Revista-Comercio-Industria-JUNHO-2017

 

Embed or link this publication

Description

Revista-Comercio-Industria-JUNHO-2017

Popular Pages


p. 1

1

[close]

p. 2

2

[close]

p. 3

3

[close]

p. 4

ÍNDICE EDIÇÃO N°143 - JUNHO / 2017 CAPA Francine, a loja dos namorados DOCUMENTO Uma história polêmica COMÉRCIO Trabalho inédito ENTRETENIMENTO Sua benção, Antônio 08 No Dia dos Namorados, presenteie seu amor com os melhores e mais charmosos perfumes, relógios e alianças. Da redação 05 | Sônia Maria Marques relata um dos problemas que nos incomodam há tempos: ruas esburacadas. 10 Pastor Elézer Púglia, vereador que ao saudar o governador do Estado fez elogios irônicos e a cidade deixou de ser Região Administrativa. Honraria 20 | Sandro Valentini recebeu, da nossa Câmara Municipal, o título de Cidadão Araraquarense. 16 O Sincomercio lança um indicador para medir a partir de agora, a confiança do consumidor (ICC) de Araraquara. Geologia 24 | Descoberta de vestígio fóssil aponta uma nova espécie de mamífero em Araraquara há 140 milhões de anos. 38 O mês de junho é marcado, em nossa cidade, pelas tradicionais Festas Juninas; Santo Antônio é o primeiro homenageado. Victorinho 36| Benedito Salvador Carlos escreve sobre um dos nomes mais importantes do motociclismo nacional. Luciano Huck faz quadro em Tabatinga Luciano Huck, apresentador da Rede Globo de Televisão, esteve em Tabatinga, no dia 24 de maio para gravar um dos quadros de seu programa O Caldeirão, o Mandando Bem, que tem o objetivo de reconhecer e ajudar microempreendedores a dar impulso em seus negócios e aumentar suas vendas. Jenifer Jorge foi a contemplada. Em sua cidade, Jenifer tem um pet shop e nas próximas edições do programa, sua história será contada e como tudo aconteceu para que o Luciano fosse para Tabatinga. Ele foi muito simpático com todos e poderá voltar à cidade para mostrar os resultados obtidos por Jenifer. Jenifer Jorge e Luciano Huck, com Ricardo (Cobasi), sua mãe Sônia Jorge, sua prima Lorena Adorne, seu pai José Claudio Jorge e o seu tio Miguel ao fundo Triste sina Ponte de acesso à nascente do córrego do Marivan foi interditada pela Defesa Civil. O trânsito no local poderia causar acidentes, pois a construção está muito deteriorada. 4

[close]

