Jornal do Sinpol 243

 

Embed or link this publication

Description

Jornal 243 de junho/2017

Popular Pages


p. 1

Maio de 2017 O jornal mais lido e aguardado entre os policiais civis - Ano XXIII - Maio de 2.017 - nº 243 DOR E UNIÃO Policiais civis de diversas cidades do Deinter-3 ajudam na apuração do ataque aos investigadores Luís Henrique Zanoello e José Carlos da Silva, em Batatais. Zanoello (foto) morreu na hora e José Carlos segue internado. Tio e sobrinho confessaram o crime e mostraram como agiram com frieza durante reconstituição. No velório de Zanoello, policiais civis de todas as Seccionais da região estiveram presentes. Veja na página 02. SSP DECEPCIONA DIRETORES DO SINPOL DIG RIBEIRÃO PRENDE QUADRILHA DA CAPITAL Grupo veio a Ribeirão de olho no Agrishow e outros eventos para roubar relógios de luxo. Um dos integrantes era foragido, condenado por ter matado um policial civil. Leia na página 09. E MAIS 4 Vice-presidente do Sinpol prestará orientação a associados sobre andamento das ações; 4 DISE Ribeirão fecha laboratório de drogas e prende traficante; 4 DDM conclui inquérito de mãe que foi a motel e seu bebê acabou morrendo com traumatismo craniano; 4 Seccional de São Carlos conclui inquérito do “escândalo do cheque”; 4 Sinpol terá eleições nos dias 29 a 31/05, 01 e 02/06. Foto: Sinpol O secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa filho convocou sindicalistas da Polícia Civil para uma reunião no mês de abril. O Sinpol participou, mas antes mesmo de entrar para o encontro percebeu que o resultado seria frustrante. Segundo o presidente do sindicato, Eumauri Lúcio da Mata, não havia a necessidade de reunir os policiais civis para uma notícia tão decepcionante. Saiba na página 08. Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br

[close]

p. 2

02 LUTO Maio de 2017 QUANDO A DOR REFORÇA A UNIÃO Muitos moradores de Batatais presencia- uma grande demonstração de união entre os semana antes eles haviam seguido os polici- Marcelo Caleiro destacou o trabalho do inves- ram estarrecidos o ataque sofrido por dois in- policiais civis, visivelmente feridos pela dor da per- ais e viram o trajeto percorrido. tigador, contando que a equipe composta por vestigadores da cidade no dia 10 de abril. A da de um colega. “Conversamos com o delega- No local do crime, Yuri, que estava no Uno ele foi responsável pela prisão de aproximada- ação ocorreu no centro de Batatais, na Rua do de Batatais, dr. José Arnaldo Andreotti Júnior, preto, impediu a passagem do carro onde es- mente 200 suspeitos de diversos crimes. Santos Dumont. Os investigadores Luís que é nosso associado. Ele participou das inves- tavam os policiais civis. Neste momento, Zanoello trabalhou na Polícia Civil por 25 anos. Henrique Zanoello e José Carlos da Silva trafe- tigações e informou que, no dia da morte de Flademir chegou de moto e efetuou os “Perdemos um grande policial civil e um ex- gavam pela rua em um Sandero prata quando Zanoello, a Seccional de Franca foi em peso a disparos. “Para nós, ele disse que não chegou celente amigo. O Sinpol está de luto pelo co- o veículo que estava à frente deles, um Uno Batatais. Da Seccional de Ribeirão Preto foi qua- a anunciar o roubo. Pelas provas que foram varde assassinato de seu diretor”, lamentou preto praticamente parou, fazendo-os também se todo mundo. E muitas pessoas das Seccionais colhidas ele já chegou, executou os policiais e Eumauri. parar. de São Joaquim da Barra, Sertãozinho e depois praticou o assalto. Todos os depoimen- Em audiência no dia 18 de abril com o se- Nisso um motociclista aproximou-se do Araraquara estiveram presentes, auxiliando nas tos que eles prestaram estavam de maneira cretário da Segurança Pública, Eumauri falou carro dos policiais civis e efetuou alguns investigações e buscas dos acusados. Mesmo bastante fria e inclusive o Yuri, em último depo- sobre o descaso no sepultamento de Zanoello. disparos, todos na cabeça das vítimas. num momento extremamente difícil, isso mos- imento, em uma das questões que a gente faz “Disse estar horrorizado, porque não teve nem Zanoello, que era diretor do Sinpol, morreu no trou a união e a força dos policiais civis. Perde- durante o interrogatório era perguntar se ele uma bandeira sobre o caixão, nem salva de local. José Carlos ficou gravemente ferido e mos um grande amigo e o diretor de nosso Sindi- estava arrependido e ele respondeu que não. tiros, como última homenagem. O secretário acabou sendo transferido para o HC-UE (Hos- cato, mas conseguimos dar a resposta que todos Isso mostra o caráter e a índole desses dois. me confidenciou, dizendo que não se espanta pital das Clínicas Unidade de Emergência), em esperavam”, explicou Eumauri. Eles não se arrependeram”, disse o delegado com isso, porque com o pai dele ocorreu a Ribeirão Preto, onde passou por cirurgia e se- Latrocínio ou extermínio à imprensa. O inquérito deve ser concluído no mesma coisa. Ele morreu dentro de uma dele- gue em recuperação, sem apresentar Com a presença de policiais civis de toda a início de maio. gacia e nunca havia recebido homenagem. sequelas motoras. região em Batatais, em pouco tempo o caso Velório e sepultamento Apenas quando estava como assistente na SSP Após atingir os dois, o rapaz que ocupava a estava solucionado. Os policiais civis desco- Zanoello foi velado e sepultado em Santo é que resolveram fazer uma homenagem, tal- motocicleta abriu a porta do veículo e roubou briram que os suspeitos do ataque eram tio e Antonio da Alegria, cidade onde nasceu. Ele vez por isso”, concluiu Eumauri. alguns pertences de seu interior. Em seguida, sobrinho, sócios de uma empresa na cidade. era casado e tinha dois filhos. ele fugiu na moto e o comparsa fugiu no Uno O empresário Flademir Cândido Pereira, 31 Durante o velório e sepultamen- preto. Enquanto José Carlos era socorrido no anos, e seu sobrinho Yuri Weslly Cândido Pe- to, centenas de policiais civis de local, a notícia chegou a diversas delegacias reira, 18 anos, foram detidos e acabaram con- todas as Seccionais do Deinter- da região do Deinter-3 (Departamento de Polí- fessando a autoria do crime. 3 estiveram no local, prestando cia Judiciária do Interior) e, em pouco tempo, No dia 20 de abril, a Polícia Civil realizou a as últimas homenagens. A viú- policiais civis de toda a região se mobilizaram reconstituição do crime, coordenada pelo de- va de Zanoello, os filhos, o pai e seguram para Batatais, com o objetivo de legado da DIG (Delegacia de Investigações Ge- dele, com 85 anos e seus cin- auxiliar nas investigações, para identificar e rais) de Franca, dr. Márcio Murari. De acordo co irmãos participaram das úl- prender os autores do ataque. com o apurado, Flademir estaria na moto e timas homenagens. Acima, à esquerda, Zanoello que morreu no veículo De acordo com o presidente do Sinpol, foi chegou quinze minutos antes do latrocínio. Uma O Seccional de Franca, dr. (foto à esquerda), sem ter chance de ser socorrido

[close]

