Gazeta Valeparaibana

 

Embed or link this publication

Description

Edição de Maio 2017

Popular Pages


p. 1

Ano X - Edição 114 - MAIO 2017 Distribuição Gratuita A única possibilidade de nos eternizamos nessa frágil vida, é plantando boas sementes. É a melhor herança que deixamos! Dia Nacional da Saúde O Dia Nacional da Saúde foi oficializado e inserido no calendário oficial brasileiro através do Decreto de Lei nº 5.352, de 8 de novembro 1967, do Ministério da Saúde e da Educação e Cultura. O dia 5 de agosto foi escolhido para celebrar o Dia Nacional da Saúde por ser a data de nascimento do sanitarista Oswaldo da Cruz, um importante personagem na história do combate e erradicação das epidemias da peste, febre amarela e varíola no Brasil, no começo do século XX. Oswaldo da Cruz nasceu em 5 de agosto de 1872 e foi responsável pela criação do Instituto Soroterápico Federal (atualmente conhecido como Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ) e da fundação da Academia Brasileira de Ciências. A data tem o objetivo de conscientizar a sociedade brasileira sobre a importância da educação sanitária, despertando na população o valor da saúde e dos cuidados para com ela. O Dia da Saúde também serve para homenagear e recordar a vida e o trabalho de Oswaldo Cruz, um dos principais responsáveis pelas erradicações de perigosas epidemias que acometiam o Brasil no final do século XIX e começo do século XX. Mas o que temos? Corredores hospitalares superlotados, pacientes deitados nos chãos, nas macas, em péssimas condições de higiene e saúde: eis o duro retrato da realidade brasileira na área da saúde. A falta de leitos, materiais e, principalmente, médicos são algumas das mazelas que a população enfrenta em hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) devido ao pouco investimento no setor. A existência de hospitais públicos sobrecarregados de pacientes que se queixam sobre falta de médicos ao aguardar dias por um atendimento evidencia o transtorno da saúde no Brasil. Instituições privadas também não ficam de fora da situação caótica no atendimento e são alvos de reclamações sobre a demora e as longas filas de espera. Segundo informações e denúncias publicadas nos mais diversos órgãos de Imprensa, a saúde está abandonada; hospitais fechando por falta de medicamentação e profissionais da área de saúde, indo-se ao cúmulo de seres humanos morrerem na porta dos hospitais por falta de atendimento. Bom lembrar-se que neste mês também se lembra da responsabilidade do Estado para com o Contribuinte. Portanto, medidas são necessárias para resolver o impasse. O Governo Federal deve investir mais no SUS, modernizando os Centros de Saúde, com novos equipamentos, remédios e mais conforto, além de priorizar as regiões mais carentes, fundando de novos hospitais e mantendo o padrão de qualidade. Ademais, o Ministério da Saúde deve garantir ações para uma boa gestão,. O que pelo visto não está nas intenções deste (dês)governo, que apesar do caos já instalado na área, fez cortes profundos nas verbas destinadas a saúde; área tão necessária e importante para a grande maioria da População Brasileira. Quem já necessitou de atendimento que o diga. Editorial Urgência da Reforma Política II ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS PARA A Reforma Política é chamada de “a mãe de MELHORAR O IDEB todas as reformas”. Porque é a reforma mais Talvez o sonho moderno de todo gestor público Página 2 urgente que o Brasil necessita. É claro que não há um consenso sobre o que deve ser mudado, e de muitos diretores de escola seja os índices do IDEB. Vivemos uma o de bater guerra re- DIREITA OU ESQUERDA qual o modelo ideal. Cada pessoa tem os seus cente centrada na efervescência de elevar os Genha Auga – jornalista MTB: 15.320 interesses e os seus conceitos. indicadores de qualidade do país e presencia- Quem é da “direita” e quem é da “esquerda”? mos uma grande mobilização em torno da esLeia mais: Página 6 cola com o objetivo de melhorar tais índices. Página 3 Leia mais: Página 9 CULTURAonline BRASIL - Boa música Brasileira - Cultura - Educação - Cidadania - Sustentabilidade Social Agora também no seu Baixe o aplicativo IOS NO SITE www.culturaonlinebr.org Grandes figuras da música Por um VELÓRIO ENGRAÇADO ocidental IV - Brahms futuro de Paz Animação total! O Dia Internacional Contra a Ho- Vocês conhecem o BBB? Aposto que o leitor respondeu que sim! mofobia é comemorado no dia 17 Seguiram animadíssimos de maio em todo mundo. Foi quan- Porém, não estou falando do polê- do a homossexualidade foi retirada mico ‘reality show’ da televisão mas sim dos três Bs famosos que da Classificação Estatística Inter- para o carnaval em Fama - Minas Gerais. são considerados por muitos estudiosos os pilares da música de concerto. Bach, Beethoven e nacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID) da Organização Mundial da Saúde na quinta feira à Embarcaram noite para desde Brahms. (OMS), sexta aproveitar a festa, música e Leia mais: Página 11 “samba no pé”. Leia mais: Página 13 Leia mais: Última Página

[close]

p. 2

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 2 Editorial Política nas escolas Supremo Tribunal Federal na condição de Tribunal Constitucional. Antes de entrar no assunto em si, quero avisar aos leitores que eu não apoio doutrinação ideológica nas escolas, nem esquerdista, nem centrista e nem direitista. Não é isso que proponho. Opinião política, cada pessoa tem a sua, conforme a sua própria O cidadão brasileiro, para que consiga ser um eleitor mais responsável e mais consciente, necessita ter a compreensão básica do que é Processo Legislativo e do que é Controle de Constitucionalidade. consciência. Não necessita ser especialista nesses assuntos, Contudo, eu sou completamente a favor de ensinar aos alunos as funções, as competências, as atribuições de cada cargo político. Ou seja, o que faz um Vereador? Quais são as leis trabalhadas por um Vereador? mas necessita ter uma noção básica, ao menos. Porque votos errados trazem consequências desastrosas, como corrupção e mordomias esbanjadas, desemprego, crise econômica ou estagnação econômica, inflação descontrolada, perda de direitos trabalhistas, perda de direitos O que um Vereador realmente pode fazer e o individuais, perda de direitos sociais, serviços que um Vereador não pode fazer? públicos de saúdes ruins, serviços públicos de Quais os direitos de um Vereador? educação ruins, a sociedade passando vergonha diante do mundo inteiro por causa dos O que faz um Deputado Estadual? escândalos de corrupção constantes, Quais são as leis trabalhadas por um Deputado criminalidade forte, destruição do meio Estadual? ambiente... a democracia representativa só funciona bem em sociedades bem instruídas, O que um Deputado Estadual realmente pode bem informadas. Senão, vira política de pão e fazer e o que um Deputado Estadual não pode circo. fazer? Partido, ser liberal ou conservador, ou Quais os direitos de um Deputado Estadual? progressista, ou nacionalista, ou socialista, é da O que faz um Deputado Federal? consciência de cada um. Mas o papel de cada Quais são Federal? as leis trabalhadas por um Deputado cargo eletivo, isso tem que ser ensinado nas escolas de ensino médio. Ou, a maioria das pessoas no Brasil nunca vai aprender a votar de O que um Deputado Federal realmente pode forma correta por não compreender o papel de fazer e o que um Deputado Federal não pode cada cargo político no sistema representativo. fazer? Nem todo mundo gosta de política, mas os Quais os direitos de um Deputado Federal? O políticos têm poder para causar muitos que faz um Senador? prejuízos e criar muitos obstáculos na vida de Quais são as leis trabalhadas por um Senador? cada cidadão comum. O que um Senador realmente pode que um Senador não pode fazer? fazer e o Então, não há como fugir da política e viver bem a sua vida. Principalmente os não-ricos. Quais os direitos de um Senador? A Reforma Política precisa ser feita também no que se refere aos eleitores. Esclarecer como o O mesmo referente à um Prefeito, à um sistema funciona. Governador e à um Presidente. E também, as funções, atribuições ou competências do João Paulo E. Barros Como você já deve ter reparado, apresentamos um novo espaço no site da Gazeta Valeparaibana. Um dos objetivos da reformulação é tornar o site ainda mais colaborativo e, assim, fazer jus ao lema de ser “o ponto de encontro da educação”. Tendo em mente essa missão, de se tornar uma verdadeira comunidade virtual que une todos os profissionais e temas relacionados à educação, cultura e sustentabilidade Social, investiu na plataforma que se propõe a veicular trabalhos científicos da área. É o ‘GV - Ciência’. Espaço 100% colaborativo e GRATUITO! A proposta surge para ser o meio em que trabalhos científicos sejam veiculados na imprensa, dano a eles o devido destaque. Todo internauta do Portal Comunique-se pode fazer uso do ‘C-SE Acadêmico’, basta seguir dois passos... 1º - ENVIAR o trabalho para: csecientifico@gazetavaleparaibana.com (em Word sem formatação com letra Arial 11). NÃO ESQUECER de enviar todos os seus dados: Nome Completo, Documento de Identidade, Nome do Curso, Faculdade. 2º - Depois de analisado, será publicado no espaço “GV - ciência” do site e na edição do mês subsequente no Jornal Digital. Latino Coelho “Dantes havia público e autores, homens que liam e poucos que escreviam; hoje é o contrário – todos es- crevem, e ninguém lê”. *** Stanislaw Ponte Preta “Macrobiótica é um regime alimentar para quem tem 77 anos e quer che- gar aos 78”. *** Juracy Magalhães (governador da Bahia durante a ditadura) “O que é bom para os Estados Unidos, é bom para o Brasil”. *** General Figueiredo (quando o último presidente da ditadura iniciada em 1964, quando perguntado o que faria se fosse operário e ganhasse salário mínimo) “Dava um tiro no coco”. *** Jarbas Passarinho (quando era ministro da Educação e, como os outros ministros, assinou o AI-5) “Às favas com os escrúpulos”. *** Plínio Salgado “O integralismo nega a eficácia do voto, nega a concepção democrática do cidadão, condena o sufrágio uni- versal”. *** Assis Chateaubriand “A clareza se revolta contra a religião, que é a obscuridade, o simbolis- mo e o mistérios”. Garrincha (enquanto os demais jogadores comemoravam a vitória sobre a Suécia e a conquis- ta da Copa do Mundo, em 1958) “Que torneio mixo! Não tem nem segundo turno?”. Os artigos publicados são responsabilidade de seus autores, não refletindo necessariamente a opinião da Gazeta Valeparaibana IMPORTANTE Todas as matérias, reportagens, fotos e demais conteúdos são de inteira responsabilidade dos colaboradores que assinam as matérias, podendo seus conteúdos não corresponderem à opinião deste proje- to nem deste Jornal. A Gazeta Valeparaibana é um jornal mensal gratuito distribuído mensalmente para download na web Editor e Jornalista responsável: Filipe de Sousa - FENAI 1142/09-J Ajude-nos a manter este projeto por apenas R$ 2,00 mensal Email: assinaturas@gazetavaleparaibana.com Gazeta Valeparaibana e CULTURAonline BRASIL Juntas, a serviço da E- ducação e da divulgação da CULTURA Nacional

