Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

Junho/Julho/Agosto 2017 | Edição 30 Fatores que aumentam as chances de engravidar de gêmeos. Proteção contra assédio online às crianças e adolescentes. Crianças na cozinha: Aprendizado e diversão. Prpoobdleemmapsredjeuvdiiscãaor o desenvolvimento escolar. Maquiagem em crianças: até onde o uso é permitido?

[close]

p. 2

UMA BOA NOTÍCIA PARA VOCÊ E SEU BEBÊ: O HOSPITAL SÃO CAMILO AGORA FAZ PARTE DA REDE PRÓPRIA UNIMED. Se você tem qualquer plano da Unimed-BH, agora pode contar com o mais tradicional hospital pediátrico de Belo Horizonte. Com 31 especialidades, 320 médicos e capacidade para mais de 200 mil atendimentos por ano, o Hospital São Camilo é referência nacional no atendimento a crianças e adolescentes. Unimed-BH. Todo dia, um jeito melhor de cuidar. unimedbh.com.br

[close]

p. 3

ÍNDICE 10 16 28 4 O valor de educar para algo mais 6 O desafio de ser pai e não só gerar filhos 8 Qualidade é a chave para superar crise 10 Você recebe seu amor na sala de visita? 13 Criança não vem com manual 14 Fatores que aumentam as chances de engravidar de gêmeos 15 Diabetes infantil 16 A triste geração que tudo idealiza e nada realiza 12 Crônica com Guiomar de Grammont: filhos e netos 19 Problemas de visão podem prejudicar o desenvolvimento escolar 20 Manual de sobrevivência para filhos 21 Quem ama, educa 22 Proteção contra assédio online às crianças e adolescentes 24 Maquiagem em crianças: até onde é permitido? 26 Crianças na cozinha: aprendizado e diversão 28 Estória da borboletinha e do urubu 30 Férias de julho Capa Samyra Lopes Viana e Gabriela Lopes Viana, vencedoras do concurso “Criança da Capa”, categoria de 8 a 12 anos. Foto da capa: Catarina Paulino Contato: (31) 9477-1857 catarinamkt@yahoo.com.br Facebook: @catarinapaulinofotografia www.flickr.com/photos/catarinapaulino Expediente Junho, Julho, Agosto 2017 ANO 9 - Edição 30 Diretor: Leonardo de Paula Editora: Ana Paula Meireles Assessora Jurídica: Carolina Benetti Jornalismo: Luciana de Freitas e Flávia Penido Revisão de Texto: Cecilia Euterpe Design e Diagramação: Dircelan Souza Web Designer: Construsite Brasil Colunistas: Guiomar de Grammont, Emiro Barbini, Cida Lopes, Marina Melz, José Donizetti dos Santos, Elizabeth Amaral,Débora Menezes Silva Motta, Denise Campos Duarte,Renata Neres de Andrade, Flávia Filomena Rezende. Periodicidade: Trimestral Tiragem: 18 mil exemplares Os anúncios e informações publicadas são de inteira responsabilidade de seus autores. É permitida a reprodução total ou parcial do conteúdo desta revista, com prévia autorização. revistaplanetakids.com.br contato@revistaplanetakids.com.br Para anunciar e assinar ligue: (31) 3568.5001 RETIRE SUA REVISTA NOS NOSSOS PONTOS DE DISTRIBUIÇÃO: Shoppings Del Rey, Cidade, Boulevard, BH, Pátio Savassi, Loja Savassi, Paragem, Minas, Itaú Power, Estação, Big Shopping, Via Shopping, Betim Shopping. Blitz em escolas, parques, praças, clubes e eventos. Acompanhe nosso Facebook e saiba onde acontecerão as blitz. Escolas particulares atraves do SINEP-MG (Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais) NOVO SITE! WWW.REVISTAPLANETAKIDS.COM.BR CURTA nossa FAN PAGE no /revistaplanetakids @planetakiids Veja as edições on-line revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 4