p. 3

Maio de 2017 SÃO CARLOS 03 SECCIONAL CONCLUI INQUÉRITO DO “ESCÂNDALO DO CHEQUE” Doutor Souza Filho não pode detalhar informações dos sigilos fiscal e bancário dos suspeitos, uma vez que foi decretado o segredo de Justiça O delegado-assistente da Seccional de Polícia Civil, Geraldo Souza Filho, concluiu o inquérito que apurou desvios de recursos públicos durante a gestão do ex-prefeito Paulo Altomani (PSDB). O inquérito, aberto em junho do ano passado, conta com seis volumes e 1,2 mil páginas. Souza Filho não pôde detalhar informações dos sigilos fiscal e bancário dos suspeitos, uma vez que foi decretado o segredo de Justiça pela 2ª Vara Criminal de São Carlos. Mas, na entrevista, o delegado apontou que há provas contundentes contra o servidor José Sérgio Monsignati e frágeis contra o secretário de Fazenda, José Roberto Poianas, e o empresário Rinaldo Jordão. O caso envolvendo servidores municipais de carreira e de confiança e um empresário ficou conhecido como ‘escândalo do cheque’ e apura o desvio de R$375 mil dos cofres municipais. O delegado Geraldo Souza Filho deixou claro que estava impedido de fornecer informações sobre os sigilos, em função da determinação da Justiça. “Nós apuramos que o desvio de recursos públicos ocorreu. Sérgio Monsignati confessou que praticou o desvio e indicou como coautores Rinaldo Jordão e o seu chefe hierárquico, que era José Roberto Poianas. Tanto Rinaldo como Poianas negaram cabalmente os fatos e as provas vão de encontro ao desvio que teria sido praticado pelas mãos de José Sérgio Monsignati. O envolvimento do senhor Poianas apresentou provas frágeis. Não temos provas contundentes. Mesmo porque as tratativas entre Poianas e Sérgio eram feitas entre quatro paredes, sem testemunhas e o senhor Poianas negou cabalmente os fatos”, ressaltou o delegado. Geraldo Souza Filho acredita que outras indagações sobre a participação efetiva de Poianas nos desvios de- vem ser feitas na Justiça. Sobre a participação de Rinaldo Jordão no caso, o delegado esclareceu: “O senhor Jordão negou os fatos, mas as provas dizem que os cheques estavam nos cofres da Prefeitura e eram da conta dele. Ele negou a emissão dos cheques, apenas disse que os entregou em confiança para o senhor Sérgio Monsignati, que estaria financiando uma casa e precisava dos cheques para compor o contrato de compra e venda”, observou. Grafotécnico A respeito do exame grafotécnico, Geraldo Souza Filho disse que existiam grafias do punho de Sérgio Monsignati, mas não foram encontrados elementos que atestariam o punho de Rinaldo Jordão. De acordo com o assistente da Seccional, o exame apontou grafia de Monsignati e de uma pessoa não identificada na investigação. Souza Filho explicou que o crime de peculato ocorre quando há desvio de dinheiro público em benefício próprio. Sobre a participação dos três nessa modalidade de crime, o delegado apontou Sérgio Monsignati. Jordão e Poianas foram indicados na coautoria. O primeiro por entregar os cheques e o ex-secretário de Fazenda por não efetuar fiscalização aos atos do funcionário, o que se enquadra em peculato culposo (sem intenção da prática). “A minha função foi apurar os fatos. Cabe à Justiça apontar os culpados”, destacou Souza Filho. Outro lado José Sérgio Monsignati preferiu não se manifestar no momento sobre o caso. Rinaldo Jordão afirmou que confia plenamente na Justiça e que ficou comprovado que o empresário não apresentou evolução patrimonial. O advogado de Poianas, Augusto Fauvel de Moraes, emitiu uma nota sobre o caso. “Estamos muito satisfeitos com as conclusões e as palavras do delegado Geraldo, que conduziu de forma brilhante, séria e imparcial a investigação e pôde comprovar, reconhecendo a defesa apresentada, que não existem provas de participação do José Roberto Poianas, como sempre alegado por esta defesa, que se trata da verdade e que deve prevalecer. A versão mentirosa do investigado Sérgio foi desmontada pelas provas e depoimentos prestados e continuamos acreditando na justiça e absolvição do Poianas”, concluiu. Por: Fábio Taconelli / Jornal Primeira Página Foto: Jornal Primeira Página O delegado Seccional adjunto de São Carlos concluiu o inquérito que apurou o caso conhecido por “escândalo do cheque”

[close]

p. 4

04 EDITORIAL RETRATO DO ABANDONO Numa hipotética situação em que o governo do ocorrência, porque isso “diminui” os índices de ria do policial civil. Mas a chefia da Polícia Civil na Estado é o “pai” do funcionalismo, na atual situa- criminalidade. região pouco se importou em homenagear o colega ção, fosse qual juiz julgasse a questão, certamente Nossa situação é bem mais complicada. Além morto. cravaria sua sentença como “abandono de inca- de não termos reajuste há tantos anos e de termos Este é o retrato do abandono que nós vivemos paz”. Nós, policiais civis, estamos nos sentindo que trabalhar em jornadas desumanas, diante a ber- por conta da política - ou da falta de uma política - como que totalmente abandonados diante da política rante falta de recursos humanos, ainda somos des- adotada pelo governador Alckmin. Como sempre, mesquinha do senhor governador Geraldo Alckmin prezados pelo senhor governador e sua equipe. nós somos os culpados pela incompetência admi- em nos tratar com desprezo, com desrespeito mes- Tivemos um exemplo disso em abril, na cidade nistrativa, pela falta de vontade em valorizar a se- mo. de Batatais. Perdemos de forma trágica e covarde gurança, que considera o trabalhador no setor como Além de se negar a negociar, ele também se nosso companheiro de longos anos, Luís Henrique gasto e não como patrimônio ou ferramenta para nega ao diálogo. Reveste-se de pobre coitado pela Zanoello. Investigador dos mais respeitáveis, ho- vencer a luta contra o crime. situação vivenciada pelo País e deixa o funciona- mem íntegro, pai e marido exemplar, companheiro É como já nos acostumamos a dizer: sabía- lismo pelo quarto ano seguido sem qualquer centa- nosso por integrar a diretoria do Sinpol. mos e sabemos que isso poderia acontecer quan- vo de reajuste. Ele foi covardemente assassinado num caso do decidimos nos inscrever para o concurso que Cinicamente, também mal trata nosso verda- de latrocínio que causou grande comoção em prestamos por vocação. Vale ressaltar que mui- deiro patrão, a população, a partir do momento em Batatais, onde trabalhava há vários anos; em San- tos, além da vocação, prestaram tal concurso tam- que se recusa a cumprir com sua obrigação, qual to Antonio da Alegria, onde nasceu e foi sepultado e bém por conta dos bons salários pagos em outras seja, equipar a Polícia Civil com recursos huma- em toda a região, pois motivou a união de policiais épocas. Hoje vivemos à míngua, mas, sim, sabí- nos em quantidade suficiente para prestar um servi- civis de diversas cidades para ajudar a esclarecer amos deste risco. Mas e a população, senhor ço minimamente satisfatório à população. o caso. Geraldo Alckmin? Justamente eles que o elege- Em vez disso, amontoa policiais civis em pou- Em seu sepultamento o governo, a SSP (Se- ram, são os mais afetados. E o senhor vive dando cas delegacias para dar uma falsa impressão de cretaria da Segurança Pública) e a DGP (Delega- pistas de que está firme no propósito em concorrer que tem policiais em número suficiente para o ser- cia Geral de Polícia) deram de ombros. Não hou- nas próximas eleições presidenciais. No que de- viço. Por um lado, dificulta o acesso de nosso ver- ve nenhuma homenagem póstuma para um herói pender de nós, governador, o Brasil todo vai saber dadeiro patrão à delegacia. O povo que mora longe como Zanoello. Seu corpo foi velado sem que o que tipo de administrador é o senhor. Que abando- pensa duas vezes antes de ir atrás de registrar uma caixão fosse sequer coberto por uma bandeira da na uma Instituição das mais respeitadas à própria ocorrência, principalmente se não for de grande Polícia Civil, Instituição que Zanoello serviu por sorte. Que não se importa com a vida dos policiais monta ou potencial ofensivo. 25 anos de muitos elogios. Não houve nem mes- civis. Que demonstra total desprezo para quem Por outro lado, faz com que a espera seja gran- mo uma salva de tiros para despedir-se do policial quer prestar um bom serviço ao povo, nosso ver- de por parte daqueles que se dispõem a ir até uma civil morto. dadeiro patrão. delegacia registrar uma ocorrência, pois o volume Oficialmente houve comoção sim na cidade aon- EUMAURI LÚCIO DA MATA de serviço continua grande. De quebra, ainda se de ele vinha atuando. A Câmara Municipal de Presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais beneficia com os que desistem de registrar uma Batatais decretou luto oficial de três dias em memó- Civis da Região de Ribeirão Preto) Notas Plano de Saúde 1 Atenção associados. Verifiquem a data de validade no cartão magnético do convênio São Francisco Saúde, especialmente dos dependentes que cursam faculdade. Para que não ocorra carência, a declaração escolar deverá ser enviada, impreterivelmente, 20 dias antes da data limite de validade. Na dúvida, confira o verso da carteira do plano de saúde, onde consta a data do término da validade. Não deixe para a última hora. Maiores informações na Central deAtendimento Sinpol, telefones (16) 3625-3890 / 3612-9008 / 39792627. Cantina para o Associado ACantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados.Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos.Acerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (16) 99398-8820 com Cristina. Atualização de dados Sinpol Para atualização de dados e de situação profissional, principalmente dos recém-aposentados, o Sinpol está promovendo um recadastramento de todos os associados. Participe da atualização e garanta o recebimento de toda correspondência que enviamos, procurando a Secretaria do Sinpol, ou enviando e-mail para secretaria@sinpolrp.com.br. Atenção policial civil A diretoria do Sinpol alerta a todos os policiais civis associados que, se receberem intimação para comparecer à Corregedoria ou a qualquer outro órgão, para depoimento, busquem antes orientação no Departamento Jurídico do sindicato. É direito constitucional que em todo e qualquer depoimento, o depoente esteja assistido por um advogado. Plano de Saúde 2 Devido a reclamações recebidas junto à Secretaria do Sinpol, a diretoria do Sindicato pede aos associados usuários do Plano de Saúde que confiram suas cobranças de coparticipação em consultas e exames relativos ao uso do convênio médico. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central deAtendimento do Sinpol, pelos telefones (16) 3612-9008 / 3625-3890. Atenção policiais civis O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, comunica aos associados que, caso necessitem de amparo na área jurídica relacionado à aposentadoria, assim como para acompanhar o andamento de ação já ajuizada, primeiramente entrem em contado com os diretores do Sindicato, através de nossa Central deAtendimento Sinpol, fones (16) 36129008 / 3625-3890 / 3977-3850 para oportuno agendamento com o dr. Ricardo Ibelli. Dia das Mães na Chácara do Sinpol Adiretoria do Sinpol está programando um grande encontro para comemorar o Dia das Mães. Será realizado no dia 21 de maio, na Chácara do Sinpol. Além de diversas atividades, uma especial feijoada será servida aos interessados por apenas R$ 17,00 o prato único.Acerveja, o suco, a caipirinha e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas novidades para os associados. Com música ao vivo, brinquedos para as crianças, sorteio de grandes prêmios e muito mais. Informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912 com Paulo, (16) 99398-8820 com Cristina, ou na Secretaria do Sinpol, fone (16) 3625-3890. Falecimentos A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os seguintes falecimentos: + Luís Henrique Zanoello, investigador em Batatais, ocorrido em 10/04; + João Paulino, agente policial de Jaboticabal, ocorrido em 10/04; + Edson Ricco Filho, investigador em Ribeirão Preto, ocorrido em 26/04, em Batatais. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. Aposentados Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em abril: - Florivaldo Aparecido Angelício, investigador de 2ª Classe; - José Ventura Perroni, médico legista de 1ª Classe; - Paulo Cesar Prado Blanco, investigador de 2ª Classe. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejando-lhes poderem usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. Maio de 2017 EXPEDIENTE O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: secretaria@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Dorlei Morales, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luiz Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório,Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Josiane K. P. de Souza; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR FOTOGRÁFICO: Júlio Castro REPORTAGENS: Mariana Luque O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Boleto bancário emitido pelo Laboratório de Notícias DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça investigador Antonio Pereira Alvin Aparecido Donizete Tremura Vanderlei Costa MarcosAntonio Fernandes EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores.

