Ugarit 3 - Luta de Baal e Mot

 

Embed or link this publication

Description

Mitos de Ugarit 3

Popular Pages


p. 1

UGARIT Luta de Baal e Mot J. Franclim Pacheco

[close]

p. 2

2

[close]

p. 3

A luta entre Baal e Mot 3 Mot intima Baal a descer para a sua goela, ávida para o devorar. Ele estende os lábios até aos céus, asua língua até as estrelas. Baal não oferece resistência e declara-se escravo de Mot. Antes de se entregar ao adversário, Baal une-se a uma novilha, que não pode ser outra senão Anat, e gera um filho. Anunciam a El a morte de Baal, «O Príncipe da Terra», e o pai dos deuses veste luto; Anat chora e fere o peito com punhadas. Entretanto Atirat procura fazer com que Astar ocupe o trono de Baal, mas não tem êxito. Anat parte em busca do irmão, acompanhada da deusa solar Sapash, que conhece todos os recantos do universo; encontram Mot: ela ceifa-o, joeira-o, gradeia-o, dispersa as suas carnes pelos campos e as aves devoram-nas. El, graças a um sonho premonitório, sabe que Baal vai ressuscitar; vê, antecipadamente, os céus gotejarem óleo, os regatos correrem como mar. Ordena a Anat e a Shapash que encontrem Baal; as deusas levam o deus morto para as alturas do Saon onde ele recomeçará o seu reinado glorioso. rata-se, evidentemente, dum mito agrário, fundamento dum ritual de fertilidade. Baal é a personificação da chuva, da qual a terra necessita para produzir fruto; Mot é o grão, inchado pela água; quando os aguaceiros passaram, Baal morre, deu sua substância ao .grão que amadurece. Mas no momento em que o trono de Baal permanece vazio, no rigor do verão, Anat e a deusa solar recolhem piedosamente os restos do deus, preparam a reconstituição das nuvens.

[close]

p. 4

4 Queixa divina Gritaram alto aos distantes deuses, clamaram forte aos longínquos, à assembleia dos deuses gritaram: «Ele sentou-se na sua sala de festas, Ele está a beber vinho até à saciedade, enquanto a ignomínia do Eterno é a sua morada, vergonha dos deuses é a casa do vosso senhor, ignomínia a mansão do vosso dono, que não pode andar ligeiro pela terra, nem caminhar com rapidez pelo pó. De barro asqueroso se alimenta em abundância, dão-lhe a beber sujidade em torrentes. Põem-lhe uma taça na mão, um cálix entre as duas; o que contém é um conjunto de desperdícios, como cascalho o que nele se reúne. Declarou-se El1 inimigo de seu filho, o Touro, seu pai, do nome de Yam!»2 Proclamação de Yam E respondeu o Benigno, El, o Carinhoso: «Vai que eu proclamarei o nome de meu filho Yam! De facto, deusa, o seu nome é Amado de El». E proclamou o nome de Yam, o nome do Amado de El. Então a deusa respondeu: «Para nosso sustento se proclamou o teu nome, tu foste proclamado Senhor». 1 El: Rei do panteão, Pai dos Anos, conhecido como compassivo e benevolente. Ele nunca está irritado e não pune os seus filhos imortais e/ou mortais. Considerado como estando sempre longe, ele é muitas vezes alcançável através da sua esposa Athiratu. Ilu vive no Monte Kasu e é o deus do vinho, dos sonhos proféticos, da sabedoria e é sempre representado como O Grande Touro. 2 Yam era uma antiga palavra semítica para «mar», sendo o nome do deus cananeu dos rios e do mar. Yam também era o deus do caos primordial. Representava o poder do mar furioso e selvagem. Também chamado Nahar («rio»), controlava as inundações e desastres relacionados. A vitória de Baal sobre Yam é similar à lenda mesopotâmica da vitória de Marduk sobre a deusa primordial do mar, Tiamat. Há numerosos mitos paralelos, interpretados como o triunfo da ordem divina sobre o caos primitivo.

[close]