PORTA VOZ DA EDUCAÇÃO! TRANSFORMANDO A HUMANIDADE ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO. O valor de educar para Algo mais! Educar continua sendo, mais do que nunca, uma das mais encantadoras das artes. E, com certeza, a mais desafiadora, sobretudo pelo fato de estarmos vivendo em tempos de profundas e vertiginosas mudanças em todos os setores da vida, sobretudo, no que se refere ao impacto das novas tecnologias. A sociedade nunca esteve tão exposta aos produtos da mídia como nos dias atuais. Tais tecnologias estão exercendo total fascínio nas crianças, nos jovens e, por que não dizer, nos adultos também, provocando mudanças extraordinárias, fundamentais e questionadoras na maneira de as pessoas enxergarem, interpretarem e se relacionarem com os outros e com a realidade do mundo. Já estamos vivendo intensamente os impactos da sociedade 3.0, descrita por Jonh Moravec, um estudioso sobre o futuro do trabalho e da educação. Ph.D pela Universidade de Minnesota, ele afirma que a sociedade se aproxima de um futuro cada vez mais complexo e ambíguo e que a mudança tecnológica impulsiona mudanças sociais com impactos cada vez mais acelerados. Segundo Moravec, nossas escolas, universidades e outras instituições baseadas no conhecimento devem saltar à frente da curva, para preparar pessoas capazes de sobreviver com desenvoltura no mundo altamente globalizado. A sociedade 3.0 é a sociedade da inovação, com três eixos condutores: 1. A aceleração das mudanças sociais e tecnológicas. 2. A globalização contínua. 3. A inovação impulsionada por “knowmads”, os trabalhadores nômades do conhecimento, inovadores, imaginativos, intuitivos, alfabetizados digitalmente, capazes de trabalhar em qualquer lugar e momento e com qualquer pessoa, que aplicam suas ideias e conhecimentos em diversos setores sociais, criam redes, aprendem permanentemente e não têm medo do fracasso. Tal sociedade, chamada do conhecimento, demanda uma concepção de educação como uma realidade presente durante toda a vida da pessoa e que pode se desenvolver em todos os âmbitos educativos. Nesse contexto, podemos referir-nos sobre a importância de potencializar uma educação para a plenitude humana, para bem mais além, inclusive, da busca do domínio dos vários conteúdos curriculares ou de cursos nas várias áreas do conhecimento humano. Assim, somos convidados a caminhar rumo a uma educação que possa contribuir com a formação de: Pessoas conscientes de si mesmas: capazes de conhecer seus potenciais e buscar maneiras de desenvolvê-los ao máximo, ao mesmo tempo em que busca conhecer e superar suas próprias limitações alcançando patamares inéditos de realização pessoal. Pessoas que buscam enxergar e viver a vida com otimismo e entusiasmo realista, descobrindo que o segredo da existência humana consiste em ter um motivo para viver e abrir-se sempre para novos horizontes e possibilidades de crescimento pessoal. Pessoas que assumem a liderança e o protagonismo de suas vidas, superando o sentimento de serem meros figurantes no palco da existência. Pessoas que desenvolvem uma ética pessoal pautada por valores essenciais como autenticidade e autodomínio, caráter e disciplina, honestidade e humildade, otimismo e felicidade. Pessoas conscientes do valor do outro - alteridade. Segundo Frei Betto, alteridade (do latim alter: o outro) é ser capaz de apreender o outro na plenitude da sua dignidade, dos seus direitos e, sobretudo, da sua diferença. Quanto menos alteridade existe nas relações pessoais e sociais, mais conflitos ocorrem. Quiçá, menos guerras no mundo. Pessoas capazes de perceber o outro como outro, sendo capazes de conviver com as diferenças Por uma educação do cuidado: de si, dos outros, do mundo e da vida. Colégio Maria Clara Machado Avenida Raja Gabáglia, 589 Belo Horizonte/MG (31) 2551-3648 / 2551-3649 4 revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 5