[close]

p. 5

Maio de 2017 ELEIÇÕES SINPOL TERÁ CHAPA ÚNICA 05 Sindicato vai eleger a nova diretoria executiva para o triênio 2017/2018/2019; pleito será nos dias 29 a 31/05, 01 e 02/06 O Sinpol vai realizar as eleições para definir a 1º Vice-Presidente: Célio Antonio Santiago; diretoria que vai administrar o sindicato nos próxi- 2º Vice-Presidente: Darci Gonzalez; mos três anos. Em novembro de 2016, o sindicato 3º Vice-Presidente: João Gonçalo Pallareti; teve chapa única concorrendo e muitos associados 4º Vice-Presidente: Adilson Massei; entenderam que não era necessário votar para es- 5º Vice-Presidente: Dorlei Morales; colher a nova diretoria. Contudo, o antigo estatuto 6º Vice-Presidente: Cláudio Expedito Martins; previa que era preciso ter 50% mais um do total de Suplentes: Abraão Guevara Weigert Cleto; associados para ratificar o resultado. Targino Donizeti Osório; Edilson Piovani; Vinícius Diante disso, foi escolhida uma junta que esteve Aleixo; Licanor de Souza Campos; Wilson Francis- à frente do sindicato nos últimos meses, para que co Araújo e Ricardo Contin. viabilizasse nova eleição. A votação deverá ocorrer Secretario nos dias 29 a 31 de maio, 01 e 02 de junho. Terá 1º Secretário: Fátima Aparecida Silva; urna fixa na sede social do Sinpol, à Rua Goiás, 2º Secretário: Doracy Alves da Silva; 1697, nos Campos Elíseos, em Ribeirão Preto.Além Suplente: Aparecida Cainelli de Oliveira e disso, urnas móveis vão percorrer as cidades na Rodrigo Marcelo Silveira Cocito. área de atuação do sindicato, conforme vem sendo Diretor Financeiro: feito nas últimas eleições. 1º Diretor Financeiro: Carlos Henrique Pischiotini; A diretoria publicou edital no jornal A Cidade, 2º Diretor Financeiro: Cristina Moroti Felix; notificando os interessados, que tinham até o dia 02 Suplentes: Ricardo Souza Silveira e José An- de maio para apresentar a inscrição das chapas. gelo Marques. Como ocorreu no final de 2016, apenas uma chapa Diretor de Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; foi inscrita. “É importante que o associado participe, Suplente: Olavo Elias dos Santos. demonstre interesse pelo que acontece no Sinpol. Conselho Fiscal: Vivemos tempos difíceis, com um governo que trata 1º Fiscal: Priscila Yoshi Serapião Hashimoto; o policial civil de forma desrespeitosa, avesso ao 2º Fiscal: Júlio César Machado; diálogo e à negociação. Justamente nestas horas é 3º Fiscal: Dalva Rodrigues dos Santos; que devemos estar unidos. Participar do processo Suplentes: Benedito Gabriel Fernandes Perei- eleitoral do sindicato, comparecendo e votando, é ra; Clevis Samuel Lors de Faria e Rosivaldo dar uma demonstração de união”, avalia o presi- Fernandes Cunha. dente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, que é can- Delegados Sindicais: didato à reeleição. 1º Delegado: Antonio Carlos Schivo; A Chapa Prosperidade, única a concorrer nas 2º Delegado: Décio Kury Marques; eleições, tem a seguinte formação: Suplentes: Hélio Augusto da Silva e Carlos Presidente: Eumauri Lúcio da Mata; Henrique Carneiro Scarparo. TRAFICANTES DE FRANCA PEGAM 64 ANOS DE PRISÃO O dr. Márcio Garcia Murari esteve à frente do caso quando a quadrilha foi desarticulada e presa, em dezembro de 2015 Foto: www.gcn.net.br O que, segundo a Polícia Civil, era uma das maiores quadrilhas de traficantes de Franca, que agia principalmente no Jardim Brasilândia e foi dizimada em 2015 pela Dise (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), recebeu sua condenação. No dia 31 de março, nove homens, com idades entre 22 e 57 anos, foram condenados. Juntas, suas penas somam 64 anos de reclusão por tráfico de drogas e/ou associação criminosa. O homem apontado pela Polícia Civil como líder do bando, Bruno Firmino da Silva, recebeu a maior pena: ele deverá cumprir 17 anos de reclusão em regime fechado. Seus dois irmãos por parte de mãe, Rafael da Silva e Silva e Maikon Barbosa da Silva, foram condenados a 11 anos cada. O trio foi preso pela Dise em dezembro de 2015 no salão do pai de Maikon, o ex-vereador Zezinho Cabeleireiro (PPS). “O salão estava cheio de clientes e a polícia chegou para prendê-los. Eu fiquei surpreso, pois não sabia o que o Maikon fazia e ele nunca falou nada a respeito”, garantiu o pai, que disse ainda esperar que o filho “aprenda a lição”. “Se a Justiça tem provas, deve ser cumprida.” Além dos três irmãos, um outro acusado, João Batista de Castro, foi preso. Ele recebeu uma pena de nove anos e quatro meses. Outros homens apontados como membros do bando no decorrer da investigação e do processo, como Kleber dosAlves Santos e José Renato Rodrigues, devem cumprir quatro anos e seis meses e três anos e seis meses de reclusão, respectivamente. Já Luciano Gonçalves da Silva, Vinicius Hortêncio Rocha e Welisson Donizete Magalhães tiveram uma pena estipulada de três anos. Adiferença das penas se deve à função, segundo as investigações, que cada um tinha no grupo e seus antecedentes criminais. AadvogadaAbadia Neves Bereta, responsável pela defesa de Bruno e Kleber, afirmou que recorrerá da decisão assinada pelo juiz Orlando Brossi Júnior, da 3ª Vara Criminal. “A única prova colhida à época das investigações foi interpretada. No caso do Bruno, eram frases de duplo sentido nas interceptações telefônicas. Já o Kleber foi condenado por seus antecedentes, não por provas. Recorrerei da sentença”, disse. Por: GCN.com.br com adaptações