p. 5

DA REDAÇÃO por: Sônia Maria Marques HOMENAGEM Samuel Brasil Bueno FUTEBOL Milton, o maluco beleza 58 Conheça a trajetória de amor ao próximo deste homem, cuja perda é irreparável para a sociedade araraquarense. Sindicato Rural 39| Dois ônibus levaram produtores rurais da cidade para visitar a Agrishow, em Ribeirão Preto. 66 Ex-presidente da Ferroviária, Milton Cardoso, nos conta suas diversas (e pitorescas) histórias da época em que estava à frente do clube. Canasol 48| A safra da cana na região Centro Sul teve início em março com a expectativa de queda na produção. Esporte e Cultura nas praças Encontro do Orçamento Participativo organizado pela Prefeitura Municipal reuniu cerca de 60 jovens, em maio, no Teatro Wallace Leal Valentim Rodrigues. A ação escolhida pelos jovens como prioridade e que irá entrar no orçamento de 2018 da Prefeitura, foi a revitalização de áreas públicas para o desenvolvimento de programas culturais e esportivos, com foco na prevenção ao uso de drogas. Outros temas foram abordados, como a necessidade de campanhas de trânsito voltadas à juventude, a reabertura de telecentros que estão fechados, a capacitação para o mercado de trabalho e programas de acompanhamento psicológico nesta fase de grandes mudanças na vida (formação escolar, escolha da profissão, entrada na faculdade, o primeiro emprego, entre outras situações). Para o coordenador de Participação Popular e do OP, Alcindo Sabino, o engajamento dos jovens foi “estimulante”. Como exemplo, ele cita a presença de vários candidatos a representantes, o que tornou necessária uma votação. “É um exemplo de participação. Isso mostra a importância de se discutir a política em relação à juventude”, afirma. A plenária elegeu sete representantes da juventude, sendo que quatro deles irão para o conselho geral do OP. Outros dois jovens foram escolhidos para o Conjuve, o Conselho Municipal da Juventude, que realiza reuniões regulares para debate dos assuntos de interesse dessa faixa etária (16 a 29 anos). A conservação de um asfalto de qualidade duvidosa Uma semana depois de empossado, o prefeito Edinho Silva estava com fôlego danado, parecendo aqueles atletas do Quênia subindo a Brigadeiro em plena São Silvestre. Apostou no marketing do tapa-buraco pra dizer que estava chegando; optou inicialmente em fazer o tapa-buraco na periferia como gratidão aos votos que recebeu e logo a torcida ficou maravilhada com a disposição do prefeito. Contudo, concorrer com a buraqueira que escorrega no tempo parece que lhe tenha cansado, afinal “ele fecha um buraco e aparecem três ou quatro”. A herança esburacada não vem só dos oito anos do ex-prefeito Marcelo Barbieri, abraça vários em um tiro só, inclusive o próprio Edinho, pois lamentavelmente, a qualidade da pavimentação de Araraquara deixa muito a desejar. Quer dizer, já não se faz mais asfalto como antigamente... Esse antigamente vem pela lembrança do assessor do prefeito Waldemar De Santi por muitos anos, Rubens Bressan, que certo dia disse: “O Palamone (engenheiro da Prefeitura) quando pavimentou a Avenida 36 mandou colocar uma camada com 23cm entre pedras e asfalto. Encontrar um buraco na 36 ou na Bento de Abreu é procurar agulha no palheiro”. A verdade é que os prefeitos que foram chegando não se preocuparam muito com a qualidade do asfalto, daí essa petição de miséria, deixando transparecer até um descaso. Ora, se vai fazer que faça bem feito, evitando que dois anos depois tenha que se jogar mais dinheiro público no buraco. Isso não acontece só em Araraquara é no Brasil inteiro e lamentavelmente, jogam a culpa na chuva. Muito da irresponsabilidade é de quem faz projeto meia-boca ou serviço de segunda... Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni Supervisora Editorial: Sônia Marques Editor: Matheus Vieira (MTB 67.923/SP) Diretor Comercial: Humberto Perez Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi, Heloísa Nascimento, Anderson Rovina Design: Carolina Bacardi, Bete Campos Tiragem: 5 mil exemplares Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131 A Revista Comércio, Indústria e Agronegócio é distribuida gratuitamente em Araraquara e região * COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE Fone/Fax: (16) 3336 4433 Rua Tupi, 245 - Centro Araraquara/SP - CEP: 14801-307 marzo@marzo.com.br Na urna a esperança para uma cidade melhor 5

[close]

p. 6

6

[close]

