Revista Nexialistas - Edição 4

 

Embed or link this publication

Description

Learning Strategy

Popular Pages


p. 1

REVISTA DIRETO AO PONTO Saber se comunicar de forma assertiva é habilidade essencial para líderes! EDIÇÃO 4 • ANO 1 • JUN – JUL/2017 SEM PERDA DE TEMPO Dicas para preparar reuniões mais eficazes DE ATLANTA Cinco tendências apresentadas na ATD, maior encontro de T&D do mundo MICROLEARNING Conheça mais sobre a grande tendência para o treinamento corporativo ENTREVISTA Guilherme Cavalieri, da Serasa Experian: de gente ele entende A conexão que faz a LEARNING diferença para alcançar STRATEGY (ou não) os resultados

[close]

p. 2

PARA SER CONSULTOR DE TREINAMENTO, NÃO BASTA EXPERIÊNCIA. É PRECISO TER TÉCNICA! CURSO DE FORMAÇÃO DE CONSULTORES EM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO execução do treinamento desenvolvimento de treinamento dinamização da aprendizagem INOVAÇÃO realização de diagnóstico processo de aprendizagem METODOLOGIA TECNOLOGIA CONSULTORIA EM DESENVOLVIMENTO E TREINAMENTO soluções em consultoria www.nexialistas.com Confira as datas e locais das turmas e reserve já a sua vaga! RIO DE JANEIRO Início: 9 de Junho /2017 • BELO HORIZONTE Início: 24 de Junho /2017 SÃO PAULO Início: 30 de Junho /2017 • UBERLÂNDIA Início: 3 de Agosto /2017 CURITIBA Início: 24 de Agosto /2017 • JOINVILLE Início: 28 de Setembro /2017 VITÓRIA Início: 13 de Outubro /2017 • Inscrições: contato@nexialistas.com

[close]

p. 3

EDITORIAL Somos todos pressionados para fazer mais e melhor, com cada vez menos recursos e menos tempo. Vivemos no mundo VUCA (do inglês), volátil, incerto, complexo e ambíguo, temos que aprender e desaprender cada vez mais rápido. O resultado dessa operação tem sido muito stress, insegurança e ansiedade em todas as áreas. Neste cenário, a missão de quem ocupa cargos de liderança é ainda mais desafiadora. Como manter uma equipe motivada, estimular a qualidade de suas entregas, convencê-la de que é possível fazer mais com menos e ainda de que a execução da estratégia da empresa depende da forma como cada um realiza suas atividades no dia a dia? O grande desafio dos departamentos de Recursos Humanos é se tornarem cada vez mais parceiros e estratégicos na organização. Não adianta mais ensinar ao funcionário como executar ou aprimorar suas próprias atividades. Isso acabou. É preciso ir além. O papel do RH é viabilizar a execução da estratégia. Elaborar este plano não é simples. Afinal, quando atendemos dificuldades e gaps enfrentados no presente, isso parece algo mais palpável, mais fácil de detectar e corrigir. O RH não pode mais esperar ser demandado! É preciso pensar estrategicamente, olhando para o futuro. Para isso, é necessário ter profundo conhecimento do core business da empresa, entendimento da estratégia, planejamento e técnica. É aí que entra o Learning Strategy. Uma ferramenta poderosa que organiza cada passo a ser dado para preparar as equipes. O LS auxilia na implementação de uma cultura de aprendizagem que promova competitividade e materialize em ações as necessidades de Treinamento e Desenvolvimento, tornando o resultado de cada etapa mensurável. O Learning Strategy é o tema da reportagem de capa desta edição, que traz ainda as nossas impressões do maior Congresso de Treinamento e Desenvolvimento do Mundo, ATD em Atlanta, os benefícios do Microlearning para treinar de forma rápida e eficiente entre outros temas para você ficar por dentro das mais importantes novidades do setor e se destacar como profissional inconformado, que vai sempre além e surpreende com suas entregas! Mãos à obra! #Tamojunto para #Fazeracontecer! Alberto Roitman Amanda Costa Anderson Bars EXPEDIENTE Revista Nexialistas Publicação da Nexialistas Consultoria em Desenvolvimento e Treinamento Jornalista Responsável Amanda Costa MTB 26554 Textos: Luciana Alves – MTB 26276 Designer: Rodrigo Terra Capa: Shutterstock Tiragem 1000 exemplares Distribuição Gratuita NEXIALISTAS CONSULTORIA EM DESENVOLVIMENTO E TREINAMENTO Fones: +55(11) 3068-0054/ 3061-2545 – Avenida Doutor Gastão Vidigal, 1132 – 730 andar – Bloco B – Vila Leopoldina • São Paulo/ SP • www.nexialistas.com