[close]

p. 6

06 JURÍDICO Maio de 2017 SINPOL À DISPOSIÇÃO PARA TIRAR DÚVIDAS Vice-presidente do sindicato, que atua como advogado, junto com a diretoria, vai orientar associados sobre andamento de ações jurídicas O departamento jurídico do Sinpol, do qual fazem parte os advogados Ricardo Ibelli e Viviane Cristina Ibelli Pinheiro, vem se destacando pelo grande número de conquistas em favor dos associados, nas diversas causas jurídicas em que estão à frente. Contudo, com a facilidade das consultas de andamento de ação pela internet, vários associados acabam notando alguma movimentação e recorrem aos advogados com o objetivo de saber como está o seu caso. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, isso acaba prejudicando o trabalho do jurídico. Desta forma, ficou estabelecido que a própria diretoria do Sinpol fará este papel de esclarecimento ao associado. “Pela facilidade na internet, as pessoas entram no processo, mas na hora da interpretação jurídica, têm dificuldades de entender e querem ligar para o advogado. Pedimos encarecidamente que não liguem para o dr. Ibelli, liguem para o Sinpol. Sempre estivemos à disposição dos nossos associados. Se o postulante de uma ação nota que houve algum andamento via internet, não precisa ligar diretamente para os advogados. Basta ligar para o Sinpol”, esclarece Eumauri. O vice-presidente do sindicato, Célio Antonio Santiago, ressalta a disponibilidade do esclarecimento. Ele, que é investigador aposentado e atua como advogado há vários anos, está à disposição para os esclarecimentos. “Muitas vezes o associado fica na dúvida por não dominar o linguajar jurídico. Basta entrar em contato comigo ou com nossa diretora secretária FátimaAparecida Silva, que também tem formação em direito, com o presidente Eumauri, com o diretor Júlio, para maiores esclarecimentos”. Célio, inclusive, se coloca à disposição a qual- quer hora, inclusive no seu escritório de advocacia. “Estou à disposição através dos telefones (16) 99993-1565, que também é whatsapp e 98169-2223 da operadora Tim. Temos ainda nossa Central de Atendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 36253890 / 3977-3850”, destaca Célio. Vitórias Durante o mês de abril, o Sinpol contabilizou mais três vitórias em favor dos associados. Todas as três garantindo mandado de segurança para que os associados do sindicato se aposentem com direito à paridade e integralidade. No primeiro caso, o escrivão de Barrinha, Donizeti Aparecido dos Santos, teve processo de aposentadoria especial, com direito à paridade e integralidade com sentença improcedente. Os advogados do Sinpol recorreram ao Tribunal e obtiveram a vitória em segunda instância junto à 12ª Vara da Fazenda. Em outro caso, o investigador de Batatais, José Carlos da Silva - que foi gravemente ferido em latrocínio que resultou na morte do também investigador Luís Henrique Zanoello (ver matéria nesta edição), ingressou com ação pleiteando mandado de segurança, garantindo-lhe o direito à aposentadoria especial, nos moldes da LCF (Lei Complementar Federal) 51/85, posteriormente substituída pela LCF 144/2014. A sentença foi improcedente e, também neste caso, o Sinpol recorreu junto ao Tribunal. Houve nova vitória do departamento jurídico do sindicato. A terceira vitória favoreceu o agente de telecomunicações de Ribeirão Preto, Rosivaldo Fernandes Cunha, conhecido por Liu. O Sinpol ingressou, atra- vés de seu departamento jurídico, com ação buscando mandado de segurança que lhe garante o direito à aposentadoria com paridade e integralidade. A primeira sentença foi procedente. Nos três casos, ainda cabe recurso. Segundo Eumauri. os resultados do jurídico já garantiram a dezenas de associados do Sinpol o direito a se aposentarem com paridade e integralidade, nos moldes da lei que trata da aposentadoria especial para policiais civis. “Nosso governo tenta, a todo custo, prejudicar os policiais civis. Não aceita pagar o que é de direito, qual seja a aposentadoria especial, com paridade e integralidade. Durante muitos anos ele alegava que a LCF 51/85 não havia sido recepcionada pela Constituição Federal de 1988. Éramos o único estado da União a ter essa atitude prejudicial ao policial civil. O governo utilizava a famigerada LCE [Lei Complementar Estadual) 1062/2008, que reduzia o salário de quem se aposentasse, além de não garantir a paridade com os que continuavam na ativa. Veio a LCF 144/2014 e o governo não teria mais argumentos. Então passou a não considerar a aposentadoria especial. Não vamos admitir que o policial civil seja prejudicado. Queremos que ele se aposente com paridade e integralidade. Esta é a bandeira do Sinpol.Além disso, o nosso jurídico também está à disposição do associado para evitar que arbitrariedades sejam cometidas. Este é nosso objetivo”, concluiu Eumauri. O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, vai esclarecer dúvidas sobre andamento de processos para os associados; além dele, os diretores Fátima e Júlio e o presidente Eumauri também estão à disposição

[close]

p. 7

Maio de 2017 AÇÃO 07 DDM CONCLUI INQUÉRITO DE BEBÊ MORTO Criança foi encontrada morta possivelmente em decorrência de traumatismo craniano e mãe foi indiciada por abandono de incapaz A morte de uma criança de apenas quatro meses no bairro do Ipiranga, zona oeste de Ribeirão Preto, chocou a região. O caso foi registrado no dia 09 de abril, quando vizinhos perceberam que duas crianças, de dois e três anos, estavam sozinhos no imóvel e foram à procura do irmão de 11 anos, que estava na casa de um amigo nas proximidades. Ao entrarem na casa, além das duas crianças pequenas, os vizinhos encontraram o bebê, uma menina de quatro meses, já sem vida. Enquanto os bombeiros atendiam à ocorrência e os policiais civis iniciavam a apuração do caso, a mãe do bebê, H.C.S. chegou ao local. Interrogada, ela teria dito que teve uma grave discussão com seu marido no dia 08 de abril e, alegando estar com medo de ser agredida, deixou as crianças com o companheiro e saiu, passando a noite fora. A mulher teve que ser retirada sob proteção, pois os vizinhos, revoltados com a morte do bebê, ameaçavam linchá-la. Ela foi encaminhada à CPJ (Central de Polícia Judiciária) durante o plantão do final de semana. Em seu depoimento, ela sustentou que havia apanhado do marido. Contudo, de acordo com a Polícia Civil, os vizinhos relataram que, apesar das brigas do casal - que vivia junto há cinco anos - serem constantes, nenhuma ocorrência por violência doméstica foi registrada anteriormente. O delegado que iniciou as investigações no plantão, dr. Diógenes Santiago Netto, requisitou à Justiça a prisão da mãe em flagrante. Contu- do, inicialmente a Justiça soltou H. no dia seguinte. Enquanto isso, o Conselho Tutelar foi acionado para tratar do acolhimento dos outros três filhos de H. Na segunda-feira, o caso foi encaminhado para a DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) de Ribeirão Preto. A titular da delegacia, dra. Luciana Camargo Renesto Ruivo informou aos jornalistas que o bebê apresentava uma lesão extensa na cabeça. Ao ser solta, no dia 10 de abril, H. teria dito aos jornalistas que cobriram o caso que deixou as crianças com o companheiro após ter apanhado dele. “Com ele, porque ele estava me espancando. Eu fugi dele. A bebê estava dormindo no colchão, minha filha estava viva. Eu cuido bem dos meus filhos”, afirmou aos repórteres. Ao expressar sua opinião aos jornalistas, dra. Luciana acredita que tenha havido negligência por parte da mãe. “O crime do abandono ela cometeu. O pai tem um álibi. Ele disse que estava com o patrão e que depois dormiu na casa de um amigo. Os vizinhos dizem que ele não foi visto, então, me parece que talvez ele não tenha tido participação nenhuma nisso”, explicou a delegada. IML Exame preliminar do IML (Instituto Médico Legal) apontou que a menina A.L.R.S.D. morreu em decorrência de traumatismo craniano. No dia 10, após ouvir H., a delegada pediu novamente a prisão preventiva da mulher e a 1ª Vara Criminal de Ribeirão Preto acatou o pedido. Ela foi presa e encaminhada à cadeia feminina de Cajuru. Durante as investigações, a equipe da DDM constatou que a mulher passou a noite em um motel, na periferia de Ribeirão Preto, em companhia de outras duas pessoas. Com um intenso trabalho de investigação, onde várias testemunhas e os envolvidos foram ouvidos, a DDM concluiu o inquérito rapidamente e o encaminhou à promotoria, indiciando a mãe, de 31 anos, por abandono de incapaz. A criança, ao ser encontrada por vizinhos na manhã de 09 de abril, apresentava o ferimento e tinha diversas marcas pelo corpo, além de estar suja com fezes e urina. A suspeita da Polícia Civil é que a mulher tenha deixado os três filhos pequenos sozinhos e saído. Dra. Luciana foi a responsável pelo inquérito que apurou a morte da criança de apenas quatro meses por traumatismo craniano