p. 7

EDITORIAL por: Ivan Roberto Peroni A história político-administrativa da cidade está sendo mostrada pela metade Em dezembro do ano passado, antes de encerrar seu mandato, Marcelo Barbieri instalou a galeria de fotografias dos ex-prefeitos eleitos no sexto andar do Paço Municipal. Do evento, participou o atual prefeito Edinho Silva, que assumiria a prefeitura quatro dias depois. Desde o fim do Estado Novo e a queda de Getúlio Vargas, a partir de 1948, a cidade teve dez prefeitos eleitos pelo voto direto da população, porém, queiram ou não, há uma certa dose de dúvida quanto a veracidade da existência daqueles que foram intendentes e prefeitos nomeados, ou de vices que por força da circunstância, acabaram assumindo o Paço Municipal, sendo chefe do Executivo, por dias ou semanas. Quando Araraquara comemora 200 anos de fundação, vemos que o trabalho desenvolvido por Intendentes, Prefeitos nomeados ou reintegrados e até mesmo vices que substituíram chefes de Executivo em suas licenças para curtas férias ou viagens, foi deixado de lado. Da Galeria dos Ex-Prefeitos instalada em 27 de dezembro do ano passado, apenas os prefeitos eleitos pelo povo é que se sentiram privilegiados em aparecer na fotografia. Os que antes governaram a cidade foram “barrados no baile”, atitude que não consideramos tão cortês, para ser mais direto, discriminatória, pois a história deve ser contada no seu todo e não apenas limitar essa preferência ao período de 1948 a 2016, quando então Edinho Silva assumiu o município em substituição a Marcelo Barbieri. Em sã consciência ninguém deve tirar o brilho da administração de José dos Santos, o primeiro a ser eleito pelo povo e governar a cidade entre 1948 e 1951. Mas, também não devemos virar as costas para os Intendentes escolhidos para administrar Araraquara entre 1896 e 1905 e muito menos apagar da história de prefeitos escolhidos pela Câmara Municipal como Pio Corrêa, que foi responsável pela prefeitura por 24 anos (1906 a1930). Há nomes na história da cidade, como Francisco Vaz Filho, Camilo Gavião de Souza Neves e Dorival Alves, que foram escolhidos mais pela ética e honestidade que propriamente pelo voto popular e tiveram mandatos brilhantes, de acordo com a história. Se o importante é a função, devemos entender que todos foram prefeitos; não foram eleitos pelo voto popular, mas como administradores trabalharam e entregaram a cidade para que estes eleitos nas urnas dessem continuidade ao que foi construído pelos nossos antepassados. Dá impressão que Heitor de Souza Pinheiro ou o Mário Arantes de Almeida foram apenas figuras decorativas como prefeitos eleitos pela Câmara Municipal ou que a história de Araraquara tem início no voto popular, aliás voto popular que tem nos dado o desprazer de um País roubado pela canalhice de tantos políticos. Há casos também de vices que se tornaram prefeitos: na mesma cadeira que sentou Marcelo Barbieri estiveram seus substitutos Valter Merlos e Ronaldo Napeloso, durante sua ausência. Não foram eleitos para esta função, mas a legislação deu-lhes condições para o exercício do cargo. Rever a história e reconhecer o papel de quem realmente colocou a mão na massa é o mínimo que podemos fazer. No geral, cada prefeito foi importante na sua época e não é justo que se pratique uma injustiça contra os esquecidos. Mesmo que sem fotos, até mesmo uma placa com o nome dos ignorados ao lado dos eleitos pelo povo, serviria para amenizar o esquecimento e o descaso praticado dentro dos 200 anos da nossa terra. 7

[close]

p. 8

REPORTAGEM DE CAPA As tradicionais alianças que dão sorte no amor com 20% de desconto em 10X sem juros Francine da Rua 3: a loja dos namorados Presenteie quem você ama com as melhores marcas do mundo e pague em até 10X sem juros. A Francine da Rua 3 é um dos pontos mais famosos da cidade para quem procura presentes, perfumaria, relógios e alianças. Conhecida como a Loja do Tic Tac ou a Loja dos Namorados, a casa traz para Araraquara marcas famosas do mundo todo e também produtos exclusivos, como o grande lançamento para o Dia dos Namorados, a marca de relógios Oslo. Com modelos masculinos e femininos, a marca Oslo tem dois grandes diferenciais disponíveis em toda linha: a leveza do estilo Slim e a alta qualidade de vidros safira, que não riscam. Com versões de pulseiras em couro e aço, a marca tem opções a preços acessíveis, a partir de R$ 399,00. Além da grande novidade, a Francine da Rua 3 tem lançamentos de marcas tradicionais como Michael Kors, Armani, Citizen, Orient, Technos e Champion, a última com opções de kits presenteáveis de relógio mais conjunto de corrente e brincos por R$ 199,00. Um dos itens mais procurados para presentear namorados são perfumes importados. A marca Carolina Herrera é uma das mais cobiçadas entre homens e mulheres: desde a linha 212 até o mais recente Good Girl, fragrância moderna com o elegante e surpreendente frasco em forma de sapato de salto. Outra grande aposta são os perfumes da grife Dior: os tradicionais J’adore e Miss Dior femininos, e também o masculino Sauvage, premiado como melhor perfume de 2016. Para os fãs da luxuosa Paco Rabanne, há as famosas fragrâncias Lady Million, One 8 Oslo, exclusividade Francine da Rua 3. Leveza e sofisticação: modelos Slim e com vidro em safira, que não risca.

[close]