[close]

p. 4

CANTINHO DOS 70 AUTODESENVOLVIMENTO Nesta coluna você encontra boas dicas para seu autodesenvolvimento. Livros, filmes, músicas, blogs, peças de teatro e outras metodologias que ajudarão a desenvolver alguma competência. Tem jeito melhor de se desenvolver do que curtindo um filme, lendo um livro, assistindo a um espetáculo ou visitando uma mostra? Confira as dicas e divirta-se aprendendo ou aprenda se divertindo! LIVRO PERDAS NECESSÁRIAS Vivemos uma cultura onde a perda de emprego, a perda patrimonial ou a perda de entes queridos é vista de forma derrotista. Judith Viorst mostra como é possível encontrar forças para seguir adiante e conquistar aquilo que queremos. De acordo com a autora, essas perdas são previsíveis, inevitáveis e necessárias. É uma abordagem original, com bom embasamento científico, linguagem didática e acessível, que propõe uma nova forma de lidar com as emoções que esses fatos provocam. No Brasil, o livro Perdas Necessárias foi publicado pela Editora Melhoramentos, em 2005. Foi publicado originalmente nos Estados Unidos em 1986 com o título Necessary Losses. BLOG A VIDA SEM CRACHÁ Este Blog, escrito pela Ex-Diretora do Grupo Abril, Claudia Giudice, conta as sensações de descobrir um novo mundo, em que deixamos de trabalhar para uma empresa e passamos a gerir nosso próprio negócio. Ela compartilha suas sensações e prazeres de conhecer um outro lado da vida profissional, sem necessariamente ter um chefe. Recomendamos para aqueles que pensam em sair da empresa e abrir um negócio. O blog tem o mesmo nome do livro lançado pela empresária e jornalista, que é mestre em Comunicação pela Universidade São Paulo. claudiagiudiceemavidasemcracha.wordpress.com 4 FOTO: DIVULGAÇÃO

[close]

p. 5

AUTODESENVOLVA-SE FOTO: DIVULGAÇÃO FILME WHIPLASH Em busca da Perfeição Grande vencedor do Festival de Sundance em 2014, o filme “Whiplash - Em Busca da Perfeição”não é precisamente um filme sobre jazz, mas irá encantar os apaixonados por música. É uma obra, como o título deixa claro, sobre a busca da perfeição e os limites que as pessoas estão dispostas a atingir para alcançar suas ambições. Existem vários motivos para este filme ser inesquecível. Um deles é ter o melhor Soundtrack (lista das músicas tocadas no filme) de todos os tempos. A seleção de músicas de jazz e dos grandes compositores do gênero foi muito feliz e a atuação de J.K. Simmons é brilhante. No enredo, o solitário Andrew (Miles Teller) é um jovem baterista que sonha em ser o melhor de sua geração, mas sofrerá com a convivência com o abusivo maestro, que fará Andrew transformar seu sonho em obsessão. O lançamento no Brasil foi em 8 de janeiro de 2015. ARTE MUSEU EM CASA Que tal visitar o Louvre, se encantar com a Monalisa, e passear pelo gigantesco acervo dos maiores museus do mundo sem sair do seu sofá? Pois é o que o Google Art Project permite, no mesmo formato do Street View. Através da tela do seu computador, você pode andar pelos museus, olhar as obras e conhecer suas principais descrições. Pode também fazer um tour pelo Palácio de Versalhes ou ainda conhecer 10 fatos pouco conhecidos sobre Vincent van Gogh. Visite o www. google.com/culturalinstitute e faça essa bela e instigante viagem. ESPETÁCULO DA BROADWAY PARA SÃO PAULO Depois de 16 anos, uma nova montagem do musical “Les Misérables” está em cartaz em São Paulo até o dia 30 de julho. O local é o Teatro Renault, mesmo local que recebeu o espetáculo em 2001. A produção segue o roteiro de uma montagem londrina de 2010, repaginada para celebrar o 25º aniversário do musical, inspirado no romance homônimo escrito no século 19 pelo autor francês Victor Hugo (1802-1885). Os ingressos estão à venda no site ticketsforfun.com.br. O Teatro Renault fica na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 411, Bela Vista, tel. 4003-5588. 5