[close]

p. 8

08 Maio de 2017 SSP DECEPCIONA SINPOL Diretores atenderam a convite do dr. Mágino e foram até a sede da Secretaria para tratar das reivindicações exaustivamente feitas à equipe de governo O Presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata; o Vice-Presidente, Célio Antonio Santiago; e o Diretor financeiro, Júlio César Machado, estiveram em São Paulo no dia 18 de abril, participando da audiência com o secretário da SSP (Secretaria da Segurança Pública), dr. Mágino Alves Barbosa Filho. O convite para o encontro foi feito após reunião realizada na SSP em março. Enquanto aguardavam o encontro, os policiais civis constataram que o SSP estava reunido com representantes das entidades da Polícia Militar. Assim que saíram, o presidente do Sinpol cumprimentou rapidamente alguns PMs que não pouparam o secretário. “Foi só enrolação, 171, me disseram os militares”, informou Eumauri. “Iniciada a reunião, já decepcionados, o secretário apresentou dois funcionários da Secretaria da Fazenda, um deles de nomeAndré, responsável pelo monitoramento da arrecadação e Ana Paula, esta responsável pelo monitoramento das despesas. Foram feitas explanações relativas à diminuição das receitas do Estado, e as despesas com a folha de pagamento, que chegam a 46,40%, muito próximo do limite prudencial de 46,55%, e que isto impediria ser dado qualquer reajuste para o funcionalismo público, embora o máximo permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal seja 49%, contudo, os problemas para o Estado se atingido este limite seria desastroso”, explicou o presidente do Sinpol. Dada a palavra aos sindicalistas presentes, Eumauri passou a dizer que se era para dar tão triste notícia, não seria necessário chamá-los à Secretaria, pois todos sabem dos problemas econômicos que o País enfrenta. E complementou dizendo: “ Seria de bom grado aos policiais civis que fosse enviado um projeto à Assembleia Legislativa, nos mesmos moldes do projeto 04/2017 da PM, que dá a eles a aposentadoria com paridade e integralidade, dentre outras coisas. Isso não causaria despesa imediata, e seria muito Justo, já que o senhor não nos dá alento algum”. Embora fora da pauta, Eumauri aproveitou para ma- nifestar descontentamento pela lamentável atitude da administração da Polícia Civil de Ribeirão Preto, na recente decisão de agrupar distritos policiais, prejudicando em muito aos policiais civis e à população de Ribeirão Preto e região, retroagindo a 50 anos atrás, quando havia somente três DPs, segundo o sindicalista. O secretário disse ser simpático ao estudo do projeto de lei, e que iria tentar viabilizar, mas, pelas suas palavras, os sindicalistas acreditam que ele enfrentará muita resistência do governador Geraldo Alckmin, pois este não tem se mostrado disposto a nos conceder tal benefício. Ainda com a palavra, Eumauri disse que nestes 30 a 40 anos em que está à frente de entidade de classe dos policiais civis, “em nenhuma ocasião um secretário da Segurança ou da Fazenda ou qualquer outro teria dito que desta vez poderíamos ficar contentes pois o cofre estava cheio. Nunca. O cofre estava sempre vazio. Um secretário, Pedro de Campos, disse que estava tão vazio que até raspado foi. O que o secretário disse não era novidade alguma. O momento é ruim agora, mas estamos há quatro anos sem reposição nenhuma. Nesse momento, o secretário e os técnicos concordaram comigo, mas não falaram nada a respeito”, explicou Eumauri. Em seguida manifestou-se o diretor financeiro Júlio César, dizendo ainda, que para fazer política, o governo abriu mão de receitas, ao isentar do ICMS, muitos produtos agrícolas, e hoje sente-se os reflexos da falta de pagamento de impostos pelos beneficiados.Acrescentou ainda, que não houve planejamento do governo para dar no mínimo os índices inflacionários dos anos anteriores. Segundo Eumauri, ao perceber que os representantes da Secretaria da Fazenda não teriam argumentos para contrapor os questionamentos, o Secretário passou a interferir. “Mas nem ele conseguiu se justificar conosco, ou seja, a política equivocada do governador Alckmin acarretou problemas de caixa do governo e hoje ele não tem como nos conceder reajuste salarial, embora temos certeza de que ainda há uma ‘gordura’ para queimar e dar algo para compensar as grandes perdas”, disparou. E continuou. “Pelo exposto é que temos a triste notícia a transmitir para os policiais civis, o que pode se estender aos demais funcionários públicos do estado, de que não há qualquer previsão de reajuste salarial em vista. E mais, não temos como fazer greve, dada a errônea interpretação da constituição pelo STF, que proibiu direitos explícitos na carta magna, ao invés de apontar a falta de uma legislação a respeito da matéria. Temos sim que pensar em formas de protesto que não seja paralisação, mas que, surta efeitos desastrosos a esse modo horrível de governar do senhor Alckmin”, revelou Eumauri. Antes do término da reunião, Eumauri mostrou-se horrorizado com o descaso da Polícia Civil em relação à morte do investigador Luís Henrique Zanoello (leia matéria nesta edição), que não recebeu nenhuma homenagem póstuma. “O Zanoello não teve bandeira da Polícia Civil ou do Estado em seu caixão, nem salva de tiros. O secretário disse que não se surpreendia com isso, apesar de estar também horrorizado. Ele disse que seu pai, delegado de Polícia, morreu dentro de uma delegacia e nunca houve homenagem até que ele se tornasse secretário adjunto. Então resolveram homenagear seu pai”, concluiu Eumauri. Foto: Sinpol Eumauri criticou a falta de boas notícias por parte do Secretário: “para isso não seria necessário chamar-nos até a Secretaria”

[close]

p. 9

Maio de 2017 09 DIG RIBEIRÃO DESARTICULA GANGUE DO ROLEX Polícia Civil identifica e prende membros de quadrilha especializada no roubo de relógios de luxo e que veio de São Paulo para atuar na cidade Uma história surpreendente tem motivado o trabalho dos policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto. Uma quadrilha especializada veio elaborando assaltos tão sofisticados que sua organização poderia estar não apenas nas páginas policiais dos jornais, mas até mesmo nas de economia. Esse paralelo se estende inclusive à área de atuação do grupo, que se dedicava ao roubo de relógios da marca “Rolex”, cujo valor estimado varia entre 10 mil reais e 900 mil por modelo, de modo que o a ação dos criminosos era altamente rentável. A forma de agir dos assaltantes era tão organizado que parecia uma empresa, com tarefas distintas para cada “setor”. Os integrantes da quadrilha vinham realizando crimes na região do aeroporto, em restaurantes de luxo e naAvenida João Fiúsa, na zona sul de Ribeirão. Todas essas localidades são conhecidas por serem frequentadas por pessoas de alto poder aquisitivo, aumentando a probabilidade de encontrar indivíduos que utilizassem esse modelo de relógio. Embora essa estratégia parecesse bastante assertiva, foi esse padrão que permitiu à equipe da DIG deter o primeiro suspeito relacionado ao grupo: Tendo conhecimento do local de atuação da quadrilha, os policiais civis Everson e Israel, sob o comando do delegado da DIG, dr. Ricardo Turra, realizaram patrulhamento na região da Avenida João Fiúsa durante o fim da tarde do feriado de 21 de abril. No local, os policiais notaram dois motociclistas interagindo constantemente, um deles em veículo semelhante ao descrito por algumas das vítimas da quadrilha. Ao ensaiar a abordagem, uma cena “holywoodiana” se passou nas ruas de Ribeirão Preto: os motociclistas iniciaram uma fuga, de modo que os policiais perseguiram-nos pela zona sul. A perseguição chegou ao fim quando os policiais encurralaram uma das motos. Mesmo sem ter para onde fugir, o suspeito ainda entrou em luta corporal com um dos policiais, mas foi imobilizado prontamente. Ao seguir com os procedimentos de interrogatório e detenção, novas informações obtidas confirmaram a complexidade dessa organização: Descobriu-se que o grupo, na verdade, veio da cidade de São Paulo, porém havia optado recentemente por “expandir” sua atuação, como que ampliando os negócios, para a região de Ribeirão Preto. A escolha se deve a eventos mais recentes na cidade que reúnem indivíduos com maior poder aquisitivo, mais propensos a utilizar os relógios desejados pela quadrilha. Como principal motivação, estava o evento “Agrishow”, feira agrícola referência para a região, que atrai empresários da área de todo o Brasil e até do exterior. Na iminência desse evento, os suspeitos vinham atuando nos outros locais em que havia circulação intensa de vítimas potenciais. Sua atuação era bastante meticulosa: O grupo agia somente após cuidadosa observação do indivíduo que usava o desejado e caro relógio. Identificada a vítima, a mesma era discretamente seguida até as proximidades de sua residência pelos veículos utilizados pela quadrilha: um carro e duas motos. Alcançado um local estratégico para a ação criminosa, um dos veículos interceptava a vítima, ameaçando-a com uma arma, enquanto outro era ocupado pelo responsável por realizar a abordagem. Os cuidados para dificultar a identificação dos envolvidos também demonstravam organização e sofisticação. Aquele que subtraía o acessório da vítima circulava por poucos quarteirões com o mesmo, transferindo o relógio para outro membro do grupo, dificultando flagrantes, já que o suspeito que seria identificado pelo dono do relógio não seria o mesmo que o possuía. Segundo o depoimento do suspeito detido, os cuidados se estendiam aos veículos, que seriam alugados. De fato, ao investigar a proveniência da moto que o mesmo pilotava, nada relacionava o veículo a crimes anteriores. Uma das confirmações mais decisivas do grande envolvimento dos membros da quadrilha com as atividades criminosas da mesma é o perfil do suspeito detido: Trata-se de um homem com muitos antecedentes criminais. O mesmo já cumpriu pena por tráfico de drogas e era considerado foragido por ter cometido latrocínio contra um policial civil em Taboão da Serra, na grande São Paulo. O suspeito deve cumprir 28 anos de detenção por essa razão. Apesar das grandes habilidades de planejamento da quadrilha e do elevado nível de dedicação à atividade criminosa por parte de seus membros, o último assalto atribuído ao grupo não correspondeu a essas características: Cerca de duas horas antes da detenção do motociclista da Avenida João Fiúsa, os suspeitos haviam abordado uma vítima para subtrair seu relógio. O titular da especializada, dr. Ricardo Turra, coordenou a ação que resultou na prisão de integrantes da “gangue do Rolex” Contudo, o produto roubado era uma réplica que não gera os mesmos prestígio e rentabilidade que os modelos “Rolex”. A postura violenta, contudo, foi a mesma, motivando a vítima a prestar queixa e favorecendo o progresso das investigações acerca desses crimes. O presente momento é de prestígio à equipe coordenada pelo dr. Turra por seu serviço assertivo. Contudo, as investigações seguem com o intuito de deter os outros suspeitos. Por: Mariana Luque