p. 9

As melhores fragrâncias masculinas e femininas da grife Carolina Herrera em até 10X sem juros Para Ele: Relógio masculino X-Games, R$169,90 Million, Olympéa e Invictus. Para quem procura perfumes com fragrâncias francesas a preços menores, por apenas R$ 59,00, é possível escolher um frasco da linha Paris Elysees. Mas, se o que você procura é uma opção de presente diferente, a Francine da Rua 3 tem óculos de sol Euro a partir de R$ 199,00 e também bolsas femininas, carteiras masculinas de couro Mitty, canetas, relógios de mesa, objetos decorativos e perfumadores de ambiente da marca catarinense Mels Brushes Home Fragrances. O principal diferencial da Mels Brushes é a notável sofisticação das embalagens e fragrâncias criadas para estimular o bem-estar e relaxamento dentro de casa, uma boa opção para os namorados que já moram juntos. ALIANÇAS QUE DÃO SORTE NO AMOR Para quem pretende casar ou começar um relacionamento sério, a Francine da Rua 3 oferece uma ampla diversidade de modelos e preços. As alianças de compromisso são todas de aço inox e pos- Para Ela: Relógio Champion + Conjunto de Corrente com Pingente + Par de Brincos, por apenas R$ 199,90 suem opções a partir de R$ 39,90 o par. Para quem pretende começar um noivado ou casamento, a Loja dos Namorados tem alianças em ouro das marcas CPL, JR e Glamour a preços bem convidativos e condições especiais de pagamento. Para lançar a campanha do Dia dos Namorados e divulgar a promoção para os futuros noivos da cidade, a Francine da Rua 3 criou uma ação um tanto inusitada: a inauguração de um anúncio de ônibus com a participação de um casal de atores vestidos com roupas de casamento. Chamado de Felizes para Sempre, o vídeo gravado durante a encenação movimentou as ruas da cidade e viralizou nas redes sociais, chegando a ter mais de 11 mil visualizações em menos de uma semana. Tudo isso para anunciar que as alianças que dão sorte no amor estão sendo vendidas com 20% de desconto em até 10X sem juros. Segundo o proprietário da loja, Sérgio Henrique, a ideia é dar um impulso para quem quer realizar o sonho de fazer o pedido de casamento. “A gente sabe que planejar um futuro a dois envolve muito investimento, e toda economia é um grande benefício nesse começo de uma nova vida”. Equipe Francine da Rua 3 SERVIÇO FRANCINE DA RUA 3 Toda loja em até 10X sem juros. Aceita as principais bandeiras de cartão de crédito. Manutenção de relógios, troca de baterias e pulseiras na loja, com relojoeiro profissional, o técnico Júnior. Rua São Bento, ao lado da igreja Santa Cruz. Fone: (16) 3336-4647. Acompanhe novidades e promoções pela fanpage: Francine – Paratodos. 9

[close]

p. 10

DOCUMENTO A HORA DA VINGANÇA O dia em que Araraquara deixou de ser Região Administrativa Cinquenta anos depois, a nossa revista teve acesso a documentos da Câmara Municipal que relatam o discurso de saudação do vereador Pastor Elézer Púglia ao ex-governador Carvalho Pinto, presenciado por Abreu Sodré que assumiria o Governo do Estado seis meses depois. O “discurso ofensivo” levou Sodré a tirar da cidade a 12ª Região Administrativa Dia 22 de agosto de 1966, segunda-feira. Pouco depois das 21h, as ruas próximas à Praça Pedro de Toledo estão tomadas por Fuscas, Gordinis, AeroWillis e DKVs. Eram os carros da época e poucos vereadores se davam ao conforto de possuir qualquer um deles. Nesta noite a Câmara Municipal está pronta para entregar o título de “Cidadão Araraquarense” ao ex-governador de São Paulo professor Carlos Alberto Alves de Carvalho Pinto. Todos eles haviam acompanhado o desfile de aniversário na manhã do dia 22, marcado pela participação dos alunos de escolas públicas e particulares. Logo após dizer ao público que aquela sessão seria marcada pela entrega do título de “Cidadão Araraquarense” ao ex-governador, o presidente Flávio Ferraz de Carvalho pediu que uma comissão de vereadores introduzisse no recinto o homenageado e seus acompanhantes, Abreu Sodré, Virgilio Lopes Silva e o prefeito Rômulo Lupo que se encontravam no gabinete da presidência e foram para a mesa principal. Em poltronas especialmente colocadas no centro da sala, a convite de Flávio Fer- raz, tomaram assento alguns convidados e deputados. Presentes ainda ao evento - diz a ata da sessão - estavam os representantes da imprensa, além de numeroso público que lotava as dependências da Câmara. O presidente Flávio Ferraz bate na campainha pelo menos duas vezes, pede silêncio e convida o vereador Pastor Elézer Púglia para saudar o homenageado Carvalho Pinto que fora governador do Estado de São Paulo no período de 31 de janeiro de 1959 a 31 de janeiro de 1963. Em seguida entrou Adhemar de Barros que cassado, foi substituído por Laudo Natel (junho/1966 a 31/01/1967), que cumpriu mandato tampão. Depois seria governador, Abreu Sodré (1967/1971), que naquele 22 de agosto de 1966 estava na mesa acompanhando a homenagem a Carvalho Pinto. QUEM ERA O PASTOR Ministro evangélico, Elézer Púglia veio para Araraquara na metade dos anos 50 instalando sua igreja no São Geraldo para também captar fiéis do O Poder Legislativo em 1966 estava instalado no antigo Largo da Câmara. Hoje é o Museu. Vereador e Pastor Elézer Púglia teve curta trajetória política em Araraquara bairro de Santana e Santa Angelina. Para divulgar suas propostas religiosas, adquiriu espaço na onda média da Rádio Cultura e logo se popularizou de forma extraordinária, atemorizando a classe política pela forma eloquente de fazer seus discursos. Apoiado pela igreja conseguiu a suplência de vereador em uma Câmara Municipal (5ª Legislatura), composta por 19 parlamentares. No quadro estava Anthero Rodrigues da Silva Júnior, da mesma legenda de Elézer; Anthero Pastor Elézer Púglia ao lado da esposa já quando estava morando em Brasília nos anos 70 10