[close]

p. 3

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 3 Crônica do mês DIREITA OU ESQUERDA Genha Auga – jornalista MTB: 15.320 Calendário Quem é da “direita” e quem é da “esquerda”? Esse rótulo, que foi assimilado por todos onde os da “esquerda” pensam em grupos e todos opinam reunindo-se em assembleias. Os da “direita” pensam de forma semelhante, mas, com outros objetivos. Essa divisão tem sido distorcida de forma que ficou entendido que um é bom e o outro é mau, perdendo-se assim o valor da liberdade de expressão e a troca de opiniões, mesmo que adversas. É como dois colegas encontrarem-se e um tomar um cafezinho e o outro um chopinho, cada um, vê e vive diferente. Nesse caso quem é bom e quem é mau, certo ou errado? Algumas datas comemorativas O que importa é como, cada um, vê o mundo do seu ponto de vista e, isso não quer dizer que se o outro pensa diferente significa que está errado. Na dúvida, deve-se usar a bússola do bom senso e buscar conhecimentos para saber para qual lado seguir; para esquerda ou pra direita, mas, trocar ideias educadamente que levem a um consenso. A política deveria gerar possibilidades de crescimento, evolução intelectual e menos discussões interesseiras dos que pensam com os bolsos, e o povo, a obrigação de cobrar isso. Mediante toda lama de corrupção que inunda o país, é preciso prestar atenção, apurar os fatos e não se preocupar nesse momento com o voto e não correr o risco de tão cedo, logo apoiar eleger o “menos ruim”, como se tem feito. Nossos políticos estão atrelados pelo elo da corrupção e inescrupulosamente cúmplices; num dia se digladiam e no outro jantam juntos e comemoram suas “sujeiras”. Precisamos apurar as falcatruas para ver quem passará pela “peneira”. 01 - Dia do Trabalhador 03 - Dia Internacional da Liberdade de Imprensa 05 - Dia da Língua Portuguesa e da Cultura 08 - Dia das Mães 10 - Dia do Campo 13 - Abolição da Escravatura 15 - Dia Internacional da Família 16 - Dia do Gari 18 - Dia Internacional dos Museus 25 - Dia do Trabalhador Rural 25 - Dia Nacional do Respeito ao Contribuinte 27 - Dia Nacional da Mata Atlântica 27 - Dia do Serviço de Saúde 30 - Dia da Santa Joana d'Arc Ver mais sobre na Página 12 Basta de ilusões, de funkeiros, de crianças sem pais e sem país, do que rouba, mas faz, estupra, mas não mata, de culpar o bolsa-família, das impunidades, de músicas sem conteúdos, de analfabeto funcional, de universidades com clientes e não alunos, liberdade que se confunde com libertinagem, da falta de senso e decoro que o brasileiro incorporou desde a periferia até a classe mais alta por falta de investimento na educação e transparência na informação. Vamos pensar e ajudar o Brasil a ter líderes intelectuais e a fiscalizar a gestão do nosso dinheiro, da arrecadação de cada imposto pago. Devemos nos indignar com o que não for justo e com a falta da verdadeira comprovação de cada fato que a mídia nos vende – lembre-se: “A voz não produz o que o ouvido não ouve” (Alfred Tomatis). Não façamos aliança com o falso moralista e nem com a simpatia e sim com a competência e eficiência que poderá nos trazer bons resultados. Ainda dá tempo de, você brasileiro, assumir o comando! A democracia é hoje infelizmente vista como inevitável. Não este primeiro de Maio não é dia de festa! Deveria ser. Nada temos a celebrar neste 1º de Maio de 2017. Festa quando aumenta de dia para dia o desemprego, aumenta o emprego precário, perigam as demissões coletivas para dar lugar à terceirização, aumenta o custo de vida e a contenção dos salários, aumenta a fome e a pobreza, mesmo na classe média (1/5 da população abaixo do limiar da pobreza). Não, caros leitores, este primeiro de Maio de 2017 nos chama à reflexão e à luta! É o sistema político que quase ninguém se atreve a pôr em causa, e que ninguém põe em causa publicamente. Isto é infeliz por duas razões. Em primeiro lugar, porque limita a nossa imaginação. É quase como se fosse proibido pensar em alternativas; e se não houver ampla liberdade para pensar em alternativas, será certo que não iremos descobrir alternativas, ainda que estejam mesmo debaixo do nosso nariz. Em segundo lugar, como viu J. S. Mill, porque mesmo que a democracia seja o melhor sistema político, deixar que se torne um dogma morto e não uma opção viva enfraquece a democracia. Enfraquece-a porque no dia em que surgir alguém que a ataque, as pessoas não saberão defendê-la. Talvez mais inquietante é o modo como se pode importar e impor uma democracia de fachada, quando a mentalidade permanece avessa à democracia. Isto ocorre precisamente porque se vê a democracia como inevitável e portanto impõe-se a democracia nos mais diversos países e instituições, forçando pessoas sem mentalidade democrática a aceitar regras democráticas que lhes são alheias.

[close]

p. 4

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 4 Culturas e Identidades História da língua no Brasil brasileira são encontrados em algum dialeto do Brasil. A insuficiência de informações rigorosamente científicas e completas No início da colonização portuguesa no Brasil (a partir da descoberta, sobre as diferenças que separam as variedades regionais existentes em 1500), o tupi (mais precisamente, o tupinambá, uma língua do lito- no Brasil não permite classificá-las em bases semelhantes às que foral brasileiro da família tupi-guarani) foi usado como língua geral na ram adotadas na classificação dos dialetos do português europeu. Ecolônia, ao lado do português, principalmente graças aos padres jesu- xiste, em caráter provisório, uma proposta de classificação de conjunítas que haviam estudado e difundido a língua. Em 1757, a utilização to que se baseia - como no caso do português europeu - em diferendo tupi foi proibida por uma Provisão Real. Tal medida foi possível ças de pronúncia (basicamente no grau de abertura na pronúncia das porque, a essa altura, o tupi já estava sendo suplantado pelo portu- vogais, como em pEgar, onde o "e" pode ser aberto ou fechado, e na guês, em virtude da chegada de muitos imigrantes da metrópole. Com cadência da fala). Segundo essa proposta, é possível distinguir dois a expulsão dos jesuítas em 1759, o português fixou-se definitivamente grupos de dialetos brasileiros: o do Norte e o do Sul. Pode-se distincomo o idioma do Brasil. Das línguas indígenas, o português herdou guir no Norte duas variedades: amazônica e nordestina. E, no Sul, palavras ligadas à flora e à fauna, como abacaxi, mandioca, caju, pi- quatro: baiana, fluminense, mineira e sulina. ranha, bem como nomes próprios e geográficos. Com o fluxo de escravos trazidos da África, a língua falada na colônia Esta proposta, embora tenha o mérito de ser a primeira tentativa de recebeu novas contribuições. A influência africana no português do classificação global dos dialetos portugueses no Brasil, é claramente Brasil, que em alguns casos chegou também à Europa, veio principal- simplificadora. Alguns dos casos mais evidentes de variações dialec- mente do iorubá, falado pelos negros vindos da Nigéria (vocabulário tais não representadas nessa classificação seriam: ligado à religião e à cozinha afrobrasileiras), e do quimbundo angolano tais como caçula, moleque e samba. • a diferença de pronúncia entre o litoral e o interior do Nordeste; o dialeto da região de Recife, em Pernambu- Um novo afastamento entre o português brasileiro e o europeu acon- co (PE) é particularmente distinto; teceu quando a língua falada no Brasil colonial não acompanhou as • a forma de falar da cidade do Rio de Janeiro (RJ); mudanças ocorridas no falar português (principalmente por influência francesa) durante o século XVIII, mantendo-se fiel, basicamente, à maneira de pronunciar da época da descoberta. Uma reaproximação ocorreu entre 1808 e 1821, quando a família real portuguesa, em razão da invasão do país pelas tropas de Napoleão Bonaparte, transfe- • o dialeto do interior do estado de São Paulo (SP); e • as características próprias aos três estados da região sul (PR, SC e RS), em particular o(s) dialeto(s) utilizado (s) no estado do Rio Grande do Sul (RS) riu-se para o Brasil com toda sua corte, ocasionando um reaportugue- A Cultura herdada samento intenso da língua falada nas grandes cidades. Aos portugueses, os brasileiros devem a língua e,como consequên- Após a independência (1822), o português falado no Brasil sofreu in- cia, nossa tradição da cultura popular ,ou seja,o folclore brasileiro herfluências de imigrantes europeus que se instalaram no centro e sul do dou formas de linguagem ,de poesia e de prosa . país. Isso explica certas modalidades de pronúncia e algumas mudan- - Na poesia,destacamos a trova ou quadrinha, e na prosa,os lenga- ças superficiais de léxico que existem entre as regiões do Brasil, que lengas ou contos acumulativos ,as estórias de trancoso,os mitos da variam de acordo com o fluxo migratório que cada uma recebeu. Alemoa,Pisadera, Porca dos Sete Leitões , Cabra Cabriola, Cuca ou No século XX, a distância entre as variantes portuguesa e brasileira Coca , do português aumentou em razão dos avanços tecnológicos do perío- Mula-sem-cabeca (Burrinha-de-Padre ou Burrinha) e o Lobiso- do: não existindo um procedimento unificado para a incorporação de mem ,conhecido em toda a Europa . novos termos à língua, certas palavras passaram a ter formas diferen- - Na indumentária ,o tamanco de pau,a roupa de couro do vaqueiro e tes nos dois países, a saber: coboio e trem, autocarro e ônibus, pedá- a carocha ou caroça, capa de chuva de fibras vegetais ,usada pelo gio e portagem. sertanejo goiano e do norte de Minas Gerais . Além disso, o individualismo e nacio- - Na comida ,os pratos de porco ,a galinha de cabidela e o molho de- nalismo que caracterizam o movimen- nominado vinho-d!alho e muita de nossa doceria. to romântico do início do século inten- - Na religião ,o culto ao Divino e a Sao Gonçalo de Amarante ,Santo sificaram o projeto de criação de uma padre português,cuja a imagem brasileira tem as características de literatura nacional expressa na varie- um violeiro:o grupos religiosos das folias ou bandeiras e o da recodade brasileira da língua portuguesa, menda de almas,do período de quaresma,alem de cantoeiras como argumento retomado pelos modernis- os Martírios (observado em Ilhabela-SP) e as Excelências ,etc... tas que defendiam, em 1922, a neces- - Nas festas,os dirigentes chamados juiz,alferes,mordomos,padrinhos sidade de romper com os modelos tra- de São João; Cerimônias com musica,morteiros e fogue- dicionais portugueses e privilegiar as tes ,designadas alvoradas . abertura conquistada norma brasileira. pelos peculiaridades do falar brasileiro. modernistas consagrou literariamente A a - Os jogos ,na modalidade de touradas,e as Cavalhadas de Sao Joao e de outros santos,na característica de cortejo a cavalo ,que percorre as ruas da cidade,por vezes promovendo o jogo de argolinhas,os Ze - Zonas dialectais brasileiras pereiras,como gigantões, ou mascaras gigantes ou grupos carnava- lescos de berraria . A fala popular brasileira apresenta uma relativa unidade, maior ainda do que a da portuguesa, o que surpreende em se tratando de um pais - Na dança,a Cana-Verde,Ciranda ,Chamarrita,Pezinho. tão vasto. A comparação das variedades dialetais brasileiras com as - No Teatro,com danca e musica,na forma de folguedo popular ,o portuguesas leva à conclusão de que aquelas representam em con- Pastoril;na roda de crianças e adultos,como a da "Machadinha “, junto um sincretismo destas, já que quase todos os traços regionais "Viuvinha" ,etc ... ou do português padrão europeu que não aparecem na língua culta - No jogo de cartas ,como o da Bisca (truco) . www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 5

