ** Danças Birivas. Salão Palco A 18h Cerimônia de Encerramento do 14º FENART. Salão Palco A 19h Encerramento da Mostra Vídeo fotográfica Pioneiros do CTG Mato Grosso. Salão Tenda 1 18º RODEIO CRIOULO NACIONAL DE CAMPEÕES 19 de Julho de 2017 - QUARTA-FEIRA 08h Recepção das Comitivas, Hospedagem e Acampamento. 20 de Julho de 2017 - QUINTA-FEIRA Sec. Campeira 09h Recepção e Credenciamento das Comitivas, Hospedagem e Acampamento Sec. Campeira 10h30 Reunião da Diretoria da CBTG, Campeiros das Federações. Presidentes das Federações e Diretores Secretaria Campeira 15h30 Credenc. de Juízes, Narradores e Reunião c/ Comissão Organizadora e Técnica Sec. Campeira 15h30 Laçada Livre (Aberto a todos). Cancha 1 18h Momento da Oração. Cancha 1 21 de Julho de 2017 - SEXTA-FEIRA Laço Diretoria MTG - 5 Armadas / Laço Dupla - Rapaz, Guri, Piá, Prenda Mirim, Prenda Juvenil, Prenda, Peão, Irmãos e Pai e Filho - 5 Armadas / Laço Individual 08h - Veterando, Vaqueano e Patrão CTG - 5 Armada. / Laço Diamante - 5 Armadas. Cancha 1 Laço Seleção - Rapaz, Guri, Piá, Prenda Mirim, Prenda Juvenil, Prenda Adulta, Peão, - 3 Armadas. / Gineteada - 1ª Eliminatória 09h Laço Equipe - Piazinho e Piazito - 3 Armadas. Laço Dupla - Piazinho e Piazito - 5 Armadas. Vaca Parada. Cancha 3 14h Vaca Parada. Laço Equipe - Prendinha e Bonequinha - 3 Armada. Laço Dupla Prendinha e Bonequinha - 5 Armada. Cancha 3 18h Momento da Oração Cancha 3 *19h Solenidade de Abertura do 18º Rodeio Crioulo de Campeões Cancha 3 22 de Julho de 2017 - SÁBADO Laço Diretoria MTG - 3 Armadas. / Laço Dupla - Rapaz, Guri, Piá, Prenda Mirim, Prenda Juvenil, Prenda, Peão, Irmãos e Pai e Filho - 3 Armadas. / Laço Individual 08h - Veterando, Vaqueano e Patrão CTG - 3 Armadas. / Laço Diamante - 3 Armadas. Cancha 1 Laço Seleção - Rapaz, Guri, Piá, Prenda Mirim, Prenda Juvenil, Prenda Adulta, Peão, - 5 Armadas. / Gineteada - 2ª Eliminatória 09h Vaca Parada / Laço Dupla - Piazinho - 3 Armadas; Laço Dupla - Piazito - 3 Armadas; Laço Equipe - Piazinho - 5 Armadas; Laço Equipe - Piazito - 5 Armadas. Cancha 3 14h Vaca Parada / Laço Dupla - Prendinha - 3 Armad. Laço Dupla - Bonequinha - 3 Armad. Laço Equipe - Prendinha - 5 Armad. Laço Equipe - Bonequinha - 5 Armadas Cancha 3 Provas de Rédeas Cronômetro / Rédeas Prenda Mirim; Rédeas Piá; Rédeas 14h Prenda Juvenil; / Rédeas Guri; Rédeas Prenda Adulta; Rédeas Vaqueano; Cancha 2 Rédeas Veterano; Rédeas Peão; 18h Momento da Oração Cancha 1 23 de Julho de 2017 - DOMINGO Laço Diretoria MTG - 3 Armadas. / Laço Dupla - Rapaz, Guri, Piá, Prenda Mirim, Prenda Juvenil, Prenda, Peão, Irmãos e Pai e Filho - 3 Armadas. / Laço Individual 08h - Veterando, Vaqueano e Patrão CTG - 3 Armadas. / Laço Diamante - 3 Armadas. Cancha 1 Laço Seleção - Rapaz, Guri, Piá, Prenda Mirim, Prenda Juvenil, Prenda Adulta, Peão, - 5 Armadas. / Gineteada - 2ª Eliminatória 09h Vaca Parada / Laço Dupla - Piazinho - 3 Armadas; Laço Dupla - Piazito - 3 Armadas; / Laço Equipe - Piazinho - 5 Armadas; Laço Equipe - Piazito - 5 Armadas. Cancha 3 14h Vaca Parada / Laço Dupla - Prendinha - 3 Armad.; Laço Dupla - Bonequinha - 3 Armad. / Laço Equipe - Prendinha - 5 Armad. Laço Equipe - Bonequinha - 5 Armad Cancha 3 Provas de Rédeas Cronômetro / Rédeas Prenda Mirim; Rédeas Piá; Rédeas 14h Prenda Juvenil; Rédeas Guri; Rédeas Prenda Adulta; Rédeas Vaqueano; Rédeas Cancha 2 Veterano; Rédeas Peão; 14h Solenidade e Desfile das Delegações Participantes da Campeira; Cancha 1 18h Solenidade de Encerramento Cancha 1 8º JOGOS TRADICIONALISTAS 21 de Julho de 2017 - SEXTA-FEIRA 08h Recepção e credenciamento dos Atletas, Hospedagem e acampamento. Sec. Esportes 16h Início Bocha Regra Mundial Respect. locais 18h30 Prazo Final para a entrega dos dctos dos inscritos e possíveis alterações justificadas Sec. Esportes 18h30 Reunião das Comissões Organizadora, Técnica, Árbitros, Atletas e Diretores Esportivos. Secretaria de Esportes *19h Abertura Oficial dos 8º Jogos Tradicionalistas. Palco A 22 de Julho de 2017 - SÁBADO 08h Início do Bolão - Prenda e Peões Ginásio 08h Início Bocha Regra Mundial - Prenda e Peões. Ginásio 10h Início Bocha Campeira Respect. locais 14h Início do Jogo de Solo. Ginásio 23 de Julho de 2017 - DOMINGO 08h Continuação Início do Bolão - Prenda e Peões. Ginásio 08h Início do Truco Cego e Truco Amostra, Continuação da Tava e do Tetarfe e Bocha Respectivos 48, se for o caso. locais 10h Término dos Jogos Tradicionalistas. Ginásio 14h Solenidade de Encerramento e Premiação. Ginásio Solenidade de Premiação - Logo após o término dos jogos de cada modalidade, preferencialmente, no local onde forem realizadas as provas

[close]