que pressupõem a realidade do outro, já que somos todos iguais nas diferenças e todos diferentes na igualdade. Pessoas que, segundo Frei Betto, assumem a via mais curta da comunicação humana, que é o diálogo e a capacidade de entender o outro a partir da sua experiência de vida e da sua interioridade. Pessoas que adotam a ética das relações em sua prática cotidiana, pautada por valores essenciais como respeito e generosidade, flexibilidade e paciência, solidariedade e empatia, tolerância e sensibilidade. Pessoas conscientes do mundo: aquelas que sabem sobre como a humanidade vive hoje uma preocupante situação de emergência planetária, marcada por uma grande quantidade de graves problemas estreitamente relacionados entre si. Pessoas comprometidas em desenvolver, promover e fomentar atitudes, comportamentos e ações concretas que possam favorecer a construção de um mundo muito melhor para todos viverem nele. Pessoas que se dedicam, em sua vida diária, a uma ética planetária pautada por valores essenciais como benevolência e cuidado, ecologia e gentileza, responsabilidade e serviço, simplicidade e sobriedade. Pessoas conscientes da vida como dom, que assumem a ética da sustentabilidade como princípio fundamental de sua existência humana na Terra. É a ética da vida para a vida. É uma ética para o encantamento e o reencantamento do mundo, onde o desejo de vida sobreponha o poder da imaginação, da criatividade e da capacidade do ser humano de sonhar uma nova realidade para o planeta, baseada na harmonia e na diversidade. Pessoas que elegem valores essenciais como amorosidade e transcendência, valentia e prudência, paz e compromisso, decência e desprendimento, determinação e alegria. Mas, será que tudo isto não passa de uma utopia? Sim, no sentido dado por Eduardo Galeano, jornalista e escritor uruguaio. Contanos que ele e seu grande amigo Fernando Birri, diretor de cinema argentino, estavam dando uma palestra na universidade e coube a Birri, segundo Galeano, a mais difícil de todas as perguntas: para que serve a utopia? E sua resposta foi respondida estupendamente da melhor maneira. Ele disse que a utopia está no horizonte. E disse mais: sei muito bem que nunca a alcançarei. Se eu caminho dez passos, ela se afasta dez passos. Quanto mais eu buscá-la, menos eu a encontrarei porque ela vai se afastando à medida que eu me aproximo. Pois a utopia serve para isso, PARA CAMINHAR. Em busca de Algo mais! José Donizetti dos Santos Diretor do Colégio Maria Clara Machado Filósofo, Educador e Coach Educacional, Master Practitioner em PNL e Especialista em Neurociências Aplicadas à Educação 5revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 6

6 revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 7



[close]

