Informativo Março/Abril 2017

 

Embed or link this publication

Description

Informativo Março/Abril 2017

Popular Pages


p. 1

INFORMATIVO Edição 06 - Março/Abril 2017 CRQ Itinerante: Facilitando a integração dos pro ssionais ao CRQ-III. Páginas: 6 e 7 Gestão segura de produtos químicos GHS Página: 5 China inaugura sua primeira usina de tratamento de águas residuais industriais Página: 8 Pesquisas desenvolvem bioprodutos para controle do mosquito Aedes aegypti Página: 11

[close]

p. 2

EXPEDIENTE Isaac Plachta Presidente Eduardo Falabella de Souza Aguiar Vice-Presidente José Antonio de Carvalho e Silva Tesoureiro Paul Antoine Maron Gédéon Secretário Conselheiros Adelaide M. S. Antunes David Tabak Eduardo F. S. Aguiar Harley M. Martins José Antonio C. e Silva Luiz Alberto F. da Silva Marcio F. Oliveira, Paul A. M. Gédéon Sérgio P. Machado Carla C. da Silva Daniel Pomeroy Gabriel O. Apolinário Gandhi Giordano Hélio Camarota Jorge C. Messeder Rafael B. Almada Rafael Gama Escritório - Campos Pça. Santíssimo Salvador, nº41, sala 405 Centro - Campos dos Goytacazes, RJ CEP 28010-000 Telefone: (22) 2733-4551 atendimento.campos@crq3.org.br Escritório - Macaé Rua Dr. Luiz Belegard, nº68, sala 203 Centro - Macaé, RJ CEP 27900-000 Telefone: (22) 2762-0642 atendimento.macae@crq3.org.br Escritório - Volta Redonda Rua Lúcio Bittencourt, nº109, salas 213 e 214 Vila Santa Cecília Volta Redonda, RJ CEP 27260-110 Telefone: (24) 3340-4252 atendimento.voltaredonda@crq3.org.br 2 UMA FILOSOFIA BASEADA NA PARCERIA ENTRE O CRQ E VOCÊ Desde 2014, ano em que assumi a presidência do Conselho Regional de Química – Terceira Região com a Gestão Mudar para Crescer, tracei alguns objetivos a serem concretizados até o final do meu mandato. Dentre tantas mudanças realizadas, me orgulho das nossas conquistas mais impactantes: a reforma da Sede, que trouxe melhorias no ambiente físico e proporcionou melhor condição de trabalho e conforto aos registrados; o início do processo de análise e adequação de todas as normas e procedimentos; e a aproximação do CRQ-III com os profissionais, empresas e instituições de ensino por meio de participações em eventos, reuniões presenciais e modernização dos canais de comunicação. Reaproximar o CRQ-III do setor tem sido um processo gradual e proveitoso. Não é raro encontrar depoimentos de profissionais que nunca visitaram o Conselho, apesar de tantos anos de registro. O objetivo da Gestão Mudar para Crescer é verdadeiramente estar mais próximo através dos canais de comunicação e novos projetos, por exemplo o Café com Presidente, que já reuniu representantes de entidades, instituições de ensino e responsáveis técnicos. Outra iniciativa que temos im- plantado são os projetos por meio de parcerias, como o convênio com o Sesi-Senai; o CRQ Itinerante, que estreou no Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (Cenpes – Petrobras) a fim de facilitar o atendimento dos profissionais; e o apoio institucional com a Câmara de Comércio e Indústria Brasil – Alemanha (AHK-RJ) para o lançamento do curso de pós-graduação em Gestão Sustentável de Energia (European Energy Manager). Além disso, diversos cursos e treinamentos têm sido ministrados no Auditório do CRQ-III, visando o desenvolvimento profissional dos registrados. Em paralelo, os Comitês Temáticos reunirão um grupo de pessoas destacadas com o poder de decisão, com a missão de propor e avaliar os projetos de pesquisa a um grupo que representa os interesses da coletividade. Mudar, crescer: palavras que foram a base de todas as ações que realizamos durante esses anos. A Casa do Químico: frase que cito e repito para demonstrar que no Conselho Regional de Química, o profissional encontra um órgão capaz de cumprir sua missão. Em constante transformação: slogan dos 60 anos que nos lembra que o trabalho continua. Certamente, para isso, é preciso que essa parceria entre o CRQ e você continue e se fortaleça.