p. 7

Ano XV - Edição 190 Junho de 2017 7 FESTIVAIS Por Vinicius Brum ESPAÇO CGF/FSH Por: Paula Simon - Folclorista RODA CANTO Chegamos, nesta viagem pelas Calhandras de Ouro da Califórnia da Canção Nativa, ao ano de 1975, entre os dias 11 e 14 de dezembro ocorre a quinta edição do festival uruguaianense. O caminho percorrido até aquele momento proporcionou o surgimento de uma diversidade criativa que acabou por deflagar a discussão (que parece perdurar, principalmente nos meios identificados com o tema) sobre qual seria a “verdadeira” canção regional gaúcha (será que é possível recortá-la com tamanha precisão?). Entre “vanguardas” e “conservadorismos” muitos panos renderem a confecção de intermináveis mangas. Mas, concretamente, com a intenção (no meu entendimento mais didático-pedagógica do que estética), para amainar os efeitos das acaloradas discussões, foram criadas a partir dessa edição as famosas “Linhas da Califórnia”: Campeira, Manifestação Rio-grandense e Projeção Folclórica (esta mais tarde rebatizada como Manifestação Livre). Uma ação que visava dar espaço à grande diversidade criativa que o próprio evento havia originado. A Linha de Manifestação Rio-grandense foi vencida por “Cordas de espinho” de Marco Aurélio Vasconcelos e Luiz Coronel, na interpretação de Ivo Fraga; a de Projeção Folclórica coube a “Piquete do Caveira” de Kledir Ramil e José Fogaça, interpretada (como consta na contracapa do LP) por Kledir e Kleiton Ramil (Almondegas); e “Roda Canto” de Mário Barbará e Apparício Silva Rillo, na voz privilegiada de Luiz Eugênio, venceu a Linha Campeira e também foi destacada com a Calhandra de Ouro. “Meu canto chega de longe, vem na garupa do vento[...], da furna funda do tempo”. São os versos iniciais de “Roda Canto”. Uma canção que se procura, que investiga sua própria existência. E que se descobre, talvez numa evocação quase mítica em seu refrão: “Sangue, sol, sêmen, semente...”. Assim como recorta uma (provisória!?) origem quando diz que vem do “grito da bugra amando o primeiro branco”, também se perde imemorial afirmando vir “do pai, do pai de meu pai...”. A roda do canto do homem parece ser infinita. “Rumo, rancho e razão [...], roda, rodado, rodando...”. Cantando, seguimos. Sessão solene presta homenagem aos tradicionalistas A ATS, 5ª Região Tradicionalista e Movimento Tradicionalista Gaúcho receberam reconhecimento por suas destacadas atividades Aline Guimarães A Câmara de Vereadores realizou uma sessão solene em homenagem ao tradicionalismo gaúcho. A proposta foi do presidente Paulo Henrique Lersch (PT), subscrita por todos os vereadores, sendo que foram homenageadas a Associação Tradicionalista Santacruzense (ATS), a 5ª Região Tradicionalista e o Movimento Tradicionalista Gaúcho. Autor da homenagem, o presidente Paulo Henrique Lersch destacou que o tradicionalismo gaúcho é uma das mais importantes formas de manifestação de cultura da população do Estado. “O povo gaúcho é apaixonado pelo seu Estado, pois vive a história de seus antepassados, cultivando os costumes dos povos antigos até os dias atuais, utilizando os símbolos da cultura gaúcha como hábitos familiares que pas- sam de geração para geração”, observou. No ano de 2016, o MTG completou cinco dé- cadas de uma entidade que está entre as maiores da sociedade brasileira. São mais de 1.700 entidades filiadas e quase um milhão de associados. No Brasil possui oito federações e uma Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha. No exterior há mais de 20 núcleos em que a cultura, a história e os costumes do Rio Grande são vivenciados diariamente. A Confederação Internacional da Tradição Gaúcha reúne Brasil, Argentina e Uruguai na mesma ideia de preservação da cultura gauchesca. Durante a sessão foram realizadas diversas apresentações de grupos dos CTGs de Santa Cruz do Sul, numa bela demonstração das atividades culturais realizadas dentro pelas entidades tradicionalistas. Foto: Jacson Miguel Stülp Sessão prestou homenagem aos tradicionalistas Um pouco sobre maio e as noivas Mesmo já tendo passado o mês de maio, vale discutirmos um pouco sobre ele. Não se sabe exatamente desde quando ele foi consagrado como mês das noivas. A Igreja Católica sugere que por ser o mês da consagração de Maria, Mãe de Jesus, é por extensão dedicado àquelas que desejam ser mães. Não por acaso é o mês em que se comemora o Dia das Mães. Outra explicação pode ter origem nas tradições no hemisfério norte, maio é associado à primavera, época de renascimento, reflorescimento, de vida nova e novas esperanças. A chegada de maio e com ele a primavera é celebrada com flores em homenagem à natureza Não existe registro ou citação bíblica sobre o assunto. Sabe-se que a cerimônia tradicional de casamento se firmou entre os anos 1534 e 1539. Nesta época tornou-se cerimônia aberta, em local público, tendo um representante da igreja presidindo a cerimônia. Até então era cerimônia reservada, na maioria das vezes contratos de interesses familiares, principalmente entre membros da nobreza. Na Roma antiga as festas de maio eram dedicadas a Maya, mãe de Mercúrio, filha de Atlante e mulher de Júpiter. Na antiguidade o mês preferido para casar era junho, quando em Roma se festejava Juno, deusa das mulheres e dos casamentos. Juno, filha de Saturno, esposa de Júpiter, deusa do casamento (assimilada com a deusa grega Hera e como constatamos também com Maya). Autores e estudiosos da mitologia divergem quanto a identidade da deusa, mas de qualquer forma sabemos que em cada região os deuses assumiam uma forma e nomes diferentes. No Brasil os santos casamenteiros são Santo Antônio, São João, São Gonçalo, Nossa Senhora de Lourdes e Nossa Senhora da Conceição. Muitas superstições e crendices estão associadas à cerimônia do casamento: O noivo não deve ver a noiva pronta antes da cerimônia no dia do casamento; O casamento deverá se realizar em dia de semana, nunca em domingo; A noiva deverá usar no dia do casamento uma peça nova, uma usada, uma emprestada e uma azul; Os alfinetes e agulhas usadas na confecção do vestido de noiva trazem sorte; A noiva não deve usar pérolas no dia do casamento, cada pérola representa uma lágrima que irá chorar; Toda a roupa e calçado usados na cerimônia devem ser usados pela própria até gastar, dando-os para alguém dará parte de sua felicidade; Ajudar a noiva a se vestir traz boa sorte para as amigas; Escrever o nome das amigas/amigos na sola do sapato dos noivos ou num papel e colocar dentro do sapato para que logo aconteçam novos casamentos; Durante a cerimônia lembrar mentalmente o nome das amigas/amigos, também ajuda para que casem logo. O casamento não deve acontecer no dia 26 de julho, dia de Sra. Santana porque a noiva morrerá de parto. Chuva no dia do casamento atrai felicidade e jogar arroz nos noivos atrai fortuna. Muitas outras existem, impossível conhecer ou citar todas.

[close]