p. 8

Qualidade é a chave para superar crise A sociedade brasileira passa por um momento profundo de crise. Poucas vezes as instituições de nosso país estiveram tão desacreditadas quanto o presente. Um reflexo do conturbado momento politico e econômico que passa o nosso estado nacional e a crise, que atinge os mais diversos setores da sociedade, culmina com o aumento do desemprego. O IBGE mostra que nos últimos dois anos mais de sete milhões e meio de pessoas perderam seus postos de trabalho - um número de difícil recuperação em um cenário global. Com a perda dos empregos, diminuição no poder de compra e insegurança com o futuro, os chefes de família se veem obrigados a mexer naquele que é um dos últimos itens na hora de listar o corte de gastos: a educação. Naturalmente, primeiro cortam gastos supérfluos, depois vão para o essencial. A escola particular do filho costuma ser o último corte. Quando isso acontece é porque todas as outras medidas para economizar já foram tomadas. Em sua palestra de abertura no XIV Encontro Mineiro de Educação, o educador Leandro Karnal ressaltou com maestria que a educação dos filhos é o melhor investimento em longo prazo que se pode existir. Quando tudo estiver em cinzas, a capacitação e educação serão responsáveis por reerguer e recolocar as coisas no trilho. Ainda assim, é compreensível que o caráter emergencial da crise explique a evasão das escolas particulares ter aumentado nos últimos anos. De fato, constatamos que esse número é alto, mas que reflete a situação de instabilidade brasileira. Da mesma forma que as escolas perdem alunos, também vemos a complexidade de contornar o problema e uma crescente de desligamento de colaboradores também dos quadros escolares. Fato é que a gestão escolar também passa por crise o que intensifica os abalos externos sofridos pelo atual momento no Brasil. No SINEP/MG, trabalhamos para que as gestões administrativas e pedagógicas dos estabelecimentos de ensino não se distanciem nesse momento. Não se pode ter dois núcleos gestores isolados dentro de uma escola. 8 revistaplanetakids.com.br O gestor pedagógico precisa ter noções qualificadas de gestão administrativa para que a escola supere os momentos de dificuldade. Ou seja, números precisam andar de braços dados com o objetivo principal das escolas particulares: um ensino de qualidade. Pessoalmente, acredito que o ato de educar não pode ser feito pela metade. Ou você educou, ou você falhou na sua missão principal. Portanto, as escolas particulares só podem existir se efetivamente tiverem qualidade no principal serviço que oferecem. Se não, não há nenhum sentido existir instituições dessa complexidade. Não pode haver meio termo, se o pai não enxergar valor naquilo que ele paga a mensalidade, para que ele vai continuar entregando seu filho para aquela escola? Se ele não sente um valor na sua escola, ela vai levar para outra. Assim fazemos em nossas vidas: quando algo não é bom, nós trocamos. Para que essas situações não ocorram, nós todos temos obrigação de melhorar nossa gestão e estamos investindo nisso. A ver que esse é o tema principal de nossos debates dentro do SINEP/MG em 2017, assim como foi do Encontro Mineiro de Educação no início de abril. Tudo na vida, por pior que seja, tem uma parte positiva, um aprendizado. Não é fácil enxergar positividade numa crise que deixa milhões sem emprego e ataca a cerne de uma sociedade civilizada, que é a educação. Mas acredito que a lição que podemos aprender é do aprimoramento. As escolas urgem priorizar a qualidade na educação. Esse será nosso pilar quando ventos mais tranquilos passarem por aqui. Prof. Emiro Barbini Propietário do Colégio M2 Presidente do Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (SINEP/MG), Federação dos Estabelecimentos de Ensino de Minas Gerais (FENEN/MG)

[close]

p. 9

9revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 10

Você recebe seu amor na sala de visita? N ão sei se vocês passaram por isso. Eu passei. Quando criança, a minha casa tinha a sala de visita, jogo de café para visita, prato de bolo para visita e muitas outras coisas. Visita era qualquer pessoa que não morava na nossa casa. Avós, tias, primos, amigos. A visita sempre anunciava a sua chegada, assim, dava tempo de prepararmos a casa para recebê-la. E minha mãe ainda nos recomendava com firmeza: sejam bem educados, comportados e gentis. Essas três palavras significam uma lista de coisas que deveríamos fazer: cumprimentar e despedir, usar as palavras mágicas sempre que necessário: com licença, p o r f a v o r, d e s c u l p a e o b r i g a d o . Ta m b é m t i n h a m a s coisas que eram proibidas na frente da visita: brigar, falar alto, disputar o último pão de queijo, nem pensar, porque a visita tinha sempre preferência. Hoje, além da saudade da minha mãe. Guardo estas lembranças comigo Mas com uma diferença: sem desmerecer as outras visitas, a minha visita mais importante é a pessoa que vive comigo, que eu amo no meu dia a dia, que faz parte dos meus sonhos, com quem compartilho as minhas tristezas e alegrias, que também ama e cuida dos nossos filhos e netos e que chega em casa sem precisar se anunciar. E por eu saber disto, eu tento, não por obediência, mas por escolha, estar com a minha casa e meu coração sempre enfeitado para ela. Esta foi a melhor herança que eu herdei de minha mãe, o aprendizado de que todo o cuidado que ela tinha com suas visitas era a forma mais concreta do amor. Pois o amor, mais do que somente um sentimento, ele é ação. O amor precisa ser cuidado com muito cuidado e quando isso acontece nos tornamos pessoas melhores. Cida Lopes Psicóloga, Sexóloga, Educadora Sexual Autora de livros sobre a Sexualidade Humana 10 revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 11



