Revista Expressiva

 

Embed or link this publication

Description

Edição 177 janeiro 2017

Popular Pages


p. 1

Ano 14 | Nº 177 | Janeiro | 2017 fRérioatseieroms dLe ages ENTREVISTA Antônio Ceron, prefeito de Lages 2017 Retomada do crescimento a partir do segundo semestre VITIVINICULTURA A arte de degustar espumantes

[close]

p. 2

2 | Janeiro | 2017

[close]

p. 3

vendas@emmesousa.com.br www.emmesousa.com.br Fone: 49 3J2an2e2iro-4| 3230197 | 3

[close]

p. 4

ÍNDICE 26 18 22 Para quem não pode curtir estas férias de início de ano longe de Lages, há interessantes opções de lazer que vão muito além do Salto Caveiras. Degustação dos vinhos espumantes obedece os mesmos princípios dos vinhos não espumantes. A CRISE CONTINUA Projeções indicam que a economia brasileira não deve apresentar recuperação ao longo do primeiro semestre deste ano. 12 SAÚDEA Sífilis é uma doença sexualmente transmissível, pode gerar danos irreparáveis a saúde e atingir os fetos. 20 CULTURAVera Martins é apaixonada pela Serra Catarinense. E ela transforma o amor pela região em poesias. 34 HOMENAGEMO ano de 2016 entra para a história do Exército brasileiro por incluir em seus quadros de patronos a primeira mulher. 40 BELEZA SERRANAMayana Pinheiro de Souza, ensaio da bela cerritense fotografada por Nando Velho. 40 4 | Janeiro | 2017

[close]

p. 5

EDITORIAL A beira do precipício Crise institucional aliada a uma política e outra econômica, o Brasil passa por um momento delicado de sua história e cujo resultado final pode ser nada agradável. Esta análise busca se despir de cores partidárias e se basear apenas em fatos e o principal deles é que nossa classe política está dividida em dois grandes blocos: os que estão no poder e os que querem o poder. Nos dois casos, os interesses da nação e principalmente de seu povo, ficam em terceiro ou quarto plano. Para ser justo, temos que reconhecer que em ambos os lados, existem uns poucos, infelizmente poucos mesmo, que ainda pensam na sociedade. Os números mostram que desde 1997, do presidente Fernando Henrique Cardoso, o governo vem gastando mais do que arrecada e não precisa ser nenhum economista ou gênio da matemática para saber que uma hora a corda arrebenta. A dívida pública só faz crescer e nos últimos três anos de maneira absurda. Mudanças como a PEC dos gastos e a reforma da previdência e uma reforma econômica se fazem necessárias. Não estou dizendo que as propostas agora apresentadas são boas ou ruins, mas são um começo e ao invés de um debate para melhorá-las, perdem tempo defendendo seus próprios interesses. Soma-se a isso o funcionalismo público e seus benefícios. Concordo que deve existir a estabilidade para o servidor, mas a quantidade de outros benefícios foge e muito da realidade quando comparado aos da iniciativa privada. Cerca de 75% do rombo da previdência deriva destas regalias. Quem trabalha no serviço público deve seguir as regras da iniciativa privada, salvaguardados direitos para não ser alvo de perseguições políticas. Eficiência e comprometimento devem ser os norteadores do trabalho deles. Erros e acertos acontecem em todos os setores, mas nossos políticos no Congresso estão se especializando em jogar contra o Brasil. Eles criam as leis e são os primeiros a não cumprirem, precisamos dar um basta nesta cultura predominante e aproveitar este momento para passar o Brasil a limpo. Dito isto, vamos para a edição deste mês da Revista Expressiva que apresenta como matéria especial algumas opções para quem não puder sair de Lages nestas férias de janeiro e querem se divertir. Outra reportagem aborda a questão das perspectivas para 2017 e o que entidades pretendem desenvolver ao longo do ano. Temos ainda, o retorno da entrevista do mês com o prefeito eleito de Lages, Antônio Ceron. Ainda a colunista social Carla Cruz que terá sua coluna na revista a partir deste mês. Luiz Augusto Del Moura Editor Chefe EXPEDIENTE DIRETOR GERAL Claudio Santos claudiosam@revistaexpressiva.com.br JORNALISTA RESPONSÁVEL Luiz Augusto Del Moura Reg. Prof. nº 20311-DRTSP luizdelmoura@gmail.com DIRETORA ADMINISTRATIVA Selita Vieceli selita@revistaexpressiva.com.br DEPTO. COMERCIAL Vilmar dos Santos (Naco) vilmar@revistaexpressiva.com.br Uéliton Patrício patricio@revistaexpressiva.com.br Jairo Branco jairo@revistaexpressiva.com.br ASSINATURAS Moiziana Santana Costa moiziana@revistaexpressiva.com.br FOTOGRAFIAS Luiz Augusto Del Moura | Antônio Vieira | Claudio Santos | Oneris Lopes | Zé Rabelo | Pablo Gomes | Nando Velho| Cal Ghiorzi | Silviane Mannrich | João Carlos Matias | Divulgação | FOTO DA CAPA: Divulgação TIRAGEM 3.000 exemplares IMPRESSÃO Tipotil COLABORADORES Ricardo Winter | Douglas André Würz | Oneris Lopes | Iran Rosa de Moraes | Fábio Ramos | Ivandir de Deus Santos Silva Esta é uma publicação mensal que trata de temas de interesse geral da comunidade da Serra Catarinense, tais como, política, economia, cultura, turismo, educação, saúde, lazer, agricultura, meio ambiente, eventos e outros. www.revistaexpressiva.com.br falecom@revistaexpressiva.com.br Revista Expressiva REDAÇÃO Rua Afonso Ribeiro, 96 - Centro 88501-040 - Lages - SC (49) 3222-0551 Obs.: As matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores, não necessariamente emitindo opinião desta revista. Janeiro | 2017 | 5