p. 8

8 Ano XV - Edição 190 Junho de 2017 NOTÍCIAS Colaboração: Jeferson Quadros ECO ENTREVISTA Entidades do Delta do Jacuí empossaram novas patronagens No mês de março, as entidades CTG Caudilho Guaibense e CTG Darci Fagundes realizaram um jantar, com baile em suas sedes sociais para apresentar suas novas patronagens aos seus associados e a comunidade. Estas equipes serão as responsáveis por administrar os galpões de suas respectivas entidades durante a gestão de 2017. O CTG Caudilho Guaibense realizou o evento no dia 10 de março, onde proporcionou um belíssimo jantar e um grande baile com o grupo D’Marca Gaúcha. Na ocasião a Subcoordenadoria do Delta do Jacuí aproveitou o evento para fazer a sua posse festiva para também apresentar sua equipe. Já o CTG Darci Fagundes realizou sua posse no dia 18 de março, com o galpão lotado como é de costume, quando a entidade apresenta sua nova patronagem aos associados e frequentadores do CTG. O baile ficou a cargo do Conjunto “Os Gaudérios Fandangueiros”. No sábado, 06 de maio, duas entidades estiveram realizando uma festividade para apresentar suas novas patronagens a sua comunidade, amigos tradicionalistas e entidades co-irmãs. O DTG Berço Farroupilha realizou um jantar com baile, onde foi servido um rodízio de massas e o baile com o Grupo Força Campeira. O DTG Estancia Farroupilha também empossou a sua patronagem na Associação AMOVIJAR no bairro Vila Iolanda. O tradicionalismo e a comunidade escolar em Guaíba Não é de hoje que existe uma ligação muito forte do tradicionalismo com a comunidade escolar. Conseguimos visualizar em maior quantidade este convívio, na semana farroupilha, onde as escolas visitam muito o Sítio Histórico e a Casa de Gomes Jardim. Mas existe durante o ano todo várias ações que são realizadas onde os tradicionalistas visitam as escolas, conversando com os Foto: Jeferson Quadros Guaíba promoveu aproximação com a escola alunos e levando um pouco da cultura gaúcha para a sala de aula. O CTG Darci Fagundes realizou um almoço para auxiliar a Escola Municipal Zilá Paiva Rodrigues Jardim, do bairro Jardim dos Lagos e, com isso, fazer uma integração entre a tradição e a educação. O CTG Caudilho Guaibense através do Projeto: “MTG e a Comunidade Escolar” organizado pelas prendas da entidade: Prenda Mirim Therlly Boneberger, Prenda Juvenil Emillym Rasche e a Prenda Adulta Maria Borges, levou para a entidade quatro turmas da Escola Municipal Santa Rita de Cássia, totalizando 85 crianças, que aprenderam um pouco sobre a cultura gaúcha através de oficinas e ganharam presentes, recheados de balas, bombons e chocolates. CTG de Curitiba faz visita ao Berço da Revolução Farroupilha No sábado, dia 29 de Abril, a cidade de Guaíba recebeu os tradicionalistas integrantes do CTG 20 de Setembro, da cidade de Curitiba/PR. Saíram do Paraná, em comitiva, para serem homenageados na cidade de Porto Alegre, pela Comissão Gaúcha de Folclore e conhecer a cidade, ‘Berço da Revolução Farroupilha’ além, é claro, da cidade da Barra do Ribeiro onde se localiza a Fábrica de Gaiteiros. Em Guaíba e na Barra do Ribeiro foram recepcionados pela Subcoordenadoria do Delta do Jacuí, através do subcoordenador Jeferson Quadros, e das secretárias Thalita Marjana e Danielle Motta. Os visitantes ficaram deslumbrados pelo Sítio histórico, Casa de Gomes Jardim, Vitrine Cultural e pela Fábrica de Gaiteiros. Como base de “acampamento” os visitantes ficaram no CTG Laço da Querência, do Clube do Professor Gaúcho. Foto: Rogério Bastos Subcoordenadoria de apoio à visita do CTG Do Berço da Revolução vem a 3ª Prenda do RS Ela já foi 3ª Prenda Juvenil do Rio Grande do Sul. Nathália Rodrigues, 21 anos, natural de Guaíba. Iniciou suas atividades no Movimento aos cinco anos, no CTG Darci Fagundes e, atualmente, faz parte do DTG Caiboaté, desde 2013, quando se integrou ao departamento de tradições do Colégio Estadual Augusto Meyer, onde cursou o ensino médio. Nathalia é acadêmica, do 6º Semestre do Curso de Ciências Biológicas, na UFRGS. Eco – Depois de já ter sido prenda juvenil do estado, qual a emoção de voltar a alcançar o objetivo? Cada Ciranda Cultural de Prendas que participo, a emoção e os sentimentos aflorados são diferentes se comparados com anteriores. Esta 47ª Ciranda de Prendas me deixou muitos ensinamentos que me proporcionaram a reflexão de conceitos como amizade, companheirismo e caráter. Certa de que cargos são passageiros, procurei doar-me nesta Ciranda, dar o meu melhor na execução de cada prova, proporcionar felicidade aos tantos amigos, familiares e tradicionalistas que me acompanhavam! Vivi muitos sentimentos, desta vez com mais maturidade, afinal meus planos com 16 anos, não eram mais os mesmos com 21 anos. Fui feliz do início ao fim... Apenas me importando em dar orgulho aos meus! Tenho uma família maravilhosa que me acompanha, apoia e sonha os meus sonhos, por isto se os fizesse feliz, me realizaria! Escutar mais uma vez o nome chamado no baile da entrega de resultados é uma emoção incrível, e quem já teve a oportunidade nem sequer sabe descrever. É a certeza do trabalho bem realizado e de que estamos no rumo certo! É a recompensa por tanta doação até aqui! Encerro minha participação nas Cirandas com a sensação de dever cumprido, dei o meu melhor presente em Bagé: a minha verdade! Afinal, nunca devemos perder a nossa essência seja em quaisquer das situações, é ela que nos move na concretização dos nossos objetivos! Eco – Como foi a tua preparação para este concurso de diferente do anterior? A categoria adulta nos requer mais responsabilidades, dedicação e empe- nho. Devemos estar certas dos caminhos a qual queremos traçar e para isto trabalhar muito no desenvolvimento das atividades regionais e da entidade visando a promoção e o fortalecimento de nossa cultura por meio do núcleo cultural. Com a rotina um pouco mais ocupada do que a 5 anos atrás, procurei otimizar o pouco tempo que possuía, afim de não “desperdiçá-lo” e aproveitá-lo ao máximo para o estudo. A faculdade e as muitas disciplinas que faço me tomam muito tempo, seja para estudar para provas, fazer trabalhos ou no deslocamento até a UFRGS (utilizo 4h do meu dia, somente do trajeto de minha casa à Universidade), logo eu tracei estratégias que me beneficiariam: lia os livros da bibliografia no ônibus, completava meus questionários no Catamarã, confeccionava cartazes entre uma aula e outra ou ainda, gravava a mostra folclórica/prova artística para ir escutando durante o percurso. Com tudo isso, paralelamente auxiliava o Peão Farroupilha da 1ª RT, Renan Marques, no comando da gestão regional. Logo, houve muita abdicação de saídas com os amigos, de ir ao cinema, mui- tos “nãos” que ditos conscientemente me tornaram o que sou atualmente! Eco – Qual a ideia de planejamento para esta gestão? Igualmente quando fui Prenda Juvenil do RS quero trabalhar muito em prol da nossa cultura, das nossas tradições, usos e costumes, inspirando ainda mais prendas a trilharem seus caminhos e sonharem a possibilidade de serem Prendas Estaduais. Os planos consistem em realizar muitas palestras, eventos, para que todo conhecimento adquirido seja repassado, mas que eu também possa receber a energia e a troca de experiências de tantos tradicionalistas do nosso Rio Grande, afinal numa simples roda de mate já estamos repassando valores, propósitos e cultura entre as diferentes gerações. Acima de tudo, continuo a mesma Nathália – que foi a indiasinha mirim e depois juvenil – preservando os sentimentos que me movem até aqui e pregando sempre a humildade! Por fim, e como um planejamento não só de gestão, mas de vida transmito-lhes o pensamento de Cora Coralina: “Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas!” TEMA SEMANA FARROUPILHA 2017: “FARROUPILHAS: IDEALISTAS, REVOLUCIONÁRIOS E FAZEDORES DE HISTÓRIA”