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 5 Cidadania não, para a banalização de conceitos. Devemos preservar o respeito e a dignidade de outrem. Ela deve ser utilizada como fonte de orientação, informação, contribuição para o bem comum e para a educação, e não, para a degradação. “A liberdade de cada um acaba onde começa a liberdade do outro”. Se observarmos o mundo, a idéia central é que não há uma verdadeira e objetiva liberdade de expressão. O pensamento, a opinião de cada um de nós é prédeterminada, enraizada nos nossos modelos familiares, educacionais, culturais e ideológicos, não esquecendo da educação escolar e da religião, o grupo e o meio social, assim, como as informações úteis ou não dos meios de comunicação. Não há direito absoluto, uma vez que, os mesmos estão limitados por outros direitos ou por valores coletivos da sociedade. A liberdade de expressão deve respeitar os limites éticos, mo- Os Limites da Liberdade de Expressão rais, sociais e familiares, deixando de lado, e não confundindo com a imoralidade, palavras de baixo calão, ou qualquer forma e pensa- mento destrutivo de conceitos como o respeito, a dignidade humana, Alessandra Amato as opções e danoso. das pessoas, não tornando, portanto, um meio prejudicial “Liberdade de expressão é opiniões, idéias e pensamentos”. o direito de manifestar livremente Para qualquer sociedade a liberdade de se expressar é extremamente benéfica, porque será através dela que os cidadãos poderão participar sugerir ou criticar. O objetivo da liberdade de expres- A Constituição Federal regula a liberdade de expressão e in- são é tornar o cidadão um ser “pensante”. formação, nos artigos 5° e 220, e parágrafos, que reza: Porém, observamos no Brasil, um equívoco em relação à li- Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato; Art. 5°, IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de berdade de expressão. A televisão brasileira, por exemplo, ao se expressar, distorce notícias, condena pessoas, estimula a sensualidade precoce, a mentira, a nudez, a infidelidade conjugal, etc. Cadê os órgãos públicos fiscalizadores? censura ou licença; Art. 5°, XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguardo do sigilo da fonte, quando necessário ao exercí- Não podemos confundir liberdade de expressão com banalização! cio profissional; Art. 220 - A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a. informação, sob qualquer forma, processo ou veículo, não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição. §1° - Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir Os países desenvolvidos cultivam outros valores com a liberdade de expressão, uma vez que, possuem consciência dos resultados desastrosos, que a banalização trás no futuro, como a proliferação e o aumento do subdesenvolvimento e a decadência familiar e social. embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5°, IV, V, X, XIII e XIV; §2° - É vedada toda e qualquer censura de natureza políti- Os limites da liberdade de expressão elencadas na nossa Carta Magna (CF) são: a vedação do anonimato, o direito de resposta, o direito a ações indenizatórias, o direito à honra e à privacidade. ca, ideológica e artística. Cabe verificar, que a censura ainda está enraizada em nossas veias, no nosso DNA. É complicado para muitas pessoas conviver numa sociedade, sem censuras ou limites, uma vez que, vivemos muitos anos no regime de censura. Concluímos que a liberdade de expressão é um passo construtivo à sociedade, desde que tenhamos o respaldo à veracidade dos fatos alegados, em sua totalidade, respeito à dignidade e a liberdade das pessoas. Não podemos confundir a liberdade de expressão com a degradação, banalização e inversão de valores, o que infeliz- Mas até que ponto, para a própria organização de Estado e mente vem ocorrendo. para a convivência em pressão da liberdade? sociedade não necessita de limites para ex- to de A liberdade de expressão veio ao nosso encontro, com o intuiinformação, da verdade “sem máscaras”, orientação, aprendi- A liberdade de expressa deve ser orientada para o bem, e zagem e benefícios para nosso povo e nosso País. Por uma Reforma Política democrática e com participação popular Porque precisamos fazer a Reforma Política no Brasil? Seus impostos merecem boa administração. Bons políticos não vem do nada. Para que existam bons políticos para administrar o país, toda a sociedade precisa colaborar para que eles possam nascer e terem sucesso. É preciso um sistema eleitoral moderno para melhorar a qualidade da política. Os políticos "tradicionais" tem horror à reforma política, porque ela pode mudar a situação atual onde eles usam e manipulam o eleitor e são pouco cobrados ! www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 6

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 6 Política Urgência da Reforma Política II regular o funcionamento do Estado de forma a No passado, os Municípios do Brasil eram preservar os direitos individuais e sociais dos subdivididos em Freguesias. E em Portugal, A Reforma Política é chamada de “a mãe de cidadãos. até hoje os municípios são subdivididos em todas as reformas”. Porque é a reforma mais As Assembleias estaduais também existem freguesias. urgente que o Brasil necessita. É claro que para não deixar os Governos estaduais abusa- Lá, o Poder Executivo da Freguesia é chama- não há um consenso sobre o que deve ser rem do povo. E as Câmaras Municipais exis- da Junta de Freguesia, e o Poder Legislativo é mudado, qual o modelo ideal. Cada pessoa tem para não deixar os Governos municipais chamado Assembleia de Freguesia. Entretan- tem os seus interesses e os seus conceitos. abusarem do povo. to, a Assembleia de Freguesia é substituída Aqueles que se beneficiam do status quo vão “mover céus e terra” para mantê-lo. Compete aos prejudicados pelo status quo “mover céus Mas quando as instituições que existem para não deixar o governo abusar do povo são as pelo Plenário dos Eleitores com até 150 eleitores. nas Freguesias e terra” para mudá-lo. que abusam do povo, é sinal de que o sistema O Plenário dos Eleitores é o cidadão legislan- não está funcionando com deveria funcionar. do diretamente a nível de Freguesia. E é isso Na edição de abril de 2017, eu mencionei algumas propostas de reforma política, como o voto distrital, o recall político (revogação de mandato por eleitores), permitir apenas uma reeleição para cargos legislativos, reforma ou extinção do Senado, reduzir o número de De- É nisso que a população necessita se atentar. O Brasil tem um pouco mais de duzentos milhões de habitantes, eu não tenho como saber com precisão quantos especificamente são. Nem quantos por cento. Mas, percebi que a que eu defendo nos municípios do Brasil, que sejam recriadas as Freguesias (ou Distritos, Conjuntos de Bairros...) nos Municípios médios e grandes para o eleitor legislar diretamente na forma de plebiscito e referendo. putados Federais, entre outras. Neste artigo, grande maioria da população do Brasil não en- É a forma do eleitor compreender mais rápido vou focar no Poder Legislativo, principalmente tende como o sistema funciona. o procedimento de legislar sem estar na esco- a nível municipal. A maioria não sabe com clareza o que fazem la, aprendendo na prática. Não deixar todas as Caro leitor ou cara leitora, você provavelmente os Vereadores, os Deputados Estaduais, os funções de legislar para os Vereadores mais. aprendeu na escola que, entre os séculos XVII Deputados Federais e os Senadores. Só que preciso ser realista, a sociedade civil e XVIII, houve um movimento cultural na Euro- Como que eu sei disso? não está preparada para substituir todos os pa chamado iluminismo. órgãos legislativos, ainda necessitados de Ve- Pelos resultados das eleições, pelo tipo de readores (nas cidades grandes e médias) e de No aspecto político, os iluministas se empe- gente que é eleita para esses cargos. A maio- Deputados. Mas, num conjunto de bairros, é nharam para abolir a Monarquia absolutista ou ria dos eleitores brasileiros acham que são o possível Poder Legislativo popular direto. despótica e moderar os poderes dos reis. É Presidente, o Governador e o Prefeito que fa- por isso que foi instituída a separação de po- zem tudo acontecer. O que eu escrevo aqui é um conjunto de su- deres em Legislativo, Executivo e Judiciário. gestões. Eu não sou dono da verdade e nem E há um agravante, os tais quocientes eleitoral da razão, não há problema de alguém discor- No caso da Inglaterra, o Parlamento foi instituí- e partidário, que permitem que pessoas não dar de mim. Apenas interpreto que as coisas do na Idade Média para frear os abusos dos escolhidas por eleitores ocupem cargos de Ve- seriam melhores se fossem como eu propo- reis. Trazendo para a nossa realidade, o Con- reador ou de Deputado, e é por isso que eu nho. gresso Nacional existe para não deixar o Go- defendo a mudança para o sistema de voto verno Federal abusar do povo, é para isso que distrital. existe uma Constituição Federal escrita, para João Paulo E. Barros Desemprego Reforma Trabalhista: sem direitos e sem empregos Reforma da Previdência. Frente aos descalabros propostos por esse conjunto de medidas, o Ministério Público do Trabalho lançou uma nota técnica criticando os principais pontos e atacando as falácias que a reforma usa como justificativa, já que a possibilidade de precarizar ainda mais as relações de trabalho não garante geração de mais empregos. Esse retrocesso visa apenas agradar ao grande empresariado que vive de isenções que oneram, e muito, os cofres públicos, consegue empréstimos a fundo perdido e, algumas vezes, é salvo com verbas milionárias do governo federal. Barrar a Reforma Trabalhista será um dos grandes desafios do ano. Uma outra grande preocupação é com o desemprego. É preciso tomar fôlego, 2017 será um ano de lutas intensas contra o Acabamos de atingir o significante e preocupante numero de 14,2 MI- retrocesso. LHÕES de desempregados em idade adulta e a cerca de 24,5% os A Reforma Trabalhista, uma das maiores tentativas de retirada de di- desempregados entre os jovens que buscam emprego com idade de reitos do governo Temer já está tramitando na Câmara junto com a até 24 anos. www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 7