[close]

p. 6

Entrevista Sob nova direção Lages já vivencia uma nova administração S em nunca ter escondido que seu grande sonho, enquanto homem público, era administrar a cidade de Lages, An- tônio Ceron começa a dar seus primeiros passos à frente mais humanizado, e uma atenção especial aos bairros da cidade. Nesta sua missão para os próximos quatro anos ele conta, além do vice-prefeito Juliano Polese, com uma equipe enxuta, garante que não serão mais de 10 secretarias municipal, do executivo municipal. Com o (podendo chegar a no máximo compromisso de atuar com auste- 14), contra as 23 existentes na desde o dia ridade e rigor no gasto do dinheiro gestão passada. Entre os escolhipúblico, ele garante que sua gestão dos estão Antônio César Alves primeiro terá como focos principais a ques- Arruda que comanda a secretaria tão da saúde, com um atendimento da Fazenda, acumulando a pasta de janeiro Antônio Ceron da Administração; a enfermeira Odila Waltrich como secretária da Saúde, a professora Waldirene An- é o prefeito tunes na Educação; o engenheiro Clayton Bortoluzzi na Estrutura e da cidade, Planejamento; o advogado Agnelo Miranda como Procurador do mu- prometendo nicípio; o advogado Airton Xavier como Auditor Geral; e ainda Juran- rigor nos di Agustini na Semasa. gastos públicos e uma atenção especial ao setor da saúde. 6 | Janeiro | 2017

[close]