[close]

p. 12



[close]

p. 13

PORTA VOZ DA EDUCAÇÃO! TRANSFORMANDO A HUMANIDADE ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO. CRIANÇA NÃO VEM COM MANUAL Pois é! Os manuais de instrução costumam facilitar o nosso dia a dia, mas eles não acompanham crianças quando elas chegam, seja após geradas no ventre materno de quem as acolhe, ou escolhidas, como filhos do coração. Fato é que as danadinhas estão cada vez mais precoces e porque não dizer, manipuladoras. Já, no berço, quando choram, querendo manifestar algo e percebem que são atendidas prontamente, parecem iniciar curso teatral, pois usam e abusam de estratégias diversas para conseguirem cada vez mais, tudo o que querem! Inicia- se então o processo de tentativas, tipo: Se eu fizer pirraça, se eu gritar, se...se...meus pais cederão. E aí , o reinado vai ficando cada vez mais imponente. Os pais, às vezes, súditos, na correria para conciliar trabalho, educação, lazer e saúde, diariamente tentam , driblar a culpa da ausência do corre corre. Junto a essas questões surgem as compensações: Presentinhos todos os dias , guloseimas sem limites, os SIM(S) para evitar situações que exigem pulso firme (e o cansaço fala mais alto) e tudo mais que faz com que os pequenos ¨cresçam¨ e se tornem cada vez mais , os centros do universo familiar. E onde está o manual? O que fazer? A quem recorrer? Afinal, é notório o desequilíbrio. Há tempo, há solução e nunca é tarde para remediar. As relações devem ser construídas sobre alicerces firmes, seguros: Muitas vezes é preciso parar, escutar o que o coração está sinalizando e dialogar com os ¨ajudantes¨ no processo educacional da criança, sejam avós, tios, professores, cônjuge. A parceria faz a diferença! Nunca devemos nos esquecer que a criança espelha o que ela vivencia e que nós somos exemplo constante na vida dela. As mudanças têm que partir de nós, adultos, e certamente, os resultados positivos virão rapidamente, afinal, as crianças atualmente são surpreendentemente espertas e críticas. Elas deixarão de ser reis e rainhas, mas ganharão destaque junto aos seus súditos, que ao aprenderem a socializar , compartilhar, a mudar cenários a partir de reflexões que iniciam no berço e se estendem à rodinhas de conversa em sala de aula, seminários e o que mais a vida propuser , farão a diferença! A fase egocêntrica tem que passar! É fato. Os manuais são construídos dia a dia, a partir de trocas de experiência e principalmente, baseados no olhar crítico e minucioso daqueles que educam. Fica uma dica: Avalie o que você considera negativo no comportamento de outras crianças e projete o futuro do(s) seu(s) filho(s), baseado em experiências que você vivenciou, delete o que foi negativo e acredite: Comemorar sucessos é muito melhor do que lamentar pelo que deveria ter sido feito. Então... Mãos à obra! Denise Campos Duarte Diretora Pedagógica Sócia Proprietária do Centro Educacional Iza Rizzotti Construindo as bases do saber. O CEIR possui um quadro de funcionários altamente qualificados e tem espaços adequados para cada faixa etária dos 4 meses aos 5 anos. Funciona das 7:00 às 18:00, atendendo às necessidades das famílias parceiras. Visite-nos e faça a escolha certa! Opte por uma Escola Humanista, que ensina Ética, Moral e Valores, no dia a dia, para a vida, para o mundo... centroeducacionalizarizzotti@yahoo.com.br (31) 3441-5142 | (31) 3347-5142 Rua Jornalista Waldir Lau, 421, Bairro Itapoã, Belo Horizonte – MG www.ceir.com.br 13revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 14