[close]

p. 9

Ano XV - Edição 190 ECO ENTREVISTA Junho de 2017 9 Ela soube administrar o tempo Conheça Renata da Silva, a para chegar onde queria 1ª Prenda do Rio Grande Caroline Reolon Scariot, 20 anos, natural de Lajeado, atualmente cursando o 7º semestre da graduação em direito, no Centro Universitário Univates, em Lajeado. É gerente administrativa na empresa Criathiva Cortinados. Caroline é associada ao CTG Tropilha Farrapa, entidade a qual participa desde os 10 anos e pela qual conquistou o título de 2ª Prenda do Rio Grande do Sul. Eco – Como foi a tua preparação para esta ciranda? A minha preparação para participar de uma Ciranda Estadual de Prendas começou desde o primeiro ano em que entrei para o meio tradicionalista. Sempre foi um sonho para mim, por isso desde o meu ingresso no CTG Tropilha Farrapa participo de cirandas, tanto em suas fases internas, como regional, mas no ano de 2016 consegui o tão almejado titulo de 1ª prenda da 24ªRT, o qual foi meu passaporte para poder realizar a primeira etapa de meu sonho: representar a minha região perante o Estado inteiro. De lá para cá os preparativos foram mais intensos. Infelizmente precisei abrir mão dos ensaios com a minha invernada, precisei readequar meus horários de trabalho e de estudos na faculdade, tudo para poder conciliar com a minha rotina de preparação para a Ciranda. Mas apesar de ter sido um ano intenso, com horários apertados, valeu cada minuto, pois em nenhum momento deixei de lado meus amigos ou familiares, os quais, aliás, foram peças fundamentais para a conquista desse objetivo. Eco – Ao chegar em tua cidade, qual a emoção ao ser recebida como 2ª prenda do RS? Certos momentos que vivemos são impossíveis de descrever em palavras, somente quem vive emoções como esta é que sabem o valor que elas têm. Por mais que eu me esforce, jamais encontrarei palavras suficientes para demonstrar toda a minha felicidade e gratidão por todo o carinho que me foi transmitido quando da minha chegada em Lajeado. Trazer este título inédito para a 24ªRT foi a realização de um sonho pra mim e para muitas pessoas que estiveram ao meu lado desde o início da minha caminhada, e ver esta alegria, esta realização, estampada no rosto de todos aqueles que me receberam foi muito emocionante, mas é uma emoção diferente de qualquer outra que já senti, um turbilhão de sentimentos que resultaram em lagrimas e sorrisos. Foi um momento incrível que jamais será esquecido! Eco – Quais as tuas expectativas para a gestão? Trabalho, trabalho e mais trabalho. Fazer jus a estes cargos que nos foram concedidos e dar orgulho a todos aqueles que confiaram em nós para estarmos à frente da juventude do Rio Grande do Sul. Passados 50 anos da criação do nosso Movimento, estamos vivendo um período de transição, e como representantes dos jovens tradicionalistas, nossa missão é dar auxilio e orientação a estes jovens, pois, como disse nosso sábio presidente Nairo Callegaro: Esta nova geração dos 50 anos é responsável por este período de transição, com o discernimento de mesclar com a experiência e sabedoria de todos. A Bajeense Roberta Jacinto entregou sua faixa de primeira prenda do estado para a jovem Renata da Silva, do CTG M’bororé, de Campo Bom. Renata tem 26 anos e é natural de Gramado, atualmente mora em Campo Bom. Tem formação técnica em Administração de Empresas, atuando como Assistente Administrativo em uma indústria do ramo da construção civil em sua cidade. “Iniciei minha caminhada tradicionalista no CTG Desgarrados da Querência, em Sapiranga, mas desde o ano de 2004 estou no CTG M’Bororé, de Campo Bom” – conta Renata. Eco – Em 2003/2004 fostes a 1ª Prenda Mirim do RS, lá em Arvorezinha, qual a emoção de voltar a representar a tua região como prenda estadual? Eu tive o privilégio de ser Primeira Prenda da 30ª RT nas três categorias. E, em ambas as ocasiões, pude colher os frutos do trabalho movimentando o departamento cultural com eventos e maiores participações das entidades tradicionalistas. Volto a ocupar o cargo de prenda estadual com um misto de nostalgia e também honraria. Quando fui prenda mirim, o título veio de surpresa. Na categoria juvenil, fiquei em sexto lugar na Ciranda Estadual. E agora, alcançando o título máximo, só tenho a agradecer por tamanha alegria que este Movimento me proporcionou na vida. Diferente de outras crianças que almejavam profissões para seus futuros, o meu maior desejo sempre foi ser Prenda do RS. Eco – A 30ª RT este ano venceu o Entrevero, agora levou duas faixas de 1º lugar mirim e adulta. Na tua opinião, ao que se deve este crescimento tão forte? Creio que seja ao trabalho consciente e as boas parcerias que firmamos ao longo do caminho. Não se conquista tantos títulos em uma única gestão trabalhando individualmente. Eu tive este mesmo privilégio em 2003 quando a 1ª Prenda Juvenil e o 1º Peão Farroupilha também foram da 30ª RT. Claro que além do trabalho em equipe, grande parte do sucesso se deve a força de vontade pessoal, a competência e responsabilidade com que nos empenhamos para bem representar nossas entidades. Chegamos ao Entrevero e a Ciranda cientes da importância da nossa participação, mas especialmente esclarecidos da nossa vontade. Eco – Qual o planejamento para a gestão? Ao longo dos últimos meses a Diretoria do MTG tem instigado os tradicionalistas para repensarem seus valores e suas atitudes. Creio que a maior contribuição que nossa gestão possa dar, neste sentido, é servir como exemplo e inspiração para esta retomada de consciência. Já debatemos nossa filosofia e o que se espera para o futuro, é chegada a hora das novas lideranças (Prendas e Peões) agirem. Mais do que começar a escrever a história dos próximos cinquenta anos da federação, nossa geração está honrando os setenta anos da ação pioneira do Departamento de Tradições Gaúchas do Julinho. E estas datas comemorativas são sempre um incentivo a mais para trabalharmos. Espero também poder contribuir para uma percepção mais esclarecida do que é de fato o Movimento Tradicionalista Gaúcho, principalmente para aquelas pessoas que nos acompanham de fora. Como disse em minha prova oral, é nosso papel divulgar e promover de forma responsável os nossos autênticos motivos regionais. São eles que agregam valor a causa que amamos, que nos tornam dignos e também diferentes dos demais. TEMA QUINQUENAL: “PROJETO SOCIAL MTG - VOLUNTARIADO”

[close]

p. 10

10 Ano XV - Edição 190 Junho de 2017 Campo Bom tem seu nome registrado na hi Silva e Cecília Scholz, do CTG M’Bororé con Renata conquistou pela primeira vez o privilégio de Campo Bom, na 30ª RT, sediar a Ciranda Cultural de Prendas, no ano de 2018. A 30ª RT Fotos: Rogério Bastos Presidente Nairo Callegaro fazendo sua manifestação na abertura Renata da Silva, em sua prova artística A jovem Renata da Silva carrega consigo um privilégio que são poucos os que conseguem. Em 2003 ao conquistar a faixa de 1ª Prenda Mirim do RS, pelo CTG Desgarrados da Querência, de Sapiranga, ela entrava para a história da 30ª RT, como a primeira a conquistar tal título, por sua região, naquela categoria. Passados 14 anos, ela repete o feito, para a cidade de Campo Bom e, também para a 30ªRT, como 1ª Prenda da categoria adulta. Na história de Novo Hamburgo, que hoje pertence a esta RT, no ano de 1991, a filha, do já falecido Conselheiro do MTG, Danilo Franzen, a jovem gaiteira Daniela Franzen, conquistava o título de 1ª Prenda do RS, mas naquela época a cidade de Novo Hamburgo pertencia à 12ªRT. A Ciranda Cultural de Prendas é o concurso mais antigo do calendário oficial do MTG e escolhe, anualmente, dentre as candidatas, aquelas que melhor representem as virtudes, a dignidade, a graça, a cultura, os dotes artísticos, a beleza, a desenvoltura e a expressão da mulher gaúcha. Fazem parte da Ciranda avaliações escrita, artística, oral, caracteres pessoais, mostra folclórica ou arte tradicional e relatório de atividades. O presidente do MTG, Nairo Callegaro, destacou o sucesso do evento, com forte mobilização das regiões tradicionalistas. “O futuro da nossa entidade está nas mãos destas novas lideranças, que demonstram conhecimento e paixão pelo tradicionalismo, não medindo esforços para fazer o melhor sempre”, afirmou. Um fandango oficial que lotou as dependências do Ginásio do Col Isadora Santin Fochi durante a sua Mostra Folclórica Prendas da gestão 2016/2017 no baile onde foi anunciado o resultado Nathalia Rodrigues durante a Mostra Folclórica A Madrinha Dona de uma trajetória invejável no culto as tradições gaúchas, a jovem que nasceu em Charqueadas, na 2ªRT, foi prenda do RS por Tapes, na 16ªRT, reside hoje em Lajeado, na 24ª RT, onde trabalha na Beonoit, Ana Paula e Vieira Labres foi homenageada na condição de “madrinha” da 47ª Ciranda Estadual de Prendas. Com a temática “O livro dos sonhos”, ele foi componente de um destes capítulos. Ana Paula começou sua trajetória tradicionalista na Escola Alcides Conte, de São Jerônimo, onde morava e dançava no grupo mirim da escola. Aos poucos ela foi se destacando e chegou à 3ª Prenda do Rio Grande do Sul, gestão 2005/2006, quando representou o CTG Província de São Pedro, de Tapes, na 16ª RT. “Vivam intensamente cada momento de suas vidas, trabalhem com amor pelo tradicionalismo e tirem de todas essas experiências somente aquelas que lhes tenham feito felizes, aceitem as dificuldades e superem as decepções acreditando em Deus e lembrando-se da frase de Fernando Pessoa: que tudo vale a pena quando a alma não é pequena” – disse Ana Paula. Prendas da CBTG e Peões do Paraná apreciando a Ciranda Coordenadores Regionais presentes, apoiando suas candidatas TV Tradição fez a transmissão da Ciranda de Prendas