p. 5

5 E respondeu o Touro El, seu pai: «Eu, o Benigno, El, o Carinhoso, o ceptro te pus nas mãos, proclamei o teu nome, Yam, o teu nome é Amado de El. Serás premiado com o palácio feito com o meu ouro, ser-te-á dada a casa feita com a minha prata, que terás de conquistar e arrebatar das mãos de Baal,3 o Todo-poderoso, das mãos do Auriga das nuvens. Pois desprezou-nos no seu orgulho, ofendeu-nos na sua altivez. Arranca-o do seu trono real, do divã, do sólio do seu poder, espantando-o como um pássaro dos seus domínios! Pois se não o tirares do seu trono, esmagar-te-á como o cordeiro por terra, como um leitão contra o solo». Banquete Ofereceu El um festim em sua casa, um banquete em seu palácio. Proclamou na sala de festas o nome de Yam, o seu nome é "Amado de El". Degolou bois e também ovelhas, abateu touros e cabritos, novilhos de um ano, cordeiros, crias aos montes. (Lacuna) Mensagem de El a Kothar «Assim, voltai a face para Mênfis, que de deus é todo ele: Creta é a sede do seu trono, Mênfis, a terra de sua propriedade. 3 Baal era o filho de El, o deus principal, e de Asherah, a deusa do mar. Era considerado o mais poderoso de todos os deuses, eclipsando El, que era visto como bastante fraco e ineficazOs cananeus adoravam Baal como o deus do sol e como o deus da tempestade - ele geralmente é representado segurando um relâmpago - que derrotava inimigos e estimulava a colheita. Eles também o adoraram como um deus da fertilidade que providenciava crianças. O culto a Baal estava enraizado na sensualidade e envolvia prostituição ritualista.

[close]

p. 6

6 Através de mil acres, dez mil alqueires, aos pés de Kothar inclinai-vos e caí, prostrai-vos e rendei-lhe honras; dizei a Kothar-Hasis,4 repeti a Hayan, o artesão ambidestro: «Mensagem do Touro, El, teu pai, palavra do Benigno teu progenitor: Ó Kothar..., prepara... dispõe na rocha... Empunha o teu chifre e a tua maça, até aos meus pés de apressem, até mim se apressem os teus passos, até à montanha, o monte Kas. Pois tenho um provérbio que vou comunicar-te, uma palavra que quero repetir-te. É o provérbio da árvore e a conversa da pedra: o sussurro dos céus com a terra, dos abismos com as estrelas. A pedra do raio que não compreendem os céus, a voz que não compreendem os homens, nem entendem as multidões da terra. Vem e eu o revelarei na minha montanha, o monte Kas». Resposta e partida de Kothar Respondeu Kothar-Hasis: «Ide, ide, arautos divinos; vós podeis ir devagar, mas eu tenho de deixar Creta pelo deus mais próximo, Mênfis pela divindade mais distante, a duas camadas das fontes da terra, três medidas das profundidades. Assim, voltei a face para o benigno, El, o Carinhoso, para a montanha, o monte Kas». Apresentou-se na gruta de El e entrou na residência do Rei, Pai de anos. Aos pés de El inclinou-se e caiu, prostrou-se e rendeu-lhe honras. 4 Kotar-wa-Hasis, Kathir-wa-Khasis: Hábil e inteligente. Conhecido como o deus artesão e mago.

[close]

p. 7

E replicou o Touro El, seu pai: «Escuta, ó Kothar-Hasis; depressa constrói... no meio... (Lacuna) Mensagem de El a Anat «Assim, voltai a face para Inbub. Através de mil bairros, dez mil quarteirões; aos pés de Anat inclinai-vos e caí, prostrai-vos e rendei-lhe honras; e dizei à Virgem Anat, repeti à `Pretendida dos povos': Mensagem do Touro El, teu pai, palavra do Benigno, teu progenitor: Sai à passagem da guerra na terra, põe na estepe concórdia, derrama paz no seio da terra, repouso nas entranhas do campo. Empunha o teu chifre e a tua maça, até mim os teus pés se dêem pressa, até mim se apressem os teus passos, até à montanha, o monte Kas. (Dez linhas de texto fragmentário e não reconstruível) Então, voltaram a face para Inbub. Através de mil bairros, dez mil quarteirões; aos pés de Anat inclinaram-se e caíram, prostraram-se e renderam-lhe honras. Ergueram a sua voz e exclamaram: «Mensagem do Touro El, teu pai, palavra do Benigno, teu progenitor: Sai à passagem da guerra na terra, põe na estepe concórdia, derrama paz no seio da terra, repouso nas entranhas do campo. Empunha o teu chifre e a tua maça, até mim os teus pés de dêem pressa, até mim se apressem os teus passos, até à montanha, o monte Kas». 7

[close]

p. 8

8 Resposta e partida de Kothar «Ide, ide, arautos divinos; vós podeis ir devagar, mas eu tenho de deixar Creta pelo deus mais próximo, Mênfis pela divindade mais distante, a duas camadas das fontes da terra, três medidas das profundidades». Assim, voltei a cara para El que mora na fonte das duas torrentes, no seio d origem dos dois oceanos. Apresentou-se na gruta de El e entrou na morada do Rei, Pai dos anos. Aos pés de El se inclinou e caiu, prostrou-se e rendeu-lhe honras. Novo encargo do deus El E respondeu o Touro El, seu Pai: Escuta, ó Kothar-Hasis. Vem, constrói a casa do Príncipe Yam, levanta o palácio do Juiz Nahar, a casa de Nahar no meio do mar. Vem, Kothar-Hasis, construir a casa do Príncipe Yam, erguer o palácio do Juiz Nahar, no meio do origem dos dois oceanos. Dá-te pressa em construir a sua casa, dá-te pressa em erguer o seu palácio. Mil acres abarcará a casa, dez mil alqueires o palácio. Intromissão de Athtar Apressou-se a acender o fogo, o Donzel nos campos de Yam na morada de Yam, dia após dia o acendeu. Então Athtar,5 o pretendente, exclamou: «Labaredas e incêndio, 5 Athtar: deus da estrela da manhã (ou «filho da manhã») que tentou tomar o lugar de Baal.