p. 7

: Prefeito, o senhor nunca escondeu desde a época que frequentava a assembleia, que o seu sonho era ser prefeito de Lages, está realizando um sonho? Antônio Ceron: Estou realizando, era um projeto político, pessoal do grupo e nós agora a poucos dias empossados no cargo temos a oportunidade de realizar, de fazer uma gestão dentro dos princípios pessoais que a gente tem e dentro de uma realidade econômica, cultural que nós estamos vivendo. Então dentro deste aspecto a gente está assumindo a prefeitura e fiel a estes princípios é que nós vamos pontuar e pautar a nossa gestão nesses quatro anos. : E pessoalmente, o que significa para o senhor ser prefeito de Lages? Antônio Ceron: É uma responsabilidade muito grande, estou animado, tenho consciência da realidade, então a gente encara no aspecto pessoal como uma responsabilidade, não tenho vaidade nenhuma pelo fato de ser prefeito, não muda em nada a vida pessoal, mas é uma responsabilidade e nossa meta é melhorar a qualidade de vida das pessoas que moram em Lages, melhorar a questão econômica da cidade, proporcionando com isso mais oportunidade para as nossas pessoas, preparar estas pessoas e quando chegarem as oportunidades que elas estejam preparadas para competir pelas vagas. Queremos dar uma melhora significativa no atendimento na saúde para as pessoas de Lages e melhorar no aspecto de infraestrutura principalmente na questão dos bairros da cidade, nós temos ali a grande maioria das nossas ruas sem calçamento, então esses são os aspectos mais importantes que nós abordamos na campanha e aliados a isso, a austeridade total na gestão do dinheiro público é que a gente vai fazer com que as pessoas de Lages sintam a presença de um amigo na prefeitura. : Qual o seu primeiro grande desafio, que o senhor acabou de citar o que vai acontecer nos próximos quatro anos, que o senhor pretende realizar, agora, de imediato, para esse mês? Antônio Ceron: A melhoria da qualidade do atendimento na saúde, um atendimento mais humano, uma valorização e motivação da equipe de servidores e o exemplo disso aí é a minha presença desde o último dia 2 e todos os dias estar em uma unidade de saúde, em um postinho de saúde exatamente para com isso motivar os nossos funcionários e que a população se sinta protegida e de fato o atendimento na saúde é prioridade do prefeito e do vice-prefeito municipal. : Dentro da área da saúde, uma das modificações mais significativas que ocorreram nos últimos anos foi a implantação da central de atendimento, o senhor pretende manter, melhorar,...? Antônio Ceron: O que estiver funcionando bem a gente vai manter, nós vamos inovar naquilo que for necessário dar mais motivação. Nós temos mais de mil pessoas trabalhando na saúde, essas mil pessoas motivadas, é um batalhão de pessoas de boa vontade trabalhando pelas 170 mil pessoas que precisam do atendimento público, então essa vai ser uma presença constante nossa fazer com que a saúde em todos os aspectos tenha uma melhoria. É evidente que hoje em dia temos tecnologias que também podem ser aplicadas, mas nada substitui o carinho, o afeto e o calor humano. : Outro pilar da administração é o quesito educação, qual é o seu pensamento e sua visão sobre a área da educação? Antônio Ceron: Na educação nós contamos hoje em Lages com uma equipe de professores e servidores da educação da melhor qualificação e talvez não seja, digamos um aspecto salarial, o que eles merecem, mas é sem dúvidas uma das cinco prefeituras de Santa Catarina que dá as melhores condições de trabalho aos servidores neste aspecto e aliados a isso, a determinação nossa da equipe, da secretária professora Waldirene é de fazer exatamente um excelente trabalho e fazer que exatamente a educação seja o bem que liberta as pessoas, que qualifica as pessoas que é deixar a pessoa preparada para a vida desde sua juventude, em Lages então tem essa melhoria para qualidade da educação para nossas pessoas. : Embora na educação a obrigação do município seja com o fundamental, o senhor pretende buscar parcerias para inovar principalmente nesta questão do profissionalizante? Antônio Ceron: Nós estamos vendo modelos que já deram certo em outras prefeituras do Estado para implantarmos em Lages, Estou animado, tenho consciência da realidade, então a gente encara no aspecto pessoal como uma responsabilidade, não tenho vaidade nenhuma pelo fato de ser prefeito.” como por exemplo, a questão do empreendedorismo na escola. A partir dos 10 ou 11 anos os jovens começam a despertar para a responsabilidade de estar preparado para a vida. Nós precisamos despertar nestes jovens exatamente o sentimento do empreendedorismo, tem outros exemplos, mas nós temos um exemplo bem próximo de Lages que é Rio do Sul, quando o prefeito e atual deputado estadual Milton Hobus implantou um projeto que deu resultados extraordinários, então o exemplo de Rio do Sul com outros exemplos que nós temos é que nós vamos estudar e vamos trazer a Lages, fazer com que você tenha escola integral para ensinar matemática, ciências, biologia, mas para que você tenha no contra turno também a prática do esporte, do lazer, da cultura e, além disto, despertar o sentimento de empreendedorismo na nossa juventude. : O senhor falou do esporte, qual a sua prioridade no esporte? Janeiro | 2017 | 7

[close]