[close]

p. 10

10 ESCLARECIMENTO Maio de 2017 MOLÉSTIAS INCURÁVEIS ISENTAS DE IR PARA SERVIDORES ATIVOS E INATIVOS Em virtude de constantes consultas, o Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) republica, a seguir, nota constante da edição de nº 34, de julho de 1998. As informações foram extraídas do jornal da AFPESP (Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo - Folha do Servidor Público) de 2003 e ainda estão em vigor. Moléstia Incurável isenta do IR inativo e servidor da ativa Como é um direito que retroage pelo prazo prescricional a cinco anos, a partir da data que a moléstia incurável foi diagnosticada, de acordo com o laudo médico, o servidor aposentado pode requerer ao Departamento de Despesa de Pessoal do Estado, órgão da Secretaria da Fazenda, ou, se morar no interior ao diretor da Divisão Seccional, a sustação ou isenção do desconto do Imposto de Renda na fonte. O artigo 6º, inciso XIV, da Lei nº 7.713, de 22 de dezembro de 1.998, diz que “os proventos de aposentadoria ou reforma motivada por acidente em serviço e os percebidos pelos portadores de moléstia profissional, tuberculose ativa, alienação mental, neoplasia maligna, cegueira, hanseníase, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, doença de Parckinson, espondiartrose anquilosante, nefropatia grave, estado avançado da doença de Paget (oesteite deformante), síndrome da imunodeficiência adquirida, com base em conclusão especializada, mesmo que a doença tenha sido contraída depois da aposentadoria ou reforma”, essas pessoas físicas ficam isentas do pagamento ou do desconto na fonte do IR.As Leis 8.541, de 23 de dezembro de 1.992 e 8.250 de 26 de dezembro de 1.995, todas da União, garantem essa isenção. Também o decreto nº 1.041 de 11 de janeiro de 1.994, que trata da regulamentação de cobrança e fiscalização do Imposto de Renda para os proventos de qualquer natureza, a fim de evitar laudos falsos.A restituição pode ser requerida com atraso de cinco anos. A ABRACCIA (Associação Brasileira de Combate ao Câncer Infantil e Adulto), localizada em Ribeirão Preto à Rua Barão do Amazonas, 2388, atendendo pelo telefone 3621-2201 e pelo site www.abraccia.org.br, tem distribuído para pessoas interessadas, uma cartilha intitulada “Faça valer seus Direitos”, de autoria de Maria Cecília Mazzariol Volpe e editada pela SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica). Logo em suas primeiras páginas, a cartilha aborda uma posição contundente da autora: “A Constituição Federal assegura que saúde é direito de todos e dever do Estado. Significa que todos os cidadãos residentes no Brasil têm direito a receber tratamento pelos órgãos de assistência médica mantidos pelos governos Federal, Estadual e Municipal (SUS). E a assistência compreende o tratamento como um todo, incluindo consultas, cirurgias, exames laboratoriais, tomografias, raios-x, ultrassonografia, radio e quimioterapia, etc”. Infelizmente no Brasil, algumas coisas não funcionam exatamente como previstas na Lei.A autora destaca que a Saúde Suplementar (planos de saúde) também têm sua cota de responsabilidade nesse atendimento e se algo estiver sendo negado, a pessoa deve recorrer a alguns canais, como o telefone da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), 0800-701-19656, ou pelos sites: www.ans.gov.br , www.procon.sp.gov.br ou www.idec.org.br . “Procure um advogado para propor ações judiciais quando seus direitos forem negados. O Poder Judiciário tem dado liminares e ganhos de causa em quase todos os casos de ações contra planos ou seguros de saúde”, explica a autora. Na cartilha, constam como classificadas pela legislação brasileira e com direitos especiais para os portadores as seguintes doenças graves: moléstia profissional; esclerose múltipla; tuberculose ativa; hanseníase; neoplasia malikgna (câncer); alienação mental; cegueira; paralisia irreversível e incapacitante; cardiopatia grave; doença de Parkinson; espondilartrose anquilosante; nefropatia grave; estado avançado da doença de Paget (osteíte deformante); AIDS; fibrose cística (mucoviscidose); contaminação por radiação e hepatologia grave. Em todos os casos são necessários laudos médi- cos e exames comprobatórios. Direitos Saiba alguns dos direitos dos portadores das doenças graves: - Isenção de IR (Imposto de Renda) sobre proventos de aposentadoria/reforma e pensão; - Isenção de impostos (IPI, ICMS, IPVA e IOF) na compra de automóveis); - Isenção de IPTU (varia de cidade para cidade); - Tarifas do transporte público (também varia de cidade para cidade); - Saque de FGTS (consultar direitos junto à Caixa Econômica Federal - CEF); - PIS/PASEP (consultar CEF e Banco do Brasil); - Auxílio doença, aposentadoria por invalidez e renda mensal vitalícia (em todos os casos, de acordo com legislação do INSS e dependendo de vários fatores); - Renda por invalidez permanente (de acordo com normas da apólice de seguro ou plano de previdência privada) - Quitação de salto parcial ou total de financiamento da casa própria (de acordo com normas do SFH); -Andamento prioritário em processos. Caso o associado ainda tenha dúvidas, o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, informa que o sindicato está à disposição, para sanar eventuais dúvidas, através dos telefones: (16) 3612-9008 e 3625-3890, ou na sede social do Sindicato, à rua Goiás, 1697, em Ribeirão Preto. O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, coloca o sindicato à disposição dos associados para esclarecer eventuais dúvidas

[close]