[close]

p. 6

MICROLEARNING CONHECIMENTO ÁGIL E ASSERTIVO Em um mundo altamente tecnológico e disruptivo, a forma de ensinar deve acompanhar a velocidade das mudanças Você já deve ter ouvido falar, ou até já ter participado de algum treinamento com o conceito do microlearning, afinal essa é uma grande tendência para o treinamento corporativo. Isso porque suas características principais se adéquam muito bem à realidade dos dias atuais: é rápido, efetivo, assertivo e pode ir onde o profissional está. “Os microlearnings são opções mais acessíveis. Pequenas entregas, recorrentes, mais efetivas e racionais. Ele se adapta aos tempos de crise e à capacidade técnica das empresas. Quanto mais efetivo o RH é no microlearning mais estratégico ele é para a companhia”, ressalta Alberto Roitman, Chief Creative Officer da Nexialistas Consultores. Desde 2016 a Ultragaz utiliza o microlearning para conseguir treinar os profissionais das revendas espalhados em todo o Brasil. A forma do microelarning escolhida foi o vídeo em diversos formatos - como animação e Whiteboard - e o quiz para avaliar se as informações foram realmente absorvidas. A empresa optou pelo microlearning em formato de vídeo, seguindo a diretriz da companhia e da área de inovação, que sabia da necessidade de uma comunicação digital rápida e eficaz. Flávia Jabur Rodrigues Benedito, especialista em Desenvolvimento Humano Organizacional da Ultragaz, explica que este programa foi a primeira iniciativa de microlearning na companhia focada nos funcionários das revendas. “Gostamos tanto da repercussão, do formato prático, rápido, lúdico de conseguir atender 5000 revendas espalhadas pelo Brasil que será uma tendência a ser implementada para outros públicos e programas dentro da organização”, garante. Alberto ressalta que o microlearning é uma inovação disruptiva. “As empresas precisam questionar suas regras e políticas internas. O RH tem de conseguir defender a inovação disruptiva dentro de suas organizações, como por exemplo, enviar vídeo de um minuto pelo aplicativo WhatsApp, que o funcionário pode acessar onde ele estiver através do seu celular”. Para fomentar essas novas metodologias, o sócio da Nexialistas ressalta que é necessário ter um bom suporte tecnológico e ferramentas para mensurar os resultados. E a Ultragaz já consegue mensurar esses números através 6

[close]