p. 8

Entrevista O exemplo que fizemos com a montagem da nossa equipe, não fugi nem meia palavra do que nos empenhamos durante a campanha, que era a gestão austera que é de respeito às pessoas e com o dinheiro público”. Antônio Ceron: A ocupação do tempo da nossa criançada, é importante a interação com o esporte Interacional além de títulos, é importante você participar dos jogos abertos e ganhar título em esporte amador de rendimento, mas nada é mais primordial e importante como dar a estas crianças meninos e meninas, na arte, na cultura e no esporte a oportunidade exatamente de eles ocuparem bem as suas cabeças e suas mentes. : Não podemos deixar de falar que o seu próprio amigo o governador do estado já alerta que o primeiro semestre será crítico economicamente falando, como superar isso? Antônio Ceron: Acho que o exemplo que fizemos com a montagem da nossa equipe, não fugi nem meia palavra do que nos empenhamos durante a campanha, que era a gestão austera que é de respeito às pessoas e com o dinheiro público, e como é que você respeita as pessoas? É fazendo com que uma parte 8 | Janeiro | 2017 do dinheiro público que é fruto do seu imposto ele reverta em benefícios de serviço, saúde e educação e também de infraestrutura. Então no modelo em que nós montamos uma equipe em torno de 10 secretarias municipais aos passos de 23 que nós tínhamos em Lages, é o modelo que nós precisamos fazer economia, em época de crise você tem que exatamente aproveitar os recursos e motivando bem a equipe fazendo austeridade em todos os sentidos desde o secretário até o mais humilde servidor, nós temos a consciência de que nós somos servidores públicos, servidor público é pra servir o público e é exatamente esta mensagem administrativa que todos os dias estamos colocando a nossa equipe e que eu entendo que a sociedade de Lages já está vendo, olhando e observando essas mudanças de conceito administrativo. : O senhor vai herdar um orçamento que não foi feito pela sua equipe, mas pela atual administração. Até que ponto isto pode impactar os seus planos? Antônio Ceron: Não, não é tão negativo. O aspecto negativo do orçamento é que foi aprovado R$ 550 milhões e que não vai ser executado porque nós estamos com a arrecadação parada ou em queda e os custos, as despesas subindo a inflação no alto, então nós faremos o que tem que ser feito e trabalhar dentro do fluxo de caixa se nós, por exemplo, pegar os orçamento de R$ 550 milhões e dividir por 12 meses vou gastar e dar liberdade para eles gastarem todo mês isso quando chegar o mês de junho você vai fechar a prefeitura, nós vamos trabalhar com o regime de fluxo de caixa exatamente para que a gente não tenha surpresas na frente, e nós temos a expectativa de que a economia comece a caminhar, a andar a passos lentos, mas depois acelere e aí a gente também com o aumento da arrecadação e com a austeridade no gasto do dinheiro público sobre recurso exatamente para aquelas aspirações que o povo lageano têm e que nós precisamos que a prefeitura atenda. : O ex-prefeito Toni Duarte declarou no final de dezembro que a dívida do município é de R$ 85 milhões. É administrável? Antônio Ceron: É, se fosse R$ 180 milhões teria que ser administrável. Temos que lembrar que parte desta dívida vem de outras administrações, não apenas da do Toni, então o débito é da prefeitura municipal. Eu sou prefeito municipal e nós vamos exatamente administrar essa herança recebida e vamos fazer com que exatamente lá na frente com austeridade que nós vamos implementar, nós não tenhamos de novo lá na frente esse desequilíbrio de caixa que hoje ele é decorrente em quase todos os municípios do estado em quase todas as cidades e na união não é diferente. : Por falar em dívidas, uma que sempre martela e que se arrasta vai e volta é o LagesPrevi. Qual a sua visão em relação a isso? Antônio Ceron: Bom, nós vamos daqui a pouco encomendar um estudo exatamente para que o nosso servidor tenha consciência da realidade da situação, por exemplo este mês de janeiro se a prefeitura fosse pagar a folha agora no final do mês com a arrecadação do mês teria que pegar dinheiro de outra fonte, só está sendo possível a renda do saldo do dinheiro do final de janeiro do LagesPrevi para pagar a folha dos aposentados porque estão entrando nestes meses recursos que estão vindo de parcelas de dívidas atrasadas, então não é só a arrecadação mensal, se não tivesse esse atrasado, ela já estaria deficitária hoje, eu imagino sem fazer o cálculo atual que em poucos anos o LagesPrevi estará totalmente incapacitado. Agora nós temos realidades, o Brasil começando a cobrar taxa de 14%, mais de 11 que é o caso de Lages pelo todo não vou dissipar aqui que vá fazer, mas se todos os estados, municípios e a união está fazendo nós vamos daqui a pouco conversar com os servidores porque o Lagesprevi é do servidor, não é para o prefeito e não é para a prefeitura, é do servidor, então exatamente se reunir com eles, com os sindicatos, com os líderes e encontrar a melhor maneira de nós fazermos uma boa gestão do LagesPrevi. : Quanto a essa questão da prefeitura, tá fortemente atrelada com o cenário nacional. E por exemplo, o senado aprovou a PEC dos gastos, 20 anos congelados e há outras mudanças estruturais que o governo está trabalhando para fazer, como o senhor vê essa conjuntura? Antônio Ceron: É um cenário preocupante, em boa hora o governo federal tomou medidas amargas que normalmente o político não gosta de tomar e vai até como uma questão

[close]