[close]

p. 9

sim, o fogo acendeu-se para o meu palácio, o fogo para minha casa trouxeram, e assim me contarei como quem desce ao inferno, sem casa e sem filho. Intervenção dissuasória de Shapash Então Shapash,6 a Lâmpada dos deuses, ergueu a voz e exclamou: «Escuta, por favor, Athtar. saiu como fiador o Touro El, seu pai, diante do Príncipe Yam, diante do Juiz Nahar. Como queres que te escute o Touro El, teu pai? De certeza arrancará o suporte do teu assento, virará, sim, o teu trono real, sem dúvida quebrará o teu ceptro de comando. E respondeu Athtar, o pretendente: «Tira-me da mão, Touro El, meu pai! Eu não tenha casa como os deuses, nem mansão como os santos. Solitário descerei ao meu armário, me lavarão hábeis criados. na casa do Príncipe Yam, no palácio do Juiz Nahar. Respondeu Shapash: Saiu como fiador o Touro El, teu pai, diante do Príncipe Yam, diante do Juiz Nahar. Poderás tu então ser rei, sim ou não? Pois além disso não tens mulher como os deuses nem esposa como os santos. Em tua casa o Príncipe Yam morará, em teu palácio o Juiz Nahar, a anunciá-lo El me enviou. E respondeu Athtar o pretendente... (Lacuna) 9 6 Shapash , Shapsh , Shapshu ou às vezes Shemesh era a deusa cananeia do sol , filha de El e Asherah. Ela é conhecida como «lâmpada dos deuses» e é considerada uma divindade importante no panteão cananeu e entre os fenícios.

[close]

p. 10

10 Imprecação de Baal ... Tu levantaste-te contra mim? E respondeu Baal, o Todo-poderoso: De teu trono sejas atirado, do trono do teu poder (sejas) expulso! Na tua moleira Yagrush golpeie, na tua cabeça Ayyamur, Príncipe Yam, na tua moleira, Juiz Nahar. Quebre Horon, ó Yam, quebre Horon a tua cabeça, Ashtarte, Nome de Baal, a tua moleira. Oxalá ... a cambalear caias no limite ... e como ao Pai de anos duas mulheres te tomem ... Mensagem de Yam Mensageiros enviou Yam, uma embaixada o Juiz Nahar; que com grande regozijo partiram, com alegria no rosto, respirando satisfação. «Parti, mancebos, sem vos deterdes; assim, voltai a face para a Assembleia plenária, para a montanha Lalu. Aos pés de El não caiais, não vos prostreis diante da Assembleia plenária. Postos de pé transmiti o vosso encargo, repeti o vosso comunicado e dizei ao Touro El, meu pai, repeti à Assembleia plenária: Mensagem de Yam, vosso Senhor, do vosso dono, o Juiz Nahar: Entregai, deuses, a quem deveis cortesia, a quem deveis cortesia, multidões. Entregai a Baal e aos seus servidores, ao filho de Dagon, de cujo ouro possa apoderar-me».

[close]

p. 11

Reacção dos deuses e reprovação de Baal Partiram os mancebos sem se deterem; voltaram então a face para a montanha, para a Assembleia plenária. Por sua vez, os deuses a comer se tinham sentado, os santos a alimentar-se, estando Baal de pé junto de El. Logo que os deuses os viram, viram os mensageiros de Yam, a embaixada do Juiz Nahar, baixaram os deuses as suas cabeças sobre os seus joelhos e assentos principescos. Censurou-os Baal: «Porque baixastes, deuses, as vossas cabeças, sobre os vossos joelhos e assentos principescos? Algum dos deuses teria de responder a aos ditados dos mensageiros de Yam da embaixada do Juiz Nahar. Levantai, deuses, as vossas cabeças, de cima dos vossos joelhos, de cima dos vos assentos principescos, que eu mesmo vou responder aos mensageiros de Yam, à embaixada do Juiz Nahar. Levantaram os deuses as suas cabeças de cima dos joelhos, de cima dos seus assentos principescos. Transmissão da mensagem Logo chegaram os mensageiros de Yam, a embaixada do Juiz Nahar. Aos pés de El não caíram, não se prostraram diante da Assembleia plenária. Postos de pé transmitiram o seu encargo, repetiram o seu comunicado; como una grande labareda apareceram, como una espada afiada a sua língua. Disseram ao Touro El, seu pai: «Mensagem de Yam, vosso senhor, do vosso dono, o Juiz Nahar: 11