[close]

p. 11

Ano XV - Edição 190 Junho de 2017 11 istória das Cirandas de Prendas. Renata da nquistam duas faixas de 1ªs Prendas do RS T e o M’Bororé ainda levaram a faixa da 1ª Prenda Mirim do RS, com manina Cecília Scholz. Região Tradicionalista está embalada em 2017 3º Prenda Mirim do RS Betina de Faria Hugo CTG Sepé Tiaraju São Lourenço do Sul- 16ª RT 2º Prenda Mirim do RS Gabriela Cavasin CTG Gaudérios do Rodeio Rodeio Bonito - 28ª RT 1º Prenda Mirim do RS Cecília Scholz CTG M´Bororé Campo Bom - 30ª RT légio Auxiliadora, com animação do Grupo Querência, de Pelotas Mostra Folclórica do concurso foi no Ginásio do Auxiliadora 3º Prenda Juvenil do RS Júlia Calvi da Silva CTG Sangue Nativo Parobé - 22ª RT 2º Prenda Juvenil do RS Maria Fernanda Freitas CTG Sentinela do Jarau Quaraí - 4ª RT 1º Prenda Juvenil do RS Isadora Santin Fochi CTG Presilha Serrana São Domingos do Sul - 7ª RT Roberta Jacinto (D) visitando a mostra da Renata da Silva Ex-Prenda do RS, Ana Paula Labres foi madrinha da Ciranda 3º Prenda do Rio Grande do Sul Nathália Rodrigues DTG Caiboaté Guaíba - 1ª RT 2º Prenda do Rio Grande do Sul Caroline Reolon Scariot CTG Tropilha Farrapa Lajeado - 24ª RT 1º Prenda do Rio Grande do Sul Renata da Silva CTG M´Bororé Campo Bom - 30ª RT

[close]

p. 12

12 NOTÍCIAS Ano XV - Edição 190 Junho de 2017 Websérie sobre Carta de Agora, MTG inicia websérie Princípios foi sucesso sobre a Chama Crioula Sandra Veroneze Um sucesso! Assim avalia o presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Nairo Callegaro, sobre o desempenho da websérie de cards na página do Facebook da entidade, que abordou a Carta de Princípios. “Fizemos um post por dia, ao longo de um mês inteiro, com cada um dos objetos da nossa Carta de Princípios e a adesão foi muito expressiva”, avalia. No total, as postagens conquistaram 864 likes, 13 comentários, 535 compartilhamentos e o alcance chegou a 71.821 internautas. Os núme- ros foram considerados expressivos pelo presidente, considerando a pouca tradição do MTG na utilização de mídias sociais. “Estamos ainda num momento embrionário, testando os melhores formatos”, afirma. A utilização das mídias sociais não apenas para informação, mas também formação, é uma das estratégias do MTG para promover cultura entre os tradicionalistas. “O sucesso desta primeira websérie motiva a continuar o trabalho e já temos outra saindo do forno”. Novidades em breve, afirmou. 1ª Região promove o VIII Festinil A coordenadoria da 1ª RT comemorou a oficialização de mais uma edição do Festinil – Festival Juvenil Regional. Após tratativas com Gravataí, o CTG Aldeia dos Anjos confirmou o interesse e vai ajudar a organizar o evento em sua sede. “Só temos a agradecer a patronagem do CTG Aldeia dos Anjos que entendeu a importância do evento e colocou-se a disposição para sua realização” – comemorou o Coordenador Luiz Henrique Lamaison. O VIII Festinil acontecerá dias 17 e 18 de junho no CTG Aldeia dos Anjos, em Gravataí, sob a supervisão do departamento artístico da 1ª Região Tradicionalista. As aventuras da terra gaúcha no DC Shopping O projeto cultural ‘Aventuras da Terra Gaúcha’ começou com a gravação de um CD de temática infantil, com canções educativas que enfocam o folclore e as tradições, os costumes gaúchos como o chimarrão e o churrasco, as datas comemorativas como a Semana Farroupilha, Páscoa, Dia da Criança e Natal, além das lendas gaúchas do Boitatá e Negrinho do Pastoreio. As composições do CD são de autoria de Binho Pires, Érlon Péricles e Rogério Pinheiro, será interpretado pelo compositor e cantor nativista Érlon Péricles e seus convidados, que farão uma viagem pela ‘Terra Gaúcha’. Os convidados são: Cristiano Quevedo, Shana Muller, Luiz Carlos Borges, Gisele Guimarães, Gabriel Selvage, Zelito, Rogério Pinheiro na narração e os cantores mirins Manoela Souza e Cássio Castilhos. As preservações ecológicas e do meio ambiente também estão presentes, além dos temas que tratam dos valores da família e do amor às coisas do Rio Grande. Todas as músicas foram compostas utilizando-se os ritmos gaúchos aculturados no Rio Grande do Sul, como a vaneira, xote, milonga, bugio, valsa, rancheira, chamamé e canção, e a linguagem utilizada em alguns momentos, também remete a expressões faladas pelo gaúcho. Nos dias 18 e 25 de junho o espetáculo acontece no Teatro Novo – Sala Carmen Silva (shopping DC Navegantes) em Porto Alegre. Sandra Veroneze A página do Facebook do Movimento Tradicionalista Gaúcho, nas próximas semanas, será palco de websérie sobre a Chama Crioula. A exemplo da iniciativa anterior, que abordou a Carta de Princípios, o objetivo é promover cultura entre os tradicionalistas e utilizar as mídias sociais não apenas como espaço para informação, mas também formação. Segundo o presidente do MTG, Nairo Callegaro, a websérie sobre a Chama Crioula terá o diferencial de não abordar o passado, mas sim o futuro. “Vamos informar onde a Chama será acesa e distribuída até o ano de 2044”, afirma. Segundo Callegaro, o evento é sempre muito aguardado pelos tradicionalistas e encarado pelos municípios com muito respeito. “A cada acendimento reverenciamos esse evento, que é o marco de tudo que vivemos hoje no tra- dicionalismo, e que em 2017 está completando 70 anos”, afirmou. A foto de fundo é do tradicionalista Mauro Heinrich. A nova websérie começa a circular na segunda-feira, dia 15 de maio. Da trilogia “A Casa das Sete Mulheres, vem aí: “Travessia” Letícia Wierzchowski, Thiago Lacerda e Luiz Marenco contam e cantam o amor de Anita e Giuseppe Garibaldi em lançamento do livro “Travessia” , o terceiro da trilogia. No sábado,17, história, ficção, amor e música estarão reunidos em um evento em Gramado. O lançamento do último título da trilogia farroupilha, da autora gaúcha Letícia Wierzchowski. O evento vai contar com as presenças do ator Thiago Lacerda - que adotou a cultura gaúcha após interpretar vários papeis de nossa história e cultura - e também do cantor e compositor Luiz Marenco. A escritora Letícia Wierczhowski se prepara para encerrar um ciclo iniciado em 2002. No dia 17 de junho a autora sobe a serra e lança em Gramado “Travessia”, o terceiro volume da trilogia farroupilha composta até então pelos livros “A Casa das Sete Mulheres” (2002) e “Um Farol no Pampa” (2004). Marcado para às 19h30 o lançamento da nova obra acontece em Gramado, no Wish Serrano, e terá duas participações especiais: o ator Thiago Lacerda e o cantor Luiz Marenco. A proposta do evento é promover um bate-papo entre os convidados sobre o assunto central do novo volume: a história de amor entre Anita e Giuseppe Garibaldi. Letícia vai abordar aspectos característicos de Anita Garibaldi, mulher cuja coragem tornou-se lendária e Thiago Lacerda vai trazer o lado de Giuseppe Garibaldi, personagem que interpretou quando o primeiro livro da trilogia – “A Casa das Sete Mulheres” – virou minissérie de TV. Para o cantor e compositor Luiz Marenco a tarefa será cantar a história de amor e batalhas vividas pelos dois personagens históricos. A mediação do encontro será feita pela jornalista Adriana Silveira. Veja abaixo como participar: Quando: Dia 17 de junho (sábado) Horário: 19h30 Local: Wish Serrano Resort (Av. das Hortênsias, 1480 – Gramado) Ingressos: R$ 80 (oitenta reais) na Santho Aroma (Gramado), Empório Canela, Star Vídeo e D’arte Espaço Multicultural, todas em Canela. TEMA SEMANA FARROUPILHA 2017: “FARROUPILHAS: IDEALISTAS, REVOLUCIONÁRIOS E FAZEDORES DE HISTÓRIA”