[close]

p. 3

ARGEMIRO BARATA PINTO E A LUTA PELA CRIAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE QUÍMICA O professor Argemiro Barata Pinto, diplomado da Faculdade de Ciências de Paris, da Universidade de Colúmbia (EUA) e que ocupava a cadeira de Química Naturais do Externato Pedro II, foi um dos químicos mais influentes de sua época. Após participar do III Congresso Nacional de Química, ele apresentou algumas razões para que o governo federal criasse o ‘Conselho de Química’. “Não se trata de uma instituição decorativa e nem criação de empregos, mas uma forma de congregar elementos valiosos da cultura brasileira para a nossa defesa. Quem estuda os fenômenos que nos cer- cam. Desvendar os mistérios da natureza através de prodigiosos ensinamentos de química em proveito da civilização e do bem-estar relativo da própria humanidade”, disse. No dia 7 de março de 1944, em entrevista ao Jornal “A Manhã”, o químico citou que a maior nação de população latina não poderia ficar para trás e deveria se inspirar na Inglaterra e Estados Unidos. “Tanto a Inglaterra como os EUA não vacilaram um momento na criação dos respectivos Conselhos de Química, e os seus laboratórios anexos, contados por centenas, que trabalham sem cessar na de- fesa da humanidade, são as provas evidentes das necessidades dessas organizações. Façamos do nosso país um centro de atração cultural, para isso teremos de criar um ambiente propício ao estudo, como o Conselho Nacional de Química, que será um campo de vasta atividade experimental, cultural, teórica e prática, com laboratórios adequados”, completou. O empenho, dedicação e luta do professor Argemiro Barata Pinto gerou resultado doze anos depois: a Lei nº 2.800, de 18 de junho de 1956, promulgou e regulamentou o Conselho Federal de Química (CFQ). A química proporciona a oportunidade de descobrir o que sempre existiu, mas nunca foi visto. É a ciência que constantemente transforma a sociedade e a história do Conselho Regional de Química – Terceira está diretamente relacionada com esta evolução. Em 2017, comemoramos 60 anos e contamos com a sua participação para escrever novas reações. www.crq3.org.br 3

[close]

p. 4

Prazer, Sou o Dr. Quim Após votação aberta ao público e uma disputa entre dois nomes até o último dia, 2.262 votos (41%) escolheram Dr. Quim como o grande vencedor. Ao todo, a campanha contou com 5.482 votos. Agradecemos a participação de todos! FALE CONOSCO Quais os limites de atuação da profissão de químico? Existem atividades da profissão que possuem caráter privativo. Outras que podem ser compartilhadas com profissões diversas, como biólogos, farmacêuticos, engenheiros etc. No Brasil, o exercício da profissão de químico é livre aos portadores de diplomas de cursos da área devidamente registrados no CRQ da jurisdição em que atuem. faleconosco@crq3.org.br 4