p. 9

com um pouco de ironia, normalmente a oposição trava o governo de gastar e o governo quer gastar mais, aqui o governo quer gastar menos e a oposição quer liberar o gasto, então há uma dicotomia entre líderes de posicionamento, entre posição e a realidade do Brasil, mas a realidade está posta e já não conseguindo pagar , nós temos um problema da previdência é que do jeito que a coisa é tratada, ela não vai dar em nada a reforma, então o que vai acontecer, lá na frente não vai ter dinheiro para pagar, mas ninguém quer perder, então você hoje não quer perder um pouco e talvez tu perca bastante lá na frente, nós temos que ter mais responsabilidade no trato da coisa pública e torcer que essas medidas amargas venham para o bem do Brasil, politicamente falando quem desgraçou o Brasil economicamente foi o governo do PT, teve coisas boas, teve, mas economicamente destroçou o Brasil, essa é a realidade, no entanto hoje a oposição tá criticando o governo como se ela seja a causadora dos 13 milhões de desempregados, do desequilíbrio financeiro, então se fala muito do negócio de se ter vantagem na notícia que você dá. O agente político-público, ou ele tem mais responsabilidade ou nós vamos com o Brasil na frente sem muito futuro, precisa que nós agentes políticos tenhamos mais responsabilidade com o trato da coisa pública. : E esta questão da judicialização do Brasil, porque está tudo indo pra justiça? Antônio Ceron: É, nós estamos vivendo em um momento crítico, mas eu digo importante, nós vamos sair, dessa situação melhor do que nós entramos, então apesar desta dificuldade de hoje você tocar uma obra, de você fazer as coisas andarem justamente por causa da judicialidade, mas eu entendo que o momento vai trazer bons frutos para o país, por exemplo o combate a corrupção, ela é uma necessidade no mundo, o Brasil precisava passar por isso, não são só esses nomes que estão aparecendo hoje é que, se é que tem mal feito, mas essa geração está fazendo uma mudança, então tomara que disso ai o Brasil saia bem. : O que o senhor pode dizer do nosso povo lageano? Antônio Ceron: Eu sempre peço a Deus que ilumine não só a minha pessoa, mas toda a equipe e a gente tenha força para fazer um grande trabalho em Lages, eu serei uma pessoa muito feliz se ao final destes quatro anos eu puder encontrar Lages mais justa, mais fraterna e com menos pessoas tendo as necessidades que hoje tem, eu quero ajudar a despertar no lageano o sentimento de compaixão de que cada um que tenha um pouco para dar, não esteja constrangido e faça essa doação em favor de muitas pessoas, de muitas famílias de Lages que precisam da mão estendida do próximo e nunca vou me esquecer : a criança, a mulher e o idoso eles estão desamparados, eles estão desprotegidos, eles não são fortes sozinhos para enfrentar a situação, preciso que quem tenha condições que ajude essas pessoas que tanto precisam em Lages. : E o empresariado, especificamente, o empresário, o empreendedor, o comerciante o que o senhor tem a dizer a eles? Antônio Ceron: Eles são os verdadeiros heróis em manter a sua atividade, eles são empreendedores, eles sabem que daqui a pouco a questão econômica vai melhorar e a parceria, o apoio do amigo, da prefeitura municipal, vai daquilo que for da sua responsabilidade possível ela possa ser exatamente esta pessoa e esse apoio amigo aos empreendedores, à necessidade da geração de emprego e renda, nenhuma pessoa tem algo mais que dê dignidade que é o emprego com carteira assinada muitas vezes não com o salário que ele merece mas que é compatível e esta é a transformação que nós queremos ser agentes desta transformação em Lages. : O senhor fala muito do voluntariado... Antônio Ceron: Nós vamos despertar, nós vamos trabalhar muito forte nesta gestão com o voluntariado e eu falo em voluntariado e cito algumas entidades que englobam tantas pessoas anônimas que fazem esse trabalho hoje, mas eu digo Janeiro | 2017 | 9

[close]