[close]

p. 13

Ano XV - Edição 190 CURSOS Junho de 2017 SAÚDE EM FOCO 13 Por: Mauro Gimenez Médico Santa Rosa e São Gabriel sediarão Cfor Básico Sandra Veroneze O Movimento Tradicionalista Gaúcho realiza, no dia 02 de julho, o curso de Formação Tradicionalista – Cfor Básico, em Santa Rosa. O conteúdo programático contempla História do Rio Grande do Sul; História do Tradicionalismo Gaúcho; Noções básicas da Cultura Gaúcha; Carta de Princípios; Gestão de Pessoas: liderança, relacionamento interpessoal e gerenciamento de conflito e Voluntariado. As inscrições, ao custo de R$ 65,00, podem ser feitas pelo link http://www.cursos.mtg.org.br/formulario-cfor-patronagem-9art O curso será ministrado no CTG Sepé Tiaraju (Avenida América, 1262) São Gabriel O município de São Gabriel será sede, no dia 09 de julho, do Curso de Formação Tradicionalista – Cfor Básico. O evento acontecerá no CTG Caiboaté (Rua Tristão Pinto, 928, centro), realizado pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho. O conteúdo programático será o memso desenvolvido na cidade de Santa Rosa . As inscrições, ao custo de R$ 65,00, podem ser feitas pelo link http://www. cursos.mtg.org.br/formulario-cfor-patronagem-20rt Capacitação de Juízes de Provas Campeiras na sede do MTG No dia 15 de junho, na sede do MTG, em Porto Alegre, acontece a Capacitação de Juízes de Provas Campeiras. São requisitos, para interessados, ter pelo menos 21 anos de idade, pertencer a alguma entidade tradicionalista, possuir cartão tradicionalista válido, ser indicado pelo coordenador regional e conquistar pelo menos 70% de aproveitamento na capacitação. O investimento é de R$ 150,00 e as inscrições podem ser feitas no link http://www.cursos.mtg. org.br/untitled Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail cursos@mtg.org.br. MTG representado no encontro do MinC O Movimento Tradicionalista Gaúcho esteve representado pela jornalista e produtora cultural Lara Lindenmeyer no primeiro encontro do Ministério da Cultura (MinC) sobre a Lei Rouanet no Sul do País, que ocorreu no início desta semana em Porto Alegre. Mais de 300 pessoas se inscreveram nas turmas dos dias 29 e 30 para conhecer a nova versão do Sistema de Apoios às Leis de Incentivo à Cultura (Salic) e esclarecer dúvidas sobre as regras trazidas pela Instrução Normativa nº 1/2017 Foto: Divulgação Lara Lindenmeyer para o incentivo fiscal da Lei. No evento, apresentaram palestras Odecir Luiz Prata da Costa - Diretor de Incentivo à Produção Cultural; Vicente Finageiv Filho - Coordenador-Geral de Admissibilidade e Aprovação e Rômulo Menhô Barbosa - Coordenador-Geral de Normatização e Orientação. Os técnicos da Sefic esclareceram as principais linhas de ação referentes às temáticas de maior impacto que foram alteradas pelas novas normas de utilização dos incentivos fiscais. A discussão abordou a requalificação do processo com redução de custos e prazos, maior democratização de acesso aos projetos, garantia de desconcentração a recursos incentivados, maior controle na fiscalização das ações com a implementação de controle social e institucional, além de mais segurança a partir da implementação de trilhas de segurança recomendadas ao MinC pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União. A nova versão do Salic ainda trouxe alterações no processo de cadastro das propostas, principalmente nas etapas do plano de distribuição e planilha orçamentária. Gripe A Meus amigos. Nestes tempos de mudanças de clima, umidade, frio, acontecem as manifestações de infecções respiratórias virais. Dentre estas infecções, uma em especial chama a nossa atenção: A gripe H1N1. Esta gripe foi inicialmente conhecida como gripe A. As primeiras formas do vírus H1N1 foram descobertas em porcos, mas as mutações conseguintes o tornaram uma ameaça também aos seres humanos. Como todo vírus considerado novo, para o qual não costumam existir métodos preventivos, o vírus mutante da gripe H1N1 espalhou-se rapidamente pelo mundo. A gripe H1N1, como qualquer gripe, pode afetar pessoas de todas as idades, mas, no período em que houve pandemia, notou-se que o vírus infectou mais pessoas entre os cinco e os 24 anos. Foram poucos os casos de gripe H1N1 relatados em pessoas acima dos 65 anos de idade. Por que nos preocupamos tanto com este vírus?? A grande maioria dos casos de H1N1 é muito parecida com a gripe comum: Febre alta, tosse, dor de cabeça, dores musculares, falta de ar, espirros, dor de garganta, fraqueza, coriza, congestão nasal, etc. Porém, as complicações que este vírus podem causar é o que preocupa e que faz com que tenhamos que procurar a vacinação para tal doença. A principal complicação é a Insuficiência Respiratória que pode inclusive levar ao óbito. Na minha opinião, todas as pessoas deveriam ser vacinadas, pois já existiram muitos casos de óbitos fora dos chamados “grupos de risco”. Portanto, meus amigos, se apresentarem sinais e sintomas semelhantes aos que citei, devem procurar assistência médica e fazer uma avaliação rigorosa. Existem medicamentos antivirais, que se administrados no inicio dos sintomas, evitam a complicação principal. Também cabe ressaltar que quem estiver com o quadro, é recomendável que não frequente ambientes fechados ou aglomerados de pessoas, pois o contágio se dá via direta, através de gotículas de saliva, espirros, tosse, etc. Vamos para os rodeios e os eventos tradicionalistas!! Mas se não estiver vacinado e apresentar sintomas gripais, esperamos o próximo evento. Ficamos em casa de repouso. Até a próxima!!! Organização do Acampamento Farroupilha em estágio avançado Sandra Veroneze Faltando pouco mais de três meses para o Acampamento Farroupilha de Porto Alegre, o Movimento Tradicionalista Gaúcho trabalha em ritmo acelerado. O presidente da entidade, Nairo Callegaro, comemora o estágio avançado da organização do evento, amplamente debatida e alinhavada com a Administração Municipal de Porto Alegre. “Todos sabemos que não haverá aporte de recursos financeiros públicos, mas isso não nos intimida”, afirma o presidente. Até o momento, segundo ele, patrocínios já foram captados e aproximadamente 70% da programação cultural e artística do Acampamento está definida. Segundo ele, estão também garantidas as atividades para o público infantil e também apaixonados pelas lides campeiras. Para realização dos desfiles temático e tradicional as equipes de trabalho estão se reunindo e definindo detalhes. “Não estamos medindo esforços para oferecer um grande espetáculo e a parceria da prefeitura em tudo que toca regulamentações e cessão da área nos dá bastante tranquilidade para trabalhar”, afirma. Foto: Divulgação Presidente Nairo Callegaro TEMA ANUAL: “RESGATANDO OS LEGADOS DE 47 - 70 ANOS DA CHAMA CRIOULA E DO GRUPO DOS OITO”