p. 11

Maio de 2017 11 DISE RIBEIRÃO DESMONTA LABORATÓRIO Ao longo do mês de abril, duas operações de destaque na zona norte de Ribeirão Preto levaram à prisão de um homem e apreensões de drogas A DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto manteve em abril a sua rotina de bons resultados no combate ao tráfico de drogas na cidade. Em ação realizada no dia 20, os policiais da especializada desativaram um laboratório de refino de drogas. O local funcionava no Jardim Jandaia, uma pequena região localizada na zona norte da cidade, cuja população sofre com a problemática do tráfico de entorpecentes. Apesar das dificuldades apresentadas no que diz respeito ao combate do tráfico na região em questão, a conquista da equipe da DISE foi bastante significativa. Ao desativar o local, foi possível realizar fartas apreensões, indicando intensa atividade ilícita no imóvel visando a produção de cocaína. Dentre o material apreendido, havia 18 sacos com pó branco com aparência de cafeína, seis sacos com substância semelhante a lidocaína e 13 ampolas de lidocaína líquida. Tais materiais são frequentemente utilizados misturados à cocaína com o intuito de simular o efeito desse alucinógeno e diminuir os custos de produção do entorpecente. Visando uma aproximação precisa das sensações dessa droga ilícita, a cocaína é adicionada com o intuito de gerar dormência na região nasal e a lidocaína propicia formigamentos na boca. Além das substâncias misturadas à cocaína, foram apreendidos equipamentos utilizados para produzir a droga: liquidificador, balança de precisão e material para embalar e comercializar o pó ilícito. Por fim, os policiais civis apreenderam uma grande quantidade de dinheiro, possivelmente arrecadado através do tráfico. Ao todo, R$ 1,8 mil. Após essa operação bem sucedida, as investigações policiais prosseguem com o intuito de localizar e prender os responsáveis pelo laboratório, que já foram identificados. Outro caso Em menos de uma semana, a mesma equipe realizou outra operação na região, desta vez no bairro Simioni. Os policiais da DISE fizeram uma incursão na madrugada de 26 de abril. Na ocasião, um homem foi preso em flagrante. Foram realizadas novas apreensões, inclusive de cocaína, evidenciando a importância da atuação dos policiais civis nessa região. A equipe da DISE encontrou um aparente ponto de distribuição de drogas. No local, armazenava-se entorpecentes para posteriormente distribuir aos responsáveis por sua comercialização. No local, foram apreendidas 23 porções de maconha e 37 cápsulas de cocaína. O apelo dessa segunda droga é tamanho que o produto encontrava-se distribuído em embalagens de cores diversificadas, com o intuito de diferenciar uma gama variada de tipos de cocaína, de acordo com níveis de pureza e em qualidades específicas. Além dos entorpecentes, foram também encontrados R$ 105 e anotações da movimentação do tráfico no local, confirmando a atividade criminosa. Por essa razão, foi preso um homem de 31 anos, considerado suspeito. As investigações prosseguem. Por: Mariana Luque Foto: Dise Ribeirão Preto Material apreendido em laboratório de refino de drogas durante ação bem sucedida da DISE Ribeirão Preto

[close]

p. 12

12 ANIVERSARIANTES DE JUNHO 1 Cleusa Palombo Navajas Angela Maria Pastori Carlos Henrique Guilhermiti João Luiz Lacruz 2 José Antonio Floriano Odair Gaspar Paulo Roberto de Souza Sandro Aparecido Bonádio Clério Aparecido Teixeira Leandro Carlos dos Santos 3 Carlos Augusto Miura José Luís Cremasco Carlos Dionino Augusti Antonio Carlos Arrighi Mayumi Tobace Solange Langhi Fávaro 4 Benedito Celso Pinheiro de Quadros Henrique Ap. Gonçalves Aguilar Lopes Cristiana Martins dos Reis Bernardo Solange de Oliveira Luiz Eloi Teixeira de Aguiar Joseane Aparecida Polegatto de Moraes Josias Martins dos Santos Filho 5 Carlos Donizeti Nogueira Carmen Lúcia Borguini Rodrigues José Américo Marchezi Edgard Sérgio Visconte 6 Neusa Aparecida Pian da Mata 7 Jaime Gilberto Rosa Antonio Gilberto de Aguiar Abrahão Guevara Weigert Cleto Antonio Benedito Ferreira 8 Nélio Rezende Cardoso Carlos Cesar Costa 9 Marcos Antonio Júlio César Malaspina Aparecido Donizeti da Silva Charles Tobias Gomes 10 Cláudia Silva Vieira 12 Otávio Franco Nelson Benito Júnior Jarim Lopes Roseira Jacqueline Chrispim Lourencini 13 Milton Antonio Bernardo Júlio César Fabbri Antonio Luís Carossi Renato da Silva Bueno Crislaine Martins Coradini 14 Maria Aparecida Goulart 15 Diego Rodrigo Anaia Sílvio Luís Passagem Luís César Machado Marcelo Pereira da Silva 16 Jorge Abdo Chedid 17 Maria do Amparo Faria Tereza Raquel Merlino Constantino 18 Lázaro Jair Fernandes José Roberto Pereira II Ronaldo Dutra Ivanize Alexandra de Aguiar Carina Bianca Cesca 19 Ida Lúcia Nunes José Henrique Ventura Denize Aparecida da Silva Moraes Fernando Scafi Nogueira Heliton Silva Amaral Paulo Henrique Martins de Castro 20 Jarlete Froes de Aguilar Galli Odacir Cesário da Silva Antonio Carlos Martins Ailton Gomes dos Santos Marcos Leandro Antonio Adalberto Gonini Junior Florentina Fernandez Munari João de Souza Lima 21 Celso Correa de Moura Carlos Amir Pessoa Walter Dias José Carlos Damasceno Lucas Renato Luchetti João Roberto Pedro Alexandre Jorge Daur Filho Samuel Duarte Martins Aparecida de Freitas Queiroz Pires Marcos Antonio Ferreira Magali Martins da Rocha 22 João Jacinto do Amaral Eliane Aparecida Ferreira da Silva Endrigo Rodrigues de Sá Nasser Mamed Saleh 23 José Luis Juns Louzada 24 João Carlos Alves João Batista do Nascimento João Carlos de Menezes Ricardo Fernandes Vieira 25 João Reinaldo de Souza Sandro Lemes Araújo 26 Sebastião Flauzino Ferreira Júnior Isabel Aparecida Ribeiro João Murakami Edmir Valera Sheyla Pimentel Alvim Perone Luciano Porfírio da Silva José Gobetti Júnior 27 Marco Antonio Bianchi Leila de Paula Mônica Maria Santos Rocha Borges Pedro Cesar Almeida Santos 28 Ilza Maria Vieira Maria José Gotardo Bartolomeu Pedro Venâncio Duarte Jacira Othon Teixeira Fumagalli Edmar Antonio Piovani Iara Sales 29 Roberto Tomasella Monteiro Márcio Antonio Sabain 30 Geraldo de Paula e Silva Maria Aurea Birches Lopes Sales Sonia Maria Aparecida Minto João Pedro de Andrade Cloves Rodrigues da Costa Edgard Meirelles de Siqueira O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. MEMÓRIA Maio de 2017 TEMPOS DA APOCIRP Corria a década de 1980 e a Apocirp (Associação dos Policiais Civis de Ribeirão Preto) era ponto de encontro para reivindicações e também para descontrações. A Associação, que deu origem ao Sinpol na década de 1990, foi um divisor de águas. Em uma de suas primeiras reuniões festivas, alguns policiais civis que estavam no local posaram nesta foto. Em pé, a partir da esquerda, o delegado Hélio Costa, Samuel, João Batista e Alexandre. Agachado, o então investigador - hoje delegado titular da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Sertãozinho -, dr. Targino Donizete Osório. DO FUNDO DO BAÚ O Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto está mantendo um acervo de imagens relacionadas à Polícia Civil. Para tanto, a Diretoria está incentivando a participação de associados que tenham em seus arquivos fotografias que possam ilustrar diferentes aspectos da história da Instituição. “Temos certeza que muitos colegas guardam várias fotos com lembranças de reuniões, eventos e de situações cotidianas dentro da Instituição, com um valor inestimável pelas lembranças que representam”, ressalta o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Os interessados em colaborar com esse resgate da memória da Polícia Civil da região podem entrar em contato com a Secretaria do Sinpol, através dos telefones (16) 36129008, 3625-3890 e 3979-2627, ou do e-mail sinpolrp@sinpolrp.com.br. “As fotografias serão digitalizadas e prontamente devolvidas aos seus proprietários”, garante Eumauri. O material reunido pelo Sinpol será publicado no Jornal do Sinpol e no site da entidade (www.sinpolrp.com.br).

[close]