p. 7

EDUCAÇÃO CORPORATIVA OS MUITOS FORMATOS DE MICROLEARNING O microlearning é um método de EAD que consegue proporcionar aprendizagem em passos menores. São cursos mais focados e lições que demandam menos tempo de aprendizado. Mas isto não quer dizer que seja um curso menor ou com menos conteúdo. Não há um tamanho padrão para o microlearning e suas possibilidades são variadas; confira: • Jogos; • Testes/quiz; • Simulações de negócios e es- tudos de caso; • Podcasts e vídeos; • Posts e artigos on-line; • Slideshows. “Gostamos tanto da repercussão, do formato prático, rápido, lúdico de conseguir atender 5000 revendas espalhadas pelo Brasil que será uma tendência a ser implementada para outros públicos e programas dentro da organização.” FLÁVIA JABUR RODRIGUES BENEDITO Especialista em Desenvolvimento Humano Organizacional Ultragaz de uma plataforma própria, onde os treinamentos são disponibilizados via internet para PC’s e por aplicativos de celular. E para ter acesso basta o o profissional fazer um cadastro. Quanto mais participam, ou seja, assistem aos vídeos e respondem ao quiz, mais os profissionais pontuam e concorrem a prêmios. Em 2016 foram distribuídos 500 prêmios, sendo duas motos para os primeiros colocados no ranking nacional. “A ideia do quiz é fazer com que as informações transmitidas sejam absorvidas pelos participantes gerando pontos de acordo com a sua performance”, explica Amanda Siqueira, analista de projetos da Ultragaz. Ela ressalta que a ideia surgiu para valorizar o profissional e promover orgulho de ser e vestir a camisa Ultragaz. “Dessa forma mostramos diferenciação e estabelecemos relacionamento e engajamento direto com a Cia. promovendo uma experiência com o cliente e garantindo qualidade de forma padronizada e eficiente”, explica. Afinal, disseminar conhecimento e desenvolver colaboradores espalhados pelo Brasil sem tempo para realizar treinamentos presenciais é um grande desafio enfrentado dentro de muitas organizações. “A metodologia de microlearning é uma forma diferente de conseguir transmitir conhecimento de maneira efetiva aos colaboradores em curto espaço de tempo através de exemplos lúdicos. Permitindo quebrar em pílulas de conhecimento as várias informações que gostaria de transmitir”, explica Flávia. 7 FOTO: DIVULGAÇÃO

[close]

p. 8

PREPARE REUNIÕES MAIS EFICIENTES Os olhos se projetam para o alto e se fecham lentamente. Você suspira profundamente e pensa: vou perder tempo Se você já reagiu desta forma, ao receber um convite para uma reunião, saiba que você não é o 1único. Embora façam parte da rotina de organizações de todos os portes, as reuniões nem sempre são bem vistas pelos colaboradores. É que muitas vezes elas parecem intermináveis e, pior, até mesmo improdutivas. Mas a reunião é uma forte ferramenta de trabalho e pode sim ser eficiente e gerar resultados! E qual é o segredo? Preparação! A equipe de consultores da Nexialistas garante: quanto mais tempo for dedica- 2do à preparação, mais eficiente e CERTIFIQUE-SE DE QUE A REUNIÃO É REALMENTE NECESSÁRIA Faça um exercício para pensar se o assunto pode ser resolvido com e-mails, telefonemas ou até por trocas de mensagens via grupos de redes sociais. Presencialmente, as pessoas tendem a se prolongar e serem menos objetivas. IDENTIFIQUE O OBJETIVO DA REUNIÃO O tema a ser tratado produtiva será a reunião. Siga os e o objetivo a ser alcançado passos ao lado e deixe para trás as precisam estar claros para que reuniões improdutivas! não se perca o foco. CONHEÇA QUATRO PERFIS TÍPICOS DE PARTICIPANTES EXPERT Por ter muito tempo de empresa participa de reuniões por obrigação e acaba tendo atitudes que dispersam o grupo. DICA: Reconheça as contribuições das pessoas mais experientes, mas enfatize a importância de equilibrar o conhecimento com ideias inovadoras. 3PREPARE A REUNIÃO Elabore a pauta preliminar, estabeleça uma sequência de assuntos, planeje o tempo que deve ser dedicado para cada passo. Uma boa reunião tem uma breve introdução para contextualizar o tema, a exposição dos dados e informações sobre a situação atual, a contribuição dos participantes, discussão dos próximos passos e o fechamento.. CHEIO DE INICIATIVA Ele tem ideias e soluções para tudo e adora dar exemplos difíceis de serem implementados e desaparece na hora de agir. DICA: Valorize suas contribuições enfatizando que a inovação se faz com sugestões diferentes e pontos de vista incomuns. É preciso pensar em algo que seja possível de implementar! 8