p. 10

Entrevista que tipo “Lages sem fome”, as igrejas, os clubes de serviço: Lions, Rotary, essas pessoas, clube da lady, nós temos tantas entidades de pessoas que ajudam, nós vamos tentar utilizar essa mão de obra qualificada, não é nem barata, é de graça para ajudar as pessoas que tanto precisam. : E a questão do turismo na sua administração? Antônio Ceron: Você deve tratar o turismo como uma atividade econômica, dai você diz agora vai ter secretaria de turismo, não é a secretaria de turismo que vai, ela vai dar emprego para alguém? Nós precisamos de pessoas qualificadas para trabalhar no turismo e fazer a parte do homem, a parte da natureza divina, ela foi pródiga com a região serrana, nós não fizemos a nossa parte, vamos traçar um parâmetro entre duas regiões próximas, a serra catarinense e a serra gaúcha, você não pode comparar obra divina da gaúcha com a de Santa 10 | Janeiro | 2017 Catarina, mas no entanto lá o homem foi empreendedor e aqui não, esse sentimento de empreendedor que tem que ter, isso não vai ser o prefeito que vai fazer, isso é o empreendedor, as pessoas, evidente que o governo estadual, municipal devem ajudar também. Hoje com a chegada da atividade do vinho tá trazendo empreendedores com potencial econômico, esse é um grande passo para que a gente avance, mas nós precisamos acelerar esse avanço, então tudo o que é atividade econômica ela tem que ser estimulada, e o turismo é com certeza, e Lages por ser um polo tem que ter uma grande rede hoteleira que já tem, temos que ter uma rede grande de gastronomia, que nós já temos, nós podemos ampliar exatamente porque ninguém vem fazer turismo na serra e vai ficar 10 dias em São Joaquim, em Lages e em Urubici, ele vai ficar 2,3 e onde que é polo, é lá em Lages, Lages é o grande beneficiário que a região serrana cresça como polo de turismo. : Falamos em turismo, então não podemos deixar de falar dos eventos, Lages tem três grandes eventos, Festa Nacional do Pinhão, o Natal Felicidade, e um que já foi alto, caiu e tá patinando que é o Fetel. O que podemos esperar para esses três eventos? Antônio Ceron: Bom, é evidente que o carro chefe é a festa do pinhão, o Fetel já foi mais, mas hoje tá meio adormecido, e o natal felicidade que eu gosto de chamar de Brilho de Natal, essa é a marca que veio, não sei por que mudaram o nome, ainda vou descobrir porque pra mim ainda é brilho de natal, isso de mudar nome em cada gestão eu sou contra, mas tudo bem vamos lá: a festa do pinhão me agrada o modelo que foi implantado, que começaram a implantar na última gestão, precisa avançar mais, a prefeitura tem que sair um pouco desses eventos, não é papel da prefeitura nem fazer o natal felicidade nem a festa do pinhão, ela tem que ser incentivadora, animadora, na verdade a prefeitura tem que gastar menos do que está sendo gasto na festa do pinhão, tem que fazer a família lageana voltar para a festa do pinhão, tem que fazer os artistas lageanos voltarem para o palco na festa do pinhão, não ser só uma festa de shows nacionais, não é pra isso que foi criada a festa do pinhão, então nós avançamos, mas em alguma coisa nós temos que voltar lá atrás e fazer com que a festa seja mais caseira até porque 75% das pessoas que foram na última festa são de Lages, mas é que tem um outro detalhe, 70% de Lages não foi na festa, então tem um paradoxo aí, 75% das pessoas que foram eram de Lages, mas se tu faz uma pesquisa 70% dos lageanos não foram, então tem que voltar a família lageana e colocar artistas lageanos também na festa do pinhão, mas eu acho que houve um avanço e vamos trabalhar. O Fetel na área da cultura, eu tenho uma prioridade, que é universalizar em Lages a cultura, a cultura não pode ser em Lages só para filho de papai rico, não pode, o nosso humilde lá do bairro tem que ter a escola de arte, a escola de dança, tem que levar isso a eles, o dinheiro público é pra quem mais precisa, o Fetel então é como um segundo ou terceiro degrau, mas eu quero exatamente dar este valor à arte, à dança, à cultura nos bairros de Lages e daí eu venho para o Brilho de Natal, eu não sou favorável de fazer o Brilho de Natal, do Natal Felicidade, um novo festival de shows nacionais eu gostaria de ver em cada bairro em cada praça pública os corais de Lages, em cada escola municipal com o seu coral fazer a sua festinha com músicas natalinas então eu não sou favorável de tirar o dinheiro público, para fazer shows nacionais como na festa do pinhão, zero de chances, todo incentivo para os nossos corais que façam festas natalinas, uma festa familiar, entendeu? Nós vamos fazer em parceria com a CDL, agora com um detalhe, é parceria, iniciativa privada e prefeitura, e não prefeitura fazer tudo aí fica muito cômodo, vamos fazer a parceria como sempre foi feita, cada lojista arruma a frente da sua loja e não a prefeitura ter que fazer tudo também então esta “mamata” não tem, tem que ter participação.

[close]