[close]

p. 5

Nacional GESTÃO SEGURA DE PRODUTOS QUÍMICOS GHS DR. MARCUS DA MATTA, CEO LISAM ECOADVISOR SYSTEMS Para certificar o uso seguro de produtos químicos no ambiente de trabalho, seja nas atividades de armazenamento, processamento, embalagem e distribuição, se pressupõe a classificação do perigo dos produtos químicos de forma harmonizada. No Brasil adota-se o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS), conforme NR 26-MTE e ABNT-NBR 14725. Já no mundo, a implementação do GHS tem sido feita de forma singular, gerando a necessidade de conhecimento regulatório específico de cada país. A classificação de perigo no GHS exige a avaliação criteriosa de fontes de informações primárias e secundárias sobre as propriedades do produto e seus ingredientes, para se determinar os perigos físico-químicos, toxicológicos e ecotoxicológicos, conforme critérios, que definem o grau do perigo. Sendo assim, perigo é a propriedade intrínseca do produto de causar um ou mais efeitos adversos, independentemente do local ou forma de uso. Perigo trata das propriedades intrínsecas. Essa classificação harmonizada permite, conforme critérios do GHS, a aplicação de regras para extrapolação dos perigos de ingredientes para novas formulações e mistura. A classificação determina os símbolos, frases e palavras de advertência, que são fundamentais na comunicação, por meio do rótulo e FISPQ, que devem ser fornecidos aos usuários do produto. Para o gestor de saúde, segurança e meio ambiente, a informação do perigo permite o desenvolvimento de sistemas de gerenciamento de risco, em que se agrega à informação da tipologia de perigo, dados sobre as quantidades utilizadas, rotas de exposição à saúde humana e ambiente, bem como a probabilidade de ocorrência de acidentes. Neste sentido, o Conselho Regional de Química – Terceira Região firmou parceria com a Lisam Systems, para difundir a implantação do GHS no estado do Rio de Janeiro. A Lisam oferece desconto de 30% aos registrados para participação no curso “Implantação da NR26, FISPQ, GHS e Rotulagem”, a ser realizado no Auditório do CRQ-III nos dias 27 e 28 de junho, e à distância de 10 a 31 de maio. As inscrições devem ser feitas diretamente no portal www.lisam.eco.br. 5

[close]

p. 6

CRQ ITINERANTE: UMA INICIATIVA DA GESTÃO MUDAR PARA CRESCER Durante seis dias, o Centro de Pesquisas e Desenvol- lizar o cumprimento do Plano de Negócios e Gestão, vimento (Cenpes), da Petrobras, recebeu a equipe antecipar tendências e investir em rotas tecnológicas do CRQ Itinerante. A nova iniciativa da Gestão Mudar alinhadas ao Planejamento Estratégico. As principais para Crescer estende o atendimento do Conselho atividades são desenvolvimento de projetos de P&D, Regional de Química – Terceira Região para além das atividades de assistências técnicas às áreas operacio- suas estruturas físicas. Dessa forma, os profissionais nais e atividades de gestão tecnológica. podem usufruir de serviços no seu próprio local de trabalho. “O projeto-piloto no Cenpes As atividades de gestão tecnológica são realizadas de O objetivo é modernizar e agilizar o processamento de atendimento, além de esclarecer através de palestra o papel do Conselho. Atualmente, esta confirmou a capacidade efetiva que o programa possui de representar a mudança de atitude do CRQ-III em relação ao maneira compartilhada entre o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras - Cenpes, unidade onde se concentram as atividades de unidade da Petrobras é um dos complexos de pesquisa aplicada mais importantes do mundo. Para entender mais sobre as atividades desenvolvidas diálogo com a sociedade, pois levou serviços de regularização e orientação sobre o exercício regular da profissão da quími- pesquisa e desenvolvimento (P&D), e as áreas de negócios da companhia. Essa parceria nos permite expandir as mais variadas tecnologias, respon- no Cenpes e os resultados do projeto CRQ Itinerante, convidamos Tatiana Barreto Maciel, ca aos profissionais, em seu próprio ambiente de trabalho.” der a mudanças de cenário e inovar. Assim, o trabalho começa no nosso Plano Estra- Gerente Setorial de Recursos Fábio Souza - Assessor de Fiscalização tégico que, aliado ao estudo Humanos, para uma entrevista. das tendências tecnológicas e de cenários futuros, é des- Quais são as atividades desenvolvidas no Centro de dobrado até o nível de projetos de P&D, definidos em Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Mi- conjunto pelo Cenpes e as áreas de negócio. É um mo- guez de Mello (Cenpes)? delo orientado para o trabalho integrado das nossas diversas áreas, proporcionando uma visão de conjunto R: O Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopol- que favorece a definição da melhor carteira de proje- do Américo Miguez de Mello (Cenpes) é o centro de tos para atender nossa estratégia. pesquisas cativo da Petrobras, que tem como obje- tivos: desenvolver soluções tecnológicas para viabi- Para o desenvolvimento de nossa carteira de projetos 6