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 7 Crônicas, Contos e Poesia MAMÃE QUERIDA Genha Auga Sou destemida não tenho medo de nada. Enfrento tudo com coragem desde nascida. Se não fosse assim, não conhecia vida, quase morri de tantas dores de minha mãe na barriga. Talvez mamãe não gostasse de doce e amargava minha vida, talvez brincasse e pulasse de alegria, na barriga eu chacoalhava e me debatia, dentro devia ser pequeno, me espremia. Muitas vezes ela chorava, pensava que era de alegria, ela não cantava, em seu útero não soava nenhuma melodia. Tentava virar, chutar, era difícil, não conseguia. Às vezes sentia um quente que me cutucava, ai como eu sofria! Mas fui forte, me esforçava, ajudava a mamãe para nascer como ela queria! Foram longos meses, mas eu resistia. Até que chegou o dia que vim ao mundo, um lugar mal cheiroso, ouvia gritos, minha mãe gemia. Nasci depressa e logo dali partia. De onde vim, diziam que aqui a encontraria de braços abertos e nos seios dela me fartaria, o melhor carinho desse mundo só da mamãe eu conheceria. Desde então a amei, fui forte e juntas passamos quase nove meses, até que cheguei... Mas nada disso ela me deu, se não fosse forte aqui não chegaria, no entanto, aqui estou me enganei. Não era amor, ela me provocou só dor, não me queria. Fez tudo para me matar, mas por engano lutei e mudei minha sina. Mamãe me embrulhou em trapos e me deixou na porta de uma tal de Maria, criou-me, mas não como filha, como bastarda, sua serva eu seria. Mas eu fui forte e a tudo isso resistia. Hoje estou aqui a escrever para ajudar outras meninas. A vida inteira tive coragem vivo sem lamento, sem melancolia. Mas uma dúvida fica na vida de quem sobrevive ao infortúnio de ter nascido já sem a mãe, aquela com quem contava para o resto da vida. Não deixou carta, nunca ligou e nem sequer me procurou... Mamãe encontrou alguém que a afagou todos os dias, enquanto eu chorava todas as noites com a pergunta que não cala. “Por que será que ela não me queria”? 16 DE MAIO – DIA DO GARI Genha Auga – jornalista – MTB: 15.320 “Recolhem os lixos de toda cidade, varrem ruas, limpam praças e parques, cortam gramas, lavam e desinfetam vias públicas. Gari vem de uma homenagem feita a quem se destacou na história da limpeza no Rio de Janeiro – o francês Aleixo Gary que firmou contrato de 1876 a 1891 com o Ministério Imperial para organizar o serviço de limpeza da cidade e, após sua saída, permaneceu em seu lugar seu primo Luciano Gary. A empresa foi extinta um ano depois, sendo criada a Superintendência de Limpeza Pública e Particular da Cidade, cujos serviços deixavam a desejar, pois o número de animais era insuficiente para carregar todo o lixo e então, a tração animal passou para a mecânica e depois ao caminhão”. Viver em uma cidade limpa é uma questão de saúde pública e graças a esses profissionais que se dedicam a tão árdua tarefa, faça sol ou chuva, dedicamse com seriedade a esse trabalho e, que por muitas vezes, por conta de festividades que ocorrem em cada cidade no decorrer do ano, o lixo aumenta e a jornada de trabalho idem, sem contar que atualmente, além da coleta há separação do lixo para reciclagem. Esse profissional além de nos proporcionar o conforto da limpeza, são pessoas otimistas, educadas, mas que ainda sofre com o preconceito da classe social, o desrespeito de quem joga lixo no chão e embalam objetos cortantes sem o devido cuidado, sem a menor preocupação com a possibilidade do gari se acidentar ou se contaminar com esse tipo de lixo. A prefeitura atual de São Paulo, preocupada com a campanha “cidade limpa” poderia, como foi dada aos taxistas o poder de denunciar o pichador de muros, também aos garis a condição de indicar os comerciantes que deixam o lixo nas calçadas, mal acondicionado, em lugares impróprios, o morador de rua que se serve do lixo rasgando as embalagens e atraindo insetos. Todos desejam uma cidade limpa, mas, a parcela de cidadãos que colabora é bem pequena e, sem contar, a falta de consciência de muitos em reconhecer a importância desse profissional que é contratado para manter a cidade limpa e não para limpar a sujeira dos mal-educados que jogam lixo por toda parte como se o gari existisse para atender a esses imundos. O gari é quase um anônimo e invisível, muitos não se dão conta de que ele limpa a sujeira negligenciada pelo pobre e pelo rico e ainda, por muitas vezes, são mal tratados por essas pessoas que se dizem cristãs. Esse profissional é nosso irmão, ele tem família, esperanças e fé como todos nós. Ou será que se essa profissão for extinta, cada um, irá aprender a ser mais limpo e cuidadoso ou viverá no meio do lixo comprometendo sua imunidade e status social? Os garis ajudam a evitar que doenças se alastrem através do lixo e mesmo sem o devido reconhecimento, calados, fazem seu trabalho mesmo sem lhe darem a devida importância pela profissão dura, porém nobre e “vestem” melhor que outros profissionais, a “camisa do seu trabalho”. Parabéns e obrigada pela dedicação! CONSIDERAÇÃO SOBRE AS CRONICAS Definida pelo dicionário como "narração histórica, ou registro de fatos comuns", a crônica ocupa um espaço fronteiriço, entre a grandeza da história e a leveza atribuída à vida cotidiana. Posição instável, e nem um pouco cômoda, em que a segurança oferecida pelos gêneros literários já não funciona. Lugar para quem prefere se arriscar, em vez de repetir. A crônica confunde porque está onde não devia estar: nos jornais, nas revistas e até na televisão – e nem sempre nos livros. Literatura ou jornalismo? Invenção, ou uma simples (e literal) fotografia da existência? Coisa séria, ou puro entretenimento? Supõe-se, em geral, que os cronistas digam a verdade – seja o que se entenda por verdade. Não só porque crônicas são publicadas na imprensa, lugar dos fatos, das notícias e da matéria bruta, mas também porque elas costumam ser narradas na primeira pessoa, e o Eu sempre evoca a ideia de confissão. E ainda porque vêm adornadas, com frequência, pela fotografia (verdadeira!) de seu autor.

[close]

p. 8

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 8 Abolição da Escravatura DESCONSTRUINDO A PRINCESA ISABEL E O DIA 13 DE MAIO ças. Vale dizer, porém, com a Lei do Ventre Livre, que as crianças nascidas a partir daquele momento não seriam mais escravas… e só poderiam ficar com as famílias até completarem 8 anos de idade, quando o “proprietário” as poderia entregar para o governo e receber indenização – essa parte ninguém contou, certo? E sim, não podemos esquecer que veio também aquela lei que libertava escravos com mais de 65 ano, se é que algum aguentava viver tanto tempo. Mas, a questão da Liberdade era igualmente questionável: “libertar” aos 65 anos significava que o “proprietário” não precisa- Isabel? Não, não me representa ria se preocupar com a saúde e condições dessa pessoa ex escrava – é, também não contaram isso na escola. 13 de maio. Poderia ser mais uma data regida sob o signo de touro. A assinatura da abolição foi um, basicamente um “Olha, pessoal mo- Ou o 132° dia do ano. reno! Agora não vamos mais brincar de escravos, ok? Vocês estão Mas aconteceu de , em 13 de maio de 1888, uma princesa branca eu- Livres… saiam logo daqui! Se virem! Agora cada é um por si”. ropeia, assinar um papel que pôs fim a escravidão no Brasil. Nada (Meritocracia Já!) contra ser branca, nem ser europeia. Foi um “Get a life!” histórico. Em seguida começam a vir imigrantes Por esse motivo, o dia 13 de maio virou feriado, a tal princesa branca europeus para ocupar os postos de trabalho antes realizados pelas europeia, Isabel, passou a ser idolatrada como a verdadeira heroína pessoas negras. Pagos, ainda que mal e porcamente, mas pagos. da abolição da escravatura. E veio a minha pergunta que nunca ninguem respondeu: Não, não foi bem assim. Essa foi a história que nos foi enfiada goela Se imigrantes da Europa vieram pra trabalhar no Brasil, não teria sido abaixo desde todo o sempre. Ainda bem que o tempo passa e com o mais fácil apenas passar a remunerar a população negra ex escrava advento da internet, um certo monopólio da informação saiu das mãos que já existia e que sabia o que fazer? dos mesmos. E pudemos aprender e refletir sobre o que não foi con- A história sempre foi contada sob as lentes eurocêntricas, nada mais tado. natural que heróis e heroínas dessa história sejam pessoas brancas, Quando criança, na época da escola, sempre que contavam sobre a pessoas tipicamente europeias, que representem o imaginário domi- vinda da população negra pro Brasil e, principalmente, do bla bla bla nante naquele tempo. Dominante também nos dias de hoje. da abolição da escravatura. Através da História podemos contar a histórias da pessoas negras, o Resumão básico. que elas viveram. Ainda que nós mesmas, pessoas negras hoje, não População negra veio pro Brasil em navios. Vieram para ser escravi- tenhamos experimentado aquele tipo de opressão, temos a vivência zada. da violência banalizada e silenciosa que nos amarra até hoje. É con- Trabalhavam sem pagamento, em condições desumanas, afinal, não tra esse sistema racista perverso que lutamos. E sim, querermos e eram considerados seres humanos. Eram objetos, coisas, proprieda- elegemos nossas heroínas e heróis. Temos voz e ninguém ouse nos des. Haviam punições físicas. Mulheres negras eram estupradas. calar. Tantas outras pessoas apanhavam, eram torturadas. Morriam. Mas Nossa identidade negra nos dá plena legitimidade sim para dizer que também lutavam contra a escravidão, se rebelavam de inúmeras for- não, essa mulher branca não me representa. Não queremos heroínas mas. Resistiam. Organizavam rebeliões. Fugiam. Criavam seus pró- brancas, nem heróis brancos. prios espacos, os quilombos. Ah! Mas isso ninguém conta, afinal, de- A princesa branca representa a sociedade branca mesma que foi es- ve ser mantido o mito do negro pacífico e submisso. cravagista e que se beneficiou do sangue negro que correu no traba- Por inúmeros fatores, especialmente econômicos, foram dando os lho escravo. A branca princesa europeia representa a redenção para contornos do fim da escravidão. Dentre eles, uma pressãozinha da toda uma sociedade branca escravagista, ela “apagou” os pecados da Inglaterra, que estava em plena Revolução Industrial, buscava por ób- escravidão – pensam as pessoas brancas. vio novos consumidores para os produtos. Um belo pressionar, com Nós, mulheres negras não pensamos assim. A escravidão permane- sabor de chá das 5. ce, com outros nomes, agindo com outros instrumentos. Nós, mulhe- A princesa branca veio e, uau, assinou a abolição da escravatura! Co- res negras, queremos nossas heroínas, mulheres negras para qual mo ela é boazinha. possamos dirigir nosso olhar e dizer sem palavras “ela é uma igual”. (E ninguém conta que o Brasil foi o último país a acabar com a escra- Nós carregamos a legitimidade pela nossa luta todos os dias, basta a vidão negra. É, em 1888, há apenas 133 anos. Em termos históricos, nós, todos os dias abrir os olhos, acordar e mirar o espelho e lá está a praticamente na semana passada). nossa legitimidade para a luta: a nossa pele escura, a nossa negritu- Tudo bem que, antes dessa assinatura, já haviam “libertado” as crian- de. Nossa identidade NEGRA! Juliana Gieppner A MENTIRA CHAMADA DEMOCRACIA Muitas mentiras foram ditas e repetidas como verdade na história do Brasil. Desde a chegada dos colonizadores portugueses até os nossos dias, não faltaram mentiras que perduraram como verdades. Mentiras criadas para mascarar tragédias, para fabricar falsos heróis, para criar falsas verdades. A cultura popular consagrou, mundialmente, o dia 1º de abril como o “dia da mentira”. No Brasil, a maior de todas as mentiras foi realizada neste dia. Foi em 1° de abril de 1964, que uma coalizão civil-militar "assaltou o poder". Um golpe de estado que se autointitulou “revolução”. “Revolução” que não tinha povo ao seu lado, “revolução” que queria manter tudo como estava e acabar com as poucas e necessárias mudanças sociais que se vislumbravam. Para tentar se legitimar, os golpistas tinham que mentir. Um golpe que dizia defender a “democracia”. Para defender a democracia, acabaram com ela, rompendo com a legalidade democrática instituída no Brasil desde a Constituição de 1946. O congresso foi fechado, partidos foram postos na ilegalidade e os direitos políticos passaram a ser um privilégio daqueles que apoiavam o regime. Quem pensava diferente era alvo de perseguição. Na tentativa vã de “manter as aparências”, eleições eram realizadas, mas apenas dois partidos podiam disputá-la: o partido do “sim!” e o partido do “sim, senhor” (Arena e MDB). Numa ditadura amparada na mentira, nada mais justo que houvessem eleições de mentira. Para tentar se legitimar, os golpistas tinham que mentir. E a mentira continuou até 2017, já que os eleitos nunca representaram quem os elegeu.