p. 13

Maio de 2017 PIRASSUNUNGA 13 FILHO MATA O PRÓPRIO PAI EM PESQUEIRO Militar reformado da Aeronáutica com supostos problemas com drogas teria discutido com seu pai e atirado nele às margens do rio Mogi Guaçu Os policiais civis de Pirassununga, região do Deinter-9 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior) vêm investigando desde o dia 11 de abril um assassinato ocorrido às margens do Rio Mogi Guaçu, que corta o município. O suspeito de autoria do crime é um militar reformado da AFA (Academia de Força Aérea), que é acusado de assassinar seu pai. Desde então, a equipe responsável vem recolhendo evidências do ocorrido, trabalho que delineia com mais precisão os detalhes do homicídio. Conduzidos pelo delegado dr. Francisco Paulo de Oliveira Lima, trabalham no caso os investigadores Domingos, Danilo, Adriano, Thiago e Macarenko. As investigações iniciaram-se quando o suspeito informou à Polícia sobre a morte de seu pai. Segundo o mesmo, o ocorrido havia sido um acidente: ambos teriam discutido no rancho onde viviam com a mãe do policial reformado e, como consequência, seu pai havia morrido e caído no trecho do rio Mogi Guaçu que cortava essa propriedade. O local está situado no bairro da Balsa. Contudo, essa versão dos fatos não se sustentou: devido ao rápido trabalho da equipe de policiais civis, foi possível colher indícios e informações que indicavam a hipótese mais aceita pela equipe de investigação. Segundo os policiais, a vítima estaria pescando no local quando foi surpreendida por seu filho, que teria disparado a espingarda sem que tivesse chance de reação. Na sequência, o corpo teria sido jogado ao rio junto com a arma, que era da própria vítima. Com o intuito de elucidar o ocorrido, foram realizadas buscas ao longo do rio Mogi Guaçu envolvendo pelo menos 25 canoas de pescadores, com participação do Corpo de Bombeiros. No dia 13 de abril esse trabalho gerou resultado: a arma do crime foi encontrada. Em seguida, durante a tarde do mesmo dia, o corpo foi localizado a cerca de 3 quilômetros do local do homicídio, nas proximidades de uma ponte na Rodovia Deputado Ciro Albuquerque (SP-225), caminho para a cidade de Aguaí. O cadáver encontrava-se em estágio inicial de decomposição quando emergiu no rio, de modo que pode ser reconhecido por amigos da família. O corpo foi levado ao IML (Instituto Médico Legal) da cidade de Limeira, próxima a Pirassununga. As investigações prosseguiram com o intuito de descobrir as motivações do crime. Para tanto, a posição da mãe do suspeito forneceu grande parte das evidências. Segundo a mesma, seu filho é dependente químico e sofre com problemas psiquiátricos há 20 anos, desde que sofreu um acidente de moto. Tais aspectos motivavam um comportamento conflituoso, que gerava embates com o pai. A mãe alega também que essas discussões já haviam culminado em situações extremas e que o acusado já havia tentado matar a vítima em outras ocasiões. A mãe afirma: “Por volta de 14 horas meu filho me ligou e disse que já tinha resolvido o problema dele e que já tinha chamado a Polícia. De vez em quando ele inventava umas histórias e perguntei se ele tinha matado alguém e ele disse ‘matei meu pai’”. A AFA, por sua vez, informou que o ex-soldado encontrava-se afastado desde 2002 por problemas de saúde não detalhados pela trabalho da equipe do dr. Francisco, chegou-se instituição. à conclusão de que possivelmente não teria Atualmente, o acusado encontra-se detido no havido luta e ele teria atirado contra seu pai com quartel da Força Aérea à disposição da justiça. A o objetivo de matá-lo. medida foi tomada logo após as investigações Os policiais civis prosseguem com as iniciais. Na ocasião o suspeito se consultou com investigações com o intuito de recolher evidências um advogado e acionou os policiais, sobre o ocorrido para a conclusão final do apresentando sua versão dos fatos, em que o inquérito. A agilidade da equipe envolvida permitiu pai teria morrido em decorrência de um acidente uma ação rápida e precisa em torno do caso. em uma discussão dos dois. Devido ao rápido Por: Mariana Luque Foto: Polícia Civil de Pirassununga Mergulhadores do Corpo de Bombeiros auxiliaram os policiais civis nas buscas pelo corpo e arma utilizada no patricídio

[close]

p. 14

14 RADAR Maio de 2017 Rincão No dia 9 de abril, um homem foi preso em flagrante após atropelar e matar uma mulher, de 28 anos, na estrada municipal, entre Rincão e Guatapará. A Polícia Civil de Rincão (Deinter 3/Ribeirão Preto) recebeu a informação de que um homem, conduzindo um veículo VW/Golf, havia atropelado uma mulher e se evadido do local sem prestar socorro à vítima. De pronto, um policial foi deslocado para o local dos fatos, identificou e abordou o suspeito. O veículo do suspeito possuía três de seus pneus estourados. Vistoriado, nele foram encontrados vestígios do corpo da vítima. O homem foi submetido ao teste do bafômetro, que deu positivo para o estado de embriaguez. Ele foi autuado em flagrante por homicídio culposo na direção de veículo automotor e embriaguez ao volante. São Carlos I Policiais civis do 2º Distrito Policial de São Carlos (Deinter 3/Ribeirão Preto) prenderam, no dia 7 de abril um homem por tentativa de roubo naquele município. Agentes da Unidade realizavam diligências no bairro de Vila Prado, quando presenciaram uma tentativa de roubo em frente a uma agência bancária.Avítima era um funcionário de um supermercado, o qual carregava um malote com R$ 2.079,00 em cheques e R$ 9.630,00 em espécie e foi rendido pelo assaltante. O suspeito, de 28 anos, foi autuado em flagrante e recolhido ao Centro de Triagem de São Carlos. São Joaquim da Barra I Policiais civis da Delegacia de Polícia de São Joaquim da Barra (Deinter 3/Ribeirão Preto) realizaram, no dia 3 de abril, uma operação policial visando a verificação volumétrica das bombas medidoras de combustíveis líquidos, nos municípios de Sales de Oliveira e Orlândia.Até o momento, um posto de combustível foi autuado. A operação contou com o apoio do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) de Ribeirão Preto e terá prosseguimento em outros municípios da região. Fernando Prestes Policiais civis da Delegacia de Polícia de Fernando Prestes (Deinter 3) prenderam, no dia 7 de abril, um casal por tráfico de drogas e associação ao tráfico, no Jardim SantoAntônio, nesse município. Os agentes receberam informações de que um homem recém-chegado a Fernando Prestes vinha praticando o tráfico de drogas em dois pontos da cidade, um no Jardim Europa, e outro no Jardim SantoAntônio, residência de sua namorada. Munidos de mandados de busca e apreensão, os policiais civis dirigiram-se para a residência do casal e localizaram 40 papelotes de cocaína, 25 pedras de crack e 1 porção de maconha, além de várias embalagens de plásticos e R$ 1361. Os criminosos foram presos em flagrante. São Carlos II Policiais civis da Delegacia de Polícia de Investigações Gerais (DIG) de São Carlos (Deinter 3/Ribeirão Preto) prenderam dois homens integrantes de uma quadrilha de roubo de cargas, naquele município. Os suspeitos foram presos após investigações sobre um furto de carga, ocorrido no dia 21 de janeiro do ano em curso, no município de Araraquara. Na ocasião, o motorista trafegava com uma carreta carregada de açúcar na Rodovia Washington Luiz e por problemas mecânicos foi obrigado a parar no acostamento, quando foi rendido pelos indivíduos armados. Durante a madrugada, a vítima e o caminhão foram localizados em Ibaté. A dupla também é suspeita de ter praticado outro roubo de carga de açúcar, na mesma rodovia. Barretos Policiais civis da Delegacia de Polícia de Barretos (Deinter 3/Ribeirão Preto) prenderam, no dia 31 de março, um homem por furto de armas de fogo, naquele município. O crime ocorreu no dia 26 de março, em um sítio situado em Barretos. Na ocasião, duas espingardas, de calibres 12 e 20, foram subtraídas. Após investigações, os policiais civis chegaram até o suspeito, um homem, de 38 anos. Ele foi localizado em outro sítio, na mesma cidade, na posse das duas armas furtadas. São Joaquim da Barra II A Polícia Civil, através da Seccional de São Joaquim da Barra (Deinter 3 – Ribeirão Preto), divulgou, no dia 31 de março, o resultado dos trabalhos de polícia judiciária realizados no mês de março, referentes ao combate à criminalidade na região de São Joaquim da Barra. Aação contabilizou o cumprimento de 15 mandados de busca e apreensão, 22 mandados de prisão, 6 mandados de prisão administrativa, 3 prisões em flagrante, bem como a apreensão de drogas e de cerca de 120 objetos diversos de procedência duvidosa. Participaram da ação 44 policiais civis e 17 viaturas. Material apreendido por policiais civis de Fernando Prestes Foto: Polícia Civil

[close]

p. 15

Maio de 2017 Com as obras na reta final, os policiais civis associados ao Sinpol contam os dias que faltam para a entrega na nova sede social do sindicato. Trata-se de uma ampla e moderna área, instalada numa das regiões mais valorizadas de Ribeirão Preto, a zona sul. Todo o trabalho vem sendo minuciosamente acompanhado pela diretoria do sindicato, em especial pelo vice-presidente CélioAntonio Santiago, que está acompanhando todos os passos da obra, o prédio já conta com o piso interno e externo todo assentado.Além disso, até o final de janeiro estava previsto o término da instalação dos vidros. As pias estão todas instaladas e as louças sanitárias restantes já foram compradas. A obra foi feita toda com recursos próprios do Sinpol, com planejamento para evitar endividamento. E o projeto já é uma feliz realidade. Em 2017 o sindicato terá casa nova, na Avenida Francisco Massaro Farinha, esquina com a rua Pedro Pegoraro, que é uma travessa daAv. Leão XIII, na Ribeirânia, atrás do Campus da Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto) e terá área total construída de 1.600 m², está sendo erguido em um terreno com área total de 2.247,95 m². Acompanhe nas fotos a evolução do empreendimento, que teve obras iniciadas em 06 de março de 2012. QUASE PRONTA NOVA SEDE 15

[close]

Comments

no comments yet