[close]

p. 12

12 Entregai, deuses, a quem rendeis cortesia, a quem rendeis cortesia, multidões. Entregai a Baal e os seus servidores, o filho de Dagon, de cujo ouro possa apoderar-me. Resposta de El Respondeu o Touro El, seu pai: Teu servo é Baal, ó Yam, teu servo é Baal, Nahar, o filho de Dagón teu prisioneiro. Ele te apresentará um tributo como os outros deuses, ele te apresentará como os santos uma oferenda. Reacção de Baal De ira pôs-se lívido o Príncipe Baal. Agarrou na sua mão uma faca, na sua direita um facão. Golpeou os mancebos de Yam. A sua direita Anat agarrou, a sua esquerda segurou Ashtarte: «Como podes golpear os mensageiros de Yam, a embaixada do Juiz Nahar?» A um mensageiro ele tinha coberto a cabeça de chagas, ferido outro mensageiro nas costas, que as palavras do seu senhor tinham trazido, a mensagem do seu dono... De ira pôs-se lívido o Príncipe Baal. Os terraços com os humores regou, os campos com o sangue dos mensageiros de Yam, da embaixada do Juiz Nahar. E respondeu o Príncipe Baal: Eu mesmo respondo a Yam, vosso senhor, ao vosso dono, o Juiz Nahar: Escuta a palavra do Campeão Hadad: Comparsa de Yam, vou ser eu ... um mais do seu séquito... dos que se prostram...?» (Lacuna)

[close]

p. 13

Cena de combate «A força da minha mão cede, fenece o vigor do meu espírito. O meu inimigo não fui capaz de expulsar, mesmo tendo lançado o meus dardos. Mas em Yam a calma não sofreu míngua, a Yam o peito cresceu, ao Juiz Nahar o tórax. Então à espada tentei atacar, pôr fogo a sua casa. Mas por terra caiu a nossa força, no solo a nossa potência. Mal de sua boca a frase saiu, de seus lábios a sua palavra, quando, dando um grito, precipitou-se aos pés do trono do Príncipe Yam. Intervenção de Kothar E replicou Kothat-Hasis: «Não te disse, ó Príncipe Baal, não to repeti, ó Auriga das nuvens? Agora o teu inimigo, Baal, agora o teu inimigo deves esmagar, agora deves destruir o teu adversário. Apodera-te do teu reino eterno, do teu domínio pelos séculos dos séculos. As armas mágicas decisivas Kothar duas maças fez baixar e proclamou os seus nomes: «Tu tens por nome Yagrush. Yagrush, expulsa Yam, expulsa Yam de seu trono, Nahar do sólio do seu poder! Salta das mãos de Baal, como uma águia de seus dedos. Golpeia no ombros do Príncipe Yam, no peito o Juiz Nahar». Saltou a maça das mãos de Baal, como uma águia de seus dedos; 13

[close]

p. 14

14 golpeou nos ombros o Príncipe Yam, no peito o Juiz Nahar. Mas forte era Yam e não caiu, não se dobraram os seus artelhos, não se descompôs a sua figura. Kothar outras duas maças fez baixar e proclamou os seus nomes: «Tu tens por nome Ayyumur. Ayyumur, lança Yam, lança Yam de seu trono, Nahar do sólio do seu poder! Salta das mãos de Baal, como uma águia de seus dedos, golpeia no crânio o Príncipe Yam, na fronte o Juiz Nahar. Que se desmorone Yam e caia por terra! Saltou a maça das mãos de Baal, como uma águia de seus dedos; golpeou no crânio o Prìncipe Yam, na fronte o Juiz Nahar. Desmoronou Yam, caiu por terra. Dobraram-se os seus artelhos, e descompôs-se a sua figura. Arrastou Baal e desfez Yam, acabou com o Juiz Nahar. Intervenção de Ashtarte Pelo nome o censurou Ashtarte: «Envergonha-te, ó Baal, o Vitorioso, envergonha-te, ó Auriga das nuvens, pois nosso cativo era o Príncipe Yam, pois nosso cativo era o Juiz Nahar». Mal saiu de sua boca a frase, envergonhou-se Baal, o Vitorioso, mas replicou... «Yam está sem dúvida morto, Baal reina...» ...replicou: «Yam está sem dúvida morto, Baal reina. (texto não reconstruível, lacuna).

[close]

p. 15

15

[close]

Comments

no comments yet