[close]

p. 9

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Política da educação Página 9 ESTRATÉGIAS DIDÁTICAS PARA MELHORAR O IDEB diminuindo a evolução do IDEB. Bem, sem querer se alongar sobre o Talvez o sonho moderno de todo gestor público e de muitos diretores gráfico em si, vamos direto ao ponto. de escola seja o de bater os índices do IDEB. Vivemos uma guerra re- A grosso modo, os exames cobram, principalmente, a capacidade lei- cente centrada na efervescência de elevar os indicadores de qualidade tora e de raciocínio lógico-matemático. Inicialmente é preciso dizer que do país e presenciamos uma grande mobilização em torno da escola tais capacidades devem ser desenvolvidas em todas as disciplinas es- com o objetivo de melhorar tais índices. Carinhosamente, entendo que colares. Ler, escrever, interpretar, raciocinar, resolver problemas, en- a articulação da escola com o objetivo único de melhorar um indicador fim, articular essas situações não deve ser encarado como uma espe- de qualidade, trata-se, na realidade, de uma autêntica paranoia peda- cificidade das disciplinas de Língua Portuguesa e da Matemática. gógica! Afirmar que as disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática são as Outros textos em outros momentos já trataram dessa discussão. Mi- “mais importantes” ou que são as “mais cobradas”, é um erro enorme. nha proposta neste espaço é trazer algumas reflexões sobre a questão Digo isso com base na análise das questões (ou itens, como expliquei didática. Isto é, o dia a dia em sala de aula. Mas antes, um pouco da no texto passado). As questões tendem a ser interdisciplinares avalian- problematização! do competências gerais, e é ai que mora o perigo. Viemos de uma escola tradicional tecnicista em que o conteúdo pelo conteúdo era muito importante para o tipo de aluno que se queria formar. Tal concepção ainda se faz presente na escola e vemos diversos colegas se preocupando muito mais em memorizar conteúdos do que em desenvolver cognitivamente seu aluno. Sempre que tenho a oportunidade de conversar com os colegas, procuro discutir as potencialidades de se trabalhar com diferentes linguagens, tendo como objetivo a efetivação da aprendizagem. Tais linguagens envolvem: Leitura de símbolos; Orientação espacial; Prática da leitura; Observe no gráfico acima as variações de notas que o Brasil obteve ao longo de mais de uma década no exame do PISA. Ainda que lentamente (exceto matemática) o país tenha avançado entre 2000 e 2012, em 2015 houve uma queda nas três áreas avaliadas. Utilização de filmes; Habilidades orais; Habilidades da escrita; Habilidades de raciocínio lógico. O exame do PISA leva em conta três áreas: Leitura, Matemática e Ci- Para cada um dos tópicos acima, temos uma grande discussão. En- ências. Lembrando que todas as áreas conversam entre si e que não quanto professor, lhe convido a refletir sobre cada um desses itens e- dependem, necessariamente, de uma disciplina específica para desen- lencados. Vamos pensar e discutir sobre cada um desses pontos pen- volver os saberes e os conhecimentos da educação básica. sando: como eu posso potencializar minha aula, de forma com que eu O que pretendo discutir aqui é que, independentemente de se tratar do garanta a aquisição de conhecimento pelo meu aluno e que eu consiPISA, da Prova Brasil ou de qualquer outro exame, o país apresenta ga desenvolver suas faculdades? baixos indicadores (com alguns focos regionais e locais de bons resul- Precisamos refletir sobre a prática sim, mas não sobre uma prática que tados). Porém, na grande média nacional, caminhamos lentamente. tenha como objetivo elevar os indicadores de qualidade. Precisamos refletir sobre a prática que tenha como objetivo a aprendizagem do alu- no. Aluno que aprende, aprende! E vai bem em qualquer tipo de exa- me ou avaliação externa. Inclusive (e sobretudo) sobre os exames e avaliações da vida! Entenda que o título deste texto é apenas uma provocação. O objetivo geral da escola não deve ser melhorar o IDEB (ou qualquer outro sistema de avaliação). O objetivo deve ser a efetivação da aprendizagem e como consequência, o aumento do indicador de qualidade. Essa máxima ao inverso, só vai reforçar a teoria de que não se trata de um indicador de qualidade, e sim de uma paranoia pedagógica. Ivan Claudio Guedes Verifique no gráfico acima que, em um recorte de 10 anos, o avanço Geógrafo e Pedagogo ivanclaudioguedes@gmail.com se deu de maneira mais consistente nos anos iniciais do Ensino Fun- www.icguedes.pro.br damental. Conforme avançamos nas etapas da escolarização, vamos

[close]

p. 10

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 10 Joana d’Arc “O Mito é o nada que é tudo […], assim a lenda se es- complexos a todos. corre/ a entrar na realidade. E a fecunda-la decorre”. O “caso” Joana D’Arc é, de fato, complexo. Embora seja a mulher Fernando Pessoa mais bem documentada da Idade Média, os registros conhecidos es- Joana D'Arc, a heroína construída sobre mitos e tão longe de formar um consenso sobre sua trajetória. Mito em vida, a Donzela foi objeto de dois discursos antitéticos. verdades Desde o século XV, já havia duas Joanas possíveis e opostas: a dos Por Bolívar Torres armagnacs (piedosa e devotada ao rei Carlos) e a dos borguinhões (bruxa e impostora). Em seu campo, santa e profetisa; no campo ini- Quando o assunto é Joana migo, diabólica e manipulada pelos franceses. D’Arc, paira no ar uma es- As contradições criaram zonas cinzentas, “e nenhum dos dois conjun- pécie de síndrome de Códi- tos míticos é necessariamente mais verdadeiro” do que o outro lem- go da Vinci: cada mitógrafo bra Colette. Não há fonte totalmente confiável. O problema, afirma a tenta encontrar uma versão historiadora, é que na ânsia de desmistificar a heroína e criar hipóte- secreta da história da Don- ses racionais, os mitógrafos atuais bebem sem restrições no imaginá- zela de Orléans oferecendo rio dos borguinhões — afinal, estes apontavam as vozes como em- interpretações equivocadas, buste e procuravam maquinações da família real e da Ordem Francis- parciais e/ou fantasiosas de cana para explicar os feitos inacreditáveis de uma adolescente. documentos históricos. A corrente conhecida como Em alguns casos, diz Colette, os argumentos dos mitógrafos se apoi“sobrevivencialista”, por exemplo, acredita que Joana teria sido substi- am em uma compreensão errada do contexto histórico medieval ou tuída por uma desconhecida na fogueira dos borguinhões — e reapa- na omissão proposital de algumas verdades. recido anos mais tarde com o nome de Claude des Armoises. Já os “bastardizantes” insistem que, em vez de uma humilde camponesa, A historiadora as restabelece. ela seria filha ilegítima do príncipe e líder armagnac Louis D’Orléans É certo que Joana vinha de uma família camponesa abastada e, em- com a rainha Isabeau de Bavière. bora filhos bastardos fossem comuns entre os nobres, não há prova Estas teorias da conspiração não são novas — existem desde a Idade aceitável de que ela tenha nascido na corte. Para os “bastardizantes”, Média —, mas voltaram a ganhar força recentemente. Serviram de o simples fato dela se apresentar como “Jeanette” (diminutivo de Joabase para o polêmico livro “L’affaire Jeanne D’Arc”, de 2007, no qual na, em francês) comprovaria um desejo de esconder seu “verdadeiro” o jornalista investigativo Marcel Gay e o paleógrafo Roger Senzig afir- nome (Joana d’Orléans, filha ilegítima do príncipe). Só que, na Idade mam que a heroína não passaria de uma elaborada manipulação da Média, as adolescentes do campo eram chamadas apenas pelo prifamília real. A jovem teria sido instrumentalizada pelos armagnacs, meiro nome, lembra Colette. que fabricaram uma “enviada de Deus” para dar um novo rumo à Também não há dúvidas de que Joana morreu queimada — muitas Guerra dos Cem Anos. das teorias contrárias se utilizam, na verdade, de traduções falhas do Medievalista renomada e uma das principais especialistas em Joana latim. Quanto à questão das vozes, não importa se foram alucinações, D’Arc, Colette Beaune resolveu jogar um balde de água fria nas espe- doenças mentais ou profecias verdadeiras. Trata-se de um fato histó- culações. rico incontestável, escreve Colette. Publicado em 2008 na França, e recém-lançado no Brasil pela Cassa- Existindo ou não, funcionou como verdade para Joana, já que escorá, seu “Joana D’Arc — Verdades e lendas” é uma espécie de acerto lheu morrer por elas. E é improvável que alguém aceite morrer por de contas não apenas com a obra de Gay e Senzig, mas com todos algo em que não acredite, frisa a historiadora. aqueles que, segundo ela, insistem em afirmar “qualquer coisa” — o Para Colette, é preciso se preocupar com as representações tanto famoso n’importe quoi — sobre uma das principais figuras da História quanto com os fatos. Ao escrever a biografia de Joana em 2004, ela francesa. procurou antes de tudo compreender como esta era vista por seus Professora emérita da Paris-Ouest Nanterre, Colette troca o tom didá- contemporâneos, tanto no campo armagnac quanto no borgonhês. O tico habitual por uma retórica feroz e sarcástica. De capítulo em capí- que implica encarar interrogações sem respostas em vez de difundir tulo, desmonta meticulosamente as hipóteses que considera improce- afirmações prontas. dentes, como uma anti-Dan Brown. Não deixa de ser irônico: ao tentar desmontar um mito, os entusiastas Vale lembrar que, em 2004, a historiadora já havia escrito uma premi- do complô acabaram criando outro mito, baseado em erros históricos. ada biografia sobre Joana. Voltar ao assunto apenas quatro anos de- E que ainda se revela conservador ao negar que uma mulher jovem, pois não estava originalmente em seus planos. Mas o frisson em tor- pobre e pouco educada possa ter sido capaz de realizar grandes fano das teorias de Gay e Senzig a irritou. Ao ser convidada para opinar çanhas e se tornar um símbolo feminino. sobre a polêmica na TV, um jornalista lhe sugeriu que seria preciso — Os historiadores precisam saber quais são os mitos criados na é- fazer alguns “arranjos com a verdade” para atingir as massas. poca de Joana e quais são aqueles nascidos no século XIX — diz Co- Ele me disse que estes mitos eram “muito bons” para o grande públi- lette. — Mitos sempre nos ensinam algo sobre a sociedade que os co. Em resumo, quis dizer que a história erudita seria reservada ape- produziu. Os mitógrafos dos século XIX, assim como os de hoje, são nas às elites, as únicas capazes de entender e comprar livros. Mas fui republicanos laicos que deixam Joana desconfortável como monarprofessora durante 30 anos e sei que é possível transmitir elementos quista, como piedosa e também como mulher independente. www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 11