Fatores que aumentam as chances de engravidar de gêmeos A cada noventa gestações, uma é múltipla. A gestação últipla envolve o desenvolvimento de dois ou mais bebês na cavidade uterina, diferente da gestação simples, onde há apenas um único bebê em desenvolvimento. O fato é que, na grande maioria dos casos, conceber naturalmente mais de um bebê ao mesmo tempo não é algo que se possa escolher. Há uma grande diferença entre as chances de uma gravidez múltipla por hereditariedade e por fertilizações e alguns fatores aumentam as chances de 3 para mais de 30%. Então, veja abaixo alguns fatores que levam uma mulher a ter uma gestação múltipla: Genética: Ter casos de gêmeos na família, especialmente por parte da mãe; Ser de descendência africana ou europeia aumenta as chances de ter gêmeos; Ser alto, bem nutrido ou estar acima do peso ideal; Idade: Mulheres mais velhas têm mais chance de ter gêmeos; Histórico: Mulheres que já tiveram gêmeos são mais propícias a terem gêmeos novamente; Ter passado por outras gravidezes; Tratamento de fertilidade: A Fertilização in Vitro é um procedimento que, de acordo com a idade, implanta no mínimo dois óvulos fecundados no útero da mulher aumentando a 14 revistaplanetakids.com.br possibilidade de gêmeos ou mais quando esses óvulos continuam se desenvolvendo. Numa gravidez múltipla, os gêmeos podem ser univitelinos ou bivitelinos. A gravidez de gêmeos univitelinos é aquela em que os gêmeos são idênticos e partilham a mesma informação genética, possuindo somente ligeiras diferenças um do outro, como a impressão digital, por exemplo. Neste caso, o óvulo foi fecundado por apenas um espermatozoide e o ovo formado se divide em dois, dando origem a duas vidas diferentes. Já a gravidez de gêmeos bivitelinos é aquela em que os gêmeos são diferentes, podendo ser um menino e uma menina. Neste caso, houve maturação de 2 óvulos que foram fecundados por 2 espermatozoides diferentes. É importante ressaltar que a gravidez gemelar traz mais riscos à mãe e aos bebês e por esse motivo deve ser acompanhada com cuidados redobrados pelo obstetra, para prevenir e evitar problemas que possam surgir. As principais complicações para os bebês são a prematuridade, o baixo peso e a possibilidade de deficiências. Já para a mãe, existe um risco maior para que se desenvolva diabetes gestacional, anemia e pré-eclampsia.

[close]

p. 15

diabetes infantil A diabetes infantil surge até aos 18 anos de idade e, normalmente, é caracterizada como sendo do tipo 1. A criança nasce com uma alteração no pâncreas e não produz insulina, um hormônio importante no organismo que transporta o açúcar para dentro das células, evitando que ele se acumule no sangue. A diabetes infantil não tem cura, mas pode ser controlada através do uso de insulina e adoção de um estilo de vida saudável. Sintomas de diabetes infantil: - Ter muita fome e comer muito; - Sensação constante de sede; - Urinar muitas vezes, mesmo durante a noite; - Visão embaçada; - Cansaço excessivo e falta de vontade para brincar; - Náuseas e vômitos; - Perda de peso; - Desequilíbrio; - Dificuldade na compreensão e aprendizado. Se a criança apresenta estes sintomas em conjunto, é imprescindível levá-la ao pediatra para que se possa diagnosticar a doença, iniciando, assim, o tratamento adequado. O diagnóstico é feito através de exame de sangue para avaliar o nível de açúcar presente no sangue. O tratamento para diabetes infantil é feito com injeções/bomba infusora de insulina, de acordo com o nível de glicemia da criança. Também é importante que os pais incentivem a criança a fazer exercícios físicos regularmente e a ter uma alimentação equilibrada em proteínas, carboidratos e fibras, evitando alimentos ricos em açúcar e gorduras saturadas. A falta de controle dos níveis de açúcar impedirá que o metabolismo esteja em equilíbrio, acarretando em complicações a longo prazo que afetam olhos, rins, coração e vasos sanguíneos, e aumentando o risco de coma. Detectar a diabetes infantil, o quanto antes, contribui para o controle da doença, permitindo, assim, que a criança mantenha, com a devida ajuda dos pais, uma vida como a de qualquer outra criança. 15revistaplanetakids.com.br

[close]

Comments

no comments yet