[close]

p. 7

tecnológicos são realizadas atividades nos diversos laboratórios do Cenpes, simulações computacionais, reuniões, workshops, viagens a congressos, treinamentos etc. Além dos esforços internos, uma extensa rede de cooperação técnica com fornecedores, universidades nacionais e internacionais, instituições de pesquisa e clientes tem cumprido o papel de fortalecimento destes laços. Uma das atribuições do Cenpes é coordenar a articulação com a comunidade de Ciência & Tecnologia (C&T), identificando oportunidades de parcerias para o desenvolvimento tecnológico e incentivando a capacitação dessa comunidade nas áreas de conhecimento complementares ao sistema de gestão tecnológica da companhia. Após e durante a implantação dos projetos de P&D nas áreas operacionais, os colaboradores realizam atividades de assistência técnicas, através de ensaios laboratoriais ou estudos realizados no Cenpes ou através de visitas às áreas de negócio para resolver problemas e implantar melhorias aos processos. Essas são atividades muito importantes pois contribuem para a solução de problemas operacionais, buscando ganhos de eficiência, otimização operacional e redução de custos. Quantos profissionais colaboram para o sucesso do Cenpes? E quantos são do setor químico? R: O quadro funcional do Cenpes conta, atualmente, com 1.410 empregados próprios e destes 470 são do setor químico. Como o Setor de Recursos Humanos contribui para a regularização dos profissionais em seus respectivos Conselhos Regionais? R: Relembrando-os da importância de estar regular com o seu Conselho de Classe. Todos os anos, no período de janeiro a março, a empresa envia orientações sobre regularização dos profissionais em seus respectivos Conselhos Regionais. Qual é a importância da aproximação do Conselho Regional de Química – Terceira Região com as empresas por meio do CRQ Itinerante? R: O dia a dia corrido da vida mo- derna e a quantidade de informações que temos que processar a cada minuto fazem com que o tempo pareça curto para tantas atividades e, diante desse cenário, provavelmente muitos empregados nunca tiveram contato com seu Conselho de Classe por evitar encaixar mais um deslocamento no seu dia e reduzir ainda mais o seu tempo. O CRQ Itinerante proporciona ao empregado a facilidade de ter o seu Conselho de Classe dentro do seu ambiente de trabalho, torna a relação empregado-entidade mais próxima e quebra o medo inicial que temos do que é desconhecido. Como foi o retorno após a conclusão das atividades? R: Acreditamos que foi uma iniciativa válida e que gerou uma proximidade dos profissionais do setor químico com o Conselho Regional. Os profissionais que atuam como representantes técnicos nesta unidade consideraram muito útil e proveitosa essa interação. Entendemos que essa iniciativa pode se tornar uma prática contínua entre CRQ e empresas, pois permite estreitar os laços e criar um vínculo entre CRQ e os profissionais. Depoimentos de Profissionais “Eu trabalho no Cenpes há 15 anos. Aqui, no CRQ Itinerante, pude fazer a substituição da cédula de identidade profissional. A iniciativa foi excelente. O Conselho facilitou o atendimento e evitou o deslocamento até o Centro do Rio de Janeiro.” - Álvaro Antônio Gomes da Silva “Interessante ver o Conselho se preocupando com a atualização, ao invés de ser apenas um órgão fiscalizador que ou você vai até ele ou é punido. Pelo que eu soube, a iniciativa se estenderá para outras empresas, o que permitirá aos profissionais um bom atendimento.” - João Rafael Perroni Engenheiro Químico “Eu gostei de ter o CRQ no Cenpes por conta da praticidade. Estou para trocar meu nome de casada há muito tempo, porém a distância do Centro me impedia.” Fabiane da Silva Macedo 7