[close]

p. 11

ocupava um cargo público em São Paulo e exercia o cargo de vereador com o dispositivo de licenças frequentes, quando então Elézer o substituía. Determinação do Tribunal Regional Eleitoral no entanto afastou definitivamente Anthero e em 01/03/1966, Elézer tomou posse em caráter efetivo para preenchimento da vaga aberta com a renúncia e passou a ganhar espaço dentro da Câmara, exercendo o cargo de 1º Secretário em 1967, 1968 e 1969. Em 1964 foi membro de uma Comissão Especial de Inquérito que investigou se os colégios de Araraquara estavam cumprindo o decreto federal que dispunha sobre o congelamento das anuidades e taxas escolares. Em 1966 foi membro de uma comissão que estudou a possibilidade de abertura de diversas vias públicas do Município que se encontravam interrompidas. Em 1967 foi presidente da comissão que estudou, junto à firma Medina & Cia. Ltda, a possibilidade de fazer com que o Grêmio Recreativo 27 de Outubro permanecesse no mesmo prédio até o carnaval de 1968, o que realmente aconteceu. No mesmo ano foi membro da comissão que procurou solucionar, junto à direção da Escola de Belas Artes de Araraquara, ao Prefeito e às autoridades em Brasília, o problema que vinha dificultando o registro dos diplomas expedidos pela Escola. REGIÃO ADMINISTRATIVA Araraquara até 1967 era a 12ª Região Administrativa no Estado, juntamente com Ribeirão Preto, Baurú, Campinas, Franca, Marília, Presidente Prudente, São Paulo, São José dos Campos, São José do Rio Preto, Sorocaba e Araçatuba. As regiões administrativas eram consideradas cidades-pólo pois abrigavam as delegacias do Governo do Estado em todas as áreas: Saúde, Educação, Segurança além de outras e todas prosperaram pela circulação regional de pessoas. O discurso de Elézer Púglia teria sido o motivo para a canetada do governador Abreu Sodré, prejudicando servidores que trabalhavam nas delegacias, bem como suas famílias. O QUE O VEREADOR DISSE NA CERIMÔNIA Trechos originais extraídos das atas da Câmara Municipal Elézer Púglia PASTOR NA ABERTURA “Senhor Presidente, senhores vereadores. A rigidez do protocolo exige que eu leia este discurso, contra os meus hábitos de mau orador. Na verdade seria como prender um pássaro cantor para tentar extrair dele, cânticos mais melodiosos...” PASTOR PARA RÔMULO LUPO O senhor é um crítico mofino, querendo diminuir o valor da Filosofia; o senhor teve a petulância de dizer que a Filosofia é uma ciência tal que, com a qual e sem a qual, a vida vai tal Rômulo Lupo e qual... Outros críticos mais inconsequentes ainda, acharam de plagiar e empregaram a mesma frase para menosprezar a ciência da política...” PASTOR PARA ABREU SODRÉ “Se a Revolução de 31 de março tiver forças para levá-lo até lá, leve vossa excelência para o Palácio dos Bandeirantes. Mas como São Paulo já está descoberto e colonizado Abreu Sodré e não há mais índios para pear e nem ouro e diamantes para cobiçar, Araraquara deseja que vossa excelência se guie muito mais pelo espírito de “Nove de Julho” (Revolução). PASTOR PARA CARVALHO PINTO “Neste dia memorável, Araraquara lhe manda dizer, professor Carvalho Pinto, que não está saudando hoje pela minha pobre palavra, o político sagaz, o hábil caçador de votos, que só conhece o povo nessa hora; nem Carvalho Pinto o aproveitador de todas as situações, que sabe estar por cima de qualquer circunstância; nem o circunspecto fazedor de nada que, após eleito vai abocanhar tranquilamente o dinheiro que o mandato lhe dá, mais a verba pessoal e as verbas de representação sempre recebidas em moeda forte, que se desloca de tempos há tempos para a Europa, para gastar o dinheiro do povo com as barregãs de Paris; nem muito menos está saudando o catalizador das desgraças