[close]

p. 9

DIA A DIA PROFISSIONAL SELECIONE OS PARTICIPANTES CORRETOS 4 6 10Identifique os principais tomadores de decisão, ou seja, pessoas que têm conhecimento sobre o tema que será discutido. Avalie se os convidados podem tomar as decisões. Convide só aqueles cuja presença é realmente necessária. DETERMINE O TAMANHO DA REUNIÃO 5Ele muda de acordo com 7 11o objetivo. Se for para resolução de problemas devem envolver poucas pessoas, no máximo 5. Se o foco é fazer um brainstorming, aí é importante mobilizar mais pessoas para que as ideias surjam. A dica é não passar de 12 pessoas. 8 12SABE-TUDO Expõe seus conceitos e opiniões com objetivo de fazer com que as pessoas achem que seus conhecimentos são os mais corretos. Tem a necessidade de ter a última palavra. DICA: Incentive a participação 9de outras pessoas, de modo que a discussão não seja Zmonopolizada. Peça para que dê Zoportunidade de outros participarem também. DEFINA PAPEIS O ideal é que os participantes tenham um papel específico a desempenhar no encontro, pois isso aumenta o foco e o envolvimento. Veja algumas funções importantes: o facilitador, para conduzir a discussão. O anotador, para organizar e registrar as principais ideias e decisões. O controlador do tempo, para avisar sobre os timings de cada passo, etc... PENSE NO LOCAL O lugar é muito importante e sua escolha deve estar ligada ao tema a ser tratado na reunião. Se ela for informal e íntima, a melhor opção é uma sala pequena com as cadeiras em círculo. Para uma reunião mais formal, o indicado é uma sala em “U”. FAÇA O CONVITE A dica é enviar um convite individual pela agenda eletrônica ou por e-mail. Se for possível, fale pessoalmente com os convidados. PRÉ-WORK Se for necessária leitura preliminar, envie com um dia ou dois de antecedência e esclareça que a ideia é que os participantes analisem antes os materiais. ESCOLHA UM MÉTODO PARA A TOMADA DE DECISÃO O voto por maioria permite que todos sejam ouvidos, mas raramente no ambiente corporativo a democracia fala mais alto. Se houver uma pessoa com hierarquia maior na sala, em geral, a decisão do “chefe” acaba prevalecendo. DEFINA OS “TO DO’S” A pauta finalizada deve ser distribuída a todos os participantes e, se foram designados papéis, verifique se compreenderam as funções que desempenharão. DEFINA PRAZOS Saia da reunião sempre com prazos claros e estabelecidos para a entrega dos combinados e para nova conversa sobre os pontos trabalhados. DORMINHOCO Ele dorme ou boceja durante as reuniões, mostrando desinteresse e falta de respeito com o gestor e com os colegas. DICA: Faça com que ele participe Z Z ZZ das discussões propostas na reunião, direcionando perguntas diretas, tendo o cuidado de não expô-lo. Mantenha-o ocupado com tarefas específicas, como por exemplo, fazer a ata da reunião ou proceder com algum desdobramento. 9

[close]