p. 11

NovaVersão Onéris Lopes imprensa@amures.org.br Ônibus do Programa Mulher Viver Sem Violência na ação realizada na comunidade de Dela Costa, em Campo Belo do Sul Covardia doméstica A parada em Campo Belo do Sul, do ônibus do Programa Mulher Viver Sem Violência parece não ter surtido o efeito imediato. Duas semanas após a ação educativa na localidade de Dela Costa, uma mulher foi alvejada a tiros pelo marido e ficou paraplégica. Mais um número na estatística da Serra Catarinense, de violência contra a mulher. Levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revela que em Santa Catarina, quase 50 mil mulheres são vítimas todo ano de violência física ou psicológica. A Secretaria de Estado de Segurança Pública registrou 53 mortes de mulheres em 2015, ocorridas em violência doméstica. Do total das ocorrências, 51 foram passionais, ou seja 96% são maridos e companheiros que não admitem a separação do casal. A opressão à mulher no interior da região é simplesmente assustadora. Chega às raias do inimaginável. Para poder participar das palestras oferecidas pela equipe do ônibus do Programa Mulher Viver Sem Violência, muitas participantes tiveram de mentir aos maridos que iriam à escola para uma reunião com os professores. Uma clara demonstração de subserviência total aos “companheiros”. Daqui dois meses acontecem inúmeras ações, pela passagem do Dia Internacional da Mulher – 08 de março. Se repetir em 2017 os números de violência das estatísticas, ao menos 20 mulheres terão sito mortas no primeiro trimestre no Estado. As ações preventivas devem ser intensificadas e em especial, as punitivas aos criminosos. Do contrário Santa Catarina e a Serra Catarinense continuarão dando grande contribuição para que o Brasil ocupe o quinto lugar no ranking dos países com maior número de crimes praticados contra mulheres. Só em 2015, o Sistema Único de Saúde – SUS atendeu cerca de 148 mil mulheres vítimas de violência. A violência física é a mais frequente, presente em 48% dos atendimentos realizados pelo SUS. Em segundo lugar, a violência psicológica, que representa 23% dos casos. E ainda, a violência sexual que aparece em terceiro lugar com 12%, das ocorrências desta triste estatística do nosso cotidiano. Legislar em causa própria No apagar das luzes de 2016, a Câmara de Vereadores de Lages aprovou uma emenda que altera os artigos 38 e 42 da Lei Orgânica do Município e permite que o vereador licenciado ocupe qualquer cargo público nas três esferas da administração pública municipal, estadual e federal. Era tudo que queriam alguns vereadores, que estão de olho em cargos públicos fora de Lages, sem perder a “teta” da câmara de vereadores. A lei previa apenas que o detentor de cargo de vereador poderia assumir secretaria no próprio município ou cargos nas esferas estadual e federal, mas não em outras prefeituras. A emenda é uma afronta aos eleitores que pensaram ter eleito vereador em Lages, mas que pode ocupar cargo público em outra prefeitura. Este tipo de decisão pode até não ser ilegal, mas certamente é imoral com aqueles que votaram pensando ter um representante na câmara em Lages. Uma pousada digna da beleza de Urupema Da Patagônia na Argentina para a Lagoa da Conceição, em Florianópolis. E agora, em Urupema. A família Rio Apa acaba de adotar a cidade mais fria do Brasil, como o novo nicho de investimentos. E não foi para menos. A pousada de montanha Reserva Faldum, a 1.400 metros acima do nível do mar é um legítimo cartão postal. Atraídos pela mídia, a família Rio Apa sonhou primeiro ter uma casa de campo na Serra Catarinense. A proposta evoluiu e se transformou em pousada. Foram cinco anos de construções e desde 18 de julho, estão sendo aceitas reservas. Carla Rio Apa é quem cuida dos detalhes da pousada junto com o marido, o advogado Kim Heilmann Galvão do Rio Apa. Numa área de 38 hectares, entre montanhas, pinheirais, muita água e uma riquíssima fauna, a Pousada Faldum se consolida como uma referência a quem visitar Urupema a partir de agora. Janeiro | 2017 | 11

[close]

p. 12

Saúde Sífilis: uma questão de prevenção Doença sexualmente transmissível pode gerar danos irreparáveis a saúde e atingir os fetos. Programa desenvolvido na Serra Catarinense visa reduzir os números desfavoráveis. AUso do preservativo nas relações sexuais evita a transmissão da bactéria da Sífilis Sífilis é uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum. A contaminado, ou durante a gestação ou o parto. “O uso do preservativo e os cuidados na gravidez são formas simples, confiáveis e baratas de prevenção”, diz A Sífilis adquirida nas relações sexuais gera feridas nos órgãos sexuais e caroços nas virilhas, e produz manchas em várias partes do corpo com o doença é transmitida a Coordenadora Regional de passar do tempo. “As feridas, nas relações sexuais sem camisi- Atenção Básica, Daniela Rosa de os caroços e as manchas não nha, nas transfusões de sangue Oliveira. doem, não coçam, não ardem, e 12 | Janeiro | 2017

[close]