telúricas de um povo que sofre por tradição, que sofre por profissão, que sofre por atadismo - e não se levanta nunca, porque lhe ensinaram muito habilmente, que não há solução, que nossa tradição de só fazer revoluções brancas precisam ser mantidas e outras balelas semelhantes... “... Por uma fatalidade que desce do além, Araraquara hospeda hoje o passado, o presente e o futuro de São Paulo, representados nas pessoas do ex-governador, do atual governador e do próximo governador. O passado já conhecemos. E tanto conhecemos que estamos acolhendo com o que de melhor podemos ofertar - repartir com eles aquilos que somos! O presente não temos perspectiva ainda para julgá-lo no seu todo e é melhor então silenciar. O futuro não é possível adivinhá-lo. 11 QUEM ESCREVEU O DISCURSO PARA O PASTOR? Algum tempo depois comentou-se na cidade que os termos usados no discurso feito num período de turbulência da nossa política, teriam saído de Flávio Ferraz de Carvalho para leitura de Elézer Púglia. Flávio Ferraz de Carvalho, em retrato Quando o Pastor e Vereador Elézer Púglia diz que “A rigidez do protocolo exige que eu leia este discurso”, logo se imagina que alguém escreveu para ele. A política fervilhava, entre Arena e MDB, acompanhada pelo regime militar. Quem escreveu o discurso jamais poderia advinhar que a “vingança viria em uma canetada do governador Abreu Sodré”, seis meses após participar da solenidade na Câmara Municipal. As delegacias regionais foram saindo uma a uma: o prefeito Rômulo Lupo silenciou (também fora ofendido), os vereadores não tiveram como reagir e as críticas da imprensa não sensibilizaram Abreu Sodré. Araraquara possuía 19 vereadores: Alvaro Waldemar Colino, Antonio Donato, Caetano Nigro, Darcy Moralles, Elias Damus, Everaldo Isidoro da Silva, Flávio Ferraz de Carvalho, João Vergara Gonzales, Jobal Amaral Velosa, José Galli, José Pizani, José Wellington Pinto, Leonardo Crocci Filho, Octávio Bugni, Oswaldo Duarte, Rubens Bellardi Ferreira, Waldemar De Santi, Wilmo Gonçalves e Elézer Púglia. A polêmica sessâo teve três atas; as duas primeiras foram rejeitadas pois devia constar na íntegra o discurso do vereador. Algum tempo depois, o Pastor deixou Araraquara e foi morar em Brasília; Flávio Ferraz também saiu da cidade e se instalou em Alto Garça, no Mato Grosso, onde comprou uma fazenda.

[close]

p. 12

Certificado Digital: agora com biometria O Certificado Digital, que funciona como documento eletrônico para identificação de pessoas físicas ou jurídicas, emitido pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), passa agora a ter a biometria. Além da comodidade de fazer transações de qualquer lugar via internet, a novidade garante mais segurança na hora de realizar atividades que necessitam de autenticidade, entre outras aplicações públicas e privadas. O Ciesp oferece as menores taxas de emissão de todo o Estado. Para saber mais, os interessados devem agendar atendimento no site www.ciespdigital.com.br ou comparecer na sede em Araraquara, na Av. Prof. Augusto César, 1090, para suporte in company. FIQUE LIGADO! Confira os eventos do Ciesp Araraquara: “O QUE PODEMOS FAZER DENTRO DAS EMPRESAS ENQUANTO O BRASIL SE RECUPERA” – ALBERTO MEHES • Data: 5 de junho de 2017 • Horário: 19h • Inscrições gratuitas pelo eventos@ciespara.com.br ou (16) 3322-1339 • Local: Sesi Araraquara - Av. Octaviano de Arruda Campos, 686 - Jardim Floridiana “O SUPERVISOR” – EUGENIO STIPP • Data: 22 de junho de 2017 • Horário: 19h • Inscrições gratuitas pelo eventos@ciespara.com.br ou (16) 3322-1339 • Local: Sesi Araraquara - Av. Octaviano de Arruda Campos, 686 - Jardim Floridiana Mais inf21o2rmações sobre a programação pelo telefone (16) 3322-1339, pelo e-mail