p. 10

LEARNING STRATEGY O CAMINHO PARA NROEVSOUS ELMTEALHDOORESS Para alcançar seus objetivos as empresas precisam potencializar as competências de sua equipe; para isso é necessário ter uma estratégia de aprendizagem muito bem estruturada Em um mercado acelerado e de profundas mudanças, ter foco e saber onde deseja chegar é fundamental no mundo corporativo. Perguntas como: “as is” (como é) e “to be” (como será) fazem parte da rotina das lideranças que querem alcançar os objetivos. Mas para chegar lá é necessário desenvolver as competências da equipe de acordo com o objetivo almejado. Para essa árdua missão existe o que no mundo do T&D chamamos de Learning Strategy, a ponte que levará a empresa até o resultado desejado. “A estruturação de uma LS faz com que as áreas de Educação Corporativa tenham uma só missão: preparar as pessoas para serem capazes de superar os desafios futuros e atingir a estratégia organizacional”, ressalta Anderson Bars, Chief Creative Officer da Nexialistas Consultores. Soraya Bahde, diretora de Gente & Gestão da Alelo, empresa que passou recentemente por um processo de Learning Strategy, conta que o objetivo logo no início do projeto era levar as ações de desenvolvimento a um novo patamar de resultados. “Precisávamos entender com profundidade como as ações educativas, entre outras ações de pessoas, sustentariam o Planejamento Estratégico da Alelo. O objetivo final é transformar a área de Educação em um modelo de Universidade Corporativa”, explica. O processo de LS começa com um potente diagnóstico com o apontamento de drivers claros de execução, que auxiliará na priorização de atividades e direcionamento dos esforços para a integração dessas iniciativas. É a construção deste diagnóstico que trará à tona as informações necessárias para guiar as ações estratégicas de desenvolvimento. Nesta fase deve ficar claro, quem é 10

[close]

p. 11

CAPA FOTO: DIVULGAÇÃO “A estratégia de aprendizagem ‘mune’ o profissional de RH com fatos e dados de como chegar ao cenário desejado e colocar a área de educação em um patamar diferenciado de resultado.” SORAYA BAHDE Diretora de Gente & Gestão da Alelo essa organização, quais são seus objetivos e onde deseja chegar. E é neste cenário que é estruturado o Learning Strategy, ou seja, os direcionadores de como os funcionários da organização desenvolverão suas competências. Depois de entender o público, é hora de definir as premissas e os recursos que serão utilizados como por exemplo, novas tecnologias, cardápios metodológicos e trilhas de conhecimento, hoje existe uma infinidade de opções, algumas altamente tecnológicas, que se adéquam as mais distintas necessidades em diferentes cenários e áreas de atuação. “Temos que treinar as pessoas não para os que elas já deveriam saber e fazer, mas sim para que esse desenvolvimento leve a empresa a desenvolver e implementar sua estratégia. O desenvolvimento do funcionário deve levar, a empresa ao desenvolvimento esperado”, ressalta Anderson. De acordo com Soraya, o Learning Strategy contribui para o RH pensar de forma mais estratégica, pois consegue avaliar com profundidade qual o cenário atual, quais são as propostas para se chegar ao cenário desejado e os possíveis impactos de tomadas de decisão ao longo da trajetória. “A estratégia de aprendizagem ‘mune’ o profissional de RH com fatos e dados de como chegar ao cenário desejado e colocar a área de educação em um patamar diferenciado de resultado. Consegue-se defender o alinhamento das práticas de educação à estratégia da Cia. e como ela pode ajudar o negócio a ser mais rentável, sustentável e alinhado à cultura organizacional”, avalia. 11

[close]