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 11 Música e Músicos Grandes figuras da música ocidental nante música cigana do leste europeu. Essa música marcou profun- IV - Brahms damente o compositor inclusive estimulando a compor várias “Danças Húngaras”, que ficaram muito famosas. https://youtu.be/KtfgnaZKUkA (Dança Húngara nº 1) Vocês conhecem o respondeu que sim! BBB? Aposto que o leitor https://youtu.be/Nzo3atXtm54 (Dança Húngara nº 5) Porém, não estou falando do polêmico ‘reality show’ da televisão mas sim dos três Bs famosos que são considerados por muitos estudio- Suas sinfonias foram intensamente inspiradas nas de Beethoven. Todas as quatro merecem ser ouvidas e degustadas, mas separei alguns trechos de algumas que acho especiais. sos os pilares da música de concerto. Bach, Sinfonia nº 1 https://youtu.be/BRdEgS_OHAk Beethoven e Brahms. Ouça o início da sinfonia imponente com a participação do tímpano Esses três compositores cada um à sua época e à sua maneira contri- que é um instrumento de percussão poderoso. buíram com sua criatividade, conhecimento e filosofia da composição se estabelecesse com profundidade. para que a arte Ouça o final empolgar. empolgante a partir do minuto 39:30! Impossível não se Bach, no final do período Barroco, início do séc. XVIII, Beethoven no período posterior, final do Classicismo e transição ao Romantismo, Sinfonia nº 2 https://youtu.be/XHmkl7GM_es final do séc. XVIII e início do séc. XIX, e por fim nosso convidado de Ouça o incrível desenvolvimento da ideia principal do primeiro movi- hoje Johannes Brahms, uma das expressões máximas do Romantis- mento, a partir do minuto 6:15 mo Alemão. Sinfonia nº 3 https://youtu.be/mAjvP_b0l7E Beethoven que tratamos no primeiro artigo desta série, foi o respon- O início é contagiante, mas é o terceiro movimento que começa em sável pela transformação das idéias do Classicismo para a grande re- 23:17 é de chorar de lindo. volução do séc. XIX, o Romantismo Sinfonia nº 4 https://youtu.be/kQmOQHdNvcQ No período Clássico o discurso musical foi organizado em formas de- finidas. Existia a procura pela proporção em termos de melodia, de Essa para mim é linda do início ao fim. Se for para escolher: o início duração e de apresentação das ideias, do desenvolvimento dos te- da própria obra, o segundo movimento que alterna doçura com po- mas através da composição. Foi um momento onde a razão começou tência de uma maneira incrível, começa aos 13:40. O eletrizante ter- a organizar todas as pesquisas de sons, melodias e harmonias do pe- ceiro movimento, que começa aos 25:24. E o quarto que é incrível ríodo Barroco. que vale a pena ser ouvido inteiro, que começa aos 31:50. No período Romântico procurava-se a ruptura destes modelos que o Vida pessoal Classicismo acabou por estabelecer. Algo como a reação do coração Brahms sempre foi muito reservado na sua vida pessoal, levando a à razão, descrevendo de maneira simplificada. muita especulação. Apesar dessa sua reserva ele foi muito influente e Liszt, um outro compositor contemporâneo de Brahms, costumava di- teve reconhecimento durante sua vida. Fez uma carreira razoável co- zer que Beethoven estendera o Classicismo às últimas consequên- mo regente, criou certas polêmicas, as mais famosas com Liszt e cias e ainda colocou para os compositores que o seguiram diversas Wagner, mas não se expunha demais. Teve amigos de vida toda, en- “portas" de caminhos novos a serem seguidos. Caberia aos novos tre eles Joseph Joachim, um violinista exímio, também compositor pa- compositores abrir cada uma delas e procurar o caminho que fosse o ra o qual Brahms dedicou várias de suas composições e que colabo- mais adequado a seu temperamento. rou para a escrita de seu concerto de violino https:// youtu.be/7C_U7eUbVd8 O nosso Brahms era filho de um músico militar, que tocava trompa, e que foi responsável por sua formação inicial. O talento do filho como Joachim também apresentou Brahms a Schumann, 23 anos mais ve- pianista fez com que ele procurasse professores de outro nível e o lho que ele, grande figura do Romantismo também. Brahms se tornou menino prodígio voou. Logo Brahms já era considerado um grande grande amigo do casal Robert e Clara. Schumann teve uma vida com- solista. Mas a veia de criador era forte. Desde cedo ele compunha o- plicada acabou ficando louco e foi internado e a relação de Brahms bras e isso às vezes incomodava os professores que gostariam que com Clara se estreitou. Não se sabe se houve ou não um relaciona- ele investisse na carreira de pianista. Mas ninguém segurou Johan- mento entre eles mas ele a acompanhou até a morte dela. Essa par- nes. ceria trouxe grandes frutos. Ela o incentivava a compor, era uma críti- ca carinhosa e apoiava suas experiências. Com muita personalidade e extremante perfeccionista Brahms era bastante apegado ao passado. Beethoven era um modelo de perfei- Brahms vale a pena ser ouvido com cuidado e muitas vezes. Rara- ção para o compositor . O respeito era tanto que Brahms demorou mente é uma daquelas paixões imediatas mas uma admiração que mais de 10 anos entre os primeiros rascunhos de sua primeira sinfoni- aumenta com o tempo. Ele consegue tocar na alma devagar, mas a até sua estreia. Ele dizia que era quase impossível compor uma sin- profundamente. fonia depois daquelas do seu ídolo Beethoven. Seu perfeccionismo muitas vezes atrasava a publicação de suas obras. Ele destruiu vários de seus manuscritos por não estar contente com a própria obra. Influências Além da música de Beethoven, Brahms conheceu personalidades importantes. Como pianista ainda em idade jovem teve contato com um violinista húngaro, Ede Reményi, com quem teve contato com a fasci- Mto. Luís Gustavo Petri é regente, compositor, arranjador e pianista. Fundador da Orquestra Sinfônica Municipal de Santos. Diretor musical da Cia. de Ópera Curta criada e dirigida por Cleber Papa e Rosana Caramaschi. É frequente convidado a reger as mais importantes orquestras brasileiras, e em sua carreira além de concertos importantes, participações em shows, peças de teatro e musicais. Rádio web CULTURAonline Brasil NOVOS HORÁRIOS e NOVOS PROGRAMAS Prestigie, divulgue, acesse, junte-se a nós ! A Rádio web CULTURAonline Brasil, prioriza a Educação, a boa Música Nacional e programas de interesse geral sobre sustentabilidade social, cidadania nas temáticas: Educação, Escola, Professor , Família e Sociedade. Uma rádio onde o professor é valorizado e tem voz e, onde a Educação se discute num debate aberto, crítico e livre. Mas com responsabilidade! Acessível no link: www.culturaonlinebrasil.net

[close]

p. 12

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 12 + Sobre Datas comemorativas 08 - Dia das Mães 18 - Dia Internacional dos Museus O dias das mães comemorado este ano no dia 14 de Maio, é uma da- ta móvel, ou seja, o dia a ser comemorado depende do ano, mas no O Dia Internacional dos Museus é celebrado no dia 18 de maio. Brasil é sempre no segundo domingo do mês de Maio. Em vários paí- A celebração da data é feita desde o dia 18 de maio de 1977, por pro- ses é comemorado em outras datas, que vão desde março até de- posta do ICOM – Conselho Internacional de Museus (organismo da zembro. UNESCO). Neste dia vários museus têm entrada gratuita, sendo possível visitar O Dia das Mães é um dia para celebrar e agradecer a todas as mães as suas exposições e obras, assim como participar nas iniciativas pre- pela dedicação, amor e carinho que dão aos seus filhos diariamente. paradas para comemorar o Dia Internacional dos Museus. O horário É comum no Dia das Mães os filhos fazerem surpresas às suas mães, de funcionamento dos museus é alargado com o objetivo de mais dando presentes ou organizando atividades que demonstrem toda a pessoas poderem visitar os espaços museológicos do país. admiração que sentem por ela. No entanto, é bom lembrar que a sua mãe deve ser lembrada todos 25 - Dia do Trabalhador Rural os dias enquanto viva e depois também. A comemoração do Dia do Trabalhador e Trabalhadora Rural foi insti- 10 - Dia do Campo tuída no Decreto de Lei nº 4.338, de 1º de Maio de 1964. No dia 25 de Maio de 1963, morria o deputado federal Fernando Fer- O Dia do Campo é comemorado anualmente em 10 de maio. Em al- rari, um dos políticos mais engajados na luta dos trabalhadores rurais gumas regiões do Brasil, no entanto, a data pode ser comemorada no por seus direitos e questões sociais. dia 5 de maio. A morte de Fernando se transformou em uma data símbolo para os A data surgiu com o objetivo de homenagear e conscientizar a popu- profissionais da categoria. lação sobre a importância do campo para a economia e existência de Em 1971 foi instituído o Programa de Assistência ao Trabalhador Ru- uma sociedade. No campo são exploradas diversas atividades, sendo ral, com a Lei Complementar nº 11, que ficou conhecida como Lei que o destaque vai para a agricultura e pecuária. Fernando Ferrari, em homenagem ao parlamentarista que lutou pelos direitos destes trabalhadores. Atualmente, um dos grandes desafios da agricultura é a geração de alimentos que possam abastecer uma população mundial com mais 25 - Dia Nacional do Respeito ao Contribuinte de 7 bilhões de habitantes, sem causar prejuízos para o meio ambien- te e à saúde dos seres vivos. A data comemorativa, 25 de maio, foi criada pela Lei n.º 12.325, de 15 A exploração consciente e sustentável é uma tarefa de todo o ser humano e empresa que trabalha direta ou indiretamente com o campo. de setembro de 2010, com o objetivo de mobilizar a sociedade e os poderes públicos para a conscientização e a reflexão sobre a importância do respeito ao contribuinte. 15 - Dia Internacional da Família Com esse espírito, a Receita Federal tem buscado aprimorar cada vez mais os serviços prestados à sociedade. Por isso, trabalha com O Dia maio. Internacional da Família é comemorado anualmente em 15 de afinco para proporcionar um serviço público mais ágil, fácil e confortável aos cidadãos, especialmente por meio da simplificação das obrigações tributárias e seus procedimentos, intensificando o atendimento Esta data homenageia a instituição familiar, um núcleo essencial para à distância. a formação moral de todos os indivíduos. Agora só falta o governo dar o exemplo e respeitar o contribuinte nas Vale lembrar que família é o grupo de indivíduos que protegem, cui- mais diversas áreas de sua responsabilidade, tais como: Saúde de dam e amam você. Uma família pode ser formada por diferentes Qualidade, Educação de Qualidade e Segurança para todos onde não membros, não apenas um pai, uma mãe, por exemplo. Existem famí- haja distinção de pobres, negros ou ricos. lias com dois pais, duas mães, pais ou mães solteiros, tios, avós ... 27 - Dia Nacional da Mata Atlântica O Dia Internacional da Família foi instituído pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, durante reunião feita em 20 de se- Esta data tem, acima de tudo, o objetivo de conscientizar a população tembro de 1993. A data foi celebrada pela primeira vez em 1994. em geral sobre a necessidade emergencial de proteger e recuperar a Com o Dia da Família as Nações Unidas procuram: Mata Atlântica brasileira, um dos biomas mais antigos do Brasil, origi- - Divulgar a importância da família na sociedade; nado há aproximadamente 70 milhões de anos. - Sublinhar o caráter basilar da família na educação das crian- A atual condição da Mata Atlântica é bastante preocupante. Estima-se ças; que exista apenas 7% do bioma natural, sendo o restante devastado - Passar mensagens de amor, respeito e união, elementos com o processo de crescimento dos grandes centros urbanos. essenciais para o relacionamento de todos os componentes Também estima-se que 60% de todos os animais em extinção no Bra- da família; sil dependam deste bioma para a sua sobrevivência. - Alertar a sociedade para os direitos e responsabilidades das famílias; A criação do Dia Nacional da Mata Atlântica foi instituída através do - Sensibilizar os cidadãos para as questões sociais, econômicas e demográficas que afetam a família; • Sensibilizar a população sobre os diferentes tipos de fa- mília que existe, sendo todas completamente legítimas. Decreto Presidencial de 21 de setembro de 1999. O dia 27 de maio foi escolhido em memória da famosa “Carta de São Vicente”, onde o Padre Anchieta teria descrito pela primeira vez as belezas das florestas tropicais do Brasil, em 1560. www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 13