[close]

p. 13

Associados do Ciesp têm vantagens sobre taxas ambientais As empresas associadas ao Ciesp seguem isentas da atualização das taxas de licenciamento ambiental cobradas pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). Essa exceção foi concedida em resposta à liminar encabeçada pela entidade no segundo semestre do ano passado, que permite que as taxas sejam calculadas a partir da área construída e não sobre o tamanho total do terreno, conforme atribuiu a última sentença da Cetesb, gerando uma significativa redução no valor total. Com essa decisão, a regional de Araraquara garante a vantagem para empresas de 17 municípios do entorno, são eles: Américo Brasiliense; Borborema; Candido Rodrigues; Fernando Prestes; Gavião Peixoto; Ibitinga; Itápolis; Jaboticabal; Monte Alto; Nova Europa; Novo Horizonte; Rincão; Santa Adélia; Santa Lucia; Tabatinga e Taquaritinga. Para aproveitar esta sentença, a empresa associada ou parceira contribuinte deverá comparecer à Cetesb, portando declaração de associação, fornecida pelo Ciesp. Procure atendimento na Regional de Araraquara ou acesse o site para saber mais: www.ciesp.com.br/araraquara. Movimentações no exterior com mais agilidade O Ciesp e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) emitem o Certificado de Origem aos seus associados por um preço mais baixo que o praticado pelo mercado. O documento é usado para apoiar os empresários durante as movimentações com países parceiros, por meio da isenção ou redução de impostos de importação em seus produtos. A emissão do Certificado de Origem do Ciesp/Fiesp conta com a tecnologia de QR-Code, que reduz o risco de fraudes, oferece uma redução de 40% no tempo investido e facilita a logística de exportação. Atualmente, as entidades também conseguem oferecer acesso ao Projeto COD (Certificado de Origem Digital), proporcionando às empresas a emissão eletrônica. Entre em contato com o Ciesp e saiba mais. “EXPORTAÇÃO: A ESTRATÉGIA DO SÉCULO” – PEDRO PIVA • Data: 13 de julho de 2017 • Horário: 9h • Inscrições gratuitas pelo eventos@ciespara.com.br ou (16) 3322-1339 • Local: Sesi Araraquara - Av. Octaviano de Arruda Campos, 686 - Jardim Floridiana ENCONTRO DE NEGÓCIOS • Data: 27 de julho • Horário: das 8h30 às 12h • Inscrições: R$ 100 para associados e R$ 200 para não associados pelo site www.ciesp.com.br/ araraquara/agenda/encontro-de-negocios • Local: CENACON – Hotel Dan Inn - Rua Maurício Onofre Cardilli, 200 - Vila Suconasa - Araraquara ARARAQUARA A emissão de Certificado Digital mais barata do estado de São Paulo. www.ciesp.com.br/araraquara (16) 3322 1339 (16) 3322 7823 eventos@ciespara.com.br ou pela página do Facebook: www.facebook.com133.br/ciespararaquara.

[close]