[close]

p. 14

14 Ano XV - Edição 190 TROPEANDOVERSOS Por: Carlinhos Lima Diretor Departamento de Manifestações Poéticas Junho de 2017 AMPLIANDOHORIZONTES Por: Manoelito Carlos Savaris Conselheiro Vaqueano do MTG e da CBTG A importância dos festivais de poesia CONSTRUTORES DO RIO GRANDE Como já sabemos, a arte da declamação no Rio Grande do Sul é muito anterior ao tradicionalismo. Os tradicionalistas souberam se apropriar dela com sabedoria e competência, sendo hoje uma das principais manifestações artísticas, propagada tanto nas rodas de mate, como nos palcos. No início os próprios poetas divulgavam os seus trabalhos, até surgir a figura dos declamadores, que deram asas à produção literária crioula, levando os versos desde os galpões mais simples até os palcos mais nobres. Surgiram as competições, os rodeios, o Enart... que, se por um lado acirrou algumas vaidades individuais, por outro deu maior visibilidade e crescimento a esta arte tão maravilhosa, tão apaixonante, que faz pessoas viver por ela e para ela. Tínhamos as nossas referências, os nossos “monstros sagrados”, poetas crioulos universais, eternos e imortais. Mas era preciso mais... a produção literária atual também precisava ser incentivada e proporcionada. Surgiram, então, os festivais de poesia, festejando talentos já consagrados e dando oportunidade para o surgimento de novos talentos, mentes privilegiadas nos brindando, a cada temporada, com belíssimos temas recheados de telurismo e ou- tros com temas cada vez mais atuais, todos com aquela alma de galpão, com aquela essência crioula, que nos faz cada vez mais gaúchos. Os festivais existentes ainda são poucos comparados aos de música, mas a cada ano surgem novos palcos para a poesia, mostrando o crescimento desta arte e o aumento do público que se interessa por ela. Só nos últimos quatro anos foram criados cinco novos e grandes festivais. Alguns dos festivais não são realizados pelo movimento tradicionalista organizado, mas convivem em perfeita harmonia e sintonia, sendo, inclusive, o público tradicionalista o seu maior consumidor. O sucesso cativou um público cada vez mais fiel, tornando os auditórios e salões cada vez mais lotados, fazendo com que os organizadores sintam a necessidade de pensar em alternativas para a realização destes eventos. Felizmente esta é a realidade atual da nossa poesia. No grande galpão do infinito, sentados em cepos de nuvens brancas, ao redor do fogo-de-chão da eternidade, Dom Jaime, Aureliano, Rillo, Tocaio, Nico, Lessa e tantos outros vates crioulos nos olham sorridentes e cheios de luz, felizes por ver a sua plantação frutificando... fartura pra alma gaúcha! Estância da Poesia promove oficinas literárias No Rio Grande do Sul, à exemplo do Brasil de hoje é quase impossível manter em funcionamento qualquer tipo de empreendimento. A crise em geral faz as pessoas pensarem que, se não der prejuízo, já está “loco de bom”. Se nas empresas com grandes estruturas e aportes financeiros (inclusive do governo) já é difícil, imaginem conservar, por mais de meio século, uma entidade literária. Pois a Estância da Poesia Crioula vai cruzando os tempos e as dificuldades sem afrouxar o garrão e promovendo seus saraus mensais, seus encontros administrativos semanais e sempre se mantendo a testa dos projetos culturais que envolvam a arte da poesia. Logo após voltar de Santiago, onde vai interiorizar pela primeira vez as comemorações de seu aniversário, no mês de junho, a Academia Xucra do Rio Grande promove importantíssimos encontros na forma de oficinas literárias, intituladas “O Fazer Poético”, em cursos ministrados pelo seu associado, pajador e pesquisador da temática “poesia”, Paulo de Freitas Mendonça. “Serão momentos de aprendizados e aprimoramentos das técnicas de produção de poemas que servem, até mesmo às pessoas de renome no meio, pois é comum um poeta não saber a estrutura de uma métrica espinela, por exemplo, ou mesmo o que seja uma rima pobre, rica, ou metrificar um simples verso quando este o exige” – afirma Leo Ribeiro de Souza, poeta, compositor e ex-presidente da EPC. O curso acontece todas as terças-feiras, em dois horários: Das 14h30 às 16h30 ou das 19h às 21h. A duração será de 42 horas, com certificação da Estância da Poesia Crioula. O período de inscrição vai de 1º a 04 de junho. Inscrições pelo e-mail projetodecultura@bol.com.br “A História de um povo só poderá ser bem interpretada, conhecendo-se a vida e a obra de seus filhos maiores”. (Walter Spalding) GIUSEPPE MARIA GARIBALDI Giuseppe Garibaldi, nasceu em Nice, na Itália (atualmente Nice pertence à França), em 4 de julho de 1807, é conhecido como “herói de dois mundos”, por ter participado de importantes episódios da história da Europa e da América do Sul. No ano de 1834 fugiu de Gênova para não ser executado após condenado à morte por “traição à pátria” após fracassado motim, retornando à Itália somente no ano de 1848. No período em que esteve ausente da Europa Garibaldi foi corsário, comandante da “marinha” farroupilha e combatente no Uruguai. Como integrante do movimento Giovani Itália, de Mazzini, se encarregaria de difundir o republicanismo na América do Sul. A chegada de Garibaldi no Rio de Janeiro, em 1836, como foragido político, propicia o seu encontro com Luigi Rossetti e o conde Tito Lívio Zambeccari, amigo de Bento Gonçalves da Silva e um dos principais estrategistas farroupilhas. Foi através da ação de Zambeccari que Garibaldi recebeu do Presidente da República Rio-grandense, Bento Gonçalves, a “Carta de Corso” que o autorizava a realizar atos de pirataria e saque a navios. A bordo do navio “Mazzini”, Garibaldi e sua tripulação realizaram várias ações corsárias na costa sul do Brasil e no rio da Prata, até que em 1837 chegou a Piratini, capital da República Rio-grandense. Foi às margens da Laguna dos Patos que Ga- ribaldi construiu os “lanchões” com os quais patrocinou vários pequenos combates com a marinha do Governo Imperial, até que em junho de 1939 realizou uma das mais destacadas façanhas farroupilhas ao transportar, por terra, usando uma centena de juntas de bois, os dois lançhões “Rio Pardo” e “Seival”, desde o rio Capivari até a foz do rio Tramandaí. Após naufragar com o lanchão “Rio Pardo” na altura de Torres, Garibaldi segui a cavalo para Laguna onde se juntou a David Canabarro e aos tripulantes do “Seival” participando da tomada daquela localidade e da proclamação da “República Catarinense”, em 29 de julho de 1939. Foi em Laguna que Garibaldi conheceu Ana Maria de Jesus Ribeiro, mas conhecida por “Anita”, com quem teve cinco filhos no curto período de dez anos. O primeiro filho, Menotti, nasceu em Mostardas, outros três nasceram em Montevidéu, entre 1941 e 1947 e estava grávida do quinto filho quando morreu em agosto de 1849, em território italiano. Entre os anos de 1841 e 1847 Garibaldi viveu no Uruguai onde integrou a força naval, chegando ao posto de general durante a guerra contra o ditador argentino Juan Manuel Rosas. De volta à Itália foi decisivo na campanha que resultou na unificação daquele país. No velho continente, Garibaldi é tratado e venerado como herói nacional italiano. Garibaldi se caracterizou por ter sido um fervoroso republicano, marinheiro por vocação, combatente e corsário, antiescravagista e um patriota. Faleceu no dia 2 de junho de 1882, em Caprera, uma ilha do Mar Mediterrâneo, onde está enterrado. Jaguarão com diversas atividades culturais Os jovens do município fronteiriço que compõe a 21ª Foto: Rogério Bastos Região se organizaram para promover atividades culturais que julgaram importantes para Jaguarão Com apoio da Coordenadoria da 21ªRT, a APAE e os departamentos jovens do CTG Lanceiros da Querência, PTG Pealo Amigo e PTG Raízes da Fronteira, promovem dia 09 de julho, as 14h, no auditório do Sindicato Rural da cidade, palestras culturais. Os temas escolhidos pela Coordenadora Regional, Silvania Zart Valle Affonso, foram: A origem do gaúcho, história do tradicionalismo, Chimarrão uma nova visão e Gestão cultural – Construindo entidades sólidas. Coordenadora da 21ª RT Silvania Affonso TEMA SEMANA FARROUPILHA 2017: “FARROUPILHAS: IDEALISTAS, REVOLUCIONÁRIOS E FAZEDORES DE HISTÓRIA”