[close]

p. 8

Internacional CHINA INAUGURA SUA PRIMEIRA USINA DE TRA- TAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS O projeto da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) contribuiu para o lançamento da primeira fábrica de tratamento de resíduos industriais na China. O objetivo é limpar as águas provenientes do processo de tingimento têxtil. A tecnologia utilizada existia apenas em países desenvolvidos, porém pólos como Índia, Bangladesh e Sri Lanka também consideram a introdução da iniciativa com ajuda da AIEA, pois possuem indústrias têxteis com produção significativa. O tingimento têxtil representa um quinto de toda a poluição de águas residuais industriais em todo o mundo. Enquanto vários países desenvolvidos têm utilizado a radioterapia para tratar alguns dos efluentes, grande quantidade de águas residuais não recebe o tratamento adequado, uma vez que a maior parte da indústria se mudou para os países em desenvolvimento da Ásia nos últimos anos. A cidade de Jinhua (300 quilômetros ao sul de Xangai) foi a primeira a receber a instalação que utiliza feixes de elétrons no tratamento, pois eles são capazes de quebrar complexos químicos em moléculas menores, que podem, em seguida, ser tratadas e removidas ao se utilizar processos biológicos normais. Por fim, a irradiação é feita com o emprego de radicais reativos de vida curta. A indústria gera mais de 1500 metros cúbicos de águas residuais por dia, que corresponde a cerca de um sexto da produção da usina. É o início de uma nova era para a tecnologia de radiação no maior produtor de têxteis do mundo. “Se tudo correr bem, poderemos lançar a tecnologia para o resto da usina e, eventualmente, a outras usinas em todo o país”, disse Jianlong Wang, vice-diretor do Instituto de Tecnologia de Energia Nuclear e da Universidade de Tsinghua, em Pequim. Apesar dos avanços no tratamento de águas residuais convencional, a radiação continua a ser a única tecnologia que pode tratar os corantes mais difíceis, de acordo com Sunil Sabharwal, especialista em processamento de radiação na AIEA. 8

[close]

p. 9

9

[close]

p. 10

European Energy Manager PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO SUSTENTÁVEL DE ENERGIA A gestão eficiente de energia é hoje um grande desafio para as empresas e fator essencial na competitividade, tendo impacto tanto na busca pela redução de custos quanto pela proteção ambiental. É por este motivo que a AHK Rio de Janeiro e o Instituto Superior de Inovação e Tecnologia (ISITEC) promovem o curso Pós-graduação em Gestão Sustentável de Energia – European Energy Manager. Conheça as principais características do curso: - turmas de 20 a 40 alunos - conhecimentos técnicos e de gestão da energia, aplicados à realidade da sua empresa - metodologia energy concept, onde o aluno desenvolve um projeto concreto para a empresa, garantindo um rápido retorno do investimento correspondente - dupla certificação, nacional e internacional. Reserve ainda hoje sua vaga! Local e Horários Valor Início: 05 de Maio de 2017 Local: Rua Alcindo Guanabara, 24 - 13º andar Centro - RJ (próximo ao metrô da Cinelândia e de estacionamentos públicos e rotativos) Dias e Horários: Sexta 18h às 22h - Sábado 8h às 17h (Aulas quinzenais) Duração: 24 meses (18 de aulas + 6 de TCC/Energy Concept) Local: Centro-RJ 24 x R$ 1.080,00. 24 x R$ 900,00 - condições especiais para associados do Conselho Regional de Química – 3ª Região, AHK e ISITEC. Opcional: Estágio de 1 semana na Alemanha (não incluso no valor) Inscrições ISITEC – Instituto Superior de Inovação e Tecnologia Site: www.isitec.edu.br Mais informações: E-mail: pos@isitec.edu.br | Telefone: (11)3254.6850 * Processo seletivo: a inscrição será confirmada após entrevista com o candidato. Informações Gerais Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK-RJ) Departamento de Energia Endereço: Av. Graça Aranha 01 - 6º andar 20030-002 | Rio de Janeiro - RJ E-mail: energia@ahk.com.br Telefone: (21) 2224-2123 (Ramal 117)