p. 14

INTERESSES DA CLASSE Araraquara debateu a reforma trabalhista em palestra no Senac Vice-presidente da FecomercioSP, Ivo Dall’Acqua Junior, apresentou os principais pontos do projeto aprovado pela Câmara Federal e defendeu a implantação das mudanças. O Sindicato do Comércio Varejista de Araraquara (Sincomercio) promoveu em maio (3), uma palestra sobre as principais mudanças previstas no projeto de lei 6.787/16, aprovado no plenário da Câmara Federal na última semana de abril. As explanações sobre a proposta de reforma trabalhista foram realizadas por Ivo Dall’Acqua Junior, vice-presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Recebido pelo presidente do Sincomercio, Antonio Deliza Neto, o vice-presidente da FecomercioSP falou para um auditório lotado, formado principalmente por representantes do comércio, da indústria e de escritórios de advocacia e de contabilidade da cidade. A palestra aconteceu no Senac Araraquara. O projeto de lei de autoria do governo federal que trata da reforma trabalhista foi distribuído à Câmara dos Deputados em 23 de dezembro de 2016. Em fevereiro, foi constituída a comissão especial para análise da proposta, que recebeu 849 emendas. Em 12 de abril, o relator do projeto, deputado Rogério Marinho (PSDB), apresentou seu parecer e um texto substitutivo, que recebeu 490 emendas. Essa proposta foi aprovada pela comissão em 25 de abril e, no dia 27, foi submetida ao plenário da Casa, onde recebeu 296 votos favoráveis e 177 contrários. Ivo Dall’Acqua elencou os principais temas contidos na proposta e explicou que o projeto substitutivo, apresentado pelo relator, incorporou muitas questões que não estavam no texto original enviado pelo Executivo, como o fim da contribuição sindical compulsória, o trabalho remoto e o intermitente. Ele fez uma análise dos tópicos mais importantes, apresentou ressalvas com relação a alguns itens, mas, de uma for- Representantes do comércio acompanharam as explanações de Ivo Dall´Acqua ma geral, considerou que a reforma é necessária, pois moderniza as relações trabalhistas no Brasil. De acordo com ele, a estrutura das relações de trabalho no país está engessada e as mudanças, ao sobrepor o negociado sobre o legislado, respeitam a autonomia coletiva privada. “Considerando o grande número de disputas judiciais, acredito que a reforma vem pacificar o ambiente de trabalho. Hoje, o empresário vive pressionado pela insegurança jurídica e isso afasta os investimentos”, afirmou o vice-presidente da FecomercioSP. Para Antonio Deliza, a intenção do Sincomercio ao realizar o evento é promover a discussão da relação entre capital e trabalho e fornecer subsídios para que comerciantes, empresários da indústria e outros setores interessados possam se posicionar sobre o assunto, que agora segue para discussão no Senado Federal. CONFIRA OS PRINCIPAIS PONTOS DA REFORMA Representação sindical: representantes dos trabalhadores dentro das empresas não precisam mais ser sindicalizados. Os sindicatos continuarão atuando nos acordos e nas convenções coletivas. Banco de horas: A legislação atual já prevê que a compensação do excesso de horas trabalhadas possa ser feita em outro dia, desde que não exceda, no período máximo de um ano, à soma das jornadas semanais de trabalho previstas, nem seja ultrapassado o limite máximo de dez horas diárias. O projeto aprovado na Câmara permite que o banco de horas seja pactuado por acordo individual escrito, desde que a compensação se realize no mesmo mês. Intervalo intrajornada: prevê a possibi- 14

[close]

p. 15

lidade de redução, via negociação coletiva, do tempo destinado para repouso e alimentação. Permite, por exemplo, que um trabalhador ou trabalhadora opte por reduzir o intervalo intrajornada para que possa sair mais cedo. Jornada 12x36: a jornada de 12 horas de trabalho por 36 horas de descanso passa a fazer parte da legislação. Hoje, a justiça já autoriza a realização da jornada para algumas categorias. Teletrabalho: regulamenta as modalidades de trabalho por home office (trabalho em casa), que será acordado previamente com o patrão, inclusive o uso de equipamentos e gastos com energia e internet. Trabalho intermitente: prevê o contrato de trabalho intermitente, que é a modalidade pela qual os trabalhadores são pagos por período trabalhado. O projeto prevê que o trabalhador receba pela jornada ou diária, e, proporcionalmente, com férias, FGTS, previdência e 13º salário. O trabalho intermitente é uma situação muito comum na área Antônio Deliza Neto (à esquerda) foi o anfitrião do encontro de eventos, cujo horário de trabalho é móvel. Arbitragem: cria a possibilidade de utilização da arbitragem como meio de solução de conflitos. Contribuição sindical: o recolhimento passa a ser facultativo e não mais compulsório. Prevalência do negociado: vários pontos poderão se sobrepor à lei quando houver acordo entre empresários e trabalhadores, como: parcelamento das férias em até três vezes; jornada de trabalho com limitação de 12 horas diárias e 220 horas mensais; participação nos lucros e resultados; jornada em deslocamento; intervalo entre jornadas (limite mínimo de 30 minutos); extensão de acordo coletivo após a expiração; entrada no Programa de Seguro Emprego; plano de cargos e salários; banco de horas, garantido o acréscimo de 50% na hora extra; remuneração por produtividade; trabalho remoto; registro de ponto. Não podem ser objeto de negociação: fundo de garantia; salário mínimo; 13º salário; férias proporcionais. 15

[close]

Comments

no comments yet