p. 12

Benefícios Os benefícios do Learning Strategy são vários. Entre eles destacam-se o desenvolvimento das pessoas para atingir os desafios futuros do negócio; posicionamento da área de educação como o responsável pela implementação da estratégia; direcionamento efetivo do budget de desenvolvimento e criação de critérios claros para a aprovação de projetos de T&D. Soraya garante que já é possível enxergar alguns benefícios colhidos com o projeto da Alelo. “Após todas as reflexões e questionamentos que o projeto nos trouxe, já conseguimos ter evoluções em nosso modelo de pensar Educação”. Ela citou alguns exemplos práticos que é importante compartilhar: MENSURAÇÃO DE RESULTADOS Capacitação na metodologia de Donald Kirkpatrick – Evaluation Training Programs. ESTRUTURA DE EDUCAÇÃO Terceirização da governança da plataforma de LMS – trazer mais valor agregado à estrutura e menos dedicação a temas operacionais e logísticos. Possibilidade de autoinscrição e automatização das ações de sustentação de conteúdos. CRITÉRIOS PARA COMPOSIÇÃO DAS ESCOLAS Escolas definidas por público alvo, com propósitos claros a serem desenvolvidos e alinhados às nossas competências, oferta de autoinscrição baseada em necessidades apontadas em PDI. BLENDED LEARNING Mix de metodologias – treinamentos online, infográficos, vídeos, quiz pós webinar, sala de aula, manuais técnicos, e-learnings. Pista expressa (conteúdos de rápida entrega, que endereçam desenvolvimento baseado nas competências organizacionais, as quais atendem uma demanda corporativa)– Implantação e comunicação da Escola de Gente. VISIBILIDADE DOS INDICADORES Relatórios mensais aos gestores sobre pendências de cursos obrigatórios e GPR com a contribuição da Alelo em Auxílio Educação e Treinamentos. “Percebemos que deveríamos ter o olhar de processos e infraestrutura para cada ação educativa, assim conseguiríamos mapear o cenário atual de cada ação educativa, a proposta de estrutura organizacional/custos e processos para cada uma delas. No modelo anteriormente proposto, negligenciaríamos alguns detalhes, que foram chave de sucesso na entrega do projeto”, finaliza Soraya. PASSO A PASSO – O QUE DEVE SER FEITO AO LONGO DO PROCESSO 1 Entender a realidade das atividades de formação, particularmente as ações conduzidas e gerenciadas pela equipe de desenvolvimento, identificando seu enfoque estratégico, procedimentos de atuação operacional, planejamento, ferramentas e sistemas. 2 Compreender o alcance das ações e projetos realizados e as necessidades de desenvolvimento das ações de formação (fio condutor entre elas), bem como seus impactos nas rotinas do público alvo e das áreas internas. 3 Avaliar a atual estrutura, levando em consideração a arquitetura recomendada para uma área de educação pautada na estratégia do negócio, com vistas para que a mesma, traduza estes objetivos em ações de desenvolvimento específicas. 4 Estudar as iniciativas já realizadas, sugerindo o que deve ser mantido, aperfeiçoado ou abandonado. Por outro lado, as atividades ainda não realizadas serão mencionadas com estimativa de tempo e investimento. 12

[close]

p. 13

CAPA POR QUE AS EMPRESAS PRECISAM DE UM LS? Para tornar a equipe de RH mais estratégica Para alinhar a trilha de carreira às trilhas de desenvolvimento Para aplicar as competências essenciais e do negócio Para preparar seu time para que seja capaz de executar a estratégia Para definir como os funcionários irão se desenvolver Para estruturar as melhores metodologias, de acordo com o perfil dos colaboradores Para que a equipe de T&D seja uma alavanca estratégica do negócio Para acompanhar a evolução do desenvolvimento do colaborador A ESTRUTURAÇÃO DO DIAGNÓSTICO APROFUNDARÁ ENTENDIMENTO SOBRE OS ITENS Atual estratégia de aprendizagem Modelo Instrucional adotado e racional metodológico Infraestruturas e tecnologia utilizadas Parceiros estratégicos Sistemas de acompanhamento e medição das ações formativas Público alvo das ações formativas Organização, processos de trabalho e financiamento das ações de educação 13 Comunicação e logística de atuação

[close]