p. 13

A Coordenadora Regional de Atenção Básica, Daniela Rosa de Oliveira, desenvolve ações voltadas à redução da mortalidade infantil, fetal e materna Doença pode ser transmitida da gestante para o feto através da placenta desaparecem sem tratamento. Mas a doença continua se desenvolvendo, até gerar complicações graves, como cegueira, paralisia, doença cerebral, problemas cardíacos e morte”, explica. A Sífilis transmitida da gestante para o feto através da placenta (Sífilis Congênita) pode gerar lesões neurológicas, cardíacas, oftálmicas e articulares irreversíveis, abortamento e morte fetal. “É importante ressaltar que o diagnóstico precoce e o tratamento apropriado da gestante são medidas eficazes na prevenção da doença”, ressalta Daniela. A profissional participa da Câmara técnica da Rede Cegonha da Serra Catarinense. Ela desenvolve ações voltadas à redução da mortalidade infantil, fetal e materna. “É um projeto que envolve vários órgãos de saúde (Gerencia Regional de Saúde, Hospital Tereza Ramos, Hospital Infantil Seara do Bem, Secretaria de Saúde de Lages, Comissão Inte- gração Ensino e Serviço, e Comitê de Prevenção de Óbitos)”, diz ela. O trabalho denominado “Rede Cegonha da Serra Catarinense: Uma Experiência Exitosa na Educação Permanente” visa reverter os números alarmantes dos municípios serranos. A iniciativa pretende reduzir os 265 novos casos de Sífilis registrados na região somente entre os meses de janeiro e agosto de 2016. “Esses números são preocupantes, e acompanham a média do restante do estado”, ressalta. O projeto investiga e trata o recém-nascido antes da alta, monitora e sistematiza os dados, acompanha as gestantes, corrige as vulnerabilidades dos serviços ligados ao atendimento das pacientes com Sífilis, e capacita profissionais da Atenção Básica de Saúde. O projeto visa melhorar a qualidade do atendimento pré-natal. O trabalho recebeu o prêmio “InovaSUS” da Organização Pan-americana de Saúde. Doença gera caroços e manchas no corpo Janeiro | 2017 | 13

[close]

p. 14

Empreender A Arte do Vime A Vime Vaz é fruto do talento e da dedicação de um homem apaixonado pelo ofício. A empresa fabrica móveis, brinquedos, enfeites, carrinhos de boneca e cestas de diversos modelos e tamanhos. Pedro dos Santos Vaz nasceu em 1964, no município de Cerro Negro (que na época pertencia a Anita Garibaldi). Mudou-se para Lages com a família na infância. Aprendeu a confeccionar artigos de vime com um tio aos quinze anos. “Eu precisava dar um rumo para a minha vida, e aceitei o convite para trabalhar. Abracei a oportunidade, e comecei a fazer cestas e enfeites”, relata. A paixão pelo trabalho viabilizou uma nova oportunidade profissional. O talento abriu as portas da Fábrica de Artefatos de Vime Tomazelli. A diligência assegurou o emprego por onze anos. “Foi uma grande experiência. Aprendi a fazer vários tipos de móveis para atender grandes demandas. Foi uma verdadeira faculdade”. Pedro desligou-se da empresa em 1996 para montar o próprio negócio. Ele decidiu aplicar as economias na realização de um sonho. Investiu os recursos, o tempo e o talento na criação da Vime Vaz. “Foi uma decisão difícil, mas assumi o risco porque sabia que podia prosperar no ramo”. 14 | Janeiro | 2017

[close]

p. 15

Pedro iniciou o negócio no bairro Vila Mariza, depois se mudou para o Santa Helena (endereço atual). Ele aperfeiçoou o talento e expandiu a linha de produtos ao longo dos anos. E foi conquistando a admiração e a confiança dos clientes, e o reconhecimento do mercado. “Sempre priorizei a qualidade, para satisfazer os compradores”. Hoje a Vime Vaz fabrica vários tipos de móveis (camas, berços, sofás, banquetas, armários, cadeiras de balanço, mesas, bancos, cômodas, baús), brinquedos, enfeites, fruteiras, carrinhos de boneca e cestas de diversos modelos e tamanhos (a empresa confeccionou mais de três mil peças para as demandas do último Natal). Pedro emprega o filho mais novo, Luiz Miguel. E ele encara cada trabalho como um novo desafio. “A atenção é fundamental, a pressa é inimiga da perfeição, e a dedicação garante a qualidade do produto”. O empresário ressalta que o processo de fabricação e o modo de utilização definem a durabilidade. “Um produto de vime resiste ao tempo se for bem cuidado, mas estraga rapidamente se ficar exposto ao sol ou a chuva”, explica. “O jogo de sala que fabriquei para a minha irmã há mais de trinta anos continua bonito porque é bem cuidado”, relata. Pedro considera o vime pouco valorizado em comparação a outras matérias-primas. “A dedicação que empregamos na confecção artesanal dos artigos não é levada em conta no valor de venda”. Mas ele encara o ofício com prazer e satisfação. “É uma paixão, e é o que sei fazer, por isso faço bem feito”, finaliza. Lages agora pode contar com o melhor plano de saúde Site - www.pladisa.com.br / Contato - (49) 3224 7583 / 3566 0811 Av. Belisário Ramos, 3736, Bairro Sagrado Coração de Jesus, Lages-SC Janeiro | 2017 | 15 ANS - n.º 41.948-6

[close]

Comments

no comments yet