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 13 Sobre Direitos Por um futuro de Paz merecesse o nosso desprezo e a nossa discri- seres humanos em constante aprendizado, e minação. Somos diferentes, cada qual com que a diversidade faz parte da condição hu- seus sonhos, quereres, gostos, amores, cada mana. qual com sua vida, suas crenças. Respeitar as diferenças, respeitar o ser huma- Devemos entender que somos todos iguais no nos levará a um convívio pacífico, a um em direitos, mas diferentes na nossa essên- mundo mais solidário, onde todos são valori- cia, diferentes como seres humanos que so- zados. Não podemos tolerar que a intolerân- mos. Quando destoamos do que a maioria cia predomine. O Dia Internacional Contra a Homofobia é comemorado no dia 17 de maio em todo mundo. Foi quando a homossexualidade foi retirada da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID) da Organização Mundial da Saú- considera como normal, nos sentimos fragilizados e nos tornamos um alvo fácil para pessoas preconceituosas, nos tornando vítimas daqueles que se arvoram o direito de julgar e condenar. A nossa Constituição Federal consagra no artº 1 inc.III a dignidade da pessoa humana, tem como objetivos fundamentais a construção de uma sociedade livre, justa, solidária, bem como a promoção do bem de todos, sem de (OMS), São vários os fatores discriminatórios perpe- preconceitos de origem, raça, cor, ou de qual- trados contra os homossexuais, o que acaba quer outra espécie (art. 3º, I e IV CF), e con- É um dia que é conhecido como um dia de causando a marginalização e a segregação sagra a igualdade como direito fundamental luta contra a transfobia e a bifobia também. social de pessoas que têm uma sexualidade (art. 5º, caput, da CF). Bifobia é a aversão a quem é bissexual e transfobia é quando pessoas e grupos de identidades de gêneros, como a população trans (transgêneros, travestis, transexuais) como as lésbicas, o bissexual, o gay , o tra- distinta. Assim, acontecem a cada hora atos de violência, atos de crueldade e humilhação contra a população homossexual, lésbica, gay, transexual. A homofobia cresce a cada dia em nosso país, como se fosse um vírus a Antes de qualquer coisa somos seres humanos. Promover um novo jeito de pensar e agir é compromisso nosso, é um caminho para se viver melhor e em paz. vesti,o grupo (LGBT) sofre preconceito, aver- se espalhar. A homossexualidade faz parte da Se queremos um futuro onde não haja mais são, discriminação, constrangimento ou sofre nossa sociedade, configurando-se em um te- violência nem discriminação contra a popula- algum tipo de violência por outras pessoas ou ma gerador de polêmicas e preocupante no ção homossexual, precisamos ter leis mais grupos de pessoas que se acham “normais”. contexto atual. Preconceito e discriminação efetivas, cobrar a atuação do Estado com Normais? Mas o que é normal afinal? Ser andam juntos. mais rigor. Educar as crianças, educar os a- normal é um conceito relativo, se diz por aí dultos para que essa situação não se perpetu- que “de perto ninguém é normal”. Existir um dia internacional contra a homofobi- e. É preciso levar esse tema a sério e respei- Ser normal segundo o dicionário é estar den- a é necessário para que nos conscientizemos sobre a discriminação e a desumanidade dos tar os direitos humanos e fundamentais tro das regras, da normalidade, regular, dentro atos violentos que são infligidos a esses indi- O preconceito é condenável e em nada a- da média. Ora, vamos combinar que hoje em víduos diariamente. É importante para que crescenta ao ser humano. Somos o que so- dia cada vez mais esses paradigmas caem nos posicionemos sobre a importância de cri- mos , nosso caráter não é definido pela nossa por terra. Somos bilhões de pessoas habitan- minalizar a homofobia. Essa luta deve ser de identidade de gênero ou sexo ou cor ou pela do esse planeta, cada qual com suas caracte- todos aqueles que querem uma sociedade minha orientação sexual, ou....qualquer coisa rísticas, com suas peculiaridades, físicas, ge- mais justa que queiram inventar para justificar aquilo que néticas, culturais. não pode ser justificado. Nesse dia acontecem vários atos e ativida- A diversidade faz parte da nossa natureza, des de promoção de direitos iguais aos ho- Não podemos tolerar que a intolerância predo- então como podemos dizer o que é normal? mossexuais e todos que fazem parte do mun- mine! Como podemos em nome da “normalidade” do LGBT. O combate a homofobia é importanclassificar pessoas, enquadrá-las em algum te para termos uma sociedade mais igualitária tipo de conceito ou perfil que achamos ser o e justa. A compreensão desse tema evita con- Mariene Hildebrando marihfreitas@hotmail.com ideal, como se todo o resto não importasse e flitos e potencializa a aceitação de que somos A destruição do Estado Social de 1988 prossegue com a reforma da Previdência Social que impõe, para um dos países mais desiguais e heterogêneos do mundo, regras restritivas para a aposentadoria, mais restritivas, aqui, que as praticadas em nações muito menos desiguais. A tragédia anunciada da desproteção social dos idosos está sendo desenhada nesse momento. A extinção do direito a proteção na velhice, em curso, agride o artigo 25 da clássica Declaração Universal dos Direitos do Homem de 1948. No campo dos direitos trabalhistas e sindicais retrocederemos ao início do século 20. A recente aprovação da terceirização irrestrita (Projeto de Lei nº 4.302/98) poderá minar a estrutura dos empregos com carteira assinada, rebaixar salários, retirar direitos e ampliar a rotatividade. A reforma trabalhista (Projeto de Lei nº 6.787/2016), que altera mais de cem artigos da Consolidação das Leis do Trabalho de 1943, quebra a espinha dorsal dos sindicatos. Dentre tantos retrocessos, destaca-se o que se tem chamado de "o acordado sobre o legislado". As negociações entre trabalhadores e empresas passam a prevalecer sobre a lei, o que solapa a representação sindical e a atuação da Justiça do Trabalho, abrindo espaço para a regressão de direitos. Os vínculos trabalhistas flexíveis serão amplificados pelo reforço da contratação de empregado temporário e por prazo determinado. A instituição do "trabalho intermitente" e dohome office permite a contratação por hora de serviço, sem pagamento de direitos. A jornada de trabalho poderá ser de 12 horas diárias e de 48 horas semanais. As férias poderão ser divididas em três períodos. Destaca-se ainda o Projeto de Lei nº 6.442/2016 que "Institui normas reguladoras do trabalho rural". Esse Projeto de Lei viola a Constituição Federal e revoga instrumentos normativos previstos na CLT, sobretudo no que se refere ao direito à igualdade de tratamento entre trabalhadores urbanos e rurais, implicando extrema precarização das relações de trabalho no meio rural. "Em meio século, o Brasil não mudou. O arcaico voltou a dar as caras sem pudor" Em síntese, o período 2016-18 pode representar o fim de um breve ciclo improvável de construção embrionária da cidadania social no Brasil. Caíram as máscaras. Em meio século, o Brasil não mudou. O arcaico voltou a dar as caras sem pudor, desta vez como sócio menor de uma coalizão política, financeira e empresarial que, ao perder as eleições, resolveu assumir o controle do governo pela via do golpe. A utopia pode ter eclipsado a realidade, tão cristalinamente clara, de que a democracia e a cidadania social são corpos secularmente estranhos ao capitalismo brasileiro.

[close]

p. 14

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 14 Brasil O que realmente se rios de latifúndios. passa com o Brasil Por alguma razão, os governos (federal, esta- Eu não peço aos lei- duais e municipais) nunca solucionam os pro- tores que simples- blemas da educação escolar pública, dos ser- mente acreditem no viços públicos de saúde, de transportes públi- que digo aqui. Peço para que pesquisem por cos e outros, o salário mínimo no Brasil é sem- conta própria, para chegar a mesma conclu- pre baixo, os carros no Brasil são mais caros são que cheguei, ou para chegar a uma con- que nos países desenvolvidos e de qualidade clusão diferente da minha. inferior aos dos países desenvolvidos, man- Eu entendo que o problema-chave do Brasil tém o mercado brasileiro fechado para benefi- não conseguir se desenvolver são os lobistas ciarem a si mesmos, recusando produtos de brasileiros, pessoas que circulam pelo Con- boa qualidade ao consumidor. Porque há um gresso Nacional para monitorar as atividades poder atrás dos poderes da república que im- legislativas defendendo os interesses de em- pede que tais problemas sejam solucionados presas. por lucrar com tais problemas. A palavra “lobista” vem do inglês “lobby”, que E que poder é esse? significa “antessala, corredor”. É a pressão que um grupo organizado ou uma O lobby seria meramente a representação de pessoa poderosa exerce sobre políticos e o interesses junto aos agentes políticos. O lobby poder público com o objetivo de influenciar as não é corrupção, tem legalidade. decisões políticas em seu favor. Mas o financiamento empresarial de campa- E que os prejudicados pelo sistema poderiam nhas eleitorais dá aos ricos empresários do fazer a respeito? Para começar, seguir o eBrasil a legalidade de ter o Poder Legislativo a xemplo deles e enviar gente para circular pelo favor dos interesses deles, que às vezes cho- Congresso Nacional para monitorar as atividacam com os interesses dos trabalhadores as- des legislativas defendendo os interesses dos salariados comuns, dos consumidores, e os prejudicados pelo sistema. Não só ao Conricos brasileiros conseguem se sobrepor aos gresso, mas às Assembleias estaduais e Câdemais que não são ricos. Há lobistas que de- maras municipais. fendem interesses de empresas estrangeiras O povo brasileiro necessita ser mais participa- também, como as multinacionais. tivo, mais interessado. Há legislaturas em que os próprios congressistas são grandes empresários ou proprietá- João Paulo E. Barros A CORRUPÇÂO NOSSA DE CADA DIA. Acho muito engraçado (no sentido de trágico) ver a classe média saindo às ruas para protestar contra a corrupção como se essa fosse um monstro a ser abatido e “esquecendo-se” que a corrupção está presente em cada um deles, em cada uma de suas atitudes, até mesmo no próprio ato contra a corrupção que identifica o ilícito no ato do outro e comodamente os exime de qualquer responsabilidade sobre a corrupção como epidemia. Pior ainda é quando coloca toda a política como corrupta, gerando ainda mais alienação e analfabetos políticos. Os empresários que reclamam dos políticos corruptos sob os holofotes são os mesmos que os corrompem nas sombras para seu benefício. Mas quem elegeu o político corrupto alvo desses atos? Na hora do protesto, ninguém. Ele chegou ao parlamento e aos executivos por obra do espírito santo, de uma mágica oculta do demônio que não sabe o que é financiamento de campanha ou caixa dois. Quem suborna o guarda de trânsito para não pagar multa ou perder pontos na carteira de habilitação? Certamente que não é o povo pobre que anda espremido no péssimo transporte coletivo de norte a sul deste país. Quem se desculpa com sua diarista por “não poder” lhe pagar um pouco mais porque a vida está difícil, mas gasta três salários mínimos em um único vestido (estou aliviando a mão) para uma única festa? Certamente que não é a mulher que enfrenta quádrupla jornada de trabalho para dar conta da vida, dos filhos, da luta coletiva e ainda limpar a sujeira da sua família — porque, né… isso é da conta de cada um, mas o machismo e a divisão sexual do trabalho impede os homens de realizarem em casa essa tarefa “menos nobre”. (Não vou citar como corrupção a troca do voto por rancho porque de alguma maneira o povo mais pobre precisa ter de volta o que lhes é roubado diariamente. Acho lamentável que seja assim, mas jamais culparei um pai ou mãe de família que assiste cotidianamente a fome dos filhos por aceitar rancho de candidato salafrário.) FRASES SOBRE HONESTIDADE Rui Barbosa “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça; de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”. *** Francisco Quevedo “A honestidade é uma cor delicada, que teme o ar”. *** Antônio Lobo Antunes “Não há honestidades possíveis. Ou há honestidade ou não há”. *** Baltasar Gracián y Morales “Não há ninguém mais fácil de enganar do que um homem honesto; muito crê quem nunca mente, e confia muito quem nunca engana”. *** Warren Buffett A honestidade é presente caro. Não espere isso de pessoas baratas”. *** Juvenal “A honestidade é elogiada por todos, mas morre de frio”. *** Caio Fernando Abreu “E é só nisso que estou interessado: um pouco de saúde, um pouco de honestidade, um pouco de decência”. *** Júlio César “À mulher de César não basta ser honesta. Precisa parecer honesta”. *** Nelson Rodrigues “Não acredito na honestidade sem acidez, sem dieta e sem úlcera”. *** Jim Stevall “Honestidade é fazer o certo mesmo quando ninguém está olhando”. *** Carlo Dossi “O que é a honestidade senão o medo da prisão?”. *** Jean Paulhan “Não é por ter sido honesto alguma vez que se pode passar o resto da vida a descansar MÊS QUE VEM TEM MAIS Numa sociedade movida à dinheiro e hipocrisia, encontramos pessoas propensas aos mais diversos rumos incluindo-se a devassidão. Cuidado com quem andas, pois tua companhia sumariza quem és. Não tenha medo de lutar pelo que acredita, apenas seja você mesmo nos mais divergentes momentos que possam surgir. Fazendo isto, certamente afetará os que estão à tua volta que não gostam do que veem. Saberão fazer a triagem do joio e do trigo. Só tome cuidado com o lado com que ficará, pois uma escolha errada pode te afetar drasticamente. Pense no seu futuro. Sua escolha hoje, será o seu futuro amanhã. Seja feliz, haja com honestidade sempre. Mas acima de tudo, cuidado com o que te tornarás! Filipe de Sousa