p. 14

NEXIALISTASTABELA DE COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS PESSOAIS Forte apelo atitudinal, contendo atributos necessários para a aceitação coletiva e o bom convívio. Se faltantes, inviabilizam a vivencia corporativa. COMPETÊNCIAS SOCIAIS Contribuem para o melhor clima de trabalho, potencializam as características da equipe e harmonizam as relações corporativas em todos os níveis. COMPETÊNCIAS COMERCIAIS Necessárias para a eficiencia comercial, alinhando o respeito à necessidade do cliente e as metas de crescimento da empresa. Trabalham todas as Fases da Venda. COMPETÊN TÉCNICAS São aquelas através de ed formal, que p profissional a determinada ou potenciali sua execução X Nexialismo 1 2 Pr Proatividade Sp Solução de problemas P Persuasão 3 4 H Humildade 5 6 C Comunicação 7 Cr Criatividade Ic Integridade corajosa 8 It Iniciativa 9 Ac Acabativa 10 11 Et Ética 12 Ri Relacionamento interpessoal 13 Ep Empreendedorismo Código Ow 14 Gt Ownership Gestão de tempo 18 15 O Organização 19 Ag Auto gerenciamento 16 20 Q Re Qualidade Redação empresarial 17 Mp M 21 Marketing Pessoal Motivação 1 X Nexialismo In 22 Fx 26 Te 30 Influência Flexibilidade Trabalho em equipe 23 Co Colaboração Bc Business Culture 27 Ie 31 Inteligência emocional 24 A Accountability Sc Solução de conflitos 28 32 As Assertividade 25 Fn Formação de networking 29 If Integração funcionários 33 Or Orientação ao resultado Número Nome da competência Ci Customer impact 34 Pp 38 Prospecção de clientes Pc Plano de contas 35 Ea Escuta ativa 39 36 Ng Negociação 40 Pv Performance improvement 37 Nv Negociação avançada Tv Técnicas de vendas 41 Segmentos de atuação e especialização Bc Bancos Fi Financeiras Se Seguros Te Telecom En Energia 14 Cn Consumo Au Automotivo In Indústria Fr Farma

[close]

p. 15

COMPETÊNCIAS As competências abaixo estão divididas por afinidade e podem ser desenvolvidas isoladamente ou em conjunto. Em todas elas as ações formativas serão estruturadas sob medida diante da realidade do cliente. As dinâmicas e metodologias que as compõem serão criadas levando em conta a necessidade de desenvolvimento e alinhadas entre o contratante e a Nexialistas NCIAS obtidas ducação preparam o a executar tarefa izam a o. COMPETÊNCIAS GERENCIAIS Estão focadas na gestão e no controle. Permitem o alcance dos objetivos por meio do gerenciamento eficiente dos mais diversos aspectos do trabalho. COMPETÊNCIAS LIDERANÇA Direcionadas para a gestão de pessoas e construção de equipes de alta performance. Podem ser voltadas para aspectos técnicos ou comportamentais. COMPETÊNCIA X É a Nexialista, também chamada de 7ª. Competência. Trabalha com a sobreposição de duas ou mais competências potencializando diversos aspectos humanos. E Empatia 82 π 42 Pi Bd Bigdata 43 Ga Gestão de carteiras 44 45 Vc Vendas consultivas Cv 46 Ciclo de vida cliente/produto 47 Ta Técnicas de Apresentação Gj Gestão de projetos 48 Gq Gestão da qualidade 49 Eo 50 Excelência operacional Gr Gestão de recursos 51 Dt Design Thinking 52 I Inovação 53 Oc Orientação ao cliente 54 On Orientação ao negócio 55 W Web 2.0 56 57 Id Inteligência digital 58 Gh Gestão de contas chave 59 Gi Gestão da informação Gc 60 Gestão do Conhecimento 61 4p Preço/Produto Promo/PV Rl Raciocínio lógico 62 Ix Execução impecável 63 64 Gs Gestão de stakeholders Gk Gestão do caos 65 Ca 66 Capacidade analítica Mi Market insight 67 Ls Leadership strategy 68 Bp Business Plan 69 Mu Manage Up 70 71 Pl Planejamento Sf 72 Sustainable focus Gn Gestão do negócio 73 74 Pe Pensamento estratégico Gl Global mindset 75 Gp Gestão de pessoas 76 77 F Fascinação Td Tomada de decisões 78 79 Gd Gestão de equipes à distância 80 Ge Gestão de incompetentes Gm Gestão da mudança 81 83 Fs Formação de sucessores 84 Li Liderança inspiradora Rs 85 Resiliência 86 Dt Desenvolvimento de talentos Tb Team Building 87 En Entropia 88 Ad Advocacia Ht Hotelaria Cn Construtoras Pq PMEs Pu Setor público 15

[close]

Comments

no comments yet