[close]

p. 11

NOVAQUÍMICA PESQUISAS DESENVOLVEM BIO- PRODUTOS PARA CONTROLE DO MOSQUITO AEDES AEGYPTI O mosquito Aedes aegypti é o principal transmissor de doenças como dengue, febre amarela, chikungunya e zika. Para combatê-lo, o Governo Federal vem promovendo campanhas nacionais para conscientização da população. Entretanto, pesquisas realizadas em Manaus (AM) concluíram que uma planta típica da Amazônia pode ser uma alternativa eficiente para o problema. A planta de nome científico Piper aduncum possui um alto teor de dilapiol, substância com efeito inseticida. Definida na química como um fenilpropanoide, essa substância é alvo de estudos e demonstra também atividade fungicida, moluscicida, acaricida, bactericida e larvicida para diversos organismos. O estudo é resultado da parceria entre o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e a Embrapa Amazônia Ocidental. A pesquisadora e química Ana Cristina da Silva Pinto, da Universidade Federal do Amazonas, é a responsável pelo desenvolvimento do projeto, onde foramisoladosprincípiosativosda Piper aduncum e modificadas algumas moléculas, transformando-os em derivados semissintéticos. Tal estratégia permitiu acrescentar vantagens em relação à forma natural da substância, como aumentar a sua forma de ação. A partir desse processo, um creme repelente foi desenvolvido e se iniciou a elaboração de um spray para ambiente e de um produto larvicida. O objetivo é darprosseguimentoaosestudosemlaboratórios credenciados pela Anvisa, para se chegar a um produto comercializável. “Para levar um produto ao mercado demora de cinco a 10 anos e precisaria de recurso financeiro para dar continuidade às pesquisas”, afirma Ana Cristina Pinto. A Embrapa Amazônia Ocidental (AM) vem realizando pesquisas agronômicas para adaptar o cultivo em escala. Os estudos envolvem também outras plantas da mesma família das piperáceas. “As pesquisas têm como objetivo obter melhores condições de cultivo e processamento, que permitam preservar os princípios ativos e qualidade de interesse para a elaboração de bioprodutos”, explica o coordenador e pesquisador Francisco Célio Maia Chaves A pesquisadora elaborou formulações com os derivados da planta e testou diversas concentrações da dosagem. Pesquisador da Embrapa Francisco Celio e química Ana Cristina Pinto. - Foto: Siglia Souza Calendário de Eventos NR5 - CIPA Data: 17 a 19 de abril Local: Auditório de CRQ-III TCU e os Conselhos Profissionais Data: 24 a 25 de abril Local: Auditório de CRQ-III Gerenciamento de Recursos Hídricos Data: 27 a 29 de maio Local: Auditório de CRQ-III Perito Ambiental Data: 25 e 26 de maio Local: Auditório de CRQ-III Visite o nosso site e confira o calendário de eventos: https://goo.gl/9z52Di Conselho Regional de Química - Terceira Região Rua Alcindo Guanabara, 24 - 13º andar Centro - Rio de Janeiro, RJ, CEP - 20031-130 Tel.: (21) 2524-2236 Email: faleconosco@crq3.org.br Seg. a Sex. das 08:30h às 17:30h. 11

[close]

Comments

no comments yet