[close]

p. 15

Ano XV - Edição 190 NOTÍCIAS Junho de 2017 15 Fegadan será em Antônio Prado Nota de Esclarecimento e Repúdio O Movimento Tradicionalista Gaúcho confirmou nesta semana a realização do Fegadan – Festival Gaúcho de Dança, no município de Antônio Prado, na 8ª Região Tradicionalista. Segundo o vice-presidente Artístico, José Roberto Fishborn, uma parceria com a Prefeitura Municipal e o ACTG Cancela do Imigrante está sendo desenhada para levar ao município o mais importante evento de danças gaúchas de um estilo mais espontâneo, alicerçado nas obras de João Carlos Paixão Côrtes e Luiz Carlos Barbosa Lessa. Segundo projeções iniciais, o evento deve acontecer nos dias 14 e 15 de outubro, juntamente com a Fegachula – Festival Gaúcho de Chula. As categorias contempladas são Danças tradicionais (mirim, juvenil, adulta, veterana e xiru) e Danças Birivas do Tropeirismo Gaúcho. Paralelo ao concurso principal também haverá competições de Indumentária mais autêntica, Musical mais autêntico e mais fiel aos temas apresentados e Melhor acampamento. Segundo o presidente do MTG, Nairo Callegaro, a entidade busca consolidar um novo modelo de parceria com entidades e gestores públicos, de forma a garantir a sustentabilidade dos eventos. Mais novidades em breve. Oficinas de cucas e bolachas caseiras nos Tauras da Colina No dia 11 de maio, o CTG ‘Os Tauras da Colina’ realizou oficinas de cucas e bolachas caseiras com os oficineiros: Mariza Briato, Luciano Moby e Fatima Ribeiro. “Como a 22ª RT esta localizada em uma região de colonização alemã, onde as cucas e bolachas são muito apreciadas, resolvemos realizar estas duas receitas” – conta Marlene Oliveira, Diretora Cultural. A cuca, em especial na Alemanha, era servida somente em ocasiões especiais e festivas. Na 22ª Região é prato típico em festas, como a Kuchefest, em Rolante e na Oktoberfest, em Igrejinha. “Já as bolachas resgatamos uma receita artesanal, de doceiras aqui da região. Todas as duas receitas puderam ser degustadas pelos presentes ao final das oficinas práticas” - completou. Outras atividades culturais: O CTG Os Tauras da Colina promove atividades culturais permanentemente. No dia 08 de maio, foia a vez do campeirismo, a lida de campo – ‘debulhar milho’. No dia 13 visitaram o Lar do Idoso, de Igrejinha. Dia 08 de junho, promovem a palestra “Falando Fluentemente II”. Foto: Marlene Oliveira O Movimento Tradicionalista Gaúcho vem por meio desta esclarecer e repudiar um boato tornado público e que não condiz com a realidade, verdade e postura desta instituição em relação ao Acampamento Farroupilha 2017 – a de que não queremos a participação da Prefeitura Municipal de Porto Alegre na organização do evento. Em nenhum momento partiu desta presidência qualquer manifestação de não compartilhar da organização do evento com a Prefeitura de Porto Alegre. Ao longo da história desta instituição sempre foi fundamental a participação da Gestão Pública, afinal este é um evento da cidade de Porto Alegre, da população, de todos. Somos fiéis a nossos princípios de colaborar e contribuir com a gestão pública, sempre emparceirados. Alguns interesses contrários ao coletivo, mas usando em nome deste, implantaram esse boato maldoso, falso e mentiroso. Foi implantado por quem não tem interesse na construção, verdadeira e comprometida, do Acampamento Farroupilha. Como é do conhecimento de todos que acompanham os fatos, o diálogo com a Administração Municipal para a realização do Acampamento Farroupilha 2017 não é de agora. Esse é um trabalho que nem poderia ser tratado somente em junho, dado o tamanho do Acampamento e toda logística que envolve sua realização. Desde o início do ano estamos realizando várias reuniões com o Prefeito Marchezan e em diversas secretarias, portanto todos são sabedores da posição do MTG de ser parceira do Estado na busca de soluções para seus problemas, e que neste caso específico se manifesta em abrir mão do aporte de recursos financeiros públicos para a realização do evento mas que em nenhum momento significa não ter a prefeitura como organizadora. Já no começo do ano tomamos o conhecimento e o entendimento da Prefeitura quanto dificuldades para aporte de verbas para realização de eventos, o que, confessamos, não nos causou surpresa, considerando que os valores prometidos pela Administração Municipal inclusive com a assinatura de convênio já em 2016 não foi foram pagos, forçando uma postura mais austera e propositiva do MTG na captação de recursos para fazer frente aos compromissos assumidos. O MTG vem trabalhado desde janeiro para construção do Acampamento Farroupilha 2017, fazendo projetos de captação através de leis de incentivo, captação direta com empresas, organização na venda de espaços, ou seja, na estruturação do evento, tudo com o conhecimento, participação e anuência da Prefeitura, num trabalho que exigiu contato constante e inclusive reuniões com a Administração Municipal. Portanto, somos uma entidade agregadora, organizadora e eterna parceira do poder público na construção do bem coletivo e queremos a participação da Prefeitura Municipal de Porto Alegre como organizadora do Acampamento Farroupilha 2017. Esta é posição oficial do MTG. Não criamos boatos. Nós arregaçamos as mangas e trabalhamos arduamente, realizamos! Nairo Callegaro Presidente do MTG Foto: TV Tradição Oficina de cucas e biscoitos movimentou o CTG Os Tauras da Colina, em Igrejinha Parque da Harmonia, em Porto Alegre, durante o mês de setembro

[close]

Comments

no comments yet