[close]

p. 15

MAIO 2017 Gazeta Valeparaibana Página 15 EUROPA hoje e ontem (artigo continuado) Por: Michael Löwy índices sociais insuportáveis e em recessão votações sucessivas o mínimo de 200 votos aguda. parlamentares estipulado pela lei; o Sociólogo, é nascido no Brasil, formado em Ciências Sociais na Universidade de São Paulo, e vive em Paris desde 1969. Diretor emérito de pesquisas do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS). Homenageado, em 1994, com a medalha de prata do CNRS em Ciências Sociais, é autor de Walter Benjamin: aviso de A única maneira para Grécia não pagar esse preço e impor os custos da crise aos especuladores financeiros que lucraram com sua dívida pública seria sair da UE, mas Syriza definiu-se em favor de se manter dentro da UE e não pagar toda a dívida, mas presidente Karolos Papoulias viu-se obrigado a dissolver o parlamento e convocar eleições legislativas. Elas aconteceram em 25 de janeiro de 2015, com resultados que provocaram um terremoto político perfeitamente mensurável. incêndio (2005), Lucien Goldmann ou a dialética só o que uma auditoria determinasse.[37] Ao Syriza conseguiu 36,34% dos votos, da totalidade (2009), A teoria da revolução no mesmo tempo, Syriza propôs um “governo da progredindo dez pontos (ou quase 40% em jovem Marx (2012) e organizador de Revoluções esquerda”, uma proposta que foi rejeitada de relação à eleição precedente) e ficando quase (2009) e Capitalismo como religião (2013), de modo sectário pela outra força expressiva da nove pontos percentuais à frente da Nova Walter Benjamin esquerda grega, o EKK. Nas eleições Democracia (com 27,81%). Capitalismo e democracia na Europa europeias de junho de 2014, Syriza ganhou, novamente com 27% dos votos, mergulhando na marginalidade política o histórico PASOK, ainda que sua vitória não tivesse sido tão categórica como alguns previam. O partido obteve 149 das 300 cadeiras do parlamento, ficando a apenas duas cadeiras da maioria absoluta. Iniciadas conversações com outros partidos, o partido conservador de direita “Gregos Independentes” (antieuropeu) PARTE XVII A crise pôs objetivamente na agenda política a retirada da Grécia da zona monetária do euro e da União Europeia, mas Syriza manifestou-se a favor de manter a Grécia O bloco democratizante do “Partido da Esquerda Europeia” (presente no Syriza) registrou também progressos na Espanha (Esquerda Unida, IU), onde avançaram também várias outras forças de filiação esquerdista. Não conseguiu crescer, no aceitou coligar-se no governo com Syriza. O governo Tsipras tomou posse dois dias depois, com Yanis Varoufakis na pasta de Finanças, e a pasta de Defesa concedida para os Gregos Independentes. d e n t ro d a qu e la s, e m b o ra a Co m issã o entanto, na Alemanha (Die Linke), ou na Syriza decuplicou sua votação ao longo de Europeia insistisse em que a recusa do França (Frente de Esquerda, Front de uma década. O crescimento dos fascistas de “Memorando de Ajuste” era incompatível com Gauche) e desabou em Portugal (Bloco de Amanhecer Dourado nem se pode comparar a continuidade da Grécia na zona do euro e Esquerda). com esse desempenho. A chegada do Syriza na União Europeia. Um cálculo do Financial Times estimou em 80 À Esquerda Unida espanhola afetou o grande resultado do Podemos, uma nova força ao governo foi recebida em Bruxelas (sede da UE) com aplausos cínicos de compromisso. bilhões de dólares para a França, e em 110 política com raízes no movimento dos O pagamento da última cota de 7,2 bilhões de bilhões de dólares para a Alemanha, a perda indignados que concentrou suas críticas no euros do segundo resgate (1,9 bilhões de financeira que a saída da Grécia provocaria bipartidarismo. Podemos ganhou vários euros eram os lucros obtidos pelos credores nesses países. deputados e deslocou (com mais de 10% dos com títulos da dívida grega desse resgate) Começou a circular a expressão Grexit, um acrônimo anglo-saxão (Greek Exit) inventado por analistas financeiros do Citigroup para significar uma saída imposta da Grécia da Zona Euro. Grexident (Grexit by accident), por sua vez, foi usado para se referir à hipótese de uma saída da Grécia provocada por uma série de eventos “acidentais”: o enfoque europeu se deslocou para uma operação velada de empurrão da Grécia para a saída, cuidando as formas para atribuir o desenlace à incompetência ou à obstinação ideológica das autoridades gregas. O ministro das votos) a IU do terceiro lugar em Madri. A composição (correntes ou tendências internas) de Syriza compreeende: Synaspismos, AKOA-Esquerda Comunista Ecológica e Renovadora, KOE-Organização Comunista da Grécia (Conferência dos Comunistas e Partidos Operários dos Bálcãs), DEA-Esquerda Internacionalista dos Trabalhadores, Kokkino, APO-Grupo Político Anticapitalista (Esquerda Anticapitalista Europeia, ex Secretariado Unificado da IV Internacional)), Rosa, KEDA-Movimento pela Unidade na Ação da Esquerda, Energoi havia já sido suspenso, antes das eleições, pelo governo Samaras. Imediatamente após as eleições, numa votação apertada, o Conselho de Governadores do BCE decidiu que não era possível prever a conclusão bem sucedida do programa em curso de assistência à Grécia, cortando o acesso dos bancos gregos ao crédito bancário europeu, deixando de aceitar como garantia dos empréstimos títulos da sua dívida pública, provocando fuga maciça de capitais, corrida aos bancos e o colapso financeiro súbito do país. Finanças alemão Wolfgang Schäuble admitiu Polites-Cidadãos Ativos, Rizospastes, Eco- Mario Draghi, presidente do BCE, aumentou a essa possibilidade, dizendo-se contrário a ela, socialistas Grécia, DIKKI-Movimento pressão, apertando os termos de provisão de um indicador claro de preparação da “opinião Democrático Social. liquidez: os depositantes retiraram mais pública europeia” para essa eventualidade. A partir de 2010, os planos de “resgate” resgataram os bancos, europeus e norte- Fora de Syriza permaneceu o KKE (Partido Comunista) tradicional detentor de algo como 10% do eleitorado, que perdeu muito terreno, fundos; no final das negociações, os bancos gregos estavam perdendo um bilhão de euros de liquidez por dia. americanos, expostos na Grécia. O preço da eleitoral inclusive, com a ascensão de Syriza; O Estado grego precisava urgentemente de Grécia “europeia”, no entanto, ficou enorme a pequena coalizão de esquerda Antarsya, dinheiro para pagamento de dívidas e para os gregos. Em meados de 2012, as com a presença de um antigo setor dissidente salários. Enquanto as negociações indústrias farmacêuticas deixaram de entregar do KKE (o NAR), e o EEK (Partido prosseguiam, os fundos se tornaram mais medicamentos aos hospitais públicos, após Revolucionário dos Trabalhadores).[38] Sem exigentes. meses lhes fornecendo sem receber. contar com as diversas correntes A UE, liderada pela Alemanha, esperou que a Cirurgias foram adiadas em grande número, autonomistas e anarquistas. pressão sobre os bancos gregos atingisse seu faltando itens básicos como seringas e gaze. Em novembro de 2014, Alexis Tsipras, seu auge. O país foi forçado a declarar que iria O Tesouro grego anunciou que, sem principal dirigente, voltou a garantir que satisfazer todas as obrigações para com os recursos, poderia ser incapaz de pagar os Syriza, no governo, reclamaria a anulação de seus credores. salários dos servidores públicos. A troïka parte da dívida grega, tal como acontecera A 4 de fevereiro, o BCE anunciou a ofereceu destravar o equivalente a 9,6 bilhões com a Alemanha em 1953. suspensão da principal fonte de liquidez para de dólares para Grécia, mas os dirigentes O parlamento grego devia eleger um novo os bancos gregos. gregos deveriam cortar mais US$ 14,5 bilhões presidente da República em dezembro de do orçamento de 2012, ou seja cinco bilhões 2014. Stavros Dimas, apoiado pela Nova a mais do que o oferecido, num país com Democracia, não conseguiu obter em três CONTINUA NA PRÓXIMA EDIÇÃO

[close]

Comments

no comments yet